Efeito da aplicação de ecg ou hcg 7 dias após a IATF no desenvolvimento das estruturas ovarianas e nas taxas de prenhez de vacas de corte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeito da aplicação de ecg ou hcg 7 dias após a IATF no desenvolvimento das estruturas ovarianas e nas taxas de prenhez de vacas de corte"

Transcrição

1 Acta Scientiae Veterinariae, (4): ORIGINAL ARTICLE Pub ISSN (Online) Efeito da aplicação de ecg ou hcg 7 dias após a IATF no desenvolvimento das estruturas ovarianas e nas taxas de prenhez de vacas de corte Effect of Administration of ecg or hcg 7 Days after FTAI on the Development of Ovarian Structures and Pregnancy Rates in Beef Cows Fábio Wecker¹, Diego Xavier Thedy², Andressa Varella Gonsioroski³ & João Batista Souza Borges 4 ABSTRACT Background: The early embryo development is affected by the progesterone concentration, especially on the first weeks after conception. It s well known that the size and weight of corpus luteum (CL) is positive correlated with higher progesterone production. The use of treatments that increase luteal function in different periods after fixed timed insemination (FTAI) has been tested recently, aiming better embryo survival rates and pregnancy establishment. The objective of this experiment was evaluate the effect of treatment with hcg or ecg 7 days after FTAI on the development of the CL, follicle growth and pregnancy rate in beef cows. Materials, Methods & Results: Two hundred and nineteen Brangus cows were synchronized to FTAI using intravaginal implants containing 1g of progesterone for 8 days and injecting 2 mg of estradiol benzoate (EB), on the first day of treatment. All cows received 150 mcg of D-Cloprostenol, i.m., on Day 8 and 24 h after, 1 mg of EB, i.m. The timed AI were done h after the implant removal. Seven days after the AI the cows were randomly assigned in 3 different groups according the treatment. hcg (n = 40) receiving 1500 IU of hcg, i.m.; ecg (n = 41) injection of 400 IU of ecg, i.m., and Control (n = 138). The ultrasonographic examinations were done on days 0, 7 and 12 to determine the presence and diameter of follicles, area of CL on the subgroups hcg (n = 26), ecg (n = 26) and Control (n = 14). The pregnancy diagnosis was done 30 days after FTAI and another exam was done 60 days after FTAI only on the cows that were pregnant on day 30 to verify the embryonic loss. The statistical analyses were performed using the SPSS for Windows. Pregnancy rates were compared by chi-square test, other parameters by ANOVA, the means were compared by Tukey test. The pregnancy rates of FTAI were 60.98% (25/41), 45% (18/40) and 40.58% (56/138) to ecg, hcg and Control, respectively, without statistic difference (P = 0.07). Even using 8 different sires in the inseminations, the pregnancy rates were similar (P = 0.76). The size of the ovulatory follicle on the day of the FTAI didn t differ among the groups (P = 0.12). The ovulatory rate was 82%. The mean±sem follicle diameter found on D7 didn t differ (P = 0.21), but the evaluation on D12, the diameters were 8.6 ± 4.73 (ecg), 2 ± 6.85 (hcg); 3.74 ± 4.7 mm (Control) and differed among the groups (P < 0.01). The CL area (cm²) on D7 was similar for the groups (P = 0.21), on D12 the areas were 3.05 ± 1.22; 3.97 ± 1.82; 2.65 ± 1.22 to ecg, hcg and Control group respectively (P = 0.014). It was observed the presence of a CL with area higher than 2 cm² in 80.8% of the cows of the groups ecg and hcg, meanwhile the Control group had only 54.2%. The control group had the lowest CL growth rate, 0.23 ± 0.52 cm²/day, the ecg treated had intermediary growth, 1.01 ± 1.17 cm²/day and the ones that received hcg had the highest daily growth (1.32 ± 1.63 cm²/day). Discussion: Although 20 percentage points above in the cows treated with ecg in comparison to the Control group, the pregnancy rates were statistically similar. Results indicate that treating cows with hcg 7 days after the FTAI promotes improved size of CL, induced ovulation of follicles between days 7 and 12 after FTAI causing the development of accessory CL, and the use of ecg stimulates growth of CL and follicles. Keywords: ecg, FTAI, corpus luteum, beef cows. Descritores: ecg, IATF, corpo lúteo, vacas de corte. Received: April Accepted: August 2012 *Trabalho baseado na dissertação de mestrado apresentada pelo primeiro autor ao Programa de Pós-graduação em Zootecnia (PPG Zootecnia), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brazil. 1 M.V. Autônomo. 2 Mestrando, PPG Zootecnia-UFRGS. 3 Bolsista IC, Faculdade de Veterinária (FaVet), UFRGS. 4 Departamento de Medicina Animal, FaVet, UFRGS. CORRESPONDENCE: F. Wecker - Fax: +55 (51) ]. Unidade de Reprodução de Bovinos, Faculdade de Veterinária, UFRGS. Av. Bento Gonçalves n. 9090, Bairro Agronomia. CEP Porto Alegre, RS, Brazil. 1

2 INTRODUÇÃO Tratamentos hormonais capazes de incrementarem o reconhecimento materno da gestação e a redução das perdas embrionárias e fetais nos estágios iniciais da gestação têm sido estudados como alternativas para melhorar as taxas de prenhez de vacas de corte submetidas a IATF [15,17]. Existe uma relação positiva entre o tamanho e o peso do corpo lúteo (CL) nos primeiros dias de desenvolvimento e a maior produção de progesterona [12]. A elevação precoce na concentração de progesterona após a concepção promove o desenvolvimento embrionário e a síntese de interferon-tau melhorando o reconhecimento materno da gestação em bovinos [10]. O uso de hormônios luteotróficos tem sido testado como alternativa para elevação das taxas de prenhez em programas de inseminação artificial (IA) em vacas de corte e leite [9,11,14,15]. O uso de ecg 14 dias após a IATF em vacas de corte promoveu elevação na taxa de prenhez e foi relacionado com o aumento da atividade luteal e melhor desenvolvimento placentário [15]. A aplicação de ecg em vacas leiteiras promoveu o crescimento folicular, aumento o tamanho do CL elevação na concentrações de progesterona [16]. Estudos com vacas leiteiras de alta produção inseminadas e em receptoras de embrião, demonstraram que a aplicação de hcg no dia 5 [17] ou no dia 7 [21] induz a formação de CL acessório, melhorando a sobrevivência embrionária e as taxas de prenhez. Este estudo teve como objetivo avaliar os efeitos dos tratamentos com ecg ou hcg sobre o tamanho CL, formação de CL acessório, crescimento folicular, e sobre a taxa de prenhez e perdas gestacionais entre 30 e 60 dias em vacas de corte. MATERIAIS E MÉTODOS O experimento foi realizado na Estação Experimental Agronômica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, localizada no município de Eldorado do Sul, região ecofisiográfica da Depressão Central do Rio Grande do Sul. A propriedade situa-se no paralelo latitude sul e no meridiano longitude oeste de Greenwich. O clima na região estudada é o Cfa (subtropical úmido), com verão quente, segundo a classificação de Köppen-Geiger. O relevo da área é levemente ondulado, sendo que no topo é representado, na maior parte, Argissolo Vermelho Distrófico Típico [4]. O período experimental à campo transcorreu durante a estação de reprodução da fazenda, entre 29 de novembro de 2010 e 7 de fevereiro de 2011, coincidindo com o diagnóstico confirmatório de prenhez aos 60 dias após a IA. Os animais foram mantidos em campos constituídos de pastagem natural com carga de 400 kg/ ha, sal mineral a vontade e submetidos ao programa de controle sanitário adotado pela propriedade. Foram utilizadas 219 vacas solteiras da raça Brangus e cruzas, com idade variando entre 4 e 8 anos de idade. Os animais foram divididos em três grupos experimentais de maneira aleatória, a partir do dia 7 após a IA, mantidos na mesma área de campo até o final do experimento. O grupo ecg foi constituído por 41 vacas que receberam tratamento hormonal a base de Progesterona e Benzoato de estradiol para indução e sincronização do estro e da ovulação. As vacas receberam um dispositivo intravaginal contendo 1g de progesterona¹ associado com uma injeção de 2 mg de Benzoato de estradiol², intramuscular no dia 23/11/2010. Após 8 dias, pela manhã, o dispositivo foi removido e injetouse 150mcg de D-cloprostenol³, intramuscular. Após 24 h, foi aplicado 1 mg de Benzoado de estradiol, intramuscular. A IA foi realizada a tempo fixo entre 52 e 56 horas após a retirada do dispositivo, dia 0 (D0). Sete dias após a realização da IATF (D7), todos animais do grupo ecg receberam 400 UI de ecg 4, intramuscular. O Grupo hcg foi composto por 40 fêmeas que receberam o mesmo tratamento hormonal para realização da IATF como descrito para o grupo ecg, porém, sete dias após a realização da IATF, receberam 1500 UI de hcg 5, intramuscular. Para a composição do grupo Controle, foram utilizados 138 animais que receberam o mesmo tratamento hormonal para realização da IATF, mas não receberam tratamento hormonal posterior a IA, recebendo 5 ml de solução salina e sendo manejados em conjunto com os lotes ecg e hcg. No dia da IATF, todos os animais foram manejados em conjunto, sendo as IAs realizadas por um único inseminador. Para as IAs foi utilizado sêmen congelado de oito reprodutores Brangus, com parâmetros normais de motilidade e patologia espermática avaliados previamente. Os parâmetros reprodutivos expressos em percentual foram avaliados como segue: 2

3 - Taxa de ovulação: número de animais com corpo lúteo detectado no D7 dividido pelo número de animais controlados por US no D0. - Taxa de crescimento diária do CL entre D7 e D12: Soma dos valores da área do CL no D12, subtraído da área do CL no D7, dividido por 5. - Taxas de prenhez: Número de vacas prenhes, dividido pelo número de vacas submetidas à sincronização de estros e IA. - Taxas de perdas gestacionais: Número de vacas vazias aos 60 dias após serem diagnosticadas prenhes aos 30 dias, dividido pelo número de vacas prenhes no grupo aos 30 dias. As ultrassonografias transretais foram realizadas utilizando um ultrassom portátil 6 equipado com transdutor retal linear de 5 MHz. Foi formada uma amostra aleatória entre cada grupo de animais e estes foram examinados nos Dias 0, 7 e 12 pós IATF, sendo os subgrupos ecg (n = 26), hcg (n = 26) e o Controle (n = 24). Os exames foram realizados no D0 para determinação do diâmetro do folículo ovulatório (FO), no dia da administração dos hormônios (D7) para avaliação da presença e área do CL ou de folículos antes da aplicação dos hormônios. No Dia 12 (5 dias após a aplicação de ecg ou hcg) novo exame foi realizado para evidenciar o efeito dos tratamentos sobre as estruturas. Para avaliação do folículo ovulatório, utilizando o modo-b, foram examinados os dois ovários para procura do folículo com maior diâmetro aparente, a imagem foi congelada (função Freeze) e foram posicionados os cursores (função Measure) de forma que atingissem o maior diâmetro da circunferência. Os valores encontrados para diâmetro dos folículos foram expressos em milímetros (mm). Foi utilizada a mesma metodologia para controle dos folículos em crescimento nos Dias 7 e 12. Foram considerados dominantes os folículos maiores que 8,5 mm. Para a verificação da área dos CL, a imagem era congelada (modo-b) e utilizada a função Area, marcando o perímetro total do CL, esta expressa em cm 2. Para realização do diagnóstico de gestação, exames ultrassonográficos foram realizados aos 30 e 60 dias após a IA. O animal foi dado como prenhe se ao exame de ultrassom fosse visualizado conteúdo líquido anecóico e o embrião ou feto no lúmen uterino. Aos 60 dias foi realizado um novo exame em todas as fêmeas prenhes para confirmação da gestação, através da visualização do feto ou para determinar as perdas embrionárias. As análises estatísticas foram realizadas utilizando o programa SPSS versão 18.0 for Windows. Os dados referentes à taxa de prenhez das fêmeas utilizadas no estudo foram analisados por quiquadrado, para os valores de folículo dominante (FD), folículos medidos no D7 e D12, CL no D7 e D12, soma das áreas do CL no D12, diferença entre CL, foi utilizado ANOVA, com significância de P < 0,05. Para comparação das médias foi aplicado o teste de Tukey e foram considerados significativos valores de P < 0,05. Figura 1. Esquema dos tratamentos dos grupos ecg, hcg e Controle. BE - Benzoato de estradiol; PGF2α - Prostaglandina F2α; IATF - Inseminação artificial a tempo fixo; DIB - implante intravaginal contendo 1g de progesterona. 3

4 RESULTADOS O diâmetro do folículo ovulatório no momento da IA, não apresentou diferença entre os três grupos (P = 0,12), variando de 9,48 a 11,58 mm. Considerando a totalidade dos animais avaliados, o diâmetro médio e o desvio padrão do FO foram de 10,18 ± 3,76 mm. Neste experimento, a taxa de ovulação foi determinada a partir de dois exames ultrassonográficos, sendo considerado resultado positivo para os animais que apresentaram um FO com diâmetro maior que 8,5 mm no dia da IATF (D0) e um CL em no mesmo ovário e localização no D7. A taxa de ovulação foi de 82%, considerando a totalidade da amostra examinada (n = 76), composta por animais dos três grupos experimentais em proporções semelhantes. A avaliação inicial do CL foi realizada no momento em que foram realizados os tratamentos hormonais, no D7 após a IATF, não sendo evidenciada diferença estatística entre as áreas 2,06 ± 0,45 cm 2 (ecg), 1,90 ± 1,76 cm 2 (hcg) e 2,19 ± 0,6 cm 2 (Controle) (P = 0,67). As médias e desvios padrões das áreas de CL no Dia 12 foram 3,05 ± 1,22 cm 2 (ecg), 3,97 ± 1,82 cm² (hcg) e 2,65 ± 1,22 cm 2 (Controle), com diferença significativa entre os três grupos (P = 0,0141). Ao analisar a presença de CLs acessórios após o tratamento no D7, verificou-se que no grupo Controle não foram identificados CLs acessórios, no grupo ecg identificou-se apenas 1 animal apresentando dupla ovulação entre os 26 analisados no grupo, enquanto no grupo hcg foi determinada a presença de 10 animais dentre os 26 analisados contendo CLs acessórios, e entre estes, 3 animais apresentaram 3 CLs, sendo assim, o grupo hcg diferindo significativamente dos demais (P < 0,01). De acordo com as áreas medidas nos D7 e D12, foi possível determinação a taxa de crescimento diário do CL em cm 2 para o período. As vacas do grupo Controle apresentaram menor crescimento, de 0,23 ± 0,52 cm 2 /dia, as que receberam ecg tiveram aumento intermediário, 1,01 ± 1,17 cm 2 /dia e as tratadas com hcg foram as que apresentaram maior crescimento diário (1,32 ± 1,63 cm 2 /dia). Observou-se a presença de CL com área superior a 2 cm 2 em 80,8% dos animais no grupo hcg, e do ecg, enquanto no grupo controle 54,2% (Tabela 1). Tabela 1. Frequência de corpos lúteos de acordo com respectivas áreas observadas por ultrassonografia no D12 nos grupos ecg, hcg e Controle. Tratamentos Área do CL ecg hcg Controle (n = 26) (n = 26) (n = 24) Menor que 1 cm (15,4%) 6 ( 25%) Entre 1 e 2 cm 2 5 (19,2%) 1 (3,8%) 5 ( 20,8%) Maior que 2 cm 2 21 (80,8%) 21 (80,8%) 13 (54,2%) O número de folículos maiores que 8 mm no D12 foi significativamente maior no grupo ecg, mas não diferiu entre os grupos hcg e Controle. O diâmetro do FD encontrado no D12 também foi significativamente maior no grupo ecg (P < 0,01). Ao avaliarmos a frequência de folículos com mais de 8 mm de diâmetro, verificamos que em 12 animais do grupo ecg foram encontrados folículos maiores de 8mm, enquanto grupo hcg apenas 5 e no grupo Controle apenas 6. As taxas de prenhez da IATF foram 60,98% (25/41), 45% (18/40) e 40,58% (56/138) para os grupos ecg, hcg e Controle, respectivamente, não diferindo significativamente (P = 0,07). Não foi observada diferença nas taxas de prenhez entre as IA utilizando doses de sêmen provenientes de 8 diferentes touros (P = 0,76). Embora sem diferença estatística, observou-se maior perda gestacional entre os diagnósticos aos 30 e 60 dias nos animais do grupo hcg em relação aos grupos ecg e Controle. Ao diagnóstico de 60 dias, o grupo hcg apresentou 16,67% (3/18) de perdas enquanto o grupo ecg 4% (1/25) e o grupo Controle 5,36% (3/56), após a repetição do US aos 60 dias pós-ia (P = 0,27). 4

5 Figura 2. Médias e desvios padrões de folículos medidos por ultrassonografia nos Dias 7 e 12. DISCUSSÃO Os diâmetros dos folículos ovulatórios encontrados neste estudo são semelhantes aos relatados por Bó et al. [2] para FO que situam-se entre 10,5 e 11,3 mm em animais Bos indicus e cruzas. Estes diâmetros, segundo os autores, são menores que os usualmente encontrados em animais Bos taurus, que variam de 11,1 a 14,8 mm [2,18], mas não foram observadas reduções nas taxas de ovulação e formação de CLs funcionais. Quando analisados quanto à área do CL no D7, os grupos apresentaram tamanho similar. De acordo com o protocolo hormonal administrado para a sincronização de estros/ovulação e IATF, era esperado que, tantos os diâmetros dos FO, no D0, quanto as áreas dos CLs, no D7, apresentassem valores semelhantes. Os diâmetros dos FOs apresentam alta correlação com o tamanho do CL resultante [1]. Com relação à área do CL no D7, estudos realizados em animais zebuínos e sintéticos, relatam que as áreas de CL observadas no D7 variam de 1,1 a 3,7 cm 2 [2,3]. Essas variaç õ es decorrem da formaç ã o e do desenvolvimento do CL a partir das células remanescentes do folículo ovulatório. A partir do Dia 7, no entanto, com a aplicação de egc e hcg, foi possível observar diferença estatística na área dos CLs entre os grupos. O maior crescimento do CL foi detectado nas vacas que receberam hcg. Também foi possível observar que o tratamento com ecg promoveu crescimento significativamente maior do CL, comparado com o grupo Controle (P = 0,01). Os dados obtidos neste experimento indicam uma provável associação entre a maior área do CL no Dia12 e formação de CL acessório nos animais tratados com hcg e ecg e maiores taxas de prenhez, quando comparados com animais que não receberam tratamento algum (P = 0,07). As taxas de crescimento diário do CL diferiram significativamente apenas entre os grupos hcg e Controle (P < 0,01). Segundo Bó et al. [2], a taxa de crescimento diária do CL em vacas zebuínas varia entre 0,3 e 0,5 cm 2 /dia, valor que encontra-se próximo aos encontrados no grupo Controle. No entanto, vacas tratadas com hormônios luteotróficos apresentam hipertrofia do tecido luteal e provavelmente maior produção de progesterona. A aplicação de hcg durante o diestro apresenta ação luteotrófica sobre o CL [12] e induz a ovulação de FDs a partir de 8,5 mm [1], por se ligar primordialmente aos receptores de LH [21]. No grupo tratado com hcg, houve maior incidência de CL acessórios ao Dia 12 após a IATF em relação aos outros grupos de tratamento e maior desenvolvimento dos CLs já existentes quando comparados aos outros grupos. Há evidências estatísticas (P = 0,06) de que o tratamento com agentes luteotróficos no Dia 7 aumentam a incidência de CLs com área maior que 2cm 2 nos grupos de tratados. O efeito luteotrófico do hcg era esperado e já foi amplamente relatado por diversos autores [5,7,8,14,17,20]. De outra parte, o tratamento com ecg após a IA em bovinos tem sido pouco estudado até o momento [15,16]. Neste experimento, foi possível comprovar que o ecg também promoveu maior desenvolvimento do CL, indicando possuir ação luteotrófica e folículo-estimulante em bovinos. Santos et al. [17], observaram o efeito aditivo sobre o CL gra- 5

6 vídico tratando vacas prenhes com ecg. Estes autores identificaram maior crescimento do CL em relação a animais que receberam solução salina. Segundo eles, este efeito na função lútea pode influenciar positivamente no funcionamento endócrino e enzimático do útero gravídico. A relação entre o tamanho do CL e a maior produção de progesterona foi estabelecida por Mann [12], especialmente durante a fase inicial de formação do CL, entre os dias 4 e 6 após o estro. Segundo o autor, o desenvolvimento embrionário inicial e a produção de interferon-tau eram maiores em vacas que precocemente iniciaram a produção de progesterona. Em consequência, a funcionalidade do CL na vaca parece ser mais importante no período embrionário inicial, entre a segunda e terceira semana, quando ocorre o reconhecimento materna da gestação. No entanto, Gordon [5] relatou haver a discordância entre os pesquisadores que relacionavam a concentração de progesterona e a taxa de prenhez em bovinos. Neste contexto, o uso de hormônios luteotróficos após a IA ou transferência de embriões ainda permanece em discussão, não sendo prática rotineira nos programas reprodutivos de bovinos. O desenvolvimento de um FD que cresce até 8 a 9 mm e a produção de estradiol durante a fase de diestro em bovinos são eventos característicos da fisiologia da ovariana. Diversos autores [6,9,13,19,21] afirmam que vacas que apresentam FDs que produzem estradiol durante o período crítico para o reconhecimento da gestação, entre 10 e 15 dias após a concepção, apresentam maiores índices de perdas embrionárias. Neste experimento, o ecg foi utilizado com o objetivo de avaliar sua ação luteotrófica em bovinos e também foi observado o crescimento folicular no período entre o Dia 7 e 12, devido a sua importante ação folículo-estimulante. No estudo de Rizzo et al. [16], a aplicação de ecg induz o recrutamento e crescimento folicular, como era esperado, mas não houve aumento importante na concentração de estradiol sérico. Embora ter sido observado maior crescimento folicular entre os Dias 7 e 12 em vacas tratadas com ecg, não parece que este achado tenha interferido na sobrevivência embrionária, porque, ainda que a diferença não tenha sido significativa, este grupo teve índice de prenhez superior aos demais (P = 0,27). No estudo de Nuñez et al. [15], a aplicação de ecg no Dia 14 após a IA tinha o mesmo objetivo de melhorar a função lútea, mas em um período mais adiantado da gestação. Segundo os autores, o ecg apresentaria efeitos benéficos no ambiente uterino, permitindo melhor desenvolvimento placentário e fetal. Ainda no mesmo trabalho, de forma diferente deste estudo, houve aumento significativo na taxa de prenhez de vacas tratadas com ecg no dia 14, no entanto, o efeito positivo não foi detectado em novilhas. Ao observar os resultados referentes a perdas gestacionais, verificamos uma taxa geral de 7,07% (7/99) de perdas, enquanto o ecg apresentou o menor índice, porém há que se considerar o baixo número de animais avaliados, o que recomenda cautela nas interpretações. O uso de diferentes terapias hormonais para incrementar as taxas de prenhez após a IATF tem sido estudado como alternativa para melhorar os índices reprodutivos. Recentemente, as perdas embrionárias precoces têm recebido maior atenção dos pesquisadores, tendo em vista às limitações biológicas encontradas quando se sincroniza estros e ovulações. De outra parte, sabe-se que as taxas de concepção em bovinos normalmente situam-se acima de 80%. Portanto, ainda que seja difícil identificar o momento exato em as perdas embrionárias ocorrem, existe a necessidade de estudar e desenvolver protocolos para melhorar o desempenho reprodutivo de vacas de corte nos programas de IA. Neste sentido, outros estudos envolvendo terapias hormonais capazes de melhorar a sobrevivência embrionária devem ser executados para elucidar este período crítico no estabelecimento da gestação. CONCLUSÃO O tratamento com 1500UI de hcg promoveu maior número de CLs acessórios e maior crescimento do tecido lúteo entre os Dias 7 e 12 após a IA. Vacas solteiras tratadas com 400UI de ecg obtiveram crescimento do corpo lúteo e maior crescimento folicular entre os Dia 7 e 12 após a IA, evidenciando a ação luteotrófica, pouco discutida em trabalhos anteriores. O tratamento com agentes luteotróficos não apresentou diferença nas taxas de prenhez. 6

7 NOTAS INFORMATIVAS ¹DIB, Schering-Plough Saúde Animal, Cotia, SP, Brasil. ²Gonadiol, Schering-Plough Saúde Animal, Cotia, SP, Brasil. ³Veteglan, Hertape Calier Saúde Animal, Juatuba, MG, Brasil. 4 Novormon, Schering-Plough Saúde Animal, Cotia, SP, Brasil. 5 Vetecor, Hertape Calier Saúde Animal, Juatuba, MG, Brasil. 6 Chison 8300 Digital, Chison, Jiang Su Province, China. Declaration of interest. The authors report no conflicts of interest. The authors alon are responsible for the content and writing of the paper REFERÊNCIAS 1 Binelli M Estratégias anti-luteoliticas para a melhora da sobrevivência embrionária em bovinos. In: Madureira E.H. & Baruselli P.S. (Eds). Controle farmacológico do ciclo estral em ruminantes, São Paulo: Fundação da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia/USP, pp Bó G.A., Baruselli P.S. & Martínez M.F Pattern and manipulation of follicular development in Bos indicus cattle. Animal Reproduction Science. 78(3): Borges A.M., Torres C.A.A., Rocha Junior V.R., Ruas J.R.M., Carvalho G.R., Neto A.M. & Carvalho B.C Desenvolvimento folicular no pós-parto de vacas da raça Gir tratadas com acetato de buserelina (GnRH) ou gonadotrofina coriônica humana (hcg). Revista Brasileira de Zootecnia. 33(6): Empresa Brasileira De Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA Centro Nacional de Pesquisa de Solo - CNPS. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro, 412p. 5 Gordon I Controlled Reproduction in cattle & buffaloes. Wallingford: CABI Publisment, 492 p. 6 Lamming G.E., Whates D.C., Flint A.P.F., Payne J.H., Stevenson K.R. & Vallet J.L Local actions of trophoblast interferons in suppression of the development of oxytocin and oestradiol receptors in ovine endometrium. Journal of Reproduction and Fertility. 105(1): Lapthorn A.J., Harris D.C., Littlejohn A., Lustbader J.W., Canfield R.E., Machin K.J., Mogan F.J. & Isaacs N.W Crystal structure of human chorionic gonadotropin. Nature. 369: Lonergan P Effect of progesterone on embryo development and pregnancy maintenance in cattle. In: 4 Simpósio Internacional de Reprodução Animal Aplicada (Londrina, Brasil). pp Macmillan K.L., Taufa V.K., Day V.K. & Peterson A.J Effects of supplemental progesterone on pregnancy rates in cattle. Journal Reproduction and Fertility. 43(Suppl. 1): Mann G.E. & Lamming G.E The influence of progesterone during early pregnancy in cattle. Reproduction in Domestic Animals. 34(3): Mann G.E., Merson P., Fray M.D. & Lamming G.E Conception rate following progesterone supplementation after second insemination in dairy cows. Veterinary Journal. 162(2): Mann G.E Corpus luteum size snd plasma progesterone concentration in cows. Animal Reproduction Science. 115(1): Marques V.B., Bertan C.M., Almeida A.B., Meirelles F.V., Papa P.C. & Binelli M Interferon-tau e o reconhecimento da gestação em bovinos. Revista Brasileira de Reprodução Animal. 31(4): Nishigai M., Kamomae H., Tanaka T. & Kaneda Y The effect of administration of human chorionic gonadotropin in enhancing bovine corpus lutea luteinization and luteal function. Journal of Reproduction and Development. 47(5): Nuñez R., De Castro T., Cutaia L., Bó G. & Menchaca A Pregnancy rates after administration of equine chorionic gonadotropin (ecg) at progesterone intravaginal device removal and 14 days after fixed-time ai in beef cattle. Reproduction, Fertility and Development. 23(1): Rizzo A., Spedicato M., Minoia G., Mutinati M., Cinone M., Jirillo F. & Sciorsci L Follicular development in pregnant cows after the administration o equine chorionic gonadotropin (ecg): a new insight. Immunopharmacology Immunotoxicology. 31(4): Santos J.E.P., Thatcher W.W., Pool L. & Overton M.W Effect of human chorionic gonadotropin on luteal function and reproductive performance of high-producing lactating Holstein dairy cows. Journal of Animal Science. 79(11): Sartori R., Fricke P.M., Ferreira J.C.P., Ginther O.J. & Wiltbank M.C Follicular Deviation and Acquisition of Ovulatory Capacity in Bovine Follicle. Biology of Reproduction. 65(5):

8 19 Spencer T.E. & Bazer F.W Ovine interferon tau suppresses transcription of the estrogen receptor and oxytocin receptor genes in the ovine endometrium. Endocrinology. 137(3): Speroff L. & Fritz M.A Clinical gynecologic endocrinology and infertility. 7th edn. Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins, 1152 p. 21 Wallace L.D., Breiner C.A., Breiner R.A., Spell A.R., Carter J.A., Lamb G.C. & Stevenson J.S Administration of human chorionic gonadotropin at embryo transfer induced ovulation of a first wave dominant follicle, and increased progesterone and transfer pregnancy rates. Theriogenology. 75(8): Pub

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite

Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite ISSN 1981-2086 Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite 70 Resumo A mortalidade embrionária precoce é reconhecida como a principal causa de perdas de prenhez em bovinos de interesse

Leia mais

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS Manoel F. Sá Filho, Claudiney M. Martins, José Nélio S. Sales, Roberta M. Ferreira, Pietro S. Baruselli. Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Carvalho Siqueira, Lucas; Coelho de Oliveira, João Francisco; da Silveira Loguércio, Rosane; Kurtz Löf,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=576>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Inseminação artificial em horário fixo de fêmeas bovinas de corte com cio sincronizado

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS)

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Carlos Antônio de Carvalho Fernandes 1 Faculdade de Medicina Veterinária.- Unifenas. Rod. MG 179 km 0 371300-000 Alfenas

Leia mais

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE INFORZATO, Guilherme Repas SANTOS, William Ribeiro Martins dos CLIMENI, Bruno Santi Orsi DELLALIBERA,

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA José Luiz Moraes Vasconcelos e Mauro Meneghetti DPA FMVZ UNESP, Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br

Leia mais

Expressão de estro aumenta a fertilidade e reduz perdas de gestação em protocolos de IATF e TETF. Marcos Henrique Colombo Pereira

Expressão de estro aumenta a fertilidade e reduz perdas de gestação em protocolos de IATF e TETF. Marcos Henrique Colombo Pereira Marcos Henrique Colombo Pereira possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de Passo Fundo (2009) e Mestrado em Produção Animal pela UNESP Botucatu (2012). Tem experiência na área de Produção

Leia mais

INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA

INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA Myrian Megumy Tsunokawa Hidalgo (PIBIC/Fundação Araucária), Tamires Korchovei Sanches

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INFLUÊNCIA DA CONDIÇÃO CORPORAL E CATEGORIA REPRODUTIVA NAS TAXAS DE GESTAÇÃO DE VACAS NELORE SUBMETIDAS À PROTOCOLO DE IATF, NA REGIÃO DA AMAZÔNIA LEGAL. TOLEDO, G.A. ¹ ; RIBEIRO, A.P.C.²; RIBEIRO, G.M.³

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO 74 Artigo Científico EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO Diogo Ribeiro CÂMARA 1*, Ricardo Felippe FIGUEIRA 2, Otto Cabral PORTELA

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE PIETRO SAMPAIO BARUSELLI ET AL. 155 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli 1, Gabriel A. Bó 2, Everton L. Reis 1 e Márcio O. Marques 1 1 Departamento de Reprodução

Leia mais

PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE

PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE SOARES, João Felipe B. 1 ; ARALDI, Daniele F. 2 Palavras-chave: Pecuária de corte. Índices de Produtividade. Fertilidade. Introdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS

AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS 1 AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS RESUMO O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito dos protocolos de IATF Crestar com dois implantes auriculares

Leia mais

ERIKO DA SILVA SANTOS

ERIKO DA SILVA SANTOS ERIKO DA SILVA SANTOS Efeito das caracteristicas morfologicas e da dinfimica vascular do foliculo e corpo ltiteo sobre a fertilidade de vacas de corte submetidas a protocolo de sincronizacdo do estro e

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/54 Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/54 Eficiência reprodutiva IP e PS MN e IA Taxa de concepção Detecção de estro

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS INTRAVAGINAIS DE PROGESTERONA, DIÂMETRO FOLICULAR E COMPORTAMENTO ESTRAL NA PRENHEZ DE VACAS ZEBUÍNAS

REUTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS INTRAVAGINAIS DE PROGESTERONA, DIÂMETRO FOLICULAR E COMPORTAMENTO ESTRAL NA PRENHEZ DE VACAS ZEBUÍNAS REUTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS INTRAVAGINAIS DE PROGESTERONA, DIÂMETRO FOLICULAR E COMPORTAMENTO ESTRAL NA PRENHEZ DE VACAS ZEBUÍNAS Adriana Gonçalves Medalha 1, Maria Inês Lenz Souza 2*, Albert Schiaveto

Leia mais

REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España

REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España Carrijo Junior, Osmar Alves; Langer, Jackson Avaliação de Protocolo de Inseminação Artificial

Leia mais

Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli

Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli Prof. Titular do Departamento de Reprodução Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade

Leia mais

Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte

Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte Pietro Sampaio Baruselli 1, Márcio de Oliveira Marques 2, Roberta Machado Ferreira 1, Manoel Francisco de Sá Filho 1, Emiliana

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

Resumo. Departamento de Veterinária e Produção Animal, UENP/FALM, Bandeirantes-Pr. E-mail: thalesrigo@yahoo.com.br. 2

Resumo. Departamento de Veterinária e Produção Animal, UENP/FALM, Bandeirantes-Pr. E-mail: thalesrigo@yahoo.com.br. 2 Comparação das taxas de prenhez entre receptoras com corpos lúteos cavitários ou compactos após protocolo de sincronização com cloprostenol ou transferência de embriões em tempo fixo Comparison the pregnancy

Leia mais

ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS

ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS 1 ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS (analysis of hazards and critical control points in a system of production cattle) RESUMO: o trabalho tem como

Leia mais

Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X

Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X v.17, n.4, p.70-82, 2012 www.ser.ufpr.br/veterinary EFICIÊNCIA DO CIPIONATO DE ESTRADIOL E DO BENZOATO DE ESTRADIOL EM PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DA OVULAÇÃO SOBRE

Leia mais

Sincronização da ovulação em vacas da raça Nelore e seus efeitos na função ovariana

Sincronização da ovulação em vacas da raça Nelore e seus efeitos na função ovariana 7 ISSN 1981-2078 1517-1981 Outubro Dezembro, 2000 2006 Sincronização da ovulação em vacas da raça Nelore e seus efeitos na função ovariana ISSN 1981-2078 Dezembro, 2006 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

EFFECT OF DIFFERENT HORMONAL COMBINATIONS ON RETURN TO ESTRUS AND PREGNANCY RATES IN LACTATING BEEF COWS, SUBJECTED TO A FIXED TIME INSEMINATION

EFFECT OF DIFFERENT HORMONAL COMBINATIONS ON RETURN TO ESTRUS AND PREGNANCY RATES IN LACTATING BEEF COWS, SUBJECTED TO A FIXED TIME INSEMINATION EFEITO DE DIFERENTES COMBINAÇÕES HORMONAIS SOBRE A TAXA DE RETORNO AO ESTRO E PRENHEZ EM VACAS DE CORTE LACTANDO, SUBMETIDAS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO. EFFECT OF DIFFERENT HORMONAL COMBINATIONS

Leia mais

Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução Animal, Faculdade de Veterinária UFRGS baragem@terra.com.br

Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução Animal, Faculdade de Veterinária UFRGS baragem@terra.com.br RICARDO MACEDO GREGORY & DIMAS CORREA ROCHA 147 PROTOCOLOS DE SINCRONIZAÇÃO E INDUÇÃO DE ESTROS EM VACAS DE CORTE NO RIO GRANDE DO SUL Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

Inseminação artificial em tempo fixo e diagnóstico precoce de gestação em vacas leiteiras mestiças 1

Inseminação artificial em tempo fixo e diagnóstico precoce de gestação em vacas leiteiras mestiças 1 Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Inseminação artificial em tempo fixo e diagnóstico precoce de gestação em vacas leiteiras mestiças 1

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

Importância do emprego da ecg em protocolos de sincronização para IA, TE e SOV em tempo fixo

Importância do emprego da ecg em protocolos de sincronização para IA, TE e SOV em tempo fixo 146 Pietro Sampaio Baruselli et al. Importância do emprego da ecg em protocolos de sincronização para IA, TE e SOV em tempo fixo Pietro S. Baruselli 1, José Octavio Jacomini 1,2, José Nélio S. Sales 1,

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DE ESTRATÉGIAS ANTILUTEOLÍTICAS VISANDO O INCREMENTO DA TAXA DE CONCEPÇÃO EM BOVINOS

CONCEITOS E APLICAÇÕES DE ESTRATÉGIAS ANTILUTEOLÍTICAS VISANDO O INCREMENTO DA TAXA DE CONCEPÇÃO EM BOVINOS Mario Binelli et al. 93 CONCEITOS E APLICAÇÕES DE ESTRATÉGIAS ANTILUTEOLÍTICAS VISANDO O INCREMENTO DA TAXA DE CONCEPÇÃO EM BOVINOS Mario Binelli 1, Rui Machado, Marco A.C.M. Bergamaschi, Julio C. Barbosa

Leia mais

ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM?

ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM? TM ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM? Permitem as células do corpo a sintetizar hormônios reprodutivos Aumentam a resposta inflamatória e anti-inflamatória em células e tecidos Participam do processo de contrações

Leia mais

TÁSSIA LOUREGIANI CARVALHO PINTO. APLICAÇÃO DE AGONISTAS DE GnRH NO MOMENTO DA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES PRODUZIDOS IN VITRO EM VACAS HOLANDESAS

TÁSSIA LOUREGIANI CARVALHO PINTO. APLICAÇÃO DE AGONISTAS DE GnRH NO MOMENTO DA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES PRODUZIDOS IN VITRO EM VACAS HOLANDESAS TÁSSIA LOUREGIANI CARVALHO PINTO APLICAÇÃO DE AGONISTAS DE GnRH NO MOMENTO DA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES PRODUZIDOS IN VITRO EM VACAS HOLANDESAS LAVRAS MG 2013 TÁSSIA LOUREGIANI CARVALHO PINTO APLICAÇÃO

Leia mais

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV)

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) antonio hugo bezerra colombo 1, Liziane Zaniboni 1, Fabio Luiz Bim Cavalieri 2, Luiz Paulo Rigolon

Leia mais

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Um dos diferenciais da Tecnopec é desenvolver e apoiar pesquisas visando obter protocolos

Leia mais

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO Manoel F. Sá Filho, Alexandre H. Souza, Claudiney M. Martins, José N. S. Sales, Gabriel A. Crepaldi, Pietro S. Baruselli Departamento

Leia mais

IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE

IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli et al. 113 IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli 1, Henderson Ayres 1, Alexandre H. Souza 1, Claudiney M. Martins 1, Lindsay U. Gimenes 1,

Leia mais

Douglas Alves de Oliveira. Comparação entre cinco protocolos para inseminação artificial em tempo fixo de vacas holandesas durante o verão

Douglas Alves de Oliveira. Comparação entre cinco protocolos para inseminação artificial em tempo fixo de vacas holandesas durante o verão Douglas Alves de Oliveira Comparação entre cinco protocolos para inseminação artificial em tempo fixo de vacas holandesas durante o verão Araçatuba 2013 Comparação entre cinco protocolos para inseminação

Leia mais

IATF em novilha. CEP 05508-000, São Paulo-SP, Brasil; *manoel@firmasa.com.br

IATF em novilha. CEP 05508-000, São Paulo-SP, Brasil; *manoel@firmasa.com.br 54 Manoel Francisco de Sá Filho et al. IATF em novilha Manoel F. Sá Filho 1* ; Lindsay U. Gimenes 2 ; José Nélio S. Sales 2 ; Gabriel A. Crepaldi 2 ; Adriana G. Medalha 1 ; Pietro S. Baruselli 2 1 FIRMASA-

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Uso da gonadotrofina coriônica humana (hcg) visando melhorar as características reprodutivas e fertilidade

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE PROGESTERONA PARA AUMENTAR OS ÍNDICES DE GESTAÇÃO EM VACAS DE CORTE SUBMETIDAS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

SUPLEMENTAÇÃO DE PROGESTERONA PARA AUMENTAR OS ÍNDICES DE GESTAÇÃO EM VACAS DE CORTE SUBMETIDAS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO SUPLEMENTAÇÃO DE PROGESTERONA PARA AUMENTAR OS ÍNDICES DE GESTAÇÃO EM VACAS DE CORTE SUBMETIDAS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Paulo César Sala 1, Valdiane Rosa 1, Luciana Kazue Otutumi 1, André

Leia mais

ROBERTO MENDES PORTO FILHO

ROBERTO MENDES PORTO FILHO ROBERTO MENDES PORTO FILHO Sincronização da ovulação para a inseminação artificial em tempo fixo (IATF) durante a estação reprodutiva desfavorável em fêmeas bubalinas São Paulo 2004 ROBERTO MENDES PORTO

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=420>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Sincronização da ovulação para realização da inseminação artificial em tempo fixo em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado do Curso de Pós Graduação em Ciência Animal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado do Curso de Pós Graduação em Ciência Animal UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado do Curso de Pós Graduação em Ciência Animal TAXA DE GESTAÇÃO E MORTALIDADE EMBRIONÁRIA EM RECEPTORAS DE EMBRIÕES PRODUZIDOS IN VITRO,

Leia mais

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto José Luiz Moraes Vasconcelos De que vaca e de que pasto estamos falando? Cenários? Holandesa ou mestiça? Pasto bom ou ruim? Verão ou inverno? Produção

Leia mais

O USO DE ECG INFLUENCIA A TAXA DE CONCEPÇÃO EM VACAS NELORE DE DIFERENTES CONDIÇÕES CORPORAIS SUBMETIDAS AO MESMO PROTOCOLO DE IATF?

O USO DE ECG INFLUENCIA A TAXA DE CONCEPÇÃO EM VACAS NELORE DE DIFERENTES CONDIÇÕES CORPORAIS SUBMETIDAS AO MESMO PROTOCOLO DE IATF? O USO DE ECG INFLUENCIA A TAXA DE CONCEPÇÃO EM VACAS NELORE DE DIFERENTES CONDIÇÕES CORPORAIS SUBMETIDAS AO MESMO PROTOCOLO DE IATF? 1 ERIKA ALINE RIBEIRO DIAS 2,5, RUBENS PAES DE ARRUDA 3, RONI APARECIDO

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

GABRIEL ARMOND CREPALDI. Eficácia de diferentes protocolos de indução da ovulação e de intervalos de inseminação em vacas de corte submetidas à IATF

GABRIEL ARMOND CREPALDI. Eficácia de diferentes protocolos de indução da ovulação e de intervalos de inseminação em vacas de corte submetidas à IATF GABRIEL ARMOND CREPALDI Eficácia de diferentes protocolos de indução da ovulação e de intervalos de inseminação em vacas de corte submetidas à IATF São Paulo 2009 GABRIEL ARMOND CREPALDI Eficácia de diferentes

Leia mais

Indução e sincronização de cio em caprinos

Indução e sincronização de cio em caprinos Indução e sincronização de cio em caprinos Plínio de Oliveira FASSIO 1 ; Larissa de Oliveira FASSIO 2 ; Angélica Campos MARTINS 3 ; Claudiane de Assis SOUZA 3 ; Vanessa Daniela Lázara de ASSIS 3 ; André

Leia mais

EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 0 EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPO GRANDE - MS 2011 1 I EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA REPRODUÇÃO DE BOVINOS Trabalho apresentado para cumprimento de Avaliação do curso de especialização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS DINÂMICA FOLICULAR DE VACAS DE CORTE TRATADAS COM TRÊS PROTOCOLOS DE SINCRONIZAÇÃO

Leia mais

A REUTILIZAÇÃO DE UM DISPOSITIVO INTRAVAGINAL (CIDR-G) NAS MANIFESTAÇÕES DE ESTRO E PRENHEZ DA ESPÉCIE OVINA

A REUTILIZAÇÃO DE UM DISPOSITIVO INTRAVAGINAL (CIDR-G) NAS MANIFESTAÇÕES DE ESTRO E PRENHEZ DA ESPÉCIE OVINA A REUTILIZAÇÃO DE UM DISPOSITIVO INTRAVAGINAL (CIDR-G) NAS MANIFESTAÇÕES DE ESTRO E PRENHEZ DA ESPÉCIE OVINA Tarish Brandalize da Silva 1 ; José Francisco Xavier da Rocha 2, Sérgio de Abreu Machado 3,

Leia mais

SUPEROVULAÇÃO EM BOVINOS

SUPEROVULAÇÃO EM BOVINOS REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS

NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS Pietro Sampaio Baruselli, José Nélio S. Sales, Gabriel A. Crepaldi, Manoel F. Sá Filho 1 Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ

GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ Manejo Reprodutivo de Fazendas Leiteiras Robson Vilela Sá Fortes Veterinário Equipe Leite - ReHagro Roteiro Introdução Patologias Reprodutivas O que podemos fazer para melhorar

Leia mais

CLAUDINEY DE MELO MARTINS. Diferentes protocolos de superovulação com inseminação artificial em tempo fixo em Bos taurus e Bos indicus

CLAUDINEY DE MELO MARTINS. Diferentes protocolos de superovulação com inseminação artificial em tempo fixo em Bos taurus e Bos indicus CLAUDINEY DE MELO MARTINS Diferentes protocolos de superovulação com inseminação artificial em tempo fixo em Bos taurus e Bos indicus São Paulo 2007 CLAUDINEY DE MELO MARTINS Diferentes protocolos de superovulação

Leia mais

USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN

USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN FOLLTROPIN é um produto à base de Hormônio Folículo Estimulante (FSH) purificado

Leia mais

ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS

ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS Docentes responsáveis: Prof a.adj. Dra. Maria Denise Lopes Prof.Ass.Dr. Sony Dimas Bicudo BOTUCATU SP 2005 ii ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

Diagnóstico Precoce de Prenhez

Diagnóstico Precoce de Prenhez UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Diagnóstico Precoce de Prenhez Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO

SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO ZANATTA, Giliardi 1 ; CORSETTI, Angel 1 ;SOUZA, Déborah Andrade¹;BORGES, Luiz F.K 2. Palavras-chave: Acetato

Leia mais

GANHO DE PESO E ACABAMENTO DE CARCAÇA EM VACAS DA RAÇA NELORE IMPLANTADAS COM DISPOSITIVO INTRA-UTERINO BOVINO (DIUB) 1

GANHO DE PESO E ACABAMENTO DE CARCAÇA EM VACAS DA RAÇA NELORE IMPLANTADAS COM DISPOSITIVO INTRA-UTERINO BOVINO (DIUB) 1 16 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL GANHO DE PESO E ACABAMENTO DE CARCAÇA EM VACAS DA RAÇA NELORE IMPLANTADAS COM DISPOSITIVO INTRA-UTERINO BOVINO (DIUB) 1 WEIGHT GAIN AND CARCASS FINISH IN NELORE COWS

Leia mais

Administração de Gonadotrofina Coriônica Humana para estimulação da função luteal em vacas de corte lactantes

Administração de Gonadotrofina Coriônica Humana para estimulação da função luteal em vacas de corte lactantes Acta Scientiae Veterinariae, 2014. 42: 1231. RESEARCH ARTICLE Pub. 1231 ISSN 1679-9216 Administração de Gonadotrofina Coriônica Humana para estimulação da função luteal em vacas de corte lactantes Administration

Leia mais

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM BOVINOS Introdução A IATF é uma realidade na pecuária brasileira. Sua utilização proporciona tantas vantagens que se

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Câmara, Diogo R.; Figueira, Ricardo F.; Mendonça, Lígia B. R. de; Morais,

Leia mais

PROGESTERONA NO ESTABELECIMENTO E MANUTENÇÃO DA GESTAÇÃO EM RUMINANTES. Federal de Goiás, Goiás, Brasil, thaisacm@hotmail.com

PROGESTERONA NO ESTABELECIMENTO E MANUTENÇÃO DA GESTAÇÃO EM RUMINANTES. Federal de Goiás, Goiás, Brasil, thaisacm@hotmail.com PROGESTERONA NO ESTABELECIMENTO E MANUTENÇÃO DA GESTAÇÃO EM RUMINANTES Thaisa Campos Marques 1, Natália do Carmo Silva 2, Rossane Pereira da Silva 3, Karen Martins Leão 4 1 Doutoranda, Faculdade de Medicina

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE PROSTAGLANDINA F2α COMO INDUTOR DE OVULAÇÃO EM BOVINOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS ROBERTO RAMOS SOBREIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS ROBERTO RAMOS SOBREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS ROBERTO RAMOS SOBREIRA UTILIZAÇÃO DO CIPIONATO DE ESTRADIOL E BENZOATO DE ESTRADIOL

Leia mais

GUILHERME SILVA MOURA. USO DE ANÁLOGO DE GnRH APÓS INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL E COM PROTOCOLO DE IATF EM GADO MESTIÇO

GUILHERME SILVA MOURA. USO DE ANÁLOGO DE GnRH APÓS INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL E COM PROTOCOLO DE IATF EM GADO MESTIÇO GUILHERME SILVA MOURA USO DE ANÁLOGO DE GnRH APÓS INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL E COM PROTOCOLO DE IATF EM GADO MESTIÇO Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE FURTADO, Diego Augusto Acadêmico do curso de Medicina Veterinária da FAMED/ACEG - Garça - SP e-mail: daiane.vet@hotmail.com TOZZETTI, Daniel Soares

Leia mais

RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE

RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE Itiberê Itaborahy dos Santos 1 ; Isis Lustosa Goulart de Sousa 2 RESUMO O Brasil é um grande

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ANÁLISE DE PROTOCOLOS DE INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO COM SÊMEN DESCONGELADO DILUÍDO E NÃO DILUÍDO EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR PAULA GOMES RODRIGUES 1, MARINA BOTTREL REIS NOGUEIRA 2, RENATO CAMPOS ANDRADE

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 AUSÊNCIA DE ALTERAÇÕES CLÍNICAS EM BOVINOS APÓS A ADMINISTRAÇÃO PELA VIA SUBCUTÂNEA DE UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE IVERMECTINA E SULFÓXIDO DE ALBENDAZOL CARNEIRO, R. 1*, NASCIMENTO, G. A. M. 1, MARTINS, V.

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE NUTRIÇÃO E REPRODUÇÃO EM VACAS DE CORTES

INTERAÇÃO ENTRE NUTRIÇÃO E REPRODUÇÃO EM VACAS DE CORTES INTERAÇÃO ENTRE NUTRIÇÃO E REPRODUÇÃO EM VACAS DE CORTES PARRA, Bruno César E-mail: brunocesarparra@hotmail.com Acadêmico da Associação Cultural e Educacional de Garça FAMED BELTRAN, Maria Paula Docente

Leia mais

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro.

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro. Manual de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) em gado leiteiro. Introdução: As vacas leiteiras, durante a lactação, apresentam características fisiológicas particulares que diferenciam o comportamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO SOBRE A FERTILIDADE E SEXO DA CRIA EM NOVILHAS DA RAÇA NELORE

Leia mais

Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263

Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263 Inseminação artificial em tempo fixo Kleber da Cunha Peixoto Junior 1*, Yessica Trigo 2 Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263 1 Médico Veterinário, D. Sc.,Professor do Curso de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISCIPLINA: ZOO 003U - TÓPICOS ESPECIAIS EM ZOOTECNIA - Avanços em reprodução de bovinos de corte

Leia mais

CAROLINA SOUSA COCHITO

CAROLINA SOUSA COCHITO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA Programa de Pós-Graduação de Clínica e Reprodução Animal CAROLINA SOUSA COCHITO INFLUÊNCIA DOS PROTOCOLOS HORMONAIS DE RECEPTORAS E DO ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO DE EMBRIÕES

Leia mais

FAZENDA EXEMPLO / PROPRIETÁRIO EXEMPLO Estação: ESTACAO 2014/2015

FAZENDA EXEMPLO / PROPRIETÁRIO EXEMPLO Estação: ESTACAO 2014/2015 Tabela 01 - Taxa de Gestação ao final da estação de monta Lote Qtd. Animais Diag. Prenhas (%) Gestação Sem DG LOTE 01 J MULTIPARAS 09 100 100 89 89.00 0 LOTE 02 J MULTIPARAS 09 132 130 116 89.23 2 LOTE

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO PROTOCOLOS E APLICAÇÃO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO PROTOCOLOS E APLICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA 82ª SEMANA DO FAZENDEIRO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO PROTOCOLOS E APLICAÇÃO Fabrício Albani Oliveira

Leia mais

Influência do Clima na Recuperação Embrionária em Éguas da Raça Mangalarga Marchador no Município de Vassouras- RJ

Influência do Clima na Recuperação Embrionária em Éguas da Raça Mangalarga Marchador no Município de Vassouras- RJ Ian V. Nogueira - Letícia P. M. - Felipe P. Athayde - Geovani N. Dornelas - Gustavo M. Influência do Clima na Recuperação Embrionária em Éguas da Raça Mangalarga Marchador no Município de Vassouras- RJ

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE MULTÍPARAS SUBMETIDAS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO*

AVALIAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE MULTÍPARAS SUBMETIDAS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO* AVALIAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE MULTÍPARAS SUBMETIDAS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO* Marcelle Christine Nascimento Ferreira 1, Rodolfo Miranda 1, Marcelo

Leia mais

Perfil de FSH e LH na divergência folicular em novilhas Nelore (Bos indicus)

Perfil de FSH e LH na divergência folicular em novilhas Nelore (Bos indicus) 11 Perfil de FSH e LH na divergência folicular em novilhas Nelore (Bos indicus) Lindsay Unno GIMENES 1 Manoel Francisco SÁ FILHO 1 José Ribamar TORRES-JÚNIOR 1 Maria Paula BELTRAN 2 Guilherme de Paula

Leia mais

Orientador : Prof. Sergio A. de Barros Vianna

Orientador : Prof. Sergio A. de Barros Vianna Otimização da performance reprodutiva em éguas Mangalarga Marchador com o uso de um dispositivo intravaginal de liberação controlada de progesterona (CIDR ). Marcelo Vivacqua UNIVERSIDADE ESTADUAL NORTE

Leia mais

MIGUEL PIZZOLANTE BOTTINO. ADIÇÃO DE GONADOTROFINAS EM PROTOCOLOS DE IATF E FERTILIDADE DE VACAS Bos indicus

MIGUEL PIZZOLANTE BOTTINO. ADIÇÃO DE GONADOTROFINAS EM PROTOCOLOS DE IATF E FERTILIDADE DE VACAS Bos indicus MIGUEL PIZZOLANTE BOTTINO ADIÇÃO DE GONADOTROFINAS EM PROTOCOLOS DE IATF E FERTILIDADE DE VACAS Bos indicus LAVRAS MG 2014 MIGUEL PIZZOLANTE BOTTINO ADIÇÃO DE GONADOTROFINAS EM PROTOCOLOS DE IATF E FERTILIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL AILSON SEBASTIÃO DA SILVA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE CAMPO

Leia mais

Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1

Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1 Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1 Nadja Gomes Alves 2, Eduardo Paulino da Costa 3, José Domingos Guimarães

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO latu sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO latu sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ESPECIALIZAÇÃO latu sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE FÊMEAS DE CORTE: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL THIAGO ALVES DE PAIVA SÃO PAULO,out. de 2007 THIAGO

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DA OVULAÇÃO EM FÊMEAS NELORE, COM ASSOCIAÇÃO DE PROGESTÁGENO, ESTRÓGENO E GONADOTROFINA SÉRICA DE ÉGUA PRENHE

SINCRONIZAÇÃO DA OVULAÇÃO EM FÊMEAS NELORE, COM ASSOCIAÇÃO DE PROGESTÁGENO, ESTRÓGENO E GONADOTROFINA SÉRICA DE ÉGUA PRENHE ARS VETERINARIA, Jaboticabal, SP, Vol. 18, nº 3, 267-272, 2002. ISSN 0102-6380 SINCRONIZAÇÃO DA OVULAÇÃO EM FÊMEAS NELORE, COM ASSOCIAÇÃO DE PROGESTÁGENO, ESTRÓGENO E GONADOTROFINA SÉRICA DE ÉGUA PRENHE

Leia mais

Biotecnologias da Reprodução em Bubalinos

Biotecnologias da Reprodução em Bubalinos Biotecnologias da Reprodução em Bubalinos Prof. Dr. André Mendes Jorge Depto. Produção e Exploração Animal Unesp-FMVZ-Botucatu SP jorgeam@fca.unesp.br Pesquisador do CNPq INTRODUÇÃO Das espécies animais

Leia mais