Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli"

Transcrição

1 Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli Prof. Titular do Departamento de Reprodução Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade de São Paulo

2 Fertilidade X Produção de leite

3 Produção de leite (kg) Taxa de concepção (%) Produção de leite e taxa de concepção em 532 rebanhos de vacas Holandesas e 29 rebanhos de vacas Jersey 8000 Jersey Holstein Anos Fonte: S. P. Washburn et al Trends in reproductive performance in southeastern Holstein and Jersey DHI herds. J. Dairy Sci. 85:

4 Fertilidade X Estresse calórico

5 pregnancy rate (%) temperature (ºC) AI T (ºC) a 20% J F M A M J J A S O N D months Gráfico: Taxa de concepção de vacas Holandesas de alta produção inseminadas artificialmente (n=7.501). Descalvado, 2000 a Rodrigues et al., 2004 (ICAR)

6 Fertilidade X Número de serviços

7 P > (5.298/18.568) (1.021/5.672) Taxa de concepção 5 0 Todo o rebanho Repetidoras de cio (>3 serviços) Gráfico. Taxa de concepção à inseminação artificial de vacas holandesas de alta produção. Rodrigues et al., 2008

8 pregnancy rate (%) temperature (ºC) 40 AI T (ºC) a 25% J F M A M J J A S O N D months 10 Gráfico: Taxa de concepção à inseminação artificial (n=2803) de vacas holandesas (repeat-breeder; 4 serviços) de alta produção. Descalvado, 2000 a Rodrigues et al., 2004 (SBTE)

9 % de vacas vazias Taxa de serviço x Taxa de concepção % TS X 40% TC/IA % TS X 50% TC/IA % 12% Dias em lactação 40% taxa de serviço x 40% taxa de concepção Dias abertos = 150 dias 20% de vacas vazias aos 250 dpp 40% taxa de serviço x 50% taxa de concepção Dias abertos = 135 dias 12% de vacas vazias aos 250 dpp

10 Estresse calórico em vacas de leite criadas no trópico Fazenda Santa Rita Descalvado, São Paulo

11 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DEPARTAMENTO DE REPRODUÇÃO ANIMAL PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES EM Bos indicus SOB ESTRESSE CALÓRICO José Ribamar de Sousa Torres Júnior Orientador: Prof. Dr. Pietro Sampaio Baruselli

12 Local e animais experimentais Dez vacas multíparas, não-lactantes da raça Gir (Bos indicus) Histórico reprodutivo normal Adaptação ao espaço físico e dieta (14 dias) Universidade de São Paulo X Embrapa Gado de Leite (CESM, Valença RJ) Torres-Júnior et al., 2008

13 Delineamento experimental GRUPO ESTRESSE (GE) Dias OPU 5 OPU 17 OPU Fase I termoneutro (14 dias) Fase II estresse calórico (28 dias) Fase III termoneutro (119 dias) PRÉ-TRATAMENTO TRATAMENTO PÓS-TRATAMENTO GRUPO CONTROLE (GC) Dias OPU 5 OPU 17 OPU Fases I, II e III (ambiente termoneutro; 161 dias) Torres-Júnior et al., 2008

14 30 38 o C 80% NOITE DIA CONTROLE DIGITAL DE TEMPERATURA E UMIDADE

15 Exame ovariano e OPU-PIV MATERIAIS E MÉTODOS ULTRA-SOM (Scanner 200s) Contagem da população folicular e mensuração dos dois maiores folículos Aspiração folicular em ordem alternada vaca/ grupo MIV, FIV e CIV

16 ITU ITU * * * * * Controle Manhã Estresse Manhã ESTRESSE SEVERO ESTRESSE ESTRESSE MODERADO AUSÊNCIA DE ESTRESSE * * * * * Dias Dias Controle Tarde Estresse Tarde ESTRESSE SEVERO ESTRESSE ESTRESSE MODERADO AUSÊNCIA DE ESTRESSE Figura - Caracterização de conforto (média E.P.M.) e estresse térmico em bovinos de acordo com o Índice de Temperatura e Umidade (ITU; Armstrong, 1994) nos Grupos Controle e Estresse durante o período experimental nos turnos da manhã (08:00 h) e da tarde (15:00 h). * P<0,05

17 ng/ml 7,0 6,0 5,0 4,0 Controle Estresse 3,0 2,0 * 1,0 0, Dias ESTRESSE TRATAMENTO Figura - Média ( E.P.M.) das concentrações plasmáticas de cortisol nos Grupos Controle e Estresse durante o período experimental. * P<0,05 Fase I Fase II Fase III Controle Estresse Controle Estresse Controle Estresse Cortisol (ng/ml) 2,3±0,5 A 3,2±0,8 A 2,4±0,2 A 2,4±0,2 A 1,9±0,2 B 1,3±0,1 B AB Fase III difere das demais (P<0,0001). Torres-Júnior et al., 2008

18 Matéria seca (Kg) 10 9 Controle Estresse P<0, TRATAMENTO Dias Figura - Média semanal ( E.P.M.) do consumo de matéria seca nos Grupos Controle e Estresse durante o período experimental. * P<0,05 Torres-Júnior et al., 2008

19 Folículos visualizados Efeitos (Valor de P) Tratamento Fase Sessão 0,26 <0,01 <0,01 40,0 35,0 * Controle Estresse 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 TRATAMENTO ESTRESSE Dias Figura - Média ( E.P.M.) de folículos visualizados no momento da aspiração folicular nos Grupos Controle e Estresse durante o período experimental. * P<0,05 Torres-Júnior et al., 2008

20 Folículos aspirados Folículos aspirados (%) Efeitos (Valor de P) Tratamento Fase Sessão 0,22 <0,01 <0,01 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 ESTRESSE TRATAMENTO * * * 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0, Dias Controle Estresse Controle Estresse Figura - Média ( E.P.M.) e percentual de folículos aspirados no momento da aspiração folicular nos Grupos Controle e Estresse durante o período experimental. * P<0,05 Torres-Júnior et al., 2008

21 CCO's recuperados Efeitos (Valor de P) Tratamento Fase Sessão 0,39 <0,01 0,03 20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 ESTRESSE TRATAMENTO Controle Estresse Dias Figura - Média ( E.P.M.) de complexos cúmulus-oócitos recuperados por sessão de aspiração folicular nos Grupos Controle e Estresse durante o período experimental Torres-Júnior et al., 2008

22 Diâmetro (mm) P4 (ng/ml) Diâmetro (mm) P4 (ng/ml) 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 ESTRESSE TRATAMENTO * * * * a Dias P4 Diâmetro FS Diâmetro FD 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 CONTROLE b P4 Diâmetro FS Diâmetro FD Dias Figura - Média ( E.P.M.) do diâmetro do folículo dominante (FD; linhas com círculos sólidos) e do maior folículo subordinado (FS; linhas com círculos abertos) visualizados no momento da aspiração folicular e concentração plasmática de progesterona (P4; área amarela) nos Grupos Controle (gráfico inferior) e Estresse (gráfico superior) durante o período experimental. = Diâmetro do FD difere entre os tratamentos (P<0,05); * = Diâmetro do FS difere entre os tratamentos (P<0,05) Torres-Júnior et al., ,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0

23 Clivagem (%) RESULTADOS CONTROLE y = -0,8299x + 81,55 R 2 = 0,112 (P>0,05) ESTRESSE y = 0,3876x + 67,231 R 2 = 0,0236 (P>0,05) TRATAMENTO ESTRESSE Dias Controle Estresse Controle Estresse Figura - Percentual de estruturas clivadas in vitro nos Grupos Controle e Estresse durante o período experimental Torres-Júnior et al., 2008

24 Blastocistos (%) RESULTADOS CONTROLE y = -0,7961x + 38,199 R 2 = 0,2192 (P>0,05) TRATAMENTO ESTRESSE Dias ESTRESSE y = -1,4688x + 35,326 R 2 = 0,5689 (P<0,001) Controle Estresse Controle Estresse Figura - Percentual de blastocistos produzidos in vitro Grupos Controle e Estresse durante o período experimental Torres-Júnior et al., 2008

25 Tabela - Competência in vitro (número e percentual) de oócitos coletados por aspiração folicular in vivo nos Grupos Controle e Estresse durante o período experimental Valença 2005 Fase I Fase II Fase III Parâmetro Controle Estresse Controle Estresse Controle Estresse Embriões (7 dias) n=59 n=105 n=31 n=52 n=279 n=188 BI 11 (18,6%) 16 (15,2%) 2 (6,5%) 5 (9,6%) 27 (9,7%) 11 (5,9%) BL 8 (13,6%) 17 (16,2%) 6 (19,4%) 6 (11,5%) 41 (14,7%) a 13 (6,9%) b BLX 4 (6,8%) 8 (7,6%) 3 (9,7%) 2 (3,8%) 8 (2,9%) x 1 (0,5%) y Total 16 (27,1%) 33 (31,5%) 11 (35,5%) 13 (25,0%) 76 (27,2%) a 25 (13,3%) b Embriões / Doadora 2,1 1,1 y 4,1 1,0 x 0,4 0,3 0,5 0,3 0,9 0,2 x 0,4 0,1 y ab P<0,05; xy P<0,1; BI = blastocisto inicial; BL = blastocisto; BX = blastocisto expandido Torres-Júnior et al., 2008

26 Fig. Heat Stress can reduce dry matter intake to indirectly inhibit GnRH and LH secretion from the hypothalamopituitary system (dashed lines). However, it is not clear if heat stress can also directly influence the hypothalamopituitary system (thin solid line) to reduce GnRH and LH secretion. Heat stress can directly compromise the uterine environment (solid lines) to cause embryo loss and infertility. De Rensis e Scaramuzzi, 2003 (Theriogenology, 60; )

27 Modelo Hipotético Frequência LH Amplitude LH LH Síntese Inibina = FSH OU Síntese E 2 e P 4 ESTRESSE CALÓRICO ESTRESSE CALÓRICO SELEÇÃO CODOMINÂNCIA FOLÍCULOS ANOVULATÓRIOS ATRESIA ÓVULAÇÃO TARDIA DUPLA OVULAÇÃO FALHA NA MATURAÇÃO OÓCITOS NÃO VIÁVEIS ESTRESSE CALÓRICO RECRUTAMENTO/ FORMAÇÃO DO ANTRO DOMINÂNCIA OVULAÇÃO OÓCITOS VIÁVEIS FOLÍCULOS PRIMÁRIOS E SECUNDÁRIOS FOLÍCULOS PRIMORDIAIS Síntese E 2 e P 4 Síntese Inibina = FSH Frequência LH Amplitude LH LH Folículos pré-antrais ~ 90 dias Fatores de crescimento Síntese antioxidantes Danos ultraestruturais QUALIDADE OOCITÁRIA Folículos antrais (Gonadotropina-depententes) ~ 42 dias Consumo de matéria seca Metabolismo lipídico Substrato Colesterol Radicais livres Função receptores LH Conversão Colesterol-P 4 Atividade aromatase Conversão Andrógenos-E 2 QUALIDADE OOCITÁRIA

28 Fertilidade X Progesterona

29 IFNtau Rec. Ocitocina PGF 14º AO 18º DIA DO CICLO ESTRAL 14º AO 18º DIA DO CICLO ESTRAL IFNtau Rec. Ocitocina PGF P4 > 10cm P4 Mann 16º DIA DO CICLO ESTRAL < 10cm et al., 1999

30 Tabela. Concentração plasmática de progesterona (ng/ml) após a ovulação sincronizada de em animais tratados ou não com ecg. N de animais e categoria [P4] após a ovulação Sem ecg Com ecg Valor de P Baruselli et al., 2000 Marques et al., 2003 Baruselli et al., 2004 Sá Filho et al., (receptoras) 50 (vacas ½ sangue) 41 (novilhas Nelore) 172 (novilhas Nelore) Dia 7 1,4 0,8 a 4,2 3,7 b < 0,05 Dia 12 6,4 0,5 a 8,6 0,4 b < 0,05 Dia 12 2,2 0,2 a 4,3 0,6 b < 0,05 Dia 5 3,6 0,7 a 6,6 1,0 b < 0,05

31 Concentração de P4 (ng/ml) Recipients Bos taurus x indicus cows Nelore heifers No ecg ecg 3.6 a b a b a b a b 6.6 Nelore heifers Concentração plasmática de progesterona (ng/ml) após a ovulação sincronizada de animais tratados ou não com ecg.

32 Volume do CL (mm 3 ) ecg: P> DIA: P<0.01 ecg*dia: P>0.10 Com ecg Sem ecg (A) Progesterona circulante (ng/ml) ecg: P=0.09 DIA: P<0.01 ecg*dia: P>0.10 * ** (B) Sem ecg Com ecg 1000 dia 7 dia 9 dia 12 dia 14 dia 16 dia 19 dia 21 Dia do ciclo estral após a ovulação sincronizada dia 7 dia 9 dia 12 dia 14 dia 16 dia 19 dia 21 Dia do ciclo estral após a ovulação sincronizada Figura. Efeito da ecg no volume do CL (A) e da P4 circulante (B) durante o ciclo estral subsequente ao uso de protocolos de IATF em vacas de leite de alta produção. * P < 0.05; ** P < Souza et al., 2006

33 Figura. Imagem de CL com alto (A) ou baixo (B) fluxo sanguíneo (colorido) com utilização de ultrassonografia Doppler. Souza et al., 2008

34

35 Color Doppler Ayres et al., 2008

36 Biopsia de CL Ayres et al., 2008

37 G P Figura. Corte histológico de um CL no 11 dias após a ovulação. Coloração em HE. Note a presença de 2 tipos de células luteais: grande (G) e pequena (P). Souza et al., 2008

38 Transferência de embriões para melhorar a eficiência reprodutiva de vacas de leite de alta produção 1. Verão (meses com altas temperaturas e umidade) 2. Vacas repetidoras de cio (> 3 IA)

39 Melhoramento genético e da eficiência reprodutiva Fazenda Santa Rita Descalvado, São Paulo

40 1. Verão (meses com altas temperaturas e umidade)

41 Figura. Detalhe dos animais utilizados no experimento (Sala de espera para ordenha; Fazenda Santa Rita Descalvado, São Paulo).

42 pregnancy rate (%) tem perature (ºC) J F M A M J J A S O N D months AI ET AI x ET (P<0.05) T (ºC) Gráfico: Taxa de concepção de vacas Holandesas de alta produção inseminadas artificialmente (n=7.501) ou inovuladas (n=2.112). Descalvado, 2000 a Rodrigues et al., 2004 (ICAR)

43 TAXA DE CONCEPÇÃO À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E À TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM VACAS HOLANDESAS DE ALTA PRODUÇÃO Rodrigues, C.A., Ayres, H.; Ferreira, R.M.; Teixeira, A.A.; Mancilha, R.F.; Oliveira, M.E.F.; Souza, A.H.; Baruselli, P.S. SBTE, 2007

44 60% IA TE 50% 40% 30% 20% a a a b b b b a b a b a b a b a b a b a b a b a 10% 0% Gráfico Taxa de concepção à inseminação artificial (n= ) e à transferência de embriões (n= 4.871) em vacas holandesas de alta produção de acordo com o mês do ano. Rodrigues et al SBTE (2007)

45 50 40 IA TE Col 5 Col % a 2,039/4,871 Pregnancy Rate (%) % b 5,298/18, Gráfico Taxa de concepção à inseminação artificial (n= ) e à transferência de embriões (n= 4.871) em vacas holandesas de alta produção. Rodrigues et al SBTE (2007)

46 2. Vacas repetidoras de cio (> 3 IA)

47 TAXA DE CONCEPÇÃO À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E À TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM VACAS HOLANDESAS (REPEAT- BREEDER) DE ALTA PRODUÇÃO Rodrigues, C.A. 1, Ayres, H. 2, Reis, E.L. 2, Nichi, M. 2, Bo, G.A. 3 ; Baruselli, P.S 2 1 Clínica Veterinária SAMVET de São Carlos, São Carlos-SP, Brasil. 2 Departamento de Reprodução Animal, FMVZ USP, São Paulo SP, , Brasil. 3 Instituto de Reproducción Animal Córdoba (IRAC), Córdoba, Argentina SBTE, 2004

48 pregnancy rate (%) temperature (ºC) AI ET AI x ET (P<0.05) T (ºC) J F M A M J J A S O N D months Gráfico: Taxa de concepção à inseminação artificial (n=2803) e à transferência de embriões (n=2066) em vacas holandesas (repeatbreeder; ( 4 serviços) de alta produção. Descalvado, 2000 a Rodrigues et al., 2004 (SBTE)

49 COMPARAÇÃO ENTRE A TAXA DE CONCEPÇÃO APÓS INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU A TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM VACAS HOLANDESAS DE ALTA PRODUÇÃO REPETIDORAS DE SERVIÇO Rodrigues, C.A., Ayres, H.; Ferreira, R.M.; Teixeira, A.A.; Mancilha, R.F.; Oliveira, M.E.F.; Souza, A.H.; Baruselli, P.S. SBTE 2007

50 50 40 AI in Repeat Breeder ET in Repeat Breeder 41.7 % a 1,608/3,858 Pregnancy Rate (%) % b 1,021/5, Gráfico Efeito do método (IA ou TE) na taxa de concepção em vacas holandesas de alta produção Rodrigues et al SBTE (2007)

51 Taxa de Concepção REAPT BREED ( 4 SERVIÇOS) Efeito Mês (IA vs TE) 50% IA * * * * * * * * * * * * TE 40% 30% 20% 10% 0% Mês Gráfico Taxa de concepção à inseminação artificial (n=5.693) e à transferência de embriões (n=3,858) em vacas holandesas de alta produção de repetidoras de cio acordo com o mês do ano. Rodrigues et al SBTE (2007)

52 Protocolos de TETF

53 AUMENTAR A TAXA DE APROVEITAMENTO Eliminar a detecção de estro Aumentar a taxa de ovulação AUMENTAR A TAXA DE CONCEPÇÃO Aumentar a concentração de P4 Aumentar a taxa de ovulação sincronizada AUMENTO DA TAXA DE PRENHEZ AUMENTO DA EFICIÊNCIA E REDUÇÃO DOS CUSTOS COM RECEPTORAS

54 Tratamento de receptoras com PGF 2 Baixas taxas de aproveitamento 45,2 % (80/177) Baruselli et al., ,0 % (60/100) Tríbulo et al., ,2 % (80/133) Bó et al., 2002 Necessidade de detecção de estro Distribuição do estro ao longo de 6 dias Kastelic, Knopf e Ginther, 1990 Kastelic e Ginther, 1991

55 Tratamento de receptoras para transferência de embriões em tempo fixo (TETF) Taxa de aproveitamento Ovsynch 76,2 % (308/404) Ambrose et al., ,6 % (122/168) Baruselli et al., ,4 % (67/98) Bó et al., 2002 Progesterona/Estradiol/PGF 2 34,0 % (17/50) Baruselli et al., ,0 % (59/100) Tríbulo et al., ,2 % (66/129) Bó et al., 2001

56 Uso de ecg em programas de TETF Maiores taxas de aproveitamento 89,7 % (29/32) 1000 UI Fuentes e De La Fuente, ,8 % (87/89) 1000 UI Fuentes e De La Fuente, ,0 % (42/50) 800 UI Baruselli et al., ,6 % (132/156) 400 UI Tríbulo et al., ,8 % (91/106) 400 UI Moreno et al., ,0 % (262/301) 400 UI Nasser et al., ,6 (643/734) - Taxa média

57 Uso de ecg em programas de TETF Aumento das taxas de concepção Fuentes e De La Fuente, 1997 PGF 2 + detecção de estro 42,3 % PRID 46,1 % + 19,2 % PRID + ecg 65,3 %

58 Uso de ecg em programas de TETF Aumento das taxas de concepção Baruselli et al., 2000 CIDR 29,4 % CIDR + ecg + 25,9 % 55,3 % Tríbulo et al., 2002 DIB 41,7 % DIB + ecg + 15,9 % 57,6 %

59 Emprego do protocolo Ovsynch para TETF

60 Protocolos para sincronização da ovulação e TE em tempo fixo Grupo Ovsynch (n=168) GnRH (25 g) PGF 2 GnRH (25 g) TETF 48h 7 dias D0 D7 D9 D16 Grupo dose única de PGF 2 (n=177) PGF 2 Detecção de cio 7 dias TE D0 D2 D7 D7 após o cio

61 ALTO CUSTO DE MANUTENÇÃO DE RECEPTORAS DE EMBRIÃO Fazenda Reunidas Boi Gordo Med. Vet. Waldyr P. da Costa Neto (Embrião SC)

62 RECEPTORAS DE EMBRIÃO SINCRONIZADAS PARA TETF Fazenda Reunidas Boi Gordo Med. Vet. Waldyr P. da Costa Neto (Embrião SC)

63 ,6 56,3 49,2 45,2 a b Ovsynch PGF 35,7 25,4 a b 122/168 80/177 60/122 45/80 60/168a 45/177b Taxa de aproveitamento Taxa de concepção Taxa de prenhez Gráfico. Taxas de aproveitamento, concepção e prenhez conforme tratamento em novilhas receptoras de embrião bovino. BARUSELLI et al., 2000

64 Emprego do protocolo com progesterona e estrógenos para TETF

65 Inovulação em tempo fixo - CIDR-B BE + P4 PGF 2 BE P4 CL mm 6 2 Dia 0 Dia 4,3 Dia 8 Dia 9

66 Efeito luteotrófico do tratamento com ecg ecg P4?

67 Concentração de P4 (ng/ml) Recipients Bos taurus x indicus cows Nelore heifers No ecg ecg 3.6 a b a b a b a b 6.6 Nelore heifers Concentração plasmática de progesterona (ng/ml) após a ovulação sincronizada de animais tratados ou não com ecg.

68 Volume do CL (mm 3 ) ecg: P> DIA: P<0.01 ecg*dia: P>0.10 Com ecg Sem ecg (A) Progesterona circulante (ng/ml) ecg: P=0.09 DIA: P<0.01 ecg*dia: P>0.10 * ** (B) Sem ecg Com ecg 1000 dia 7 dia 9 dia 12 dia 14 dia 16 dia 19 dia 21 Dia do ciclo estral após a ovulação sincronizada dia 7 dia 9 dia 12 dia 14 dia 16 dia 19 dia 21 Dia do ciclo estral após a ovulação sincronizada Figura. Efeito da ecg no volume do CL (A) e da P4 circulante (B) durante o ciclo estral subsequente ao uso de protocolos de IATF em vacas de leite de alta produção. * P < 0.05; ** P < Souza et al., 2006

69 Superovulação de receptoras BE + P4 PGF 2 BE P P4 ecg 800 UI mm 6 2 Dia 0 Dia 5 Dia 8 Dia 9

70 Grupo sem ecg (n=50) BE (2,0mg) EFEITO DO ecg NA TETF PGF 2 BE (0,5mg) Inovulação CIDR-B 24h US P4 D0 Grupo com ecg no D5 (n=50) BE (2,0mg) ecg (800UI) D7 PGF 2 D8 BE (0,5mg) D16 Inovulação CIDR-B 24h US P4 D0 D5 D7 D8 D16

71 Receptoras de embrião bovino inovuladas em tempo fixo tratadas ou não com ecg. Baruselli et al., 2000 (SBTE) ecg (n=50) No ecg (n=50) a b a b a Taxa de aproveitamento Taxa de concepção Taxa de prenhez b

72 Ajuste da dose de ecg para TETF 800 vs 600 vs 500 vs 400 vs 300UI?

73 EFEITO DO MOMENTO E DA DOSE DE ecg NA TETF Grupo Dia 5 e 400UI ecg (n=100) BE + P4 ecg (400UI) PGF 2 BE (1mg) Inovulação Dispositivo P4 24h D0 Grupo Dia 5 e 500UI ecg (n=100) BE + P4 D5 ecg (500UI) PGF 2 D8 D9 BE (1mg) D17 Inovulação Dispositivo P4 24h D0 D5 D8 D9 D17 Grupo Dia 5 e 600UI ecg (n=100) BE + P4 ecg (600UI) PGF 2 BE (1mg) Inovulacão Dispositivo P4 24h D0 D5 D8 D9 D17

74 EFEITO DO MOMENTO E DA DOSE DE ecg NA TETF Grupo Dia 8 e 400UI ecg (n=100) BE + P4 ecg (400UI) PGF 2 BE (1mg) Inovulação Dispositivo P4 24h D0 Grupo Dia 8 e 500UI ecg (n=100) BE + P4 D8 ecg (500UI) PGF 2 D9 BE (1mg) D17 Inovulação Dispositivo P4 24h D0 D8 D9 D17 Grupo Dia 8 e 600UI ecg (n=100) BE + P4 ecg (600UI) PGF 2 BE (1mg) Inovulacão Dispositivo P4 24h D0 D8 D9 D17

75 Tabela. Taxas de aproveitamento, de concepção e de prenhez em receptoras tratadas com dispositivos intravaginais de progesterona (DIB ) no Dia 0 e com diferentes doses de ecg (Novormon ) no D5 ou no D8. Dose Dia N Aproveitamento (%) Concepção (%) Prenhez (%) /101 (81,2) 47/81 (58,0) 47/101 (46,5) /100 (83,0) 38/83 (45,8) 38/100 (38,0) /98 (86,7) 40/82 (48,8) 40/98 (40,8) /99 (80,8) 31/79 (39,2) 31/99 (31,3) /100 (93,0) 45/92 (48,9) 45/100 (45,0) /96 (81,3) 39/78 (50,0) 39/96 (40,6) Efeitos principais /299 (87,0) a 132/255 (51,8) x 132/299 (44,1) a /295 (81,7) b 108/240 (45,0) y 108/295 (36,6) b ,1(165/201) 51,8(85/164) 42,3(85/201) ,8(165/197) 44,1(71/161) 36,0(71/197) ,2(171/196) 49,4(84/170) 42,9(84/196) ab P<0,05; xy P=0,06 Reis et al., 2003

76 UI ecg 500 UI ecg 400 UI ecg P > 0, (165/201) (165/197) (171/196) (85/164) (71/161) (84/170) (85/201) (71/197) (84/196) Taxa de aproveitamento Taxa de concepção Taxa de prenhez Receptoras de embrião bovino inovuladas em tempo fixo tratadas ou não com ecg. Ferreira et al., 2006 (Animal Reproduction)

77 % ,62 (176/188) 91,58 (174/190) 300 UI ecg 400 UI ecg 45,45 (80/176) 50,00 (87/174) 42,55 (80/188) 45,79 (87/190) APROVEITAMENTO CONCEPÇÃO PRENHEZ Figura. Eficiência da TETF conforme a dose de ecg (300 vs 400UI) Rezende et al., 2005 (SBTE)

78 Redução do número de manejos para TETF 5 vs 4 vs 3 manejos?

79 Grupo 1 (n=100) BE D0 Grupo 2 (n=100) BE 400 UI ecg + PGF 2 CRESTAR D5 CRESTAR Retirada Implante D8 BE D9 TETF D UI ecg + PGF 2 BE TETF D0 Grupo 3 (n=100) BE D5 D8 400 UI ecg + 0,25ml ECP + PGF 2 D9 D17 TETF CRESTAR D0 D5 D8 D9 D17

80 Rodrigues et al (Animal Reproduction) P<0,05 Tabela - Efeito do momento da administração de ecg (d5 vs d8), do ester de estradiol (benzoato vs cipionato) e do momento da administração do indutor de ovulação (d8 vs d9) no protocolo de sincronização da ovulação para inovulação em tempo fixo com crestar no dia 17. Grupos Taxa de aproveitamento (receptoras com CL / n) Taxa de concepção (receptoras prenhes / com CL) Taxa de prenhez (receptoras prenhes / n) Crestar+BE (D0); ecg+pgf (D5); BE (D9) Crestar+BE (D0); ecg+pgf (D8); BE (D9) Crestar+BE (D0); ecg+pgf+ecp (D8) 92% (92/100) 45,6% (42/92) a 42% (42/100) a 93% (93/100) 45,2% (42/93) a 42% (42/100) a 96% (96/100) 61,5% (59/96) b 59% (59/100) b

81 manejos 4 manejos 3 manejos a a 42 b b b b (92/100) (93/100) (96/100) 42/92 42/93 59/96 (42/100) (42/100) (59/100) Taxa de aproveitamento Taxa de concepção Taxa de prenhez Receptoras de embrião bovino inovuladas em tempo fixo tratadas ou não com ecg. Ferreira et al., 2006 (Animal Reproduction)

82 ESTUDO DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE SINCRONIZAÇÃO DA OVULAÇÃO PARA DE RECEPTORAS HOLANDESAS PARA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÃO C. A. Rodrigues1, A. A. Teixeira2, R. M. Ferreira2, H. Ayres2, R. F. Mancilha1, A. H. Souza2, P. S. Baruselli2 1 SAMVET Embriões, Rua Getúlio Vargas 300, CEP , São Carlos, SP; 2 Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP, Rua Prof. Orlando Marques de Paiva, 87, CEP , São Paulo, SP, Brazil

83 QUESTÕES SOBRE TETF EM VACAS HOLANDESAS 1. É possível transferir embriões em tempo fixo em vacas holandesas de alta produção? 2. É possível obter bons resultados mesmo em vacas sem a presença de CL?

84 Desenho experimental Grupo 1) PGF 2 (n=229) PGF 2 Detecção de cio 7 dias TE D0 D2 D7 D7 após o cio Grupo 2) TETF com CL (n=208) BE+P4 400 UI ecg + 0,5 ml ECP + PGF 2 TETF P4 D0 D8 D9 D17

85 Grupo 2) TETF com CL (n=208) Desenho experimental BE+P4 D0 P4 400 UI ecg + 0,5 ml ECP + PGF 2 D8 TETF D17 Grupo 3) TETF sem CL (n=221) BE+P4 D0 P4 400 UI ecg + 0,5 ml ECP + PGF 2 D8 TETF D17

86 Taxa de estro 34.5 a (136/229) (79/229) (156/208) (42/79) (67/156) b Taxa de aprov. Taxa de concepção PGF - Estrus TETF - CL Taxa de prenhez Effect of different treatments for embryo transfer (PGF + detection of estrus compared to FTET) on fertility rates of high-producing Holstein repeat-breeder recipients with CL at the beginning of the treatment a b (37/229) (61/208) Rodrigues et al SBTE (2007)

87 Taxa de aprov. * ** Taxa de concepção TETF - CL TETF - No CL 29.3 (156/208) (131/214) (67/156) (49/131) (61/208) 22.9 (49/214) Taxa de prenhez Effect of the presence of CL at the beginning of the protocol for FTET on fertility rates of high-producing Holstein repeat-breeder recipients Rodrigues et al SBTE (2007)

88 Effect of different treatments for embryo transfer (PGF + detection of estrus compared to FTET) on corpus luteum and plasma concentration of progesterone (P4) of high producing Holstein repeat-breeder recipients with CL at the beginning of the treatment PGF-Estrus FTET-CL P value Pregnancy loss between 30 and 60 days (%) 11.9 (5/42) 9.0 (6/67) 0.62 Average number of CL 1.51 ± 0.06 (n=79) Average area of CL (cm²) 4.23 ± 0.26 (n=40) Multiple ovulation rate (%) 50.6 (39/79) 1.58 ± 0.05 (n=156) 3.73 ± 0.14 (n=78) 50.0 (78/156) Plasma concentration of P4 at ET (ng/ml) 4.02 ± 0.52 (n=25) 3.33 ± 0.32 (n=27) 0.25 Rodrigues et al SBTE (2007)

89 Effect of different treatments for embryo transfer (PGF + detection of estrus compared to FTET) on corpus luteum and plasma concentration of progesterone (P4) of high producing Holstein repeat-breeder recipients with CL at the beginning of the treatment FTET-CL FTET - No CL P value Pregnancy loss between 30 and 60 days (%) 9.0 (6/67) 2.0 (1/50) 0.15 Average number of CL 1.58 ± 0.05 (n=156) Average area of CL (cm²) 3.73 ± 0.14 (n=78) Multiple ovulation rate (%) 50.0 (78/156) 1.60 ± 0.07 (n=131) 3.58 ± 0.15 (n=61) 46.6 (70/131) Plasma concentration of P4 at ET (ng/ml) 3.33 ± 0.32 (n=27) 3.44 ± 0.40 (n=29) 0.82 Rodrigues et al SBTE (2007)

90 ÍNDICES REPRODUTIVOS (IATF vs TETF) REPEAT BREEDER ( 4 SERVIÇOS) 100 vacas 100 vacas 100 IA Taxa de serviço (100%) Taxa de concepção (10%); 10 doses/conc 75 TE Taxa de serviço (75%) Taxa de concepção (40%) 10 prenhezes 10 prenhezes Taxa de prenhez (10%) 30 prenhezes 30 prenhezes Taxa de prenhez (30%)

91 TETF em receptoras Holandesas sincronizadas GnRH ou estrógenos com ou sem ecg no verão e no inverno Carlos Alberto Rodrigues Alessandra Ambrósio Teixeira

92 Material e Métodos 3. Grupo BE (n = 100) BE ecg (400 UI) + PGF (0,5mg) + ECP (1.0 mg) TETF Crestar D-1 D8 D17 4. Grupo BE + ecg (n = 99) BE PGF (0,5mg) + ECP (1.0 mg) TETF Crestar D-1 D8 D17

93 Material e Métodos 1. Grupo GnRH (n = 99) GnRH PGF (0,5mg) GnRH TETF Crestar D0 D7 D9 D16 2. Grupo GnRH + ecg (n = 99) GnRH ecg (400UI) + PGF (0,5mg) GnRH TETF Crestar D0 D7 D9 D16

94 Material e Métodos

95 P < 0.05 * ** % (199) (198) (199) (198) 0 Com ecg Sem ecg Figura. Taxa de aproveitamento à TETF em vacas Holandesas de alta produção durante o verão. Rodrigues et al., 2009

96 % (n=99) (n=99) (n=99) (n=99) E2 E2 + ecg GnRH GnRH = ecg Figura. Taxa de aproveitamento à TETF em vacas Holandesas de alta produção durante o verão. Rodrigues et al., 2009

97 % (199) (198) 10 5 (199) (198) 0 Estrógenos GnRH 0 Com ecg Sem ecg Figura. Taxa de prenhez à TETF (60 dias) em vacas Holandesas de alta produção durante o verão. Rodrigues et al., 2009

98 ,8 a ,5 ab 15,5 b 17,7 b IA TE 5 (51/276) (131/529) (96/620) (146/824) 0 Verão Inverno MORTALIDADE EMBRIONÁRIA À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E À TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM VACAS HOLANDESAS DE ALTA PRODUÇÃO REPETIDORAS DE SERVIÇO Rodrigues et al., 2009

99 Protocolo para TETF em vacas Holandesas em lactação BE+P4 D0 P4 400 UI ecg + 0,5 ml ECP + PGF 2 D8 TETF D17

100 SUPEROVULAÇÃO EM VACAS DE LEITE

101 1. Esquema tradicional de superovulação PGF 2 Detecção de estro PGF 2 FSH (12/12h) Detecção de estro Colheita de embriões D-0 D-10 D-13 D-0 D-7 2. Superovulação com sincronização da onda de crescimento folicular Detecção de estro BE + P4 P4 PGF 2 FSH (12/12h) Detecção de estro Colheita de embriões D-0 D-4 D-7 D-8 D Superovulação com sincronização da onda de crescimento folicular e da ovulação Detecção de estro BE+P4 P4 PGF 2 FSH (12/12h) Detecção de estro LH Colheita de embriões D-0 D-4 D-7 D-8 D-15

102 Fixed-time AI protocols for superstimulated Bos indicus donors EB + P4 PGF 2 LH FTAI LH P4 FSH (4 days; 12/12h) P4 E2 + Estrus behaviour mm 6 2 Day 0 Day 4 Day 7 Day 8

103 PROTOCOLO DE SUPEROVULAÇÃO COM DISPOSITIVOS DE P4 E INDUÇÃO DA OVULAÇÃO COM LH BE (2,5mg) P4 (50mg) Grupo 1: Retirada D7 (M; 24h) Grupo 2: Retirada D7 (T; 36h) DISPOSITIVO INTRAVAGINAL DE P4 FSH (133 mg) LH (25mg) (M) Estro D-8 D0 D4 D5 D6 D7 D8 D15 PGF2 (M e T) IA tempo fixo 12 e 24h após LH Colheita

104 Diferenças entre Bos taurus e Bos indicus

105 Synchronization ovulation protocol in Bos indicus vs Bos taurus heifers Nelore heifers (Bos indicus) Nelore X Angus heifers (Bos indicus x Bos taurus) Angus heifers (Bos taurus) Same management

106 Holstein heifers (Bos taurus) Girolando heifers (Bos taurus x Bos indicus) Gir heifers (Bos indicus) Same management

107 Mean ( SEM) interval from treatment to follicular wave emergence and number of follicles recruited per wave in Bos indicus, Bos indicus x Bos taurus, and Bos taurus heifers treated with 2 mg estradiol benzoate and CIDR insert. N Number of follicles recruited per wave Bos indicus a Bos indicus x Bos taurus ab Bos taurus b ab Means within the same column with different superscripts differ (P < 0.05). Carvalho et al., 2004

108 Bos indicus vs. Bos taurus vs. Bubalus bubalis

109 Number of follicles 30.0 Bubalus bubalis Bos taurus Bos indicus 29.7 a P> b b n=10 n=10 n= Figure. Mean number of follicles (2 to 3 mm) recruited per follicular wave in Bubalus bubalis (Mediterraneo), Bos taurus (Holstein) and Bos indicus (Nelore) heifers, São Paulo, 2008 Gimenes et al., 2008

110 Quantidade de folículos nos ovários de Bos taurus e de Bos indicus Ovário Ovário

111 Diameter of the dominant follicle at the time of deviation and the diameter at which the dominant follicle acquired the capacity to ovulate in Bos indicus

112 Folicular diameter (cm) Diameter of the dominant follicle at the time of deviation Bos indicus = 6.0 mm (Sartorelli et al., 2005) 1,2 DEVIATION 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0, moment (h) FD FS DF: mm SF: mm 64.6±5.5 h after ovulation Bos taurus = 8.5 mm (Ginther et al., 1996) Gimenes et al., SBTE (2005)

113 mm Capacidade ovulatória conforme o diâmetro folicular em Bos taurus LH 80,0% a (8/10) 10 8,5 7 LH 0,0% b (0/9) LH 0,0% b (0/9) Sartori et al. (Biology of Reproduction, v. 65, p , 2001)

114 mm 10 8,5 7 Capacidade ovulatória conforme o diâmetro folicular em Bos indicus 90,0% a LH 33,3% b (3/9) 80,0% a (8/10) LH (9/10) LH Gimenes et al., SBTE (2005)

115 mm Hipótese experimental LH 10 LH 8 3

116 Agropecuária Agrindus Medico Veterinário Carlos Alberto Rodrigues

117 Grupo 1 (n=10) Colocação do CRESTAR BE + P4 FSH PGF 2 Retirada do CRESTAR GnRH 12h IA IA Colheita De Embrião 1 CRESTAR D0 Grupo 2 (n=10) Colocação do CRESTAR BE + P4 D4 D5 FSH D6 PGF 2 D7 T Retirada do CRESTAR D8 M D8 T GnRH 24h IA D9 M IA D15 M Colheita De Embrião 1 CRESTAR D0 D4 D5 D6 D7 T D8 T D9 M D9 T D15 M

118 Rodrigues et al., 2004 (SBTE) n=20 n=20 12h 24h Embriões trasnferíveis Figura - Efeito do momento da aplicação do GnRH (48 ou 60 h) após a aplicação de prostaglandina (12 ou 24h após o último FSH) na produção de embriões transferíveis em vacas Holandesas de alta produção superovuladas. Descalvado SP, 2003.

119 Rodrigues et al., 2004 (SBTE) a b n=20 n=20 12h 24h Folículos > 10mm no dia da colheita (D15) Figura - Efeito do momento da aplicação do GnRH (48 ou 60 h) após a aplicação de prostaglandina (12 ou 24h após o último FSH) no número de folículos grandes no dia da colheita em vacas Holandesas de alta produção superovuladas. Descalvado SP, 2003.

120 Grupo P24 LH48 (n=8) Retirada do DIB Colocação do DIB BE PGF 2 200mg Folltropin LH 12 h IA IA Colheita De Embrião DIB D -1 D0 Grupo P24 LH60 (n=8) D4 D6 D7 M Retirada do DIB D8 M D8 T D9 M D15 Colocação do DIB BE PGF 2 200mg Folltropin LH 24 h IA IA Colheita De Embrião DIB D -1 D0 D4 D6 D7 M D8 T D9 M D9 T D15

121 Grupo P36 LH48 (n=8) Retirada do DIB Colocação do DIB BE PGF 2 200mg Folltropin LH 12 h IA IA Colheita De Embrião DIB D -1 D0 Grupo P36 LH60 (n=8) D4 D6 D7 T Retirada do DIB D8 M D8 T D9 M D15 Colocação do DIB BE PGF 2 200mg Folltropin LH 24 h IA IA Colheita De Embrião DIB D -1 D0 D4 D6 D7 T D8 T D9 M D9 T D15

122

123 Desenho Experimental 1 a Réplica (35d) 2 a Réplica (35d) 3 a Réplica (35d) 4 a Réplica Grupo P24/LH48 (238; 258; 308 ) Grupo P24/LH60 (238; 258; 308 ) Grupo P36/LH48 (238; 258; 308 ) Grupo P36/LH60 (238; 258; 308 ) Grupo P24/LH60 (271; 285; 296) Grupo P36/LH48 (271; 285; 296) Grupo P36/LH60 (271; 285; 296) Grupo P24/LH48 (271; 285; 296) Grupo P36/LH48 (266; 275; 300) Grupo P36/LH60 (266; 275; 300) Grupo P24/LH48 (266; 275; 300) Grupo P24/LH60 (266; 275; 300) Grupo P36/LH60 (259; 303; 304) Grupo P24/LH48 (259; 303; 304) Grupo P36/LH60 (259; 303; 304) Grupo P36/LH48 (259; 303; 304) Empregou-se a mesma partida de sêmen para IATF de todas as doadoras superovuladas Grupo P24/LH48 Grupo P24/LH60 Grupo P36/LH48 Grupo P36/LH60

124 b 2.3 a n=24 n=24 12h 24h Embriões trasnferíveis Figura - Efeito do momento da aplicação do GnRH (48 ou 60 h) após a aplicação de prostaglandina (12 ou 24h após o último FSH) na produção de embriões transferíveis em vacas Holandesas de alta produção superovuladas. Descalvado SP, Martins et al. SBTE (2005)

125 Número ovulações 140 Gráfico- Distribuição das ovulações de acordo com o momento da administração do LH (48 ou 60 após a PGF) em vacas Holandesas de alta produção (Bos taurus) superovuladas e inseminadas em tempo fixo Martins et al., LH48 LH ** Teste Bartlett (P=0.09) Horas após a PGF

126 Programação de Doadoras e Receptoras Dia 0: Implante P4 + EB + P4 Dia 4: SPO Dia 6: PGF (M e T) Dia 7: Ret. Implante P4 (M / T) Dia 8: GnRH/LH/hCG (M) IATF (T) Dia 9: IATF (M) Dia -2: Implante P4+EB Dia 6: Ret. Implante P4 + CE + PGF + ecg (?) Dia 8: Estro (estimado) Dia 15: Colheita Dia 15: Transferência

127 Pós graduandos Everton Luis Reis Márcio de Oliveira Marques Manoel de Sá Filho Lindsay Gimenes Luis Nasser Roberto Mendes Porto Filho Antônio Jorge Del Rei Moura Cláudio Coutinho Bartolomeu João Batista de Carvalho Marcelo Trigo Nelcio Antônio Tonizza de Carvalho Rodolfo Cassimiro de A. Berber Henderson Ayres Claudiney Martins Alexandre Henrily Souza José Ribamar Torres Junior Márcio Leão Ferraz José Nelio de Sousa Sales Gabriel Armond Crepaldi Alexandra Teixeira Roberta Ferreira AGRADECIMENTOS Instituições FAPESP CNPq Médicos Veterinários Proprietários das fazendas utilizadas para os experimentos Parceria com Empresas

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS Manoel F. Sá Filho, Claudiney M. Martins, José Nélio S. Sales, Roberta M. Ferreira, Pietro S. Baruselli. Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA José Luiz Moraes Vasconcelos e Mauro Meneghetti DPA FMVZ UNESP, Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br

Leia mais

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO Manoel F. Sá Filho, Alexandre H. Souza, Claudiney M. Martins, José N. S. Sales, Gabriel A. Crepaldi, Pietro S. Baruselli Departamento

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE PIETRO SAMPAIO BARUSELLI ET AL. 155 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli 1, Gabriel A. Bó 2, Everton L. Reis 1 e Márcio O. Marques 1 1 Departamento de Reprodução

Leia mais

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto José Luiz Moraes Vasconcelos De que vaca e de que pasto estamos falando? Cenários? Holandesa ou mestiça? Pasto bom ou ruim? Verão ou inverno? Produção

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=576>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Inseminação artificial em horário fixo de fêmeas bovinas de corte com cio sincronizado

Leia mais

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV)

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) antonio hugo bezerra colombo 1, Liziane Zaniboni 1, Fabio Luiz Bim Cavalieri 2, Luiz Paulo Rigolon

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/54 Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/54 Eficiência reprodutiva IP e PS MN e IA Taxa de concepção Detecção de estro

Leia mais

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE INFORZATO, Guilherme Repas SANTOS, William Ribeiro Martins dos CLIMENI, Bruno Santi Orsi DELLALIBERA,

Leia mais

NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS

NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS Pietro Sampaio Baruselli, José Nélio S. Sales, Gabriel A. Crepaldi, Manoel F. Sá Filho 1 Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS)

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE

IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli et al. 113 IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli 1, Henderson Ayres 1, Alexandre H. Souza 1, Claudiney M. Martins 1, Lindsay U. Gimenes 1,

Leia mais

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Carlos Antônio de Carvalho Fernandes 1 Faculdade de Medicina Veterinária.- Unifenas. Rod. MG 179 km 0 371300-000 Alfenas

Leia mais

CLAUDINEY DE MELO MARTINS. Diferentes protocolos de superovulação com inseminação artificial em tempo fixo em Bos taurus e Bos indicus

CLAUDINEY DE MELO MARTINS. Diferentes protocolos de superovulação com inseminação artificial em tempo fixo em Bos taurus e Bos indicus CLAUDINEY DE MELO MARTINS Diferentes protocolos de superovulação com inseminação artificial em tempo fixo em Bos taurus e Bos indicus São Paulo 2007 CLAUDINEY DE MELO MARTINS Diferentes protocolos de superovulação

Leia mais

USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN

USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN FOLLTROPIN é um produto à base de Hormônio Folículo Estimulante (FSH) purificado

Leia mais

NOVOS AVANÇOS NA SUPEROVULAÇÃO DE

NOVOS AVANÇOS NA SUPEROVULAÇÃO DE NOVOS AVANÇOS NA SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS Pietro S. Baruselli Departamento de Reprodução Animal, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade de São Paulo 6 time increase 75% 25% IVF ET Figure.

Leia mais

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Um dos diferenciais da Tecnopec é desenvolver e apoiar pesquisas visando obter protocolos

Leia mais

IATF em novilha. CEP 05508-000, São Paulo-SP, Brasil; *manoel@firmasa.com.br

IATF em novilha. CEP 05508-000, São Paulo-SP, Brasil; *manoel@firmasa.com.br 54 Manoel Francisco de Sá Filho et al. IATF em novilha Manoel F. Sá Filho 1* ; Lindsay U. Gimenes 2 ; José Nélio S. Sales 2 ; Gabriel A. Crepaldi 2 ; Adriana G. Medalha 1 ; Pietro S. Baruselli 2 1 FIRMASA-

Leia mais

Expressão de estro aumenta a fertilidade e reduz perdas de gestação em protocolos de IATF e TETF. Marcos Henrique Colombo Pereira

Expressão de estro aumenta a fertilidade e reduz perdas de gestação em protocolos de IATF e TETF. Marcos Henrique Colombo Pereira Marcos Henrique Colombo Pereira possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de Passo Fundo (2009) e Mestrado em Produção Animal pela UNESP Botucatu (2012). Tem experiência na área de Produção

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS

AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS 1 AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS RESUMO O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito dos protocolos de IATF Crestar com dois implantes auriculares

Leia mais

Resumo. Departamento de Veterinária e Produção Animal, UENP/FALM, Bandeirantes-Pr. E-mail: thalesrigo@yahoo.com.br. 2

Resumo. Departamento de Veterinária e Produção Animal, UENP/FALM, Bandeirantes-Pr. E-mail: thalesrigo@yahoo.com.br. 2 Comparação das taxas de prenhez entre receptoras com corpos lúteos cavitários ou compactos após protocolo de sincronização com cloprostenol ou transferência de embriões em tempo fixo Comparison the pregnancy

Leia mais

ERIKO DA SILVA SANTOS

ERIKO DA SILVA SANTOS ERIKO DA SILVA SANTOS Efeito das caracteristicas morfologicas e da dinfimica vascular do foliculo e corpo ltiteo sobre a fertilidade de vacas de corte submetidas a protocolo de sincronizacdo do estro e

Leia mais

ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM?

ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM? TM ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM? Permitem as células do corpo a sintetizar hormônios reprodutivos Aumentam a resposta inflamatória e anti-inflamatória em células e tecidos Participam do processo de contrações

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Carvalho Siqueira, Lucas; Coelho de Oliveira, João Francisco; da Silveira Loguércio, Rosane; Kurtz Löf,

Leia mais

CAROLINA SOUSA COCHITO

CAROLINA SOUSA COCHITO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA Programa de Pós-Graduação de Clínica e Reprodução Animal CAROLINA SOUSA COCHITO INFLUÊNCIA DOS PROTOCOLOS HORMONAIS DE RECEPTORAS E DO ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO DE EMBRIÕES

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite

Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite ISSN 1981-2086 Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite 70 Resumo A mortalidade embrionária precoce é reconhecida como a principal causa de perdas de prenhez em bovinos de interesse

Leia mais

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro.

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro. Manual de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) em gado leiteiro. Introdução: As vacas leiteiras, durante a lactação, apresentam características fisiológicas particulares que diferenciam o comportamento

Leia mais

Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução Animal, Faculdade de Veterinária UFRGS baragem@terra.com.br

Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução Animal, Faculdade de Veterinária UFRGS baragem@terra.com.br RICARDO MACEDO GREGORY & DIMAS CORREA ROCHA 147 PROTOCOLOS DE SINCRONIZAÇÃO E INDUÇÃO DE ESTROS EM VACAS DE CORTE NO RIO GRANDE DO SUL Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

Importância do emprego da ecg em protocolos de sincronização para IA, TE e SOV em tempo fixo

Importância do emprego da ecg em protocolos de sincronização para IA, TE e SOV em tempo fixo 146 Pietro Sampaio Baruselli et al. Importância do emprego da ecg em protocolos de sincronização para IA, TE e SOV em tempo fixo Pietro S. Baruselli 1, José Octavio Jacomini 1,2, José Nélio S. Sales 1,

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO 74 Artigo Científico EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO Diogo Ribeiro CÂMARA 1*, Ricardo Felippe FIGUEIRA 2, Otto Cabral PORTELA

Leia mais

Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte

Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte Pietro Sampaio Baruselli 1, Márcio de Oliveira Marques 2, Roberta Machado Ferreira 1, Manoel Francisco de Sá Filho 1, Emiliana

Leia mais

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP Núcleo de Apoio à Pesquisa em Melhoramento Animal,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM BOVINOS Introdução A IATF é uma realidade na pecuária brasileira. Sua utilização proporciona tantas vantagens que se

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS INTRAVAGINAIS DE PROGESTERONA, DIÂMETRO FOLICULAR E COMPORTAMENTO ESTRAL NA PRENHEZ DE VACAS ZEBUÍNAS

REUTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS INTRAVAGINAIS DE PROGESTERONA, DIÂMETRO FOLICULAR E COMPORTAMENTO ESTRAL NA PRENHEZ DE VACAS ZEBUÍNAS REUTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS INTRAVAGINAIS DE PROGESTERONA, DIÂMETRO FOLICULAR E COMPORTAMENTO ESTRAL NA PRENHEZ DE VACAS ZEBUÍNAS Adriana Gonçalves Medalha 1, Maria Inês Lenz Souza 2*, Albert Schiaveto

Leia mais

REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España

REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España Carrijo Junior, Osmar Alves; Langer, Jackson Avaliação de Protocolo de Inseminação Artificial

Leia mais

GABRIEL ARMOND CREPALDI. Eficácia de diferentes protocolos de indução da ovulação e de intervalos de inseminação em vacas de corte submetidas à IATF

GABRIEL ARMOND CREPALDI. Eficácia de diferentes protocolos de indução da ovulação e de intervalos de inseminação em vacas de corte submetidas à IATF GABRIEL ARMOND CREPALDI Eficácia de diferentes protocolos de indução da ovulação e de intervalos de inseminação em vacas de corte submetidas à IATF São Paulo 2009 GABRIEL ARMOND CREPALDI Eficácia de diferentes

Leia mais

EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 0 EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPO GRANDE - MS 2011 1 I EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA REPRODUÇÃO DE BOVINOS Trabalho apresentado para cumprimento de Avaliação do curso de especialização

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL ANA PAULA AZAMBUJA MATOS

UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL ANA PAULA AZAMBUJA MATOS UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL ANA PAULA AZAMBUJA MATOS AVALIAÇÃO DE VACAS NELORE (Bos taurus indicus) COMO RECEPTORAS EM PROGRAMAS

Leia mais

RESPOSTA SUPEROVULATÓRIA DE VACAS EM LACTAÇÃO TRATADAS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE PROGESTERONA

RESPOSTA SUPEROVULATÓRIA DE VACAS EM LACTAÇÃO TRATADAS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE PROGESTERONA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA RESPOSTA SUPEROVULATÓRIA DE VACAS EM LACTAÇÃO TRATADAS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE PROGESTERONA

Leia mais

SUPEROVULAÇÃO COM INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

SUPEROVULAÇÃO COM INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO 165 SUPEROVULAÇÃO COM INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Ciro Moraes Barros 1, Ana Cláudia Z. Barcelos 1 e Marcelo F. G. Nogueira 2 RESUMO Nos últimos anos o Brasil tornou-se líder mundial na produção

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO TIAGO LEIVA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO Cria em gado de corte: o bezerro é o produto comercializado. Gado de leite (alta produção): a vaca precisa parir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS ROBERTO RAMOS SOBREIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS ROBERTO RAMOS SOBREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS ROBERTO RAMOS SOBREIRA UTILIZAÇÃO DO CIPIONATO DE ESTRADIOL E BENZOATO DE ESTRADIOL

Leia mais

ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS

ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS Docentes responsáveis: Prof a.adj. Dra. Maria Denise Lopes Prof.Ass.Dr. Sony Dimas Bicudo BOTUCATU SP 2005 ii ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

MARCELO MILAGRES ROSADO. USO DE PROTOCOLO DE SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO DE RECEPTORAS MESTIÇAS INOVULADAS COM EMBRIÕES PRODUZIDOS in vitro

MARCELO MILAGRES ROSADO. USO DE PROTOCOLO DE SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO DE RECEPTORAS MESTIÇAS INOVULADAS COM EMBRIÕES PRODUZIDOS in vitro MARCELO MILAGRES ROSADO USO DE PROTOCOLO DE SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO DE RECEPTORAS MESTIÇAS INOVULADAS COM EMBRIÕES PRODUZIDOS in vitro Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte

Leia mais

ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS

ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS 1 ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS (analysis of hazards and critical control points in a system of production cattle) RESUMO: o trabalho tem como

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE FURTADO, Diego Augusto Acadêmico do curso de Medicina Veterinária da FAMED/ACEG - Garça - SP e-mail: daiane.vet@hotmail.com TOZZETTI, Daniel Soares

Leia mais

PEDRO ANDRÉ DE SENE BIERNASKI ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM REPRODUÇÃO ANIMAL

PEDRO ANDRÉ DE SENE BIERNASKI ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM REPRODUÇÃO ANIMAL PEDRO ANDRÉ DE SENE BIERNASKI ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM REPRODUÇÃO ANIMAL CURITIBA 2011 PEDRO ANDRÉ DE SENE BIERNASKI ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM REPRODUÇÃO ANIMAL Trabalho apresentado

Leia mais

Indução e sincronização de cio em caprinos

Indução e sincronização de cio em caprinos Indução e sincronização de cio em caprinos Plínio de Oliveira FASSIO 1 ; Larissa de Oliveira FASSIO 2 ; Angélica Campos MARTINS 3 ; Claudiane de Assis SOUZA 3 ; Vanessa Daniela Lázara de ASSIS 3 ; André

Leia mais

ROBERTO MENDES PORTO FILHO

ROBERTO MENDES PORTO FILHO ROBERTO MENDES PORTO FILHO Sincronização da ovulação para a inseminação artificial em tempo fixo (IATF) durante a estação reprodutiva desfavorável em fêmeas bubalinas São Paulo 2004 ROBERTO MENDES PORTO

Leia mais

Inseminação artificial em tempo fixo e diagnóstico precoce de gestação em vacas leiteiras mestiças 1

Inseminação artificial em tempo fixo e diagnóstico precoce de gestação em vacas leiteiras mestiças 1 Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Inseminação artificial em tempo fixo e diagnóstico precoce de gestação em vacas leiteiras mestiças 1

Leia mais

Sêmen sexado: inseminação artificial e transferência de embriões 1 Sexed semen: artificial insemination and embryo transfer

Sêmen sexado: inseminação artificial e transferência de embriões 1 Sexed semen: artificial insemination and embryo transfer Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.3 p.374-381, jul./set. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Sêmen sexado: inseminação artificial e transferência de embriões 1 Sexed semen: artificial insemination

Leia mais

Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X

Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X v.17, n.4, p.70-82, 2012 www.ser.ufpr.br/veterinary EFICIÊNCIA DO CIPIONATO DE ESTRADIOL E DO BENZOATO DE ESTRADIOL EM PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DA OVULAÇÃO SOBRE

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISSERTAÇÃO

UFRRJ INSTITUTO DE ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISSERTAÇÃO UFRRJ INSTITUTO DE ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISSERTAÇÃO Efeito do método de sincronização da onda folicular na resposta superovulatória em bovinos Joaquim Esquerdo Ferreira 2012

Leia mais

Douglas Alves de Oliveira. Comparação entre cinco protocolos para inseminação artificial em tempo fixo de vacas holandesas durante o verão

Douglas Alves de Oliveira. Comparação entre cinco protocolos para inseminação artificial em tempo fixo de vacas holandesas durante o verão Douglas Alves de Oliveira Comparação entre cinco protocolos para inseminação artificial em tempo fixo de vacas holandesas durante o verão Araçatuba 2013 Comparação entre cinco protocolos para inseminação

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.3, p.285-292, jul./set. 2007. Disponível em www.cbra.org.br

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.3, p.285-292, jul./set. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.3, p.285-292, jul./set. 2007. Disponível em www.cbra.org.br O estado atual da biotecnologia reprodutiva em bubalinos: perspectiva de aplicação comercial 1

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INFLUÊNCIA DA CONDIÇÃO CORPORAL E CATEGORIA REPRODUTIVA NAS TAXAS DE GESTAÇÃO DE VACAS NELORE SUBMETIDAS À PROTOCOLO DE IATF, NA REGIÃO DA AMAZÔNIA LEGAL. TOLEDO, G.A. ¹ ; RIBEIRO, A.P.C.²; RIBEIRO, G.M.³

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL AILSON SEBASTIÃO DA SILVA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE CAMPO

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em bovinos de corte

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em bovinos de corte PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em bovinos de corte Carlos Rosa Godoi 1 ; Ednea Freitas Portilho Silva 2 ; Adriano Pereira de Paula

Leia mais

MODELAGEM BIOECONÔMICA DA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM BOVINOS

MODELAGEM BIOECONÔMICA DA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM BOVINOS 32 DOI: 10.5216/cab.v11i1.4840 BELTRAME, R. T. et al. MODELAGEM BIOECONÔMICA DA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM BOVINOS Re n at o Tr ava s s o s Be lt r a m e, 1 Lu i s Gu s tav o Ba r i o n i, 2 Ce l i a

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISSERTAÇÃO

UFRRJ INSTITUTO DE ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISSERTAÇÃO UFRRJ INSTITUTO DE ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISSERTAÇÃO Parâmetros Reprodutivos de Vacas Sindi (Bos taurus indicus) Tratadas com Dois Protocolos de Sincronização da Ovulação Raquel

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/35 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/35 Introdução Cronologia dos conceitos

Leia mais

Perfil de FSH e LH na divergência folicular em novilhas Nelore (Bos indicus)

Perfil de FSH e LH na divergência folicular em novilhas Nelore (Bos indicus) 11 Perfil de FSH e LH na divergência folicular em novilhas Nelore (Bos indicus) Lindsay Unno GIMENES 1 Manoel Francisco SÁ FILHO 1 José Ribamar TORRES-JÚNIOR 1 Maria Paula BELTRAN 2 Guilherme de Paula

Leia mais

EFEITO DO LH NA QUALIDADE E COMPETÊNCIA DE OVÓCITOS OBTIDOS POR MEIO DA ASPIRAÇÃO FOLICULAR IN VIVO EM ANIMAIS DA RAÇA GUZERÁ

EFEITO DO LH NA QUALIDADE E COMPETÊNCIA DE OVÓCITOS OBTIDOS POR MEIO DA ASPIRAÇÃO FOLICULAR IN VIVO EM ANIMAIS DA RAÇA GUZERÁ EFEITO DO LH NA QUALIDADE E COMPETÊNCIA DE OVÓCITOS OBTIDOS POR MEIO DA ASPIRAÇÃO FOLICULAR IN VIVO EM ANIMAIS DA RAÇA GUZERÁ VANESSA GOMES UENO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE CAMPOS DOS GOYTACAZES

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF)

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Gado de Leite Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho C A P Í T U L O 3 3. IATF como ferramenta no melhoramento genético de bovinos de leite 3.1 Introdução

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263

Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263 Inseminação artificial em tempo fixo Kleber da Cunha Peixoto Junior 1*, Yessica Trigo 2 Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263 1 Médico Veterinário, D. Sc.,Professor do Curso de

Leia mais

Influência do Estresse Térmico na Atividade Reprodutiva de Fêmeas. Bovinas

Influência do Estresse Térmico na Atividade Reprodutiva de Fêmeas. Bovinas UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA CAMPUS DE BOTUCATU Influência do Estresse Térmico na Atividade Reprodutiva de Fêmeas Bovinas Monografia apresentada à Disciplina

Leia mais

José Renato Laino Martinelli Cury

José Renato Laino Martinelli Cury 1 José Renato Laino Martinelli Cury EFICIÊNCIA DO PROTOCOLO SUPERESTIMULATÓRIO P36, ASSOCIADO À ADMINISTRAÇÃO DE ecg OU LH, EM ANIMAIS DA RAÇA NELORE Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação

Leia mais

O USO DE ECG INFLUENCIA A TAXA DE CONCEPÇÃO EM VACAS NELORE DE DIFERENTES CONDIÇÕES CORPORAIS SUBMETIDAS AO MESMO PROTOCOLO DE IATF?

O USO DE ECG INFLUENCIA A TAXA DE CONCEPÇÃO EM VACAS NELORE DE DIFERENTES CONDIÇÕES CORPORAIS SUBMETIDAS AO MESMO PROTOCOLO DE IATF? O USO DE ECG INFLUENCIA A TAXA DE CONCEPÇÃO EM VACAS NELORE DE DIFERENTES CONDIÇÕES CORPORAIS SUBMETIDAS AO MESMO PROTOCOLO DE IATF? 1 ERIKA ALINE RIBEIRO DIAS 2,5, RUBENS PAES DE ARRUDA 3, RONI APARECIDO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS DINÂMICA FOLICULAR DE VACAS DE CORTE TRATADAS COM TRÊS PROTOCOLOS DE SINCRONIZAÇÃO

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DE ESTRATÉGIAS ANTILUTEOLÍTICAS VISANDO O INCREMENTO DA TAXA DE CONCEPÇÃO EM BOVINOS

CONCEITOS E APLICAÇÕES DE ESTRATÉGIAS ANTILUTEOLÍTICAS VISANDO O INCREMENTO DA TAXA DE CONCEPÇÃO EM BOVINOS Mario Binelli et al. 93 CONCEITOS E APLICAÇÕES DE ESTRATÉGIAS ANTILUTEOLÍTICAS VISANDO O INCREMENTO DA TAXA DE CONCEPÇÃO EM BOVINOS Mario Binelli 1, Rui Machado, Marco A.C.M. Bergamaschi, Julio C. Barbosa

Leia mais

PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE

PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE SOARES, João Felipe B. 1 ; ARALDI, Daniele F. 2 Palavras-chave: Pecuária de corte. Índices de Produtividade. Fertilidade. Introdução

Leia mais

DEBORAH BITTENCOURT MOTHÉ FRAGA AVALIAÇÃO DE DOIS PROTOCOLOS PARA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO EM REBANHO LEITEIRO

DEBORAH BITTENCOURT MOTHÉ FRAGA AVALIAÇÃO DE DOIS PROTOCOLOS PARA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO EM REBANHO LEITEIRO DEBORAH BITTENCOURT MOTHÉ FRAGA AVALIAÇÃO DE DOIS PROTOCOLOS PARA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO EM REBANHO LEITEIRO Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Programa dos Cursos de Pós-Graduação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Programa dos Cursos de Pós-Graduação UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Programa dos Cursos de Pós-Graduação EFEITO DE PROGESTESTERONA E BENZOATO DE ESTRADIOL NA DINÂMICA FOLICULAR E PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES BOVINOS

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE PROSTAGLANDINA F2α COMO INDUTOR DE OVULAÇÃO EM BOVINOS

Leia mais

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br Biotecnologias Reprodutivas em Felinos Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br INTRODUÇÃO Cães e gatos além de considerados animais de estimação são também modelos comparativos importantes

Leia mais

Fisiologia reprodutiva de fêmeas taurinas e zebuínas Reproductive physiology of Bos taurus and Bos indicus females

Fisiologia reprodutiva de fêmeas taurinas e zebuínas Reproductive physiology of Bos taurus and Bos indicus females Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.2, p.205-211, abr./jun. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Fisiologia reprodutiva de fêmeas taurinas e zebuínas Reproductive physiology of Bos taurus and

Leia mais

Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1

Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1 Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1 Nadja Gomes Alves 2, Eduardo Paulino da Costa 3, José Domingos Guimarães

Leia mais

RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE

RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE Itiberê Itaborahy dos Santos 1 ; Isis Lustosa Goulart de Sousa 2 RESUMO O Brasil é um grande

Leia mais

PERFIL CITOLÓGICO VAGINAL E DINÂMICA FOLICULAR DURANTE O CICLO ESTRAL EM NOVILHA NELORE

PERFIL CITOLÓGICO VAGINAL E DINÂMICA FOLICULAR DURANTE O CICLO ESTRAL EM NOVILHA NELORE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL PERFIL CITOLÓGICO VAGINAL E DINÂMICA FOLICULAR DURANTE O CICLO ESTRAL EM NOVILHA NELORE Lorenna Cardoso Rezende

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais