Av. Salvador Allende s/n CEP Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Av. Salvador Allende s/n CEP - 22780-160 Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ leonardo@ird.gov.br"

Transcrição

1 COMPORTAMENTO DO DETECTOR GEIGER MÜELLER EM RADIOLOGIA DIAGNÓSTICA Leonardo Luiz Ferreira 1, José Guilherme Pereira Peixoto 2, Daniel da Silva Quaresma 3 1 Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD / CNEN RJ) Av. Salvador Allende s/n CEP Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ 2 Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD / CNEN RJ) Av. Salvador Allende s/n CEP Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ 3 Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD / CNEN RJ) Av. Salvador Allende s/n CEP Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ ABSTRACT No presente trabalho de iniciação científica foi feito um ensaio simulando radiologia diagnostica utilizando detectores de radiação com sonda Geiger-Müller (GM). Os detectores foram usados para a análise de blindagens, em ensaios de radiologia diagnóstica, com baixos níveis de radiação, pois possuem alta sensibilidade, para que possam reproduzir o valor verdadeiro convencional (V.V.C.) e as propriedades de detecção confiáveis, tais como repetitividade, reprodutibilidade, estabilidade, exatidão, sensibilidade, linearidade e a faixa de energia. Na radiologia diagnóstica os tempos de exposição são curtos, quando comparados com os tempos de aquisição de leituras dos detectores de radiação que utilizam sonda do tipo GM, que são bem maiores, devido à eletrônica associada e circuito de processamento de sinal da sonda. As irradiações foram feitas no Laboratório Nacional de Metrologia das Radiações Ionizantes LNMRI/IRD-CNEN com o aparelho de raios x PANTAK HF 160. As conclusões apontaram que tais medições com sondas GM podem levar a uma má avaliação das grandezas aplicadas a radiologia diagnostica, tais como a dose integrada dos trabalhadores ocupacionalmente expostos. Todavia, apesar do detector com sonda GM fornecer uma tabela para a correção do seu tempo morto, a incerteza de medição tende a aumentar, inviabilizando o uso do aparelho. 1. INTRODUÇÃO Com a descoberta dos raios-x por Wilhelm Conrad Röntgen e suas utilidades em 1895 o mundo começou o estudo quantitativo e qualitativo da nova radiação x, no entanto ainda não era possível um estudo preciso o suficiente para obter informações como efeitos biológicos. Pensando nessa questão o estudo de detectores de radiação tem se disseminado visando novas tecnologias, novas formas de detectar a radiação de maneira eficaz. O estudo da dosimetria em radiodiagnóstico só é possível graças ao auxilio de detectores de radiação. No entanto o uso dos diversos tipos de detectores deve ser especificado para cada

2 caso e área de atuação, assim tendo a resposta correta da quantidade de radiação incidente no alvo desejado. Assim o estudo adequado do uso do detector de radiação é de importância fundamental para qualquer que seja o uso da radiação. 2. MATERIAIS, METODOS E RESULTADOS O foco de estudo foi o detector Victoreen 190 com janela para detecção de radiação alfa, beta, gama e raios-x com sonda GM LDNC 726, a tensão aplicada na sonda é de aproximadamente 900V, as irradiações foram feitas no Laboratório Nacional de Metrologia das Radiações Ionizantes, LNMRI, IRD/CNEN com o aparelho de raios-x PANTAK HF. O ensaio realizado com o detector tem rastreabilidade garantida das qualidades de radiologia diagnostica pelo LNMRI. Os parâmetros para a irradiação foram os seguintes, irradiações com tensão no tubo de 90kV e corrente de 2,5mA até 20mA tubo, filtração adicional de filtro 1-2,5mm e filtro 2 3,0mm de alumínio, além da filtração de berílio já existente no tubo de raios-x, sendo irradiado a um metro de distancia da fonte geradora de raios-x. O Victoreen 190 possui dois modos de tempo de resposta (intervalo desejado para que o detector conte uma interação), podendo ser escolhidos entre os tempos de 3 segundos e 6 segundos, os quais foram analisados. O detector foi irradiado nos intervalo de tempo de 0,1, até 0,9 segundos variando em 0,1 e de 1s até 10 segundos variando em 1 segundo. Sendo coletado três medidas de cada intervalo de tempo citado acima e analisada a média das três medidas. O procedimento foi seguido para todas as qualidades de radiação. Foi usada uma esteira automática para o posicionamento do instrumento em relação ao aparelho de raios-x, a esteira tem sensibilidade 0,1mm, um sistema de deslocamento de 3x10 3 mm e pode ser operada a uma distância de aproximadamente cinco metros, contendo um cabo que conecta diretamente a sua torre de comando não havendo a necessidade de deslocamento por parte do usuário, fazendo com que não se altere o ambiente climático no momento da irradiação ou do processo de irradiação. Figura 1 Figura 2 Figura 1 e 2 Vista lateral e frontal do sistema de calibração do detector A torre da esteira pode ser automatizada ou ligada diretamente a um software com pequenos ajustes da composição do hardware do usuário assim aumentando sua confiabilidade na

3 medida, pois o processo se torna menos sensível a erros humano, como, por exemplo, o erro de paralaxe, chamado também de erro sistemático. Futuramente a esteira, o irradiador Pantak e o programa utilizado para fazer as medições de cargas serão automatizados. Figura 3 Torre e comando da esteira mecânica O dados foram colhidos a uma temperatura média de 22,7273 ºC com o termômetro Chub 1529 E4 da Hart Scientific, pressão de Pa com o barômetro DPI 141 da DRUCK. Figura 4 Termômetro Chub 1529 E4 Figura 5 Barômetro DPI 141 O detector em estudo foi colocado na esteira a sonda foi colocada em um ângulo de 90º em relação ao feixe de radiação, onde está seu volume sensível, no qual se da a interação dos fótons de raios-x. As leituras do detector eram visualizadas através de uma câmera de vídeo. Figura 7 - setup da calibração (vista Lateral) Figura 8 - setup da calibração (vista frontal) O detector foi testado em seus dois modos de leitura: taxa de dose expressa em mr/h e taxa de dose integrada em mr usando a metodologia acima. Figura 9 Irradiador Pantak 160 Figura 10 Sonda GM Figura 11 Victoreen 190

4 A analise dos resultados foram feitas com a interpretação dos gráficos obtidos com a irradiação do detector GM, a figura 12 demonstra que o detector apresentou uma reposta não linear nos intervalos de tempo de 0,1, 0,2 e 0,3 segundos. Após o intervalo de tempo de 1 segundo as medidas se tornam completamente irregulares até o instante de quatro segundos. Podemos verificar no gráfico 13 que a dose variou muito, no entanto nesse mesmo instante não mudou a configuração da qualidade de raios-x, somente a partir do instante quatro segundos até o instante oito segundos o gráfico manteve-se com pequenas variações nesse intervalo, com o tempo de resposta de três segundos para a dose em mr/h. Com o tempo de resposta de seis segundos para a dose o resultado teve pior avaliação, pois em todo tempo de irradiação a resposta do aparelho mantém-se instável não sendo reprodutível o suficiente para um resultado seguro, podendo ser verificada pelo gráfico mostrado na figura 12 e na figura 13. Figura 12 leitura de dose Figura 13 leitura de dose A dose integrada avaliada pelo detector victoreen 190 foi incorreta, pois os gráficos das figuras 14 e 15 deveriam ter o formato quase linear ou simplesmente a dose deveria aumentar em relação ao tempo, já que o integrado é o somatório das doses em um determinado tempo, como mostrado na figura 14. O gráfico 14 tende a aumentar o valor do integrado no intervalo de 1 ate 3 segundos, logo após tendo uma queda considerável no resultado, e seguindo adiante uma variação muito alta na resposta no intervalo de 6 a 10 segundos, diferente do gráfico seguinte como mostra a figura 15 onde o indicador do gráfico tende a diminuir sua contagem de maneira instável e visualmente perceptível e com variações altas entre suas contagens. Figura 14 leitura do integrado Figura 15 leitura do integrado Com a corrente aumentada em 5mA o detector obteve uma melhor reposta, no entanto continuou a variação sendo instável o suficiente durante o tempo irradiado, assim analisado através do gráfico 16, entre o instante de zero a um segundo houve uma grande variação na dose, não mantendo a estabilidade, lembrando que as contagens foram feitas com intervalos

5 de 0,1s, após dois segundos exposto a radiação-x mantém se a estabilidade fornecendo uma pequena variação de resposta em media de 0,2 mr/h com o tempo de resposta de 3 segundos. Com o tempo de resposta alterado para 6 segundos mantendo-se a corrente, a resposta do detector manteve-se instável no tempo de dois a dez segundo. Com essas medidas inicias já podemos notar que os principais tempos que nos interessam, ou seja, o tempo necessário para a realização de um exame de radiodiagnostico é de aproximadamente um segundo ou no máximo 2 segundos de exposição onde o equipamento analisado não mantém a estabilidade necessária para a leitura correta. A diferença da leitura do intervalo de 0,3s a 0,4s e de aproximadamente de 1mR/h como mostra o gráfico da figura 16. No gráfico da figura 17 a leitura mantém se totalmente alterada como mostra a variação do gráfico. Figura 16 leitura da dose Figura 17 leitura da dose com 10mA de corrente A resposta do integrado com a corrente no intervalo de 1 segundo continuou instável, assim mostrado na figura 18, somente a partir do instante 1 segundo a leitura tornou-se estável, no entanto esse tempo não interessa a um exame radiográfico mais uma vez comprovando a pouca eficácia de um detector GM para análise de medições de radiação-x em exames radiográficos. A análise da dose do detector com a corrente aumentada para 10mA e com a tensão de 90kV, mais uma vez a resposta nos primeiros décimos de segundo manteve-se instável como analisado na figura 19, justamente o intervalo de interesse de estudo para os exames radiográficos, no entanto no intervalo de 3s a 10s a leitura do aparelho teve uma boa reprodutibilidade. Figura 18 Leitura do integrado Figura 19 - resposta nos primeiros décimos de segundo manteve-se instável

6 3. DISCUSSÃO E CONCLUSÂO Caso o resultado não passe por um fator de correção adequado ocorrerá uma sub-estimativa da taxa de dose e do integrado analisado pelo detector, no entanto mesmo com o fator de correção a medida deve ser invalidada já que o tempo morto do aparelho não condiz com o tempo de resposta necessário para um ensaio radiográfico, assim visto no manual do aparelho e através dos gráficos apresentados no trabalho e com a leitura do detector nos intervalos de tempo das medições até o primeiro segundo das irradiações. Não se deve usar os detectores com sonda GM em tempo de exposição entre 0,1s a 2s, pois apresentam grande dependência no tempo morto além de apresentarem grande dependência angular (LUIZ KATSUYA ONO 2000). O detector apresenta grande dependência angular como citado em RONALDO 2005, os mesmos detectores necessitam de adesivos mostrando ao usuário o local onde devem ocorrer as interações para que não haja erro do detector. É recomendado não usar esses detectores na radiologia diagnóstica pelo fato do tempo de exposição ser baixo, fazendo com que o detector não carregue em forma de sinal elétrico todas as interações ocorridas nesse processo. 4. AGRADECIMENTOS Devo agradecer a meu colega de faculdade, amigo, professor e co-orientador Daniel Quaresma, a meu orientador José Guilherme que precisou de muita paciência para me mostrar que a leitura ainda é o único caminho de sucesso a ser seguido por um pesquisador. A pessoa que sempre me incentivou com minhas pesquisas e galgar sempre mais um passo na minha vida, Roberta, minha noiva, pois sem ela não estaria se quer me formando, e por ela vejo que devo persistir por um futuro melhor. E agradeço a todos os meu colaboradores do IRD, pois sem vocês não poderia terminar esse trabalho. 5. REFERENCIAS 1. G. F. Knoll, Radiation Detection And Measurement 2 Ed. New York, N.Tsoulfanidis, Measurement And Detection Of Radiation, 1ed. Michigan, McGraw Hill Book Company, volume S. Korff, Electron And Nuclear Counters, W. Price, Nuclear Radiation Detection, F. H. Attix, Radiation Dosimetry, McGraw Hill Book Company 2 Ed. New York, Mota, Helvecio, Influência do tempo de exposição na medida de taxa de dose em levantamento radiométrico em radiodiagnostico, R. Viana, Implantação das grandezas operacionais do ICRU para a radiação de fótons nas usinas nucleares Angra I e II, D. C. Saraiva, H. Hamaguchi, L. K. Ono, Estudo de dois Detectores de Radiação: Geiger-Müller (GM) e o Cintilado de NaI(Tl) 2000.

PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA NA ESTABILIDADE DO DOSÍMETRO FRICKE

PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA NA ESTABILIDADE DO DOSÍMETRO FRICKE IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA

Leia mais

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES XX (XXXX) XX-XX Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada E. W. Martins; M. P. A. Potiens Gerência

Leia mais

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE METROLÓGICA DE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller Descrição geral Um dos primeiros tipos de detector desenvolvidos foi o chamado contador (ou tubo) de Geiger-Muller. Este contador permite detectar a presença

Leia mais

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO Thiago Brito P. de Souza 1, Marcelo Melo da Costa, Thiago

Leia mais

Dosímetros de Fibras Ópticas Florbela Rêgo Luís Peralta Mafalda Gomes Jornadas do L I P 2010 LABORATÓRIO DE INSTRUMENTAÇÃO E FÍSICA EXPERIMENTAL DE PARTÍCULAS Protótipo de Dosímetro de Fibra Óptica Cintilante

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora

Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora Marcus Tadeu Tanuri de Figueiredo 1,Annibal Theotonio Baptista Neto 2,Paulo Marcio Campos

Leia mais

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 01: DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Introdução Entende-se por raios-x, a região do espectro eletromagnético com comprimentos

Leia mais

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4.1. Introdução Neste Capítulo são apresentados os resultados obtidos no estudo da influência da diluição da atmosfera precursora de metano por gases

Leia mais

Introd. Física Médica

Introd. Física Médica Introd. Física Médica Aula 04 Atenuação de RX 2012 http://www.upscale.utoronto.ca/generali nterest/harrison/flash/nuclear/xrayinte ract/xrayinteract.html 2 Propriedades do alvo Boa Condutividade Térmica:

Leia mais

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO

Leia mais

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Otimização da Análise e Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Autores: Maria Lucia Nana Ebisawa Irita Dra. Maria de Fátima Magon Prof. Dra. Yvone Mascarenhas

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária

Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária PAPER 1/6 Title Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária Registration Nº: (Abstract) 266 Company Centro

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

Sistema de instrumentação de multimedição de parâmetros de equipamentos de raios x diagnósticos

Sistema de instrumentação de multimedição de parâmetros de equipamentos de raios x diagnósticos BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 03-1A (2015) 01-08 Sistema de instrumentação de multimedição de parâmetros de equipamentos de raios x diagnósticos Luiz A. P. Santos 1, David S. Monte 1, José

Leia mais

SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO E PLANEJAMENTO DE INSPEÇÃO DE

SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO E PLANEJAMENTO DE INSPEÇÃO DE SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO E PLANEJAMENTO DE INSPEÇÃO DE TUBULAÇÃO Romildo Rudek Junior Petrobras S.A. UN-REPAR Tadeu dos Santos Bastos Petrobras S.A. UN-REVAP Rui Fernando Costacurta Petrobras S.A. UN-REPAR

Leia mais

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA DOSIMETRIA OSL EM ALTAS DOSES UTILIZANDO OS DOSÍMETROS CaF 2 :Dy E CaF 2 :Mn

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA DOSIMETRIA OSL EM ALTAS DOSES UTILIZANDO OS DOSÍMETROS CaF 2 :Dy E CaF 2 :Mn IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTUDO DA APLICAÇÃO

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis de Radiação V. Vivolo, L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, P.O. Box

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA MONITORAMENTO AUTOMATIZADO DE COLUNA D ÁGUA EM PIEZÔMETROS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA MONITORAMENTO AUTOMATIZADO DE COLUNA D ÁGUA EM PIEZÔMETROS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA MONITORAMENTO AUTOMATIZADO DE COLUNA D ÁGUA EM PIEZÔMETROS Dagmar Carnier Neto 1 & Chang Hung Kiang 2 Resumo - O crescente aumento do uso das águas subterrâneas faz com

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Prof. Hamilton Klimach Janeiro de 2002 OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Introdução Esse osciloscópio, como qualquer outro, tem por função apresentar a representação visual da tensão

Leia mais

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE)

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Dr. Marcus Alexandre Vallim de Alencar Coordenador do CASEC vallim@ird.gov.br Instalações Nucleares e Radiativas Instalações Nucleares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental III - Medidas Elétricas Objetivo O objetivo desta prática é aprender a fazer medições de resistência, tensão

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos 2.1. Conceitos Metrológicos 2.1.1. O Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades ( SI ) está dividido em duas classes ; - Unidades de Base - Unidades derivadas

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA

CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA METROLOGIA-00 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 00, Recife, Pernambuco - BRASIL CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE

Leia mais

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed FÍSICA DO RX Cristina Saavedra Almeida fisicamed O QUE É RADIAÇÃO Pode ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Possuem energia variável desde valores pequenos até muito

Leia mais

Caracterização de Termopares

Caracterização de Termopares Roteiro Experimental n 1 da disciplina de Materiais Elétricos COMPONENTES DA EQUIPE: NOTA: Data: / / 1. OBJETIVOS: Conhecer os princípios de funcionamento de um Termopar Extrair curva de Temperatura x

Leia mais

Minicurso. Prof. Luciano Santa Rita

Minicurso. Prof. Luciano Santa Rita Minicurso CÁLCULO DE BLINDAGEM E DOSIMETRIA EM INDÚSTRIA Prof. Luciano Santa Rita http://www.lucianosantarita.pro.br http://facebook.com/spr.lucianosantarita E-mail: tecnologo@lucianosantarita.pro.br Cálculo

Leia mais

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com. SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.br O que é um nobreak? A principal função do nobreak é fornecer

Leia mais

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS SANTOS A.R.L. (1), SILVA F.S. (1), FREITAS B.M. (2), TAVARES D.Y.S. (3), MARTINS M. M. (1) PEREIRA W.W. (1)

Leia mais

SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2, ES.Fonseca 2, WW. Pereira 2, RT.Lopes 1

SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2, ES.Fonseca 2, WW. Pereira 2, RT.Lopes 1 Determinação do centro efetivo de um detector do tipo De Pangher Long Counter no salão de baixo espalhamento de nêutrons do Laboratório de Metrologia de Nêutrons (LN). SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2,

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório.

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. 40 Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. Nesse capítulo chega-se ao ponto de partida para o pleno desenvolvimento desse trabalho, após um processo complicado de liberação

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados

Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados "A principal vantagem da Plataforma PXIE em relação a outras

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Energia cinética das precipitações Na Figura 9 estão apresentadas as curvas de caracterização da energia cinética aplicada pelo simulador de chuvas e calculada para a chuva

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA?

O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA? VI Encontro da Sociedade Brasileira de Radioterapia São Paulo, Brasil, 28-30 de outubro, 2004. O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA? Campos de Araujo, A.M.;Castelo

Leia mais

Coletor de dados MensorNet

Coletor de dados MensorNet Coletor de dados MensorNet ML485 Edição 02/2011 Especificações Técnicas Por favor, leia integralmente estas instruções antes de ligar o equipamento. Descrição do Sistema O coletor de dados ML485 é parte

Leia mais

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 MEDIDOR ELETRÔNICO ELO2106 MANUAL DO USUÁRIO Agosto de 2008 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO... 1-1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1-1 ONDE OBTER MAIS INFORMAÇÕES...

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura

Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura Flávio Faccin, Pablo Ricardo Barrera, Paulo Cezar dos Santos QUI03319 - Físico-Química Experimental I - Grupo 62 UFRGS - Universidade Federal

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico III Congresso Nacional dos Profissionais das Técnicas Radiológicas Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM

IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM HENRIQUE TROMBINI 1, ALINE GUERRA DYTZ 2 RESUMO Neste trabalho foram realizadas várias imagens radiográficas de um modelo de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS

Leia mais

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel),

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel), nfelizmente, o uso de ferramentas tornais de previsão é muito pouco adotado por empresas no Brasil. A opinião geral é que no Brasil é impossível fazer previsão. O ambiente econômico é muito instável, a

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

O CONTADOR GEIGER-MULLER

O CONTADOR GEIGER-MULLER O CONTADOR GEIGER-MULLER O contador Geiger (ou contador Geiger-Müller ou contador G-M) serve para medir certas radiações ionizantes. Este instrumento de medida, cujo princípio foi imaginado por volta de

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Requisitos de Calibração e Ensaios Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Requisitos de Calibração OBRIGAÇÃO DA ISO (PAPELADA) X REDUÇÃO DA VARIAÇÃO (QUALIDADE DO PRODUTO)

Leia mais

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis Gilberto Carlos Fidélis Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis CECT Florianópolis 2010 Direitos desta edição reservados ao CECT - Centro de Educação, Consultoria e Treinamento em Metrologia, Sistema

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Aquário Automatizado

Aquário Automatizado Aquário Automatizado Alessandra Dutra Coelho alessandra.coelho@maua.br Bruno Tarantino, Gustavo B. Nascimento, Renato Marino, Rodrigo Pirolo Vivancos Escola de Engenharia Mauá Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Alunos: Marcos Civiletti de Carvalho e Camila Schuina Orientador: Carlos Roberto Hall Barbosa

Leia mais

HARDWARE E SOFTWARE PARA MONITORAMENTO EM INSTALAÇÕES RADIOATIVAS

HARDWARE E SOFTWARE PARA MONITORAMENTO EM INSTALAÇÕES RADIOATIVAS 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 HARDWARE E SOFTWARE PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NUCLEAR CURSO DE CIÊNCIAS E TÉCNICAS NUCLEARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NUCLEAR CURSO DE CIÊNCIAS E TÉCNICAS NUCLEARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NUCLEAR CURSO DE CIÊNCIAS E TÉCNICAS NUCLEARES CARACTERIZAÇÃO DE UM DOSÍMETRO INDIVIDUAL DE EXTREMIDADES PARA

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Chave de nível capacitiva Cod: 073AA-004-122M Rev. B Série LC-200 Março / 2010 S/A Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

MONITORES DE RADIAÇÃO IONIZANTE MANUAL DO USUÁRIO. Modelo: Contador Geiger G1 I Contador Geiger G1 E Monitor de Área G1 A

MONITORES DE RADIAÇÃO IONIZANTE MANUAL DO USUÁRIO. Modelo: Contador Geiger G1 I Contador Geiger G1 E Monitor de Área G1 A Instrumentos Científicos Divisão MONITORES DE RADIAÇÃO IONIZANTE MANUAL DO USUÁRIO Modelo: Contador Geiger G1 I Contador Geiger G1 E Monitor de Área G1 A Publ.:. 31-Dezembro-2001 - Ribeirão Preto-SP MRA

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR. Cláudio Domienikan

INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR. Cláudio Domienikan INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR Cláudio Domienikan ESPECTRO OBTIDO COM UM SISTEMA DE MEDIDAS TÍPICO Co60 ELETRÔNICA NIM (Nuclear Instrumentation Modules) Cabos Coaxiais Pulsos NIM Pré-Amplificadores Amplificadores

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento

Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento As pessoas passam, em média, 80% do seu tempo em ambientes internos,

Leia mais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais 3 Método 3.1. Entrevistas iniciais Os primeiros passos para elaboração do questionário foram entrevistas semiestruturadas feitas pelo telefone com o objetivo de descobrir o tempo máximo de lembrança das

Leia mais

Actividade 2 Intensidade da luz

Actividade 2 Intensidade da luz Actividade 2 Intensidade da luz Conceitos matemáticos Materiais Representação gráfica dos dados Comparação de previsões de dados Relações: o quadrado do inverso Origens de erro e respectivos efeitos Conceitos

Leia mais

5 Equipamentos e materiais utilizados

5 Equipamentos e materiais utilizados Equipamentos e materiais utilizados 5 Equipamentos e materiais utilizados O presente capítulo descreve objetivamente os principais equipamentos e materiais utilizados bem como as suas características técnicas

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS Viscosidade é uma característica dos líquidos que está relacionada com a sua habilidade de fluir. Quanto maior a viscosidade de um líquido (ou de uma solução) mais difícil

Leia mais

Medir é uma atividade

Medir é uma atividade Algumas noções básicas sobre os padrões metrológicos Medir é uma atividade bastante corriqueira na sociedade atual. Ao olhar no relógio, por exemplo, a pessoa vê no mostrador o resultado de uma medição

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 Manual de Operação Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 1. INTRODUÇÃO ZP220-UBT é uma impressora térmica top de linha que trabalha em alta velocidade de impressão, baixo nível de ruído de impressão,

Leia mais

ebook FUNIL DE VENDAS

ebook FUNIL DE VENDAS NO ebook FUNIL DE VENDAS 2 A FERRAMENTA IDEAL PARA PEQUENAS E MÉDIAS EQUIPES DE VENDAS GANHAREM MAIS NEGÓCIOS! Sumário 3 Agradecimento. pág 4 Introdução. pág 5 A importância dos indicadores em Vendas pág

Leia mais

Capítulo 3 Circuitos Elétricos

Capítulo 3 Circuitos Elétricos Capítulo 3 Circuitos Elétricos 3.1 Circuito em Série O Circuito Série é aquele constituído por mais de uma carga, ligadas umas as outras, isto é, cada carga é ligada na extremidade de outra carga, diretamente

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Especificações... 02 2.1. Gerais...

Leia mais

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006.

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

TESTE DA EXATIDÃO DA TENSÃO DO TUBO DE RAIOS X: O QUE É E COMO MEDIR

TESTE DA EXATIDÃO DA TENSÃO DO TUBO DE RAIOS X: O QUE É E COMO MEDIR IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TESTE DA EXATIDÃO

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Os termopares são dispositivos elétricos utilizados na medição de temperatura. Foram descobertos por acaso em 1822, quando o físico Thomas Seebeck

Leia mais

3. MATERIAIS E MÉTODOS

3. MATERIAIS E MÉTODOS 80 3. MATERIAIS E MÉTODOS Para este estudo foram adotados dois tipos de materiais diferentes, um metálico (material 1) e outro compósito (material 2). Amostras destes materiais foram obtidas em produtos

Leia mais