MANUAL DA TABELA DE TEMPORALIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA TABELA DE TEMPORALIDADE"

Transcrição

1 MANUAL DA TABELA DE TEMPORALIDADE DEFINIÇÃO Conjunto de documentos produzidos, recebidos e acumulados pela Administração Pública Municipal Direta e Indireta, no exercício de suas funções e atividades. A administração deverá garantir o acesso aos documentos públicos de arquivo, conforme legislação vigente. DEFINIÇÃO São todos os documentos em papel, disquete, cd, dvd, computador, filme, produzidos e recebidos no desempenho das atividades dos órgãos da Prefeitura Municipal de Santos. IDENTIFICAÇÃO CORRENTES, INTERMEDIÁRIOS E PERMANENTES. CORRENTES: Aqueles em curso ou que se conservam nas unidades em razão de sua vigência ou freqüência com que são consultados. INTERMEDIÁRIOS: Uso pouco freqüente que aguardam prazo de prescrição e precaução nas unidades que tenham atribuição de arquivo na Administração Pública Municipal, no Arquivo Geral ou Intermediário da PMS. PERMANENTES: Aqueles com valor histórico, probatório e informativo que devem ser definitivamente preservados no arquivo permanente da FAMS Fundação Arquivo e Memória de Santos, por força das informações neles contidas, para eficácia da ação administrativa, como prova, garantia de direitos ou fonte de pesquisa. GUARDA TEMPORÁRIA OU PERMANENTE: TEMPORÁRIA: São documentos de guarda temporária aqueles que, esgotados os prazos de guarda da unidade produtora ou nas unidades de arquivo, podem ser eliminados sem prejuízo para a coletividade ou memória da Administração Pública Municipal; 1

2 PERMAMENTE: São documentos de guarda permanente aqueles que, esgotados os prazos de guarda, devem ser preservados, por força das informações nele contidas. DEFINIÇÃO É o instrumento para gerenciar os documentos de arquivo. Deve ser elaborada após avaliação documental, aprovado por autoridade competente, que define prazos de guarda e a destinação de cada série documental, conforme identificação dos valores dos documentos e de sua destinação. Servem para garantir que a informação necessária esteja disponível, sinalizando a destinação dos documentos para que não sejam acumulados inutilmente. Para cada série documental deverá ser indicado o correspondente prazo de guarda, ou seja, tempo de permanência em cada de cada conjunto documental nos lugares indicados. Esgotada a vigência do documento, fica autorizada sua eliminação, desde que cumprido o prazo de guarda previsto na unidade produtora e unidade com atribuição de guarda. I - PRAZO DE VIGÊNCIA: Intervalo de tempo durante o qual o documento produz efeitos administrativos e legais plenos, cumprindo a finalidade que determinou sua produção; II - PRAZO DE PRESCRIÇÃO: Intervalo de tempo durante o qual podese invocar a tutela do Poder Judiciário para fazer valer direitos; III- PRAZO DE PRECAUÇÃO: Intervalo de tempo durante o qual guarda-se o documento por precaução, antes de eliminá-lo para guarda permanente. Será destinado para eliminação, após o cumprimento dos respectivos prazos de 2

3 guarda, o documento que não apresenta valor que justifique sua guarda permanente. Já o documento considerado de valor histórico, probatório ou informativo será encaminhado para guarda permanente. Com a posse das tabelas, o servidor terá a informação da área de atuação de cada seção da PMS, suas competências, e atividades, os tipos de documentos gerados pela sua unidade ou órgão, o valor e o prazo de arquivamento de cada um, tempo pelo qual poderá servir como prova legal ou para uso administrativo. Além disso, as tabelas também explicitam o destino de cada tipo de documento após o tempo de arquivamento na unidade, considerando-se o valor do documento para a história da PMS e da sociedade. A cada dois anos, pelo menos, as tabelas devem ser revistas, ou quando da criação, extinção ou alteração de unidades, órgãos, competências ou atividades, pois, nessas situações surgem novos tipos de documentos e outros desaparecem. As tabelas de temporalidade da Prefeitura Municipal de Santos estão sendo elaboradas por comissões de funcionários de cada Secretaria ou Autarquia. Estão de acordo com o Decreto n 4638, de 24 de julho de 2006, sendo examinadas pela Procuradoria Geral, e consolidadas pela Comissão Central. Cada tabela, após sua confecção, será publicada no Diário Oficial, e a partir da data de publicação, já poderá ser aplicada, de forma anual. UTILIZANDO AS TABELAS DE TEMPORALIDADE Escolha o período de tempo para aplicar a tabela; Leia a tabela com atenção; Identifique a Área de atuação da sua unidade, examinando no item ATIVIDADES ; Verifique o tipo de DOCUMENTO gerado por essas atividades: ofício, memorando, convite, solicitação de certidão, etc; Observe, para cada tipo de documento, qual é o PRAZO DE GUARDA (na unidade e no arquivo central), ou seja número de anos pelo qual o documento deverá ser mantido na sua unidade, e a destinação (eliminação ou guarda permanente). 3

4 OBSERVAÇÃO: Inicie verificando todos os documentos de uma mesma atividade, e analise uma atividade por vez. ATENÇÃO: O TEMPO DE ARQUIVAMENTO na unidade, para cada tipo de documento foi definido considerando os prazos legais e o uso administrativo. O DESTINO foi definido considerando o valor do documento para a história da Prefeitura Municipal de Santos e da Sociedade em geral. COMO ELIMINAR DOCUMENTOS Separe, conferindo minuciosamente, todos os documentos cujo prazo estiver vencido, e cujo destino seja ELIMINAR ; Relacione os documentos, separadamente por tipos e quantidades. Ao realizar a contagem de tempo, faça-o considerando a partir do ano seguinte ao da produção do documento, independente do mês em que foi confeccionado. Exemplo: um documento feito em janeiro de 2002, e outro, do mesmo tipo, produzido em dezembro de 2002, com prazo de arquivamento de 5 anos, deverão ser descartados a partir de janeiro de Encaminhe as listagens para a Comissão Central, que aprovará a eliminação. Aprovada a eliminação, agende com a Comissão a data para a eliminação dos documentos, visto que deverá ser sempre acompanhada por um membro da Comissão; Providencie a publicação do EDITAL DE CIÊNCIA DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS (anexo II); Os documentos a serem eliminados devem ser picotados, e enviados para reciclagem. Após a efetiva eliminação dos documentos, na data anteriormente prevista e informada através do D.O.do Município, providencie a publicação do TERMO DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS (anexo III), onde deverá constar a anuência do representante da Comissão que presenciou a eliminação. 4

5 LEMBRE-SE: Os documentos públicos não podem ser eliminados de qualquer maneira. PARA PRESERVAR OS DOCUMENTOS Documentos destinados à preservação, ou GUARDA PERMANENTE são aqueles que fazem parte da HISTÓRIA da Prefeitura Municipal de Santos; essa é socialmente tecida a partir de várias fontes, sendo que uma delas é o ARQUIVO. Preservar é manter a capacidade de reprodução da informação, garantindo que a mesma possa ser reapropriada. Cada funcionário da PMS é responsável pelo cuidado aos documentos que estiverem sob sua guarda. Mantenha protegidos os documentos que a tabela indica para PRESERVAR, até que os procedimentos para o recolhimento sejam definidos. Guarde os documentos conforme sua arrumação original, sem que haja mistura de tipos diferentes. Cuide para que os documentos fiquem em locais que não ofereçam riscos à integridade da informação neles registradas. RECOLHIMENTO É a passagem de documentos para o arquivo permanente. A FAMS - Fundação Arquivo e Memória de Santos foi criada para implantar e gerir o Sistema Municipal de Arquivos; esse arquivo permanente tem a responsabilidade de reunir e tratar tecnicamente os documentos custodiados de forma permanente em função do seu valor. Até a data em que forem recolhidos ao Arquivo permanente, os documentos indicados na tabela para preservação devem ter sua integridade garantida em todas as Unidades da PMS. A T E N Ç Ã O Todas as dúvidas na aplicação das tabelas, sobre a conservação dos documentos ou qualquer outra questão, entre em contato com a FAMS Fundação Arquivo e Memória de Santos - ARQUIVO PERMANENTE, pelo telefone:

6 6

7 ANEXO I Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária 14 de dezembro de FUNDAÇÃO ARQUIVO E MEMÓRIA DE SANTOS FAMS Em observância ao Decreto Municipal nº de 24 de julho de 2006, a Fundação Arquivo e Memória de Santos e a Comissão Central de Avaliação de Documentos fazem publicar os Procedimentos para Eliminação de Documentos previstos nas Tabelas de Temporalidade já publicadas. Santos, 12 de dezembro de CRISTINA GUEDES GONÇALVES Diretora-Presidente da Fundação Arquivo e Memória de Santos e Presidente da Comissão Central de Avaliação de Documentos 01 - Realização de levantamento dos documentos a serem eliminados de acordo com as Tabelas de Temporalidade já publicadas; 02 - Encaminhamento para análise da Comissão Central de Avaliação de Documentos(CCAD) da relação de documentos a serem eliminados de acordo com o previsto nas Tabelas de Temporalidade, conforme modelo de ofício em anexo; modelo de ofício abaixo; 03 - Após análise da CCAD a FAMS fará publicar a relação de eliminação dos documentos, com prazo de 30 dias para ciência dos interessados; 04 - Os documentos a serem eliminados, deverão ser encaminhados a FAMS, sito a Rua do Comércio nº 96/Centro, mediante agendamento, através do telefone nº ; 05 - A eliminação dos documentos será realizada no local citado no item anterior com a presença de pelo menos um representante da CCAD; 06 - A eliminação dos documentos se dará por fragmentação e os resíduos serão encaminhados à coleta seletiva, conforme Decreto nº de 03/12/2007; 07 - Os casos excepcionais serão analisados pela CCAD. MODELO DE OFÍCIO: Ofício nº..... À FAMS A/C Comissão Central de Avaliação de Documentos Prezados Senhores, Estamos encaminhando para análise da CCAD a relação de documentos a serem eliminados conforme a Tabela de Temporalidade publicada em.... Documentos Data-Limite Quantidade(folhas) 7

8 ANEXO II Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária Secretaria Municipal de... Departamento... Coordenadoria... Seção... Ofício nº.../20..-( UNIDADE ) Santos,... de... de Prezado(a) Senhor(a): Solicitamos o envio a FAMS aos cuidados da CCAD Comissão Central de Avaliação de Documentos, para informar os documentos abaixo relacionados, que deverão ser eliminados, conforme Tabela de Temporalidade de Documentos, publicada em 02/02/2007. DOCUMENTOS ANOS QUANTIDADE (Relação dos documentos a serem eliminados.) Atenciosamente, (NOME) Chefe da... Ilmo.(a) Sr.(a) (NOME DO DESTINATÁRIO) DEPARTAMENTO DE... (Endereço) Tel: (13)

9 ANEXO - III COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS N.../20.. SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO O(A) Coordenador(a) da Comissão de Avaliação de Documentos de Arquivo, instituída pela Resolução/Portaria/Ato n... publicada(o) no Diário Oficial de Santos de../../..., de acordo com os prazos definidos pela Tabela de Temporalidade de Documentos da Administração Pública do Município de Santos comuns a todas as secretarias, publicada em 05/10/2007 e em conformidade com a Relação de Eliminação de Documentos aprovada pelo Diretor Presidente da Fundação Arquivo e Memória de Santos no Ofício n.../20.. (unidade), de../../20..,, faz saber a quem possa interessar que, a partir do 30 dia subseqüente à data de publicação deste Edital, o(a) (unidade) eliminará os documentos abaixo relacionados. Os interessados poderão requerer às suas expensas, no prazo citado, o desentranhamento de documentos ou cópias de peças do processo, mediante petição, desde que tenha a respectiva qualificação e demonstração de legitimidade do pedido, dirigida à Comissão de Avaliação de Documentos de Atividade. Série documental:... Datas limite: 20.. / 20.. Quantidade:... /... Observações complementares:... (Nome e Assinatura do representante da Comissão de Avaliação de Documentos de Arquivo que presenciou a eliminação dos documentos) 9

10 ANEXO - IV 10

DECRETO Nº 162/2015. Capítulo I Da Tabela de Temporalidade de Documentos

DECRETO Nº 162/2015. Capítulo I Da Tabela de Temporalidade de Documentos DECRETO Nº 162/2015 Dispõe sobre a Tabela de Temporalidade de Documentos TTD do Município de Gramado e dá outras providências. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições que

Leia mais

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008.

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008. DECRETO Nº 25624 de 17 de julho de 2008. Dispõe sobre a Gestão de Documentos, os Planos de Classificação e a Tabela de Temporalidade de Documentos e define normas para avaliação, guarda e destinação de

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NO DEGEA 1 OBJETIVO

ELIMINAR DOCUMENTOS NO DEGEA 1 OBJETIVO Proposto por: Divisão de Operações (DIOPE) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Comunicação e de Difusão do Conhecimento (DGCOM)

Leia mais

Prefeitura Municipal de Cerejeiras CNPJ/MF: 04.914.925/0001-07 Avenida das Nações, 1919 Centro CEP: 76.997-000 Cerejeiras Rondônia L E I

Prefeitura Municipal de Cerejeiras CNPJ/MF: 04.914.925/0001-07 Avenida das Nações, 1919 Centro CEP: 76.997-000 Cerejeiras Rondônia L E I LEI MUNICIPAL Nº.1.834/2010 Cerejeiras - RO, 23 de Novembro de 2010. Dispõe sobre a Criação do Arquivo Público Municipal, na estrutura Administrativa do Município de Cerejeiras dá outras providências.

Leia mais

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS O Incentivo à Qualificação é um benefício, na forma de retribuição financeira, calculado sobre o padrão de vencimento percebido pelo servidor,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COMISSÃO PERMAMENTE DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE LISTAGENS DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COMISSÃO PERMAMENTE DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE LISTAGENS DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COMISSÃO PERMAMENTE DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE LISTAGENS DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS JUNHO 2015 O decreto n 4.073, de 3 de janeiro de 2002, em seu

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Seção de Biblioteca "Amazônia, patrimônio dos brasileiros" Este texto não substitui o original publicado no DJE PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE

Leia mais

Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais

Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais Observação: este modelo foi gentilmente encaminhado ao Arquivo Público Mineiro pela equipe que trabalhou no projeto do texto legal para criação

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

OPERACIONALIZAR AÇÕES, CAMPANHAS E EVENTOS SOCIOAMBIENTAIS 1 OBJETIVO

OPERACIONALIZAR AÇÕES, CAMPANHAS E EVENTOS SOCIOAMBIENTAIS 1 OBJETIVO OPERACIONALIZAR AÇÕES, CAMPANHAS E EVENTOS SOCIOAMBIENTAIS Proposto por: Equipe da Divisão de Apoio aos Programas de Promoção da Cidadania (DIAPP) Analisado por: Diretor do Departamento de Ações Pró-Sustentabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e revoga as Resoluções CONSEPE nº 09/2013; 10/2014

Leia mais

Aplicação das Tabelas de Temporalidade:

Aplicação das Tabelas de Temporalidade: Aplicação das Tabelas de Temporalidade: Procedimentos para eliminação Marli Marques de Souza Vargas Analista Administrativo Arquivo Geral da USP Quando e por quê aplicar as TTDs? As Tabelas de Temporalidade

Leia mais

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012.

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012. 001/20 - Providenciar o Arquivamento, : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento, desarquivamento e encaminhar os autos processuais findos oriundos das Unidades

Leia mais

Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo

Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo Seção I GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Volume 114 - Número 164 - São

Leia mais

Assunto: Emissão de Tempo de Contribuição/Serviço e Averbação de Tempo de Contribuição/Serviço

Assunto: Emissão de Tempo de Contribuição/Serviço e Averbação de Tempo de Contribuição/Serviço OFÍCIO CIRCULAR N.º 017/2009/S/SUBG/CRH/CAP Rio de Janeiro, 17 de agosto de 2009. Assunto: Emissão de Tempo de Contribuição/Serviço e Averbação de Tempo de Contribuição/Serviço INTRODUÇÃO: Este trabalho

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO N 17.979, DE 13 DE JANEIRO DE 2016. Aprova o Plano de Classificação e a Tabela de Temporalidade de s da Secretaria Municipal da Habitação (SMH) sfim, para efeitos legais. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte)

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO PTJAM 61 Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos relativos à recepção e à integração dos servidores no Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (PJERJ).

Estabelecer critérios e procedimentos relativos à recepção e à integração dos servidores no Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (PJERJ). Proposto por: Equipe do Serviço de Ambientação e Acompanhamento de Pessoas (SEAPE) Analisado por: Diretor do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DEDEP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-

Leia mais

INFORMATIVO AOS FUNCIONÁRIOS DE PARNAMIRIM

INFORMATIVO AOS FUNCIONÁRIOS DE PARNAMIRIM ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAMIRIM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E DOS RECURSOS HUMANOS COORDENADORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INFORMATIVO AOS FUNCIONÁRIOS DE PARNAMIRIM

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO N 17.078, DE 16 DE JULHO DE 2014. Aprova a atualização do Plano de Classificação e da Tabela de Temporalidade de s da Secretaria Municipal de Urbanismo SMU, atividades-fim, e revoga o Decreto nº

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 006/2014-UNEMAT

INSTRUÇÃO NORMATIVA 006/2014-UNEMAT INSTRUÇÃO NORMATIVA 006/2014-UNEMAT Dispõe sobre o registro de ponto e controle de frequência dos Profissionais Técnicos da Educação Superior da Universidade do Estado de Mato Grosso. CONSIDERANDO o disposto

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Secretaria Administrativa

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Secretaria Administrativa PORTARIA Nº 108-JF/RN, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. O DIRETOR DO FORO DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO: a) o aumento do número do acervo da biblioteca

Leia mais

MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS

MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS 2013 MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS UNIPAMPA Pró-Reitoria de Administração 12/02/2013 APRESENTAÇÃO Este Manual destina-se a orientar sobre procedimentos de contratações de serviços (terceirizados; energia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 132/10. Normatiza o registro de frequência dos servidores técnico- administrativos, docentes, e estagiários do IFPR. O CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Norma de Procedimento

Norma de Procedimento PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA Código Secretaria Municipal de Administração Assessoria de Planejamento Organizacional Assunto CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO/RENOVAÇÃO/RESCISÃO DE TERMO DE COMPROMISSO 1. Finalidade:

Leia mais

dispõe que é dever do poder público a proteção especial aos documentos administração, à cultura e ao desenvolvimento científico e tecnológico ;

dispõe que é dever do poder público a proteção especial aos documentos administração, à cultura e ao desenvolvimento científico e tecnológico ; INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018/2008/SEA Orienta sobre os procedimentos relativos ao Plano de Classificação de Documentos de Arquivo do Estado de Santa Catarina e da Tabela de Temporalidade e Destinação de

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO DE 2012.

RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO DE 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Osório RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental

Projeto de Modernização da Gestão Documental Projeto de Modernização da Gestão Documental GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Jorge Braga Neto Secretaria de Administração do Município jorge.braga@fortaleza.ce.gov.br

Leia mais

PARECER Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

PARECER Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Referência: 2480.026646/201-90 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Restrição de -- acesso: Ementa:

Leia mais

G E S T Ã O D E DOCUMENTOS

G E S T Ã O D E DOCUMENTOS Governador do Estado de Minas Gerais Antonio Augusto Anastasia Vice-Governador do Estado de Minas Gerais Alberto Pinto Coelho Secretária de Estado de Planejamento e Gestão Renata Maria Paes de Vilhena

Leia mais

PROCESSAR E ENCAMINHAR CARTA ROGATÓRIA A OU PEDIDO DE EXTRADIÇÃO 1 OBJETIVO

PROCESSAR E ENCAMINHAR CARTA ROGATÓRIA A OU PEDIDO DE EXTRADIÇÃO 1 OBJETIVO PROCESSAR E ENCAMINHAR CARTA ROGATÓRIA A OU PEDIDO DE Proposto por: Equipe do Serviço de Rogatórias, Extradições e Interpretação Analisado por: Diretor do Departamento de Instrução Processual (DEINP) Aprovado

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO ÍNDICE: CAPÍTULO 01 NORMA E PROCEDIMENTOS 1 - OBJETIVO 03 2 - VISÃO 03 3 - DISPOSIÇÕES GERAIS 03 4 - DEFINIÇÕES 03 5 - CLASSIFICAÇÃO 03 6 - PEDIDO DE MATERIAL PERMANENTE

Leia mais

Código: MAP-DILOG-005 Versão: 00 Data de Emissão: 01/12/2013

Código: MAP-DILOG-005 Versão: 00 Data de Emissão: 01/12/2013 Código: MAP-DILOG-005 Versão: 00 Data de Emissão: 01/12/2013 Elaborado por: Gerência de Instalações Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios e os procedimentos para o planejamento,

Leia mais

Data da revisão. Definir critérios para elaboração de projetos arquitetônicos das sedes do MP-GO.

Data da revisão. Definir critérios para elaboração de projetos arquitetônicos das sedes do MP-GO. Versão 01 - Página 1/13 PROCESSO: Elaboração de projetos arquitetônicos das sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Procedimento para elaboração de projetos arquitetônicos das sedes do MP-GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

Administração Central Comissão Permanente de Regime de Jornada Integral CPRJI 1 MANUAL DE RJI 2014

Administração Central Comissão Permanente de Regime de Jornada Integral CPRJI 1 MANUAL DE RJI 2014 1 MANUAL DE RJI 2014 Comissão Permanente de Regime de Jornada Integral CPRJ MANUAL DE RJI PASSO-A-PASSO 1 Solicitação de abertura de expediente (A Secretária do Departamento solicitará essa abertura a

Leia mais

Circular 407/2011 São Paulo, 06 de Dezembro de 2011.

Circular 407/2011 São Paulo, 06 de Dezembro de 2011. Circular 407/2011 São Paulo, 06 de Dezembro de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REORGANIZAÇÃO DO CADASTRO MUNICIPAL ÚNICO DE ENTIDADES PARCEIRAS DO TERCEIRO SETOR - CENTS Diário Oficial da Cidade Nº

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CURSOS DE EXTENSÃO: Caracterizados como um conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presencial ou à distância,

Leia mais

ANEXO 1 DA PORTARIA Nº 252, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. I- Caberá ao órgão ou entidade detentor(a) do acervo:

ANEXO 1 DA PORTARIA Nº 252, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. I- Caberá ao órgão ou entidade detentor(a) do acervo: ANEXO 1 DA PORTARIA Nº 252, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. Procedimentos para transferência ou recolhimento de acervos arquivísticos públicos, em qualquer suporte, pelos órgãos e entidades do Poder Executivo

Leia mais

MANUAL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

MANUAL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2 0 1 5 DIVISÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Av. Paulo Gama, 110-7º andar CEP 90040-060

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 4 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 6 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 7 CONCLUSÃO DE CURSO 7 RELATÓRIO TÉCNICO 8 AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Gestão de Suprimento de Fundos

Gestão de Suprimento de Fundos Suporte Institucional MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Gestão de Suprimento de Fundos Esta edição do Manual foi atualizada até 26/06/2014. Ministério Público Federal Procuradoria da República do Rio Grande

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

Rua Afonso Cavalcanti, nº. 455 Bloco I Sala 615 Cidade Nova RJ CEP: 20.211-901 Telefone: (0xx21) 2504-2952 / 2503-2025 FAX: (0xx21) 2293-9437 e-mail:

Rua Afonso Cavalcanti, nº. 455 Bloco I Sala 615 Cidade Nova RJ CEP: 20.211-901 Telefone: (0xx21) 2504-2952 / 2503-2025 FAX: (0xx21) 2293-9437 e-mail: SUBSECRETARIA DE GESTÃO COORDENADORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS FLUXO OPERACIONAL DAS ROTINAS DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES DA SMSDC-RIO Chefia de Serviço

Leia mais

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003 Regulamenta disposições da Lei n 13.478, de 30 de dezembro de 2002, alterada pela Lei nº 13.522, de 19 de fevereiro de 2003, que instituiu a Taxa de Resíduos Sólidos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR

GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE CURSO SUPERIOR EM BACHAREL EM SITEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Faculdade de Tecnologia de São Vicente Av. Presidente Wilson, 1013 Centro

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso das atribuições conferidas pela legislação em vigor, e

RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso das atribuições conferidas pela legislação em vigor, e RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Regulamenta o Programa de Estágios em órgãos e entidades da Administração Pública Municipal Direta, Indireta e Fundacional, do Poder Executivo Município

Leia mais

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições Anexo I Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1 Definições Para efeitos do presente Decreto, estabelecem-se as seguintes definições: a) Arquivo: o conjunto de

Leia mais

Realização: Alexandre Araújo Ednéa Pacheco Lima Equipe A/CSGI/CMP Equipe E/DGRH/DPE

Realização: Alexandre Araújo Ednéa Pacheco Lima Equipe A/CSGI/CMP Equipe E/DGRH/DPE COORDENADORIA GERAL DO SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Coordenação Geral e Realização: Eliane Bastos Realização: Alexandre Araújo Ednéa Pacheco Lima Equipe

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL N.

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL N. ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL N.º 178/2006 O Município de Vitória, por intermédio da Secretaria de

Leia mais

Rotinas e Regras Ensino Fundamental II e Ensino Médio

Rotinas e Regras Ensino Fundamental II e Ensino Médio SUMÁRIO A comunicação Escola e Família...2 Rotina escolar...2 Horário das aulas...3 Atrasos e horários de entrada e saída...3 I. Entrada...3 II. Saída...3 III. Saídas antecipadas...3 Faltas...4 Provas

Leia mais

ABERTURA DE PROJETOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO. Normas e Procedimentos NP04

ABERTURA DE PROJETOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO. Normas e Procedimentos NP04 PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO Normas e Procedimentos NP04 I - INSTRODUÇÃO A FUSP na qualidade de Entidade de Apoio quanto à gestão administrativa-financeira dos recursos destinados aos projetos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 13 1 / 20 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAMPILHOSA DA SERRA

MUNICÍPIO DE PAMPILHOSA DA SERRA REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, estatui na alínea a) do artigo 39.º que compete à Câmara Municipal, no âmbito do seu funcionamento, elaborar e

Leia mais

EXAME PRÉ-ADMISSIONAL

EXAME PRÉ-ADMISSIONAL 1 - DEFINIÇÃO É o estabelecimento da capacidade plena do indivíduo ao desempenho de sua função. 2 - REQUISITOS BÁSICOS Candidato aprovado em Concurso Público ou Processo Seletivo para Temporários que tenha

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Resolução nº 03/2016 Pág. 1 de 06 RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Aprova Regulamento do Colegiado do Curso de Engenharia de Controle e Automação/CEng. A Presidente do Conselho do Ensino, da Pesquisa

Leia mais

SAN.P.IN.PT 255. I - o Anexo I - Tabela de Temporalidade de Documentos Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A, SANASA - Campinas;

SAN.P.IN.PT 255. I - o Anexo I - Tabela de Temporalidade de Documentos Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A, SANASA - Campinas; ISO 91 1 / 8 MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS, Diretor Presidente da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A, SANASA - Campinas, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e CONSIDERANDO que

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013.

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013. Proposto por: Equipe do Juizado Especial Cível Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS Coordenador) Aprovado por: Juiz Direito Coordenador do SIGA/JEC 1 OBJETIVO Estabelecer critérios

Leia mais

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 7. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)...

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 7. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)... Manual de Frota 2 SUMÁRIO DO CONTRATO DE MOTORISTAS TERCEIRIZADOS... 3 DAS SOLICITAÇÕES DE VEÍCULOS OFICIAIS... 3 DO ABASTECIMENTO... 4 Do Abastecimento de veículos de outros órgãos... 5 DA MANUTENÇÃO

Leia mais

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2 ÍNDICE 1. Visão Geral - Funcionamento do sistema... 3 2. Descrição dos perfis do sistema... 4 3. Operação Novo termo de execução descentralizada... 5 a. Cadastramento do termo no sistema pela Unidade Técnica...

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO 00.000.00

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO 00.000.00 00.000.00 PORTARIA COGER N.o 24, DE 06 DE AGOSTO DE 2008(*) Consolida procedimento para digitalização dos processos em tramitação nas Varas de Execuções instituído pela PORTARIA/COGER N. 05, de 24 de janeiro

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO DA PROPOSTA DE MONOGRAFIA

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO DA PROPOSTA DE MONOGRAFIA REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO Normatiza as atividades relacionadas à monografia da pós-graduação lato sensu do CEFET-SP. Art. 1º. Os objetivos da monografia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO SELETIVO nº33/2014/dead/2014/dead EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ORIENTADOR DEAD RETIFICADO A Reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC), no uso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 "Estabelece normas de controle para o Patrimônio do Poder Executivo Municipal." A Unidade Central de Controle Interno, no uso de suas atribuições, conforme determina o

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 3 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 5 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 6 CONCLUSÃO DE CURSO 6 RELATÓRIO TÉCNICO 7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO EM CARÁTER TEMPORÁRIO ACT Nº. 0001, DE 08 DE JANEIRO DE 2015.

EDITAL DE SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO EM CARÁTER TEMPORÁRIO ACT Nº. 0001, DE 08 DE JANEIRO DE 2015. EDITAL DE SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO EM CARÁTER TEMPORÁRIO ACT Nº. 0001, DE 08 DE JANEIRO DE 2015. O Sr. ELÓI REGALIN, PRESIDENTE DA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SANEAMENTO DE FRAIBURGO - SANEFRAI, no uso de suas

Leia mais

Formulário para Cadastro no Banco Nacional de Projetos do CNMP

Formulário para Cadastro no Banco Nacional de Projetos do CNMP Formulário para Cadastro no Banco Nacional de Projetos do CNMP Nome da Iniciativa/Projeto: Digitalização da Massa Documental do Ministério Público do Estado de Goiás Área Responsável: Departamento de Gestão

Leia mais

PROCESSO DE AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PROCESSO DE AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS OURO PRETO DIREÇÃO GERAL Rua Pandiá Calógeras, 898 Bairro

Leia mais

MANUAL DE COMPRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO NÚCLEO DE LICITAÇÕES

MANUAL DE COMPRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO NÚCLEO DE LICITAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA BR 349 - Km 14 Zona Rural - Caixa Postal 34

Leia mais

Guia do Estagiário Curso Superior Faculdade de Tecnologia de São Vicente Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial (Mecatrônica)

Guia do Estagiário Curso Superior Faculdade de Tecnologia de São Vicente Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial (Mecatrônica) Guia do Estagiário Curso Superior Faculdade de Tecnologia de São Vicente Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial (Mecatrônica) Faculdade de Tecnologia de São Vicente Av Presidente Wilson,

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

Levantamento da Produção Documental do MPPR

Levantamento da Produção Documental do MPPR Levantamento da Produção Documental do MPPR Atividade-meio Curitiba/PR, Agosto de 2014 3/3 AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS CONCEITO:AVALIAÇÃO DOCUMENTAL A avaliação documental é um processo multidisciplinar de

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNÇÕES DO ARQUIVO MUNICIPAL Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Braga (C.M.B.) compreende e unifica numa só estrutura o âmbito,

Leia mais

Instruções para se fazer o estágio obrigatório

Instruções para se fazer o estágio obrigatório Instruções para se fazer o estágio obrigatório 1. O estágio é obrigatório para se concluir o curso de Publicidade O estágio obrigatório está previsto no Projeto Pedagógico do curso de Publicidade e Propaganda

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT Título I Da Comissão Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º - A Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT, instituída pelo Decreto nº 9.321, de 1 de março de 2011, integrante

Leia mais

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda.

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Portaria Conjunta CGA/CPM - 1, de 27-11-2012 Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Os Coordenadores da Coordenadoria Geral de Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA METEOROLOGIA ICA 105-6 PROCESSAMENTO E ARQUIVAMENTO DE DADOS METEOROLÓGICOS 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO

Leia mais

Governo do Estado do Espírito Santo Procuradoria Geral do Estado

Governo do Estado do Espírito Santo Procuradoria Geral do Estado REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO. Dispõe sobre o Regimento Interno da Biblioteca da PGE. O PROCURADOR-GERAL DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL PAULO DE TARSO

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL PAULO DE TARSO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL PAULO DE TARSO 1 Semestre 2011 Apresentação: Prezado(a) aluno(a), Este manual foi elaborado com o objetivo de orientá-lo durante o processo de realização do estágio curricular,

Leia mais

Manual de Orientações Técnico-Financeiras

Manual de Orientações Técnico-Financeiras Manual de Orientações Técnico-Financeiras Programa CAPES/BRAFAGRI Todas as informações aqui descritas devem ser interpretadas em consonância com as normas e limitações legais e de acordo com as regras

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Departamento Regional de São Paulo GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUIA DO ALUNO Cubatão SP SUMÁRIO página 1. O QUE É ESTÁGIO SUPERVISIONADO?

Leia mais

Analisado por: Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET) ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

Analisado por: Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET) ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Diretor do Departamento de Ensino (DENSE) Analisado por: Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET) Aprovado por: Secretária da Secretaria Geral de Ensino (SECGE) 1 OBJETIVO Padronizar

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM

RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Reitoria RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM Aprova a Norma Técnica NT 3/2015 que dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/15 A Coordenadoria do Sistema de Controle Interno do Município, considerando: - O volume de recursos recebidos pelo Município a título de repasse de outros entes da Federação via Convênio ou Contrato

Leia mais

MSG Nº 46/09 CGCSP/DIREX Brasília, de dezembro de 2009

MSG Nº 46/09 CGCSP/DIREX Brasília, de dezembro de 2009 MSG Nº 46/09 CGCSP/DIREX Brasília, de dezembro de 2009 Senhores Superintendentes, Delegados Regionais Executivos, Chefes de DELESP, Presidentes de Comissão de Vistoria, servidores da Coordenação- Geral

Leia mais