PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=546>."

Transcrição

1 PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: < Inventário de emissões de gás metano provenientes da fermentação entérica e óxido nitroso do manejo de dejetos animais - período 199 a 25* Lerner Arévalo Pinedo 1, Alessandra Jacomini 2, Diego Vendramin, Felipe Nolasco, Lauro Júnior, Maria Alice Santos, Maria Júlia Brosi, Bernardo Berenchtein 1, Amr Salah Morsy Amine Selem 1-3. * Revisão apresentado na disciplina de Aquecimento global na agricultura. 1 Alunos de doutorado em Ciências do CENA-USP, Piracicaba, SP. Brasil 2 Alunos de doutorado da ESALQ/USP, Piracicaba, SP. Brasil 3 Animal Production Research Institute, Dokki, Giz, Egypt. Resumo - A elevada contribuição de emissões antrópicas de metano (CH 4 ), dióxido de carbono (CO 2 ) e óxido nitroso (N 2 O) à atmosfera torna-se fator de estudo. O objetivo dessa revisão foi apresentar uma atualização das estimativas de emissões de gás metano provenientes da fermentação entérica e emissões de óxido nitroso a partir de dejetos de animais. Em ruminantes, a fermentação de alimentos ingeridos produz ácidos graxos voláteis (AGVs) amônia, gases (dióxido de carbono e metano) e células microbianas. O metano é um produto final normal da fermentação ruminal, eliminado pelos ruminantes, por eructação, sendo um dos principais responsáveis pelo efeito estufa e pela destruição da camada de ozônio da atmosfera. O gado de corte e

2 leiteiro foram os principais contribuintes para as emissões de metano geradas pela pecuária no ano de 199 (9141,74 Gg de CH 4 ), correspondendo a 82% e 12% das emissões totais de pecuária, respectivamente. As outras categorias de animais foram responsáveis pelos 6% restantes. O mesmo ocorreu no ano de 25 para o gado de corte (11.556,6 Gg de CH 4 ) e para o leiteiro (1.338,1 Gg de CH 4 ), correspondendo a 86% e 1% das emissões totais da pecuária, respectivamente. Por outro lado, em 199, as emissões de N 2 O provenientes do sistema de manejo de dejetos de animais em pastagem, no Brasil, foram estimadas em 273,2 Gg. Os estados de São Paulo e Paraná foram os que mais contribuíram com emissões estimadas em 84,1 Gg e 83, Gg para esse mesmo período de 25. Palavras-chave: Metano, fermentação ruminal, Inventory of methane gas emissions from enteric fermentation and nitrous oxide from animal waste management - the period from 199 to 25 Abstract - The high contribution of the anthropogenic emissions of methane (CH 4 ), carbon dioxide (CO 2 ) and nitrous oxide (N 2 O) to the atmosphere. The increased concentration of greenhouse gases causing the warming of the earth's surface and destruction of the ozone layer in the atmosphere. The objective of this review was to present the estimates of methane emissions from enteric fermentation in production of livestock in Brazil, and also emissions of (N 2 O) which produced from animal s faces, for the period from 199 to 25. In ruminants, the fermentation of feed ingested produce volatile fatty acids (VFA), ammonia, gases (CO 2 and CH 4 ) and microbial cells. For ruminants, the VFA are the largest source of energy (65 to 75% of metabolic energy intake). In addition, the methane gas, which is produced by ruminants, or by eructation, is a major responsible for the greenhouse effect and the destruction of the ozone layer of the atmosphere. Whereas one adult cattle able to produce more than 4 liters of (CH 4 + CO 2 ) gases per day which,

3 released in the atmosphere mainly by eructation. The categories of beef cattle and dairy cattle were the main contributors for methane emissions which generated by livestock in 199 ( Gg of CH 4 ), corresponding to 82% and 12% of total emissions from livestock, respectively. The other categories of animals were responsible for the remaining 6%. The same occurred in 25 for beef cattle ( Gg of CH4) and the dairy cattle too ( Gg of CH4), corresponding to 86% and 1% of total emissions from livestock, respectively. Moreover, in 199, the emissions of N 2 O from the animals on pasture in Brazil were estimated at Gg. In 25 these emissions increased by 55% to Gg. The states that contributed most of N 2 O in 25 were Sao Paulo and Parana, which emissions estimated at 84.1 and 83. Gg, respectively. Introdução Os sistemas de produção animal têm recebido atenção especial atualmente, pois contribuem com o aumento das concentrações atmosféricas dos gases de efeito estufa (GEE). Essas emissões podem se dar tanto pela fermentação entérica quanto da deposição de excreta em pastagens ou da utilização do esterco como fertilizante (armazenamento e utilização). Os animais ruminantes, por causa do processo digestivo de fermentação entérica, são reconhecidos como importantes fontes de emissão de metano para a atmosfera. Além disso, dependendo do sistema de criação e manejo dos dejetos gerados por esses animais, o metano proveniente da fermentação anaeróbia desse resíduo pode ser considerado uma fonte adicional de emissão desse gás (Pedreira e Primavesi, 26). Segundo Cotton e Pielke (1995), o metano tem relação direta com a eficiência da fermentação ruminal em virtude da perda de carbono e, conseqüentemente, perda de energia, determinando menor desempenho animal. Ruminantes são relativamente maus convertedores do nitrogênio ingerido em produtos (carne, leite). Como resultado, grandes quantidades de N são recicladas pela excreta, que pode ser tanto depositada diretamente nos pastos

4 quanto armazenada e/ou diretamente utilizada para fertilização (Clark et al., 25). Essa grande quantidade de N da excreta animal pode contribuir para a poluição do solo pela possibilidade de conversão em nitrato, e do ar como amônia e óxido nitroso (Tamminga, 1996). Nessa revisão são apresentadas as estimativas das emissões de metano provenientes da fermentação entérica e dos dejetos animais da produção pecuária no Brasil, e também das emissões de óxido nitroso a partir de dejetos de animais, para o período de 199 a 25. Foram empregados dados estatísticos oficiais do IBGE. O procedimento para a estimativa das emissões desses GEE originados dos processos de fermentação entérica e geração e manejo de dejetos animais foram obtidas com base no Primeiro Inventário Brasileiro de Emissões Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (22) (Relatórios de Referência Emissões de Metano na Agropecuária e Emissões de Óxido Nitroso Provenientes de Solos Agrícolas ), que aplicou a metodologia do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC, 1996). 1. Resultados da pecuária no Brasil As estimativas feitas pelo IBGE (1996) foram plotadas em gráficos e tabelas para visualização da evolução da pecuária no Brasil de 199 a 25 (Figuras 1 e 2).

5 Cabeças Gado de corte Gado de leite Suínos Ovinos Caprinos Outros Figura 1 Números da pecuária no Brasil, excluindo as aves (baseado em IBGE, 1996). Em 199, o rebanho de bovinos de corte compreendia 57% do total, passando para 67% em 25. Todos os outros rebanhos diminuíram ao longo desse período. O rebanho brasileiro passou de 224 milhões de cabeças em 199 para 277 milhões de cabeças em 25, o que correspondeu a um aumento de 24%. O aumento do número de cabeças de bovinos de corte (46%) foi o que mais contribuiu para o crescimento do rebanho nacional nesse período (Figura 2).

6 % 5% 5% 5% 9% Gado de corte Gado de leite 8% Gado de corte Gado de leite 15% 57% Suínos Ovinos Caprinos 15% 59% Suínos Ovinos Caprinos 9% Outros 9% Outros 224 milhões cabeças 238 milhões cabeças % 8% 6% 4% 4% 65% Gado de corte Gado de leite Suínos Ovinos Caprinos Outros 12% 7% 6% 4% 3% 67% Gado de corte Gado de leite Suínos Ovinos Caprinos Outros 235 milhões cabeças 277 milhões cabeças Figura 2 Distribuição das categorias da pecuária no Brasil, excluindo as aves (baseado em IBGE, 1996). Nas Figuras 3 a 5, pode-se observar a evolução do número de cabeças de animais de cada rebanho, de acordo com a região, nos anos de 199, 1995, 2 e 25.

7 Bubalinos Suínos Numero de cabeças Numero de cabeças período período Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Aves Equinos Numero de cabeças Numero de cabeças período período Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Figura 3 Número de cabeças de bubalinos, suínos, aves e equinos por Unidade Federativa do Brasil (baseado em IBGE, 1996).

8 Ovinos Caprinos Numero de cabeças Numero de cabeças período período Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Muares Asininos Numero de cabeças Numero de cabeças período período Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Figura 4 Número de cabeças de ovinos, caprinos, muares e asininos por Unidade Federativa do Brasil (baseado em IBGE, 1996). Bovinos de corte Bovinos de leite Numero de cabeças Numero de cabeças período período Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Figura 5 Número de cabeças de bovinos de corte e de leite por Unidade Federativa do Brasil (baseado em IBGE, 1996).

9 1.1 Emissões de metano no Brasil Na Tabela 1, são apresentadas as estimativas de emissões de metano provenientes da soma dos valores de fermentação entérica e manejo de dejetos (em Gg), no período As categorias de gado de corte e leiteiro foram as principais contribuintes para as emissões de metano geradas pela pecuária no ano de 199 (9141,74 Gg de CH 4 ), correspondendo a 82% e 12% das emissões totais de pecuária, respectivamente. As outras categorias de animais foram responsáveis pelos 6% restantes. O mesmo ocorreu no ano de 25 para o gado de corte (11.556,6 Gg de CH 4 ) e para o leiteiro (1.338,1 Gg de CH 4 ), correspondendo a 86% e 1% das emissões totais da pecuária, respectivamente. As outras categorias de animais foram responsáveis por 489 Gg de CH 4, correspondendo aos 4% restantes. A somatória das emissões de gado de corte, leiteiro e outros, em 25, corresponde a ,8 Gg de CH 4.

10 Tabela 1 - Emissões de metano, por fermentação entérica e manejo de dejetos, por estado brasileiro, nos anos de 199, 1995, 2 e 25. Emissão total Metano (Gg) Norte 869, ,3 1534,61 256,98 Rondônia 17,31 241,61 344,16 687,36 Acre 24,72 29,35 63,2 14,23 Amazonas 4,72 51,7 54,37 76,14 Roraima 3,8 21,19 32,8 34,35 Pará 42,3 542,97 652, ,92 Amapá 8,69 15,35 14,49 17,27 Tocantins 265,34 34,85 374,37 483,71 Nordeste 1941, ,7 1741,13 256,5 Maranhão 288,41 298,88 287,94 446,69 Piauí 186,23 199,84 163,52 165,46 Ceará 28,31 183,86 173,14 183,67 Rio Grande do Norte 73,9 58,11 63,39 77,61 Paraíba 11,5 8,8 75,43 84,88 Pernambuco 163,39 119,21 132,97 164,77 Alagoas 63,6 59,74 55,5 69,82 Sergipe 7,75 54,9 59,69 68,35 Bahia 778,95 75,96 724,48 789,22 Sudeste 2364, ,25 239, ,81 Minas Gerais 1317, , , ,62 Espírito Santo 119,21 138,74 127,41 139,42 Rio de Janeiro 127,33 127,7 128,3 136,92 São Paulo 8,65 857,95 851,83 874,85 Sul 173, , , ,16 Paraná 567,92 621,5 635,94 67,7 Santa Catarina 21,4 213,97 222,7 248,41 Rio Grande do Sul 925,63 962,22 893,74 929,68 Centro-Oeste 2872,93 344, , ,9 Mato Grosso do Sul 1189, ,2 1376, ,1 Mato Grosso 568,91 885, ,6 1657,46 Goiás 114, , , ,11 Distrito Federal 1,31 12,47 11,45 11,42 Na Figura 6, podem-se observar os valores da soma de emissões de fermentação entérica e dejetos para cada tipo de animal no período de 199 a 25.

11 Gg Anos Gado de corte Gado de leite Outros Figura 6 - Comparação anual da emissão de metano por tipo de animal, no período de 199 a Emissões de metano a partir de fermentação entérica de animais As emissões totais de metano provenientes da fermentação entérica de animais ruminantes e pseudo-ruminantes no Brasil foram estimadas em 9375, Gg em 199, correspondendo a 96% do total de metano emitido pela pecuária (Figura 7). O gado de corte foi responsável por 83% das emissões de metano por essa fonte em 199, contribuindo com 7.765,54 Gg, o gado leiteiro, com 1.11,9Gg, por 12% e as outras categorias de animais, por 5%.

12 Gg Anos Fermentação entérica Resíduos de animais Figura 7 - Emissões de metano a partir de fermentação entérica e resíduos de animais. Observou-se a contribuição acumulada no período estudado (199-25) para todas as categorias, sendo que o gado de corte contribuiu com ,9 Gg, correspondente a 84,9%, o gado leiteiro com ,94 Gg, correspondendo a 11% e os outros com 7.25,3 Gg, correspondente a 4,1% da emissão de metano Emissões de metano a partir da geração e do manejo de dejetos animais Em 199, as emissões de metano por essa fonte foram estimadas em 329,37 Gg, correspondendo a cerca de 3% das emissões totais de metano da pecuária (Figura 7). Nesse ano, o gado de corte foi a principal categoria de animais a contribuir para as emissões de metano por manejo de esterco,

13 emitindo 224,85 Gg (68% das emissões por manejo de esterco), seguido pelo gado de leite com 49,41 Gg (15% das emissões por manejo de esterco). Em 25, as emissões de metano provenientes de sistemas de manejo de dejetos de animais foram estimadas em 439,55 Gg, sendo que 75% foram atribuídas à categoria de gado de corte (331,8 Gg), 12% à de gado de leite (54,14 Gg) e outras categorias correspondem a 13% da emissão de metano pelos dejetos animais. Na Figura 8 são apresentadas as contribuições das emissões de metano, por estado, nos anos de 199, 1995, 2 e 25. Figura 8 - Emissões de metano provenientes da pecuária, nos estados brasileiros, nos anos de 199, 1995, 2 e 25.

14 1.2 Emissões de N 2 O no Brasil Manejo de pastagem Manejo de dejetos Figura 9 - Emissões de N 2 O a partir de pastagens e manejo de dejetos Emissões diretas de N 2 O a partir de animais em pastagem Na Tabela 2 são apresentadas as estimativas das emissões de N2O, em Gg, provenientes de animais em pastagem, para os anos de 199, 1995, 2 e 25.

15 Tabela 2. Estimativas das emissões de N 2 O em Gg, provenientes de animais em pastagens, por estado BRASIL 131,45 141,67 144,8 174,27 NORTE 11,59 16,54 2,13 33,3 Rondônia 1,38 3,13 4,4 8,75 Acre,32,38,82 1,8 Amazonas,53,68,71 1, Roraima,2,45,57,63 Pará 5,52 7,12 8,49 14,54 Amapá,12,22,21,25 Tocantins 3,53 4,56 4,94 6,33 NORDESTE 33,27 3,21 28,43 32,72 Maranhão 3,86 3,97 3,71 5,59 Piauí 4,12 4,38 3,55 3,53 Ceará 3,63 3,33 2,98 3,25 Rio Grande do Norte 1,3 1,1 1,14 1,4 Paraíba 1,63 1,35 1,32 1,51 Pernambuco 3,1 2,35 2,64 3,18 Alagoas,93,88,79,99 Sergipe,92,72,75,86 Bahia 13,87 12,11 11,55 12,41 SUDESTE 29,51 3,2 29,47 31,1 Minas Gerais 15,77 15,45 15,19 16,33 Espírito Santo 2,6 2,28 2,14 2,23 Rio de Janeiro 2, 1,98 1,94 2,1 São Paulo 9,67 1,31 1,21 1,53 SUL 2,74 21,4 19,64 2,39 Paraná 6,48 7,2 6,98 7,33 Santa Catarina 2,67 2,72 2,59 2,83 Rio Grande do Sul 11,59 11,66 1,7 1,22 CENTRO-OESTE 36,33 43,49 47,13 56,77 Mato Grosso do Sul 14,95 17,38 17,34 19,13 Mato Grosso 7,42 11,41 15,12 21,14 Goiás 13,65 14,32 14,31 16,12 Distrito Federal,31,38,36,38 Em 199, as emissões de N2O provenientes do sistema de manejo de dejetos de animais em pastagem, no Brasil, foram estimadas em 111,27 Gg. Em 25, essas emissões aumentaram em 63%, passando a 175,76 Gg. Os

16 estados que mais contribuíram, em 25, foram Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, com emissões estimadas em 21,24 Gg e 19,55 Gg, respectivamente. Do total das emissões diretas de N2O provenientes do sistema de manejo de dejetos de animais em pastagem, em 25, o rebanho bovino de corte contribuiu com 8% e o rebanho leiteiro com 8,1% Emissões de N 2 O a partir da geração e do manejo de dejetos animais Em 199, as emissões de N2O provenientes do sistema de manejo de dejetos de animais em pastagem, no Brasil, foram estimadas em 273,2 Gg. Em 25, essas emissões aumentaram em 55%, passando a 495,1 Gg (Tabela 3). Os estados que mais contribuíram, em 25, foram São Paulo e Paraná, com emissões estimadas em 84,1 Gg e 83, Gg, respectivamente. Do total das emissões diretas de N2O provenientes do sistema de manejo de dejetos de animais em pastagem, em 25, o rebanho bovino de corte contribuiu com 2% e o rebanho leiteiro com 3%. Os estados com maiores contribuições relativas, em 25, foram: Distrito Federal (129 kg N2O/km 2 /ano) e Santa Catarina (82 kg N2O/km 2 /ano).

17 Tabela 3 - Emissões diretas de N 2 O a partir do manejo de esterco de animais, por estado, nos anos de 199, 1995, 2 e Brasil 12,25 13,55 12,9 15,8 Norte 1,15 1,48 1,43 2,16 RO,21,31,33,63 AC,4,5,6,12 AM,6,7,7,9 RR, 1, 2, 3, PA,56,7,65,92 AM,1,1,1,1 TO,28,3,28,37 Nordeste 2,88 2,67 2,49 2,8 MA,47,46,37,48 PI,27,28,24,24 CE,38,34,33,34 RN,1,9,1,13 PB,17,15,11,12 PE,27,22,23,27 AL,8,9,9,1 SE,9,7,8,1 BA 1,4,97,94 1,2 Sudeste 4,19 4,49 4,1 4,32 MG 2,41 2,52 2,32 2,49 ES,22,27,2,23 RJ,22,24,22,22 SP 1,34 1,47 1,37 1,38 Sul 1,57 1,99 2,17 2,48 PR,53,65,75,85 SC,44,56,7,87 RS,61,78,72,76 Centro-Oeste 2,47 2,92 2,71 3,33 MS,69,82,77,87 MT,41,59,68,96 GO 1,34 1,48 1,23 1,45 DF,2,3,3,5

18 2.3.3 Emissões totais de N 2 O na pecuária Na Figura 1 pode ser observada a distribuição das emissões diretas de N2O provenientes da pecuária em kg N2O/km², por estado, estimadas para os anos de 199, 1995, 2 e 25. Na Figura 11 estão ilustradas as contribuições de cada estado nos anos de 199, 1995, 2 e 25. Figura 1 - Emissão de N 2 O proveniente da pecuária, nos estados brasileiros, nos anos de 199, 1995, 2 e 25.

19 199, 1995, 2 e 25. Figura 11 - Emissão de N2O proveniente da pecuária, por estado, nos anos de Rio G.Sul (RS) Mato G.Sul (MS) Paraná (PR) Rio de Janeiro (RJ) Santa Catarina (SC) São Paulo (SP) Minas Gerais (MG) Pernambuco (PE) Rio G.Norte (RN) Espírito Santos (ES) Ceará (CE) Paraíba (PB) Mato Grosso (MT) Distrito Federal (DF) Maranhão (MA) Sergipe (SE) Bahia (BA) Acre (AC) Piauí (PI) Alagoas (AL) Goiás (GO) Tocantins (TO) Rondônia (RO) Amapá (AP) Pará (PA) Roraima (RR) Amazonas (AM) Distrito Federal (DF) Santa Catarina (SC) Paraná (PR) São Paulo (SP) Rio G.Sul (RS) Espírito Santos (ES) Rio de Janeiro (RJ) Sergipe (SE) Pernambuco (PE) Goiás (GO) Minas Gerais (MG) Paraíba (PB) Ceará (CE) Mato G.Sul (MS) Rio G.Norte (RN) Bahia (BA) Rondônia (RO) Mato Grosso (MT) Maranhão (MA) Alagoas (AL) Piauí (PI) Tocantins (TO) Pará (PA) Acre (AC) Roraima (RR) Amazonas (AM) Amapá (AP) 1 2 Kg N2O / Km Kg N2O / Km Distrito Federal (DF) Santa Catarina (SC) Paraná (PR) São Paulo (SP) Rio G. Sul (RS) Rio de Janeiro (RJ) Espírito Santos (ES) Pernambuco (PE) Sergipe (SE) Ceará (CE) Minas Gerais (MG) Paraíba (PB) Goiás (GO) Mato G. Sul (MS) Bahia (BA) Rio G. Norte (RN) Maranhão (MA) Piauí (PI) Rondônia (RO) Tocantins (TO) Alagoas (AL) Mato Grosso (MT) Pará (PA) Acre (AC) Roraima (RR) Amapá (AP) Amazonas (AM) 1 Kg N2O / Km Santa Catarina (SC) Distrito Federal (DF) São Paulo (SP) Paraná (PR) Rio de Janeiro (RJ) Rio G.Sul (RS) Pernambuco (PE) Espírito Santos (ES) Sergipe (SE) Ceará (CE) Minas Gerais (MG) Paraíba (PB) Goiás (GO) Mato G.Sul (MS) Bahia (BA) Rio G.Norte (RN) Maranhão (MA) Piauí (PI) Alagoas (AL) Tocantins (TO) Rondônia (RO) Mato Grosso (MT) Pará (PA) Acre (AC) Amapá (AP) Amazonas (AM) Roraima (RR), 5, kg N2O / Km2 25, 2, 15, 1, 3, 35, 4, 199 Pinedo, L.A., Jacomini, A., Vendramin, D. et al. Inventário de emissões de gás metano

20 2. Referências Bibliográficas CLARK, H.; PINARES-PATINO, C.; deklein, C. Methane and nitrous oxide emisions from grazed grasslands. In: McGILLOWAY, D.A. Grassland: A Globar Resource. Wageningen Academic Publishers, p. COTTON, W.R.; PIELKE, R.A. Human impacts on weather and climate. Cambridge: Cambridge University Press, p. IPCC, OECD, IEA. Revised 1996 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories.Bracknell: IPCC, 1996 PEDREIRA, M.S.; PRIMAVESI, O. Impacto da produção animal sobre o ambiente. In: BERCHIELLI, T.T.; PIRES, A.V.; OLIVEIRA, S.G. Nutrição de Ruminantes. Jaboticabal, FUNEP, p. TAMMINGA, S. Nutrition management of dairy cows as a contribution to pollution control. Journal of Dairy Science, v.75, p.3112, 1996.

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Partindo da figura da engrenagem, presente na logo atual do CFC, o novo logo desenvolvido mantém uma relação com o passado da instituição, porém com um olhar no presente e no futuro, na evolução e ascensão

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Setor de Agropecuária

Setor de Agropecuária Setor de Agropecuária SEEG >> AGROPECUÁRIA 48 423 418 161 24 SEEG >> AGROPECUÁRIA 49 SEEG >> AGROPECUÁRIA 50 25 SEEG >> AGROPECUÁRIA 51 Principais Estados Emissores de GEE em 2014 SEEG >> AGROPECUÁRIA

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

Tratamento de resíduos. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Tratamento de resíduos. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Tratamento de resíduos Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Resíduos Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica - Igor Reis de Albuquerque - Andrea Manetti Entidades e Pessoas que Colaboraram - ICLEI

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Espírito Santo Governador Renato Casagrande

Espírito Santo Governador Renato Casagrande Espírito Santo Governador Renato Casagrande Parte I O Comércio Internacional no Espírito Santo Parte II Ranking Federativo Parte III Propostas Comércio Internacional no Espírito Santo Ranking Nacional

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Ministério da Saúde Ministério da PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Fevereiro 2013 Ministério da Ministério da CRONOGRAMA 2013 Semana Saúde na Escola Adesão de 20/02 a 10/03 Ações nas escolas entre os dias 11 e

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40.

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40. BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 414.745,41 233.717,31 309.486,24 320.128,57 267.045,80 205.498,88

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

Sondagem Festas Juninas 2015

Sondagem Festas Juninas 2015 Sondagem Festas Juninas 0 de Maio de 0 0 Copyright Boa Vista Serviços Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 0 o Perfil dos respondentes... 0 o Comemoração das Festas Juninas... 09 o Do que os consumidores

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Pesquisa da 10ª Semana de Museus Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Panorama geral - Pesquisa da 10ª Semana Nº entradas

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS EM CULTURA NO BRASIL v. 1 Gastos públicos com cultura no Brasil: 1985-1995 Contrato de prestação de serviços que entre si celebram a União Federal, por intermédio da Secretaria

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES Perfil da Produção Bovina no Brasil BRASIL NO MERCADO MUNDIAL, 2008 % MUNDIAL REBANHO CABEÇAS ABATE ANUAL PRODUÇÃO ANUAL EXPORTAÇÕES CONSUMO

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDUSTRIAS DE SUPLEMENTOS MINERAIS RUA AUGUSTA, 2676 13 ANDAR SALA 132 CEP 01412-100 SÃO PAULO SP Telefone: (011) 3061-9077 e-mail:

Leia mais

ANEXO EDITAL PGR/MPU Nº 43/2008

ANEXO EDITAL PGR/MPU Nº 43/2008 AN10100 - ANALISTA PROCESSUAL AL MPF PROCURADORIA DA REPUBLICA - ALAGOAS 2 AM MPF PROCURADORIA DA REPUBLICA - AMAZONAS 2 AM MPF PROCURADORIA DA REPUBLICA NO MUNICIPIO DE TABATINGA-AM 1 AM MPM PROCURADORIA

Leia mais

Invertendo o sinal de carbono da agropecuária brasileira

Invertendo o sinal de carbono da agropecuária brasileira Invertendo o sinal de carbono da agropecuária brasileira Uma estimativa do potencial de mitigação de tecnologias do Plano ABC de 2012 a 2023 Observatório do Plano ABC RELATÓRIO 5 ANO 2 JULHO 2015 Índice

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência)

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS COORDENAÇÃO DE MANEJO SUSTENTÁVEL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS - CMSP Plano Agricultura

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015 ! TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015! Jogos Escolares da Juventude 2015 12 a 14 anos Boletim Oficial de Resultados 04/09/2015 CENTRO DE FORMAÇÃO OLÍMPICA - QUADRA 1 TÊNIS DE MESA - EQUIPE - Feminino 1 09:00

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (setembro/13) outubro de 2013 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados Apresentação Este relatório apresenta os resultados da 14ª Avaliação de Perdas realizada com os principais supermercados do Brasil. As edições

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional de Comercialização Solidária constituída por empreendimentos econômicos comerciais feiras permanentes, lojas e centrais/centros públicos

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE D TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2016 PRIMEIRA FASE REF ROD DATA - DIA HORA GR JOGO ESTÁDIO CIDADE 1ª 12/06 - Dom A1 Rondônia RO x Amazonas AM A1 Acre AC x Amapá AP A2 Tocantins

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO

A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO José Henrique Gabetta Doutorando no Planejamento Energético

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Fosnor Logística Atual e Futura. Abril/2014

Fosnor Logística Atual e Futura. Abril/2014 Fosnor Logística Atual e Futura Abril/2014 A Galvani no Brasil Mais de 75 anos de uma história de conquistas Grupo familiar, brasileiro, fundado na década de 30 em São João da Boa Vista (SP). No início,

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA RAIVA DOS HERBIVOROS

Leia mais

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: A MODIFICAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil As Políticas Públicas de Emprego no Brasil 1 Índice 1. Mercado de Trabalho no Brasil 2. FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador 2.1. Programas e Ações 2.2. Principais avanços na execução dos Programas e Ações

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

RANKING DE INSCRIÇÕES POR CURSO

RANKING DE INSCRIÇÕES POR CURSO RANKING DE INSCRIÇÕES POR CURSO Posição em 01/02/2009-19h15 da Nome da IES Nome do Curso Qtd. Inscrições SP FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Ciência e Tecnologia ** 11529 RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP

Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP Manoel Cardoso Assessoria de Planejamento e Estudos Brasília,

Leia mais