TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA COMO PRODUTO DO DISCURSO ACADÊMICO. AUTOR / AUTOR: Marci Fileti MARTINS y Solange Maria Leda GALLO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA COMO PRODUTO DO DISCURSO ACADÊMICO. AUTOR / AUTOR: Marci Fileti MARTINS y Solange Maria Leda GALLO"

Transcrição

1 TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA COMO PRODUTO DO DISCURSO ACADÊMICO AUTOR / AUTOR: Marci Fileti MARTINS y Solange Maria Leda GALLO INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: CORREIO ELETRÔNICO / CORREO ELECTRÓNICO: y EIXO / EJE: PALAVRAS-CHAVE / PALABRAS CLAVE: Análise do Discurso; divulgação científica; Revista Laboratório Ciência em Curso RESUMO / RESUMEN O trabalho reflete sobre a formulação e circulação do conhecimento científico na contemporaneidade discutindo especificamente o que é denominado divulgação científica. Para isso, propõe-se uma discussão a partir da análise da Revista Laboratório Ciência em Curso que é ao mesmo tempo um espaço de reflexão e uma proposta de divulgação de ciência. A proposta da Revista é divulgar a ciência através de um site, em que a multiplicidade de meios como áudio, vídeo, texto, links possibilitem significar a ciência de modo não linearizado. Além disso, busca problematizar a forma de divulgação de ciência feita pelo jornalismo científico, já que o que se vê, hoje, nos materiais de divulgação de ciência, é uma tendência a fazer prevalecer os conhecimentos da própria mídia sobre ciência.

2 A Divulgação Científica como produto do Discurso Acadêmico O desenvolvimento da ciência, contemporaneamente, não é mais de interesse exclusivo da comunidade científica. A ciência ganha novos sentidos ao sair dos seus lugares de produção e circulação tradicionais (as instituições acadêmicas com seus papers e congressos, por exemplo) para se constituir em outro espaço social e histórico em que é ressignificada através de materiais midiáticos (revistas e programas de TV) denominados materiais de divulgação científica. Pensar, portanto, sobre as condições de produção e circulação do conhecimento científico numa sociedade como a nossa, implica refletir sobre a relação entre ciência e as instituições (Estado, escola e mídia), em que o estado e a escola passam a dividir com a mídia o papel de produtores do conhecimento científico. De fato, ao lado dos produtores originais do conhecimento cientifivo está a mídia que, assumindo a função de divulgadora do conhecimento, atravessa os lugares e as posições, arrastada por fluxos discursivos que se entrelaçam e se cruzam e que os produtores do conhecimento do saber original não mais controlam (MOIRAND, 2000:22). A divulgação científica, notadamente o jornalismo científico tem, imaginariamente, como função colocar em linguagem acessível os fatos/pesquisas científicas, os quais são herméticos e incompreensíveis para os sujeitos não especialistas. Nesse funcionamento a ciência é ressignificada a partir da sua publicização, ou seja, a ciência é "retirada" do seu meio de circulação tradicional e levada a ocupar um lugar no cotidiano do grande público. O efeito de sentido que aí se estabelece é o que se pode chamar de efeito de informação científica (ORLANDI, 2001), em que o conhecimento científico passa a informação científica, ou seja: quando se busca, através do uso de certa terminologia, por em contato sem substituir o discurso do senso-comum e o da ciência. Por meio de vários procedimentos o termo científico é apresentado ao lado de descrições, sinônimos, perífrases, equivalentes, etc, deixando à vista o processo pelo qual o discurso científico se apresenta como uma re-tomada (ORLANDI, 2001 p. 27). Nesse contexto, a Revista Laborátorio Ciência em Curso (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/index.html) é um espaço em que se busca tanto compreender e refletir sobre os procedimentos envolvidos no trabalho de divulgação científica, quanto apresentar uma proposta para divulgar a ciência através de um site em que a multiplicidade de meios como áudio, vídeo, texto, links possibilitem uma interação do sujeito internauta com os sentidos da ciência de modo não linearizado. Tem como objetivo experimentar novas formas de divulgação e o faz através de uma reflexão sobre algumas teorias envolvendo a formulação e circulação do conhecimento científico, especificamente

3 aquelas que compreendem as formas de linguagem como discurso, ou seja, como espaço de construção do sujeito e do sentido que se constituiem na relacão com a linguagem, história e ideologia. Dessa perspectiva, o jornalismo, a ciência e a própria divulgação são considerados discursos e são constituidos, cada um deles, por suas condicões de produção (históricas, políticas, ideológicas) e por seus sujeitos. Considera-se, portanto, o cientista/especialista, o não especialista (sujeito leitor dos materiais de divulgação de ciência) e o próprio divulgador sujeitos que ocupam uma posição necessariamente determinada por um contexto histórico e social, ou seja, constituidos por e num discurso: o que deve ser decisivo nas práticas de divulgação de ciência não é somente o tipo de meio utilizado (a videoconferência, a internet, a televisão, as mídias impressas, etc.), mas a concepção de linguagem que permeia o processo. [...] o leitor não interage com o texto, mas com outro sujeito [...] nas relações sociais, históricas, ainda que mediadas por objetos (como o texto). Ficar na objetividade do texto, no entanto, é fixar-se na mediação, absolutizando-a, perdendo a historicidade dele, logo sua significância (ORLANDI, 2001). De tal modo, a Revista busca problematizar a forma de divulgação de ciência feita pela mídia de massa, já que o que se vê, hoje, nos materiais de divulgação de ciência, é uma tendência a fazer prevalecer os conhecimentos da própria mídia sobre ciência. Isto se deve ao fato do discurso de divulgação de ciência, segundo Orlandi (2001), produzir efeitos de sentidos que lhes são próprios ao se constituir pelo duplo movimento de interpretação: o divulgador lê em um discurso e diz no outro, isto é, ele toma um discurso constituído numa relação com uma ordem e formula em outra ordem (ORLANDI 2001 p. 24). Para a autora, o discurso de divulgação é uma certa versão do texto científico, pois parte de um texto que é da ordem do discurso científico e busca manter pela textualização jornalística, através de uma certa organizaçao textual, um efeito-ciência. Assim, enquanto a formulação do discurso científico é garantida pela sua metalinguagem específica, significando na direção da ciência, o discurso de divulgação é constituído por essa metalinguagem deslocada para uma terminologia. Contudo, quando a metalinguagem constitutiva do discurso da ciência é substituída pela terminologia que dá ancoragem científica ao discurso de divulgação, o que se observa, segundo Orlandi (2001 p. 28), é uma exarcebação no uso dessa terminologia a fim de garantir uma função legitimadora para o discurso de divulgação. De tal modo, perde-se aí justamente o que seria constitutivo do discurso da ciência: sua objetividade, ou o que ele constrói pela objetividade real contraditória de sua metalinguagem.

4 Acrescente-se a isso, que a ciência, na maioria dos materiais de divulgação produzidos pela mídia de massa, é mostrada noticiosamnete, o que traz como consequência um apagamento do processo científico. De fato, ao mostrar a ciência enquanto "furo de reportagem", destacando, por exemplo, somente o momento da descoberta de uma vacina (produto), o jornalista apaga todo o percurso pelo qual passou o cientista e sua pesquisa (processo) até chegar ao momento da descoberta. Além disso, a mídia reproduz sentidos que reafirmam o lugar da ciência como produtora de sentidos absolutos e inequívocos. ALGUNS FUNDAMENTOS Entender a linguagem na sua relação com a história é aceitar que todo acontecimento de linguagem organiza-se a partir de relacões de poder e não está ligada a uma cronologia, mas à organização das práticas sociais. Já a ideologia, que é elemento determinante do sentido e está presente em todo discurso, não deve ser entendida como visão de mundo ou como ocultamento da realidade, mas como propõe Orlandi (1999) como mecanismo estruturante do processo de significação. Assim, ideologia, pensada nos termos de Pêcheux (1988), na sua releitura de Althuser (1970), se constitui produzindo uma relação imaginária dos sujeitos com suas condições reais de existência, ou seja, o processo que determina as posições dos sujeitos (jornalista, cientista/pesquisador, internauta) construídas ao longo da história e através de relações de poder (políticas) é, na maioria das vezes, apagado, o que faz com que os sentidos sobre ciência que são aí produzidos se tornem naturalizados e óbvios. Além disso, essas posições óbvias para os sujeitos já estão prontas para serem assumidas, assim, o sujeito ao ser interpelado pelo discurso jornalístico ou científico vai produzir sentidos sobre ciência a partir desses lugares já prontos e óbvios. No caso do discurso jornalístico, o sentidos naturalizados de objetividade e imparcialidade são, produzidos, segundo Mariane (1998 apud GALLO et al 2008 p.123), através da manipulação da língua que, enquanto código sem falhas, é o instrumento capaz de referencializar a realidade dos fatos construindo assim o mito da informação jornalística com base noutro mito: o da comunicação lingüística. Este imaginário constrói para o discurso jornalístico um efeito de sentido de neutralidade e imparcialidade através do qual os acontecimentos são relatados para um leitor (o grande público) que, por ser considerado uma tabula rasa, precisa receber a informação de forma clara e objetiva. O jornalismo, então, ao tratar de ciência o faz através do pré-construído do discurso da própria mídia e não do da ciência: O resultado é um simulacro de ciência exposto ao público leigo, simulacro este que surge como efeito da não explicitação das condições de produção (históricas e ideológicas) da pesquisa científica. Para o sujeito leitor dos materiais jornalísticos,

5 então, a ciência se produz de forma descontextualizada. Esse efeito se produz, segundo Gallo (2003), justamente porque a contextualização, quando existe, é resultante de outros textos sobre o mesmo tema publicados anteriormente pela própria mídia e não pelo conhecimento da história da ciência e da pesquisa em questão. (GALLO et al 2008 p.123) Por seu turno, o discurso científico se constitui como um discurso de verdade, já que por seus objetivos e de seus métodos considerados ou pela via da razão (ciência cartesiana) ou pela da demonstração (ciência positivista), a ciência é sempre regulada pela busca da verdade e, àqueles que a manipulam ou mesmo dela se beneficiam, assiste o dever de interpretá-la como tal (LAVILLE E DIONNE, 1999). Contudo, para Pêcheux (1988), não é o homem que produz os conhecimentos científicos, mas os homens em sociedade e na história, ou seja, é a atividade humana social e histórica. Consequentemente, a produção histórica de um conhecimento científico dado seria o efeito de um processo histórico determinado por certa condições materiais (econômicas, políticas). A neutralidade do discurso científico, assim como sua legitimidade enquanto discurso da verdade é, portanto, resultado de um modo de funcionamento de certas relações produção. O jornalismo científico enquanto forma discursiva, que se estabelece na relação entre o discurso do jornalismo e o da ciência, traz na sua constituição esses sentidos imaginários resultantes dessas posições já construídas para a ciência e para o jornalismo. O trabalho da Revista Laboratório Ciência em Curso, no exercício de levar a ciência para um leitor que não é um especialista, evidencia a complexidade desse processo. É preciso construir uma posição para o divulgador de ciência que permita produzir um texto de divulgação que não seja nem tão hermético, representando uma outra versão de um artigo científico e nem tão didático e noticioso como um texto jornalístico produzido pela mídia de massa. Para isso, é necessário investir no processo tanto do fazer científico quanto do da divulgação buscando compreender esses discursos através das suas reais condições de produção, através do resgate da sua historicidade. REVISTA LABORATÓRIO CIÊNCIA EM CURSO: UMA PROPOSTA DE DIVULGAÇÃO O trabalho da Revista pretende, portanto, ao ressignificar a ciência, destacar o processo, o percurso pelo qual passou o cientista para chegar a seus resultados. Compreendendo o discurso da ciência como um processo, busca-se evidenciar as suas condições de produção desfazendo a evidência do fato científico entendido tanto como um

6 resultado apenas, quanto como um processo infalível e absoluto. Interessa assinalar, portanto, que existem acertos e erros que constituem o processo do qual o fato científico é resultado. Para isso a Revista se organiza a partir de alguns estratégias. A primeira delas é a hipertextualidade, em que a multiplicidade de mídias: áudio, vídeo, texto, janelas/links permite uma interação do interlocutor com os sentidos (da ciência) de modo não linearizado e também de modo mais polêmico. O desenvolvimento das tecnologias digitais, que culminou no advento da internet, apresenta-se como elemento potencializador das práticas discursivas da atualidade. Com seu ambiente diferenciado tanto pela organização do conhecimento como uma rede, quanto pela rapidez e pela quantidade do conhecimento aí produzido, a internet se constitui por uma heterogeneidade de vozes, podendo resultar na construção de um espaço mais aberto a polêmica. Orlandi (2003) tratando da relação interlocutiva no discurso, propõe modos de organização dessas vozes a partir de três tipos de discurso: o discurso lúdico é aquele em que seu objeto se mantém presente enquanto tal e os interlocutores se expõem a essa presença, resultando disso o que chamaríamos de polissemia aberta (o exagero é o non-sense). O discurso polêmico mantém a presença de seu objeto, sendo que os participantes não se expõem, mas ao contrário procuram dominar o referente, dando-lhe uma direção, indicando perspectivas particularizantes pelas quais se o olha e se o diz, o que resulta na polissemia controlada (o exagero é a injúria). No discurso autoritário, o referente está ausente, oculto pelo dizer; não há realmente interlocutores, mas um agente exclusivo, o que resulta na polissemia contida (o exagero é a ordem no sentido em que se diz isso e uma ordem, em que o sujeito passa a instrumento de comando). (ORLANDI 2003: 15-16) (grifo nosso) No discurso da internet, há um confronto pelo sentido do referente, já que os interlocutores (internautas), cada um a seu modo, procura dominar o sentido. Isso se deve a fato da internet funcionar como potencializadora de um não fechamento dos sentidos, pois nesse espaço os materiais formam uma rede de relações, em que podem ser considerados como coleções de fragmentos quase desconexos. Destaca-se aí, a posição do sujeito internauta que dominando a tecnologia digital tem certa autonomia, podendo participar do processo. Essa licença do internauta tanto para produzir materiais (sites, vídeos, textos, etc) quanto para interagir através de fóruns, chats e outros sites de relacionamento, gera um efeito de descontinuidade e heterogeneidade. Outro recurso é a utilização, pela Revista, da linguagem imagética (vídeos e fotos, forma gráfica) que aproxima seus materiais de sentidos emergentes na sociedade contemporânea. De fato, atualmente pode-se afirmar que a imagem parece destacar-se reivindicando seu lugar

7 na interpretação do mundo: somos constantemente levados a dar/fazer sentido a uma infinidade de ícones e é possível dizer que por meio da forma, exprime-se melhor o humanismo contemporâneo (MAFFESOLLI, 1995:153). Busca-se, então, trabalhar na relação entre as forma de linguagem, ou seja, na união do texto e da imagem no espaço virtual buscando a compreensão da linguagem imagética naquilo que lhe é constitutivo, assim como na sua relação com o texto e o espaço virtual. Para isso, a produção do material audiovisual é feita sem roteiro fechado. Nessa abordagem, as entrevistas feitas com os pesquisadores, por exemplo, são direcionadas para funcionar como uma conversa, deixando que os pesquisadores assumam certo controle do assunto discutido podendo utilizar o tempo e o percurso que desejar. Dessa perspectiva, produz-se já um certo afastamento do modo de produção do jornalismo tradicional, em que há um trabalho no sentido de moldar o acontecimento científico pelas perguntas chaves feitas ao entrevistado. A outra estratégia, que está vinculada, sobretudo, ao processo de produção dos materiais imagéticos, é o trabalho com o discurso artístico, que pela sua qualidade polissêmica, segundo Nunes e Martins (2008), pode ser produtivo para a ressignificação dos sentidos da ciência e do jornalismo na divulgação científica, na medida em que os sentidos incertos e mutáveis do discurso artístico podem evidenciar os sentidos estabilizados da ciência e do jornalismo que se quer polemizar: o discurso jornalístico apresenta um funcionamento autoritário, em que o referente (mundo) está apagado pela linguagem, que se constitui sustentada por um agente exclusivo que é o jornalista. Nesse funcionamento, constrói-se o imaginário de discurso objetivo e imparcial, em que dissimula-se a mediação através do apagamento da interpretação: em nome de fatos/noticias que falam por si o jornalista estaria apenas falando sobre ciência da maneira literal e objetiva. O discurso científico, por sua vez, pode ser considerado autoritário, quando compreendido como a manifestação de um saber supremo, quando se constitui, segundo Coracini (1991), no campo da certeza. Nesse caso, o cientista é o agente exclusivo do dizer que controlando um método vai controlar também o referente, pois como bem propõe Coracini (1991:123): quem poderia duvidar das afirmações de um cientista que colheu seu material, observou-o com base em seus princípios teóricos e metodológicos rígidos e inquestionáveis, atingido determinado resultado? (NUNES & MARTINS, 2008). O discurso artístico, por sua vez, constituído por uma polissemia aberta, pode produzir, numa relação com os materiais de divulgação, um efeito de sentidos em que o referente (a ciência) está sujeito a deslocamentos e rupturas, já que no discurso artístico jogam o equívoco, o acaso, a ambigüidade. A linguagem artística, assim, vai funcionar sustentando-se nos

8 materiais da Revista Ciência em Curso através i) das potencialidades polissêmicas que funcionam expandindo ao máximo o processo de significação e ii) da linguagem do documentário, a qual permite estabelecer uma relação dialógica entre documentado (pesquisador) e documentarista (divulgador) e uma posição autoral para o divulgador. (NUNES & MARTINS, 2008 p.5). O vídeo que se denomina um espaço irreverente (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/hipermidia01.html) produzido para divulgar o Programa Hipermídia, projeto do Curso de Comunicação Social, especialização em Cinema e Vídeo da Unisul, é um caso exemplar no que se refere ao atravessamento do discurso artístico, pois as potencialidades polissêmicas estão, nesse material, funcionando de maneira a abrir ao máximo o processo de significação. O vídeo, que traz uma profusão de imagens e uma trilha sonora e se constitui de forma não linearizada, produz efeitos de sentido ambíguos rompendo com significações estabilizadas. Assim constituído, o vídeo dificulta ao sujeito internauta produzir espaços significativos naturalizados e estabilizados. Contudo, o trabalho com o artístico que resultou num audiovisual, que se pode chamar de performático, se deve também à própria característica do grupo de pesquisa divulgado (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/hipermidia.html). É por isso, que Nunes & Martins (2008: 6) destacam que processo de divulgação de ciência se constitui numa linha limítrofe que organiza o lugar do cientista/especialista, o do não especialista e o próprio lugar do divulgador: E nesse entremeio, podemos ressignificar a ciência na exata medida em que, com o nosso trabalho ela não se transforme em outra coisa. Decorre daí a idéia de que a linguagem utilizada para a produção dos materiais de divulgação deve poder resgatar as condições de produção (históricas e ideológicas) que constituem o tema divulgado. Sendo assim, nem sempre o elemento lúdico, artístico, com as características apontadas anteriormente, vai responder a essas expectativas. Assim, uma discussão que também se vislumbra com a pesquisa envolve a relação entre a forma da linguagem de divulgação e a área de conhecimento a ser divulgado. Já a linguagem do documentário, segundo Nunes e Martins (2007) é uma forma de expressão, que apesar de lidar com uma certa representação do real, diferentemente do modo como os materiais fílmicos de ficção o fazem, está também intrinsecamente ligada à manipulação desta mesma realidade, já que está aberta a subjetividade e a autoria. Pode-se afirmar que a linguagem do documentário, desse modo, se constitui através de uma aproximação com o discurso artístico. A partir disso, através da perspectiva do documentário observativo e

9 interativo 1, produziu-se o vídeo vestígios cerâmicos (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/arq03.html) que divulga o Núcleo de Pesquisa Patrimônio Histórico e Cultural, do curso de História da Unisul. O audiovisual trata especificamente, de um trabalho de campo junto a um conjunto de sambaquis que estava sendo escavado por uma equipe de arqueólogos, no sul do Estado de Santa Catarina. Nesse material, buscou-se destacar o processo que constitui a pesquisa científica tanto através da nossa aproximação dialógica com a pesquisadora, quanto pelo destaque às dúvidas e incertezas que envolvem um trabalho de pesquisa. Para isso, a estratégia desenvolvida foi aquela do trabalho sem um roteiro fechado, ou seja, a gravação dos vídeos e as entrevistas não seguiram um roteiro (falas/imagem) já definidos a priori. Através do registro observativo, em que a ordem temporal linear dos acontecimentos regem o registro, foi possível mostrar certos aspectos da pesquisa em seu desenvolvimento, em processo, quando, durante a permanência no sítio arqueológico, registrou-se os momentos em que aconteceram algumas descobertas. Como por exemplo, o momento que os pesquisadores encontraram um crânio e algumas peças de cerâmica. Esses últimos artefatos, quando encontrados pela equipe, causaram confusão, pois não se esperava achar cerâmica num sambaqui: Existia ali, algo que não se encaixava, que estava fora de lugar, o que gerou uma situação de incerteza. A pesquisadora demonstra essa dúvida dizendo: agora deu um nó na cabeça. Estávamos então, pesquisadores e divulgadores frente a algo inusitado, ou seja, com arqueólogos que se confrontavam com uma contradição sobre a história de sua pesquisa, a qual parecia já estabelecida. Esse fato revela um sentido de ciência em que é necessário levar em conta que o seu percurso está suscetível a dúvidas e a equívocos. Consequentemente, vemos aí, o processo que queremos evidenciar, que a pesquisa científica é vulnerável e feita sob hipóteses e não constituída por verdades absolutas. Não é um produto apenas, como supõe o jornalismo de massa (NUNES & MARTINS 2007:8). 1 Dos subgêneros do documentário propostos por Nichols (APUD YAKHNI 2003), destaca-se aqui, os documentários observativo e interativo. Segundo o autor, o documentário observativo parte do princípio da não intervenção. Nesse caso, os acontecimentos regem todo o registro e por isso, a edição, nesta modalidade, obedece a uma estrutura dos acontecimentos de modo a manter a sua continuidade espaçotemporal. Já o documentário interativo ou cinema direto rompe com a barreira da não intervenção enfatizando a presença do realizador e, portanto, da relação dialógica entre o documentado e o documentarista. Este estilo de documentário surge junto ao com o som no cinema que possibilitou a exclusão da voz em over/off e a captação da fala em sua espontaneidade. O cinema direto dava a palavra ao outro e dava a palavra ao próprio realizador, que podia intervir com sua voz em off, por exemplo. Nesta modalidade o diálogo era parte fundamental da constituição do documentário.

10 A linguagem audiovisual interativa, por sua vez, enfatizou a relação dialógica entre o documentado e o documentarista, já que o processo de divulgação ao garantir que a pesquisadora não fosse limitada por uma entrevista do tipo pergunta\resposta podendo assumir, por isso, certo controle do assunto discutido (usou o tempo e o percurso que desejou) possibilitou captar os momentos em que a mesma circulava pelas escavações interagindo com o seu grupo de pesquisa e com os divulgadores. O resultado obtido aproxima o vídeo 2 da espontaneidade de uma conversa. A linguagem do documentário utilizada enquanto forma de expressão que potencializa a criatividade e autoria pode ser observada também no vídeo afastou de suas tradições (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/bio03.html) produzido para divulgar o Núcleo de Pesquisa Urbanização Litorânea e Impacto Ambiental. O audiovisual discute os problemas da ocupação desordenada das costas litorâneas do estado de Santa Catarina, nesse caso, pela construção de um aterro na área costeira sul da ilha de Florianópolis. Nesse material, destaca-se, ao invés da voz do cientista, outras vozes 3, aquelas dos moradores da região, uma comunidade de pescadores que, em conseqüência dessas mudanças ambientais, viram suas antigas áreas de pesca desaparecerem. preocupar Para garantir o efeito de criatividade e, por conseguinte, de autoria, optou-se por produzir um vídeo com planos em que se destacam enquadramentos com efeito dramático e também com entrevistas em locais pouco convencionais, chamando a atenção para uma forma de desconstrução da entrevista tradicional. Além disso, o tema divulgado foi apresentado de forma polêmica através das vozes contraditórias dos entrevistados. O vídeo se inicia com uma foto do por do sol no bairro da Costeira antes do aterro, onde se vê a silhueta de um pescador em seu barco e logo em seguida, tem-se a entrevista de um 2 Os vídeos aqui analisados, apresentam características de uma linguagem de documentário, que podemos chamar de mais contemporânea. Segundo Nunes & Martins (2007: 9) isso pode ser observado no modo como se deu o tratamento da imagem, em que a câmera se apresenta com mais dinamicidade, ou seja, não está estática, estabilizada. O áudio não é limpo, já que capta o ruído do ambiente e os planos, enquadramentos, closes também fogem um pouco do padrão clássico. Esses materiais parecem se aproximar de alguns materiais audiovisuais que vemos surgir na Internet, materiais estes que fogem também a linguagem audiovisual clássica. No caso dos vídeos da Internet, isso se deve ao acesso cada vez mais fácil à tecnologia de gravação de vídeo possibilitando que, grande número de pessoas leigas nas técnicas de produção de audiovisuais, possam produzir materiais e divulgá-los por meio da Internet. O resultado, em muitos casos, são vídeos em que a câmera não está estática, que captam os ruídos do ambiente e apresentam uma montagem que foge aos padrões convencionais. 3 Ao se buscar ressignificar a ciência destacando o percurso pelo qual passou o cientista para chegar a seus resultados, entende-se que é necessário levar em consideração que o processo da produção de conhecimento, contemporaneamente, pode estar se constituindo de forma heterogênea, tanto através das vozes do cientistas/especialista quanto através da voz dos outros (não especialistas, divulgadores).

11 pescador antigo da região falando sobre as dificuldades enfrentadas por eles depois da construção do aterro. Buscou-se, com a contraposição da foto com as imagens da entrevista do pescador, um efeito de composição em que se evidenciasse a contradição intrínseca ao tema divulgado: a relação entre a identidade cultural e o processo de urbanização. O vídeo apresenta uma imagem de um homem que pesca, para logo em seguida desconstruir esse sentido através do choque de se saber pela fala de outro um pescador que ali não se pesca mais. Ao mesmo tempo, o vídeo proporciona uma sensação de nostalgia quando este mesmo entrevistado fala de um tempo em que aquela fotografia poderia fazer sentido. O close no rosto do pescador, a luz que ressalta suas rugas proporciona ainda mais essa sensação de tempo perdido. O vídeo se desenvolve com uma segunda entrevista, em uma padaria do local, agora com uma senhora, esposa de pescador. Sua fala complementa a do pescador e ressalta a dificuldade econômica gerada pelo fim da pesca na região. Mas o que se destaca nessas imagens é o local inusitado da entrevista e a atitude despojada da entrevistada perante a câmera: ela não esconde seus trejeitos e fala de modo incisivo, o que não é usualmente registrado em uma entrevista jornalística, por exemplo. O último entrevistado, um gerente de uma empresa de beneficiamento de peixe também no mesmo bairro, foi apresentado, primeiramente, através do áudio, ou seja, sua voz compunha com imagem dos peixes sendo beneficiados. Evidentemente, essas imagens se contrapõem ao discurso do pescador e da mulher na padaria, pois mostra uma outra realidade, ou seja, a da pesca em grande escala. Na construção do vídeo, ao se destacar a falta de peixe, através da voz dos dois primeiros entrevistados, para logo em seguida mostrar esses peixes em quantidade, evidenciou-se uma ruptura: o que foi a pesca na região e o que é a pesca na região na atualidade. O vídeo encerra com uma fotografia do bairro da Costeira na atualidade, dando noção da dimensão da obra e, ao mesmo tempo que reafirma, de algum modo, os dizeres do gerente da empresa, mostra-se também em contradição com os sentidos da fotografia do pescador no por do sol, no início do vídeo. Nesse vídeo observa-se como a montagem da seqüência dos planos gerou sentido. Através da contraposição de imagens produziu-se o efeito de choque, no sentido Eiseinsteiniano 4 da 4 Segundo Rubinato (www.geocities.com/contracampo/notasparaumadefinicao.html), Eisenstein preconizou uma montagem dialética, que se inspirou em fontes tão diversas como o marxismo, o teatro japonês e os ideogramas. A concepção dialética de montagem advoga o princípio da justaposição de dois planos que criam um novo significado, que não o expresso em termos visuais, mas sim em termos conceituais na mente do espectador. Pode-se citar, como exemplo notável desta concepção a memorável seqüência de A Greve (Stachka 1924), onde são justapostos planos consecutivos que mostram cenas de um matadouro de bovinos e a repressão da polícia tzarista aos grevistas. O significado almejado não é exibido plasticamente na tela, mas é obtido de modo abstrato no entendimento. É importante verificar que não há, pois, um objetivo meramente didático, pois o significado não é apresentado como um realidade

12 montagem dialética, em que o efeito de sentido de uma imagem e, neste caso, também de uma entrevista, colocada junto à outra gera um sentido que potencializa o discurso a ser transmitido: Deste modo a manipulação da montagem é evidenciada e por isso evidenciamos o nosso papel como autores, em que não se procura enquanto autor uma transparência ou uma imparcialidade. Temos então, como já dissemos, uma desconstrução do modelo tradicional de entrevistas feita pelo jornalismo e entendemos que o rompimento com esse padrão possibilita um uso mais criativo da imagem, o que potencializa nossa busca por um tipo de divulgação de ciência que tenha seus sentidos mais abertos e conseqüentemente permita ao interlocutor uma relação mais reflexiva com o material de divulgação. (NUNES & MARTINS 2007:9). ALGUNS ENCAMINHAMENTOS A divulgação de ciência produzida pela mídia de massa, que se constitui na relação entre os discursos jornalístico e científico, traz na sua constituição sentidos imaginários resultantes do pré-construído que constitui tanto o discurso da ciência quanto do jornalismo e a proposta da Revista Laboratório Ciência em Curso é buscar uma forma de divulgação que desestabilize esses sentidos. Contudo, mesmo sendo a posição do sujeito divulgador, nesse caso, uma posição que não está inscrita no discurso jornalístico, predominantemente, mas sim no discurso acadêmico-científico, tendo por isso como foco muito mais o modo de fazer pesquisa cuja divulgação tem fins educativos do que responder a interesses de uma empresa jornalística, o que se observou foi a complexidade do processo, já que a divulgação de ciência produzida pela Revista foi afetada pelos sentidos de divulgação dos quais pretendia se diferenciar. O primeiro núcleo de pesquisa divulgado, Trabalho e Subjetividade 5 estava quase inteiramente determinado pelo discurso jornalístico na sua forma mais noticiosa, pois ao dar a palavra ao pesquisador para que ele falasse sobre sua pesquisa, este foi colocado em uma situação enunciativa idêntica a de um repórter de rua. O vídeo capaz de dar identidade ilustra esse modo de divulgação (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/ts04.html). acabada, pronta para ser assimilada, mas sim como uma proposta que deve ser discutida pelo espectador. Trata-se de um cinema que desencadeia no público a formação da consciência revolucionária, num processo que exige uma participação ativa daquele que o contempla, que é chamado a refletir sobre o conteúdo expresso na tela. 5 Esse núcleo de pesquisa tem como temática central as atuais mudanças no mundo do trabalho e o impacto destas sobre a subjetividade das pessoas no mundo contemporâneo. Especificamente, desenvolve estudos sobre: o processo de construção das identidades profissionais e ocupacionais, a escolha e a orientação profissional, as novas tecnologias e gestão de pessoas nas organizações; emprego e desemprego, trabalho e educação formal (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/trabalhoesubjetividade.html).

13 Já o outro material audiovisual (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/mpn04.html), do grupo de pesquisa Modelos de Processos de Negocio 6, mostra o pesquisador não como um repórter, mas como um professor e o didatismo do discurso pedagógico foi o sentido predominante. A Revista Laboratório Ciência em Curso, assim, é um trabalho de experimentação em que a pesquisa sobre linguagem, discurso e divulgação de ciência é ainda provisória. Essa proposta de divulgação, portanto, é ela própria uma pesquisa que vai se desenvolvendo de forma processual. Assim, pretende-se dos dois lados, tanto no discurso científico de origem, quanto no discurso de divulgação, dar ênfase ao processo e não ao produto. NOTAS Marci Fileti MARTINS. Lingüista, Profa. Dra. da Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Unisul, Palhoça, Solange Maria Leda GALLO. Lingüista, Profa. Dra. da Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Unisul, Palhoça, REFERÊNCIAS ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado. 3ª ed., São Paulo: Ed. Presença, GALLO, Solange Leda. A Educação a Distância em uma perspectiva discursiva. Texto apresentado na ANPOLL (2002) no GT em Análise do Discurso e publicado nos anais do evento. GALLO, Solange Lega, MARTINS, Marci Fileti, MORELLO, Rosângela. Linguagens, Ciências e Tecnologias na Formulação do Conhecimento in Ciência da Linguagem: Avaliando o Percurso, Abrindo Caminhos. Org. Sanfro Braga, Maria Ester Wollstein Moritz, Mariléia Reis e Fábio Rauen. Editora Nova Letra. Blumenau GUIMARAES, Eduardo. Org.: Produção e Circulação do Conhecimento. Vol.1 e Vol 2 Ed. Pontes, 2001/2003. Pontes, CNPq/ Pronex e Núcleo de Jornalismo Científico.SP MAFFESOLI, Michel. Contemplação do Mundo. Porto Alegre, Artes e Ofícios Editora Ltda Um modelo de processos de negócio é um tipo de sistema de informação, que através de um conjunto de atividades busca organizar, através de uma linguagem informatizada, o funcionamento de uma empresa, permitindo que se tenha tanto uma visão global da organização da empresa, quanto uma visão de suas partes. Os Grupos de Pesquisas em Sistema Integrado de Gestão (GPSIG) e em Sistemas Computacionais Inteligentes (GSCI) têm como objetivo desenvolver um modelo de processo de negócio, que possa ajudar na estruturação das pequenas empresas da região da Grande Florianópolis e Sul do Estado de Santa Catarina (http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/modelodeprocessos.html).

14 MARTINS, Marci Fileti. Divulgação Científica e a Heterogeneidade Discursiva: Análise de "Uma Breve História do Tempo" de Stephen Hawking in Revista Linguagem em (Dis)curso- V. 6 n O que pode e deve ser dito no discurso de divulgação de ciência: Nós precisamos da incerteza, é o único modo de continuar in III SEAD. Porto Alegre MARIANI, Bethânia. O PCB e a Imprensa: O comunismo imaginário, práticas discursivas da imprensa sobre o PCB ( ). Campinas, Editora da Unicamp MOIRAND, Sophie. - Formas discursivas da divisão de saberes na mídia. in.. RUA n.6. Revista do NUDECRI. Unicamp. Campinas, NUNES, Maria Augusta V. & MARTINS, Marci Fileti. O discurso artístico na constituição dos materiais de divulgação de ciência: A Revista-laboratório Ciência em Curso. Linguasagem ORLANDI, Eni. Análise do Discurso: princípios e procedimentos. Pontes. Campinas/SP Discurso e Leitura. Editora Cortez, 2a edição. São Paulo Divulgação Científica e Efeito Leitor: Uma Política Social e Urbana in Produção e Circulação do Conhecimento Vol 1 (Estado, Mídia, Sociedade). Org. Eduardo Guimarães. Pontes, CNPq/ Pronex e Núcleo de Jornalismo Científico A Linguagem e seu Funcionamento: As Formas do Discurso. Campinas SP. Editora Pontes, PÊCHEUX, Michel. Les Vérités de la Palice. Paris. Mespero (trad.bras.) Semântica e Discurso. UNICAMP.Campinas/SP RUBINATIO, Alfredo. Notas para uma Definição de Cinema Revolucionário in Consultado no dia 02/03/2009. ABSTRACT The work reflects about the production of scientific knowledge in contemporary specifically discussing the ways in which that knowledge circulates, as is disclosed. We are interested in what is denominated science communication, social area with a strong order of the media, where, according to some authors, the scientific knowledge "leaves" in its place "original" and will make sense in the way of daily non-specialists. For this, we bring to discuss the proposed disclosure in the journal Science Laboratory Course (http://www.cienciaemcurso.unisul.br). The proposal of the journal is to disseminate science through a site, where the multiplicity of media like audio, video, text, links allow mean the science in not linear order. Also, search discuss about the form of dissemination of science by the scientific journalism, because what we see today, in the divulgations materials of science, is a tendency to giving priority to the knowledge of the media on science. Keywords Analysis of Speech; scientific dissemination; Laboratório Ciência em Curso Magazine

CIÊNCIA EM CURSO & FEITO A MÃO 1

CIÊNCIA EM CURSO & FEITO A MÃO 1 Página11 CIÊNCIA EM CURSO & FEITO A MÃO 1 Solange Maria Leda Gallo 2 Resumo: O trabalho reflete sobre a formulação e circulação do conhecimento científica na contemporaneidade, discutindo especificamente

Leia mais

A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA DA REVISTA LABORATÓRIO CIÊNCIA EM CURSO 1

A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA DA REVISTA LABORATÓRIO CIÊNCIA EM CURSO 1 Página59 A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA DA REVISTA LABORATÓRIO CIÊNCIA EM CURSO 1 Giovanna Benedeto Flores 2 Marci Fileti Martins 3 Solange Maria Leda Gallo 4 Silvânia Siebert 5 Resumo: O trabalho reflete sobre

Leia mais

ISSN 2317-0077 (eletrônica)

ISSN 2317-0077 (eletrônica) ISSN 2317-0077 (eletrônica) Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem Universidade do Sul de Santa Catarina Tubarão SC v. 1, n. 1, p. 1-73, jul./dez. 2012 Dados Postais/Mailing Address Revista

Leia mais

ENTRE A CIÊNCIA E A MÍDIA: UM OLHAR DE ASSESSORIA DE IMPRENSA 1

ENTRE A CIÊNCIA E A MÍDIA: UM OLHAR DE ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Página43 ENTRE A CIÊNCIA E A MÍDIA: UM OLHAR DE ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Giovanna Benedetto Flores 2 Resumo: Esse trabalho se propõe a identificar as estratégias discursivas predominantes do jornalista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR Silmara Cristina Dela Silva 1 Este trabalho é parte de uma pesquisa

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES Cristiane Renata da Silva Cavalcanti 1 Silmara Dela Silva 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atravessada pela historicidade constitutiva do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica Estimulando crianças a práticas preventivas da dengue: o desenho de animação como recurso para mobilização Mariana de Queiroz Bertelli, Héliton da Silva Barros, Felipe Kolb Bernardes, Virgínia Torres Schall

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Disciplinas Optativas Jornalismo

Disciplinas Optativas Jornalismo Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Jornalismo Disciplinas Optativas Jornalismo Carga horária total de optativas: 930

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA: PRODUÇÃO DOS MEIOS E CAPACITAÇÃO

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA: PRODUÇÃO DOS MEIOS E CAPACITAÇÃO TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA: PRODUÇÃO DOS MEIOS E CAPACITAÇÃO AUTOR / AUTOR: Ricardo Alexino Ferreira INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade de São Paulo (USP) CORREIO ELETRÔNICO

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UMA ANÁLISE DOS GÊNEROS DIGITAIS PRESENTES NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute os gêneros digitais que são abordados

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4000 - JORNALISMO MISSÃO DO CURSO O curso de Jornalismo do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar o profissional dentro

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

EDITAL SALA DE IMAGENS CONBRACE 2015

EDITAL SALA DE IMAGENS CONBRACE 2015 Fortaleza, 06 de julho de 2015 Estão abertas as inscrições para envio de fotografias e vídeos que irão ser exibidos na SALA de IMAGENS (SIM), projeto sob coordenação do GTT2/Comunicação e Mídia para o

Leia mais

SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR

SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR Izabel Seehaber 1 Carme Regina Schons 2 Partindo do pressuposto de que, há algum tempo, várias Igrejas de denominações religiosas identificaram, em suportes

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS Geralda Maria de Carvalho Zaidan Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP Introdução Este trabalho pretende constituir-se numa síntese da

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE

PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE Resumo O programa Radiozine é um projeto desenvolvido para a disciplina de Projeto Experimental em Jornalismo Eletrônico,

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes.

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes. AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1 Andressa Cristina Coutinho BARBOZA Universidade Federal de Ouro Preto drecrist@ichs.ufop.br Resumo: O trabalho tem a proposta de

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006.

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006. O SUJEITO DA AD: UM CONCEITO EM TRANSFORMAÇÃO Tatiana PICCARDI (Universidade de São Paulo) ABSTRACT: the concept Subject in discourse analysis, specially in French discourse analysis, is changing. In fact,

Leia mais

DISCURSO JORNALISTICO EM MATO GROSSO E CONSTITUIÇÃO IMAGINÁRIA DO ÍNDIO

DISCURSO JORNALISTICO EM MATO GROSSO E CONSTITUIÇÃO IMAGINÁRIA DO ÍNDIO DISCURSO JORNALISTICO EM MATO GROSSO E CONSTITUIÇÃO IMAGINÁRIA DO ÍNDIO 2575 Lucimar Luisa Ferreira DINTER /UNICAMP/CAPES/UNEMAT O Estado de Mato Grosso abriga uma enorme diversidade indígena. São mais

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO.

REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO. REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO. GALLO, Solange L. (Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL) solange.gallo@unisul.br O objetivo que tenho neste trabalho é compreender

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Maio 2007 na Lúcia Tinoco - UNICSUL ana.cabral@unicsul.br Carlos Fernando

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador

Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador Luciana Maria Crestani (UPM-SP) RESUMO: Este artigo faz uma reflexão sobre perspectivas enunciativas que se abrem a partir dos recursos da internet

Leia mais

Camila Nunes LAWSON (Universidade Católica de Pelotas)

Camila Nunes LAWSON (Universidade Católica de Pelotas) A (RE)CONSTITUIÇÃO DAS IDENTIDADES DE UMA PROFESSORA PRÉ-SERVIÇO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA ORIENTADORA E PROFESSORA ESTAGIÁRIA Camila Nunes LAWSON (Universidade Católica de Pelotas) ABSTRACT:

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais