A GESTÃO CONTÁBIL NAS ATIVIDADES DO AGRONEGÓCIO E AGROPECUÁRIO COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA TOMADA DE DECISÕES NOS PERÍODOS DE SAZONALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO CONTÁBIL NAS ATIVIDADES DO AGRONEGÓCIO E AGROPECUÁRIO COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA TOMADA DE DECISÕES NOS PERÍODOS DE SAZONALIDADE"

Transcrição

1 A GESTÃO CONTÁBIL NAS ATIVIDADES DO AGRONEGÓCIO E AGROPECUÁRIO COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA TOMADA DE DECISÕES NOS PERÍODOS DE SAZONALIDADE CÉLIO CORRÊA SANTOS (1) ; JORGE RIBEIRO TOLEDO FILHO (2) ; VALDECIR KNUTH (3) ; AMILTON FERNANDO CARDOSO (4) ; VALMOR SOUZA (5). 1,3.UNIASSELVI, BLUMENAU, SC, BRASIL; 2,5.FURB, BLUMENAU, SC, BRASIL; 4.FATEC SENAI BRUSQUE, BRUSQUE, SC, BRASIL. APRESENTAÇÃO ORAL ADMINISTRAÇÃO RURAL E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO A Gestão Contábil nas Atividades do Agronegócio e Agropecuário como Ferramenta Gerencial para Tomada de Decisões nos Períodos de Sazonalidade Grupo de Pesquisa: Administração Rural e Gestão do Agronegócio. 1

2 Resumo O presente artigo demonstra que o método contábil utilizado no agronegócio e agropecuário é bem especifico em contraste com os demais negócios (indústria, comércio e prestadora de serviço), devido às suas particularidades: sazonalidade, safra e entressafra, entre outros. A tarefa de planejar e controlar a produção e demanda está intimamente ligada na sazonalidade do custo da produção, sendo que o objetivo deste trabalho é demonstrar os reflexos causados nos custos da produção sazonal é evidenciar o tratamento contábil dado ao agronegócio devido às peculiaridades de sua produção sazonal. Este trabalho é um ensaio teórico sobre empresas que trabalham com o agronegócio e suas particularidades contábeis. Serão abordados conceitos teóricos e elaborado um exemplo do agronegócio com gado, evidenciando o método de custo e o método do valor de mercado. Os resultados preliminares expôs que apesar das peculiaridades, o setor de agronegócios não pode prescindir de controles de custos e receitas, além dos controles patrimoniais, para reunir informações que subsidiem a tomada de decisão. Palavras-chaves: Agronegócio. Sazonalidade. Contabilidade. Pecuária. Método. Abstract The present article demonstrates that the accounting method used in the agribusiness and agricultural it is well I specify in contrast with the other businesses (industry, trade and service rendered), due to your particularities: seasonably, crop and interharvest among others. The task of to drift and to control the production and demand is intimately linked in the seasonably of the cost of the production, and the objective of this work is to demonstrate the reflexes caused in the costs of the seasonal production it is to evidence the accounting treatment given to the agribusiness due to the peculiarities of your seasonal production. This work is a theoretical rehearsal on companies that work with the agribusiness and your accounting particularities. Theoretical concepts will be approached and elaborated an example of the agribusiness with cattle, evidencing the cost method and the method of the market value. The preliminary results exposed that in spite of the peculiarities, the agribusiness section cannot do without of controls of costs and revenues, besides the patrimonial controls, to gather information that subsidize the electric outlet of decision. Key Words: Agribusiness. Seasonably. Accounting. Livestock. Method. 1 INTRODUÇÃO No inicio do Século XXI, o agronegócio respondeu por 31,64% da Balança Comercial Brasileira, com tendência de crescimento, e foi responsável por U$ 20 bilhões de superávit. Tendo como partida esta relevância do agronégocio no mercado econômico, este artigo busca tratar das peculiaridades do setor de agronegócio e agropecuário. Estes setores, não podem prescindir de controles de custos e receitas, além dos controles patrimoniais, para reunir informações que subsidiem a tomada de decisão por parte dos administradores responsáveis por aquele segmento. A sazonalidade da produção implica um tratamento contábil diferenciado em relação a outros negócios não sazonais. As altas dos preços na entressafra e a baixa deles na safra ocorrem na produção agrícola, podendo haver exceções, como no final da década dos anos 90, em que houve sobre oferta de derivados lácteos em plena entressafra nas bacias produtoras, provocando queda na remuneração do produtor. As causas da oferta excessiva, no período, podem ser identificadas 2

3 com a desova de estoques de anos anteriores, a importação daqueles produtos, além de mudanças momentâneas no hábito de consumo de derivados lácteos. A sazonalidade caracteriza-se pela ocorrência de situações que se repetem em séries ou intervalos de tempo (dia, semana, mês e ano) na produção/demanda. Segundo Pino et al (1994:124) ressaltam que as causas da sazonalidade podem estar reunidas em dois grandes grupos: as provocadas direta ou indiretamente pela existência das estações do ano, e as relacionadas ao calendário. Os negócios sazonais relacionados ao calendário são os ocorridos nas épocas festivas, como, por exemplo, nas indústrias de brinquedo que aumentam a produção no segundo semestre visando o Dia das Crianças e o Natal, aumentando os custos de produção neste período. Este tema é especifico a sazonalidade, porém, não será tratado neste artigo, tratandose apenas dos negócios sazonais provocados pela existência das estações do ano, em particular do agronégocio. Desta forma, elabora-se a questão problema: Como tratar contabilmente os reflexos causados no agronégocio devido a produção sazonal? 2 PARTICULARIDADES DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Pode-se elencar diversos aspectos peculiares à produção agrícola, sejam pelos fatores de produção, produtos agrícolas ou ainda pelos seus respectivos custos de produção. Entre eles, identifica-se: 2.1 Sazonalidade Sazonalidades são flutuações que ocorrem uma vez no ano e se repetem anualmente. (RIGGS, 1970:47). Para Pino et al (1994), tais movimentos decorrem normalmente das variações climáticas relacionadas às estações do ano, ou a fatores culturais relacionados a efeitos de calendário. Este último tem implicação com os fatores de produção, com o produto e nos custos de oportunidade das máquinas e equipamentos. Giustina (1995:09) comenta a sazonalidade de vários pontos: a variação dos padrões climáticos que se verifica ao longo de um ano em qualquer região do mundo (mais marcada nas regiões temperadas e menos nas regiões tropicais) faz com que a generalidade das produções agrícolas seja marcadamente sazonal, produzindo-se em cada estação do ano os produtos que melhor aproveitam as características climáticas que nesse período vigoram; os avanços verificados nas tecnologias de produção, nos domínios da rega, da drenagem, das estufas, do aparecimento de variedades tolerantes ou resistentes a certos fenômenos (traduzidas em alterações nas respectivas funções de produção), que aumentam o controle do agricultor sobre algumas da variáveis do clima e solo, têm vindo a permitir diminuir alguma desta sazonalidade. é igualmente esta sazonalidade que torna muito elevado o custo de oportunidade de muitas operações técnicas, o que condiciona muitas vezes a opção por certos investimentos. Um exemplo disso é o sobre dimensionamento dos parques de máquinas: apesar de um trator poder fornecer, ao longo de todo o ano, o número de horas de tração suficiente 3

4 para um dado plano de operações, a necessidade de executar um conjunto delas num curto intervalo de tempo (devido às condições climáticas), pode obrigar à existência de um trator adicional para o efeito. Três aspectos a reter: a) a sazonalidade limita freqüentemente as produções que se obtêm por falta de disponibilidade (na qualidade, quantidade e oportunidade) dos fatores de produção necessários; b) existem normalmente elevados benefícios econômicos privados quando se conseguem eliminar os estrangulamentos provocados pela sazonalidade. Se estes benefícios resultam da obtenção de produções mais elevadas e regulares, os benefícios sociais são normalmente positivos; mas quando os benefícios privados são acompanhados, por exemplo, da dispensa de mãode-obra assalariada (fruto de tecnologias mais mecanizadas) com poucas alternativas de emprego, os benefícios sociais podem ser baixos ou mesmo negativos; c) é fundamental olhar os dados referentes à produção agrícola no contexto desta sazonalidade, mesmo que eles sejam publicados numa base anual, como é normalmente o caso das estatísticas agrícolas. A produção agrícola ocorre em algumas épocas do ano, como o café que tem sua colheita no inicio do inverno. Esta característica chamada de sazonalidade, é determinada basicamente do comportamento dos preços desses produtos. De acordo com Azevedo (1997:54): o cafeicultor pode armazenar seu café, mas essa é uma atividade custosa. Possivelmente, sua capacidade de armazenagem é limitada, de tal modo que é necessário desfazer-se de parte da produção. Além do custo direto da armazenagem, há o custo financeiro de imobilizar-se o capital em estoques. O cafeicultor que não transforma sua colheita em dinheiro está abdicando da taxa de juros que o valor da colheita poderia receber no mercado financeiro. Os produtos agroindustriais, pois, são dependentes do comportamento sazonal da oferta agrícola. A velocidade da produção, das vendas e a formação de estoques estão de acordo com a velocidade especificada pelas estações do ano. Conforme Slack et al. (1997:350), em muitas organizações, o planejamento e controle de capacidade está preocupado em lidar com flutuações sazonais da demanda. Quase todos os produtos e serviços têm alguma sazonalidade da demanda e alguns também têm sazonalidade de suprimentos, normalmente quando os insumos são produtos de agricultura sazonal. As causas da sazonalidade podem ser as mais variadas possíveis, conforme demonstrado no quadro 1: Causas da Sazonalidade Climáticas Festas Comportamentais Políticas Financeiras Sociais 4

5 Alguns Produtos e Serviços Sazonais Materiais de construção Bebidas (cerveja, vinho) Alimentos (sorvetes, doces natalinos) Vestuário (maiôs, sapatos) Itens de jardinagem (sementes, fertilizantes) Serviços de viagens Saúde (gripe epidêmica) Chocolates (época de Páscoa) Brinquedos (Natal, dia das crianças) Flores (dias das mães, namorados, finados) Fogos de artifício Hotéis veranistas Fonte: Adaptado de Slack (1997:350) Quadro 1 Causas da sazonalidade de produtos e serviços Pino et al. (1994) ressaltam que as causas da sazonalidade podem estar reunidas em dois grandes grupos: as provocadas, direta ou indiretamente, pela existência das estações do ano; e as relacionadas ao calendário. A sazonalidade ligada ao calendário deve-se a fatores culturais que pode afetar a demanda por certos produtos em determinadas épocas do ano. Porém, em determinados segmentos, a sazonalidade não ocorre estritamente em uma época específica do ano, mas podendo ocorrer semanalmente ou até mesmo diariamente. A demanda pode ser baixa na segunda e terças-feiras, e aumentar no final da semana alcançando um pico na sexta-feira e no sábado. Têm-se como exemplos os Bancos, Serviços Públicos, de Fornecimento de Eletricidade, onde todas têm padrão de demanda semanais, diários, ou mesmo horários, que exigem ajuste de capacidade. O acompanhamento da demanda faz com que a capacidade produtiva seja ajustada aplicando alguns métodos, onde tais métodos podem não ser viáveis para todos os tipos de produção, conforme Slack et al (1997:359), sendo: Horas-extras e tempo ocioso- com freqüência o método mais rápido e conveniente para ajustar a capacidade é variando o número de horas produtivas trabalhadas pelo pessoal da produção. Quando a demanda é mais alta do que a capacidade nominal, o dia de trabalho pode ser estendido e quando a demanda é menor do que a capacidade nominal, o tempo despendido pelo pessoal em trabalho produtivo pode ser reduzido. No último caso, o pessoal pode engajar-se em outras atividades como limpeza ou manutenção. Este método somente é útil se a programação da capacidade produtiva extra coincide com a demanda. Variar o tamanho da força de trabalho- se a capacidade for fortemente dependente do tamanho da força de trabalho, uma forma de ajustar a capacidade é ajustar o número de pessoas. Isto é feito contratando pessoal extra durante períodos de alta demanda e dispensando-os quando a demanda diminui. Os custos de contratar pessoal extra incluem os associados com o recrutamento, assim como os custos de baixa produtividade, enquanto o pessoal novo passa pela curva de aprendizagem. 5

6 Usar pessoal em tempo parcial - é a recrutação de pessoal para trabalhar menos do que um dia normal. Este método é muito usado em operações de serviços como supermercados e restaurantes fast-food, mas também é usado por alguns fabricantes para alocar pessoal ao horário noturno depois do dia normal de trabalho. Se, entretanto, os custos fixos do emprego de cada empregado, independentemente de quanto tempo trabalharem, forem altos, então usar este método pode não valer a pena. Subcontratação - em períodos de alta demanda, uma operação pode adquirir capacidade de outras empresas. Isto pode capacitar a operação a atender sua própria demanda sem custos extras de investimento em capacidade, que não será necessária depois que o pico de demanda tiver passado. Novamente, há custos associados com este método. O mais óbvio é que a subcontratação pode ser muito dispendiosa. O subcontratante também desejará Ter margem suficiente no negócio. Um subcontratante pode não estar tão motivado a fornecer no prazo ou nos níveis desejados de qualidade. Finalmente, há risco de que os subcontratantes também decidam entrar no mesmo mercado. 2.2 Safra e entressafra 6

7 Safra segundo o dicionário Michaelis, significa colheita; boa promessa de frutos. Entressafra é o período que medeia entre uma safra e outra imediata, de determinado produto. Nas estações comumente chuvosas do Brasil (setembro a março), a produção leiteira aumenta períodos este chamados de safra, caindo verticalmente nos meses de abril a agosto, período de pouca chuva, que é o período de entressafra, havendo pastagem ruim para a alimentação do gado. Sazonal refere-se à movimentação da produção dos preços ao longo do ano, determinado pelos períodos de safra e entressafra. Como exemplo pode-se citar a produção pecuária, onde a primavera e o verão são considerados meses de safra. Nesse período, o gado ganha peso, devido à melhoria das pastagens. No outono e no inverno, há o empobrecimento da pastagem, sendo esse período considerado de entressafra. Importante salientar que o custo depende basicamente não só do período de safra e entressafra, mas também de fenômenos climáticos e da oferta. 2.3 Aspectos da demanda Quando se trabalha a questão sazonalidade deve-se analisar a teoria da oferta e da demanda, pois esta é uma ferramenta básica e poderosa para a análise, compreensão e previsão. Esta análise facilita a compreensão e a previsão de variações econômicas que afetam o preço de mercado e produção. Se os produtos agrícolas têm uma carência no mercado, os preços tendem a subir, a fim de limitar o consumo. Porém se os produtos agrícolas são fartos no mercado, o preço tende a cair a fim de induzir o consumo. A oferta e a demanda são fatores que determinam o preço de mercado de uma mercadoria, assim como a quantidade produzida. A figura 1ilustra a comparação entre a produção e a demanda. Oferta e demanda- o mercado encontra equilíbrio ao preço P0 e quantidade Q0. A um preço mais alto P1 surge em excedente, causando a queda do preço. A um preço mais baixo P2 ocorre uma escassez, ocasionando uma elevação de preços. Fonte: Adaptado Pindyck e Rubinfeld, 1994:25. Figura 1- Comparação entre o equilíbrio da oferta e demanda 7

8 Segundo Azevedo (1997:51) A quantidade demandada pelos produtos agroindustriais não varia significativamente em relação ao preço em comparação com a variação da demanda dos demais produtos este preço varia consideravelmente diante de pequenas variações na quantidade ofertada. Comparando-se a produção com a demanda, detecta-se excedente na safra e falta na entressafra. Assim, as importações têm papel importante a fim de regular o vácuo criado pelo desequilíbrio sazonal. 2.4 Outros fatores A condição climática também tem grande influência na produção agrícola, levando muitas vezes à incerteza na produção. Devido a essas incertezas e pela necessidade de obter um bom resultado, o agricultor utiliza-se de combinações de produtos a fim de diminuir o risco de grandes perdas em caso de acidentes climáticos. Outra situação seria os produtos agrícolas perecíveis, como por exemplo, os produtos derivados do leite, que geram complicações quanto ao armazenamento e condicionamento. 3 CONTABILIDADE DO AGRONEGÓCIO O termo agrobusiness tem origem há mais de três décadas, business é um termo que, em inglês, correspondente a negócios ; estes apresentam uma relação com a atividade agrícola. Comenta Grateron (1996:71) que: considerando a abrangência do termo agribusiness, temos que tomar em conta a contabilidade como meio de: controle, apuração de custos, determinação de preços, fornecimento de informações para o processo de tomada de decisões, entre outras características não menos importantes que ajudam a garantir o sucesso, neste caso, da cadeia agroindustrial. A contabilidade está e estará presente em cada um dos elos da cadeia. O agronégocio tem como finalidade o cultivo da terra, a exploração de animais e a transformação dos produtos agrícolas. A divisão das atividades rurais pode ser visto no quadro 2 ATIVIDADE AGRÍCOLA ATIVIDADE ZOOTÉCNICA ATIVIDADE AGROINDUSTRIAL - Culturas hortícolas e forrageiras e; - Arboricultura. - Criação de animais e; - Criação de abelhas. - beneficiamento de produtos agrícolas; - transformação de produtos agrícolas; e - transformação de produtos zootécnicos. Fonte: Adaptado de Slack (1997:352) Quadro 2 Divisão das atividades rurais. 8

9 Diante das características peculiares desta atividade, no caso a sazonalidade, a contabilidade torna-se especifica. A sazonalidade da produção impõe oscilações nos preços de mercado para os produtos agrícolas, mas tal situação não inviabiliza o controle dos custos e receitas. Desta forma apresentam-se as peculiaridades contábeis destas atividades. 3.1 Exercício social Ao abordar a contabilidade rural, é importante fazer ressalva quanto ao exercício social. A prática de coincidir o final do ano calendário (31/12) com o fim do exercício social e uma opção da empresa. Ao analisar atividade rural, tal prática não se aplica. Na atividade agrícola, normalmente o reconhecimento da receita acontece durante ou logo após a colheita. Segundo Giustina (1995), em conseqüência da sua produção sazonal, concentrada em determinado período, muitas vezes em alguns dias do ano, parece coerente que após seu término se proceda à apuração do resultado, importante na tomada de decisão do gestor, sobretudo a respeito do que fazer no novo ano agrícola (período compreendido pela plantação, colheita e comercialização da safra agrícola). Caso ocorra a apuração do resultado antes da colheita, período de plantas em crescimento, o valor econômico da cultura fica de difícil avaliação. Assim como na atividade agrícola, o período de encerramento do exercício da atividade pecuária não se dá em 31/12. O correto é realizar a receita após a concentração do maior número de nascimentos ou do desmame dos bezerros. 9

10 3.2 Culturas temporárias Culturas temporárias são aquelas sujeitas ao replantio após ter sido realizado a colheita, ou seja, quando a planta é arrancada do solo para um novo plantio. Exemplo: arroz, batata, milho e outros cereais. Essas plantações são contabilizadas no Ativo Circulante em uma conta denominada Cultura Temporária em Formação ; assim todos os custos (semente, fertilizantes, mudas, mão-de-obra, entre outros) serão registrados em uma subconta com o nome específico da cultura em formação, havendo a necessidade do rateio dos custos indiretos entre as diversas culturas, de forma proporcional. Os custos da cultura são identificáveis como os ligados direta ou indiretamente com as culturas em questão, sendo lançados no Ativo Circulante. Ex.: sementes, mão-de-obra, depreciação das máquinas utilizadas na cultura e outros. As despesas do período representam todas as despesas não identificáveis com a cultura, não podendo ser acumuladas no estoque (Ativo Circulante), sendo apropriadas diretamente como despesa do período, no Resultado. Ex.: honorários do contador, pró-labore dos diretores, gastos com material de expediente, entre outros. Os custos da colheita são acumulados também na conta Cultura Temporária em Formação, sendo que somente após o termino da colheita ocorre à transferência desta conta para uma conta denominada Produtos Agrícolas do Ativo Circulante, tendo como subconta o produto colhido (milho, feijão, etc.). Serão somadas a essa conta, além do valor transferido da conta Culturas em Formação, os custos incorridos após a colheita, os adicionais de manutenção e estocagem, deixam contabilmente, os produtos em condições de comercialização. Por ocasião da venda, baixa-se proporcionalmente a conta Produtos Agrícolas, transferindo-se o valor do custo para uma conta de Resultado denominada Custo do Produto Vendido, sem deixar de especificar o produto agrícola vendido. Desta forma, torna-se possível conhecer o Lucro Bruto (Receitas de Vendas (produto) Custos do Produto Vendido (produto)). Estando o produto pronto para venda, o proprietário pode decidir armazená-lo por mais um período, no intuito de vendê-lo em melhores condições. Nesse caso, ele não poderá lançar as despesas geradas em custo do produto, mas, sim, em despesa operacional. Assim, tal despesa será considerada do período. 3.3 Culturas permanentes São aquelas que permanecem vinculadas ao solo, não precisando ser arrancadas para proporcionar mais de uma colheita ou produção. Exemplos: cana-de-açúcar, laranjeira, cafezal, macieira, goiabeira, jabuticabeira etc. 10

11 Custos aplicados como adubação, seguro da cultura, sementes, mudas, irrigação, preparo do solo, entre outros necessários para a formação da cultura deverão ser contabilizados na conta Cultura Permanente em Formação com subcontas que indiquem o tipo de cultura (café, laranja), no Ativo Permanente Imobilizado. As despesas não ligadas direta ou indiretamente à formação da cultura permanente deverão ser contabilizadas como despesas do período, no Resultado. Quando a cultura estiver formada, tempo este que pode durar alguns anos até a primeira produção, transfere-se o valor acumulado da conta Cultura Permanente em Formação para a conta Cultura Permanente Formada, identificando-se, em subconta, qual o tipo de cultura. Todos os gastos incorridos com a colheita da primeira produção serão registrados no Ativo Circulante em uma conta intitulada Colheita em Andamento, na subconta respectiva do produto. Caracterizam-se como custos com colheita todos aqueles gastos despendidos para que se tenha uma boa colheita. Eles são incorridos desde a formação da cultura até o momento final da colheita. Marion (1999:41) explica que será adicionado ao custo da colheita a depreciação (ou exaustão) da cultura permanente formada, sendo considerada as quotas anuais compatíveis com o tempo de vida útil de cada cultura. Após a colheita transfere-se o valor acumulado de Colheita em Andamento para a conta Produtos Agrícolas, somando os custos de beneficiamento e acondicionamento aplicado ao produto. Por ocasião da venda, baixa-se proporcionalmente a conta Produtos Agrícolas, transferindo-se o valor de custo para uma conta do Resultado denominada Custo do Produto Vendido, sem deixar de especificar o produto agrícola vendido. Desta forma, torna-se possível conhecer o Lucro Bruto (Receitas de Vendas (produto) Custos do Produto Vendido (produto)). Alguns outros aspectos devem ser comentados sobre a cultura permanente: 1. Custos indiretos: todos os custos incorridos com a cultura deverão ser acumulados na conta Cultura Permanente em Formação, além das despesas de depreciação dos bens utilizados, gastos com a preparação do solo, e outros gastos ligados indiretamente à cultura. Ao se falar de uma combinação de culturas, estes custos indiretos devem ser apropriados de acordo com a utilização para cada cultura, ou seja, pelo número de horas de máquinas, de mão-de-obra aplicada, entre outros. 2. Depreciação: a depreciação somente se inicia por ocasião da primeira colheita. Enquanto a cultura estiver em formação, não deve sofrer depreciação. Isto porque a depreciação corresponde à perda de eficiência ou capacidade de produção, e na fase de crescimento da planta é que a potencialidade de produção aumenta. Para se estipular o percentual mensal ou anual de depreciação, leva-se em conta o tempo de vida útil do bem. 3. Perdas extraordinárias: quando da ocorrência de fatos extraordinários como incêndios, geadas, granizo, tempestades ou qualquer outro efeito da natureza, provocando perda de capacidade, o valor correspondente deve ser baixado do Ativo Permanente sendo considerado como perda do período, no Resultado do Exercício, mesmo estando a perda coberta pelo seguro. Essas perdas deverão ser classificadas no Resultado como 11

12 4 ATIVIDADE PECUÁRIA perdas não operacionais. As perdas normais, aquelas previsíveis ou ainda inerentes à plantação, serão consideradas como custo do produto agrícola na conta Cultura Agrícola, no Ativo Circulante. Na atividade pecuária de corte, podemos destacar três fases: Cria produção de bezerros que serão comercializados após o desmame. Recria produção e a comercialização do novilho magro para a engorda. Engorda produção e a comercialização do novilho gordo. As empresas que fazem a combinação das fases podem obter até seis alternativas de produção; uma delas engloba o processo do inicio ao fim, ou seja, cria-recria-engorda, que tende a crescer na medida em que aumenta o tamanho da empresa. 4.1 Classificação do gado Em muitas empresas rurais (fazendas), destina-se parte do rebanho adquirido ou criado na própria fazenda, para corte e reprodução. Os animais de corte são aqueles destinados à comercialização em forma de bezerro, novilho magro e gordo e devem ser classificados no Ativo Circulante, em estoque vivo, no balanço patrimonial; o gado para procriação, ou trabalho em forma de touros e matrizes, deverá ser classificado no Ativo Permanente, em conta do Imobilizado. Em termos contábeis torna-se complexo a classificação do rebanho em corte e reprodução quando os animais ainda são pequenos, devido à difícil devido identificação do potencial do animal para reprodução, por meio de aspectos como: fertilidade, carcaça, peso, entre outros. Por esta incerteza e para evitar problemas com o fisco, indica-se a prática da classificação de todo o rebanho no Ativo Circulante, Estoque Vivo, e depois de adulto, quando já for possível a identificação do animal reprodutor, transfere-se o valor dele para o Ativo Permanente Imobilizado. Na transferência do Ativo Circulante para o Ativo Permanente, faz-se necessário a reavaliação do animal, desde o nascimento do bezerro até o momento da transferência, uma vez que o estoque vivo está avaliado a preço de custo. Importante esclarecer que nas empresas em que o ciclo operacional (que na atividade pecuária chega a ultrapassar três anos) tem a duração maior que o exercício social (um ano) a classificação no Ativo Circulante e Realizável à Longo Prazo terá por base o prazo desse ciclo. 4.2 Classificação segundo o fisco A legislação fiscal normativa, por meio da instrução 56/57, a seguinte classificação: Ativo Circulante Estoques Vivos Compreende aves, gado bovino, suínos, ovinos, caprinos, coelhos, peixes e pequenos animais destinados à revenda, ou a serem consumidos. Ativo Permanente Imobilizado 12

13 Gado Reprodutor - representado por touros puros de origem, touros puros de cruza, vacas puras de origem, vacas puras de cruza e plantel (animais vivos) destinado à inseminação artificial; Gado de Renda - representado por bovinos, suínos, ovinos e eqüinos utilizados para a produção de bens que constituem objeto de suas atividades. (caso típico é o gado leiteiro); Animais de Trabalho - compreendem eqüinos, bovinos, muares, asininos destinados ao trabalho agrícola, sela e transporte. 4.3 Variação patrimonial liquida Segundo Marion (1999:112) a expressão variação patrimonial significa mudança de valor no patrimônio da empresa pela alteração de um ou mais itens patrimoniais. Nas empresas pecuárias essas variações ocorrem com bastante freqüência. De acordo com Giustina (1995), há dois fatores que se podem ser destacados para que exista está variação. 1. O gado por meio de seu crescimento natural ganha peso e envergadura, ficando o Ativo sujeito o constante aumento de valor econômico real. 2. Na atividade pecuária, pelo ciclo operacional extenso, a rotatividade do estoque é lenta, acarretando os efeitos da inflação com a perda do poder aquisitivo da expressão monetária que está registrado. Desta forma, é essencial que se reconheça essa modificação. A variação patrimonial poderá ser positiva, nos casos em que há ganho econômico, como por exemplo, o nascimento de um bezerro, o crescimento natural do gado. Estas são classificadas na Variação Patrimonial Líquida na subconta Superveniências Ativas, no Resultado. A variação patrimonial pode ser negativa, quando houver reduções no Ativo da empresa gerado por perdas, fatos anormais, como por exemplo, a morte de um novilho por doença ou o desaparecimento de um animal no rebanho. Esta deverá ser classificada na Variação Patrimonial Liquida na sub-conta Insubsistências Ativas. O resultado entre as variações patrimoniais positivas e negativas dará as variações patrimoniais líquida, que será destacada nas contas de resultado do exercício. 5 MÉTODO DE CUSTO X VALOR DE MERCADO A contabilidade pecuária, para apuração do resultado na data do balanço, inventaria seu rebanho de duas formas: 1) Preço real de custo, que pode ser chamado simplesmente de método de custo ; 2) Preço corrente de mercado, que pode ser chamado de método do valor de mercado. 5.1 Método de Custo Todos os custos despendidos na formação do rebanho são acumulados na conta do Estoque Vivo, no Ativo Circulante. No momento da comercialização, baixa-se o Estoque Vivo contra a conta Custo do Gado Vendido, no resultado, sendo a apuração do lucro no momento da venda. 5.2 Método de Valor de Mercado 13

14 Em virtude do crescimento normal do rebanho, o estoque reduz seu valor ao se comparar o custo versus o valor de mercado. Isto ocorre porque o gado por meio de seu crescimento natural ganha peso e envergadura, aumentando o valor do Ativo. O Método do Valor de Mercado reconhece um ganho econômico periodicamente, em geral uma vez ao ano, ficando o gado destacado na conta Estoque Vivo pelo seu valor de mercado, sendo que no Resultado, reconhece-se o ganho econômico (não houve entrada de dinheiro, somente a valorização) do período na conta Superveniências Ativas, ou seja, a diferença a maior do valor de mercado atual sobre o valor do período anterior. Da variação patrimonial liquida será subtraído o custo do rebanho no período para se apurar o lucro bruto econômico. A realização financeira do lucro econômico ocorrerá no momento da comercialização, em que se lança a conta de Estoque Vivo contra Caixa ou Contas a Receber. Usar-se-á uma Empresa Rural Y. No quadro 3 constam as informações para exemplificar a aplicação destes métodos. * Estoque Vivo em 01/01/19X1 = $ ,00 (Corresponde a 10 cabeças de gado a $ 1000 cada) Movimentação durante o ano 19X1 * Gasto com Manutenção do Rebanho = $ 9.000,00 * Aquisição e venda de animais não houve neste ano. * Valor de Mercado das 10 cabeças = $ ,00 (Corresponde a $ cada cabeça). Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 3 Informações para exemplificar a aplicação dos métodos. Nas figuras 2 e 3 a seguir destacam-se as aplicações dos métodos de custo e a valor de mercado. Figura 2 Aplicação do método de custo 14

15 Figura 3 Aplicação do método a valor de mercado Percebe-se que o crescimento natural do gado e o ganho de peso não são reconhecidos no método de custo. Já no método de valor de mercado é reconhecido o ganho econômico, demonstrando aos usuários da informação o lucro econômico da empresa ao manter o rebanho no ano. 6 CONCLUSÃO Este artigo teve como foco principal, identificado pela questão problema, a evidenciação e tratamento contábil dos reflexos causados pela produção sazonal, característica do segmento de agronegócio. Ao ter abordado sazonalidade, paralelamente houve a necessidade de considerar outros aspectos como: safra e entressafra, ociosidade, teoria da oferta e procura capacidade produtiva, devido à estreita ligação entre os assuntos. No agronegócio, a sazonalidade é provocada pela existência e influência das estações do ano, introduzindo a safra e entressafra para períodos maiores de um ano para se ter produto pronto para comercialização, entre outros. Tornado as oscilação dos preços, um dos principais indicadores da sazonalidade da produção. Abordou-se no artigo questões inerentes ao segmento das atividades pecuárias também sofre influência climática e outros fatores específicos. Não deixando de evidenciar aspectos relacionados à valorização do estoque e ao fisco. A finalidade deste artigo foi alcançada ao demonstrar como devem ser feitos os registros contábeis, não deixando as questões sazonais impedirem de fornecer relatórios básicos como a Demonstração de Resultados e Balanço Patrimonial específico à Contabilidade Rural, capazes de gerar informações para a tomada de decisão pelo gestor. Porém a contabilidade deve buscar ferramentas capazes de alocar os custos que correm em épocas do ano para todo o exercício social, de tal forma, que os custos dos produtos vendidos não apresentem flutuações significativas, entre um período e outro. 7 REFERÊNCIAS Azevedo, Paulo Furquim de. Comercialização de Produtos Agroindustriais. Coord. Mário Otávio Batalha. São Paulo: Atlas,

16 CEPEA, Centro de estudos avançados em economia aplicada. Boletim do Leite, Ano 10. n.10. out Disponível site: Giustina, José Sergio Della. Um sistema de contabilidade analítica para apoio à decisões do produtor rural Dissertação. Disponível na Internet Grateron, Ivan R. Guevara. Contabilidade de Animais difíceis de ser inventariados. Coord. Marion, José Carlos. 5ª. Ed. São Paulo: Atlas, Pág. 71. MARION, José Carlos. Contabilidade rural: Contabilidade agrícola, contabilidade da pecuária, imposto de renda pessoa jurídica. 5. ed. São Paulo: Atlas, PINDYCK, Robert S.; RUBINFELD, Daniel L. Tradução de Pedro Catunda. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, PINO, F.A; Francisco V.L.F dos S; Cezar S.A.G et al, Sazonalidade em séries temporais econômicas: Um levantamento sobre o estado da arte. Agricultura de São Paulo. V.41. n p RIGGS, James L. Production system. Los Angeles: John Wiley and Sons. Inc., SLACK, Nigel; et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas,

A GESTÃO CONTÁBIL NAS ATIVIDADES DO AGRONEGÓCIO E AGROPECUÁRIO COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA TOMADA DE DECISÕES NOS PERÍODOS DE SAZONALIDADE

A GESTÃO CONTÁBIL NAS ATIVIDADES DO AGRONEGÓCIO E AGROPECUÁRIO COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA TOMADA DE DECISÕES NOS PERÍODOS DE SAZONALIDADE A GESTÃO CONTÁBIL NAS ATIVIDADES DO AGRONEGÓCIO E AGROPECUÁRIO COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA TOMADA DE DECISÕES NOS PERÍODOS DE SAZONALIDADE CÉLIO CORRÊA SANTOS (1) ; JORGE RIBEIRO TOLEDO FILHO (2) ;

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

Prefácio à décima terceira edição, xv. Prefácio à primeira edição, xvii

Prefácio à décima terceira edição, xv. Prefácio à primeira edição, xvii Prefácio à décima terceira edição, xv Prefácio à primeira edição, xvii 1 Atividade rural conceitos básicos, 1 1 Empresas rurais, 2 1.1 Atividade agrícola, 2 1.2 Atividade zootécnica (criação de animais),

Leia mais

ATIVIDADE RURAL Aspectos Contábeis

ATIVIDADE RURAL Aspectos Contábeis ATIVIDADE RURAL Aspectos Contábeis Sumário 1. Atividades Agrícolas 1.1 - Cultura Temporária 1.2 - Cultura Permanente 1.2.1 - Produção da Cultura Permanente 1.3 - Registros Contábeis 2. Atividades Pecuárias

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

001 O que se considera como atividade rural, nos termos

001 O que se considera como atividade rural, nos termos ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 O que se considera como atividade rural, nos termos da legislação tributária? Consideram se como atividade rural a exploração das atividades agrícolas, pecuárias,

Leia mais

CONTABILIDADE RURAL. Att. Márcio S. Amorim. marcioamorim@centershop.com.br

CONTABILIDADE RURAL. Att. Márcio S. Amorim. marcioamorim@centershop.com.br CONTABILIDADE RURAL. Prezado (a) Aluno (a), A disciplina Contabilidade Rural, conforme pode-se imaginar, irá proporcionar ao aluno uma visão da contabilidade aplicada e esta área de tão importante atuação

Leia mais

PARTICULARIDADES DA CONTABILIDADE RURAL

PARTICULARIDADES DA CONTABILIDADE RURAL PARTICULARIDADES DA CONTABILIDADE RURAL Eduardo da Silva Amorim Egresso do Curso de Ciências Contábeis das Faculdades Integradas ICE Introdução O Setor Agrícola apresenta particularidades que o diferencia

Leia mais

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO PROGRAMA GESTÃO DE PROPRIEDADES DE SUCESSO DE MA T O GROSSO Qual a finalidade da planilha? Hoje em dia, e no futuro cada vez mais, a realidade econômica irá exigir uma maior

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL Palestrante: SONIA SEGATTI Economista e Executiva de Gestão em Contabilidade Rural Nível Fiscal e Gerencial 1 A Deus coube criar a vida. Aos agricultores cabe preservar

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA

CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA 0 CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA A NOVA ERA DA CONTABILIDADE PARA OS PRODUTORES RURAIS: NOVIDADES, VANTAGENS E DESVANTAGENS

Leia mais

Produtor rural é a pessoa física que explora a terra, objetivando a produção vegetal, a criação de animais, industrialização de produtos primários.

Produtor rural é a pessoa física que explora a terra, objetivando a produção vegetal, a criação de animais, industrialização de produtos primários. Atividade Rural Lúcia Helena Briski Young luciayoung@terra.com.br O CC/02, em seu art. 971, estipula que: O empresário, cuja atividade rural constitua sua principal profissão, pode requerer inscrição no

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA.

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. OLIVEIRA, Graciela Aparecida Bueno de. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail : gracielagabo@hotmail.com

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

PALESTRA. ATIVIDADE RURAL PESSOA FÍSICA Imposto de Renda na Atividade Rural

PALESTRA. ATIVIDADE RURAL PESSOA FÍSICA Imposto de Renda na Atividade Rural Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE RURAL PESSOA FÍSICA Imposto de Renda na Atividade Rural Pessoas Físicas e Jurídicas

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

O que é uma empresa rural?

O que é uma empresa rural? Contabilidade Rural Prof. João Marcelo O que é uma empresa rural? É aquela que explora a capacidade produtiva do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes

Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos Administradores e Quotistas

Leia mais

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CUSTO DE PRODUÇÃO DO GADO DE CORTE FAZENDA ÁGUA DA SERRA JUINA/2013 AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 Os novos tempos da economia brasileira passam a exigir do empresário rural atenção redobrada na administração de sua empresa,

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

OBJETIVOS DESTE MATERIAL

OBJETIVOS DESTE MATERIAL TEMA: CPC PME / NBC TG 1000 - Resolução CFC nº 1.255/2009 Seção 34 - Atividades Especializadas OBJETIVOS DESTE MATERIAL Este material tem como objetivo específico uma complementação dos principais aspectos

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 No mês de abril de 2010, o valor da cesta básica do paulistano teve alta de 3,10%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE Odilio Sepulcri* 1. PLANEJANDO A ATIVIDADE Ao iniciar o negócio leite ou aperfeiçoá-lo devem-se tomar algumas decisões quanto a: que mercado participar? Quanto se quer

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Segundo Trimestre 2014 Principais Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Análise de custos de produção agropastoril.

Análise de custos de produção agropastoril. 59 Análise de custos de produção agropastoril. Mirian Almeida Pedroso Especialista em Matemática Aplicada pela URCAM Instituição: Universidade da Região da Campanha Endereço: Praça Getúlio Vargas, 47.

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

Caderno de Contabilidade Agrária Dom Alberto

Caderno de Contabilidade Agrária Dom Alberto C iências ontábeis ADMINISTRAÇÃO Caderno de Contabilidade Agrária Dom Alberto Prof: Antônio Osório Gonçalves Página 2 / 190 C122 GONÇALVES, Antônio Osório Caderno de Contabilidade Agrária Dom Alberto /

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Método misto: Proposta para mensuração e avaliação de estoques na bovinocultura de corte.

Método misto: Proposta para mensuração e avaliação de estoques na bovinocultura de corte. 2 Método misto: Proposta para mensuração e avaliação de estoques na bovinocultura de corte. Romeu Schvarz Sobrinho Mestre em Ciências contábeis - UFRJ Instituição: Universidade Estadual do Centro Oeste

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO

PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO 163 PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO FURLANETTI, Alessandra Carla 1 BRAMBILLA, Everton 2 Resumo: Este artigo teve como objetivo refletir sobre a obtenção da forragem desidratada de alta qualidade

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola

Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola Os princípios da gestão de uma empresa agrícola não são diferentes dos princípios da gestão de qualquer outra empresa ou negócio mais complexo. Para ter

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

Demonstrações Contábeis Referentes ao Período Findo em 31 de Dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis Referentes ao Período Findo em 31 de Dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes Insol Intertrading do Brasil Ind. e Com. S.A. Demonstrações Contábeis Referentes ao Período Findo em 31 de Dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes ÍNDICE 1. Relatório da Administração...1

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Boi Gordo Futuro de Boi Gordo Ferramenta que permite a gestão financeira do risco existente nas operações realizadas no mercado físico. O Contrato Futuro de Boi Gordo é

Leia mais

Belém Bioenergia Brasil S.A.

Belém Bioenergia Brasil S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 17.132 16.233 Fornecedores (Nota 11) 7.768 48.741

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN 1. Agricultor Orgânico (160 horas) Perfil Profissional: Executa com base nas técnicas da produção orgânica, o manejo do solo e das culturas, a produção

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

Informações. Programação

Informações. Programação Informações & Programação De 21 a 23 de janeiro de 2015 Estação Experimental Copagril Marechal Cândido Rondon PR Um evento para conhecer as novas tecnologias e as tendências do agronegócio nacional e internacional,

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais