As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino*"

Transcrição

1 As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino* [...]Até aqui tinha se o Diário abstido de questões políticas; do principio do anno em diante consagraremos algumas columnas a esse importante objeto. Não impedirá isso que registremos em nossas páginas o que de mais importante ocorrer nos paizes estrangeiros;[...] 1 Diário do Rio de Janeiro, 2 de Janeiro de 1845 Com estas palavras, depois de 24 anos de existência, o primeiro jornal diário sinaliza a mudança das diretrizes do periódico. O Diário até então havia se esquivado de questões políticas, sendo um jornal marcadamente informativo, trazendo apenas notícias oficiais dos acontecimentos políticos do senado, da câmara e do Império de maneira geral. Nesse momento, o redator anuncia que passará a contar com colunas de opinião sobre os temas. O jornal é sempre uma fonte muito rica para aqueles que estudam a história do Brasil no século XIX, contudo, pretendemos tratar o jornal como objeto e fonte, ao mesmo tempo. Desta forma, ao buscar a bibliografia especializada sobre o tema, percebemos que ainda há lacunas variadas, o que possibilita uma gama de novos trabalhos no campo que mescla a história da imprensa e a história política do século XIX. Os anos iniciais do Diário do Rio de Janeiro, ainda são pouco estudados; a partir do período Regencial e, para os anos seguintes, é lembrado como um dos principais veículos de propagação de uma literatura nacional 2 e espaço de debates entre os homens de letras do período, como José de Alencar, que chegou a ser editor chefe. Nesta sua segunda fase, tornou-se referência pela publicação de folhetins de sucesso, de autores nacionais e estrangeiros, e também de artigos literários. Fundado por ZefferinoVito de Meirelles, português vindo de Lisboa, o Diário, saía à luz pela primeira vez no dia 1º de junho de 1821, permaneceu sob o comando de Meirelles, que foi, ainda, seu primeiro redator, até o ano seguinte, quando faleceu. Seu substituto foi * Aluna de mestrado no Programa de pós-graduação em História da UFJF. A aluna é bolsista CAPES. 1 Diário do Rio de Janeiro. Edição: 001, 2 de Janeiro de Rio de Janeiro. Microfilmes sob a guarda da Biblioteca Nacional, disponíveis on-line pelo site: 2 Cito aqui estudos da historiadora Márcia Azevedo de Abreu.

2 Antônio Maria Jourdan. 3 O jornal foi dirigido por ele durante os anos seguintes, anos nos quais o periódico se consolidou conforme as propostas editoriais criadas por Zefferino Meirelles 4. Na primeira edição, o redator enfatizou que o jornal seria marcadamente informativo com anúncios ou notícias particulares (que convenham e sejam licito imprimir), inclusive os dos Divertimentos e Espetáculos Públicos 5. Até às oito e meia da noite o jornal sairia a público, e para tanto, como nos explica o próprio fundador, aqueles que quisessem publicar anúncios ou notícias no jornal, deveriam depositar o seu texto na Caixa que estará exposta ao público na Loja de Livros de Manoel Joaquim da Silva Porto. 6 O jornal conservou-se nesta diretriz, publicando anúncios variados como de compra, venda ou aluguel de escravos, os navios que estavam para partir e ofereciam-se para levar cargas e passageiros, bem como notícias a respeito de publicações diversas. Ao largo dessa conjuntura, foram editados muitos diários e pasquins deliberadamente criados para a propaganda política das correntes, ou facções políticas então existentes. Contudo, O Diário do Rio de Janeiro escapou a tais discussões até por volta de 1845, embora desde seus primeiros anos, mesmo que timidamente, já tenha incorporado o noticiário oficial (extratos de debates ocorridos no senado, na câmara, etc.) e notícias de conflitos, guerras nos países estrangeiros, entre outras notícias políticas. Nos chamados periódicos doutrinários, cujos assuntos apresentavam caráter diretamente político, as matérias traziam à tona a opinião explícita de seus redatores acerca dos episódios ocorridos, 7 ainda que muitas vezes anônimos, o que não acontecia no caso do Diário, onde essas opiniões não estão claramente colocadas. Uma edição avulsa do Diário custava em torno de 40 réis diários ou 640 réis mensais, na época de sua fundação. Seu preço permaneceu o mesmo até a primeira edição de 1830, 3 Jourdan foi redator no jornal de São Joao Del rei e se viu envolvido num processo de injuria. Sobre o tema ver VELLASCO, Ivan de Andrade.; OLIVEIRA, Gabriel Nicolau. Clientelismo e Patronagem: Redes de Influência medindo forças através da Justiça. 4 Zeferino Vito de Meirelles. Plano para estabelecimento de um útil e curioso Diário nesta cidade. Diário do Rio de Janeiro, nº 1, 1º de Junho de Idem. 6 Segundo Sacramento Blake, Manoel Joaquim da Silva Porto, comerciante das letras, de nacionalidade portuguesa que se fixou no Brasil com sua oficina tipográfica. 7 BASILE, Marcello Otávio Néri de Campos. O Império em Construção: projetos de Brasil e ação política na Corte Regencial. Rio de Janeiro, 2004 [Tese de Doutorado]. Instituto de Filosofia e Ciências sociais. Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2

3 quando passa a custar 60 réis diários e sua assinatura 800 réis mensais. Enquanto os demais jornais de grande circulação custavam cerca de 100 réis no início da década de Após essa data, e até a última edição do ano de 1839, a subscrição do periódico custava 800 réis mensal e 9:600 reis ao ano. Já em 1840 o preço sofre uma alteração, segundo consta em sua primeira edição, devido à mudança no formato, vem a custar 1 conto de reis por mês e 12 contos de réis por ano, preço que permaneceu o mesmo até pelo menos Para os demais ano de sua existência ainda precisamos de mais pesquisa, que se dará com o andamento de nossas pesquisas. Tudo isso levou-me à conclusão inicial de que o Diário, ao menos até 1845, se constituía, como um verdadeiro mosaico das informações consideradas úteis ao público leitor. Sua função de painel informativo ganha ainda mais sentido ao notarmos que seus valores de subscrição e compra avulsa eram baixos, quando comparados aos de seus congêneres, o que fomentou o aparecimento dos apelidos Diário da manteiga 8 (por seu valor ser igual ao de uma porção do produto) e Diários do vintém. Os dados disponíveis em suas páginas (principalmente os preços baixos, inalterados por vários anos e a quantidade de anúncios que o jornal publicava) sinalizam o maior alcance potencial em número de exemplares vendidos, deste periódico, em relação a seus concorrentes. Além de seu conteúdo altamente informativo, (contando com diversos anúncios de compra, venda, aluguéis, obras publicadas, notícias do interior e do exterior) a partir de fins da década de 30 o Diário do Rio de Janeiro começa a veicular textos de cunho literários. Voltando à citação que abre este projeto, vemos que naquele ano de 1845 o jornal passa por uma grande ampliação, em todos os sentidos - de formato, a inclusão de temáticas políticas assim como a adoção de uma coluna sobre notícias do de países do outro lado do atlântico, como Inglaterra, França, Rússia, Espanha 9, além de notícias de diversas publicações que saiam à luz, tanto livros, revistas e jornais de todos os tipos, e contavam, inclusive, com um representante em Lisboa. 8 SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, p Sobre estas mudanças no tipo de publicações ver, entre outros, as edições do Diário do Rio de Janeiro dos meses de Janeiro à Março de

4 Em 1855, o jornal se encontra em meio a uma crise financeira e, na ocasião, é comprado pelo escritor José Martiniano de Alencar e um grupo de amigos 10. No ano seguinte, 1856, José de Alencar torna-se seu editor chefe. A partir desse ano parte de suas páginas (normalmente o final da primeira página de cada edição) eram destinadas aos textos de cunho literários, os conhecidos folhetins. Nesses espaços diversos autores, que mais tarde viriam a se tornar escritores reconhecidos em todo o Brasil, tinham espaço para escrever seus romances, contos e crônicas, como o próprio editor chefe e Machado de Assis. Este, colaborou para a redação do Diário entre os anos de 1860 e 1867, anos estes que a redação do periódico era chefiada por Saldanha Marinho, até 1866, e depois por Quintino Bocaiúva 11. Os anos entre 1858 e 1860, foram especialmente complicados para a Empresa do Diário do Rio de Janeiro, tanto a tipográfica quanto o jornal. Em 10 de dezembro de saí às ruas sua última publicação e só reaparece em 16 de dezembro do mesmo ano com o nome de O Velho Diário do Rio de Janeiro 13. Já em sua primeira página, desta edição, traz o esclarecimento dos fatos que levaram à falência do Jornal. Seu redator chefe na época, Luiz Antônio Navarro de Andrade, expõem que, o jornal sofria perseguições do Ministério, que, segundo ele, por felicidade da paz e de suas instituições jaz hoje na eternidade, condenado por todos e até por aqueles que lhes prestaram apoio. Afirma ainda que, O ex-ministro da fazenda, que se denomina progressista, levou o rancor ao ponto de hostilizar-nos só porque fazíamos oposição franca e decidida à sua fatal administração. 14 Ao que tudo indica, pelos exemplares que temos, o Diário volta à circulação, efetivamente, em março de 1860, já sob chefia de Saldanha Marinho. Em 1867 é vendido, novamente, e seu proprietário passa a ser Sebastião Gomes da Silva Belfort, sabemos ainda, de acordo com o dicionário escrito por Sacramento Blake, que o jornal contava com cinco redatores nessa época, um deles era Caetano Alves de Sousa filgueiras. 15 Finalmente, em 31 de outubro de 1878, sob a chefia da redação de Augusto de 10 FARACO. Carlos Alberto. Em 11 Diário do Rio de Janeiro. Leitura dos anos de Rio de Janeiro. Microfilmes sob a guarda da Biblioteca Nacional, disponíveis on-line pelo site: 12 Idem. Edição: 328, 10 de Dezembro de Ibdem. Edição: S/N, 16 de Dezembro de Ibdem. 15 BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Dicionário Biográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, Disponível em: <http://www.ieb.usp.br/online/index.asp> 4

5 Carvalho 16 saí á luz sua última edição, com promessa que não seria ressuscitado mais uma vez. Sua Tipografia para a se chamar Imprensa do Jornal do Povo e ainda nessa última publicação indica que seus leitores acompanhem as publicações do novo Jornal do Povo. Portanto, diante de todo o exposto, a presente pesquisa pretende analisar a transformação do Diário do Rio de Janeiro de diário da manteiga, de jornal de anúncios, para um dos principais veículos de discussão do fardo dos homens de letras 17 e, também, ou principalmente, como locus para o debate político. Propomos, para essa pesquisa, que o Diário do Rio de Janeiro seja lido como um fio condutor para analisar as práticas políticas e a cultura política do universo destes literatos e políticos, homens de letras que trabalhavam na imprensa (homens que muitas vezes são funcionários públicos, como forma de se manter, escrevem para a imprensa e que, também, se envolvem na cena política de sua época) até o final da década de Isso incorre, claro está, em tratar o jornal como uma fonte e, simultaneamente, objeto de pesquisa, o que permite compreender como funcionavam estes espaços de sociabilidades e como esta cultura política se articulava ao exercício da imprensa. 18 Sendo assim, temos dois pontos de vista para tratar o periódico: um que incorporou o discurso da obra de Nelson Werneck, uma historiografia clássica e, por outro lado, uma segunda geração de autores com novos e pequenos estudos que acreditam que seu caráter não era meramente informativo, e se o era, em determinada época, como esse mosaico de informações contribuíam para a instrução e construção de uma cultura política 19. O papel do Diário do Rio de Janeiro no debate em torno da identidade nacional, ou de constituição de uma literatura nacional já foi objeto de estudos na teoria literária. Pelas suas páginas, diversos homens de letras que ganhariam fama, escreviam e discutiam sobre o que deveria ser a literatura, o papel do romance e sobre uma nova maneira de escrever os 16 Diário do Rio de Janeiro. Edição: 205, 31 de Outubro de Rio de Janeiro. Microfilmes sob a guarda da Biblioteca Nacional, disponíveis on-line pelo site: 17 Expressão utilizada por Jefferson Cano em: CANO, Jefferson. O FARDO DOS HOMENS DE LETRAS: o orbe literário e a construção do império brasileiro. Tese de doutorado história social. Campinas: Unicamp, Para essas discussões recorro aos escritos de Pilar Bernal e Marco Morel, no que tange à sociabilidades e para o conceito de Culturas Políticas me atenho, principalmente, aos estudos de Serge Berstein. Explicaremos com mais detalhes a utilização desses conceitos e a ligação com as nossas pesquisas na parte em que falamos da metodologia. 19 PIRES, Myriam Paula Barbosa. Impressão, sociabilidades e poder: três faces da tipografia do Diário na corte do Rio de Janeiro ( ). Rio de Janeiro, 2008 Dissertação de Mestrado 5

6 folhetins 20. Ainda nos falta, contudo, uma análise mais detalhada da atuação deste jornal (dos seus redatores, colaboradores, anunciantes) para a instrução política e para o compartilhar de uma cultura política e esse é o propósito de nossas pesquisas futuras. Referências Bibliográficas: Fontes: Periódicos disponíveis on line na Hermeroteca Digital da Biblioteca Nacional disponível em: <http://hemerotecadigital.bn.br/> Dicionários: BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Dicionário Biográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, Disponível em: <http://www.ieb.usp.br/online/index.asp> Bibliografia: BASILE, Marcello Otávio Néri de Campos. O Império em Construção: projetos de Brasil e ação política na Corte Regencial. Rio de Janeiro, 2004 [Tese de Doutorado]. Instituto de Filosofia e Ciências sociais. Universidade Federal do Rio de Janeiro. BASILE, Marcello Otávio Néri de Campos. Projetos de Brasil e construção nacional na imprensa fluminense ( ). In: Lúcia Maria Bastos P. das Neves; Marco Morel; e Tânia Maria Bessone da C. Ferreira. (Org.). História da imprensa: representações culturais e práticas de poder. Rio de Janeiro: DP&A, FERREIRA, Tania Maria Bessone da Cruz. História e Imprensa: Representações culturais e práticas de poder. Rio de Janeiro: DPA, 2006.; MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: Imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade Imperial ( ). São Paulo: Hucitec, PIRES, Myriam Paula Barbosa. Impressão, sociabilidades e poder: três faces da tipografia do Diário na corte do Rio de Janeiro ( ). Rio de Janeiro, 2008Dissertação de Mestrado SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, Segundo Jefferson Cano, desde o aparecimento dos folhetins nos jornais cariocas, a ideia de valorizar a cultura brasileira já estava presente e sua função era a de construção da imagem da nação, principalmente pela diferenciação do velho mundo. Assim, nacionalizava um gênero literário de origem europeu, trazendo temas, culturas e paisagens tipicamente brasileiras. CANO, Jefferson.Nação e ficção no Brasil do século XIX. História Social (UNICAMP), v , p ,

7 7

Poucos setores sofreram tanto com o avanço das tecnologias

Poucos setores sofreram tanto com o avanço das tecnologias GESTÃO O declínio dos jornais Poucos setores sofreram tanto com o avanço das tecnologias de informação como o de jornais. Por longo tempo, eles foram o meio privilegiado pelo qual as pessoas tinham acesso

Leia mais

ORDEM DEMOLAY: UMA HISTÓRIA ALÉM DO TEMPLO

ORDEM DEMOLAY: UMA HISTÓRIA ALÉM DO TEMPLO 184 ORDEM DEMOLAY: UMA HISTÓRIA ALÉM DO TEMPLO Edgar Ájax Reis Filho (Unifran) Orientador: Prof. Dr. Marcos Alves de Souza (Unifran) INTRODUÇÃO Este trabalho de pesquisa histórica, a princípio, objetiva

Leia mais

O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula

O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula SEQUÊNCIA DIDÁTICA Milton Garcia Silva São Paulo 2012 TEMA Modos de Morar em São Paulo Séculos XIX e XX. JUSTIFICATIVA Nota-se que os alunos possuem

Leia mais

História da Mídia Impressa na Educação

História da Mídia Impressa na Educação História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a

Leia mais

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Revista MisturaBOA BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS BOAS NOTICIAS PARA SE VIVER MELHOR E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor Projeto 2015 conceito

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

Pesquisa Um olhar de viajante: José do Patrocínio e o Nordeste brasileiro.

Pesquisa Um olhar de viajante: José do Patrocínio e o Nordeste brasileiro. FACULDADE DAMAS CADERNO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS V.2 Nº.2 (2011) ANAIS DA I JORNADA INTERDISCIPLINAR DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS FACULDADE DAMAS I Jornada Interdisciplinar Direito e Relações Internacionais

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: Ensino Fundamental e Médio, Laboratório de Ensino de Matemática, Materiais didáticomanipulativos.

RESUMO. Palavras-chaves: Ensino Fundamental e Médio, Laboratório de Ensino de Matemática, Materiais didáticomanipulativos. UTILIZANDO O LEM PARA REVER OS CONTEÚDOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIENCIA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10 RESUMO Este trabalho

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA O MERCADO DE CAPITAIS

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA O MERCADO DE CAPITAIS POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA O MERCADO DE CAPITAIS 1. OBJETIVO A presente Política de Divulgação de Informações tem como objetivo geral estabelecer o dever da Companhia em divulgar, de forma

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL-HABILITAÇÃO EM JORNALISMO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL-HABILITAÇÃO EM JORNALISMO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL-HABILITAÇÃO EM JORNALISMO O presente relatório toma por base os dados apresentados na Avaliação Institucional no segundo semestre de

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL LUIZ FENELON PIMENTEL BARBOSA PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA KROTON EDUCACIONAL S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF n.º 02.800.026/0001-40 NIRE 31.300.025.187 I Definições e Adesão 1. As definições

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

Jornal Interlocução 1. Marcella Duarte de FREITAS 2 Tássia Oliveira PEREIRA 3

Jornal Interlocução 1. Marcella Duarte de FREITAS 2 Tássia Oliveira PEREIRA 3 Jornal Interlocução 1 Marcella Duarte de FREITAS 2 Tássia Oliveira PEREIRA 3 Monik Helen Gomes de SOUSA 4 Daniela Pires de Camargos FERREIRA 5 Vinícius Pereira PAULINO 6 Liana Vidigal ROCHA 7 Universidade

Leia mais

HOMENAGEM A ALCIDES CRUZ NO CENTENÁRIO DE SUA MORTE

HOMENAGEM A ALCIDES CRUZ NO CENTENÁRIO DE SUA MORTE HOMENAGEM A ALCIDES CRUZ NO CENTENÁRIO DE SUA MORTE Publicado no site em 30/03/2016 Os telegramas de ontem noticiaram o falecimento do dr. Alcides Cruz, jurisconsulto muito conhecido no estado, ex-deputado

Leia mais

Manual de Procedimentos Relatórios de Análise de Mídia. Informar Qualificar Influen

Manual de Procedimentos Relatórios de Análise de Mídia. Informar Qualificar Influen Manual de Procedimentos Relatórios de Análise de Mídia Informar Qualificar Influen ÍNDICE O QUE É ANÁLISE DE MÍDIA / AUDITORIA DE IMAGEM? QUAL A IMPORTÂNCIA DO RELATÓRIO DE ANÁLISE DE MÍDIA? O QUE É PRECISO

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SC Nº. 001/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS E EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES DE COMUNICAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ. Versão: 01 Aprovação: 26/09/2011 Ato de aprovação: 26/09/2011 Unidade

Leia mais

RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A

RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A 1945 ASSIS, Raimunda Alves Moreira de UESC UFF GT: História da Educação / n.02 Agência Financiadora: FAPES Neste texto apresento o resultado das principais

Leia mais

Nome: Camila Dalzoto Silva, Diego Perboni de Andrade, Gabriela Saldanha, Keidi. Carneiro, Mariana de Morais Pretto, Rita Souza e Vanessa Rottmann.

Nome: Camila Dalzoto Silva, Diego Perboni de Andrade, Gabriela Saldanha, Keidi. Carneiro, Mariana de Morais Pretto, Rita Souza e Vanessa Rottmann. Faculdades Integradas de Taquara Credenciada pela Portaria 921, de 07/11/2007, D.O.U. de 08/11/2007 Nome: Camila Dalzoto Silva, Diego Perboni de Andrade, Gabriela Saldanha, Keidi Carneiro, Mariana de Morais

Leia mais

RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES

RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES Walkyria Menezes Leitão Tavares Consultora Legislativa da ÁreaXIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações,

Leia mais

O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula

O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula Título: Uso do jornal na sala de aula: uma análise do ponto de vista do aluno do ensino fundamental II Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA

ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA PROGRAMA 1.Entidade Competente A entidade concedente é o Município de Gouveia, com sede na Avenida 25 de abril,

Leia mais

Associação Brasileira de Imprensa. Regulamentação Profissional 19/11/2010

Associação Brasileira de Imprensa. Regulamentação Profissional 19/11/2010 Associação Brasileira de Imprensa Regulamentação Profissional Normas trabalhistas para o exercício do Jornalismo 07/04/1908 criação da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) no Rio de Janeiro. A ABI é

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009 CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009 Dezembro/2009 Introdução O Portal da Câmara cada vez mais se consolida

Leia mais

CADERNO DE PROVAS OBJETIVA E REDAÇÃO

CADERNO DE PROVAS OBJETIVA E REDAÇÃO CADERNO DE PROVAS OBJETIVA E REDAÇÃO CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 1. Esta prova contém Redação e 20(vinte) questões objetivas. Caso o caderno esteja incompleto

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 10/2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 10/2013 (DOE/TCE-MT de 17.06.13) (DOE/TCE-MT de 20.06.13) Processo nº 15.437-7/2013 Interessado TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Assunto Dispõe sobre a transformação de cargos da estrutura organizacional

Leia mais

Heitor Luz. Senhor Presidente, Senhores convencionais,

Heitor Luz. Senhor Presidente, Senhores convencionais, Heitor Luz Por ocasião da «XI Convenção Brasileira de Farmacêuticos», reunida em Florianópolis, de 17 a 24 de Janeiro de 1959, foi prestada uma homenagem póstuma ao grande farmacêutico brasileiro - Professor

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Por que foca?

APRESENTAÇÃO. Por que foca? APRESENTAÇÃO Por que foca? O foca, jornalista iniciante, tem grande dificuldade de encontrar um guia entre os textos técnicos publicados no Brasil. Com a pauta lhe queimando as mãos, ele se inquieta: por

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 Emanoel Barbosa de Sousa - UFC Maria Lourdilene Vieira Barbosa UFMG Resumo: Considerando os elementos responsáveis pela interpretação

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE I DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

MEMÓRIAS DE A FILANTRÓPICA

MEMÓRIAS DE A FILANTRÓPICA MEMÓRIAS DE A FILANTRÓPICA Factos e Documentos (1928-1935) Inauguração da Casa dos Operários, no edifício do Montepio, Rua da Lapa, em 2/12/1933 A Biblioteca Municipal Rocha Peixoto é o centro de informação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CCHS PLANO DE ENSINO: METODOLOGIA DA PESQUISA (EaD)

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CCHS PLANO DE ENSINO: METODOLOGIA DA PESQUISA (EaD) UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CCHS PLANO DE ENSINO: METODOLOGIA DA PESQUISA (EaD) Curso/Habilitação: Administração Núcleo Comum EaD Disciplina:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO TOCANTINS PORTARIA Nº 41, DE 21 DE AGOSTO DE 2012.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO TOCANTINS PORTARIA Nº 41, DE 21 DE AGOSTO DE 2012. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO TOCANTINS PORTARIA Nº 41, DE 21 DE AGOSTO DE 2012. Aprova o Regulamento Interno da Biblioteca da PR/TO. O PROCURADOR-CHEFE DA PROCURADORIA

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S/A CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 NIRE n.º 35.300.172.507. Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S/A CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 NIRE n.º 35.300.172.507. Companhia Aberta DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S/A CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 NIRE n.º 35.300.172.507 Companhia Aberta ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 12 DE NOVEMBRO DE 2015 ANEXO I Política de Divulgação

Leia mais

GOIÂNIA: A CONSTITUIÇÃO DE UMA NOVA IDENTIDADE (1930-1933). Andreia Silva Lisboa

GOIÂNIA: A CONSTITUIÇÃO DE UMA NOVA IDENTIDADE (1930-1933). Andreia Silva Lisboa GOIÂNIA: A CONSTITUIÇÃO DE UMA NOVA IDENTIDADE (1930-1933). Andreia Silva Lisboa A idéia da mudança da capital do Estado de Goiás é pensada desde o século XVIII e XIX, a proposta é retomada com Pedro Ludovico,

Leia mais

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO Resenha do livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República

Leia mais

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa:

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa: Palavras Soltas Equipa Educativa: Ana Maria Lopes; Ana Paula Neves; Daniela Bonito; Sandra Silva; Tathiana Germano; Teresa Ouro Índice Palavras Soltas 2 14 pág. Introdução... 5 I. Justificativa/ Tema...

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO ÀS NORMAS TÉCNICAS PARA A DISSERTAÇÃO

COMPLEMENTAÇÃO ÀS NORMAS TÉCNICAS PARA A DISSERTAÇÃO COMPLEMENTAÇÃO ÀS NORMAS TÉCNICAS PARA A DISSERTAÇÃO RESUMOS Os resumos em língua portuguesa e em língua estrangeira devem conter no mínimo 200 e no máximo 500 palavras. PALAVRAS-CHAVE Devem ser usadas

Leia mais

GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929.

GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929. GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929. Adolfo Afonso da Silva Gordo nasceu em Piracicaba (SP) a 12 de agosto de 1858, filho de Antônio José

Leia mais

MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL

MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL Jales Guedes Coelho MENDONÇA; Noé Sandes FREIRE. jalesgcm@bol.com.br; noefsandes@uol.com.br Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA Suele França Costa, Nara Rubia Martins, Carlos Eduardo de Quadro, Juliana Eliza Viana, Douglas Almeida Silva, Rafael de Paula

Leia mais

Apresentação no Conselho da Justiça Federal

Apresentação no Conselho da Justiça Federal Apresentação no Conselho da Justiça Federal CUMPRIMENTOS E AGRADECIMENTOS SLIDE UM - INTRODUÇÃO O painel que eu vou apresentar para os senhores hoje faz parte da minha tese de doutorado em Ciências Jurídicas

Leia mais

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas NATHÁLIA TOPINI LUCAS * Resumo Esse trabalho tem por objetivo indicar um novo olhar

Leia mais

Guia de Proteção às Marcas

Guia de Proteção às Marcas Guia de Proteção às Marcas Comitês Olímpicos Nacionais e Comitês Paralímpicos Nacionais versão 3 Guia de Proteção às Marcas Comitês Olímpicos Nacionais e Comitês Paralímpicos Nacionais Guia de Proteção

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL PORTAL UTILITÀ ONLINE

PROPOSTA COMERCIAL PORTAL UTILITÀ ONLINE end: av. das américas 16.579, sala 201 recreio, 22790-701, rio de janeiro - rj tel: 21 2437 4222 21 2437 2669 www.utilitaonline.com.br PROPOSTA COMERCIAL PORTAL UTILITÀ ONLINE QUEM SOMOS Tudo começou com

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO RONDÔNIA E ACRE

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO RONDÔNIA E ACRE PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO RONDÔNIA E ACRE GLOSSÁRIO DE METAS DO PLANO DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Versão: 1.0 Atualização: outubro/2013 Porto Velho

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. RESOLUÇÃO N o 02/03

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. RESOLUÇÃO N o 02/03 UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N o 02/03 Define as atividades da EDITORA UNIVILLE, órgão suplementar da Universidade da Região de Joinville.

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

EDITAL Nº 03, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012

EDITAL Nº 03, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO EDITAL Nº 03, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 Universidade Federal de

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Novembro, 2014 Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares CCS Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Setor Comercial Sul - SCS, Quadra 09, Lote C, Ed. Parque

Leia mais

PROJETO DE JORNALISMO COMPARADO APROXIMA PÓS-GRADUAÇÃO DA GRADUAÇÃO. Dirceu Fernandes Lopes, José Coelho Sobrinho José Luiz Proença

PROJETO DE JORNALISMO COMPARADO APROXIMA PÓS-GRADUAÇÃO DA GRADUAÇÃO. Dirceu Fernandes Lopes, José Coelho Sobrinho José Luiz Proença PROJETO DE JORNALISMO COMPARADO APROXIMA PÓS-GRADUAÇÃO DA GRADUAÇÃO Dirceu Fernandes Lopes, José Coelho Sobrinho José Luiz Proença 30 ANOS DE PÓS Os cursos de pós-graduação na área de Ciências da Comunicação

Leia mais

CIRCOS-TEATRO E PARQUES-TEATROS EM JARAGUÁ DO (BRASIL): PERCUSO DE UMA PESQUISA HISTÓRICA 1

CIRCOS-TEATRO E PARQUES-TEATROS EM JARAGUÁ DO (BRASIL): PERCUSO DE UMA PESQUISA HISTÓRICA 1 060 CIRCOS-TEATRO E PARQUES-TEATROS EM JARAGUÁ DO SUL/SC (BRASIL): PERCUSO DE UMA PESQUISA HISTÓRICA 1 Ana Paula Moretti Pavanello Machado (PPGT/UDESC) 2 Edélcio Mostaço (Orientador) RESUMO: Este presente

Leia mais

LIGIANE APARECIDA DA SILVA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ).

LIGIANE APARECIDA DA SILVA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ). O PROCESSO DE IMIGRAÇÃO NO BRASIL E A PROPOSTA PARA O DESENVOLVIMENTO E DIFUSÃO DO ENSINO PRIMÁRIO NO PROJETO TAVARES LYRA. O DEBATE SOBRE ALFABETIZAÇÃO NO INÍCIO DO SÉCULO XX LIGIANE APARECIDA DA SILVA

Leia mais

A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais

A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais Célia da Consolação Dias (ECI/UFMG) -

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CCSA DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DECOM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC PROFESSOR ORIENTADOR: HIPÓLITO LUCENA EDUCANDO:

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais

MÍDIA-KI 2014. "Credibilidade e informação na velocidade do Porto."

MÍDIA-KI 2014. Credibilidade e informação na velocidade do Porto. MÍDIA-KI 2014 "Credibilidade e informação na velocidade do Porto." PUBLICIDADE O Jornal Portuário é o grande ponto de encontro entre profissionais e empresas na internet. Todos os meses, mais de 10 mil

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA Antonio Henrique Pinto ahenriq@unicamp.br Introdução O ensino de matemática passou por

Leia mais

CONSTRUINDO CONTEXTOS DE SOCIABILIDADE E LUDICIDADE COM CRIANÇAS NO PARQUE ELIANA: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO

CONSTRUINDO CONTEXTOS DE SOCIABILIDADE E LUDICIDADE COM CRIANÇAS NO PARQUE ELIANA: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO CONSTRUINDO CONTEXTOS DE SOCIABILIDADE E LUDICIDADE COM CRIANÇAS NO PARQUE ELIANA: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO Efigênia Alves Neres (Bolsista-PREX/UFPI) 1 Maria do Carmo Alves do Bomfim (Professora Orientadora/

Leia mais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais 4 Introdução Este projeto de pesquisa procura levantar dados que mostrem a qualidade de compreensão dos alunos que compõem o Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) sobre questões

Leia mais

M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L

M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L ! M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L COMUNICAÇÃO INTERNA E IDENTIDADE NA ORGANIZAÇÕES ISABELA PIMENTEL Capítulo 1 Memória: usos e abusos A memória é mais uma ferramenta da comunicação corporativa, cujo

Leia mais

Governo do Estado do Espírito Santo Procuradoria Geral do Estado

Governo do Estado do Espírito Santo Procuradoria Geral do Estado REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO. Dispõe sobre o Regimento Interno da Biblioteca da PGE. O PROCURADOR-GERAL DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

A saúde nas páginas da imprensa paranaense: Gazeta do Povo e O Estado do Paraná

A saúde nas páginas da imprensa paranaense: Gazeta do Povo e O Estado do Paraná A saúde nas páginas da imprensa paranaense: Gazeta do Povo e O Estado do Paraná Zeneida Alves de Assumpção é doutora em Comunicação Social e docente da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Paraná). E-mail:

Leia mais

O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CRIANÇAS DA REDE PÚBLICA DE CAMPINA GRANDE

O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CRIANÇAS DA REDE PÚBLICA DE CAMPINA GRANDE O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CRIANÇAS DA REDE PÚBLICA DE CAMPINA GRANDE Diogo Cabral de Sousa (1); Augusto José Silva Firmo (1); Lucas de Luna Lima (2); Rafaela Quinto da Costa Melo (3); José Luiz Cavalcante

Leia mais

Com fazer uma pesquisa

Com fazer uma pesquisa Agrupamento de Escolas Tomaz Pelayo Como elaborar um trabalho escolar Com fazer uma pesquisa 23-01-2014 (Elaborado por Manuel Rodrigues) Tenho de fazer um trabalho sobre... Como e por onde começar?? Onde

Leia mais

Pgm 652 - Problemas da telefonia celular - 14/08/2012

Pgm 652 - Problemas da telefonia celular - 14/08/2012 Publicado em TV Brasil (http://tvbrasil.ebc.com.br) 27/12/2012-21h41 Pgm 652 - Problemas da telefonia celular - 14/08/2012 O programaobservatório da Imprensa na TV, exibido ao vivo na terça-feira (14/08)

Leia mais

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO PRÊMIO MÁRIO PEDROSA MUSEUS, MEMÓRIA E MÍDIA

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO PRÊMIO MÁRIO PEDROSA MUSEUS, MEMÓRIA E MÍDIA EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO PRÊMIO MÁRIO PEDROSA MUSEUS, MEMÓRIA E MÍDIA O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, autarquia federal vinculada ao Ministério da Cultura, por intermédio

Leia mais

TEORIA DA FIRMA Custos de Produção

TEORIA DA FIRMA Custos de Produção Referencia bibliográfica (básica) Economia - Administração VASCONCELOS, M. A. S. E. GARCIA, M. Fundamentos da Economia. São Paulo: Saraiva, 2004. Capitulo 6 Páginas 69 à 92 Alunos: TEORIA DA FIRMA Custos

Leia mais

2º CONCURSO DE REDAÇÃO CAMPANHA: ELEIÇÕES LIMPAS PELO VOTO LIVRE E CONSCIENTE. CATEGORIA I 5ª e 6ª Série do Ensino Fundamental

2º CONCURSO DE REDAÇÃO CAMPANHA: ELEIÇÕES LIMPAS PELO VOTO LIVRE E CONSCIENTE. CATEGORIA I 5ª e 6ª Série do Ensino Fundamental CATEGORIA I 5ª e 6ª Série do Ensino Fundamental Tema: Voto livre e consciente, escolha que liberta 1º LUGAR: IZABEL ALINE DE ARAÚJO MATOS 6ª Série Educandário Madre Paulina Título (facultativo): A importância

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

Direito a inclusão digital Nelson Joaquim

Direito a inclusão digital Nelson Joaquim 1 Direito a inclusão digital Nelson Joaquim Vivemos num mundo globalizado, numa sociedade da informação e do conhecimento. A inclusão digital faz parte do direito à educação, até porque as novas tecnologias

Leia mais

A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO "TERRA VERMELHA" EM SALA DE AULA

A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO TERRA VERMELHA EM SALA DE AULA 121 A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO "TERRA VERMELHA" EM SALA DE AULA Aline Apolinário Furtunato - linefurtunato@hotmail.com Cinthia Torres Aranha - cta.cinthia.torres@hotmail.com

Leia mais

Eça de Queirós e a Gazeta de Notícias. Suplemento Literário 1892

Eça de Queirós e a Gazeta de Notícias. Suplemento Literário 1892 Eça de Queirós e a Gazeta de Notícias Suplemento Literário 1892 Av Carlos Salles Block, 658 Ed. Altos do Anhangabaú, 2º Andar, Sala 21 Anhangabaú - Jundiaí-SP - 13208-100 11 4521-6315 2449-0740 contato@editorialpaco.com.br

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

UMA LEITURA DOS EDITORIAIS EM JORNAIS FRANCESES (1850-1900)

UMA LEITURA DOS EDITORIAIS EM JORNAIS FRANCESES (1850-1900) UMA LEITURA DOS EDITORIAIS EM JORNAIS FRANCESES (1850-1900) Amanda Peruchi * O texto que será apresentado a seguir faz parte do projeto de pesquisa intitulado Anúncios em jornais franceses publicados no

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES 2011 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI Ana Cistina de Souza Pires Grasiela Sirtoli

Leia mais

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 COSTA 2 Daiane dos Santos; FONSECA 3 Aurea Evelise dos Santos; ZUCOLO 4 Rosana Cabral 1 Trabalho submetido ao SEPE 2011 Simpósio

Leia mais

SOCORRO! ONDE ESTÃO OS RELATÓRIOS? MARIANA DE SOUZA marianadesouza@hotmail.com Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUC-PR Curitiba PR, Brasil

SOCORRO! ONDE ESTÃO OS RELATÓRIOS? MARIANA DE SOUZA marianadesouza@hotmail.com Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUC-PR Curitiba PR, Brasil Volume 3 Número 1 Jan/Jun 2013 Doc. 2 Rev. Bras. de Casos de Ensino em Administração ISSN 2179-135X SOCORRO! ONDE ESTÃO OS RELATÓRIOS? MARIANA DE SOUZA marianadesouza@hotmail.com Pontifícia Universidade

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

RESUMO. 140 Saber Digital. Gabriela do Carmo Fernandes gabihfernandes.gcf@gmail.com Discente da FAETERJ Paracambi

RESUMO. 140 Saber Digital. Gabriela do Carmo Fernandes gabihfernandes.gcf@gmail.com Discente da FAETERJ Paracambi 140 Saber Digital O USO DA TECNOLOGIA EM PROL DA EDUCAÇÃO: IMPORTÂNCIA, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES ENCONTRADAS POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO E DOCENTES COM A INTEGRAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS À EDUCAÇÃO. Gabriela

Leia mais

ANEXO A FERTILIZANTES HERINGER S.A. CNPJ/MF 22.266.175/0001-88 POLITICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO

ANEXO A FERTILIZANTES HERINGER S.A. CNPJ/MF 22.266.175/0001-88 POLITICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO ANEXO A FERTILIZANTES HERINGER S.A. CNPJ/MF 22.266.175/0001-88 POLITICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO I - DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: CCHS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: CCHS PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: CCHS PLANO DE ENSINO Curso/Habilitação: NUCLEO COMUM Disciplina: Modalidade: Período: EAD FILOSOFIA Créditos: 4 Horas-aula: 72 Semestre Letivo:

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia A Bíblia é um livro para todo a espécie de pessoas novos e idosos, cultos e ignorantes, ricos e pobres. É um guia espiritual para ensinar as pessoas como ser-se

Leia mais

FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917.

FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917. FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917. João Frederico de Almeida Fagundes nasceu em Maricá, na antiga província do Rio de Janeiro, em 24 de maio de 1856, filho de José Manuel Nunes Fagundes e de Maria

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. As sentenças a seguir se referem ao segundo governo de Getúlio Vargas. Marque V nas sentenças verdadeiras e F nas falsas.

Leia mais