ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS"

Transcrição

1 ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS CURSO: Ciências Biológicas 3º Ano 2º semestre 12ª Aula Répteis: diversidade e caracteres gerais (Ministrante: Profa. Dra. Virginia S. Uieda) Professores Responsáveis: Virgínia Sanches Uieda (Integral) e Wilson Uieda (Noturno) Departamento de Zoologia - IB/UNESP/Botucatu

2 História dos tetrápodes Irradiação de duas importantes linhagens Anthracosauria Provável grupo-irmão dos tetrápodes amniotas Não-amniotas Temnospondyli Maior e mais duradouro grupo de tetrápodes não-amniotas do Paleozóico Amniotas 4

3 Origem dos tetrápodes Reptilomorfos Origem e irradiação dos Amniotas O restante dos tetrápodes viventes compreendem os amniotas Reptilomorfos Podem ser subdivididos segundo os traços cranianos em 3 grupos.

4 Synapsida 2 Anapsida 3 - Diapsida Traços cranianos ou fenestração temporal = número de orifícios no crânio

5 Traços cranianos ou fenestração temporal = número de orifícios no crânio ANAPSIDA Para-répteis Crânio sem aberturas temporais Condição primitiva órbita narina SYNAPSIDA Crânio com 1 abertura temporal DIAPSIDA Eurépteis Crânio com 2 aberturas temporais

6 DIAPSIDA Lepidossauria = Sphenodon + Squamata Archosauria = Crocodylia + Aves Lepidosauria língua bífida, pênis bifurcado, muda de pele inteira Archosauria muda de pele em fragmentos

7 Resposta a pressões seletivas associadas com a especialização à dieta insetívora Melhorias nos músculos mandibulares Evolução do crânio dos vertebrados

8 Evolução do crânio dos vertebrados Evolução das fossas temporais atuou sobre os músculos mandibulares = fornecendo espaço para seu posicionamento fornecendo espaço para seu aumento permitindo alterações na complexidade e orientação Resposta a pressões seletivas associadas com a especialização à dieta insetívora

9 Evolução do crânio dos vertebrados Peixes e tetrápodes anamniotas = Massas simples de músculos Simples mordida inercial Tetrápodes amniotas = Músculos posição vertical Músculos diferenciados Forte pressão da mandíbula

10 Evolução dos tetrápodes amniotas terrestres Diversificação da vegetação terrestre no Carbonífero Evolução dos insetos terrestres (importante recurso alimentar) Evolução de um mecanismo mandibular eficiente à insetivoria + Evolução de uma locomoção terrestre mais eficiente

11 Evolução dos tetrápodes amniotas terrestres Modificação na estrutura do ovo Ovos maiores + Ovos melhor equipados + Colocados em situações protegidas

12 Evolução dos tetrápodes amniotas terrestres Modificação na estrutura do ovo Ovo amniótico = casca coriácea, flexível (lagartos, quelônios) casca permeável à água. Ovo cleidóico = casca calcárea, rígida (aves, alguns lagartos e quelônios) ovo impermeável.

13 Características do ovo amniótico 1. Casca proteção mecânica 2. Albumina proteção, reserva de água e proteínas 3. Vitelo suprimento de energia 4. Córion e âmnio proteção 5. Alantóide armazenamento de excretas; órgão respiratório

14 Características do ovo amniótico 1. Casca 2. Albumina 3. Vitelo 4. Córion e âmnio 5. Alantóide

15 Quem são os Répteis atuais? A - Chelonia ou Testudines A B C

16 Quem são os Répteis atuais? B Lepidosauria Sphenodon (tuatara) Lacertilia (lagartos e Amphisbaena) Serpentes (Ophidia) A B C

17 Quem são os Répteis atuais? C - Crocodylia A B C

18 Características Gerais dos Répteis atuais Mudanças para melhoria na ocupação do ambiente terrestre Locomoção Retenção de água Respiração Alimentação Reprodução

19 LOCOMOÇÃO Esqueleto e membros 1. Coluna vertebral diferenciada em cinco regiões 2. Costelas longas (ventilação pulmões) 3. Patas com garras (apoio no solo) 1 2 3

20 Vários tipos de Locomoção Lagarto Dedos e garras longas para melhor apoio no solo Lagartixa Garras e lamelas nos dedos para apoiar em superfícies verticais e lisas

21 Vários tipos de Locomoção Alguns sem patas movimento serpentiforme (serpentes e lagartos ápodas) Lagarto ápoda Jibóia

22 Vários tipos de Locomoção Jabuti Dedos com garras e patas troncudas e fortes para sustentar um corpo pesado Cágado Pés com membranas para nadar e dedos com garras para sair do rio e cavar para enterrar os ovos

23 Vários tipos de Locomoção Tartaruga marinha Membros transformados em remos para facilitar a natação Cauda achatada lateralmente para natação

24 RETENÇÃO DE ÁGUA Tegumento Comparado aos anfíbios, ao amniotas apresentam uma variedade de elaborações tegumentares de queratina Anfíbios Respiração cutânea Amniotas Adaptação a ambientes quentes e secos Escamas Pelos Penas

25 RETENÇÃO DE ÁGUA Tegumento Escamas queratinizadas (impermeável) Glândulas cutâneas ausentes

26 RETENÇÃO DE ÁGUA Excreção Uréia e Ácido úrico (economia de água) Bexiga urinária (ausente em crocodilianos, serpentes, alguns lagartos e aves) Glândulas secretoras de sal (nasais, sublinguais, lacrimais) Diapsida (Squamata, Crocodylia, Aves) ácido úrico Synapsida (Mammalia) uréia Anapsida (Chelonia) uréia + ácido úrico

27 Diapsida (Squamata, Aves) ácido úrico Anapsida (Chelonia) uréia + ácido úrico Synapsida (Mammalia) uréia Diapsida (Crocodylia) ácido úrico + amônia Ácido úrico Uréia Amônia

28 RESPIRAÇÃO Peixes e Anfíbios Respiração branquial, cutânea Aparelho hióide (bombeamento muscular) AMNIOTAS Respiração só pulmonar Pulmões bem desenvolvidos, expandidos através de movimentos : - das costelas (Aves e Squamata) - dos órgãos internos (Chelonia e Crocodylia) - do diafragma (Mammalia)

29 Ventilação por movimento das costelas Respiração Lepidosauria Não podem correr e respirar simultaneamente movimentos da caixa toráxica ajudam na inspiração e expiração músculos hipoaxiais apoiados nas costelas agem na locomoção e respiração durante o deslocamento (flexão lateral) o ar é bombeado entre os pulmões animal com baixa atividade e consumo de oxigênio Modo de respiração dos amniotas primitivos

30 Ventilação por movimento dos órgãos internos Respiração Chelonia Costelas fundidas ao casco * inspiração ** expiração Vísceras Lâmina de tecido conjuntivo não-muscular

31 Ventilação por movimento dos órgãos internos Respiração Crocodylia Movimentos: Costelas Fígado Ossos pubianos Hiperventilam durante a locomoção

32 Ventilação por movimento dos órgãos internos Aumenta o volume do tórax 2º fígado para trás 1º costelas para frente 3º gira ossos púbicos

33 Ventilação por movimento dos órgãos internos 2º intercostais e diafragmático relaxam Reduz o volume do tórax 1º gira ossos púbicos

34 CIRCULAÇÃO Crocodylia, Aves, Mammalia = 2 circuitos operam em série (ventrículo dividido - fluxo sequencial obrigatório) Chelonia e Lepidosauria = possível troca entre os circuitos (septo ventricular parcial) Podem alternar períodos de ventilação com períodos de apnéia durante mergulhos prolongados

35 Circulação Chelonia e Lepidosauria Circulação Circuito sistêmico = alta pressão Circuito pulmonar = baixa pressão Sem septo ventricular permanente < oxigênio > oxigênio CM VAV

36 Resistência pulmonar = sistêmico por redução do calibre dos vasos < resistência Ajuste do fluxo pulmonar e sistêmico através do Desvio intracardíaco direito-esquerdo oxigenado desoxigenado

37 Circulação - Crocodylia D E ap-artéria pulmonar aa-arco aórtico a-átrio v-ventrículo fa-forâme aberto ff-forâme fechado va-válvula aberta vf-válvula fechada Septo ventricular completo Forâme de Panizza conecta o arco aórtico sistêmico direito e esquerdo nos Crocodilianos. Regula a mistura do sangue pobre e rico em oxigênio que será enviado para o corpo quando em apnéia.

38 Circulação - Crocodylia D E Válvula ventricular Arco aórtico direito cabeça Durante atividade região cranial mais sangue entregue para os músculos vísceras > pressão ventrículo esquerdo região caudal > pressão arco aórtico direito Forâme aberto = sangue flui para o arco aórtico esquerdo > pressão arco aórtico esquerdo mantém válvula ventricular fechada

39 Circulação - Crocodylia D E Válvula ventricular Durante mergulho vasos do circuito pulmonar constritos > pressão ventrículo direito Arco aórtico esquerdo vísceras região caudal desvio intracardíaco direito-esquerdo (válvula ventricular aberta) Forâme fechado sangue desoxigenado flui para o arco aórtico esquerdo

40 ALIMENTAÇÃO Maioria carnívora Jabutis e alguns lagartos herbívoros Maioria dentes repostos quando perdidos Chelonia com bico córneo Acrodonte (conexão superficial) Mais comum Pleurodonte (borda lateral) Maioria das serpentes; lagartos venenosos Tecodonte (alvéolos dentários) Crocodilianos e mamíferos

41 ÓRGÃOS DOS SENTIDOS 1. Visão = pálpebras móveis + membrana nictitante (exceto serpentes e lagartos fossórios) 2. Audição = membrana timpânica + estribo 3. Termorrecepção = fosseta loreal (serpentes Crotalinae) 4. Quimiorrecepção = língua bífida + órgão vômero-nasal (Órgão de Jacobson)

42 REPRODUÇÃO Fecundação interna (hemipênis) Maioria ovípara Ovo amniótico Ovos grandes, bem equipados, enterrados < mortalidade > sobrevivência

43 METABOLISMO Ectotérmicos Fonte de energia Externa (solar) Mecanismos de termorregulação ectotérmica: Comportamentais postura, forma do corpo, procura de abrigo Anatômicos grande massa corporal Fisiológicos circulação, respiração, coloração

44 Vias de troca de energia térmica + --

45 Vias de troca de energia térmica

46 Importância da Termorregulação

Filo Chordata Classe Reptilia. Prof. André R. Senna

Filo Chordata Classe Reptilia. Prof. André R. Senna Filo Chordata Classe Reptilia Prof. André R. Senna Répteis modernos Compreendem duas da três linhagens de vertebrados amnióticos Linhagens: Anapsida: Tartarugas; Diapsida: Lagartos, cobras e crocodilos.

Leia mais

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS CURSO: Ciências Biológicas 3º Ano 2º semestre 9ª Aula Anfíbios: diversidade e características (Ministrante: Profa. Dra. Virginia S. Uieda) Professores Responsáveis: Virgínia Sanches

Leia mais

RÉPTEIS PROF. MARCELO MIRANDA

RÉPTEIS PROF. MARCELO MIRANDA RÉPTEIS Padrões evolutivos Surgimento dos amniotas Âmnio: membrana que envolve completamente o embrião e delimita uma cavidade cheia de líquido que protege contra choques mecânicos e evita o ressecamento

Leia mais

FILO CHORDATA CEPHALOCHORDATA VERTEBRATA CYCLOSTOMATA P. CARTILAGINOSOS P. ÓSSEOS AMPHIBIA REPTILIA AVES MAMMALIA

FILO CHORDATA CEPHALOCHORDATA VERTEBRATA CYCLOSTOMATA P. CARTILAGINOSOS P. ÓSSEOS AMPHIBIA REPTILIA AVES MAMMALIA CLASSE REPTILIA FILO CHORDATA SUBFILOS: UROCHORDATA CEPHALOCHORDATA VERTEBRATA CYCLOSTOMATA P. CARTILAGINOSOS P. ÓSSEOS AMPHIBIA REPTILIA AVES MAMMALIA PRIMEIROS RÉPTEIS SURGIRAM HÁ: 300 MILHÕES DE ANOS

Leia mais

REPTILIA: LEPIDOSAUROMORPHA

REPTILIA: LEPIDOSAUROMORPHA Amphibia e a origem dos Amniota: O primeiro passo (literalmente) em direção à conquista do ambiente terrestre, tema recorrente ao introduzirmos os répteis, foi dada pelos anfíbios, os primeiros Tetrapoda.

Leia mais

ZOOLOGIA - REINO METAZOA

ZOOLOGIA - REINO METAZOA ZOOLOGIA - REINO METAZOA FILO CORDADO CARACTERÍSTICAS GERAIS O que será que caracteriza um vertebrado? Substituição da Notocorda pela Coluna Vertebral; Presença de uma cabeça definida; Presença de órgãos

Leia mais

Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: VERTEBRADOS: RÉPTEIS AVES E MAMÍFEROS BATERIA DE EXERCÍCIOS 7º ANO

Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: VERTEBRADOS: RÉPTEIS AVES E MAMÍFEROS BATERIA DE EXERCÍCIOS 7º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: VERTEBRADOS: RÉPTEIS AVES E MAMÍFEROS Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 7º ANO 1 Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa incorreta: a)

Leia mais

OS AMINIOTA: Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Eleonora Trajano

OS AMINIOTA: Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Eleonora Trajano OS AMINIOTA: TÓPICO 5 RÉPTEIS Eleonora Trajano 5.1 O ovo amniótico e a primeira irradiação dos Amniota 5.2 Aperfeiçoamento dos mecanismos de alimentação: aberturas temporais nos Amniota 5.3 Quem são os

Leia mais

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS CURSO: Ciências Biológicas 3º Ano 2º semestre 6ª Aula 1ª Parte Vida no ambiente terrestre (Ministrante: Profa. Dra. Virginia S. Uieda) Professores Responsáveis: Virgínia Sanches

Leia mais

Aula 16 Sistema Circulatório

Aula 16 Sistema Circulatório Aula 16 Sistema Circulatório O sistema circulatório participa do transporte de gases respiratórios, de nutrientes, de resíduos metabólicos, de hormônios e componentes do sistema de defesa. Os animais de

Leia mais

Répteis. Classe Reptilia

Répteis. Classe Reptilia Répteis Classe Reptilia Posição no Reino Animal Os répteis atuais compreendem duas das três linhagens de vertebrados amníotas, que se originaram de tetrápodes semelhantes a anfibios existentes no final

Leia mais

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 7 o ano Unidade 8

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 7 o ano Unidade 8 Sugestões de atividades para avaliação Ciências 7 o ano Unidade 8 5 Nome: Data: UniDaDE 8 1 Com relação às suas características gerais, podemos dizer que os vertebrados possuem exclusivamente: I. patas.

Leia mais

Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos

Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos PARNAMIRIM - RN Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos Prof. José Roberto E Raphaella Madruga. Nematódeo Vermes de corpo cilíndrico, coberto por cutícula. Apresentam sexos separados (dimorfismo sexual

Leia mais

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Além do vegetais outros organismos habitavam o ambiente terrestre Organismos de corpo mole como moluscos e anelídeos Organismos com cutícula redução da

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS RÉPTEIS CARACTERÍSTICAS GERAIS Répteis do latim REPTARE= RASTEJAR. Têm cerca de 7 mil espécies. Surgiram há cerca de 300 milhões de anos. Vivem em ambientes terrestres (secos) ou alguns são aquáticos.

Leia mais

Cladograma dos vertebrados

Cladograma dos vertebrados Mammalia Cladograma dos vertebrados Origens Os animais que conhecemos por mamíferos são o produto de uma linhagem evolutiva que se estende para o passado até a divisão entre os Diapsida e os Synapsida,

Leia mais

Aspectos morfológicos gerais e taxonomia de répteis, aves e mamíferos

Aspectos morfológicos gerais e taxonomia de répteis, aves e mamíferos I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS Aspectos morfológicos gerais e taxonomia de répteis, aves e mamíferos Msc. Andreza Amaral Bióloga NO BRASIL: 6 PAÍS COM MAIOR

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

CLASSE REPTILIA Características Gerais crânio com 1 côndilo occipital 12 pares de nervos cranianos Respiratório

CLASSE REPTILIA Características Gerais crânio com 1 côndilo occipital 12 pares de nervos cranianos Respiratório CLASSE REPTILIA Características Gerais: - corpo coberto com pele seca e cornificada; - com escamas e escudos; - 5 dedos terminando em garras córneas; - esqueleto ossificado; - crânio com 1 côndilo occipital;

Leia mais

A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco

A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco CLASSE DOS RÉPTEIS A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco dedos com unhas e suportam o corpo

Leia mais

Flávio Oliveira Higino Email: fohigino@gmail.com

Flávio Oliveira Higino Email: fohigino@gmail.com Flávio Oliveira Higino Email: fohigino@gmail.com O filo é dividido em três classes: Turbelários: Planária (VIDA LIVRE) Trematódeos: Schistosoma sp (PARASITAS) Cestódeos: Taenia sp (PARASITAS) Corpo achatado

Leia mais

Vivendo na Terra. Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre?

Vivendo na Terra. Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre? Vivendo na Terra Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre? Transição para o ambiente terrestre Peixes com características

Leia mais

Transporte nos animais

Transporte nos animais Transporte nos animais Tal como nas plantas, nem todos os animais possuem sistema de transporte, apesar de todos necessitarem de estabelecer trocas com o meio externo. As hidras têm somente duas camadas

Leia mais

RESUMO Nº 3 3º TRIMESTRE

RESUMO Nº 3 3º TRIMESTRE 7 O ANO EF CIÊNCIAS RESUMO Thiago Judice RESUMO Nº 3 3º TRIMESTRE Leia o resumo com atenção e traga as dúvidas para a sala de aula. Para melhor compreensão da origem dos animais estudados, leia os textos

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

ATIVIDADE DO SEMINÁRIO DE BIOLOGIA - RÉPTEIS 3º A - E.M. PROFª CLAUDIA LOBO

ATIVIDADE DO SEMINÁRIO DE BIOLOGIA - RÉPTEIS 3º A - E.M. PROFª CLAUDIA LOBO ATIVIDADE DO SEMINÁRIO DE BIOLOGIA - RÉPTEIS 3º A - E.M. PROFª CLAUDIA LOBO Grupo: Carolina Nunes - Catalina De Vera - Giulliana Marak - Thainá Barbosa - Thais Yang 01. (FUVEST) Os vertebrados conquistaram

Leia mais

HISTÓRIA EVOLUTIVA E TAXONOMIA DOS ANFÍBIOS E RÉPTEIS

HISTÓRIA EVOLUTIVA E TAXONOMIA DOS ANFÍBIOS E RÉPTEIS 6 E. G. Crespo HISTÓRIA EVOLUTIVA E TAXONOMIA DOS ANFÍBIOS E RÉPTEIS Os primeiros Anfíbios surgiram no Devónico Médio/Superior, há cerca de 360-370 M.a., descendentes, ao que se presume, de um grupo de

Leia mais

1. Os óvulos de aves e répteis, por possuírem grande quantidade vitelo no pólo vegetativo, denominam-se:

1. Os óvulos de aves e répteis, por possuírem grande quantidade vitelo no pólo vegetativo, denominam-se: 1. Os óvulos de aves e répteis, por possuírem grande quantidade vitelo no pólo vegetativo, denominam-se: a) oligolécitos b) heterolécitos c) mediolécitos d) telolécitos e) centrolécitos 2. O esquema abaixo

Leia mais

Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios

Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios Disciplina: Ciências Série: 6ª - 3º BIMESTRE Professor: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Anfíbios e Répteis Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios Anfíbio é um termo que significa vida dupla, ou

Leia mais

www.conhecer.org.br ANATOMIA DOS RÉPTEIS INTRODUÇÃO

www.conhecer.org.br ANATOMIA DOS RÉPTEIS INTRODUÇÃO 1 www.conhecer.org.br ANATOMIA DOS RÉPTEIS Elaboração: Prof. Luana Célia Stunitz da Silva Médica Veterinária, Mestre em Anatomia Veterinária, Especializada em Clínica Médica e Cirúrgica de Animais Selvagens

Leia mais

Aparelho Circulatório

Aparelho Circulatório Visão geral das funções dos Vasos Sanguíneos Os vasos sanguíneos formam um sistema tubular fechado que transporta o sangue do coração (artérias), aos tecidos do corpo (arteríolas, capilares e vénulas),

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO 2010 Questão 1 O reino Animalia, ou reino dos

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Aves e Mamíferos Considerações do professor: As aves apresentam um avanço significante sobre todos os animais anteriores, apresentando um revestimento isolante do corpo, separação completa da circulação

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 1) Observe esta figura e identifique as partes do vegetal representadas nela. Posteriormente, associe as regiões identificadas às funções

Leia mais

FILO CHORDATA. Anfioxo. Ascídia

FILO CHORDATA. Anfioxo. Ascídia FILOS ANIMAIS FILO CHORDATA O filo apresenta cerca de 50.000 espécies distribuídas entre protocordados e vertebrados. Protocordados cordados mais simples, pequenos e exclusivamente marinhos não são muito

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

3ª Série / Vestibular

3ª Série / Vestibular 3ª Série / Vestibular 01. Uma característica típica de todo o tecido conjuntivo é: (A) apresentar células em camadas unidas; (B) apresentar poucas camadas de células; (C) apresentar muito material intersticial;

Leia mais

Evolução e diversidade de Amphibia. Prof. André Resende de Senna

Evolução e diversidade de Amphibia. Prof. André Resende de Senna Evolução e diversidade de Amphibia Prof. André Resende de Senna Significado: Do Grego: amphi = ambos, dupla ; bios = vida. Generalidades: Sapos, salamandras e cobras-cegas; Incorretamente tidos como intermediários

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO 07/10/2008 PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO 07/10/2008 PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial (2%) PROTEÍNAS PLASMÁTICAS (7%) Albumina pressão coloidosmótica Globulinas α e β transporte e substrato δ imunidade,

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 04 RESPIRAÇÃO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 04 RESPIRAÇÃO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 04 RESPIRAÇÃO Fixação 1) (UFRJ) Os peixes apresentam grande variedade de adaptações a modos de vida diferentes no ambiente marinho. Entre os peixes carnívoros existem aqueles

Leia mais

Exercícios de Evidências da Evolução

Exercícios de Evidências da Evolução Exercícios de Evidências da Evolução Material de apoio do Extensivo 1. (Unesp) No filme Avatar, de James Cameron (20th Century Fox, 2009), os nativos de Pandora, chamados Na Vi, são indivíduos com 3 metros

Leia mais

01. Quando comparamos o caramujo e o caranguejo representados nas tiras abaixo, podemos afirmar corretamente que:

01. Quando comparamos o caramujo e o caranguejo representados nas tiras abaixo, podemos afirmar corretamente que: Aula n ọ 02 01. Quando comparamos o caramujo e o caranguejo representados nas tiras abaixo, podemos afirmar corretamente que: a) utilizam-se do ar atmosférico para respirar através de pulmão. b) o caramujo

Leia mais

3ºano-lista de exercícios-introdução à fisiologia animal

3ºano-lista de exercícios-introdução à fisiologia animal 1. (Udesc) Os hormônios são substâncias químicas produzidas pelas glândulas endócrinas que atuam sobre órgãos-alvo à distância. A ação hormonal pode provocar o estímulo ou a inibição das funções orgânicas.

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006)

BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006) BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006) QUESTÕES OBJETIVAS 01. A evolução das fases esporofítica (E) e gametofítica (G) em diferentes grupos de plantas está representada na figura ao lado. Assinale

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

Respiração Comparada. Biologia Monitores: Bruna Maria e Thamirys Moraes 08, 09 e 10/07/2015. Material de Apoio para Monitoria

Respiração Comparada. Biologia Monitores: Bruna Maria e Thamirys Moraes 08, 09 e 10/07/2015. Material de Apoio para Monitoria Respiração Comparada 1. Observe os esquemas referentes a sistemas respiratórios animais. Com base nesses esquemas e em conhecimentos sobre o assunto, é INCORRETO afirmar-se que: a) 1 e 2 são comuns a vertebrados

Leia mais

Tabela de biologia - Anatomia Comparada SISTEMAS / GRUPOS ANIMAIS

Tabela de biologia - Anatomia Comparada SISTEMAS / GRUPOS ANIMAIS Tabela de biologia - Anatomia Comparada Tabela de anatomia comparada S / S ESPONGIÁRIOS Externamente o corpo é revestido por uma camada de células achatadas, os pinacócitos. Possuem um esqueleto interno

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 7 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

BIOLOGIA Diversidade da Vida Exercícios complementares Répteis, aves e mamíferos

BIOLOGIA Diversidade da Vida Exercícios complementares Répteis, aves e mamíferos 1. (UECE) Analise as afirmações abaixo, classificando-as em verdadeiras (V) ou falsas F. ( ) Nos mamíferos o coração encontra-se dividido em quatro cavidades: dois átrios e dois ventrículos. Desta forma,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA RECUPERAÇÃO FINAL 2º ANO - EM PROFª. MARCELLA BRAGA

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA RECUPERAÇÃO FINAL 2º ANO - EM PROFª. MARCELLA BRAGA EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA RECUPERAÇÃO FINAL 2º ANO - EM PROFª. MARCELLA BRAGA 1) O diagrama abaixo representa uma das hipóteses sobre a evolução dos animais metazoários. Nele, os retângulos com os números

Leia mais

1. (UFMG) Todas as alternativas indicam características que podem aparecer nos. a) coração dorsal com quatro cavidades circulação aberta.

1. (UFMG) Todas as alternativas indicam características que podem aparecer nos. a) coração dorsal com quatro cavidades circulação aberta. 12. Cordados 1. (UFMG) Todas as alternativas indicam características que podem aparecer nos vertebrados, exceto: a) coração dorsal com quatro cavidades circulação aberta. b) sistema excretor com néfrons

Leia mais

Sistemas de Trocas Gasosas

Sistemas de Trocas Gasosas Sistemas de Trocas Gasosas 1 Generalidades os seres vivos habitam diversos tipos de ambientes, sendo fundamentalmente o terrestre, o aquático e o aéreo. As diferenças existentes entre os diversos ambientes,

Leia mais

Aula 4 Os animais. Os seres vivos são classificados nos Reinos:

Aula 4 Os animais. Os seres vivos são classificados nos Reinos: Aula 4 Os animais Os seres vivos apresentam uma diversidade muito grande; a cada ano, novas espécies vêm sendo descritas. Fica compreensível a necessidade de um sistema de classificação para a organização

Leia mais

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 01- Marque com um (X) a(s) alternativa(s)

Leia mais

FILO: CORDADOS SUB-FILO: VERTEBRADOS TABELA DE ZOOLOGIA COMPARADA

FILO: CORDADOS SUB-FILO: VERTEBRADOS TABELA DE ZOOLOGIA COMPARADA Classes Peixes Cartilaginosos (Condrictes) Temperatura ectotérmicos do corpo Tegumento pele coberta por escamas placóides, de origem dermoepidérmi ca Sustentação e locomoção Nutrição digestão Circulação

Leia mais

Respostas. Capítulo 21: O filo artrópodes (II)

Respostas. Capítulo 21: O filo artrópodes (II) Respostas Capítulo 21: O filo artrópodes (II) 1. E Ao se observar a situação experimental da questão se conclui que com relação às formigas (artrópodes da classe dos insetos) o olfato é o sentido utilizado

Leia mais

Exercícios de Biologia Fisiologia Animal Circulação

Exercícios de Biologia Fisiologia Animal Circulação Exercícios de Biologia Fisiologia Animal Circulação TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Pucrs) Na edição brasileira da revista "Scientific American" de abril de 2003, Richard Prum e Alan Brush publicaram o artigo

Leia mais

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos.

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. RESPIRAÇÃO Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. A respiração intracelular pode ser: Aeróbica: Ser vivo que depende do gás carbônico para obter energia

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

Sistemática tica Tradicional

Sistemática tica Tradicional Sistemática tica Tradicional Classe Reptilia Ordem Crocodilia crocodilos, gaviais, jacarés Ordem Chelonia jabutis, tartarugas,cágados Ordem Rhynchocephalia tuatara Ordem Squamata Subordem Ophidia ou Serpentes

Leia mais

FILO CHORDATA. Cordados

FILO CHORDATA. Cordados FILO CHORDATA Cordados Cordados Notocorda Triblásticos Deuterostômios Simetria Bilateral Epineuro Celomados 2 Características presentes em todos Notocorda; Fendas na faringe; Tubo nervoso dorsal; Cauda

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

Manejo e Clínica Médica de

Manejo e Clínica Médica de Manejo e Clínica Médica de RÉPTEIS Thiago C. Luczinski M.V. Curador de Répteis e Anfíbios Zoológico de Brasília Por que um réptil? Nojentos Gelados Não interagem Venenosos Alimentam-se de humanos Representantes

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 08 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP 0 Intenção sem ação é ilusão. Ouse fazer e o poder lhe será dado

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS

SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS Os vertebrados, como são grandes e complexos há a necessidade de um sistema circulatório definido. Nos invertebrados ocorre o desenvolvimento de dois tipos de circulação:

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula COMO SÃO OS ANIMAIS? Ensino Fundamental /Anos Iniciais. Ciências. Vida e Meio Ambiente. 2 aulas (45 min cada)

TÍTULO: Plano de Aula COMO SÃO OS ANIMAIS? Ensino Fundamental /Anos Iniciais. Ciências. Vida e Meio Ambiente. 2 aulas (45 min cada) Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: COMO SÃO OS ANIMAIS? Nível de Ensino: Ano/Semestre de estudo Ensino Fundamental /Anos Iniciais 2º Componente Curricular: Ciências Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino:

Leia mais

- CORDADOS - Vestibulando Web Page www.vestibulandoweb.com.br

- CORDADOS - Vestibulando Web Page www.vestibulandoweb.com.br Vestibulando Web Page 01) (UFJF/2002) Com relação aos animais do grupo Chordata, além da presença da notocorda (ou corda) e da cauda propulsora, quais dos caracteres abaixo os distinguem de outros grupos

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Reino Animalia 0 (Metazoa)

Reino Animalia 0 (Metazoa) Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Chordata (Parte II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Chordata Triblásticos, celomados, deuterostômios e possuem simetria bilateral;

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

META A presente aula tem por meta caracterizar os grupos de répteis viventes.

META A presente aula tem por meta caracterizar os grupos de répteis viventes. REPTILIA META A presente aula tem por meta caracterizar os grupos de répteis viventes. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: reconhecer as principais características dos répteis viventes, Testudines

Leia mais

Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos. Prof. José Roberto

Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos. Prof. José Roberto Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos Prof. José Roberto VERTEBRADOS CARACTERÍSTICAS GERAIS Animais vertebrados são todos aqueles que possuem como caracteristica principal, uma coluna vertebral. Animais

Leia mais

Profa. Dra. Maria Luisa da Silva

Profa. Dra. Maria Luisa da Silva Profa. Dra. Maria Luisa da Silva baseado em Kardong, K. Vertebrates: comparative anatomy, function, evolution. McGraw-Hill 2º ed. 1998. Hildebrand, M. Análise da Estrutura dos Vertebrados. Atheneu, 1 SP.

Leia mais

Os animais. Eliseu Tonegawa mora com a família - a. www.interaulaclube.com.br. nova

Os animais. Eliseu Tonegawa mora com a família - a. www.interaulaclube.com.br. nova A U A UL LA Os animais Atenção Eliseu Tonegawa mora com a família - a esposa, Marina, e três filhos - num pequeno sítio no interior de São Paulo. Para sobreviver, ele mantém algumas lavouras, principalmente

Leia mais

Tecido Hematopoiético, Muscular e Nervoso

Tecido Hematopoiético, Muscular e Nervoso Tecido Hematopoiético, Muscular e Nervoso 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 Os animais têm de realizar, ininterruptamente, trocas de substâncias com o ambiente, pois todas as células

Leia mais

O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo.

O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo. SISTEMA EXCRETOR O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo. O Nitrogênio do ar, não é fixado pelos animais,

Leia mais

ERGONOMIA. Anatomia e Fisiologia - Limitações do Organismo Humano

ERGONOMIA. Anatomia e Fisiologia - Limitações do Organismo Humano Verificamos um exemplo, da operária, de como é importante para o profissional de Segurança e Higiene do Trabalho conhecer as limitações do corpo humano e como este pode se sobrecarregar, com o intuito

Leia mais

CADERNO DO ANOTAÇÕES DE CAMPO - PARQUE ZOOLÓGICO

CADERNO DO ANOTAÇÕES DE CAMPO - PARQUE ZOOLÓGICO CADERNO DO ANOTAÇÕES DE CAMPO - PARQUE ZOOLÓGICO Zoólogo: REGRAS DO ZOO PARA ALUNOS: Permaneça na trilha Caminhe, não corra Recolha seu lixo Respeite os animais com o seu silêncio Fones de ouvido e telefones

Leia mais

BIOLOGIA. Prof. Fred CORDADOS. 1) Invertebrados. 1.A) Subfilo Urocordata ou tunicados. Ex: Ascidia. 1.B) Subfilo Cefalocordata. Ex. Anfioxo.

BIOLOGIA. Prof. Fred CORDADOS. 1) Invertebrados. 1.A) Subfilo Urocordata ou tunicados. Ex: Ascidia. 1.B) Subfilo Cefalocordata. Ex. Anfioxo. BIOLOGIA Prof. Fred CORDADOS 1) Invertebrados. 1.A) Subfilo Urocordata ou tunicados. Ex: Ascidia. 1.B) Subfilo Cefalocordata. Ex. Anfioxo. 2) Vertebrados 2) Sibfilo Vertebrata (EUCORDATAS). 2.A) Superclasse

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO 2010 QUESTÃO 1 O bem-estar do organismo depende

Leia mais

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral.

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral. Osteologia da Coluna Vertebral Anatomia dosanimais Domésticos I Prof. Paulo Junior 1/8 OSTEOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL 1) Formação Vértebras desde o crânio até a ponta da cauda. 2) Funções Movimentos: flexão,

Leia mais

Os anfíbios. Cobertura e temperatura do corpo

Os anfíbios. Cobertura e temperatura do corpo Os anfíbios Nas proximidades de riachos, lagoas, açudes, banhados e outras áreas alagadas, você pode escutar os sons dos anfíbios - sapos, rãs, pererecas. O que são anfíbios, afinal? A palavra anfíbio,

Leia mais

LOCOMOÇÃO. Grupo: Fábio Pais Fábio Santana Lucas Silveira Tathiane da Silva. Disciplina: Ecofisiologia de organismos Nectônicos

LOCOMOÇÃO. Grupo: Fábio Pais Fábio Santana Lucas Silveira Tathiane da Silva. Disciplina: Ecofisiologia de organismos Nectônicos LOCOMOÇÃO Grupo: Fábio Pais Fábio Santana Lucas Silveira Tathiane da Silva Disciplina: Ecofisiologia de organismos Nectônicos Introdução: Tipos de esqueleto e suas estruturas; Tipos de músculos e funcionamento;

Leia mais

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS SISTEMA SENSORIAL PEIXES A visão dos vertebrados terrestres depende de lentes planas e flexíveis; Os vertebrados aquáticos dependem de lentes esféricas, menos flexíveis, com um alto poder de refração.

Leia mais

Fisiologia: Digestão, respiração, circulação, excreção, coordenação e reprodução

Fisiologia: Digestão, respiração, circulação, excreção, coordenação e reprodução Fisiologia: Digestão, respiração, circulação, excreção, coordenação e reprodução 1. No nosso organismo existem dois tipos de enzimas do tipo amilase, a amilase pancreática e a amilase salivar, com velocidades

Leia mais

Cordados I. Peixes, Anfíbios e Répteis. Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública

Cordados I. Peixes, Anfíbios e Répteis. Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública Cordados I Peixes, Anfíbios e Répteis Prof. Rafael Rosolen T. Zafred Revisão Peixes ; Anfíbios; Répteis; Aves;

Leia mais

Animais Parte 2 (9- Cordados)

Animais Parte 2 (9- Cordados) Animais Parte 2 (9- Cordados) Os cordados são animais vertebrados, bilateralmente simétricos e o filo animal mais diverso no mundo. Todos compartilham um grupo de características derivadas, embora muitas

Leia mais

03/10/2013. Malformações cardíacas congênitas: 8 em cada 1000 (0,8%) Defeito do septo atrial

03/10/2013. Malformações cardíacas congênitas: 8 em cada 1000 (0,8%) Defeito do septo atrial Malformações cardíacas congênitas: 8 em cada 1000 (0,8%) Brasil: 188.298.099 pessoas ( censo 1996) = 1.506.384 casos Grande São Paulo: 19 223 897 = 153.791 casos Defeito do septo atrial Defeito do Septo

Leia mais

Curso Wellington Biologia Reino Animal Cordados- Aves- Prof Hilton Franco

Curso Wellington Biologia Reino Animal Cordados- Aves- Prof Hilton Franco 1. É engraçado pensar em um tordo empoleirado nas costas de um Velociraptor ou um pato nadando ao lado de um Spinosaurus. (DYKE, 2010, p. 59). A ilustração apresenta duas concepções sobre a origem das

Leia mais

Constituição do Esqueleto

Constituição do Esqueleto O ESQUELETO HUMANO Funções do Esqueleto O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular.

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias;

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias; CIRURGIA TORÁCICA Toracotomia ABERTURA E O FECHAMENTO DA CAVIDADE TORÁCICA INDICAÇÕES Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios BIOLOGIA IV 01 Embriologia Humana A espermatogônia é uma célula diploide (2n) e o espermatócito II é uma célula haploide (n), portanto, a espermatogônia terá o dobro do número

Leia mais

Unidade 12A. Morfologia e Anatomia. Prof. Marcio Frazão

Unidade 12A. Morfologia e Anatomia. Prof. Marcio Frazão Unidade 12A Classe Reptilia Morfologia e Anatomia Prof. Marcio Frazão Introdução Tetrápodes, amniotas, ectotérmicos. Répteis = Conjunto dos amniotas que não são aves nem mamíferos 6773 espécies (Zug et

Leia mais

Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO. 3º trimestre

Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO. 3º trimestre Ciências/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºcie303r Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO 3º trimestre O que estudamos no terceiro trimestre? No terceiro trimestre finalizamos nosso estudo

Leia mais

Estudo Dirigido de Ciências 6 as séries Professores: Andréia e Zago

Estudo Dirigido de Ciências 6 as séries Professores: Andréia e Zago Colégio Salesiano São Gonçalo Escola de Educação Básica Estudo Dirigido de Ciências 6 as séries Professores: Andréia e Zago 1. No aniversário de uma cidade a beira-mar, um restaurante promoveu um Festival

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA 1 FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Compreende a absorção de O 2 e a eliminação de CO 2 pelos pulmões (respiração externa), o transporte de

Leia mais