UM PERFIL DA ARQUEOLOGIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA. A POLÍTICA DA MEMÓRIA NUMA PERSPECTIVA COMPARATIVA: TENSÕES, DESAFIOS E RISCOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM PERFIL DA ARQUEOLOGIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA. A POLÍTICA DA MEMÓRIA NUMA PERSPECTIVA COMPARATIVA: TENSÕES, DESAFIOS E RISCOS."

Transcrição

1 MARISE CAMPOS DE SOUZA A POLÍTICA DA MEMÓRIA NUMA PERSPECTIVA COMPARATIVA: TENSÕES, DESAFIOS E RISCOS. Orientador: Prof. Dr. Rossano Lopes Bastos Co-Orientador: Prof. Dr. Luiz Oosterbeek Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro- Vila Real/PT

2 MARISE CAMPOS DE SOUZA UM PERFIL DA ARQUEOLOGIA CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA. A POLÍTICA DA MEMÓRIA NUMA PERSPECTIVA COMPARATIVA: tensões, desafios e riscos. Tese apresentada ao programa de Doutorado Quaternário, Materiais e Cultura da Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro, como requisito parcial para obtenção do título de doutora. Orientador:Prof. Dr. Rossano Lopes Bastos Co-Orientador:Prof. Dr. Luiz Oosterbeek Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro- Vila Real/PT

3 [...] quando se gosta da vida, gosta-se do passado, porque ele é o presente tal como sobreviveu na memória humana. Marguerite Yourcenar ( ) 2

4 AGRADECIMENTOS Difícil tarefa que me impus falar de gestão. Entretanto, não é o que procuramos realizar no exercício cotidiano de planejar nossas vidas, tomar decisões e reorientar o nosso rumo? Neste período, foram muitos os obstáculos a serem vencidos que imprimiram na motivação inicial uma nova roupagem, mais densa, porém, nem por isso menos frisante. A cada percalço, um motivo a mais para me concentrar no foco e continuar. Continuar, nesse caminho, sobretudo pelo incentivo e carinho insubstituível dos meus pais aos quais sou tão grata, se todos fossem no mundo igual a vocês, dos meus irmãos, que sempre torceram por mim, e dos meus filhos, por todo amor, carinho e orgulho. E nessa jornada, quantos desafios: muitos hiatos, perdas, desencontros, recomeços e encontros. Surpreendente e inevitável recomeço, que se transformou em sentimento inesperado. A você meu amor, obrigada pelo suporte, por sua extensa paciência e sugestões essenciais ao desenvolvimento desse estudo, saiba que sempre seguirei como encantada ao lado teu. Fiz também grandes amigos e agradeço reconhecidamente, a contribuição e ajuda de Prof. Dr. José Luiz de Morais e Dayse Morais, Prof. Dr. Antônio Pires da Silva e Clarinha Pires da Silva. Sou especialmente grata ao apoio e orientação de Prof. Dr. Luiz Oosterbeek e Prof. Dr. Rossano Lopes Bastos, principalmente pela boa amizade que partilhamos nesses anos. Aos professores da UTAD e IPT a minha gratidão pelas aulas e visitas culturais, que além de fortalecerem o espírito e o corpo, apresentaram os locais pitorescos de Portugal. 3

5 Aos colegas do doutorado, muito obrigada pela alegre convivência em tempos de apresentação de trabalhos, e, especialmente, as minhas amigas Telma e Tânia por me deixarem compartilhar de sua amizade. pesquisa. Aos membros da banca agradeço por terem aceitado a participar da avaliação desta 4

6 RESUMO Esta pesquisa tece numa temática geral reflexões acerca da gestão do patrimônio arqueológico. Pontualmente, articula a atuação e os conceitos disciplinares da arqueologia preventiva no licenciamento ambiental e apresenta as problemáticas da gestão pública do patrimônio arqueológico, por meio do estudo de casos concretos nos diversos segmentos da arqueologia, com enfoque teórico e fundamento na práxis arqueológica. Aborda as inconsistências normativas, numa perspectiva de compreensão integrada às novas demandas da sociedade, em que cada uma dessas vertentes está imbricada com as demais. Avalia a evolução do sistema de tutela do IPHAN em relação ao patrimônio arqueológico e aponta as novas tendências de participação civil, de inclusão social e extroversão do conhecimento. No âmbito da arqueologia preventiva explora por meio de uma análise as políticas de gestão do patrimônio arqueológico no Brasil, na América Latina e países da Europa. Propõe linhas de intervenção assente sobre pilares basilares: composição de um conjunto normativo consistente; conservação do patrimônio arqueológico como um todo; potencialização das ações de sensibilização e de promoção do patrimônio arqueológico (educação patrimonial); formação científica e capacitação profissional como veículo de fruição sustentável do patrimônio arqueológico. PALAVRAS-CHAVE: arqueologia preventiva, arqueologia pública, IPHAN, patrimônio arqueológico, políticas de gestão pública. 5

7 ABSTRACT The present research theme weaves general reflections on the management of archaeological heritage. Occasionally articulates the performance and disciplinary concepts of preventive archaeology in licensing; presents the problems of public management of archaeological heritage, through case studies in various sectors of archaeology, focusing on theoretical grounds and archaeological practice. Addresses regulatory inconsistencies, an integrated perspective of understanding the new demands of society, in which each of these aspects are intertwined with the others. Evaluates the progress of the trusteeship system IPHAN in relation to archaeological heritage and shows trends in civic participation, social inclusion and extroversion of knowledge. As part of preventive archaeology, explores throughout an analysis of the management policies of the archaeological heritage in Brazil, Latin America and European countries. Proposes lines of action based on basic pillars: the composition of a consistent set of rules; conservation of archaeological heritage as a whole; enhancement of awareness-raising and promotion of archaeological heritage (heritage education); scientific and professional training as a vehicle for sustainable enjoyment of the archaeological heritage. KEYWORDS: archaeological heritage, IPHAN, preventive archeology, public archaeology, public management policies. 6

8 ABREVIATURAS ADA: Área Diretamente Afetada, Brasil. AIA: Avaliação de Impacto Ambiental, Brasil. AID: Área de Influência Direta, Brasil. ADECAP: Associação para o Desenvolvimento e a Cooperação Peninsular, Portugal. AIE: Área de Influência Expandida, Brasil. AMS: Accelerator Mass Spectometer. APA: Associação Nacional dos Arqueólogos, Portugal. APAE: Associação de Pais e Amigos do Excepcional, Brasil. BAS: Bulgarian Academy of Science, Bulgaria. BMI: Banco Monetário Internacional. CDC: Código de Defesa do Consumidor, Brasil. CF/88: Constituição Federal de 1988, Brasil. CHM: Culture Heritage Management. CIAT: Centro de Investigação no sítio arqueológico de Tiwanaku, Bolívia. CNPq: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Brasil. CNPP: Conselho Nacional do Patrimônio da Polônia. CNRC: Centro Nacional de Referência Cultural, Brasil. CNRS: Conselho Nacional de Pesquisa Cientifica, França. CNSA: Cadastro Nacional de Bens Arqueológicos, Brasil. COARPE: Colégio Profissional de Arqueólogos do Peru, Peru. CONAMA: Conselho Nacional de Meio Ambiente, Brasil. CONCULTURA: Secretaria Nacional de Cultura 7

9 CONDEPHAAT: Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo, Brasil. CONPRESP: Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio Histórico de São Paulo, Brasil. CNAR: Cadastro dos Negociantes de Arte, Brasil. CNART: Cadastro Nacional dos Negociantes de Antiguidades e Obras de Arte, Brasil. CNBCP: Cadastro Nacional de Bens Culturais Procurados, Brasil. CRESPIAL: Centro Regional para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da América Latina. CRM: Cultural Resource Management CPB: Código Penal Brasileiro. CPCV: Censo do Patrimônio Cultural Venezuelano, Venezuela. CPPA: Centro da Proteção do Patrimônio Arqueológico, Polônia. DAPA: Divisão de Arqueologia Preventiva e de Acompanhamento, Portugal. DEPAU: Documents d'évaluation du atrimoine rc ologique des villes de rance, França. DERSA: Desenvolvimento Rodoviário S.A., Brasil. DGPC: Direcção-Geral do Património Cultural, Portugal. DINAR: Direção Nacional de Arqueologia, Bolívia. DINAAR: Direção Nacional de Arqueologia e Antropologia, Bolívia. DPC: Diretoria de Portos e Costas, Brasil. DPHAN: Departamento de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasil. DRAC: Direction Régionale des Affaires Culturelles, França. DRASSM: Departamento de Pesquisa Arqueológica Subaquática e Submarina, Brasil. DRC: Direcções Regionais de Cultura, França. ECO-92: Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, Rio de Janeiro

10 EIA: Estudo de Impacto Ambiental, Brasil. EJA: European Journal of Archaeology, U.K. ETHÉA : Esquisses de Topographie Historique et d'évaluation Archéologique, França. FINEP: Financiadora de Estudos e Projetos, Brasil. FNPM: Fundação Nacional Pró-Memória, Brasil. HERITY: Heritage & Quality, Itália. IBC: Instituto Boliviano de Cultura. IBICT: Instituto Brasileiro de Ciências e Tecnologia. IBPC: Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural, Brasil. ICAHM: lnternational Committee of Archaeological Heritage Management. ICANH: Instituto Colombiano de Antropologia Nacional e História, Colômbia. ICBS: Instituto Cultural Banco Santos, Brasil. ICUCH: International Committee on the Underwater Cultural Heritage. IGESPAR: IP: Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, Portugal. IGT: Instrumento de Gestão Territorial, Portugal. IMC: IP: Instituto dos Museus e da Conservação, Portugal. INA: Instituto Nacional de Antropologia, Bolívia. INAPL: Instituto Nacional de Antropologia e Pensamento Latino-Americano, Argentina. INAPL: Instituto Nacional de Antropología y Pensamiento Latinoamericano. INAR: Instituto Nacional de Arqueologia, Bolívia. INRAP: Institut National de Recherches Archéologiques Préventives, França. INTERPOL: Organização Internacional de Polícia Criminal. IPA: Instituto Português de Arqueologia, Portugal. IPARQ: Instituto de Pesquisa em Arqueologia, Brasil. IPC: Instituto Patrimônio Cultural, Venezuela. 9

11 IPHAN: Instituto Patrimônio Histórico Arquitetônico Nacional, Brasil. IPM: Inspetoria de Monumentos Nacionais, Brasil. IPT: Instituto Politécnico de Tomar, Portugal. IPPAR: Instituto Português do Património Arquitetônico e Arqueológico, Portugal. IPPC: Instituto Português do Património Cultural. KÖH (Kulturális Örökségvédelmi Hivatal): Instituto Nacional do Patrimônio Cultural, Hungria. KÖSZ (Kulturális Örökségvédelmi Szakszolgálat): Serviço Técnico de Campo do Patrimônio Cultural, Hungria. LI: Licença de Instalação, Brasil. LP: Licença Prévia, Brasil. LO: Licença de Operação, Brasil. MAE: Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, Brasil. MD: Ministério da Defesa, Brasil. MEC: Ministro da Educação e Cultura, Brasil. MERCOSUL: Mercado Comum do Sul. MinC: Ministério da Cultura, Brasil. MM: Ministério da Marinha, Brasil. MMA: Ministério do Meio Ambiente, Brasil. MPE: Ministério Público do Estado, Brasil. MPF/SP: Ministério Público Federal em São Paulo, Brasil. Mus. Sc. Nat.: Museo Scienze Naturali-Universitá di Ferrara, Italia. NAM: Museu Nacional de Arqueologia, Bulgária. NEPA: National Environmental Policy Act, USA. NIAM: Instituto Nacional de Arqueologia com Museu, Bulgária. 10

12 NORMAN: Normas da Autoridade Marítima Nacional, Brasil. NPS: National Park Services, USA. NUPEC: Núcleo de Pesquisa e Estudo em Chondrichthyes, Brasil. PATRIARCH: Patrimoine Archéologique, França. PEP: Programa de Educação Patrimonial, Brasil. PEPRI: Programa Especial de Privatizações, Peru. PESM: Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo, Brasil. LU: lans Locaux d Urbanisme, rança. PM: Programa Monumenta, Brasil. PNMA: Política Nacional do Meio Ambiente, Brasil. RAP: Redevance d'archéologie Préventive, França. RARC: Rescue Archaeological Research Center. RIMA: Relatório de Impacto Ambiental, Brasil. SAB: Sociedade Arqueológica Brasileira. SDAU: Schéma Directeur d'aménagement, França. SEMA: Secretaria de Meio Ambiente, Brasil. SISNAMA: Sistema Nacional do Meio Ambiente, Brasil. SMA: Secretaria do Meio Ambiente, Brasil. SNC: Secretaria Nacional de Cultura, Bolívia. SNGIPC: Sistema Nacional de Gestão Integrada de Património Cultural, Uruguai. SPHAN: Serviço do Patrimônio Histórico Nacional, Brasil. SRA: Service Régional de l'archéologie, França. TAC: Termo de Ajustamento de Conduta, Brasil. UE: União Europeia. UGMP: Unidade Geográfica de Manejo Patrimonial. 11

13 UNAR: Unidade Nacional de Arqueologia, Bolívia. UNESCO: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. UNIDROIT: International Institute for the Information of Private Law. UNISANTOS: Universidade Católica de Santos, Brasil. UTAD: Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal. VR: Virtual Reality. ZAC: Zones d'aménagement Concertées, França. ZPPAUP: Zone de Protection du Patrimoine Architectural, Urbain et Paysager, França. 12

14 ÍNDICE GERAL Agradecimentos... 3 Resumo... 5 Abstract... 6 Abreviaturas... 7 Índice de fotografias Introdução Objeto de estudo As problemáticas do patrimônio arqueológico brasileiro no Estado de São Paulo Metodologia Capítulo I. Memória, Paisagem e Patrimônio Cultural I. 1. Introdução I. 2. Elementos do patrimônio cultural intangível ou imaterial I Os diferentes elementos da memória I Elementos do patrimônio arqueológico I Paisagem cultural I Identidade da paisagem I Paisagem e inclusão do capital social I O órgão de preservação no Brasil - IPHAN: uma breve excursão historiográfica I Trajetória da política do IPHAN I A consolidação da Superintendência Estadual de São Paulo Capítulo II. Arqueologia preventiva II. 1. Introdução II. 2. Arqueologia acadêmica vs arqueologia empresarial: dilema ou necessidade?

15 II Confrontos entre a arqueologia preventiva brasileira e a internacional II América do Sul Guiana Francesa Argentina Bolívia Colômbia Paraguai Peru Uruguai Venezuela II Comunidade Europeia Bulgária Itália Hungria Polônia Portugal II Breve discussão sobre a arqueologia preventiva praticada nos países abordados pela pesquisa Capítulo III. O patrimônio arqueológico na política ambiental brasileira III. Introdução III. 1. Impactos ambientais no patrimônio arqueológico III O aparato legal no âmbito do licenciamento III A práxis da arqueologia brasileira no licenciamento ambiental III. 2. Os impactos ambientais arqueológicos estudos de casos e aplicativos de gestão

16 III Estudo de caso: o Rodoanel no Estado de São Paulo e o seu destempo no licenciamento arqueológico III As questões dos museus e dos acervos III A repressão ao roubo e ao tráfico ilícito de patrimônio arqueológico III O segmento da arqueologia subaquática e seus entes de tutela III Estudo de caso: o colecionismo, o ilícito de peças arqueológicas e a extroversão - Instituto Cultural Banco Santos (ICBS), em São Paulo III Estudo de caso: a guarda de acervo em instituições particulares - a Universidade Católica de Santos e o Instituto de Pesquisa em Arqueologia (IPARQ/UNISANTOS) III Estudo de caso: a ausência de pesquisa e a desobediência ao licenciamento no sítio arqueológico histórico Casa do Itaim-Bibi em São Paulo e considerações sobre o segmento da arqueologia histórica III Estudo de caso: impacto positivo e a articulação entre a pesquisa arqueológica, arqueologia preventiva e arqueologia pública na gestão pública do sítio arqueológico São Francisco Capítulo IV. Arqueologia Pública IV. 1. Arqueologia Pública, inclusão social turismo sustentável Discussão final e perspectivas Bibliografia Suporte Eletrônico

17 ÍNDICE DE FOTOGRAFIAS Nº LEGENDA PÁGINA Foto 1 Foto 2 Foto 3 Foto 4 Foto 5 Foto 6 Foto 7 Foto 8 Foto 9 Foto 10 Foto 11 Foto 12 Foto 13 Foto 14 Foto 15 Foto 16 Foto 17 (esquerda): o complexo em Mori, (esquerda): o complexo em Mori, 2005 (direita): o complexo em Dimitriadis, 2012 (direita): o complexo em Dimitriadis, 2012 (direita): o complexo em Dimitriadis, 2012 (direita): o complexo em Dimitriadis, 2012 (esquerda): reserva técnica etnográfica (crânios) e arqueológica (cerâmica e lítico). Bruno Netto, (esquerda): reserva técnica etnográfica (crânios) e arqueológica (cerâmica e lítico). Bruno Netto, (esquerda): reserva técnica etnográfica (crânios) e arqueológica (cerâmica e lítico). Bruno Netto, (direita): detalhes de crânio reduzido, vasilha e machado. Bruno Netto, (direita): detalhes de crânio reduzido, vasilha e machado. Bruno Netto, (direita): detalhes de crânio reduzido, vasilha e machado. Bruno Netto, (esquerda acima): detal e da Casa do Itaim-Bibi. Zanettini Arqueologia, (direita acima): panorâmica do sítio arqueológico Casa do Itaim-Bibi. Zanettini Arqueologia, (da esquerda para a direita): momentos da escavação arqueológica. Zanettini Arqueologia, 2010 (da esquerda para a direita): momentos da escavação arqueológica. Zanettini Arqueologia, (da esquerda para a direita): vistoria conjunta IPHAN/SP e MPF em SP. Zanettini Arqueologia,

18 Foto 18 Foto 19 Foto 20 Foto 21 Foto 22 Foto 23 Foto 24 (da esquerda para a direita): vistoria conjunta IPHAN/SP e MPF em SP. Souza, (esquerda acima): a autora na entrada do sítio São Francisco em São Sebastião- SP. Dimitriadis, (esquerda acima): a autora na fonte do sistema de captação de agua no sítio. Dimitriadis, (esquerda): detalhes de material arqueológico em superfície. Souza, (esquerda): detalhes de material arqueológico em superfície. Souza, (direita): panorâmicas de diferentes locais do sítio. Souza, (direita): panorâmicas de diferentes locais do sítio. Souza,

19 INTRODUÇÃO 18

20 INTRODUÇÃO Nossa herança cultural advém da capacidade que temos de criar, acumular conhecimento e de transmiti-lo aos que nos sucedem. A lembrança de um evento depende sempre de quem o lembra, pois há diferentes percepções dos fatos em função da vivência de cada um. Essas memórias formam uma cadeia de ligações, em que cada geração é um elo responsável pela perpetuação da memória coletiva; registradas através da cultura material, das representações humanas, dos saberes, dos sabores, enfim do patrimônio cultural que representa as identidades culturais dos povos. O patrimônio cultural é vulnerável. Está constantemente ameaçado, seja pelo processo de deterioração natural decorrente da ação do tempo, pelo fenômeno da globalização que propicia a uniformização cultural dos valores e comportamentos, pela atuação das relações econômicas e sociais ou pelo risco relacionado às atividades humanas. Esses conjuntos de fatores favorecem problemas de toda ordem; de natureza cientifica, técnica, financeira, política, e determinam a necessidade de escolhas culturais. A necessidade de garantir a difusão do saber e assegurar a identificação, proteção, conservação, valorização e transmissão do patrimônio cultural às gerações futuras parecem evidentes. Entretanto, a proteção de tal patrimônio tem se mostrado às vezes inadequada devido à insuficiência de recursos econômicos e à diversidade de elementos que devem ser avaliados para uma intervenção técnico-científica de salvaguarda dos bens. Salienta-se que em face da extensão e da gravidade dos perigos que ameaçam os bens culturais é também de competência da coletividade participar da proteção do patrimônio 19

21 cultural. Deve-se promover a salvaguarda do patrimônio cultural de forma cooperativa entre organizações governamentais e não governamentais. Desta sorte há a necessidade de incentivo a estudos e pesquisas científicas e técnicas que forneçam dados para subsidiar a adoção de políticas de gestão do patrimônio cultural, que integradas a ferramentas jurídicas, científicas, técnicas, administrativas e financeiras auxiliem na conservação, proteção, salvaguarda e valorização do mesmo. O patrimônio arqueológico é, segundo a definição comumente admitida, a herança desejável a se transmitir às gerações futuras (UNESCO, 1956) 1. Este trabalho pretende apresentar e avaliar as condicionantes que incidem na gestão do patrimônio arqueológico, os atores que dela participam tais como organismos governamentais e não governamentais (terceiro setor e sociedade) e as ferramentas disponíveis que vêm sendo utilizadas na construção de políticas de gestão desse patrimônio. A gestão de um ambiente cultural compete à responsabilidade de construir, aplicar e aperfeiçoar os instrumentos que fundamentam as escolhas de uma decisão. Desta maneira, os conceitos relativos ao patrimônio arqueológico devem ser apresentados, contextualizados, revistos e sistematizados, e ainda deve-se empreender o enquadramento legal desse. No Brasil, o patrimônio arqueológico tem a sua tutela sob a responsabilidade da União Federal, representada pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional IPHAN seu órgão competente, e regido na Constituição Federal de 1988, pelos artigos 215º e 216º. O Art. 215º dispõe que o Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais ; O Art. 216º define que: 1 A Recomendação resultante da 9ª Conferência Geral da UNESCO de 1956 em Nova Deli se constitui como primeiro instrumento a apresentar a conceituação de patrimônio arqueológico e a propor sua regulamentação. 20

22 Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: I - as formas de expressão; II - os modos de criar, fazer e viver; III - as criações científicas, artísticas e tecnológicas; IV - as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais ; E pelo inciso V, que identifica os bens que compõem o patrimônio cultural da Nação, [...] constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico [...]. O texto constitucional no artigo 20, inciso X, define a propriedade pública e arrola os bens pertencentes à União: [...] são bens da União: as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré- istóricos 2. E legislando sobre Meio Ambiente o Cap. VI, Art. 225, 1º e seus incisos, sobretudo o IV e o VI, definem o bem arqueológico colocando-o sob a tutela dos bens socioambientais 3. Neste prisma, o patrimônio cultural passa a ser parte integrante do meio ambiente a ser protegido, intitulado como meio ambiente cultural, que se divide em meio ambiente natural ou físico; artificial e do trabalho, compreendendo a água, o ar, a flora, a fauna, o patrimônio histórico, artístico, arqueológico, paisagístico, turístico etc. A nova realidade jurídica define o 2 A CF/88, Art. 20º arrola os bens da União de forma não exaustiva, mas exemplificativa, pois entende a sua relação no inciso I, ao afirmar os que atualmente l e pertencem e os que l e vierem a ser atribuídos. 3 Art. 225º. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para os presentes e futuras gerações. 1º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: IV exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade; VI promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente; 3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. 21

23 patrimônio arqueológico como um bem ambiental de caráter difuso 4 e o insere nas obrigações do licenciamento ambiental. No ordenamento infraconstitucional, o Decreto-lei 25/37, Art. 1º; 1 e Art. 4º 5 dispõe que bens que possuam excepcional valor arqueológico compõem o patrimônio histórico e artístico nacional; e que para tanto as coisas pertencentes às categorias de arte arqueológica, etnográfica, ameríndia e popular devem ser inscritas no livro de Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico. Outras normas afetas se conjugam no sentido de regulamentar esta proteção: a Lei 4.737/65 institui o Código Eleitoral introduzindo penas à colocação de cartazes ou indicações em logradouros públicos ou bens tombados por valor arqueológico (Art. 328º e 329º); a Lei 4.84/65 proíbe a saída para o exterior de obras de arte e ofícios produzidos no país, até o fim do período monárquico; o Decreto Lei 3.365/41 dispõe sobre desapropriações por utilidade pública (Art. 5, item K, I) para preservação e conservação dos monumentos históricos, ou outros bens móveis de valor histórico ou artístico; a Lei nº 7347/85 disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (vetado) e dá outras providências. O patrimônio arqueológico é apreciado no seu conjunto pela Lei 3924/61, que dispõe sobre os Monumentos Arqueológicos e Pré-históricos. Esse dispositivo define o tratamento autônomo do patrimônio arqueológico nacional: 1) deliberando sobre a responsabilidade da 4 Os direitos difusos estão preconizados no Código de Defesa do Consumidor (CDC) Art. 81º, único, inciso I: direitos difusos são transindividuais, isto é, são aqueles que transcendem, ultrapassam a figura do indivíduo. Além disso, é de natureza indivisível, vez que pertencem a uma coletividade simultaneamente e não a esta ou aquela pessoa ou grupo de pessoas. Em suma, os direitos difusos são transindividuais, cuja titularidade é indeterminada e interligada por uma mesma circunstância de fato e tem seu objeto um direito indivisível. 5 Decreto-lei 25/37, Art. 1º Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no país e cuja conservação seja de interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico. 1º Os bens a que se refere o presente artigo só serão considerados parte integrante do patrimônio histórico o artístico nacional, depois de inscritos separada ou agrupadamente num dos quatro Livros do Tombo, de que trata o Art. 4º desta lei. O Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional possuirá quatro Livros do Tombo, nos quais serão inscritas as obras a que se refere o Art. 1º desta lei, a saber: 1) no Livro do Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico, as coisas pertencentes às categorias de arte arqueológica, etnográfica, ameríndia e popular, e bem assim as mencionadas no 2º do citado Art. 1º. 22

24 tutela dos bens arqueológicos (Art. 1º) 6 e a propriedade dos bens arqueológicos (Parágrafo único) 7 ; 2) elencando o conjunto dos bens arqueológicos (Art. 2º) 8 ; 3) estabelecendo as restrições para as atividades econômicas causadoras de impacto negativo (Art. 3º) 9 ; 4) regulando os procedimentos para realização de escavações e pesquisas (Cap. II Art. 8º) 10 ; 5) normalizando os parâmetros administrativos das investigações arqueológicas (Cap. II Art. 10º) 11 ; 6) atribuindo sanções administrativas, penais e cíveis (Cap. II Art. 11º 1º) 12 ; 7) estabelecendo direitos e deveres do cidadão na custódia provisória de achados fortuitos (Cap. IV Art. 17º a 19º); 8) regulando a saída de acervo para o exterior (Cap. V Art. 20º e 21º); 9) respaldando as ações de natureza documental 13, protetivas 14, conservativas e de preservação; 6 Lei 3914/61 Art.1º: Os monumentos arqueológicos ou pré-históricos de qualquer natureza existentes no território nacional e todos os elementos que neles se encontram ficam sob a guarda e proteção do Poder Público, de acordo com o que estabelece o art. 175 da Constituição Federal. (Art. 175º. Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos. Parágrafo único. A lei disporá sobre: I - o regime das empresas concessionárias e permissionárias de serviços públicos, o caráter especial de seu contrato e de sua prorrogação, bem como as condições de caducidade, fiscalização e rescisão da concessão ou permissão). 7 Lei 3914/61 Parágrafo único. A propriedade da superfície, regida pelo direito comum, não inclui a das jazidas arqueológicas ou pré-históricas, nem a dos objetos nelas incorporados na forma do art. 152º da mesma Constituição. 8 Lei 3924/61 Art. 2º a) as jazidas de qualquer natureza, origem ou finalidade, que representem testemunhos de cultura dos paleoameríndios do Brasil, tais como sambaquis, montes artificiais ou tesos, poços sepulcrais, jazigos, aterrados, estearias e quaisquer outras não especificadas aqui, mas de significado idêntico a juízo da autoridade competente; b) os sítios nos quais se encontram vestígios positivos de ocupação pelos paleoameríndios tais como grutas, lapas e abrigos sob rocha; c) os sítios identificados como cemitérios, sepulturas ou locais de pouso prolongado ou de aldeamento, "estações" e "cerâmicos", nos quais se encontram vestígios humanos de interesse arqueológico ou paleoetnográfico; d) as inscrições rupestres ou locais como sulcos de polimentos de utensílios e outros vestígios de atividade de paleoameríndios. 9 Lei 3924/61 Art. 3º São proibidos em todo o território nacional, o aproveitamento econômico, a destruição ou mutilação, para qualquer fim, das jazidas arqueológicas ou pré-históricas conhecidas como sambaquis, casqueiros, concheiros, birbigueiras ou sernambis, e bem assim dos sítios, inscrições e objetos numerados nas alíneas b, c e d do artigo anterior, antes de serem devidamente pesquisados, respeitadas as concessões anteriores e não caducas. 10 Lei 3924/61, Cap. II, Art. 8º O direito de realizar escavações para fins arqueológicos, em terras de domínio público ou particular, constitui-se mediante permissão do Governo da União, através da Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, ficando obrigado a respeitá-lo o proprietário ou possuidor do solo. 11 Lei 3924/61, Cap. II Art. 10º A permissão terá por título uma portaria do Ministro da Educação e Cultura, que será transcrita em livro próprio da Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, e na qual ficarão estabelecidas as condições a serem observadas ao desenvolvimento das escavações e estudos. 12 Lei 3924/61, Cap. II, rt.11º 1º s escavações devem ser necessariamente executadas sob a orientação do permissionário, que responderá civil, penal e administrativamente, pelos prejuízos que causar ao Patrimônio Nacional ou a terceiros. 13 Lei 3924/61, Cap. VI, Art. 27º A Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional manterá um Cadastro dos monumentos arqueológicos do Brasil, no qual serão registradas todas as jazidas manifestadas, de acordo com o disposto nesta lei, bem como das que se tornarem con ecidas por qualquer via. tualmente o registro dos bens arqueológicos é realizado no Cadastro Nacional de Bens Arqueológicos - CNSA. 23

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil *

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Solange Bezerra Caldarelli Scientia, Consultoria Científica (Brasil) solange@scientiaconsultoria.com.br Resumo: Apresentam-se, aqui,

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

Considerando que o Decreto-Lei 25/37 veda a destruição de bens culturais tombados (art. 17);

Considerando que o Decreto-Lei 25/37 veda a destruição de bens culturais tombados (art. 17); A Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente - ABRAMPA, o Conselho de Coordenadores de Centros de Apoio Operacional de Meio Ambiente, Patrimônio Cultural e Urbanismo do Ministério

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN Esse texto pretende ofertar breve noção sobre a atuação do arqueólogo no licenciamento

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL Jorge Luiz Britto Cunha Reis PROCEDIMENTOS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO As crescentes pressões da sociedade e o avanço da consciência ambientalista que floresceram em

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de criar e manter Arquivos Públicos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL E LICENCIAMENTO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL E LICENCIAMENTO AMBIENTAL Prof MSc José Braz Damas Padilha http://www.faculdadefortium.com.br/jose_braz brazpadilha@gmail.com Biólogo (UFPR) Especialista em Sustentabilidade

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA 14/05/2010 Niro Afonso Pieper Diretor Geral - SEMA 1 O Sistema Integrado de Gestão Ambiental no Rio Grande do Sul Concepção e Histórico Requisitos para a Habilitação Princípio da Melhoria Contínua Enfoque

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Monitora: Luiza Jungstedt. Professor: Luíz Oliveira Castro Jungstedt

Monitora: Luiza Jungstedt. Professor: Luíz Oliveira Castro Jungstedt Turma e Ano: Flex B Matéria / Aula: Administrativo aula 10 Monitora: Luiza Jungstedt Professor: Luíz Oliveira Castro Jungstedt Hoje trabalharemos as formas de Intervenção Branda na Propriedade. Começaremos

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados)

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Legislação Municipal Lei nº 3.404 de 5/06/2002 - Dispõe sobre

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento Terça-feira 54 - Ano I - Nº 98 Dom Macedo Costa LEI MUNICIPAL Nº 400/2010 De 27 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008.

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008. DECRETO Nº 25974 de 15 de dezembro de 2008. Institui o GEOPARQUE CICLO DO OURO DE GUARULHOS e dá diretrizes para sua estruturação com o objetivo de implantação e forma de gestão. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Problema Questionamentos no Brasil a respeito dos conceitos de cumulatividade

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação 14º Congresso Brasileiro de Mineração Belo Horizonte, 26-29 setembro de 2011 Maria

Leia mais

O Licenciamento Ambiental Municipal

O Licenciamento Ambiental Municipal O licenciamento ambiental é um dos instrumentos da política nacional do meio ambiente, sendo definido como o procedimento administrativo utilizado pelo órgão ambiental competente para licenciar a localização,

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO COEMA n.º 014/09

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO COEMA n.º 014/09 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO COEMA n.º 014/09 Dispõe sobre critérios e procedimentos necessários à preservação do patrimônio cultural, inclusive o arqueológico,

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA Promover a Defesa do Meio Ambiente Aperfeiçoar e estruturar a atuação do

Leia mais

Prefeitura Municipal de Conceição da Feira-BA

Prefeitura Municipal de Conceição da Feira-BA ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DA FEIRA - BAHIA A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 1 LEI Nº 625/2014 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Contextualizando... Adaptação do produtor rural sem condições novos critérios de uso da terra impostos aleatoriamente sem alicerces

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e ao IPHAN. 2-No item

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version RECOMENDAÇÃO Nº 002/2010 (Prodemac) O Ministério Público do Estado do Amapá, por seu representante legal com atuação na Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, Habitação e Urbanismo,

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

Legislação e Gestão Ambiental no Brasil. Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br

Legislação e Gestão Ambiental no Brasil. Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br Legislação e Gestão Ambiental no Brasil Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br Fundação Brasileira de Desenvolvimento Sustentável Abril 2005 Evolução da Política Ambiental no Contexto Internacional

Leia mais

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural Adriana Machado Pimentel de Oliveira Kraisch Mestranda do Programa de Pós-graduação em História da UFPB E-mail: adriana.butija@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Regulamentação e Licenciamento Ambiental Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Matriz Constitucional "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas MESA REDONDA SOBRE A ALTERAÇÃO DA LEI DE ARQUIVO PPGARQ Relatório Síntese Com a presença de

Leia mais