Bernardete Isabel Zanchetti Orientador: profª Drª. Carmem Craidy

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bernardete Isabel Zanchetti Orientador: profª Drª. Carmem Craidy"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADA A EDUCAÇÃO BÁSICA NA MODALIDADE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PRISIONAL E AS PRÁXIS DOS DOCENTES DO NEEJACP DO PRESÍDIO ESTADUAL DE BENTO GONÇALVES Bernardete Isabel Zanchetti Orientador: profª Drª. Carmem Craidy Bento Gonçalves 2009

2 2 FICHA CATALOGRÁFICA Z27i Zanchetti, Bernadete Isabel A importância da educação prisional e o práxis dos docentes do NEEJACP do Presídio Estadual de Bento Gonçalves / Bernadete Isabel Zanchetti ; orientadora Carmem Craidy. Bento Gonçalves, f. Trabalho de conclusão (Especialização) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Curso de Especialização em Educação Profissional integrada à Educação Básica na Modalidade Educação de Jovens e Adultos, 2009, Porto Alegre, BR-RS. 1. Educação. 2. Educação de Jovens e Adultos. 3. EJA. 4. EJA Presídios. 5. Educação Presos. 6. NEEJACP Presídio Regional de Bento Gonçalves. I. Craidy, Carmem. II. Título CDU CIP-Brasil. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação. (Jaqueline Trombin Bibliotecária responsável - CRB10/979)

3 3 LISTA DE SIGLAS EJA Educação de Jovens e Adultos NEEJACP Núcleo Estadual de Educação de Jovens e Adultos e Cultura Popular LEP Lei de Execução Penal SUSEPE Superintendência de Serviços Penitenciários LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional CRE Coordenadoria Regional de Educação

4 4 INTRODUÇÃO Vivemos em uma sociedade materialista, capitalista que exclui e marginaliza os que são menos favorecidos contribuindo para que esses indivíduos acabem em presídios. Lembrando que a educação é um direito de todos e dever do Estado, esta deve ser promovida e incentivada, como condição da democracia. Segundo o parecer CNE/CEB n 11/2000, a EJA (Educação de Jovens e Adultos) é compreendida como uma dívida social não reparada para os que não tiveram acesso e nem domínio da escrita e leitura como bens sociais na escola ou fora dela. Dados estatísticos da SUSEPE de novembro de 2008, comprovam que 68,3% dos apenados no Rio Grande do Sul não têm ensino fundamental completo. Mas dentro desse contexto, como educar os apenados? Será que vale a pena educar criminosos? Até que ponto a educação escolar pode contribuir para a reabilitação de um presidiário? Educadores prisionais tem-se feito estas indagações e sentem-se indignados com o descaso dos órgãos responsáveis pela educação no âmbito prisional. A mesma se apresenta como um problema social grave que está longe de encontrar um equacionamento adequado. A lei de execução penal deixa claro que o preso tem direito à escolarização, trabalho e formação profissionalizante. Esta lei defende e protege o presidiário. A gravidade do problema pode ser constatada na própria estrutura física das prisões que não prevê espaço para estas atividades. A realidade do presídio de Bento Gonçalves é de que os presos estão abalroados nas celas, pois o espaço destinado a 8 presidiários aloja em média 17, mais que o dobro, o que resulta em situações agravantes e humilhantes como a de dois presos dividirem o mesmo leito ou dormirem no chão. De acordo com uma entrevista dada pelo diretor do presídio, o Senhor Luciano Bitencourt, confirma-se a superlotação. Temos 302 detentos, as celas tem 8 leitos. Eles dormem no chão ou na posição de valete (os pés de um ficam ao lado da cabeça do companheiro e vice-versa). O ambiente prisional por si só já é bem deprimente, ainda mais acrescido com estas situações desumanas contribui para a baixa auto estima dos presos.

5 5 Já a escola deste presídio, é um espaço onde as tensões são aliviadas, o que justifica sua existência e seu papel na ressocialização do preso, pois os apenados que tem acesso à educação terão mais probabilidades de acesso ao mercado de trabalho. É na escola que o preso passa a sentir-se mais sujeito do que objeto, é onde pode sentir-se mais livre, pois é na escola que ele tem a liberdade de falar o que pensa, de expressar suas idéias e se revelar verdadeiramente um ser humano. Segundo BRANDÃO (2005,p.8) As idéias transformam as pessoas e as pessoas transformam o mundo. Todo o conhecimento e experiências adquiridas em sala de aula são bagagens que podem transformar paulatinamente o presidiário. Este artigo tem como fonte além da bibliografia especializada, a palavra de 35 detentos do presídio estadual de Bento Gonçalves que freqüentam a escola no presídio e responderam um questionário que foi elaborado e aplicado pela pesquisadora. Essa pesquisa foi desenvolvida em quatro momentos: no primeiro momento este estudo teve um enfoque teórico onde foram consultados alguns autores que certamente auxiliaram na compreensão do contexto educacional prisional, como Freire (1983,1995,2004,2005), Gadotti (1993), Sykes (1999), entre outros. No segundo momento estivemos entrevistando uma educadora que iniciou as atividades educacionais no presídio estadual de Bento Gonçalves. No terceiro momento aplicamos um questionário ao público alvo: os alunos da NEEJACP no presídio estadual de Bento Gonçalves. Quarto e último momento, analisamos os dados coletados por meio do questionário e procuramos relacioná-los com as teorias estudadas, visando concluir o nosso trabalho. Palavras-Chave: EJA, Presídios, Educação, Preso

6 6 BREVE HISTÓRICO Na metade da década de 80, teve início no presídio estadual de Bento Gonçalves, o funcionamento de um subnúcleo da EJA, (Educação de Jovens e Adultos) ligado ao núcleo central localizado na Escola Estadual de Ensino Fundamental General Bento Gonçalves da Silva já existente no município de Bento Gonçalves.

7 7 Segundo o depoimento da professora Irdes Baruffi, o atendimento era feito uma vez por semana aos detentos. O material era entregue a eles nas celas pelos agentes penitenciários. Os presos resolviam as atividades que eram em módulos, devolviam aos agentes e esses repassavam para a professora corrigi-las. Assim era feito uma auto aprendizagem para aqueles que iriam prestar o exame supletivo. É importante salientar que os presos não mantinham contato nem comunicação oral, direta com a professora, tudo era por bilhetes e através dos agentes penitenciários. Com a promulgação da nova constituição brasileira de 1988, o secretário de justiça do Estado do Rio Grande do Sul da época, Bernardo de Souza, teve a iniciativa de montar uma escola dentro do presídio que serviria de experiência e de modelo para todo o estado. Na mesma época, o diretor do presídio, Paulo Tadeu Rocca Souza, iniciou um processo de implantação do núcleo junto à 16ª CRE do município de Bento Gonçalves e deuse assim o desligamento do núcleo central acima referido. É importante ressaltar, que esse desligamento não foi nada pacífico, havendo muitos conflitos entre secretários de justiça e de educação que resultaram em graves pressões sobre as professoras e as pessoas comprometidas com a educação dos presidiários, o que foi uma manifestação do preconceito e descompromisso das autoridades com a educação prisional. No início da década de 90, foi implantado o núcleo NEEJACP, que é o núcleo atual do presídio de Bento Gonçalves, o qual iniciou com duas salas de aula e uma biblioteca, esta montada e organizada por uma professora com formação freireana e marxista, Irdes Baruffi, que atuou como educadora no mesmo e que tinha por objetivo desenvolver e adaptar os conteúdos à realidade brasileira e a realidade específica destes alunos. Segundo esta professora, não se tratava de ensinar conteúdos cartilhados, isto é, o conhecimento científico e que buscasse a promoção dos presos em níveis sucessivos de conhecimento, mas sim através da educação humanizar com um relacionamento pedagógico que atingisse não só o preso, a família, como também o próprio sistema prisional, isto é, direção e agentes penitenciários. Apenas duas profissionais em educação deram início às atividades prisionais; uma em alfabetização e a professora Irdes em ensino aprendizagem para as séries iniciais. Os primeiros contatos com os presos não foram nada animadores, pois eles não falavam,

8 8 andavam cabisbaixos, não erguiam o olhar para o educador, caminhavam com as mãos atrás das costas. Os agentes quando se dirigiam a eles não os chamavam pelo nome, eram ditos como assassino, bandido, marginal, ladrão, etc. Quebradas todas essas barreiras, e graças à coragem dessa educadora iniciaram-se as atividades, os trabalhos de humanização e projetos de higiene. Havia mais um obstáculo a ser vencido; a diretora do núcleo era contra esse modelo freirano/marxista e fazia tudo o que podia para prejudicar e barrar o bom desempenho das aulas. Inclusive entrava nas salas de aula rasgava cartazes e trabalhos que estavam expostos e que tinham sido elaborados pelos próprios presos. Ridicularizava as professoras e induzia os detentos contra as mesmas, mas nos momentos em que os trabalhos e ou detentos eram elogiados, por outrem, quem levava os méritos era a diretora da escola. Com o passar do tempo e a persistência, as professoras foram ganhando espaço e crédito junto aos detentos e a direção do presídio. Pode-se observar nos primeiros tempos de núcleo da EJA, que havia mudanças visíveis no detento que participava das aulas; na conduta, no respeito e esse contagiava os seus companheiros de cela, quanto a hábitos de higiene e relações humanas. Houve grande progresso no aprendizado, na humanização (inclusive dos agentes), na limpeza, na higiene, etc. Aprenderam o que é a democracia e a reivindicar seus direitos e melhorias nas celas; tanto que quando preciso eles mesmos faziam as reivindicações para o diretor do presídio. Houve um aprendizado. Deu certo e sendo a primeira experiência, influenciou outras escolas no presídio do estado e mesmo no Brasil. Formou-se o núcleo de supletivo de ensino presencial para NEEJACP, e a única diferença entre o ensino do supletivo e a escola é que esta podia fazer a avaliação dos alunos com certificação da própria escola. Ocorria que os educadores tinham receio em avaliar e resistiram à avaliação, uns por medo de propina e pela corrupção que poderia se instalar ali para a aquisição de certificados e outra por não terem como avaliar os presos devido à alta rotatividade no presídio.

9 9 ATUALIDADE / MARCO TEÓRICO Atualmente o NEEJACP do presídio estadual de Bento Gonçalves conta com quatro salas de aula, uma biblioteca e uma sala de artesanato, um corpo docente de doze profissionais de educação e uma nova diretora também com formação freireana, a qual apóia e trabalha juntamente com o corpo docente montando e executando projetos que visam melhoria de vida

10 10 aos detentos quando em liberdade.o corpo discente é composto por 115 alunos, sendo que 95 alunos freqüentam as salas de aula e 20 o artesanato. O papel da educação no cárcere deve ser de re-educar os criminosos e auxilia-los a ter uma visão mais ampla de mundo, a buscar outras formas de inserção na sociedade, pois observamos que os detentos que tem acesso à escola estão mais acessíveis ao mercado de trabalho, e mais aptos ao convívio externo. É através do ensino que os encarcerados tem a oportunidade de se humanizarem e se transformar. Ninguém educa ninguém. Ninguém educa a si mesmo. As pessoas se educam entre si, mediatizadas pelo mundo. (FREIRE,1995) A educação é transformadora quando se quer transformar. O ensino aprendizagem se faz com o professor por que ele é mediador. O ambiente prisional vai muito além do espaço físico, sala de aula, pois este espaço educativo nem sempre é suficientemente valorizado. Pode eventualmente o ambiente prisional favorecer aprendizagens corrosivas à índole do indivíduo, como: a repressão, ameaças, maus tratos, brigas, furtos, drogas, etc. A sociedade dos encarcerados não é só fisicamente comprimida, mas também psicologicamente, visto que eles vivem em uma intimidade forçada, na qual o comportamento de cada homem está sujeito tanto à inspeção constante dos colegas cativos quanto à vigilância dos administradores. A prisão subjuga o detento ao comando de uma estrutura autoritária de uma rígida rotina. Os presos não podem andar com os braços soltos ao lado do corpo, são obrigados a andar de braços cruzados e quando cruzarem por qualquer pessoa nos corredores da galeria, devem parar, virar de frente para a parede e esperar a pessoa passar e só depois seguir para onde estava se direcionando. O aprisionado sofre uma deterioração de sua identidade, e lhe é forjada uma nova. Isso implica na desadaptação dos padrões convencionais e adaptação aos novos impostos pela instituição. Não existe um código, e sim a cautela, que é imprescindível ao convívio. Em suas ações cotidianas, ele sabe a quem deve obedecer; vê, ouve e tem conhecimento do que acontece, mas tem consciência de que às vezes é melhor não expressar verbalmente seu pensar.

11 11 Para proteger-se, o indivíduo assume posturas e discursos que dele se esperam, driblando valores e normas, usando máscaras, resistindo silenciosamente, buscando o confronto para sobreviver. Seus depoimentos expressam conformismo e resistência, que são a maneira que encontram para sobreviver às imposições do sistema (Teixeira, 1988, p. 183). Vale lembrar que a máscara e a duplicidade são meios de proteção contra todas as formas absolutizáveis. A máscara oferece um refúgio bastante seguro: permite o existir e propicia, fazendo como todo o mundo faz, o esconder-se. A educação pode e deve contribuir para a formação de jovens e adultos, homens e mulheres justos e competentes, cidadãos autônomos e capazes de agir em sociedade de forma positiva. Deve preocupar-se com indivíduos preparando-os a assumir seu papel no trabalho e na sociedade. Quando se fala em ensino, se fala em relações de sujeito para sujeito, de sujeito com a vida, de formação básica e de formação tecnológica. O ser humano é relação, constrói-se na relação com o outro e com o mundo e só se diferencia e se assemelha no espaço relacional. As características pessoais são construídas na história interacional de cada um e tomam sentido em relações situadas e contextualizadas. (ROSSETTI, 2004,p.124.) A educação é um direito fundamental de todos, homens e mulheres, de todas as raças, de todas as idades, no mundo todo; cada ser humano, criança, jovem ou adulto, deve ter condições de aproveitar as oportunidades educativas voltadas para satisfazer suas necessidades básicas de aprendizagem, independentemente do meio em que se encontram. Nesse sentido, no cenário atual existem iniciativas e projetos que visam garantir esse direito aos presos. Educação para todos não significa qualidade. Um ensino burocrático, conteudista poderá oferecer uma boa base de conhecimentos, mas não levará a redução da criminalidade, talvez até ajude a sofisticá-los. O problema é complexo, não se pode dizer que investindo em educação nos presídios necessariamente vai diminuir a violência nas ruas. Mas a instrução prisional pode contribuir

12 12 para as pessoas se desenvolverem e buscarem alternativas para a sua reinserção na sociedade. Como ensinar? O que ensinar aos que estão atrás das grades? Quem ensina quem? O educador deve ter sensibilidade e crer no ser humano e em sua capacidade de regeneração, compreendendo-o como um ser inacabado, que tem potencialidade e vivência a serem consideradas segundo a dialética freireana, e ao pensar na educação do homem preso, não se pode deixar de considerar que o homem é inacabado, incompleto, que se constitui ao longo de sua existência e que tem a vocação de ser mais, o poder de fazer e refazer, criar e recriar. (Freire,1983;p.81). Conhecer um pouco do seu cotidiano, seus sonhos, seus engajamentos culturais, sociais e políticos, nos aproxima cada vez mais deles e nosso olhar antes restrito vai se transformando em um novo olhar, mais rico e interessante, pois o papel do educador prisional é o de olhar a pessoa marcada por suas ações impensadas, com um olhar respeitoso, um olhar diferenciado. De acordo com Freire: Não é possível respeito aos educandos, à sua dignidade, a seu ser formando-se, à sua identidade fazendo-se, se não se levam em consideração as condições em que eles vem existindo, se não se reconhece a importância dos conhecimentos de experiência feito com que chegam à escola (FREIRE,2004,p.64). Somente quando o preso sente a amizade sincera do educador, destas que não exige retorno, é que se inicia o processo de autoconfiança, é aqui que se dá à dialógica, revitalizando os seus próprios valores. Os educadores deverão estar atentos às falhas dos presos e procurar interferir e orientá-los sempre que necessário, mostrando a importância das mudanças de comportamento para conquistar, lutar e ter direito a dignidade. Além das competências previstas em nossa proposta pedagógica devemos enfatizar valores, respeito, limites, responsabilidade, reflexão, auto-avaliação, capacidade de mudança, permitindo assim que o educando acredite e persista na possibilidade de mudança e persistência em seus objetivos, buscando assim a reestruturação social. Nesse sentido Freire afirma: Se estivesse claro para nós que foi aprendendo que aprendemos ser possível ensinar, teríamos entendido com facilidade a importância das experiências informais nas ruas, nas praças, no trabalho,nas salas de aula das escolas, nos pátios dos recreios, em que variados gestos de alunos, de pessoal administrativo,de pessoal docente se cruzam cheios de significação. (FREIRE,1995,p.50)

13 13 É de suma importância salientar que os educadores prisionais devem ser qualificados, com uma formação específica, especializada, para melhor atuar e conviver com os apenados, pois não podemos esquecer que são seres humanos fragilizados, marginalizados e que estão entre as grades por uma questão de exclusão da sociedade. Para Gadotti (1993,p.136) A ternura não deve morrer jamais no educador. É o sentimento que não deve morrer nunca, pois se entende que esse sentimento é que fomenta o educador a ultrapassar todos os obstáculos do sistema educacional. Ainda que Freire não tenha trabalhado diretamente com educadores prisionais, nos deixou uma forte base teórica, de práxis epistemológica que tem colaborado para dar sustento ao nosso trabalho. Segundo Freire (1995,p.96)...a melhor afirmação para definir o alcance da prática educativa em face dos limites a que se submete é a seguinte: não podendo tudo, a prática educativa pode alguma coisa. Uma das práxis pedagógicas mais satisfatórias nos presídios é lidar com os presos com amor, com delicadeza, agindo com naturalidade, mas com sinceridade, elogiando-os quando for oportuno, procurando dialogar sempre que sentirem a necessidade e estimulá-los com palavras otimistas de modo que possam sentir-se valorizados. De acordo com Gadotti: A característica fundamental da pedagogia do educador em presídios é a contradição, é saber lidar com conflitos, com riscos. Cabe a ele questionar de que maneira a educação escolar pode contribuir para a prisão e o preso, para tornar a vida melhor e para contribuir com o processo de desprisionalização e de formação do homem preso. (1993, p.128) Nesse sentido acreditamos que o conhecimento é trazido pelo afetivo, o preso aprende bem o que lhe causa interesse, numa atmosfera de aula que lhe pareça segura, com um professor que sabe criar afinidades. A transmissão de conhecimento e, consequentemente, a aprendizagem acontece simultaneamente com a compreensão e valorização das pessoas envolvidas no processo educativo, pois deve haver um entrelaçamento entre educação e vida. Os baixos índices de educação da população encarcerada apontam para o grau de marginalização e exclusão a que está submetida.a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei Federal n 9.393/96, Título V Capitulo II - Da Educação de Jovens e Adultos

14 14 Artigo 37, expressa: A educação de jovens e adultos EJA será destinada àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos no ensino fundamental e médio na idade própria. 1º Os sistemas de ensino asseguram o direito ao estudo. Na lei nº /1984, Seção IV Capitulo II - Da LEP, artigo 17, diz: A assistência educacional compreenderá a instrução escolar e a formação profissional do preso e do interno. Artigo 18. O ensino de 1º grau será obrigatório, integrando-se no sistema escolar da unidade. A educação é direito dos presidiários e condição para a sua inclusão social. A EJA e a educação profissional são modalidades regulares adequadas à educação em prisões e não se confundem com cursos aligeirados ou mais simples. Temos o direito de ser iguais sempre que a desigualdade nos inferioriza e temos o direito de ser diferentes sempre que a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos). mos um questionário que foi respondido por 35 presos que freqüentam a escola no Com o objetivo de levantar a visão dos presos sobre a escola, aplica presídio. Estes alunos fizeram questão de participar e alguns de se identificar na folha de respostas. Os sujeitos vêem a escola de diferentes modos, mas sua freqüência justifica desde o desejo de aprender, de passatempo, a ocupação da mente, pela remição, etc. Após a aplicação do questionário e analisando as respostas dadas pelos alunos, chegamos à conclusão de que mesmo não tendo consciência da função histórica da escola e de seu papel na construção da cidadania, ao frequentá-la, eles aprendem a acatar as regras visando buscar alternativas possíveis para abreviar sua estada neste ambiente prisional ou conseguir benefícios que lhes possibilitam o regime semi-aberto. De um modo geral esses foram os resultados que obtivemos no questionário aplicado aos detentos. Perguntado aos detentos se estavam gostando da nova oportunidade de freqüentar a escola, a maioria deles respondeu que sim, pois é onde tem a oportunidade de melhorar de vida: Sim, porque abriu novas oportunidades no mercado de trabalho e quanto mais aprendo menos penso em coisas erradas. O estudo é muito importante para crescermos com pessoa e ter mais chances e perspectivas de uma vida melhor.

15 15 Acreditam que a escola os manterá atualizados e informados em relação às mudanças que ocorrem fora da prisão: A escola serve para aprimorar meus conhecimentos e para um futuro melhor.. A escola além de ser ocupação, proporciona-lhes a possibilidade de se relacionarem com o mundo externo: O mercado de trabalho hoje em dia exige conhecimento e o estudo foi a melhor opção. Ali, eles têm contato com práticas e opiniões externas às do mundo prisional". Aqui estudando assim passa o tempo mais depressa aqui eu estudo, trabalho, faço artesanato e jogo bola. Uma das questões feitas aos presos, nos surpreendeu com a resposta obtida, pois ao questionar qual o motivo que os têm levado a freqüentar a escola no presídio, dos 35 entrevistados, apenas 5 responderam que era para obterem a remição: Para sair da cela e ganhar a remição. A prática da remição pelo ensino, embora não prevista na LEP, já é adotada há tempos, com sucesso, à base de um dia de pena por dezoito horas de estudo.os demais presos apontam a escola como um espaço onde se sentem mais livres, onde tem a oportunidade de aprender e conversar com os colegas de todos os pavilhões e com os professores em quem confiam: Eu gosto de ir pra aula pra sair da cela e estar com os professores. Apontam à sala de aula como local onde sentem maior segurança. Gadotti afirma neste sentido (1999,p.62) que educar é libertar. A única força que estimula um preso é a liberdade; ela pesa grande força de pensar. Dentro da prisão, a palavra e o diálogo continuam sendo a principal chave para a liberdade: O estudo me ajuda para quando eu sair conseguir ter oportunidade melhor. Os objetivos da escola são mais concretos e reais, pois uns querem aprender a ler, escrever, calcular, outros buscam aperfeiçoar, aprofundar e ampliar conhecimentos: Eu adorei voltar a estudar pois com essa oportunidade pude concluir o ensino médio e pretendo fazer vestibular para entrar na faculdade. Outros tem sede de vida e curiosidade em saber o que acontece fora dos muros da prisão,mas de acordo com Mello (1987, p. 78)...é ensinando a ler, escrever, calcular, falar, e transmitindo conhecimentos básicos do mundo físico e social,

16 16 que a educação escolar poderá ser útil às camadas populares. O crime financia seus sonhos depois cobra um alto preço. Pensamento escrito por um aluno da T4. Mas a escola prisional guarda especificidades que a diferenciam de outros espaços. A sociedade dos cativos mantém expectativas em relação à instituição escolar enquanto à aquisição de conhecimentos e ao preparo para o convívio social. A educação serve para melhorar os índices de escolaridade e auxilia na escolha de projeto de vida. A escolarização do preso deve adequar-se às suas características, necessidades e formas de ser. Concordamos com Santos (2002,p.105) quando este afirma que, faz parte do imaginário dos detentos a expectativa de ter acesso aos conhecimentos acumulados, via escola, e isso não sofre variação se essa instituição está dentro ou fora da prisão. Consideramos então, que a educação no presídio estará sempre preocupada com a promoção humana, procurando tornar o homem cada vez mais capaz de conhecer os elementos de sua situação para intervir nela. Pensar em ensino escolar na prisão significa, nesse sentido, refletir sobre sua contribuição para a vida dos encarcerados, por meio da aprendizagem participativa e da convivência fundamentada na valorização e do crescimento do outro e de si mesmo. Significa, ainda pensar numa escola capaz de fazer do preso um homem [...] informado e participante do mundo em que vive, adquirindo consciência crítica que favorece a capacidade de questionar e problematizar o mundo, condição necessária para a práxis social transformadora.(mello,1987, p.90) O caminho se faz caminhando, dizia Freire (2005), pois o espaço escolar, é um lugar onde vivem experiências numa situação de interação,em que existe a possibilidade de respeito mútuo, de troca de cooperação,de resgate da dignidade humana, o que contribui para que a pena possa ser vivida de um modo mais humano. Nesse sentido questionamos: Há uma metodologia especifica, para que os docentes possam transmitir conhecimento a seus alunos encarcerados? Qual metodologia devemos aplicar? Em se tratando de um contexto diferenciado pode-se afirmar que não há uma metodologia específica ou um receituário, pois na prisão a cada dia surge uma nova realidade, diferenciada nas salas de aula; são presos que vão para o externo (trabalhar fora da prisão), outros estão chegando, outros

17 17 doentes...mas cabe ao educador traçar sua práxis, e usar toda sua ternura, sensibilidade e criatividade para fisgar o preso e despertar seu interesse nas aulas. Mas será que vale a pena investir em prisioneiros? Pensamos que sim, pois é nesse espaço que o professor pode colocar suas intenções de transformação, de mudar atitudes, capacidades e idéias. A escola é um meio de oportunizar a socialização, na medida em que oferece ao aluno outras possibilidades referenciais de construção de sua identidade e de resgate da cidadania perdida. Temos que acreditar na ressocialização dos presidiários, caso contrário o nosso trabalho como educadores junto a eles não terá nenhuma valia. Somos do tamanho daquilo que pensamos, portanto precisamos ser gigantescos, porque somos referenciais e deixamos marcas profundas que acompanharão nossos educandos, querendo ou não nos tornamos responsáveis por aqueles que educamos. Se nós, profissionais da educação prisional, que temos acesso direto com nossos presos não fizermos a diferença, quem fará? A lei e a justiça são lentas, e devem permanecer assim, pois os criminosos são presos para que a sociedade possa livrar-se deles. Os criminosos são colocados na prisão não para punição, mas como punição. (Sykes,1999). Sabemos que na prática não existe a reeducação como almejamos, porque a principal preocupação do sistema penitenciário ao receber um indivíduo condenado não é a sua reeducação, mas sim a privação de sua liberdade. Também é importante ressaltar que o preso aproveita, ou acaba aproveitando a oportunidade para se educar, já que não o fez lá fora. E que sempre vale a pena investir na recuperação do ser humano, mesmo que isso exija um trabalho árduo e persistente ao educador. Conforme o sociólogo Salla (1999, p. 67) [...] por mais que a prisão seja incapaz de ressocializar, um grande número de detentos deixa o sistema penitenciário e abandona a marginalidade porque teve a oportunidade de estudar. Além da socialização de um saber sistematizado, a educação no sistema penitenciário tem a tarefa de ressocializar o indivíduo do ponto de vista social, moral e ético. Diz Fragoso

18 18 (1996,p.291) Escopo da pena é aqui, a ressocialização do condenado, ou seja, a finalidade de reincorporá-lo à sociedade. Concluímos que a privação da liberdade única exclusivamente não favorece a ressocialização. Mas a educação prisional favorece a reintegração do indivíduo na sociedade? Precisamos desenvolver programas educacionais no sistema penitenciário que visem alfabetizar e construir a cidadania dos presos. A conscientização, deve ser uma das práxis para a transformação do mundo dos presos, pois através da ação-reflexão é que formaremos novos cidadãos.cabe ao poder público e a sociedade em geral se preocuparem e se comprometerem com a educação. Também é fundamental que não esqueçamos de que necessitamos investir em propostas políticas que viabilizem o retorno do preso à sociedade, visto que as atuais estão um tanto ultrapassadas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A Vocação de Educar algumas palavras sobre o exercício do trabalhador da educação. Mimeo, 2005.

19 19 FRAGOSO, Heleno Cláudio. A Nova Parte Geral. 10ª Edição. Rio de Janeiro: Forense, FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Pedagogia da Autonomia. 30ª ed. São Paulo: Paz e Terra, & HORTON, Myles. O caminho se faz caminhando conversas sobre educação e mudança social. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, GADOTTI, M. Palestra de encerramento. In: Maida, M. J. D. (Org.) Presídios e educação. São Paulo: Funap, pp MELLO, G. N. Educação escolar- paixão, pensamento e prática. São Paulo: Cortez, ROSSETTI, Clotilde Ferreira. Redesignificações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto alegre: Artmed, SANTOS, S. A educação escolar no sistema prisional sob a ótica dos detentos. São Paulo SYKES, G. M. The society of captives: a study of a maximum security prison. New Jersey: Princeton University Press, TEIXEIRA, M. C. S. Sócio-antropologia do cotidiano e educação. Rio de Janeiro: Imago, BIBLIOGRAFIAS CONSULTADAS ALVES, Ivonete Aparecida. Formação de Formadores em Presídios. São Paulo. Funap, 2007.(Não publicado)

20 20 BREITMAN, Miriam I. Rodrigues. Mulheres, crimes e prisão: o significado da ação pedagógica em uma instituição carcerária feminina. Porto Alegre,1989. CAMARGO, Antonio Luis Chaves. Sistemas de Penas, Dogmática Jurídico Penal e Política Criminal. São Paulo: Cultura Paulista, CAPELLER, Wanda. O Direito pelo avesso: análise do conceito de ressocialização. Temas IMESC, Soc. Dir. Saúde, São Paulo, DEMO, Pedro. Violência Social Prenúncios de uma avalanche. Revista do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, Min. Justiça/Brasília, v.1, n. 3, p. 9-33, FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir histórias da violência nas prisões. 18ª ed. Petrópolis: Vozes,1998. FURTER,Pierre.Educação e Vida.Petrópolis.Vozes GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos.são Paulo: Editora Perspectiva, GRAMSCI, Antonio. Selections from prision Notebooks. New York: International Publishers, LEMGRUBER, Julita. Nem todo criminoso precisa ir para cadeia: a prisão só serve para quem ameaça a sociedade. Revista Super Interessante, Edição Especial: Segurança. São Paulo:Editora Abril, pp MORAES, Pedro R. Bode. A retórica e a prática da ressocialização em instituições prisionais. Curitiba: Grupos de Estudos da Violência UFPR, ROMÃO, José Eustáquio. Avaliação dialógica desafios e perspectivas. 6ª ed. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, THOMPSON, Augusto. A Questão da Penitenciária. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1980.

Mostra de Projetos 2011. "Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa.

Mostra de Projetos 2011. Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa. Mostra de Projetos 2011 "Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa." Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos finalizados.

Leia mais

A EJA EM PRESÍDIOS: A PERSPECTIVA DE RESSOCIALIZAÇÃO

A EJA EM PRESÍDIOS: A PERSPECTIVA DE RESSOCIALIZAÇÃO A EJA EM PRESÍDIOS: A PERSPECTIVA DE RESSOCIALIZAÇÃO Sandra da Penha Fagundes 1 Rosineide Ferreira Fernandes de Souza 2 Deusilha Araújo da Conceição 3 RESUMO O ensino em presídios nasceu da necessidade

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO EDUCAÇÃO EM PRISÕES Refere-se à oferta de educação como direito de jovens e adultos em privação de liberdade, no marco dos direitos humanos, em modalidade de atendimento que considera necessidades específicas

Leia mais

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA COLÉGIO TIRADENTES DA PMMG- BARBACENA PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA JUSTIFICATIVA Percebendo que a indisciplina escolar é o problema que mais afeta o bom andamento dos alunos iremos trabalhar com

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A EDUCAÇÃO ESCOLAR NO SISTEMA PRISIONAL Fábio Mansano de Mello 1 Leonardo Moraes dos Santos 2

REFLEXÕES SOBRE A EDUCAÇÃO ESCOLAR NO SISTEMA PRISIONAL Fábio Mansano de Mello 1 Leonardo Moraes dos Santos 2 REFLEXÕES SOBRE A EDUCAÇÃO ESCOLAR NO SISTEMA PRISIONAL Fábio Mansano de Mello 1 Leonardo Moraes dos Santos 2 Resumo: O presente trabalho tem por escopo tratar das contribuições e dificuldades do processo

Leia mais

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45 Egressos e mercado de trabalho Imagens externas de presídios no Rio de Janeiro. Imagem Édio Araújo Cooperativa eu quero Liberdade. Gráfico e imagens de apoio. Imagem Maíra Fernandes Presidente do conselho

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM UM PRESÍDIO DE CURITIBA SEGUNDO OS PROFESSORES

A EDUCAÇÃO EM UM PRESÍDIO DE CURITIBA SEGUNDO OS PROFESSORES A EDUCAÇÃO EM UM PRESÍDIO DE CURITIBA SEGUNDO OS PROFESSORES Fernanda Bonatto * - PUCPR fernandabonatto@hotmail.com Romilda Teodora Ens ** - PUCPR romilda.ens@pucpr.br Resumo A presente investigação descreve

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI

Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI Iara Mesquita da Silva Braga Prof. Msc. Do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo - UFPI ATIVIDADES DA CADEIA

Leia mais

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria Elizete Guimarães Carvalho 1 Resumo Discute as experiências vivenciadas no Projeto de Extensão Educando Jovens

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

FORMAÇÃO DE FORMADORES DOS PRESÍDIOS

FORMAÇÃO DE FORMADORES DOS PRESÍDIOS FORMAÇÃO DE FORMADORES EM PRESÍDIO. Ivonete Aparecida Alves, FCT/UNESP - e Fundação Profº Drº Manoel Pedro Pimentel Funap Regional de Presidente Prudente São Paulo/SP ivoneteambiente@gmail.com Resumo:

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

EAD COMO FERRAMENTA TRANSFORMADORA DE VIDAS: O CASO DA PENITENCIÁRIA ESTADUAL DE MARINGÁ

EAD COMO FERRAMENTA TRANSFORMADORA DE VIDAS: O CASO DA PENITENCIÁRIA ESTADUAL DE MARINGÁ EAD COMO FERRAMENTA TRANSFORMADORA DE VIDAS: O CASO DA PENITENCIÁRIA ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ Maringá, PR maio/2011 Paulo Pardo CESUMAR paulo.pardo@ead.cesumar.br Bruno do Val

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO NO SISTEMA PRISIONAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPASSES DE UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO HOMEM PRESO.

EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO NO SISTEMA PRISIONAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPASSES DE UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO HOMEM PRESO. EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO NO SISTEMA PRISIONAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPASSES DE UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO HOMEM PRESO. Marilsa Fátima Favaro, FE/UNICAMP. mfavaro99@hotmail.com Resumo: A proposta

Leia mais

Título: PROEJA-Uniso: um currículo para educar o jovem e o adulto

Título: PROEJA-Uniso: um currículo para educar o jovem e o adulto Título: PROEJA-Uniso: um currículo para educar o jovem e o adulto Beatriz Elaine Picini Magagna Resumo O presente estudo - Um currículo para educar o jovem e o adulto: reflexões sobre a prática pedagógica

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

ESCOLA DA PRISÃO: ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DO HOMEM APRISIONADO? ONOFRE,

ESCOLA DA PRISÃO: ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DO HOMEM APRISIONADO? ONOFRE, ESCOLA DA PRISÃO: ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DO HOMEM APRISIONADO? ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano UFSCar / SP linocam@uol.com.br GT: Educação Popular / n.06 Agência Financiadora: Sem Financiamento

Leia mais

Teatro na Prisão: trajetórias individuais e perspectivas coletivas

Teatro na Prisão: trajetórias individuais e perspectivas coletivas Teatro na Prisão: trajetórias individuais e perspectivas coletivas Natália Ribeiro Fiche Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Professora Assistente do Departamento de Interpretação - UNIRIO

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Helena Beatriz de Moura Belle *

Helena Beatriz de Moura Belle * 196 PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto políticopedagógico da escola. 2 ed. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2002 (Guia da Escola Cidadã, v. 7). Helena Beatriz

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Avanay Samara do N. Santos. Pedagogia - UEPB-CAMPUS III avanaysamara@yahoo.com.br Lidivânia de Lima Macena. Pedagogia -

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Patronato Penitenciário de Ponta Grossa: uma proposta de cidadania e de resgate do direito à educação

Patronato Penitenciário de Ponta Grossa: uma proposta de cidadania e de resgate do direito à educação 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A educação nas prisões

A educação nas prisões A educação nas prisões Jayme B. S. Santiago Tatiana Feitosa de Britto Sumário 1. A população carcerária. 2. Legislação. 3. Programas, projetos e diretrizes. 4. Projetos de lei. 5. Indicações bibliográficas

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil RESUMO Fernanda Azevedo Fagundes 1 Júlia Estefani Alves 2 O presente artigo, busca discutir acerca da função do Coordenador

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PROGRAMA ESCOLA ZÉ PEÃO

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PROGRAMA ESCOLA ZÉ PEÃO O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PROGRAMA ESCOLA ZÉ PEÃO RESUMO Centro de Educação/PROEX MOREIRA¹, Maria Aparecida Sarmento BEZERRA², Fernanda Pereira Maia Este artigo

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL Márcia Regina de Andrade Universidade Federal de Sergipe - UFS Este trabalho pretende refletir sobre a importância

Leia mais

Projeto de prestação de serviços à comunidade uma proposta alternativa para apenados

Projeto de prestação de serviços à comunidade uma proposta alternativa para apenados Projeto de prestação de serviços à comunidade uma proposta alternativa para apenados Sonia Regina Vargas Mansano SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MANSANO, SRV. Projeto de prestação de serviços

Leia mais

RESSOCIALIZAÇÃO DE APENADOS POR MEIO DA

RESSOCIALIZAÇÃO DE APENADOS POR MEIO DA RESSOCIALIZAÇÃO DE APENADOS POR MEIO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA RECUPERANDOS EM REGIME SEMI ABERTO CEFOP Quésia da Cunha Oliveira Regiane Kieper do Nascimento Regina

Leia mais

O desafio da educação nas prisões

O desafio da educação nas prisões Fotos: Christian Montagna O desafio da educação nas prisões A educação prisional, mais do que um instrumento de reintegração social, é um direito conferido aos presos pela igualdade sacramentada na Declaração

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA ESCOLA E DA RESSOCIALIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DETENTOS DA PENITENCIÁRIA PROFESSOR BARRETO CAMPELO

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA ESCOLA E DA RESSOCIALIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DETENTOS DA PENITENCIÁRIA PROFESSOR BARRETO CAMPELO REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA ESCOLA E DA RESSOCIALIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DETENTOS DA PENITENCIÁRIA PROFESSOR BARRETO CAMPELO Autor(a): Sebastião da Silva Vieira Coautor(es): Escarlete Alves Leal

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Belo Horizonte MG Abril 2012 Categoria: C Setor Educacional: 2 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: H / Micro: O Natureza:

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA CURSO DE DIREITO PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MULHERES ENCARCERADAS FACE AO SISTEMA PUNITIVO NO BRASIL Letícia Paim Talavera PORTO ALEGRE 2011 Letícia

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA Gabriela de Aguiar Carvalho, UFC Orientadora: Maria José Costa dos Santos, UFC INTRODUÇÃO

Leia mais

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina;

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina; Considerando que ao Conselho Penitenciário do Estado do Pará compete, de acordo com o Decreto 418/79, inspecionar os estabelecimentos prisionais sediados no Estado do Pará, com objetivo de assegurar condições

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

XI Congresso Brasileiro de Sociologia. 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP. Grupo de Trabalho: Participação social e cidadania

XI Congresso Brasileiro de Sociologia. 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP. Grupo de Trabalho: Participação social e cidadania XI Congresso Brasileiro de Sociologia 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Grupo de Trabalho: Participação social e cidadania Trabalho: Programa Alfabetização Solidária na Construção da Cidadania

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

REMIÇÃO DA PENA PELO ESTUDO ATRAVÉS DA LEITURA

REMIÇÃO DA PENA PELO ESTUDO ATRAVÉS DA LEITURA REMIÇÃO DA PENA PELO ESTUDO ATRAVÉS DA LEITURA Mostra Local de: Quatro Barras (Municípios de Quatro Barras, Piraquara, Pinhais e Campina Grande do Sul) Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências.

O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências. O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências. TAVARES, Tais B. Rutz 1 ; MEIRA, Mirela R. 2 Resumo: Este artigo adota uma perspectiva de que a educação inclusiva é um processo em construção,

Leia mais

Política de inclusão escolar e Educação Física: uma abordagem antropológica

Política de inclusão escolar e Educação Física: uma abordagem antropológica Política de inclusão escolar e Educação Física: uma abordagem antropológica Aline Silva Brasil (Graduanda em Educação Física/UFG) enilabrasil@yahoo.com.br Tendo em vista as discussões atuais, no âmbito

Leia mais

O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA

O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA Ariane Sandrin Pianegonda 1 Inês Bueno Krahe 2 Resumo Este artigo pretende apresentar os resultados da pesquisa desenvolvida durante o curso de extensão: Escola

Leia mais

O PROFISSIONAL BIBLIOTECÁRIO COMO MEDIADOR DO ACESSO À INFORMAÇÃO E CIDADANIA EM BIBLIOTECAS PRISIONAIS

O PROFISSIONAL BIBLIOTECÁRIO COMO MEDIADOR DO ACESSO À INFORMAÇÃO E CIDADANIA EM BIBLIOTECAS PRISIONAIS O PROFISSIONAL BIBLIOTECÁRIO COMO MEDIADOR DO ACESSO À INFORMAÇÃO E CIDADANIA EM BIBLIOTECAS PRISIONAIS Autor: Epitácio Gomes da Silva Neto Graduando em Biblioteconomia Co-autora : Francisca das Chagas

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

O instrumental técnico e a prática do assistente social na penitenciaria lemos brito/rj: uma reflexão crítica Newvone Ferreira da Costa

O instrumental técnico e a prática do assistente social na penitenciaria lemos brito/rj: uma reflexão crítica Newvone Ferreira da Costa Introduccíon O instrumental técnico e a prática do assistente social na penitenciaria lemos brito/rj: uma reflexão crítica Newvone Ferreira da Costa El trabajo social y lãs manisfestaciones de La cuestión

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Trajetórias auto/trans/formativas: diálogos e escuta docentes no PROEJA

Trajetórias auto/trans/formativas: diálogos e escuta docentes no PROEJA Trajetórias auto/trans/formativas: diálogos e escuta docentes no PROEJA Resumo Silvia Regina Montagner 1 Nisiael de Oliveira 2 Caroline da Silva dos Santos 3 A presente investigação configura-se num estudo

Leia mais

EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA

EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA Sala 03- EJA e Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA Ana Sheila Soares Mascarenhas Rodrigo Pereira Universidade

Leia mais

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões.

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões. Como tratar as pessoas: de uma maneira boa, ajudar todas as pessoas. Como não fazer com os outros: não cuspir, empurrar, chutar, brigar, não xingar, não colocar apelidos, não beliscar, não mentir, não

Leia mais

III Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul Porto Alegre 29 de novembro a 1º de dezembro de 2000.

III Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul Porto Alegre 29 de novembro a 1º de dezembro de 2000. III Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul Porto Alegre 29 de novembro a 1º de dezembro de 2000. PESQUISA COMO SUPERAÇÃO DA AULA COPIADA Lourdes Maria Bragagnolo Frison Faculdade Porto - Alegrense

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA 1 FACULDADE DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO ACADÊMICO INTERDISCIPLINAR VII: CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA Autor: Rejane Beatriz

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: UM CAMINHO POSSÍVEL DE (TRANS)FORMAÇÃO HUMANA

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: UM CAMINHO POSSÍVEL DE (TRANS)FORMAÇÃO HUMANA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: UM CAMINHO POSSÍVEL DE (TRANS)FORMAÇÃO HUMANA SILVA, Adriano Cavalcante UERN adricat@bol.com.br ALVES, Anna Celestina Fonseca de Medeiros UERN anna_celestina@hotmail.com DANTAS, Rivânia

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Projetos 2013. Turmas: Maternal e Mini Maternal PROJETO AMIZADE. Justificativa

Projetos 2013. Turmas: Maternal e Mini Maternal PROJETO AMIZADE. Justificativa Projetos 2013 Turmas: Maternal e Mini Maternal Justificativa PROJETO AMIZADE Devido aos constantes conflitos e preconceitos que se encontram e que presencia-se no dia a dia das crianças no seu meio social,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico

PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico Cláudia R. Esteves 1 Muito se tem falado sobre Qualidade de Vida, de como aplicá-la aos seus dias de forma a viver sua saúde física e mental em equilíbrio, de estar

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais