ESTUDO DE ENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE ENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME"

Transcrição

1

2 ESTUDO DE ENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

3 Índice I - Enquadramento II - Benchmarking internacional no domínio de instrumentos de financiamento de PME Small Business Administration (SBA) - EUA Finep - Brasil Instrumentos existentes na União Europeia III - As melhores práticas nacionais no domínio de instrumentos de financiamento de PME As Linhas de Crédito PME INVESTE Fundo Mezzanine - CGD FACCE - Fundo autónomo de apoio à concentração e consolidação de empresas Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas (FIEAE) Fundo de Garantia para Titularização de Créditos (FGTC) FINOVA - Fundo para a Inovação Empresarial Linha de apoio a seguros de crédito IV - Conclusões Ilações gerais Ilações aplicadas a instrumentos disponíveis em Portugal Soluções possíveis de criação/continuidade de instrumentos de financiamento de PME em Portugal V - Referências Projecto co-financiado por: Estudo elaborado por: ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 3

4

5 I - Enquadramento O presente estudo promovido pela Nersant, tem como objectivos principais proceder a uma análise de benchmarking de mecanismos de financiamento de PME a médio/lon - go prazo existentes nos Estados Unidos da América, no Brasil e na União Europeia e analisar o seu potencial de aplicação à realidade nacional, tendo em conta a oferta deste tipo de mecanismos já existente em Portugal. Como mecanismos de financiamento de médio/ /longo prazo de empresas, entendese as origens (externas) permanentes de fundos, que resultam de uma estrutura equilibrada entre capital próprio e capital alheio e mesmo a transformação de activos estáveis em disponibilidade, contemplando as se - guintes hipóteses clássicas de modalidades: Dívida bancária a médio/longo prazo; Leasing; Incentivos reembolsáveis. Financiamento via activos: Fundos de investimento imobiliário; Operações de lease-back; Titularização de créditos. A oferta de cada modalidade de financiamento no mercado depende também do estádio do ciclo de vida onde a empresa de encontra e da existência de evidentes falhas de mercado que tendem a ser cobertas por organismos estatais, pelo facto de não exis- Capital próprio: Subscrição de capital: - Subscrição privada; - Capital de risco (formal/informal); - Subscrição pública (via IPO - colocação em bolsa). Capital alheio: Suprimentos/Mezzanine; Obrigações (convertíveis, participantes, híbridas); ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 5

6 tirem financiadores/investidores no mercado com o perfil de risco adequado a esses segmentos de mercado não cobertos, fenómeno particularmente sentido quando estão em causa empresas de menor dimensão (e logo com um risco de default maior associado). Fonte: Produção Própria Fonte: Produção Própria 6 ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

7 II - Benchmarking internacional no domínio de instrumentos de financiamento de PME Apresentam-se de seguida exemplos de instrumentos de apoio à capitalização de PME existentes nos EUA, Brasil e disponibilizados/dinamizados directamente pela União Europeia, como exercício de benchmarking para a sua potencial aplicação em Portugal e, mais especificamente, podendo a Nersant liderar a sua dinamização na região da Leziria e Médio Tejo. 1. Small Business Administration (SBA) - EUA O SBA disponibiliza uma variedade instrumentos de capitalização de empresas de pequena e média dimensão para fins muito específicos, tendo as se guintes modalidades: Empréstimos a empresas (loans programmes) orientado para necessidades especiais, como por exemplo para empresas que lidam com as exportações para países estrangeiros, as empresas que operam em zonas rurais, e para outros fins muito específicos. Programa de microcrédito (microloan program) orientado para pequenas em - pre sas. O SBA coloca os fundos à dispo - sição em financiadoras especializadas que se tornam intermediários do pro cesso. São geralmente instituições sem fins lucrativos, organizações de base comunitária, com experiência na concessão de empréstimos, bem como de gestão e assistência técnica. O mon tante máximo de empréstimo disponibilizado por esta via é de USD$ Programa de empréstimo para desenvolvimento (CDC/505 loan program), que constitui uma ferramenta de financiamento de longo prazo, destinada a incentivar o desenvolvimento económico dentro de uma comunidade, sendo orientado para pequenas empresas com necessidades de financiamento a longo prazo, para ad quirir acti vos fixos importantes para a sua ex pan são ou moder nização. Programa de apoio à emissão de obrigações (surety bonds e tax-exempt bonds) emitidas por pequenas e médias empresas, via garantia prestada aos subscritores dessas obrigações, contemplando esse apoio também as condições para tornar os títulos transaccionáveis no mercado de capitais. De notar que todos estes instrumentos e programas não são disponibilizados directamente pelo SBA às empresas, mas através de entidades financeiras parceiras, envolvendo normalmente um esquema de garantia associada aos empréstimos ou emissão de obrigações. ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 7

8 2. Finep - Brasil No Brasil, como entidade de destaque na disponibilização de instrumentos financeiros a PME, identificamos a FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos, que é uma empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e que tem como missão apoiar a inovação e o desenvolvimento da comunidade científica brasileira, ao financiar a implantação de novos grupos de pesquisa e a criação de programas de financiamento da expansão da infra-estrutura de nacional de I&D. Exemplos de projectos financiados pelo FINEP: o desenvolvimento do avião Tucano da Empresa Brasi lei ra de Aeronáutica (Embraer), o apoio a inúme ros projectos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e de universidades, que foram essenciais para o desenvolvimento tecnológico do sistema agropecuário brasileiro, tornando-o um dos mais competitivos do mundo e o financiamentos de projectos de pesquisa e de formação de recursos hu manos da Petrobras, em parceria com universidades, que contribuíram para o domínio da tecnologia de exploração de petróleo em águas profundas e que estão a contribuir para a auto.suficiência do Brasil neste sector de actividade. Os instrumentos disponibilizados pelo FINEP a empresas combinam recursos reembolsáveis e não-reembolsáveis, sempre orientados para o apoio à inovação e competitividade do sector empresarial. No caso de apoio a fundo perdido, inclui programas de apoio exclusivo a instituições públicas ou organizações privadas sem fins lucrativos para investigação científica ou tecnológica ou de inovação. O apoio a empresas, passa pela disponibilização de um apoio reembolsável, orientado para aquelas que demonstrem capacidade de pagamento e condições para desenvolver projectos de I&D, variando os prazos de carência e amortização, assim como os encargos financeiros, de acordo com as características da empresa, da modalidade de financiamento, do projecto em causa e da instituição financeira parceira. Em suma, esta possibilidade de apoio pode passar pela bonificação de juros, para a realização de projectos de investigação, desenvolvimento e inovação de bens, serviços ou para a capacitação tecnológica de empresas brasileira. A FINEP financia até 90% do valor total do financiamento nesta modalidade, via instituição financeira parceira. Para projectos desenvolvidos por micro e/ou pequenas empresas inovadoras, o empréstimo concedido não terá taxa de juro associada (Programa Juro Zero), apenas uma possibilidade de reembolso ajustada à geração de cashflows dos projectos. A FINEP disponibiliza também apoios a empresas via capital de risco (Programa Inovar), que se assemelha muito ao modelo existente em Portugal via Fundo Finova (detalhado mais adiante no presente estudo). No âmbito deste Programa, a FINEP lança concursos para gestores existentes e poten- 8 ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

9 ciais de fundos e sociedades gestoras de fundos de capital de risco, orientados para qualquer sector de actividade, com vista a serem analisados projectos de Private Equity que se enquadrem no âmbito da actividade do organismo e que possam ser alavancados com fundos da FINEP (via subscrição directa de UP s desses Fundos). 3. Instrumentos existentes na União Europeia Programa Quadro de Competitividade e Inovação (PCI) No âmbito do Programa-Quadro de Competitividade e Inovação (PCI) promovido pela União Europeia, foram atribuídos 1,130 milhões de euros para instrumentos financeiros de apoio a empresas ao longo do período de 2007 a Estes instrumentos estão organizados em dois subprogramas, os quais são geridos pelo Fundo Europeu de Investimento (FEI) em representação da Comissão Euro - peia: O mecanismo de apoio a PME Inovadoras e de elevado crescimento (MIC), que visa aumentar a entrada de fundos próprios nas PME inovadoras quer numa fase inicial (MIC1), quer numa fase de expansão (MIC2). O MIC partilha os riscos e os ganhos com os investidores privados, funcionando como um importante dinamizador para a entrada de capital próprio em empresas inovadoras. O mecanismo de garantia PME (GPME), que disponibiliza garantias adicionais a intermediários financeiros dos países mem bros, com o intuito de facilitar o acesso das PME ao financiamento ban cá - rio através de empréstimos. Este mecanismo está direccionado para corrigir falhas de mercado em quatro áreas: - acesso a empréstimos bancários em condições privilegiadas (ou substitutos de empréstimos, como a locação finan ceira) pelas PME com potencial de crescimento; - concessão de micro crédito; - acesso a fundos de capital próprio ou quase-capital próprio; - apoio a mecanismos de titularização. RESUMO DOS APOIOS DISPONIBILIZADOS NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIP, VIA FEI Garantias de empréstimos Garantias para carteiras de microcrédito Garantias para investimentos no capital próprio e quase-fundos de capital próprio em PME Garantias para apoiar os programas de titularização Taxa de garantia de 50%; Taxa de capitalização de 10%. Empréstimo Max: ; Taxa de garantia de 75%; Taxa de capitalização de 20%. Montante máximo de garantidos; Taxa de garantia de 50%; Taxa de capitalização de 20%. Taxa de garantia de 50% para a primeira perda, que pode ser reforçada a 100%; Pelo menos 50% da carteira titularizada deverá conter créditos concedidos a PME (100% do montante). Fonte: FEI ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 9

10 JEREMIE (Joint European Resources for Micro-to-Medium Enterprises - recursos europeus conjuntos destinados às empresas de micro a média dimensão) O Programa JEREMIE é uma iniciativa conjunta da Comissão Europeia e do Fundo Europeu de Investimento com o Banco Europeu de Investimento. O seu objectivo é melhorar o acesso ao financiamento das micro empresas e das PME, bem como, em especial, a oferta de micro crédito, de financiamento de capital de risco ou de garantias e outras formas de financiamento inovador. É dada especial atenção ao apoio de empresas inovadoras em fase de arranque (start-ups), à transferência de tecnologia, assim como a fundos de tecnologia e inovação e ao micro crédito. A iniciativa JEREMIE é gerida como parte integrante de programas do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, e os projectos são selecciona dos ao nível nacional e regional pertinente. As acções da iniciativa JEREMIE foram agora iniciadas em nove Estados - Membros/regiões da UE. Estão actualmente em negociação outras acções (ilhas Canárias em Espanha, várias regiões italianas e Malta). Deve referir-se que a gestão deste programa e a selecção dos projectos são feitas a nível nacional e/ou regional. JASMINE - Acção conjunta para apoiar instituições de micro crédito na Europa: O Programa JASMINE é uma iniciativa conjunta da Comissão Europeia e do Fundo Europeu de Investimento com o Banco Europeu de Investimento, que complementa a iniciativa JEREMIE. Tem por objectivo desenvolver a oferta de micro crédito na Europa essencialmente através da adopção de duas medidas principais: Proporcionar assistência técnica para instituições de micro crédito, de forma a ajudá-las a tornarem-se intermediários financeiros credíveis e a obter capital mais facilmente; Financiar as actividades de instituições financeiras não bancárias, de forma a permitir que concedam um maior número de empréstimos. O objectivo do Programa é melhorar o acesso ao financiamento de pequenas em - presas, pessoas desempregadas, ou de pessoas actualmente sem emprego que gos - tariam de desenvolver profissões liberais mas sem possibilidade de aceder aos serviços de crédito bancário tradicionais. Este programa foi lançado em 2009 com uma fase-piloto de três anos e com um capital inicial de 50 milhões de euros. JESSICA - Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas Trata-se de um programa de apoio a fundos de investimento imobiliários nos países membros que promovam de forma próactiva projectos coerentes com as estratégias de desenvolvimento regional, das prioridades dos programas operacionais / critérios de 10 ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

11 elegibilidade dos fundos FEDER. Poderão ser apoiados por este Programa projectos com as seguintes características: Reabilitação ou melhoria de infraestruturas urbanas existentes, incluindo entre outros espaços públicos, ruas, estações de transporte público, parques de estacionamento, mobilidade urbana limpa, etc; Reabilitação/Patrimonio, como os destinados à conservação e melhoria do pa - trimónio histórico/cultural, projectos destinados a fins turísticos ou de serviços; v Áreas industriais abandonadas, incluindo o recondicionamiento de instalações industriais em desuso, incluindo as operações de demolição e descontaminação; Espaços para empresas que promovam projectos de I&D (PMEs), incluindo instalações e escritórios para investigação e desenvolvimento, PMEs que desenvolvam actividade em sectores inovadores; Projectos que promovam o desenvolvimento local, incluindo iniciativas para a criação de emprego. Investimentos próprios do Fundo Europeu de Investimento (FEI) A actividade directa do FEI baseia-se em dois instrumentos principais, sempre disponibilizados por via de parceiros financeiros e nunca de forma directa a empresas: Os instrumentos de capital de risco do FEI (instrumento PVCi), que consiste na alavancagem directa de fundos de capital de risco (já existentes ou a constituir), vocacionados para apoiar essencialmente PME e promovidos por equipas gestoras profissionais dos estados membro e incubadoras de empresas, especialmente vocacionadas para apoiar empresas recém- -criadas e do sector tecnológico. Os instrumentos de garantia de crédito concedido directamente por instituições financeiras intermediárias dos estados membros a PME, que poderão incluir bancos, locadoras financeiras, sociedades e fundos de garantia mútua (via iniciativa CIP e Programa Jeremie, atrás apresentados). A actividade do FEI em Portugal tem sido desenvolvida em torno daqueles dois instru- ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 11

12 mentos, tal como se pode observar pelo quadro seguinte: Em Portugal, o Fundo de Contra-Garantia Mútuo, gerido pela SPGM - Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua, onde são obrigatoriamente contragarantidas todas as ga - rantias emitidas pelas Sociedades de Garantia Mútua a operar no mercado nacional (contribuindo assim para o desenvolvimento equilibrado do Sistema), foi um dos intermediários que beneficiou do mecanismo de garantia PME via FEI, com maior sucesso e impacto (visível, por exemplo, nas linhas de financiamento PME-Invest, adiante, neste estudo, referenciadas). 12 ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

13 Fonte: SPGM Empréstimos do Banco Europeu de Investimento (BEI) Para o período de , o BEI reservou 30 mil milhões de euros para empréstimos a PME. Estes empréstimos são atribuídos através de intermediários como, por exemplo, os bancos comerciais dos países membros, através de linhas de crédito específicas com vista a financiar investimentos em activos tangíveis e intangíveis e em fundo de maneio pelas PME beneficiárias. Os empréstimos serão concedidos com prazo de pagamento entre 2 a 12 anos, com uma quantia máxima fixa em 12,5 milhões de euros por empréstimo. Em Portugal, já diversas insti - tuições financeiras disponibilizaram a empresas linhas de crédito especiais com o apoio do BEI. ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 13

14

15 III - As melhores práticas nacionais no domínio de instrumentos de financiamento de PME Identificadas algumas das melhores práticas internacionais na oferta de instrumentos financeiros para PME, alguns deles, como referido atrás, acabaram por ter aplicação directa em Portugal, nomeadamente os associados ao Fundo Europeu de Investimento. Nesta secção identificam-se um conjunto de instrumentos de apoio actualmente disponibilizados a PME no nosso país, alguns deles co-financiados com o apoio de Fundos Estruturais do QREN - Quadro de Referência Estratégico Nacional e dos próprios me canismos do FEI atrás referenciados. 1. As Linhas de Crédito PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE foram criadas em 2008 com o objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomea - damente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações bancárias através do recurso aos mecanismos de garantia do Sistema Nacional de Garantia Mútua. Neste âmbito foram disponibilizadas, desde a sua cria ção, seis linhas de crédito no montante global de milhões de euros, nomeadamente: PME INVESTE / QREN milhões de euros; PME INVESTE II / QREN milhões de euros; PME INVESTE III milhões de euros; PME INVESTE IV milhões de euros; PME INVESTE V milhões de euros; PME INVESTE VI milhões de euros; PME INVESTE VI-ADITAMENTO milhões de euros. Fonte: PME-Investimentos No dia 23 de Dezembro de 2010 foi protocolada, com as Instituições de Crédito, a Linha de Crédito PME INVESTE VI - ADITA- MENTO, a que se encontra actualmente em vigor, com uma dotação global de milhões de euros, tendo sido criadas duas li nhas específicas: Uma para micro e pequenas empresas, no montante de 500 milhões de euros; Outra, para empresas em geral, com um montante de milhões de euros, dos quais 50% para empresas exportadoras. São consideradas operações elegíveis no âmbito desta linhas, as seguintes: Financiamento de investimentos novos em activos fixos corpóreos ou incorpóreos (realizados no prazo máximo de 6 meses após a data da contratação): ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 15

16 Reforço do fundo de maneio ou dos capitais permanentes; Até 30% do empréstimo para liquidar dívidas contraídas junto do sistema financeiro nos 3 meses anteriores à contratação da operação e destinadas, exclusivamente, à regularização de dívidas à Administração Fiscal e Segurança Social. O tipo de operações elegíveis para esta linha PME-Investe (que acaba por ser idêntica às anteriores, com excepção das operações de consolidação de dívida), são os empréstimos bancários de médio e longo prazo, os contratos de locação financeira imobiliária e locação financeira de equipamentos, que beneficiam de uma garantia mútua sobre 50% do valor de cada financiamento, exceptuando o caso de empresas exportadoras que não tenham tido operações no âmbito das anteriores linhas PME Investe, que usufruem de uma majoração de 10% adicional sobre o capital em dívida. Existem também bonificações de spread (parcial) no caso da linha específica para micro e pequenas em pre sas e isenção integral da comissão de garantia mútua para todas as empresas beneficiárias da linha. Tal como acontecia com as linhas anteriores, os valores a financiar são acumuláveis com financiamentos prestados ao abrigo das Linhas PME Investe anteriores, embora com um limite de 100 mil euros no caso da micro e pequenas empresas. 2. Fundo Mezzanine - CGD A Caixa Geeral de Depósitos, através do seu operador especializado Caixa Capital, sendo vocacionado para apostar em falhas de mercado, para além de uma intervenção clara no segmento de start-up s e early stages, via Programa Caixa Empreender + (vocacionado para o financiamento de negócios emergentes e empresas de criação recente -early stages-, com preponderância para as indústrias baseadas no conhecimento e tecnologia aplicada, isto via um fundo de capital de risco de 25 milhões de euros), lançou em 2009 um fundo de capital de risco orientado para a capitalização de PME, baptizado por Fundo Mezzanine. Trata-se de um fundo com uma dotação de 150 Mi -lhões de euros e consiste num ins - trumento quasi-equity a incorporar no mix de financiamento em empresas de segmentos onde existe uma relutância cultural ao capital de risco, pois sendo um instrumento financeiro híbrido, que combina ca racterísticas de capital e de dívida, correspondendo assim a um patamar intermédio entre essas duas dimensões estruturantes no balanço das empresas, permitindo, comparativamente ao capital de risco tradicional, diferir as decisões sobre a abertura efectiva do ca pital. Este instrumento está orientado para o segmento de empresas de dimensão intermédia com ambição estratégica, bem capacitadas, que apresentem vantagens competitivas no mercado internacional e com elevado poten- 16 ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

17 cial de valorização, em que se verifique uma particular dinâmica de modernização, crescimento e expansão, o que em alguns casos pode envolver processos de concentração empresarial, sucessão e de tomada de controlo por gestores. Fundamentalmente, este instrumento, que envolve um montante médio de cada intervenção entre os 2,5 e os 10 milhões de euros, foi desenhado para obter maior flexibilidade no reembolso, com um período de carência até os 4 anos e um custo de capital em co llar, parametrizado por uma componente fixa e outra indexada à valorização do negócio. A natureza de produto quasi-capital surge enfatizada ao ser desviado o enfoque da perspectiva patrimonial, para a necessidade de alinhamento de interesses em torno da capacidade de gerar meios libertos fu tu ros, assumindo pois os empresários natural preponderância e responsabilidade. Os recursos financeiros disponibilizados deverão contribuir para executar um plano de negócios que consubstancie uma forte am - bição estratégica, sustentada na robustez da situação económica e financeira actual, na capacidade competitiva no mercado e na qualidade da equipa de gestão. A operação mezzanine será normalmente liquidada entre o sexto e sétimo ano, nos termos contratualmente estabelecidos, cumpri - da a sua função instrumental de alavanca no salto qualitativo encetado pela empresa, podendo contudo vir a ser enquadrada numa solução financeira global, como acima referido. Na base da configuração deste instrumento flexível e de ajustamento gradual, esteve o facto da oferta tradicional de capital de risco nem sempre dispôr de soluções que facilitem a aproximação aos empresá rios do segmento PME de maior valor, nomeadamente por implicar um juízo não coincidente sobre o valor das empresas, a partir de informação necessariamente assimétrica e por determinar uma evo lução na cultura organizacional e nas práticas instituídas, necessária para corresponder ao padrão de exigência dos novos investidores. Fonte: Caixa Geral de Depósitos 3. FACCE - Fundo autónomo de apoio à concentração e consolidação de empresas O FACCE é um dos três instrumentos do Programa PME Consolida, destinados a concretizar as medidas de apoio especial à actividade económica e ao emprego prevista no Programa Iniciativa para o Investimento e o Emprego aprovado pelo Governo anterior. O Fundo foi lançado em 2008 com uma dotação orçamental de 175 milhões de euros, constituindo um me canismo de co-financiamento de operações de rees truturação, concentração e consolidação de empresas, em especial Pequenas e Médias Empresas (PME). ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 17

18 O FACCE tem os seguintes objectivos: Apoiar o crescimento económico e a cria - ção, a manutenção e a qualificação de emprego; Reforçar a competitividade das empresas e da economia nacional; Incentivar a reestruturação, a concentração e a consolidação empresarial e; Estimular o empreendedorismo, a dinâ - mica de crescimento e a expansão empresarial. A PME Investimentos - Sociedade de Investimento, S.A., foi designada como entidade gestora do FACCE, tendo como destinatários empresas, em especial PME, de diversos sectores económicos e que apresentem a sua situação regularizada perante a Administração Fiscal e a Segurança Social. O FACCE apoia a realização de operações de reestruturação, concentração e consolidação de empresas e de projectos de demonstrada valia económica de reestruturação empresarial, associações em participação ou outras formas de parcerias industriais e comerciais estáveis. A intervenção do FACCE nas empresas consubstancia-se nas seguintes modalidades possíveis: Subscrição ou aquisição de participações sociais, bem como de valores mobiliários ou direitos convertíveis ou permutáveis; Subscrição ou aquisição de títulos de dívida emitidos por empresas; Concessão directa de créditos a empresas ou participação, por qualquer forma, na concessão de empréstimos ou em mecanismos de prestação de garantias a financiamentos concedidos a empresas por terceiros. O FACCE adopta como modo privilegiado de intervenção a complementaridade do financiamento a conceder com outras formas de financiamento das empresas, nomeadamente por via do recurso à obtenção de crédito junto de instituições de crédito protocoladas com a PME-investimentos. O financiamento directo a conceder pelo FACCE não pode ultrapassar o menor dos se - guintes valores: o montante correspondente a 40% das necessidades de financiamento da operação ou do projecto e; 10 milhões de Euros. Fonte: PME-Investimentos 4. Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas (FIEAE) Este Fundo de Investimento Imobiliário, dota - do inicialmente com 100 milhões de euros, foi criado para apoiar a aquisição de imóveis integrados no património de empresas como forma de dotação destas mesmas empresas de recursos financeiros imediatos, normalmente acompanhada da reserva de utilização e direito ou obrigação de recompra desses mesmos imóveis pelas empresas transmitentes. 18 ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

19 Através do seu contributo para a dotação das empresas, em especial pequenas e médias empresas (PME), de liquidez financeira imediata, o FIEAE tem como principais objectivos o apoio de empresas economicamente viáveis, ainda que enfrentando eventuais dificuldades financeiras, apostando por este modo no seu saneamento, na sua estabilização e consolidação, na sua modernização e eventual redimensionamento e, em qualquer caso, na criação, manutenção e qualificação do respectivo emprego. A prossecução dos objectivos do FIEAE concretiza-se, essencialmente, através da aqui - sição pelo mesmo de imóveis a empresas, em especial PME, os quais são subsequentemente dados de arrendamento, ou outra forma de cessão onerosa da utilização, a essas mesmas empresas em termos que, sendo norteados por princípios de rigor, segurança, rendibilidade e diversificação de risco, assegurem a continuada utilização dos mesmos imóveis pelas empresas em causa, no exercício das respectivas actividades, e o adequado retorno do investimento feito pelo FIEAE. Fonte: PME-Investimentos ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME 19

20 5. Fundo de Garantia para Titularização de Créditos (FGTC) O Fundo de Garanttia para Titularização de Créditos (FGTC) foi constituído através do Decreto-Lei nº 188/2002, de 21 de Agosto. Os seus participantes são o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI) e o Turismo de Portugal (TP), que possuem, respectivamente, 88% e 12% do capital do fundo. A PME Investimentos assumiu, em Junho de 2003, a função de entidade gestora do FGTC. Com uma dotação de 25 milhões de euros, o FGTC funciona como instrumento de pres - tação de garantias no âmbito de operações de titularização de créditos sobre PME, de empréstimos obrigacionistas emitidos por PME e de empréstimos obrigacionistas emitidos em sindicato por diferentes PME, tendo como objectivo último, contribuir para o aumento da capacidade de acesso ao financiamento por parte das PME nacionais. O FGTC interveio, como veículo de garantia, na primeira operação de titularização de créditos a PME em Portugal, a Douro SME Series 1, realizada pelo Banco BPI em Maio de Esta operação consistiu na titularização de uma parte da carteira de empréstimos concedidos a PME, pelo Banco BPI, no valor de 500 milhões de euros. A sua estrutura foi composta por várias tranches, de rating e grau de subordinação crescente, definidas por três agências de rating: Moody s, Fitch e Standard&Poors. As tranches de maior no - tação foram colocadas no mercado, junto de investidores institucionais, do Banco Europeu de Investimento e do KfW. As tranches de maior risco foram adquiridas pelo Banco BPI. Salienta-se ainda as intervenções do Fundo Europeu de Investimento e do FGTC como garantes de parte da operação, sendo que a garantia prestada pelo FGTC incide sobre o valor nominal das obrigações, até ao montante de 24 milhões de euros. Devido à participação do FGTC nesta operação, o encaixe financeiro gerado, no valor de 500 milhões de euros, foi aplicado, pelo Banco BPI, na concessão de empréstimos de médio e longo prazo, a PME, durante o período de 2 anos. Esse compromisso foi cum prido em Setembro de 2006, tendo o Banco BPI concedido novos financiamentos a PME, correspondentes a um valor total de 500 milhões de euros. O acompanhamento da performance da carteira titularizada é realizado tendo por base os relatórios trimestrais produzidos pelo Banco BPI e pelo Fundo Europeu de Investimento (entidade contratada pela PME Investimentos para a monitorização da operação de titularização). Pelos mesmos tem-se aferido que as taxas de incumprimento verificadas na carteira titularizada têm sido substancialmente inferiores às previamente estipuladas na montagem da operação, e que esses incumprimentos têm sido cobertos 20 ESTUDO DE BENCHMARKING DE MECANISMOS INOVADORES DE FINANCIAMENTO DE PME

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Financiamento empresarial

Financiamento empresarial Financiamento empresarial de mercado e outras soluções Lisboa, Março 2012 rita.seabra@iapmei.pt Síntese 1. Seleccionar o financiamento do projecto 2. Opções de financiamento e abordagem a financiadores

Leia mais

Soluções de Financiamento

Soluções de Financiamento Soluções de Financiamento andre.marco@iapmei.pt Tortosendo, 4 Dez 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Soluções de Financiamento No quadro do Programa REVITALIZAR deverão ser considerados todas as

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades -

Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades - O papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento na recapitalização das empresas Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades - Ricardo Luz Administrador Executivo Pousada

Leia mais

Soluções de Financiamento

Soluções de Financiamento Soluções de Financiamento andre.marco@iapmei.pt Direção de Participadas e Instrumentos Financeiros Abril de 2013 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 1 2 O Programa REVITALIZAR PER (Processo Especial de

Leia mais

Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM. Fundo de Contragarantia Mútuo

Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM. Fundo de Contragarantia Mútuo Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM Fundo de Contragarantia Mútuo Sessões Turismo de Portugal, Abril 2010 Apresentação Segmentos de Actuação Linhas de Oferta

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

financiar um novo negócio

financiar um novo negócio financiar um novo negócio Microfinanciamento para a Inovação AIP andre.marco@iapmei.pt Direção de Participadas e Instrumentos Financeiros 2014 Acesso a Financiamento Partilha pública de risco e ou cofinanciamento

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José Fernando Figueiredo Presidente Executivo Lisboa,

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 O parceiro das PME 2 Missão Visão Produtos e Serviços Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias

Leia mais

IFD. Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal

IFD. Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento no apoio ao Financiamento das Empresas Portuguesas Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José

Leia mais

Fundo Europeu de Investimento Atividade na União Europeia e em Portugal Anabela Silva*

Fundo Europeu de Investimento Atividade na União Europeia e em Portugal Anabela Silva* Fundo Europeu de Investimento Atividade na União Europeia e em Portugal Anabela Silva* Resumo Pretende-se com este artigo dar a conhecer a estratégia, política e ação do Fundo Europeu de Investimento na

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM José Fernando Figueiredo Presidente do Conselho de Administração Sessão PRIME - Lisboa 4 Fevereiro 2010 POTENCIAR MECANISMOS DO MERCADO... Poupança 2 ... AO LONGO DO

Leia mais

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas Junho 2009 2 PME Investe IV Condições Específicas Breve Resumo das Condições CARACTERIZAÇÃO GERAL Linha Específica Sectores Exportadores Linha Micro e Pequenas Empresas Montante Global Até 400 milhões

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

Ciclo de Conferências CIP Economia Portuguesa Competitividade e Crescimento

Ciclo de Conferências CIP Economia Portuguesa Competitividade e Crescimento Ciclo de Conferências CIP Economia Portuguesa Competitividade e Crescimento A ATUAL OFERTA DE FINANCIAMENTO 28 de novembro de 2014 Centro de Congressos de Lisboa Teresa Duarte Administradora da Norgarante

Leia mais

PME Investe VI Aditamento

PME Investe VI Aditamento PME Investe VI Aditamento O apoio do FINOVA às empresas Fundo gerido pela PME Investimentos No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe,

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho LINHAS DE CRÉDITO E APOIO ÀS EMPRESAS DOS AÇORES 2011- Junho CONJUNTURA INTERNACIONAL ADVERSA No final do ano de 2008 dá-se o colapso de algumas das principais instituições financeiras dos EUA Rápida contaminação

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Os instrumentos financeiros no período de programação 2014-2020

Os instrumentos financeiros no período de programação 2014-2020 O Crescimento começa nas cidades Fundo JESSICA Portugal: Balanço e Futuro 4 DE NOVEMBRO 2013 Os instrumentos financeiros no período de programação 2014-2020 Dina Ferreira Instituto Financeiro Desenvolvimento

Leia mais

Soluções de Financiamento FINICIA

Soluções de Financiamento FINICIA Projetos, Financiamento e Empreendedorismo Soluções de Financiamento FINICIA Cascais, 28 de Outubro de 2011 andre.marco@iapmei.pt Direcção de Participadas e Instrumentos Financeiros no IAPMEI. Soluções

Leia mais

Apoio às PME s Instrumentos Financeiros - Garantia Mútua

Apoio às PME s Instrumentos Financeiros - Garantia Mútua Apoio às PME s Instrumentos Financeiros - Garantia Mútua maio 2015 1 Índice 1. Principais Características do SNGM e Agrogarante 2. Setores apoiados 3. Produtos 4. Protocolos & Linhas Específicas 5. Apoios

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

Urbana. Urbana. Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 16 Nov 2010. Nuno Vitorino

Urbana. Urbana. Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 16 Nov 2010. Nuno Vitorino Inicia&va Iniciativa JESSICA JESSICA Financiamento Financiamento de de Projectos Projectos Sustentáveis Sustentáveis de Reabilitação de Reabilitação Nuno Vitorino Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 JESSICA

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

Para tal, é possível sistematizar algumas destas situações, que requerem abordagens distintas:

Para tal, é possível sistematizar algumas destas situações, que requerem abordagens distintas: INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP-ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS SOBRE O PAINEL PROGRAMAS FINANCEIROS DE APOIO ÀS EMPRESAS PORTUGUESAS INTEGRADO NO COLÓQUIO ECONOMIA PORTUGUESA

Leia mais

Apresentação POR LISBOA

Apresentação POR LISBOA Apresentação POR LISBOA 1 POR LISBOA FINOVA Fundo de Apoio ao Financiamento à Inovação Intervém nas diferentes vertentes de apoio ao financiamento de PME, com vista a reforçar a solidez, competitividade

Leia mais

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal A União Europeia e o apoio às Empresas Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal Abril 2010 Programa-Quadro para a Competitividade e a Inovação (CIP) Programa-Quadro para

Leia mais

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 )

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 985/2009, de 4 de Setembro, Aprova a criação do Programa de Apoio ao Empreendimento e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE), a promover e executar pelo Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

Linha de Crédito e Garantias QREN INVESTE - Síntese dos Termos e Condições -

Linha de Crédito e Garantias QREN INVESTE - Síntese dos Termos e Condições - - Síntese dos Termos e Condições - A Condições Gerais da Linha 1. Montante Até 800 milhões de euros. 2. Prazo de Vigência Até 6 meses após a abertura da Linha de Crédito, podendo este prazo ser extensível

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Índice. I - Enquadramento... 4. II - Capital de Risco em Portugal... 5. 1. Fundos sob Gestão... 5. 2. Fundraising... 7. 3. Investimento...

Índice. I - Enquadramento... 4. II - Capital de Risco em Portugal... 5. 1. Fundos sob Gestão... 5. 2. Fundraising... 7. 3. Investimento... Índice I - Enquadramento....................................................................... 4 II - Capital de Risco em Portugal............................................................ 5 1. Fundos

Leia mais

Soluções de Financiamento

Soluções de Financiamento Soluções de Financiamento CEC/CCIC, 25 de Outubro 2013 Osória Veiga Miranda Direção de Assistência Empresarial MINISTÉRIO DA ECONOMIA O que acontece ao nível das empresas As empresas, em particular as

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS Reforço dos Capitais Permanentes Nuno Gonçalves nuno.goncalves@iapmei.pt Linhas de Crédito Linhas LINHAS DE FINANCIAMENTO VALOR Operações Entradas Operações

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2014

Linha de Crédito PME Crescimento 2014 Linha de Crédito PME Crescimento 2014 As empresas têm à sua disposição, desde o passado dia 3 de março, uma nova linha de crédito para apoiar o financiamento da sua atividade. Trata-se da linha PME Crescimento

Leia mais

O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES

O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES 14 de Novembro de 2014 Braga Teresa Duarte Administradora Norgarante POTENCIAR MECANISMOS DE MERCADO Poupança

Leia mais

Startups na UE. Startups na UE. Da idealização à concretização

Startups na UE. Startups na UE. Da idealização à concretização Startups na UE Da idealização à concretização 1 DO QUE TRATAMOS HOJE? Subvenções, instrumentos financeiros e outros mecanismos que potenciem a criação e o reconhecimento de startups. As novas empresas,

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO 1. Objectivo Estratégico : 1º. Banco das melhores PME Porto, 20 de Outubro de 2008 Luís Rego Direcção de Empresas Norte 1 2 Segmentação de Empresas Clientes e Redes Clientes

Leia mais

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S. Fórum Exportador Cedrac INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S. Fórum Exportador Cedrac INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Fórum Exportador Cedrac IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Guimarães, 12 de Junho de 2015 Maria João Nunes Administradora Executiva da IFD Missão, Ambição e Enquadramento

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO?

WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO? WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO? FINANCIAMENTOS DISPONÍVEIS para PME s Mecanismos de Financiamento 1. Sistemas de Incentivos do QREN 2. Linhas PME Investe 3. Microcrédito 4. Valtejo FINICIA 5. PAECPE

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO CONSIDERANDO: A Portaria n^ 985/2009, de 4 de Setembro, criou o Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE),

Leia mais

APOIO E FINANCIAMENTO AO DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS. Criação e desenvolvimento de negócios Soluções de financiamento

APOIO E FINANCIAMENTO AO DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS. Criação e desenvolvimento de negócios Soluções de financiamento APOIO E FINANCIAMENTO AO DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Criação e desenvolvimento de negócios Soluções de financiamento Lisboa, 21/01/2014 André Março andre.marco@iapmei.pt 1 Acesso a Financiamento Partilha

Leia mais

FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO. Mar./2009. rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt

FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO. Mar./2009. rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO na fase START-UP rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt Mar./2009 FINICIA Apresentação composta por duas partes: 1. Instrumentos

Leia mais

CRESÇA COM A NORGARANTE

CRESÇA COM A NORGARANTE CRESÇA COM A NORGARANTE QUEM SOMOS? A Norgarante é uma das quatro Sociedades de Garantia Mútua existentes em Portugal, atuando sobretudo junto das Micro, Pequenas e Médias empresas localizadas na zona

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos 1. Beneficiários: 1.1 Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores, que desenvolvam actividade enquadrada na lista de CAE s abaixo mencionadas,

Leia mais

Linha Garantia Mútua - FEI 2013-2015. Ficha de Produto

Linha Garantia Mútua - FEI 2013-2015. Ficha de Produto Linha Garantia Mútua - FEI 2013-2015 Ficha de Produto 1) Beneficiários: Pequenas e médias empresas, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, localizadas em território nacional,

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais. Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015)

Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais. Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015) Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais PEEI Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015) Programa +E+I Enquadramento Resolução do Conselho de Ministros nº54/16

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) PROGRAMA OPERACIONAL FATORES DE COMPETITIVIDADE E PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DE LISBOA E DO ALGARVE Deliberação da CMC POFC: 2/07/2008, 31/12/2008, 11/05/2010 e 23/08/2012 e Deliberação da CMC POR:

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS 25 de maio de 2015 PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS ATRAVÉ DO RECURSO AOS FUNDOS FUNDO EUROPEUS ESTRUTURAIS IS E DE INVESTIMENTO O estímulo ao tecido empresarial trazido pelo programa Portugal 2020

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema de Apoio a Ações Coletivas

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) que: 1. Tenham

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.3

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.3 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO 30 de dezembro de 2011 Linhas PME Investe Sector do Turismo Características Gerais e Condições de Financiamento - Linhas Específicas do Sector do Turismo - PME INVESTE

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS

INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS Porto Business School IFD O que podem esperar as empresas? INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Ricardo Luz Administrador Executivo da IFD 16 de Junho de 2015

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional são uma forma eficiente

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe, estão abertas a partir de 18 de Junho

Leia mais

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME Ana Rosas Ana.rosas@iapmei.pt FINANCIAMENTO Ciclo de Vida das Empresas FINICIA FINCRESCE FINTRANS FINANCIAMENTO FINICIA Projectos de Forte Conteúdo

Leia mais

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014 Apoios à Internacionalização Lisboa, 27 de Março de 2014 Tópicos Sistemas de Incentivos às Empresas (QREN) Novo Quadro (2014-2020) Gestão do Risco Instrumentos de Financiamento Multilaterais Financeiras

Leia mais