Portugueses já só querem o seguro mais barato

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portugueses já só querem o seguro mais barato"

Transcrição

1 SEGUROS DOSSIER MENSAL SOBRE O MERCADO SEGURADOR VidaEconómica ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1418, DE 4 NOVEMBRO DE 2011, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Portugueses já só querem o seguro mais barato económicas obrigam muitos portugueses a cortar custos, abdicando de coberturas complementares no seguro automóvel e restringindo a abrangência da apólice às coberturas obrigatórias, numa altura em que a venda de veículos novos também sofre uma quebra acentuada. Enquanto isso, as seguradoras estão a braços com os efeitos das sucessivas descidas do prémio médio do seguro automóvel e, apesar de reconhecerem a necessidade de inversão deste fenómeno, constatam que tal ainda não foi possível de concretizar. Páginas II a V FORMAÇÃO APROSE e AEP apostam ANÁLISE Seguro automóvel com subscrição negativa de 27 milhões em 2010 Pág. III Pág. VI CONSULTÓRIO JURÍDICO Resolução do contrato de agência de seguros Pág. VIII

2 II sexta-feira, 4 novembro de 2011 SEGUROS CONSUMIDORES ANULAM MAIS COBERTURAS DE DANOS PRÓPRIOS Portugueses já só querem o seguro mais barato As restrições nos orçamentos familiares estão a levar muitos portugueses a abdicar das coberturas de danos próprios nos seus seguros de automóvel e a subscrever apenas coberturas de responsabilidade civil contra terceiros. É a forma encontrada por muitos consumidores para manter o seguro obrigatório, mas reduzir encargos com o prémio anual do seguro ANA SANTOS GOMES Mais crise, menos automóveis vendidos, menos viaturas a circular, menos apólices de seguro automóvel subscritas. É assim a lógica que impera no mercado de seguro automóvel, que, naturalmente, sente diretamente os efeitos da crise económica e a necessidade de redução de custos que todos os dias é manifestada pelos consumidores. Se tivermos em consideração a quebra acentuada das vendas de veículos novos em Portugal, que já atinge cerca de 30% relativamente a 2010, essa realidade tem naturais consequências no número de apólices no mercado, que tem tendência a reduzir, confirma Paulo Jácome, diretor de Gestão de Produto do ramo Automóvel da Allianz. Em concreto estamos a falar de menos veículos novos a circular, em comparação com os vendidos em 2010, explicita. Com a atual conjuntura económica a condicionar negativamente a evolução do mercado de automóveis, novos e usados, a quebra na procura de soluções mais completas de seguros também se evidencia. A consequência do atual contexto de crise parece ser o aumento da procura por parte dos clientes de seguros de Responsabilidade Civil mais baratos, ficando para segundo lugar o critério da escolha pela qualidade, revelam Joaquim Aguiar e Rui Almeida, responsáveis técnicos da Generali, onde apenas 26,4% das apólices de seguro automóvel incluem coberturas de danos próprios. Também João Gama, diretor de Comunicação da MAPFRE, confirma que, como o rendimento disponível das famílias e empresas está a diminuir, afetando a sua capacidade de consumo e investimento, estamos a sentir uma pressão na procura de soluções mais económicas. Ainda assim, a MAPFRE é, entre as companhias contactadas pela Vida Económica, aquela que apresentava uma percentagem superior de coberturas de danos próprios (35%) na sua carteira automóvel. Alterar as coberturas da apólice, reduzindo a proteção inerente ao seguro, tem sido a estratégia de muitos portugueses para continuar a cumprir o requisito legal de circular com seguro automóvel válido, mas reduzindo o seu custo para valores mínimos. A decisão mais frequente passa por deixar de subscrever coberturas facultativas de danos próprios, limitando a abrangência da apólice às coberturas contra terceiros, beneficiando da consequente redução do prémio do seguro. Maurício Oliveira, administrador da Açoreana, reconhece que um seguro com cobertura de danos próprios tem um custo substancialmente superior ao de um seguro que tipicamente garante danos a terceiros, por isso o reflexo deste fenómeno no setor segurador é inevitável. A redução do peso dos seguros de danos próprios leva a uma óbvia redução do volume de prémios do ramo, constata o responsável da Açoreana, para quem o abrandamento da atividade no setor de venda de veículos automóveis, principalmente de veículos novos, com perspetivas ainda mais negativas para o ano 2012, também acaba por afetar negativamente o setor segurador, uma vez que começa a não existir um aumento do parque automóvel. À procura de Inovação É perante este cenário que as companhias de seguros começam a sentir necessidade de adequar a sua oferta ao contexto de redução de custos que abrange a generalidade dos orçamentos familiares dos portugueses. Este contexto lança-nos desafios muito interessantes do ponto de vista da criatividade e da inovação, no sentido de construirmos soluções e produtos a preços acessíveis, reconhece Rita Sambado, diretora de Marketing da Fidelidade Mundial e Império Bonança, onde um em cada seis veículos estão seguros contra o risco de choque, colisão ou capotamento. E é precisamente a ideia de recorrer a soluções inovadoras que está já a ser posta em prática na AXA, assegura Alexandra Catalão, diretora de Oferta e Segmentos Estratégicos, que defende que, neste contexto de crise, as seguradoras devem estar ao lado da economia e das famílias, proporcionando condições que permitam a melhor subscrição do seguro automóvel. É isso que estamos a fazer na AXA, redesenhando a nossa oferta através da introdução de um novo pack, designado Simply, que disponibiliza, para bons condutores, apenas as coberturas essenciais, a preço económico, para fazer face à obrigatoriedade do seguro automóvel. Nesta altura, a AXA dispõe de 20% da sua carteira automóvel com coberturas de danos próprios.

3 SEGUROS Zurich estreia campanha publicitária ANA SANTOS GOMES O sorriso, a cadeira azul e o conceito de número 1 foram os três ingredientes combinados pela Zurich na campanha publicitária que arrancou esta semana e que estará no ar até dezembro na rádio, imprensa, outdoors e internet, além dos balcões da rede Zurich. Destacar a qualidade de serviço da companhia é um dos principais objetivos da campanha, que procura capitalizar a recente distinção no estudo ECSI Portugal, onde a Zurich alcançou Seguro Automóvel com subscrição negativa de 27 milhões em 2010 ANA SANTOS GOMES As seguradoras registaram um resultado de subscrição negativo de 27 milhões de euros no ramo Automóvel em 2010, conclui a análise anual do mercado de seguro automóvel da consultora Actuarial. Os resultados técnicos do ramo só foram positivos no final do ano passado (55 milhões de euros) graças ao contributo dos rendimentos financeiros, que chegaram aos 82 milhões de euros no final de 2010, revela também a análise da consultora, segundo a qual um resultado de subscrição tão acentuadamente negativo já não era registado em Portugal desde o ano Entre as causas identificadas pela Actuarial para justificar este fenómeno está a redução do prémio médio do seguro automóvel, que ficou 46% abaixo da inflação registada de 2001 a A este fator junta-se ainda o aumento da frequência de sinistros registado nos últimos anos em Portugal. Além de a frequência de sinistros com danos materiais ter subido entre 2007 e 2010, Portugal registou também um significativo incremento do número de sinistros com danos corporais em Perante estes resultados, a Actuarial estima que o capital em risco bruto das seguradoras no ramo Automóvel, antes de efeitos de diversificação com outros ramos e riscos, seja de 121 milhões de euros, o que representará 8,3% dos seus capitais próprios, traduzindo uma subida de 5% face ao ano anterior. Este resultado torna-se especialmente relevante com a proximidade da entrada em vigor da diretiva Solvência II, prevista para 2013, ano a partir do qual as seguradoras terão de satisfazer os seus capitais em risco através dos respetivos capitais próprios. o primeiro lugar no índice de satisfação de clientes. A campanha foi lançada em quatro países, mas em cada um deles a mensagem foi adaptada ao contexto nacional. Em Portugal, o fator que nos leva a concentrar esforços neste último trimestre é a atual situação económica e financeira, que tem estado no centro das atenções, explica Ana Quintela, diretora de Comunicação da Zurich Portugal. Hoje, mais do que nunca, os clientes têm de acreditar que a sua companhia de seguros está preparada para responder no futuro. Temos o desafio do mercado e da situação económica, mas temos também uma companhia com 93 anos de experiência e resiliência, sustenta Ana Quintela, que explica os restantes elementos-chave da campanha. O elemento sorriso assinala a dedicação aos clientes que estão no centro de tudo o que fazemos. Isto significa que antecipamos e compreendemos as suas necessidades e estamos orientados para responder a essas prioridades. E a cadeira azul representa a rede da Zurich, que presta um serviço próximo e de qualidade em mais de 800 pontos de contacto em Portugal. STUDO ECSI PORTUGAL PRÉMIO SATISFAÇÃO DO CLIENTE sexta-feira,4 novembro de zurich.com/onde_estamos III Como asseguro a protecção da minha família? É simples escolho o nº1. Contacte o seu Mediador Zurich e perceberá porque somos a companhia de seguros líder na satisfação do Cliente em Portugal.

4 IV sexta-feira, 4 novembro de 2011 SEGUROS COLECIONÁVEL SEGURO AUTOMÓVEL Seguro obrigatório Para circular com um veículo automóvel é obrigatório ter um seguro de responsabilidade civil, que cobre os danos causados a terceiros na sequência de um sinistro automóvel, sempre que o condutor do veículo seguro seja responsável pelo acidente. O seguro obrigatório, vulgarmente chamado de seguro contra terceiros, não cobre os danos causados no próprio veículo. Prémio Preço do seguro a pagar por cada apólice anual. Apesar de o contrato ter duração anual, pode solicitar o fracionamento trimestral ou semestral do pagamento, podendo a seguradora incrementar os preços fracionados para corresponder ao acréscimo de carga administrativa que tal representa Anulação do seguro O seguro tem duração anual e apenas é válido após o pagamento do respetivo prémio. Caso pretenda proceder à anulação da apólice, bastará ao segurado não efetuar o pagamento do prémio e o seguro será automaticamente anulado assim que expirar o prazo de pagamento. O segurado não é obrigado a contactar a seguradora para avisar da intenção de anular a apólice. Carta verde Quando o segurado concretiza o pagamento do seu seguro automóvel, a companhia seguradora procede à emissão da carta verde, documento que comprova que aquele seguro é internacionalmente reconhecido. Em Portugal, o Gabinete Português de Carta Verde é a entidade responsável pela emissão de cartas verdes. Condutor habitual Todas as apólices de seguro automóvel indicam o nome do condutor habitual do veículo seguro. São os dados referentes a esse condutor habitual que determinam o cálculo do prémio e não os dados do tomador de seguro. Pode ter influência no cálculo do prémio a idade e sexo do condutor habitual, a experiência de encartado, o historial de sinistros e o local onde reside, pois há diferentes níveis de risco nas várias regiões do país. Ocupantes e condutores Na apólice de seguro automóvel, mesmo com a cobertura mínima obrigatória, estão cobertos os danos corporais sofridos pelos ocupantes da viatura. Mas é possível adicionar à apólice uma cobertura opcional de acidentes pessoais, complementando a proteção dos ocupantes do veículo. Em caso de sinistro, esta cobertura garante uma indemnização pelos danos corporais sofridos pelos ocupantes da viatura. A cobertura de ocupantes não inclui o condutor do veículo, que poderá também ser coberto adicionalmente, se o tomador de seguro assim o solicitar. Geralmente, as seguradoras disponibilizam uma cobertura de acidentes pessoais especificamente para esse efeito. Danos próprios Além do seguro automóvel obrigatório, que cobre apenas a responsabilidade civil perante terceiros, é possível incluir na apólice a cobertura de danos próprios. Só assim estará a garantir que a seguradora suportará as despesas de reparação de danos provocados no seu próprio veículo, mesmo que a culpa do acidente seja sua. Declaração Europeia de Acidente Sempre que viajar para um Estado- Membro da União Europeia, o segurado deve certificar-se de que possui a carta verde do seu seguro automóvel e de que transporta também consigo uma Declaração Europeia de Acidente, documento normalizado para preencher em caso de acidente, tal como acontece em Portugal com a Declaração Amigável de Acidente Automóvel. Como proceder em caso de sinistro No local do acidente anote a matrícula do(s) veículo(s) interveniente(s) e os dados possíveis sobre a identificação do condutor e da sua seguradora. O dístico que contém os elementos de identificação da seguradora deve estar obrigatoriamente visível no vidro de todos os veículos. Se houver testemunhas oculares do acidente, procure anotar também alguns elementos de identificação. Não se esqueça de colocar o triângulo a pelo menos 30 metros do local do acidente e, se necessário, acender as luzes das viaturas. Deve também vestir o colete refletor antes de sair da viatura. Regularização de sinistros só com danos materiais Com a entrada em vigor do Decreto- Lei N.º 291/2007, a 21 de outubro desse ano, entraram em vigor os novos prazos de regularização de sinistro automóvel, que as companhias de seguros são obrigadas a cumprir a partir do momento em que recebem a participação de um sinistro. Independentemente da responsabilidade, a participação do sinistro tem de ser apresentada na seguradora no prazo máximo de 8 dias após o acidente ou conhecimento da sua ocorrência. A partir da data de receção da participa- PUB ção, a seguradora dispõe de 2 dias úteis para contactar o segurado ou o terceiro lesado e mais 8 dias úteis para concluir as peritagens aos veículos sinistrados. Este último prazo pode ser alargado para 12 dias úteis se houver necessidade de desmontagem de algum veículo sinistrado. Concluída essa operação, a seguradora dispõe de mais 4 dias úteis para apresentar o relatório de peritagem. Quando tiverem decorrido 30 dias a contar da data em que o segurado ou o terceiro lesado receberam o primeiro contacto da companhia seguradora, esta é obrigada a comunicar-lhe a assunção ou rejeição de responsabilidades na regularização do sinistro. O segurado ou lesado pode contestar essa posição no prazo de 5 dias úteis, tendo a seguradora mais 2 dias úteis para analisar a contestação e dar uma resposta definitiva. No caso de assumir o pagamento de uma indemnização, a seguradora deverá liquidar esse pagamento nos 8 dias úteis seguintes. Se tiver sido apresentada declaração amigável de acidente automóvel, todos estes prazos são reduzidos a metade. Os prazos previstos na lei podem também ser alargados para o dobro em caso de ocorrência de fatores climatéricos excecionais ou em caso de ocorrência de um número excecionalmente elevado de acidentes em simultâneo. Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA) Se houver acordo quanto à responsabilidade do acidente, os intervenientes podem preencher uma única declaração, que deverá ser assinada por ambos. Cada um dos intervenientes entrega uma das folhas da declaração à sua seguradora, para que esta proceda à regularização do sinistro. A declaração deve ser apresentada à seguradora ou ao mediador de seguros no prazo de oito dias após a ocorrência ou tomada de conhecimento da ocorrência. Se não houver acordo quanto à responsabilidade do acidente, cada interveniente preenche uma declaração amigável com a sua versão do sinistro e entrega na sua seguradora. Em caso de dúvida, não assuma a culpa do acidente nem atribua responsabilidades, deixando que sejam as companhias a averiguar a responsabilidade do sinistro. Pode solicitar a intervenção das autoridades policiais caso um dos intervenientes no sinistro se recuse a exibir o comprovativo do seguro automóvel obrigatório, manifeste intenção de abandonar o local do acidente ou ainda sempre que do sinistro resultarem danos corporais. Convenção IDS Se o sinistro envolver apenas duas viaturas e dele resultarem exclusivamente danos materiais inferiores a euros, o preenchimento da Declaração Amigável de Acidente Automóvel permite acionar o sistema de Indemnização Direta ao Segurado (IDS). Ao abrigo deste sistema, cada seguradora regulariza diretamente o sinistro do seu segurado num processo mais célere, para posteriormente as companhias acertarem contas entre si. Sinistro no estrangeiro Em caso de ocorrência de sinistro em país estrangeiro, contacte o Gabinete Nacional de Seguros do país onde ocorrer o acidente. Os contactos estão inscritos no verso da sua Carta Verde, que deverá acompanhá-lo sempre que viajar para o estrangeiro, bem com a documentação do veículo. Sinistro com veículo de matrícula estrangeira Em caso de sinistro ocorrido em território nacional com veículo de matrícula estrangeira anote o máximo número possível de dados relativos à identificação do proprietário e/ou do condutor do veículo e da sua apólice de seguro, caso esta exista. Identifique o país de circulação habitual do veículo e solicite, se possível, uma cópia da carta verde do condutor. Participe o sinistro no Gabinete Português da Carta Verde.

5 SEGUROS sexta-feira, 4 novembro de 2011 V COMPANHIAS QUEREM AUMENTAR TARIFÁRIOS MAS RECONHECEM DIFICULDADES EM CONCRETIZAR ESSA ASPIRAÇÃO Preço do seguro automóvel continua a descer As companhias de seguros ainda não conseguiram travar a fundo a descida do preço do seguro automóvel, embora alguns operadores reconheçam a necessidade e subir preços para não sacrificar mais a rentabilidade do ramo. A alternativa tem sido a redução do peso do ramo automóvel na carteira. ANA SANTOS GOMES Depois de anos de sucessiva redução do prémio médio do seguro automóvel, o mercado assistiu em 2009 e 2010 a uma desaceleração da intensidade decrescente do preço do seguro, mas não é certo que consiga já este ano registar uma inversão do fenómeno. Entre os 7 milhões de veículos seguros em Portugal no ano passado, o prémio médio de seguro automóvel era de 241 euros, menos 71 euros que o prémio médio de 312 euros praticado em 2006, segundo dados divulgados pela Associação Portuguesa de Seguradores Apesar de muitos operadores reconhecerem que algumas das condições que no passado fundamentaram a descida de preços, como a redução da sinistralidade e a otimização de recursos das companhias, já não servirem hoje para justificar totalmente o tarifário praticado genericamente no mercado, a realidade vem demonstrar que subir preços não tem sido tarefa fácil entre os operadores. Existe uma necessária tentativa de inversão por grande parte das seguradoras do mercado, no entanto coexiste com esta tentativa a prática de alguns operadores, com o objetivo de conquistarem novos negócios, de aplicarem prémios médios ainda inferiores, embora não tão acentuadamente como nos anos anteriores, admitem Joaquim Aguiar e Rui Almeida, responsáveis técnicos da Generali. A multinacional italiana garante que os seus prémios médios mantêm-se este ano a níveis idênticos aos de 2010 e reconhece que chegou a pensar em subir o seu tarifário, mas as práticas de mercado enunciadas e o contexto social não o permitem. Aposta na venda cruzada Outra multinacional a operar em Portugal, a Liberty, assume estar em contraciclo. Estamos a crescer acima do mercado, pelo que o cenário de crise ainda não foi sentido, afirma Cláudia Tabora, gestora de produto na multinacional norte-americana. A mesma responsável confirma que o fenómeno de redução do prémio médio continua a ser uma realidade em Portugal e na própria Liberty Seguros o prémio médio deste ramo desceu ligeiramente em O ramo automóvel tem vindo a conquistar um peso crescente na carteira Não Vida da seguradora e representa atualmente 65% dessa carteira. Mas esta não tem sido a postura predominante no mercado segurador. O ramo Automóvel era tradicionalmente o de maior peso na carteira da Generali, mas fruto da nossa política de diversificação e participação em negócios de grande dimensão e também em negócios internacionais, tem vindo a diminuir o seu peso, constatam Joaquim Aguiar e Rui Almeida. Hoje, o ramo Automóvel pesa 38,4% na carteira Não Vida da Generali e 53% da carteira Não Vida da MAPFRE, que tem adotado uma política semelhante. O peso deste ramo tem vindo a decrescer ligeiramente ao longo dos últimos anos, uma vez que temos vindo a adotar uma política que aposta muito em aumentar o nível de fidelização dos nossos clientes através do cross-selling. Esta estratégia permite-nos servir melhor os nossos clientes, otimizando os seus níveis de proteção e oferecendo condições mais vantajosas, explica João Gama, diretor de Comunicação da multinacional espanhola. Menos expressivo é já o peso do ramo Automóvel na certeira Não Vida da Fidelidade Mundial e Império Bonança, do grupo Caixa Geral de Depósitos, que ronda atualmente os 40%. Rita Sambado, diretora de Marketing das duas companhias, reconhece que o fenómeno de redução de prémios continua a ser uma realidade no grupo CGD e diz mesmo que esta redução só não é mais acentuada porque têm vindo a verificar uma maior adesão dos clientes a campanhas para sensibilização de determinados riscos, aumentando a subscrição de algumas coberturas facultativas que, naturalmente, incrementam o preço do seguro. A responsável das companhias de seguros do grupo CGD acredita também que o fenómeno de preços baixos no seguro automóvel deverá continuar a ser uma realidade mesmo que a principal razão para a redução do prémio médio possa não ser a mesma. Segundo Rita Sambado, à agressividade competitiva verificada nos últimos anos juntase agora a quebra na venda de veículos novos, o que implica o envelhecimento do parque automóvel. Este cenário faz reduzir a procura de soluções com coberturas mais abrangentes de danos próprios, resultando na reestruturação da composição das carteiras e o impacto desta realidade no prémio médio. Subida de preços para breve? Subir preços é a solução inevitável reconhecida por vários operadores, mas repetidamente adiada. Por quanto mais tempo, é uma incógnita. Uma gestão equilibrada e a própria sustentabilidade das operações obrigarão a uma paragem ou mesmo inversão deste caminho, antecipa João Gama, da MAFRE. Na AXA, Alexandra Catão, diretora de Oferta e Segmentos Estratégicos da AXA, também considera que a subida do prémio médio já deveria ser uma realidade hoje, promovendo um ajustamento progressivo e correto em termos de preço. A responsável da AXA alega que a crise económica que se instalou e a forte competitividade do mercado, em particular, das seguradoras de direto, levaram as seguradoras ditas tradicionais a reposicionarem-se quanto ao fator preço, pelo que os prémios médios continuam a ser baixos não correspondendo ao risco assumido pelas seguradoras. Também Maurício Oliveira, administrador da Açoreana, do grupo Banif, reconhece que existe uma necessidade clara de equilibrar os resultados de rentabilidade de um ramo que tem um peso muito significativo na atividade seguradora e que muitas vezes tem de ser alavancado com outros ramos que vão apresentando resultados mais positivos. No entanto, lembra o responsável da Açoreana, esta inversão ainda não é muito visível, mantendo-se os valores significativamente abaixo dos valores tecnicamente desejáveis para um ramo com esta magnitude.

6 VI sexta-feira, 4 novembro de 2011 SEGUROS CALENDÁRIO DE EVENTOS DA ATIVIDADE SEGURADORA NOVEMBRO/2011 CONSULTE ONLINE EM Local Contactos e informações Data Evento Organização Cidade Endereço Telefone Fax Web page 7/11/11 Curso: Contrato de Seguro elearni ng elearning INETESE Curso: Seguros de 7 a 9/11/11 Lisboa R. Rodrigo Fonseca, 41 APS Acidentes de Trabalho 8/11/11 9/11/11 9/11/11 9/11/10 Curso: Seguro automóvel elearning elearning INETESE Curso: Seguros de Incêndio e Elementos da Natureza elearning elearning INETESE Curso: Análise de risco elearning elearning INETESE Conferência: Novas oportunidades no mercado segurador Porto Hotel Tiara Park Porto 10/11/11 Curso: Fraude em Seguros Lisboa Rua Viriato, 25, 5º 14/11/11 14/11/11 16/11/11 23/11/11 23/11/11 29/11/11 29 e 30/11/11 Curso: Seguros de Responsabilidade Civil Geral Curso: Agentes e corretores de seguros Curso: Negociação comercial Curso: Responsabilidade Ambiental e Seguro de Responsabilidade Ambiental Curso: Prospecção comercial Curso: Como melhorar o controlo de gestão Seminário: Coberturas e implicações dos seguros na aviação Koolsite- Soluções Informáticas IFA-Instituto de Formação Actuarial Lisboa R. Rodrigo Fonseca, 41 APS elearning elearning INETESE Leça da Palmeira & Lisboa Av. Dr. António Macedo & Av. D. João II,Lt º Dto Lisboa Rua Viriato, 25, 5º Leça da Palmeira & Lisboa Leça da Palmeira & Lisboa Av. Dr. António Macedo & Av. D. João II,Lt º Dto Av. Dr. António Macedo & Av. D. João II,Lt º Dto AEP & APROSE IFA-Instituto de Formação Actuarial AEP & APROSE AEP & APROSE Lisboa A designar IIR Portugal O particular momento que se vive na Europa, especialmente nos PIIGS (Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha), com especial incidência na Grécia e Portugal, levam-nos a constatar com preocupação que momentos cada vez mais difíceis se estão aproximar. O surfista diria que estamos quase na crista da onda, mas a massa de água que aí vem, acompanhada da forte réplica que se sentirá, fará prever tempos de crime violento, seja ele ao nível do roubo e furto ou na sua componente de ações de vandalismo, maliciosas ou de sabotagem. Os canais de televisão e jornais sensacionalistas têm beneficiado com isso, pois as notícias começam a ser avassaladoras neste país à beira-mar plantado. O que fazem os empresários em geral e o público em particular para se acautelarem? Grosso modo, fazem como a avestruz, pondo a cabeça na areia a ver se a tempestade passa ou então pensando e desejando que o próximo ator principal da edição jornalística não seja ele com o comentário nada original de que a empresa não possui seguro ou tem, mas desatualizado. Esta inserção no texto torna-se recorrente, o que não sabemos é se o jornalista a insere no início, no meio ou no final da peça. Vem isto a propósito de, grosso modo, só uma ínfima parte dos novos contratos é que registam a inclusão das coberturas de Atos de Vandalismo, Maliciosos ou de Sabotagem. No que concerne aos antigos, como se costuma dizer, estão bem e recomendam-se, LUIZ FILIPE ACTASEGUROS-CORRETORES DE SEGUROS, SA Felizes os que nada esperam pois nunca serão defraudados pois, caso exista sinistro, são mais uns a engrossar o Clube EMC Estende a Mão à Caridade. Efetivamente, pensamos que tal facto não resultará do acréscimo de prémio, por o mesmo não ser significativo, mas antes pelo conceito subjacente da cobertura de Todos os Riscos, que não são mais do que aqueles que a seguradora tem para oferecer. Acautelemo-nos, porque, se houver qualquer dano nos nossos bens, sejam eles automóveis, habitações, escritórios, fábricas, etc., a seguradora pagará em função dos riscos cobertos e não da consequência. Isto é, por outras palavras, se houver um incêndio provocado por Ato de Vandalismo, ou a apólice possui esta última cobertura ou o cliente teve três azares: o primeiro, por ter tido o sinistro, o segundo, por não ter pedido a cobertura, o terceiro e principal, pelo facto de que quem o aconselhou a subscrever não perceber de seguros, como grande parte dos bancários a venderem seguros. Se ao menos entendessem da sua atividade, então a área económica ou financeira da Europa não estava como se encontra. Mas, afinal, o cliente feliz é aquele que nada espera pelo que nunca será defraudado. Aconselhamo-lo antes que a onda rebente a contactar um mediador profissional de seguros ou a visitar o site isto profissionalmente falando, porque para amadorismo ou conversa mole sempre tem o seu banco para tratar dos seguros, venda de publicações, anéis, máquinas de café, automóveis, casas e demais a que a venda de dinheiro os obriga.

7 SEGUROS sexta-feira, 4 novembro de 2011 VII Associado em Destaque SÓCIOS-GERENTES DA WINSURANCE DESDRAMATIZAM CONSTRANGIMENTO COMERCIAL ENTRE BANCA E SEGUROS Vamos habituar-nos a conviver com a venda forçada de seguros na banca Merece a oposição inicial dos mediadores, mas é um fenómeno inevitável, reconhecem Nuno Muñoz Mendes e José Espírito Santo, sócios-gerentes da mediadora Winsurance. A crescente venda de seguros na banca, associada à concessão de crédito, é uma realidade incontornável e os responsáveis da Winsurance só esperam que a regulação desta atividade comercial esteja sujeita à mesma rigidez que o setor segurador. Vida Económica O que justifica que 70% dos seguros do ramo Não Vida sejam distribuídos por agentes e corretores de seguros? Nuno Muñoz Mendes e José Espírito Santo - Há várias razões para essa evidência, sendo que a primeira será a proximidade do cliente. Na maior parte das vezes entende-se essa proximidade como unicamente geográfica e não é assim. A proximidade social e cultural é também outra forma de proximidade que tem um peso significativo na hora da decisão de contratação. Por outro lado, não podemos ainda esquecer que uma boa parte dos hoje intervenientes na mediação foram profissionais das seguradoras que, por uma razão ou por outra, em determinado momento decidiram enveredar pela mediação. Por fim, há uma razão de peso que resulta dos seguros assentarem na promessa de retribuição pecuniária decorrente de determinada situação adversa e que só se comprovará precisamente pela ocorrência dessa situação. Deste modo é imperativo que essa promessa tenha crédito e a melhor forma de o alcançar é através das (boas) relações pessoais. O nome da entidade/seguradora ajuda, mas o crédito pessoal é muitas vezes determinante na concretização do negócio e esse está com o mediador. Por outro lado, pesa também como fator de decisão e escolha o facto de haver uma cara a quem recorrer em caso de sinistro. Não será melhor e mais económico para todos melhorar o nível de serviço em vez de pensarmos numa ilusória redução de custos?, questionam Nuno Muñoz Mendes e José Espírito Santo VE - Alguns responsáveis máximos de seguradores admitiram recentemente que o preço dos seguros ainda pode baixar. Considera haver espaço para tal? Porquê? NM/JES - Não podemos dar qualquer opinião a este respeito. Cada responsável saberá o que pode e deve fazer para otimizar os seus resultados. Se isso passa por reduzir os preços, então deverá fazê-lo. No entanto, essa tendência anunciada não está em consonância com as mensagens frequentemente transmitidas por alguns responsáveis, que se queixam da atual situação. Ao longo dos últimos anos temos vindo a assistir a um progressivo emagrecimento de alguns custos na área da gestão, quer administrativa, quer de sinistros, potenciando redução de prémios, mas a frequência e severidade de sinistros balanceiam em sentido contrário. Ao nível da redução de custos administrativos das seguradoras, é inquestionável que muitas das tarefas que tinham passaram para os mediadores profissionalizados, que deixaram de ser meros informadores para serem uma extensão da própria seguradora, emitindo contratos de seguro e regularizando sinistros, além da assistência comercial permanente aos clientes. Cumpre-nos também dizer que esse aumento de tarefas não está consonante com o aumento da retribuição, assistindo-se a uma redução do comissionamento. Estamos, de facto, numa época em que o dinheiro é tudo, mas todos nós, com maior ou menor nível de responsabilidades, deveremos equacionar se não será melhor e mais económico para todos melhorar o nível de serviço (seguradora, mediador, prestadores) em vez de pensarmos numa ilusória redução de custos. VE - O plano de assistência financeira a Portugal prevê a privatização da Caixa Seguros. Que alterações, na perspetiva da mediação de seguros, poderão resultar desta operação? NM/JES - Este fator, por si só, não deverá ser determinante, no entanto, a situação económica, as políticas das empresas e os interesses dos seus acionistas impelirão a alguma concentração do mercado, de que deverão ocorrer fusões e aquisições. A Caixa Seguros, por si só, é demasiadamente grande para ser alienada como um todo, pelo que a lógica económica deverá determinar a alienação de partes da empresa e a diferentes operadores. Como em tudo na vida, existirão vantagens e inconvenientes. Dependerá tudo da forma como essa operação for concretizada e fundamentalmente do comportamento dos novos players. Aguardemos, portanto, para ver como vai evoluir esta situação que forçosamente terá de nos preocupar, dada a representatividade da Caixa Seguros na atividade seguradora. VE - A crise de liquidez e a consequente dificuldade de acesso ao crédito bancário por parte dos consumidores tem acentuado a venda forçada de seguros por parte dos bancos como contrapartida da concessão de financiamento. Que leitura faz deste facto? NM/JES - A primeira reação de qualquer mediador é crítica, pois sente na pele, e na carteira, os seus efeitos. Porém, é algo inevitável e teremos que nos habituar a conviver com tal tipo de constrangimento. O que é importantíssimo é que as autoridades competentes exerçam um controlo, fiscalização e penalização efetiva e dissuasora das más práticas e dos exageros que possam ser adotados pelas entidades bancárias, pois verifica-se um elevado grau de exigências por parte do Instituto de Seguros de Portugal para com a mediação profissional, e que concordamos, enquanto por parte das entidades bancárias, por norma, não há o conhecimento necessário para assegurar o mero acompanhamento comercial. VE - Fala-se muito na fidelização do cliente. Considera que as seguradoras se preocupam com a fidelização das redes de mediação? De que modo? NM/JES - Não podemos generalizar. Há seguradoras que o fazem de forma sistemática e outras nem por isso. Algumas, poucas, das seguradoras com quem trabalhamos, e que por uma questão de princípio não divulgamos, têm-nos honrado com um apoio efetivo. Honra lhes seja feita. O modo como se tem manifestado esse apoio é bem diverso e vai desde a disponibilização dos meios de comunicação e trabalho até ao nível de remuneração e, sobretudo, pela permanente disponibilidade para nos ouvir e tratar dos problemas que se nos apresentam. PME com projeção internacional A empresa surgiu por decisão de Nuno Muñoz Mendes, que tinha adquirido competências e conhecimentos específicos na licenciatura de Gestão de Banca e Seguros e feito já um percurso profissional na assessoria económica e financeira e na mediação de seguros. Apesar do pai se ter oposto inicialmente à escolha profissional do filho, rapidamente decidiu associar-se ao projeto. Sendo tão profundamente conhecedor do mercado, tanto a jusante quanto a montante, nacional e internacionalmente, aportou fatores de diferenciação e valor acrescentado em benefício claro da empresa e dos nossos clientes, reconhece os sócios-gerentes. Com instalações no centro de Lisboa e em Loures, a mediadora integra atualmente 5 profissionais. O nosso negócio é dual. Se, por um lado, estamos enfocados no negócio dito tradicional, dos segmentos de particulares e pequenas e médias empresas (PME), onde temos a nossa maior força de trabalho, por outro lado, e numa visão de futuro, estamos muito enfocados em segmentos de negócio de valor acrescentado, designados de riscos especiais, revelam os dois responsáveis da Winsurance. É precisamente para dar seguimento a este último projeto que a Winsurance recorre a parcerias de âmbito internacional. Temos parceria com a associação europeia de corretores especializados no setor Audiovisual, assumimo-nos líderes desse mesmo mercado ao nível europeu, tendo representação mundial nos EUA, América Latina, China, Índia e Austrália, confirmam Nuno Muñoz Mendes e José Espírito Santo.

8 VIII sexta-feira, 4 novembro de 2011 SEGUROS CONSULTÓRIO JURÍDICO Resolução do contrato de agência de seguros PUB CORVACEIRA GOMES Departamento jurídico/director Executivo APROSE Considera-se justa causa o comportamento da contraparte que, pela sua gravidade e consequências, torne imediata e praticamente impossível a subsistência da relação contratual Tendo celebrado contrato de agência de seguros com uma seguradora em 27/01/2007, foi-me retirado em outubro de 2010, sem aviso prévio, o poder de cobrança dos contratos. Do mesmo modo foi-me retirado o acesso ao portal da seguradora. Em 28/12/2009 também solicitei listagem das apólices à mesma seguradora, sendo que até esta data não só não me foi remetida como não me foi dado qualquer esclarecimento. Entretanto, a cobrança dos contratos foi entregue a outro mediador local, bem como a listagem dos contratos por mim mediados. No início do presente mês estive em reunião com o gerente de dependência, onde denunciei esta situação, contudo sem resultados. Poderei cessar o contrato invocando justa causa, dado que a companhia violou o estipulado na cláusula 1ª do Anexo II sem ter respeitado a cláusula 5ª do mesmo anexo, invocando má-fé quando entrega a terceiros sem meu conhecimento, cobrança, cobrança de indemnizações e listagem de contratos da minha carteira, não me facultando informação de carteira, bem como situações do estado de processos de sinistros e grandes demoras na obtenção de quaisquer outros elementos por mim solicitados junto daquela, para o desempenho e informação da atividade de mediação? Entendo que com a atual posição da companhia me é impossível proceder ao meu trabalho de mediação, dado que me é impossível cumprir o disposto no Decreto-Lei 72/2008, de 16/04, ou seja, a apólice somente é eficaz após boa cobrança. Face ao exposto, agradecia o especial favor se dignarem a dar o parecer de V. Exas., bem como quais os procedimentos a ter para solicitar a denúncia por justa causa (a haver lugar). Devemos informar, antes de mais, que a revogação dos poderes de cobrança, não obstante se encontrar, nos termos da lei civil, sujeita à disciplina contratual, ou seja, ao princípio da eficácia dos contratos nos termos do qual o contrato deve ser pontualmente cumprido, e só pode modificar-se ou extinguir-se por mútuo consentimento ou, por ato unilateral de uma das partes, apenas no casos em que tal é permitido, a alteração ou revogação unilateral de tal faculdade não se encontra, à luz do contrato de mediação de seguros firmado em 27/01/2007 e em vigor até 31/12/2011, excluída, podendo a seguradora, nos termos da cláusula 5ª do anexo II, alterar a qualquer momento o próprio anexo respeitante ao poder de cobrança, no pressuposto de que proceda ao envio, para o agente, de um novo anexo, o que, conforme alegado, não sucedeu. Sem embargo de existir alguma doutrina que entende que a delegação de poderes de cobrança não assume caráter essencial quanto à existência do próprio contrato de mediação de seguros, atendendo a que este último poderá manter-se e sobreviver sem aquela faculdade, tendo valor meramente acessório, também entendemos pelas consequências óbvias no que diz respeito à celebração de seguros novos e, quanto aos continuados, pela importância de que se reveste, mas não só, no âmbito da fidelização do cliente e da imagem do mediador perante aquele que a sua revogação, alegadamente inopinada e sem motivo justificativo, deverá ser devidamente apreciada e ponderada numa perspetiva de manutenção do relacionamento com a seguradora e, se for caso disso, constituir eventualmente acompanhado de outros fatores justa causa de resolução contratual, por parte do mediador. Nos termos do n.º 7 do artigo 45º do Decreto-Lei n.º 144/2006, de 31 de julho, sem prejuízo de outras situações livremente previstas no contrato, considera-se justa causa o comportamento da contraparte que, pela sua gravidade e consequências, torne imediata e praticamente impossível a subsistência da relação contratual, sendo que, por força do n.º 1 do artigo 5º do contrato de mediação a que nos reportamos, o agente pode fazer cessar o contrato com justa causa no caso de incumprimento reiterado, por parte da seguradora, das obrigações legais e das contratualmente assumidas. Nos termos do n.º 3 da mesma disposição contratual, a cessação do contrato, por iniciativa do agente, com justa causa, confere-lhe o direito a uma indemnização de clientela, desde que tenha aumentado substancialmente o volume de negócios com a clientela já existente ou com novos clientes e a seguradora venha a beneficiar, após a cessação do contrato, da atividade desenvolvida pelo agente. Quer isto dizer que o direito à indemnização de clientela não é automático e encontra-se sujeito à verificação dos requisitos de que depende a sua atribuição, que, a não se verificarem, determinam o seu não pagamento. Obviamente que, prescreve o artigo 28º do diploma supracitado, constitui direito do mediador de seguros a obtenção atempada, por parte das seguradoras, de todos os elementos, informações e esclarecimentos necessários ao desempenho da sua atividade e à gestão eficiente da sua carteira, o que, conforme alegado, igualmente não se verificou, sendo este incumprimento legal também suscetível de consubstanciar justa causa de resolução contratual. Resta-nos, por último, informar que, em reforço do acabado de expor, o mediador poderá fazer cessar o contrato invocando para tal o incumprimento da contraparte, com justa causa que poderá ser feito por carta registada, a todo o momento, o que determinará, nos termos do n.º 1 do artigo 45º do Decreto-Lei n.º 144/2006, a passagem a direto, sem mediador, dos contratos que integram a sua carteira e que estão colocados na seguradora em apreço, contanto que, caso aquela entenda que o agente não tem razão ou que tem justificação para o incumprimento contratual que lhe é apontado, não pagará voluntariamente a indemnização de clientela, se a ela houver lugar, e outra alternativa não restará ao mediador senão a de procurar a satisfação do seu direito em contencioso judicial, onde, para além da morosidade inerente, será necessário e imprescindível provar tudo o que se alega. ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS ESTABELECEM PARCERIA DE COLABORAÇÃO APROSE e AEP apostam na formação profissional A APROSE e a Associação Empresarial de Portugal (AEP) formalizaram a 6 de outubro o protocolo que prevê o acesso dos mediadores de seguros inscritos na APROSE ao centro de formação da AEP. O programa de formação elaborado pelas duas associações visa promover o reforço das competências estratégicas, operacionais e relacionais do universo de empresas e empresários associados, contribuindo para o desenvolvimento contínuo dos processos de gestão e abrange áreas como a Eficiência Comercial, Marketing e Vendas, Gestão e Finanças, Competências Pessoais e Tecnologias da Informação. O programa formativo detalhado pode ser consultado em A parceria entre a associação de mediadores de seguros e a AEP vem cumprir um dos objetivos previstos no programa de ação da atual Direcão da APROSE e que esteve na génese da candidatura dos atuais órgãos sociais, decorrendo do levantamento das necessidades específicas dos mediadores de seguros efetuado no inquérito associativo de junho. Fernando Rego, presidente da APROSE, e José António Barros, presidente da AEP, representaram as duas associações na cerimónia de formalização do protocolo, que se seguiu à palestra Os desafios da Economia Portuguesa, de Camilo Lourenço.

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel?

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel? SEGURO AUTOMÓVEL Qual a importância do Seguro Automóvel? O proprietário ou o condutor de um veículo são responsáveis pelos prejuízos que este possa causar e, em caso de acidente, podem incorrer em graves

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem Estimado(a) Cliente, É com grande satisfação que a Açoreana Seguros, S.A. lhe dá as boas-vindas ao Pontual Auto. Estamos seguros que o nosso serviço vai fazer toda a diferença. Junto encontra a informação

Leia mais

Morada: Código Postal: - Morada: Código Postal: - Morada: Código Postal: - N.º de Sinistros com nos Últimos 5 anos: Tomador do seguro/ Segurado

Morada: Código Postal: - Morada: Código Postal: - Morada: Código Postal: - N.º de Sinistros com nos Últimos 5 anos: Tomador do seguro/ Segurado AUTOMÓVEL MÓBIS PROPOSTA DE SEGURO Seguro Novo Alteração Apólice Sucursal Colaborador Mediador 207074605 Banco Comercial Português SA TOMADOR DO SEGURO Morada: Código Postal: Data de Nascimento: Sexo:

Leia mais

ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000

ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000 ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000 Entre a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias, Pessoa Colectiva nº 500948470, com sede em Lisboa, na Rua Dr. António Cândido, nº 8, 2º andar,

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

ficha de produto automóvel 2Rodas

ficha de produto automóvel 2Rodas ficha de produto automóvel 2Rodas O que é? O Seguro auto 2Rodas é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites

Leia mais

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares Seguro Moto Condições Gerais, Especiais e Particulares ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS PARTE I TUDO SOBRE A COBERTURA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OBRIGATÓRIA E, NOS CASOS EXPRESSAMENTE ASSINALADOS, ALGO SOBRE AS

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 07/2006-R Data: 30-08-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

Qual a importância do seguro automóvel?

Qual a importância do seguro automóvel? Qual a importância do seguro automóvel? O proprietário ou o condutor de um veículo são responsáveis pelos prejuízos que este possa causar e em caso de acidente podem ter de pagar indemnizações elevadas.para

Leia mais

Manual de Regularização de Sinistros

Manual de Regularização de Sinistros Manual de Regularização de Sinistros Participação de Sinistro Abertura de Processo Peritagem Enquadramento e Definição de Responsabilidades Prazos de Regularização Veículo de substituição Perda Total Participação

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO OBRIGATÓRIO CONDIÇÕES GERAIS - 168 DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 808 29 39 49 fidelidade.pt

Leia mais

ficha de produto automóvel

ficha de produto automóvel ficha de produto automóvel O que é? O Seguro de Automóvel é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites de indemnização

Leia mais

Guia de Informações Úteis em caso de Sinistro Automóvel

Guia de Informações Úteis em caso de Sinistro Automóvel Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. Guia de Informações Úteis em caso de Sinistro Automóvel Saiba sempre o que fazer para resolver um sinistro de forma célere e segura. Consigo de A a Z. Tive um

Leia mais

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros de Vida, SA. Sede: Avenida Dr. Mário Soares (Tagus Park), Edifício 10, Piso 1, 2744-002 Porto Salvo. Pessoa coletiva n.º 501 836 926, matriculada sob esse número

Leia mais

traçam 'plano de ataque'

traçam 'plano de ataque' Seguradoras contra a crise traçam 'plano de ataque' Com os rendimentos das famílias cada vez mais reduzidos, as seguradoras têm-se empenhado em oferecer pacotes mais atractivos aos clientes, que vão desde

Leia mais

CONTRATO DE SEGURO. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

CONTRATO DE SEGURO. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões CONTRATO DE SEGURO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Ficha Técnica Coleção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Contrato de Seguro Edição Autoridade de Supervisão de Seguros

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013

Leia mais

Estatuto do Bolseiro de Investigação

Estatuto do Bolseiro de Investigação Estatuto do Bolseiro de Investigação O Estatuto do Bolseiro de Investigação foi aprovado pela Lei nº 40/2004, de 18 de agosto, alterada e republicada pelo Decreto- Lei n.º 202/2012, de 27 de agosto. O

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Segura bem, o teu sonho. >> Seguro Automóvel

Segura bem, o teu sonho. >> Seguro Automóvel Segura bem, o teu sonho. >> Seguro Automóvel >> Mercedes-Benz Seguros A opção mais segura. Optares por um seguro smart é seguramente uma boa escolha. Afinal, os nossos automóveis já são conhecidos por

Leia mais

Contrato de Intermediação Financeira

Contrato de Intermediação Financeira Contrato de Intermediação Financeira Condições Gerais do Contrato de Intermediação Financeira Entre a Caixa Geral de Depósitos, SA com sede em Lisboa na Av. João XXI n.º 63, com capital social de 5 900

Leia mais

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais).

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais). 1 FICHA DE PRODUTO Produtos Automóvel A N Seguros tem à sua disposição coberturas que são realmente indispensáveis para a segurança do seu Automóvel, construindo uma proteção à sua medida. Esta ficha de

Leia mais

Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro

Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro No nosso país, é generalizada a prática de as instituições de crédito exigirem, como condição sine qua non da concessão de crédito à habitação, a contratação,

Leia mais

CONSULTORES RISCOS DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA

CONSULTORES RISCOS DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA RISCOS DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA CONSULTORES Uma pesquisa interna recente demonstra que 70% das PME de consultoria não têm uma proteção de seguros eficaz contra reclamações de responsabilidade civil.

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto (informação prestada nos termos e para os efeitos previstos no n.º 6 da Cláusula Preliminar da Parte Uniforme das Condições Gerais do Seguro Obrigatório de Responsabilidade

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

Seguro Automóvel Legislação e Conflito

Seguro Automóvel Legislação e Conflito Mestrado em Engenharia Automóvel Seguro Automóvel Legislação e Conflito Ano Lectivo:2014/2015 Orientadores: Autores: Maria Escudeiro Jorge Baptista, nº2100731 Miguel Carvalho, nº2141497 Resumo Este trabalho

Leia mais

SEGURO DE CARTÕES DE CRÉDITO CAIXA WOMAN DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 221 APÓLICE N.º AG62635782. 808 29 39 49 fidelidade.

SEGURO DE CARTÕES DE CRÉDITO CAIXA WOMAN DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 221 APÓLICE N.º AG62635782. 808 29 39 49 fidelidade. PROTEÇÃO PESSOAL E FAMILIAR SEGURO DE CARTÕES DE CRÉDITO CAIXA WOMAN DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 221 APÓLICE N.º AG62635782 808 29 39 49 fidelidade.pt Fidelidade - Companhia de Seguros,

Leia mais

BASES DO CONTRATO...3

BASES DO CONTRATO...3 UNIT LINKED DB VIDA Condições Gerais...2 1. DEFINIÇÕES...2 2. BASES DO CONTRATO...3 3. INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO...4 4. ÂMBITO DA COBERTURA...4 5. GESTÃO DAS UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO...4 6. PRÉMIOS...6

Leia mais

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA ENTRE REN - GASODUTOS, S.A., na qualidade de concessionária da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural

Leia mais

SEGURO AUTOMÓVEL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO AUTOMÓVEL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO AUTOMÓVEL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Ficha Técnica Coleção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Seguro Automóvel Edição Autoridade de Supervisão de Seguros

Leia mais

SEGURO DE SAÚDE 2 Como funcionam as garantias? 2 O que está normalmente excluído de um seguro de saúde? 2 As doenças preexistentes estão cobertas

SEGURO DE SAÚDE 2 Como funcionam as garantias? 2 O que está normalmente excluído de um seguro de saúde? 2 As doenças preexistentes estão cobertas SEGURO DE SAÚDE 1 SEGURO DE SAÚDE 2 Como funcionam as garantias? 2 O que está normalmente excluído de um seguro de saúde? 2 As doenças preexistentes estão cobertas pelo seguro de saúde? 2 O que fazer

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Regulamento do Passatempo 12 anos SLB

Regulamento do Passatempo 12 anos SLB Regulamento do Passatempo 12 anos SLB 1. Identificação 1.1. O presente passatempo denominado 12 anos SLB (adiante abreviadamente designado por Passatempo ) é promovido pela EDP Comercial - Comercialização

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Contrato de Seguro. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Contrato de Seguro. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Contrato de Seguro Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro

Leia mais

SEGURO DE SAÚDE. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE SAÚDE. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE SAÚDE ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões 1 SEGURO DE SAÚDE 2 Como funcionam as garantias? 2 O que está normalmente excluído de um seguro de saúde? 2 As doenças preexistentes

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO. Seguros DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA. 24 de setembro de 2014

AÇÕES DE FORMAÇÃO. Seguros DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA. 24 de setembro de 2014 AÇÕES DE FORMAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Seguros 24 de setembro de 2014 PLANO DE EXPOSIÇÃO Contrato de seguro Principais tipos de seguros Prevenção da fraude nos seguros 2 CONTRATO DE

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS A CULPA É DO TEMPO? Porque o clima já não é o que era e os desastres naturais se sucedem com maior frequência e severidade, muitos deles agravados pela mão humana, a indústria de seguros e resseguros debate-se

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA POUPANÇA E INVESTIMENTO PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO PREENCHER A CANETA PRETA SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO 3 0 ALTERAÇÃO À APÓLICE Nº (*) AGÊNCIA/AGENTE Nº FM IB CONTA COBRANÇA Nº (*) PREENCHER

Leia mais

SEGURO AUTOMÓVEL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO AUTOMÓVEL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO AUTOMÓVEL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões 1 Seguro obrigatório 2 Quais as consequências da falta de seguro? 2 Os seguradores podem recusar-se a celebrar o seguro obrigatório?

Leia mais

Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel

Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel I Início e Instrução do Processo 1.1. Participação do Acidente Deve ser feita em impresso de Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA), ou através

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

Apólice N.º AG50001063 SEGURO DE CARTÕES DE DÉBITO PARA NÃO RESIDENTES DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 205

Apólice N.º AG50001063 SEGURO DE CARTÕES DE DÉBITO PARA NÃO RESIDENTES DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 205 ARTIGO PRELIMINAR Entre a FIDELIDADE - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A., adiante designada por Segurador, e a Caixa Geral de Depósitos, S.A., adiante designada por Tomador do Seguro, estabelece-se o presente

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE ACIDENTES DE TRABALHO PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES

APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE ACIDENTES DE TRABALHO PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE ACIDENTES DE TRABALHO PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES LUSITANIA, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. 2/2 Rua de LUSITANIA S. Domingos COMPANHIA à Lapa, 35 1249-130 DE SEGUROS Lisboa

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 3 Setembro 2015 SEGURO de SAÚDE

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 3 Setembro 2015 SEGURO de SAÚDE Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família Boletim Informativo Nº 3 Setembro 2015 SEGURO de SAÚDE O Seguro de Saúde adquiriu ao longo dos tempos uma importância crescente

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 13:38 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

Módulo de Gestão Proposta de Seguro

Módulo de Gestão Proposta de Seguro Esta proposta de seguro é válida para Sociedades com faturação superior a 50 Milhões Euros. Excluem-se também desta proposta qualquer entidade seguradora e/ou financeira regulada pelos organismos competentes.

Leia mais

Seguro Automóvel. Condições Gerais, Especiais e Particulares

Seguro Automóvel. Condições Gerais, Especiais e Particulares Seguro Automóvel Condições Gerais, Especiais e Particulares ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS PARTE I TUDO SOBRE A COBERTURA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OBRIGATÓRIA E, NOS CASOS EXPRESSAMENTE ASSINALADOS, ALGO SOBRE

Leia mais

Condições Gerais de Utilização do Cartão de Jogador

Condições Gerais de Utilização do Cartão de Jogador Condições Gerais de Utilização do Cartão de Jogador As presentes condições são complementares das normas que disciplinam os jogos cuja exploração está atribuída ao Departamento de Jogos da Santa Casa da

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA

SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA O seguro que paga a conta do seu cartão emitido pela Unicre nos momentos em que mais precisa, com todo o conforto e segurança. Quando se pergunta porquê ter um plano

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 14:13 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Ficha Técnica Título Edição Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Coordenação editorial Secretaria-Geral Presidente da Autoridade

Leia mais

Produto Financeiro Complexo

Produto Financeiro Complexo Zurich Companhia de Seguros Vida, S.A. PROSPECTO SIMPLIFICADO (atualizado a 8 de fevereiro de 2013) Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras Autoridades de supervisão Reclamações DB MULTIFUNDOS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

CAIXA SEGURO 2014 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO SIMPLIFICADO (atualizado a 30 de abril de 2012) CAIXA SEGURO 2014 SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE) NÃO NORMALIZADO PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu março 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3. O Contexto Atual... 3 4. Objetivos

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários INFORMAÇÕES JURÍDICAS 1.Serviços mínimos bancários Desde o passado dia 23 de Maio que qualquer consumidor pode ter acesso aos serviços mínimos bancários, com custos reduzidos, e não somente aqueles que

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Solução Poupança Zurich Condições Gerais

Solução Poupança Zurich Condições Gerais Solução Poupança Zurich Condições Gerais Cláusula Preliminar Entre a Zurich - Companhia de Seguros Vida, S.A., entidade legalmente autorizada a exercer a atividade seguradora no Ramo Vida, doravante designada

Leia mais

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em carácter

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço

Leia mais

At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa

At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa Assunto: Audição do CNC - Transposição da Diretiva Consumidores - Diretiva 2011/83/UE

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso

Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso 29-06-2006 1 Agenda O decreto-lei 83/2006 e as alterações à gestão de danos materiais Impactos na reparação automóvel A Liberty

Leia mais

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias?

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias? SEGURO HABITAÇÃO Qual a importância do Seguro de Habitação? Os bens imóveis, tal como os móveis, estão sujeitos à ocorrência de eventos que lhes podem causar danos. Se não possuir um seguro válido, terá

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

Proposta de Seguro de Art Dealers

Proposta de Seguro de Art Dealers Secção A Proponente Nome: NIF: Email: Há quantos anos negoceia com o nome atual Tem experiência anterior em outras empresas do mesmo ramo? Se sim, especifique Secção B Stocks e Conteúdos Valor dos Stocks

Leia mais

Os seguros na crise financeira

Os seguros na crise financeira Os seguros na crise financeira Intervenção do Presidente do ISP, Professor Doutor José Figueiredo Almaça, na Conferência Os seguros em Portugal, organizada pelo Jornal de Negócios Lisboa, 13 maio 2014

Leia mais

PROJECTO DE ADESÕES PLENAS AO CIAB NO MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO Sexta, 22 Setembro 2006 11:17 -

PROJECTO DE ADESÕES PLENAS AO CIAB NO MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO Sexta, 22 Setembro 2006 11:17 - Assinado o Protocolo de Cooperação entre a Câmara Municipal e o CIABNo passado dia 19 de Setembro decorreu na Casa da Botica a assinatura de um protocolo de cooperação entre o Município da Póvoa de Lanhoso

Leia mais

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 Proponente: Federação Portuguesa de Rugby Pág. 1 SEGURO DESPORTIVO DE ACIDENTES PESSOAIS ( Decreto-Lei Nº. 10/2009 ) FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE RUGBY ÉPOCA DESPORTIVA

Leia mais

INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL. Aumento do capital social da instituição junto do mercado financeiro através de uma oferta pública de subscrição.

INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL. Aumento do capital social da instituição junto do mercado financeiro através de uma oferta pública de subscrição. 1 MECANISMOS PARA LIDAR COM INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO COM INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL I. CAPITALIZAÇÃO COM RECURSO A FUNDOS PRIVADOS A. Fonte jurídica Código das Sociedades Comerciais; Código dos Valores Mobiliários.

Leia mais

Responsabilidade Civil Profissional para Consultores de Negócio Proposta de Seguro

Responsabilidade Civil Profissional para Consultores de Negócio Proposta de Seguro O propósito desta proposta de seguro é conhecê-lo a Si e à sua atividade. O seu preenchimento não vincula nenhuma das partes à contratação deste seguro. Um seguro é um contrato de confiança entre duas

Leia mais