NOME DO PROJETO: FORTALECIMENTO FAMILIAR E COMUNITÁRIO ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: ALDEIAS INFANTIS SOS / FOZ DO IGUAÇU FOZ DO IGUAÇU - PR 1/28

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOME DO PROJETO: FORTALECIMENTO FAMILIAR E COMUNITÁRIO ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: ALDEIAS INFANTIS SOS / FOZ DO IGUAÇU FOZ DO IGUAÇU - PR 1/28"

Transcrição

1 NOME DO PROJETO: FORTALECIMENTO FAMILIAR E COMUNITÁRIO ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: ALDEIAS INFANTIS SOS / FOZ DO IGUAÇU FOZ DO IGUAÇU - PR /28

2 ÍNDICE DO PROJETO ASSUNTO Pág. INFORMAÇÕES BÁSICAS 3 SEÇÃO 1 RESUMO DO PROJETO 4 SEÇÃO 2 CONTEXTO DO PROJETO Sobre a Organização Contexto socioeconômico Grupo Meta 7 SEÇÃO 3 ESTRUTURA DO PROJETO Objetivo Geral Objetivos Específicos Ações Resultados Esperados Princípios e Metodologia Pessoal 16 SEÇÃO 4 SUSTENTABILIDADE Envolvimento comunitário Interação com as Políticas Públicas Divulgação 18 SEÇÃO 5 AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO Monitoramento Avaliação dos Resultados 22 SEÇÃO 6 CRONOGRAMA 24 SEÇÃO 7 RECURSOS FINANCEIROS Orçamento 28 2/28

3 INFORMAÇÕES BÁSICAS NOME DO PROJETO FORTALECIMENTO FAMILIAR E COMUNITÁRIO ORGANIZAÇÃO PROPONENTE ALDEIAS INFANTIS SOS MUNICÍPIO FOZ DO IGUAÇU ESTADO PR ABRANGÊNCIA DO PROJETO ESTADO PR MUNICÍPIOS FOZ DO IGUAÇU LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente TEMAS TRANSVERSAIS DO PROJETO Proteção Infantil Papel da Família Cultura local Gênero Igualdade Racial 3/28

4 SEÇÃO 1 RESUMO DO PROJETO O Projeto de Fortalecimento Familiar e Comunitário tem como estratégia o mapeamento de oportunidades locais, a identificação, articulação e mobilização de lideranças formais e não formais, no planejamento e realização de atividades que oportunizem o desenvolvimento integral de 300 crianças e adolescentes e 85 famílias nas regiões mais vulneráveis do município de Foz do Iguaçu - PR. O conjunto das ações do Projeto baseia-se na Metodologia do Enfoque Integral, desenvolvida pela organização Aldeias Infantis SOS Brasil e constitui-se de práticas pedagógicas, envolvendo os mais diversos atores (família, comunidade e Estado), comprometidos com a promoção e defesa de direitos da criança e do adolescente, em situação de vulnerabilidade pessoal e social. As três intervenções centrais do projeto são: 1. Formação de lideranças: representantes de Associação de Moradores, Organizações, Instituições, Escolas, PSF, movimentos e outros, visando o estabelecimento de uma rede local forte e sustentável. 2. Realização de atividades para crianças e adolescentes nos seguintes ambitos: a) Ecologia Lúdica; b) Música Orgânica; c) Múltiplas Linguagens; d) Cidadania. Para as famílias de origem e/ou extensa estão previstas oficinas que desenvolvam as seguintes dimensões: Inclusão Produtiva, Afetividade e Cidadania. 3. Acompanhamento sistemático das famílias de origem e/ou extensa com visitas domiciliares, encaminhamentos para a rede sócio assistencial e elaboração de um Plano de Desenvolvimento Familiar (PDF), com o foco em estratégias e resultados esperados pelas famílias envolvidas. O Projeto contará com um espaço de articulação e mobilização que se chamará de Casa de Oportunidades. Este espaço será de uso de outras iniciativas e organizações que venham a colaborar na oferta de oportunidades, além de fazer a conexão entre outros pontos e espaços presentes na comunidade e entorno. Desta maneira, o Projeto fortalece a compreensão de que a comunidade é um espaço protetor e educativo por excelência. Para todas as ações que serão desenvolvidas a Organização disponibilizará um sistema de Dados, com ferramentas para o Planejamento, Monitoramento e Avaliação dos processos e ações realizadas, além da elaboração de pesquisas que tenham como finalidade a mensuração e a qualificação do impacto frente a realidade em evidência. Outro elemento a se destacar é a estratégia de desenvolvimento individual dos profissionais envolvidos nas atividades. O Projeto contará com um Plano de Formação inicial e permanente mediante as demandas e necessidades de respostas apresentadas ao longo da realização do Projeto de Fortalecimento. No âmbito da participação dos envolvidos a Organização implantará em cada comunidade um Comitê Familiar, espaço de discussão e planejamento local, formado por representantes das famílias das crianças participantes no Projeto. Além deste Comitê será desenvolvido um Comitê de Proteção Infantil, que tem como foco o monitoramento, encaminhamento e tomada de decisão frente a situações e atos de violações de direitos de crianças e adolescentes nas comunidades. O projeto está orçado em R$ , para realização em 24 meses, incluindo o pagamento de pessoal com os encargos devidos, em conformidade com a legislação brasileira, conforme orçamento detalhado anexo. 4/28

5 SEÇÃO 2 CONTEXTO DO PROJETO 2.1. Sobre a Organização Aldeias Infantis SOS Brasil é uma Associação Civil de direito privado, regulada pelas normas do Novo Código Civil, sem fins lucrativos ou econômicos. Como membro desta Federação, desfruta-se dos princípios, valores e experiências que a organização vem acumulando em todo o mundo desde No ano de 1949, surge o primeiro conjunto de casas lares, acolhimento institucional, intitulado de Aldeias SOS na pequena cidade de Imst-Áustria, que foram idealizadas pelo educador Hermann Gmeiner que alimentava a convicção de que cada criança pertence a uma família e deve viver em comunidades protetoras. Surge então, a iniciativa de propiciar às crianças órfãs de guerra o direito ao atendimento individual-personalizado, onde prevaleça o carinho, respeito e o direito de viver em um ambiente seguro e acolhedor. A Organização Aldeias Infantis SOS atualmente está presente em 133 países, nos quais são atendidas mais de 2.2 milhões de crianças, adolescentes e jovens e suas famílias com Programas. Esta é uma Organização que trabalha na promoção integral dos direitos da criança e do adolescente que prioritariamente vivenciaram rupturas com os vínculos familiares, visando seu desenvolvimento social (educação, cultura, esporte). Com isso defende o direito a um ambiente familiar/comunitário, fortalecendo famílias e comunidades a fim de prevenir situações de violação dos direitos do público atendido. No Brasil desde 1967, atende mais de pessoas entre crianças, adolescentes e jovens que perderam ou estão em risco de perder o cuidado parental, em 12 Estados e no Distrito Federal com 17 Programas, visando garantir, promover e defender integralmente os direitos destes, na perspectiva de fortalecer a convivência familiar e comunitária. A centralidade do trabalho da Organização Aldeias Infantis SOS está no desenvolvimento da criança e adolescente até que chegue a ser uma pessoa autônoma e bem integrada na sociedade. Um ambiente familiar protetor é o lugar ideal para o pleno desenvolvimento do potencial de crianças e adolescentes, esta é a premissa básica de todo o trabalhado oferecido e desenvolvido. A Organização reconhece a importância do papel da criança e do adolescente em seu próprio desenvolvimento, assim como o de sua família, comunidade, Estado e outros prestadores de serviços, e cooperamos com outras partes interessadas relevantes para dar a resposta mais adequada à situação daquelas crianças, adolescentes privados do cuidado parental e/ou que estão em risco de perdê-lo. Para o desenvolvimento das linhas de atuação na Organização, são realizadas articulações por meio de diversas redes de Garantia de Direitos, engajamento em mobilizações e a garantia de assentos nos Conselhos Setoriais em nível Municipal, Estadual e Federal para a garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente e para efetivação de Politicas Públicas. Os serviços oferecidos pela Aldeias Infantis SOS estão embasados nos principais documentos de garantia de direitos da criança e do adolescente, com o intuito de fomentar e fiscalizar o cumprimento da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Crianças de 1989, no que prevê a legislação brasileira no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) de julho de 1990 e recentemente do Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária (PNCFC). Nossa ação visa que crianças, adolescentes e jovens sejam sujeitos de direitos em todos os espaços da sociedade. 5/28

6 2.2. Contexto socioeconômico O município de Foz do Iguaçu apresenta um cenário político bastante singular e é considerada uma das cidades com maior diversidade cultural do Brasil, onde mais de 72 grupos étnicos estão presentes na população, provenientes de diversas partes do mundo. Os principais grupos étnicos de Foz do Iguaçu são italianos, alemães, hispânicos (argentinos e paraguaios), chineses, ucranianos, japoneses, e libaneses, que possuem na cidade, a segunda maior comunidade libanesa do Brasil. Em termos proporcionais, possui a maior comunidade islâmica do Brasil. Foz do Iguaçu é um município brasileiro localizado no extremo oeste do estado do Paraná, do qual é o 7 mais populoso, com habitantes, conforme estimativa do IBGE. Integra uma área urbana com mais de 700 mil habitantes, constituída também por Ciudad del Este, no Paraguai e Puerto Iguazú, na Argentina, países com os quais a cidade faz fronteira. É o segundo destino de turistas estrangeiros no país e o primeiro da região sul. Devido a sua localização de fronteira com o Paraguai e a Argentina, Foz do Iguaçu apresenta uma grande circulação de mercadorias contrabandeadas, drogas e armas, o que gera diversos problemas sociais, principalmente a violência e situações de negligência. Foz do Iguaçu possui uma taxa de homicídios muito alta, levando-se em consideração o tamanho da cidade, e lidera o ranking de homicídios entre adolescentes no país. As principais fontes de renda de Foz do Iguaçu são o turismo e a geração de energia elétrica. Na cidade de Foz do Iguaçu, segundo censo demográfico de 2010, 15.9% da população esta entre a linha da pobreza e da indigência já 8.4% esta abaixo da linha da indigência. Neste município, de 1991 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até meio salário mínimo reduziu em 14,0%; para alcançar a meta de redução de 50%, deve ter, em 2015, no máximo 14,2%. Para estimar a proporção de pessoas que estão abaixo da linha da pobreza foi somada a renda de todas as pessoas do domicílio, e o total dividido pelo número de moradores, sendo considerado abaixo da linha da pobreza os que possuem rendimento per capita menor que 1/2 salário mínimo. No caso da indigência, este valor será inferior a 1/4 de salário mínimo. No Estado, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até meio salário mínimo passou de 41,2%, em 1991, para 20,9% em Em 2010, o número de crianças pesadas pelo Programa Saúde Familiar era de ; destas, 1,1% estavam desnutridas. No Estado, em 2007, 35,2% das crianças de 0 a 6 anos de idade viviam em famílias com rendimento per capita de até 1/2 salário mínimo. Segundo a Pesquisa de Orçamento Familiar (POF 2008), 20,8% das famílias pesquisadas informaram que a quantidade de alimentos consumidos no domicílio às vezes não era suficiente, enquanto que 6,6% afirmaram que normalmente a quantidade de alimentos não era suficiente. O percentual de crianças nascidas de mães adolescentes em 2009 foi de 18,8%, já em 2010 esse número passou para 31.64%, ou seja, um aumento de quase 100% em um ano. 6/28

7 O percentual de mães com idades inferiores a 20 anos é preocupante. Na maioria dos casos, as meninas passam a enfrentar problemas e a assumir responsabilidades para as quais não estão preparadas, com graves consequências para elas mesmas e para a sociedade. Os índices de assistência a pré-natal nessas regiões totalizam 94% para os nascidos em 2010, no entanto para as gestantes abaixo de 20 anos foi de 21.7%, segundo a Secretária Municipal de Saúde. As localidades identificadas para possíveis intervenções são: Jardim Jupira, Bubas, Sohab, Morenitas, Favela do Zenga, Jardim das Flores, Bambu, Jardim Canadá, Cidade Nova, Porto Belo, Vila Bancaria, Jardim América, Vila Portes, Vila resistência, Inferninho, Vila das Batalhas, Portal da Foz, Vila Claudia, Favela Monsenhor Guilherme. Enfim, o munícipio agrega em seu contexto histórico uma realidade complexa a ser enfrentada por estratégias de médio e longo prazo. As características peculiares da explosão populacional do município ficam evidentes nos dados constantes do quadro perfil da população de Foz do Iguaçu. Uma análise desses números permite observar que a natureza dos problemas socioeconômicos da cidade na atualidade é consequência da rápida constituição de sua população, atraída pelos dois últimos ciclos econômicos (construção de Itaipu e turismo de compras), responsáveis pela migração de uma parcela em massa, formando os novos iguaçuenses com baixa renda e pequena qualificação profissional, convivendo com a outra parcela, de alta qualificação, porém menos numerosa, em setores como o de produção de energia elétrica e do turismo Grupo Meta Crianças 0-6 Nº de atendimentos diretos Crianças Nº de atendimentos diretos Crianças (12-15) Nº de atendimentos diretos Adolescent es/ jovens Nº de atendimentos diretos Adultos Nº de atendimentos diretos Idosos 60 e + Nº de atendimentos diretos TOTAL Nº de atendimentos diretos /28

8 projetos Formulário para apresentação de SEÇÃO 3 ESTRUTURA DO PROJETO Objetivo Geral (3.1) Objetivo Geral Promover ações educativas que favoreçam o fortalecimento de crianças, adolescentes e suas famílias em condição de vulnerabilidade e/ou risco social e pessoal, na perspectiva de uma convivência familiar e comunitária de qualidade no âmbito da região metropolitana de Foz do Iguaçu. Objetivo Específico (3.2) Ação (3.3) Resultados esperados (3.4) A. Selecionar, contratar, e capacitar profissionais qualificados para atuar nas áreas específicas do projeto 1. Proporcionar atividades socioeducativas, nutricional (alimentação e saúde), psicossocial, intelectual, cultural e de estímulos às suas potencialidades, visando formação para a vida adulta de 300 crianças de 7 a 14 anos de idade que estão ausentes ou frequentando a rede regular de ensino. B. Realizar atividades sistemáticas lúdicoeducativas diárias de Ecologia Lúdica Doze (12) profissionais selecionados e contratados para a execução das ações do projeto Crianças e adolescentes têm modificada sua percepção acerca de resíduos e a sucata, percebendo-os enquanto oportunidades de criação; Crianças e adolescentes participam de momentos de criação coletiva e resignificação dos espaços, cenários e ambiências; Crianças e adolescentes têm desenvolvidas suas potencialidades para apreciar e criar obras artísticas; Crianças e adolescentes estão sensibilizados para a dimensão estética da vida. C. Constituir e equipar dois (02) espaços de leitura, constituir o acervo literário desses espaços. Dois (02) espaços de leitura constituídos, equipados e mobiliados adequadamente para ações de mediação de leitura. 8/28

9 projetos D. Desenvolver atividades sistemáticas de Múltiplas Linguagens E.. Desenvolver atividades sistemáticas de Música Orgânica Formulário para apresentação de Crianças e adolescentes participam de atividades focadas na palavra falada e escrita; Crianças e adolescentes vivenciam dispositivos pedagógicos como jogos, memória da comunidade e roda de leitura como parte das estratégias da oficina de expressões literárias; Crianças e adolescentes participam de trilhas Pedagógicas como estratégia de sensibilização para a importância de ler seus espaços como histórias significativas Crianças e adolescentes participantes sensibilizadas para a dimensão sonora e vibratória da realidade; Crianças e adolescentes participantes estimuladas para o desenvolvimento de processos criativos e sonoros através da música orgânica; Crianças e adolescentes participantes constroem possibilidades sonoras através de material reciclado; Crianças e adolescentes participantes têm desenvolvidas habilidades para dança de ritmos percussivos locais e universais; Crianças e adolescentes adotam expressão corporal a partir da dança e demais atividades com o corpo. 9/28

10 projetos F- Desenvolver atividades sistemáticas de Cidadania Formulário para apresentação de Crianças e adolescentes participantes reconhecendo e vivenciando sua cidadania de modo ativo; Crianças e adolescentes participantes têm desenvolvidos o senso crítico e reflexivo sobre a realidade social; Crianças e adolescentes participam de mobilizações e organizações de ações coletivas, passeatas e manifestações lúdicas. 2. Promover o fortalecimento bio-psicosocial e econômico das 85 famílias participantes F. Monitorar a permanência das crianças e adolescentes participantes na escola. A. Promover o apoio sócio familiar para 85 famílias partir de Apoio e orientação legal familiar; Apoio para o melhor cuidado e proteção de seus filhos; Apoio e acompanhamento a projetos de vida; Fortalecimento e integração da família famílias através da Elaboração do Plano de Desenvolvimento Familiar (PDF). B. Encaminhar para Rede de Apoio segundo demanda diagnosticada no PDF C. Monitorar a participação das famílias encaminhadas para a rede de apoio. Crianças e adolescentes participantes frequentam a escola (um mínimo de 80% de presença) e com bom aproveitamento escolar (nota média mínima de 7) 85 famílias com um Plano de Desenvolvimento Familiar elaborado Famílias participantes desenvolvem relações afetivas saudáveis, Famílias participantes têm aprimoradas suas capacidades de proteção de seus filhos e filhas. 80% das famílias encaminhadas para a rede de apoio Famílias participam das redes de apoio e freqüentam as atividades promovidas pelo projeto (mínimo de 80% de presença). 10/28

11 projetos D. Promoção de atividades com recorte de empoderamento a partir da promoção de autoestima, enfrentamento a violência doméstica, promoção à saúde. E. Desenvolvimento de ações sistemáticas com foco na formação para o trabalho, visando qualificação para o trabalho dos adultos responsáveis pelas crianças e adolescentes participantes D. Implantação e Formação dos Comitês Familiares, Comitês Articuladores e Comitê Infantil Formulário para apresentação de Mulheres participantes têm aumentada sua autoestima, protagonismo e empoderamento face à sua condição de vulnerabilidade. Mulheres cuidam de sua saúde e desenvolvem atitudes preventivas. 70% dos adultos participantes têm melhoradas suas capacidades laborais. O projeto é desenvolvido com a participação de crianças, adolescentes e adultos em seus espaços de gestão. Membros do comitê são formados na Política de Proteção Infantil e demais legislações de proteção à criança e ao adolescente. 3. Qualificar a formação dos membros dos comitês familiares, infantil e articulador; gestores e educadores envolvidos no projeto. A. Realizar seis (06) encontros de formação com gestores e educadores e representantes dos Comitês Familiares. B. Efetuar quatro (04) encontros de planejamento, monitoramento e avaliação da ação do projeto 70% dos Educadores, gestores e membros dos comitês familiares, infantil e articulador qualificados para o exercício das suas práticas pedagógicas e de gestão no desenvolvimento do projeto. Desenvolver instrumentos de monitoramento e avaliação que possibilite a qualificação e mensuração dos resultados do projeto 11/28

12 Formulário para apresentação de projetos 3.5. Princípios e Metodologia A ideia propulsora da Organização Aldeias Infantis SOS é o desenvolvimento saudável da criança e adolescente em um ambiente familiar protetor, e se fundamenta sobre o firme compromisso de dar resposta adequada a cada criança e adolescente de nosso grupo meta de maneira participativa Princípios básicos do Projeto I. CENTRAMOS NOSSOS ESFORÇOS NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE EM UM AMBIENTE FAMILIAR PROTETOR O objetivo de nosso programa é o desenvolvimento da criança e adolescente num ambiente familiar protetor. Esforçamo-nos especialmente para promover e preservar o elemento protetor do ambiente familiar, de modo que todas as crianças e adolescentes tenham um pai ou uma mãe afetuosa (ou cuidadores alternativos) que lhes conduzam e apoiem em seu desenvolvimento. Também procuramos manter unidos os irmãos biológicos, a não ser que a separação seja para o interesse superior da criança e adolescente. II. FORTALECEMOS REDES DE APOIO SOCIAL PARA CRIANÇAS, ADOLESCENTES E SUAS FAMÍLIAS As crianças e adolescentes e suas famílias formam parte da comunidade. Reconhecemos o papel, a competência, os recursos e as iniciativas existentes de todos os atores envolvidos, e colaboramos estreitamente com eles com o objetivo de estabelecer sistemas estáveis de apoio social para crianças e adolescentes e suas famílias. Cooperamos com as autoridades governamentais, a comunidade e outros responsáveis pelo cumprimento do direito para ajudá-los a cumprir suas obrigações para com as crianças e adolescentes. Ao cooperar com outros atores envolvidos, fomentamos o estabelecimento de amplas redes sociais seguras e a proteção e promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes. III. IV. BASEAMOS TODAS AS DECISÕES E AÇÕES NO INTERESSE SUPERIOR DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Análise da situação da criança e do adolescente, considerando seu interesse superior, é o ponto de partida para encontrar a resposta mais adequada em cada caso concreto. Com base nesta análise e nos recursos disponíveis desenvolvemos nosso programa e encontramos soluções adaptadas à situação individual das crianças e adolescentes de nosso grupo meta. ENVOLVEMOS AS CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA BUSCA DE SOLUÇÕES PARA OS PROBLEMAS COM OS QUAIS SE CONFRONTAM NA VIDA Reconhecemos que as crianças e adolescentes têm um papel fundamental em seu próprio desenvolvimento e na promoção, defesa e garantia de seus direitos. São informados e consultados sobre os processos de tomadas de decisões que afetam suas vidas, levando em consideração os seus pontos de vista, segundo sua idade, maturidade e capacidade. As crianças e adolescentes têm a oportunidade de expressar-se e assim aprender habilidades importantes para a vida, como a comunicação, a cooperação e a resolução de problemas. 12/28

13 Formulário para apresentação de projetos Componentes A organização trabalha de maneira intencional com três componentes que transversalizam as intervenções do Projeto, são eles: A CRIANÇA promovem-se ações que garantam serviços diretos básicos, com oficinas diárias (4h) de Ecologia lúdica, Música orgânica, Múltiplas linguagens e Cidadania, pois como grupo meta, são os que merecem maior atenção devido ao seu processo singular de desenvolvimento; A FAMÍLIA promovem-se ações de desenvolvimento de competências com oficinas de Geração de renda, Direitos e Deveres e Afetividade, pois são os responsáveis por excelência do cuidado integral do grupo meta; A COMUNIDADE promovem-se ações de desenvolvimento de competências com formações específicas sobre direitos universais, metodologias de participação, além de oficinas de planejamento e monitoramento das ações definidas como prioritárias pela comunidade. É fundamental fortalecer e formar os atores locais frente à percepção crítica e a capacidade de organizar-se e concretizarem os seus objetivos de interesse local; Observação: A proteção e defesa dos direitos são elementos desenvolvidos em todos estes componentes como marca singular e fundamental para os resultados esperados pelas intervenções da Organização no território definido Metodologia A Metodologia desenvolvida pela Organização Aldeias Infantis SOS é um conjunto de ações, práticas e atitudes sinérgicas, envolvendo os mais diversos atores (família, sociedade e Estado), comprometidos com a promoção e efetivação de direitos da criança e do adolescente em situação de vulnerabilidade pessoal e social. Por conseguinte, constitui-se enquanto uma abordagem, um meio, uma forma possível de atuar, de ser, para fazer não só valer, mas acontecer os direitos da política de atendimento integral consagrada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente ECA, ou melhor, uma praxe que possibilita mostrar a amplitude e a complexidade do trabalho ao qual estabelece o ECA. Os dispositivos que são utilizados cotidianamente no processo educativo fortalecem e estimulam ações significativas para os/as envolvidos/as, disponibilizando elementos que facilitam a construção de conhecimentos, a produção coletiva e a mensuração de resultados em todos os níveis de desenvolvimento, são eles: a) Análise da Realidade Local Uma análise da realidade local não se limita à simples coleta de dados, mas deve, acima de tudo, perceber como as pessoas envolvidas sentem a sua própria realidade, superando a simples constatação dos fatos, isso numa atitude de constante investigação dessa realidade. Neste processo, envolvendo a participação dos/das envolvidos se definirá o ponto de partida que irá traduzir-se no tema gerador. b) Registros e Sistematizações Este dispositivo constitui-se na importância de construir memória das experiências de desenvolvimento local, divulgação, saberes 13/28

14 Formulário para apresentação de projetos relacionados às práticas (aspectos qualitativos), estimular a reflexão e a discussão de assuntos e aspectos relacionados à prática e ao seu contexto. Enfim, responsabilizar-se para experiências vitais, carregadas de uma enorme riqueza acumulada de elementos que, em cada caso, representam processos inéditos e irrepetíveis, por isso, a necessidade da tarefa de compreendê-las, extrair seus ensinamentos e comunicá-los. c) Roda representa o círculo perfeito, onde não existe centralidade de partes, de individualismos, mas sim um espaço que possibilita a todos/as se perceberem e se posicionarem de maneira democrática e relacional. Neste sentido, as pessoas envolvidas em todo e qualquer processo, formal ou informal, são convocadas a vivenciarem o princípio primordial da liberdade de pensar, falar, praticar, refletir, sentir, intervir, planejar, cultivar e avaliar, neste movimento permanentemente dialógico presente no cotidiano. d) Jogo Valorizar a ludicidade como eixo da formação e instrumento de escrita e leitura do mundo. Por meio de jogos e brinquedos artesanais possibilitar o estudo das diversas áreas do conhecimento (matemática, português, ciências, história, geografia) e mais, discutir cidadania, lógica, raciocínio, ética, violência, sexualidade, direitos humanos, etc., de forma criativa, alegre, prazerosa, enfim, lúdica. e) Trilhas do saber As trilhas do saber dão mobilidade ao processo pedagógico e conectam as diversas oportunidades disponibilizadas na e pela comunidade, com objetivo de enriquecer e agregar experiências de conhecimento para todos os envolvidos neste processo. Este dispositivo potencializa a rede local como força promotora de conhecimento e formação. f) Memória da Comunidade Este recurso possibilita construir com a comunidade um memorial histórico-cultural, com fotos, entrevistas, textos e demais produções que registre e valorize a experiência local. g) Ambiência É o elemento cênico de comunicação, por excelência, que ambienta os espaços onde o cotidiano se evidencia (casa, ruas entre outros), ou em espaços formais de aprendizagem. A finalidade é sensibilizar e facilitar a compreensão sobre o conteúdo intencional sugerido para a reflexão e discussão, envolvendo a todos na construção e cuidado de seus espaços. A perspectiva do pertencimento é aprofundada neste dispositivo, quando bem explorado. h) Leituras Por meio do mundo das palavras, incentivar o gosto pela busca de conhecimentos. A leitura remete a cenários criativos e imagináveis, despertando o indivíduo para a leitura interpretativa e crítica de sua realidade e história. i) Estudo do Meio Propiciam oportunidades de envolver as pessoas em aprendizagens significativas, imersões preparadas, organizadas em espaços, lugares isto é, que partam do experiencialmente vivido e do conhecimento pessoalmente estruturado que lhes permitam desenvolver capacidades instrumentais relevantes para compreender, explicar e atuar sobre o meio de modo consciente e criativo. Estudar o meio, a realidade, a vida, significa procurar encontrar elementos para melhor compreender a interação do ser-humano com ele mesmo e com o mundo. A avaliação é um elemento fundamental para a realização satisfatória desta experiência. 14/28

15 Formulário para apresentação de projetos A metodologia também define os Indicadores de Qualidade são índices que primam por uma observação mais apurada quanto aos aspectos que não são mensuráveis quantitativamente. Estes indicadores são: felicidade, resiliência, transformação, apropriação, oportunidade, criatividade, ética, estética, protagonismo, cooperação. Eles podem ser utilizados em sua totalidade, visto que se complementam, ou individualmente, conforme a ação desenvolvida. Os aspectos qualitativos referem-se a percepções pessoais e revelam impressões, reações e/ou sentimentos que para serem medidos, precisam ser transformados em dados quantitativos (números e gráficos). Já os Indicadores Quantitativos referem-se aos dados numéricos do Projeto, como por exemplo, número de famílias envolvidas, índice de empregabilidade na comunidade, entre outras possibilidades que variam com a definição dos temas geradores levantados no local. Os Indicadores devem ser aplicados na avaliação e monitoramento das ações cotidianas, que subsidiará a compilação semestral (julho e novembro) das ações desenvolvidas Oficinas As atividades desenvolvidas no âmbito das comunidades se constituem a partir de cinco eixos de ação que se interconectam formando um único movimento educativo, com base na perspectiva freireana dos chamados Círculos de Cultura, espaços que extrapolam as salas de aula para o lugar vivencial dos indivíduos. Estas ações são multidisciplinares e distribuídas nas seguintes iniciativas: Oficina de Música Orgânica i. Sensibiliza para a dimensão sonora e vibratória da realidade; ii. Estimula processos criativos e sonoros através da música orgânica; iii. Constrói possibilidades sonoras através de material reciclado; iv. Trabalha ritmos percussivos locais e universais; v. Promove o autoconhecimento através de princípios básicos de musicoterapia. Oficina de Ecologia Lúdica i. Promove uma mudança de olhar sobre os resíduos e a sucata como oportunidades de criação; ii. Constrói junto com as crianças momentos de criação coletiva e ressignificação dos espaços, cenários e ambiências; iii. Desenvolve potencialidades latentes nas crianças para apreciar e criar obras artísticas; iv. Desperta e sensibiliza para a dimensão estética da vida. Oficina de Múltiplas Linguagens i. Promove atividades focadas na palavra falada e escrita; ii. Utiliza o jogo, a memória da comunidade, roda e leitura como principais dispositivos pedagógicos; iii. Emprega as trilhas pedagógicas como um recurso fundamental para a sensibilização da importância de ler seus espaços como histórias significativas. Oficina de Cidadania i. Impulsiona as crianças para a importância da cidadania ativa; ii. Reflete e desenvolve o senso crítico e reflexivo sobre a realidade social; iii. Mobiliza e organiza ações coletivas, passeatas e manifestações lúdicas. 15/28

16 Formulário para apresentação de projetos Oficina de Saberes e Sabores i. Propicia espaços de troca de saberes culinários, técnicos, artesanais e outros entre os envolvidos; ii. Desenvolvimento a capacidade de fala e escuta dos cuidadores; iii. Resgata os diversos e potenciais saberes locais esquecidos ou não valorizados ; iv. Promove a cooperação entre os envolvidos na busca de soluções frente ao seu diaa-dia utilizando de seus saberes; Oficinas junto à comunidade Serão atividades em que os próprios grupos e pessoas da comunidade que utilizarão de espaços para socializar saberes, promover palestras, grupos de estudo, grupos de ensaio, pré-vestibulares populares, sessões de cine-debate com a comunidade. Desenvolvimento de uma agenda cultural e de atividades comunitárias, além de articular parcerias para que os espaços comunitários de transformem num lugar de cuidado Pessoal Composição da equipe do Projeto Nome Função no Projeto Formação Profissional Tipo do vínculo Carga horária semanal A contratar (1) Gerente do CLT 44 h/s Projeto A contratar (1) Coordenador CLT 44 h/s local do Projeto A contratar (2) Assistente de CLT 44h/s Desenvolvimento (Familiar e Comunitário) A contratar (1) Auxiliar CLT 44h/s administrativo A contratar (5) Oficineiro/a sênior CLT 44h/s A contratar (2) Oficineiro/a júnior CLT 44 h/s A contratar (1) Serviços Gerais CLT 44 h/s A contratar (1) Cozinheiro/a CLT 44h/s A contratar (1) Auxiliar de cozinha CLT 44h/s 16/28

17 Formulário para apresentação de projetos SEÇÃO 4 SUSTENTABILIDADE 4.1. Envolvimento Comunitário Temos como proposta a implantação e formação do Comitê Familiar, que terá como objetivo criar/fortalecer uma rede local protetora com foco no interesse superior da criança, assegurando assim a garantia e defesa dos direitos da criança, adolescente e jovem, bem como provocar a família e a comunidade a participar ativamente das decisões para o desenvolvimento e bem estar comum, criando um ambiente protetivo e acolhedor. As ações do projeto serão discutidas, socializadas e legitimadas por essa rede. Sua principal característica será de atuar na prevenção, denúncia e proteção infantil, traçando um diagnóstico que identifique as necessidades da comunidade, para que se sintam corresponsáveis na resolução dos problemas e na geração de recursos. O Comitê trabalhará a corresponsabilidade e uma maior representatividade na tomada de decisões estratégicas frente à situação de vulnerabilidade da criança e do adolescente. Seu papel estará centrado na tomada de decisões baseadas nos objetivos do Projeto, através de ações de apoio, controle social, monitoramento no desenvolvimento de metas, buscando a sustentabilidade, e por fim, posicionamento local Interação com as políticas públicas Os atores envolvidos diretamente no projeto assumem a importante tarefa de mobilizar e articular com outros atores do Sistema de Garantia dos Direitos. Os membros do Comitê Articulador, Comitê Familiar e Comitê Infantil serão incentivados a freqüentarem as instâncias de participação do município como os Conselhos Municipais do Direito da Criança e Adolescente, de Educação, de Saúde e da Assistência Social, considerando que estes órgãos discutem, analisam e deliberam questões importantes e pertinentes a todos os cidadãos do município, direta ou indiretamente. Um dos principais âmbitos da atuação da Organização e que será desenvolvido pelo projeto é a dimensão de incidência na elaboração de políticas públicas. Nesse sentido, as equipes atuam diretamente na construção dessa prática de advocacy, numa outra dimensão, famílias e operadores do direito é o grupo alvo da ação de desenvolvimento de competências com foco na instrumentalização para ocupar os espaços de elaboração e controle social no que tange a efetivação das políticas públicas. 17/28

18 Formulário para apresentação de projetos 4.3. Divulgação Planejamento das atividades de divulgação / ano Instrument os / Mídias Quantidade Propósito Produção 02 Produzir um documentário com de DVD as ações desenvolvidas durante todo o desenvolvimento do Projeto. Cartaz Divulgar o Projeto e suas ações nas comunidades participantes e circunvizinhas. Spot 02 Divulgar nas rádios locais e comunitárias as ações do Projeto Folders Divulgar o Projeto durante a Camisetas com o logo do Projeto realização das atividades Dar visibilidade ao Projeto no cotidiano dos participantes e comunidades TOTAL ,00 Custo Período (R$) 8.000,00 12º mês e 22º mês ,00 1º mês e com periodicidade de semestral 1.500,00 2º mês e 13º mês ,00 4º mês, 10º mês, 16º mês ,00 1º mês e 6º mês Ano Observação: Como contrapartida a Organização divulgará as ações do projeto nos seus meios oficiais nacionais: site e a Revista do Amigo SOS, com a periodicidade trimestral e distribuída em 13 unidades federativas. 18/28

19 SEÇÃO 5 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 5.1. Avaliações processuais Matriz da avaliação processual Objetivo específico 1. Proporcionar atividades socioeducativas, nutricional (alimentação e saúde), psicossocial, intelectual, cultural e de estímulos as suas potencialidades, das crianças e adolescentes participantes do projeto. Perguntas de avaliação Os Serviços são adequados à demanda do Grupo Meta? Indicadores quantitativos Índice de freqüência das crianças e adolescentes nas atividades Relatório do Estudo de Factibilidade, mapa da realidade local, trilha de oportunidades Cadastro de matrícula, PDF, Banco de Dados, Documentos de crianças e famílias (Planilhas mensais). Indicadores qualitativos Crianças e adolescentes com cuidado diário Fontes de informação Lista de Frequência, Banco de Dados, Cadastro de Matrícula, relatório estudo e factibilidade Formas de coleta de dados Análise das listas de freqüência, preenchiment o de diário de bordo, análise dos diários de bordo, Periodici dade Mensal 19/28

20 2. Promover o fortalecimento biopsico-social e econômico das 85 famílias participantes O Grupo Meta tem participação efetiva no projeto? Existe controle da evasão e monitoramento da participação do Grupo Meta? Famílias com competências desenvolvidas para o exercício do cuidado? Famílias com perspectivas de superação de vulnerabilidade? Percentual de participantes que apresentam apropriação dos conteúdos e técnicas das linguagens artísticas, esportivas e literárias Número de PDF s Elaborados Percentual de famílias encaminhadas para a rede de apoio As crianças têm um desenvolvimento cognitivo de acordo com sua idade Envolvimento das famílias no processo de construção dos PDF s Famílias contam com um espaço para expressar seus sentimentos e anseios. Famílias conseguem responder as necessidades de crianças e adolescentes sob seus cuidados Instrumentos de avaliação e monitoramento de desempenho dos educandos Relatórios de análise dos Assistentes de Desenvolvimento Familiar Assistentes Sociais e Assistentes de Desenvolvimento familiar Relatórios dos Assistentes de Desenvolvimento Familiar e relatórios da rede de apoio Indicadores de Qualidadeentrevistas, questionários, jogos com base na escuta da criança e do adolescente Análise documental Entrevistas, Relatórios e Diários de Bordo Análise documental Semestral Semestral Semestral Semestral 20/28

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação da criança e do adolescente, os dados de seu município, os resultados da

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Apoio às políticas públicas já existentes;

Apoio às políticas públicas já existentes; Uma voz complementa a outra, um sorriso cativa o próximo e é nesse pensamento que o Instituto Mundo Melhor, organização sem fins lucrativos liderada pelo Grupo MM Mercadomóveis, trabalha com projetos sociais

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO

ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO Resumo SANTANA, C. G. Secretaria Municipal de Educação de Curitiba claudia-gutierrez@hotmail.com Eixo Temático: Psicopedagogia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade ROBERTO AUGUSTO CARVALHO DE ARAÚJO ELIETE DE OLIVEIRA COELHO NATALINA DE FÁTIMA BERNARDO RONCADA SILVIA BEZ CAMARGO SOARES DE ALVARENGA

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO

ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO - recepcionar e atender ao público usuário dos programas, projetos e serviços da assistência, procurando identificá-las, tomando

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO 1 PROJOVEM 1.1 SUPERVISOR REQUISITOS: NÍVEL SUPERIOR ATRIBUIÇÕES: Ser responsável

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000.

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000. IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE: PROJETO CRESCER CHICO XAVIER - Obra Social do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo CNPJ: 26 943 563/0001-07 ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento Mostra de Projetos 2011 Terceira Idade e Movimento Mostra Local de: Campina Grande do Sul Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO 2011 CURSO RESPONSÁVEL PELO PROJETO

PROJETOS DE EXTENSÃO 2011 CURSO RESPONSÁVEL PELO PROJETO ATENÇÃO À CRIANÇA (S) DE EXECUÇÃO E FREQUÊNCIA Projeto Sorriso Visa proporcionar às crianças internas e usuárias do PSF do Crianças da Casa de Passagem e do PSF Santa Rita bairro Santa Rita o conhecimento

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção.

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção. INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção Edital de Seleção Março de 2015 Realização Apoio 2...esgotada a palavra de sua

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Disciplina a Especialidade Profissional Terapia Ocupacional nos Contextos Sociais e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Bogotá, junho de 2013 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o Plano Mais Brasil PPA 2012-2015 Dimensão Estratégica do Desenvolvimento

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Considerando o ensinamento lecionado no paragrafo único do art.134, da Lei Federal nº8.069/90;

Considerando o ensinamento lecionado no paragrafo único do art.134, da Lei Federal nº8.069/90; RESOLUÇÃO N. º 002/2015-CMDCA Dispõe sobre os parâmetros para a formação continuada de conselheiros de direitos e tutelares do Município de São Luis-MA. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS 1. PERÍODO: de _02_/_03_/2009_ a _15_/_08_/2009 2. RESUMO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS PELA INSTITUIÇÃO, DURANTE O PERÍODO, NO AMBITO DO PROJETO CRIANÇA ESPERANÇA: Por meio das ações do Projeto foi possível

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Projeto PNE Sports Foto: André Valentim / Banco de Imagens Petrobras ÍNDICE APRESENTAÇÃO 06 INSCRIÇÃO 12 Passo a passo para Inscrição 13 TECNOLOGIA

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente!

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra de Projetos 2011 Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES IRATI 2005 RESUMO Dentro do Programa Ética e Cidadania Ensino Médio Construindo Valores na Escola, o Projeto

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

ANEXO V CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM DIREITOS HUMANOS

ANEXO V CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM DIREITOS HUMANOS ANEXO V CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM DIREITOS HUMANOS I ÁREAS DE INTERESSE A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República,

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Taller Regional sobre Trabajo Infantil y Adolescente Doméstico

Taller Regional sobre Trabajo Infantil y Adolescente Doméstico Taller Regional sobre Trabajo Infantil y Adolescente Doméstico DNI Defensa de Ninas y Ninos Internacional San José, Costa Rica, 23 a 25 de agosto ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CENTROS DE DEFESA DA CRIANÇA E

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Consultor por Produto para Projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a

Leia mais