P r o g r a m a ç ã o d e C o m p u t a d o r e s 1 o S e m P r o f. A n d r é A m a r a n t e L u i z L A B 5 tag %2d while printf PE1:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P r o g r a m a ç ã o d e C o m p u t a d o r e s 1 o S e m - 2 0 1 3 P r o f. A n d r é A m a r a n t e L u i z L A B 5 tag %2d while printf PE1:"

Transcrição

1 Inteligência É a faculdade de criar objetos artificiais, especialmente ferramentas para fazer ferramentas. Henri Bergson. WHILE Além dos comandos if-else e switch, o controle de fluxo de um programa pode ser afetado pela instrução while. A diferença é que o comando while permite a repetição de uma instrução ou bloco de instruções enquanto uma condição for verdadeira. Sua sintaxe é: while (condição) No comando while enquanto a condição for verdadeira, a instrução será realizada. PT: Escrever um programa que imprime os 0 primeiros inteiros. int i = ; while (i <= 0) i = i + ; Observe que este programa criou uma variável inteira i, que recebe o valor inicial igual a. Esta variável tem duas funções: controlar o número de valores impressos através da condição (i <= 0) e fornecer os valores dos 0 primeiros inteiros a serem impressos na tela através do comando printf( %d\n,i). Uma observação importante é que se não fossem utilizadas as chaves, o while executaria apenas o comando printf, não atualizando o valor de i. Portanto, a condição (i <= 0) não seria satisfeita nunca e o programa entraria em um laço infinito. PT: O que faz o programa abaixo? int n; n = 0; while (n) printf( %d\n,n); n = n ; Observe que no programa anterior a condição while(n) equivale a while(n!= 0). PT3: Escrever um programa que imprima a tabuada do número 5: int n = ; while (n <= 0) printf( 5 * %d = %d\n,n,5*n); n = n + ; Observe que a tag %d indica que serão reservados dois caracteres para representar o número. Se o número não ocupar o número de caracteres indicado (), então, serão colocados espaços à esquerda. PE: Reescrever o PT3 de modo a apresentar a tabuada de qualquer número introduzido pelo usuário. O comando while, assim como o comando if-else, pode ser aninhado com outros comandos while. Veja um exemplo disso no PT4 mostrado a seguir. PT4: Escrever o conjunto das 5 primeiras tabuadas (tabuada do,,, 5). int n, num; num = ; while (num <= 5) //inicio while externo n = ; while (n <= 0) //início while interno printf( %d*%d= %d\n,num,n,num*n); n = n + ; //fim while interno // Passar para a próxima tabuada. num = num + ; //fim while externo Olhando atentamente para o programa PT4, é possível ver que o while externo será executado 5 vezes e que para cada execução deste, a variável num assume um dos valores correspondente aos números cujas

2 tabuadas se quer mostrar. Além disso, para cada execução do while externo o valor de n é igual a, pois uma nova tabuada será escrita com o while interno que será executado 0 vezes. Então para cada while externo o while interno roda 0 vezes. PE: Modifique o PT4 para colocar uma linha em branco depois de cada tabuada. Você pode usar printf( \n ), puts( ) ou putchar( \n ) para pular a linha. FOR A instrução ou laço for deve ser utilizada quando se sabe, a priori, o número de iterações que devem ser executadas. Sua sintaxe é: for (valores iniciais; condição; pósinstrução) Segue a descrição dos elementos do for pela ordem em que são avaliados quando o comando é executado: () Valores iniciais: são iniciadas as variáveis presentes no laço. () Condição: expressão lógica a ser avaliada. Se a condição for verdadeira as instruções (3) e (4) serão executadas. Senão termina o for e passa para o próximo comando. (3) Instrução: Ações a serem realizadas. (4) Pós-instrução: Ações como incremento ou decremento de variável associada à condição. Volta para (). Observe, também, o uso do ponto e virgula (;) para separar os elementos que compõem o for. PT5: Reescreva o programa PT usando o comando for. int i; for (i=; i <= 0; i = i + ) Note que a operação de atribuição do valor de i; a verificação da condição e a atualização do valor de i estão reunidas em um único parêntese. Além disso, todo programa escrito com o comando for pode ser equivalentemente escrito com o comando while. Basta observar que a sintaxe do comando for consiste em: for (valores iniciais; condição; pósinstrução) Cuja sintaxe equivalente usando while é: valores iniciais; while (condição) pós-instrução PE3: Escreva um programa que calcula a soma dos n primeiros números naturais. PT6: Modifique o programa PE3 para calcular a soma e o produto dos n primeiros números naturais. int n, num, s, p; printf( Introd. um N: ); scanf( %d,&num); for (s = 0, p =n= ; n <= num; n = n + ) s = s + n; p = p*n; printf( Soma = %d \n Prod = %d \n,s,p); Observe que as variáveis s e p são inicializadas no campo valores iniciais. Quando mais de um valor for utilizado, basta usar vírgula (,) para cada inicialização. O mesmo poderia ser feito para mais de uma pós-instrução. Do mesmo modo que o if-else e o while, o comando for pode usar aninhamentos. PT7: Usando o comando for, fazer um programa que escreva as cinco primeiras tabuadas, parando a tela depois de cada uma ser escrita. Para parar a tela use o getchar(); Compare o PT7 com o PT4 e verifique as diferenças de operação do for e do while. PE4: Escreva um programa que escreve os dez primeiros números impares. PE5: Escreva um programa que escreve os dez primeiros termos da seqüência: 4*( /3 + /5 /7 + ). Dicas: Você não precisa usar o PE4 para resolver este

3 problema. Lembre-se que o termo geral é da forma: 4(-) n /(n+). DOWHILE Esta instrução difere dos laços anteriores, pois o teste da condição é realizado ao final do corpo de instruções e não antes como ocorre com while e for. Ou seja, dowhile é sempre executado pelo menos uma vez. Sua sintaxe é: do while (condição); Sua execução segue os seguintes passos: () A instrução é executada. () A condição é avaliada. (3) Se a condição é verdadeira volte para (), senão termine o laço e o programa continua após a instrução while. O dowhile é interessante para ser usado para construir menus: PT8: Crie um programa que apresente um menu com as opções Clientes, Fornecedores, Encomendas e Sair. O programa deve apresentar a opção escolhida até que o usuário aperte a opção Sair. main () char opcao; do printf( Menu Principal \n ); printf( \n\n\t Clientes ); printf( \n\n\t Fornecedores ); printf( \n\n\t Encomendas ); printf( \n\n\t Sair ); printf( \n\n \t\t Opção: ); scanf( %c, &opcao); fflush(stdin); // limpa buffer do teclado switch (opcao ) case c : case C : puts( Opcao CLIENTES ); break; case f : case F : puts( Opcao FORNECE ); break; case e : case E : puts( Opcao ENCOME ); break; case s : case S : break; // não faz nada. default: puts( Opcao invalida!!! ); getchar(); // Parar a tela; while (opcao!= s && opcao!= S ); A função fflush(stdin); permite limpar os caracteres que existem no buffer do teclado. Sempre que as instruções tiverem que ser executadas pelo menos uma vez, é recomendado o uso de dowhile. PE6: Insira no programa PT8 a linha de comando system("cls"); no lugar da linha getchar(); Verifique o que acontece e responda para que server este comando? BREAK E CONTINUE A instrução break, quando aplicada dentro de um laço, termina o mesmo, continuando na instrução imediatamente posterior. PT9: O que faz o seguinte programa: int i; for (i = ; i <= 00; i = i + ) if (i == 30) break; else printf( %d\n,*i); printf( Fim do Laco \n ); Já a instrução continue, quando em um laço, passa o fluxo do programa para a próxima iteração do laço. PT0: Qual a saída do seguinte programa? main () int i; for (i = ; i <= 00; i = i + ) if (i == 60) break; else if (i% == ) // se i for impar continue; else printf( %d\n,i); printf( Fim do Laco\n ); O continue só pode ser usado em laços, mas break pode ser em laço ou no switch. LAÇOS ENCADEADOS O uso aninhado ou encadeado dos comandos de repetição pode produzir resultados interessantes. 3

4 PT: Escrever um programa cujo resultado na tela seja: : : 3: 4: int i, j; 5: for (i = ; i <= 0; i = i + ) 6: 7: for ( j = ; j <= i; j = j + ) 8: printf( %d,j); 9: putchar( \n ); 0: : Observe que neste exemplo o laço interno (for da linha 7) não apresenta um número de iterações fixo, mas depende do valor da variável i que é determinado pelo laço externo (for da linha 5). PE7: Escreva um programa que solicite ao usuário um número e caractere. Em seguida, serão preenchidas n linhas, cada uma com n caracteres conforme o seguinte exemplo: Numero: 3 Caractere: * *** *** *** Dica: Use scanf( %c,&ch) para ler o caractere. Observe o espaço antes de %c! PE8: Escreva um programa que coloque na tela meia árvore de natal com asteriscos. O número de ramos é definido pelo usuário. Exemplos com 3, 4 e 5 ramos: * * * ** ** ** *** *** *** **** **** ***** PE9: Combine o programa PE7 com o PE8, para que uma árvore de n ramos seja impressa de acordo com o tipo de caractere escolhido pelo usuário. PT: Reescreva o PT usando o comando break. int i,j; for (i=; i <= 0; i = i + ) for (j=; j <= 0; j = j + ) printf( %d, j); if (j == i) break; putchar( \n ); LAÇOS INFINITOS São aqueles cujas condições são sempre verdadeiras e são da forma: while () for(; ; ) do while() No laço for se nenhuma condição for colocada, então, a condição é considerada verdadeira sempre. Esses tipos de laços são utilizados quando não é possível saber a priori o número de vezes que o laço será executado. Para terminar o laço usa-se break. Esses tipos de laços são usualmente utilizados em menus: while() /* Apresentar o Menu */ /* Ler a opção */ if (opcao == ) if (opcao == SAIR) break; /* termina o laço infinito */ OPERADORES ++ E -- O uso de laço em geral implica em utilizar uma variável para controlar o número de iterações a serem realizadas. PT3: O que faz o seguinte programa: : : 3: 4: int i; 5: i = ; 6: while (i <= 0) 7: 8: printf( %d \n,i); 9: i = i + ; 0: : Observe que a variável tem que ser atualizada a cada impressão, caso contrário 4

5 o laço se tornaria um laço infinito. Ou seja, i nunca seria maior que 0. Qual a diferença entre i <= 0 e i < 0? Observe que se a linha 9 do PT3 for trocada por i++ fornece um resultado diferente de se usar ++i. Lembre-se do Lab. 3 que: TABELA T Operação O O Comando y = x++; y = ++x; Passo y = x; x = x + ; Passo x = x + ; y = x; PE0: Troque a linha 9 do PT3 por i++ e depois por ++i. O que aconteceu em cada caso? PE: Qual o resultado se os comandos da linha 8 e 9 do PT3 fossem trocadas por: printf( %d,i i); PROGRAMAS BÁSICOS PB: Escreva um programa que escreva na tela toda a tabela ASCII (0..55 chars), escrevendo em cada linha o código ASCII e o caractere correspondente. Exemplo: 65 --> A 66 --> B 67 --> C Dica: use printf( %3d --> %c\n,i,(char) i); PB: Escreva um programa que lê um número e escreve a seqüência crescente e decrescente entre e esse número. Exemplo: Digite um numero: PB3: Escreva um programa que verifica se um número é par ou ímpar. Se for par ele escreve a seqüência em ordem crescente de todos os pares até o número. Se for impar escreve todos os impares até ele em ordem decrescente. Dicas: Use o operador resto da divisão para saber se um número é par ou ímpar. Use o PB para saber como imprimir em ordem crescente ou decrescente. PB4: Escreva um programa que solicite um número ao usuário até que o valor esteja entre os valores e 00. PB5: Escrever um programa que lê um número e em seguida escreve todos os números inteiros a partir desse número, exceto os múltiplos de 3. Quando encontrar o primeiro múltiplo de 0 a execução termina. Dicas: use dentro do laço do for um if que use os comandos break e continue. Use o operador resto da divisão %. PB6: Implemente o fluxograma descrito a seguir em que é obtido o resto da divisão inteira (operador %) r e o quociente q. Observe que apenas operações de comparação (<=), soma (+) e subtração (-) podem ser utilizadas no seu programa. PB7: Dados os valores de N (int positivo) e x (float), calcular o valor de: 3 n x x x E x! 3! n! PB8: Na seqüência de frações: ,,,,,, o numerador de cada fração é a soma do numerador e do denominador da fração anterior, e o denominador de cada fração é 5

6 a soma dos denominadores das duas frações anteriores. Dado o valor de N (N >= ), calcular a soma dos N primeiros termos da seqüência. PROGRAMAS AVANÇADOS PA: Modifique o PB de forma que dois números inteiros entre 0 e 55 sejam digitados. Depois em cada linha da tela será escrito o código da tabela ASCII e o correspondente caracter para todos os códigos cujos valores variem entre os dois números introduzidos. Exemplos: Dois numeros: > A 66 --> B Dois números: > A 66 --> B PA: Qual a diferença entre os dois trechos de código: i = 0; while (i++) i = 0; while (++i) PA3: Preencha os espaços em branco com o valor das respectivas colunas, depois de executada a instrução à sua esquerda. Nota: Devem ser utilizados os valores alterados das variáveis em cada uma das linhas. x y z x++ y*=(z++ + ) y!= z = (x%)+ - - y z = (x==y)!z z = x%8 PA4: Uma tripla de Pitágoras é um conjunto de três valores inteiros que correspondem aos lados de um triângulo retângulo. Determinar todas as triplas de Pitágoras (lado, lado, hipotenusa) para inteiros não maiores do que 500. PA5: Implementar um programa que exibe quantas notas de 50, 0 e 5 são necessárias para o pagamento de uma determinada conta tal que o valor a ser pago seja o menor possível. Dicas: Certamente uma conta de 00 reais poderia ser paga com 0 notas de 50, mas o menor valor que pode ser utilizado é de apenas notas de 50. Use o operador %. PA6: Reimplemente o PB7, mas observando que o critério de parada é tal que a diferença entre duas aproximações de E sejam menores que uma precisão especificada pelo usuário. Dicas: a primeira aproximação de E é e a segunda é + x. Use duas variáveis: uma para armazenar o valor anterior de E, Eant, e outra para armazenar o valor atual de E, Eatual. Use a comparação (Eatual - Eant) < precisao. PA7: Implemente o programa que calcula o número n pela série infinita: 4, até que o valor absoluto da diferença entre dois termos consecutivos seja menor que uma precisão fornecida pelo usuário. PA8: A Regra dos Trapézios consiste em aproximar a área debaixo de curva formada por uma função f(x) por um trapézio, como descrito na Figura dada a seguir. Em termos matemáticos isto equivale à: b h f ( x) dx ( f ( x0) f ( x)) a onde: x 0 e x são os limites inferior e superior de integração (a e b), h = (x -x 0 ), f(x 0 ) e f(x ) são os valores que a função assume nos pontos relativos aos limites inferior e superior do intervalo de integração, respectivamente. 6

7 Teste esta regra para calcular as seguintes integrais: (A) x dx ; (B) x 3 dx 4 ; (C) x dx PA9: A partir da Regra dos Trapézios descrita no PA8 é possível obter a Regra dos Trapézios Repetida cuja fórmula é dada por: xm x0 f ( x) dx f ( x0 ) h f ( x) f ( xm) f ( x m ) onde: h = (b - a i )/n, n é o número de subintervalos, x i = x 0 + i*h, i = 0,,m. De posse desta fórmula resolva o PA8 de novo. 7

Estruturas de repetição (Ciclos)

Estruturas de repetição (Ciclos) Introdução Vamos começar por tentar resolver os seguintes exercícios com base nos conhecimentos Que já temos até agora. Problema 1: Escreva um programa em ANSI-C que escreve os primeiros 10 números inteiros

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ 1 - VARIÁVEIS Variáveis espaço de memória reservado para armazenar tipos de dados, com um nome para referenciar seu conteúdo. Observações importantes Todas as variáveis devem

Leia mais

02. [Manzano, 1996] Escreva um programa em C que apresente os quadrados dos números inteiros de 15 a 200.

02. [Manzano, 1996] Escreva um programa em C que apresente os quadrados dos números inteiros de 15 a 200. 01. [Damas, 2007] Escreva um programa em C que escreva na tela toda a tabela ASCII (0 a 255 caracteres), escrevendo um cada linha o código ASCII e o caractere correspondente. Exemplo: 65 A 66 B 67 C 02.

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C;

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; Aula 3 Estruturas de controle Objetivos Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; construir programas em

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

LINGUAGEM C. Estrutura básica de um programa

LINGUAGEM C. Estrutura básica de um programa LINGUAGEM C Estrutura básica de um programa Um programa em linguagem C é constituído por uma sequência de funções (módulos) que em conjunto irão permitir resolver o problema proposto. Estas funções contêm

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

ATENÇÃO!!! 12-01-2005 Rui Morgado - TLP 2

ATENÇÃO!!! 12-01-2005 Rui Morgado - TLP 2 Ciclos Exercícios ATENÇÃO!!! Depois de executar o exercício no editor da linguagem de programação C, copie o código para o bloco de notas (dê como nome ao ficheiro o n.º do exercício e o seu nome) e guarde

Leia mais

INF 1005 Programação I lista 12

INF 1005 Programação I lista 12 INF 1005 Programação I lista 12 Caracteres e cadeias de caracteres (strings) 1. [tarefa 42] Implemente e teste uma função que receba uma string como parâmetro e modifique essa string trocando todos os

Leia mais

7. Estrutura de Decisão

7. Estrutura de Decisão 7. Estrutura de Decisão Neste tipo de estrutura o fluxo de instruções a ser seguido é escolhido em função do resultado da avaliação de uma ou mais condições. Uma condição é uma expressão lógica. A classificação

Leia mais

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros.

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. Lista de exercícios: Grupo I - programa seqüênciais simples 1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. 2. Fazer um programa

Leia mais

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Estruturas de Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Estrutura de Controle e de Fluxo Comandos de Seleção: O comando if; Ifs Aninhados; A escada if-else-if; A expressão condicional;

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 5 Instruções de controle: Parte 2 Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 5.1 Introdução Instrução de repetição for Instrução de repetição do while Instrução de seleção

Leia mais

José Romildo Malaquias 2011-1

José Romildo Malaquias 2011-1 Programação de Computadores I Aula 08 Programação: Estruturas de Repetição José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/58 Motivação Como imprimir os três

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

9.1.2 Laços Controlados por Entrada: Contador

9.1.2 Laços Controlados por Entrada: Contador 9.1.2 Laços Controlados por Entrada: Contador Exemplo 2- Escreva um algoritmo e um programa em C que dado um Número qualquer, seja calculado e impresso a tabuada desse número. Algoritmo tabuada Variáveis:

Leia mais

9 Comandos condicionais

9 Comandos condicionais 9 Comandos condicionais Um comando condicional é uma instrução empregada quando se deseja criar um desvio, isto é, a opção de executar-se ou não um determinado trecho de código, segundo uma condição. Em

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Também chamado de estrutura de seleção múltipla (caso). Assim como o if-else, o switch também é uma estrutura de seleção. O if-else realiza o teste

Leia mais

Plano de Aula. if(condição) { bloco de comandos; } else { bloco de comandos2; }

Plano de Aula. if(condição) { bloco de comandos; } else { bloco de comandos2; } Instituto Federal de Santa Catarina - Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática - Módulo IV Unidade Curricular: Programação Estruturada Professora: Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderfer Plano

Leia mais

LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA. Prof. André R. Backes

LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA. Prof. André R. Backes LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA Prof. André R. Backes 1 COMANDOS DE CONTROLE CONDICIONAL Os programas escritos até o momento são programas sequeciais: um comando é executado após o outro, do começo ao fim do

Leia mais

Algoritmos e Programação. Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com.

Algoritmos e Programação. Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com. Algoritmos e Programação Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com.br 2012 Conteúdo e Objetivos da Aula Introdução a Linguagem C Revisão

Leia mais

Técnicas de Programação I

Técnicas de Programação I Técnicas de Programação I Conceitos básicos C/C++ Material baseado nas aulas da Profa. Isabel Harb Manssour http://www.inf.pucrs.br/~manssour/laproi, entre outros materias Estrutura de Seleção: Comando

Leia mais

Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4

Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4 Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4 WHILE 1. Faça um comando while equivalente ao descrito abaixo (que realize o mesmo tipo de procedimento e obtenha o mesmo

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Convertendo Algoritmos para a Linguagem C

Convertendo Algoritmos para a Linguagem C onvertendo Algoritmos para a Linguagem Notas de Aula Prof. Francisco Rapchan www.geocities.com/chicorapchan O objetivo deste texto é mostrar alguns programas em, dando uma breve descrição de seu funcionamento

Leia mais

Curso C: Controle de Fluxo

Curso C: Controle de Fluxo Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Computação Curso C: Controle de Fluxo Prof. Ricardo Pezzuol Jacobi rjacobi@cic.unb.br O comando if if ( express o Ž verdadeira ) execute comando ou bloco

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO EM TURBO C DESCRIÇÃO DO PROGRAMA. Introdução e conceitos básicos

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO EM TURBO C DESCRIÇÃO DO PROGRAMA. Introdução e conceitos básicos CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO EM TURBO C Introdução e conceitos básicos DESCRIÇÃO DO PROGRAMA a) Comandos e manipulação do editor ; b) Estrutura básica de um programa em C ; c) Declaração de constantes e

Leia mais

14.1 Vetor - Problemas

14.1 Vetor - Problemas Problema 14: Um método de Criptografia consiste em substituir as letras de uma mensagem através do emparelhamento de alfabetos tal como dado abaixo. Construir um programa que codifica mensagens usando

Leia mais

Exercícios de Revisão Java Básico

Exercícios de Revisão Java Básico Exercícios de Revisão Java Básico (i) Programação básica (estruturada) 1) Faça um programa para calcular o valor das seguintes expressões: S 1 = 1 1 3 2 5 3 7 99... 4 50 S 2 = 21 50 22 49 23 48...250 1

Leia mais

Programação científica C++

Programação científica C++ Programação científica C++ NIELSEN CASTELO DAMASCENO Slide 4 Aluno que não sabe programar int main() { cout

Leia mais

Estrutura Condicional em Java

Estrutura Condicional em Java Estrutura Condicional em Java Linguagem de Programação 1 O Java contém três tipos de instruções de seleção. A instrução if realiza uma ação se uma condição for verdadeira ou pula a ação se a condição for

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Belo Horizonte 2010 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4 3.1 Strings

Leia mais

Formador: Henrique Fidalgo LINGUAGEM C. 783 - Programação em C/C++ ciclos e decisões

Formador: Henrique Fidalgo LINGUAGEM C. 783 - Programação em C/C++ ciclos e decisões LINGUAGEM C 783 - Programação em C/C++ ciclos e decisões Valores Lógicos Verdadeiro e Falso Como vimos anteriormente o C possui 4 tipos de dados (int, float, char, double), não existe assim nenhum tipo

Leia mais

Estrutura switch if-else switch switch switch if-else-if switch switch case default break switch switch break Observações: case

Estrutura switch if-else switch switch switch if-else-if switch switch case default break switch switch break Observações: case Estrutura switch. O comando if-else e o comando switch são os dois comandos de tomada de decisão. Sem dúvida alguma o mais importante dos dois é o if, mas o comando switch tem aplicações valiosas. Sua

Leia mais

A linguagem C oferece quatro estruturas de decisão: if, if-else, switch e o operador condicional.

A linguagem C oferece quatro estruturas de decisão: if, if-else, switch e o operador condicional. Capítulo 3 Comandos de Decisão A linguagem C oferece quatro estruturas de decisão: if, if-, switch e o operador condicional. O comando if O comando if instrui o computador a tomar uma decisão simples.

Leia mais

Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle

Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Disciplina: TCC-00.7 Prog. de Computadores III Professor: Leandro Augusto Frata Fernandes Turma: A- Data: / / Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle. Construa um algoritmo

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Programação: Estruturas de seleção

Programação: Estruturas de seleção Programação de Computadores I Aula 07 Programação: Estruturas de seleção José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/53 Valores booleanos Os valores booleanos

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++ Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++ Belo Horizonte 2009 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1 Python Condicionais e Loops Introdução à Programação SI1 Conteúdo Comando de Decisão Comandos de Repetição Exercícios 13/06/2013 2 Condicional Controle de fluxo É muito comum em um programa que certos

Leia mais

Módulo 4. Instruções for, while e do/while. Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio)

Módulo 4. Instruções for, while e do/while. Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio) Módulo 4 Instruções for, while e do/while Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio) Estrutura de repetição for Repete uma seqüência de comando O número de vezes que ocorrerá a repetição é controlado

Leia mais

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 02 Fundamentos de Linguagens Sumário : Linguagem, alfabeto e gramática

Leia mais

Orientação a Objetos. Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java. Gil Eduardo de Andrade

Orientação a Objetos. Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java. Gil Eduardo de Andrade Orientação a Objetos Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java Gil Eduardo de Andrade Conceitos: Orientação a Objeto Introdução Abordagem típica no desenvolvimento de sistemas complexos; Consiste

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 02 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para

Leia mais

Curso Java Starter. www.t2ti.com 1

Curso Java Starter. www.t2ti.com 1 1 Apresentação O Curso Java Starter foi projetado com o objetivo de ajudar àquelas pessoas que têm uma base de lógica de programação e desejam entrar no mercado de trabalho sabendo Java, A estrutura do

Leia mais

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Operadores de Incremento Operadores de incremento servem como expressões de atalho para realizar incrementos em variáveis Operadores de Incremento Vamos

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Estruturas de Controle Profa Susana M Iglesias

Lista de Exercícios 3 Estruturas de Controle Profa Susana M Iglesias Lista de Exercícios 3 Estruturas de Controle Profa Susana M Iglesias 1. Tendo em vista o alto preço da gasolina, os motoristas estão preocupados com a quilometragem percorrida por seus automóveis. Um motorista

Leia mais

Linguagem C Funções definidas pelo usuário. Lógica de Programação

Linguagem C Funções definidas pelo usuário. Lógica de Programação Linguagem C Funções definidas pelo usuário Lógica de Programação Caro(a) aluno(a), Trabalharemos agora com as funções criadas por vocês na Linguagem C. Bom trabalho!!! Funções C permite que o programador

Leia mais

Comandos de repetição while

Comandos de repetição while Programação de Computadores I UFOP DECOM 2014 2 Aula prática 6 Comandos de repetição while Resumo Nesta aula vamos trabalhar com problemas cuja solução envolve realizar um cálculo ou tarefa repetidas vezes,

Leia mais

Prof. Vania Gimenez.Notas de aula Lógica de programação- Este material não substitui os livros indicados no site no link bibliografia.

Prof. Vania Gimenez.Notas de aula Lógica de programação- Este material não substitui os livros indicados no site no link bibliografia. Prof. Vania Gimenez.Notas de aula Lógica de programação- Este material não substitui os livros indicados no site no link bibliografia. ---------------------------------------------------------------- Comandos

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

Este material pode ser usado livremente, copiado ou distribuído, desde que citada a autoria. Feito no L A TEX em ambiente Linux.

Este material pode ser usado livremente, copiado ou distribuído, desde que citada a autoria. Feito no L A TEX em ambiente Linux. Algoritmos Computacionais com aplicações em C Bacharelado em Sistemas de Informação Engenharia Mecatrônica IF Sudeste MG Filippe Jabour 17 de dezembro de 015 http://www.jabour.com.br Este material pode

Leia mais

AULA 1 AULA 2. Estudo dirigido para as três primeiras AULAS de LPI Professora ANITA MACIEL 1º ESTUDO DIRIGIDO

AULA 1 AULA 2. Estudo dirigido para as três primeiras AULAS de LPI Professora ANITA MACIEL 1º ESTUDO DIRIGIDO 1º ESTUDO DIRIGIDO AULA 1 1) Quem desenvolveu a linguagem C e em que década? 2) Cite as sete vantagens da linguagem C? 3) Em 1999, algumas modificações importantes aconteceram. Exemplifique. 4) Cite as

Leia mais

Variáveis e Comandos de Atribuição

Variáveis e Comandos de Atribuição BCC 201 - Introdução à Programação Variáveis e Comandos de Atribuição Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/47 Estrutura Básica de um programa C I < d i r e t i v a s do pré p r o c e s s a d o r > < d e c l

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9 Introdução a linguagem C Estruturas de decisão Introdução à Linguagem C Linguagem compilada. Desenvolvida sobre os paradigmas de programação procedural. Uma das linguagens

Leia mais

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional UNIX. O C é derivado de uma outra linguagem: o B,

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 2 Linguagem C: Desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios da AT&T Bell (EUA) no início dos anos 70; Algol

Leia mais

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FLÁVIO KEIDI MIYAZAWA com a colaboração de TOMASZ KOWALTOWSKI Instituto de Computação - UNICAMP Versão 2000.1 Estas notas de aula não devem ser

Leia mais

Comandos If-else. Unesp Campus de Guaratinguetá. Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro. 5.

Comandos If-else. Unesp Campus de Guaratinguetá. Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro. 5. 5- A Lógica da Programação Comandos If-else Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro 1 5. A Lógica da programação 5.1 Introdução! Neste

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa.

Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Operadores básicos Toda linguagem de programação, existem

Leia mais

IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05

IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05 IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos http://manoelcampos.com

Leia mais

Alguns Exercícios de Programação de em Linguagem C

Alguns Exercícios de Programação de em Linguagem C Alguns Exercícios de Programação de em Linguagem C Nelma Moreira Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, Universidade do Porto email: nam@ncc.up.pt 1997 1 Execução de algumas instruções

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 Revisão para prova: Comandos de Entrada e Saída Estruturas de Decisão (Se, caso (escolha)) Laços de Repetição (Enquanto, Repita, Para) Relembrando Trabalho 1 Prazo de

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Revisão Aula Anterior Estruturas de Decisão (If e Switch)

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Revisão Aula Anterior Estruturas de Decisão (If e Switch) CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9 Revisão Aula Anterior Estruturas de Decisão (If e Switch) Revisão Comandos básicos no terminal: Para verificar os arquivos que estão em uma pasta usa-se ls: Para acessar

Leia mais

Q1 Q2 Q3 Nota. Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P2 20/10/2010. Aluno: Exemplo (apenas um exemplo!):

Q1 Q2 Q3 Nota. Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P2 20/10/2010. Aluno: Exemplo (apenas um exemplo!): Matrícula: Departamento de Informática - PUC-Rio Turma: Q1 Q2 Q3 Questão 1) (3.0 pontos) Uma empresa permite que seus funcionários façam chamadas internacionais a partir de seus ramais, mas mantém um registro

Leia mais

insfcanceof new public switch transient while byte continue extends for int null

insfcanceof new public switch transient while byte continue extends for int null Palavras -chave de JAV A abstract catch do final implements long private static throw void boolean char double finally import native protected super throws volatile break class float insfcanceof new public

Leia mais

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO AULA 4 Entrada e saída 1 Entrada, saída, hãmm? O conceito de entrada e saída já foi utilizado de forma intuitiva nos exemplos das aulas anteriores. Entendemos por entrada qualquer

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C 1 Enunciado: a)implementar a função maior que devolve o maior de dois números inteiros passados como parâmetro; b)construir um programa em C que determine o maior de

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Linguagem e Técnicas de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Algoritmos e Programação usando a Linguagem C. Prof. MSc. Renato Afonso Cota Silva

Algoritmos e Programação usando a Linguagem C. Prof. MSc. Renato Afonso Cota Silva Algoritmos e Programação usando a Linguagem C Prof. MSc. Renato Afonso Cota Silva 1 2 Aula 1 Introdução à Linguagem C... 4 1.1 Introdução... 4 1.2 Fundamentos da Linguagem... 5 1.3 Comandos de Entrada

Leia mais

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular 17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante 17

Leia mais

Introdução a Algoritmos Parte 04

Introdução a Algoritmos Parte 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia de Computação Introdução a Algoritmos Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 4: Tipos de Dados O objetivo desta aula é apresentar os tipos de dados manipulados pela linguagem C, tais como vetores e matrizes, bem como

Leia mais

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1 Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação Lista de Exercícios 1 1. O programa seguinte tem vários erros em tempo de compilação. Encontre-os. Main() int a=1; b=2,

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução No capítulo anterior verificamos que a execução seqüencial dos comandos da função main nos limita a programação de algoritmos muito simples. Passamos, então, a dedicar

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

O comando switch. c Professores de ALPRO I 04/2012. Faculdade de Informática PUCRS. ALPRO I (FACIN) O comando switch 04/2012 1 / 31

O comando switch. c Professores de ALPRO I 04/2012. Faculdade de Informática PUCRS. ALPRO I (FACIN) O comando switch 04/2012 1 / 31 O comando switch c Professores de ALPRO I Faculdade de Informática PUCRS 04/2012 ALPRO I (FACIN) O comando switch 04/2012 1 / 31 Sumário 1 Relembrando... 2 Comando de Seleção (Parte III) Menus e o comando

Leia mais

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include <iostream> Aula 1 C é uma linguagem de programação estruturada desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios Bell entre 1969 e 1972; Algumas características: É case-sensitive, ou seja, o compilador difere letras

Leia mais

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa Aula 12: Funções Nesta aula explicaremos o que são e como usar funções nos seus programas em JavaScript. Você aprenderá como elas podem receber e retornar valores à estrutura que as acionou. Entenderá

Leia mais

Linguagem de Programação I

Linguagem de Programação I Linguagem de Programação I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2016 Linguagem de Programação C 2 1 Linguagem de Programação C Os programas em C consistem em

Leia mais

MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes

MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes Instituto de Computação Unicamp 5 de Maio de 2015 Roteiro 1 Strings Strings: Exemplos 2 Matrizes Exemplos com Matrizes 3 Exercícios (Instituto de Computação Unicamp) MC-102

Leia mais

Aula 3 Desvio Condicional

Aula 3 Desvio Condicional Aula 3 Desvio Condicional ROTEIRO DA AULA Desvio Condicional Simples Desvio Condicional Composto Desevio Condicional Aninhado Desvio Condicional em JAVA 2 DESVIO CONDICIONAL Um desvio condicional é usado

Leia mais

Estrutura de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira. Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estrutura de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira. Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estrutura de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos ESTRUTURAS DE DADOS Ementa Introdução à Linguagem C. Recursividade. Alocação dinâmica de memória. Conceito de tipos

Leia mais

Elementos de programação em C

Elementos de programação em C Elementos de programação em C Estruturas condicionais Francisco A. C. Pinheiro, Elementos de Programação em C, Bookman, 2012. Visite os sítios do livro para obter material adicional: www.bookman.com.br

Leia mais

Linguagem C: for. Introdução à linguagem C(++) Profs. Anilton, Lasaro e Paulo Coelho. Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia

Linguagem C: for. Introdução à linguagem C(++) Profs. Anilton, Lasaro e Paulo Coelho. Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia Introdução à linguagem C(++) Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia Organização Introdução Esqueleto de Repetições I Passos do do-while e while declarar uma variável que sirva de controle

Leia mais

Técnicas de Programação I

Técnicas de Programação I Técnicas de Programação I Conceitos básicos C/C++ Material baseado nas aulas da Profa. Isabel Harb Manssour http://www.inf.pucrs.br/~manssour/laproi, entre outros materias Operadores Aritméticos C++: Outros

Leia mais

valor_dolar = converte(valor_compra, taxa_dolar); valor_final = converte(valor_dolar, taxa_real) * 1.0238;

valor_dolar = converte(valor_compra, taxa_dolar); valor_final = converte(valor_dolar, taxa_real) * 1.0238; Q1 Q2 Q3 Q4 Questão 1: Os cartões de crédito no Brasil utilizam o Dólar como a moeda de referência para as compras no exterior. Sendo assim, se você realiza uma compra em Buenos Aires, por exemplo, primeiro

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1ª Série Programação Estruturada I A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Estruturas de entrada e saída

Estruturas de entrada e saída capa Estruturas de entrada e saída - A linguagem C utiliza de algumas funções para tratamento de entrada e saída de dados. - A maioria dessas funções estão presentes na biblioteca . - As funções

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais