Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual. Estágio 3 Ativos não-financeiros: estudo de caso da Open Safari

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual. Estágio 3 Ativos não-financeiros: estudo de caso da Open Safari"

Transcrição

1 2014 Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual Estágio 3 Ativos não-financeiros: estudo de caso da Open Safari

2 Este material de ensino foi preparado pela equipe de educação da Fundação IFRS. Ele não foi aprovado pelo Conselho de Normas Internacionais de Contabilidade (IASB). O material de ensino é estruturado somente como uma sugestão para os docentes de IFRS. Para maiores informações sobre a iniciativa de educação IFRS, por favor, visite Todos os direitos, incluindo direitos autorais, em relação a esta publicação são de propriedade da Fundação IFRS. Copyright 2014 IFRS Foundation Direitos Autorais 2013 Fundação IFRS 30 Cannon Street Londres EC4M 6XH Reino Unido Telefone: +44 (0) Web: Isenção de responsabilidade: A Fundação IFRS, os autores e os editores não assumem qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos causados a qualquer pessoa e/ou entidade pela adoção das sugestões contidas no material desta publicação, sejam essas perdas causadas por ação ou omissão ou por qualquer outro motivo. Quaisquer nomes de indivíduos, empresas e/ou lugares utilizados nesta publicação são fictícios e qualquer semelhança com pessoas reais, entidades ou lugares é mera coincidência. Direitos de uso Embora a Fundação IFRS incentive o uso deste material de ensino para fins de educação e docência, você deve fazê-lo de acordo com os termos de uso a seguir. Para mais detalhes sobre o uso de nossas normas visite Favor observar que o uso deste material de ensino (como estabelecido nos termos de uso) não está sujeito a contrapartida na forma de pagamento pecuniário e nos reservamos o direito de mudar estes termos de uso de tempos em tempos. Seu direito (se houver) de usar este material de ensino expirará: Quando este material de ensino estiver desatualizado, momento no qual deverá deixá-lo de usá-lo e/ou torná-lo disponível e/ou; Se você violar os termos de uso. Termos de Uso 1.1 Este material de ensino somente poderá ser utilizado com o propósito educacional e em acordo com estes termos. Se você tiver qualquer outra finalidade, por favor, entre em contato conosco a fim de obter uma licença por escrito, cuja concessão é ato de nossa exclusiva discricionariedade. Uso do material em meio impresso 1.2 Salvo que você esteja reproduzindo este material, na íntegra ou em parte, para ser usado em documentação impressa isolada e não integrada a qualquer outro impresso alheio a este material de ensino, você não deve usar, reproduzir ou permitir que alguém utilize ou reproduza, quaisquer marcas que nele aparecem. 1.3 Para evitar qualquer dúvida, você não deve usar ou reproduzir qualquer marca que aparece no material de ensino, caso o esteja usando, na íntegra ou em parte, como parte integrante de outra documentação alheia a este material de ensino. 1.4 As marcas incluem, mas não estão limitadas à Fundação IFRS e aos nomes e logotipos do IASB. 1.5 No caso de reprodução na íntegra ou em parte deste material, a partir desta publicação em formato impresso, você deve garantir que: A documentação inclui um de direitos autorais; a documentação inclui uma declaração de que a Fundação IFRS é a autora do material; a documentação inclui nota de isenção de responsabilidade adequada; nosso papel como o(s) autor (es) do material de ensino seja reconhecido; o extrato seja mostrado com precisão, e o extrato não seja utilizado num contexto que possa induzir a erro ou interpretação errônea. Uso do material em meio eletrônico. 1.6 Em relação a qualquer uso em meio eletrônico deste material de ensino: Caso pretenda fornecer este material de ensino (na íntegra) através de seu site, você pode fazê-lo apenas por meio de uma conexão ( link ) que direcione para o nosso site. Por favor, veja para detalhes de como conectar-se eletronicamente ao nosso site Caso pretenda incluir qualquer parte deste material de ensino em seu site gratuitamente ou em um pacote de apresentações ( slides ) ou lâminas para um curso de capacitação, deverá cumprir as disposições constantes no parágrafo 1.5. Você não deve usar, reproduzir ou permitir que alguém utilize ou reproduza quaisquer marcas que aparecem no material de ensino. Caso pretenda fornecer qualquer parte deste material didático eletronicamente para qualquer outra finalidade, por favor, entre em contato conosco a fim de obter uma licença por escrito, cuja concessão é ato de nossa exclusiva discricionariedade. A violação de qualquer destes termos de uso representará o cancelamento de qualquer direito (se houver) de uso de nossos materiais, competindo-lhe, conforme nossa escolha, promover a devolução ou destruição de quaisquer cópias dos materiais que você tenha feito. Por favor, encaminhe assuntos de publicação e direitos autorais para: IFRS Foundation Publications Department 30 Cannon Street Londres EC4M 6XH Reino Unido Telefone: +44 (0) Web: Agradecemos o Prof. Dr. Poueri do Carmo Mario pela tradução ao Português do Brasil do material de ensino contido nesta publicação e o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A tradução ao Português do Brasil do material de ensino contido nesta publicação não foi aprovada por um comitê de revisão nomeado pela Fundação IFRS. A Fundação IFRS detém os direitos autorais sobre a tradução para o Português do Brasil. Marcas Registradas O logotipo da Fundação IFRS, o logotipo do IASB, o logotipo dos IFRS para PMEs, a Figura Hexagonal, Fundação IFRS, eifrs, IAS, IASB, Fundação IASC, IASCF, IFRS para PMEs, IASs, IFRS, IFRSs, Normas Internacionais de Contabilidade, Normas Internacionais de Relatório Financeiro são Marcas Registradas da Fundação IFRS. deliberação. Página 1

3 O estudo de caso da Open Country Safari Company Michael J C Wells, Diretor, Iniciativa de Educação IFRS, Fundação IFRS Ann Tarca, ex-fellow acadêmica, Iniciativa de Educação IFRS, Fundação IFRS e professora de Contabilidade, Escola de Negócios, Universidade de Western Austrália. Este material se beneficiou muito do retorno e comentários de pessoas que participaram de uma série de apresentações interativas sobre a abordagem embasada na estrutura conceitual para o ensino da Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS), organizada pela Fundação IFRS e outros e da revisão por pares por vários avaliadores anônimos. Contexto Makeit PLC é uma empresa listada na Bolsa de Valores de Londres. A empresa tem operado com sucesso no setor industrial há mais de 20 anos e por muitos anos elaborou suas demonstrações financeiras de acordo com as Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS). Embora a Makeit apresente as suas demonstrações financeiras em Libras Esterlinas ( ), sua moeda funcional é o Euro ( ). Em 20X0, o conselho de administração da Makeit decidiu expandir as operações da Makeit em novos tipos de negócios e numa localização geográfica em que atualmente não opera a África Subsaariana. Assim, seus gestores selecionaram uma série de atividades na África meridional a serem realizadas como parte de um plano de diversificação de dez anos. A empresa nomeou James e Judith Bilkersen para gerenciar suas operações africanas, sob a marca The Open Country Safari Company (Open Safari). Os Bilkersens (doravante denominados os administradores) tem mais de 15 anos de experiência no setor de hotelaria na África e compartilham uma paixão pela conservação da vida selvagem e habitat naturais. A Makeit pretende operar com uma pousada para safáris e outros negócios na África por prazo indefinido. Open Safari prepara demonstrações financeiras em conformidade com as IFRS. Uma questão IFRS para discussão em sala de aula Qual moeda é a moeda de apresentação da Open Safari? Qual moeda é a moeda funcional da Open Safari? Observação: você precisa ler todas as informações deste estudo de caso para formar uma opinião sobre este aspecto em particular, que é um dos mais difíceis deste estudo de caso. deliberação. Página 2

4 Transações em 20X0-20X2 Em 2 de janeiro de 20X0, Makeit constitui a Open Safari como uma subsidiária integral legalmente separada, na República da Africania (Africania) por meio da integralização de (em libras esterlinas) ao capital social da Open Safari. Em 3 de janeiro de 20X0, a Open Safari obtém um empréstimo de de um banco britânico. O contrato de empréstimo obriga o banco a transferir para a Open Safari em 3 de janeiro de 20X0 e a Open Safari a transferir ao banco, dez anos depois, , em 2 de janeiro 20Y0 (em liquidação única e definitiva do empréstimo). A Makeit garantirá todos os pagamentos ao banco, no caso de inadimplência da Open Safari. Aquisição de terrenos Em 1 de fevereiro de 20X0, a Open Safari compra mil hectares de terra natural não desenvolvida chamada Freelands, uma área de terra no centro de Africania, por US$ , com o objetivo de estabelecer um negócio de ecoturismo. A propriedade, em todos os seus limites, não é cercada e está adjacente a um parque nacional, exceto a fronteira ocidental, onde Freelands é adjacente a um terreno de propriedade particular não desenvolvido, que está sem uso atualmente. Uma grande variedade de plantas nativas e animais silvestres (incluindo um número significativo de búfalos, crocodilos, girafas, hipopótamos, leopardos, leões, zebras e uma grande variedade de antílopes) habitam Freelands e as terras vizinhas. A lei em Africania determina que os animais selvagens sejam de propriedade do dono da terra que ocupam. Nem elefantes, nem rinocerontes frequentam mais Freelands, pois ambas as espécies não existem em Africania, devido à maciça caça ilegal durante a guerra civil, que assolou o país há cerca de uma década. Projeto de infraestrutura Os Bilkersens estão entusiasmados pelo potencial da propriedade em atrair turistas internacionais, porque os visitantes seriam capazes de ver os animais nativos de perto em seu habitat natural. Consequentemente, em fevereiro de 20X0, o casal contrata um famoso arquiteto italiano para projetar uma luxuosa pousada para safáris. A fase de construção está prevista para durar cerca de três anos até a conclusão. O plano dos administradores é construir os edifícios que se integrem ao seu entorno e que tenham o mínimo impacto sobre o meio ambiente. Eles, portanto, preferem usar materiais e técnicas de construção locais, incluindo telhados de sapê, colhidos em Freelands, para os edifícios da pousada e o alojamento do pessoal. Em abril de 20X0, os planos para a pousada são finalizados. Eles incluem a construção de uma área de recepção, restaurante, salão de estar, piscina e um escritório para administrar a pousada e as operações de safári. Os planos também incluem uma casa para os Bilkersens, 20 casas menores de estadia para o pessoal de apoio e 18 tendas móveis de safári de luxo, em alumíniomoldado e com lonas, para os hóspedes. 1 Dólar (US$) é a moeda dos Estados Unidos da América deliberação. Página 3

5 Quando concluído, o edifício principal da pousada compreenderá uma estrutura externa (expectativa de vida econômica de 60 anos), dutos de ar condicionado (30 anos), telhado de sapê (20 anos), utensílios e acessórios (15 anos), móveis (15 anos) e estofamentos (5 anos). No entanto, para manter a imagem sofisticada da pousada, a administração espera substituir o telhado de sapê, utensílios e acessórios, móveis e estofamentos em intervalos de 10, 5, 3 e 2 anos, respectivamente. A administração não tem a intenção de substituir a estrutura externa ou os dutos de ar-condicionado antes do final de sua vida econômica. Embora o telhado de sapê e os acessórios não terão chegado ao fim de suas vidas econômicas esperadas no momento da sua prevista substituição, espera-se que a remoção desses ativos os danifique substancialmente e não tenham mais valor algum. Os administradores pretendem usar a piscina natural de pedra durante toda a sua vida econômica de 60 anos. A estrutura externa dos edifícios residenciais (casas) tem uma expectativa de vida econômica de 60 anos, o telhado de sapê de 20 anos, os móveis de 15 anos e os estofamentos de 5 anos. Os administradores pretendem substituir tais itens ao final de sua vida econômica, ponto em que eles não terão valor algum. Espera-se que os custos de alienação sejam insignificantes. Como a legislação local proíbe a eliminação da maioria dos resíduos biodegradáveis (por exemplo, o telhado de sapê) nas terras da entidade, a administração espera levar os equipamentos e acessórios retirados para a usina de reciclagem do governo local mais próxima, que está situada cerca de 200 quilômetros das terras da entidade. Esperam-se significativos custos de desmontagem, remoção e eliminação desses ativos. Embora o valor justo do mobiliário e dos estofamentos removidos provavelmente seja significativo no momento de sua retirada, a política da entidade é a de vender todos os acessórios para seus funcionários em troca de uma quantia nominal de dinheiro. Como o pessoal de apoio, em grande parte, vem de comunidades carentes, é altamente provável que todos os mobiliários leves serão alienados desta forma. Esse benefício também é um incentivo para os empregados a permanecerem no quadro da empresa e terem mais cuidado com os mobiliários. Cada tenda de safári tem uma moldura de alumínio (vida econômica esperada de 30 anos), uma cobertura de lona (10 anos), equipamentos e acessórios (8 anos), móveis (6 anos) e estofamentos (2 anos). A vida econômica menor desses ativos, quando comparados com os do edifício principal, é principalmente atribuída à maior exposição às intempéries (por exemplo, vento, sol e poeira) nas tendas de lona. As tendas de safári são completamente transportáveis e podem ser removidas para outro local, se necessário. A Open Safari espera substituir suas tendas de safári a cada 15 anos. Embora o valor justo das tendas de safári provavelmente será significativo ao final de sua vida econômica, a política de apoio à comunidade da Open Safari é doar as tendas usadas para uma instituição de caridade que apóia a saúde e a educação em comunidades rurais da região. A Open Safari visa promover boas relações com as comunidades próximas de onde vêm seus funcionários. deliberação. Página 4

6 Construção da pousada Em 1º de maio de 20X0, o arquiteto faturou à Open Safari o montante de AFZ$ referente ao trabalho de design realizado de fevereiro a abril de 20X0. Seu tempo foi alocado como segue: 90 por cento para o edifício da pousada, 5 por cento para a casa que será utilizada pelos Bilkersens e 5 por cento para o alojamento do pessoal de apoio. Em 2 de Maio de 20X0, um gerador de eletricidade a diesel foi comprado por US$ e instalado na pousada por um custo adicional de AFZ$ O gerador é a única fonte de energia elétrica no remoto local da pousada e não há planos para estender a rede elétrica nacional para essa área em futuro previsível. As 20 casas do pessoal de apoio e a casa dos administradores são construídas entre maio e dezembro de 20X0. Em 20X0, a Open Safari é faturada nos seguintes valores em relação à construção de todas as casas: a) material de construção: AFZ$ e US$ ; b) empreiteiros: AFZ$ ; c) equipamentos de construção: AFZ$ e US$20.000; d) o trabalho eventual para cortar, agrupar e trançar o sapê: AFZ$ ; e e) honorários de eletricista e acessórios: AFZ$ O custo incorrido para construir a casa dos Bilkersens (a casa dos administradores) é de aproximadamente o dobro de uma casa do pessoal de apoio. O edifício principal da pousada é construído entre janeiro de 20X1 e junho de 20X2 por uma empresa de construção independente, de acordo com um contrato de preço fixo de A Open Safari aluga o alojamento do pessoal de apoio para os funcionários da empreiteira independente para abrigar seus funcionários enquanto o edifício principal é construído. O aluguel total cobrado é de AFZ$ Aquisição das tendas de safári Em 30 de setembro de 20X2, as 18 tendas de safári são compradas de um fornecedor externo por US$ e transportadas para o local em que serão montadas (custos de transporte de AFZ$ ). Aquisição de móveis, acessórios e estofados Em novembro de 20X2 todos os móveis, acessórios e estofados para o prédio principal estão ajustados, testados e prontos para o uso, como pretendido pela administração, previsto para ocorrer até 1 de dezembro de 20X2. Aquisição de helicóptero e balões de ar quente 2 O Zólar Africano (AFZ$) é a moeda em Africania. deliberação. Página 5

7 Em 10 de dezembro de 20X2, a Open Safari compra um helicóptero por US$ e dois balões de ar quente por , cada. O helicóptero será usado para transferir os clientes entre o aeroporto mais próximo e Freelands (a uma distância de cerca de 100 km) e para safáris aéreos em Freelands. A Open Safari espera que o motor de helicóptero tenha duração de cinco anos e sua fuselagem de dez anos. No momento da compra, o helicóptero havia passado por uma inspeção aérea obrigatória de segurança (uma condição legal da licença do helicóptero) a um custo de US$ A próxima inspeção de segurança deve ser concluída até 30 de setembro de 20X4. Os balões de ar quente serão utilizados em safáris aéreos em Freelands. A Open Safari espera que os balões e suas cestas durem cinco anos e os equipamentos de queima dez anos. Aquisição de lista de clientes Em 20 de dezembro de 20X2, a Open Safari paga por um banco de dados de nomes e contatos de um sofisticado operador alemão de turismo de aventura. Os Bilkersens esperam que a lista de clientes seja eficaz na identificação de potencial clientela por um período máximo de cinco anos, após o qual o banco de dados estará muito desatualizado para ser eficiente. Nesse tempo eles esperam que a Open Safari tenha se estabelecido como uma marca líder no setor de ecoturismo e a mala-direta não será mais necessária. Treinamento de pessoal Em dezembro de 20X2, os Bilkersens começam o treinamento intensivo do pessoal recrutado a partir das comunidades próximas. Os funcionários são treinados em todos os aspectos de funcionamento de uma pousada exclusiva de ecoturismo. Por causa da falta de uma malha estabelecida de estradas em Freelands, os safáris são realizados de três maneiras: rastreamento de animais selvagens a pé; visualização de animais selvagens em helicóptero; visualização de animais selvagens em balão de ar quente. Os Bilkersens garantem que os mais experientes rastreadores locais de animais foram contratados para conduzir os safáris a pé. deliberação. Página 6

8 Algumas questões IFRS para discussão em sala de aula A aquisição de Freelands é uma combinação de negócios? Os animais selvagens em Freelands são ativos da Open Safari? O pessoal treinado é um ativo da Open Safari? (Observação: a Open Safari tem incorrido em custos de treinamento significativos do pessoal e alguns desses funcionários possuem habilidades específicas que são essenciais para suas operações) Quais Normas se aplicam à contabilização da aquisição de Freelands e dos ativos construídos nela? Qual é a unidade de conta para os ativos construídos em Freelands? Quais julgamentos e estimativas são feitos para mensurar, no inicial, o custo do imobilizado alojamento do pessoal de apoio, pousada, balões, helicóptero? Deveria a Open Safari depreciar seu imobilizado (amortizar seus ativos intangíveis) durante 20X0-20X2? Se sim, quando deveria iniciar a depreciação de cada item do imobilizado? Outros pontos sobre depreciação/amortização (discussão sobre julgamentos e estimativas a serem feitos a respeito de cada item do imobilizado, mesmo se a depreciação do item iniciar-se somente em 20X3): o Como determinar se os componentes desse item devem ser depreciados separadamente? o Como definir qual método de depreciação deve ser usado? o Como determinar o valor residual? o Como determinar a vida útil? o Quais julgamentos e estimativas adicionais deveriam ser feitas para as classes de imobilizado em que a Open Safari adotasse como política contábil a reavaliação de ativos? 20X3 Em 31 de janeiro de 20X3, o site da Open Safari entrou em funcionamento, com um custo de desenvolvimento de O site é o principal elo de ligação da Open Safari com seus clientes. O site fornece muitas informações sobre a pousada e suas atividades de ecoturismo, permitindo aos clientes reservar safáris diretamente. Em fevereiro e março de 20X3, a Open Safari executou uma ampla campanha publicitária nas mais importantes publicações internacionais de ecoturismo e direcionadas àqueles com interesse na natureza (US$50.000), divulgando suas operações exclusivas de ecoturismo em Africania. Os Bilkersens também promoveram a pousada em feiras de negócios na Alemanha, França, Holanda ( ) e Reino Unido ( ), e por mala direta, com os contatos da lista de clientes adquirida. De acordo com o seu programa de apoio ao desenvolvimento do ecoturismo, o deliberação. Página 7

9 governo de Africania contribuiu com uma subvenção de AFZ$ para cobrir os custos específicos associados às atividades promocionais da pousada nas feiras de negócios européias promovida pelos Bilkersens. Em abril de 20X3, a pousada iniciou as atividades e recebeu os primeiros clientes. Em 20X3, a pousada incorreu num pequeno prejuízo operacional. No entanto, o prejuízo é significativamente menor do que o prejuízo orçado pela Makeit para o primeiro ano de operações da Open Safari. Erradicação da lantana camará (uma planta daninha invasiva) Em 30 de outubro de 20X3, a Open Safari recebeu uma subvenção governamental no montante de AFZ$ do governo de Africania para financiar parcialmente a compra de equipamentos e produtos químicos necessários para o uso na erradicação da lantana camará (uma planta daninha invasiva), em cerca de 15 acres 3 de terras da Open Safari. A concessão da subvenção governamental está condicionada, substancialmente, à lantana camará ser erradicada das terras da Open Safari até 31 de dezembro de 20X4. Em novembro e dezembro de 20X3, a Open Safari gastou US$ em produtos químicos e AFZ$ em equipamento de pulverização química e facões, para uso em seus esforços na erradicação da lantana camará. 3 N.T.: Um (01) acre equivale a 0,4 hectare. Um (01) hectare equivale a m 2 deliberação. Página 8

10 Algumas questões IFRS para discussão em sala de aula O site é um ativo da Open Safari? Os gastos com atividades de publicidade e promoção (por exemplo, participar das feiras de negócios) gera um ativo, conforme definido pela Open Safari (desconsidere requisitos de )? Os produtos químicos, equipamentos de pulverização química e facões não utilizados são ativos da Open Safari? Em 31 de dezembro de 20X3, a Open Safari tem uma obrigação presente no que diz respeito à subvenção recebida do governo? O prejuízo operacional inicial é um ativo da Open Safari? Quais Normas se aplicam quando da contabilização de elementos identificados (por exemplo, ativos), a partir das informações fornecidas pela Open Safari em 20X3? Quais, se for o caso, dos ativos identificados em 20X3, as IFRS proíbem a Open Safari de reconhecer como um ativo (e por que)? Qual é a unidade de conta para os ativos reconhecidos pela Open Safari, num primeiro momento, em 20X3? Quais julgamentos e estimativas são feitas para mensurar o custo do site, no seu inicial? Quais ativos deveria a Open Safari depreciar/amortizar pela primeira vez em 20X3? Quando deveria iniciar a depreciação/amortização? Outros pontos sobre depreciação/amortização (discussão sobre julgamentos e estimativas a serem feitos em relação à cada item do imobilizado, mesmo quando depreciação do item se iniciar somente em 20X3): o Como determinar se os componentes desse item devem ser depreciados separadamente? o Como definir qual método de depreciação deve ser usado? o Como determinar o valor residual? o Como determinar a vida útil? o Reconhecer as subvenções governamentais? 20X4 Por volta de setembro de 20X4, toda a lantana camará foi erradicada de Freelands, para a satisfação do inspetor do Ministério do Turismo de Africania. As operações em Africania estão gerando um lucro significativamente superior às previsões dos Bilkersens e da Makeit. Consequentemente, os Bilkersens decidem expandir mais as operações africanas da Open Safari. A introdução de safáris em elefantes, em março de 20X4, permitiu a deliberação. Página 9

11 Open Safari aumentar significativamente o preço dos seus safáris em Africania, em resposta à inesperada alta demanda desse serviço. Aquisição de ativos e negócios da WoXy Safari Em 2 de janeiro de 20X4, a Open Safari adquiriu todos os ativos e negócios da WoXy Safari, em leilão público, por ZAR$ 30 milhões 4. A Open Safari também manteve todo o pessoal da WoXy Safari. O único acionista, fundador e gerente da WoXy Safari (Mr. Lucky), vendeu a WoXy Safari para financiar sua aposentadoria. A WoXy Safari atua nos setores de ecoturismo e do agronegócio, em terras de sua propriedade na África do Sul. Essas terras, que estão bem cercadas, é o único habitat remanescente do quagga endêmico (Equus quagga quagga). O quagga é uma subespécie da zebra comum (Equus quagga) dada como extinta até sua redescoberta pelo Mr. Lucky há cerca de uma década atrás. O rentável negócio de ecoturismo da WoXy Safari permite ao turista observar os únicos quaggas que restam no mundo em seu habitat natural, em um safári de uma hora de duração montado em um elefante. Os safáris em elefante são comercializados sob a marca registrada WoXy. Os agronegócios rentáveis da WoXy Safari compreendem um negócio de produção de mel, com selo de não agressão à natureza, e plantações sustentáveis de pinheiros exóticos. As principais razões para a Open Safari adquirir a WoXy Safari foram a obtenção de seu rebanho de quaggas e de seus dez elefantes machos treinados para safári. Após a aquisição, os elefantes foram imediatamente transferidos para Freelands, usando um helicóptero militar fornecido sem custo para a Open Safari pelo governo de Africania. A assistência de realocação é fornecida de acordo com o programa governamental de apoio de desenvolvimento do ecoturismo. Antes do leilão, os Bilkersens estimaram o valor justo dos ativos tangíveis da WoXy Safari, como segue: ZAR$ Terra e todas as plantas (incluindo pinheiros) crescendo sobre ela Quagga (rebanho: 30 maduros + 10 em formação) Elefantes (manada: 10 machos maduros) colméias ativas Total de ativos tangíveis A Open Safari também continuou a operar os agronegócios sulafricanos da WoXy Safari. Em fevereiro de 20X4, a Open Safari relançou o negócio modificado de ecoturismo sulafricano, usando a marca WoXy oferecendo safáris de quagga, a cavalo, utilizando uma tropa de 20 cavalos adquiridos ao custo de ZAR$ , em uma compra separada de um terceiro. 4 O Rand é a moeda da África do Sul (ZAR$) deliberação. Página 10

12 Contrato para a venda de madeira No final de 20X4, a Open Safari firmou um contrato para a venda, em 31 de dezembro de 20X9, de uma quantidade significativa e especificada de toras de pinus serradas, por um preço fixo. deliberação. Página 11

13 Algumas questões IFRS para discussão em classe A aquisição dos ativos e negócios da WoXy Safari é uma combinação de negócios? Identificar os ativos adquiridos pela Open Safari na data de aquisição da WoXy Safari? Assumindo que surge um ágio na contabilização da aquisição da WoXy Safari: o ágio é um ativo da Open Safari? O pessoal treinado (força de trabalho montada pela WoXy Safari) é um ativo da Open Safari? Observação: alguns funcionários possuem habilidades especiais que são essenciais para o agronegócio da Open Safari (por exemplo, apicultores e horticultores) e negócios de ecoturismo (por exemplo, os cuidadores de elefantes). Os cavalos que foram adquiridos na compra separada são ativos da Open Safari? Ao final do período relatado, o contrato a prazo para vender uma determinada quantidade de madeira, a um preço fixo especificado, é um ativo ou um passivo da Open Safari (como definidos na Estrutura Conceitual)? Quais Normas se aplicam quando da contabilização de elementos identificados (por exemplo, ativos), a partir das informações fornecidas pela Open Safari em 20X4? Quais, se for o caso, dos ativos identificados em 20X4, as IFRS proíbem a Open Safari de reconhecê-los como um ativo (e por que)? Qual é a unidade de conta para os ativos reconhecidos inicialmente pela Open Safari em 20X4? Quais julgamentos e estimativas são feitos ao mensurar, no inicial, os ativos identificados adquiridos, os passivos assumidos e qualquer participação de não controladores (e o ágio associado) a WoXy Safari? Quais os julgamentos e estimativas que a Open Safari deveria fazer na contabilização dos ativos biológicos relacionados à atividade agrícola? Como poderia a Open Safari contabilizar o helicóptero fornecido pelo governo de Africania para realocar os elefantes, da África do Sul para Freelands? Quais ativos a Open Safari deveria depreciar/amortizar pela primeira vez em 20X4? Quando deveria iniciar a depreciação/amortização? Outros pontos sobre depreciação/amortização (discussão sobre julgamentos e estimativas a serem feitos a respeito de cada item do imobilizado, mesmo quando a depreciação do item se iniciar somente em 20X4): o Como determinar se os componentes desse item devem ser depreciados separadamente? o Como definir qual método de depreciação deve ser usado? o Como determinar o valor residual? o Como determinar a vida útil? deliberação. Página 12

14 20X5 to 20X8 Depois de viverem em Africania por cerca de cinco anos, os Bilkersens estavam ainda mais inspirados por seu potencial, como uma vitrine para a vida selvagem. Em 2 de janeiro de 20X5, a Open Safari adquiriu uma segunda propriedade (Sealands), em Africania, por US$ O Sealands é uma mistura de áreas de pastagens naturais e áreas de cerrado. Exceto a parte da propriedade que fica adjacente ao Oceano Índico, o perímetro da propriedade está bem cercado. Apesar de ser seguramente cercada, não haviam animais de valor significativo no Sealands no momento da aquisição. Os objetivos principais de adquirir o Sealands são a obtenção de terra para reproduzir animais nativos raros (por exemplo, o cão selvagem africano, a hiena marrom e o rinoceronte), para a liberação na natureza, em Freelands, e ampliar o conjunto de atividades em que a Open Safari poderia se envolver, incluindo: criar o búfalo africano livre de tuberculose (TB-free) e uma gama de antílopes, zebras, girafas e javalis, para venda a outras partes; operar safáris fotográficos terrestres; licenciar safáris fotográficos terrestres auto conduzidos; operar safáris aquáticos (snorkelling, mergulho e observação de baleia) a partir da costa limítrofe do Sealands; e desenvolver instalações de férias na praia e um cassino. Todas essas atividades acontecem em Sealands ou em áreas adjacentes. No entanto, antes que elas possam ser conduzidas, a Open Safari deve, inicialmente, construir uma rede de estradas em Sealands. Desenvolvimento de infraestrutura rodoviária Os planos de desenvolvimento de estradas incluem a construção de várias estradas de cascalho e pontes, durante o período de três anos até 31 de dezembro de 20X7, para permitir o acesso à propriedade a partir da estrada nacional que passa pela fronteira oeste da propriedade. As estradas e pontes também possibilitarão safáris fotográficos na propriedade. As duas principais pontes que atravessam o rio serão construídas por uma empresa italiana de construção, de acordo com um contrato de construção de dois anos, ao preço fixo de Os pagamentos ao construtor estrangeiro para a edificação das pontes, de acordo com o contrato, foram feitos como se segue: 20X6: em 01 de junho, no início da construção; em 01 de dezembro de 20X6, para a primeira ponte (isto é, em pagamento ao andamento da obra mais como incentivo à conclusão antecipada); e em 30 de junho de 20X8 pela segunda ponte (isto é, em pagamento ao andamento da obra menos como penalidade pelo atraso na conclusão). deliberação. Página 13

15 A Open Safari decidiu construir por conta própria as estradas de cascalho e as pontes menores (e, posteriormente, fazer a manutenção das mesmas). Consequentemente, em 10 de janeiro de 20X5, a Open Safari obteve, de um distribuidor local de equipamentos pesados, o direito exclusivo de utilizar os seguintes equipamentos, por um período de dez anos, a título de um arrendamento único não cancelável: uma motoniveladora, um trator com carregadeira frontal, um triturador de rocha, um rolo compressor, dois caminhões caçamba e bananas de dinamite. Os termos do contrato de arrendamento obrigam a Open Safari a pagar ao distribuidor US$ por ano, em 30 de dezembro de cada ano, durante o contrato de locação, a partir 30 de dezembro de 20X5. Ao fazer o pagamento final do arrendamento, a propriedade do equipamento será transferida automaticamente para a Open Safari. Se a Open Safari comprasse os itens de equipamentos pesados individualmente, em dinheiro, em 10 de janeiro de 20X5, pagaria ao distribuidor os preços da tabela seguinte: motoniveladora: US$ ; trator com carregadeira frontal: US$ ; triturador de rocha: US$ ; rolo compressor: US$ ; caminhões caçamba: US$45.000, cada; e uma caixa com bananas de dinamite: US$ (Observação: as bananas individuais podem ser compradas por US$20, cada. De acordo com a lei de Afircania, a dinamite não utilizada dentro de até dois anos de sua compra deve ser destruída.) No entanto, a Open Safari teria obtido um desconto total de US$ do distribuidor, com base na tabela de preços, caso comprasse todos os itens de uma vez, em dinheiro. Esse desconto por volume está refletido nos pagamentos do arrendamento acordados com o distribuidor. Em janeiro de 20X5, um agrimensor independente projetou a estrada conforme as especificações da administração, ao custo de US$ Primeiro, a estrada é delimitada com estacas colocadas no chão, em intervalos de 10 metros cada uma. Em seguida, o trator limpa os arbustos ao longo da rota da estrada, antes da motoniveladora raspar os detritos e a vegetação remanescentes, para descobrir e nivelar a terra. Em seguida, a brita é colocada sobre o solo gradeado e compactado por rolos, para formar a superfície da estrada. O processo é bastante demorado e apenas 10 quilômetros de estrada foram concluídos em 20X5. A maior parte da dinamite (980 bananas) é usada em 20X5 para abrir passagem por uma formação rochosa que não pode ser evitada no projeto de traçado de mais de 200 quilômetros de estradas. Após a explosão para abrir passagem pela formação rochosa, o material obtido após a demolição da rocha é escavado pelo trator e levado ao triturador mais próximo, usando-se um dos caminhões caçamba. Depois desse material ser triturado, é entregue pelo outro caminhão caçamba à estrada arenosa recém-gradeada, onde é compactado pelo rolo. A administração espera que as 20 bananas de dinamite restantes vençam devido a sua não utilização. Se assim ocorrer, provavelmente, custará US$2.000 para se eliminar a dinamite não utilizada em 20X7. deliberação. Página 14

16 A administração, inicialmente, esperava que o triturador de pedra tivesse de ser substituído apenas quando ele houvesse esmagado pedra suficiente para revestir 100 quilômetros de superfície de estrada. No entanto, em 30 de novembro de 20X5, após o esmagamento de pedra suficiente para o revestimento de apenas 15 quilômetros de estrada, o triturador quebrou e foi sucateado ao custo de AFZ$ (estes são os custos obrigatórios para a reciclagem do equipamento). Após consulta ao fornecedor, ficou decidido que a perda não seria coberta pela garantia do fabricante porque o uso dado pela Open Safari à máquina foi significativamente mais intensivo que o o uso previsto pela garantia. Em 1 de dezembro de 20X5, um triturador maior e mais robusto (apto à finalidade para a qual a Open Safari vai usá-lo) foi comprado por US$ , usando uma linha de crédito de um ano, sem juros. O preço de tabela da máquina para a venda em dinheiro é de US$ A administração espera que o novo triturador esmague pedra suficiente para revestir cerca de 200 quilômetros de estrada, momento em que será sucateado. Realizando-se a manutenção do dia a dia, a vida econômica da motoniveladora depende sobretudo do tipo e do volume de trabalho que realiza. Quando utilizada na construção de estradas em terras não desenvolvidas e no tipo de terreno em que a Open Safari tem a intenção de usá-la, os pneus e a lâmina terão de ser substituídos a cada 5 e 10 km, respectivamente. Na manutenção de estradas existentes, os pneus e a lâmina somente precisarão de substituição após cerca de 100 e 200 km, respectivamente. A vida econômica do outro equipamento não é impactada pela utilização na construção ou na manutenção de estradas. O rolo é o equipamento mais robusto da maquinaria pesada. Desde que seja bem conservado, deve facilmente concluir a fase de construção das estradas e poderia ser usado para dar manutenção às estradas por mais vinte anos. O trator pode ser usado na construção de cerca de 400 quilômetros de estrada. Entretanto, cerca de um quarto de sua capacidade total de serviço será provavelmente consumida na escavação de rochas ao longo da estrada. Consequentemente, a administração espera que essa máquina complete a fase de construção da estrada e pretende usá-la por cerca de mais dez anos na manutenção das estradas. Devido a sua quantidade de metais, tratores não mais utilizados são vendidos normalmente como sucata metálica. A construção de toda a malha rodoviária foi concluída em outubro de 20X7 (alguns meses antes do previsto). A administração espera que o nível de utilização do equipamento para a manutenção da estrada, após a sua construção, não vai apresentar grande variação de um ano para o outro. Desenvolvimento de um resort de férias na praia Em 20X5, a Open Safari solicitou às autoridades competentes, com êxito, que uma parcela de terra à beira-mar de Sealand tivesse seu zoneamento alterado de forma a permitir o deliberação. Página 15

17 estabelecimento de uma área residencial (200 acres) e de área para um resort com cassino (50 acres). Em 1 de fevereiro de 20X5, o governo de Africania outorgou à Open Safari uma licença para operar um cassino em Sealands, por 60 anos, em consonância com o seu programa de apoio ao desenvolvimento do ecoturismo. A licença é concedida sem ônus. A outorga é condicionada ao cassino ser construído dentro de cinco anos. Posteriormente, a licença pode ser automaticamente revogada se o cassino ficar inoperante por um período superior a dois meses, em qualquer ano do período da licença. No mesmo ano, a Open Safari seleciona empreiteiros externos para construir, ao longo dos próximos três anos, 200 residências de luxo para temporada à beira-mar, cada uma ocupando um acre de terreno. O público em geral pode comprar uma casa à beira-mar na planta (com base em uma gama limitada de plantas e especificações pré-determinadas pela Open Safari), ou após sua construção. Até 31 de dezembro 20X8, todos os 200 lotes foram vendidos e a construção de apenas 10 casas à beira-mar está pendente. Em 20X5, antes de iniciar os trabalhos de construção do cassino, a Open Safari contratou um gestor europeu de Resort & Cassino para operar o cassino por 20 anos. Os termos do acordo exigem que a Open Safari construa um hotel-cassino totalmente equipado e instalado em Sealands, com as especificações estipuladas pelo gestor do cassino. Os empreiteiros da construção, montagem e acabamento devem ser escolhidos pelo gestor do cassino, de acordo com um contrato de construção de US$200 milhões, com preço fixo, que será negociado pelo gestor do cassino. O gestor do cassino gerenciará ativamente o projeto de construção do hotelcassino. O gestor do casino está obrigado, contratualmente, a pagar a Open Safari: 40 milhões na assinatura do contrato em 20X5; 100 milhões durante a fase de construção do hotel-cassino (quando houver pagamentos a realizar aos empreiteiros da construção); e 20 milhões por ano, durante os 20 anos seguintes após a conclusão da obra. Além dos pagamentos especificados antes, a Open Safari não terá participação nas receitas e despesas da operação do cassino durante o período de 20 anos em que for operado pelo gestor internacional de cassinos. Os Bilkersens não decidiram como a Open Safari se beneficiará dos ativos do cassino após o o término do contrato com o gestor atual. As opções incluem continuar a contratar um grupo externo para operar o cassino ou a Open Safari gerenciar diretamente as operações do cassino. A construção do hotel-cassino é concluída em dezembro de 20X8. A vida econômica do edifício do hotel-cassino é estimada em 60 anos, sem valor residual. A vida econômica de todos os equipamentos, acessórios e móveis no hotel-casino é de 20 anos ou menos. deliberação. Página 16

18 Realocando animais selvagens para Sealands Em 20X5, em antecipação à operação de safáris fotográficos em Sealands e de criação de animais para venda a terceiros, a Open Safari pagou ZAR$ a especialistas em captura de animais selvagens para apanharem um pequeno número de zebras, girafas, javalis e uma grande variedade de antílopes em Freelands, e realocá-los e liberá-los em Sealands. Os animais realocados se adaptaram bem ao seu novo ambiente e na ausência de seus predadores naturais, seus números aumentaram de forma constante nos anos seguintes à sua realocação. Instalações de criação de animais Em 20X6, a Open Safari construiu baias de criação seguramente cercadas para abrigar cães selvagens e hienas marrons (custo das baias de AFZ$ ). Safari também cercou o perímetro do Sealands à prova de rinocerontes, reforçando a cerca com um cabo de aço grosso, que foi fixado a um pé 5 acima do nível do solo (custo AFZ$ ). Ao final de 20X6, a Open Safari adquiriu os seguintes animais em um respeitável leilão de animais selvagens na África do Sul. A tabela também mostra os preços pagos em leilões de animais em 20X7 e 20X8. (Todos os valores constantes desta tabela são por animal) Preço pago pela Open Safari em um leilão, em 20X6 ZAR$ Preço pago por terceiros em leilão, em 20X7 ZAR$ Preço pago por terceiros em leilão, em 20X8 ZAR$ 4 cães selvagens hienas marrons rinocerontes brancos rinocerontes pretos búfalos do Cabo (TB-free) Os custos de alimentos, suprimentos, salários de tratadores e serviços veterinários, incorridos no tratamento dos animais, foi de cerca de AFZ$ por ano. 5 N.T.: Um (01) pé equivale a 0,3 (três décimos de) metro. deliberação. Página 17

19 A tabela a seguir demonstra o sucesso da Open Safari no programa de criação em cativeiro, em Sealands: Cão Hiena Rinoceronte Rinoceronte Búfalo selvagem marron branco preto Adquiridos em leilão Mortos na realocação (1) 31/12/20X Nascidos Caçados ilegalmente (1) 31/12/20X Nascidos /12/20X Nascidos Mortos (1) Liberados em Freelands (6) (4) Vendidos em leilão (5) 31/12/20X Veículos de safári feitos sob medida Em 30 de junho 20X8, a Open Safari comprou três veículos (custo de US$ , cada) e organizou para que os mesmos fossem preparados para safáris fotográficos, incluindo o reforço nos chassis e fortalecimento da suspensão, antes da montagem das estruturas de assentos, feitas sob medida, com um teto de lona na parte de trás dos veículos, a pintura do veículo e a inserção do logotipo da Open Country Safari Company. As modificações custaram US$ por veículo. Espera-se que cada veículo seja utilizado por três anos ou até que tenham percorridos quilômetros (o que ocorrer primeiro). Operações Sob a administração cuidadosa e entusiástica dos Bilkersens, a Open Safari prosperou de 20X5 a 20X8. Os clientes em Freelands vêm principalmente dos países da zona do euro, com números menores de originários do Canadá, China, Japão, Reino Unido e EUA. Um número insignificante de clientes vem de Africania e da África do Sul. Os pagamentos das férias são realizados, ao menos, seis semanas antes da visita, e são faturados e recebidos apenas em dólares americanos. deliberação. Página 18

20 Algumas questões IFRS para discussão em sala de aula A aquisição de Sealands é uma combinação de negócios ou uma aquisição em separado de um ativo (ou um conjunto de ativos)? Identificar os ativos adquiridos pela Open Safari quando comprou o Sealands. Os peixes, baleias, etc., no mar adjacente ao Sealands são ativos da Open Safari? Quais são os principais julgamentos e estimativas que a Open Safari deveria fazer na contabilização para o desenvolvimento da infraestrutura de estradas em Sealands? Quais as principais questões na contabilização do Resort&Cassino (preste atenção, particularmente, aos julgamentos e estimativas)? Quais são as principais questões na contabilização da área residencial (preste atenção, particularmente, aos julgamentos e estimativas)? Quais são as principais questões na contabilização da captura e liberação de animais selvagens realocados de Freelands para Sealands, in 20X5? Como a Open Safari deveria contabilizar a cerca de proteção contra rinocerontes no perímetro de Sealands? Quais são as principais questões na contabilização, para o inicial, dos animais comprados em leilão e realocados para Sealands (preste atenção, particularmente, aos julgamentos e estimativas)? Quais são as principais questões na contabilização, depois do inicial, dos animais realocados em Sealands (preste atenção, particularmente, aos julgamentos e estimativas)? Quais são as principais questões na contabilização, depois do inicial, dos animais criados em Sealands (preste atenção particularmente aos julgamentos e estimativas)? Quais julgamentos e estimativas a Open Safari deveria realizar na contabilização dos veículos de safári feitos sob medida? 20X9 Libertação de Elefantes em Freelands Em janeiro de 20X9, após uma operação de resgate de elefantes em um país na fronteira com Africania, os Bilkersens resgataram 20 filhotes adolescentes de elefantes órfãos e os trouxeram para Freelands, a um custo total para a Open Safari de US$ Para reabilitar a jovem manada em Freelands, a mesma foi mantida numa área cercada especialmente construída para esse fim. Um dos elefantes machos premiados da Open Safari foi retirado do trabalho de safári em elefantes e colocado no campo com a jovem manada para prover liderança e disciplina à manada adolescente. Em março de 20X9, os Bilkersens estavam satisfeitos pois a manada estava assentada e preparada para a vida na natureza. Em 1 de abril 20X9, a jovem manada e seu líder maduro foram soltos na natureza, em Freelands, numa grande cerimônia patrocinada por uma subvenção da Agência de Desenvolvimento do Turismo de Africania, fornecida especificamente deliberação. Página 19

Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual. Estágio 3 a hierarquia IAS 8: o estudo de caso da Amalgam

Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual. Estágio 3 a hierarquia IAS 8: o estudo de caso da Amalgam 2014 Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual Estágio 3 a hierarquia IAS 8: o estudo de caso da Amalgam Este material de ensino foi preparado pela equipe de educação da

Leia mais

Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual. Estágio 1 Imobilizado

Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual. Estágio 1 Imobilizado 2014 Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual Estágio 1 Imobilizado Este material de ensino foi preparado pela equipe de educação da Fundação IFRS. Ele não foi aprovado

Leia mais

Introdução à abordagem de ensino embasada na Estrutura Conceitual para imobilizado e outros ativos não financeiros

Introdução à abordagem de ensino embasada na Estrutura Conceitual para imobilizado e outros ativos não financeiros 2014 Fundação IFRS : Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual Introdução à abordagem de ensino embasada na Estrutura Conceitual para imobilizado e outros ativos não financeiros Este

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 23 (IASB BV 2011) Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (BV2010) Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20. Custos de Empréstimos. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 23

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20. Custos de Empréstimos. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 23 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 Custos de Empréstimos Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 23 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES 5 7 RECONHECIMENTO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 03. Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 03. Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 03 Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 4, SIC 15 e

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 25 - Custos de Empréstimos Seção 20 - Operações de Arrendamento Mercantil. Dezembro 2012. Elaborado por:

IFRS para PMEs: Seção 25 - Custos de Empréstimos Seção 20 - Operações de Arrendamento Mercantil. Dezembro 2012. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes. O que muda no reconhecimento contábil

IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes. O que muda no reconhecimento contábil IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes O que muda no reconhecimento contábil Agenda IFRS Breve Histórico Receitas Normas Vigentes IFRS 15 Introdução IFRS 15 Princípio Fundamental IFRS 15 Etapas IFRS

Leia mais

2. Esta Norma se aplica a todas as entidades do setor público exceto às Empresas Estatais.

2. Esta Norma se aplica a todas as entidades do setor público exceto às Empresas Estatais. NBC TSP 11 - Contratos de Construção Alcance 1. Uma construtora que elabora e divulga demonstrações contábeis sob o regime contábil de competência deve aplicar esta Norma na contabilização de contratos

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27 Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz OBJETIVO É estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários possam discernir a informação sobre o investimento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27 Ativo Imobilizado Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 RECONHECIMENTO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27 Ativo Imobilizado Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 RECONHECIMENTO

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 27

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 27 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 27 Ativo Imobilizado Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos tratados,

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

Edição do dia 03/08/2009 Segunda-Feira Brasília

Edição do dia 03/08/2009 Segunda-Feira Brasília ANO VI - Nº 0146 Edição do dia 03/08/2009 Segunda-Feira Brasília COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS SUPERINTENDÊNCIA-GERAL Deliberação nº 583, de 31 de julho de 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 27

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações 1. Aplicação 1- As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL

FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL SUBSÍDIOS DE RECUPERAÇÃO APÓS CATÁSTROFES - PROGRAMA PILOTO para as Áreas Jurisdicionais I, III e V NOvAS OPçõeS De FINANCIAmeNTO, CrITérIOS e requisitos PArA SOLICITAçãO

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis

IAS 38 Ativos Intangíveis 2011 Sumário Técnico IAS 38 Ativos Intangíveis emitido até 1 Janeiro 2011. Inclui os IFRSs com data de vigência a paritr de 1º de janeiro de 2011, porém não inclui os IFRSs que serão substituídos. Este

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014 ALTERNATIVAS A B C D E

CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014 ALTERNATIVAS A B C D E UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE PROCESSO SELETIVO - EDITAL 01/2014 - TURMA 2015 CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014

Leia mais

AGOSTo 2013 *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD BLACK E VISA INFINITE.

AGOSTo 2013 *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD BLACK E VISA INFINITE. AGOSTo 2013 G u i a r e s u m i d o d e s e g u r o s e a s s i s t ê n c i a s d e v i a g e n s. *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD BLACK E VISA INFINITE.

Leia mais

Esta Norma, entretanto, não deve ser aplicada como base de mensuração para:

Esta Norma, entretanto, não deve ser aplicada como base de mensuração para: NBC TSP 13 - Operações de Arrendamento Mercantil Objetivo 1. O objetivo desta Norma é estabelecer, para arrendatários e arrendadores, políticas contábeis e divulgações apropriadas a aplicar em relação

Leia mais

O que é ativo Intangível

O que é ativo Intangível O que é ativo Intangível Bens Intangíveis são aqueles bens que não podem ser tocados ou vistos, porque são incorpóreos (não tem corpo), ou seja, ativo intangível poderia ser definido, em termos práticos,

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS Objetivo 1. As transações e eventos decorrentes das atividades normais de uma empresa são, de acordo com determinados parâmetros e circunstâncias, classificados

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs Seção 35 - Adoção inicial (AI) 2 Primeiro conjunto de demonstrações contábeis no qual a entidade faz

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE SUBSÍDIO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

SOLICITAÇÃO DE SUBSÍDIO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL SOLICITAÇÃO DE SUBSÍDIO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL Nós nos Preocupamos. Nós servimos. Nós Realizamos. SUBSÍDIO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL Visão Geral O programa

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (BV2010) Índice Item ALCANCE 1

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Balanço patrimonial Em milhares de reais 31 de 31 de 1 o de 31 de 31 de

Leia mais

Norma Internacional de Relato Financeiro 2

Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Pagamento com Base em Acções OBJECTIVO 1 O objectivo desta IFRS é especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS.

GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS. SETEMBRO 2013 GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS. *As informações contidas neste guia são válidas exclusivamente para cartões MasterCard Black e Visa Infinite. SERVIÇO DE CONCIERGE Você

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25 Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 37 Índice OBJETIVO Item

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

A representação gráfica acima não pode ser considerada de forma precisa como a representação completa e real do construtor. A planta, características

A representação gráfica acima não pode ser considerada de forma precisa como a representação completa e real do construtor. A planta, características ORION RESORT RESIDENCES, LP LOCALIZAÇÃO 201 ENTRADA PARA OS PARQUES DA DISNEY 2 KM ORION RESORT RESIDENCES LIVINGSTON ROAD, KISSIMMEE FLÓRIDA FOTO AÉREA ORION RESORT RESIDENCES VILLAS, CT Aprox. 9.85 Acres

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Atualização da obra www.editoraferreira.com.br Ricardo J. Ferreira Contabilidade Avançada Principais atualizações da 5ª para a 6ª edição Principais alterações da 5ª para a 6ª edição Da 5ª para a 6ª edição,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 11. Recebimento em Transferência de Ativos dos Clientes

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 11. Recebimento em Transferência de Ativos dos Clientes COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 11 Recebimento em Transferência de Ativos dos Clientes Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 18 Índice REFERÊNCIAS Item

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 604, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 604, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009 Aprova os Pronunciamentos Técnicos CPC 38, 39 e 40, do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que tratam do reconhecimento e mensuração, da apresentação e da evidenciação de instrumentos financeiros. A PRESIDENTE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2. Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2. Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2 Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos 1. Fica alterada a alínea (b), do item 1.3, como segue:

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

PADRÕES DE BUIÇÃO. Acordo de. Distribuição. a agir em seu em nosso nome sejam. você solicite. os nossos. & Nephew. Smith.

PADRÕES DE BUIÇÃO. Acordo de. Distribuição. a agir em seu em nosso nome sejam. você solicite. os nossos. & Nephew. Smith. PADRÕES DE CONFORMIDADE ADICIONAIS AO CONTRATO DE DISTRIB BUIÇÃO Estes padrões de conformidade fazem parte dos requisitoss detalhados referidos na cláusula 16.3 do Acordo de Distribuição ("TSA") entre

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

2. Pronunciamento Técnico CPC 1 Redução ao Valor Recuperável de Ativos. 2. Pronunciamento Técnico CPC 1 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos

2. Pronunciamento Técnico CPC 1 Redução ao Valor Recuperável de Ativos. 2. Pronunciamento Técnico CPC 1 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 2. Pronunciamento Técnico CPC 1 Redução ao Valor Recuperável de Ativos 1. Aplicação 1 - As instituições financeiras, as

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 38. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 38. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 38 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 Índice OBJETIVO 1 Item

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB) (parte) Descrição Item Objetivo 1 Alcance e Finalidade

Leia mais

Capítulo 11. A necessidade de recursos para o novo negócio

Capítulo 11. A necessidade de recursos para o novo negócio A necessidade de recursos para o novo negócio 1 2 Criação de Novos Negócios Estudo de Caso Quick Lube Franchise Corporation (QLFC) 1 Perguntas de preparação 1. Que motivos a QLFC teria para entrar com

Leia mais

Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração

Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração Da publicação do IREM : Estratégias de Negócios para Administradoras de Imóveis Richard F. Muhlebach, CPM Alan A. Alexander, CPM A sua empresa acabou

Leia mais

REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II. Profº Alex Barborsa

REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II. Profº Alex Barborsa REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II Profº Alex Barborsa Natal, 15 de abril de 2014 Ativo intangível IAS 38 CPC 04 Principais Pontos tratados pela IAS 38 1. Natureza; 2. Reconhecimento; 3. Mensuração; 4.

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável

IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável IFRS em Destaque 01/16:First Impressions Fevereiro de 2016

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 11 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 03

Luciano Silva Rosa Contabilidade 03 Luciano Silva Rosa Contabilidade 03 Resolução de três questões do ICMS RO FCC -2010 Vamos analisar três questões do concurso do ICMS RO 2010, da FCC, que abordam alguns pronunciamentos do CPC. 35) Sobre

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL Utilize este documento como uma ajuda adicional para escrever um orçamento ou narrativa da proposta. Se tiver outras perguntas, queria enviar um email à equipe regional do NED apropriada ou para proposals@ned.org.

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011

Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 5) 45.431 15.305 Financiamentos e empréstimos (Nota 12) 71.389 40.388

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste teste pode ser reproduzida por meio algum

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 9ª Edição 2º semestre 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Após três exercícios em que a entrada em vigor de novas normas e alterações às existentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 04 (R1) ATIVO INTANGÍVEL

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 04 (R1) ATIVO INTANGÍVEL COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 04 (R1) ATIVO INTANGÍVEL Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 38 (IASB BV2010) Sumário OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 7 DEFINIÇÕES

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Demonstrações contábeis Referentes aos exercícios findos em 31

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.150/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.150/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.16 para NBC TG 11 e de outras normas citadas: de NBC T 11 para NBC TG 23; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL Já tivemos oportunidade de abordar a importância da contabilidade para as pequenas empresas produtoras de projetos

Leia mais

Guia resumido de seguros e assistências de viagens.

Guia resumido de seguros e assistências de viagens. agosto 2013 Guia resumido de seguros e assistências de viagens. *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD PLATINUM E VISA PLATINUM. Serviço de concierge Especialistas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais