SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARANÁ PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARANÁ PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014"

Transcrição

1 SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARANÁ PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Curitiba, fevereiro/2015 1

2 SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARANÁ PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Relatório de Gestão do exercício de 2014 apresentado aos órgãos de controle interno e externo e à sociedade como prestação de contas anual a que esta Unidade Jurisdicionada está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da IN TCU nº 63/2010, IN TCU nº 72/2013, DN TCU nº 134/2013, DN TCU nº 139/2014, Portaria TCU nº 90/2014, Portaria CGU nº 133/2013 e DN TCU nº 140/2014. Curitiba, fevereiro/2015 2

3 SUMÁRIO II Relatório de Gestão...1 SUMÀRIO...3 LISTA DE QUADROS, RELAÇÕES, GRÁFICOS, DECLARAÇÕES, ETC LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS... 8 PARTE C UNIDADES JURISDICIONADAS COM RELATÓRIOS DE GESTÃO CUSTOMIZADOS (SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS) IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DA ENTIDADE Identificação da Entidade Introdução Identificação da norma de criação e das demais normas regulamentos e manuais relacionados à gestão e à estrutura da entidade Finalidade e Competências Institucionais da Entidade Identificação e descrição sucinta dos setores da economia local ou nacional abrangidos pela atuação da entidade no exercício Organograma Funcional Gerências de Linhas de Ação Colégio SESI - Gerência de Operações Inovadoras (GOI) Gerência de Educação do SESI Cultura Qualidade de Vida Responsabilidade Social Centro de Eventos Gerência de Operações Gerência de Planejamento, Orçamento e Gestão Gerência de Projetos de Articulação Estratégica e Inovação Social Observatório de Prospecção e Difusão de Iniciativas Sociais Gerência Corporativa de Finanças Gerência de Contabilidade, Custos e Fiscal Gerência Corporativa de Suprimentos e Logística Gerência de Compras Gerência de Administração Procuradoria Jurídica Gerência Corporativa de Recursos Humanos Gerência Corporativa de Tecnologia da Informação Gerência Executiva de Engenharia Gestão Executiva de Gestão Estratégica Gerência de Marketing, Comunicação e Vendas Gerência de Processos e Controladoria Gerências de Unidades PLANEJAMENTO E RESULTADOS ALCANÇADOS Planejamento Estratégico da Entidade Estratégias de Atuação Frente aos Objetivos Estratégicos Execução Física e Financeira Plano da Entidade Execução Física das Ações Realizadas pela Entidade apresentados por Focos Estratégicos Foco Estratégico Educação Execução Física das Ações Realizadas pela Entidade Foco Estratégico Educação

4 Foco Estratégico Qualidade de Vida Execução Física das Ações Realizadas pela Entidade Foco Estratégico Qualidade de Vida Foco Estratégico Desempenho do Sistema Execução Física das Ações Realizadas pela Entidade Foco Estratégico Desempenho do Sistema Execução Física e Financeira das ações da LOA Indicadores ESTRUTURAS DE GOVERNANÇA E DE AUTOCONTROLE DA GESTÃO Estrutura de Governança Atuação da Unidade de Auditoria Interna Sistema de Correição Avaliação do Funcionamento dos Controles Internos Relação dos principais dirigentes e membros de conselhos Remuneração Paga aos Administradores PROGRAMAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Demonstração da Receita Informações Sobre a Execução Orçamentária e Financeira da Despesa Programação das Despesas Despesas Totais da Entidade Informações sobre contratos Informações sobre empresas Transferências de Recursos Transferências de Recursos a Terceiros Transferências de Recursos do Departamento Nacional aos Regionais GESTÃO DE PESSOAS, TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA E CUSTOS RELACIONADOS Estrutura de Pessoal da Unidade Composição do Quadro de Pessoal Demonstração da Força de Trabalho à Disposição da Unidade Jurisdicionada Situações que Reduzem a Força de Trabalho Efetiva da Unidade Jurisdicionada Qualificação da Força de Trabalho Qualificação do Quadro de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Segundo a Idade Qualificação do Quadro de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Segundo a Escolaridade Demonstração dos Custos de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Composição do Quadro de Empregados Inativos e Pensionistas Indicadores Gerenciais Sobre Recursos Humanos Terceirização de Mão de Obra Empregada e Contratação de Estagiários Informações sobre a Contratação de Serviços de Limpeza, Higiene e Vigilância Ostensiva pela Unidade Jurisdicionada Informações sobre Locação de Mão de Obra para Atividades não Abrangidas pelo Plano de Cargos do Órgão Composição do Quadro de Estagiários Desoneração da folha de pagamento propiciada pelo art. 7º da lei /2011 e pelo art. 2º do decreto 7.828/ GESTÃO DO PATRIMÔNIO MOBILIÁRIO E IMOBILIÁRIO Gestão da Frota de Veículos Próprios e Locados de Terceiros Frota de Veículos Automotores de Propriedade da UJ Frota de Veículos Automotores de Propriedade da UJ, mas contratada de terceiros Gestão do Patrimônio Imobiliário Distribuição dos Bens Imóveis Próprios

5 Distribuição dos Bens Imóveis Locados de Terceiros GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Gestão da Tecnologia da Informação (TI) GESTÃO AMBIENTAL DOS RECURSOS RENOVÁVEIS E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis ATENDIMENTO DE DEMANDA DE ÓRGÃOS DE CONTROLE Tratamento de deliberações exaradas em acórdão do TCU Tratamento de Recomendações do Órgão de Controle Interno (OCI) Demonstração de adoção de medidas administrativas para apurar responsabilidade por ocorrência de dano ao Erário INFORMAÇÕES CONTÁBEIS Informações Sobre a Adoção de Critérios e Procedimentos Estabelecidos pelas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público NBC T 16.9 e NBC T Depreciação, Amortização, Exaustão e Mensuração de Ativos e Passivos Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas previstas na Lei nº 4.320/1964 e pela NBC T 16.6 aprovada pela Resolução CFC nº 1.133/ Relatório da Auditoria Independente RELACIONAMENTO COM A SOCIEDADE Medidas adotadas pelos órgãos ou entidades com vistas ao cumprimento das normas relativas à acessibilidade OUTRAS INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO Metas de Educação e Gratuidade CONCLUSÕES ANEXOS III. RELATÓRIOS E PARECERES DE INSTÂNCIAS QUE DEVAM SE PRONUNCIAR SOBRE AS CONTAS OU SOBRE A GESTÃO, DE ACORDO COM PREVISÃO LEGAL, REGIMENTAL OU ESTATUTÁRIA 5

6 LISTA DE QUADROS, RELAÇÕES, GRÁFICOS, DECLARAÇÕES, ETC. Quadro 1 Identificação da Entidade Figura 1: Estrutura Funcional do Sistema FIEP Figura 2: Mapa Estratégico do Sistema FIEP Quadro 2 Identificação do Foco Estratégico Educação Quadro 3 Execução Orçamentária do Foco Estratégico Quadro 4 Execução Física e Orçamentária das Ações Realizadas pela Entidade Quadro 5.1. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ - CR Educação Infantil - Pré-Escola Quadro 5.2. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Ensino Médio Quadro 5.3. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR EJA Alfabetização Quadro 5.4. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR EJA - Ensino fundamental anos iniciais Quadro 5.5. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR EJA - Ensino fundamental anos finais Quadro 5.6. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR EJA - Ensino Médio Quadro 5.7. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Eventos Culturais Quadro 5.8. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Programa Vira Vida Quadro 5.9. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR ETD da Educação Quadro 6 Identificação do Foco Estratégico Qualidade de Vida Quadro 7 Execução Orçamentária do Foco Estratégico Quadro 8 Execução Física e Orçamentária das Ações Realizadas pela Entidade Quadro 9.1. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Segurança e Saúde no trabalho Quadro 9.2. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Atenção Odontológica Quadro 9.3. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Vacinação 38 Quadro 9.4. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Auxílio Diagnóstico Quadro 9.5. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Diagnósticos de Saúde Quadro 9.6. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Ginástica na Empresa Quadro 9.7. Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR SESI Atleta do Futuro Quadro 10 Identificação do Foco Estratégico Desempenho do Sistema Quadro 11 Execução Orçamentária do Foco Estratégico Quadro 12 Execução Física e Orçamentária das Ações Realizadas pela Entidade Quadro Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Gestão Executiva Quadro Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Gestão das Unidades Operacionais Quadro Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Gestão Administrativa

7 Quadro Execução Orçamentária das Ações Realizadas pela UJ CR Gestão de Tecnologia da Informação Quadro 14 Indicadores Institucionais Quadro 15 - Demonstração da execução do plano anual de auditoria Quadro 16 Avaliação do Sistema de Controles Internos da UJ Quadro 17 - Relação dos principais dirigentes e membros de conselhos Quadro 18 Demonstração da receita prevista e arrecadada Quadro 19 Demonstração das despesas correntes Quadro 20 Demonstração das despesas de capital Quadro 21 Demonstração das reservas de contingência Quadro 22 Execução das Despesas da Entidade Exercício Quadro 23 Execução das Despesas da Entidade Exercício Quadro 24 Informações sobre Contratos Quadro 25 Informações sobre Empresas Quadro 26 Transferências de Recursos a Terceiros Quadro 27 Força de Trabalho da UJ Situação apurada em 31/12/ Quadro 28 Situações que reduzem a força de trabalho da UJ Situação em 31/12/ Quadro 29 Quantidade de empregados da UJ por faixa etária Situação apurada em 31/12/ Quadro 30 Quantidade de empregados da UJ por nível de escolaridade - Situação apurada em 31/12/ Quadro 31 - Quadro de custos de pessoal no exercício de referência e nos dois anteriores Quadro 32 - Contratos de prestação de serviços de limpeza e higiene e vigilância ostensiva Quadro 33 - Contratos de prestação de serviços com locação de mão de obra Quadro 34 - Composição do Quadro de Estagiários Quadro 35 Quantidade de veículos por categoria Quadro 36 Quilometragem média da frota Quadro 37 Idade média da frota (anos) Quadro 38 Custos associados à manutenção da frota Quadro 39 Valores da locação diária Quadro 40 Valores da locação mensal Quadro 41 - Veículos Locados por Categoria Quadro 42 - Quilometragem média anual dos veículos locados Quadro 43 Distribuição dos Bens Imóveis Próprios Quadro 44 Distribuição dos Bens Imóveis Locados de Terceiros Quadro 45 Relação dos sistemas e função Quadro 46 Eventuais necessidades de novos sistemas informatizados Quadro 47 Gestão da Tecnologia da Informação da Unidade Jurisdicionada Quadro 48 Tratamento de deliberações exaradas em acórdão do TCU Quadro 49 Tratamento das recomendações feitas pelo Órgão de Controle Interno - OCI Quadro 50 Obras de Acessibilidade Quadro 51 Metas de Educação e Gratuidade Figura 3 Aplicação do Compulsório em educação e gratuidade - Gráficos

8 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS Sigla ABESSFI ABNT ABRH APAMT APMF ASM AX BI BID BPM BSC CAAT CADE CARR CDOC CEEV CFC CGU CIG CIPA CNI CP CPAT CPC CR CREA CRM CVIA DFC DN DO DR DRE DSEV EaD EAS ECM EIRELI EJA EPP ERP ETD FIEP FTE GACOM GADM GAUD Identificação Associação Beneficente dos Servidores do Sistema FIEP PR Associação Brasileira de Normas Técnicas Associação Brasileira de Recursos Humanos Associação Paranaense de Medicina do Trabalho Associação de Pais, Mestres e Funcionários do Colégio Estadual do Paraná Automatos Service Manager Microsoft Dynamics AX Business Intelligence Banco Interamericano de Desenvolvimento Business Process Management Balanced Scorecard Computer Assisted Auditing Techniques Comitê de Análise e Decisão Estratégica Coordenação de Arrecadação Coordenação de Documentos Centro de Eventos Conselho Federal de Contabilidade Controladoria Geral da União Controle Integral de Gestão Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Confederação Nacional da Indústria Concorrência Pública Coordenação de Patrimônio Comitê de Pronunciamentos Contábeis Centro de Responsabilidade Conselho Regional de Engenharia e Agronomia Customer Relationship Management Coordenação de Viagens Demonstração dos Fluxos de Caixa Decisão Normativa Desenvolvimento Organizacional Departamento Regional Demonstração do Resultado do Exercício Diagnóstico de Saúde e Estilo de Vida Educação a Distância Enterprise Assurance Solution Enterprise Content Management Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Educação de Jovens e Adultos Empresa de Pequeno Porte Enterprise Resource Planning Educação, Treinamento e Desenvolvimento Federação das Indústrias do Estado do Paraná Equivalente a Tempo Completo Gerência de Administração - Compras Gerência de Administração Gerência de Auditoria Interna 8

9 GCCF GCFI GCOR GCRH GCSL GCUL GEDUC GENG GEQV GMCV GNPG GOI GPAE GPCON GSTI IBGE IEL IN IPARDES IPTU IRM ITR LOA MDS ME MENU MON MPEs NBC T NCSE NFS-E NG NR OCI ONGs ONU PC PCMSO PDPE PF PIB PJ Pop PP PPP PPPA PPR PPRA RA Gerência de Contabilidade, Custos e Fiscal Gerência Corporativa de Finanças Gerência de Contabilidade e Orçamento Gerência Corporativa de Recursos Humanos Gerência Corporativa de Suprimentos e Logística Gerência de Cultura Gerência de Educação do Colégio SESI Gerência Executiva de Engenharia Gerência de Qualidade de Vida Gerência de Comunicação, Marketing e Vendas Gerência de Normas e Procedimentos de Gestão Gerência de Operações Inovadoras Gerência de Projetos de Articulação Estratégicas Gerência de Processos e Controladoria Gerência de Serviços Tecnológicos e Inovação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituto Euvaldo Lodi Instrução Normativa Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social Imposto Predial Territorial Urbano Instituto Roberto Miranda Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural Lei Orçamentária Anual Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Micro Empresa Manual Descritivo de Normas e Procedimentos Usuais Museu Oscar Niemeyer Micro e Pequenas Empresas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Núcleo do Cartão SESI Notas Fiscais de Serviço de forma eletrônica Norma de Gestão Normas Regulamentadoras Órgão de Controle Interno Organizações não Governamentais Organização das Nações Unidas Prestação de Contas Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Plano de Desenvolvimento Pedagógico e Escolar Pessoa Física Produto Interno Bruto Pessoa Jurídica Procedimento Operacional Pregão Presencial Perfil Profissiográfico Previdenciário Programa de Prevenção de Perdas Auditivas Programa de Participação nos Resultados Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Relatório de Auditoria 9

10 RCST RG RGEs RLC RPA SECONCI SENAI SESI SETRAN SGE SGF SIAES SINDILOUÇA SINDUSCON SIPCEP SPM TCE TCTF TCU TI TJPR UG UJ UNESPAR UNILEHU WBC Rede Cartão SESI do Trabalhador Relatório de Gestão Reuniões de Gestão Estratégica Regulamento de Licitações e Contratos Recibo de Pagamento a Autônomo Serviço Social da Indústria da Construção Civil Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Serviço Social da Indústria Secretaria Municipal de Trânsito Sistema de Gestão Escolar Sistema de Gestão de Apoio Financeiro Sistema integrado de Administração Escolar Sindicato Indústria de Vidros, Cristais no Estado Sindicato da Indústria da Construção Civil Sindicato de Panificação e Confeitaria do Estado do Paraná Secretaria de Políticas para Mulheres Tomada de Contas Especial Termo de Cooperação Técnica e Financeira Tribunal de Contas da União Tecnologia de Informação Tribunal de Justiça do Estado do Paraná Unidade Gestora Unidade Jurisdicionada Universidade Estadual do Paraná Universidade Livre para Eficiência Humana Web Business Center (Gestão de Compras) 10

11 ANEXO II DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 134, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2013 CONTEÚDO DO RELATÓRIO DE GESTÃO PARTE C UNIDADES JURISDICIONADAS COM RELATÓRIOS DE GESTÃO CUSTOMIZADOS (SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS) 1. IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DA ENTIDADE 1.1. Identificação da Entidade Quadro 1 Identificação da Entidade Poder e Órgão de Vinculação Poder: Executivo Órgão de Vinculação: Ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação Completa: SESI Serviço Social da Indústria Departamento Regional Paraná Denominação Abreviada: SESI/PR Código SIAFI: Natureza Jurídica: Serviço Social Autônomo CNPJ: / Principal Atividade: Outras atividades de ensino não especificadas anteriormente Código CNAE: /99 Telefones/Fax de contato: (041) Endereço Eletrônico: - Página na Internet: Endereço Postal: Avenida Cândido de Abreu, 200 Centro Cívico CEP Curitiba - Paraná. Normas Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Normas de criação e alteração da Unidade Jurisdicionada Regulamento do Serviço Social da Indústria Capítulo I Finalidades e Metodologias. Art. 1º O Serviço Social da Indústria (SESI), criado pela Confederação Nacional da Indústria, a 1º de julho de 1946, consoante o Decreto-lei nº 9.403, de 25 de junho do mesmo ano, tem por escopo estudar, planejar e executar medidas que contribuam, diretamente, para o bem-estar social dos trabalhadores na indústria e nas atividades assemelhadas, concorrendo para a melhoria do padrão de vida no país, e, bem assim, para o aperfeiçoamento moral e cívico, e desenvolvimento do espírito da solidariedade entre as classes. Fonte: Regulamento do Serviço Social da Indústria SESI, atualizado pelo decreto nº 6.637, de 5 de novembro de 2008 Brasília Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada Manual Descritivo de Normas e Procedimentos Usuais no SESI e SENAI Paraná versão: janeiro/2014 Ordem de Serviço Conjunta nº 02 de 30 de agosto de 2006 Regulamento Convênios Ordem de Serviço nº 07 de 01 de dezembro de Comitê de avaliação de patrocínios Ordem de Serviço nº 04 de 01 de dezembro de Regulamento de Contratos de Patrocínio Ordem de Serviço Conjunta nº 08 de 16 de setembro de 2008 Dispõe sobre a exigência de regularidade fiscal nas compras de bens e serviços realizados pelo SESI e SENAI PR Ordem de Serviço Conjunta Alçadas nº 01/2012 Ordem de Serviço Conjunta Política de Concessão de Crédito nº 03/2012 Resolução Conjunta Política de Cobrança nº 01/2006 Declaração/Parecer de Imunidade Tributária - Procuradoria Jurídica NG 001/2008 GPCON - Metodologia e Ferramenta de Suporte a Gestão do Processo NG 004/ GACOM - Critérios para Utilização de Aparelho Telefônico Celular e Modem NG 005/ GSTI/GPAE - Gestão dos Bolsistas Pesquisadores NG 006/ GACOM - Aquisição de Produtos e Serviços NG 007/2008 GCSL - Critérios para Viagens de Funcionários a Serviço do SESI e SENAI Paraná NG 009/2008 GCSL - Utilização e Controle de Veículos NG 010/ CPAT - Controle de Bens Patrimoniais Móveis NG 011/2009 CARR - Arrecadação do SESI e SENAI Paraná 11

12 NG 013/ CARR - Contas a Receber do SESI e SENAI Paraná NG 016/ GENG - Serviços de Engenharia do SESI e SENAI Paraná NG 018/ GCOR - Gestão de Convênios - SESI e SENAI Convenentes NG 020/ GCRH - Gestão de Contratos de Estagiários NG 021/2010 GCFI - Gestão dos Contratos Formalizados pelas Entidades SESI e SENAI na Condição de Prestadores de Serviço NG 023/ GEQV - Gestão de Segurança e Saúde do Trabalhador para a Indústria do Paraná NG 024/2011 GCFI - Gestão do Contas a Pagar SESI e SENAI Paraná NG 025/2011 CDOC - Gestão Documental NG 026/2011 GACOM - Credenciamento de Prestadores de Serviço NG 030/ GEDUC/GOI - Processo de Matricula e Rematrícula para o Colégio SESI NG 032/ GCOR - Planejamento e Elaboração do Orçamento Anual NG 033/ GEQV - Lazer Ativo NG 034/ GCOR - Gestão Tributária NG 035/ GEQV - Prospecção de Parcerias e Atendimento do Aluno no Projeto SESI Atleta do Futuro NG 037/ GPAE/GSTI - Prospecção e Seleção de Projetos de Inovação com Formalização de Termo de Cooperação Técnica SESI/SENAI e Indústria NG 038/ GADM - Locação de Imóveis NG 039/2012 GCFI - Reembolso e Pagamento de Despesas Através de Avisos de Lançamento - AL's NG 040/2012 GCRH - Critérios para Abono de Faltas ao Trabalho e Afastamento por Licença Médica e Maternidade NG 041/2013 GCOR - Formalização e Gestão de Patrocínios NG 042/ CEEV - Solicitação de Serviços de Locação e Alimentação NG 043/ CVIA - Reserva, Aquisição e Emissão de Passagens e Hospedagens NG 044/2013 CVIA - Contratação de Espaços para Eventos em Hotéis NG 045/2013 GMCV - Criação e Manutenção de Perfis em Mídias Sociais NG 046/2013 NCSE - Prospecção em Vendas do Cartão SESI POp 001/2013 GEQV - SESI Ginástica na Empresa POp 002/2013 GEQV - SESI Corporativo Fitness POp 004/2013 CVIA - Aquisição de Passagens Aéreas e Terrestres POp 005/2013 CVIA - Reserva e Gestão das Hospedagens POp 006/2013 GCUL - Credenciamento dos Prestadores de Serviços da Cultura POp 007/2013 GEQV - Credenciamento dos Prestadores de Serviço da Segurança e Saúde no Trabalho e Diagnóstico de Saúde e Estilo de Vida POp 008/2013 GEQV - Credenciamento de Prestadores - Vida Saudável POp 009/2013 NCSE - Credenciamento dos Prestadores de Serviços do Cartão SESI POp 010/2013 GEQV - Critérios para elaboração do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA POp 011/2013 GEQV - Avaliação da Saúde do Trabalhador POp 012/2013 NCSE - Atendimento ao Cliente dos Serviços Odontológicos POp 013/2014 GEQV - Prospecção do Diagnóstico de Saúde e Estilo de Vida - DSEV POp 014/2014 GEQV - Curso para Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Fomento POp 015/2014 CDOC - Estruturação de Processos POp 016/2014 GCFI - Movimentação de Caixa e Banco - Unidades e Departamento Regional POp 017/ GCSL - Tratamento em Caso de Sinistro em Veículo de Frota POp 018/2014 GCSL - Tratamento de Multas de Trânsito em Veículos Locados ou de Frota E Demais Instrumentos Normativos Aplicáveis Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada Plano de Ação 2014 SESI DR-PR Plano de Ação 2014 Retificado SESI DR-PR Planejamento Estratégico Integrado SESI, SENAI e IEL Caderno de Indicadores SESI Fonte: Gerência de Planejamento, Orçamento e Gestão e Superintendência Corporativa 12

13 Introdução O Relatório de Gestão 2014 do SESI/PR objetiva relatar as práticas de gestão da entidade empreendidas no exercício 2014 de forma a propiciar a visão mais completa possível dessa gestão aos órgãos de controle e à sociedade em geral. Este documento apresenta a seguinte macroestrutura: 1. Identificação e atributos da entidade apresenta as responsabilidades institucionais do SESI/PR, as normas e regulamentos relacionados à gestão e à estrutura da UJ, sua finalidade e competências institucionais, seu foco de atuação no exercício e o organograma funcional. 2. Planejamento e resultados alcançados expõe o planejamento, as estratégias, a execução física e os indicadores que norteiam as ações da UJ. Consolida também as informações sobre os focos estratégicos que direcionam as ações da entidade, proporcionando uma análise sobre os resultados estratégicos e operacionais, tanto físicos como financeiros, das linhas de ação do SESI/PR no exercício de Estruturas de governança e de autocontrole da gestão apresenta a estrutura de governança explicitando as principais instâncias dessa estrutura. Descreve também as estruturas de controles internos e a avaliação do funcionamento dos controles internos do SESI/PR, além de apresentar os principais dirigentes e membros de conselhos. 4. Programação e execução orçamentária e financeira compara a programação e a execução orçamentária e financeira da unidade a partir da demonstração da receita prevista e arrecadada e das informações sobre a execução das despesas. Apresenta informações sobre os maiores contratos e empresas com maiores valores contratados, além da relação das transferências de recursos provisionadas pela UJ no exercício de Gestão de pessoas, terceirização de mão de obra e custos relacionados apresenta as principais informações que dizem respeito às práticas de gestão dos recursos humanos do SESI/PR, tais como composição do quadro de pessoal e de estagiários; terceirização de mão de obra; custos associados à manutenção de recursos humanos e os principais indicadores gerenciais de recursos humanos. 6. Gestão do patrimônio mobiliário e imobiliário evidencia a forma de gestão da frota de veículos automotores próprios e contratados de terceiros, além da gestão do patrimônio imobiliário, relacionado aos bens imóveis próprios e locados de terceiros. 7. Gestão da tecnologia da informação apresenta informações sobre os sistemas e a função dos mesmos, as necessidades de novos sistemas e a relação dos contratos que vigeram no exercício de 2014, incluindo o seu objetivo e custos relacionados. 8. Gestão ambiental dos recursos renováveis e sustentabilidade ambiental não aplicável à natureza jurídica da UJ no exercício de Atendimento de Demanda de Órgãos de Controle apresenta as deliberações exaradas em acórdão do TCU e o tratamento das recomendações do OCI à UJ no exercício de Informações Contábeis contempla os demonstrativos contábeis do SESI/PR; o parecer de auditoria independente sobre estes documentos e os relatórios e pareceres de instâncias que, segundo previsão legal, regimental ou estatutária, devam se pronunciar sobre as contas ou sobre a gestão. 11. Relacionamento com a Sociedade apresenta às medidas adotadas com vistas ao atendimento as normas relativas à acessibilidade. 12. Outras informações sobre a gestão apresenta as metas de investimentos em serviços de educação e de gratuidade do SESI Paraná, acompanhada de gráficos que evidenciam a aplicação do compulsório líquido nestes serviços. 13. Conclusões apresenta de forma sucinta uma análise sobre o exercício de 2014 da UJ. 13

14 O Relatório de Gestão do SESI/PR contempla os itens da norma (DN TCU nº 134/2013, Anexo II) que se aplicam à natureza da entidade. Foram apresentados seis itens considerados não aplicáveis, segundo orientação do Departamento Nacional do SESI: Execução Física e Financeira das ações da LOA não aplicável à natureza jurídica da Unidade Jurisdicionada (UJ). Transferências de recursos do Departamento Nacional aos Regionais este item é aplicável somente ao Departamento Nacional, visto que o DR Paraná não repassa recursos a outros Departamentos Regionais ou ao Departamento Nacional. Composição do quadro de empregados inativos e pensionistas não há empregados inativos e/ou pensionistas no quadro de empregados da entidade. Desoneração da folha de pagamento propiciada pelo art. 7º da lei /2011 e pelo art. 2º do decreto 7.828/ não aplicável à natureza jurídica da Unidade Jurisdicionada (UJ). Gestão ambiental e licitações sustentáveis o SESI não está obrigado a adotar os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, materiais de tecnologia de informação (TI) e na contratação de serviços ou obras, tendo como referência a Instrução Normativa nº 1/2010 e a Portaria nº 2/2010, ambas da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, como também não está obrigado a praticar a separação de resíduos recicláveis descartados em conformidade com o Decreto nº 5.940/2006, uma vez que essas normas têm aplicação direcionada à administração pública federal direta e indireta, não se aplicando, portanto, à entidade. Demonstração de adoção de medidas administrativas para apurar responsabilidade por ocorrência de dano ao Erário - não aplicável à natureza jurídica da Unidade Jurisdicionada (UJ). Um item foi considerado não aplicável a partir de análise feita pelo SESI/PR: Contratos de prestação de serviços com locação de mão de obra não aplicável às características das contratações do SESI/PR. Os esforços envidados pelo SESI Paraná em 2014 foram no sentido de manter a capilaridade, qualidade e abrangência na prestação de serviços de educação e qualidade de vida, com foco no desenvolvimento das empresas industriais paranaenses. Em educação, o destaque é para a implantação do Colégio SESI Ensino Médio Internacional e o crescimento da Educação de Jovens e Adultos, cuja oferta gratuita e na modalidade a distância estimula a melhoria da educação básica do trabalhador da indústria. Nos serviços de Qualidade de Vida, o SESI Paraná ampliou ainda mais seus atendimentos, conquista esta viabilizada pelo aprimoramento contínuo da gestão e pela estratégia de prestação de serviços por meio de empresas credenciadas. As principais conquistas do exercício, entretanto, são relacionadas às melhorias de processos de gestão e operação. Com impacto direto no negócio está à atualização da matriz curricular do Colégio SESI, a implantação da Educação de Jovens e Adultos (EJA) na modalidade à distância e o desenvolvimento do Sistema de Gestão Educacional (SGE). Paralelamente, outros programas e projetos foram desenvolvidos com o objetivo de melhoria da gestão, como a customização do sistema ERP Microsoft Dynamics AX, o aprimoramento dos cockpits dos sistemas de Business Intelligence (BI) e Controles Integrados de Gestão (CIG) e o desenvolvimento do Programa de Liderança. Além disso, a implantação do sistema de viagens, a publicação do primeiro Caderno de Indicadores Orçamentários e de Produção do SESI e a criação da Gerência de Processos e Controladoria complementam as principais realizações do SESI no exercício. Os resultados destes esforços são apresentados mais detalhadamente no decorrer do Relatório de Gestão. 14

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - SENAI DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARANÁ PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Curitiba, maio/2015 1 SERVIÇO NACIONAL

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Órgão Vinculador: Ministério do Trabalho e Emprego Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Administração Regional em Minas Gerais RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Belo Horizonte Maio 2013 Órgão

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 14/TST.CSJT.GP, DE 30 DE MAIO DE 2012

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 14/TST.CSJT.GP, DE 30 DE MAIO DE 2012 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 14/TST.CSJT.GP, DE 30 DE MAIO DE 2012 Disciplina a aplicação dos recursos destinados ao custeio das atividades do programa Trabalho Seguro. A VICE-PRESIDENTE

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Videoconferência 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Programação 1 O QUE É O GUIA? 2 OS PROCESSOS CORPORATIVOS NO

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Estado de São Paulo RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2014 Relatório de Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIAÇÕES... 7 LISTA DE QUADROS... 8 INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DAS UNIDADES CLASSIFICADAS COM SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS...

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIAÇÕES... 7 LISTA DE QUADROS... 8 INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DAS UNIDADES CLASSIFICADAS COM SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS... 1 2 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIAÇÕES... 7 LISTA DE QUADROS... 8 INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DAS UNIDADES CLASSIFICADAS COM SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS... 12 INTRODUÇÃO... 12 1. IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DA ENTIDADE...

Leia mais

Conheça o Sistema Fiep

Conheça o Sistema Fiep sistemafiep.com.br Conheça o Sistema Fiep sistema fiep. nosso i é de indústria. SISTEMA S Já ouviu falar? AGRICULTURA INDÚSTRIA COMÉRCIO O SISTEMA S EMPREENDEDORISMO COOPERATIVISMO TRANSPORTE AGRICULTURA

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna - PAINT

Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna - PAINT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL AUDITORIA INTERNA Plano Anual de Atividades de Auditoria

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração 00 20.01.204 Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 1 1. Resumo Esta norma estabelece requisitos técnicos para a concessão do Selo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Órgão Vinculador: Ministério do Trabalho e Emprego Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Administração Regional em Minas Gerais RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Belo Horizonte Fevereiro 2014

Leia mais

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO 20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Brasília / 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

Plano de cargos e salários

Plano de cargos e salários Plano de cargos e salários CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto INSTITUTO EUVALDO LODI - IEL / NÚCLEO CENTRAL Diretor etor-geral Armando de Queiroz Monteiro

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 203 Porto Alegre (), maio / 20 Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo Sescoop Nacional Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Estado do Rio Grande do Sul

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA A EMPRESA A Lexsom é uma empresa especializada em soluções de informática com atuação no mercado nacional desde 1989, tem como principal foco o desenvolvimento integrado

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Prefeitura Municipal de Rio Branco RBPREV Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Equipe do RBPREV Raquel de Araújo Nogueira Diretora-Presidente Maria Gecilda Araújo Ribeiro Diretora de Previdência

Leia mais

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia.

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. William Edwards Deming Organograma do Ministério da Fazenda

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2011 PROCESSO:

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Palestra: O controle Interno no Brasil - situação atual e perspectivas futuras. Valdir Agapito Teixeira Secretário

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Processo Único de Federação- PUF

Processo Único de Federação- PUF Processo Único de Federação- PUF 1 1. O que é a FEJEPAR? A Federação das Empresas Juniores do Estado do Paraná FEJEPAR, fundada no ano de 1996 na cidade de Curitiba, é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL EXERCÍCIO 2014 PARTE II RELATÓRIO DE GESTÃO

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL EXERCÍCIO 2014 PARTE II RELATÓRIO DE GESTÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL EXERCÍCIO 2014 PARTE II RELATÓRIO DE GESTÃO Brasília, fevereiro de 2015 1 II RELATÓRIO DE GESTÃO 2 3 SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI CONSELHO NACIONAL PRESTAÇÃO DE

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 71000.010766/2007-25

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Relatório de Gestão do exercício 2012 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 TAL Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Amazonas RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 MANAUS (AM), MARÇO/2015 Sem numeração Serviço Nacional de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO AN EXO II I DE SCRI ÇÃO DOS CARGOS 1. DF - DIRETORIA FERROVIÁRIA 1.1 Analista Ferroviário (Expediente / Assistência Jurídica) Atividades de nível superior relacionadas com a preparação de correspondência

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

nacional; Comissionamento diferenciado na venda e pós-venda em todos os produtos e

nacional; Comissionamento diferenciado na venda e pós-venda em todos os produtos e PROGRAMA DE PARCERIA Objetivo do Programa de Parceria Atuando no mercado de CRM (Customer Relationship Manager) desde 1994, a KANKEI é uma empresa de capital Nacional que oferece soluções de marketing

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO/ ESCRITURAÇÃO FISCAL CONTÁBIL E OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre os prazos e procedimentos para apresentação do processo de Contas Anual das Superintendências Regionais e suas unidades jurisdicionadas.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO 530 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL - CONSOLIDADA RELATÓRIO Nº : 189892 UCI EXECUTORA : 170961 EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES Nov.2014 Negócio CONTRIBUIR PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE Educação Qualidade de Vida Declaração Estratégica Missão Promover a qualidade de vida do trabalhador

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 04972.000579/2007-59 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2014 Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Espirito Santo RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2014 Sem numeração VITÓRIA/ES MARÇO/2015 Sem numeração Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

Leia mais

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca novembro 2012 Agenda Apresentação do escopo do projeto Metodologia Gestão de Processos Análise

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE. Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais APEAM

Relatório de Comunicação e Engajamento COE. Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais APEAM Relatório de Comunicação e Engajamento COE Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais APEAM Declaração de Apoio Continuo do Presidente 21/08/2015 Para as partes interessadas: Tenho o prazer de confirmar

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010

EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010 EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010 Processo Seletivo para Participação no II Seminário Internacional de Contabilidade Pública e 3º Fórum Nacional de Gestão e Contabilidade Públicas 1. Considerações

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

A transparência como base da gestão

A transparência como base da gestão A transparência como base da gestão Um Sistema em sintonia com o Brasil. Esta é a síntese da avaliação dos usuários dos serviços da CNC, do SESC e do SENAC. Afinal, desde que foram criados, há mais de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS

COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS IMPORTANTE: 1. Este documento não substitui o Comunicado 01 e constitui-se em mera síntese para divulgação das

Leia mais

Plano de cargos e salários

Plano de cargos e salários Plano de cargos e salários CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto Superintendência Corporativa Superintendente: Antonio Carlos Brito Maciel Superintendente

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ( Decreto nº 24.202, de 07 de janeiro de 2013 Anexo Único Publicado no Diário Oficial do Estado de 08 de janeiro

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU ANEXO I PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU nº 47, de 2004, DN/TCU nº 81, de 2006, e NE/CGU nº 03, de 2006, instituída pela Portaria CGU nº 555, de 2006 Discriminação

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo Relatório de Gestão 2013 Florianópolis/SC, Maio/2014. RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2013 Relatório de Gestão do exercício 2013 apresentado aos órgãos

Leia mais

CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002

CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002 CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002 AGENDA Introdução Terceiro Setor Contabilidade Demonstrações Contábeis Auditoria Perguntas TERCEIRO SETOR TERCEIRO SETOR LEI 12.101/09

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR

NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR 1 APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão Financeira do GESC Instrutor do Curso de Contabilidade

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA CADASTRO DE DOCENTES

EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA CADASTRO DE DOCENTES EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA CADASTRO DE DOCENTES A Associação Brasileira de Orçamento Público - Unidade Regional do Rio Grande do Sul (ABOP-RS), fundada em 04 de dezembro de 1974, como uma associação civil

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Programa de

Leia mais

EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015)

EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015) EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015) Visando promover a qualidade de vida dos trabalhadores e ambientes de trabalho seguros

Leia mais