1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO"

Transcrição

1 Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 02/01/2015 Verificado por Rodolfo Ferreira em 08/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 09/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional Número 76 Título PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA - ESCRITÓRIO DE MACAÉ Selecione o verificador do Documento: Rodolfo Ferreira/BRA/VERITAS Cintia Kikuchi02/01/2015 ÍNDICE: 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO 6.1 DESCRIÇÃO DAS INSTALAÇÕES E DA REGIÃO 6.2 SEGURANÇA COMPORTAMENTAL 6.3 CENÁRIOS ACIDENTAIS 1

2 6.4 INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA RESPOSTA 6.5 TREINAMENTOS 6.6 SIMULADOS 6.7 REVISÃO DO PLANO DE EMERGÊNCIA 6.8 RESÍDUOS 7 REGISTRO 8 REVISÃO 9 ANEXOS ANEXO 1 - MODELO DE CRONOGRAMA DE REALIZAÇÃO DE SIMULADOS ANEXO 2 - MODELO DE RELATÓRIO DE SIMULADO ANEXO 3 - ARRANJO GRÁFICO DO PONTO DE ENCONTRO DO ESCRITÓRIO BV MACAÉ ANEXO 4 - RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL E DAS INSTALAÇÕES DOS ESCRITÓRIOS ANEXO 5 - RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE EXTINTORES 2

3 TEXTO DO PROCEDIMENTO : 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atendimento e controle de emergências nas instalações do BUREAU VERITAS BRASIL, objetivando eliminar ou minimizar os efeitos nocivos dos incidentes relacionados aos colaboradores do Bureau Veritas Brasil, incluindo todas as divisões e Unidades de Negócio e subcontratados, instalações e meio ambiente. 2 APLICAÇÃO É aplicado as atividades do BUREAU VERITAS BRASIL, situado na Av. Nossa Senhora da Glória, 999 Salas: 401/501 - Praia Campista, Macaé, Estado do Rio de Janeiro; Base Santa Mônica, Avenida Santa Mônica Miramar, Macaé, Estado do Rio de Janeiro; Base Geólogo Carlos Walter Marinho Campos, situada na Avenida Elias Agostinho, Bairro Imbetiba, Macaé, Estado do Rio de Janeiro; Base Operacional Terrestre das Unidades de Serviços de Exploração e Produção, situada na Rodovia Amaral Peixoto, nº localidade de Imboassica, Macaé, Estado do Rio Janeiro, denominada como Base Operacional Imboassica e Base no edifício Petroffice, situada na Avenida Elias Agostinho, número 340, 8 o. e 9 o. andar - Bairro Imbetiba, Macaé. Estado do Rio de Janeiro. 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 3.1 Cabe a Gerência de QHSE a elaboração, manutenção e implementação deste documento. 3.2 Cabe a Diretoria de QHSE a aprovação deste documento. 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Este procedimento foi desenvolvido tendo como referência o(s) seguinte(s) documento(s): Os documentos relacionados abaixo são indispensáveis para a aplicação deste documento. Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. para referências não datadas, aplicam-se as últimas edições dos documentos. 3

4 a. NBR ISO Sistemas da gestão ambiental - Requisitos com orientações para uso. b. OHSAS Occupational health and safety management systems Requirements; c. Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais e Perigos e Danos e Avaliação de Riscos de Segurança e Saúde Ocupacional (PR 70 e PR 75); d. PR 81 Estrutura da Documentação; e. Behavioural Safety c QHSE Group Policy 111-PO f. Business Model BV - lever 8 Manage people; g. Fire Prevention - QHSE Group Policy 114-PO h. Business Model BV - lever 5 Optimize production process; i. Manual de Uso do Extintor de Incêndio ABIEX Associação Brasileira das Indústrias de Equipamentos Contra Incêndio e Cilindros de Alta Pressão Nota 1: Dependendo do condomínio e / ou administração predial dos quais os escritórios do Bureau Veritas fazem parte, alguns documentos podem ser considerados na formação dos procedimentos internos ou devem ser mencionados de modo externo. 5 TERMINOLOGIA ABANDONO DE ÁREA Ato de retirar de forma ordenada todas as pessoas de uma área afetada por uma emergência. INCIDENTE Evento relacionado à atividade laboral em que um dano pessoal ou a saúde (não obstante a severidade) ou fatalidade ocorreu ou poderia ter ocorrido. Nota a : Um acidente é um incidente que causou dano, doença ou fatalidade. Nota b : Um incidente onde não ocorre dano, doença ou fatalidade pode ser referido como um quase acidente ou ocorrência perigosa. Nota c : Uma situação de emergência é um tipo particular de incidente. ÁREA VULNERÁVEL Área com potencial de ser atingida pela extensão dos efeitos adversos provocados por um incidente. ÁREA SENSÍVEL Área que pode ser impactada adversamente de forma significativa, quando atingida pelas 4

5 conseqüências da emergência. Dentre elas incluem-se regiões com populações circunvizinhas, regiões que tenham importância econômica, turística, recreativa, ou ainda regiões que sejam ecologicamente relevantes e/ou sensíveis em termos de impactos ambientais. BLACKOUT Interrupção brusca de fornecimento de energia elétrica. BUREAU VERITAS BRASIL Todos os escritórios e atividades do BUREAU VERITAS e TECNITAS no Brasil. EMERGÊNCIA Toda ocorrência anormal, que foge ao controle de um processo, sistema ou atividade, da qual possam resultar danos a pessoas, ao meio ambiente, a equipamentos ou ao patrimônio próprio ou de terceiros, envolvendo atividades ou instalações industriais. CENÁRIO ACIDENTAL Local onde ocorreu o incidente. RAR Responsável pela ação e resposta a emergência, podendo ser um técnico de segurança do trabalho (direto), brigadista ou profissional de Recursos humanos de Macaé, que coordenará a emergência. GERÊNCIA DE QHSE Gerência do BUREAU VERITAS BRASIL de Qualidade, Segurança, Saúde & Meio Ambiente. DIRETÓRIA DE QHSE Diretoria do BUREAU VERITAS BRASIL de Qualidade, Segurança, Saúde & Meio Ambiente. SEGURANÇA COMPORTAMENTAL - A aplicação de comportamentos de segurança no trabalho. PERIGO Fonte, situação, ou ato com potencial para provocar danos humanos em termos de lesão, doença, dano à propriedade, dano ao meio ambiente do local de trabalho, ou uma combinação destes. PLANO DE EMERGÊNCIA Documento formal e padronizado que define as responsabilidades e as ações a serem seguidas para controle de uma emergência e mitigação de seus efeitos, incluindo os recursos humanos, materiais e equipamentos adequados à prevenção, controle e combate à emergência PONTO DE ENCONTRO Local fora da área vulnerável para onde as pessoas situadas em áreas vulneráveis irão dirigir-se e de onde se promoverá ou não sua retirada para outro local. 5

6 RISCO Combinação da probabilidade de ocorrência de um evento perigoso ou exposição(ões) com a gravidade da lesão ou doença que pode ser causada pelo ou exposição(ões). ROTA DE FUGA Trajeto pré-determinado para abandono de área em caso de emergência, até o ponto de encontro. 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO 6.1 DESCRIÇÃO DAS INSTALAÇÕES E DA REGIÃO O escritório do BUREAU VERITAS de Macaé está localizado no bairro praia campista, não sendo uma área sensível/vulnerável. O prédio pertence ao centro empresarial UNION e as instalações do BUREAU VERITAS BRASIL ocupam as salas 401 e 501 do edifício localizado na Avenida Nossa Senhora da Glória, 999 Praia Campista - Macaé - Estado do Rio de Janeiro Telefone: O edifício é dotado de sistemas de combate a incêndio, portas corta fogo que dão acesso às escadas, hidrantes e extintores de incêndio Os escritórios foram construídos em alvenaria, com divisórias internas de metal, madeira e tecido, climatizado com ar condicionado central. Os escritórios são equipados com microcomputadores ligados à rede do BUREAU VERITAS A Petrobras Base Santa Mônica situada na Avenida Santa Mônica Miramar, Macaé; Base Geólogo Carlos Walter Marinho Campos, situada na Avenida Elias Agostinho, Bairro Imbetiba, Macaé, Base no Edifício Petroffice, situada na Avenida Elias Agostinho, 340, 8º e 9º andar - Bairro Imbetiba, Macaé - Telefone: (22) e Base Operacional Terrestre das Unidades de Serviços de Exploração e Produção, situada na Rodovia Amaral Peixoto, nº localidade de Imboassica, Macaé - Telefone: Fax: As Bases da Petrobras são dotadas de sistemas de combate incêndio (Sprinklers), porta corta fogo que dão acesso as escadas, hidrantes e extintores de incêndio, a petrobras mantém uma equipe de segurança industrial 24 horas apta a conduzir qualquer emergência. 6

7 6.2 SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Todos colaboradores do Bureau Veritas Brasil, incluindo todas as divisões e Unidades de Negócio e subcontratados devem se comportar com segurança enquanto realizam suas atividades, a fim de evitar qualquer acidente. Todo gerente local e gerente de contrato é responsável por garantir que os recursos adequados à segurança comportamental estejam disponíveis O objetivo da segurança comportamental é fazer com que o ambiente de trabalho seja o mais seguro possível. Isso envolve um conjunto de princípios, práticas, processos que são utilizados para melhorar a segurança, conforme itens e Como benefícios direto associados a implementação da segurança comportamental, podemos observar a redução do número de acidentes e aumento da conscientização de segurança. Como benefícios indiretos, garantimos a segurança comportamental consistente no Grupo, demonstrando essa preocupação de segurança aos clientes. Os colaboradores serão submetidos a auditorias de Saúde & Segurança, assim como monitoramentos periódicos por parte da equipe de QHSE e de seus respectivos responsáveis. Especificamente para o cliente Petrobras, é realizado a Auditoria Comportamental para alguns contratos, quando aplicável Comunicados com assuntos referentes à Saúde & Segurança e Meio Ambiente, como direção defensiva, utilização de EPIs, etc, são enviados periodicamente para todos os colaboradores. O número de comunicados enviados fazem parte de um dos indicadores de desempenho do Bureau Veritas Brasil, controlado pelo setor de QHSE. Com o mesmo princípio de segurança, é disponibilizada a cartilha "2 Minutes for MY Safety" ou 2 Minutos para MINHA Segurança. 6.3 CENÁRIOS ACIDENTAIS São definidos a seguir os cenários acidentais provenientes dos levantamentos de perigos/danos e aspectos/impactos identificados por tarefas para as atividades do BUREAU VERITAS. As planilhas de Perigos & Riscos e Aspectos & Impactos devem ser sempre utilizadas para verificação completa dos cenários acidentais atualizados: Rotinas Administrativas 7

8 Incêndio; Mal súbito; Choque elétrico; Queda em mesmo nível; Queda com diferença de nível; Blackout Serviços de Campo Vazamento de Gás; Incêndio; Trabalho sujeito à queda de ferramentas, materiais e equipamentos; Mal súbito; Vapores; Contato com equipamentos/ materiais/ superfície aquecida; Trabalho sujeito a ataques de animais peçonhentos e insetos; Trabalho sujeito a desabamentos; Queda em mesmo nível; Queda com diferença de nível; Explosão; Descargas atmosféricas; Choque elétrico; Contato com produtos químicos (em emergências); Blackout; Contato com superfícies perfuro-cortantes; Trabalho sujeito a projeção/ impacto de partículas; Trabalho em altura (acima de 2 m) Deslocamento (terrestre, marítimo e aéreo) em deslocamento de postos de trabalho, visitas técnicas e viagens Incêndio; Naufrágio; 8

9 Queda de pessoas na água; Abalroamento; Colisão de veículos; Atropelamento; Vazamento de óleo; Incêndio; Queda de aeronave; Colisão de aeronave Utilização da Copa Incêndio; Queda em mesmo nível; Choque elétrico Manutenção das Instalações Queda em mesmo nível; Queda com diferença de nível; Choque elétrico; Trabalho sujeito à queda de ferramentas, materiais e equipamentos Reuniões, entrega de correspondência/ material, treinamentos, palestras, serviços rápidos diversos, etc. Queda em mesmo nível; Queda com diferença de nível; Mal súbito; Incêndio; Blackout. 6.4 INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA RESPOSTA 9

10 6.4.1 SISTEMAS DE ALERTA Em caso de incêndio ou fumaça no edifício os colaboradores do BUREAU VERITAS devem abandonar as instalações sem pânico e de forma ordenada. Devem seguir as sinalizações de saída (rotas de fuga), não utilizar os elevadores, seguir para as escadas e descer pelo seu lado direito, com calma, até o ponto de encontro situado em frente a imobiliária Realize, a sua esquerda do prédio, conforme Anexo Os visitantes devem estar acompanhados todo o tempo pelo funcionário que veio encontrar e seguir as mesmas instruções Em caso de incêndio ou fumaça na Base de Santa Mônica, Base Geólogo Carlos Walter Marinho Campos e Base de Imboassica, os colaboradores do Bureau Veritas, deverão seguir as orientações dos Coordenadores das Ações de Respostas (CAR) COMUNICAÇÃO A comunicação de qualquer emergência com órgãos externos é responsabilidade do RAR RECURSOS DISPONÍVEIS Alguns recursos disponíveis para controle das emergências são de responsabilidade do prédio / condomínio, tais como: abrigos de mangueira, extintores de incêndio locados fora do escritório. A manutenção destes equipamentos é responsabilidade do centro comercial UNION. Os extintores de incêndio existentes dentro dos escritórios são de responsabilidade do BUREAU VERITAS BRASIL, e os equipamentos na base do cliente são de responsabilidade do cliente As brigadas de incêndio podem ser compostas por funcionários dos prédios e / ou por funcionários das empresas locatárias de modo conjunto, definidos por seus respectivos gestores. O treinamento para brigadistas será realizado anualmente, com registros devidamente arquivados, e divulgação da equipe treinada para todos os colaboradores dos respectivos escritórios. Os brigadistas, em conjunto com a equipe de QHSE, devem realizam a avaliação de risco de incêndio com base na planilha de Identificação de Perigos, Avaliação de Riscos e determinação de Controles, segundo QHSE PR A equipe de QHSE realizará, no mínimo trimestralmente, uma inspeção predial no edifício de acordo com Anexo 4 e 10

11 Anexo 5 formulários QHSE 31 e QHSE 32 disponíveis na base de formulários lotus Notes, onde serão verificadas instalações e documentações legais locais relativas a segurança patrimonial de responsabilidade das administrações locais (manutenção dos equipamentos, etc.) e do próprio Bureau Veritas do Brasil (mapas de riscos e evacuação,etc.) além dos equipamentos de segurança como extintores, sinalização adequada, alarme de incêndio, etc. Os extintores deverão ser inspecionados mensalmente. Para efeito de auditorias, os itens 6.4.3, 6.5 e 6.6 deverão ser observados. Nota 2 : Para escolha de novos edifícios para arrendamento, medidas de prevenção contra incêndios já existentes devem ser levados em conta. Em todas as situações, devem ser observados os caso de pessoas deficientes, mulheres grávidas e indivíduos com potencial de dificuldades durante casos de emergência PROCEDIMENTOS DE RESPOSTA Em caso de ocorrência de incêndio nas instalações da Petrobrás onde encontra-se colaboradores do BUREAU VERITAS: 11

12 12

13 Em caso de ocorrência de incêndio nas instalações do BUREAU VERITAS: O que? Quem? Como? Por quê? Quando? Onde? Informar emergência O brigadista ou responsável da área onde está ocorrendo o incêndio MAC: ramal interno 4999/4992 Avisar da ocorrência Imediatamente Do local mais próximo Acionar o alarme O brigadista ou responsável da área onde está ocorrendo MAC: quebrar o vidro do alarme de emergência Informar rapidamente a todos da ocorrência Imediatamente MAC: ao lado do elevador 13

14 Evacuar a área do incêndio Desligar parte elétrica do andar Acionar entidades externas (bombeiros) Prestar primeiros socorros e remover vítimas Em caso de óbito nas dependências da empresa, informar a autoridade policial De modo geral : o incêndio O brigadista ou responsável da área onde está ocorrendo o incêndio Utilizando os recursos disponíveis Desligar o disjuntor geral O brigadista ou responsável do andar ou contactando o da área onde está ocorrendo responsável do local o incêndio Portaria do prédio ou através do escritório BV Através do telefone 193 Equipe de atendimento médico Gerência de Recursos Humanos ou responsável local de Recursos Humanos Conforme procedimento médico Pelo telefone 190 Preservar vidas Imediatamente No local Para que sejam tomadas as devidas providências Imediatamente De acordo com a localização dos disjuntores ou do telefone mais próximo. Combater incêndio / Atender vítimas Imediatamente Das portarias dos edifícios Atender a vítima Ao chegar ao local No local Para que sejam tomadas as providências cabíveis Imediatamente De onde se encontrar 14

15 15

16 Em caso de ocorrência de colisão de veículos/atropelamento em trajeto para o trabalho e/ou deslocamento entre posto de trabalho, em via pública e fora de instalações da contratante: 16

17 Em caso de mal súbito, choque elétrico, queda em mesmo nível, queda com diferença de nível, blackout, contato com superfície quente, trabalho sujeito à queda de ferramentas, materiais e equipamentos nas instalações e trajeto ao BUREAU 17

18 VERITAS: As situações de emergência relacionadas às tarefas de serviços de campo e de deslocamento (marítimo e aéreo) em visitas técnicas e viagens foram identificadas, embora o BUREAU VERITAS não tenha ação direta de emergência para estas hipóteses acidentais Os colaboradores do BUREAU VERITAS que estejam sujeitos às situações de emergência descritas em , devem necessariamente, atender aos requisitos do cliente ou das companhias de transporte (marítimo/ aéreo) dependendo da situação em que se encontrem no momento de ocorrência da emergência. 18

19 Em caso de emergência com colaborador do BUREAU VERITAS BRASIL que esteja desempenhando suas atividades no cliente, este deve ser informado dos seguintes telefones para contato: (22) / (22) Técnico de Segurança do Trabalho: Rodolfo Ferreira ou Vera Silva; (22) / (22) Profissional de Recursos Humanos de Macaé : Raina Souza; (22) / 4950 / (22) Gerente de Contrato Responsável site BV MAC : José Carlos; (21) Gerente Regional de Macaé : César Bracet Em caso de emergência com colaborador do BUREAU VERITAS BRASIL que esteja desempenhando suas atividades no cliente, o mesmo será encaminhado para os hospitais, em função do problema detectado Em caso de emergência com colaborador do BUREAU VERITAS que esteja desempenhando suas atividades embarcado, chegando ao aeroporto de Macaé, a empresa SAME (22) ID 8*13598 (Ambulância - preferencialmente) (22) / (22) / (22) (Gerente Cíntia Bichara) fará o encaminhamento para os seguintes hospitais, em função do problema detectado: HPM - Hospital Público de Macaé; Hospital Unimed Hospital São João Batista; Hospital São Lucas. 6.5 TREINAMENTOS Toda novo colaborador que ingressa no BUREAU VERITAS BRASIL passa por um treinamento de ambientação, onde o tópico prevenção e plano de emergência é abordado. Em caso de mudança dos procedimentos emergenciais, os colaboradores do BUREAU VERITAS BRASIL passam por novo treinamento. Esses treinamentos devem ser documentados. O treinamento de ambientação faz parte de um dos indicadores de desempenho do Grupo Bureau Veritas, controlado tanto pelo GRH como pelo setor de QHSE e relatado no sistema SAS Todo visitante que venha às instalações do BUREAU VERITAS BRASIL para desenvolver alguma atividade, será orientado a ler as informações de segurança em nosso quadro de aviso. 19

20 6.6 SIMULADOS O BUREAU VERITAS executa seus simulados anualmente, conforme cronograma do Anexo Imediatamente após o simulado, será realizada reunião extraordinária com todos os envolvidos na organização do exercício para avaliação e correção das falhas ocorridas Após a realização dos simulados é emitido um relatório (Anexo 2), conforme itemização a seguir: Simulado de meio ambiente ou segurança e saúde; Ocorrência (real ou simulado); Data de realização; Hora de realização; Local de realização; Cenário acidental simulado; Descrição do simulado; Tempo de resposta da equipe; Eficácia do sistema de comunicação; Necessidade ou não de acionamento de órgãos externos; Pontos positivos; Pontos negativos; Plano de ação para os pontos negativos O relatório e o cronograma de simulado são disponibilizados na Gerência de QHSE. 6.7 REVISÃO DO PLANO DE EMERGÊNCIA O Plano de Emergência do BUREAU VERITAS será revisado, no mínimo, nas seguintes situações: a. Sempre que o resultado de uma análise de risco ou levantamento de aspectos e impactos e de perigos e riscos assim o indicar; b. Sempre que a instalação sofrer modificações físicas, operacionais ou organizacionais capazes de afetar os seus 20

21 procedimentos ou a sua capacidade de resposta; c. Quando o desempenho do Plano de Emergência, decorrente do seu acionamento por acidente ou incidente ou exercício simulado, recomendar; d. A cada 3 (três) anos, caso nenhuma das situações anteriores seja verificada. 6.8 RESÍDUOS Os resíduos gerados no combate à emergência (real) são segregados e tem destinação adequada. A destinação final de resíduos provenientes de ações de emergência é de responsabilidade do respectivo condomínio onde ocorreu a emergência. 7 REGISTRO Na aplicação deste procedimento poderá ser gerado os seguintes registros: CRONOGRAMA DE REALIZAÇÃO DE SIMULADOS; RELATÓRIOS DE SIMULADO; RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL E DAS INSTALAÇÕES DOS ESCRITÓRIOS RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE EXTINTORES 8 REVISÃO Revisão 00 em 21/07/2006 Emissão original. Revisão 01 em 11/06/2007 Revisão geral para adequação ao PR 81 Estrutura da Documentação, inclusão dos anexos 1 e 2. Revisão 02 em 08/01/2009 Implementação de informações do PEL da US-SS Petrobras. Revisão 03 em 12/02/2010 Item Serviço de ambulância 24h e seus respectivos contatos em caso de emergência. Revisão 04 em 15/06/2011 Revisão do item 6.2 -informações das Bases Petrobras situadas em Macaé e revisão do item Procedimentos de Resposta. Revisão 05 em 08/02/2012 Inclusão do item 6.2 Segurança Comportamental, , , nota 2, Anexo 4, Anexo 5 e revisão dos itens 4,5, e 6.5. Revisão 06 em 20/06/2012 Item 3.3 foi alterado onde a aprovação do documento passa a ser de responsabilidade da Diretoria de QHSE; Item 4 foram retirados os números e datas das versões dos documentos de referêcia e inserido uma frase onde são válidos os documentos como referência apenas a última versão em vigor; Item 5 Inserido Terminologia Diretor de 21

22 QHSE; Item Atualização de contatos; Item 6.8 Responsabilidade dos resíduos gerados no combate à emergência é do condomínio onde ocorreu a emergência e não do setor de QHSE; Revisão 07 em 07/08/2014 Revisão dos itens 2, 6.1.1, , , anexo 3, devido a alteração do local do escritório de Macaé Revisão 08 em 02/01/2015 Revisão do anexo 5 9 ANEXOS ANEXO 1 MODELO DE CRONOGRAMA DE REALIZAÇÃO DE SIMULADOS ANEXO 2 MODELO DE RELATÓRIO DE SIMULADO 22

23 23

24 ANEXO 3 ARRANJO GRÁFICO DO PONTO DE ENCONTRO DO ESCRITÓRIO BV MACAÉ 24

25 ANEXO 4 RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL E DAS INSTALAÇÕES DOS ESCRITÓRIOS 25

26 ANEXO 5 RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE EXTINTORES 26

27 27

28 28

29 29

30 30

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 30/12/2014 Verificado por Fernando Cianci em 06/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 06/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Daniel Bortolin/BRA/VERITAS em 02/02/2015 Verificado por Cintia Kikuchi em 02/02/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 02/02/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA Aprovado ' Elaborado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 04/11/2014 Verificado por Cristiane Muniz em 04/11/2014 Aprovado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 19/11/2014 ÁREA GRH Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Definição - Plano de Emergência

Definição - Plano de Emergência 1 Definição - Plano de Emergência É um conjunto de procedimentos que visa minimizar as consequências de um evento indesejado. 2 1 O que temos no Brasil -Leis Federais Decreto nº 2.648, de 1º de julho de

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE CONTROLE DE REGISTROS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE CONTROLE DE REGISTROS Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 05/02/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 05/02/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 14/02/2013 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Impresso em 01/09/2015 15:46:32 (Sem título)

Impresso em 01/09/2015 15:46:32 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 24/08/2015 Verificado por Fernando Cianci em 25/08/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 25/08/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Fernando Cianci19/10/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 87 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS

Fernando Cianci19/10/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 87 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 19/10/2015 Verificado por Cintia Kikuchi em 19/10/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 19/10/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Planilha de levantamento de dados 2 Aplicação B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 3 Referências Normativas e Bibliográficas

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

O plano citado foi estruturado em ações que obtiveram os resultados positivos, a partir dos seguintes critérios:

O plano citado foi estruturado em ações que obtiveram os resultados positivos, a partir dos seguintes critérios: 2.6.17 - O Plano de Ação de Emergência PAE, também denominado Plano de Emergência Local PEL, está sendo realizado seguindo os preceitos do Projeto Básico Ambiental - PBA e as diretrizes contratuais. Este

Leia mais

SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13. MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira

SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13. MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13 Objetivo: Fornecer um conjunto de diretrizes e informações visando a adoção

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 10:26:39 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 10:26:39 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 Página 1 de 22 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01/06/2009 01 08/12/2009 02 15/04/2010 03 16/07/2010 04 19/12/2011 05 02/02/2012 06 05/05/2012 07 03/10/2012 08 25/03/20 09 30/03/20

Leia mais

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE ANO I Nº 1 Junho 2011 2011MARCO 2010 INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE (Plano em Desenvolvimento) Página 1 de 8 Apresentação Instrução elaborada para o Condomínio do edifício

Leia mais

Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33

Inclui no Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33 SIT - Portaria nº 39/2008 25/2/2008 PORTARIA SIT Nº 39, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 DOU 25.02.2008 Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora

Leia mais

6.3 Plano de Ação 4 6.4 Registros de Auditoria 4

6.3 Plano de Ação 4 6.4 Registros de Auditoria 4 Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

APIR- Aspectos / Perigos e Impactos / Riscos

APIR- Aspectos / Perigos e Impactos / Riscos Administrativas APIR- Aspectos / Perigos e Impactos / Riscos RG-083 Rev. 1 20/09/2012 CONTRATO / FRENTE DE TRABALHO: GESTÃO ATNAS ESCOPO: APOIO TÉCNICO / ADMINISTRATIVO E TRANSPORTE DE PESSOAS ALTERAÇÃO

Leia mais

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 16/10/2015 Verificado por Fernando Cianci em 16/10/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 16/10/2015 ÁREA QHSE Tipo MANUAL Número 01.11

Leia mais

2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA

2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA Neste capítulo consta a estrutura organizacional de resposta aos incidentes a fim de atender a cada cenário

Leia mais

Referência: Reunião Técnica, Memorial Descritivo Rev: 2. Proteções Existentes. Observações (O)/ Recomendações (R) Meio Ambiente.

Referência: Reunião Técnica, Memorial Descritivo Rev: 2. Proteções Existentes. Observações (O)/ Recomendações (R) Meio Ambiente. Ambiente Imagem 1 Vazamento de produto inflamável armazenado em frascos, bombonas ou tambores. - Falha durante o manuseio ou transporte do recipiente provocando tombamento ou queda; - Recipiente em más

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

Plano de Intervenção de Incêndio

Plano de Intervenção de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2004 Plano de Intervenção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

TERMO DE REFERÊNCIA. Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO PARA PROJETOS DE ARMAZENAMENTO E REVENDA DE RECIPIENTES

Leia mais

ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS

ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS Uma vez concluída a avaliação de um trabalho em espaço confinado é necessário que se avalie também os perigos e se desenvolva um programa para que ele seja realizado com sucesso.

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS 1 3.2.6.10.

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS

TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS 1/17 TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS Figura 1: vista do local onde o Terminal será instalado. PLANO DE ATENDIMENTO À EMERGÊNCIAS - PAE Novembro de 2011 2/17 ÍNDICE 1. FINALIDADE:... 3/17 2. CAMPO DE

Leia mais

Expediente. Edição: Baramaia Gestão de Conhecimento

Expediente. Edição: Baramaia Gestão de Conhecimento 1 Expediente Edição: Baramaia Gestão de Conhecimento Elaboração do Conteúdo: Hítalo Resende (Administrador), Vinícius Antônio Figueiredo (Engenheiro Eletricista) e Luciano de Souza (Técnico de Segurança

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

NORMA APROVAÇÃO DEX 396ª 22/06/2009 CODEBA REVISÃ DATA

NORMA APROVAÇÃO DEX 396ª 22/06/2009 CODEBA REVISÃ DATA CÓDIGO PAG T.01.10 1/13 NORMA APROVAÇÃO DATA DEX 396ª 22/06/2009 CODEBA REVISÃ DATA TÍTULO: PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO ÀS EMERGÊNCIAS NO PORTO DE SALVADOR PALAVRAS-CHAVE EMERGÊNCIA, BRIGADA DE EMERGÊNCIA,

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 005/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 198/2013

CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 005/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 198/2013 CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 005/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 198/2013 OBJETO: Locação de máquinas e equipamentos, com prestação de serviço dos operadores para operação e manutenção

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

2 Minutos para MINHA Segurança. QHSE Brasil

2 Minutos para MINHA Segurança. QHSE Brasil 2 Minutos para MINHA Segurança QHSE Brasil OBJETIVO Todos colaboradores do Bureau Veritas Brasil, incluindo todas as divisões e Unidades de Negócio e sub-contratados, devem se comportar com segurança enquanto

Leia mais

Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11

Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11 FACULDADES INTEGRADAS SANTA CRUZ DE CURITIBA FARESC Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11 Responsáveis pela elaboração: Daiane Lorente Palmas Douglas Simão de Moraes Nilton Vieira Pedro

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Leia mais

SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS

SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS SEGURANÇA DO TRABALHO E BOMBEIROS UNIFESP GUARULHOS 2013/2014 Prezad@s companheiros de atividades, UNIFESP GUARULHOS A notícia que correu o mundo neste inicio de

Leia mais

Analisado por: Departamento de Segurança Patrimonial (DESEP)

Analisado por: Departamento de Segurança Patrimonial (DESEP) Proposto por: Divisão de Prevenção e Combate a Incêndio (DICIN) Analisado por: Departamento de Segurança Patrimonial (DESEP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Segurança Institucional (DGSEI)

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas Autora Patrícia Lins de Paula A NR-20, Norma Regulamentadora 20 do Ministério do Trabalho e Emprego, trata

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 COMISSÃO GESTORA DOS PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL SUMÁRIO RESUMO...4 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 ESCOPO DO DOCUMENTO...5 1.2 APLICABILIDADE DO DOCUMENTO...5 1.3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...6 1.4 TERMINOLOGIA -

Leia mais

Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8

Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8 Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8 Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ione Medeiros Alves², Jéssica Santos Lima 3, Lucélia Rodrigues da Silva

Leia mais

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Registros de aspectos ambientais Três fases podem ser

Leia mais

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Altera a Norma Regulamentadora nº 20 - Líquidos Combustíveis e Inflamáveis, aprovada pela Portaria MTb nº 3.214, de 8 de junho de 1978. A Secretária

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

ANEXO II ao Edital de PREGÃO AMPLO Nº 13/2009

ANEXO II ao Edital de PREGÃO AMPLO Nº 13/2009 ANEXO II ao Edital de PREGÃO AMPLO Nº 13/2009 CADERNO DE ENCARGOS MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DO SISTEMA ELÉTRICO, HIDRÁULICO E COMBATE A INCÊNDIO. COMPLEXO SEDE DA ANATEL E UNIDADE DE SOBRADINHO

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA 6. DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE DOCUMENTAÇÃO

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA 6. DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE DOCUMENTAÇÃO Aprovado ' Elaborado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 06/12/2013 Verificado por Cristiane Muniz em 06/12/2013 Aprovado por Denis Fortes/BRA/VERITAS em 06/12/2013 ÁREA GRH Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009

RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRIGADA MILITAR CORPO DE BOMBEIROS RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009 Treinamento de Prevenção e Combate a Incêndios Apresentação: 1º Sgt Vanderlei Rodrigues Nunes NBR 14276/2006 -

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO. SÃO FELIX DO ARAGUAIA MT

MEMORIAL DESCRITIVO DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO. SÃO FELIX DO ARAGUAIA MT N Ministério Público do Estado de Mato Grosso B R 1 MEMORIAL DESCRITIVO DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO. 1. APRESENTAÇÃO SÃO FELIX DO ARAGUAIA MT O presente memorial tem por finalidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011

ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011 ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011 TÍTULO: A ANÁLISE DE RISCOS DE PROCESSOS E INSTALAÇÕES COMO ELEMENTO BÁSICO DO GERENCIAMENTO DE RISCOS INDUSTRIAIS Por Eng.º Eduardo de Mello Schmitt * 1

Leia mais

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Inflamáveis Características e propriedades Muitos acidentes são evitados ou atenuados quando as características

Leia mais

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA ESTALEIRO ENSEADA 1/5 TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA 1. Objetivo Este procedimento estabelece a sistemática de levantamento de competências, promoção da conscientização e treinamento. 2. Aplicação

Leia mais

Cartilha do Visitante da RPPN Fazenda Boa Esperança

Cartilha do Visitante da RPPN Fazenda Boa Esperança Cartilha do Visitante da RPPN Fazenda Boa Esperança SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Apresentação...3 3. Requisitos para Visitação...4 4. Monitoramento e Gestão dos Impactos...5 5. Medidas Emergências ou de

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO 1. O QUE É O ISPS - CODE Trata-se de uma nova estrutura de normas internacionais, elaboradas pela Organização Marítima Internacional (IMO), pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU) e aprovada

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCO ESTUDO DE CASO: GASODUTO PILAR-IPOJUCA. IPOJUCA. Prof. Eduardo Lucena C. de Amorim

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCO ESTUDO DE CASO: GASODUTO PILAR-IPOJUCA. IPOJUCA. Prof. Eduardo Lucena C. de Amorim PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCO ESTUDO DE CASO: GASODUTO PILAR-IPOJUCA. IPOJUCA. Prof. Eduardo Lucena C. de Amorim Dutos Onshore Gasoduto Pilar - Ipojuca 2 Gasoduto Pilar - Ipojuca Este duto tem origem

Leia mais

REVISTA DIGITAL REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REVISTA DIGITAL REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO REVISTA DIGITAL Saúde e Segurança do Trabalho - Direito do Trabalho e Previdenciário REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Odemiro J B Farias Esse Texto da Portaria de Regulamentação

Leia mais

Relatório Nº: 110/2004. WO 536229 Revisão Nº: 0

Relatório Nº: 110/2004. WO 536229 Revisão Nº: 0 MINUTA Relatório Nº: 110/2004 WO 536229 Revisão Nº: 0 MANUAL PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DAS EMPRESAS PÓLO INDUSTRIAL DE CAMAÇARI PARA O PROJETO APPOLO 2 Preparado para: COFIC COMITÊ DE FOMENTO

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RAZÃO SOCIAL: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia. CNPJ: 10.817.343/0001-05. ENDEREÇO: Av. 7 de Setembro, 2090 Nossa Senhora das Graças. CEP: 76.804-124.

Leia mais

N o s s o Objetivo. V isão

N o s s o Objetivo. V isão INTRODUÇÃO Po r tfólio O custo global para os empregadores, decorrentes de acidentes do trabalho com ferimentos pessoais, doenças relacionadas ao trabalho e impactos ao meio ambiente absorve grande parte

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

2 Minutos para MINHA Segurança QHSE Brasil Nome:... Ano:...

2 Minutos para MINHA Segurança QHSE Brasil Nome:... Ano:... BookletMY-10pages-Bresil:BookletMY-10pages-Bresil 22/06/12 12:00 Page1 2 Minutos para MINHA Segurança QHSE Brasil Nome:... Ano:... 2012 06 Corporate BR Move Forward with Confidence BookletMY-10pages-Bresil:BookletMY-10pages-Bresil

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. REGISTRO DE PREÇOS para eventual contratação de empresa especializada no fornecimento de Extintores de Incêndio portáteis e fornecimento de material de sinalização,

Leia mais

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS DEZ/2014 1 ÍNDICE Objetivo Definição... 04 Oque É Espaço Confinado... 05 Onde É Encontrado O Espaço Confinado... 06 Quais São Os Tipos De Trabalhos

Leia mais

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade 1. Finalidade Disciplinar os procedimentos administrativos e operacionais para o correto gerenciamento de resíduos gerados em operações portuárias, manutenção de máquinas e equipamentos e atendimento a

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

ELBI ELÉTRICA INDUSTRIAL LTDA. Data 17-08-11. ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 PARTICIPANTES NOME EMPRESA ASSINATURA

ELBI ELÉTRICA INDUSTRIAL LTDA. Data 17-08-11. ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 PARTICIPANTES NOME EMPRESA ASSINATURA ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 JOSÉ FRANCISCO JOSÉ CARLOS MÁRCIO FLÁVIO LEANDRO EDUARDO WENDER CHRISÓSTOMO ALINE M O DUARTE ASSUNTOS ABORDADOS: 1- RESULTADOS DA AUDITORIA INTERNA N.13:

Leia mais

GESTÃO DE RISCO NO ARMAZENAMENTO, MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE GLP ENVASADO E GRANEL

GESTÃO DE RISCO NO ARMAZENAMENTO, MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE GLP ENVASADO E GRANEL SEMINÁRIO SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GESTÃO DE RISCO NO ARMAZENAMENTO, MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE GLP ENVASADO E GRANEL Cesar Almeida Outubro de 2010 CONVENÇÃO 174 DA OIT Propõem medidas

Leia mais

NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo

NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo Legislação Anterior Portaria DNC nº n 27/96 - Condições mínimas m de segurança das instalações de armazenamento de recipientes

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006.

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA - UCB PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRG UADA - COORDENAÇÃO EAPs PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PRA DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais