Reelaboração do Projeto Pedagógico do Curso de Administração e suas linhas de formação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reelaboração do Projeto Pedagógico do Curso de Administração e suas linhas de formação."

Transcrição

1 Ceenttrro Univveerrssi ittáárri io paarraa o Deesseenvvol lvvi imeentto do Altto Vaal lee do Ittaaj I jaaí í Cââmaarraa dee Enssi ino CAEN PROCEDÊNCIA PROEN Pró-Reitoria de Ensino OBJETO _ Reelaboração do Projeto Pedagógico do Curso de Administração e suas linhas de formação. PROCESSO CAEN 45/2010 RELATORA Conselheiro Jean Segata I HISTÓRICO PARECER Nº 09/2011 APROVADO EM 16/03/2011 A Pró-Reitoria de Ensino PROEN, envia para aprovação reelaboração do Projeto Pedagógico do Curso de Administração e as linhas de formação específicas, doravante aprovado no Colegiado de área das Ciências Socialmente Aplicáveis, CACSA, em 02 de março de II ANÁLISE O Projeto Pedagógico do Curso de Administração foi reformulado pelo seu Núcleo Docente Estruturante ao longo do ano de 2010 em atenção as suas demandas e em adequação à Resolução CONSUNI 27/10, que fixa normas para elaboração e reelaboração do Projeto Pedagógico de Curso (PPC) de Graduação da UNIDAVI. Conforme as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Administração, resolução nº 4 de 13 de julho de 2005, o curso de administração, apenas no seu projeto pedagógico, abrangerá as linhas de formação específicas sendo que estas constituem uma extensão ao nome de curso. Conforme despacho do diretor do departamento de supervisão do ensino superior/cne, em 16 de maio de 2006, as IES que possuem curso de administração com uma ou mais habilitações deverão elaborar novo projeto pedagógico único, podendo contemplar o conteúdo curricular que vinha sendo oferecido nas extintas habilitações, em linha de formação específicas. A elaboração do PPC apresenta-se em conformidade com: 1) a Resolução n. 3, de 2 de julho de 2007 que dispõe sobre procedimentos a serem adotados quanto ao conceito de hora-aula; 2) a Resolução n. 2, de 18 de junho de 2007 que dispõe sobre a carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial; 3) a Resolução/CONSUNI n. 27/2010, que dispõe sobre a forma dos Projetos Pedagógicos de Curso da UNIDAVI. III VOTO DO RELATOR PPr roof ffª ªª... NNI IILL AADDI II RR BBUUTTZZKKEE PRESIDENTE DA CAEN

2 Proc. CAEN 45/2010 Fls. 2 Considerados os termos da Análise, sou de parecer favorável à Aprovação da reelaboração do Projeto Pedagógico do Curso de Administração e suas linhas de formação específicas, que poderá ser ofertado na sede, nos campus ou curso fora da sede em regime regular, a partir do primeiro semestre de 2011, contemplando também os ingressantes de 2010, com 50 vagas por turma, no turno noturno, conforme projeto anexo a este parecer. IV DECISÃO DO PLENÁRIO O Plenário da Câmara de Ensino, reunido em Sessão Plena, 16 de março de 2011, deliberou por unanimidade por aprovar o voto do Relator. Profª. NILADIR BUTZKE Presidente da CAEN PPr roof ffª ªª... NNI IILL AADDI II RR BBUUTTZZKKEE PPRREESSI II DDEENNTTEE DD AA CC AAEE NN

3 ANEXO DO PARECER/CAEN Nº 09/2011

4 CENTRO UNIVERSITÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Reitor Viegand Eger Vice-Reitor Célio Simão Martignago Pró-Reitoria de Administração Udo Antônio Spaeth Pró-Reitoria de Ensino Niladir Butzke Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Ilson Paulo Ramos Blogoslawski Coordenadores do Curso de Administração Professor Alcir Texeira Professor Mehran RamezanAli Responsáveis pela elaboração Coordenadores Alcir Texeira, Mehran RamezanAli Assessor Pedagógico Mehran RamezanAli Envolvidos: NDE Núcleo Docente Estruturante Prof. MSc. Mehran Ramezanali Prof. Alcir Texeira Professora Dra. Patrícia Rosa Traple de Lima Professor Dr. José Ernesto de Fáveri Prof. MSc. Aldo Kaestner MSc. Gilberto Luiz Maschio Prof. MSc. Ariani R. Neckel Prof. MSc. Charles R. Hasse Prof. MSc. Udo Oscar Siebert Professor Dr. Nivaldo Machado E Líderes de Turma

5 RESUMO Este documento é o norteador das atividades de ensino, pesquisa e extensão do curso de Administração. Podemos encontrar nesse Projeto a identificação do Curso, bem como a visão, missão, valores e justificativa para existência desse curso em nossa região. O Projeto Pedagógico do Curso é uma construção coletiva, centrado no aluno como sujeito da aprendizagem, tendo o professor como mediador e facilitador do processo de ensinar e de aprender. Esse Projeto Pedagógico do Curso busca a formação integral e adequada do acadêmico, através de uma articulação teórica-prática para a compreensão das questões científicas, técnicas, sociais e econômicas da produção e de seu gerenciamento com responsabilidade social. Na leitura desse documento é possível perceber os objetivos e a metodologia utilizada nessa Instituição para formarem administradores, com competências e habilidades para gerenciar o processo de trabalho e gestão de pessoas. Para tanto, os conteúdos programáticos foram organizados de forma a permear todo o processo de formação do Administrador considerando o princípio da gestão e do desenvolvimento das empresas, o qual contempla as dimensões psicológicas, sociais, culturais do processo de vida do cidadão, da família e da comunidade, refletindo assim a concepção do ser administrador, e de que o conhecimento não está limitado a uma perspectiva operacional ou de execução de tarefas. É relevante lembrar que todos os objetivos as metodologias e construções estão embasadas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso, bem como no Código de ética da profissão. Palavras Chave: Administração, Matriz Curricular, Projeto Pedagógico do Curso. SUMARIO 1 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO UNIDADE DE ORIGEM TITULAÇÃO CONDIÇÕES DE OFERTA HISTÓRICO DO CURSO MISSÃO VISÃO PRINCIPIOS JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE SOCIAL E INSTITUCIONAL OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS PERFIS PERFIL DISCENTE PERFIL DO EGRESSO PERFIL DO DOCENTE NUCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE INFRA-ESTRUTURA FÍSICA DE EQUIPAMENTOS ESPECÍFICOS DO CURSO METODOLOGIA DE ENSINO METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTIUCIONAL DO CURSO FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR PARA A INTEGRALIZAÇÃO DO CURSO19 15 FORMAS DE REALIZAÇÃO DA INTERDISCIPLINARIDADE...20

6 16 FORMAS DE INTEGRAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA MODOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO TRABALHO DE CURSO TC ATIVIDADES COMPLEMENTARAES PESQUISA E EXTENSÃO LINHAS DE PESQUISA EXTENSÃO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO MAPA CONCEITUAL DO CURSO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO COM LINHA DE FORMAÇÃO ESPECIFICA EM COMERCIO EXTERIOR MATRIZ CURRICULAR CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO COM LINHA DE FORMAÇÃO EM MARKETING REFERENCIAS DO PROJETO PEDAGOGICO DE CURSO APÊNDICES Regulamento do Trabalho de Curso Regulamento do Estagio Curricular Não obrigatório regimento geral das atividades complementares dos cursos sequênciais e de graduação da unidavi regulamento das atividades complementares do curso de administração unidavi Matriz anterior vigente n. 397/ Matriz anterior vigente n. 767/ Matriz anterior vigente n. 897/ Matriz anterior vigente n. 766/2006 Comercio Exterior Matriz anterior vigente n. 905/2008 Comercio Exterior Matriz anterior vigente n. 773/2004 Marketing Matriz anterior vigente n. 783/2006 Marketing Matriz anterior vigente n. 902/2008 Marketing... 77

7 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Modalidade Bacharelado Titulação Bacharel em Administração ou Administrador Início de Funcionamento do Curso Primeiro semestre de 2010 Turno de funcionamento Noturno Vagas oferecidas 50 vagas por turma Tempo mínimo: Quatro anos Regime de matrícula Semestral, por créditos Integralização curricular Tempo máximo: 8 anos Carga Horária Total horas/ aula horas relógio Total de Créditos 200 créditos Cada crédito equivale a dezoito horas/ aula Formas de Ingresso Os alunos serão inscritos e selecionados através de processo seletivo do Sistema ACAFE ou seletivo especial Regime de funcionamento Regime regular Unidade de origem Área das Ciências Socialmente Aplicáveis CSA Local de funcionamento Na sede, campus ou cursos fora de sede. Área de atuação (vocação) Conforme artigo 3 do Dec reto que regulamenta a profissão (61.934/67): Art. 3º. A atividade profissional do Administrador, como profissão, liberal ou não, compreende: elaboração dos pareceres, relatórios, planos, projetos, arbitragens e laudos, em que se exija a aplicação de conhecimentos inerentes às técnicas de organização; pesquisas, estudos, análises, interpretação, planejamento, implantação, coordenação e controle dos trabalhos nos campos de administração geral, como administração e seleção de pessoal, organização, análise, métodos e programas de trabalho, orçamento, administração de material e financeira, administração mercadológica, administração de produção, relações industriais, bem como outros campos em que estes de desdobrem ou com os quais sejam conexos; Legislação que regula a profissão Lei nº 4769 de 09 de setembro de 1965, dispõe sobre o exercício da profissão de administrador. Decreto nº 61934, de 22 de dezembro de 1967, Dispõe sobre o exercício da profissão do Administrador. Lei nº 8873, de 26 de abril de 1994 altera dispositivos da lei nº 4.769, de HISTÓRICO DO CURSO No dia 15 de abril de 1964 surgiam as primeiras propostas, dentre as quais se podem destacar a de Guilherme Gemballa, que defendia a criação de uma Faculdade de Filosofia, e a de Viegand Eger, pela implantação de uma faculdade de

8 Administração e Gerência, justamente para atuar nas empresas do Alto Vale do Itajaí. Como as autoridades do Alto Vale do Itajaí lideravam a idéia e em virtude de sua localização estrategicamente favorável, ficou decidido que seria instituída em Rio do Sul, interior de Santa Catarina, uma Escola Superior de Administração de Empresas. Paralelamente, a Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (AMAVI) encabeçou um movimento de conclamação das 21 municipalidades a ela filiadas, para assegurarem os recursos necessários à manutenção da entidade educacional em cogitação. No dia 21 de julho de 1966 a Câmara Municipal de Rio do Sul aprovou o projeto de Lei n. 613/66, que criou a Fundação Educacional do Alto Vale do Itajaí, passando a chamar-se FEDAVI, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, criada pela Lei municipal n. 613, de 07 de julho de 1966, alterada pela Lei municipal n.1.710, de 06 de setembro de 1982, com sede e foro no mesmo município. O curso de Graduação em Administração foi autorizado a funcionar em caráter provisório pelo Parecer n. 181/66/CEE/SC de 21/12/1966. A autorização definitiva se deu em 27/07/1971, pelo Parecer n. 119/71/CEE/SC, sendo reconhecido pelo Decreto n , do Conselho Federal de Educação, do Ministério da Educação. A partir da década de 70 ocorreram transformações significativas no tocante à inserção no mercado, de novas tecnologias e processos de trabalho exigindo, por parte das empresas e das pessoas, flexibilidade nos modelos de gestão, buscando melhor adaptabilidade e compreensão das exigências do novo contexto econômico, altamente competitivo, seletivo e sem limitação de fronteiras, privilegiando aqueles que detêm conhecimentos e habilidades para interagir com a tendência da dinâmica mundial dos negócios, com atitudes proativas e criativas, na incorporação das tecnologias inovadoras, na flexibilização dos processos produtivos e na interação das atividades empresariais. A Portaria da PROEN Nº 045/2007 designou o coordenador Aldo Kaestner, os representantes dos professores e dos acadêmicos e a representante da PROEN, do curso de Administração para comporem a Comissão de Elaboração dos Projetos Políticos Pedagógicos dos cursos de Administração. O projeto de curso de Administração com linha de formação em Comércio Exterior foi autorizado pelo Parecer n. 361//96/CEE/SC, de 17/12/1996. O seu reconhecimento se deu pelo Parecer n. 491/CEE/SC, de 18/12/2001; Resolução n. 179, de 18/12/2001. Publicado no Diário Oficial/SC n , de 06/03/2002 o Decreto Estadual n. 4159, de 05/03/2002. As renovações de reconhecimento se deram pelos Pareceres n. 358/ CEE/SC, de 09/11/2004; Parecer n. 058/CEE/SC, de 03/05/2005 e Parecer n. 308/CE E/SC, de 07/11/2006. Com a publicação no DOE dos Decretos Estaduais 2717, de 10/12/2004 e 4916, de 27/11/2006, em fevereiro de 2011 o curso submeteu-se a nova processo de reconhecimento. O Curso de Administração com linha de formação em Marketing foi aprovado pela Resolução/CONSEPE nº 027/2003, a ser oferecido no período diurno, com entrada anual no Campus de Rio do Sul, com 50 (cinquenta) vagas, a partir do segundo semestre de Sob o parecer 36/2004, o CONSEPE de aprova a abertura do curso de Administração, com Habilitação em Marketing, para o período noturno. A Resolução CONSEPE 105/2005, em , aprova a Alteração do Projeto Pedagógico do Curso de Administração bacharelado, com ênfase em Marketing, a vigorar para os ingressos a partir de 1/2006.

9 O reconhecimento dos Curso de Administração com linha de formação em Marketing, foram aprovado pela CEE sob a Resolução 070 e parecer nº 254 de , divulgado no Diário Oficial do Estado de SC nº , em , e em 2010 conforme Resolução 079 e parecer 271 de e divulgado no DOE de SC no em A Portaria da PROEN Nº 00/2009 designou o coordenador Alcir Texeira, os professores Mehran RamezanAli, Giovani Nicoletti, Udo Oscar Siebert, Charles Roberto Hasse, Gilberto Luiz Maschio, Sandro Mário Chiquetti e a representante da PROEN, professora Helena Justen de Fáveri e o acadêmico Vanderlei Zanis, do curso de Administração e representante do DCE para comporem a Comissão de Elaboração dos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Administração. Em 2009/2010 optou-se por fazer uma reestruturação curricular do curso de Administração e as linhas de formação especificas procurando dar maior visibilidade aos estudos quantitativos e tecnologias em função da criação de Núcleo de Prática de Gestão e Desenvolvimento. Em 2011 em busca de adaptação do Projeto Pedagógico do curso de Administração e atender as exigências das Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Administração (CES/CNE no. 04/2005, de 13 de julho de 2005) e conforme despacho CNE/SES Departamento de Supervisão do Ensino Superior em 16 de maio de 2006, optou-se por elaborar um Projeto pedagógico único para o curso de Administração e as linhas de formação específicas. 3 MISSÃO Preparar administradores competentes e habilidosos para gestão inovadora e eficaz das organizações. 4 VISÃO Ser curso de referência na formação de Administradores. 5 PRINCÍPIOS a) A ética profissional e a responsabilidade social como norteadores do agir do administrador nos seus contextos de atuação. b) Zelo pela qualidade da formação acadêmica e profissional do administrador. c) Contribuir para o desenvolvimento sustentável da região conforme os princípios gerais da instituição. d) Manter-se atento às inovações tecnológicas, acadêmicas, sócio-econômicos, jurídicas e ambientais. 6 JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE SOCIAL E INSTITUCIONAL DO CURSO As Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Administração foram aprovadas no Conselho Nacional de Educação em 13 de julho de 2005, pela Resolução n. 4 de 13/07/2005. Segundo Kanitz: Não quero exagerar a importância dos Administradores, mas somente lembrar que eles são o elo que faltava. Ordem não gera progresso, estabilidade econômica não gera crescimento de forma espontânea. Sempre há necessidade de um catalisador. A necessidade de profissionais nesta área acelera-se a cada ano. O Brasil reconhece a necessidade desse profissional, visto que maioria dos cargos de gerência nas empresas do Brasil, são ocupados por um Administrador. O objeto do conhecimento desenvolvido nesta ciência passa pelo planejar, organizar, liderar e controlar. Numa constante busca do conhecimento, o Administrador se faz presente na pesquisa, desenvolvendo ferramentas e

10 metodologias de processos de produção, decisão e análise, que auxiliam as empresas na concretização dos propósitos e os empresários na remuneração pelos investimentos e manutenção do capital, auxilia as pessoas na produção mais consciente e comprometida, visando à evolução do capital humano, na busca constante da qualidade de vida. Administração: uma só palavra, muitos significados. Como profissão, nos leva dizer: Planejar o desenvolvimento das organizações, de nossas vidas, da sociedade. Organizar os recursos disponíveis em nosso ambiente. Liderar pessoas, peça maior de qualquer organização que esteja comprometida com resultados. Controlar os resultados produzidos para verificar se os objetivos estão sendo alcançados. O Administrador é elemento fundamental para o sucesso das organizações, qualquer que seja a atividade ou mercado em que atua. O mundo necessita de pessoas comprometidas com o resultado, o desenvolvimento e melhoria contínua da qualidade de vida. Esse é nosso compromisso com a sociedade. Para que isso possa se tornar realidade, fazem-se necessárias pessoas com conhecimento e habilidade profissional no meio em que vivemos. Observando a visão e missão da UNIDAVI, no que concerne à contribuição pertinente desta instituição, o Curso de Graduação em Administração contribui para o desenvolvimento profissional do acadêmico e do mercado. Assim, justifica-se a proposta apresentada do curso de graduação em Administração da UNIDAVI, por constituir-se em respostas às diretrizes da modernidade, atento que está às exigências do contexto atual de mercado. 7 OBJETIVOS DO CURSO 7.1 GERAL Contribuir na formação de administradores por meio da transmissão, análise e questionamento acerca do conjunto de conhecimentos e ferramentas que favoreçam o desenvolvimento de competências/capacidades (capacidade de liderança; capacidade de adaptação; capacidade de negociação; capacidade de planejamento e organização; capacidade de trabalho em equipe; capacidade de inovação; capacidade de empreender novos negócios; capacidade de comunicação; capacidade de negociação; capacidade de gerenciar recursos escassos e valiosos; capacidade de raciocínio lógico; capacidade de justiça e responsabilidade social; capacidade ética, dentre outras) visando assegurar níveis de competitividade e de legitimidade frente às transformações que vêm ocorrendo no âmbito interno e externo das organizações. 7.2 ESPECÍFICOS - criar condições atitudinais e técnicas para a compreensão, por parte de cada participante do curso, da importância da visão do raciocínio estratégico na definição e implementação dos princípios básicos de administração e gerência. - possibilitar o conhecimento, a compreensão e as formas de utilização no dia-a-dia, dos instrumentos e das técnicas modernas de gestão e de administração. - criar condições para a adoção de uma atitude pessoal de autocrítica permanente, de modo que a formação proposta e as novas formas de procedimentos daí decorrentes, sejam uma constante na vida profissional e no ambiente das organizações. - incentivar os participantes para o espírito empreendedor. - incentivar os participantes do curso para a elaboração e execução de

11 planos de desenvolvimento, visando à melhoria da qualidade de vida e à sobrevivência das organizações. - despertar junto aos participantes o papel estratégico da Administração na definição de projetos para os mais diferentes tipos de organizações. - incentivar a adoção de novas atitudes e práticas de novos comportamentos que possibilitem a transferência de aprendizado para o desenvolvimento grupal no âmbito das organizações. - motivar a adoção de uma atitude pessoal de autocrítica permanente frente aos novos modelos de gestão e de organização. 8 PERFIS 8.1 PERFIL DISCENTE: O atual contexto econômico e social exige do administrador um perfil diferenciado. As características tais como: capacidade de raciocínio abstrato, de autogerenciamento, de assimilação de novas informações, compreensão das bases gerais, científico-técnicas, sociais e econômicas da produção em seu conjunto; aquisição de habilidades de natureza conceitual e operacional; domínio das atividades específicas e conexas: a flexibilidade intelectual no trato das situações e desafios impostos pela função de gerir negócios, para entender e comunicar-se com o mundo que está à sua volta. A tendência do mercado é de reduzir os postos de trabalhos regulares, forçando o administrador a buscar a sua própria renda mediante a prestação autônoma de serviços ou da criação do seu próprio negócio. O espírito empreendedor deverá ser a tônica do novo mercado de trabalho. Segundo Peter Drucker: estamos vendo uma mudança sem precedentes na condição humana. Pela primeira vez há um substancial número de pessoas que tem escolhas. Pela primeira vez elas terão que gerenciar a elas mesmas. E deixe-me dizer, nós estamos totalmente despreparados para isso. O perfil do discente do curso de Graduação em Administração deve acompanhar as transformações do mundo contemporâneo e dos processos de reestruturação produtiva e ter como objetivo o desenvolvimento de competências para articular os vários elementos, subjetivos e objetivos, tais como: natureza das relações sociais vividas pelos indivíduos, novos saberes, manifestações científicas e culturais e conhecimentos específicos ou experiências nos diferentes contextos do campo da administração, preparando-se para lidar com a incerteza, com a flexibilidade e a rapidez na resolução dos problemas. Precisamos nos aperfeiçoar constantemente, porque as mudanças são cada vez mais rápidas, e a capacidade de competição está diretamente ligada à velocidade com que a percebemos. Segundo a autora Manfredi (1998) o perfil profissional do Administrador envolve o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes: - o saber fazer recobre dimensões práticas, técnicas e científicas adquiridas formalmente através de cursos e treinamento e/ou por meio da experiência profissional; - o saber ser inclui traços da personalidade e caráter, que ditam os comportamentos nas relações sociais no trabalho, como capacidade de iniciativa, expressão e comunicação compatíveis com o exercício profissional, inclusive nos comunicação, disponibilidade para a inovação e mudança, assimilação de novos valores de qualidade, produtividade e competitividade; - o saber agir saber trabalhar em equipe, ser capaz de resolver problemas e realizar trabalhos novos e diversificados.

12 8.2 PERFIL DO EGRESSO: O Curso de Graduação em Administração, segundo Parecer CES/CNE nº 134, deve possibilitar a formação profissional que revele, pelo menos, as seguintes competências e habilidades: I. reconhecer e definir problemas, equacionar soluções, pensar estrategicamente, introduzir modificações no processo produtivo, atuar preventivamente, transferir e generalizar conhecimentos e exercer, em diferentes graus de complexidade, o processo da tomada de decisão; II. desenvolver processos de negociação e nas comunicações interpessoais ou intergrupais; III. refletir e atuar criticamente sobre a esfera da produção, compreendendo sua posição e função na estrutura produtiva sob seu controle e gerenciamento; IV. desenvolver raciocínio lógico, crítico e analítico para operar com valores e formulações matemáticas presentes nas relações formais e causais entre fenômenos produtivos, administrativos e de controle, bem como, expressando-se de modo crítico e criativo diante dos diferentes contextos organizacionais e sociais; V. ter iniciativa, criatividade, determinação, vontade política e administrativa, vontade de aprender, abertura às mudanças e consciência da qualidade e das implicações éticas do seu exercício profissional; VI. desenvolver qualidade de transferir conhecimentos da vida e da experiência cotidianas para o ambiente de trabalho e do seu campo de atuação profissional, em diferentes modelos organizacionais, revelandose profissional adaptável; VII. desenvolver capacidade para elaborar, implantar e consolidar projetos em organizações; VIII. desenvolver capacidade para atuar nas áreas de Administração Financeira e Orçamentária, Administração Estratégica, Administração de Materiais, Produção e Logística, Administração de vendas e de marketing, Administração de Recursos Humanos e Administração de Sistemas de Informações; IX. desenvolver capacidade para realizar consultoria em gestão e administração, pareceres e perícias administrativas, gerenciais, organizacionais, estratégicos e operacionais. 8.3 PERFIL DO DOCENTE: Atualmente, o curso de Graduação em Administração conta com professores em processo permanente de formação stricto-sensu, professores mestres e doutores. A maioria desempenha concomitantemente outras atividades profissionais, relacionadas à disciplina que ministra. O tempo médio de Magistério superior é de cinco anos. No entanto, muitos possuem mais de dez anos de docência, sendo que alguns são exclusivamente professores e autores de obras didático-pedagógicas, metodológicas, outros escrevem regularmente artigos científicos e, na maioria, acumulam anos de experiência profissional nas áreas específicas que atuam. O currículo dos docentes encontra-se inserido na Plataforma Lattes. Na proposta metodológica inovadora e que venha ao encontro com a realidade do processo de ensino e aprendizagem atual, o professor deve:

13 atuar como um orientador do processo de ensino/aprendizagem; manter diálogo permanente com os professores do semestre e/ou núcleo de conhecimento para facilitar o planejamento, a organização e a adaptação dos conteúdos, métodos de ensino e do sistema de avaliação do aproveitamento escolar e a troca de bibliografias; estar consciente de que a educação é uma prática social transformadora, entre as várias possíveis; aliar a competência técnica com acompanhamento político como orientação na escolha das prioridades em educação, não só quanto ao conteúdo transmitido, mas também quanto à maneira de ensinar, tendo em vista objetivos que não se separam da realidade concreta vivida; promover a socialização do saber por meio da apropriação do conhecimento produzido histórica e socialmente; ser um grande entusiasta e motivador para despertar a atenção dos alunos em relação ao que está ensinando; ter flexibilidade para facilitar o processo de troca que ocorre entre aluno e professor e vice-versa; contextualizar os conteúdos programáticos no sentido de deixar claro para os alunos a sua utilidade e aplicabilidade; encorajar e aceitar a iniciativa dos alunos; utilizar dados brutos e fontes primárias junto com materiais físicos, manipulativos e interativos; permitir aos alunos respostas para dirigir lições, mudar estratégias instrutivas e alterar conteúdos; incentivar o questionamento acerca dos entendimentos dos alunos sobre conceitos antes de compartilhar seus próprios entendimentos sobre aqueles conceitos; encorajar os alunos a se engajarem em diálogo com os professores e outros alunos; estimular as indagações em questões abertas, assim como encorajar os alunos a perguntarem um ao outro; buscar a elaboração das respostas iniciais feitas pelos alunos; engajar os alunos em experiências que podem engendrar contradições às suas hipóteses iniciais para estimular a discussão; estabelecer um tempo de espera, após a colocação das perguntas; estipular tempo necessário para os alunos poderem estabelecer relações entre os conteúdos, assim criar metáforas; utilizar de modo contínuo o modelo de ciclo de aprendizagem; dedicar-se e demonstrar interesse pelo aprendizado do aluno; ser criativo na preparação e execução das aulas; - considerar a realidade do aluno no processo de aprendizagem. - estimular a discussão de questões de relevância social; - preparar material atualizado e de qualidade; - estimular o desenvolvimento de atividades que valorizem a criatividade, a reflexão e a discussão de idéias; - procurar desenvolver um trabalho que possibilite a integração de várias disciplinas. 9 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) Conforme a Resolução/PROEN 049/09 Art. 3º. São objetivos do NDE:

14 a) elaborar, implantar, supervisionar e consolidar o Projeto Pedagógico do Curso em consonância com as DCN e com o PDI e PPP da UNIDAVI; b) acompanhar o processo de ensino aprendizagem e seus resultados, em conformidade com o Projeto Pedagógico do Curso; c) revisar e atualizar as ementas, conteúdos programáticos e referências bibliográficas, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN); d) indicar cursos de aperfeiçoamento a serem ofertados em nível de atividade complementar como forma de equiparar o aluno ingressante, reforçando o aprendizado; e) propor ações em prol de melhores resultados no ENADE; f) criar, implantar e manter os Grupos de Trabalho e Pesquisa; g) criar e implantar Projetos de Extensão e de Atividades Interdisciplinares; h) cumprir e fazer cumprir todos os atos legais referentes ao curso e o institucionais; i) orientar a produção de material didático ou científico do corpo docente; j) definir e construir as linhas de pesquisa dos cursos de graduação, em consonância com o PDI e PPP da Unidavi. Em substituição a Portaria/PROEN nº 024/09 foi reestruturado O Núcleo Docente Estruturante do curso através da Portaria/PROEN nº 015/10 de 03 de agosto de 2010, ao qual compete. 10 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DE EQUIPAMENTOS ESPECÍFICOS DO CURSO O Centro Universitário conta com uma excelente estrutura física, salas de aulas espaçosas, munidas de aparelhos de ar condicionado silenciosos (Split) e equipamentos datas-show, cortinas persianas, quadro branco de vidro, verde e lousa digital para disposição de conteúdo via marcador de texto e/ou giz, cadeiras estofadas, com mesas inteiriças, além de murais, internet sem fio (Wireless), iluminação adequada, ambiente claro e arejado. Banheiros e sanitários para o sexo masculino e feminino, apropriados também para deficientes físicos, em cada pavimento nos seus 08 (oito) blocos, sendo um deles de 06 (seis) andares, com murais em praticamente todos os andares, mais de 20 (vinte) projetores multimídia e vários retroprojetores, televisões, vídeos e DVDs, e notebooks. A Biblioteca Central e Setorial adota o Pergamum como Sistema gerenciador de informação. Através do sistema gerencia-se, armazena-se, organizase e dissemina-se toda e qualquer informação no que diz respeito ao acervo bibliográfico, afim de que atendamos os interesses e necessidades de informação dos usuários. Visando a atender o desenvolvimento das atividades acadêmicas internas, bem como a interação com o mercado e a sociedade, as necessidades estão assim distribuídas: Os Laboratórios são modernos e contribuem para o pleno alcance da visão, missão e objetivos do curso, destacamos ainda: Laboratórios de Informática. São 06 laboratórios em salas climatizadas com um total de 165 computadores disponíveis a todos os cursos e com acesso à internet, numa área de 550,13 m 2. Possuem equipamentos com softwares específicos para atender a prática em determinadas disciplinas. Atendem de segunda à sexta das 7h às 12h e das 13h30min às 22h e, aos sábados, das 7h às 12h. Sala de Vídeo Conferência, com uma área de 92,93 m 2, com equipamentos de última geração e acesso à internet em alta velocidade, totalmente climatizada. Nela, acadêmicos, professores e comunidade participam de aulas à

15 distância, seminários e reuniões de trabalho. Possui ainda: - um sistema acadêmico integrado à rede, com divulgação de Planos de Ensino (PE), individual por disciplinas e acompanhamento dos conteúdos ministrado dispostos na forma on-line; - internet, auditórios, tesouraria, secretarias, divisão de procedimentos acadêmicos, com vários atendentes; - setores de serviços tais como terminais bancários e vários terminais de consulta a dados da secretaria, em vários pontos estratégicos do Centro Universitário; - setores de serviços complementares como: cantinas, centrais de cópias, divisões de apoio a compras, contabilidade, manutenção, além de espaços de lazer e para exposição. Os núcleos de atividades afins possibilitam o desenvolvimento das competências e habilidades objetivadas para a formação dos acadêmicos, no que tange às atividades interdisciplinares e temas transversais, projeto este que, além de motivador, oferece aos acadêmicos as ferramentas básicas para a construção de seus conhecimentos interligando as diversas áreas do saber, possibilitando a abertura de caminhos para a iniciação científica e para desenvolver a capacidade de raciocínio. Estes núcleos também atendem as especificidades dos cursos no tocante a metodologias de ensino, incorporação de novas tecnologias, adequação dos Planos de Ensino (PE) à realidade e necessidades locais, sem deixar de observar a integração com temas nacionais e internacionais, sistemas de avaliações e atualizações bibliográficas. Núcleo de Educação à Distância busca a inovação do ensino, através de tecnologias da informação e comunicação, utilizando recursos de interatividade como: redes, internet, e sistemas de conferência (áudio, web, vídeos, e teleconferência), que auxiliam o aprendizado através de trabalhos cooperativos online. NPGD Núcleo de Práticas de Gestão e Desenvolvimento busca oferecer práticas administrativas, integração entre teoria e práticas nas áreas de formação específica do curso de graduação em administração de empresas, realização de estágio supervisionado e acompanhado pelos professores especialistas e devidamente qualificados para orientação de projetos de conclusão de curso e operar nas instalações próprias, com salas de aulas climatizadas. Auditório com capacidade para 90 (noventa) pessoas, laboratório de mercado de capitais, laboratório de pesquisa de marketing e escritório modelo para utilização das tecnologias de software de práticas administrativas, comércio exterior e contábeis. GTEC Núcleo Gerador de Empresas de Desenvolvimento Integrado de Incubação que visa o Desenvolvimento Regional e o Empreendedorismo através de incubadores e infraestrutura adequada com acompanhamento dos professores das áreas de formação do curso. Núcleo de Informática neste núcleo existem dois segmentos de trabalho: a) desenvolvimento desktop trata do desenvolvimento e administração dos sistemas que geram aplicações não vinculadas à tecnologia web. Inclui também o banco de dados e infraestrutura dos sistemas de informação da Instituição. b) desenvolvimento web gerencia e engloba o desenvolvimento para web (Internet e intranet). Núcleo de orientação às pessoas com necessidades especiais (NOPNE) objetiva mediar às relações que envolvem o processo ensinoaprendizagem e que devam contribuir para a inclusão, no Centro Universitário, de

16 pessoas com necessidades especiais. Propõe a aceitação das diferenças e, principalmente, a quebra de barreiras educacionais e atitudinais. Ainda, o espaço físico do Curso é constituído de: salas de aula, sala de professores coletiva, sala de coordenação coletiva, entre outros. Banheiros e sanitários para o sexo masculino e feminino, apropriados também para deficientes físicos, em cada pavimento nos seus 07 (sete) blocos, sendo um deles de 06 (seis) andares, com murais em praticamente todos os andares, mais de 20 (vinte) projetores multimídia e vários retroprojetores, televisões, vídeos e DVDs e notebooks. Setores de serviços tais como terminais bancários e vários terminais de consulta a dados da secretaria, em vários pontos estratégicos do Centro Universitário. Conta ainda com cantinas, centrais de cópias, divisões de apoio a compras, contabilidade, manutenção, além de espaços de lazer e para exposição. O Centro Universitário possui placas de identificação espalhadas por todo o campus, bem como dois estacionamentos internos próprios para professores e funcionários, sendo servido por rede de transporte público e particular. 11 METODOLOGIA DE ENSINO Quanto aos procedimentos metodológicos de ensino, esse curso insere-se no conjunto dos demais cursos da UNIDAVI e das ações desta, visando o desenvolvimento, vinculada ao momento histórico social, político e econômico do país e das questões que se põem em nível mundial. No curso pretende-se manter a coerência entre ensino, aprendizagem e formação profissional. Concebe-se a formação como processo complexo e contínuo de crescimento e aperfeiçoamento, que visa à preparação de profissionais que assumam a responsabilidade pelo seu próprio desenvolvimento. O referencial teórico-metodológico do curso investirá em práticas educativas que propiciem uma formação caracterizada por: desenvolvimento e transformação das capacidades intelectuais e afetivas para o domínio de conhecimentos, habilidades e atitudes pertinentes; compreensão da complexidade das situações de trabalho e das práticas de ensino-aprendizagem, identificando rotinas e riscos das tomadas de decisões; ampliação do repertório de competências profissionais; responsabilidade pelo desenvolvimento pessoal; coerência com as diretrizes nacionais e a filosofia institucional; criação de estratégias de ensino compromissado com a transformação social e profissional; desenvolvimento da curiosidade intelectual e da co-responsabilidade pela aprendizagem; integrar os eixos articuladores com as áreas temáticas por meio de percursos interdisciplinares; articulação entre teoria e prática; avaliação continuada das práticas e da aprendizagem. A relação ensino-aprendizagem, de acordo com Libâneo, (1999), revelase pelo conjunto de atividades organizadas do professor e dos alunos, objetivando a apropriação de um saber historicamente acumulado, tendo como ponto de partida o nível atual de conhecimento, experiência de vida e maturidade dos alunos. Esse ponto de partida implica que a relação ensino-- aprendizagem pressupõe uma transformação progressiva dos conhecimentos dos alunos em direção ao domínio do saber sistematizado (Saviani,1997), sua

17 reelaboração aplicação nas situações de interação com os outros. Antes de tudo, essa relação, necessariamente, deve ser de socialização, de troca de conhecimentos aprendidos e transformados na interação. É uma ação dinâmica, dialógica, portanto, construtiva da aprendizagem pela troca de saberes. É essa a concepção de ensino aprendizagem que queremos enfatizar. Tal proposta educativa apóia-se nos princípios: a) Unidade na diversidade as interações entre os diferentes componentes curriculares garantem a unidade, preservando as singularidades; b) Autonomia/interdependência os componentes curriculares compõem e reconstroem sua autonomia em estreita relação de dependência entre si e com aspectos culturais historicamente situados; c) Dialogicidade as interações entre os componentes curriculares se processam de forma recursiva, intercomplementar e enriquecedora. A dinâmica ensino-aprendizagem tem, como função precípua, assegurar a apropriação por parte dos alunos de um saber próprio, selecionado das ciências e das experiências acumuladas historicamente pela humanidade, organizado para ser trabalhado na escola; ou seja o saber sistematizado. Ao apropriar-se desse saber, através da construção e da reflexão permanente, os alunos adquirem condições de enfrentar as exigências da vida em sociedade e, neste ponto, reside um aspecto da importância social do saber escola. Aliado a esta proposição, Schön apud Pérez Gómez (2000), propõe três dimensões: conhecimento na ação, reflexão na ação e reflexão sobre a a ção e sobre a reflexão na ação. A importância da apropriação do saber sistematizado, disseminado pela escola, reside ainda na ideia de que, através desse processo, produ z-se a base para a elaboração de novos saberes. A metodologia de ensino proposta neste curso traz como exigência os seguintes movimentos interdependentes (Azevedo e Souza, 1998) 1 : a) mobilização para a aprendizagem, pelo estímulo à curiosidade, ao interesse pelo conhecimento e à articulação com a realidade, tendo como referência necessidades e interesses institucionais e a análise do conhecimento prévio, para que sejam percebidos equívocos teórico-práticos e reformulados pensamentos, ações e sentimentos; b) desconstrução/reconstrução do conhecimento, pelo desenvolvimento de aptidões para análise, síntese, crítica e criação, a partir da exploração de diferentes perspectivas na interpretação da realidade; c) avaliação da produção pelo docente e pelo discente, a partir da reflexão sobre as ações e os resultados atingidos, identificando avanços, reproduções e retrocessos. Os procedimentos administrativos e educacionais adotados pelo curso são norteados em função dos objetivos e do perfil profissiográfico que se pretende alcançar, bem como dos interesses detectados na comunidade. A operacionalização e desenvolvimento do trabalho pedagógico docente darse-ão pelo emprego de várias estratégias didático-metodológicas e técnicas de ensino disponíveis no site da UNIDAVI para consulta quando do planejamento da aula 1 AZEVEDO e SOUZA, Valdemarina Bidone de. Tornar-se autor do próprio projeto. In GRILLO, Marlene e MEDEIROS, Marilú. A construção do conhecimento e sua mediação metodológica. Porto Alegre: Edipucrs, 1998.

18 estruturada. Os instrumentos tecnológicos de apoio serão disponibilizados pelo setor de recursos de audiovisuais, nas salas de aula, quando requeridos, destacando-se equipamentos como: computador, data-show, losa digital, retroprojetor, flip chart, TV, vídeo, DVD, som, quadro acrílico entre outros, valendo-se também de laboratórios de práticas, sala de vídeo-conferência e salas ambiente equipada com lousa digital. Além de todos os recursos, estratégias e técnicas, o docente poderá valer-se do seu próprio material didático. Assim, o desenvolvimento dos conteúdos programáticos buscará, sempre, criar condições para que o acadêmico possa desenvolver sua criatividade, capacidade de planejamento e gestão, comunicação, visão da realidade social, econômica e cultural e, preferencialmente, adquirir sólidos conhecimentos teóricos e práticos. 12 METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO O sistema de avaliação do processo ensino-aprendizagem da Unidavi seguirá as normas estabelecidas no Regimento Geral da Unidavi. A avaliação da aprendizagem não se constitui apenas por competências, habilidades, atitudes e critérios dos eixos articuladores, tão pouco das áreas temáticas e conteúdos específicos das disciplinas. O objetivo essencial da avaliação é auxiliar docentes e discentes a visualizarem a qualidade do ensino e da aprendizagem. Nesse sentido, a avaliação deve propiciar um suporte técnico e prático de tal forma articulado e integrado que garanta ao acadêmico assumir com segurança e maturidade intelectual o desempenho das funções relacionadas à sua área de conhecimento. Toda política avaliativa é diagnóstica e formativa, o que significa dizer que a avaliação deve estar ligada, pelo menos a uma estratégia, ou permitir a adoção de diferentes estratégias que possibilitem contribuir com o desenvolvimento do conhecimento. Deve ser entendida como uma possibilidade para a construção de saberes e fazeres, levando em conta os compromissos da Instituição como um todo, salientando a importância do ensino da pesquisa e da extensão na medida em que estas fecundam o conjunto das atividades acadêmicas. Em termos de abrangência, a avaliação engloba a participação dos sujeitos, no convívio originado pelo processo ensino/aprendizagem, a efetiva aproximação dos conteúdos teóricos com a prática correlacionada, passando pelos reflexos apontados pela socialização das atividades desenvolvidas no âmbito comunitário. As formas metodológicas aplicadas na avaliação levarão em conta as especificidades de cada atividade e momento, visto que se apresentam em circunstâncias e níveis de desenvolvimento e apreensão de conhecimentos distintos. No desenvolvimento dos Planos de Ensino, cada professor estabelecerá as técnicas, os critérios e o cronograma de avaliação de acordo com a realidade específica e o referencial teórico-prático que orienta o trabalho, em conformidade com as normas vigentes, enfatizando as competências e habilidades reveladas pelos acadêmicos, observados os procedimentos metodológicos de ensino, que são apresentados aos alunos, no início do semestre letivo. No processo de elaboração dos conteúdos programáticos, incentivam-se os professores a estabelecerem um sistema de intercâmbio de informações técnicas, úteis e práticas para o planejamento didático-pedagógico. Esta meta será alcançada através de reuniões para integrar professores e conteúdos, detectar eventuais falhas e corrigi-las, assim como resolver possíveis questionamentos e atualizar conhecimentos com vistas à permanente busca da melhoria do ensino e da formação profissional. A Unidavi, além da avaliação por provas, artigos, estudos de caso e outras

19 formas desde que constarem do Plano de Ensino do professor oferece ainda, oportunidades alternativas para a realização de exames de suficiência, estudos dirigidos, monitorias e suas horas de aperfeiçoamento são computadas como atividades complementares. 13 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO CURSO A avaliação institucional objetiva subsidiar os cursos no constante aperfeiçoamento de ações didático-pedagógicas e de gestão, e consequente alcance de seus objetivos. Sua finalidade é identificar a realidade do curso através de um processo permanente de avaliação, possibilitando a reflexão e análise da estrutura docente, administrativa e gerencial do Centro Universitário, visando à melhoria da qualidade de ensino, da pesquisa, da extensão, da gestão universitária e de todos os serviços do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí. Este processo, na UNIDAVI, se dá através de aplicação de questionários que, ao serem respondidos, permitem a leitura e análise do processo ensinoaprendizagem. Visa, a diagnosticar os indicadores da realidade institucional que permitam a formulação de políticas de melhoria nas diversas esferas da Instituição. Os cursos são avaliados a partir da sua missão como responsabilidade compartilhada por todos os docentes, discentes e gestores. Na condução dos processos de avaliação do curso de Graduação em Administração os seguintes aspectos são avaliados: a) o desempenho dos acadêmicos nas formas nacionais de avaliação; b) o curso em atividades de ensino e suas relações com a Instituição e com a comunidade; c) a infraestrutura física e pedagógica do curso; d) a docência. A sistematização e a prestação das informações serão procedidas pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) e encaminhadas aos gestores. A avaliação contribui para a organização e administração de ações, identificando as práticas bem sucedidas, procurando evitar equívocos. A avaliação do curso, objetiva gerar nos membros da comunidade acadêmica a ciência de suas qualidades, a identificação de problemas e a superação de desafios para o presente e o futuro, através de mecanismos institucionalizados e participativos. 14 FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR PARA A INTEGRALIZAÇÃO DO CURSO A flexibilização curricular no âmbito da formação profissional é concebida como a formação nas competências, habilidades e atitudes para que o aluno transcenda o saber acadêmico e aplique na vida conhecimentos como: a informática, línguas, libras, intervenções em instituições com grupos e indivíduos, elaboração de projetos, identificação de demandas, palestras, dentre outros; tudo com o intuito de que adquira habilidades autônomas suficientes, pelo domínio teórico-técnico, para se inserir no mercado de trabalho e construir uma trajetória profissional bem sucedida. Nesta perspectiva, o ensino não está limitado à sala de aula, faz-se uso dos laboratórios, práticas e visitas técnicas e de estudos, ou seja, o aluno desenvolve a sua capacidade de estruturar e de contextualizar problemas e buscar soluções, sempre articulado com a pesquisa, à investigação e o que favorece a operacionalização do projeto do curso. A flexibilização curricular ficou fortemente evidenciada através de concessão de créditos acadêmicos obtidos pelos alunos no intercâmbio internacional

20 com o Centro Universitário conveniadas. Para a integralização curricular considerar-se-á como tempo mínimo a carga horária estabelecida no Parecer CNE/CES n. 08/2007, de 31/01/2007, em conformidade com as Diretrizes Curriculares Nacionais, pois esta visa reforçar a carga do aprendizado. O tempo máximo será acrescido de 50% do tempo mínimo. Para evitar o prolongamento desnecessário da duração dos cursos de graduação entende-se que quando o acadêmico estiver na sua segunda ou mais graduação, este já tenha cumprido o tempo mínimo, estando apto para a abreviação da duração dos cursos em função do aproveitamento de disciplinas de outros cursos por ele freqüentados. A essência doutrinária da LDB contempla e incentiva esses princípios, pois a duração dos cursos nada mais é que uma norma de natureza educacional, própria das IES, principalmente aquelas contempladas com a autonomia para a definição e fixação dos currículos de seus cursos e programas como é o nosso caso. 15 FORMAS DE REALIZAÇÃO DA INTERDISCIPLINARIDADE A matriz curricular do curso de administração através das disciplinas de estudo das práticas gerenciais I e II possibilita já a partir da segunda fase a prática integrando as disciplinas cursadas até esta fase e criando interface com as disciplinas das fases seguintes. O curso promove, anualmente, a semana de gestão onde através de palestras, debates, oficinas e apresentação de casos de sucesso a integração da comunidade acadêmica com a comunidade empresarial e a sociedade em geral. 16 FORMAS DE INTEGRAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA A instituição possui o Núcleo de Práticas Empresariais, que possibilita o uso das modernas tecnologias de informação e de comunicação visando o desenvolvimento das habilidades praticas conforme teoria aplicada em sala de aula. O Centro Universitário disponibiliza aos acadêmicos recursos para viagens técnicas e de estudos às empresas locais, nacionais e internacionais, visando integrar a prática à teoria. 17 MODOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO O egresso do Curso de Administração, poderá realizar cursos em nível de Pós-graduação nas Linhas de formação específica que formam estrutura do curso envolvendo empresas privadas e públicas, voltadas à gestão, como: Administração de Recurso Humanos, Administração Publica, Administração da Produção, Materiais e Logística, Administração Financeira, Administração de Marketing, Estratégias Empresariais. 18 ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Uma das principais atividades atribuídas a uma Instituição de Ensino Superior é o desenvolvimento de habilidades para a crítica e análise de problemas e oportunidades que norteiam o cotidiano das sociedades e das organizações. Isso tudo, em sintonia com os avanços tecnológicos que estabelecem frequentes mudanças nesses cenários. Por essa razão, em consonância com a Lei /09, que altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis Trabalhistas CLT, e com as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação, a instituição oportuniza duas modalidades de Estágio Curricular Supervisionado o Estágio Curricular Obrigatório e o Estágio Curricular Não-Obrigatório. Ambas modalidades são entendidas como atividades de aprendizagem acadêmica, social, profissional e cultural, proporcionada ao estudante pela participação em situações reais de vida,

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO. Perfil do curso

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO. Perfil do curso CURSO DE ADMINISRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO Perfil do curso O curso superior de Administração ora proposto foi estruturado em função das orientações e normas da Lei das Diretrizes e Bases da Educação (Lei

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008 Homologa o Parecer nº 013/2008-CEG que aprova o Projeto Político

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Aprovado na CamEx, na 84 Sessão, realizada em 18 de março de 2015, apreciada no CONSEPE, na 54ª Sessão,

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 2/2013-CONSUNIV Dispõe sobre diretrizes para estruturação e organização curricular dos Cursos de Graduação da UEA e dá outras providências.

Leia mais

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA. CAPITULO I Dos Fins

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA. CAPITULO I Dos Fins REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA Aprovado na CamEx, na 80ª Sessão, realizada em 11 de junho de 2014, apreciada no CONSEPE, na 47ª Sessão, realizada

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY PARA O ENSINO SUPERIOR ACADÊMICOS A Coordenação de Curso e sua Relevância no Processo de Competitividade e Excelência da IES Acessibilidade: requisito legal no processo de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 Dispõe sobre a aplicação das Leis n. 9.394/96 e n. 9.678/98, a periodização do ano letivo, a caracterização das disciplinas e dos requisitos curriculares complementares,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais