Manual de Orientação para Serviços de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Orientação para Serviços de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista"

Transcrição

1 Manual de Orientação para Serviços de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista 1

2 PREFÁCIO No dia a dia de nossa sociedade, recebemos uma série de consultas relacionadas com a implantação, a organização e a manutenção de Serviços de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista. Tais consultas frequentemente contemplam questões básicas sobre a normatização da área. médico-hospitalar, buscando entender exigências que, de um lado, se ligam à legislação brasileira e, de outro, ao credenciamento dos serviços no Sistema Único de Saúde (SUS) do país. Para atender essa demanda, a Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista se preocupou com a criação de um plano de ampliação da assistência e do apoio ao associado, tanto ao que já se acha estabelecido, como também ao que busca implantar um novo serviço. A Diretoria de Qualidade Profissional identificou uma das mais conceituadas empresas do setor para, em parceria conosco, desenvolver um projeto com esse objetivo. Assim, considerando a complexidade crescente do processo regulatório, bem como a saudável concorrência entre instituições hospitalares, firmou-se um contrato de produção deste Manual de Orientação para Serviços de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista. O manual procura registrar algumas orientações úteis para a área, não como normas e nem como recomendações da SBHCI, mas apenas como subsídios para que as organizações possam ajustar as normas reguladoras a um modelo de gestão. O objetivo maior dessa iniciativa, no final das contas, não é outro senão procurar minimizar os riscos operacionais e legais inerentes a cada serviço. O que temos em vista, em última análise, é lançar um alicerce para nosso Programa de Qualidade, o qual deverá culminar na obtenção de um selo de certificação com a chancela de nossa sociedade para os Serviços de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Marcelo Antonio Cartaxo Queiroga Lopes Presidente da SBHCI 2

3 INTRODUÇÃO Este manual de orientação foi estruturado de modo a oferecer aos associados da SBHCI, bem como aos demais interessados, um conjunto de informações que permitam a implantação, a manutenção e a qualificação de Serviços de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista. Ele se divide em seis seções dedicadas a cada processo de um serviço de hemodinâmica assistencial, além de uma sétima seção voltada aos quesitos obrigatórios específicos dos centros de treinamento. Os princípios que regem este manual, tendo sempre como foco o cuidado a ser dispensado ao paciente, são: segurança e qualidade da assistência multiprofissional; responsabilidade civil; segurança operacional e legal; e respeito ao meio ambiente. Seu conteúdo baseia-se na legislação que rege os serviços de saúde no Brasil, incluindo os seguintes anexos: Anexo I Estrutura física: A RDC (Resolução de Diretoria Colegiada) 50, assim como as alterações contidas na RDC 307/2002 e na RDC 189/2003, da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Anexo II Alta complexidade: A Portaria 210, de 15 de junho de 2004, do Ministério da Saúde, que define as Unidades de Assistência em Alta Complexidade Cardiovascular e os Centros de Referência em Alta Complexidade Cardiovascular, bem como suas aptidões e qualidades, para fins de credenciamento no Sistema Único de Saúde (SUS). Anexo III Segurança ocupacional: A Portaria 485 do Ministério do Trabalho e Emprego, que aprova a Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde NR32, assim como seu texto; A Portaria Federal 453 da Secretaria de Vigilância Sanitária (SVS) do Ministério da Saúde (MS), que aprova o regulamento técnico e estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso de raios-x diagnósticos em todo o território nacional e dá outras providências; O manual de segurança radiológica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de 2005: Radiodiagnóstico: segurança e desempenho de equipamentos ; A norma Cnen-NN 3.01, de janeiro de 2005, da Comissão Nacional de Energia Nuclear: Diretrizes Básicas de Proteção Radiológica. Anexo IV Gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde: A RDC 306 da Anvisa, de dezembro de 2004; A Resolução 358 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), de abril de Anexo V Sedação: A Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM), de julho de Anexo VI O médico cardiologista intervencionista: Art. 1 o da Portaria 620, de 12 de novembro de 2010, da Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) do Ministério da Saúde (MS): inclui na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) utilizada no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (Scnes), a ocupação de médico cardiologista intervencionista. 3

4 Parte I Manual de Orientação 4

5 Seção 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 5

6 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.1 Equipe Médica O Corpo Clínico do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Responsável médico: membro titular com certificado em área de atuação em Cardiologia Intervencionista e Hemodinâmica reconhecido pela SBHCI. Equipe médica constituída de pelo menos: Mais um médico com certificado em área de atuação em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista reconhecido pela SBHCI. Deve contar com quantitativo suficiente para o atendimento de enfermaria, intercorrências clínicas e cirúrgicas do pós-operatório e ambulatório. Plantão acessível e com disponibilidade imediata, para o atendimento durante todo o período de funcionamento da unidade e na totalidade da sua estrutura. Médico(s) com título de especialista em Cardiologia reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) ou certificado de residência médica em Cardiologia, emitido por Programa de Residência Médica reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), para atendimento diário e em regime de plantão. Médico(s) com certificado de residência médica ou título de especialista em Anestesiologia pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA), em caráter permanente ou a distância. Cirurgião vascular ou cirurgião geral, em caráter permanente ou a distância. Regimento Interno do Corpo Clínico formalizado e divulgado (>15 médicos). Cadastro dos médicos contratados e credenciados, disponível e a- tualizado. 6

7 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL (continuação) Escala de plantão dos médicos formalizada, atualizada e disponível. Comissão de Ética Médica (>15 médicos) com livro de atas atualizado. Termo de Ciência e Consentimento formalizado e implantado (com assinatura do médico e do paciente e/ou responsável). Protocolos clínicos descritos e gerenciados. Registros completos e legíveis em prontuário, de todas as etapas de permanência na unidade. Prescrição médica de todos os fármacos utilizados, inclusive os contrastes. Identificação completa dos profissionais em prontuário. Protocolo de transporte intra e inter-hospitalar dos pacientes de risco, descrito e implantado (todos que necessitem de supervisão direta do médico). Protocolo de sedação descrito conforme Resolução 1.670/2003 do Conselho Federal de Medicina (CFM). Termo de Ciência e Consentimento informado para os procedimentos (com assinatura do médico e do paciente ou responsável). Discussões de casos clínicos e resolutividade das intervenções. Documentação das análises disponíveis. Local e tempo para educação e treinamento dos profissionais. Processo eficaz para participação dos profissionais nas atividades de melhoria de qualidade da instituição. Avaliação contínua dos profissionais quanto à qualidade e segurança clínica do cuidado. 7

8 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.2 Equipe de Enfermagem O Corpo de Enfermagem do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Responsável técnico (enfermeiro). Supervisão direta de enfermeiro durante todo o período de funcionamento. Equipe de enfermagem habilitada e capacitada. Equipe de enfermagem constituída por, pelo menos: Um enfermeiro coordenador, com especialização em Cardiologia reconhecida pelo ME ou com certificado de residência médica em Cardiologia reconhecido pelo MEC ou com título de especialista em Enfermagem Cardiovascular, reconhecido pela Sociedade Brasileira de Enfermagem Cardiovascular (Sobenc). 1 (um) enfermeiro para cada 8 (oito) leitos da sala de recuperação de procedimentos de cardiologia intervencionista e 1 (um) enfermeiro para o serviço de procedimentos de cardiologia intervencionista, por turno (incluído o enfermeiro coordenador). 1 (um) técnico de enfermagem para cada 4 (quatro) leitos da sala de recuperação de procedimentos de cardiologia intervencionista, por turno. Escala de funcionários formalizada, atualizada e disponível. Escala de atribuições formalizada, atualizada e disponível. 8

9 DEHEMODINÂMICA Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL (continuação) Assistência de enfermagem planejada e registrada em todas as etapas de permanência do paciente na unidade. Administração de fármacos de exclusiva competência da equipe médica e/ou de enfermagem. Descrição da totalidade dos procedimentos realizados no serviço. Protocolo de atendimento às emergências, formalizado e transmitido por treinamento. Protocolo clínico de atendimento à parada cardiorrespirratória, descrito, implantado e transmitido por treinamento. Protocolo clínico de atendimento às reações adversas aos contrastes, descrito, implantado e transmitido por treinamento. Educação permanente da equipe de enfermagem. Indicadores da efetividade dos resultados dos protocolos de prevenção de riscos. Processo de avaliação contínua dos profissionais quanto à qualidade e segurança clínica do cuidado. 9

10 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.3 Corpo Técnico O Corpo Técnico do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Pelo menos 1 (um) técnico em Radiologia ou tecnólogo com experiência e treinamento adequados para operar os equipamentos de radiodiagnóstico de angiografia. Deve ter conhecimento dos princípios físicos das radiações e medidas de proteção, além de estar credenciado como responsável técnico no Conselho Técnico de Radiologia (Conter). Escala de plantão formalizada, atualizada e disponível. Descrição da totalidade dos procedimentos específicos da área. Indicadores básicos de segurança e desempenho. Aprovação SBHCI: 10

11 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.4. Gestão de Pessoas O setor de Gestão de Pessoas do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Documentação de todos os colaboradores, incluindo habilitações específicas, completa e atualizada. Descrição das competências por habilitação. Política de capacitação dos colaboradores (cursos, treinamentos, estímulo à participação em congressos, reciclagens etc.). Estatísticas básicas de gestão absenteísmo, turnover e acidentes de trabalho. Programas especiais visando à qualidade de vida e à promoção da saúde. Vestiário com armários para os colaboradores. Mapa de risco atualizado de cada área, atualizado e exposto em local visível. Fluxo para acidentes com material biológico e perfurocortante. Metodologia para divulgação dos riscos ocupacionais e uso correto dos equipamentos de proteção individual (EPIs). Acompanhamento formalizado dos laudos dos dosímetros, divulgados aos colaboradores. Registros de todas as ações da saúde ocupacional nos prontuários individuais de cada colaborador. Acompanhamento dos acidentes com material biológico e/ou perfurocortante até o seu desfecho, com registro em prontuário. Interação com equipe ou profissional responsável pela biossegurança. O Serviço de Hemodinâmica poderá utilizar o Serviço Especializado em Segurança do Trabalho (Sest) do hospital. 11

12 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.4 Engenharia Biomédica O setor de Engenharia Biomédica do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Equipe habilitada e capacitada, dimensionada às necessidades do serviço. Escala de plantão, local ou a distância, para atendimento às emergências durante todo o período de funcionamento do serviço. Procedimentos descritos para especificação, recebimento, instalação, operação, manutenção e desativação dos equipamentos. Instalações elétricas conforme normas vigentes. Inventário de todos os equipamentos disponíveis no serviço, inclusive de terceiros, com histórico. Definição da totalidade dos equipamentos por criticidade. Plano de contingência para os equipamentos críticos. Programa de manutenção preventiva planejada da totalidade dos equipamentos do setor, inclusive de terceiros, com registro. Controle dos equipamentos sob metrologia legal. Calibração, testes de segurança elétrica e de desempenho dos e- quipamentos. 12

13 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL (continuação) Programa de capacitação de usuários na utilização da tecnologia disponível. Acompanhamento das manutenções preventivas periódicas efetuadas por terceiros, que devem apresentar relatório descritivo do serviço realizado. Plano de incorporação tecnológica considerando o ciclo de vida dos equipamentos. Indicadores básicos de apoio à gestão. A engenharia biomédica pode ser ser realizada pela equipe de manutenção de equipamentos do hospital, com acompanhamento por profissional (médico ou enfermeiro) do Serviço de Hemodinâmica. 13

14 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.5 Manutenção Predial O setor de Manutenção Predial do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Equipe habilitada e capacitada, dimensionada para as necessidades do serviço. Escala de plantão, ativo ou a distância, para atendimento às emergências durante todo o período de funcionamento da unidade. Gerador de corrente alternada que atenda os equipamentos de suporte à vida nas salas de procedimento e recuperação. Controles e testes periódicos do(s) gerador(es) conforme orientação do fabricante, formalizados e registrados. Programa de manutenção preventiva do(s) gerador(es). Manutenção preventiva e corretiva dos sistemas de água, energia elétrica, gases, telefonia e rede lógica. Proteção contra descargas elétricas. Sistema de combate a incêndios. Controle de elevadores de acesso à unidade, se existentes, conforme legislação. 14

15 DEHEMODINÂMICA Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL (continuação) Programa de manutenção periódica do sistema de ar condicionado (central ou descentralizado) conforme legislação. Programa de manutenção predial e de mobiliário, preventiva, planejada e com registros. Limpeza e desinfecção dos reservatórios de água, análise e controle da potabilidade da água conforme legislação vigente. Indicadores básicos de apoio à gestão. A manutenção predial pode ser realizada pela equipe do hospital, com acompanhamento por profissional (médico ou enfermeiro) do Serviço de Hemodinâmica. 15

16 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.6 Estrutura Física A Estrutura Física do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Quadros elétricos descentralizados lacrados, com sinalização interna e externa. Suporte móvel com fecho de segurança para cilindros portáteis de gases medicinais. Suporte fixo para caixas de descarte de perfuro cortantes. Pessoal treinado para orientação e controle de acesso durante todo o período de funcionamento. Controle de circulação em áreas restritas. Sinalização externa para orientação de acesso. Sinalização de fácil entendimento e visualização em todas as áreas do edifício. Sinalização externa de radiação ionizante nas salas de procedimento. Condições de acesso externo e circulação interna e vertical na utilização de macas e cadeiras de rodas. Condições de acesso para deficientes. 16

17 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL (continuação) Corrimão bilateral nas escadas de acesso. Anti-derrapante nas escadas de acesso. Estacionamento seguro para clientes/pacientes e acompanhantes conforme perfil da instituição. Pisos revestidos de material impermeável e lavável, sem soluções de continuidade e livres do apoio de materiais ou equipamentos. 17

18 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.7 Segurança O Sistema de Segurança do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Pessoal treinado para orientação e controle da segurança durante todo o período de funcionamento da unidade. Sistema de segurança social, predial, patrimonial e tecnológica da instituição e para os clientes internos e externos. Capacitação da equipe para situações de emergência. Saídas de emergência claramente sinalizadas e de fácil compreensão (sinalização de rota de fuga). Sinalização de segurança clara e de fácil compreensão para obras, atividades de conservação, manutenção e situações de emergência. 18

19 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.8 Documentação A Documentação do Serviço de Hemodinâmica deverá incluir: Plantas físicas e de instalações atualizadas. Alvará concedido pela vigilância sanitária do município. Alvará de localização e funcionamento expedido pela autoridade municipal. Registro da empresa no Conselho Regional de Medicina (CRM). Alvará de operação dos equipamentos de imagem concedido pela a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Plano de radioproteção: Levantamento radiométrico da unidade atualizado (a cada 4 anos ou após reformas estruturais). Laudos de controle de qualidade dos equipamentos (calibração), atualizado (anuais). Laudos de dosimetria atualizados, incluindo terceiros e autônomos (mensais). Laudo do para-raios conforme legislação. Laudo da limpeza semestral da caixa d água. Laudos de potabilidade da água conforme legislação. Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) atualizado. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) atualizado. Controle vacinal dos colaboradores (celetistas ou não). 19

20 Seção 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL (continuação) Ata de constituição da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) >19 funcionários celetistas. Ata da constituição da Brigada de Incêndio conforme legislação. Laudo de aprovação do Corpo de Bombeiros, atualizado a cada reforma estrutural. Contrato de controle de pragas. Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS) adequado à legislação vigente. 20

21 Seção 2 ESTRUTURA DE ATENDIMENTO 21

22 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO 2.1 Agendamento O setor de Agendamento do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Equipe habilitada e capacitada, dimensionada às necessidades do serviço. Sistema de agendamento, preferencialmente informatizado, com critérios de identificação de riscos dos pacientes. Identificação de histórico pregresso ou da primeira vez em atendimento no serviço. Espera máxima de 10 (dez) dias para exames eletivos. Disponibilidade de encaixe para urgências (24 horas) e emergências (imediato). Procedimentos para as informações necessárias nos pedidos dos exames. Sistema de orientação da documentação necessária, por convênio. Sistema de orientação de pré-exame verbal, impressa, via fax ou . Procedimentos operacionais descritos. Gestão do fluxo e demanda do serviço. Indicadores básicos de apoio à gestão. 22

23 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO 2.2 Recepção A Recepção do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Equipe habilitada e capacitada, dimensionada às necessidades do serviço. Método para acolhimento dos pacientes por criticidade. Método seguro de identificação de pacientes. Método de conferência da documentação necessária e do preparo adequado. Protocolo descrito de referência para encaminhamento de pacientes em caso de urgência/emergência, formalizado, por convênio. Fluxo formalizado para atendimento de emergências. Ficha de atendimento gerada na admissão. Procedimento para localização de prontuário em caso de retorno. Critérios formais para que os pacientes com necessidades imediatas ou de emergência recebam prioridade. Procedimentos operacionais descritos. Educação dos pacientes e familiares e comunicação com eles em formato e linguagem compreensíveis. 23

24 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO 2.3 Sala de Espera A Sala de Espera do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Supervisor habilitado. Ambiente com boa ventilação, iluminação e conforto. Espaço para manobra de maca e cadeira de rodas. Banheiros separados por sexo. Banheiro adequado para deficientes. Bebedouro para pacientes e acompanhantes. Profissional enfermeiro para orientação dos pacientes e familiares. Acomodações para os acompanhantes. Informações aos pacientes sobre o procedimento e sobre quais serão os profissionais responsáveis por executar o procedimento. Essa área poderá corresponder à área comum da recepção do Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Tratamento (SADT) do hospital. 24

25 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO 2.4 Área de Procedimento A área de Procedimento do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Controle de acesso. Acesso para macas e cadeiras de rodas. Sanitário com vestiário (barreira física entre eles) para funcionários. Se houver mais de uma sala de procedimento deverão existir 2 (dois) sanitários (masculino e feminino). Sala de utilidades. Depósito de material de limpeza. Sala administrativa. Rouparia. Sala de comando com visualização externa da sala de procedimentos através de visor 1 (uma) sala de comando para até 2 (duas) salas de procedimentos. Área de escovação na antessala conforme legislação: Torneiras para cada sala de exame. 1,10 m² por torneira com dimensão mínima = 1,0 m. 25

26 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO Sala de Recepção Interna do Paciente A Sala de Recepção Interna do Paciente deve dispor de: Vestiário exclusivo para os pacientes. Local adequado para guarda dos pertences dos pacientes. Profissional enfermeiro para orientação do paciente e dos familiares. Local com privacidade para preparação do paciente. Acomodações para o acompanhante. Ferramenta para registro da admissão contemplando exame físico e identificação de riscos dos pacientes. Plano de cuidados formalizado para assistência aos pacientes durante toda a sua permanência na unidade. Avaliação clinica pelo profissional anestesista para definição do tipo de anestesia e grau de sedação de acordo com a complexidade do procedimento e o risco para o paciente. Protocolos específicos definidos e implantados para portadores de doenças transmissíveis e imunodeficientes. Procedimentos específicos estabelecidos para o cuidado aos pacientes idosos, frágeis e dependentes. Informações aos pacientes sobre os procedimentos e sobre os responsáveis por sua execução. 26

27 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO Sala(s) de Procedimento A(s) Sala(s) de Procedimento deve(m) dispor de: Ambiente que propicie a privacidade do paciente na sala de atendimento. Equipamentos de proteção individual (EPIs) para proteção contra radiação, conforme Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA). Sala climatizada com planilha de controle de temperatura e umidade. Sala com mecanismo de controle e proteção contra a claridade. Carro de emergência lacrado, com planilha de controle. Desfibrilador com registros de checagem. Fluxo formalizado para mobilização da equipe em caso de a- tendimento a emergências. Método definido para o aquecimento dos frascos de contraste, caso realizado. Critérios definidos para descarte de material reprocessado. Método definido para garantia da rastreabilidade dos cateteres utilizados em cada paciente. Controle da temperatura e higienização da geladeira de guarda de medicamentos. Checklist formalizado do carro de anestesia. 27

28 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO (continuação) Controle formal, incluindo lote e validade, dos estoques de materiais e medicamentos na sala. Controle formal dos psicotrópicos. Acompanhamento formal dos procedimentos de higienização da sala. Acompanhamento formal da manutenção dos equipamentos disponíveis. Critérios estabelecidos de transferência do paciente para uma unidade de cuidados intensivos ou especializados. Registros no prontuário que proporcionem a continuidade do cuidado. Acesso a peritos em áreas especializadas quando necessário. Protocolo de orientação do cuidado aos pacientes sob sedação moderada ou profunda. 28

29 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO Equipamentos O setor de Equipamentos deve dispor de, pelo menos: Equipamento de hemodinâmica fixo, com as seguintes características mínimas: Capacidade de aquisição de imagem digital em tempo real. Resolução: matriz 512 x 512 x 8 bites a 30 quadros por segundo. Armazenamento de longo prazo de imagens: CD ou filme de 35 mm. Polígrafo de, no mínimo, 3 (três) derivações de eletrocardiograma (ECG) e 2 (dois) canais de pressão com possibilidade de registro simultâneo. Bomba injetora de contraste. Aparelho de coagulação por Tempo de Coagulação Ativado (TCA) na sala de Hemodinâmica. Oxímetro de pulso. Monitor de pressão invasiva de dois canais 1 (um) por sala. Equipamento para cálculo de débito cardíaco. Material para reanimação cardiorrespiratória e desfibrilador externo. Marcapasso temporário. 29

30 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO Sala(s) de Pós-Procedimento A(s) Sala(s) de Pós-Procedimento deve(m) dispor de: Posto de enfermagem e serviços 1 (um) a cada 12 (doze) leitos de recuperação pós-procedimento de cardiologia intervencionista ou pós-anestésica. Supervisão direta de enfermeiro durante toda a permanência dos pacientes no setor. Garantia de privacidade para o paciente. Banheiro exclusivo com barras de segurança e chamada de enfermagem. Sala(s) equipada(s) com monitor, oxímetro, ventilador e bombas de infusão para cada leito de recuperação de procedimento de cardiologia intervencionista ou pósanestésica. Essa área poderá corresponder à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ou similar do hospital, desde que devidamente equipada e com fluxo definido. Monitoramento direto ou indireto dos leitos em observação. Carro de emergência, lacrado e com planilha de controle. Desfibrilador com registros de checagem. Registro do acompanhamento clínico durante a permanência do paciente no setor. Lanche para os pacientes após o procedimento. Acomodações para acompanhante. Reavaliação do paciente em intervalos apropriados para determinar sua resposta ao procedimento e planejar a alta. Orientação pós-procedimento impressa e disponibilizada quando da saída do paciente. Comunicação efetiva com as áreas assistenciais ou serviços de referência que assegurem a continuidade dos cuidados. 30

31 Seção 2 - ESTRUTURA DE ATENDIMENTO 2.5 Laudos O setor de Laudos deve dispor de: Local específico para a guarda dos laudos e filmes. Sistema seguro de backup de exames e procedimentos. Sistema seguro de arquivamento de laudos. Laudos e pré-laudos identificados pelo profissional responsável. Sistema de entrega dos resultados que garanta o sigilo. 31

32 Seção 3 - ESTRUTURAS DE APOIO 3.1. Farmácia A Farmácia do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Profissional responsável e capacitado. Geladeira exclusiva com termômetro de máxima e mínima para conservação de medicamentos e com mapa de temperaturas aferidas (no mínimo, duas vezes por dia). Armário com dispositivo de segurança para guardar os medicamentos controlados (Portaria MS 344/98). Contabilização precisa ds substancias controladas, de acordo com a lei e os regulamentos pertinentes. Sistema de rastreabilidade dos contrastes e medicamentos. Locais separados para guarda de medicamentos sólidos e líquidos. Termômetro ambiente (com mapa e temperatura mantida até 25C). Programa de farmacovigilância. Lista padronizada de uso de medicamentos no serviço. Registro e checagem, n o prontuário, de todos os contrastes e medicamentos prescritos. Fontes de informações sobre fármacos adequadas e prontamente disponíveis para os profissionais. Critérios pré-definidos para as decisões de inclusão ou remoção de medicamentos da lista. Inspeção periódica e com registro de eodos os locais de armazenamento de medicamentos e materiais. Disponibilização, monitoramento e segurança dos medicamentos de emergência. Monitoramento dos efeitos dos medicamentos nos pacientes, incluindo eventos sentinelas. 32

33 Seção 3 - ESTRUTURAS DE APOIO 3.1 Serviço de Higiene O Serviço de Higiene do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Profissional responsável capacitado. Cronograma de higienização das diversas áreas. Profissional de limpeza disponível para a higienização da área de procedimento durante todo o período de funcionamento da unidade. Procedimentos conhecidos e alinhados ao Programa de de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS). Local exclusivo para guardar materiais de limpeza (depósito de material de limpeza). Produtos de limpeza somente de uso hospitalar, com registro no Ministério da Saúde. Procedimentos de higienização descritos e validados pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) e/ou pelo Comitê de Biossegurança (CBio), Carro(s) de limpeza com todos os frascos dos produtos identificados. Local específico para higiene dos carros de limpeza. Sacos de lixo identificados conforme legislação (PGRSS). Carro(s) fechado(s) para o transporte interno dos resíduos. Local de guarda externa do lixo, fechado e com paredes laváveis. Equipamentos de proteção individual (EPIs) para o processo de limpeza e para a coleta dos resíduos luvas e aventais de borracha, máscara N95. Programa de educação continuada para os colaboradores formalizado e registrado. 33

34 Seção 3 - ESTRUTURAS DE APOIO 3.2 Central de Esterilização de Materiais A Central de Esterilização do Serviço de Hemodinâmica deve dispor de: Responsável técnico habilitado e capacitado. Cumprimento das leis e dos regulamentos pertinentes. Acesso exclusivo para os colaboradores do setor. Barreira física entre área suja e área limpa. Procedimentos que garantam a rastreabilidade do material recebido para reprocessamento e do material encaminhado para esterilização. 34

35 Seção 3 - ESTRUTURAS DE APOIO Área Suja Recipientes fechados para recolhimento e transporte dos materiais sujos. Equipamentos de proteção individual (EPIs) exclusivos para a área. Critérios definidos para lavagem do material com permissão de reuso. Procedimentos de lavagem do material descritos e validados pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) e/ou pelo Comitê de Biossegurança (CBio). Critérios definidos para descarte de material recebido para reprocessamento. Registro de saída do material encaminhado para esterilização. 35

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO ANEXO II NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO/HABILITAÇÃO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE NO TRATAMENTO REPARADOR DA LIPODISTROFIA E LIPOATROFIA FACIAL DO PORTADOR DE HIV/AIDS 1 NORMAS

Leia mais

Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A

Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A A - FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário não deve ser modificado e/ou substituído)

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 ATENÇÃO AO PACIENTE/CLIENTE Esta seção agrupa todos os componentes, atividades e serviços que se relacionam aos processos

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 INFRA-ESTRUTURA Esta seção agrupa todos os componentes que se relacionam à gestão e à manutenção da infra-estrutura da organização. Subseções atuais: Gestão de Projetos

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A Organização Nacional de Acreditação, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 5º, inciso II, do seu Estatuto, aprovado em 21 de janeiro de 2008, adotou a seguinte e eu, Presidente da ONA, determino

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI

Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista Hélio Castello Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Os perigos do Raio X Hemodinâmica & Estrutura Hospitalar Faturamento

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Página 1 de 6 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Diretrizes para Habilitação de Centros de Treinamento

Diretrizes para Habilitação de Centros de Treinamento Diretrizes para Habilitação de Centros de Treinamento Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Gestão 2006-2009 Centros de Treinamento Comissão Coordenador Dr. José Armando Mangione

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE CARDIOVASCULAR

ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE CARDIOVASCULAR ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE CARDIOVASCULAR 1 NORMAIS GERAIS DE CREDENCIAMENTO 1.1. Planejamento/Distribuição das Unidades 1.1.1 - As

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 006/2009 Dispõe sobre as normatizações para o exercício do profissional Enfermeiro em relação à constituição e funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR

NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO / REVISÃO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS Portaria

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Outubro - 2012 Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO O presente ANEXO tem como

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde A Diretoria

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA SAD/FUNSAU n. 1, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO CONJUNTA SAD/FUNSAU n. 1, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014. RESOLUÇÃO CONJUNTA SAD/FUNSAU n. 1, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014. APROVA O PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS E A TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS ATIVIDADES-FIM DA FUNDAÇÃO SERVIÇOS DE SAÚDE DE

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO TERMO DE VISTORIA Ao décimo nono dia do mês de janeiro do ano de dois mil e doze, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM/MT) esteve presente no Hospital e Pronto Socorro Municipal

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002.

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 640, de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde A Diretoria

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista

Leia mais

Antonio Carlos Moreira. antonicmoreira@gmail.com

Antonio Carlos Moreira. antonicmoreira@gmail.com Antonio Carlos Moreira antonicmoreira@gmail.com 1 O Tecnólogo em Radiologia como integrante da equipe multiprofissional na Intervenção Cardiovascular. 2 Ministério do Trabalho e Emprego C.B.O.: 3241-20

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA Unidade de diálise PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

Leia mais

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período)

Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período) Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período) Estabelecimentos Assistenciais de Saúde; Qualquer edificação destinada a assistência a saúde; Hospitais:

Leia mais

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1 - Organização e Procedimentos 1.1 Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1.1.1 Estão disponíveis os manuais relevantes dos equipamentos de uso clínico Equipamentos

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES 1. PARA ENFERMEIRO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES Requisitos para Contratação: Diploma, devidamente registrado, de conclusão do curso de graduação em Enfermagem, Registro no Órgão de Classe competente.

Leia mais

NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS

NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS 1 - NORMAS GERAIS As presentes Normas Gerais são válidas para cadastramento de Centros de Referência em Assistência a Queimados

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL)

RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL) RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL) OBJETIVO DO ICP : Implantação do programa de saúde ocupacional (Decreto 5.757/2003) para os servidores do Hospital Materno Infantil. Conquistas de 2010

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE 1. Conceito O Serviço de Assistência Especializada SAE é um serviço responsável pela assistência ambulatorial às pessoas vivendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA Data da vistoria: / / A CADASTRO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

ROTEIRO FARMÁCIA HOSPITALAR QUIMIOTERÁPICA

ROTEIRO FARMÁCIA HOSPITALAR QUIMIOTERÁPICA IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO: RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: IDENTIFICAÇÃO CADASTRAL (C.N.P.J.): ENDEREÇO: N.º CEP: TELEFONE: FAX: E-MAIL: LICENÇA SANITÁRIA: ( )MUNICIPAL NÚMERO: ( ) NÃO POSSUI EMISSÃO:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista em Saúde Portaria

Leia mais

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0 1. FUNCIONÁRIOS EFETIVOS Cirurgião dentista clínico geral 0 1.1 Cirurgião dentista endodontista 6 1.2 Cirurgião dentista periodontista 16h 0 1.3 Cirurgião dentista periodontista 20h 3 1.4 Cirurgião dentista

Leia mais

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet.

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 37, de 11 de julho de 2011 D.O.U de 12/07/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação

Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação Objetivos Conhecer o Sistema Brasileiro de Acreditação (SBA) Conhecer o Manual Brasileiro de Acreditação (MBA) - 2010 Conhecer as propostas

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE 5º Congresso Pan-Americano de Esterilização 6º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Noeli Martins - Médica

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) 1 1. Apresentação do Projeto O presente documento tem por finalidade apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO Responsável: Adriana dos Santos Leandro Endereço: Rua Fenelon Gomes, 112 Bairro: Ilha do Principe CEP:

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

ANEXO NPSSO-HUBFS001 DIRETRIZES EM SSO SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

ANEXO NPSSO-HUBFS001 DIRETRIZES EM SSO SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL 1 de 18 1. OBJETIVO Estabelecer e manter procedimentos para acessar, identificar e manter atualizados os requisitos legais aplicáveis pertinentes às áreas de segurança e saúde ocupacional. 2. CAMPO DE

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA QUIMIOTERAPIA R E N O V A Ç Ã O PARA SOLICITAR A RENOVAÇÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO: Juntar os seguintes documentos: 1. Requerimento com os dados do estabelecimento (razão social, endereço, CNPJ,) dirigido

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS SIMILARES

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS SIMILARES QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS ILARES O objetivo deste questionário é analisar as atividades profissionais desenvolvidas

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS

ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS Data da vistoria: / / A CADASTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS UNIDADE DE SAÚDE - SANTO ANDRÉ Diretora: Juliana da Conceição Fagundes E-mail: dussandre@correio1.vitoria.es.gov.br Endereço: Rua da Coragem, 200 Telefone: (27) 3323-7222 / 3332-7825 Funcionamento: 7h

Leia mais