Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -"

Transcrição

1 Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista em Física do Radiodiagnóstico ABFM-RX 254/1189 Supervisor de Radioproteção CNEN MN-1098 / AP-1234 / FM-0246 / AC-0063 / RI-0001

2 A Associação Brasileira de Física Médica: ABFM Física Médica: Radiodiagnóstico Uso da radiação-x para a obtenção de informações anatômicas do corpo humano As técnicas associadas à esta área utilizam tubos de raios-x como fontes de radiação (radiologia convencional, tomografia computadorizada, fluoroscopia, mamografia). As áreas de ressonância e ultra-som são normalmente incluídas na radiologia

3 A Associação Brasileira de Física Médica: ABFM Principais Atribuições do Físico Médico no Radiodiagnóstico Desenvolver e implementar programas para análise de aceitação, controle e garantia de qualidade nos equipamentos citados Operar câmaras de ionização e outros instrumentos que permitam avaliar condições de calibração de equipamentos de raios-x e sistemas de imagem Organizar programas de treinamento e formação de recursos humanos na área da radiologia diagnóstica Realizar levantamentos radiométricos em salas onde estão instalados equipamentos radiológicos e propor métodos de otimização da proteção

4

5 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM CONTATO COM A FÍSICA MÉDICA Como você ficou sabendo sobre as oportunidades de trabalho na área (profissão) de Física médica? Outro (especifique) 13,59% no serviço militar no doutorado no mestrado na especialização 0,23% 1,84% 3,92% 7,37% na graduação 56,68% na escola 16,36% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 5

6 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM CONTATO COM A FÍSICA MÉDICA Qual fonte de informação você buscou para sua iniciação em física médica? Outro (especifique) periódicos científicos rádio ou televisão jornais ou revistas bolsa de pesquisa experiência no trabalho colega professor programa de educação/formação em 8,78% 1,39% 0,92% 6,47% 3,46% 9,70% 16,63% 23,79% 28,87% 0% 10% 20% 30% 40% 6

7 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Nível de graduação 27% 23% Bacharel em Física 19% Licenciatura em Física 31% Bacharel em Física Médica Bacharel em Física com Habilitação em Física médica

8 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM

9 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Titulação mais elevada 6% 20% 38% 8% 28% Graduação Especialização Mestrado Doutorado Pós-doutorado

10 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Quando você iniciou seu treinamento em física médica Outro (especifique) durante a residência clínica durante a certificação de especialista da ABFM Durante o pós-doutorado Durante o doutorado 3,5% 3,5% 0,7% 1,2% 1,8% Durante o mestrado Durante a especialização 9,5% 13,6% Durante a graduação 66,3% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70%

11 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Você possui certificações? 25% 6% Sim 69% Não Em processo de certificação

12 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO 250% Físicos Médicos que possuem certificações por grupos 200% 42% 150% 100% 50% 0% 82% 80% 51% 12% 20% 7% 6% Sim Não Em processo de certificação Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear

13 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM SATISFAÇÃO COM CARREIRA 120% O que você considera como principal estímulo para continuar na profissão de físico médico? 100% 80% 60% 40% 20% 9% 3% 6% 17% 13% 12% 3% 3% 78% 78% 79% Outro (especifique) Salários recebidos Benefícios recebidos Satisfação profissional 0% Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico

14 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM SATISFAÇÃO COM CARREIRA 120% Você recomendaria a carreira de físico médico a alguém? 100% 80% 60% 22,2% 17,8% 15,8% 18,1% 5,6% 15,5% Não sei Não 40% 60,0% 78,6% 66,4% Sim 20% 0% Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico 14

15 A Associação Brasileira de Física Médica ABFM Certificação de Especialista 1977: 31 especialistas em Física Médica (avaliação de título & experiência profissional) 1985: Parceria com CNEN & CBR, como uma maneira de se certificar o profissional de Física Médica Provas nas áreas de Radioterapia, Radiodiagnóstico e Medicina Nuclear

16 Especialistas em Radiodiagnóstico - ABFM Total = 70 7 Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Exterior = 1 Atualização: Out/14

17 Profissionais por área de atuação RD 18% MN 7% RXT 75% Atualização: Out/14

18 Especialistas Total de especialistas 373 profissionais com Certificação de Especialista 273 em Radioterapia 70 em Radiodiagnóstico 30 em Medicina Nuclear Atualização: Julho/15

19 Proteção Radiológica AIEA Agencia Internacional de Energia Atômica ICRP International Commission on Radiological Protection fundada em 1928, promove o desenvolvimento da radioproteção, faz recomendações voltadas para as grandezas limitantes CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Diretrizes Básicas MS Ministério da Saúde Portaria 453 MT Ministério do Trabalho NR 15 - Insalubridade NR 16 - Periculosidade NR 32 Saúde do Trabalhador Remete para Portaria 453

20 Portaria n 453 de 1 de Junho de 1998 Secretaria de Vigilância Sanitária-Ministério da Saúde... A necessidade de padronizar, a nível nacional, os requisitos de proteção radiológica para o funcionamento dos estabelecimentos que operam com raios X diagnósticos e a necessidade de detalhar os requisitos de proteção em radiologia diagnóstica e intervencionista estabelecidos na Resolução n 6 de 21 de dezembro de 1998 do conselho Nacional de Saúde...

21 453 Princípios Gerais Portaria n JUSTIFICAÇÃO OTIMIZAÇÃO LIMITAÇÃO DA DOSE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

22 Portaria n 453 Toda a exposição deve ser JUSTIFICADA! JUSTIFICAÇÃO 2.2 Nenhuma prática deve ser autorizada a menos que produza suficiente benefício para o indivíduo exposto ou para a sociedade 2.5 Fica proibida toda exposição que não possa ser justificada 3.30 É responsabilidade do médico, que prescreve ou solicita um procedimento radiológico estar ciente: - dos riscos das radiações ionizantes; - do princípio de justificação; - das proibições; - das limitações e vantagens da prática radiológica comparada com técnicas alternativas

23 ANVISA 1016 Segurança e Desempenho de Equipamentos

24 NORMA REGULAMENTADORA 32 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Esta Norma Regulamentadora - NR tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral.

25 RDC N 50 RDC N 50 Regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de Saúde.

26 RDC N 50

27 ACREDITAÇÃO Joint Commission International Auditorias de Qualidade Buscar a Melhoria Contínua e Agregar valor ao sistema de gestão METAS INTERNACIONAIS DE SEGURANÇA 1. Identificar os pacientes corretamente 2. Melhorar a comunicação efetiva (prescrições/exames diagnósticos) 3. Melhorar a segurança para medicamentos de alta vigilância 4. Eliminar cirurgias em membros ou pacientes errados 5. Reduzir o risco de adquirir infecções 6. Reduzir o risco de lesões decorrentes de quedas

28 Plano Proteção Radiológica Atividades Elaborar Plano Geral de Proteção Radiológica Elaborar Memorial descritivo das áreas Criar POP s das atividades Capacitação dos TOE Atuar em fiscalizações e processos periciais Atuar nas auditorias internas e externas Buscar capacitação própria Definir e adquirir equipamentos para execução do trabalho Participação nas descrições técnicas de novos equipamentos Criar indicadores de proteção radiologica Controle e supervisão de monitoração individual Registros de Ocorrencias Atender os critérios das auditorias de qualidade nos processos de acreditação Internacional e Nacional, esta relacionado ao trabalho desempenhado em Proteção Radiológica nos serviços de saúde

29 AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS Trabalho conjunto com Engenharia Clinica Pesquisa catálogos, ANVISA visitas e demonstrações Descrição técnica( memorial descritivo) Equipamentos e Phantons Treinamento do Físico Comissionamento Teste de aceite Parecer Técnico Teste de Aceitação

30 CONSTRUÇÃO Trabalho conjunto com a Engenharia Predial Definição da áreas Equipamento Posicionamento Fluxo Blindagem Levantamento Radiométrico

31 MANUTENÇÃO Trabalho conjunto com Engenharia Clinica e Radiologia Aviso de problema pelo técnico de RX, Gerente e etc Chamar manutenção Analise do problema Liberação do equipamento para funcionamento

32 Plano Proteção Radiológica PARTICIPAÇÃO NAS COMISSÕES DO HOSPITAL Gerencia de Risco Proteção Radiológica Sinistro e Catástrofes Supervisor de Proteção Radiológica Biossegurança Meio Ambiente Pesquisa projetos

33 Obrigado pela Atenção! Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista em Física do Radiodiagnóstico ABFM-RX 254/1189 Supervisor de Radioproteção CNEN MN-1098 / AP-1234 / FM-0246 / AC-0063 / RI-0001

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica Clarice Cardoso Xavier Trajetória Graduação Atividades extra-curriculares 5º ano - Estágio

Leia mais

GESTÃO da QUALIDADE em SERVIÇOS DE RADIODIAGNÓSTICO

GESTÃO da QUALIDADE em SERVIÇOS DE RADIODIAGNÓSTICO GESTÃO da QUALIDADE em SERVIÇOS DE RADIODIAGNÓSTICO Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista em Física do Radiodiagnóstico ABFM-RX

Leia mais

PROCESSO N 988/2006 PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO

PROCESSO N 988/2006 PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO MUNICÍPIO: APUCARANA ASSUNTO: Renovação do Reconhecimento do Curso

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista. Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista

I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista. Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista Físico Alexandre Bacelar Histórico Os primeiros dados a respeito

Leia mais

O Centro Regional de Treinamento do IRD/IAEA IRD/IAEA Simpósio Minérios & Radioatividade

O Centro Regional de Treinamento do IRD/IAEA IRD/IAEA Simpósio Minérios & Radioatividade O Centro Regional de Treinamento do Simpósio Minérios & Radioatividade 18 a 20 de Agosto de 2014 Almir Faria Clain almir@ird.gov.br Centro Regional de Treinamento do O Centro Regional de Ensino e Treinamento:

Leia mais

NOVAS RECOMENDAÇÕES DA IAEA PARA EXPOSIÇÕES MÉDICAS: IMPACTO EM MEDICINA NUCLEAR NO BRASIL

NOVAS RECOMENDAÇÕES DA IAEA PARA EXPOSIÇÕES MÉDICAS: IMPACTO EM MEDICINA NUCLEAR NO BRASIL IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR NOVAS RECOMENDAÇÕES

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

TNR.ADRIANO LIMA E SILVA

TNR.ADRIANO LIMA E SILVA TNR.ADRIANO LIMA E SILVA HISTÓRICO CRIAÇÃO DA PROFISSÃO Lei n.º 7.394/85 REGULAMENTAÇÃO Decreto n.º 92.790/86 HISTÓRICO ATÉ 1990 PRATICAMENTE INEXISTIAM ESCOLAS NO PAÍS 1 Escola Técnica no RS 1991 inicio

Leia mais

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação.

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA)

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA) 50.05.005 1/5 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos básicos de proteção radiológica para as pessoas em relação à exposição à radiação ionizante. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Em toda a Instituição onde houver

Leia mais

Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010

Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010 Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010 Diário Oficial da União nº 133, de 14 de julho de 2010 (quarta-feira) Seção 1 Pág. 839/840 Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Publicado no DO em 19 dez 2013 Dispõe sobre as atribuições do biomédico habilitado na área de imagenologia, radiologia, biofísica, instrumentação médica que compõe o

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES TÉCNICOS EM RADIOLOGIA: história e questões atuais

A QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES TÉCNICOS EM RADIOLOGIA: história e questões atuais A QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES TÉCNICOS EM RADIOLOGIA: história e questões atuais Pesquisadores Alexandre Moreno André Feitosa Cristina Morel Isis Coutinho José Luís Ferreira Filho Sergio Oliveira APRESENTAÇÃO

Leia mais

METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO DE DOSES ELEVADAS EM RADIOADIGNÓSTICO MÉDICO

METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO DE DOSES ELEVADAS EM RADIOADIGNÓSTICO MÉDICO IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR METODOLOGIA DE

Leia mais

DDQBN. Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA. Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica. Luciano Santa Rita Oliveira

DDQBN. Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA. Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica. Luciano Santa Rita Oliveira DDQBN Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica Luciano Santa Rita Oliveira luciano@ctex.eb.br Assessória Científica DDQBN / CTEx Seção

Leia mais

Antonio Carlos Moreira. antonicmoreira@gmail.com

Antonio Carlos Moreira. antonicmoreira@gmail.com Antonio Carlos Moreira antonicmoreira@gmail.com 1 O Tecnólogo em Radiologia como integrante da equipe multiprofissional na Intervenção Cardiovascular. 2 Ministério do Trabalho e Emprego C.B.O.: 3241-20

Leia mais

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO:

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: RELATOR: Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Norma da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, que normatiza e preconiza a obrigatoriedade de

Leia mais

Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico

Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico Apresentação Este Regulamento é um componente básico da política nacional de proteção radiológica e segurança na área de radiodiagnóstico,

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Parecer de Aprovação MEC n 3.607, de 3 de dezembro de 2003 -D.O.U 4/12/2003 Diretora da Faculdade: Profª Vera Lucia

Leia mais

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE Raymundo José A. Portelada e Meio Ambiente PROFISSIONAIS DE A legislação que estabelece a obrigatoriedade de serviços especializados de Segurança a e Medicina

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016. Janeiro de 2015

Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016. Janeiro de 2015 Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016 Janeiro de 2015 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar É a agência reguladora do Governo Federal,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 (Publicada no D.O.U. de 19 jan 2009, Seção I, pg. 94-5) Define e normatiza a Telerradiologia O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidas pela lei nº. 3.

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999.

FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999. Apresentação FEAM FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999. PROMOVER AÇÕES PREVENTIVAS NA ÁREA DE SAÚDE E MEDICINA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES, ATUANDO COM ÉTICA E QUALIDADE, E PROPORCIONANDO BEM ESTAR

Leia mais

Vigilância e saúde do trabalhador

Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância em Saúde do Servidor é o conjunto de ações contínuas e sistemáticas, que possibilita detectar, conhecer, pesquisar, analisar e monitorar os fatores determinantes

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM Direção: Dr. Carlos Alberto Martins de Souza Coordenação: Fis. Antonio Pires Filho Supervisão: Drª Leolinda Maria E.

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

ANEXO I - EMPREGOS, PRÉ-REQUISITOS, VAGAS, CARGA HORÁRIA, SALÁRIOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES. ENSINO SUPERIOR - ESPECIALISTA EM SAÚDE: MÉDICO

ANEXO I - EMPREGOS, PRÉ-REQUISITOS, VAGAS, CARGA HORÁRIA, SALÁRIOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES. ENSINO SUPERIOR - ESPECIALISTA EM SAÚDE: MÉDICO FUNDAÇÃO DE APOIO AO HOSPITAL DAS CLÍNICAS EDITAL Nº 01/2012 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DA FUNDAÇÃO DE APOIO AO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFG (FUNDAHC) ANEXO I - EMPREGOS, PRÉ-REQUISITOS,

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Revista Didática Sistêmica, ISSN 1809-3108, Volume 5, janeiro a junho de 2007. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Didática Sistêmica

Revista Didática Sistêmica, ISSN 1809-3108, Volume 5, janeiro a junho de 2007. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Didática Sistêmica FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Revista Didática Sistêmica TRIMESTRAL ISSN: 1809-3108 Volume 5, janeiro a junho de 2007 O QUE FAZ UM FÍSICO NO HOSPITAL? Fátima Hernandes Rodrigues 1 RESUMO:

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico

Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico Alexandre Bacelar 1, José Rodrigo Mendes Andrade 2, Andréia Caroline Fischer

Leia mais

Seminário Segurança Nuclear e Radiológica. Ministro Augusto Sherman Cavalcanti

Seminário Segurança Nuclear e Radiológica. Ministro Augusto Sherman Cavalcanti Seminário Segurança Nuclear e Radiológica Ministro Augusto Sherman Cavalcanti I Auditoria Operacional Cnen visão geral apreendida amplo leque de atribuições. atividades com alto grau de complexidade e

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

Metodologia de Investigação de Doses Elevadas em Instalações de Radiodiagnóstico Médico

Metodologia de Investigação de Doses Elevadas em Instalações de Radiodiagnóstico Médico Metodologia de Investigação de Doses Elevadas em Instalações de Radiodiagnóstico Médico Adriana Elisa Barboza Cíntia Pinheiro de Souza Martins Dr. Francisco Cesar Augusto da Silva IRD / CNEN Objetivos

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009, Seção 1, p. 94-5p

Leia mais

A GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO UM CAMINHO SEM VOLTA. Luciene P. da Silva Potenciano

A GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO UM CAMINHO SEM VOLTA. Luciene P. da Silva Potenciano A GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO UM CAMINHO SEM VOLTA Luciene P. da Silva Potenciano Enfermeira do Trabalho IMPLANTAÇÃO DA NR 32 EM GOIÁS Introdução Antes da NR32 não havia padronização que desse resposta a inúmeros

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

PORTARIA FEDERAL Nº 453, DE 1 DE JUNHO DE 1998

PORTARIA FEDERAL Nº 453, DE 1 DE JUNHO DE 1998 PORTARIA FEDERAL Nº 453, DE 1 DE JUNHO DE 1998 Aprova o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste Marco Antônio de Carvalho Físico Médico e Supervisor de Radioproteção em Medicina Nuclear

Leia mais

Portaria SVS/MS n 453, de 1 de junho de 1998

Portaria SVS/MS n 453, de 1 de junho de 1998 Portaria SVS/MS n 453, de 1 de junho de 1998 Aprova o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO 1 Proc. nº 27.401/2008 LEI COMPLEMENTAR Nº 674 de 25 de novembro de 2013 Altera a Lei Complementar nº 582, de 19 de dezembro de 2008, alterada pela Lei Complementar nº 644, de 05 de abril de 2012, no que

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Mesa redonda: O Papel do enfermeiro na segurança do paciente e nos resultados do atendimento Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Cristiana Martins Prandini

Leia mais

PORTARIA 453, de 01 de junho de 1998

PORTARIA 453, de 01 de junho de 1998 PORTARIA 453, de 01 de junho de 1998 Aprova o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos raios-x

Leia mais

Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia

Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br Motivação Conceitos fundamentais sobre radioproteção

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.661, DE 2012 (Do Senado Federal)

PROJETO DE LEI N.º 3.661, DE 2012 (Do Senado Federal) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.661, DE 2012 (Do Senado Federal) PLS 26/2008 Of. 494-SF/2012 Altera a Lei nº 7394, de 29 de outubro de 1985, para dispor sobre o exercício das profissões de Técnico

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Física Médica Pós-Graduação Stricto Sensu

Física Médica Pós-Graduação Stricto Sensu Física Médica Pós-Graduação Stricto Sensu Divanizia N Souza Universidade Federal de Sergipe Processo Seletivo O processo varia de acordo com a instituição Currículo para análise Provas de línguas Projeto

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CAMPO (SURVEY):

LEVANTAMENTO DE CAMPO (SURVEY): LEVANTAMENTO DE CAMPO (SURVEY): Perfil, percepções e perspectivas dos profissionais de física médica no Brasil (não associados ABFM) JULHO/SETEMBRO 2014 SUMÁRIO Introdução... 3 Objetivos da pesquisa...

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança 2012 Programa de Acreditação Internacional Gestão da Qualidade e Segurança Responda rapidamente: Os serviços prestados pela sua instituição têm qualidade e segurança satisfatórias??? Por Quê???? QUALIDADE?

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

OBSERVAÇÕES E EVENTUAIS DÚVIDAS SOBRE A PORTARIA Nº206-DGP, DE 17 DEZ 03

OBSERVAÇÕES E EVENTUAIS DÚVIDAS SOBRE A PORTARIA Nº206-DGP, DE 17 DEZ 03 OBSERVAÇÕES E EVENTUAIS DÚVIDAS SOBRE A PORTARIA Nº206-DGP, DE 17 DEZ 03 1.CADASTRO DAS INSTALAÇÕES RADIOLÓGICAS: Atenção ao Art 5º: seguir modelo anexado, deverá ser enviado SEMESTRALMENTE à Diretoria

Leia mais

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO QUADROS RESUMOS SÃO PAULO Total de profissionais: 453.665 Enfermeiros: 105.438 Auxiliares e Técnicos de Enfermagem: 348.227 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SÃO PAULO BLOCO

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Educação Para O Sistema

Educação Para O Sistema QUALIHOSP 2012 Educação Para O Sistema Marcos Roberto Ymayo Pedro Felix Vital Jr Objetivos História Programas de ensino Mercado local, desafios e realidade Perfil do profissional Vocação institucional

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

PROGRAMA 0637- SERVIÇO DE SAÚDE DAS FORÇAS ARMADAS

PROGRAMA 0637- SERVIÇO DE SAÚDE DAS FORÇAS ARMADAS PROGRAMA 0637- SERVIÇO DE SAÚDE DAS FORÇAS ARMADAS PROGRAMA: 0637 - Serviço de Saúde das Forças Armadas UNIDADE RESPONSÁVEL: Ministério da Defesa TIPO: Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais OBJETIVO:

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 1 ªReunião do GT de Indicadores de SADT 19/07/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Categorias

Leia mais

Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI

Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista Hélio Castello Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Os perigos do Raio X Hemodinâmica & Estrutura Hospitalar Faturamento

Leia mais

Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora

Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora Missão Formar recursos humanos, gerar conhecimentos e prestar assistência de qualidade na área da saúde à comunidade da região.

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 47/CT/2015 Assunto: Administração de Radiofármaco Palavras chaves: Oncologia; Radiofármaco; Punção Venosa. I Solicitação recebida pelo Coren/SC: A punção venosa para aplicação

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS

INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS Introdução O objetivo deste trabalho é apresentar um modelo de central de laudos

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

PLANO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA E RESPONSABILIDADE ÉTICA

PLANO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA E RESPONSABILIDADE ÉTICA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR PLANO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA E RESPONSABILIDADE ÉTICA Andrea Huhn

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Qualihosp -2013 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Maria Angela da Paz Gerente de Regulação e Controle Sanitário

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 (Publicado no D.O.U. de 17 dez 2014, Seção I, p. 157-158) Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009,

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO 1 de 10 1. OBJETIVO Este regulamento tem como objetivo definir as regras que regem o Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem (Padi) e os principais conceitos aplicáveis aos processos de auditoria

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

Manual Específico Unimed-Rio - TISS

Manual Específico Unimed-Rio - TISS UNIME D-RIO Manual Específico Unimed-Rio - TISS Área de Relacionamento com Hospitais Rio 2 PADRONIZAÇÃO DOS NOVOS FORMULÁRIOS QUE SERÃO UTILIZADOS PELOS PRESTADORES PARA ENVIO PARA A UNIMED-RIO. Estes documentos

Leia mais

PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro Realização de exame de ressonância magnética Cons. Aldemir Humberto Soares

PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro Realização de exame de ressonância magnética Cons. Aldemir Humberto Soares PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro ASSUNTO: Realização de exame de ressonância magnética RELATOR: Cons. Aldemir Humberto Soares EMENTA: A responsabilidade de serviços com ressonância

Leia mais

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE)

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Dr. Marcus Alexandre Vallim de Alencar Coordenador do CASEC vallim@ird.gov.br Instalações Nucleares e Radiativas Instalações Nucleares

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais