Tribunal Superior do Trabalho Secretaria-Geral da Presidência Coordenadoria de Estatística e Pesquisa RELATÓRIO ANALÍTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tribunal Superior do Trabalho Secretaria-Geral da Presidência Coordenadoria de Estatística e Pesquisa RELATÓRIO ANALÍTICO"

Transcrição

1

2 Tribunal Superior do Trabalho Secretaria-Geral da Presidência Coordenadoria de Estatística e Pesquisa CONSOLIDAÇÃO ESTATÍSTICA DA JUSTIÇA DO TRABALHO RELATÓRIO ANALÍTICO 2011

3 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO C O M P O S I Ç Ã O ATUAL Ministro JOÃO ORESTE DALAZEN - Presidente Ministra MARIA CRISTINA IRIGOYEN PEDUZZI - Vice-Presidente Ministro ANTÔNIO JOSÉ DE BARROS LEVENHAGEN - Corregedor-Geral da Justiça do Trabalho Ministro CARLOS ALBERTO REIS DE PAULA Ministro IVES GANDRA DA SILVA MARTINS FILHO Ministro JOÃO BATISTA BRITO PEREIRA Ministro RENATO DE LACERDA PAIVA Ministro EMMANOEL PEREIRA Ministro LELIO BENTES CORRÊA Ministro ALOYSIO SILVA CORRÊA DA VEIGA Ministro LUIZ PHILIPPE VIEIRA DE MELLO FILHO Ministro ALBERTO LUIZ BRESCIANI DE FONTAN PEREIRA Ministra MARIA DE ASSIS CALSING Ministra DORA MARIA DA COSTA Ministro PEDRO PAULO TEIXEIRA MANUS Ministro FERNANDO EIZO ONO Ministro GUILHERME AUGUSTO CAPUTO BASTOS Ministro MÁRCIO EURICO VITRAL AMARO Ministro WALMIR OLIVEIRA DA COSTA Ministro MAURÍCIO GODINHO DELGADO Ministra KÁTIA MAGALHÃES ARRUDA Ministro AUGUSTO CÉSAR LEITE DE CARVALHO Ministro JOSÉ ROBERTO FREIRE PIMENTA Ministra DELAÍDE ALVES MIRANDA ARANTES Brasília, junho de 2012.

4 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO COMPOSIÇÃO - DEZEMBRO DE 2011 Ministro JOÃO ORESTE DALAZEN - Presidente Ministra MARIA CRISTINA IRIGOYEN PEDUZZI - Vice-Presidente Ministro ANTÔNIO JOSÉ DE BARROS LEVENHAGEN - Corregedor-Geral da Justiça do Trabalho Ministro MILTON DE MOURA FRANÇA Ministro CARLOS ALBERTO REIS DE PAULA Ministro IVES GANDRA DA SILVA MARTINS FILHO Ministro JOÃO BATISTA BRITO PEREIRA Ministro RENATO DE LACERDA PAIVA Ministro EMMANOEL PEREIRA Ministro LELIO BENTES CORRÊA Ministro ALOYSIO SILVA CORRÊA DA VEIGA Ministro HORÁCIO RAYMUNDO DE SENNA PIRES Ministro LUIZ PHILIPPE VIEIRA DE MELLO FILHO Ministro ALBERTO LUIZ BRESCIANI DE FONTAN PEREIRA Ministra MARIA DE ASSIS CALSING Ministra DORA MARIA DA COSTA Ministro PEDRO PAULO TEIXEIRA MANUS Ministro FERNANDO EIZO ONO Ministro GUILHERME AUGUSTO CAPUTO BASTOS Ministro MÁRCIO EURICO VITRAL AMARO Ministro WALMIR OLIVEIRA DA COSTA Ministro MAURÍCIO GODINHO DELGADO Ministra KÁTIA MAGALHÃES ARRUDA Ministro AUGUSTO CÉSAR LEITE DE CARVALHO Ministro JOSÉ ROBERTO FREIRE PIMENTA Ministra DELAÍDE ALVES MIRANDA ARANTES

5 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho SECRETÁRIO-GERAL DA PRESIDÊNCIA DO TST Juiz RUBENS CURADO SILVEIRA DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TST Dr. GUSTAVO CARIBÉ DE CARVALHO SECRETÁRIO-GERAL JUDICIÁRIO DO TST Dr. VALÉRIO AUGUSTO FREITAS DO CARMO

6 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Sumário 1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EM 31/12/ DADOS GERAIS MAGISTRADOS PARA CADA HABITANTES SERVIDORES DO QUADRO PERMANENTE POR MAGISTRADO DESPESAS, ARRECADAÇÕES E PAGAMENTOS DESPESA POR HABITANTE ARRECADAÇÃO DE CUSTAS, EMOLUMENTOS E TRIBUTOS VALORES PAGOS AOS RECLAMANTES LITIGIOSIDADE CASOS NOVOS Fase de Conhecimento CASOS NOVOS A CADA HABITANTES Fase de Conhecimento CASOS NOVOS POR MAGISTRADO Fase de Conhecimento CASOS NOVOS POR SERVIDOR Fase de Conhecimento PROCESSOS RECEBIDOS POR MAGISTRADO CARGA DE TRABALHO CARGA DE TRABALHO POR MAGISTRADO (Excluídos os ocupantes de cargos de Direção) PROCESSOS JULGADOS CONCILIAÇÃO NAS VARAS DO TRABALHO EXECUÇÃO NAS VARAS DO TRABALHO RESÍDUO RESÍDUO POR MAGISTRADO CONGESTIONAMENTO RECORRIBILIDADE PARA A INSTÂNCIA SUPERIOR RECORRIBILIDADE PARA A PRÓPRIA INSTÂNCIA REFORMA DA DECISÃO PRECATÓRIOS TRABALHISTAS PERFIL DAS DEMANDAS POR ATIVIDADE ECONÔMICA E AUTOR METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS INDICADORES...109

7 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EM 31/12/ DADOS GERAIS A Justiça do Trabalho é constituída pelo Tribunal Superior do Trabalho, por 24 Tribunais Regionais do Trabalho e por Varas do Trabalho, estando instaladas. São cargos de juiz e , de servidor. No Tribunal Superior do Trabalho, estão em atividade 26 Ministros e servidores. Na 2ª Instância, há um Tribunal em cada estado da Federação, à exceção dos estados do Acre, Roraima, Amapá e Tocantins, que são jurisdicionados pelos Tribunais com sede em Rondônia, Amazonas, Pará e Distrito Federal, respectivamente. No Estado de São Paulo, existem dois Tribunais: um com sede na cidade de São Paulo e outro em Campinas. Estão em atividade, na 2ª Instância, 484 juízes e servidores. Na 1ª Instância da Justiça Trabalhista, estão instaladas varas do trabalho distribuídas em 609 municípios e com jurisdição em todos os municípios do País. Estão em atividade, na 1ª Instância, juízes e servidores.

8 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela Quadro de Ministros do Tribunal Superior do Trabalho Previstos em Lei Providos Ministros % Providos Ministras % Vagos % ,8 5 18,5 1 3,7 Nota: Percentual calculado considerando os cargos previstos em Lei. Tabela Quadro de Juízes dos Tribunais Regionais do Trabalho TRT Previstos em Lei Providos Juízes % Providos Juízas % Vagos % 1ª - RJ , , ,5 2ª - SP , ,2 7 7,4 3ª - MG ,4 7 19,4 4 11,1 4ª - RS , , ,2 5ª - BA , ,6 1 3,4 6ª - PE , ,6 1 5,3 7ª - CE ,7 3 21,4 6 42,9 8ª - PA e AP , , ª - PR , ,3 4 12,9 10ª - DF e TO ,7 6 35, ª - AM e RR ,3 6 42,9 6 42,9 12ª - SC ,4 9 50,0 1 5,6 13ª - PB ,0 1 10,0 2 20,0 14ª - RO e AC ,5 4 50,0 1 12,5 15ª - Campinas/SP , ,7 5 9,1 16ª - MA ,0 2 25, ª - ES ,3 3 25,0 2 16,7 18ª - GO ,4 2 14,3 2 14,3 19ª - AL ,0 2 25, ª - SE ,0 2 25, ª - RN ,0 2 20,0 3 30,0 22ª - PI ,0 2 25, ª - MT ,5 3 37, ª - MS , ,5 Total , , ,6 Notas: 1) % Percentual calculado sobre o total de cargos previstos em lei. 2) Sinal convencional utilizado: - Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento.

9 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela A. Quadro de Juízes das Varas do Trabalho Região Judiciária Juízes Togados Titulares Substitutos Total Providos Vagos Subtotal Providos Vagos Subtotal Providos Vagos Total 1ª - RJ ª - SP ª - MG ª - RS ª - BA ª - PE ª - CE ª - PA e AP ª - PR ª - DF e TO ª - AM e RR ª - SC ª - PB ª - RO e AC ª - Campinas/SP ª - MA ª - ES ª - GO ª - AL ª - SE ª - RN ª - PI ª - MT ª - MS Total Nota: Sinal convencional utilizado: - Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento.

10 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela B. Provimento dos Cargos de Juiz de Vara do Trabalho Segundo o Sexo Região Judiciária Previstos em Lei Providos Juízes % Providos Juízas % Vagos % 1ª - RJ , ,8 27 9,8 2ª - SP , , ,6 3ª - MG , ,7 19 6,9 4ª - RS , ,7 20 8,1 5ª - BA , ,0 3 1,6 6ª - PE , ,0 10 7,1 7ª - CE , ,5 7 10,9 8ª - PA e AP , ,3 2 2,2 9ª - PR , ,7 3 1,7 10ª - DF e TO , ,2 3 3,5 11ª - AM e RR , , ,9 12ª - SC , ,0 7 6,3 13ª - PB , ,3 1 1,7 14ª - RO e AC , , ,4 15ª - Campinas/SP , , ,8 16ª - MA , ,0 9 18,0 17ª - ES , ,1 3 5,4 18ª - GO , , ,9 19ª - AL , ,0 4 9,5 20ª - SE , ,4 6 20,7 21ª - RN , ,0 6 13,0 22ª - PI , ,7 4 13,8 23ª - MT , , ,0 24ª - MS , ,9 3 5,4 Total , , ,4 Nota: Percentual calculado sobre o total de cargos previstos em Lei para a Região Judiciária. Tabela C. Provimento dos Cargos de Juiz Titular e Substituto Segundo o Sexo Juízes Previstos em Lei Providos Juízes % Providos Juízas % Vagos % Titulares , , ,5 Substitutos , , ,7 Total , , ,4 Nota: Percentual calculado sobre o total de cargos previstos em Lei.

11 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela Quadro Permanente da Justiça do Trabalho Região Judiciária Cargos do Quadro Permanente Analista Judiciário Técnico Judiciário Auxiliar Judiciário Total Providos Vagos Total Providos Vagos Total Providos Vagos Total Providos Vagos Total TST ª - RJ ª - SP ª - MG ª - RS ª - BA ª - PE ª - CE ª - AP e PA ª - PR ª - DF e TO ª - AM e RR ª - SC ª - PB ª - AC e RO ª - SP/Campinas ª - MA ª - ES ª - GO ª - AL ª - SE ª - RN ª - PI ª - MT ª - MS País Nota: Sinal convencional utilizado: - Dado numérico igual a zero.

12 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela Servidores em Atividade no TST Servidores Quantidade % Quadro Permanente ,8 Ocupantes exclusivamente de Cargo em Comissão 42 1,8 Requisitados ,3 Removidos 139 6,0 Total ,0 TRT Quadro Permanente Tabela Servidores em Atividade nos TRTs % Requisitados % Exclusivamente Cargos em Comissão % Removidos % Total 1ª - RJ ,9 55 3,1 30 1,7 75 4, ª - SP ,8 14 0,7 14 0,7 81 3, ª - MG ,1 63 5,1 8 0,6 40 3, ª - RS ,5 1 0,1 2 0,2 17 1, ª - BA ,4 49 5,3 10 1,1 30 3, ª - PE ,4 55 7,5 9 1,2 21 2, ª - CE , ,0 9 1, , ª - PA e AP ,9 7 1,7 9 2,2 9 2, ª - PR ,3 6 0,6 10 1,1 47 5, ª - DF e TO ,4 61 9,9 4 0,6 13 2, ª - AM e RR ,9 9 1,4 6 0,9 5 0, ª - SC ,8 9 1,3 2 0,3 18 2, ª - PB ,3 29 5,1 11 1,9 15 2, ª - RO e AC ,7 8 2,2 2 0,5 2 0, ª - Campinas/SP ,2 27 2,4 13 1,1 49 4, ª - MA ,9 29 9,2 13 4,1 18 5, ª - ES ,5 15 3,8 1 0, , ª - GO , ,6 1 0,1 46 6, ª - AL ,2 23 8,9 2 0, , ª - SE ,3 4 1,7 3 1,3 16 6, ª - RN ,1 34 9,7 9 2,6 20 5, ª - PI , ,3 10 4,2 18 7, ª - MT ,2 24 6,6 27 7,4 3 0, ª - MS ,4 20 6,6-0,0 15 5,0 303 Total , , , , Notas: 1) % Percentual calculado sobre o total de servidores em atividade em cada TRT. 2) Sinal convencional utilizado - Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento.

13 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Região Judiciária Tabela Servidores em Atividade nas Varas do Trabalho Quadro Permanente % Requisitados % Removidos % Exclusivamente Cargos em Comissão % Total 1ª - RJ ,4 16 0,8 78 3, ª - SP ,7 19 0,7 99 3, ª - MG , , ,9 9 0, ª - RS ,1 1 0,1 38 1, ª - BA , ,5 72 4,9 1 0, ª - PE , ,9 51 5, ª - CE , , ,4 2 0, ª - PA e AP ,5 6 0,8 4 0,5 1 0, ª - PR ,0 11 0,9 77 6,1 1 0, ª - DF e TO , ,4 24 4, ª - AM e RR , ,6 4 1,2 1 0, ª - SC ,1 10 1,2 38 4, ª - PB ,3 28 6,4 32 7, ª - RO e AC ,6 12 3,3 4 1, ª - Campinas/SP , , , ª - MA , ,3 20 7,5 3 1, ª - ES , , , ª - GO , ,8 29 6, ª - AL , , ,2 1 0, ª - SE ,8 6 3, , ª - RN ,2 32 9,3 19 5,5 7 2, ª - PI , , , ª - MT , ,5 8 1,9 39 9, ª - MS , ,0 25 7,8 3 0,9 321 Total , , ,0 68 0, Notas: 1) Percentual calculado sobre o total de servidores em atividade na Região Judiciária. 2) Incluídos os que estão em atividade nas Varas e Foros Trabalhistas, Postos Avançados e Varas Itinerantes. 3) Sinal convencional utilizado: - Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento.

14 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela Servidores em Atividade nas Áreas Administrativa e Judiciária Região Judiciária 1ª Instância Área Judiciária TST/ 2ª Instância Subtotal % Área Administrativa TST/ 2ª Instância TST , , ª - RJ , , ª - SP , , ª - MG , , ª - RS , , ª - BA , , ª - PE , , ª - CE , , ª - PA e AP , , ª - PR , , ª - DF e TO , , ª - AM e RR , , ª - SC , , ª - PB , , ª - RO e AC , , ª - Campinas/SP , , ª - MA , , ª - ES , , ª - GO , , ª - AL , , ª - SE , , ª - RN , , ª - PI , , ª - MT , , ª - MS , ,3 624 Total , , % Total

15 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela Força de Trabalho nas Regiões Judiciárias Região Judiciária Variação Percentual Magistrados Servidores Total Magistrados Servidores Total Magistrados Servidores Total TST ,0-0,9-0,9 1ª - RJ ,2 2,0 2,2 2ª - SP ,6 10,4 9,7 3ª - MG ,3 18,2 16,6 4ª - RS ,6 1,3 1,6 5ª - BA ,9 1,3 1,1 6ª - PE ,8-0,2 0,0 7ª - CE ,5-0,4 0,5 8ª - PA e AP ,7 7,2 7,1 9ª - PR ,5 0,2 0,3 10ª - DF e TO ,0 5,0 4,5 11ª - AM e RR ,9-6,2-6,2 12ª - SC ,8-0,4-0,4 13ª - PB ,5-2,1-1,7 14ª - RO e AC ,3 0,7 0,0 15ª - Campinas/SP ,5 2,8 2,9 16ª - MA ,9 1,9 1,4 17ª - ES ,0-0,1-0,1 18ª - GO ,5 3,2 3,6 19ª - AL ,0 2,4 2,2 20ª - SE ,0 0,0 0,0 21ª - RN ,3 9,6 10,0 22ª - PI ,0 1,3 1,2 23ª - MT ,6 44,4 41,1 24ª - MS ,6 5,6 4,9 Total ,5 4,2 4,1 Nota: Em servidores, estão incluídos o Quadro Permanente, os ocupantes exclusivamente de cargo em comissão e requisitados em atividade em 31/12/2010 e 31/12/2011.

16 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho TST/TRT Tabela Cargos e Funções Comissionadas Existentes na Justiça do Trabalho Funções Comissionadas Cargos Comissionados Total Subtotal Subtotal FC 1 FC 2 FC 3 FC 4 FC 5 FC 6 Vagos CJ 1 CJ 2 CJ 3 CJ 4 Vagos Qtd % Qtd % Qtd % TST , , ,2 1ª , , ,1 2ª , , ,0 3ª , , ,0 4ª , , ,7 5ª , , ,3 6ª , , ,4 7ª , , ,9 8ª , , ,2 9ª , , ,2 10ª , , ,0 11ª , , ,2 12ª , , ,5 13ª , , ,6 14ª , , ,9 15ª , , ,6 16ª , , ,3 17ª , , ,9 18ª , , ,4 19ª , , ,4 20ª , , ,9 21ª , , ,2 22ª , , ,9 23ª , , ,6 24ª , , ,5 Total , , ,0 Notas: 1) % = sobre o total da Justiça do Trabalho; 2) Sinal convencional utilizado: - Dado numérico igual a zero.

17 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela Total de FCs e CJs Existentes em relação ao Total de Servidores em Atividade Região Judiciária FCs/CJs Servidores em Atividade / TST ,9 1ª - RJ ,1 2ª - SP ,7 3ª - MG ,7 4ª - RS ,8 5ª - BA ,7 6ª - PE ,6 7ª - CE ,2 8ª - PA e AP ,7 9ª - PR ,6 10ª - DF e TO ,5 11ª - AM e RR ,8 12ª - SC ,1 13ª - PB ,5 14ª - RO e AC ,2 15ª - Campinas/SP ,2 16ª - MA ,7 17ª - ES ,0 18ª - GO ,2 19ª - AL ,7 20ª - SE ,7 21ª - RN ,2 22ª - PI ,1 23ª - MT ,3 24ª - MS ,0 Total ,5

18 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho MAGISTRADOS PARA CADA HABITANTES Considerando o total de cargos existentes na Justiça do Trabalho, há 2,01 juízes para cada habitantes, 3,6% a mais que em Tabela Magistrados a cada habitantes Magistrados a cada Habitantes Região Variação % Variação % ª - Rio de Janeiro 2,05 2,17 2,04-6,0-0,5 2ª - São Paulo 2,63 2,78 3,26 17,3 24,0 3ª - Minas Gerais 1,55 1,62 1,57-3,1 1,3 4ª - Rio Grande do Sul 2,44 2,51 2,75 9,6 12,7 5ª Bahia 1,46 1,57 1,52-3,2 4,1 6ª Pernambuco 1,67 1,72 1,79 4,1 7,2 7ª Ceará 0,77 0,81 0,91 12,3 18,2 8ª - Pará / Amapá 1,40 1,40 1,35-3,6-3,6 9ª Paraná 1,87 1,95 1,93-1,0 3,2 10ª - DF / Tocantins 2,62 2,65 2,54-4,2-3,1 11ª - Amazonas / Roraima 2,04 2,07 1,95-5,8-4,4 12ª - Santa Catarina 2,06 2,04 2,06 1,0 0,0 13ª Paraíba 1,80 1,81 1,85 2,2 2,8 14ª Rondônia / Acre 3,23 3,17 3,06-3,5-5,3 15ª Campinas 2,12 2,16 2,11-2,3-0,5 16ª Maranhão 0,85 0,84 0,87 3,6 2,4 17ª - Espírito Santo 1,95 2,00 1,92-4,0-1,5 18ª Goiás 1,43 1,45 1,81 24,8 26,6 19ª Alagoas 1,49 1,52 1,59 4,6 6,7 20ª Sergipe 1,53 1,52 1,77 16,4 15,7 21ª - Rio Grande do Norte 1,47 1,47 1,75 19,0 19,0 22ª Piauí 1,08 1,10 1,18 7,3 9,3 23ª - Mato Grosso 2,27 2,30 2,76 20,0 21,6 24ª - Mato Grosso do Sul 2,71 2,66 2,58-3,0-4,8 Média 1,85 1,89 1,96 3,7 5,9 Tribunal Superior do Trabalho 0,01 0,01 0,01 0,0 0,0 Justiça do Trabalho 1,88 1,94 2,01 3,6 6,9 2,2 Figura A. Magistrados a cada habitantes ,1 2,0 1,9 1,8 1,7 1,6 1,5 2,01 1,94 1,88 1,80 1,78 1,81 1,75 1, Ano

19 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho A média entre as Regiões Judiciárias foi de 1,96 juízes a cada habitantes. Dentre os 24 TRTs, 9 apresentaram o indicador acima dessa média: 1ª, 2ª, 4ª, 10ª, 12ª, 14ª, 15ª, 23ª e 24ª Regiões. A 2ª Região apresentou o maior quantitativo, 3,26 e a 16ª Região, o menor, 0,87. Figura B. Magistrados a cada habitantes ª - São Paulo 14ª Rondônia / Acre 23ª - Mato Grosso 4ª - Rio Grande do Sul 24ª - Mato Grosso do Sul 10ª - DF / Tocantins 15ª Campinas 12ª - Santa Catarina 1ª - Rio de Janeiro 11ª - Amazonas / Roraima 9ª Paraná 17ª - Espírito Santo 13ª Paraíba 18ª Goiás 6ª Pernambuco 20ª Sergipe 21ª - Rio Grande do Norte 19ª Alagoas 3ª - Minas Gerais 5ª Bahia 8ª - Pará / Amapá 22ª Piauí 7ª Ceará 16ª Maranhão Média Tribunal Superior do Trabalho Justiça do Trabalho 0,01 0,91 0,87 2,11 2,06 2,04 1,95 1,93 1,92 1,85 1,81 1,79 1,77 1,75 1,59 1,57 1,52 1,35 1,18 1,96 2,01 2,76 2,75 2,58 2,54 3,06 3,26 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5

20 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho SERVIDORES DO QUADRO PERMANENTE POR MAGISTRADO Considerando o total de cargos existentes na Justiça do Trabalho, há 10,57 servidores do Quadro Permanente para cada magistrado, 2,7% a menos que em Nas Regiões Judiciárias, os dados apontam para mesma redução, 2,7%. No entanto, no TST a relação se manteve constante no último ano. Tabela Servidores do Quadro Permanente por Magistrado Justiça do Trabalho Tribunal Superior do Trabalho Servidores do Quadro Permanente por Magistrado Variação % Variação % ,93 77,89 77,89 0,00-0,05 1ª e 2ª Instâncias 10,15 10,36 10,09-2,61-0,59 Total 10,66 10,86 10,57-2,67-0,84 Figura Servidores do Quadro Permanente por Magistrado ,66 Justiça do Trabalho 10,86 10,57 77,93 Tribunal Superior do Trabalho 77,89 77,89 10,15 1ª e 2ª Instâncias 10,36 10,

21 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Houve uma redução de 2,61%, em relação a 2010, no quantitativo de Servidores do Quadro Permanente para cada magistrado nas Regiões Judiciárias. Tabela Servidores do Quadro Permanente por Magistrado. 1ª e 2ª Instâncias Servidores do Quadro Permanente por Magistrado Região Variação % Variação % ª - Rio de Janeiro 11,56 11,56 11,56 0,00 0,00 2ª - São Paulo 8,56 8,56 8,51-0,58-0,58 3ª - Minas Gerais 9,35 10,00 10,00 0,00 6,95 4ª - Rio Grande do Sul 12,57 12,57 11,86-5,65-5,65 5ª Bahia 10,45 10,45 10,67 2,11 2,11 6ª Pernambuco 10,73 10,73 10,67-0,56-0,56 7ª Ceará 13,03 13,02 11,03-15,28-15,35 8ª - Pará / Amapá 9,12 10,54 10,53-0,09 15,46 9ª Paraná 11,30 11,30 11,13-1,50-1,50 10ª - DF / Tocantins 10,94 10,94 10,94 0,00 0,00 11ª - Amazonas / Roraima 13,72 13,58 13,54-0,29-1,31 12ª - Santa Catarina 12,04 12,03 11,98-0,42-0,50 13ª Paraíba 16,46 16,44 15,97-2,86-2,98 14ª Rondônia / Acre 11,07 11,07 11,15 0,72 0,72 15ª Campinas 7,14 7,68 7,68 0,00 7,56 16ª Maranhão 9,91 9,91 9,28-6,36-6,36 17ª - Espírito Santo 10,25 10,25 10,22-0,29-0,29 18ª Goiás 10,55 10,56 8,36-20,83-20,76 19ª Alagoas 8,87 9,47 9,60 1,37 8,23 20ª Sergipe 12,00 12,00 10,84-9,67-9,67 21ª - Rio Grande do Norte 11,96 12,96 11,71-9,65-2,09 22ª Piauí 9,68 9,68 8,86-8,47-8,47 23ª - Mato Grosso 8,10 8,10 7,78-3,95-3,95 24ª - Mato Grosso do Sul 7,47 8,59 8,59 0,00 14,99 Média 10,70 10,92 10,52-3,66-1,68 Regiões Judiciárias 10,15 10,36 10,09-2,61-0,59 Figura A. Servidores do Quadro Permanente por Magistrado. 1ª e 2ª Instâncias ,20 11,00 10,80 10,60 10,40 10,20 10,00 9,80 9,60 10,98 10,76 10,56 10,62 10,36 10,22 10,15 10,

22 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Dentre as Regiões Judiciárias, a com maior quantitativo de Servidores do Quadro Permanente por Magistrado foi a 13ª Região com 15,97. Outras 13 Regiões apresentaram quantitativo de Servidores do Quadro Permanente por Magistrado superior à média nacional: 1ª, 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª, 9ª, 10ª, 11ª, 12ª, 14ª, 20ª e 21ª Regiões. Figura B. Servidores do Quadro Permanente por Magistrado ª Paraíba 15,97 11ª - Amazonas / Roraima 13,54 12ª - Santa Catarina 4ª - Rio Grande do Sul 21ª - Rio Grande do Norte 1ª - Rio de Janeiro 14ª Rondônia / Acre 9ª Paraná 7ª Ceará 10ª - DF / Tocantins 20ª Sergipe 6ª Pernambuco 5ª Bahia 8ª - Pará / Amapá 17ª - Espírito Santo 3ª - Minas Gerais 19ª Alagoas 16ª Maranhão 22ª Piauí 24ª - Mato Grosso do Sul 2ª - São Paulo 18ª Goiás 23ª - Mato Grosso 15ª Campinas Média Regiões Judiciárias 11,98 11,86 11,71 11,56 11,15 11,13 11,03 10,94 10,84 10,67 10,67 10,53 10,22 10,00 9,60 9,28 8,86 8,59 8,51 8,36 7,78 7,68 10,52 10,

23 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho DESPESAS, ARRECADAÇÕES E PAGAMENTOS 2.1. DESPESA POR HABITANTE Em 2011, a despesa da Justiça do Trabalho, para cada habitante do País, foi de R$ 61,80, 5,3% a menos que em Ressalta-se que todos os valores da série histórica foram atualizados monetariamente com base no IPCA/Dezembro de Tabela Despesa da Justiça do Trabalho por Habitante Despesa por Habitante Região Variação % Variação % ª - Rio de Janeiro R$ 80,36 R$ 83,35 R$ 76,23-8,54-5,14 2ª - São Paulo R$ 65,62 R$ 71,01 R$ 66,90-5,79 1,95 3ª - Minas Gerais R$ 57,06 R$ 59,24 R$ 57,08-3,65 0,04 4ª - Rio Grande do Sul R$ 94,26 R$ 97,44 R$ 93,12-4,43-1,21 5ª Bahia R$ 50,81 R$ 53,45 R$ 49,78-6,87-2,03 6ª Pernambuco R$ 61,35 R$ 61,23 R$ 57,18-6,61-6,80 7ª Ceará R$ 29,49 R$ 31,15 R$ 29,33-5,84-0,54 8ª - Pará / Amapá R$ 46,44 R$ 44,81 R$ 42,28-5,65-8,96 9ª Paraná R$ 55,06 R$ 59,38 R$ 57,88-2,53 5,12 10ª - DF / Tocantins R$ 102,20 R$ 101,69 R$ 93,19-8,36-8,82 11ª - Amazonas / Roraima R$ 81,92 R$ 83,79 R$ 71,46-14,72-12,77 12ª - Santa Catarina R$ 81,13 R$ 75,85 R$ 71,04-6,34-12,44 13ª Paraíba R$ 76,95 R$ 75,25 R$ 71,89-4,47-6,58 14ª Rondônia / Acre R$ 103,71 R$ 98,16 R$ 90,83-7,47-12,42 15ª Campinas R$ 47,89 R$ 49,72 R$ 47,85-3,76-0,08 16ª Maranhão R$ 20,21 R$ 21,16 R$ 20,28-4,16 0,35 17ª - Espírito Santo R$ 52,22 R$ 54,12 R$ 51,97-3,97-0,48 18ª Goiás R$ 41,88 R$ 45,11 R$ 41,57-7,85-0,74 19ª Alagoas R$ 42,71 R$ 42,75 R$ 41,74-2,36-2,27 20ª Sergipe R$ 54,66 R$ 53,90 R$ 51,05-5,29-6,60 21ª - Rio Grande do Norte R$ 51,16 R$ 50,43 R$ 48,30-4,22-5,59 22ª Piauí R$ 29,86 R$ 29,45 R$ 28,45-3,40-4,72 23ª - Mato Grosso R$ 53,20 R$ 53,32 R$ 56,28 5,55 5,79 24ª - Mato Grosso do Sul R$ 68,89 R$ 68,32 R$ 60,06-12,09-12,82 Média R$ 60,38 R$ 61,01 R$ 57,32-6,05-5,07 Tribunal Superior do Trabalho R$ 3,91 R$ 3,86 R$ 3,90 1,04-0,26 Justiça do Trabalho R$ 63,58 R$ 65,23 R$ 61,80-5,26-2,80 Figura A. Despesa da Justiça do Trabalho por Habitante R$ 70,00 R$ 60,00 R$ 50,00 R$ 48,14 R$ 49,75 R$ 55,38 R$ 56,17 R$ 60,00 R$ 63,58 R$ 65,23 R$ 61,80 R$ 40,00 R$ 30, Ano

24 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Dez Regiões apresentaram despesa por habitante superior à média nacional: 1ª, 2ª, 4ª, 9ª, 10ª, 11ª, 12ª, 13ª, 14ª e 24ª Regiões. Ressalta-se, entretanto, que nos últimos 6 anos a 16ª Região apresentou o menor custo por habitante. Figura B. Despesa da Justiça do Trabalho por Habitante ª - DF / Tocantins 4ª - Rio Grande do Sul 14ª Rondônia / Acre 1ª - Rio de Janeiro 13ª Paraíba 11ª - Amazonas / Roraima 12ª - Santa Catarina 2ª - São Paulo 24ª - Mato Grosso do Sul 9ª Paraná 6ª Pernambuco 3ª - Minas Gerais 23ª - Mato Grosso 17ª - Espírito Santo 20ª Sergipe 5ª Bahia 21ª - Rio Grande do Norte 15ª Campinas 8ª - Pará / Amapá 19ª Alagoas 18ª Goiás 7ª Ceará 22ª Piauí 16ª Maranhão Média Tribunal Superior do Trabalho Justiça do Trabalho R$ 3,90 R$ 20,28 R$ 29,33 R$ 28,45 R$ 76,23 R$ 71,89 R$ 71,46 R$ 71,04 R$ 66,90 R$ 60,06 R$ 57,88 R$ 57,18 R$ 57,08 R$ 56,28 R$ 51,97 R$ 51,05 R$ 49,78 R$ 48,30 R$ 47,85 R$ 42,28 R$ 41,74 R$ 41,57 R$ 57,32 R$ 61,80 R$ 93,19 R$ 93,12 R$ 90,83 R$ 0,00 R$ 20,00 R$ 40,00 R$ 60,00 R$ 80,00 R$ 100,00

25 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho ARRECADAÇÃO DE CUSTAS, EMOLUMENTOS E TRIBUTOS Em 2011, a arrecadação da Justiça do Trabalho, decorrente de suas decisões, diminuiu 5,34%, totalizando R$ ,96. Ressalta-se que o valor arrecadado em 2010 foi atualizado pelo IPCA de dezembro de 2011, passando a ser de R$ ,06. Os dados apontam que a principal redução nos valores arrecadados foi referente à Arrecadação do Imposto de Renda. Acredita-se que uma alteração na Lei N.º 7.713/88 pela Lei N.º /10 1, que dispõe sobre o recolhimento do imposto de renda em rendimentos recebidos acumuladamente, tenha reduzido essa fonte de arrecadação. O total arrecadado em 2011 correspondeu a 26,6% de toda a despesa orçamentária executada. Região Judiciária Custas Arrecadadas Tabela Arrecadação por Região Judiciária Emolumentos Arrecadados Previdência Social Imposto de Renda Multas Aplicadas pelo Órgão de Fiscalização das Relações de Trabalho Total Valor % TST 36, , ,89 0,00 1ª - RJ , , , , , ,93 18,03 2ª - SP , , , , , ,31 12,74 3ª - MG , , , , , ,43 10,91 4ª - RS , , , , , ,60 11,02 5ª - BA , , , , , ,15 3,72 6ª - PE , , , , , ,56 2,03 7ª - CE , , , , , ,82 0,76 8ª - PA e AP , , , , , ,66 2,66 9ª - PR , , , , , ,83 11,62 10ª - DF e TO , , , , , ,59 2,78 11ª - AM e RR , , , , , ,66 1,34 12ª - SC , , , , , ,55 2,96 13ª - PB , , , , , ,03 0,64 14ª - RO e AC , , , , , ,72 0,63 15ª - Campinas/SP , , , , , ,09 9,40 16ª - MA , , , , , ,72 0,57 17ª - ES , , , , , ,73 2,48 18ª - GO , , , , , ,60 1,62 19ª - AL , , , , , ,51 0,52 20ª - SE , , , , , ,58 0,44 21ª - RN , , , , , ,39 1,12 "Art. 12-A. Os rendimentos do trabalho e os provenientes de aposentadoria, pensão, transferência para a reserva remunerada ou reforma, pagos pela Previdência Social da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, quando correspondentes a anoscalendários anteriores ao do recebimento, serão tributados exclusivamente na fonte, no mês do recebimento ou crédito, em separado dos demais rendimentos recebidos no mês. 1o O imposto será retido, pela pessoa física ou jurídica obrigada ao pagamento ou pela instituição financeira depositária do crédito, e calculado sobre o montante dos rendimentos pagos, mediante a utilização de tabela progressiva resultante da multiplicação da quantidade de meses a que se refiram os rendimentos pelos valores constantes da tabela progressiva mensal correspondente ao mês do recebimento ou crédito.

26 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Região Judiciária Custas Arrecadadas Emolumentos Arrecadados Previdência Social Imposto de Renda Multas Aplicadas pelo Órgão de Fiscalização das Relações de Trabalho Total Valor % 22ª - PI , , , , , ,13 0,45 23ª - MT , , , , , ,01 0,62 24ª - MS , , , , , ,47 0,94 Total , , , , , ,96 100,00 Nota: % calculado sobre o total no País VALORES PAGOS AOS RECLAMANTES Foram pagos aos reclamantes, R$ ,23. Os valores pagos decorrentes de acordos judiciais representaram 27,3% do total e aumentaram 12,8% em relação a Os valores pagos decorrentes da execução da sentença representaram 72,7% e aumentaram 27,0%. Ressalta-se que os valores pagos em 2010 foram atualizados pelo IPCA, conforme consta na tabela abaixo. Tabela Valores Pagos aos Reclamantes Valores Pagos Variação Percentual Decorrentes de Acordo , ,93 12,76 Decorrentes de Execução , ,69 27,00 Decorrentes de Pagamento Espontâneo ,61... Total , ,23 22,77 Notas: 1) Valores expressos em Reais (R$). 2) Sinal convencional utilizado:... Dado indisponível.

27 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Tabela Valores Pagos aos Reclamantes por Região Judiciária Região Judiciária Decorrentes de Acordo % Decorrentes de Execução Valores Pagos % Decorrentes de Pagamento Espontâneo % Valor Total Posição 1ª - RJ ,76 20, ,04 79,7 0,00 0, ,80 4ª 2ª - SP ,14 7, ,83 92, ,97 1ª 3ª - MG ,77 54, ,41 45, ,18 6ª 4ª - RS ,30 17, ,33 82, ,63 2ª 5ª - BA ,46 31, ,66 68, ,12 8ª 6ª - PE ,90 11, ,10 88, ,00 7ª 7ª - CE ,67 34, ,54 65, ,21 23ª 8ª - PA e AP ,71 49, ,56 50, ,27 11ª 9ª - PR ,46 45, ,74 54, ,20 3ª 10ª - DF e TO ,36 19, ,90 80, ,26 9ª 11ª - AM e RR ,31 9, ,87 90, ,18 12ª 12ª - SC ,70 24, ,69 75, ,39 10ª 13ª - PB ,51 33, ,85 66, ,36 19ª 14ª - RO e AC ,59 31, ,44 68, ,03 18ª 15ª - Campinas/SP ,14 35, ,90 64, ,04 5ª 16ª - MA ,02 28, ,76 71, ,78 22ª 17ª - ES ,23 32, ,98 68, ,21 14ª 18ª - GO ,37 38, ,61 61, ,98 13ª 19ª - AL ,86 29, ,03 70, ,89 21ª 20ª - SE ,81 13, ,29 86, ,61 0, ,71 15ª 21ª - RN ,47 24, ,01 75,3 0,00 0, ,48 16ª 22ª - PI ,99 20, ,00 79, ,99 24ª 23ª - MT ,18 42, ,93 58, ,11 17ª 24ª - MS ,22 54, ,22 46, ,44 20ª Total ,93 27, ,69 72, ,61 0, ,23 Notas: 1) Valores expressos em Reais (R$). 2) Percentuais em relação ao total dos valores pagos. 3) A classificação refere-se à ordem decrescente quanto aos valores pagos. 4) Os valores pagos decorrentes de pagamento espontâneo estão disponíveis apenas para os Tribunais que já informam dados pelo Sistema e-gestão.

28 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho LITIGIOSIDADE 3.1. CASOS NOVOS Fase de Conhecimento No TST, foram recebidos casos novos, 8,1% a mais que em Nos TRTs, foram recebidos casos novos, 2,6% a mais que em Do total de processos autuados, , 7,5%, eram do rito sumaríssimo. Foram autuados 958 Dissídios Coletivos, 1,5% a mais que em Nos últimos 7 anos, no 2º Grau, 10 TRTs estiveram sempre entre os que mais receberam processos a cada ano: 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, 9ª, 10ª, 12ª e 15ª Regiões. Os TRTs da 2ª e 15ª Regiões ocuparam, respectivamente, a 1ª e a 2ª posição em todos os anos. Nas Varas, foram recebidos casos novos, 6,2% a mais que em À exceção da 9ª, 13ª, 14ª, 16ª e 23ª Regiões, houve aumento no quantitativo de casos novos em todas as demais Regiões Judiciárias. No estado de São Paulo, foram ajuizados 27,6% do total de casos novos, enquanto nos estados de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, foram ajuizados 11,2% e 10,2%, respectivamente. As ações recebidas como rito sumaríssimo totalizaram , 14,1% do total de ações ajuizadas; 4 Regiões Judiciárias apresentaram percentual superior a 50,0%: 11ª com 61,4%, 7ª com 59,9%, 18ª com 58,1% e 8ª com 54,0%. É importante destacar que todos os Estados da Região Sul apresentaram percentuais abaixo de 20,0%. A Tabela abaixo apresenta a distribuição das Varas segundo o quantitativo de casos novos recebidos. A vara que recebeu mais processos, pelo terceiro ano consecutivo, foi a 1ª VT de Ceres, em Goiás, com ações ajuizadas. Tabela Distribuição de varas de acordo com o intervalo em que se enquadram os seus quantitativos de casos novos recebidos Casos Novos Recebidos Varas do Trabalho Quantidade % até ,8 de 501 a ,2 de a ,6 de a ,1 de a ,9 de a ,7 acima de ,7 Total ,0 Nos últimos 7 anos, no 1º Grau, 8 Regiões Judiciárias estiveram entre as que mais receberam processos a cada ano: 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, 9ª e 15ª Regiões. A 2ª e a 15ª Região ocuparam a 1ª e a 2ª posição, respectivamente, em todos os anos.

29 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho CASOS NOVOS A CADA HABITANTES Fase de Conhecimento Em 2011, a cada habitantes do País, 88 ingressaram com ação ou recurso no Tribunal Superior do Trabalho, 296 nos Tribunais Regionais do Trabalho e nas Varas do Trabalho. Houve um aumento de 1,91% em relação a 2010, no quantitativo de casos novos na Justiça do Trabalho a cada habitantes. Tabela Casos Novos a cada habitantes Justiça do Trabalho Tribunal Superior do Trabalho Tribunais Regionais do Trabalho Casos Novos a cada Habitantes Variação % Variação % ,17 84,58 88,27 4,36 7,42 280,68 298,62 295,91-0,91 5,43 Varas do Trabalho 1.100, , ,16 2,50-0,31 Total 1.463, , ,34 1,91 1,22 Figura Casos Novos a cada habitantes Justiça do Trabalho 1.463, , ,34 Tribunal Superior do Trabalho 82,17 84,58 88,27 Tribunais Regionais do Trabalho 280,68 298,62 295,91 Varas do Trabalho 1.100, , ,

30 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Na 2ª Instância, houve uma redução de 0,91%, em relação a 2010, no quantitativo de casos novos a cada habitantes. Tabela Casos Novos a cada habitantes. 2ª Instância Casos Novos a cada Habitantes (2ª Instância) Região Variação % Variação % ª - Rio de Janeiro 229,04 310,70 341,58 9,94 49,14 2ª - São Paulo 485,97 461,40 440,37-4,56-9,38 3ª - Minas Gerais 278,67 310,02 315,80 1,86 13,32 4ª - Rio Grande do Sul 494,48 452,32 480,39 6,21-2,85 5ª Bahia 194,43 207,37 173,17-16,49-10,93 6ª Pernambuco 204,42 225,01 202,77-9,88-0,81 7ª Ceará 105,65 112,52 89,60-20,37-15,19 8ª - Pará / Amapá 155,33 144,08 138,36-3,97-10,93 9ª Paraná 315,12 349,77 382,71 9,42 21,45 10ª - DF / Tocantins 362,07 366,06 378,05 3,28 4,41 11ª - Amazonas / Roraima 226,64 163,00 191,34 17,39-15,58 12ª - Santa Catarina 342,29 323,49 344,78 6,58 0,73 13ª Paraíba 214,56 229,40 192,12-16,25-10,46 14ª Rondônia / Acre 170,43 203,46 194,98-4,17 14,40 15ª Campinas 320,53 407,86 386,62-5,21 20,62 16ª Maranhão 84,59 113,10 134,49 18,91 58,99 17ª - Espírito Santo 298,64 303,26 311,33 2,66 4,25 18ª Goiás 204,56 230,98 223,58-3,20 9,30 19ª Alagoas 145,72 173,85 145,86-16,10 0,10 20ª Sergipe 211,57 219,32 220,78 0,67 4,35 21ª - Rio Grande do Norte 377,97 326,10 231,28-29,08-38,81 22ª Piauí 157,22 175,28 215,68 23,05 37,18 23ª - Mato Grosso 190,66 204,70 174,78-14,62-8,33 24ª - Mato Grosso do Sul 275,54 263,08 303,41 15,33 10,11 Média 251,92 261,51 258,91-0,99 2,77 2ª Instância 280,68 298,62 295,91-0,91 5,43 Figura A. Casos Novos a cada habitantes. 2ª Instância ,87 298,62 295,91 280,58 280,68 225,80 230,06 235, Ano

31 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho As 10 Regiões que apresentaram casos novos a cada habitantes superiores à média da 2ª Instância foram: 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 9ª, 10ª, 12ª, 15ª, 17ª e 24ª Regiões. Na 2ª Instância, o TRT da 4ª Região apresentou o maior quantitativo, 480, e o TRT da 7ª Região, o menor, 90. Figura B. Casos Novos a cada habitantes. 2ª Instância ª - Rio Grande do Sul 2ª - São Paulo 440,37 480,39 15ª Campinas 9ª Paraná 10ª - DF / Tocantins 12ª - Santa Catarina 1ª - Rio de Janeiro 3ª - Minas Gerais 17ª - Espírito Santo 24ª - Mato Grosso do Sul 386,62 382,71 378,05 344,78 341,58 315,80 311,33 303,41 21ª - Rio Grande do Norte 18ª Goiás 20ª Sergipe 22ª Piauí 6ª Pernambuco 14ª Rondônia / Acre 13ª Paraíba 11ª - Amazonas / Roraima 23ª - Mato Grosso 5ª Bahia 19ª Alagoas 8ª - Pará / Amapá 16ª Maranhão 231,28 223,58 220,78 215,68 202,77 194,98 192,12 191,34 174,78 173,17 145,86 138,36 134,49 7ª Ceará 89,60 Média 2ª Instância 258,91 295,

32 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Nas Varas do Trabalho, houve um aumento de 2,5%, em relação a 2010, no quantitativo de casos novos a cada habitantes. Os dados apontam para uma estabilidade no indicador de casos novos por habitantes, com uma variação de menos de 2,0% nos últimos 2 anos. Tabela Casos Novos a cada habitantes. 1ª Instância Casos Novos a cada Habitantes (1ª Instância) Região Variação % Variação % ª - Rio de Janeiro 1.333, , ,64 1,46 0,31 2ª - São Paulo 1.579, , ,62 0,18 1,27 3ª - Minas Gerais 1.104, , ,67 2,39 8,25 4ª - Rio Grande do Sul 1.276, , ,41 7,38-1,07 5ª Bahia 817,65 783,35 774,43-1,14-5,29 6ª Pernambuco 1.036, , ,80 10,50 7,09 7ª Ceará 523,36 500,86 519,17 3,66-0,80 8ª - Pará / Amapá 952,56 845,33 866,22 2,47-9,06 9ª Paraná 1.094, , ,48-2,58 0,31 10ª - DF / Tocantins 1.539, , ,50 19,15-4,65 11ª - Amazonas / Roraima 1.393, , ,19 2,65-2,85 12ª - Santa Catarina 1.022, , ,04 1,77 1,31 13ª Paraíba 652,42 556,98 505,02-9,33-22,59 14ª Rondônia / Acre 1.009, , ,88-3,66 8,35 15ª Campinas 1.243, , ,47 3,04-3,89 16ª Maranhão 485,24 460,93 436,71-5,25-10,00 17ª - Espírito Santo 909,73 857,29 862,35 0,59-5,21 18ª Goiás 1.084, , ,84-2,69 7,12 19ª Alagoas 874,27 854,75 914,84 7,03 4,64 20ª Sergipe 870,93 767,68 861,89 12,27-1,04 21ª - Rio Grande do Norte 926,46 676,26 760,76 12,50-17,89 22ª Piauí 604,20 603,51 687,00 13,83 13,70 23ª - Mato Grosso 972,55 985,78 923,07-6,36-5,09 24ª - Mato Grosso do Sul 1.093, , ,93 2,14-3,41 Média 1.016,68 973, ,29 3,01-1,32 1ª Instância 1.100, , ,16 2,50-0,31 Figura A. Casos Novos a cada habitantes. 1ª Instância , , ,16 992, ,53 944,29 946,23 879, Ano

33 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Ressalta-se que, na 1ª Instância, pelo 6º ano consecutivo, a 2ª Região apresentou o maior quantitativo de casos novos a cada habitantes; a 16ª Região, por outro lado, apresentou o menor desde As 13 Regiões que apresentaram casos novos a cada habitantes superiores à média da 1ª Instância foram: 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 6ª, 9ª, 10ª, 11ª, 12ª, 14ª, 15ª, 18ª e 24ª Regiões. Figura B. Casos Novos a cada habitantes. 1ª Instância ª - São Paulo 10ª - DF / Tocantins 11ª - Amazonas / Roraima 1ª - Rio de Janeiro 4ª - Rio Grande do Sul 3ª - Minas Gerais 15ª Campinas 18ª Goiás 6ª Pernambuco 9ª Paraná 14ª Rondônia / Acre 24ª - Mato Grosso do Sul 12ª - Santa Catarina 23ª - Mato Grosso 19ª Alagoas 8ª - Pará / Amapá 17ª - Espírito Santo 20ª Sergipe 5ª Bahia 21ª - Rio Grande do Norte 22ª Piauí 1.599, , , , , , , , , , , , ,04 923,07 914,84 866,22 862,35 861,89 774,43 760, ª Ceará 13ª Paraíba 16ª Maranhão 505,02 436,71 519,17 Média 1ª Instância 1.003, ,16 0,00 400,00 800, , , ,00

34 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho CASOS NOVOS POR MAGISTRADO Fase de Conhecimento Considerando o total de cargos existentes na Justiça do Trabalho, o quantitativo de Casos Novos por Magistrado foi de 835 processos, 11,35% superior ao do ano anterior. O Tribunal Superior do Trabalho teve o maior quantitativo, processos por Ministro. Na 2ª Instância, esse quantitativo foi de processos e, na 1ª Instância, de 745. Tabela Casos Novos por Magistrado Justiça do Trabalho Tribunal Superior do Trabalho Tribunais Regionais do Trabalho Casos Novos por Magistrado (Cargos Existentes) Variação % Variação % , , ,56 8,12 7, , , ,56-1,24 1,91 Varas do Trabalho 693,01 653,72 745,05 13,97 7,51 Total 778,20 749,68 834,74 11,35 7,27 Figura Casos Novos por Magistrado Justiça do Trabalho 778,20 749,68 834,74 Tribunal Superior do Trabalho 5.827, , ,56 Tribunais Regionais do Trabalho 1.008, , ,56 Varas do Trabalho 693,01 653,72 745,

35 Consolidação Estatística da Justiça do Trabalho Apesar da redução de 1,24%, em relação a 2010, no quantitativo de Casos Novos por Magistrado nos Tribunais Regionais do Trabalho, os dados apontam que essa relação tem variado pouco nos últimos dois anos. Tabela Casos Novos por Magistrado. 2ª Instância Casos Novos por Magistrado (2ª Instância) Região Variação % Variação % ª - Rio de Janeiro 679,07 873, ,20 16,69 50,09 2ª - São Paulo 1.102,43 991, ,48 1,02-9,16 3ª - Minas Gerais 1.550, , ,67 4,89 11,60 4ª - Rio Grande do Sul 1.499, , ,17-19,17-28,35 5ª Bahia 981,38 974,93 841,83-13,65-14,22 6ª Pernambuco 1.000, ,72 946,05-11,40-5,45 7ª Ceará 645,07 657,43 545,93-16,96-15,37 8ª - Pará / Amapá 544,17 506,96 503,70-0,64-7,44 9ª Paraná 1.202, , ,81 1,19 7,91 10ª - DF / Tocantins 830,41 827,53 891,94 7,78 7,41 11ª - Amazonas / Roraima 617,57 439,64 546,50 24,31-11,51 12ª - Santa Catarina 1.163, , ,00 8,97 3,99 13ª Paraíba 1.011, ,38 728,40-32,33-27,96 14ª Rondônia / Acre 467,63 570,38 566,13-0,75 21,06 15ª Campinas 1.169, , ,65-2,88 21,52 16ª Maranhão 673,25 908, ,25 23,01 65,95 17ª - Espírito Santo 867,83 857,42 920,25 7,33 6,04 18ª Goiás 932, ,23 971,07-6,56 4,13 19ª Alagoas 574,88 672,38 573,13-14,76-0,30 20ª Sergipe 534,13 558,25 576,75 3,31 7,98 21ª - Rio Grande do Norte 1.482, ,38 739,80-41,86-50,09 22ª Piauí 618,13 676,25 846,63 25,19 36,97 23ª - Mato Grosso 715,38 756,00 672,00-11,11-6,06 24ª - Mato Grosso do Sul 813,00 790,63 939,63 18,85 15,58 Média 903,17 931,30 903,37-3,00 0,02 2ª Instância 1.008, , ,56-1,24 1,91 Figura A. Casos Novos por Magistrado. 2ª Instância , , , , ,35 948,29 915,21 885, Ano

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO. Relatório. Analítico

RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO. Relatório. Analítico RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO Relatório Analítico 2015 Coordenadoria de Estatística e Pesquisa do TST Relatório Geral da Justiça do Trabalho 9 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 13 1.1. ÓRGÃOS JUDICIÁRIOS

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil As Políticas Públicas de Emprego no Brasil 1 Índice 1. Mercado de Trabalho no Brasil 2. FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador 2.1. Programas e Ações 2.2. Principais avanços na execução dos Programas e Ações

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Aspec Informática - Tecnologia da Informação Plano de Numeração dos Ramais. Revisão 07/07/2015 12:02:36

Aspec Informática - Tecnologia da Informação Plano de Numeração dos Ramais. Revisão 07/07/2015 12:02:36 UF Estado Capital DDD SP São Paulo São Paulo 11 RJ Rio de Janeiro Rio de Janeiro 21 ES Espírito Santo Vitória 27 MG Minas Gerais Belo Horizonte 31 PR Paraná Curitiba 41 SC Santa Catarina Florianópolis

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

ANEXO EDITAL PGR/MPU Nº 43/2008

ANEXO EDITAL PGR/MPU Nº 43/2008 AN10100 - ANALISTA PROCESSUAL AL MPF PROCURADORIA DA REPUBLICA - ALAGOAS 2 AM MPF PROCURADORIA DA REPUBLICA - AMAZONAS 2 AM MPF PROCURADORIA DA REPUBLICA NO MUNICIPIO DE TABATINGA-AM 1 AM MPM PROCURADORIA

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

= PIB Dados D PJ PIB G 1

= PIB Dados D PJ PIB G 1 ANO-BASE 23 1. INSUMOS, DOTAÇÕES E GRAUS DE UTILIZAÇÃO DESPESAS 1.1. DESPESA DA JUSTIÇA FEDERAL SOBRE O PIB G 1 = DPJ PIB Dados D PJ PIB G 1 1ª Região 735.982.911 418.75.626.864,176% 2ª Região 433.545.338

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 621/CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 621/CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA Fixa o quantitativo de vagas de estágio no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho. ATO Nº 621/CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011 O PRESIDENTE DO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa

Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa RR AP Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa desenvolvedora do PAF-ECF. As Medidas Judiciais que desobrigam a prestação da Carta

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000 5. órgãos do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Partindo da figura da engrenagem, presente na logo atual do CFC, o novo logo desenvolvido mantém uma relação com o passado da instituição, porém com um olhar no presente e no futuro, na evolução e ascensão

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação Endereços das Secretarias Estaduais de Educação ACRE MARIA CORRÊA DA SILVA Secretária de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907- Aeroporto Velho CEP: 69903-420 - Rio Branco - AC Fone: (68)

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados Apresentação Este relatório apresenta os resultados da 14ª Avaliação de Perdas realizada com os principais supermercados do Brasil. As edições

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Agosto de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 03 o Sumário... 04 o Perfil dos respondentes... 05 o Pretensão

Leia mais

Página 1 de 8 IPI - Jurisdição - Regiões fiscais 18 de Maio de 2012 Em face da publicação da Portaria MF nº 203/2012 - DOU 1 de 17.05.2012, este procedimento foi atualizado (novas disposições - tópico

Leia mais

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O...

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... ÍNDICE AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... 6 1 O ATUAL ESTÁGIO DE IMPLANTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO SETOR PÚBLICO... 7 2 VARIÁVEIS E DADOS UTILIZADOS... 8 VARIÁVEL I... 8 VARIÁVEL

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

1. O C. TST aprovou a Resolução 159/2009 que alterou a OJ 342 nos seguintes termos: RESOLUÇÃO TST Nº 159 DE DJe

1. O C. TST aprovou a Resolução 159/2009 que alterou a OJ 342 nos seguintes termos: RESOLUÇÃO TST Nº 159 DE DJe BOLETIM SINDICAL 10 DE 2009 TEMA: Decisões TST. ENVIADO EM 25 de novembro de 2009 1. O C. TST aprovou a Resolução 159/2009 que alterou a OJ 342 nos seguintes termos: RESOLUÇÃO TST Nº 159 DE 16.11.2009

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA

ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA Visas Estaduais ACRE AC ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA Gerente Da Divisão De Vigilância Sanitária Estadual Rua Benjamim Constant, Nº 830, 4º Andar - Centro CEP: 69908-520 Rio Branco AC Tel.: (68) 3215-2774

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS EM CULTURA NO BRASIL v. 1 Gastos públicos com cultura no Brasil: 1985-1995 Contrato de prestação de serviços que entre si celebram a União Federal, por intermédio da Secretaria

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica Receita Federal do Brasil Ricardo Rezende Barbosa nfe@sefaz.pi.gov.br 06 de dezembro de 2007 Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica Luiz Antonio Baptista

Leia mais

Release Notes. A seguir são apresentadas as funções implementadas na linha de produto TOTVS Service SOA, expedidas neste pacote de atualização.

Release Notes. A seguir são apresentadas as funções implementadas na linha de produto TOTVS Service SOA, expedidas neste pacote de atualização. TSS Notas de Release 2.26 Produto TOTVS Service SOA Versão 11 Data 10/02/14 A seguir são apresentadas as funções implementadas na linha de produto TOTVS Service SOA, expedidas neste pacote de atualização.

Leia mais

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Consultor Sebrae Nacional PARCERIAS MPOG - Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão/SLTI CONSAD Conselho Nacional de Secretários

Leia mais

RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO 2010

RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO 2010 RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO C O M P O S I Ç Ã O ATUAL Ministro JOÃO ORESTE DALAZEN - Presidente Ministra MARIA CRISTINA IRIGOYEN PEDUZZI - Vice-Presidente

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Pesquisa da 10ª Semana de Museus Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Panorama geral - Pesquisa da 10ª Semana Nº entradas

Leia mais

4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012

4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012 4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012 Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e Região Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região Fetec-CUT(PR)

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais I Seminário Estadual do SIOPS João Pessoa / PB 07 de maio de 2014 O que é o SIOPS? Sistema de informação que coleta,

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 108/2015. Alterada a jurisprudência do TST sobre súmulas e orientações jurisprudenciais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 108/2015. Alterada a jurisprudência do TST sobre súmulas e orientações jurisprudenciais DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 267/2015-05/11/2015 BOLETIM 108/2015 Alterada a jurisprudência do TST sobre súmulas e orientações jurisprudenciais Por meio da Resolução do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET 7 INSTITUIÇÕES 370 GRUPOS REGIÃO NORTE - 8 INSTITUIÇÕES

Leia mais

1.000.000 NACIONAL F 4 2 90 0 100 1.000.000 TOTAL - FISCAL 1.000.000 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 1.000.000

1.000.000 NACIONAL F 4 2 90 0 100 1.000.000 TOTAL - FISCAL 1.000.000 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 1.000.000 ORGAO : 12000 - JUSTICA FEDERAL UNIDADE : 12101 - JUSTICA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU 0569 PRESTACAO JURISDICIONAL NA JUSTICA FEDERAL 1.000.000 02 061 0569 4257 JULGAMENTO DE CAUSAS NA JUSTICA FEDERAL 1.000.000

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Assessoria Internacional

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Assessoria Internacional COORDENADORES REGIONAIS ACRE Josenir de Araújo Calixto Coordenador do Ensino Médio Coordenação de Ensino Médio Secretaria de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907 Aeroporto Velho 69903-420

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE D TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2016 PRIMEIRA FASE REF ROD DATA - DIA HORA GR JOGO ESTÁDIO CIDADE 1ª 12/06 - Dom A1 Rondônia RO x Amazonas AM A1 Acre AC x Amapá AP A2 Tocantins

Leia mais