Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Demográfica das Empresas da IBSS"

Transcrição

1 CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento, de entrada e saída das empresas do mercado. Neste capítulo, analisam-se alguns aspectos do padrão de demografia das empresas brasileiras pertencentes à Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI (IBSS), em particular os movimentos de entrada (criação ou nascimento) e saída (extinção ou morte) de empresas do mercado e a distribuição das empresas de acordo com seu tempo de existência, tendo como base as informações do Cadastro Central de Empresas CEMPRE 1 referente ao ano de São analisados, também, os impactos da criação e extinção de empresas sobre o número de empresas existentes e o número de pessoas ocupadas, bem como a sobrevivência das unidades locais criadas em 2000, em períodos subseqüentes. É importante ressaltar que as informações oriundas do CEMPRE divergem daquelas apresentadas pelos resultados das pesquisas econômicas do IBGE, em particular, no caso da IBSS, da Pesquisa Anual de Serviços - PAS. A amostra da PAS do ano n é selecionada tendo como base informações do CEMPRE do ano n-1. Além disso, no caso da PAS, as informações das empresas selecionadas nas amostras são checadas in loco, no ano n+1, para todo o universo das empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas e para as de menor porte constantes no estrato amostrado da amostra. Os casos de não-realização de coleta (saída do mercado, mudança de atividade, impossibilidade de localização etc.) recebem tratamentos amostrais distintos, podendo alterar os totais populacionais após sua expansão. Estrutura das Empresas em 2005 Em 2005, o Cadastro Central de Empresas foi integrado por 5,7 milhões de empresas e outras organizações ativas, correspondendo a 6,1 milhões de unidades locais, que ocuparam 39,6 milhões de pessoas e pagaram aos assalariados R$ 444,3 bilhões em salários e outras remunerações. O segmento empresarial correspondia a 5,1 milhões de empresas, que ocupavam 29,1 milhões de pessoas e pagaram cerca de R$279,6 bilhões em salários e outras remunerações. Já a IBSS correspondia a 118,1 mil empresas e 121,5 mil unidades locais, com 447,0 mil pessoas ocupadas, que receberam R$ 6,6 bilhões a título de salários e outras remunerações (Tabela 4.1). 64 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

2 Parte 1.:..:::.. A Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI - IBSS Tabela Dados Gerais das empresas e outras organizações constantes no CEMPRE, segundo total das empresas e outras organizações, das empresas e da IBSS 2005 Segmento do CEMPRE Número de empresas Número de unidades locais Pessoal ocupado total Salários e outras remunerações (R$1mil) Total CEMPRE Total de empresas IBSS Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Cadastro Central de Empresas 2005 Em relação ao porte das empresas medido através de faixas de pessoal ocupado - e comparando a IBSS com o total de empresas Brasil, constantes no CEMPRE 2005, observou-se que, em ambos os segmentos, a concentração de empresas ocorreu fortemente na faixa de 0 a 4 pessoas ocupadas e a concentração do pessoal ocupado nas faixas das menores e maiores empresas. Entretanto, pode-se observar que o percentual de empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas na IBSS (1,4%) é menos da metade daquele apresentado pelo total das empresas (Tabelas 4.2 e 4.3). Tabela Distribuição do pessoal ocupado nas empresas da IBSS, segundo faixas de pessoal ocupado - Brasil 2005 Faixa de PO Total Nº de Empresas Pessoal Ocupado Total Total Participação (%) Total Participação (%) Total , ,0 0 a 4 pessoas , ,5 5 a 19 pessoas , ,8 20 a 99 pessoas , ,0 100 pessoas ou mais 263 0, ,7 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Cadastro Central de Empresas 2005 Tabela Distribuição do pessoal ocupado no total empresas do CEMPRE, segundo faixas de pessoal ocupado Brasil, 2005 Faixa de PO Total Nº de Empresas Pessoal Ocupado Total Total Participação (%) Total Participação (%) Total , ,0 0 a 4 pessoas , ,6 5 a 19 pessoas , ,0 20 a 99 pessoas , ,5 100 pessoas ou mais , ,9 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Cadastro Central de Empresas 2005 Tempo de Permanência no Mercado A participação percentual do número de empresas, segundo classes de idade, é definida pelo número de anos transcorridos desde o ano de fundação das empresas até a o ano de referência da análise. De acordo com a Figura 4.1, comparativamente com o Total Brasil, em 2005, uma porcentagem maior de empresas de software e.::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 65

3 Capítulo 4.::.:.: Análise Demográfica das Empresas da IBSS serviços de TI existia há menos tempo no mercado. Enquanto 62,4% das empresas brasileiras estavam estabelecidas no mercado há menos de 10 anos, no segmento das empresas de software e serviços, esta parcela corresponde a 83,9%. Próximo a dois terços dessas empresas (63,9%) foi criado há menos de 5 anos. Apenas 0,2% desse total foi criado há 30 anos ou mais. Figura Distribuição das empresas da IBSS e do Total Brasil, considerando faixa de tempo de permanência no mercado Brasil, ,9% IBSS Brasil 42,1% 20,0% 20,4% 14,6% 27,2% 7,4% 1,2% 0,2% 2,9% 0 a 5 anos 6 a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 ou + anos Quanto à distribuição do pessoal ocupado nas empresas, de acordo com as faixas de idade, comparativamente com o total para o Brasil, em 2005, observa-se que a estrutura da distribuição não é próxima para as faixas de empresas de menor e maior idades. Enquanto, na IBSS, a concentração de pessoal ocupado foi maior para as empresas com até 5 anos de existência (41,0%), para o total das empresas, as faixas a partir de 20 anos de existência concentravam 31,5%. Para essas mesmas faixas, a IBSS concentrava apenas 15,2% do pessoal ocupado (Figura 4.2). Figura Distribuição das pessoas ocupadas em empresas da IBSS e do Total Brasil, considerando faixa de permanência no mercado Brasil, ,0% IBSS Brasil 26,0% 18,5% 17,8% 25,3% 24,7% 5,7% 11,5% 9,5% 20,0% 0 a 5 anos 6 a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 ou + anos A Figura 4.3 apresenta informações sobre a IBSS mostrando que, em termos relativos, houve uma concentração maior de pessoal ocupado nas empresas mais antigas: as empresas com trinta anos ou mais de existência, que representam 0,2%do total, concentravam 9,5% do total do pessoal ocupado, enquanto que na faixa de idade até cinco anos, encontravam-se 63,9% das empresas da IBSS, que concentravam 41,0% do pessoal ocupado. 66 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

4 Parte 1.:..:::.. A Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI - IBSS Tal e qual a distribuição das empresas como um todo, em 2005, a média do pessoal ocupado por empresa na IBSS cresceu na medida em que aumentou a faixa de idade das mesmas. Esse fato evidencia que o tamanho das empresas está relacionado à sua permanência no mercado e que as empresas maiores e mais antigas têm maior facilidade para o desenvolvimento de competências necessárias à sobrevivência em um mercado cada vez mais competitivo. Figura Distribuição das empresas e do pessoal ocupado na IBSS, considerando tempo de permanência no mercado Brasil, ,9% Tempo de permanência Pessoal ocupado 41,0% 20,0% 18,5% 14,6% 25,3% 5,7% 1,2% 0,2% 9,5% 0 a 5 anos 6 a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 ou + anos A Entrada e Saída de Empresas no Mercado Considerando o conjunto das atividades econômicas, para o ano de 2005, a IBSS (Divisão 72 da CNAE 1.0) apresentou a maior taxa de entrada de empresas no mercado (Figura 4.4) e a segunda menor taxa de saída, sendo menor apenas a da divisão Saúde e serviços sociais com uma taxa de saída de 7,0% (Figura 4.5). Ressalte-se ainda que a IBSS apresentou a maior diferença entre as taxas de entrada e saída do mercado (11,6 p.p) seguida pela atividade de Transporte, armazenagem e telecomunicações (8,5 p.p) e Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às empresas (7,5 p.p), conforme ilustra a Figura 4.6. Em 2005, na IBSS, surgiram 21,5 mil empresas e foram extintas 9,2 mil, resultando em um saldo líquido de 12,3 mil empresas, que correspondeu a uma taxa de entrada de 20,3% e a uma taxa de saída do mercado de 8,7%. No setor empresarial brasileiro, as taxas de entrada e saída no mercado corresponderam, respectivamente a 16,3% e 11,2%. Entre 2004 e 2005, na IBSS, o saldo de pessoas ocupadas resultando da diferença entre as empresas que entraram e as empresas que saíram do mercado foi positivo em 23,3 mil pessoas (Tabela 4.4). Quanto às classes, a IBSS chama atenção para a COHW (consultoria em hardware), como a única classe em que a entrada de empresas no mercado, em 2005, foi menor que a saída (1.575 e empresas, respectivamente). O saldo negativo também se fez presente no pessoal ocupado: pessoas ocupadas. Como já registrado no Capítulo 2, esse saldo negativo deve-se, parcialmente, a uma reestruturação da classe provocada em parte pela redução no número de cooperativas e sócios cooperados..::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 67

5 Capítulo 4.::.:.: Análise Demográfica das Empresas da IBSS Figura Taxa de entrada de empresas no mercado, considerando atividade econômica e média Brasil Brasil, ,3% Brasil Indústrias extrativas Saúde e serviços sociais Indústrias de transformação Intermediação financeira, seguros e previdência complementar Educação Comércio, rep. de veículos automotores, objetos pessoais e domésticos Alojamento e alimentação Produção e distribuição de eletricidade, gás e água Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às empresas Agricultura, pecuária, silvicultura e exploração florestal Construção Transporte, armazenagem e comunicações Outros serviços coletivos, sociais e pessoais Pesca IBSS 12,5% 13,6% 14,1% 15,0% 15,2% 16,0% 17,3% 17,5% 17,7% 17,9% 18,3% 18,8% 19,7% 19,8% 20,3% Figura Taxa de saída de empresas no mercado, considerando atividade econômica e média Brasil Brasil, 2005 Saúde e serviços sociais IBSS Indústrias de transformação Educação Transporte, armazenagem e comunicações Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às empresas Indústrias extrativas Intermediação financeira, seguros e previdência complementar Agricultura, pecuária, silvicultura e exploração florestal Comércio, rep. de veículos automotores, objetos pessoais e domésticos Alojamento e alimentação Outros serviços coletivos, sociais e pessoais Produção e distribuição de eletricidade, gás e água Construção Pesca 7,0% 8,7% 9,8% 9,9% 11,2% Brasil 10,2% 10,2% 10,4% 10,7% 11,2% 11,6% 12,7% 12,8% 13,1% 13,8% 15,6% 68 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

6 Parte 1.:..:::.. A Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI - IBSS Figura Saldo das taxas de entrada e saída de empresas no mercado, considerando atividade econômica e média Brasil Brasil, em pontos percentuais (p.p) Indústrias extrativas Pesca Indústrias de transformação Intermediação financeira, seguros e previdência complementar Produção e distribuição de eletricidade, gás e água Comércio, rep. de veículos automotores, objetos pessoais e domésticos Construção Alojamento e alimentação Educação Saúde e serviços sociais Agricultura, pecuária, silvicultura e exploração florestal Outros serviços coletivos, sociais e pessoais Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às empresas Transporte, armazenagem e comunicações IBSS 5,1 p.p Brasil 2,1 p.p 4,2 p.p 4,3 p.p 4,3 p.p 4,4 p.p 4,4 p.p 4,5 p.p 4,6 p.p 5,3 p.p 6,6 p.p 6,7 p.p 6,9 p.p 7,5 p.p 8,6 p.p 11,6 p.p Tabela Distribuição da entrada e saída das empresas e do pessoal ocupado na IBSS, segundo classes de atividade da CNAE 1.0 Brasil, 2005 Classe da CNAE 1.0 Número de empresas Entrada Saída Saldo Pessoal Ocupado Número de empresas Pessoal Ocupado Número de empresas Pessoal Ocupado Total COHW PROD ENCO PROC BD MANU OUTR Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Cadastro Central de Empresas 2004 e 2005 A análise das taxas de entrada e saída do mercado por porte das empresas e classe da IBSS (Figuras 4.7 e 4.8) permite observar que as maiores taxas de entrada e de saída de empresas do mercado ocorreram na faixa de 0 a 4 pessoas ocupadas, que é a faixa que concentra a maior quantidade de empresas: 91,1% da IBSS, segundo a Tabela 4.2. Em termos relativos, na classe BD (atividades de bancos de dados e distribuição online de conteúdo eletrônico) foram observadas as maiores taxas de entrada e saída de empresas no mercado (32,9% e 12,6%, respectivamente). A taxa de entrada de 4,25% de empresas com 100 ou mais ocupados na classe PROD (desenvolvimento.::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 69

7 Capítulo 4.::.:.: Análise Demográfica das Empresas da IBSS e edição de software pronto para uso) pode ser explicada pela existência de fusões entre empresas e pela entrada de empresas estrangeiras de grande porte 2. Já as taxas de saída de mercado das empresas de maior porte (20 ou mais ocupados), observadas nas classes COHW, PROC (processamento de dados), MANU (manutenção e reparação de máquinas de escritório e de informática) e OUTR (outras atividades de informática, não especificadas anteriormente), podem significar a existência de cisões de empresas no período. Figura Taxa de entrada de empresas da IBSS no mercado, considerando classe e porte Brasil, % 0 a 4 ocupados 5 a 19 ocupados 20 a 99 ocupados 100 e + ocupados 30% 25% 20% 20,3% IBSS 15% 10% 5% 0% COHW PROD ENCO PROC BD MANU OUTR Figura Taxa de saída de empresas da IBSS do mercado, considerando classe e porte Brasil, % 0 a 4 ocupados 5 a 19 ocupados 20 a 99 ocupados 100 e + ocupados 30% 25% 20% 15% 10% 8,7% IBSS 5% 0% COHW PROD ENCO PROC BD MANU OUTR Chama atenção, entretanto, as diferenças entre as taxas de entrada e saída de empresas do mercado entre as classes da IBSS. Enquanto na classe COHW o saldo apresentou variações próximas a zero, indicando a existência de relativa rotatividade de empresas, nas demais atividades o saldo foi positivo para as empresas de menor porte. Na classe BD, o saldo foi positivo para entrada de pequenas empresas (20,4 p.p) e negativo para a classe imediatamente superior (-1,0 p.p), o que aponta para uma dificuldade de crescimento das empresas de pequeno porte desta atividade (Figura 4.9). 70 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

8 Parte 1.:..:::.. A Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI - IBSS Figura Saldo das taxas de entrada e saída de empresas da IBSS do mercado, considerando classe e porte Brasil, p.p 0 a 4 ocupados 5 a 19 ocupados 20 a 99 ocupados 100 e + ocupados 30 p.p 25 p.p 20 p.p 15 p.p 10 p.p 11,6 p.p IBSS 5 p.p 0 p.p -5 p.p -10 p.p COHW PROD ENCO PROC BD MANU OUTR A Sobrevivência das Unidades Locais da IBSS Criadas em 2000 Observa-se que a proporção de sobreviventes das unidades locais criadas em 2000 é decrescente com o tempo, tanto ligadas à IBSS quanto para o Total Brasil. Entretanto, atenta-se para o fato de que, comparativamente, as taxas de sobrevivência das unidades locais da IBSS foram maiores que as do Total Brasil para os anos analisados, com exceção de 2001 (Tabela 4.5). No primeiro ano, em torno de 10,0% das unidades locais saíram do mercado nos dois segmentos analisados, com um percentual maior de sobrevivência para as unidades locais do Total Brasil (1,1 p.p). No segundo ano, a relação se inverte, com ligeira vantagem de sobrevivência para unidades locais da IBSS (1,8 p.p). Em 2005, a diferença entre os segmentos analisados se acentua (4,9 p.p), a favor da IBSS. Tabela Taxa de sobrevivência das unidades locais criadas em 2000 para IBSS e para o Total de empresas Brasil, 2005 Ano Taxa de sobreviência das unidades locais criadas em 2000 (%) IBSS Total de empresas ,3 90, ,5 82, ,2 75, ,1 69, ,1 65,2 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Cadastro Central de Empresas ::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 71

9 Capítulo 4.::.:.: Análise Demográfica das Empresas da IBSS Análise Regional A seguir, são analisadas as taxas de entrada e saída do mercado das unidades locais da IBSS em termos regionais, ou seja, para as Regiões Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste, através da comparação entre a IBSS e o total das Entidades Empresariais (empresas), segundo o CEMPRE. As informações da Tabela 4.6 mostram que, em todas as Regiões do país, as taxas de entrada no mercado na IBSS foram superiores às do total das empresas. Já as taxas de saída do mercado das Regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste foram menores na IBSS e as do Norte e Nordeste, maiores. Quanto às diferenças entre as taxas nas Regiões, as da IBSS são maiores, variando de 7,8. p.p (Norte) à 13,6 p.p (Nordeste e Centro-Oeste), enquanto no total das empresas vão de 4,6 p.p. (Sul) até 7,0 p.p (Norte). As Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste apresentaram as maiores taxas de entrada e de saída tanto para IBSS quanto para o Brasil. Destaque-se a Região Norte que, apesar de ter apresentado as maiores taxas de entrada e saída, quando se observam os saldos entre entrada e saída, há uma inversão: para a IBSS é o menor saldo entre as Regiões (7,8 p.p), enquanto para o total do setor empresarial brasileiro é o maior (7,0 p.p). Ainda assim, observa-se que os saldos foram sempre maiores para a IBSS que para o Total Brasil. Tabela Taxas de entrada e saída de unidades locais da IBSS e do Total Brasil do mercado, considerando Região 2005 Regiões Taxa Entrada Taxa Saída Diferença IBSS Brasil IBSS Brasil IBSS Brasil Norte 28,7 23,9 20,9 16,9 7,8 7,0 Nordeste 26,8 18,9 13,2 13,0 13,6 5,9 Sudeste 19,1 15,4 8,0 10,7 11,1 4,7 Sul 20,4 15,0 9,3 10,4 11,1 4,6 Centro-Oeste 25,9 18,9 12,2 13,4 13,6 5,5 No geral, observam-se taxas elevadas de entrada e de saída para o conjunto de estados da Região Norte, o que indica ter ocorrido, nesses estados, alta rotatividade entre nascimentos e mortes de unidades locais. O Amapá foi quem apresentou o melhor saldo entre entrada e saída (17,5 p.p). Já os estado do Acre e de Roraima apresentaram as mesmas taxas de entrada e saída de unidades locais (18,3% e 33,3%, respectivamente) e saldo zero, conforme demonstrado na Tabela Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

10 Parte 1.:..:::.. A Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI - IBSS Tabela Taxas de entrada e saída de unidades locais da IBSS do mercado, considerando UF Região Norte, 2005 UF Taxa Entrada (%) Taxa Saída (%) Diferença (p.p) Rondônia 21,2 13,6 7,6 Acre 18,3 18,3 0,0 Amazonas 30,1 23,5 6,5 Roraima 33,3 33,3 0,0 Pará 29,8 22,4 7,4 Amapá 43,9 26,3 17,5 Tocantins 32,1 17,6 14,5 Em relação aos estados da Região Nordeste (Tabela 4.8), constata-se também a existência de elevadas taxas de entradas de unidades locais, porém, com taxas de saída menos elevadas que as da Região Norte. Como conseqüência, observam-se elevados saldos nesses estados, que demonstram, desta maneira, que a Região teve, em 2005, uma característica acolhedora para novos empreendimentos da IBSS. Em relação aos estados da Região, o Rio Grande do Norte merece destaque, pelo saldo positivo entre entrada e saída registrado em 2005, com 20,7 p.p. - o segundo maior do Brasil. Já a Paraíba, com um saldo de 8,8 p.p., aparece como o menor da Região. Tabela Taxas de entrada e saída de unidades locais da IBSS do mercado, considerando UF Região Nordeste, 2005 UF Taxa Entrada (%) Taxa Saída (%) Diferença (p.p) Maranhão 34,0 16,9 17,2 Piauí 25,1 11,5 13,6 Ceará 23,9 13,0 10,8 Rio Grande do Norte 34,3 13,6 20,7 Paraíba 20,6 11,8 8,8 Pernambuco 24,4 11,3 13,1 Alagoas 33,1 15,6 17,5 Sergipe 27,9 13,8 14,1 Bahia 27,6 13,7 14,0 O contrário acontece na Região Sudeste. Apesar de ter apresentado elevadas variações absolutas no número de empresas, como o número de empresas estabelecidas nesses estados é muito grande, as variações relativas e as taxas de entrada e saída do mercado são, analogamente às demais Regiões, pequenas. A exceção do estado do Espírito Santo, que apresentou taxas semelhantes às dos estados da Região Nordeste, as taxas de entrada e de saída de unidades locais nos estados da Região Sudeste, em 2005, estão entre as menores do Brasil. Já as diferenças entre essas taxas (saldos) foram, de certo modo, homogêneas, entre 10,0 p.p. e 12,7 p.p., demonstrando que a Região, apesar de ter sido a que apresentou o maior número de unidades locais, ainda se caracterizou como sendo uma Região com mercado em expansão para a IBSS. Tal fato é corroborado quando se observa o estado de São Paulo, que apresentou a menor taxa de saída de unidades locais para todo o Brasil: 7,8% (Tabela 4.9)..::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 73

11 Capítulo 4.::.:.: Análise Demográfica das Empresas da IBSS Tabela Taxas de entrada e saída de unidades locais da IBSS do mercado, considerando UF Região Sudeste, 2005 UF Taxa Entrada (%) Taxa Saída (%) Diferença (p.p) Minas Gerais 19,7 8,5 11,1 Espírito Santo 23,5 10,8 12,7 Rio de Janeiro 18,3 8,3 10,0 São Paulo 19,1 7,8 11,3 De acordo com as informações apresentadas na Tabela 4.10, comportamento semelhante ao dos estados da Região Sudeste foi observado na Região Sul, com taxas de entrada e de saída de unidades locais em patamares similares (exceto para o Espírito Santo). Os saldos também foram próximos: 10,6 p.p, 11,2 p.p. e 12,1 p.p. para o Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, respectivamente. Tabela Taxas de entrada e saída de unidades locais da IBSS do mercado, considerando UF Região Sul, 2005 UF Taxa Entrada (%) Taxa Saída (%) Diferença (p.p) Paraná 20,8 9,6 11,2 Santa Catarina 20,7 8,6 12,1 Rio Grande do Sul 20,0 9,4 10,6 Segundo os resultados apresentados na Tabela 4.11, o estado do Mato Grosso foi o que apresentou a melhor diferença entre as taxas de entrada e de saída de unidades locais no mercado, na Região Centro-Oeste e em relação aos demais estados (22,7 p.p). O bom resultado deve-se, sobretudo, à elevada taxa de entrada de unidades locais (36,1%). Tal fato indica que o estado se colocou como um mercado em expansão para a IBSS. Tabela Taxas de entrada e saída de unidades locais da IBSS do mercado, considerando UF Região Centro-Oeste, 2005 UF Taxa Entrada (%) Taxa Saída (%) Diferença (p.p) Mato Grosso do Sul 19,2 13,2 6,1 Mato Grosso 36,1 13,4 22,7 Goiás 25,8 12,7 13,0 Distrito Federal 25,1 11,5 13,6 A análise dos cinco melhores e dos cinco piores desempenhos em termos de saldo entre as taxas de entrada e saída de unidades locais do mercado das Unidades da Federação foi realizada a partir das informações apresentadas na Figura 4.10, respectivamente. De uma maneira geral, os resultados mostram que, ao contrário das Regiões Sudeste e Sul, não houve uma homogeneidade dos saldos entre os estados das demais Regiões. Para ilustrar, citam-se os estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, na Região Centro-Oeste, que apresentaram o melhor saldo (22,7 p.p) e o terceiro pior (6,1 p.p), respectivamente. 74 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

12 Parte 1.:..:::.. A Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI - IBSS Já na Região Norte, o estado do Amapá (17,5p.p) teve, no período, o terceiro maior saldo, enquanto Acre e Roraima apresentaram saldo nulo (igual a zero). No Nordeste, os destaques ficam com o Rio Grande do Norte, Alagoas e Maranhão, que se posicionaram entre os cinco melhores desempenhos. Figura Saldo das taxas de entrada e saída de unidades locais da IBSS do mercado, considerando os cinco maiores (esquerda) e os cinco menores (direita) resultados estaduais Brasil, em pontos percentuais (p.p) 22,7 p.p 20,7 p.p 17,5 p.p 17,5 p.p 17,2 p.p 7,4 p.p 6,5 p.p 6,1 p.p 0,0 p.p 0,0 p.p Mato Grosso Rio Grande do Norte Amapá Alagoas Maranhão Pará Amazonas Mato Grosso do Sul Acre Roraima Considerações Finais Neste capítulo, analisaram-se aspectos da dinâmica demográfica das empresas formalmente constituídas classificadas na IBSS, com base nas informações do Cadastro Central de Empresas CEMPRE, ano base de Os dados gerais do CEMPRE permitem afirmar que é marcante a participação das empresas de menor porte, definido em termos do número de pessoas ocupadas, no mercado empresarial brasileiro e, em particular, na IBSS. As informações referentes à taxa de permanência das empresas no mercado mostraram que 69,3% das empresas da IBSS tinham, em 2005, menos de cinco anos de idade, enquanto cerca de apenas 0,2% apresentavam 30 anos ou mais. Em contrapartida, em relação ao pessoal ocupado, a participação destas empresas com trinta anos ou mais de idade representava 9,5% do total das pessoas ocupadas nesse segmento. Na análise por classes de atividade da IBSS observou-se a existência de uma correlação diversa entre os saldos resultantes de entrada e saída de empresas do mercado, com resultado negativo para a classe COHW, que apresentou um déficit de 172 empresas e de 557 pessoas ocupadas no referido ano. As demais apresentaram resultados positivos, tendo como destaque a classe PROC: com saldo positivo de empresas e pessoas ocupadas. Com relação à sobrevivência das unidades locais da IBSS criadas em 2000, foi possível observar que, no primeiro ano de vida, cerca de 10,0% das empresas não sobreviveram. Após dois anos de criação, 15,5% das empresas já haviam deixado o mercado. Decorridos cinco anos, apenas 70,1% ainda continuavam ativas. No total nacional, essa proporção foi de 65,2%..::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 75

13 Capítulo 4.::.:.: Análise Demográfica das Empresas da IBSS A análise regional mostrou que as regiões Sul e Sudeste apresentaram as menores taxas de entrada e saída de unidades locais, acompanhando o total nacional. Porém, em termos absolutos, foram as regiões que mais absorveram unidades novas. Observando-se as unidades da federação, os estados de Mato Grosso e do Rio Grande do Norte se destacaram como melhores saldos entre as taxas de entrada e saída de empresas do mercado: 22,7p.p e 20,7p.p. Também foi possível concluir que estados com pequenos quantitativos de unidades locais, como Amapá, Roraima e Tocantins, apresentaram taxas de entrada e saída elevadas, enquanto os estados das Regiões Sudeste (com exceção do Espírito Santo) e Sul, onde existia um estoque elevado de empresas, apresentaram baixas taxas de entrada e saída do mercado. Contrariamente, no Amapá e em Roraima essa diferença foi nula, apesar de terem apresentado elevadas taxas de entrada e saída de empresas do mercado. A Figura 4.11 resume a posição das unidades da federação, considerando no eixo X a quantidade de unidades locais constantes do CEMPRE, em 2005, e, no eixo Y, a taxa de crescimento observada no período Considerando o ponto de interseção dos eixos, as unidades da federação foram incluídas, pelo Observatório SOFTEX, em uma das seis classificações: líder, seguidoras, aceleradas, pé na tábua, lentas e no ponto de largada. Figura Distribuição das unidades da federação, considerando número de unidades locais constantes do CEMPRE, em 2005, e taxa de crescimento no número de unidades locais, verificada no período Líder SP Número de Unidades Locais AC RR Ponto de largada Lentas Seguidoras MS PA PB AM RO RJ RS MG PR CE Aceleradas SC DF BA ES GO PE SE PI TO MA AL AP RN Pé na tábua MT 10 0,0% 12,5% 25,0% Taxa de Crescimento no número de unidades locais 2005 / 2004 AC - Acre; AL - Alagoas; AM - Amazonas; AP - Amapá; BA - Bahia; CE - Ceará; DF - Distrito Federal; ES - Espírito Santo; GO - Goiás; MA- Maranhão; MG - Minas Gerais; MS - Mato Grosso do Sul; MT - Mato Grosso; PA - Pará; PB - Paraíba; PE - Pernambuco; PI - Piauí; PR - Paraná; RJ - Rio de Janeiro; RN - Rio Grande do Norte; RO - Rondônia; RR - Roraima; RS - Rio Grande do Sul; SC - Santa Catarina; SE - Sergipe; SP - São Paulo; TO - Tocantins. Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir de dados do CEMPRE Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

14 Parte 1.:..:::.. A Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI - IBSS 1) O CEMPRE contempla informações sobre as empresas e outras organizações, abrangendo todo o segmento empresarial formal da economia brasileira (empresas), as organizações da Administração Pública e as entidades sem fins Lucrativos.W 2) Embora esta Publicação não trate do tema, é fato conhecido que as empresas da IBSS vêm passando, nos últimos anos, por fusões, joint ventures e aquisições. O fenômeno sugere amadurecimento das empresas, que buscam, através desses processos, formas de organização que permitam maior competitividade..::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 77

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil As Políticas Públicas de Emprego no Brasil 1 Índice 1. Mercado de Trabalho no Brasil 2. FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador 2.1. Programas e Ações 2.2. Principais avanços na execução dos Programas e Ações

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 2011 Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) Diretoria de Inovação (DRIN) Departamento de Acompanhamento (DAC) PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 Janeiro/2011

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados Apresentação Este relatório apresenta os resultados da 14ª Avaliação de Perdas realizada com os principais supermercados do Brasil. As edições

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Análise dos resultados Panorama geral

Análise dos resultados Panorama geral Análise dos resultados Panorama geral Durante o período de 2005 a 2008, o Produto Interno Bruto - PIB brasileiro passou de cerca de R$ 2,2 trilhões para R$ 3,0 trilhões, a valores correntes, com uma taxa

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Agosto de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 03 o Sumário... 04 o Perfil dos respondentes... 05 o Pretensão

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL confederação da agricultura E PEcuÁRia do BRaSil cna Diretoria Executiva Triênio 2011-2014 Presidente Senadora Kátia Abreu (TO) 1º VicePresidente João Martins

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 O setor de tecnologia da informação está incluído, de forma mais agregada, nas atividades de serviços prestados às empresas, segundo a &ODVVLILFDomR1DFLRQDOGH$WLYLGDGHV

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA

REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA PESQUISA TRIMESTRAL DO ABATE DE ANIMAIS AVALIAÇÃO DE CORTES NO UNIVERSO DA PESQUISA 2º versão Octávio Costa de Oliveira 1 AVALIAÇÃO DE CORTES NO UNIVERSO

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O...

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... ÍNDICE AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... 6 1 O ATUAL ESTÁGIO DE IMPLANTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO SETOR PÚBLICO... 7 2 VARIÁVEIS E DADOS UTILIZADOS... 8 VARIÁVEL I... 8 VARIÁVEL

Leia mais

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Partindo da figura da engrenagem, presente na logo atual do CFC, o novo logo desenvolvido mantém uma relação com o passado da instituição, porém com um olhar no presente e no futuro, na evolução e ascensão

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice Objetivo, metodologia e amostra... 03 Perfil dos Respondentes... 04 Principais constatações sobre os hábitos de consumo

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional de Comercialização Solidária constituída por empreendimentos econômicos comerciais feiras permanentes, lojas e centrais/centros públicos

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais