Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras"

Transcrição

1 Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Por ENE-E.P.

2 ENE-E.P. Empresa Nacional de Electricidade (ENE-E.P). Empresa Nacional de Electricidade de Angola criada em Março de 1980; Empresa pública, verticalmente integrada com produção transporte, distribuição e comercialização, não faz distribuição e comercialização em Luanda, onde a EDEL é responsável por esta actividade e em algumas municipalidades; No âmbito da reestruturação do Sector, a empresa está a implementar o processo de separação das suas actividades e contas Ringfencing - processo em fase de consolidação; Está presente em quase todo país; Tem clientes, sendo de BT, MT e 23 de AT (dados 31 Dezembro 2011) Tem 3994 trabalhadores no activo 2

3 ENE-E.P. Visão, missão e valores Ser empresa líder do mercado de fornecimento de energia eléctrica em Angola e constituir uma entidade de referência a nível regional Garantir a satisfação e reconhecimento dos clientes, colaboradores e accionistas, através de uma oferta inovadora, fiável e competitiva na produção, transporte, distribuição e comercialização de energia eléctrica, de acordo com os princípios de sustentabilidade técnico-económica, social e ambiental. Orientação para o cliente, criatividade, desenvolvimento do capital humano, integridade e responsabilidade social 3

4 ENE-E.P. 4

5 Potência total instalada e média disponível 31 Dezembro 2010 Potencia Instalada da ENE-E.P incluindo Capanda Origem Potência Percentagem Instalada Média Disponív el do total (MW) (MW) (%) (%) Hidroeléctrica 782,3 618,9 79,1 54,2 Térmica 660,2 375,3 56,8 45,8 Total 1442,5 994,2 68,9 100 A capacidade total de geração foi de 1442,5 MW e a potência média disponível foi de 994,2 MW, cerca de 68,9% da potência total instalada. Contribuíram significativamente para a alta taxa de indisponibilidade da potência instalada, o facto da Central Hidroeléctrica de Cambambe estar limitada a 50% (90 MW dos 180MW), resultante dos trabalhos de reabilitação e modernização da Central e ainda por os grupos turbinas a gás GT-1 (24,4 MW), GT- 2 (40 MW); GT-5 (22,2 MW) da Central Térmica do Cazenga, assim como o grupo turbina a gás do Biópio GT (22,2 MW), estarem paralisadas em virtude de terem atingido o número de horas de serviço superior ao recomendado pelo fabricante para revisão capital. 5

6 PRODUÇÃO HIDRÍCA Produção Hidríca Numero Potência Sistema Aproveitamento de Instalada Média Disponível Observações Grupos (MW) (MW) (%) Kuanza Norte Cambambe 4*45 180,00 80,00 44,4 Malanje Capanda 4* ,00 480,00 92,3 Benguela Bíopio 4*3,6 14,40 10,80 75 Húila Matala 3*13,6 40,80 27,20 66,7 Uíge Luquixe 1*0,54+1*0,36 1,00 0,92 0,9 Lunda Sul HidroChicapa ,00 16,00 100,0 Somente 4 MW reservados para o sistema da ENE-.E.P Lunda Norte Luachimo 4*2,1 8,40 4,00 47,6 Bié Cunje 3*0,54 1,62 0,00 0,0 Kuito Ceramica 1*0,12 0,12 0,00 0,0 total 782,34 618,92 79,1 6

7 POTÊNCIA CONTRATADA Á TERCEIROS ( MW ) Provincia Site Potência contratada Empresa (MW) Luanda CFL# 1 30 Aggreko CFL# 2 30 Aggreko CDE-QUARTÉIS 15 Aggreko CD ROCHA PINTO 30 Aggreko Sub-Total 105 HUAMBO C.D.E. Do Benfica 12 Aggreko Sub-Total 12 BENGUELA CDE-Kileva 30 Aggreko CDE-Cavaco 10 Aggreko Sub-Total 40 HUÍLA CDE-Lugango 30 Aggreko Sub-Total 30 NAMIBE Xitoto 10 Aggreko C.D.E. Tombwa ERA 8 ERA Sub-Total 18 Cabinda C.D.E-Malongo 25 Aggreko Grupos Isolados (Ilhas 16 Aggreko Sub-Total 41 Lunda Sul Hidroelectrica 4 HidroChicapa Cunene 5 Rede NamPower TOTAL

8 Ponta do sistema e crescimento 31 Dezembro Ponta aritmética do Sistema (MW) Crescimento da ponta (%) 8

9 Nota: 1 Diminuição da energia 1 Diminuição produzida da ENE energia em 2010, produzida houve ENE a realocação em 2010, houve de produção a realocação entre as de unidades produção próprias entre as e unidades alugadas. próprias Durante e o alugadas. ano de 2010, Durante dois o (2) ano grupos de 2010, geradores dois (2) da grupos Central geradores Hidroeléctrica da. Centr PROJECTOS EM FASE DE IMPLEMENTAÇÃO Angola projectos implementados e em fase de implementação Central Projecto Power Station Project Cambambe Reabilitação (Hidrica) Rehabilitation (Hydro) Alteamento 80 2ª Central 700 Second Hydro Power Station Gove Nova central (New Hydro) 60 Mabubas Reabilitação (rehabilitation, hydro) 12,8 12,8 Lomaum Reabilitação (rehabilitation, hydro) 50 Térmicas Thermal several units 98,4 185,6 109,5 80 Biocombustiveis Central (Biocom Power Station) 75 Total 98,4 288,4 397, Termicas - 60 MW Lobito (GRN) - 30 MW em 2010, 30 MW 2011, 70 MW Cabinda GTG (2012), 18 MW Huambo (2012) 10 MW Kuito (2011), 7,5 MW Saurimo (2011), 7,5 MW Luena (2012), 4 MW Luena (2012), 10 MW Caala (2012) 80 MW Namibe (2013) Reforço capacidade de Luanda, programa emergencia, 68,4 MW entram 2010, 138,1 MW em

10 POTENCIAL HIDRICO DE ANGOLA 47 bacias hidrográficas; Aproximadamente 147 m3 de caudal anual, um dos mais elevados de toda a África Austral; Potencial hidroeléctrico economicamente disponível 18 GW, ou até 72 TWh de produção anual.

11 Área da bacia (km2) Capacidade potencial (MW) Capacidade Potencial (GWh) Capacidade Instalada (MW) Instalada como % do potencial Kuanza ,5 % Keve % Cunene % Catumbela % Longa % N gunza, Quicombo, Evale e Balombo % Kubango % ,3% 11

12 Cambambe reabilitação, projecto de extensão Existing generation capacity 180 MW Caculo Cabaça, Lauca, a serem desenvolvidos Project completed

13 Programa de Modernização e Expansão de Cambambe Reabilitação Alteamento Central 2

14 Abrangência Reabilitação Central 1 Alteamento da Barragem Vertedouro Lateral Central 2

15 Reabilitação e Modernização

16 Reabilitação e Modernização

17 Disponibilidade Energética Cota 130 Altura Disponível (h) Após a Reabilitação 180 MW Alteamento +80 MW +220 MW 480 MW 300 MW Cota MW Central 1 Central 2 Vazão Disponível (Q)

18 Alteamento da Barragem Estudo de Impacte Ambiental Conclusão do Estudo de Impacte Ambiental Passos: Realizar Audiência Pública Actuar na emissão da Licença Ambienta

19 Conclusões Existem objectivos claros quanto a reabilitação e expansão das infraestruturas de Sector com o propósito de: Aumentar a qualidade e fiabilidade da rede e serviço (passa pela interligação dos Sistemas Norte e Centro e Sul); Modificar o mix de produção com fontes de energia limpas e mais económicas Fontes de geração actuais Hídrica (água) Jet B (ONEROSO, com problemas de logística do abastecimento) Diesel Reduzir o custo global do sistema por KWh a produção com recursos a terceiros (Aggreko e ERA) é muito onerosa O Estado atribui subsídios a exploração As novas centrais hídricas, o projecto de mini hídricas em consideração pelo MINEA, a construção da central de ciclo combinado no Soyo constituem oportunidades de valor acrescentado, formas de produção mais económicas e limpas em relação ao Jet B utilizado hoje nas turbina a Gás de ciclo simples, o diesel, devendo serem substituídas logo que possível; Deverão ser encorajados programas de conservação e eficiência energética com a introdução de lâmpadas economizadoras e equipamentos de baixo consumo, programas em que a Universidade poderá jogar um papel importante. 19

20 Muito obrigado 20

Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009

Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009 Luanda Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009 Declaração de VISÃO & MISSÃO (o que queremos ser) Consolidar e Liderar

Leia mais

O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO - Uma Visão Complementar -

O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO - Uma Visão Complementar - O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO Adolfo Steiger-Garção Professor Catedrático FCT-UNL / UNINOVA CTS Francisco Reis Professor ISEL / UNINOVA CTS Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

Oportunidades de Investimento

Oportunidades de Investimento República de Angola Ministério da Energia e Águas Oportunidades de Investimento Fevereiro 2014 MINEA Oportunidades de Investimento 0 Agenda 1 Angola País em Desenvolvimento 2 Dinâmicas da Indústria de

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009

SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 I-INTRODUÇÃO II-SITUA SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 II-PRIORIDADES DO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 IV CALENDÁRIO

Leia mais

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO VI CONFERENCIA RELOP A QUALIDADE DE REGULAÇÃO DA ENERGIA E DOS SERVIÇOS NOS PALOP ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO Eng. Júlio Capitango Luanda, Maio de 2013 Índice 1. Enquadramento 2. Organização do Sector

Leia mais

PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico

PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico João Saraiva Engenheiro Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA E ÁGUAS INTERNATIONAL

Leia mais

Apresentação de : Luís Mourão Silva Presidente Conselho Administração do IRSE 1

Apresentação de : Luís Mourão Silva Presidente Conselho Administração do IRSE 1 Apresentação de : Luís Mourão Silva Presidente Conselho Administração do IRSE 1 TÓPICOS A ABORDAR 1. POTENCIALIDADE ENERGÉTICA DAS PRINCIPAIS BACIAS EM ANGOLA 2. POTENCIAL HIDROELÉCTRICO POR CENTRAIS VERSUS

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS 22.11.2011 - Tucuruí,, Brasil Carlos Nadalutti Filho APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAPANDA Início:

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DO SECTOR DE ENERGIA E ÁGUAS

PLANO DE ACÇÃO DO SECTOR DE ENERGIA E ÁGUAS República de Angola Ministério da Energia e Águas PLANO DE ACÇÃO DO SECTOR DE ENERGIA E ÁGUAS 2013-2017 RESUMO EXECUTIVO O Sector de Energia e Águas joga um papel preponderante na prossecução dos objectivos

Leia mais

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Cap 1: Energia e Macroeconomia ANGOLA-Petróleo e macroeconomia (milhões de USD, salvo indicação em contrário) 2006 2007 2008 2009 Vendas líquidas

Leia mais

Programa de Transformação do Sector Eléctrico. Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda

Programa de Transformação do Sector Eléctrico. Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda Programa de Transformação do Sector Eléctrico Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda 30 de Maio de 2013 1 Programa de Transformação do Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento do Programa

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA LUANDA, 26 DE MAIO DE 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Potenciais áreas para o investimento público e privado. 1. PRINCIPAL ORIENTAÇÃO DO SECTOR

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 JORNADAS TÉCNICAS SUBSAHARIANAS DE ÁGUA E SANEAMENTO PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009 Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 1-CONSTRUÇÃO

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

9. PROJECTOS ESTRUTURANTES PRIORITÁRIOS

9. PROJECTOS ESTRUTURANTES PRIORITÁRIOS 9. PROJECTOS ESTRUTURANTES PRIORITÁRIOS 9.1. Estruturantes - Conceito 132. Os projectos estruturantes (PE) são investimentos de dimensão significativa, de natureza pública ou privada, que concorrem para

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA GABINETE DO SECRETARIO DE ESTADO

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA GABINETE DO SECRETARIO DE ESTADO 1 Caracterizacao do Sector Industrial; Os Grandes Objectivos do Sector Industrial e as Accoes em curso; As Infra-estruturas de Apoio as Actividades Produtivas; As Oportunidades de Negocios no Sector Industrial

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA RELATÓRIO ENERGIA EM ANGOLA

CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA RELATÓRIO ENERGIA EM ANGOLA CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA RELATÓRIO ENERGIA EM ANGOLA Outubro de 2011 Página2 Ficha Técnica Edição Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade

Leia mais

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por:

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: Manuel Alfredo Resende de Oliveira (Engenheiro Civil Instituto Superior Técnico) Valério

Leia mais

CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA

CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA TEMA: AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DA APOSTA PELAS ENERGIAS RENOVAVEIS EM ANGOLA. EXPERIENCIAS DA PROVÍNCIA DO HUAMBO Apresentado por: Eng. Adolfo Elias Gomes Director

Leia mais

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO EM ANGOLA

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO EM ANGOLA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO EM ANGOLA AGÊNCIA NACIONAL PARA O INVESTIMENTO PRIVADO - ANIP OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO EM ANGOLA 2015 AGÊNCIA NACIONAL PARA O INVESTIMENTO PRIVADO PANORAMA DE ALGUNS SECTORES ECONÓMICOS

Leia mais

INVESTIMENTOS EM CURSO E FUTUROS Unidade Monetária: Kz

INVESTIMENTOS EM CURSO E FUTUROS Unidade Monetária: Kz INVESTIMENTOS EM CURSO E FUTUROS Unidade Monetária: Kz CÓDIGO SECTOR E DESIGNAÇÃO DO PROJECTO PREVISÃO DE DURAÇÃO Estado LOCALIZAÇÃO CUSTO TOTAL Realização Física Reabilitação parcial do A. H. Luquixe

Leia mais

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia Membro nacional da Implicações para a Produção Descentralizada de Energia 31 de Março de 2006 Álvaro Brandão Pinto Vice-Presidente do Conselho Director da COGEN Portugal Índice 1. O Conceito 2. O Comércio

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA. Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011

RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA. Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011 RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011 Área, Precipitação Média Annual, Evaporação Potencial e Escoamento Médio Anual Área

Leia mais

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária REUNIÃO DOS DIRECTORES DE PRODUÇÃO ANIMAL, RECURSOS ANIMAIS EM AFRICA de 14 15 de Abril de 2013 - ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

Leia mais

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA ACTUALIZAÇÃO DA PREVISÃO SAZONAL PARA A ÉPOCA 2013/2014 REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO-FEVEREIRO-MARÇO DE 2014 JANEIRO, 2014 LUANDA-ANGOLA 1 1. INTRODUÇÃO Os peritos da área do clima dos países da Comunidade

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola Apresentação Institucional FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola 1 Índice 1. Grupo Importrading 2. Fermat Company Profile 3. Produtos comercializados 4. Nova

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Imagem da menina. Siemens Angola 2014. Page 1. RC Angola. Siemens SA 2014 All rights reserved.

Imagem da menina. Siemens Angola 2014. Page 1. RC Angola. Siemens SA 2014 All rights reserved. Imagem da menina Siemens Angola 2014 Page 1 Restricted Siemens SA Siemens 2014 All SA rights 2014 reserved. All rights reserved. Siemens no mundo Vendas por Sector Vendas por Região Saúde 18% 23% Infraestruturas

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de Setembro de 2011 Rui Pestana REN Redes Energéticas Nacionais,

Leia mais

Realizações e Perspectivas de Desenvolvimento da ENE E.P.

Realizações e Perspectivas de Desenvolvimento da ENE E.P. Realizações e Perspectivas de Desenvolvimento da ENE E.P. INTRODUÇÃO Este documento tem como objectivo: Apresentar os principais resultados do processo de transformação da ENE, desenvolvimento das principais

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Este documento é de circulação restrita à sua audiência A sua transcrição ou reprodução não é permitida sem a prévia autorização escrita da nolimits Consulting TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO CAPITAL: LISBOA CAPITAL: LUANDA AIA Março 2012 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Caracterização do Mercado Angolano 1,2 milhões de Km2 Fronteiras com RDC, Zâmbia

Leia mais

Maputo, 5 e 6 de Dezembro Unbundling O Caso de Angola

Maputo, 5 e 6 de Dezembro Unbundling O Caso de Angola Maputo, 5 e 6 de Dezembro 2016 Unbundling O Caso de Angola Apresentação de : Eng.º Luís Mourão da Silva Presidente do Conselho de Adminstração do IRSEA 1 Agenda : 1 Os Desafios e Objectivos do Sector Eléctrico

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

FISCALIZAÇÃO E GESTÃO DE OBRAS DE ELECTRICIDADE (UTILIZANDO EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO, TESTE E ENSAIO) EM PARCERIA: INTERKOMMERZ (ALEMANHA)

FISCALIZAÇÃO E GESTÃO DE OBRAS DE ELECTRICIDADE (UTILIZANDO EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO, TESTE E ENSAIO) EM PARCERIA: INTERKOMMERZ (ALEMANHA) FISCALIZAÇÃO E GESTÃO DE OBRAS DE ELECTRICIDADE (UTILIZANDO EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO, TESTE E ENSAIO) EM PARCERIA: INTERKOMMERZ (ALEMANHA) 1) OBRA DE IRRIGAÇÃO DAS GANDJELAS - CHIBIA Eletricidade em

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

A Regulação no Sector dos Petróleos

A Regulação no Sector dos Petróleos 1 A Qualidade da Regulação da Energia e dos Serviços nos Países de Língua Oficial Portuguesa A Regulação no Sector dos Petróleos Programa de Desenvolvimento do Gás em Angola Maio 2013 Agenda 2 1. Introdução

Leia mais

Imagem da menina. Estamos Juntos! Siemens Angola 2015. Siemens SA 2015 All rights reserved. RC Angola. Page 1. Siemens SA 2015 All rights reserved.

Imagem da menina. Estamos Juntos! Siemens Angola 2015. Siemens SA 2015 All rights reserved. RC Angola. Page 1. Siemens SA 2015 All rights reserved. Imagem da menina Estamos Juntos! Siemens Angola 2015 Page 1 Dados financeiros 2014 (Operações em curso; em milhões de, salvo indicação em contrário) FY 2014 FY 2013 Alteração em % 1 Volume Encomendas 78.350

Leia mais

Conhecimento no lugar certo

Conhecimento no lugar certo Conhecimento no lugar certo Os caminhos de ferro são só o princípio TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA: Situação Actual e Perspectivas de Desenvolvimento Lobito, 05/11/ 2014 Os caminhos de ferro são só o

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

CURRICULUM VITAE RUI MANUEL ALMEIDA PAISANA. 02.Fevereiro.1945. Portuguesa

CURRICULUM VITAE RUI MANUEL ALMEIDA PAISANA. 02.Fevereiro.1945. Portuguesa CURRICULUM VITAE NOME: DATA DE NASCIMENTO: NACIONALIDADE: HABILITAÇÕES ACADÉMICAS: RUI MANUEL ALMEIDA PAISANA 02.Fevereiro.1945 Portuguesa Engenheiro Técnico Electromecânico, diplomado pelo ex-instituto

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público Depois de inflação de 3 dígitos em 2002 Consolidação Macroeconómica

Leia mais

ENERGIA ELECTRICA EM SÃO TOMÉ E PRINCIPE. Príncipe. São Tomé

ENERGIA ELECTRICA EM SÃO TOMÉ E PRINCIPE. Príncipe. São Tomé ENERGIA ELECTRICA EM SÃO TOMÉ E PRINCIPE Príncipe São Tomé ENERGIA ELECTRICA EM SÃO TOMÉ E PRINCIPE A energia é um factor fundamental no desenvolvimento de um país. neste Contexto. o Governo decidiu eleger

Leia mais

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

Desafios da Regulação Regional

Desafios da Regulação Regional Desafios da Regulação Regional A perspectiva da Movicel no contexto da implementação da nova rede G/ U Carlos Brito Data: 14 de Abril de 2011 Agenda 01. A Movicel no contexto das Telecomunicações Móveis

Leia mais

RESUMO DA DESPESA DO ÓRGÃO POR PROGRAMA

RESUMO DA DESPESA DO ÓRGÃO POR PROGRAMA Página : 1 de 18 Assembleia Nacional Presidência Da República Prog. De Reestrut.E Modern. Das Forças De Def. E Segurança Gabinete Do Vice-Presidente Da República Tribunal Constitucional Programa De Desenv.

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola

Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola II A Voith apoia plenamente Angola e o seu povo no processo de reconstrução após três décadas de guerra civil. Temos dado a nossa contribuição nos

Leia mais

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Relatório da Visita de Estudo à Central Termoeléctrica da CEM em Coloane Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Trabalho realizado por: António Sérgio Ribeiro, 10ºA, Nº3 Data: 19/03/2010

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

Produza a sua própria energia

Produza a sua própria energia Produza a sua própria energia CONTEÚDO ENERGIAFRICA QUEM SOMOS A NOSSA MISSÃO SERVIÇOS AS NOSSAS SOLUÇÕES SOLARES PROJECTO MODULO VIDA PORTEFÓLIO MAIS ENERGIA RENOVÁVEL, MAIS VIDA PARA O PLANETA www.energiafrica.com

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China

República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China COBERTURA DE RISCO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO DE ORIGEM PORTUGUESA COSEC RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES

Leia mais

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Quem somos Origem, posição actual Actividade iniciada em 1952. O prestígio de meio século de presença no mercado, A Qualidade dos produtos que comercializa

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Reabilitação Térmica de Edifícios Correcção de pontes térmicas com argamassas com granulado de cortiça

Reabilitação Térmica de Edifícios Correcção de pontes térmicas com argamassas com granulado de cortiça Reabilitação Térmica de Edifícios Correcção de pontes térmicas com argamassas com granulado de cortiça ESTBarreiro- Escola Superior de Tecnologia do Barreiro Moita, 2013 ANA ARMADA BRÁS PEDRO MARQUES Qual

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS DOSSIER DE IMPRENSA ÍNDICE 1 PERFIL - A Empresa - Os Colaboradores - Os serviços 2 MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE - A Internacionalização VOLUME DE NEGÓCIOS 4 CERTIFICAÇÕES 5 PROJECTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique A. de Sousa Fernando asousa@edm.co.mz 1 Principais Operadores do Sector Eléctrico Electricidade de Moçambique (EDM) Empresa Nacional de Electricidade,

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

Jayme da costa. A Jayme da Costa desenvolve a sua actividade em várias áreas

Jayme da costa. A Jayme da Costa desenvolve a sua actividade em várias áreas SOMOS ENERGIA Jayme da costa Ao longo dos seus 95 anos de actividade, a Jayme da Costa tornou-se numa das mais conceituadas empresas no ramo da Engenharia. As suas realizações ao nível das instalações

Leia mais

Expansão da Rede de Serviços do INSS: Municipalização, Agências de Prestação de Serviços e Postos de Atendimento em Serviços Públicos Integrados.

Expansão da Rede de Serviços do INSS: Municipalização, Agências de Prestação de Serviços e Postos de Atendimento em Serviços Públicos Integrados. Expansão da Rede de Serviços do INSS: Municipalização, Agências de Prestação de Serviços e Postos de Atendimento em Serviços Públicos Integrados. Dr. Pedro Filipe Director Geral Adjunto para Segurança

Leia mais

ANEXOS ELECTRICIDADE ÁGUAS ESTIMATIVA DE INVESTIMENTO - ENERGIA E ÁGUAS

ANEXOS ELECTRICIDADE ÁGUAS ESTIMATIVA DE INVESTIMENTO - ENERGIA E ÁGUAS ANEXOS ELECTRICIDADE ANEXO 1 - CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO E TRANSPORTE ANEXO 2 - CENTRAIS TÉRMICAS DE ANGOLA - Plano de Emergência e de Substituição da Capacidade Alugada ANEXO 3 - NOVAS CENTRALIDADES

Leia mais

Respostas para Angola de amanhã. Siemens Angola. www.siemens.co.ao

Respostas para Angola de amanhã. Siemens Angola. www.siemens.co.ao Respostas para Angola de amanhã Siemens Angola www.siemens.co.ao ÍNDICE 4 Siemens no Mundo 8 Mercados & Soluções 5 Siemens em África 6 Siemens em Angola 10 12 14 16 Energia Infra-estruturas Indústria Saúde

Leia mais

ISAQUE CHANDE COMISSÁRIO CONSELHO NACIONAL DE ELECTRICIDADE M. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique

ISAQUE CHANDE COMISSÁRIO CONSELHO NACIONAL DE ELECTRICIDADE M. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique ISAQUE CHANDE COMISSÁRIO CONSELHO NACIONAL DE ELECTRICIDADE M 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique TEMA:REGULAÇÃO ENERGÉTICA EM MOÇAMBIQUE E AS ALTERAÇÕES COM VISTA A TORNAR OS PROJECTOS

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis.

A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis. A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis. É por essa razão que estamos a construí-las hoje, com clientes em todo o continente. www.siemens.co.ao As actividades da Siemens em África remontam

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais