CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA RELATÓRIO ENERGIA EM ANGOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA RELATÓRIO ENERGIA EM ANGOLA"

Transcrição

1 CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA RELATÓRIO ENERGIA EM ANGOLA Outubro de 2011

2 Página2 Ficha Técnica Edição Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola C.P Website: Título: Relatório Energia em Angola 2011 /UCAN Luanda, Outubro de 2011 Capa: Cavaco Nova Subestação (Benguela) Paginação Offset, Lda. Impressão e acabamentos: Offset, Limitada Tiragem: 500 exemplares Patrocínio: Embaixada do Reino da Noruega, ENI, TOTAL e STATOIL Depósito Legal: 5474/2011

3 Página3 CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA - /UCAN Patrono D. Damião Franklin Director Alves da Rocha Relatório ENERGIA em ANGOLA 2011 José de Oliveira - Coordenador do Núcleo de Energia Alves da Rocha Ana Alves Emílio Londa Félix Vieira Lopes Investigadores Permanentes do Alves da Rocha Francisco Paulo Nelson Pestana Paxote Gunza Pedro Vaz Pinto Precioso Domingos Regina Santos Sendi Baptista Investigadores Colaboradores Amália Quintão Cláudio Fortuna Eduardo Vundo Sassa

4 Página4 Emílio Londa Fernando Pacheco José Oliveira Miguel Manuel Milton Reis Rui Seamba Salim Valimamade Vera Daves Administrativos Afonso Romão Evadia Kuyota Lúcia Couto Margarida Teixeira

5 Página5 ÍNDICE CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O CRESCIMENTO ECONÓMICO EM ANGOLA Alves da Rocha CAPÍTULO 2 EVOLUÇÃO DO SISTEMA ELÉCTRICO DE ANGOLA Félix Vieira Lopes CAPÍTULO 3 PETRÓLEO E GÁS EM ANGOLA. José Oliveira CAPÍTULO 4 O PETRÓLEO, A CHINA E ANGOLA NO SÉC. XXI. Ana Alves CAPÍTULO 5 PETRÓLEO E GÁS EM ÁFRICA Emílio Londa

6 Página6 CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O CRESCIMENTO ECONÓMICO EM ANGOLA Alves da Rocha

7 Página7 INTRODUÇÃO A energia, no seu sentido mais lato, é um dos factores de crescimento contínuo da actividade económica e de melhoria das condições de vida da população. As infraestruturas e os serviços associados são considerados como um dos pilares do desenvolvimento e um dos sustentáculos da competitividade das economias. O valor do multiplicador do investimento energético, em condições de razoabilidade da organização económica geral, é dos mais elevados que uma economia normalmente apresenta, atestando, justamente, a importância deste sector básico do crescimento e desenvolvimento e o seu entrosamento estratégico no sistema económico e social dos países. O Relatório sobre a Competitividade no Mundo 2011, elaborado pelo Fórum Económico Mundial e apresentado recentemente em Genebra, elege a qualidade das infraestruturas como um dos 12 pilares fundamentais para a competitividade, colocando-a no segundo lugar. As infraestruturas e os serviços energéticos aparecem como determinantes para a sustentabilidade do crescimento, o embaratecimento dos custos de produção e a melhoria das condições gerais de vida da população. Sobretudo nos países que ainda não conseguiram organizar as suas infraestruturas de maneira correcta e racional. Neste item Angola ocupa a 140ª posição num ranking de 142 países, o que mostra claramente o estado de subdesenvolvimento desta plataforma essencial para a sustentabilidade do desenvolvimento 1. O sector energético em Angola tem duas componentes distintas: uma, virada completamente para o exterior, obedecendo à lógica de funcionamento do mercado internacional e dependendo das necessidades das economias desenvolvidas e emergentes e que é constituída pela matéria-prima energética básica do sistema capitalista mundial, o petróleo. A outra componente obedece a um modelo puramente interno embora encerrando uma potencialidade muito concreta e até competitiva de exportação virado para a criação de externalidades para o sector produtivo e de 1 Na saúde e educação e na educação superior e formação, o país é o último classificado e ocupa a 139ª posição geral no índice agregado e sintético de competitividade. Talvez por aqui se consiga entender uma parte do problema da inflação em Angola: os custos operacionais da actividade económica são muito elevados e estão associados a níveis reduzidos de produtividade do trabalho.

8 Página8 prestação de serviços e que são essenciais para se embaratecer os custos de produção e de funcionamento de todo o sistema económico e que é representado pela electricidade. A primeira componente não foi abalada, na sua estruturação e funcionamento e na sua importância absoluta e relativa para os agregados gerais das contas nacionais, pelo conflito militar e apenas se sentiu acidentalmente incomodada pelos episódios de recessão económica mundial ou de retracção momentânea do crescimento do PIB das economias mais entrelaçadas com Angola neste item. Pelo contrário, a componente de electricidade do sistema energético nacional foi muito abalada pela guerra civil e só depois de 2002 se encontraram as condições necessárias e suficientes para a sua estruturação, organização e funcionamento. Os défices internos são enormes, não podendo a actividade produtiva continuar a depender de soluções pontuais e caras de obtenção de electricidade. Estes sectores do sistema energético nacional têm pesos relativos no Produto Interno Bruto muito diferentes e a proporção que os diferencia foi de 473 em Este fosso entre si tem de ser reduzido através de políticas adrede definidas e implementadas para esse efeito, atendendo à circunstância de a electricidade ser um recurso renovável e de grandes potencialidades em Angola. Na verdade, a Ministra da Energia e Águas deu publicamente a conhecer a existência duma carteira de 200 projectos que, após a sua implementação, colocarão a capacidade de produção de electricidade nos 9000 Megawats em 2017, com uma possibilidade evidente de exportação para países vizinhos do sul e do este, embora as necessidades nacionais das empresas e dos cidadãos sejam, para já, as principais prioridades 3. CRESCIMENTO ECONÓMICO Angola tem sido invadida por muito crescimento depois de 2002, um marco da independência de Angola, depois de 27 anos de guerra civil. Dir-se-ia que se acumularam energias durante o longo período do conflito militar e que foram 2 Rácio dado pelo cociente entre os valores agregados do petróleo e refinados e da energia e água, de acordo com a classificação das contas nacionais. 3 Entrevista concedida à Revista Estratégia e publicada no seu número de Setembro de 2011.

9 Página9 subitamente libertadas depois de os angolanos se terem reencontrado consigo próprios e com o seu futuro. FONTE:, Relatórios Económicos. Base É notória a alteração do declive da curva anterior que representa o valor do índice do PIB do país desde 1998 a partir de 2003, justamente a sinalizar o efeito da paz e a possibilidade de se poder investir com mais confiança. O surto de crescimento tem acontecido duma forma sistemática desde então, havendo, no entanto, de conter entusiasmos políticos excessivos, porque a base de partida estava praticamente destruída sendo, por consequência, mais fácil, aritmeticamente, obter índices elevados de variação real do PIB e a estrutura produtiva se encontrava e ainda se encontra enviesada pelo excessivo peso da economia de enclave. A primeira afirmação pode ser comprovada pelo valor médio do PIB, a preços correntes, do período 1997/2000 e estimado em 7286,1 milhões de dólares (uma capitação de tão-somente 500 dólares por habitante). Em 2010, as primeiras estimativas apontam para 80904,9 milhões de dólares o valor da riqueza criada (média por cidadão de 4270,1 dólares).

10 Página10 A segunda asserção é demonstrada pelos valores da tabela seguinte, onde se pode ver a dominância do petróleo. Se a este mineral se juntassem os diamantes, os granitos e outros produtos do subsolo a prevalência da economia mineral no país pode ultrapassar os 55%. ANGOLA - ESTRUTURA DA ECONOMIA (%) Petróleo e refinados 49,4 51,9 56,3 57,1 55,8 57,6 42,5 47,3 Agricultura e pescas 8,4 9,7 8,6 7,8 8 8,3 11 8,9 Manufactura 3,9 4,8 4,1 4,9 5,3 6,7 6,8 4,8 FONTE: Relatório Económico de Angola 2010, Universidade Católica de Angola, Centro de Estudos e Investigação Científica. A regressão econométrica que relaciona o PIB nominal com os preços e a procura internacional de petróleo na base dum ajustamento geométrico apresenta valores significativos para os parâmetros de regressão: 1,45 para as exportações de petróleo e 0,63 para os respectivos preços internacionais, valores representativos para um intervalo de confiança de 95%. O coeficiente geral de determinação é de 98% 4. Estes valores comprovam a elevada dependência da economia angolana de variáveis incontroláveis internamente e sujeitas a um elevado grau de volatilidade. ANGOLA - VARIAÇÕES DO PIB NOMINAL, PREÇO E EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO (%) VARIÁVEIS PIB 21, ,2 40,6 59,3 35, ,2-14,8 15,6 Quantidade petróleo exportado 20,4 22,1-2,9 11,5 32,4 9,3 10,9 6,7-5,1 2,7 Preço do petróleo -16,2 6,6 16,5 30,9 37,1 21,3 18,8 28, ,1 4 A inclusão de mais anos na regressão econométrica ensaiada no relatório de 2007 veio confirmar os resultados do ajustamento e mesmo 2009, embora atípico na sequência de crescimentos positivos, não representou qualquer infirmação dos resultados gerais.

11 Página11 As dinâmicas de crescimento entre 1998 e 2010 apresentam alguns sinais, embora sem consolidação visível, de uma recuperação do sector não petrolífero da economia nacional depois de FONTE: Relatório Económico de Angola 2010, Universidade Católica de Angola, Centro de Estudos Investigação Científica. Nota: Base A crise internacional e a quebra das receitas petrolíferas prejudicaram o ambiente macroeconómico que vinha melhorando desde a obtenção da paz. Os resultados positivos verificados na recuperação dos equilíbrios gerais da economia nacional inverteram-se em 2009, tendo a subida da taxa de inflação e a perda de reservas em divisas sido os pontos mais importantes da influência da turbulência dos mercados económicos e financeiros mundiais. Como é consabido, o stock de reservas internacionais líquidas é um indicador importante sobre a saúde financeira das economias e de atractividade do investimento estrangeiro. A baixa das exportações e do preço do petróleo tiveram consequências dramáticas sobre a capacidade de pagamentos externos do país, tendo a quebra no montante das reservas internacionais ocorrido a partir de Dezembro de De facto,

12 Página12 em Novembro de 2008 as reservas em divisas ascenderam a mais de 20 mil milhões de dólares, enquanto em Junho de 2009 o seu montante gravitava em torno de 12,1 mil milhões de dólares. Ou seja, uma quebra de 8 mil milhões em seis meses. Não havendo alternativa ao petróleo como fonte de geração de reservas em divisas as exportações de diamantes não representam sequer 2% das exportações totais de petróleo a economia nacional acabou por absorver estes choques externos na forma duma redução do crescimento económico, dos investimentos e da capacidade de importação. O programa anti-crise do Governo e a melhoria do ambiente económico internacional depois do terceiro trimestre de 2009 permitiram uma contenção na degradação das reservas internacionais. Os aspectos mais sensíveis da estabilização macroeconómica que são, anualmente, muito tocados pela economia do petróleo são as Reservas Internacionais Líquidas, as receitas fiscais petrolíferas, o saldo da conta de mercadorias da Balança de Pagamentos, as intervenções no mercado interbancário de cambiais e a redução da dívida pública externa. FONTE: BNA, Direcção de Estatísticas. Como se constata pelo gráfico anterior, em finais de 2010, ainda não se recuperou do abalo que a crise financeira e económica de 2008/2009 provocou sobre as contas externas do país e as suas reservas internacionais.

13 Página13 POSIÇÃO DA ELECTRICIDADE NA ECONOMIA NACIONAL Quando se analisa a economia da energia em Angola dois sectores devem ser considerados o petróleo e a electricidade como apresentando uma relação de sentido diferente com o crescimento económico do país. O petróleo, como se viu anteriormente, tem funcionado como o motor da economia angolana, mas a electricidade tem sido, em certa medida, o travão do crescimento do PIB (e da consequente melhoria das condições básicas de vida da população). Com efeito, dever-se-ia esperar um crescimento mais intenso da produção e distribuição de energia do que aquele que tem, efectivamente, ocorrido. A fraqueza do sector da electricidade pode ser apreciada segundo os pontos de vista seguintes: Peso na estrutura económica nacional: a representatividade da produção de electricidade foi sempre, desde a independência, inferior a 0,1% do PIB, e não se tem conseguido melhorar esta performance, apesar de, depois de 2002, se terem aumentado os investimentos públicos em barragens e centrais térmicas. Significa dizer que o crescimento da indústria transformadora se tem feito, essencialmente, à custa de geradores, o que torna a organização e gestão das empresas mais difícil e sujeitas a muitas imponderabilidades (e com reflexos nos preços finais dos bens produzidos) e a satisfação dos consumos das famílias muito deficitários.

14 Página14 Dinâmica de crescimento: a produção de electricidade tem apresentado taxas de crescimento positivas. No entanto, numa série estatística longa verifica-se que, em média, a sua dinâmica de variação tem sido inferior à da economia e, em particular, à do PIB não petrolífero. O crescimento económico fica muito mais caro nestas condições e a aquisição duma competitividade comparável adiada.

15 Página15 Consumo médio de electricidade: verifica-se que o consumo médio de electricidade por habitante tem aumentado desde Não obstante, os níveis são ainda muito baixos e indiciadores duma situação de subdesenvolvimento no país. CONCLUSÕES As análises e reflexões anteriores possibilitam o alinhamento de algumas conclusões: A correlação entre a economia petrolífera e a economia nacional é muito elevada, aumentando-se, consequentemente, o índice de dependência dum produto cuja lógica de produção e procura e de formação de preços escapa completamente aos decisores públicos e privados angolanos. Agregados macroeconómicos muito sensíveis como as reservas internacionais, as receitas fiscais e as vendas de divisas dependem, em larga escala, do desempenho da economia petrolífera. Embora não inteiramente estudado e apesar das intenções e de algumas medidas que o Executivo tem estado a tomar em apoio da diversificação da economia, a doença holandesa tem contribuído para o atrofiamento de muitas das restantes actividades económicas. Nas províncias petrolíferas e diamantíferas este fenómeno está bem vincado e representado pelo fraco desenvolvimento da agricultura e da manufactura.

16 Página16 A correlação entre produção de electricidade e crescimento do sector não petrolífera que deveria ser forte e desfasada, no sentido da energia eléctrica ser um facilitador e dinamizador dos ramos produtivos transaccionáveis é difusa e desencontrada no tempo.

17 Página17 CAPÍTULO 2 EVOLUÇÃO DO SISTEMA ELÉCTRICO DE ANGOLA Félix Vieira Lopes Director de Gabinete de Unidade de Implementação Da Reforma (UIR) do MINEA Docente da Universidade Católica de Angola Investigador do

18 Página18 ANTECEDENTES Angola, país devastado por uma longa instabilidade político-militar, está neste momento a viver um clima de franco crescimento. Erros acumulados ao longo de muitos anos por factores diversos, sendo a situação de guerra dos mais marcantes pela destruição de infraestruturas aliada a uma flagrante escassez de recursos financeiros para alguns dos sectores chave, a inexistência de quadros em qualidade e quantidade para fazer face aos inúmeros desafios e outros condicionantes fizeram de Angola um país de difícil governação. O sector de energia não está alheio a essa situação. Sendo um sector transversal, o seu funcionamento tem impacto fundamental em outros sectores. No entanto, como parte de uma estrutura, ele não pode por si só resolver os inúmeros problemas existentes, estando muito dependente de outros sectores da economia nacional. Este apoio é basilar no sentido de darem a sua contribuição para que com a melhoria do sector de energia todo o país se desenvolva de forma harmoniosa e sustentável. Assim, como meio de assegurar uma implementação adequada da reforma e modernização do Sector Eléctrico de Angola, o Fórum sobre o Desenvolvimento do Sector Eléctrico que teve lugar em Luanda, de 6 a 8 de Outubro de 2004, concluiu que as intenções e planos de reforma do sector deveriam ser detalhados e formalizados num programa de reforma do sector eléctrico. É neste contexto que o Ministério da Energia e Águas decidiu preparar um Plano Director da Reforma do Sector Eléctrico (designado por Plano Director da Reforma) definindo as actividades principais da reforma, prioridades, prazos, responsabilidade de cada instituição e entidade, orçamentos e potenciais fontes de financiamento, assim como mecanismos de controlo da implementação do programa da reforma. Convém realçar, que entre os ganhos obtidos na reforma do sector podem salientar-se a revisão da Lei Geral da Electricidade, instrumento fundamental para o funcionamento da IFE de Angola e do Programa da Política e Estratégia da Segurança Energética, que inclui os sectores do petróleo e do gás, e que teve como sustentáculo primário um conjunto de documentos elaborados pelo MINEA. * - Todas as Tabelas e Gráficos, ao longo deste capitulo, com (*) indicam que se tratam de previsões/programações que podem ainda sofrer ligeiras alterações.

19 Página19 Esta compilação visa dar uma noção da evolução do sector a partir de 1996 e as suas perspectivas até 2016, com base numa série de estudos e seminários realizados ao longo de alguns anos. O princípio que orientou a sua elaboração foi o de preparar um instrumento efectivo de trabalho que distinga o principal do secundário e que, nestes termos, incorpore somente as acções consideradas essenciais e indispensáveis para a realização dos objectivos propostos para o desenvolvimento do sector de energia de Angola. A Indústria de Fornecimento de Electricidade (IFE) Uma indústria de electricidade de elevada qualidade e funcional é um requisito fundamental para a realização bem-sucedida da política económica mais ampla do Executivo no sentido de assegurar um desenvolvimento económico sustentado do País. No entanto, a Indústria de Fornecimento de Electricidade de Angola enfrentou, e em determinados casos enfrenta ainda vários obstáculos e desafios, que incluem: Um estado acentuado de deterioração da infra-estrutura eléctrica depois de um período prolongado de guerra, agravado por instituições públicas com elevada debilidade financeira (ENE e EDEL); Um sector que operou, por muito tempo, numa base de sobrevivência quotidiana, com limitada capacidade, e ainda ausência de enfoque em desenvolvimentos de longo prazo; Em 1996, 80% das capitais provinciais confrontavam-se com sérios problemas de fornecimento de electricidade. Desse modo, existia reduzida fiabilidade e qualidade de fornecimento de electricidade, com impacto negativo no desempenho da economia angolana; Tarifas que não reflectem os custos de produção, combinadas com sistemas inadequados de medida, facturação e cobrança, e operações comerciais, de uma forma geral não satisfatórias; Por muito tempo existiu um enfoque muito limitado na electrificação e expansão do acesso à electricidade, em particular nas áreas rurais; Uma estrutura da IFE e a inexistência de quadro legal e regulador que inibiam uma participação privada em grande escala no sector.

20 Página20 No sentido de ser alterada a situação prevalecente, medidas de reforma foram desenvolvidas, que iniciaram com a promulgação da Lei Geral de Electricidade, em Iniciativas subsequentes tiveram lugar, entre as quais se destacam: A realização do Simpósio sobre a Política Energética Nacional, em 1997; A publicação dos Regulamentos de Produção, Distribuição e Fornecimento de Energia Eléctrica, em 2001; A publicação do Estatuto do Instituto Regulador do Sector Eléctrico, em 2002; A aprovação da Estratégia de Desenvolvimento do Sector Eléctrico, em 2004; A conversão do Gabinete de Aproveitamento do Médio Kwanza e criação de duas novas empresas, em 2011; A aprovação da Estratégia de Modernização e Reestruturação das Empresas Públicas de Electricidade de Angola, em 2011; A aprovação do Programa da Política e Estratégia da Segurança Energética de Angola, em A tutela da IFE é da responsabilidade do Ministério da Energia e Águas, (MINEA) a quem cabe definir as políticas de desenvolvimento do sector eléctrico, assegurar a supervisão das actividades de produção, transporte, distribuição e comercialização de electricidade e ainda facilitar o seu desenvolvimento e expansão. A Empresa Nacional de Electricidade, ENE, E.P., é, de momento, responsável por 20% da produção do país e está já a operar todas as linhas de transporte, incluindo as que se encontravam sob a gestão do GAMEK. A Empresa de Distribuição de Electricidade, EDEL, E.P., tem sido responsável pela distribuição e fornecimento de energia eléctrica a grande parte da província de Luanda e tem estado a receber a fracção que estava sob a responsabilidade da ENE. Está também a operar na província do Bengo. O GAMEK gere a maior central produtora do país, Capanda, até à altura em que todos os activos de produção públicos do país passem à Sociedade de Operações Eléctricas, SOCEL.

21 Página21 ANGOLA Estrutura Actual da Indústria de Fornecimento de Electricidade ENE Sis temas Isolados EN E+ GAMEK ENE EN E Sis tema Sis tema Sis tema Norte Centro Sul NamPower (Namíbia) EDEL A utoridades Locai s (4 proví nci as) Endiama (Lunda Norte) Con su mid ores Há uma linha de distribuição de 30kV à cidade de Ondjiva, a sul, a partir da Namíbia e uma ainda menor à localidade de Nóqui, a norte, com a RDC, (quase sem expressão). O sistema eléctrico angolano não faz parte da Bolsa de Electricidade da SADC, a SAPP. A ilustração da estrutura da IFE é apresentada na figura. Preços e Tarifas O sector de electricidade de Angola tem actualmente em vigor alguns dos níveis mais baixos de tarifas da África Austral e da África Oriental. A agravar esta realidade o sector tem um índice elevado de perdas de transporte e de distribuição e uma produtividade das mais baixas da região. A recuperação dos custos no sector foi estimada apenas em pouco mais de 20% em 2005, pelo que o mesmo tem necessitado de 80% dos custos em subvenção do governo para se manter em funcionamento. Neste contexto, o Executivo tem pela frente decisões políticas importantes que nos próximos anos terão um grande impacto no desenvolvimento do sector eléctrico.

22 Página22 Objectivos Estratégicos do Sector Eléctrico Os objectivos gerais estratégicos definidos para o sector eléctrico incluem: Dinamizar e acelerar o processo de electrificação do país e expansão do acesso à electricidade a um cada vez maior número de cidadãos. Assegurar uma indústria de fornecimento de electricidade sustentável a médio e longo prazos, que seja promotora e contribua para o desenvolvimento do país. Melhorar progressivamente a eficiência da IFE, em geral, e a qualidade do fornecimento e dos serviços prestados, em particular. Mobilizar recursos necessários à expansão do sector. Promover o desenvolvimento de instituições e operadores financeiramente viáveis e tecnicamente eficientes. Promover gradualmente a competição, a todos os níveis possíveis. A estratégia definida pelo Governo em 2002 destaca ainda outros objectivos. Assim, a oferta do serviço de abastecimento público deve ser efectuada em condições apropriadas de qualidade e a preços suportáveis pela generalidade da população, de forma a assegurar a acessibilidade desejável a este serviço. Outro objectivo muito importante é o de eliminar as assimetrias regionais existentes em termos de oferta, que transitaram da era anterior à independência de Angola e que foram sendo agravadas durante o período de guerra que assolou o país nos anos posteriores. A energia eléctrica deverá também, em consonância com outros sectores da economia nacional, contribuir para a fixação das populações no interior do país e desencorajar a actual tendência para o êxodo e migrações internas. Consequentemente está a ser melhorada a oferta de electricidade para promover o crescimento regional, contribuindo assim para a criação de condições que facilitem a promoção de projectos de desenvolvimento para a fixação da população deslocada, no âmbito do programa de reassentamento dessa população.

23 Página23 OBSERVAÇÃO DA EVOLUÇÃO ENTRE 2009 E 2010 O país tem acomodado avultados investimentos necessários para a recuperação e expansão do seu sistema eléctrico público. O Executivo está a desenvolver a indústria de fornecimento de electricidade ao reabilitar antigas infra-estruturas e a criar novas centrais, subestações, linhas de transporte, de distribuição, etc. Um dos grandes desafios está a ser a interligação dos sistemas de transporte Norte, Centro e Sul, actualmente isolados. No estudo de planeamento do sistema eléctrico angolano realizado no início do ano de 2009, intitulado Estudos de Planeamento do Sistema de Transporte e Curto-circuito, Relatório Técnico, foi considerado o dimensionamento do sistema eléctrico de transporte como um todo, para atender à demanda total de energia prevista num dos cenários do Relatório Programa de Desenvolvimento do Sector de Energia publicado pelo MINEA, no qual estavam incluídos todos os pedidos de ligações eléctricas residenciais e industriais solicitados ao Ministério, contemplando toda a demanda prevista para o país, a qual se quantifica na tabela seguinte agrupada por sistemas. ANGOLA Demanda Máxima por Sistema (MW) * SISTEMA NORTE CENTRO SUL TOTAL As demandas contidas no referido cenário são bastante expressivas e exigem grande elevação da capacidade do parque produtor do país em relação às centrais actualmente em operação, além de várias acções para transporte e distribuição da energia. Os prazos para o estabelecimento de novos aproveitamentos hidroeléctricos e termoeléctricos de grande porte, necessários para o atendimento à crescente procura, desde a construção até à entrada em operação, são relativamente grandes. Embora este seja um programa de produção mais comedido do que o programa utilizado no primeiro estudo realizado no início de 2009, e possivelmente não atenda a

24 Página24 toda a demanda esperada para o país, é um programa de produção de certo modo mais realístico que muitos anteriores. Devido aos prazos exíguos para o estabelecimento de novos empreendimentos de produção e considerando que há um elevado nível de demanda reprimida em várias regiões do país, optou-se por igualar a demanda à produção disponível ano a ano, prevista no programa de produção do MINEA, e assim, determinar o sistema de transporte necessário para escoar toda a capacidade instalada de produção, sem limitações impostas pelo sistema de transporte, já que limitar a capacidade de produção de energia, devido à falta de um sistema de transporte adequado representa uma importante restrição no sistema eléctrico de um país. PRECEITOS, DADOS E CRITÉRIOS Estão previstas interligações entre os sistemas Norte, Centro e Sul, porém, inicialmente apenas em regime normal de operação, isto é, sem redundância no transporte. Será avaliado também o fornecimento de electricidade e a integração das províncias da Lunda Norte, Lunda Sul e Moxico para formar um novo sistema entre estas três províncias na área Leste do país. Em termos de carga a análise será processada de ano a ano, de 2009 a 2016, mas tendo em conta conceitos de carga alta, média e baixa. A demanda máxima inicial prevista para o ano de 2009 no sistema Norte foi de aproximadamente 520MW. O pico na região de Luanda, em Abril de 2009, das 17 às 23 horas foi de 678 MW, sendo 520MW de carga atendida integralmente e outros 158MW atendidos de forma parcial, num sistema de rodízio. No sistema Centro, que opera isolado, a demanda inicial não poderá exceder a produção disponível neste subsistema de 90MW (CD Quileva) mais 10,8MW no Lobito. O mesmo é considerado para o sistema Sul, o qual conta com uma produção disponível de 69MW (AHE da Matala - 27MW, CD do Namibe 12MW, CD do Lubango 30MW). Devido à carência de informações relativas à demanda de energia, à distribuição das cargas existentes, ao nível de renda nas províncias e da sua provável evolução e ao elevado nível de demanda reprimida em todas as regiões do país optou-se por distribuir

25 Página25 as cargas totais dos sistemas Norte, Centro, Sul e sistema isolado Leste, nas suas subestações, com base na população estimada. Nos sistemas Centro e Sul foi utilizada a população das províncias para ajustar as cargas das subestações. No sistema Norte, foi dado destaque para província de Luanda e atribuída a maior parcela da carga no sistema para esta província (83%). A carga de Luanda foi distribuída de forma equilibrada nos centros de carga de Viana, Cazenga, Cacuaco e Camama. Nas demais províncias (Zaire, Uíge, Kwanza Norte, Kwanza Sul e Malanje) os 17% restantes da carga foram rateados nas subestações, de acordo com suas populações. Para as cargas média e baixa foram adoptadas relações de 80% e 52%, em relação à carga máxima. Devido à demanda reprimida em todas as regiões do país, as taxas de crescimento seguirão a evolução da produção disponível, isto é, considera-se que a demanda máxima será igual à produção máxima disponível em todos os anos. PROGRAMA DE PRODUÇÃO Na tabela a seguir encontra-se o programa de produção instalado e a instalar que serve de referência para a elaboração desta análise.

26 Página26 ANGOLA Programa de Produção de Energia * SISTEMA CENTRO POTÊNCIA ENERGIA SITUAÇÃO ANO TIPO MW MW F/C médio Norte Capanda # 1e ,9 233 Em operação H Norte Capanda # ,72 93 Em operação H Norte Capanda # ,32 42 Em operação H Norte Cambambe 90 0,5 45 Em operação H Norte GTG #1 24 0,8 19,2 Fora de Serviço H Norte GTG #2 28 0,8 22,4 Fora de Serviço T Norte GTG #5 18 0,8 14,4 Fora de Serviço T Norte CD CFL Em operação (capacidade alugada) T Norte CT Quartéis Em operação T Norte CD Rocha Pinto T Norte GTG #4 18 0,8 14,4 Fora de Serviço 2009 T Norte CT Viana T Norte CT Cazenga GT6 22 0, T Norte CT Cazenga GTG5 22 0, T Norte GTG #3 40 0,8 32 Fora de Serviço 2012 T Norte Mabubas 17,8 0,5 8, H Norte Cambambe alteamento 170 0, H Norte CT Soyo # , T Norte Cambambe nova casa de força 700 0, H Norte CT Soyo # , T Norte Laúca L H Norte Laúca L1 # , H Norte Laúca L1 # , H Norte Laúca L1 # , H Norte Laúca L1 # , H Centro Biópio 10,8 0,5 5,4 Em operação H Centro CD Quileva 60 0,8 48 T Centro CT Quileva 60 0, T Centro CT Lobito 18 0,75 13, T Centro Biópio 3,6 0,5 1, H Centro GTG Biópio 18 0,8 14, T Centro Gove 60 0, H Centro Lomaúm 50 0,5 32, H Centro Cacombo 24 0, H Sul Matala 27,2 0,5 13,6 Em operação H Sul CD Lubango Em operação (alugada) T

27 Página27 Sul CD Namibe Em operação (alugada) T Sul CT Namibe T Sul Matala 13,6 0,5 6, H Sul Jamba-ya-Oma 75 0,5 37, H Sul Baynes 200 0, H Sul Eólica Namibe 100 0, E FC factor de conversão; MW médio potência real; H Hídrica; C -Térmica Com vista a analisar a possibilidade de escoamento da potência disponível nas centrais, sem restrições impostas pelo sistema de transporte local, essas análises são realizadas com a produção maximizada em todas as centrais. Nas tabelas a seguir, podese observar um resumo com a capacidade instalada prevista nos sistemas Norte, Centro e Sul, divididos entre produção térmica e hídrica, para cada ano analisado. ANGOLA - Produção Hídrica Capacidade Instalada (MW) * Norte Centro Sul ANGOLA - Produção Térmica Capacidade Instalada (MW) * Norte Centro Sul Total ANGOLA - Total (Hídrica + Térmica) MW* Norte Centro Sul Total

28 Página28 CAPACIDADES OPERATIVAS DE LINHAS DE TRANSPORTE As capacidades operativas para longa e curta duração, para as linhas de transporte, utilizadas no estudo, encontram-se na tabela que vem a seguir. ANGOLA - Capacidades Operativas de Linhas de Transporte de Energia Temperatura Projecto Temperatura Ambiente Longa Duração Curta Duração* CONDUTOR TENSÃO (kv) (ºC) (ºC) (MVA) (MVA) 3x954 MCM x477 MCM ,5 MCM MCM PROGRAMA DE ACÇÕES DE CURTO PRAZO As linhas de transporte e subestações associadas, previstas para entrar em operação pelos órgãos públicos no curto prazo, em construção ou em fase de licitação, são as que a seguir se indicam. ANGOLA Novas Linhas de Transporte de Energia LT 400kV Capanda Lucala Viana 2009 (GAMEK) LT 220kV Viana Camama 2009 (GAMEK) LT 220kV Lucala P. Sonho - Uíge Maquela do Zombo 2010 (GAMEK) LT 220kV Gove Huambo Bié (Cuito) 2011 LT 220kV Viana Filda (Duplo) 2011 (ENE) LT 220kV Cacuaco Boavista (Duplo) 2011 (ENE) LT 220kV Camama Morro Bento (Duplo) 2011 (ENE)

29 Página29 LT 220kV Gabela Biópio 2012 (ENE) LT 220kV Benguela Biópio - Alto Catumbela Huambo LT 220kV ZEE Seccionamento Cambambe Camama (a) - LT 220kV Matala Lubango (a) - LT 220kV Lubango Namibe (a) - LT 220kV Gabela Waku Kungo (a) (a) Fazem parte do Programa de Desenvolvimento de Energia A configuração do sistema de transporte da Região Norte de Angola, para o ano de 2009, está ilustrada na figura que se segue. ANGOLA Rede do Transporte de Energia do Sistema Norte (2009) Para esta carga, o sistema opera em condições normais dentro dos padrões de desempenho quanto aos níveis de tensões nos barramentos entre 95% e 105% da tensão

30 Página30 nominal e os carregamentos nas linhas de transporte mantêm-se abaixo das capacidades operativas das mesmas. A emergência que causa o maior impacto neste sistema é a perda da LT 400kV Capanda Lucala Viana. Dependendo da produção despachada nas centrais térmicas de Luanda e no AHE Cambambe, podem ocorrer afundamentos de tensões na região de Luanda, levando a grandes cortes de cargas, por subtensão, além de sobrecargas na linha de 220kV entre Capanda e Cambambe. Por este motivo, tem sido prática a operação com pelo menos dois grupos despachados no AHE de Cambambe, além de se manter um mínimo de produção térmica despachada em Luanda (da ordem de 100MW), para auxiliar no controlo de tensão da região. O Sistema Centro é constituído principalmente pela província de Benguela. O atendimento aos centros de Cavaco, Catumbela e Lobito, segundo maior porto do país, é realizado por linhas de transporte de 60kV e 30kV. Há também uma linha de 150 kv que liga as subestações da Quileva e do Biópio. A central diesel da Quileva (90MW) também abastece o sistema. ANGOLA Rede do Transporte de Energia do Sistema Centro Há também na região Centro as províncias de Huambo e Bié que actualmente operam isoladas, sendo abastecidas por centrais térmicas locais. O sistema Sul é

Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009

Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009 Luanda Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009 Declaração de VISÃO & MISSÃO (o que queremos ser) Consolidar e Liderar

Leia mais

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Por ENE-E.P. ENE-E.P. Empresa Nacional de Electricidade (ENE-E.P).

Leia mais

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO VI CONFERENCIA RELOP A QUALIDADE DE REGULAÇÃO DA ENERGIA E DOS SERVIÇOS NOS PALOP ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO Eng. Júlio Capitango Luanda, Maio de 2013 Índice 1. Enquadramento 2. Organização do Sector

Leia mais

O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO - Uma Visão Complementar -

O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO - Uma Visão Complementar - O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO Adolfo Steiger-Garção Professor Catedrático FCT-UNL / UNINOVA CTS Francisco Reis Professor ISEL / UNINOVA CTS Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Oportunidades de Investimento

Oportunidades de Investimento República de Angola Ministério da Energia e Águas Oportunidades de Investimento Fevereiro 2014 MINEA Oportunidades de Investimento 0 Agenda 1 Angola País em Desenvolvimento 2 Dinâmicas da Indústria de

Leia mais

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Cap 1: Energia e Macroeconomia ANGOLA-Petróleo e macroeconomia (milhões de USD, salvo indicação em contrário) 2006 2007 2008 2009 Vendas líquidas

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto TEMA: Distribuição eléctrica na FEUP PROBLEMA: Como é feita a distribuição de energia eléctrica na FEUP ALUNOS: Ana Barros, João Carvalho, Maria Ribeiro,

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Este documento é de circulação restrita à sua audiência A sua transcrição ou reprodução não é permitida sem a prévia autorização escrita da nolimits Consulting TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico

PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico João Saraiva Engenheiro Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA E ÁGUAS INTERNATIONAL

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009

SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 I-INTRODUÇÃO II-SITUA SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 II-PRIORIDADES DO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 IV CALENDÁRIO

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS 22.11.2011 - Tucuruí,, Brasil Carlos Nadalutti Filho APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAPANDA Início:

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

Programa de Transformação do Sector Eléctrico. Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda

Programa de Transformação do Sector Eléctrico. Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda Programa de Transformação do Sector Eléctrico Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda 30 de Maio de 2013 1 Programa de Transformação do Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento do Programa

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

O Petróleo e os Mercados de Capitais

O Petróleo e os Mercados de Capitais O Petróleo e os Mercados de Capitais Emílio Londa, Director de Estudos e Análises 24 de Julho de 2014 Agenda 1. Importância Económica do petróleo 2. O papel estratégico do petróleo em Angola 3. A comercialização

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA: DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO, RELAÇÕES E PARCERIAS 1 DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS 1. Introdução 2 2. Diagnóstico

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ORGANOGRAMA DO SISTEMA EDUCATIVO - ANGOLA (reforma educativa - fase de transição. ão) 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª

ORGANOGRAMA DO SISTEMA EDUCATIVO - ANGOLA (reforma educativa - fase de transição. ão) 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª Prosseguimento de estudos 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª 9ª Classe (Transição) Mercado de trabalho Formação Média-Técnica Mercado de trabalho Ensino Ensino Secundário (1º Ciclo)

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA LUANDA, 26 DE MAIO DE 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Potenciais áreas para o investimento público e privado. 1. PRINCIPAL ORIENTAÇÃO DO SECTOR

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 01. A REDE NACIONAL DE PLATAFORMAS LOGISTICAS 01. INTRODUÇÃO 02. PRIORIDADES NA CONSTRUÇÃO DE NOVAS 02.

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Ministério da Energia e Águas

Ministério da Energia e Águas Ministério da Energia e Águas Memorando Situação Financeira das Empresas do Sector Eléctrico Proposta de Saneamento Síntese: 1. Da avaliação da situação actual das empresas ENE e EDEL, conclui se que estas

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 452/X RECOMENDA AO GOVERNO A REORIENTAÇÃO DO INVESTIMENTO PÚBLICO

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 452/X RECOMENDA AO GOVERNO A REORIENTAÇÃO DO INVESTIMENTO PÚBLICO Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 452/X RECOMENDA AO GOVERNO A REORIENTAÇÃO DO INVESTIMENTO PÚBLICO A crise económica e social, quer a nível internacional quer a nível nacional,

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011 Diogo Gaspar Ferreira 1. PONTOS FRACOS E FORTES DO TURISMO RESIDENCIAL PORTUGUÊS 2. PLANO ESTRATÉGICO A

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

Analysis of the External Environment

Analysis of the External Environment Analysis of the External Environment Forces What trends are there? What Opportunities/Risks are the result? How great is the probability and influence? How do we proceed? Political Desde a morte do Savimbi

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES 2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES Aceleração da execução A execução do QCAIII atingia, no final do 1.º semestre de 2001, uma taxa de execução acumulada de cerca de 29% face ao

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Projeto Twendela kumwe 1

Projeto Twendela kumwe 1 Avaliação Intercalar Ano 1 Janeiro 2011 - Janeiro 2012 Projeto Twendela kumwe 1 - Capacitação Institucional da Cáritas de Angola - SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR - ANO 1 [01 DE JANEIRO

Leia mais