UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MÁRCIA RENATA PUGLIA USO E OCUPAÇÃO IRREGULAR DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FAVELA HELIÓPOLIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MÁRCIA RENATA PUGLIA USO E OCUPAÇÃO IRREGULAR DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FAVELA HELIÓPOLIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MÁRCIA RENATA PUGLIA USO E OCUPAÇÃO IRREGULAR DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FAVELA HELIÓPOLIS SÃO PAULO 2009

2 2 MÁRCIA RENATA PUGLIA USO E OCUPAÇÃO IRREGULAR DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FAVELA HELIÓPOLIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Profª Drª Gisleine Coelho de Campos SÃO PAULO 2009

3 3 MÁRCIA RENATA PUGLIA USO E OCUPAÇÃO IRREGULAR DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FAVELA HELIÓPOLIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho apresentado em: 25 de novembro de Profª Drª Gisleine Coelho de Campos Profº Me.Claudio Luiz Ridente Gomes Comentários:

4 4 RESUMO O uso e ocupação irregular do solo urbano se dão, principalmente, devido ao crescimento desordenado das cidades, o que acontece de diversas maneiras: ocupações sob viadutos, cortiços, terrenos privados, margens de córregos, áreas íngremes, entre outras áreas de risco. Com essa ocupação desordenada surgem diversos problemas de ordem ambiental, social e de engenharia, que envolvem um esforço enorme da sociedade e dos governantes na busca de soluções. Desde a década de 70 o problema favela faz parte da vida dos paulistanos; o governo propôs e tentou diversos programas para a melhoria dessa condição, mas nunca com um bom resultado final. Desde 2005 a PMSP, juntamente com o apoio do Governo Federal, vem desenvolvendo alguns programas para a regularização do uso e ocupação do solo, tais como: programas de regularização fundiária, regularização de cortiços, construção pelo sistema de mutirão e o programa de urbanização de favelas, que é o maior programa desse gênero na América Latina. O presente estudo foca os trabalhos realizados na favela de Heliópolis, buscando mostrar as obras de engenharia que levam condições de habitabilidade para a população, como a implantação de sistemas de esgoto, drenagem, água, ruas pavimentadas, córregos canalizados, iluminação pública, e habitações com o mínimo de conforto e segurança. O papel da engenharia é fundamental nestes programas, mas exige, em paralelo, um acompanhamento sócio-cultural para instruir a população a usar de forma racional e consciente os recursos que a engenharia pode prover. Palavras Chave: Uso Ocupação Solo Urbanização Favela

5 5 ABSTRACT The irregular use and occupation of the urban soil mainly happen as a result of the disorganized growth of the cities, which takes place in several ways: occupation under viaducts, slums, private properties, on the margins of streams, steep areas, among other risky areas. With that disorganized occupation several environmental, social and engineering problems come up involving an enormous effort of the society and city administrators to find solutions. Since the 70 s the slum problem is a part in the life of São Paulo s in habitants; the government has proposed and tried several programs to improve the living conditions in those areas, but has never achieved a good final result. Since 2005 the Municipal Prefecture of São Paulo supported by the Federal Government has developed some programs to regularize the use and occupation of the soil, such as: programs to legalize pieces of land, slums, construction work through a cooperative system and a program of slum urbanization, which is the biggest program of this kind in Latin America. This study focuses on the works carried out in the Heliópolis slum to show the engineering works that give the population conditions of habitability, such as the implementation of sewerage, draining systems, water, paved streets, channeled streams, public lighting and homes with minimum comfort and security. The role of engineering is essential in those programs, but, in parallel, it requires a socio-cultural follow-up to teach the population how to use rationally and consciously the resources engineering is able to provide. Key Words: Use Occupation Soil Urbanization - Slum

6 6 LISTA DE FIGURAS Figura 5.1 Mapa de Zoneamento da Região do Ipiranga Figura 5.2 Subdivisão do Município de São Paulo Figura 5.3 Favela Recanto dos Humildes Figura 5.4 Favela Jardim Elba Figura 5.5 Favela Jardim Colombo Figura 5.6 Cortiço de São Paulo Figura 5.7 Cortiço de São Paulo Região do Bexiga Figura 5.8 Área de Ocupação de Encostas Figura 5.9 Ocupação de Encosta Região de Cubatão Figura 5.10 Croqui Exemplificando Situação de Risco Figura 5.11 Favela Jardim Edith Figura Escombros de um incêndio na Favela Heliópolis Figura Deslizamento da Favela da Rocinha - Campo Belo Figura 5.14 Viela Favela do Heliópolis Figura 5.15 Favela Paraisópolis ao lado de um condomínio de alto padrão Figura 5.16 Ocupação desordenada à margem da Represa Guarapiranga Figura 5.17 Acumulo de lixo à margem da represa Guarapiranga Figura 5.18 Construção de habitação no sistema de Mutirão Figura 5.19 Mapa de localização das obras Figura 5.20 Favela Vila Nilo Antes da Urbanização Figura 5.21 Favela Vila Nilo Após Urbanização Figura 5.22 Centro de Lazer Favela Santo Eduardo Figura 5.23 Unidades Habitacionais Favela Heliópolis Figura 6.1 Vista Parcial da Favela do Heliópolis Figura 6.2 Divisão do Município de São Paulo Figura 6.3 Localização das glebas A, K e N Figura 6.4 Plantas de Remoção Heliópolis Gleba K Figura 6.5 Áreas de desapropriação que sofreram demolição Figura 6.6 Ligação domiciliar de água Figura 6.7 Abertura de vala para rede de esgoto Figura 6.8 Rede de esgoto em beco estreito... 57

7 7 Figura 6.9 Camada de concreto para regularização da vala Figura 6.10 Construção de PV Figura 6.11 Construção de rede de drenagem Figura 6.12 Coleta de água: tipo boca de leão e boca de lobo Figura 6.13 Construção de poço de visita de drenagem Figura 6.14 Regularização da via e pavimentação asfáltica, com criação de lombada Figura 6.15 Piso de concreto em viela Figura 6.16 Reforma de Calçadas Figura 6.17 Perspectiva futura do Condomínio Rocinha Figura 6.18 Implantação do Condomínio Comandante Taylor Figura 6.19 Início do processo de transplante de árvores Figura 6.20 Árvores transplantada Figura 6.21 Execução de estacas tipo hélice contínua Figura 6.22 Blocos e vigas baldrames executados Figura 6.23 Cálice, bloco para receber o pilar pré-moldado Figura 6.24 Início da colocação do pré-moldado Figura 6.25 Planta Pavimento Tipo Figura 6.26 Vistas Parciais do Conjunto... 68

8 8 LISTA DE TABELAS Tabela 5.1 Zonas de Uso do Solo Tabela 5.2 Cidade de São Paulo em números Tabela 5.3 Dados da Subprefeitura Sé Tabela 5.4 Dados da Subprefeitura Mooca Tabela Dados das Favelas de São Paulo Tabela 6.1 Informações sobre as obras na Gleba K Heliópolis... 53

9 9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AEIS APROV CASE CEF CMH COHAB CONTRU HABI PARSOLO PEAD PV PMSP RESOLO SEHAB SEMPLA Áreas de Especial Interesse Social Departamento de Aprovação de Edificações Departamento de Cadastro Setorial Caixa Econômica Federal Conselho Municipal de Habitação Companhia Metropolitana de Habitação Departamento de Controle do Uso de Imóveis Superintendência de Habitação Popular Departamento de Parcelamento do Solo e Intervenções Urbanas Polietileno de Alta Densidade Poço de Visita Prefeitura Municipal de São Paulo Departamento de Regularização do Parcelamento do Solo Secretaria Municipal de Habitação Secretaria Municipal de Planejamento

10 10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA USO E OCUPAÇÃO IRREGULAR DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Aspectos Históricos do Uso e Ocupação do Solo Urbano O Município de São Paulo e o Parcelamento do Solo Formas Irregulares de Ocupação do Solo Urbano Favelas Cortiços Ocupação de encostas Impactos Causados Devido a Essas Ocupações Degradação Ambiental Acidentes Impactos Sócio-Culturais Programas de Melhoria desenvolvidos pela Prefeitura de São Paulo Recuperação de Cortiços Regularização Fundiária Regularização de Loteamentos Programa Mananciais Mutirões Urbanização de favelas... 42

11 11 6. FAVELA DO HELIÓPOLIS Origem da Favela Localização Caracterização da obra Sistemas de Infraestrutura Habitações CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ANEXO A ZONAS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANEXO B OS ÓRGÃOS MUNICIPAIS E SUAS COMPETÊNCIAS... 85

12 12 1. INTRODUÇÃO O uso e ocupação do solo urbano estão diretamente ligados ao aumento populacional dos grandes centros urbanos. Esse aumento populacional acaba gerando um descontrole enorme na cidade, causando diversos problemas sociais; um deles é o uso e ocupação irregular do solo urbano, que se deve ao alto número de pessoas e às poucas habitações, dando origem às favelas, cortiços e moradias precárias em geral. Essas moradias são geralmente construídas em áreas de risco, como encostas, margens de córregos ou embaixo de viadutos, e trazem diversos problemas, principalmente de ordem ambiental e social. Através desse estudo são mostrados os tipos de ocupações irregulares, os problemas causados por elas, e também algumas propostas de melhoria, como o Programa de Urbanização de Favelas da Prefeitura do Município de São Paulo. Urbanizar favelas é algo extremamente importante, e está sendo tratada no mundo inteiro; a melhoria que se tem no aspecto ambiental e de engenharia é bem significativa, e essa melhoria consequentemente acarreta também em melhorias no aspecto social, trazendo mais cultura e educação ao acesso dessa população carente. Dentro de uma favela, geralmente não existem sistemas de esgoto, água, drenagem, energia elétrica, coleta de lixo... O esgoto é lançado em córregos próximos; e não só esgoto, todo e qualquer lixo joga-se em córregos, rios e qualquer terreno vazio. A rede de abastecimento de água geralmente sofre interferências para os desvios das favelas, os chamados gatos e isso causa problemas sérios nas redes, como deterioração das mesmas, muita perda de água e contaminação da água já tratada.

13 13 O fornecimento de energia elétrica, sofre com ligações clandestinas que, muitas vezes, são feitas diretamente dos postes, isso pode causar problemas sérios, como por exemplo, incêndios. As moradias precárias são desafios para a engenharia, e os acessos extremamente difíceis, muitas vezes existem pequenas vielas para o acesso às diversas moradias. Sem contar os problemas de ordem social, nas favelas existem muitos núcleos de criminalidades, que se aproveitam da logística das mesmas, do difícil acesso, e da população fácil de persuadir. Com isso a violência e o índice de pobreza só têm a crescer e o índice de alfabetização e cultura diminui, tornando a população cada vez mais ignorante e conformada com a situação. O Programa de Urbanização de Favelas visa à interação dessa população à sociedade, dando moradia digna, com redes de água, redes de esgoto, rede de drenagem, coleta de lixo, espaço para lazer, ruas asfaltadas com fácil acesso, buscando melhorias na moradia e na qualidade de vida dessas pessoas. Vale lembrar que o Programa de Urbanização de Favelas, é um dos vários programas sociais do governo federal, juntamente com as prefeituras das respectivas cidades (PMSP, 2008), que visa à melhoria da qualidade de vida da população. No entanto, os problemas sociais são muitos e bem maiores que dependem de outros investimentos do governo, principalmente em educação, saúde e segurança, mas esse já é um início, um primeiro passo.

14 14 2. OBJETIVOS Apresentar um estudo sobre o uso e ocupação irregular do solo urbano na cidade de São Paulo, analisando principalmente as habitações irregulares, mostrando os diversos fatores intervenientes e as possíveis soluções para os mesmos. 2.1 Objetivo Geral Discutir o uso e ocupação irregular do solo urbano, abordando as principais causas e conseqüências das ocupações com habitações irregulares, focando principalmente nas favelas, tipo de ocupação que interfere bastante na cidade. Esse estudo mostra essas interferências, desde as habitações precárias até os problemas ambientais e sociais gerados, e também algumas propostas de melhoria, como o Programa de Urbanização de Favelas (SEHAB, 2009). 2.2 Objetivo Específico Apresentar o Programa de Urbanização de Favelas, tomando como estudo de caso a favela do Heliópolis, considerada a maior favela da cidade de São Paulo, e que atualmente está passando por um processo de urbanização. São abordados os principais problemas encontrados, como habitações precárias e consideradas de risco, habitações próximas a córregos, falta de infraestrutura, entre outros. E também as soluções de melhoria propostas e seus resultados parciais.

15 15 3. MÉTODO DE TRABALHO Para algumas definições de solos e suas ocupações foram pesquisadas bibliografias diversas, que forneceram conceitos simples e claros sobre os diversos tipos de ocupações, e toda a história do processo de uso do solo. Já referente ao uso irregular, como as favelas, a pesquisa bibliográfica foi basicamente efetuada a livros, revistas e sites publicados pela própria prefeitura de São Paulo, e também pelo Governo Federal. Foram analisadas legislações e portarias referentes à ocupação do solo: Plano Diretor da Cidade, Estatuto da Cidade e a Constituição a fim de verificar os direitos e deveres de cada um, população e governantes. Aproveitando o momento em que a obra de Urbanização da Favela do Heliópolis estava em execução, aconteceram visitas freqüentes ao campo, onde foi possível fazer o registro de todas as etapas da obra. Houve também, participação em projetos específicos e palestras técnicas, com o intuito de aprofundar o conhecimento nesse Programa de Urbanização.

16 16 4. JUSTIFICATIVA Os grandes centros urbanos estão sofrendo cada vez mais com o aumento da população, e por melhor estruturados que sejam acabam excedendo seu limite de capacidade de atendimento à mesma. Com isso o uso e ocupação do solo urbano acontecem de forma irregular, formando as chamadas favelas, que necessitam de um intenso processo de urbanização. Esse processo de urbanização requer um estudo multidisciplinar, onde o emprego da engenharia civil é extremamente fundamental, trazendo melhorias em obras de infraestrutura, saneamento, habitações, entre outros. As obras de infraestrutura, como criação de vias e iluminação, trazem benefícios enormes em relação à segurança, facilitando a vigilância e acesso a pontos antes não acessíveis. As obras de saneamento e canalização favorecem a diminuição de poluição em córregos, e com isso a diminuição de enchentes, contaminações e doenças. As novas habitações, geralmente apartamentos, dão novas esperanças as famílias que antes moravam em barracos, trazendo melhor qualidade de vida. Sem contar as obras de benfeitoria, como escolas, creches, hospitais, áreas de lazer, que elevam o nível sócio-cultural da região. Diante de toda essa necessidade, o tema Urbanização de Favelas se faz fundamental, buscando a melhoria na qualidade de vida dessa população e consequentemente na vida de todos.

17 17 5. USO E OCUPAÇÃO IRREGULAR DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO O uso e ocupação do solo urbano podem acontecer de diversas formas, para um melhor entendimento são apresentados: um pouco da história, os tipo de usos divididos por zonas, os aspectos legais e os órgãos responsáveis por cada setor, os usos irregulares e os diversos problemas causados por isso. 5.1 Aspectos Históricos do Uso e Ocupação do Solo Urbano A partir de estudos realizados por Reis (1996) é possível saber um pouco da história de ocupação do solo urbano, como segue descrito abaixo. No período colonial os territórios e as vilas tinham seus limites definidos oficialmente pelas respectivas Câmaras e eram demarcados por navegadores, com base nas estrelas. Dentro desses territórios, as Câmaras concediam terrenos a quem solicitasse, com o compromisso de construir no prazo de um ano. Por esse terreno era pago uma taxa fixa, semelhante a um aluguel, que caracterizava a propriedade da Câmara e a posse do concessionário. A apropriação do espaço não era homogênea; as ocupações oficiais, civil, militar e religiosa, ocupavam áreas de destaques, nos espaços não edificados estabelecia-se o rocio, destinado ao pasto dos animais dos transportes dos próprios moradores. Com isso, se estabeleceu uma espécie de zoneamento, ou seja, concentração de determinadas funções em certas áreas, caracterizando os bairros e a forma de ocupação e diversificando a paisagem urbana colonial.

18 18 Durante o século XVIII, com a interiorização do povoamento, graças à mineração do ouro, houve uma mudança significativa nos modos de apropriação do território e na política aplicada pela metrópole. Segundo essa nova política, ao se fundar uma vila algumas diretrizes deveriam ser adotadas, como reserva de terra ao lado da vila favorecendo sua expansão e o plano regulador para a padronização das fachadas, o sistema de doação de terras continuava o mesmo. Só a partir da segunda metade do século XIX, com a grande expansão da produção cafeeira e a instalação das ferrovias é que a rede de cidades e os principais centros urbanos iniciaram um processo de crescimento acelerado impondo ao Governo Imperial uma mudança e organização na ocupação territorial. As grandes chácaras foram loteadas, nos terrenos ao lado de indústrias foram instalados conjuntos habitacionais, construídos pelos próprios industriais a fim de acomodar os operários, formando as vilas operárias. Em São Paulo, na região do Brás, bairro industrial por excelência, foram localizadas cerca de 250 vilas operárias. Com a aceleração da concentração populacional, houve a intensificação do crescimento dos bairros populares de periferia levando ao aparecimento de novos tipos de apropriação e uso do solo: a ocupação dos antigos casarões e prédios originando os cortiços e os loteamentos clandestinos, ocupados com barracos de madeira ou construções precárias de alvenaria, formando as favelas. Outra característica que até hoje é relevante no processo de formação de favelas e habitação de risco é o elevado custo para a compra de terrenos, juntamente com a baixa remuneração recebida por essa parcela mais carente da sociedade, ou seja, os valores são desproporcionais. 5.2 O Município de São Paulo e o Parcelamento do Solo O parcelamento do solo se deu devido à necessidade de separação das áreas residências, urbanas e rurais, e para isso foram criadas zonas de uso. Esse

19 19 parcelamento pode ser feito através de loteamento ou desmembramento e se faz em zonas urbanas ou de expansão urbana, utilizando-se de glebas que ainda não sofreram com esse processo (GASPARINI, 1988). Através da legislação vigente (SÃO PAULO, 1981; 2002; 2004) é possível definir os principais tipos de parcelamento do solo, como segue: Loteamento é considerado a divisão de glebas em lotes destinados a edificação residencial, comercial ou industrial, com pelo menos uma frente para a via pública, com aberturas de novas vias de circulação, de logradouros públicos ou prolongamentos, modificação ou ampliação das vias existentes, ou ainda, lotes destinados a uma função de lazer. O loteamento é precedido de diretrizes para fixação das áreas verdes e institucionais, sistemas viários públicos e eventuais faixas não edificáveis; Desmembramento é a subdivisão de glebas em lotes destinados à edificação, com aproveitamento do sistema viário existente, desde que não implique a abertura de novas vias e logradouros públicos, nem no prolongamento, modificação ou ampliação dos já existentes. O desmembramento é precedido de diretrizes para fixação das áreas verdes e institucionais públicas e eventuais faixas não edificáveis; Desdobro de Lote é a divisão de terreno, oriundo de parcelamento aprovado ou regularizado, com frente para rua oficial já existente, não implicando na abertura de novas vias e nem no prolongamento das vias já existentes; Remembramento de Lote é a união de dois ou mais terrenos, oriundos de parcelamento aprovado ou regularizado, para formação de novos terrenos, com frente para via oficial já existente, não implicando na abertura de novas vias e nem no prolongamento das vias já existentes. Todas as áreas de uma determinada região são enquadradas na lei de zoneamento. Na Tabela 5.1 é possível identificar todas essas zonas. No anexo A, pode-se verificar de maneira mais explicativa, a abrangência de cada zona.

20 20 Tabela 5.1 Zonas de Uso do Solo Z1 Zona de uso estritamente residencial de densidade demográfica baixa; Z2 Zona de uso predominantemente residencial de densidade demográfica baixa; Z3 Zona de uso predominantemente residencial, de densidade demográfica média; Z4 Zona de uso misto, de densidade demográfica média alta; Z5 Zona de uso misto, de densidade demográfica alta; Z6 Zona de uso predominantemente industrial; Z7 Zona de uso predominantemente industrial; Z8 Zona de usos especiais; Z9 Zona de uso predominantemente residencial; Z10 Zona de uso predominantemente residencial de alta densidade; Z11 Zona de uso predominantemente residencial, de densidade demográfica baixa; Z12 Zona de uso predominantemente residencial, de densidade demográfica média; Z13 Zona de uso predominantemente residencial, de densidade demográfica média; Z14 Zona de uso predominantemente residencial, de densidade demográfica baixa; Z15 Zona de uso estritamente residencial, de densidade demográfica baixa; Z16 Zona de uso coletivo de lazer; Z17 Zona de uso predominantemente residencial de densidade demográfica baixa; Z18 Zona de uso predominantemente residencial de densidade demográfica baixa; Z19 Zona de uso misto com predominância de comércio e serviços. Fonte: SEMPLA (2009) Segundo estudos de Rolnik (2008), a legislação urbanística estabelece padrões desejáveis para a ocupação de determinadas áreas da cidade. Definindo parâmetros mínimos de ocupação de lotes, recuos, coeficientes de aproveitamento e usos permitidos. Entretanto, muitas vezes os próprios padrões mínimos de ocupação levam a terra urbana infraestruturada a atingir preços altos demais para o poder de compra de grande parte da população. As camadas mais pobres se vêem obrigadas a ocupar terras à margem da legislação, originando loteamentos clandestinos e ocupações irregulares. Esses assentamentos localizam-se, muitas vezes, em regiões ambientalmente frágeis e de difícil urbanização: encostas de morros, várzeas inundáveis ou mangues, embora estas áreas sejam protegidas por legislação de preservação ambiental, sua urbanização muitas vezes é mais densa e devastadora justamente pela ausência de regulamentação.

21 21 A luta desses assentamentos irregulares pela não remoção, pela melhoria das condições urbanísticas e regularização fundiária, fez nascer um novo instrumento urbanístico que começou a ser usado em várias prefeituras do país: as Zonas de Especial Interesse Social (ZEIS), ou Áreas de Especial Interesse Social (AEIS). A concepção básica do instrumento das ZEIS é incluir no zoneamento da cidade uma categoria que permita, mediante um plano específico de urbanização, estabelecer padrões urbanísticos próprios para determinados assentamentos. Levando a esses assentamentos irregulares, infraestrutura urbana, regularização do terreno, aumentando a arrecadação do município e aumento da oferta de terrenos á população de baixa renda. Na Figura 5.1, é possível identificar a área a ser analisada no estudo de caso, favela do Heliópolis, como Z8 - Zona de uso especial de interesse social (área hachurada central da figura). Diante da necessidade de organização do uso e ocupação do solo urbano do Município, foram criados alguns órgãos/departamentos para cuidar de cada situação, como CMH, COHAB, HABI, APROV, PARSOLO, RESOLO, CONTRU E CASE, no Anexo B encontra-se um organograma identificando todos esses órgãos e uma breve explicação de cada um.

22 Figura 5.1 Mapa de Zoneamento da Região do Ipiranga Fonte: SEMPLA (2009) 22

23 Formas Irregulares de Ocupação do Solo Urbano São Paulo pode ser caracterizada pelo modelo de crescimento da desigualdade; embora seja a capital econômica do Brasil, esse crescimento econômico caminha junto com a acumulação da pobreza. Por se tratar da capital econômica, ela é o principal mercado de emprego não agrícola do país, e isso faz com que pessoas do país inteiro migrem para cá em busca de novos horizontes, de emprego e de construção de uma vida. Pode-se dizer que São Paulo é dividido em três grandes partes: anel central, habitado em sua maioria por população de alta renda; anel intermediário, habitado em sua maioria por população de renda média; e anel periférico, habitado em sua maioria por população de baixa renda, conforme mostrado na Figura 5.2.

24 24 Figura 5.2 Subdivisão do Município de São Paulo Fonte: SACHS (1999) Mesmo nos anéis central e intermediário, ainda sim é possível encontrar zonas de precariedades, como por exemplo: cortiços, que será visto mais adiante. Esse anel periférico em sua grande maioria é formado por migrantes, principalmente nordestinos, que sem condições financeiras acabam por alojarem-se em locais

25 25 impróprios e distantes do centro, dando origem as favelas, cortiços e ocupações precárias (SACHS, 1999) Favelas As favelas são caracterizadas por regiões urbanas de baixa qualidade de vida e infraestrutura precária, cujos moradores possuem baixo poder aquisitivo. As construções são realizadas em terrenos invadidos e sem regularização fundiária e suas edificações são inadequadas, feitas com materiais grosseiros, em locais sem qualquer apoio estatal, sem energia elétrica, abastecimento de água, esgoto, etc. Muitas vezes, esses terrenos localizam-se em regiões ambientalmente frágeis, como encostas de morros, margens de córregos e rios, causando bastantes problemas ambientais. O crescimento das favelas gera um enorme impacto sobre o meio ambiente. O sistema de esgoto é um dos fatores mais preocupantes, pois nas áreas de favela o despejo de dejetos é feito muitas vezes diretamente nos rios e córregos próximos, a céu aberto, ou ainda em fossas construídas de forma precária, que podem contaminar o solo e chegar a um lençol freático. É possível encontrar moradias de diversos padrões, desde as edificações de alvenaria mal acabadas às moradias improvisadas feitas de materiais descartados, como tábuas, telhas entre outros, conforme Figuras 5.3 e 5.4, que mostram barracos aglomerados, em péssimas condições. Já na Figura 5.5, pode-se ver moradias precárias à margem do córrego, inclusive com despejo direto de esgoto no córrego (área circulada).

26 26 Figura 5.3 Favela Recanto dos Humildes Fonte: PMSP (2009) Figura 5.4 Favela Jardim Elba Fonte: PMSP (2009)

27 27 Figura 5.5 Favela Jardim Colombo Fonte: PMSP (2009) Cortiços De acordo com estudos feitos por Piccini (1997) e Ribeiro (2003), cortiço é uma habitação coletiva das classes mais pobres, formado por pequenos cômodos individuais sem cozinha, com banheiro e tanque coletivos, geralmente criados em antigos prédios e casarões. A precariedade das habitações é similar a das favelas, como pode ser visto nas Figuras 5.6 e 5.7; porém, nos cortiços, há acesso aos fornecimentos públicos como água, esgoto e energia elétrica. No entanto, se paga aluguel, diferente da favela onde os moradores são os proprietários e auto-construtores. Mesmo sendo estabelecidos em locais apropriados para habitação, a subdivisão e a superlotação fazem com que se torne uma ocupação irregular, mediante legislação.

28 28 Figura 5.6 Cortiço de São Paulo Fonte: IFSP (2009) Figura 5.7 Cortiço de São Paulo Região do Bexiga Fonte: IFSP (2009) Existem alguns pontos que caracterizam bem um cortiço, como segue: Constituído por uma ou mais edificações construídas em lote urbano, com ocupação excessiva;

29 29 Subdividido em vários cômodos conjugados alugados, sub-alocados ou cedidos, sem proteção da legislação vigente que regula as relações entre proprietários e inquilinos; Várias funções exercidas no mesmo cômodo; Acesso e uso comum dos espaços não edificados, de instalações sanitárias (banheiros, cozinhas e tanques) e de instalações elétricas; Circulação e infraestrutura precárias; Superlotação de pessoas em geral Ocupação de encostas As moradias construídas em encostas são extremamente preocupantes, pois vivem sempre na iminência de um deslizamento. Junto às condições geomorfológicas adversas, somam-se a ausência de recursos técnicos, materiais inadequados e implantação imprópria das moradias. Os cortes e aterros feitos de forma improvisada aceleram processos de instabilização natural. Também deve ser considerado que, geralmente, há uma elevada densidade de unidades habitacionais e que eleva o risco de acidentes, pelas próprias ocupações, pelos resíduos produzidos e pelo número de moradores. Isso pode ser observado nas figuras 5.8 e 5.9. Durante os períodos chuvosos, os riscos são evidenciados. A chuva possui papel potencializador no processo de escorregamento de encostas, somando-se ao lançamento das águas servidas e fossas sanitárias, com isso formando uma alta concentração de águas em determinados pontos, favorecendo muito o deslizamento.

30 30 Figura 5.8 Área de Ocupação de Encostas Fonte: GLOBO (2009) Figura 5.9 Ocupação de Encosta Região de Cubatão Fonte: GLOBO (2009) Na Figura 5.10 é possível perceber como pode ocorrer uma situação de risco de uma moradia situada em encostas.

31 31 Figura 5.10 Croqui Exemplificando Situação de Risco Fonte: CHAKARIAN (2007) 5.4 Impactos Causados Devido a Essas Ocupações Os Impactos causados à cidade devido às favelas, são diversos, desde impactos ambientais, como degradação dos meios hídricos, devastação de morros, desmatamento de encostas, lixo acumulado em córregos, passando por acidentes como incêndio e deslizamentos, chegando até impactos sócio-culturais Degradação Ambiental A situação topográfica das favelas paulistanas revela a precariedade geral desse segmento populacional, quase 50% dos assentamentos estão situados à margem dos córregos, inúmeros sujeitos a enchente. Cerca de 30% das favelas ficam em encostas com declividades acentuadas, com alta propensão a erosão, os outros 20% se dividem entre favelas sobre aterro sanitário, sob viadutos e próximo à via férrea (MARICATO,1994). Toda essa ocupação desordenada favorece bastante a degradação ambiental. Principalmente no que se refere à poluição de rios.

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis Maria Teresa Diniz Município de São Paulo População = 10, 5 milhões hab. Área = 1.509 km² Subprefeituras = 31 Distâncias: Norte-Sul = 60 Km Leste-Oeste

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO PLANO DE AÇÃO REGIONAL LESTE Legenda: Subprefeitura Vias Principais de acesso Linha de Metrô / CPTM Região Leste 08 Subprefeituras: Penha, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista,

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011 Regularização Fundiária Rosane Tierno 02 julho -2011 Parte I - Informalidade fundiária Imagem interna de um cortiço Regularização Fundiária Por que?? INFORMALIDADE FUNDIÁRIA URBANA MUNICÍPIOS POR FAIXA

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES 1. Quanto será a contrapartida mínima dos municípios? R: A contrapartida de OGU será zero. 2. Haverá liberação de

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PARCELAMENTO DO SOLO Competência de Análise, Legislação Vigente e Principais Fluxos de Aprovação. SECOVI SP 12 de Novembro de 2010

DEPARTAMENTO DE PARCELAMENTO DO SOLO Competência de Análise, Legislação Vigente e Principais Fluxos de Aprovação. SECOVI SP 12 de Novembro de 2010 DEPARTAMENTO DE PARCELAMENTO DO SOLO Competência de Análise, Legislação Vigente e Principais Fluxos de Aprovação SECOVI SP 12 de Novembro de 2010 SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DEPARTAMENTO DE PARCELAMENTO

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av.

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. ÁREA 3-3 Limites e potencialidades limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. dos Estados e a free-way/ RS- 290. espaço adequado para novas atividades

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE ISSN 1984-9354 RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE CRISTIANA ALVES DE LIMA LOURO (PETROBRAS

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AMAVI ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ MANUAL DE ORIENTAÇÃO FORMULÁRIO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO HABITACIONAL Este manual tem por finalidade orientar os cadastradores no preenchimento

Leia mais

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles COOPERAÇÃO DAS CIDADES BRASILEIRAS PARA REDUÇÃO DA POBREZA URBANA MESA 2: PARCERIAS PARA APOIAR AS ESTRATÉGIAS DOS DIRIGENTES LOCAIS Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO Projeto de Lei 467/2014 SUMÁRIO I. Resumo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica... 3 II. III. IV. Investimentos em Obras e Instalações (Administração

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Realização Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Henry Cherkezian Rio, 18 de maio de 2011 A questão Habitacional Aspectos a serem abordados Breve Diagnóstico Um exemplo da

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

PROGRAMA RENOVA CENTRO SÃO PAULO E O CENTRO

PROGRAMA RENOVA CENTRO SÃO PAULO E O CENTRO PROGRAMA RENOVA CENTRO SÃO PAULO E O CENTRO SÃO PAULO E O CENTRO CENTRO -Infraestrutura parcialmente ociosa: diferença na utilização da infraestrutura instalada é de 400% entre o dia e a noite (SILVA,

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES NA URBANIZAÇÃO DO NÚCLEO HABITACIONAL SANTO IVO NO MUNICÍPIO DE DIADEMA

EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES NA URBANIZAÇÃO DO NÚCLEO HABITACIONAL SANTO IVO NO MUNICÍPIO DE DIADEMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES NA URBANIZAÇÃO DO NÚCLEO HABITACIONAL SANTO IVO NO MUNICÍPIO DE DIADEMA SÍNTESE DO TRABALHO O presente trabalho pretende relatar a experiência na implantação

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de

12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de 86 12 - HABITAÇÃO Bela Vista de Goiás 12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de Na região central da Zona Urbana a heterogeneidade está evidente em suas edificações. Existem alguns

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Vamos mudar nossas cidades?

Vamos mudar nossas cidades? Vamos mudar nossas cidades? Conheça o Estatuto da Cidade 1 O Estatuto quer garantir a cidade para todos 3 O Plano Diretor põe o Estatuto da Cidade em prática...6 As etapas do Plano Diretor 8 O Estatuto

Leia mais

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE NO PROGRAMA HABITACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO EDUARDO TRANI Chefe de Gabinete da Secretaria de Habitação SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2010 São Paulo e a Bacia

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental São Bernardo do Campo, 15 de maio de 2009. Introdução Tendo em

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 1. OBJETIVO O presente Plano tem por objetivo ordenar os trabalhos necessários para a viabilização das obras de Saneamento

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL Vórtice é um projeto de investigação e práticas urbanas experimentais. Reúne pesquisadores, arquitetos, engenheiros e artistas, junto com as comunidades

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO As ocupações irregulares em áreas de Manancial configuram o principal problema ambiental da Região Metropolitana de Curitiba. A problemática ambiental que envolve o município de Campo Magro é complexa.

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais