ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS"

Transcrição

1 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

2 De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização fundiária e produção de Habitações de Interesse Social HIS ou do Mercado Popular - HMP, incluindo a recuperação de imóveis degradados, a provisão de equipamentos sociais e culturais, espaços públicos, serviço e comércio de caráter local.

3 OBJETIVOS _Incorporar a cidade clandestina à cidade legal _Reconhecer a diversidade local no processo de desenvolvimento urbano (x padronização dos critérios e intervenções) _Estender o direito à cidade e à cidadania _Associar de desenvolvimento urbano à gestão participativa _Estimular a produção de Habitação de Interesse Social _Estimular a regularização fundiária _Estimular ampliação da oferta de serviços e equipamentos urbanos

4 TIPOS DE ZEIS DEMARCADAS EM SÃO PAULO ZEIS 1 Favelas, loteamentos irregulares e conjuntos habitacionais de interesse social, nos quais podem ser feitas intervenções de recuperação urbanística, regularização fundiária, produção e manutenção de habitações de interesse social. ZEIS 2 Terrenos baldios ou subutilizados, nos quais deve ser proposta a produção de moradias de interesse social, equipamentos sociais, culturais, etc. ZEIS 3 Terrenos ou imóveis subutilizados em áreas com infra-estrutura urbana, serviços e oferta de emprego (geralmente na região central), nos quais se propõe a produção e reforma de moradias para a habitação de interesse social, assim como de mecanismos de alavancagem de atividades de geração de emprego e renda. ZEIS 4 Glebas ou terrenos em áreas de proteção aos mananciais dotados de infra-estrutura urbana, nos quais se permite a produção de habitações de interesse social, exclusivamente destinadas à população transferida de áreas de risco e das margens das represas.

5 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL Versão integrante dos Planos Regionais Estratégicos das Subprefeituras de São Paulo

6 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO URBANO Versão integrante do Plano Diretor Estratégico do município de São Paulo

7 ZEIS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS GESTÃO URBANA

8 INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS

9 ZEIS 1 Em lotes com área superior a 250 m², é exigida a construção de: 50% (no mínimo)para HIS 30% (no mínimo) para HIS ou HMP 20% (no máximo) para outros usos do total de área construída computável Coeficiente de aproveitamento mínimo = 0,2 Coeficiente de aproveitamento básico = 1,0 Coeficiente de aproveitamento máximo = 2,5 (excetuado na Macrozona de Proteção Ambiental onde o coeficiente de aproveitamento máximo será de 1,0) Concessão do Direito de Construir em ZEIS até o coeficiente de aproveitamento máximo, em lote com área superior a 250m², se previsto em Plano de Urbanização. Obs: O total exigido de HIS poderá ser atendido na totalidade da ZEIS ou em um conjunto de lotes (conforme Plano de Urbanização).

10

11

12 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 21 São Remo av. corifeu de azevedo marques localização Área da ZEIS -1 destinada à favela São Remo é insuficiente para atender a demanda por habitação, garantindo as mínimas condições de infra-estrutura, salubridade e acessibilidade. Densidade máxima permitida = 1000 hab/ha Densidade da favela = 1711,25 hab/ha Propõe-se, então, que a área dessa ZEIS abranja uma parte da área do Batalhão da Polícia Militar e uma quadra da USP, que atualmente apresentam ociosidade e abandono. Em vista do caráter segregador do mercado imobiliário, as duas áreas ao lado dessa ZEIS estão inseridas em uma região dotada de uma infra-estrutura melhor em relação a outras regiões, no entanto não usufruem dela. Portanto, seria muito mais proveitoso que essas áreas, ao invés de continuarem sendo vazios urbanos, fossem revertidas para a habitação de interesse social. r. são remo USP favela são remo situação atual da favela São Remo ZEIS 1 batalhão entrada proposta para a favela

13 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 21 São Remo Propostas _ Urbanização da favela; A N _ Reassentamento de construções que estejam localizadas em áreas de risco em encostas, margens do rio, áreas que estejam obstruindo o sistema viário segundo a hierarquia identificada e ocupando áreas non aedificandi. B _ Remover moradias precárias com a finalidade de garantir as condições de acessibilidade e salubridade na quadra. No total serão 80 as famílias que deverão ser removidas para a quadra do Riacho Doce, onde será construído um conjunto de edifícios habitacional. Alguns instrumentos utilizados Por serem terrenos de propriedade pública (governo do Estado de São Paulo), serão utilizados os seguintes instrumentos previstos no Estatuto da Cidade: _ Transferência do Direito de Construir; _ Concessão do direito real de uso em áreas públicas. B A Planta de proposta para conjunto de HIS na quadra do Riacho Doce Corte AA

14 ZEIS 2 Em lotes com área superior a 250 m², é exigida a construção de: 40% (no mínimo)para HIS 40% (no mínimo) para HIS ou HMP 20% (no máximo) para outros usos do total de área construída computável Coeficiente de aproveitamento mínimo = 0,2 Coeficiente de aproveitamento básico = 1,0 Coeficiente de aproveitamento máximo = 2,5 (excetuado na Macrozona de Proteção Ambiental onde o coeficiente de aproveitamento máximo será de 1,0) Concessão do Direito de Construir em ZEIS até o coeficiente de aproveitamento máximo, em lote com área superior a 250m². Obs: O total exigido de HIS poderá ser atendido na totalidade da ZEIS ou em um conjunto de lotes (conforme Plano de Urbanização).

15

16 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 13 - Heliópolis _Garantir melhores conexões intra-urbanas. _Impossibilidade de reconstrução do bairro _Intervenção em áreas críticas. Mapa das ZEIS - 2 próximas

17 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 13 - Heliópolis Implantação de infra-estrutura urbana, como garantir largura mínima para as vias. Desadensamento populacional. Regularização fundiária. Manutenção de usos diversificados. Favelas integradas à cidade formal do ponto de vista urbanístico. Garantia de transporte público integrado. Utilização do instrumentos e programas: _Concessão de Uso para Fins de Moradia _Locação social _Doação do terreno _Venda do terreno _DIS (Desapropriação de Interesse Social).

18 ZEIS 3 Em lotes com área superior a 500 m², é exigida: 40% (no mínimo)para HIS 40% (no mínimo) para HIS ou HMP 20% (no máximo) para outros usos do total de área construída computável coeficiente de aproveitamento mínimo = 0,3 Coeficiente de aproveitamento básico = 1,0 Coeficiente de aproveitamento máximo = 4,0 Concessão do Direito de Construir em ZEIS até o coeficiente de aproveitamento máximo, em lote com área superior a 500m2. Mediante aprovação do Conselho de Política Urbana, o proprietário de edificação subutilizada poderá transferir o potencial construtivo correspondente a até toda a área construída do imóvel para outros imóveis. Obs: O total exigido de HIS poderá ser atendido na totalidade da ZEIS ou em um conjunto de lotes (conforme Plano de Urbanização).

19

20 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 10 - Luz _Diversificação das atividades econômicas _Uso misto das edificações (térreo comercial e habitações). _Transferência do potencial construtivo para edificações localizadas em ZEPEC. _Direito de utilizar o dobro do Coeficiente de Aproveitamento para proprietários que ampliarem recuo de frente ou criarem espaços abertos no interior do lote para uso coletivo. _Produção de unidades habitacionais para diferentes faixas de renda, destinadas a diferentes composições familiares. _Estimular a implantação de garagens subterrâneas e de calçadões. _Contradição da ZEIS 3 com PRIH Luz (mesmo limite). Áreas a serem demolidas Áreas atualmente ociosas Área da Eletropaulo Perímetros tombados Comércio e Serviços Institucional Residencial Misto (térreo comercial ou sob pilotis)

21 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 3 - Brás _Desenho urbano que retome a continuidade espacial do bairro. _Parâmetros das ZEIS deveriam levar em consideração os critérios do desenho urbano. _Promover suporte às habitações, ou seja, áreas de serviços, comércios, etc. _Manter linguagem das construções pré-existentes no local. _Inclusão de novas quadras no perímetro da ZEIS, pelo interesse histórico das edificações e pelo potencial de desenvolvimento cultural.

22 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 18 Santa Cecília Área do terreno = 1000 m² CA = 4,0 TO = 0,5 Área total construída = 4000 m² HMP 3 pavimentos 1500 m² = 37,5% A TC HMP - 11 pavimentos 2 aptos/andar 145,5 m²/andar A HMP = 1600 m² = 40% A TC HIS - 4 pavimentos 2000 m² = 50 % A TC HIS - 8 pavimentos 4 aptos/andar m²/andar A HIS = 1600 m² = 40% A TC Outros - 1 pavimentos 500 m² = 12,5 % A TC Outros - 8 pavimentos 100 m² andar A OUT = 800 m² = 20% A TC

23 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 2 Barra Funda Estudo dos Coeficientes de Aproveitamento Cálculo inicial Área do terreno: Total = m2 80% = ,2 m2 20% = ,8 m2 CA = 4,0 HMP (375m2, 10 andares, 4 aptos/ andar) densidade resultante = hab/ha HIS (315m2, 6 andares, 6 aptos/andar) densidade resultante = hab/ha Cálculo corrigido Coeficiente de aproveitamento = 2,5 Taxa de Ocupação = 70% Conclui-se que, a área construída para HMP é praticamente o dobro da de HIS, o que sai da proporção de ZEIS. Para manter a proporção (40% HMP e 40% HIS), procuramos aproximar os valores de áreas construídas chegando ao resultado de 35 edifícios para HIS e 15 edifícios com 12 andares para a tipologia de HMP.

24 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 27 Santa Cecília

25 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 27 Santa Cecília Apesar do limite abrangente, a ZEIS se aplica a poucos lotes, pois devido ao excessivo parcelamento dos lotes, apenas 7 possuem área superior a 500m2 e alguns destes já estão edificados A Proposta 1 promove todos os remembramentos possíveis (para que atinjam o mínimo de 500m2), mantendo apenas os imóveis já edificados e utilizados para habitação e permite a construção de 1097 novas unidades A Proposta 2 só utiliza os lotes maiores de 500m2 com eventual incorporação de terrenos adjacentes subutilizados, permitindo a construção de 798 unidades A possibilidade de remembramento de lotes foi considerada inviável na maioria dos casos A existência de dois grandes imóveis à venda representa uma boa oportunidade à prefeitura para aquisição e produção de HIS na ZEIS Há uma área do PRIH Santa Cecília que não está demarcada como ZEIS mas que deveria ser, pois apresenta melhor aplicabilidade do instrumento para promoção de HIS, até mesmo que a área efetivamente demarcada

26 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 21 Santa Cecília Visto que há poucos terrenos maiores de 500 m2, aplicar a isenção de pagamento para Outorga Onerosa, Consórcio Imobiliário, Redução da taxa de imposto sobre serviço (ISS) e Transferência de Potencial Construtivo para outro imóvel dentro da ZEIS, com o intuito de atrair a iniciativa privada para investir na área. Doação de propriedade (imóveis com dívida ativa de IPTU muito alta, inclusive por comodato de 5 a 10 anos para serem locacionadas socialmente. Em contrapartida recebe a reforma do edifício. Construção de térreo comercial nos edifícios que terão as unidades de HIS e HMP.

27 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 22 Barra Funda _Adensamento populacional da região, explorando o potencial construtivo, chegando ao C.A. máximo com a possibilidade de isenção de pagamento da Outorga Onerosa. _Integração de uso habitacional, comercial com equipamentos públicos. _Mescla de ZEIS 1 e 3, onde se propõe HMP e HIS, com o intuito de equilibrar o potencial construtivo e o adensamento. _Instituição do Locação Social das unidades de HIS às famílias de baixa renda, ampliando o acesso à moradia, e melhor gestão do edifício habitacional.

28 ZEIS 4 Em lotes com área superior a 250 m², é exigida: 70% (no mínimo)para HIS 30% (no máximo) para outros usos (inclusive HMP) do total de área construída Coeficiente de aproveitamento mínimo = 0,1 Coeficiente de aproveitamento básico = 1,0 Coeficiente de aproveitamento máximo = 1,0 Obs: O total de HIS produzidas serão destinadas para o atendimento de famílias removidas de áreas de risco e de preservação permanente, ou ao desadensamento de assentamentos populares.

29

30 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 9 Jardim Ângela ZEIS 1 _Adequação das vias existentes: calçamento permeável, arborização; _Liberação de margens e nascentes ocupadas: praças; _Criação de praça linear de contenção ao avanço da ocupação ao longo da área de preservação do Parque Guarapiranga, com trilhas e teleférico de incentivo ao turismo ecológico. LOCALIZAÇÃO ZEIS 4 _Implantação de equipamentos públicos: escola, creche, UBS, Complexo Cultural; _Implantação de HIS (obedecendo taxa de ocupação de 0,6 e gabarito máximo de 9,0m); _Conexão com as principais vias de acesso. Ocupação invadindo o Parque ZEIS 1 ZEIS 4 principais vias

31 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 9 Jardim Ângela HIS adequação à declividade do terreno, alta permeabilidade, taxa de ocupação de 0,6 (máx. permitida), gabarito máximo de 9,0m. Reformulação de vias existentes: calçamento permeável, arborização e adequação à declividade Praça linear de contenção do avanço da ocupação na área do Parque.

32 REFLEXÕES DOS ALUNOS DA FAU USP Grupo 6 Cidade Ademar _Implantação em declividade. _Aproveitamento das margens da represa. _Análise das condições de conforto e salubridade das habitações.

33 FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE Poderá ser aplicado: 1. Utilização e construção compulsória 2. IPTU progressivo no tempo 3. Desapropriação com títulos da dívida pública nas seguintes situações _LOTE E GLEBA NÃO EDIFICADOS Terreno com área superior a 250,00m², onde o coeficiente de aproveitamento utilizado é igual a zero. _SOLO URBANO SUBUTILIZADO Terreno com área superior a 250,00m² onde o coeficiente de aproveitamento utilizado não atinge o mínimo definido no Plano Diretor. _EDIFICAÇÃO NÃO UTILIZADA OU SUBUTILIZADA Terreno com área superior a 500,00m², que tenha, no mínimo, 80% de sua área construída desocupada há mais de 5 anos. Obs: Instrumentos aplicáveis nos distritos da Sé, República, Bom Retiro, Consolação, Brás, Liberdade, Cambuci, Pari, Santa Cecília e Bela Vista, excetuados os casos em que decisões judiciais relativas ao imóvel impeçam a ocupação.

34 PLANO DIRETOR DISTRITOS CUJOS IMÓVEIS ESTÃO SUJEITOS À PARCELAMENTO, EDIFICAÇÃO OU UTILIZAÇÃO COMPULSÓRIOS

35 GESTÃO URBANA

36 GESTÃO URBANA PLANO DE URBANIZAÇÃO CONSELHO GESTOR

37 PLANO DE URBANIZAÇÃO DA ZEIS Objetivos: I - Estabelecer condições e parâmetros específicos para a recuperação física e regularização fundiária de áreas ocupadas de forma irregular e espontânea pela população de baixa renda; II - Garantir a participação da população moradora em todas as etapas de planejamento e implementação das ações necessárias para a recuperação e regularização das áreas referidas no inciso I deste artigo; III - Equacionar soluções para as áreas de risco ocupadas por moradias.

38 CONSELHO GESTOR Composição: Representantes do Poder Público Representantes dos moradores Representantes dos proprietários de imóveis localizados na ZEIS (Observada a paridade entre o número de representantes do Poder Público e da sociedade civil) O número de integrantes do Conselho Gestor será definido em função do número de moradores ou de famílias a serem atendidas na área abrangida pelo Plano de Urbanização, garantido: Mínimo de 4 integrantes Participação de 1 representante da SEHAB Participação de 1 representante da Subprefeitura

39 BIBLIOGRAFIA Lei Federal nº / Estatuto da Cidade Lei Municipal nº /2002 Plano Diretor Estratégico (São Paulo) Lei Municipal nº /2004 Planos Diretores Regionais e Zoneamento (São Paulo) Trabalhos produzidos pelos estudantes da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, referentes à disciplina AUP-274, Desenho Urbano e Projeto dos Espaços da Cidade, 1o semestre 2005.

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 44.667, DE 26 DE ABRIL DE 2004 Regulamenta as disposições da Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002, que institui o Plano Diretor Estratégico, relativas às Zonas Especiais de Interesse Social

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento Novo Decreto de HIS Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015 Novo Decreto de HIS EHIS, EHMP, EZEIS, HIS e HMP Adequação à Lei nº 16.050/14 Sistematiza, Consolida e Revoga

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

Estatuto da Cidade 22/05/2015. Lei Nº 10.257, de 10/07/2001. Medida Provisória Nº 2.220, de 04/09/2001. MP Nº 103, de 01/01/2003. Conselho das Cidades

Estatuto da Cidade 22/05/2015. Lei Nº 10.257, de 10/07/2001. Medida Provisória Nº 2.220, de 04/09/2001. MP Nº 103, de 01/01/2003. Conselho das Cidades Estatuto Estatuto da da Cidade Cidade Referencia : Conhecendo o Estatuto das Cidades, Manual do Instituto Polis, autor(es): Caixa Economica Federal, FASE - Federação de Órgãos para Assistência Social e

Leia mais

12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de

12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de 86 12 - HABITAÇÃO Bela Vista de Goiás 12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de Na região central da Zona Urbana a heterogeneidade está evidente em suas edificações. Existem alguns

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

Estatuto da Cidade e Plano Diretor Participativo

Estatuto da Cidade e Plano Diretor Participativo AUP-266 Estatuto da Cidade e Plano Diretor Participativo Prof. Dr Nabil Bonduki maio 2008 Antecedentes do Estatuto da Cidade Aceleração do crescimento urbano dos anos 40 aos anos 80 Ausência de instrumentos

Leia mais

MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios

MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios Desafios do PMCMV Sustentabilidade, Perenidade e Imagem O sucesso do PMCMV depende da produção de moradias bem localizadas, servidas de infraestrutura,

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

Uma Nova Visão. Mercocidades - UTDU Seminário Governança Regional, Mobilidade e Projetos Urbanos 30 de novembro de 2009

Uma Nova Visão. Mercocidades - UTDU Seminário Governança Regional, Mobilidade e Projetos Urbanos 30 de novembro de 2009 Uma Nova Visão Mercocidades - UTDU Seminário Governança Regional, Mobilidade e Projetos Urbanos 30 de novembro de 2009 Eng. Frederico Muraro Filho Secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação Prefeitura

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as) municipais de habitação para a elaboração, monitoramento e acompanhamento do PLHIS LIMITES E POSSIBILIDADES

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

PLANO DE PRESERVAÇÃO DO CONJUNTO URBANÍSTICO DE BRASÍLIA PPCUB - PLC 078/2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PROPOSTAS

PLANO DE PRESERVAÇÃO DO CONJUNTO URBANÍSTICO DE BRASÍLIA PPCUB - PLC 078/2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PLANO DE PRESERVAÇÃO DO CONJUNTO URBANÍSTICO DE BRASÍLIA PPCUB - PLC 078/2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PROPOSTAS Vera Ramos - Arquiteta e Urbanista Diretora de Patrimônio Cultural Instituto Histórico e Geográfico

Leia mais

Gestão social da valorização fundiária urbana

Gestão social da valorização fundiária urbana Gestão social da valorização fundiária urbana Audiência Pública PL n 5.015/2013 Ministério das Cidades Brasília, 20 de novembro de 2013 O que é a gestão social da valorização fundiária urbana? Ações e

Leia mais

Estatuto da Cidade - Lei 10257/01

Estatuto da Cidade - Lei 10257/01 Estatuto da Cidade - Lei 10257/01 http://www.direitonet.com.br/artigos/x/51/44/514/ O Estatuto da Cidade visa estabelecer diretrizes gerais da Política Urbana e especialmente regulamentar o artigo 182

Leia mais

O Estatuto da Cidade

O Estatuto da Cidade Flektor Engenharia e Consultoria O Estatuto da Cidade Implicações e Reflexos sobre o Planejamento Interfaces com Planos Diretores O Estatuto da Cidade Lei n.º 10.257 de 10 de julho de 2001 Regulamenta

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

CORREDOR TRANSCARIOCA

CORREDOR TRANSCARIOCA P R E F E I T U R A DA C I D A D E DO R IO DE J A N E I R O S E C R E TA R I A M U N I C I PA L DE U R B A N I S M O C O O R D E N A D O R I A G E R A L DE P L A N E J A M E N T O URBANO C O O R D E N

Leia mais

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BENEVIDES; Faço saber que a Câmara

Leia mais

Audiência Pública Inaugural 28 de março, 2014 IPPUC

Audiência Pública Inaugural 28 de março, 2014 IPPUC Audiência Pública Inaugural 28 de março, 2014 Revisão do Plano Diretor O Plano Diretor de 1966 Lei municipal 2828/66 A concepção do plano, diferente do modelo tradicional de crescimento radiocêntrico,

Leia mais

VAZIOS URBANOS ou melhor VACÂNCIAS FUNDIÁRIAS NAS CIDADES BRASILEIRAS

VAZIOS URBANOS ou melhor VACÂNCIAS FUNDIÁRIAS NAS CIDADES BRASILEIRAS Universidade Federal do Rio Grande do Norte Seminário Departamento de Políticas Públicas Organização: prof.dr. Marcio Valença VAZIOS URBANOS ou melhor VACÂNCIAS FUNDIÁRIAS NAS CIDADES BRASILEIRAS Regina

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Produção Habitacional na Área Central do Rio de Janeiro: Revitalização com Diversidade ou com Exclusão?

Produção Habitacional na Área Central do Rio de Janeiro: Revitalização com Diversidade ou com Exclusão? Mesa 3: Produção Habitacional na Área Central do Rio de Janeiro: Revitalização com Diversidade ou com Exclusão? Programas Públicos de Habitação em São Paulo. Questões para o debate Margareth Matiko Uemura

Leia mais

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Autores: Departamento de Gestão Ambiental SEMASA Serviço Municipal de Saneamento Ambiental

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 Institui o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social - PMHIS, e dá outras providências A CÂMARA MANICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVOU

Leia mais

Seminário de Locação Social Mesa 2: Utilização de imóveis vazios. Gestão da Terra Urbanizada e o Programa de Locação Social S.

Seminário de Locação Social Mesa 2: Utilização de imóveis vazios. Gestão da Terra Urbanizada e o Programa de Locação Social S. Seminário de Locação Social Mesa 2: Utilização de imóveis vazios Gestão da Terra Urbanizada e o Programa de Locação Social S.Paulo Arq. Margareth Matiko Uemura Dez/2008 GESTÃO TERRITORIAL Objetivos Reverter

Leia mais

Título II Do Plano Urbanístico Ambiental

Título II Do Plano Urbanístico Ambiental Título II Do Plano Urbanístico Ambiental RETORNAR Art. 8 º - O Plano Regional Estratégico, observado o disposto no PDE, Título III, Capítulo I, estabelece elementos estruturadores e integradores para a

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Outubro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS QUE

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Ministério das Cidades Planejamento Urbano

Ministério das Cidades Planejamento Urbano Ministério das Cidades Planejamento Urbano Workshop Financiamento de Municípios - ABDE Rio de Janeiro 18 de julho de 2013 Secretaria Nacional de Acessibilidade e Programas Urbanos Departamento de Políticas

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Macrolocalização... Principais Vias de Acesso... Microlocalização... Mapeamento do Entorno... O Terreno

Macrolocalização... Principais Vias de Acesso... Microlocalização... Mapeamento do Entorno... O Terreno Índice Macrolocalização... Principais Vias de Acesso... Microlocalização... Mapeamento do Entorno... O Terreno O Projeto Ficha Técnica... 8 Planialtimétrico... 9 IPTU e Certidão de Valor Venal... 10 Fotos...

Leia mais

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei Nº 12.145, DE 08 DE SETEMBRO DE 2011. A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO REFERÊNCIAS LEGAIS Lei 10.257/01

Leia mais

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO Objetivos específicos (1) Desenvolver métodos e técnicas para a recuperação e adaptação (para uso habitacional) de edificações existentes desocupadas.

Leia mais

Índices Urbanísticos. Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre. FAUUSP AUP 0573 Desenho Urbano: da teoria ao projeto

Índices Urbanísticos. Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre. FAUUSP AUP 0573 Desenho Urbano: da teoria ao projeto Índices Urbanísticos Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre FAUUSP AUP 0573 Desenho Urbano: da teoria ao projeto 1. Densidade Demográfica Densidade Demográfica é a relação entre a população e uma determinada área.

Leia mais

A CIDADE DE SÃO PAULO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO E DO ESTATUTO DA CIDADE

A CIDADE DE SÃO PAULO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO E DO ESTATUTO DA CIDADE A CIDADE DE SÃO PAULO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO E DO ESTATUTO DA CIDADE Seminário Planejamento, Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade Escola de Formação do Servidor Público Municipal São Paulo -

Leia mais

PLANO LOCAL DE HABITAÇAO DE INTERESSE SOCIAL - PLHIS

PLANO LOCAL DE HABITAÇAO DE INTERESSE SOCIAL - PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇAO DE INTERESSE SOCIAL - PLHIS MAIO de 2011 Art. 3.º O Plano Diretor abrange a totalidade do território do Município, definindo: I - A política e as estratégias de expansão urbana

Leia mais

RESUMO. É elaborado pelo Executivo municipal e aprovado pela Câmara municipal por meio de lei.

RESUMO. É elaborado pelo Executivo municipal e aprovado pela Câmara municipal por meio de lei. Anual Diurno Questões, súmulas e jurisprudência Luiz Antonio de Souza Data: 26/09/2012 Aula 32 RESUMO SUMÁRIO 1) Tutela da política urbana 1.1) Instrumentos 1) Tutela da política urbana 1.1) Instrumentos

Leia mais

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Estabelece normas complementares ao Plano Diretor Estratégico, institui

Leia mais

ESTRATÉGIA DE AÇÃO. Coordenador Geral - Wladimir Fernandes de Rezende - Assessor Especial de Projetos e Convênios

ESTRATÉGIA DE AÇÃO. Coordenador Geral - Wladimir Fernandes de Rezende - Assessor Especial de Projetos e Convênios PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL ESTRATÉGIA DE AÇÃO Uberlândia 2010 1 ESTRATÉGIA DE AÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA Prefeito: Odelmo Leão Carneiro Vice-Prefeito: Aristides de Freitas

Leia mais

LEI Nº. 17.213 DE 09 DE OUTUBRO DE 2006.

LEI Nº. 17.213 DE 09 DE OUTUBRO DE 2006. 1 LEI Nº. 17.213 DE 09 DE OUTUBRO DE 2006. Institui o Plano Diretor Participativo do Município de Marabá, cria o Conselho Gestor do Plano Diretor e dá outras providências. O povo do Município de Marabá,

Leia mais

ANEXO II - DESCRIÇÃO DOS PERÍMETROS

ANEXO II - DESCRIÇÃO DOS PERÍMETROS SUMÁRIO TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS TÍTULO II - DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE Capítulo I - Finalidades e Diretrizes Capítulo II - Objetivos Capítulo III - Meio Ambiente

Leia mais

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5 Avenida Brasil HISTÓRICO A partir de 1935 foram definidas zonas de ocupação mais específicas dentre as quais a Zona Industrial. A primeira zona industrial efetivamente delimitada foi a de São Cristóvão.

Leia mais

Adensamento em áreas vazias em São Paulo

Adensamento em áreas vazias em São Paulo Ad e n s a me n t oe má r e a sv a z i a se ms ã op a u l o. Adensamento em áreas vazias em São Paulo O potencial imobiliário de São Paulo está bastante limitado devido ao crescimento rápido e desordenado

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor.

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. INSTITUTO PÓLIS 2009 Heliópolis São Paulo Estatuto da

Leia mais

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO LEI COMPLEMENTAR Nº. 51/2013 de 22 de julho de 2013. Institui o Plano Diretor Municipal (PDM) de Jacarezinho. A Câmara Municipal de Jacarezinho,, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

A proposta de Substitutivo, apresentada em seguida a este Parecer, inclui o novo texto da Lei, quadros e mapas. Passemos às considerações.

A proposta de Substitutivo, apresentada em seguida a este Parecer, inclui o novo texto da Lei, quadros e mapas. Passemos às considerações. Parecer do Relator do Vereador Nabil Bonduki que acompanha o Substitutivo ao Projeto de Lei 688/2013, que trata da revisão do Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo Esse Parecer se refere

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

P L A N O S DIRETORES

P L A N O S DIRETORES PLANOS REGIONAIS ESTRATÉGICOS DAS SUBPREFEITURAS LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo Estabelece normas complementares

Leia mais

ADILSON PIRES LÍDER DO GOVERNO JUSTIFICATIVA

ADILSON PIRES LÍDER DO GOVERNO JUSTIFICATIVA REQUEIRO à Mesa Diretora, na forma regimental, destaque para a votação em separado do novo artigo e respectivos parágrafos, que é o terceiro artigo após o art. 91 e que tem a seguinte expressão em seu

Leia mais

O PLANO DIRETOR E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA

O PLANO DIRETOR E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA O PLANO DIRETOR E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA Sérgio Ulisses Jatobá* A função social da propriedade urbana deve ser exercida por meio do Plano Diretor Municipal e seus instrumentos, de acordo

Leia mais

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS MARÇO DE 2010 QUADRO HABITACIONAL DAS METRÓ- POLES PAULISTAS São Paulo. Cliente: Emplasa - Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano SA 2009 Consultoria compreendendo a compartimentação espacial georeferenciada

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006.

LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. ALTERADA PELAS LEIS COMPLEMENTARES Nº 164/2007; 184/2008; 183/2008; 263/2011; E PELA LEI ORDINÁRIA 3.275/2007 REVOGADAS AS LEIS ORDINÁRIAS Nº 1.776, DE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO PLANO DE AÇÃO REGIONAL LESTE Legenda: Subprefeitura Vias Principais de acesso Linha de Metrô / CPTM Região Leste 08 Subprefeituras: Penha, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista,

Leia mais

Desenvolvimento Urbano e Planejamento Territorial o caso brasileiro CONTEXTO RECENTE. Rosane Biasotto Arquiteta e Urbanista Coordenadora DUMA/IBAM

Desenvolvimento Urbano e Planejamento Territorial o caso brasileiro CONTEXTO RECENTE. Rosane Biasotto Arquiteta e Urbanista Coordenadora DUMA/IBAM Desenvolvimento Urbano e Planejamento Territorial o caso brasileiro CONTEXTO RECENTE Rosane Biasotto Arquiteta e Urbanista Coordenadora DUMA/IBAM 1 - BREVE PANORAMA DA DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO NO TERRITÓRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR No 01/09 PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA FINALIDADE

LEI COMPLEMENTAR No 01/09 PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI COMPLEMENTAR No 01/09 PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO APROVA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Carlos Henrique Cardoso Medeiros Secretário POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Orçamento Participativo da Habitação participaçãopopular

Leia mais

O Estatuto da Cidade comentado (Lei Nº 10. 257 de 10 de julho de 2001)

O Estatuto da Cidade comentado (Lei Nº 10. 257 de 10 de julho de 2001) O Estatuto da Cidade comentado (Lei Nº 10. 257 de 10 de julho de 2001) Ana Maria Furbino Bretas Barros Celso Santos Carvalho Daniel Todtmann Montandon Capítulo I - Diretrizes Gerais Art. 1º Na execução

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. O Poder Unido é Mais Forte

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. O Poder Unido é Mais Forte ATOS DO PODER LESGUISLATIVO LEI Nº 209 DE 21 DE NOVEMBRO DE 2006. Dispõe sobre PLANO DIRETOR PARITICIPATIVO DO MUNICÍPÍO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA e dá outras providências. O Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014)

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) Ivan Maglio Eng Civil e Dr em Saúde Ambiental Coordenador do PDE 2002, Planos Regionais das Subprefeituras e LUOS

Leia mais

COORDENAÇÃO. PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal

COORDENAÇÃO. PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal PLANOS DIRETORES REGIONAIS COORDENAÇÃO PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO Marcello de Lima Santiago Faulhaber Campos Secretário Municipal

Leia mais

TÍTULO I DA POLÍTICA TERRITORIAL

TÍTULO I DA POLÍTICA TERRITORIAL 1 aaaaa Alterado aaaaa Incluído aaaaa Revogado Texto atualizado apenas para consulta. LEI COMPLEMENTAR Nº 803, DE 25 DE ABRIL DE 2009 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Aprova a revisão do Plano Diretor

Leia mais

ANEXO 1 CATÁLOGO INSTRUMENTOS DE POLÍTICA URBANA NO ESTATUTO DA CIDADE, NA CONSTITUIÇÃO E NA LEGISLAÇÃO FEDERAL PLANO DIRETOR NA CONSTITUIÇÃO

ANEXO 1 CATÁLOGO INSTRUMENTOS DE POLÍTICA URBANA NO ESTATUTO DA CIDADE, NA CONSTITUIÇÃO E NA LEGISLAÇÃO FEDERAL PLANO DIRETOR NA CONSTITUIÇÃO ANEXOS 221 222 ANEXO 1 CATÁLOGO INSTRUMENTOS DE POLÍTICA URBANA NO ESTATUTO DA CIDADE, NA CONSTITUIÇÃO E NA LEGISLAÇÃO FEDERAL PLANO DIRETOR NA CONSTITUIÇÃO previsão: artigo 182, parágrafo 1º da CF; determinação

Leia mais

LEI 1519/08 DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ALVORADA DO SUL

LEI 1519/08 DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ALVORADA DO SUL 1 LEI 1519/08 DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ALVORADA DO SUL SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL CAPÍTULO III DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

(De autoria do Executivo Municipal)

(De autoria do Executivo Municipal) AO PÚBLICO: Transcrevo abaixo para conhecimento público a seguinte Lei, promulgada pelo Prefeito Municipal da Estância de Campos do Jordão, JOÃO PAULO ISMAEL, em data de hoje; LEI Nº 3.049/07 DE 02 DE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 082, DE 21 DE JUNHO DE 2007

LEI COMPLEMENTAR Nº 082, DE 21 DE JUNHO DE 2007 LEI COMPLEMENTAR Nº 082, DE 21 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre o Plano Diretor de Natal e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE NATAL, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a

Leia mais

Propostas Mobiliza Curitiba para a revisão do Plano Diretor 2014

Propostas Mobiliza Curitiba para a revisão do Plano Diretor 2014 s Mobiliza Curitiba para a revisão do Plano Diretor 2014 A seguir, relacionamos as propostas elaboradas até o momento pelos integrantes da Frente Mobiliza Curitiba para a revisão do Plano Diretor de Curitiba,

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

Divisão de Consultoria Legislativa - DIVCOL CMBH - 2014

Divisão de Consultoria Legislativa - DIVCOL CMBH - 2014 Divisão de Consultoria Legislativa - DIVCOL CMBH - 2014 Objetivos apresentar o conteúdo da legislação urbanística, de modo a fornecer aos parlamentares e assessores um conhecimento geral a respeito dessas

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE DOMINGOS MARTINS, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso das atribuições legais, aprova:

A CÂMARA MUNICIPAL DE DOMINGOS MARTINS, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso das atribuições legais, aprova: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 8/2015 Altera dispositivos na Lei Complementar nº 25, de 30 de agosto de 2013. A CÂMARA MUNICIPAL DE DOMINGOS MARTINS, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso das atribuições legais,

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

L E I Nº 1.250/2016 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

L E I Nº 1.250/2016 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. L E I Nº 1.250/2016 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente da Câmara Municipal de Sapezal, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições

Leia mais

Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO

Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO Plano ESTADUAL DE HABITAÇÃO PEH - SP 8 º Encontro Regional Região Metropolitana de São Paulo Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1- O planejamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA O PLANO DIRETOR DE CURITIBA REVISÃO 2014 A Curitiba que desejamos

CONTRIBUIÇÕES PARA O PLANO DIRETOR DE CURITIBA REVISÃO 2014 A Curitiba que desejamos CONTRIBUIÇÕES PARA O PLANO DIRETOR DE CURITIBA REVISÃO 2014 A Curitiba que desejamos 1.110 empresas associadas Representamos: Sinduscon e Ademi 3.500 empresas filiadas 15 mil trabalhadores assistidos no

Leia mais

Do sistema viário urbano...23 TÍTULO III...23 DOS INSTRUMENTOS DA POLÍTICA URBANA...23 CAPITULO I... 24 DO FUNDO DE URBANIZAÇÃO... 24 CAPÍTULO II...

Do sistema viário urbano...23 TÍTULO III...23 DOS INSTRUMENTOS DA POLÍTICA URBANA...23 CAPITULO I... 24 DO FUNDO DE URBANIZAÇÃO... 24 CAPÍTULO II... SUMÁRIO TÍTULO I...1 DA CONCEITUAÇÃO, DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS E OBJETIVOS DA POLÍTICA TERRITORIAL...1 CAPÍTULO I... 1 DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS E OBJETIVOS... 1 CAPÍTULO II... 3 DAS DIRETRIZES BÁSICAS

Leia mais

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre a regularização de parcelamentos do solo e de edificações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

ESTATUTO DA CIDADE LEI Nº 10.257, DE 10 DE JULHO DE 2001

ESTATUTO DA CIDADE LEI Nº 10.257, DE 10 DE JULHO DE 2001 ESTATUTO DA CIDADE LEI Nº 10.257, DE 10 DE JULHO DE 2001 Regulamenta os artigos. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

PLANO DIRETOR DE NITERÓI

PLANO DIRETOR DE NITERÓI Lei n. º 1157, de 29 de dezembro de 1992 modificada pela Lei 2123 de 04 de fevereiro de 2004 Incisos V e VI do art. 221 alterados pela Lei 1594/97 Capítulos III, IV e VI do Título V revogados com a promulgação

Leia mais

MINUTA DE PROJETO DE LEI PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE ROSANA

MINUTA DE PROJETO DE LEI PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE ROSANA MINUTA DE PROJETO DE LEI PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE ROSANA TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º Esta Lei

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE FUNDO COMUNITÁRIO DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE FUNDO COMUNITÁRIO DE VOLTA REDONDA Casas Populares SUB-FUNÇÃO: PROGRAMA Nº - 244 482 HABITAÇÃO URBANA Reduzir do déficit habitacional e a melhoria dos padrões locais de moradia, contemplar a transferencia de moradias e de população localizadas

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO INSTITUÍDO PELA LEI Nº 030 DE 12 DE MAIO DE 2009 ADMINISTRAÇÃO DO EXCELENTÍSSIMO SR. PREFEITO MAURÍCIO MARQUES DOS SANTOS ANO III Nº0571 PARNAMIRIM, RN, 23 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS -

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013

FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013 FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013 Programa de Regularização Fundiária Sustentável de São Bernardo do Campo: Cidadania e Inclusão Social Urbana ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Promover o acesso à terra urbanizada como desafio dos planos diretores

Promover o acesso à terra urbanizada como desafio dos planos diretores Promover o acesso à terra urbanizada como desafio dos planos diretores Fórum Salvador 500 24 março 2015 Paula Freire Santoro Profa. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo FAUUSP Objetivo Da reserva de terra

Leia mais

ENCONTRO REGIONAL DE PROCURADORAS E PROCURADORES DOS DIREITOS DO CIDADÃO 2015 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

ENCONTRO REGIONAL DE PROCURADORAS E PROCURADORES DOS DIREITOS DO CIDADÃO 2015 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA ENCONTRO REGIONAL DE PROCURADORAS E PROCURADORES DOS DIREITOS DO CIDADÃO 2015 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA CONTEXTO O déficit habitacional no Brasil, em 2008, segundo a

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 2.296/2007

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 2.296/2007 LEI Nº. 2.296/2007 Dispõe sobre o Plano Diretor do Município e da cidade de Parnaíba e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PARNAÍBA, Estado do Piauí, no uso de atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000, p. 207. Oficio nº 01/2014

Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000, p. 207. Oficio nº 01/2014 Oficio nº 01/2014 Exmo. Sr. Dr. Des. Luiz Gerardo de Pontes Brígido Tribunal de Justiça do Estado do Ceará Av. General Afonso Albuquerque Lima, S/N. - Cambeba, Forataleza-CE, CEP: 60822-325 Exmo. Sr. Dr.

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Pirituba Distritos de Jaraguá, Pirituba e São Domingos A cidade a gente

Leia mais

PURP 54 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP3 SETOR DE RECREAÇÃO PÚBLICA NORTE ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 54 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP3 SETOR DE RECREAÇÃO PÚBLICA NORTE ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP9 UP3 Folha 1 / 7 AP9 UP3 Folha 2 / 7 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS)

Leia mais