O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AS INTENCIONALIDADES DO DISCURSO PUBLICITÁRIO EMPRESARIAL VERDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AS INTENCIONALIDADES DO DISCURSO PUBLICITÁRIO EMPRESARIAL VERDE"

Transcrição

1 O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AS INTENCIONALIDADES DO DISCURSO PUBLICITÁRIO EMPRESARIAL VERDE Igor Rafael de Paula (Graduando em Geografia pela UNIFAL) 245 Marina de Oliveira Penido (Mestre em Geografia pela UFF) Resumo Com o pós-guerra, na segunda metade do século XX, emerge o paradoxo ambiental e o ideário do desenvolvimento sustentável, com isso as empresas devem reaver conceitos de produção, e, o mais importante, estratégias de como continuar vendendo seus produtos. Em um tempo onde o ganho econômico é o que importa, a noção do ecologicamente correto ganha força em discussões ao redor do mundo, portanto fazse necessário um discurso onipresente que assegure uma nova ideologia, garantindo segmento de consumo. O presente artigo analisa o discurso publicitário verde veiculado nos meios de comunicação de massa por parte dos organismos centrais do capitalismo e suas implicações ao se construir um discurso socioambiental a fim de propagar uma imagem favorável aos consumidores, bem como possíveis posicionamentos para o enfrentamento de tal problemática. Palavras-chave: Desenvolvimento Sustentável; Capitalismo; Discurso Socioambiental; Segmento empresarial. Abstract With the post-war, in the second half of the twentieth century, emerging environmental and sustainable development paradox, therefore companies must recoup production concepts, and, most importantly, strategies on how to continue selling their products. In a time where is economic gains what matters, the notion of "environmentally friendly" gains momentum in discussions around the world, then it is necessary to ensure a ubiquitous discourse a new ideology, ensuring consumer segment. This article describes, explains and analyzes the relationships and constant use of the means of mass communication by the central institutions of capitalism and their implications when building a social and environmental discourse in order to propagate a positive image to consumers, as well as possible placements for confronting and overcoming such problems.

2 Keywords: Sustainable Development; Capitalism; Social and Environmental Discourse; Bussiness Segment. Introdução Comumente, há, para muitas questões, discursos prontos, programados, verticalizados de cima para baixo, que, por sua vez se propagam com fluidez, e ganham legitimidade na sociedade, hoje, globalizada. O discurso como prática constituída histórica e socialmente constitui-se, para Foucault (2008), como elemento de poder, de inserção de noções de verdade na realidade social em que se insere: 246 Por mais que o discurso seja aparentemente bem pouca coisa, as interdições que o atingem revelam logo, rapidamente, sua ligação com o desejo e o poder. Nisto não há nada de espantoso, visto que o discurso [...] não é simplesmente aquilo que manifesta (ou oculta) o desejo; é também aquilo que é o objeto do desejo; e visto que - isto a história não cessa de nos ensinar - o discurso não é simplesmente aquilo que traduz lutas ou os sistemas de dominação, mas aquilo por que, pelo que se luta, o poder do qual nos queremos apoderar (FOUCAULT, 2008, p. 10). Para Foucault, o poder é um elemento que não se restringe à escala do Estado, sendo composto por relações de força que buscam constituir verdades. Na vontade de verdade, de um discurso verdadeiro, o que está em jogo, senão o desejo e o poder? (FOUCAULT, 2008, p. 20). O poder, nessa perspectiva, está intimamente ligado à sua condição de relação e de assimetria entre as partes, ou seja, preside trocas nas quais não existem condições de equilíbrio entre os atores/grupos sociais. Considerando que o discurso é sempre realizado a partir condições de produção específicas associadas a di-visões (de classes, de funções, de capacidades...) inerentes ao social, as estratégias discursivas acionadas pelos agentes ultrapassam o texto e nos remetem tanto ao contexto mais imediato da enunciação, quanto ao espaço social que estrutura as relações interdiscursivas (PÊCHEUX, 1997; ORLANDI, 1989). O discurso do desenvolvimento sustentável apresenta-se como uma ideologia, uma verdade irrefragável, livre, pela maioria daqueles que o recebe, de contestações. Nesse quadro, o presente artigo objetiva realizar uma analise do discurso ambiental veiculado na mídia através de propagandas, desmistificando o discurso empresarial verde. Para tanto, objetiva-se interpretar não só o conteúdo, mas a forma do discurso, ou seja, como este texto significa, explicitando que há uma relação íntima entre linguagem, discurso e ideologia (ORLANDI, 2001). A análise levará em conta a relação entre a forma e o conteúdo do texto, isto é, a relação entre o conteúdo proposicional e

3 a forma de proferir os argumentos que, tomados no seu conjunto, permitem a apreensão do significado do discurso e das formas de convencimento presentes em tais textos. Como todo discurso ideológico é lacunar e ganha coerência através daquilo que não pode ser dito, de termos ausentes que garantem a suposta veracidade daquilo que está explicitamente afirmado (CHAUÍ, 1980, p. 4), a seleção que o sujeito faz entre o que diz e o que não diz é extremamente significativa (se diz x para silenciar y...). A ideologia 1, nesse sentido, cumpre o papel de elaborar uma imagem particular universalizada, fundada em crenças e discursos que, ao longo da nossa história, foram capazes de coincidir com as coisas, substituir a realidade por constatações tidas como verdades imutáveis (CHAUÍ, 1980). No caso, o discurso ambiental atual encontra-se sob a égide da ideologia do desenvolvimento sustentável, que tem como prerrogativa a possibilidade de conciliação entre exploração econômica e preservação ambiental. Se num primeiro momento, as preocupações ambientais eram sinônimos de custos, de ônus para o segmento empresarial, hoje, a incorporação das externalidades ambientais apresentam-se como oportunidade de lucro, na medida em que é valorizada pelo mercado e pela sociedade como um todo. Os órgãos mantenedores do capital, isto é, as empresas de grande porte, veem nesse discurso-ambiental-dominante a possibilidade de idealizar uma imagem responsável para o consumidor. A preocupação das empresas em prol de um planeta sustentável mascara o seu real objetivo, de caráter estritamente econômico, ao fazer uso do discurso ambiental como estratégia de marketing verde. 247 A ideologia do desenvolvimento sustentável A noção de desenvolvimento remete a imagem de progresso, crescimento, evolução, adjetivos positivos que escondem o real sentido impregnado nas sociabilidades e políticas desenvolvimentistas do regime globalista-neoliberal. De praxe, quando se diz que algo se desenvolve, quanto à opinião pública, dificilmente há correlação a maus-sentidos em sua definição, longe disso, ouve-se, e, lê-se, corriqueiramente, manchetes anunciando as condições de vida nos países 1 A ideologia, forma específica do imaginário social moderno, é a maneira necessária pela qual os agentes sociais representam para si mesmos o aparecer social, econômico e político, de tal sorte que essa aparência [ ] é o ocultamento ou a dissimulação do real. [...] O discurso ideológico é aquele que pretende coincidir com as coisas, anular a diferença entre o pensar, o dizer e o ser e, destarte, engendrar uma lógica da identificação que unifique pensamento, linguagem e realidade para, através dessa lógica, obter a identificação de todos os sujeitos sociais com uma imagem particular universalizada, isto é, a imagem da classe dominante (CHAUÍ, 1980, p. 3).

4 desenvolvidos, que, como modelos de desenvolvimento, instituem-se como meta para os países ditos subdesenvolvidos. Como explicita Esteva (2000, p. 61), o desenvolvimento ocupa o centro de uma constelação semântica incrivelmente poderosa. Não há nenhum outro conceito no pensamento moderno que tenha influência comparável sobre a maneira de pensar e o comportamento humanos. Nesse quadro, o autor explicita o caráter ideológico da noção de desenvolvimento ao apresentar-se como meta inexorável e linear para o mundo e ao mascarar uma comparação valorativa entre países desenvolvidos e países subdesenvolvidos. O farol do desenvolvimento 2 ilumina, portanto, o estágio final de um caminho único para evolução do mundo através do modo de produção e de vida urbano-industrial. A propagação do ideário do desenvolvimento aponta para a massificação de um discurso-dominante balizado em uma cultura específica, eurocêntrica, em detrimento de outras, ferindo a diversidade de costumes e tradições. Diversos autores latino-americanos tem discutido a noção de desenvolvimento em sua intrínseca relação com a colonialidade. A colonialidade, portanto, sobreviveu ao colonialismo (no stricto sensu), por meio dos ideais desenvolvimentistas eurocêntricos, mantidos e revigorados no contexto da globalização neoliberal: Todos querem ser desenvolvidos como a Europa e os EUA e, assim, o horizonte está marcado pela colonialidade do saber e do poder, posto que não se consegue pensar fora dos marcos desse pensamento moderno-colonial (PORTO-GONÇALVES, 2013, p. 51). Diante da problemática ambiental, a ideia-colonizadora mais bem sucedida de todos os tempos, o desenvolvimento, vem sofrendo restrições e precisou incorporar a palavra sustentável para não perecer. Logo, a noção de sustentabilidade surge como estratégia política de desenvolvimento, já que a noção de desenvolvimento sustentável sobressai (no rol das várias teorias do desenvolvimento) como a mais capacitada para lidar com os problemas contemporâneos (PENIDO, 2011). A necessidade de impor limites ao estilo de vida criado pelo capitalismo industrial se acentua a partir de 1972, quando é publicado, pelo Clube de Roma, o relatório The limits of Growth, organizado por cientistas do Massachusetts Institute of Technolgy, liderados por Dennis L. Meadows. As reflexões do Clube de Roma, em tom catastrófico e alarmante, apontavam para a limitação dos recursos naturais (principalmente de origem fóssil), para a tese malthusiana de crescimento geométrico Wolfgang Sachs (2000, p. 11) utiliza a metáfora para explicitar que o desenvolvimento foi, por várias décadas, aquela idéia que, como um altíssimo farol orientando marinheiros até a praia, guiava as nações emergentes em sua viagem pela história do pós-guerra.

5 da população mundial e para o paradigma tecnológico que acarretava a aceleração da aproximação dos limites ambientais (PENIDO, 2011). Ainda em 1972, sob forte influência do diagnóstico do Clube de Roma, ocorreu em Estocolmo, na Suécia, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano, a primeira reunião de caráter oficial a tratar de assuntos ambientais a nível global. A partir desta Conferência, cria-se o conceito de ecodesenvolvimento, expressão da fusão entre desenvolvimento e meio ambiente (e forma embrionária daquilo que mais tarde se consagraria como desenvolvimento sustentável). Na década subsequente à Conferência de Estocolmo, a noção de ecodesenvolvimento entra em desuso e começa a ser substituída pelo conceito de desenvolvimento sustentável. A noção de desenvolvimento sustentável aparece pela primeira vez formalizada em 1987, no Relatório Brundtland, Our Common Future, preparado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMMAD, 1991), presidida pela então primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland. O conceito oficial de desenvolvimento sustentável, instituído pela Comissão Brundtland, tão amplamente divulgado e reproduzido, refere-se à competência de garantir que o desenvolvimento atenda as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as gerações futuras atenderem também às suas (CMMAD, 1991, p. 46). O tripé do desenvolvimento sustentável alicerça-se sobre a relevância social, prudência ecológica e viabilidade econômica (SACHS, 2002, p. 35). Em 1992, sob forte influência do Relatório Brundtland, realizou-se na cidade do Rio de Janeiro a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (também denominada Rio-92, Eco-92, Cúpula da Terra ou Grande Encontro da Terra), na qual a noção de desenvolvimento sustentável foi definitivamente consolidada e difundida. 249 É hora de fazer cair a máscara: o discurso empresarial verde Para Leff (2013, p. 61), o enfrentamento ambiental surgiu nas últimas décadas do século XX como uma crise de civilização, questionando a racionalidade econômica e tecnológica dominantes. Sob este ângulo, o que se nomeia por crise, com os seus mais diversos qualificativos, testemunha a reafirmação da vontade e da recorrente capacidade do capital em transferir a seu meio externo [...] as conseqüências de contradições que são, exclusivamente, suas; no sentido que surgiram das relações de produção e de propriedade que o fundam (CHESNAIS; SERFATI, 2003, p. 4 grifos meus).

6 Numa perspectiva crítica, vários autores têm questionado o discurso institucionalizado do desenvolvimento sustentável, apontando-o como um novo paradigma do progresso, preocupado apenas com o estresse ecológico sobre os projetos econômicos (CAVALCANTI, 1998; ESTEVA, 2000; SACHS, W., 2000; ZHOURI; LASCHEFSKI; PEREIRA, 2005). Um ideário que visa ocultar as formas de apropriação privada e desigual dos recursos naturais, as contradições, os conflitos ambientais e o antagonismo de classes. Trata-se, segundo Carneiro (2005), de uma noção de caráter normativo, sem delimitações científicas precisas e acabadas. Talvez por isso mesmo, e pela dimensão que a ECO-92 deu ao termo, ele se tornou uma espécie de panacéia da moda (SILVA, 2000). Elaborada a partir de uma perspectiva que visa revigorar os pilares de sustentação do progresso econômico (ASSIS, 2005), a noção de desenvolvimento sustentável crê na possibilidade de exploração regular e contínua dos recursos naturais a partir de adequações, mitigações e técnicas ambientais. Tal perspectiva se insere na chamada modernização ecológica, 250 processo pelo qual as instituições políticas internalizam preocupações ecológicas no propósito de conciliar o crescimento econômico com a resolução dos problemas ambientais, dando-se ênfase à adaptação tecnológica, à celebração da economia de mercado, à crença na colaboração e no consenso (ACSELRAD, 2004, p. 32). A atribuição ao mercado da capacidade institucional de resolver os problemas ambientais vem tornando o meio ambiente uma oportunidade de negócios, o que revela uma racionalidade econômica operando envolta sob uma aparência dita ambiental (LAYRARGUES, 1998; PENIDO, 2011). Nesse quadro, não podemos deixar de destacar o papel do segmento empresarial, tanto nacional quanto transnacional, na conjunção de poderosos atores adeptos ao ideário do desenvolvimento sustentável. Para tanto, examinaremos práticas publicitárias de distintos segmentos empresariais - produtos de higiene e limpeza, de produção e distribuição de energia, e de distribuição de combustíveis a fim de desconstruir o discurso ambiental dominante. A propaganda comercial analisada, da marca de produtos de limpeza Ypê, da indústria química paulistana Química Amparo 3 faz referência ao Projeto Ypê Florestas, 3 Operando desde 1950, com sede na cidade de Amparo SP e filiais em Salto- SP e Simões Filho BA, a Química Amparo detém os direitos da marca Ypê, líder de vendas de sabão em barra no país, além de exportar produtos para fora do Brasil. Disponível em: Acesso em: 06/04/2014.

7 realizado em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica. 4 Tal programa proporcionou a empresa prêmios ambientais no Brasil, sendo referência de empresaverde no país. 5 Para melhor análise, será reproduzido a seguir o texto presente na publicidade: O conforto de hoje provoca efeitos na natureza. Pensando nisso, a Ypê vai plantar milhares de árvores, e você não gasta nada a mais com isso. (Trilha sonora) Compre Ypê, a gente planta árvores para você! Nas imagens do reclame, vê-se uma mulher escolhendo em um corredor de supermercado um produto Ypê, de repente, todo o cenário a sua volta se desfaz, transfigurando-se em um ambiente natural, e o produto Ypê se transforma em uma muda de planta a virar árvores. Então, aparecem crianças símbolo da esperança que testemunham árvores a brotar da terra, o renascer do verde, que subliminarmente pode representar a venda de muitos produtos Ypê se revertendo no plantio de uma imensa floresta. Tudo isso ao som de uma trilha sonora angelical, a adicionar avivamento às cenas. Ao tomarmos a primeira frase: O conforto de hoje provoca efeitos na natureza. Inferir-se-ia que, para que se tenha uma melhor qualidade de vida, deve-se pagar um preço. O desmatamento, crescente no país, sobretudo na região da Amazônia Legal, parece ser o preço a se pagar, segundo a lógica presente no material de publicidade supracitado. Logo, como resolução do problema - Pensando nisso, a Ypê vai plantar milhares de árvores, e você não gasta nada a mais com isso. - a instituição mostra ao consumidor o quanto se preocupa com o desmatamento. O comercial passa para o telespectador que ao comprar produtos Ypê ele estará ajudando no reflorestamento, sem ter qualquer tipo de ônus/gastos a mais com isso. A pausa para a trilha sonora instrumental é um momento em que a magia da natureza e a esperança da restauração entram em cena, como fórmula a comover e convencer o interlocutor. A intenção é reforçada no último argumento Compre Ypê, a gente planta árvores para você!. O verbo compre, no imperativo, e início de frase, investe no principal do marketing, que é apresentar e convencer o consumidor a comprar o produto. O O Projeto Florestas Ypê, faz parte do Programa Florestas do Futuro, da Fundação SOS Mata Atlântica e teve seu início em Os plantios são realizados em diferentes propriedades nas regiões das cidades de Campinas e Itu, no interior de São Paulo, em APPs (Áreas de Preservação Permanente), dentro das bacias dos rios Atibaia e Tietê. Disponível em: Acesso em: 03/04/ Por cinco anos consecutivos (2007, 2008, 2009, 2010 e 2011), a Ypê recebeu o prêmio Top of Mind da Folha de São Paulo, na categoria Top Meio Ambiente, e o TOP Ambiental ADVB-SP, em Disponível em: Acesso em: 03/03/2014.

8 argumento que sustenta o verbo compre é evidentemente ambiental: compre Ypê porque plantamos árvores para você. Por sua vez, o emprego do pronome você, mostra uma relação de proximidade entre a Ypê e o consumidor e favorece a construção de uma tônica de benefícios para o cliente. Além de comprar o produto, o consumidor tem a possibilidade de contribuir para o reflorestamento. Logo, a peça publicitária atrela os produtos da marca Ypê à imagem de responsabilidade ambiental, ao mesmo tempo em que responsabiliza o consumidor, que, ao comprar produtos da referida marca, poderá contribuir com a recuperação de florestas. Outra empresa que tem se valido amplamente do discurso ambiental é a Cemig 6, que em vários anúncios publicitários, afirma ser a única empresa de energia latino-americana no Índice Dow Jones de Sustentabilidade, como explicita a figura 01: 252 Figura 01: Fonte: Revista Ação Ambiental, UFV, Viçosa/MG, ano XI, n. 39, p. 36, nov./dez No texto da publicidade acima consta: Entre o mundo dos negócios e o mundo das pessoas, ficamos com os dois. Cemig, 9 anos como a única empresa de energia da América Latina no Índice Dow Jones de Sustentabilidade. O Índice Dow Jones 6 A Cemig é uma companhia de capital aberto controlada pelo Governo do Estado de Minas Gerais, que possui 114 mil acionistas em 44 países. O Grupo Cemig responde, em Minas Gerais, por 96% da área de concessão [ ], sendo responsável pela operação de 65 usinas, com capacidade instalada de megawatts. A atuação da Cemig estende-se a 22 estados brasileiros [ ]. Também possui participação em empresas transmissoras de energia elétrica (TBE e Taesa), investimentos no segmento de gás natural (Gasmig), telecomunicações (Cemig Telecom) e eficiência energética (Efficientia). Disponível em: Acesso em: 04/04/2014.

9 (DJSI) é o mais importante índice mundial de sustentabilidade e é utilizado como parâmetro para análise dos investidores social e ambientalmente responsáveis. Como se observa no discurso do anúncio, a Cemig opta pela conciliação entre o mundo dos negócios e o mundo das pessoas, que na imagem é representada por dois círculos que focalizam, com uma área de interseção, a figura de uma indústria e a de duas crianças. O texto que segue abaixo da imagem publicitária diz: Em 2000, ano em que Joana e Davi nasceram, a Cemig esteve pela primeira vez no Índice Dow Jones de Sustentabilidade - DJSI World. Desde então, o Cemig é uma das duas únicas empresas do setor elétrico no mundo listados no Índice. É que, ao gerar energia, a Cemig preserva, para a vida das pessoas, valores essenciais como ética, respeito, transparência e conservação do meio ambiente. Valores que nos inspiram a ser uma Empresa cada vez melhor. Produzir energia para mais de 17 milhões de pessoas é o nosso negócio. Criar valor para clientes e acionistas, empregados e parceiros para esta e as futuras gerações é o nosso compromisso. 253 Nesse enunciado a empresa reafirma sua participação no Índice Dow Jones de Sustentabilidade desde o ano de 2000, ano em que as crianças do anúncio publicitário nasceram, Joana e Davi. A utilização de nomes para as crianças e a referência ao seu ano de nascimento, denota uma proximidade da empresa com as pessoas, o que também justifica sua responsabilidade socioambiental. Ao exercer sua função que é gerar energia, o anuncio afirma que a Cemig preserva, para a vida das pessoas, valores essenciais como ética, respeito, transparência e conservação do meio ambiente. Na sequência, o texto afirma que o negócio da empresa é produzir energia para 17 milhões de pessoas e que o seu compromisso é criar valor para clientes acionistas, empregados, parceiros e para as futuras gerações. Desta forma, ao mesmo tempo em que a Cemig preserva determinados valores e conserva o meio ambiente, ela assumi que o seu negócio e o seu compromisso encontram-se na esfera econômica. Da imagem ao enunciado, observa-se a conciliação entre as esferas ambiental, social e econômica, exatamente o que compõe os princípios basilares da noção de desenvolvimento sustentável, como explicita a figura 02 a seguir:

10 Figura 02: Tripé do desenvolvimento sustentável Fonte: MENDES, H. A vantagem em ser sustentável, em 18/02/2013. Disponível em: Acesso em: 04/04/ Outra publicidade que trabalhamos é da empresa da rede de postos de combustível Ipiranga, do Grupo Ultra 7, do ano de Protagonizando, um casal de bebês dialogam ao chegar ao posto Ipiranga. Observe: [Bebê 01] - O que que tá acontecendo? [Bebê 02] - Ah, papai veio comprar leite, pão, essas coisas... [Bebê 01] - Mas porque que ele vem sempre nesse posto? [Bebê 02] - Você não viu ele falar que é Ecoeficiente? Ajuda a cuidar do planeta! [Bebê 01] - E esse cartão carbono zero? [Bebê 02] - Ah, é que ajuda a controlar a emissão de gases! [Bebê 01] - Aaah... entendi! Antes de tudo, a peça publicitária objetiva promover a ideia de uma organização ecologicamente correta. Digamos, pois, que o Bebê 01, que faz as perguntas, representa o interlocutor da publicidade e o Bebê 02 a empresa. Na segunda resposta - Você não viu ele falar que é Ecoeficiente? Ajuda a cuidar do planeta! - mais uma vez aparece os genes do discurso-ambiental-dominante. No portal eletrônico da empresa consta algumas informações sobre o funcionamento dos postos Ecoeficientes Ipiranga. Basicamente, o posto Ecoeficiente é pautado na Gestão de Água, Energia, Materiais, Resíduos e Solo, através de técnicas de coleta, reaproveitamento e reutilização do que o sistema climático fornece (sol e chuva) ou do que é descartado (reaproveitamento de materiais), com utilização de tecnologias que permitem o menor consumo de recursos naturais e a menor degradação ao meio 7 O Grupo Ultra ou Ultrapar é um dos maiores grupos empresariais brasileiros, com posição de liderança em seus mercados de atuação. A companhia atua no setor de distribuição de combustíveis, por meio da Ipiranga e da Ultragaz, na indústria de especialidades químicas, com a Oxiteno, no segmento de armazenagem para granéis líquidos, por meio da Ultracargo, e no setor de varejo farmacêutico, através da Extrafarma. Com um quadro de 13 mil funcionários diretos, a Ultrapar detém operações em todo o território brasileiro e possui, através da Oxiteno, unidades industriais nos Estados Unidos, no Uruguai, no México e na Venezuela e escritórios comerciais na Argentina, na Bélgica, na China e na Colômbia. Disponível em: https://www.ultra.com.br/ultra/ Acesso em: 06/04/2014.

11 ambiente. O projeto baseia-se na política dos 4R s repensar, reduzir, reutilizar e reciclar no âmbito da construção e do funcionamento do próprio posto. Num primeiro momento, o sistema preparado para reaproveitamento de recursos parece favorável, e, diga-se de passagem, não deve ser descartado. Contudo, averiguando, reverdece-se a lógica econômica do complexo empresarial ao encontrarmos expressões como não-desperdício, menos recursos, somente o necessário, o que nos conduz a crer numa justificativa econômica fantasiada de caráter ecológico. Em suma, repensar, reduzir, reutilizar e reciclar, resultam em ganhos, antes de tudo, econômicos, por intermédio da redução de gastos, de melhor aproveitamento dos recursos naturais e do próprio marketing verde. No portal digital do posto Ipiranga Ecoeficiente, que serve também como meio publicitário, lê-se a discursiva de que 89,4% das pessoas já preferem utilizar postos que valorizem ações voltadas para o Meio Ambiente. (Midas Marketing; Fevereiro de 2011), o que reafirma o valor econômico embutido nas ações ecológicas da empresa. Outro argumento, que se encontra na página eletrônica da empresa, é: Abastecendo num posto com selo Ecoeficiente, você estará ajudando a proteger o meio ambiente. Aqui, compreende-se a tentativa de aproximação da empresa com o cliente/consumidor, fundindo-os como agentes em prol do verde, dando a entender, implicitamente na mensagem, que o posto está a espera do consumidor-verdeconsciente, para que juntos protejam o meio ambiente e cuidem do planeta. Para isso, basta abastecer seu veículo nos postos Ecoeficientes da rede Ipiranga. No mesmo sentido opera a discursiva do programa Cartão Carbono Zero 8, que promete recompensar a emissão de gases poluentes dos veículos automotivos através do pagamento em cartão de crédito. Ao pagar com o cartão Carbono Zero, o cliente obtém uma série de descontos em serviços da própria rede Ipiranga, além de contribuir para a preservação ambiental, na medida em que a empresa investe parte dos gastos do consumidor em programas de neutralização de carbono (CO2), como o plantio de árvores. As contradições entre o processo de acumulação capitalista e o discurso ambiental do segmento empresarial não aparecem nas propagandas analisadas. Os impactos causados pelos produtos de limpeza nos corpos d água não são mencionados, por exemplo, pela Ypê. Como explicita o relatório produzido pelo O Programa Cartão Carbono Zero é realizado em associação entre a rede de postos Ipiranga, o banco Itaú e o grupo Bureau Veritas Certification. O Bureau Veritas Certification é um grupo internacional, fundado em 1828 que realiza serviços de avaliação de conformidade e certificação, nas áreas de Qualidade, Segurança e Saúde Operacional, Meio Ambiente e Responsabilidade Social. Está presente em 140 países, conta com 930 escritórios, 330 laboratórios, colaboradores e atende clientes em todo o mundo. Em 2010, a receita do Grupo Bureau Veritas atingiu 3,4 bilhões de euros.

12 Ministério do Meio Ambiente, a poluição causada por produtos de limpeza fica meses ou até anos acumulada nos rios e lagos. A espuma oriunda de tais produtos diminui a passagem do oxigênio (processo chamado de eutrofização das águas) e o resultado é a destruição de espécies de plantas e peixes. Ainda conforme o Ministério: a poluição das águas nos rios, lagos, mares e oceanos ocorre não apenas pelo despejo individual de uma substância ou outra mas também pela reação química resultante da soma dos inúmeros produtos de limpeza que usamos em nossas residências: detergentes, sabão em pó, amaciante, sabonetes, shampoos, cremes dentais, desinfetantes, limpa-vidros, água sanitária [ ], amoníaco, entre outros. Essa combinação potencializa os impactos sobre a qualidade das águas, sobre a fauna e flora dos ecossistemas, assim como aumenta o perigo para as populações que consumirem estas águas ou se alimentarem desses animais aquáticos posteriormente (Branco, 1990 apud BRASIL, s.d, s.p.). 256 Da mesma forma, a Cemig, com 65 usinas hidrelétricas em operação no país, não menciona em seus textos publicitários os impactos socioambientais decorrentes da produção de energia. Entre os impactos ocasionados pela implantação de usinas hidrelétricas, pode-se mencionar: a realocação das comunidades ribeirinhas, que sofrem com as alterações das redes de sociabilidade, com a desestabilização de seu modo de vida e com as perdas dos referenciais materiais e simbólicos existentes no lugar de vivência anterior ao deslocamento compulsório; inundação de terras agricultáveis; o surgimento de endemias locais, decorrente da disseminação de patologias ocasionadas ou facilitadas pelo empreendimento, como: Leishmaniose, Peste Bubônica e doença de Chagas; desmatamento e inundações de grandes áreas com prejuízos à flora e à fauna; inibição da piracema; além dos impactos à jusante do projeto (chamados impactos indiretos) que afetam outras comunidades ribeirinhas em função da redução da vazão da água e de sua qualidade. Quanto ao posto Ipiranga, é sabido que nos postos de gasolina há riscos, sobretudo de contaminação do solo, dos corpos d água subterrâneos e superficiais, em decorrência de vazamentos ou descarte inadequado de efluentes. Nesses termos, os postos, tal como a rede Ipiranga, podem utilizar de tecnologias ambientais para evitar tais impactos. Entretanto, mais do utilizar técnicas para prevenir impactos ambientais ou para sua auto-sustentabilidade é importante refletir sobre a insustentabilidade inerente a qualquer posto de combustível, cujos principais produtos de venda são combustível fósseis e o etanol. No caso dos combustíveis fosseis sua atestada insustentabilidade encontra-se no fato do petróleo ser um recurso nãorenovável e causar danos ao meio ambiente, já que sua queima aumenta a emissão de gases de efeito estufa (GEE), resultando no chamado aquecimento global. No caso

13 do etanol, derivado da cana-de-açúcar, além dos impactos ambientais de sua produção pautada em monoculturas, deve-se destacar seus impactos sociais atrelados ao processo de violação dos direitos humanos e trabalhistas e de espoliação de comunidades rurais em todo o Brasil. Ademais, a sociedade automobilística é, em sua essência, insustentável, não só pelo consumo/queima de combustíveis fósseis, como também pela grande quantidade de energia e matérias-primas utilizadas para produção de veículos automotivos como aço, ferro, borracha, plásticos e alumínio, assim como uma grande quantidade de substâncias que destroem a camada de ozônio (PENIDO, 2011). Enfim, no discurso ambiental das empresas não aparecem as contradições, os impactos socioambientais e os conflitos ocasionados direta ou indiretamente por suas práticas econômicas. Nesses termos, o discurso ambiental passa a se vincular às oportunidades mercadológicas, onde a proteção ambiental pode significar não mais restrição competitiva, mas lucro e vantagens comparativas (PENIDO, 2011, p. 86). 257 Considerações Finais: outros discursos e práticas são possíveis? A nossa "insatisfação com o mundo" e "o desgosto com o estado das coisas" (Arendt, 1990, p. 241), no entanto, não nos isentam da responsabilidade pelo mundo. Um traço característico do pensamento de Arendt é o "apesar de": Apesar de tudo - mesmo apesar da barbárie do mundo moderno -, precisamos apostar no mundo humano. Esse é o espaço humano e ao mesmo tempo humanizante. (ALMEIDA, 2008, p. 471). Na vigência da chamada globalização neoliberal, quem governa o meio ambiente é o mercado. Como conseqüência, tem-se a despolitização do debate ambiental, na medida em que o discurso empresarial verde não coloca em xeque as instituições da sociedade vigente. Sob a visão do mercado, a questão ambiental passa a ser tratada no âmbito da modernização ecológica, a partir de técnicas e de programas de mitigação e compensação ambiental. Em momento algum as propagandas verdes induzem a redução do consumo por parte dos clientes/consumidores como medida de sustentabilidade. Pelo contrário, a compra e o consumo é que conduziriam a via do chamado desenvolvimento sustentável e da proteção ao meio ambiente. As iniciativas empresariais voltadas para a gestão ambiental e proteção do meio ambiente, certamente, reduzem alguns efeitos deletérios da reprodução capitalista, entretanto, são apenas paliativas, já que as relações de produção e reprodução permanecem intocáveis. Logo, o discurso-ambiental-dominante serve, a

14 grosso modo, como técnica para facilitar a reprodução do capital, através da apropriação da causa ambiental e do espaço pelo mercado. Acreditamos, pois, que contradições e conflitos socioambientais de fundo estrutural não encontram na técnica uma solução. A técnica, como menciona Porto- Gonçalves (2013, p. 95), possui um papel mediador, garantindo a barreira que separa homem-natureza, transformando-os em sujeito-objeto, respectivamente. Nesse quadro, o Homem não se vê mais como natureza e passa a enxergar a natureza como recurso a garantir lucro e conforto. Logo, a técnica gera tantos problemas, quanto soluciona. Nas ruas, nas mídias, e o pior, nas escolas aposta-se no discurso-ambientaldominante (1) do plantar árvores (2) do reciclar, reaproveitar, reutilizar (3) do consumo consciente de produtos ambientalmente corretos, (4) do proteger o mundo, fazendo cada um a sua parte. Na situação de degradação em que vivemos, obviamente, atitudes individuais são importantes. Entretanto, a dimensão da problemática ambiental, nos obriga a atentar para os atores hegemônicos da seara ambiental, a saber: o mercado, o segmento industrial e o próprio Estado, na medida em que há um alinhamento entre políticas públicas e a lógica de acumulação do capital, inserindo o meio ambiente num processo de economicização ecológica. Na era do ecologicamente correto, politicamente correto e eticamente correto, as mudanças permanecem nos limites da ordem vigente e a própria educação ambiental surge conversando com o discurso-dominante, reproduzindo uma visão uníssona e institucionalizada da natureza. A questão, portanto, não é meramente técnica, mas política e encontra possibilidades de mudança numa educação ambiental de fato crítica, que questione o discurso ambiental hegemônico. Há generalizada degradação ambiental e social que ora presenciamos também é fruto da opressão ao pensar, o que nos lança para refletirmos sobre as possibilidades da educação como meio de transformação socioambiental. Com urgência, como reproduzido na epígrafe, a insatisfação com o mundo e o desgosto com o estado das coisas a que Almeida (2008) faz referência, deve ser o combustível que nos move, para a abdicação da mesquinhez de interesses parcelares e efêmeros. 258 Referências ACSELRAD, H. As Práticas Espaciais e o Campo dos Conflitos Ambientais. In: ACSELRAD, Henri (Org.) Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume- Dumará; Fundação Heinrich Böll, 2004.

15 ALMEIDA, V. S.. Educação e Liberdade em Hannah Arendt. Educação e Pesquisa.São Paulo, v.34, n.3, p , set./dez ASSIS, W. F. T. Representações da Natureza e Des-figurações dos Conflitos Socioambientais:a publicidade dos setores elétrico, químico e petroquímico entre Dissertação (Mestrado em Sociologia) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE.Os produtos de limpeza e os impactos ambientais. Disponível em: Acesso em: 04/04/2014. CARNEIRO, E. Política Ambiental e Ideologia do Desenvolvimento Sustentável. In: ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K.; PEREIRA, D. B. (Org.). A Insustentável Leveza da Política Ambiental:desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, CAVALCANTI, C. Sustentabilidade da Economia: paradigmas alternativos de realização econômica. In: CAVALCANTI, C. Desenvolvimento e Natureza: estudo para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez, CHAUÍ, M. Cultura e Democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Moderna, CHESNAIS, F.; SERFATI, C. Ecologia e Condições Físicas da Reprodução Social: alguns fios condutores. Crítica Marxista, Campinas, Centro de Estudos Marxistas, n. 16, Disponível em: Acesso em: 18/10/2009. COMISSÃO MUNDIAL SOBRE O MEIO AMBIENTE E O DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, ESTEVA, G. Desenvolvimento. In: SACHS, W (Org.). Dicionário do Desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, LAYRARGUES, P. P. A Cortina de Fumaça: o discurso empresarial verde e a ideologia da racionalidade econômica. São Paulo: Annablume, LEFF, Enrique. Epistemologia Ambiental. 5. Ed. São Paulo: Cortez, FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de Frence. Pronunciada em 2 de dezembro de ª ed. São Paulo: Edições Loyola, ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: Princípios & Procedimentos. Campinas: Pontes, Silêncio e Implícito (Produzindo a Monofonia). In: GUIMARÃES, E. (Org.) História e Sentido na Linguagem. São Paulo: Pontes, PECHÊUX, M. Semântica e Discurso: uma Critica a Afirmação do Óbvio. Campinas: Unicamp, PENIDO, M. de O. O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel: alternativa ou "mais do mesmo"? Do domínio do agribusiness à inserção da agricultura familiar na cadeia produtiva do biodiesel no Norte de Minas. Dissertação (Mestrado em Geografia). Niterói: Universidade Federal Fluminense, PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. 5ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, SACHS, W. Meio Ambiente. In: SACHS, W. Dicionário do Desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, SILVA, C. E. M.. Desenvolvimento e Sustentabilidade nos Cerrados: o caso do sertão norte-mineiro. In: LUZ, C.; DAYRELL, C. Cerrado e Desenvolvimento: tradição e atualidade. Montes Claros: CAA, ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K.; PEREIRA, D. B. Desenvolvimento, Sustentabilidade e Conflitos Socioambientais. In: ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K.; PEREIRA, D. B. (Org.). A Insustentável Leveza da Política Ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica,

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

O capitalismo e a sociedade de consumo

O capitalismo e a sociedade de consumo O capitalismo e a sociedade de consumo Sociedade de consumo As sociedades dos países capitalistas desenvolvidos que usufruem intensamente dos bens e serviços existentes no mundo moderno. O consumismo contribui

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Capítulo III As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a Humanidade

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CCADCFSPEX01 Construindo novas relações: Projeto de Educação Ambiental com estudantes de ensino público na cidade de Areia - PB Jaciara Bomfim dos Santos (1); Thiago Bernardino de Sousa Castro (2); Josilene

Leia mais

fazem bem e dão lucro

fazem bem e dão lucro Melhores práticas de fazem bem e dão lucro Banco Real dá exemplo na área ambiental e ganha reconhecimento internacional Reunidos em Londres, em junho deste ano, economistas e jornalistas especializados

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade para Etanol Combustível

Regulamento de Avaliação da Conformidade para Etanol Combustível Regulamento de Avaliação da Conformidade para Etanol Combustível Alfredo Lobo Diretor da Qualidade Rio de Janeiro, 14/08/2008 ções Desenvolvidas pelo Inmetro no Programa de Avaliação da Conformidade para

Leia mais

Economia Verde e Sustentabilidade: O sabão em pó de mamão

Economia Verde e Sustentabilidade: O sabão em pó de mamão Economia Verde e Sustentabilidade: O sabão em pó de mamão Resumo A escolha do tema envolveu amplas pesquisas, a partir da quais decidimos que o objetivo do grupo seria contribuir, com este estudo, para

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina Questão Ambiental e Energética Código Semestre Ano Letivo 1º 2014 Área de Concentração Desenvolvimento Territorial Linha de Pesquisa: 1 Campesinato, capitalismo e tecnologias;

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

Logística, Competitividade e Sustentabilidade

Logística, Competitividade e Sustentabilidade Logística, Competitividade e Sustentabilidade Porque a Surya é diferente? A Surya fabrica cosméticos naturais e orgânicos pensando na saúde e no bem estar das pessoas e natureza. Sobre a Surya Brasil Empresa

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos?

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Cartilha Ambiental Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2 Com atitudes simples você pode contribuir para diminuir sua emissão de CO2,

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Se hoje investir em responsabilidade socioambiental é uma opção, em breve será praticamente obrigatório para se manter no mercado. Especialistas da indústria

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Estilhaçando a Degradação Ambiental 1. Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5

Estilhaçando a Degradação Ambiental 1. Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Estilhaçando a Degradação Ambiental 1 Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O seguinte

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 LEMOS, Haroldo Matos. Desenvolvimento Sustentável: antecedentes. Rio

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

Sustentabilidade dos Biocombustíveis

Sustentabilidade dos Biocombustíveis Sustentabilidade dos Biocombustíveis VII Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental Porto Alegre Maio de 2010 Paulo Cunha (1) Fernando Pierre (1) Diogo Zaverucha (1) Felipe Cunha (2) (1) Petrobras Biocombustível;

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

O Desafio da Sustentabilidade no Setor Petroquímico

O Desafio da Sustentabilidade no Setor Petroquímico Seminário Nacional de Gestão Sustentável nos Municípios Relato de Experiências O Desafio da Sustentabilidade no Setor Petroquímico Porto Alegre, 28 de Março de 2008 Roteiro Empresa Cenários Conceitos Dimensão

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE NATUREZA E MEIO AMBIENTE DOS EDUCANDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) 1

AS CONCEPÇÕES DE NATUREZA E MEIO AMBIENTE DOS EDUCANDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) 1 AS CONCEPÇÕES DE NATUREZA E MEIO AMBIENTE DOS EDUCANDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) 1 Leonardo da Costa VERGARA¹; Fernanda Gratão LEMES²; Simone Sendin Moreira GUIMARÃES 3 ; Rones de Deus PARANHOS

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES Valéria Pastura 1, Antônio Carlos de A. Mól 1,2,3, Ana Paula Legey 1,2,3, e Celso Marcelo F. Lapa 1,2,3 Instituto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

Fontes de Energia e Meio Ambiente

Fontes de Energia e Meio Ambiente UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS ICE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Fontes de Energia e Meio Ambiente Alunos: Arina Estefânia Gomes Flávia Campos

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO produz e dissemina conhecimento por meio da Educação para a Sustentabilidade Organização promove a transformação socioambiental de pessoas, organizações e sistemas

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: MEIO AMBIENTE MAIO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: MEIO AMBIENTE MAIO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: MEIO AMBIENTE MAIO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto

Leia mais

Responsabilidade Social na Publicidade: o caso Ypê 1

Responsabilidade Social na Publicidade: o caso Ypê 1 Responsabilidade Social na Publicidade: o caso Ypê 1 Luis TORRES 2 Jéferson GOMES 3 Neder SANTANA 4 Carolina DIAS 5 Centro Universitário da Grande Dourados, Dourados - MS RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO Inovação e sustentabilidade são pilares da cultura empresarial da Ultrapar, permeando todas as iniciativas adotadas nas suas diferentes frentes de atuação. A criatividade na adoção de novas ideias e procedimentos

Leia mais

IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade

IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade Gabarito Primeira Fase Cruzadinha Preencha as linhas da cruzadinha com as palavras ou expressões correspondentes. 1 C A R B O N O 2 A Q U E C

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade.

Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade. Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade. No atual cenário de urgência na transição da economia tradicional para a economia verde, as empresas assumem papel central no cenário econômico, para

Leia mais

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo Amanda Aroucha de Carvalho Reduzindo o seu resíduo 1 Índice 1. Apresentação 2. Você sabe o que é Educação Ambiental? 3. Problemas Ambientais 4. Para onde vai o seu resíduo? 5. Soluções para diminuir a

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Ásia. Bandeiras da China, Japão, Índia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tuvalu respectivamente. Os países líderes na questão ambiental na região.

Ásia. Bandeiras da China, Japão, Índia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tuvalu respectivamente. Os países líderes na questão ambiental na região. Ásia O desenvolvimento sustentável no continente asiático é visto como consequência de vários fatores que se apresentam na região como o grande número populacional e a sua enorme concentração urbano, a

Leia mais

A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil

A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil Uma posição conjunta do CAPA (Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor, Brasil) e

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais