O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DAS EMPRESAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AUCILENE VASCONCELOS HAHN IDÁLIA ANTUNES CANGUSSÚ REZENDE O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DAS EMPRESAS VITÓRIA 2002

2 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AUCILENE VASCONCELOS HAHN IDÁLIA ANTUNES CANGUSSÚ REZENDE O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DAS EMPRESAS Monografia apresentada ao curso de Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito para a aprovação na disciplina TCC II e exigência parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Orientador: Prof. Doutorando Valcemiro Nossa. VITÓRIA 2002

3 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AUCILENE VASCONCELOS HAHN IDÁLIA ANTUNES CANGUSSÚ REZENDE O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DAS EMPRESAS COMISSÃO EXAMINADORA Prof. Doutor Valcemiro Nossa Orientador Prof a. Fabiana Meira dos Santos Oliveira Prof. Doutor Aridelmo J. C. Teixeira

4 3 AGRADECIMENTOS Agrademos a Deus pela oportunidade de realizar essa pesquisa, sem o qual não seria possível vencer esse desafio. Ao Professor doutorando orientador Valcemiro Nossa pelas observações, sugestões e indicações do caminho a seguir para conseguir realizar esse projeto. À Professora Fabiana Meira dos Santos Oliveira pelas observações e sugestões no trabalho de revisão da banca examinadora. Ao Professor Doutor Aridelmo J. C. Teixeira pelas observações e sugestões no trabalho de revisão da banca examinadora. À Fenaseg (Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização) pela ajuda que nos deu enviando artigos sobre seguros ambientais. Às seguradoras e às resseguradoras que responderam ao nosso questionário. Ao Sr. Walter Antonio Polido pela ajuda que nos deu enviando artigos e respondendo às nossas dúvidas. À Vania Velloso funcionária da Companhia Vale do Rio Doce que nos ajudou enviando artigos sobre os investimentos que a companhia tem feito para preservação do meio ambiente. À Herta Rodrigues Torres funcionária da Companhia Siderúrgica Tubarão que nos ajudou enviando artigos sobre os investimentos que a companhia tem feito para preservação do meio ambiente. E aos colegas e professores do curso de Especialização, pelos momentos que passamos juntos no curso.

5 4 DEDICATÓRIA Aos nossos pais, que nos deram a vida.

6 5 EPÍGRAFE Como é que se pode comprar ou vender o céu, o calor da terra? Essa idéia nos parece estranha. Se não possuímos o frescor do ar e o brilho da água, como é possível comprálos? Chefe Seatle

7 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Participação dos diferentes tipos de seguro no Brasil...35 Figura 2 Seguradoras que operam e que não operam Seguros Ambientais Figura 3 Demanda para o seguro ambiental Figura 4 A importância da certificação ISO para a redução do valor do prêmio do seguro Figura 5 O acompanhamento do passivo ambiental das empresas pelas seguradoras Figura 6 O interesse das seguradoras em operar com seguros ambientais...73 Figura 7 O conhecimento das seguradoras sobre os estudos evolvendo seguros ambientais...74 Figura 8 Participação das empresas estrangeiras no mercado de seguros brasileiro...75 Figura 9 As dificuldades para operar com seguros ambientais...76 Figura 10 Interesse das seguradoras em receber os resultados desta pesquisa...77

8 7 SUMÁRIO RESUMO INTRODUÇÃO SITUAÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVAS ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO RETROSPECTIVA HISTÓRICA DA PRÁTICA DO SEGURO A Evolução do seguro nos primórdios das organizações sociais O seguro no contexto brasileiro SEGURO DE RISCOS AMBIENTAIS Surgimento do seguro ambiental no Brasil O cenário atual Conceituação do seguro de riscos ambientais Conceituação do seguro de riscos ambientais O Seguro de responsabilidade civil geral Formação de pools um desafio ao mercado segurador brasileiro SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL CONTABILIDADE AMBIENTAL Conceituação de passivo ambiental O Seguro Ambiental como Mecanismo de Minimização do Passivo Ambiental das Empresas ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS CONCLUSÃO DO TRABALHO REFERÊNCIAS APÊNDICE I - CARTAS ENVIADAS ÀS EMPRESAS APÊNDICE I - Cartas Enviadas às Empresas APÊNDICE II - Questionário ANEXOS ANEXO I - LEI DE 31 DE AGOSTO DE 1981 (LEI DA POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE) ANEXO II - LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 (LEI DE CRIMES AMBIENTAIS)

9 8 ANEXO III - CIRCULAR PRESI 023, DE 01 DE AGOSTO DE 1997 (SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL POLUIÇÃO AMBIENTAL) ANEXO IV TRABALHO DA FENASEG DE

10 9 RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo descrever quais as características do seguro de riscos ambientais e qual o nível de oferta desses seguros no Brasil como mecanismo de ajuda na diminuição de passivos ambientais. Na pesquisa, por meio de um questionário enviado às seguradoras do Brasil filiadas a Fenaseg, são levantados dados sobre as quantidades de empresas que operam com este tipo de seguro, dificuldades em se operar com seguro ambiental e questões relacionadas com o passivo ambiental das seguradas. Os dados da pesquisa foram analisados graficamente de forma que se pôde comprovar que o mercado segurador brasileiro há muito que se fazer nesse ramo para que as empresas usem os seguros ambientais como instrumento de prevenção na formação de passivos ambientais.

11 10 1 INTRODUÇÃO 1.1 ANTECEDENTES DO TEMA E CONTEXTUALIZAÇÃO A prática de se procurar mecanismos para assegurar o patrimônio é bastante antiga, fazendo parte da história da humanidade, passando por grande evolução, provocando mudanças de acordo com as características dos momentos históricos vividos, adaptando-se essa prática às necessidades que foram surgindo ao longo do tempo. Um fato marcante na história mais recente, que veio a impulsionar a prática e regulamentação do seguro foi a Revolução Industrial que provocou um grande avanço para a humanidade, com a criação de várias indústrias gerando o desenvolvimento econômico. O crescimento industrial aconteceu em todas as áreas: siderurgia, têxtil, alimentos etc. Entretanto, este crescimento sempre visou o lucro das empresas e não houve preocupação com a preservação do meio ambiente. Como conseqüência, os recursos naturais começaram a se esgotar devido ao seu uso desordenado. Muitos equipamentos eram e ainda são altamente poluidores, causando contaminações dos rios, mares, ar, fauna, flora, além de comprometer a qualidade de vida das pessoas, gerando vários problemas de saúde. As empresas não se preocupavam com os impactos ambientais que geravam. Em decorrência disso pode-se acompanhar em várias partes do planeta vários acidentes ambientais.

12 11 A humanidade passou a conviver com impactos e acidentes ambientais de diversas ordens. Esses acontecimentos fizeram surgir de forma lenta e gradual uma consciência ecológica na sociedade, governos, estados, órgãos específicos de fiscalização e ambientalistas. Todavia, como somente a conscientização não é suficiente para garantir mudanças, e devido a urgência em se fazer algo de concreto para amenizar toda essa problemática, foram elaboradas leis internacionais e nacionais. Pode-se citar a Lei 6.938/81 Política Nacional do Meio Ambiente e a Lei 9.605/98 Lei de Crimes Ambientais e várias outras resoluções. As empresas brasileiras, além de cumprirem as normas estabelecidas por essas leis e resoluções, também têm que se adequar às exigências dos clientes internacionais, para que seus produtos sejam aceitos, pois de acordo Polido 1 (2002, p. 02),... a evolução da legislação de proteção ao meio ambiente, a qual exerce extrema força contra o empresário exemplo: A Lei de Crimes Ambientais..., é de fundamental importância para mudança do cenário ambiental no Brasil e no mundo. Uma das adequações a serem feitas é conseguir a certificação pelas normas da ISO 14000, que são normas regulamentadoras internacionais que visam a implantação do Sistema de Gestão Ambiental SGA. Para alcançar a certificação, as empresas são obrigadas a desenvolver uma política ambiental, com o 1 Walter Antonio Polido, Bacharel em Direito, Ex-Superintendente de Operações Nacionais e Membro titular do Conselho Técnico do IRB-Brasil Resseguros S/A, onde trabalhou 23 anos; Atual Diretor Técnico da Münchener do Brasil Serviços Técnicos Ltda. Diretor Técnico de Seguros da ABGR - Associação Brasileira de Gerência de Riscos Autor dos livros "Uma Introdução ao Seguro de Responsabilidade Civil Poluição Ambiental" (1995) e Seguro de Responsabilidade Civil Geral no Brasil & Aspectos Internacionais" (1997), ambos da Editora Manuais Técnicos de Seguros. Palestrante em diversos Seminários Nacionais e Internacionais. Vale ressaltar que essa pessoa prestou muitas contribuições a este trabalho.

13 comprometimento de preservação do meio ambiente, avaliação periódica do seu desempenho ambiental e a busca de melhorias contínuas. 12 Segundo Tibor & Feldman (1996, p. 21): As normas ISO são baseadas em uma simples equação: um melhor gerenciamento do meio ambiente levará a um melhor desempenho desse meio ambiente, a uma maior eficiência e a um maior retorno dos investimentos. Com a implantação do Sistema de Gestão Ambiental as empresas estão tendo que praticar o desenvolvimento sustentável, ou seja, produzir sem prejudicar a vida futura. A prática do desenvolvimento sustentável envolve a prevenção à poluição, a redução do uso de substâncias tóxicas e do desperdício e a diminuição da destruição de recursos não renováveis e renováveis, contaminação do solo, poluição do ar etc. No Brasil, muitas empresas estão comprometendo-se com a preservação do meio ambiente e colocando em prática o desenvolvimento sustentável, como é o caso a Companhia Vale do Rio Doce que tem feito vários investimentos, como, por exemplo, no Complexo Portuário de Tubarão de Praia Mole, em Vitória, Espírito Santo. No relatório do Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável de 2001 a Companhia descreve como conseguiu reduzir em mais de 90% as emissões de particulados das sete usinas de Pelotização de minério de ferro instalando precipitadores eletrostáticos e lavadores de gases nas usinas, ajudando assim a melhorar a qualidade do ar na Grande Vitória. No Brasil, os riscos ambientais têm crescido, em decorrência de graves desastres ecológicos, podendo-se citar, por exemplo, os casos envolvendo a... Petrobrás S.A, como os derramamentos de milhões de toneladas de óleo cru na Baía da Guanabara, nos rios Paraná, na Bacia de Campos e outros (DURÇO, 2001,

14 13 p. 01). Um acidente ocorreu em janeiro de 2000, na Baía de Guanabara, com o rompimento de um oleoduto e o vazamento de 1.3 milhões de litros de óleo e outro em fevereiro de 2001 em Morretes, no Paraná, decorrente do vazamento de litros de óleo diesel. No cenário mundial, segundo Ribeiro (2000, p. 09), destacam-se os acidentes... provocados pelo petroleiro Exxon-Valdez, no Alasca, pelos resíduos de materiais nucleares em Chernobyl, na Rússia..., este ocorrido em 1986, entre outros. Na análise de risco ambiental, de acordo MacDowell & Corrêa (1997, p.01), o setor de seguros parece ser o mais ativo participante da análise de risco ambiental de grandes projetos, pois as questões envolvendo o meio ambiente são globais e cada vez mais o mercado de seguros brasileiro desenvolverá neste campo. As empresas seguradoras estão constituindo prêmios diferenciados de acordo com os riscos ambientais do empreendimento. Isso vem influenciando a mudança de postura do setor empresarial quanto a responsabilidade ambiental. As avaliações de riscos desenvolvem uma função preventiva, por permitirem que as empresas seguradas façam as devidas correções quanto aos problemas de instalação e operação. Segundo MacDowel e Corrêa (1997, p. 03),...começam a considerar positivamente as empresas que se certificam pela ISO 9000 e aquelas que se prepararam para a ISO 14000, pois consideram que tais empresas, no mínimo, têm maior probabilidade de conhecer seus próprios riscos. Esta mudança pode levar a uma alteração na metodologia da seguradora, que passaria a realizar uma auditoria da análise de risco ao invés de inspecionar diretamente a empresa. As sociedades seguradas desenvolveram estratégias de "gestão de risco", evitando assim potenciais perdas. Os seguros são a principal ferramenta de controle

15 de risco das empresas seguradas, uma vez que transferem o custo das perdas para a entidade seguradora. 14 Segundo Ribeiro, citado por Andrade (2000, p. 49) a relevância do meio ambiente para as indústrias está no fato dele ter influência direta sobre a continuidade da empresa. Seus impactos podem provocar a descontinuidade em função: da perda de clientes, para os concorrentes que ofereçam produtos e processos ambientalmente saudáveis; da perda de crédito no mercado financeiro, hoje pressionado pelas coobrigações ambientais; de penalidades governamentais de natureza decisiva, como imposição de encerramento das atividades; multas de valores substanciais e de grande impacto no fluxo de caixa das companhias. A responsabilidade civil da empresa tem gerado medidas de prevenção para eliminar impactos ambientais, devido ao entendimento de que a legislação ambiental brasileira, que em seu artigo 14, parágrafo 1 da Lei 6.938/81 (Política Nacional do Meio Ambiente), descreve: 1 - Sem obstar a aplicação das penalidades previstas neste artigo, é o poluidor obrigado, independentemente de existência de culpa, a indenizar ou reparar os danos causados ao meio ambiente e a terceiros, efetuados por sua atividade. O Ministério Público da União e dos Estados terá legitimidade para propor ação de responsabilidade civil e criminal por danos causados ao meio ambiente. (BRASIL, 1981, p. 02) Esse parágrafo consagra o princípio da responsabilidade objetiva, que segundo Antunes (2000, p. 32): é o princípio pelo qual o poluidor deve responder por suas ações ou omissões em prejuízo do meio ambiente, de maneira a mais ampla possível, de forma que se possa repristinar a situação ambiental degradada e que a penalização aplicada tenha efeitos pedagógicos e impedindo-se que os custos recaiam sobre a sociedade. A aplicação da responsabilidade objetiva visa impedir que a sociedade arque com os custos da recuperação de um ato que lese o meio ambiente, causado por um poluidor identificado, dessa maneira aquele que lucra com uma atividade deve responder pelo risco ambiental e possíveis desvantagens geradas por ele.

16 15 O mercado securitário nacional oferece uma gama de coberturas referentes aos riscos de poluição ambiental. As apólices possuem diferentes coberturas, tanto para atender a demanda quanto à poluição súbita, que gera segundo Durço (2001, p. 04)... os chamados desastres ambientais de larga repercussão e a poluição gradual, que persiste por um longo período de tempo.

17 SITUAÇÃO PROBLEMA Os comentários e afirmações expostos mostram a necessidade de se conhecer como está a existência do seguro ambiental. As companhias de seguros sabem que os riscos ambientais são riscos financeiros e cada vez mais refletem acerca do tipo de cobertura financeira que estão dispostas a proporcionar, e principalmente a que preço. As empresas estão em uma época que se saírem na frente em relação às variáveis ambientais, ganharão competitividade, mercados, lucro e conseqüentemente, a diminuição de seus passivos ambientais. Desse modo, as questões que este estudo pretende responder são: Quais as características do seguro de riscos ambientais? Qual o nível de oferta do seguro de riscos ambientais no Brasil como mecanismo de ajuda na diminuição de passivos ambientais?

18 OBJETIVOS Objetivo geral Em decorrência das questões de pesquisa, tem-se o seguinte objetivo geral: Verificar o funcionamento do seguro de riscos ambientais como mecanismo de redução ou eliminação de passivos ambientais, bem como a sua aplicabilidade mercadológica no Brasil Objetivos específicos específicos: Para atendimento do objetivo geral são delineados os seguintes objetivos identificar as características do seguro de risco ambiental. verificar a oferta desse seguro no Brasil. demonstrar como estes seguros podem desempenhar um papel importante na gestão de recursos e na conservação da natureza.

19 JUSTIFICATIVAS Acompanhando o cenário mundial, as seguradoras têm se mantido alerta sobre os prejuízos decorrentes de danos ambientais, principalmente no que se refere à responsabilidade por dano material, à responsabilidade civil e seguro de lucro cessante 2. A definição do valor do seguro ambiental a ser pago pelas empresas se tornou o foco, pois de acordo com o nível de risco de acidentes ambientais que a empresa possa vir a ocorrer, maior ou menor será o valor do seguro a ser pago por elas. Com o objetivo de reduzir o valor do prêmio do seguro, ou seja, o valor pago pelo segurado (empresas) para a seguradora, algumas empresas têm buscado estratégias que possam minimizar os gastos relativos a essa questão, que são: compra de equipamentos com tecnologias avançadas, pesquisas, o investimento na reestruturação de seus parques industriais com procedimentos que, segundo Mendonça & Souza (2000, p. 23), são: relativos aos projetos básicos e específicos para a construção e instalação de um complexo industrial, [...] de modo que antes de qualquer outro fator, o uso da edificação não tenha ferido ou possa vir a transgredir as legislações municipais, estaduais e federais, além das inúmeras resoluções, que regulam a implantação e a operação, sob o ponto de vista da segurança ambiental. No cenário brasileiro podem ser encontrados alguns casos desse tipo de investimento. Como exemplo tem-se a empresa Makeni Chemicals localizada na cidade de Diadema SP, que por ter reestruturado as áreas operacionais,

20 19 administrativas, comerciais e estoque, cada seção foi avaliada com um grau de risco diferente. Caso não tivesse reestruturado as áreas citadas teria sido usado um fator único, o que elevaria o valor do seguro. De acordo Fairbanks (2001, p. 04), a construção de novas unidades ou reorganização espacial de empresas pode trazer economia no prêmio de seguros. Apesar da Lei 6.938/81, consagrar o princípio da responsabilidade objetiva (independentemente da existência da culpa), a responsabilidade civil por danos ambientais no Brasil ainda está se iniciando. São raros os casos de fabricantes envolvidos em processos judiciais devido a danos causados por seus produtos, com exceção da indústria química e farmacêutica. Podendo inclusive ser esta a restrita causa da atuação na área por parte das seguradoras. Nesse sentido, as empresas somente se conscientizarão do risco ambiental se houver uma pressão maior e mais organizada por parte dos acionistas, da sociedade e do Poder Judiciário, pois segundo Polido (2002, p. 01), O Brasil já dispunha de legislação suficientemente abrangente na área de proteção ao meio ambiente, porém de difícil e lenta instrumentalização prática. Os Órgãos e o próprio Poder Judiciário nacionais não utilizam, ainda, todos os mecanismos e prerrogativas legais disponibilizadas. A pesquisa sobre seguros ambientais é relevante pois de acordo Mendonça & Souza (2002, p. 22) O seguro de responsabilidade civil por poluição ambiental merece total atenção das empresas potencialmente poluidoras que, através de sua contratação, podem garantir disponibilidade imediata de valores para recomposição de danos, colocando em prática um dos principais conceitos da nova ordem econômica: a imediata satisfação da comunidade. 2 Seguro de Lucro Cessante é destinado apenas às pessoas jurídicas, cobre a paralisação total ou parcial no giro ou movimento de negócios de uma empresa, ocasionado por danos materiais, como incêndio e explosão, cobertos no contrato.

21 20 As companhias de seguros têm interesse financeiro em prevenir acidentes e minimizar seus efeitos, caso ocorram. E as empresas seguradas procuram diminuir o seu passivo ambiental com pagamento de prêmios que asseguram em caso de possíveis regulamentações ambientais, como multas, taxas, contribuições e indenizações, demonstrações contábeis que refletem os parâmetros exigidos para proteção e controle ambiental. Isso torna evidente para a sociedade e acionistas o nível de esforço na prevenção de impactos ambientais, como aconteceu, segundo Minc (2002, p. 17), com a Petrobrás: que teve que pagar R$ 50 milhões de multas e, ainda pelo artigo 225 da CF, ela foi obrigada a recuperar o meio agredido e teve de indenizar os pescadores, prefeituras etc. A soma dessas indenizações chegou a R$ 150 milhões. Aí começa a valer a pena fazer o seguro ambiental. O seguro de riscos ambientais... podem prevenir a formação de passivos ambientais ao encerrar-se uma atividade industrial... (SÁNCHEZ, 2001, p.193) e contribui para a continuidade da atividade empresarial, pois é uma maneira de prevenir futuros passivos ambientais que possam levar às empresas a dificuldades financeiras e até mesmo uma eventual falência. Além de ser uma forma de responsabilidade social em relação a preservação do meio ambiente. De acordo Hurtado (1997, p. 08) acredita-se que o seguro pode atuar como uma ferramenta de controle e prevenção da poluição ambiental, se for conseguido que suas condições de segurabilidade sejam atendidas. Os passivos ambientais, segundo Mendonça & Souza (2002, p. 23): simbolizam as obrigações das empresas potencialmente poluidoras, para com o patrimônio próprio e de terceiros individual ou coletivo -, [...] confirmando, assim, o reconhecimento administrativo, legal e financeiro da responsabilidade social da empresa segurada, perante os aspectos físicos (ambientais) da região ocupada e que tenha sido degrada em função de atitudes inadequadas ou pela ausência de legislação específica, [...] é fundamental que o segurador e os resseguradores tenham prévio e pleno conhecimento de tal histórico.

22 21 O passivo ambiental das empresas tornou-se muito importante devido ao seu efeito significativo sobre as negociações de aquisição de empresas, investimentos, fusões e incorporações, pois se não constatados no ato da transação podem gerar prejuízos relevantes ao investidor. Segundo Ribeiro (1998, p. 120): O Passivo Ambiental tem se tornado alvo de extrema importância e a sua evidenciação passa a ser exigida com maior freqüência. Os processos de cisão, fusão, incorporação, compra e venda, inclusive a privatização de empresas estatais, essencialmente aquela consideradas poluidoras em potencial, e que são obrigadas por lei a fazer investimentos em controle ambiental, podem ser profundamente afetados em função do Passivo Ambiental. Resultando em prejuízos para os compradores, caso este Passivo seja ignorado, dado que a nova empresa ou os novos proprietários assumirão juntamente com todos os direitos que terão sobre a nova empresa, todos os riscos e responsabilidades potenciais. Diante disso, pode-se delinear a importância na realização deste trabalho no sentido de discutir o tema seguro ambiental integrando-o ao passivo ambiental das empresas.

23 METODOLOGIA Para a realização da pesquisa estabeleceu-se demonstrar o Seguro de Riscos Ambientais como mecanismo de minimização do Passivo Ambiental das empresas, optou-se por adotar a pesquisa de campo. Segundo Schneider (1997, p. 27)... a pesquisa de campo consiste na observação dos fatos tal como ocorre espontaneamente, na coleta de dados, e no registro de variáveis presumivelmente relevante para outras análises. O método da pesquisa utilizado foi o empírico-analítico que privilegia abordagem de estudos práticos, de acordo com Martins (1994, p. 26) suas propostas têm: caráter técnico, restaurador e incrementalista. Têm preocupação com a relação causal entre as variáveis. A validação da prova científica é buscada através de testes dos instrumentos, graus de significância e sistematização das definições operacionais. Para esta pesquisa foram enviados questionários para 71 empresas de seguros que atuam no Brasil e que são filiadas a Fenaseg (Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização). O questionário 3 consta de onze questões fechadas. Estas são divididas em sete questões dicotômicas que, segundo Martins (2000, p. 50), consistem em uma pergunta com duas respostas possíveis e quatro questões de múltipla escolha que para Martins (2000, p. 50), é uma pergunta com várias alternativas de respostas. O questionário foi escolhido, dentre as técnicas utilizadas para coleta de dados por ser um trabalho empírico. Inclui dados sobre a operação de Seguro de

24 23 Risco Ambiental e o nível de oferta no Brasil e sobre o interesse do mercado securitário em acompanhar o passivo ambiental das empresas seguradas. Em todas as questões do questionário existem perguntas opcionais, em que as seguradoras poderiam expor sua opinião relacionada a cada pergunta. Os questionários foram enviados via , contendo em anexo uma carta de apresentação relatando a importância e o objetivo da pesquisa envolvendo o estudo da aplicabilidade do Seguro de Riscos Ambientais como minimização do Passivo Ambiental das empresas 4. Para encaminhar os questionários foi usada a lista das empresas de seguros que constam no site da Fenaseg. Dos 71 questionários enviados, dois foram respondido por resseguradoras 5 e onze foram respondidos por seguradoras, o que representa 18,31% do total enviado. Nove s foram devolvidos sem o questionário respondido, com várias justificativas. Entre os comentários pode-se destacar uma seguradora que pertence a uma instituição financeira e alegou questões de sigilo bancário, não autorizando responder pesquisas. Outras seguradoras responderam que não trabalham com este tipo de seguro não respondendo assim o questionário. Algumas outras companhias de seguros indicaram o especialista em Seguros Ambientais Sr. Walter Antonio Polido da resseguradora Munich Re., que auxiliou neste trabalho enviando por artigos de sua autoria e o questionário respondido com algumas observações relacionada a cada questão do questionário. 3 Questionário é um conjunto ordenado e consistente de perguntas a respeito de variáveis, e situações, que se deseja medir, ou descrever (Martins 2000, p. 50). 4 A carta e o questionário encontram-se no Apêndice I e II deste trabalho. 5 Resseguardora é a pessoa jurídica que aceita, em resseguro, a totalidade ou parte das responsabilidades repassadas pela seguradora direta, ou por outros resseguradores, recebendo esta última operação o nome de retrocessão.

25 24 O restante, ou seja, 49 questionários não foram devolvidos pelas seguradoras, mesmo após as insistentes cobranças por e telefone. Com base nos treze questionários respondidos foi feita a análise que deu origem aos resultados desta pesquisa. Participaram da pesquisa treze sujeitos. Os sujeitos alvos da investigação foram os presidentes das seguradoras, diretores técnicos, analista de marketing e gerente de produção. A análise dos dados foi organizada no capítulo três e o resultado de todas as questões foi apresentado graficamente.

26 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Para melhor organização, após a introdução, o trabalho está estruturado da seguinte forma: - RETROSPECTIVA HISTÓRICA DA PRÁTICA DO SEGURO Retrata os primórdios da prática do seguro na história da humanidade, desde os tempos mais remotos até os dias atuais, enfocando diferentes períodos históricos. - SEGURO DE RISCOS AMBIENTAIS De forma breve são discutidos o surgimento do seguro ambiental e o seu momento atual no cenário brasileiro, logo depois é conceituada e discutida a possível formação de Pools Brasileiros. - GESTÃO AMBIENTAL - Discute o aumento do número de empresas certificadas pela norma ISO 14000, a importância das empresas estarem implantando um sistema de gestão ambiental eficaz e praticando o desenvolvimento sustentável. - CONTABILIDADE AMBIENTAL Relata a definição, o objetivo da contabilidade ambiental e a importância da mesma no meio ambiente. Neste contexto são discutidos o conceito do passivo ambiental e a importância do mesmo nas transações comerciais. - - O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DAS EMPRESAS Demonstra como o seguro de riscos ambientais se torna um instrumento de ajuda na diminuição dos passivos ambientais das empresas.

27 A partir da pesquisa realizada, apresenta-se a conclusão que se pode chegar após toda a gama de informações obtidas, retomando os pontos iniciais. 26

28 27 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 RETROSPECTIVA HISTÓRICA DA PRÁTICA DO SEGURO A Evolução do seguro nos primórdios das organizações sociais O instinto de preservação de seu patrimônio está presente na vida humana, desde quando o homem ainda não se preocupava com acumulação de bens, a não ser para garantir a sua sobrevivência. Assim, visando resguardar-se dos riscos que enfrentava constantemente, os indivíduos buscaram a... formação de grupos e a fixação em regiões que lhes proporcionassem segurança e condições de sobrevivência... (SOUZA, 2001, p. 19), o que permitia a eles melhores chances de enfrentar situações emergentes causadas por acontecimentos não previstos. Esse fenômeno da convivência em grupo deu origem ao mutualismo 6 que foi adotado de formas diferentes pelas sociedades. Souza (2001, p. 04) apresenta alguns exemplos desse fenômeno citando que [...] os comerciantes da Babilônia no século XIII, preocupados com o risco de perda dos camelos na travessia do deserto em direção aos mercados das regiões vizinhas, formavam acordos nos quais: quem perdesse um camelo, na travessia pelo deserto, por desaparecimento ou morte, receberia outro, pago pelos demais criadores. Também na Babilônia, por volta de 1800 A.C. surgia o Código de Hamurabi, prevendo que os navegadores deveriam se associar para ressarcir aquele que perdesse o seu navio em alguma tempestade. 6 Formação de um grupo de pessoas com interesses em comum constituindo uma reserva econômica para dividir o risco de um acontecimento não previsto.

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

Revista Universo Contábil, ISSN 1809-3337 FURB, v. 6, n.2, p. 61-81, abr./jun., 2010

Revista Universo Contábil, ISSN 1809-3337 FURB, v. 6, n.2, p. 61-81, abr./jun., 2010 Revista Universo Contábil, ISSN 1809-3337 FURB, v. 6, n.2, p. 61-81, abr./jun., 2010 doi:10.4270/ruc.2010213 Disponível em www.furb.br/universocontabil O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO (cultura do seguro) www.sindsegsc.org.br A história do seguro remonta a séculos antes de Cristo, quando as caravanas atravessavam os desertos do Oriente para comercializar camelos.

Leia mais

Revista Universo Contábil ISSN: 1809-3337 universocontabil@furb.br Universidade Regional de Blumenau Brasil

Revista Universo Contábil ISSN: 1809-3337 universocontabil@furb.br Universidade Regional de Blumenau Brasil Revista Universo Contábil ISSN: 1809-3337 universocontabil@furb.br Universidade Regional de Blumenau Brasil Vasconcelos Hahn, Aucilene; Antunes Cangussú Rezende, Idália; Nossa, Valcemiro O SEGURO AMBIENTAL

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos de Seguros

Glossário de Termos Técnicos de Seguros Glossário de Termos Técnicos de Seguros O objetivo deste glossário é apresentar, como referencial, definições de termos usualmente empregados pelo mercado segurador. As definições foram selecionadas e

Leia mais

O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DAS EMPRESAS

O SEGURO AMBIENTAL COMO MECANISMO DE MINIMIZAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DAS EMPRESAS VIII Fórum de Estudantes e Profissionais de Contabilidade do Estado do Espírito Santo O Marketing e a Valorização do Profissional Contábil - 30/10 a 01/11/2003 no Sesc - Praia Formosa Aracruz - ES O SEGURO

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático 1. Estrutura dos Sistemas de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Saúde Suplementar 1.1 Estrutura do Sistema de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

SEGURO GARANTIA COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS

SEGURO GARANTIA COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS SEMINÁRIO DE RISCOS AMBIENTAIS E SEGUROS DE RESPONSABILIDADE CIVIL SEGURO GARANTIA COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS Dra. Eliane Pereira Rodrigues Poveda São Paulo, 26 de março de 2013

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

CONTRATO DE SEGURO AMBIENTAL

CONTRATO DE SEGURO AMBIENTAL Página1 CONTRATO DE SEGURO AMBIENTAL Evandro Mardula Olívia Rocha Vilela 1 INTRODUÇÃO O tema deste artigo aborda sobre a preocupação em manter o equilíbrio ambiental, protegendo direitos e amenizando condutas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA RESPONSABILIDADE CIVIL Principais Características ÍNDICE O que é RC Riscos Excluídos Forma de Contratação e Prescrição O que é a Responsabilidade Civil Responsabilidade

Leia mais

P A. assivos mbientais. Carlos Alberto Silva

P A. assivos mbientais. Carlos Alberto Silva P A assivos mbientais Carlos Alberto Silva Apresentação Definições Levantamento Avaliação Reconhecimento e contabilização Mensuração Tratamento contábil Divulgação Prevenção Definições Passivos ambientais

Leia mais

.MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

.MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR .MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 65, DE 16 DE ABRIL DE 2001 (*) Dispõe sobre as sociedades seguradoras especializadas em saúde. A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS Elaborado em 11.2007. João Marcos Brito Martins Bacharel em Administração de Empresas e em Ciências Jurídicas, pós-graduado em Seguros pelo Instituto de Administração

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Resseguro: os novos resseguradores legais João Marcos Brito Martins* A Lei Complementar 126/07 dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis 1. Autarquia, com personalidade jurídica de direito público, que dispõe de autonomia administrativa e financeira, que tem como atribuição fundamental fiscalizar o fiel cumprimento da legislação de seguros:

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro,

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, MINUTA DE RESOLUÇÃO CNSP Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, resseguro, previdência complementar

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Insegurança nas atividades cotidianas SEGURO Necessidade de controlar o RISCO! Conhecimentos Bancários Item 2.3.3-

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

::PORTFOLIO PORTFOLIO

::PORTFOLIO PORTFOLIO PORTFOLIO ::PORTFOLIO :: A EMPRESA Cesar e Cesar Sociedade de Advogados, é um escritório de advocacia e de assessoria jurídica formado por uma equipe de profissionais com experiência nas áreas relacionadas

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Seguro Seguro Seguro: latim securus - tranqüilo, sem receio, isento de cuidados, fora de perigo. Gramaticalmente exprime o sentido de livre e isento de perigos e cuidados, posto a salvo, garantido.

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n.º 115/2004/SDE/GAB, de 07 de janeiro de 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n.º 115/2004/SDE/GAB, de 07 de janeiro de 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06053/2004/DF COGSE/SEAE/MF 26 de março de 2004 Referência: Ofício n.º 115/2004/SDE/GAB, de 07 de janeiro de 2004. Assunto:

Leia mais

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 O Resseguro e a Administração Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A Relação entre Seguro e Empreendedorismo no Brasil: Oportunidades e tendências do mercado Laís Alvares dos Santos Aluna da 8ª etapa

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA! O que faz a auditoria externa?! Quais as funções da auditoria interna?! Qual a interligação entre a auditoria externa

Leia mais

LEI Nº 855, de 14 de abril de 2011.

LEI Nº 855, de 14 de abril de 2011. LEI Nº 855, de 14 de abril de 2011. Cria o Fundo Municipal do Meio Ambiente e dá outras providências. Everaldo José Ransoni, Prefeito Municipal de São José do Cerrito, SC Faço saber a todos os habitantes

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental

Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Ricardo Lopes Ferro Outubro 2010 Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Apresentação

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 327, de 29 de maio de 2006.

CIRCULAR SUSEP N o 327, de 29 de maio de 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 327, de 29 de maio de 2006. Dispõe sobre os controles internos específicos para o tratamento de situações relacionadas à prática

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício SDE/GAB n 6010/2005, de 22 de dezembro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício SDE/GAB n 6010/2005, de 22 de dezembro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06002/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 03 de janeiro de 2006 Referência: Ofício SDE/GAB n 6010/2005, de 22 de dezembro de 2005. Assunto:

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes

Treinamento de Prevenção a Fraudes Treinamento de Prevenção a Fraudes 1. Introdução Esse treinamento visa orientar os colaboradores, parceiros, fornecedores, terceiros e pessoas com as quais mantém relacionamento comercial com a PAN Seguros,

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

etta Corretora de Seguros AGILIDADE INOVAÇÃO TRANSPARÊNCIA CONFIANÇA

etta Corretora de Seguros AGILIDADE INOVAÇÃO TRANSPARÊNCIA CONFIANÇA A Jetta Corretora de Seguros foi criada a partir da identificação de uma demanda do mercado por serviços especializados em seguros, atuamos nas áreas de consultoria, assessoria e corretagem de seguros

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL Douglas Ribeiro Lucas, autor Denilson da Silva Lucas, co-autor José Adenildo da Silva, co-autor 1 FACESM/Gpde,

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP NOVO MECANISMO PARA COBERTURA FINANCEIRA DO PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO Apresentador: Sérgio Leite Santiago Gerente Comercial do Rio de Janeiro Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP Ministério da

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES Este glossário apresenta-se composto de palavras e expressões comumente usadas pelo mercado segurador e por vezes desconhecidas pelo grande público consumidor

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

SEGUROS AMBIENTAIS. Dra. Eliane Pereira Rodrigues Poveda. Porto Alegre, 03 setembro de 2012

SEGUROS AMBIENTAIS. Dra. Eliane Pereira Rodrigues Poveda. Porto Alegre, 03 setembro de 2012 SEGUROS AMBIENTAIS Dra. Eliane Pereira Rodrigues Poveda Porto Alegre, 03 setembro de 2012 Corporate Solutions INSTRUMENTOS PREVENTIVOS DE CONTROLE: Aeroporto Aeroporto s s Aeroporto s Pré-sal Pré-sal Pré-sal

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 3 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 3 anos. SEGURADO: Advogados (pessoa física) e/ou Escritórios de Advocacia (pessoa jurídica) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Liberty International Underwriters Specialty Casualty

Liberty International Underwriters Specialty Casualty Liberty International Underwriters Specialty Casualty RESPONSABILIDADE DE ADMINISTRADORES D&O Liberty Mutual Insurance Company (LMIC) Proprietary and Confidential Fundada no ano de 1912 em Boston, EUA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SUBSCRIÇÃO E ACEITAÇÃO DE RISCOS Jean Carlo de Borba Diretor SindsegSC PDES Subscrição e

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados AULA 05 Sistema Nacional de Seguros Privados Sistema Nacional de Seguros Privados O Sistema Nacional de Seguros Privados do Brasil (SNSP) - parte integrante do Sistema Financeiro Nacional - é formado por

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DE NOVA NORMA PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA E CONTRAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR PROCESSO N.º 15414.002557/2008-56 DIRETOR ALEXANDRE PENNER Senhores Diretores:

Leia mais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE Ministério Público do Estado de Minas Gerais Fechamento de barragens Aspectos institucionais; Fechamento de mina X fechamento de barragem. Teoria da responsabilidade

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

O SEGURO NO TEMPO EVOLUÇÃO

O SEGURO NO TEMPO EVOLUÇÃO O SEGURO NO TEMPO A necessidade de proteção contra o perigo, a incerteza quanto ao futuro e a possibilidade de perda dos bens e da receita da família e do individuo acompanham o homem em sua evolução EVOLUÇÃO

Leia mais