I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono"

Transcrição

1 I Jornadas Financeiras Capital de Risco Local: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Data: 07 de Maio de 2015 Fundos de Investimento no Espaço Lusófono António Raposo Subtil (Coordenador RSA-LP)

2 I - Regime Jurídico dos Fundos de Investimento Portugal Brasil Moçambique Cabo Verde Angola

3 Portugal Lei n.º 16/2015, de 24 de Fevereiro (Procede à revisão do Regime Jurídico dos Organismos de Investimento Colectivo e à alteração do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras e ao Código dos Valores Mobiliários) Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro (Reforma do regime de tributação dos OIC, que pretende reforçar a competitividade fiscal dos OIC constituídos e a operar em Portugal face aos seus congéneres internacionais)

4 Regime Específico dos Fundos de Capital de Risco Portugal Lei n.º 18/2015, de 04 de Março (Novo Regime) (Transpõe parcialmente as Directivas 2011/61/UE, do Parlamento e do Conselho, de 8 de Junho, e 2013/14/EU, do Parlamento e do Conselho, de 21 de Maio); Regulamento da CMVM n.º 1/2008, de 7 de Março - regras aplicáveis às sociedades de capital de risco, aos fundos de capital de risco e aos investidores de capital de risco sobre a avaliação dos activos e passivos que integrem o seu património; Regulamento da CMVM n.º 12/2005, de 9 de Dezembro regula a organização da contabilidade das sociedades e dos fundos de capital de risco; Regulamento n.º 13/2000, de 23 de Fevereiro - regras aplicáveis à entrega de elementos à CMVM para instrução de pedidos de registo e outros actos similares.

5 Regime Específico dos Fundos de Capital de Risco Portugal Complementado pelas regras previstas nos actos delegados e de execução da Directiva n.º 2011/61/UE: (i) do Regulamento Delegado (UE) n.º 231/2013, da Comissão, de 19 de Dezembro de 2012, quanto às isenções, condições gerais de funcionamento, depositários, efeito de alavanca, transparência e supervisão; (ii) do Regulamento de Execução (UE) n.º 447/2013, da Comissão, de 15 de Maio de 2013, que estabelece os procedimentos para os gestores de organismos de investimento alternativo, que optem por ser abrangidos pela Directiva n.º 2011/61/UE; (iii) do Regulamento de Execução (UE) n.º 448/2013, da Comissão, de 15 de Maio de 2013, que estabelece um procedimento para determinar o Estado- Membro de referência de um gestor de organismo de investimento alternativo de país terceiro nos termos da Directiva n.º 2011/61/UE.

6 Brasil Lei n.º 6.385, de 7 de Dezembro de 1976 (cria a CVM e disciplina o mercado de capitais.); Lei n.º 8.668, de 25 de Junho de 1993 (dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos FII); Instrução CVM n.º 516/11, de 29 de Dezembro Instrução CVM n.º 400/03, de 29 de Dezembro (com as alterações das Instruções CVM n.ºs 429/06, 442/06, 472/08, 482/10, 488/10, 507/11, 525/12, 528/12, 531/13, 533/13, 546/14, 548/14 e 551/14); Instrução CVM n.º 472/08, de 31 de Outubro (alterada pela Instrução CVM nº 554, de 17 de Dezembro de 2014).

7 Regime Específico dos Fundos de Capital de Risco Brasil Instrução CVM n.º 209, 25 Março 1994 Dispõe sobre a constituição, o funcionamento e a administração dos Fundos Mútuos de Investimento em Empresas Emergentes (alterada pelas Instruções 225/94; 236/95; 246/96; 253/96; 363/02; 368/02; 415/06; 435/06; 453/07; 470/08; 477/09; 498/11, 554/14); Instrução CVM n.º 391, 16 Julho Dispõe sobre a constituição, o funcionamento e a administração dos Fundos de Investimento em Participações (alterada pelas Instruções 435/06; 450/07; 453/07; 496/11; 498/11; 535/13; 540/13; 549/14); Instrução CVM n.º 409, 24 Agosto Dispõe sobre a constituição, a administração, o funcionamento e a divulgação de informações dos fundos de investimento. (alterada pelas Instruções 411/04; 413/04; 450/07; 456/07; 465/08; 512/11; 522/12; 524/12; 536/13; 549/14).

8 Moçambique Decreto n.º 54/99, de 8 de Setembro Constituição e Funcionamento dos Fundos de Investimento (alterado pelo Decreto 36/2005, de 29 de Agosto); Decreto n.º 56/2004, de 10 de Dezembro Regulamento da Lei das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (com a redacção dada pelo Decreto 30/2014, de 25 de Dezembro).

9 Regime Específico dos Fundos de Capital de Risco Moçambique Decreto 56/99, de 8 de Setembro Regula a constituição e funcionamento dos fundos de investimento de capital de risco. Artigo 2.º - Noção e objecto Os fundos de capital de risco são instrumentos de investimento, de capital fixo, mas suscetível de ser aumentado no período de duração dos mesmos, cujo património se destina a ser investido na actividade de capital de risco Decreto 57/99, de 8 de Setembro Regula a constituição e funcionamento das sociedades de capital de risco (SCR).

10 Cabo Verde Decreto-Lei n.º 15/2005, de 14 de Fevereiro (Regime Jurídico dos Organismos de Investimento Colectivo - Alterado e Republicado por Decreto-Lei 3/2014, de 16 de Janeiro); Lei 61/VIII/2014, de 23 de Abril (Lei de Bases do Sistema Financeiro - Estabelece as bases, os princípios orientadores e o quadro normativo de referência para o sistema financeiro, aplicando-se às instituições financeiras e às instituições auxiliares do sistema financeiro);

11 Regime Específico dos Fundos de Capital de Risco Cabo Verde Decreto Lei 80/2005, de 5 de Dezembro (Regime de Funcionamento dos Fundos de Capital de Risco). Preâmbulo A actividade de capital de risco permite reunir capitais próprios para o financiamento de empresas que não têm acesso directo ao mercado de capitais, sendo de vital importância para o desenvolvimento das pequenas e médias empresas e um meio privilegiado para a consolidação do tecido empresarial cabo-verdiano Assim como: a promoção das competências de gestão e consultoria das empresas

12 Angola Decreto Legislativo Presidencial n.º 7/2013, de 11 de Outubro Regime Jurídico dos OIC (RJOIC); Decreto Legislativo Presidencial n.º 1/2014, de 13 de Outubro Regime Fiscal dos OIC (RFOIC); Regulamento n.º 4/2014 de 30 de Outubro, de 30 de Outubro Fixação das regras técnicas necessárias ao funcionamento dos OIC.

13 Capital de Risco em Angola: a reflexão necessária II Capital de Risco em Angola: a reflexão necessária

14 Capital de Risco em Angola: a reflexão necessária ANGOLA (Capital de risco) Está em discussão pública a proposta de Regime Jurídico dos Organismos de Investimento Colectivo de Capital de Risco ; O Decreto Presidencial n.º108/12, no artigo 18.º estabelece que o Ministério da Economia pode aprovar instruções de funcionamento da entidade gestora directamente envolvida na Gestão do Fundo Activo de Capital de Risco Angolano FACRA; Decreto Executivo n.º 252/12, de 6 de Agosto, aprova o Regulamento do FACRA.

15 Capital de Risco em Angola: a reflexão necessária FACRA (Decreto-Presidencial 108/12 e Decreto Executivo 252/12) Características: Criação em 2012 por iniciativa Presidencial; Dotado de capital público promocional inicial de USD; Com personalidade jurídica e autonomia administrativa e financeira com o escopo claro de fomentar o desenvolvimento das micro, pequenas e médias empresas (MPME); Com a finalidade de investimento através da participação no capital das micro, pequenas e médias empresas (MPME); Sujeito ao regime de gestão privada, confiada a uma entidade gestora; Duração inicial de 10 anos, com a possibilidade de prorrogação por 5 anos; Subordinação clara ao regime da Lei 12/05 de 23 de Setembro de 2005 (LVM Lei dos Valores Mobiliários).

16 Capital de Risco em Angola: a reflexão necessária FACRA (Decreto-Presidencial 108/12 e Decreto Executivo 252/12) Notas a reter: 1. O património do FACRA será constituído por disponibilidades financeiras, valores mobiliários, obrigações, instrumentos, dívida e propriedade de qualquer natureza; 2. Para além da gestão do FACRA ser assegurada por uma sociedade gestora, terá um Conselho de Supervisão, uma Comissão de Investimentos e um Conselho Fiscal; 3. A política de investimento está fixada em regulamento e o FACRA adopta uma política de acumulação dos respectivos rendimentos, que serão devolvidos aos investidores no final da sua duração; 4.O FACRA apenas poderá ser liquidado após o termo da sua duração e a insolvência de qualquer investidor não constitui motivo de liquidação antecipada.

17 Limitações ao desenvolvimento do capital de risco em Angola III Limitações ao desenvolvimento do capital de risco em Angola

18 Limitações ao desenvolvimento do capital de risco em Angola O CAPITAL DE RISCO EM ANGOLA Os desafios: Dificuldades de implementação: A actividade de capital de risco é muito recente nos PALOPs; Actividade da Bolsa de Valores incipiente nos PALOPs; As dificuldades resultantes das características dos projectos gerados nos PALOPs; A falta de competências de gestão adequadas e investidores estratégicos nos PALOPs; A necessidade de empreendedores ou empresas com potencial de desenvolvimento!

19 Limitações ao desenvolvimento do capital de risco em Angola O CAPITAL DE RISCO EM ANGOLA Os desafios: Outras considerações: Inexistência de uma actividade centrada nos valores mobiliários (BVA não entrou em funcionamento); Incipiente desenvolvimento da indústria dos fundos de investimento, Decreto Presidencial n.º 54/13, de 06 de Junho (com referência à Lei 12/05 de 23 de Setembro de 2005 (LVM) e pela Lei 13/05, de 30 de Setembro de 2005 (LIF Lei das Instituições Financeiras); Reduzido nível de formalização da titularidade de activos mobiliários, nomeadamente ao nível do registo comercial (papel dos Cartórios Notariais e das Conservatórias de Registo).

20 Limitações ao desenvolvimento do capital de risco em Angola O CAPITAL DE RISCO EM ANGOLA Os desafios: Outras considerações: Limitações ao investimentos estrangeiro, que está sujeito a um regime legal específico (NLIP); Dificuldades na contratualização de operações de investimento e financiamento, em face das limitações à constituição de garantias (Notários e Conservatórias de Registo Comercial); Falta de Incentivos Fiscais a operações de Capital de Risco e/ou financiamento ao desenvolvimento empresarial (só foram aprovados benefícios fiscais para os fundos de investimento mobiliário e imobiliários - cfr. Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC), através do Decreto Legislativo Presidencial n.º 1/14, de 13 de Outubro).

21 Limitações ao desenvolvimento do capital de risco em Angola Fundo Soberano ANGOLA (Algumas notícias!) Notas: O Fundo Soberano de Angola (FSDEA) anunciou a constituição de cinco fundos adicionais de investimento em indústrias de alto rendimento, no valor de 1,4 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros), ao longo dos próximos cinco anos; Estes cinco fundos serão veículos dedicados a investimentos de capital de risco nos ramos da mineração, madeira, agricultura, saúde e para capital estruturado através de um fundo mezanino ; O Fundo de Investimento de Capital Mezzanino do FSDEA vai apoiar o empreendedorismo, alocando 250 milhões de dólares. Verba estipulada para atender às necessidades dos setores predominantemente conduzidos pelo empreendedorismo.

22 A Superação das limitações em Angola IV Proposta de superação de (algumas) dificuldades

23 A Superação das limitações em Angola Contributos para a mudança de paradigma Garantir a aprovação do regime jurídico dos OIC de capital de risco, numa versão adaptada à realidade empresarial Angolana, isto é, considerando as suas potencialidades e especificidades; Promover a valorização e segurança jurídica dos processos documentais de suporte das operações de capital de risco e das suas estruturas contratuais; Simplificar e reduzir a burocracia nas operações de capital de risco desenvolvidas pelos investidores estrangeiros, via ANIP, garantindo o repatriamento dos capitais investidos; Desenvolver a formação técnica nestes domínios e divulgar as vantagens do investimento via OIC que permite dinamizar o recurso ao capital e apoio de gestão de entidades especializadas.

24 Portugal Rua Bernardo Lima 3, , Lisboa T F Angola Presidente Business Center, Sala 402, Largo 17 de Setembro, Luanda T. e F Brasil São Paulo Edifício San Paolo Av. Brigadeiro Faria Lima, Andar São Paulo SP Brasil T F Brasil Nordeste Pernambuco Sede Rua da Hora, 692, Espinheiro Recife PE CEP T F Cabo Verde Prédio Garantia, 1.º Esq Caixa Postal n.º 107 Santa Maria Ilha do Sal, Cabo Verde T F Moçambique Av. Kenneth Kaunda, 609, Maputo Moçambique T. e F.:

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL Os regimes dos Golden Visa e dos Residentes Não Habituais Enquadramento legal António Raposo Subtil / João Ricardo Nóbrega (Managing Partners RSA) ENQUADRAMENTO

Leia mais

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática Local: Sala da Assembleia Municipal da Câmara

Leia mais

Nota informativa. Internacionalização de PME com incentivos de 70 milhões Aviso nº 01/SI/2014

Nota informativa. Internacionalização de PME com incentivos de 70 milhões Aviso nº 01/SI/2014 Nota informativa Internacionalização de PME com incentivos de 70 milhões Aviso nº 01/SI/2014 Já se encontra republicado, com a alteração de 23 de janeiro de 2015, o Aviso nº 01/SI/2014, para apresentação

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

Veículos de investimento imobiliário

Veículos de investimento imobiliário CONFERÊNCIA NOVOS VEÍCULOS DE INVESTIMENTO NO SECTOR IMOBILIÁRIO EM ANGOLA Local: Tenda de Eventos na Baía de Luanda Data: 19 de Junho de 2014 Veículos de investimento imobiliário António Raposo Subtil

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAIO 2012 1. REGULAMENTO DAS MICRO,, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A Lei n.º 30/11, publicada em Setembro, definiu o novo regime das Micro, Pequenas e Médias

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE 1 SUMÁRIO 1. O sistema financeiro em geral 2. O sistema financeiro de Moçambique 2.1 Termo comparativo (Moçambique/Portugal) 3. Os Fundos de Investimento em geral 3.1 Esboço

Leia mais

Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4

Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4 LEGAL FLASH I ANGOLA Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4 I. REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS BANCÁRIO E FINANCEIRO DESPACHO PRESIDENCIAL N.º 189/14 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Autoriza a celebração dos Acordos de Financiamento entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Iniciativas Legislativas

Iniciativas Legislativas 2015 Iniciativas Legislativas Este documento enumera as iniciativas legislativas que envolvem o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros () ou que podem implicar o parecer do, ainda que incidam sobre

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Aspectos Relevantes para Investidores Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Portugueses em Angola Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência.

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

NOTA INFORMATIVA NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2015

NOTA INFORMATIVA NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2015 NOTA INFORMATIVA MERCADO DE CAPITAIS NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO Foi recentemente publicada, no dia 4 de Março, a Lei n.º 18/2015, o Regime Jurídico do Capital de Risco (RJCR) a qual procedeu à transposição

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt 15 de novembro de 2013 angola@vda.pt Foi publicado o Decreto Legislativo Presidencial n.º 7/13 ( Decreto 7/13 ) que veio consagrar o Regime Organismos de Coletivo ( OIC ) 1 e, entre estes, dos Imobiliário

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 ANGOLA JANEIRO 2014 VISÃO GLOBAL, EXPERIÊNCIA LOCAL DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 AMBIENTE DESPACHO N.º 2746/13, MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIÁRIO DA REPÚBLICA Iª SÉRIE N.º 235, DE 6 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS DESTAQUES DE 27 A 31 DE MAIO NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS ACTIVIDADE PARLAMENTAR E PROCESSO LEGISLATIVO ÚLTIMAS INICIATIVAS Proposta de Lei 151/XII Procede à primeira alteração

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Lisboa,

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial, cuja Atrair investimento

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012 A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Porto, 25 de Setembro de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial,

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização 1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização Faro, 7 de Maio de 2009 Índice Posicionamento AICEP AICEP - Produtos e Serviços Apoios à Internacionalização Posicionamento AICEP Posicionamento

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705 Directriz de Revisão/Auditoria 705 FUNDOS DE INVESTIMENTO ÍNDICE Agosto de 2006 Parágrafos Introdução 1-3 Objectivo 4-5 Particularidades e Procedimentos de Validação 6-25 Outros Deveres e Competências

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

LEGISLAÇÕES/2013 ÁREA BANCÁRIA

LEGISLAÇÕES/2013 ÁREA BANCÁRIA LEGISLAÇÕES/2013 ÁREA BANCÁRIA Lei nº 27/VIII/2013, de 21/01/2013- Estabelece Medidas de Natureza Preventiva e Repressiva Contra o Terrorismo e o seu Financiamento e Proceder à primeira Alteração ao Código

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

PARECER GENÉRICO DA COMISSÃO DO MERCADO DE CAPITAIS SOBRE A NECESSIDADE DE PRÉVIA AUTORIZAÇÃO PARA A CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS IMOBILIÁRIAS

PARECER GENÉRICO DA COMISSÃO DO MERCADO DE CAPITAIS SOBRE A NECESSIDADE DE PRÉVIA AUTORIZAÇÃO PARA A CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS IMOBILIÁRIAS Sector de Talatona, Zona Residencial I 3º B, GU 19 B, Bloco A5, 1º e 2º I Luanda, Angola Tel: +244 222 70 40 00 Fax: +244 222 70 40 09 E-mail: comunicação.institucional@cmc.gv.ao UO/OD 5477 NIF 7403008227

Leia mais

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial de Despejo / BNA II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 II Congresso Novo Regime Arrendamento Urbano Local: Hotel Altis Park - Lisboa Data: 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial

Leia mais

LEGISLAÇÃO/2014 ÁREA BANCÁRIA

LEGISLAÇÃO/2014 ÁREA BANCÁRIA LEGISLAÇÃO/2014 ÁREA BANCÁRIA Extracto publicação de sociedade nº 8/2014: Certifica o registo de averbamento do aumento do capital social do Banco Angolano de Investimentos de Cabo Verde (BAICV) - B.O.

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos Manuel Camarate de Campos logo_rsalp Investir em Moçambique Coimbra, 3 de Novembro de 2014 Investimento imobiliário? Habitação (condomínios, moradias, habitação social) Centros comerciais/retail Parks

Leia mais

Organismos. de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos

Organismos. de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos Organismos de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC) representa uma oportunidade para planear novos investimentos e reaquacionar as actuais estruturas.

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco

A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco A Directiva 2011/61/UE do Parlamento e do Conselho, de 8 de Junho de 2011, também designada por

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento

Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento I.1. Incentivos Directos e Indirecto às Empresas Tipologia de Investimento CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA www.pwc.com/pt/tax/ma Mudanças a fundo Directiva dos GFIA O que vai mudar nos Fundos de Investimento Alternativos? Junho 2011 Introdução A Proposta de Directiva o que é? Em resposta à crise que afectou

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL Exposição de motivos Nos últimos seis anos conseguiu-se um verdadeiro take-off da I&D empresarial reflectido nos resultados

Leia mais

associados do Mukhero

associados do Mukhero Oportunidades e Desafios do Comércio Externo em Moçambique Principais serviços do IPEME que contribuem formalização dos associados do Mukhero Por: Adriano Claire Zimba, Director Geral 27 de Maio de 2014

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

A Lei n.º 18/2015 introduziu novos tipos de OICs em Portugal, que poderão ser geridos por SCRs e outras gestoras de OICs:

A Lei n.º 18/2015 introduziu novos tipos de OICs em Portugal, que poderão ser geridos por SCRs e outras gestoras de OICs: 1) Introdução A Lei n.º 18/2015 introduziu novos tipos de OICs em Portugal, que poderão ser geridos por SCRs e outras gestoras de OICs: Os OICs de investimento alternativo especializado, vocacionados para

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros AHETA - Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros Abril de 2013 Alojamento local AHETA Oportunidades de poupança fiscal Reafectação

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

CIP Congresso 2015. Lisboa, 9 de Julho de 2015

CIP Congresso 2015. Lisboa, 9 de Julho de 2015 CIP Congresso 2015 Lisboa, 9 de Julho de 2015 Portugal: Competitividade, atractividade e captação de IDE (sumário para apresentação oral em 20 minutos). António Neto da Silva 1. Em Globalização Competitiva

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

CRESÇA COM A NORGARANTE

CRESÇA COM A NORGARANTE CRESÇA COM A NORGARANTE QUEM SOMOS? A Norgarante é uma das quatro Sociedades de Garantia Mútua existentes em Portugal, atuando sobretudo junto das Micro, Pequenas e Médias empresas localizadas na zona

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais