INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO"

Transcrição

1 INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE 1 SUMÁRIO 1. O sistema financeiro em geral 2. O sistema financeiro de Moçambique 2.1 Termo comparativo (Moçambique/Portugal) 3. Os Fundos de Investimento em geral 3.1 Esboço comparativo (FII) 4. Conclusões

2 1. O SISTEMA FINANCEIRO EM GERAL 2

3 3 1. O SISTEMA FINANCEIRO EM GERAL Instituições Financeiras Monetárias (Bancos) Criam moeda, por via da recepção de depósitos em numerário e da respectiva utilização na concessão de crédito, por conta própria. Instituições Financeiras (Não Monetárias) Não criam moeda e só recebem outros fundos reembolsáveis (equiparados a depósitos) e podem viabilizar a concessão de crédito. Este grupo engloba as empresas que, embora não exercendo intermediação creditícia, pelo menos promovem a captação de poupanças para ulterior aplicação em activos financeiros (ex.: actividade seguradora, em geral; fundos de pensões; fundos de investimento).

4 4 1. O SISTEMA FINANCEIRO EM GERAL Intermediários Financeiros Intervêm nos vários mercados de valores mobiliários: negociando por conta própria; executando ordens dos investidores para subscrição ou transacção de valores ou, de um modo geral; praticando qualquer acto de intermediação que tenha por objecto valores mobiliários.

5 5 1. O SISTEMA FINANCEIRO EM GERAL Entidades Supervisoras/Reguladoras Acompanham o exercício das actividades que constituem o objecto dos diferentes operadores financeiros, desdobrando-se nas vertentes de: autorização; regulação; instrução; fiscalização; sanção.

6 2. SISTEMA FINANCEIRO MOÇAMBIQUE 6

7 7 2. SISTEMA FINANCEIRO MOÇAMBIQUE Moçambique (Regime Jurídico) 1. Instituições de crédito [A intermediação no crédito como traço definidor dominante] Instituições de crédito monetárias - recebem depósitos (e outros fundos reembolsáveis): Bancos Instituições de crédito não monetárias recebem apenas outros fundos reembolsáveis (ex., emissão de obrigações e de papel comercial acima dos limites fixados na lei): Sociedades de Locação Financeira Sociedades defactoring Sociedades de Investimento Instituições de Moeda Electrónica

8 8 2. SISTEMA FINANCEIRO MOÇAMBIQUE 2. Instituições / Sociedades financeiras (artigo 5º LICSF) [A não intermediação no crédito como elemento caracterizador, mas captação de poupanças] Fundos de Investimento (mobiliários e imobiliários) Fundos de Investimento de Capital de Risco Instituições seguradoras / Fundos de pensões Sociedades Corretoras e Sociedades Financeiras de Corretagem Sociedades Gestoras de Fundos de Investimento Sociedades Gestoras de Património Sociedades de Capital de Risco Sociedades Administradoras de Compras em Grupo Casas de Câmbios e Casas de Desconto Sociedades Gestoras e Emitentes de Cartões de Crédito Microfinanças

9 9 2. SISTEMA FINANCEIRO MOÇAMBIQUE 3. Intermediários financeiros [Artigo 3, n.º1, alínea d) do Cód.MVM] 4. Entidades de supervisão/regulação Banco de Moçambique (Banco central) Abrange a actividade bancária e a actividade sobre valores mobiliários (naquilo que não for excepcional e expressamente reservado ao Ministro que superintende a área das Finanças) Instituto de Supervisão de Seguros Abrange a actividade seguradora (sob tutela do Ministério das Finanças) Em Portugal: Banco de Portugal (BP), Instituto de Seguros de Portugal (ISP) e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM)

10 TERMO COMPARATIVO Termo comparativo [SÍNTESE] Moçambique e Portugal - variáveis comuns: Tripartição das vertentes de actuação do sistemafinanceiro Identificação estrutural com uma abordagem de bancauniversal Quadros organizativos de instituições habilitadas a exercer a actividade financeira nas diversas vertentes Moçambique e Portugal - variáveis distintas: Sistema bipartido de supervisão (com aproximação ao modelo twin peaks); sistema tripartido, no caso português Diferentes graus de desenvolvimento do mercado de capitais Diferente pendor governativo na vertente da supervisão

11 3. FUNDOS DE INVESTIMENTO EM GERAL 11

12 12 3. FUNDOS DE INVESTIMENTO EM GERAL Sistema Financeiro Vs. Fundos de Investimento: Salientam-se três vertentes por via das quais o sistema financeiro, incluindo o sector dos fundos de investimento, pode influenciar o desenvolvimento económico: (i) Na dinamização do investimento e da acumulação de capital; (ii) No financiamento das actividades inovadoras e desenvolvimento do mercado imobiliário; (iii) Na redução da concentração de recursos e quebra da dinâmica centro-periferia.

13 13 3. FUNDOS DE INVESTIMENTO EM GERAL A complexidade e sofisticação dos instrumentos jurídico-financeiros, ao dispor dos investidores, exige a associação de consultorias de rigor técnico inquestionável, que assegurem a definição e a concretização dos projectos de investimento, especialmente nas suas vertentes contratual e de garantias associadas, nomeadamente: Projectos e veículos de investimento Operações de financiamento Concessão de garantias A ALTERNATIVA POSSÍVEL: Fundos de Investimento

14 14 3. FUNDOS DE INVESTIMENTO EM GERAL EM MOÇAMBIQUE: Decreto n.º 54/99, de 8 de Setembro Constituição e Funcionamento dos Fundos de Investimento (alterado pelo Decreto 36/2005, de 29 de Agosto) Decreto n.º 56/99, de 8 de Setembro Constituição e Funcionamento dos Fundos de Capital de Risco Decreto n.º 56/2004, de 10 de Dezembro Sociedades corretoras e sociedades financeiras de corretagem, sociedades gestoras de fundos de investimento, sociedades gestoras de patrimónios, sociedades de capital de risco, sociedades administradoras de compras em grupo, casas de câmbios, casas de desconto e sociedades gestoras e emitentes de cartões de crédito.

15 15 3. FUNDOS DE INVESTIMENTO EM GERAL EM MOÇAMBIQUE: Regime Jurídico: Decreto n.º 54/99, de 8 de Setembro Noção: são conjuntos de valores, pertencentes a uma pluralidade de pessoas designadas participantes e que resultam de investimentos de capitais por estes efectuados. Patrimónios Autónomos. Objecto: têm por fim exclusivo a constituição de carteiras diversificadas de valores, mobiliários ou imobiliários, permitindo a dispersão dos riscos e a rentabilidade das aplicações. Espécies: os fundos de investimento podem ser abertos e fechados. Activos: valores mobiliários ou imobiliários. Capital: ver artigo 13.º e 14.º, n.º 3 do Decreto 54/99.

16 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 16 Esboço Comparativo [Fundos de Investimento Imobiliário FII] -Moçambique - Portugal - Angola - Brasil Nota: Em Angola, o regime jurídico foi aprovado pelo DLP n.º 7/13, de 11 de Outubro

17 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 17 Elementos estruturais semelhantes: Embora num estágio de evolução diferente, quer ao nível do número de fundos, quer da especialização dos activos, existem elementos estruturais semelhantes entre os FII em Moçambique, Portugal, Angola e Brasil: Natureza institucional: têm suporte na noção de património autônomo, sem personalidade jurídica, gerido por uma entidade reconhecida por lei como competente para o efeito; Estrutura organizativa: são geridos por uma entidade específica que atua no interesse dos titulares do fundo, tendo por base a legislação em vigor e o regulamento de gestão do fundo;

18 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 18 Elementos estruturais semelhantes: Património e responsabilidade: estabelecem uma nítida separação entre o património do fundo, o dos participantes/cotistas e o da entidade administradora; Regulamento de gestão: têm o seu âmbito de actuação sujeito à política de investimento e limitações operacionais que constam do regulamento aprovado pela entidade de supervisão, no momento da constituição do fundo; Forma de constituição: são autorizados pela entidade supervisora (Banco de Moçambique, em Moçambique, CMVM em Portugal, CMC em Angola e CVM no Brasil), verificados determinados requisitos, na sequência de um procedimento legal específico promovido pela entidade gestora;

19 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 19 Elementos estruturais semelhantes: Avaliação dos activos do fundo: estabelecem procedimentos específicos para a avaliação dos ativos que compõem a carteira do fundo; Comercialização do fundo: estabelecem procedimentos obrigatórios para efeitos de avaliação e comercialização das participações dos titulares dos fundos; Quadro fiscal: Os benefícios fiscais são estabelecidos em função da verificação de determinados pressupostos e critérios legais. * Não estão, ainda, definidos em Angola e Moçambique.

20 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 20 Diferenças dos Regimes Jurídicos: Não obstante as semelhanças, existem evidentes diferenças entre os regimes jurídicos dos FII em Moçambique, Portugal, Angola e Brasil: Tipologia dos fundos: Em Moçambique os fundos de investimento são abertos ou fechados, em Portugal e Angola podem ser abertos, fechados ou mistos e no Brasil os fundos imobiliários são todos fechados; Activos dos fundos: Activos dos fundos: No Brasil, a carteira dos ativos que podem integrar os Fundos é muito mais ampla e diversificada do que nos restantes países, mas os principais tipos de activos são idênticos nos vários regimes (imóveis, acções e liquidez), sendo o regime em Moçambique e Angola idêntico ao de Portugal;

21 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 21 Diferenças dos Regimes Jurídicos: Prestação de garantias pelos fundos: Em Moçambique existe a proibição expressa de os fundos contrairem financiamento, salvo por 120 dias, seguidos ou interpolados, num período de um ano e com um limite de até 10% do valor global da carteira (apoio à tesouraria). Em Portugal e Angola, é possível ao fundo onerar parcial ou totalmente o seu ativo, com a finalidade exclusiva de garantir o financiamento obtido, desde que, tanto este quanto a oneração, ocorram dentro do limite legal. No Brasil existe a proibição expressa de constitução de quaisquer ónus reais sobre os imóveis do fundo, bem como a instituição administradora não pode utilizar-se dos recursos do fundo para prestar fiança, aval, aceite ou coobrigar-se sob qualquer forma.

22 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 22 Vantagens: Existem vantagens semelhantes provenientes do investimento em FII : Possibilidade de fraccionar o investimento trazendo para o mercado dos FII uma massa de investidores que não possuem capacidade financeira para, isoladamente, investirem em projectos e empreendimentos de média e grande dimensão no sector imobiliário; Possibilidade do investidor, caso seja necessário, poder desfazer-se apenas de parte do investimento, ao contrário do que se verifica, por exemplo, com a compra de um imóvel, em que a única solução será vendêlo integralmente;

23 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 23 Vantagens: A redução de burocracia causada pelo formalismo da transação imobiliária e uma maior transparência da operação, pois todos os actos do fundo são da responsabilidade da entidade financeira que o administra, que está sujeita à supervisão pública; A versatilidade do FII, na medida em qualquer projecto ou empreendimento de natureza imobiliária é passível de ser incluído na sua carteira de activos (por exemplo, o património do fundo pode ser constituído por acções de sociedades imobiliárias - em Moçambique, o Fundo deverá deter mais de 50% do capital dessa sociedade;)

24 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 24 Vantagens: O dinamismo do mercado e da indústria dos fundos destinados a empreendimentos imobiliários específicos por oposição ao mercado tradicional da compra e venda ou do arrendamento de imóveis isolados; Ao investir num fundo imobiliário, o investidor obtém as vantagens de ter um investimento com rentabilidade, de base imobiliária, sem envolvimento com a administração e com um valor unitário (unidade de participação/quota) acessível, inclusive com a possibilidade de parcelar o investimento;

25 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 25 Vantagens: A eficiência fiscal quer ano nível da tributação interna do fundo, quer da tributação externa dos cotistas/participantes investidores (residentes e não residentes). * Em Moçambique e Angola ainda não está aprovado o regime fiscal específico.

26 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 26 Riscos ou contingências: Os riscos ou contingências de qualquer investimento indirecto no sector imobiliário são também semelhantes, embora a indispensável supervisão oficial (Banco de Moçambique, CMVM, CMC e CVM) permita um maior controle da actividade de investimento: Risco de mercado, que decorre das condições adversas do mercado financeiro e de capitais, o que faz oscilar o valor dos activos que compõem a carteira do fundo, embora existam avaliações oficiais dos mesmos, efectuadas nos termos da legislação em vigor;

27 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 27 Riscos ou contingências: Risco de liquidez, como consequência da dificuldade de venda ou locação (arrendamento) de um imóvel da carteira do fundo, sendo que em Portugal é viavel o endividamento do fundo, desde que dentro de certos limites legais; Risco legal resultante de irregularidades jurídicas, que podem impedir, por exemplo, a execução de um contrato ou o não cumprimento das normas legais imperativas, mas que não podem afectar a natureza de património autónomo do fundo;

28 3.1 ESBOÇO COMPARATIVO - FII 28 Riscos ou contingências: Risco operacional, que está diretamente relacionado com as competências e capacidades de administração do fundo, enquanto veículo de investimento imobiliário, como consequência de erro ou abuso da intervenção da entidade gestora; Risco de crédito ou de investimento, ou seja, aquele em que a contraparte (emissor do título) não cumpre com as obrigações decorrentes da titularidade do direito, que, atendendo aos mecanismos de supervisão impostos, é muito reduzido.

29 29 4. CONCLUSÕES

30 30 4. CONCLUSÕES Preâmbulo do Decreto 54/99 de 8 de Setembro: o desenvolvimento que o mercado financeiro nacional tem vindo a conhecer nos últimos tempos, particularmente com a institucionalização do mercado de valores mobiliários, recomenda uma regulamentação pormenorizada dos fundos de investimento, que representam um dos instrumentos mais eficazes de participação dos investidores nesse mercado, podendo, por isso, dar um contributo efectivo para o seu fortalecimento. Preâmbulo do Decreto 36/2005, de 29 de Agosto (altera o Decreto 54/99): a aprovação do Decreto 54/99 de 8 de Setembro, que estabelece o regime jurídico dos fundos de investimento, constitui um passo assinalável para o desenvolvimento do mercado de capitais do país.

31 31 OBRIGADO! António Raposo Subtil

Veículos de investimento imobiliário

Veículos de investimento imobiliário CONFERÊNCIA NOVOS VEÍCULOS DE INVESTIMENTO NO SECTOR IMOBILIÁRIO EM ANGOLA Local: Tenda de Eventos na Baía de Luanda Data: 19 de Junho de 2014 Veículos de investimento imobiliário António Raposo Subtil

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt 15 de novembro de 2013 angola@vda.pt Foi publicado o Decreto Legislativo Presidencial n.º 7/13 ( Decreto 7/13 ) que veio consagrar o Regime Organismos de Coletivo ( OIC ) 1 e, entre estes, dos Imobiliário

Leia mais

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 ÍNDICE 1. Caracterização da Indústria de Gestão de Activos...pág. 01 2. Evolução da Indústria de Gestão de Activos...pág. 04 2.1 A Gestão Colectiva de Activos...pág.

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 2º, nº 1, a) 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 2º, nº 1, a) 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 2º, nº 1, a) 9º Fundos de investimento imobiliário. Renúncia à isenção nas operações de transmissão e locação de imóveis. Regime de autoliquidação de imposto

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

. FUNDOS DE INVESTIMENTO

. FUNDOS DE INVESTIMENTO . FUNDOS 7.. F DE INVESTIMENTO 7. Fundos de Investimento O QUE É UM FUNDO DE INVESTIMENTO? Um fundo de investimento é um património que pertence a várias pessoas, destinado ao investimento em determinados

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ANÁLISE INSTITUCIONAL DO MERCADO DE TÍTULOS 1 ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS 2 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU CEE

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono I Jornadas Financeiras Capital de Risco Local: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Data: 07 de Maio de 2015 Fundos de Investimento no Espaço Lusófono António Raposo Subtil (Coordenador RSA-LP)

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto * Na sequência do Decreto-Lei n.º 183/2003, de 19 de Agosto, que alterou o Estatuto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

Entidades de Interesse Público (artº 2º do Decreto Lei nº225/2008, de 20 de Novembro

Entidades de Interesse Público (artº 2º do Decreto Lei nº225/2008, de 20 de Novembro Entidades de Interesse Público (artº 2º do Decreto Lei nº225/2008, de 20 de Novembro Para efeitos do disposto no Decreto Lei nº 225/2008 e do disposto no Estatuto da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas,

Leia mais

BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO. A Identificação

BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO. A Identificação BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO A Identificação Denominação: BESA Património Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Tipo de Fundo e Duração: Fundo de investimento

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD Na sequência da divulgação do anúncio preliminar em 2 de Outubro

Leia mais

Regime jurídico dos fundos de investimento imobiliário *

Regime jurídico dos fundos de investimento imobiliário * Regime jurídico dos fundos de investimento imobiliário * CAPÍTULO I Disposições gerais SECÇÃO I Dos fundos de investimento imobiliário Artigo 1.º Âmbito A constituição e o funcionamento dos fundos de investimento

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º Exclusão da aplicação ao "Contrato de Gestão Discricionária de Valores Mobiliários" da alínea e) do n.º 27 do artigo 9.º

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 01 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O QUE SÃO Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705 Directriz de Revisão/Auditoria 705 FUNDOS DE INVESTIMENTO ÍNDICE Agosto de 2006 Parágrafos Introdução 1-3 Objectivo 4-5 Particularidades e Procedimentos de Validação 6-25 Outros Deveres e Competências

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Experiência Internacional Panorama do Mercado de Fundos de Investimento Imobiliário em Portugal e na Europa

Experiência Internacional Panorama do Mercado de Fundos de Investimento Imobiliário em Portugal e na Europa 6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento Tendências e Oportunidades de negócios para os Fundos Imobiliários Experiência Internacional Panorama do Mercado de Fundos de Investimento Imobiliário em Portugal

Leia mais

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE PLANEAMENTO JURÍDICO E FISCALIDADE 4 Junho de 2013. h o m e

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE PLANEAMENTO JURÍDICO E FISCALIDADE 4 Junho de 2013. h o m e INVESTIR EM MOÇAMBIQUE PLANEAMENTO JURÍDICO E FISCALIDADE 4 Junho de 2013 h o m e b a c k n e x t INVESTIR EM MOÇAMBIQUE PLANEAMENTO JURÍDICO E FISCALIDADE 4 Junho de 2013 Doing Business in Mozambique

Leia mais

Fundos de Investimento Mobiliário em Portugal

Fundos de Investimento Mobiliário em Portugal Fundos de Investimento Mobiliário em Portugal Fernando Teixeira dos Santos Presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Presidente do Comité Executivo da IOSCO 9 de Abril de 2003 Sumário I

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 ASSUNTO: GARANTIAS PARA FINS PRUDENCIAIS Considerando a importância do correcto enquadramento das garantias recebidas,

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO 1. OBJECTIVO ADVOGADOS O presente Guia visa concretizar os pressupostos para o cumprimento dos

Leia mais

Sócio RSA Advogados 12 de Abril de 2012

Sócio RSA Advogados 12 de Abril de 2012 INVESTIR NO BRASIL O Investimento no Brasil via Fundos de Investimento João Ricardo Nóbrega Sócio RSA Advogados 12 de Abril de 2012 Natureza dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII) FII - Noção Tipo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 2100 Diário da República, 1.ª série N.º 117 18 de Junho de 2010 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 71/2010 de 18 de Junho O presente decreto -lei vem possibilitar a constituição

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO

REGULAMENTO DE GESTÃO REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE CAPITAL DE RISCO FCR - DINAMIZAÇÃO TURÍSTICA Entidade Gestora: TC TURISMO CAPITAL SCR, S.A. Depositário do Fundo: Banco BPI, S.A. 1 ARTIGO 1º (Fim, Política de Investimentos

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal (ISP). Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Instituto de Seguros de Portugal (ISP). Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Informação Actualizada a: 14 de Setembro de 2012 Designação Comercial: Data Início de Comercialização: 6 de Dezembro de 2010 EMPRESA DE SEGUROS ENTIDADES COMERCIALIZADORAS AUTORIDADES DE SUPERVISÃO RECLAMAÇÕES

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário Aplicação no mercado imobiliário sem investir diretamente em imóveis O produto O Fundo de Investimento

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM. Novas modalidades: EM FUNCIONAMENTO

VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM. Novas modalidades: EM FUNCIONAMENTO VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM EM FUNCIONAMENTO Podem ser atribuídas Autorizações de Residência para Investimento a cidadãos de Estados terceiros i.e., que não pertençam ao Espaço Schengen, que exerçam

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Diretrizes para Investimentos em Imóveis (aprovadas pelo CDE em sua 18ª reunião realizada nos dias 14 a 16 de dezembro de 2009 Índice Anexo à Política de Investimentos...1

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE FIEAE - Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas ( FIEAE ) 4 de Junho de 2009 Capítulo I ÂMBITO Artigo 1º 1 - O presente regulamento define a tramitação dos procedimentos

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 02 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: PORQUE INVESTIR Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES RUBRICA DE 1.º NÍVEL: É preenchido com as constantes A, B, C ou D consoante a informação respeite, respectivamente, à carteira de activos, ao valor

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA Relatório de Gestão ES LOGISTICA - Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA Relatório de Gestão Junho de 2009 ESAF Fundos de Investimento Imobiliário,

Leia mais

N A P NORMA DE APLICAÇÃO PERMANENTE

N A P NORMA DE APLICAÇÃO PERMANENTE D.S. 01/07/2004 05/07/2004 06/2004 1/5 Assunto: Regras funcionamento para os Bancos Investimento.- O BCSTP, no uso das competências e atribuições, que lhe são concedidas pelos artigos 8.º, alínea c) e

Leia mais

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S)

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) ENTRE ALTAVISA GESTÃO DE PATRIMÓNIOS, S.A., pessoa colectiva n.º 507 309 189, com sede em Matosinhos, na Rua Roberto Ivens, n.º 1280, 1.º andar sala 6 4450 251 Matosinhos,

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros Conselho de Ministros Book 1.indb 43 10-05-2010 11:52:06 Book 1.indb 44 10-05-2010 11:52:06 DECRETO N.º 25/98 DE 7 DE AGOSTO Conselho de Ministros Publicado na Iª Série do Diário da República n.º 34 de

Leia mais

Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março

Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março O Decreto-Lei nº 172/99, de 20 de Maio, reconheceu no ordenamento nacional os warrants autónomos qualificando-os como valores mobiliários. Em decorrência de normas

Leia mais

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Consulta Pública sobre os Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) As Novas Formas Organizadas de Negociação

Leia mais

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado 2013 2013 Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado de Títulos do Tesouro, nomeadamente, as características

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

1. Aproximação descritiva ao sistema mobiliário

1. Aproximação descritiva ao sistema mobiliário Mestrado: Forense Disciplina: Mercado de Capitais Docente: Fátima Gomes Ano lectivo: 2009-2010 Semestre: 1º semestre (1ª parte) 1. Programa da disciplina: 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAPITAIS E O DIREITO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

O Mercado de Capitais em Angola

O Mercado de Capitais em Angola O Mercado de Capitais em Angola Introdução e desenvolvimentos 16 de Julho de 2015 Objectivos Objectivos Gerais Transmitir aos colaboradores da TPA as ferramentas básicas para compreender e analisar os

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF Conceito 1 Conceito Integração dos mercados imobiliário e de capitais, de modo a permitir a captação de recursos necessários para o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DA CMVM N.º 08/2002

REGULAMENTO DA CMVM N.º 08/2002 REGULAMENTO DA CMVM N.º 08/2002 FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I ÂMBITO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento abrange as seguintes matérias relativas aos fundos de investimento imobiliário:

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM

BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS Relatório Final sobre a Consulta Pública n.º 3/2007 relativa à BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL 1 1. Introdução Entre

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Diretrizes para Investimentos em Imóveis

Diretrizes para Investimentos em Imóveis Diretrizes para Investimentos em Imóveis 21ª reunião do CAP - 15/12/2010 11ª reunião ordinária do CDE - 16/12/2010 Anexo à Política de Investimentos 2011 a 2015 Índice 1. Contratação de Corretores, Avaliadores

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Produto Financeiro Complexo: REAL 24M INVEST Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO Implica a imobilização

Leia mais

Decreto-Lei n.º 228/2000 de 23 de Setembro

Decreto-Lei n.º 228/2000 de 23 de Setembro Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 228/2000 de 23 de Setembro (com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 211-A/2008, de 3 de Novembro) A supervisão

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais