CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática"

Transcrição

1 CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática

2 CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática Local: Sala da Assembleia Municipal da Câmara Municipal do Funchal. Data: 9 de Outubro de 2015 Oradores: - Rita Montalvão Advogada RSA LP - Cristina Freitas Jurista da Câmara Municipal do Funchal - Pedro Alves Fiscalista

3 ENQUADRAMENTO LEGAL Diploma legal Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março Aprova o Regime Jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos Empreendimentos Turísticos. Portaria n.º 517/2008, de 25 de Junho Estabelece os requisitos mínimos a observar pelos estabelecimentos de Alojamento local. Decreto-Lei n.º 228/2009, de 14 de Setembro Procede à primeira alteração do Regime Jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos Empreendimentos Turísticos. Portaria n.º 138/2012, de 14 de Maio Procede à adaptação do Regime do Alojamento local, constante na Portaria n.º 517/2008,. Decreto-Lei n.º 15/2014, de 23 de Janeiro Procede à segunda alteração do Regime Jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos Empreendimentos Turísticos. Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado por Decreto Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril Estabelece o Regime Jurídico da exploração dos estabelecimentos de Alojamento Local. Alterações Alterado pelo Decreto-Lei n.º 228/2009, de 14 de Setembro. Alterada pela Portaria n.º 138/2012, de 14 de Maio. REVOGADO POR DL 128/2014 Alterado pelo Decreto-Lei n.º 15/2014, de 23 de Janeiro. REVOGADO POR DL 128/2014 Entram em vigor a 26/11/2014 e 22/06/2015, respetivamente.

4 FIGURA DO ALOJAMENTO LOCAL A figura do Alojamento Local foi criada com o principal intuito de possibilitar a prestação de serviços de alojamento temporário em estabelecimentos que não preenchessem os requisitos legalmente exigidos para os empreendimentos turísticos, tendo vindo a sofrer algumas alterações legislativas.

5 REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL A criação de um regime próprio da figura do Alojamento local foi impulsionada pela: Dinâmica do mercado de procura e oferta do alojamento Proliferação de um conjunto de novas realidades de alojamento Relevância fiscal Necessidade de autonomizar a figura do alojamento local face à figura dos empreendimentos turísticos.

6 NOÇÃO DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Entende-se por estabelecimentos de alojamento local aqueles que prestem serviços de alojamento temporários a turistas, mediante remuneração, e que reúnam os requisitos previstos no Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto. Note-se, que é proibida a exploração como estabelecimentos de Alojamento Local os estabelecimentos que reúnam os requisitos para serem considerados Empreendimentos Turísticos, nos termos do Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março, alterado pelos Decretos-Lei n.º 228/2009, de 14 de Setembro e 15/2014, de 23 de Janeiro.

7 MODALIDADES DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Os estabelecimentos de Alojamento Local podem adoptar qualquer uma das seguintes modalidades: Moradia unidade de alojamento constituída por um edifício, de carácter unifamiliar; Apartamento unidade de alojamento constituída por uma fracção autónoma de edifício ou parte de prédio urbano susceptível de utilização independente; Estabelecimentos de hospedagem unidades de alojamento.constituídas por quartos.

8 NOÇÃO DE EXPLORAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL A exploração de estabelecimentos de Alojamento Local corresponde ao exercício, por pessoa singular ou colectiva, da actividade de prestação de serviços de alojamento. Presume-se existir exploração e intermediação de estabelecimento de Alojamento Local quando um imóvel ou fracção deste: i. Seja publicitado ou objecto de intermediação, por qualquer forma, entidade ou meio, como alojamento para turistas ou alojamento temporário; ou ii. Esteja mobilado e equipado e seja oferecido ao público em geral dormida e serviços complementares ao alojamento (ex.: limpeza, recepção), por períodos inferiores a 30 dias.

9 NOÇÃO DE EXPLORAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Note-se que a presunção poderá ser ilidida nos termos gerais de direito, nomeadamente, através da apresentação de Contrato de Arrendamento urbano devidamente registado nos Serviços de Finanças. Relevância de ilidir ou não a presunção impacto fiscal e diferente tributação dos rendimentos

10 REGISTO DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Dirigida ao Presidente da Câmara Municipal territorialmente competente O registo é efectuado mediante mera comunicação prévia Realizada exclusivamente através do Balcão do Empreendedor Por sua vez, a comunicação é automaticamente remetida ao Turismo de Portugal, I.P. A cada pedido é atribuído um N.º, que constitui o N.º de registo do Estabelecimento de Alojamento Local

11 REGISTO DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Informações que devem constar da mera comunicação prévia: Autorização de utilização ou título de utilização válido do imóvel; Identificação do titular da exploração do estabelecimento (nome ou firma e NIF); Endereço do titular da exploração do estabelecimento; Nome adoptado pelo estabelecimento e endereço; Capacidade do estabelecimento (quartos, camas e utentes); A data pretendida de abertura ao público; Nome, morada e número de telefone de pessoa a contactar em caso de emergência.

12 REGISTO DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Documentos que devem acompanhar a mera comunicação prévia: Cópia do documento de identificação do titular da exploração do estabelecimento ou código de acesso à certidão permanente do registo comercial; Termo de responsabilidade, subscrito pelo titular da exploração do estabelecimento, assegurando a idoneidade do edifício ou sua fracção autónoma para prestar serviços de alojamento; Cópia da Caderneta Predial Urbana do imóvel caso o requerente seja proprietário do mesmo;

13 REGISTO DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Cópia do Contrato de Arrendamento ou outro título que legitime a exploração e, caso deste não conste prévia autorização para a prestação de serviços pretendida, cópia simples de documento a conter essa autorização; Cópia da Declaração de Início ou alteração de actividade do titular da exploração do estabelecimento para o exercício da actividade de prestação de serviços de alojamento apresentada junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (Secção I, Subclasses ou da Classificação Portuguesa de Actividades Económicas, Revisão 3, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 381/2007, 14 de Novembro).

14 TÍTULO DE ABERTURA AO PÚBLICO / VISTORIA Título de Abertura ao Público O documento emitido pelo Balcão Único Electrónico dos serviços, que contém o número de registo do estabelecimento de alojamento local, constitui o único título válido de abertura ao público. No prazo de 30 dias após a apresentação da mera comunicação prévia, a Câmara Municipal e competente realiza uma vistoria para verificação do cumprimento dos requisitos legais. NOTA: A qualquer momento a Câmara Municipal pode solicitar ao Turismo de Portugal, I.P. a realização de vistorias.

15 CANCELAMENTO DO REGISTO Cancelamento do registo Em caso de desconformidade em relação à informação constante da mera comunicação prévia, o Presidente da Câmara Municipal pode cancelar o registo. Cessação da Exploração Com o cancelamento do registo cessa imediatamente a exploração do estabelecimento, sem prejuízo do direito de audição prévia. Comunicação do cancelamento do registo O cancelamento do registo deve ser comunicado pela Câmara Municipal territorialmente competente ao Turismo de Portugal, I.P. e à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica

16 REQUISITOS DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Capacidade máxima dos estabelecimentos de alojamento local: - 9 quartos e 30 utentes; Excepção: Hostels - 9 estabelecimentos de alojamento local, explorados pelo mesmo proprietário ou titular de exploração, por edifício, na modalidade de apartamento; Ressalva de Abril 2015 proibido se esse n.º for superior a 75% do n.º de fracções do edifício. Cálculo de exploração: Para o cálculo de exploração consideram-se os estabelecimentos de alojamento local na modalidade de apartamento registados em nome do cônjuge, descendentes e ascendentes do proprietário ou titular da exploração, e bem assim, os registados em nome de pessoas colectivas distintas em que haja sócios comuns.

17 REQUISITOS DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Os estabelecimentos de alojamento local devem obedecer aos seguintes requisitos gerais: Apresentação de condições de conservação e funcionamento das instalações e equipamentos adequadas; Ligação à rede pública de abastecimento de água ou sistema privativo de abastecimento de água com origem devidamente controlada; Ligação à rede pública de esgotos ou a fossas sépticas dimensionadas para a capacidade máxima do estabelecimento; Dotados de água corrente quente e fria; Apresentação de condições de ventilação e arejamento; Dotados de mobiliário, equipamento e utensílios adequados; Dispor de sistema de segurança que assegure privacidade aos utentes.

18 REQUISITOS DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Requisitos de segurança: - Os estabelecimentos de alojamento local devem cumprir as regras de segurança contra riscos de incêndio nos termos do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro e Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro. Excepto: Os estabelecimentos de alojamento local que tenham capacidade igual ou inferior a 10 utentes, os quais devem possuir: Extintor e manta de incêndio acessíveis aos utilizadores; Equipamento de primeiros socorros acessível aos utilizadores; Indicação do n.º nacional de emergência em local visível.

19 HOSTEL Noção/Requisitos: - Estabelecimentos de hospedagem cuja unidade de alojamento predominante seja o dormitório; - Requisitos dos dormitórios: constituídos por um número mínimo de 4 camas (ou em n.º inferior se as mesmas forem em beliche); têm de ter janela para o exterior e um espaço de arrumação próprio para cada cama, com fecho; - Podem ter casas de banho individuais ou partilhadas, mistas ou separadas; têm de ter espaços sociais comuns, área de refeição de utilização e acesso livre.

20 EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO Titular da exploração do estabelecimento de alojamento local: - Pessoa singular ou Pessoa colectiva; - Em todos os estabelecimentos do alojamento local deverá existir um titular da exploração a quem cabe o exercício da actividade de prestação de serviços de alojamento; - Responde, independentemente da existência de culpa, pelos danos causados aos destinatários dos serviços ou a terceiros, decorrentes da actividade de prestação de serviços de alojamento, em desrespeito ou violação do termo de responsabilidade subscrito.

21 EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO Identificação e publicidade: - Os estabelecimentos deverão identificar-se como estabelecimentos de alojamento locais, não podendo, em caso algum, utilizar a qualificação de empreendimento turístico. - A publicidade, a documentação comercial e o merchandising dos estabelecimentos de alojamento local devem indicar o respectivo nome ou logótipo e número de registo, não podendo sugerir características que os mesmos não disponham. Placa identificativa só estabelecimentos hospedagem:

22 EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO Período de Funcionamento: - Os estabelecimentos de alojamento local podem estabelecer livremente os períodos de funcionamento; - O período de funcionamento dos estabelecimentos de hospedagem deve ser devidamente publicitado, excepto se os mesmos estiverem abertos todos os dias do ano.

23 SEF Deve ser sempre comunicado ao SEF o alojamento de cidadãos estrangeiros: - comunicação feita através do boletim de alojamento (BA); - prazo 3 dias úteis (de entrada e de saída) - Não entrega = contraordenação (punível com coima) BA entregue por - papel no SEF ou na GNR ou PSP quando aqueles serviços não existam na localidade - pela plataforma SIBA mas carece de prévio registo da unidade de AL (http://siba.sef.pt/dadosidentificacao.aspx)

24 FISCALIZAÇÃO E SANÇÕES Fiscalização: A ASAE é a entidade competente pelo(a): ofiscalização do cumprimento das exigências elencadas no Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto; oinstrução dos respectivos processos; oaplicação das respectivas coimas e sanções; opedido de realização de vistorias ao Turismo de Portugal, I.P. A AT é responsável pela fiscalização do cumprimento das obrigações fiscais decorrentes da actividade exercida ao abrigo do referido diploma legal. Consequência: Infracção tributária cfr. Lei n.º 15/2001, de 5 de Junho (Reg. Geral das Infracções Tributárias).

25 FISCALIZAÇÃO E SANÇÕES Exemplos de Contraordenações: Oferta de alojamento local não registados ou com registos desactualizados; Oferta de alojamento local em violação do contrato de arrendamento ou da autorização de exploração; Prática de actos de angariação de clientela para estabelecimentos de alojamento local não registados ou com registos desactualizados; Violação das regras de informação e publicidade; Não publicitação do período de funcionamento.

26 FISCALIZAÇÃO E SANÇÕES Sanções acessórias: Em função da gravidade e da culpa do agente, podem ser aplicadas as seguintes sanções acessórias: - Apreensão do material através do qual se praticou a infracção; - Suspensão, por um período até 2 anos, do exercício da actividade directamente relacionada com infracção praticada; - Encerramento, pelo prazo máximo de 2 anos, do estabelecimento ou das instalações onde estejam a ser prestados serviços de alojamento, de angariação de clientela ou de intermediação de estabelecimentos de alojamento local.

27 FISCALIZAÇÃO E SANÇÕES Interdição da exploração: A ASAE é competente para determinar a interdição temporária da exploração dos estabelecimentos de alojamento local, na sua totalidade ou em parte: - Caso o estabelecimento não tenha iniciado o processo de autorização de utilização para fins turísticos dentro do prazo fixado pelo Turismo de Portugal, I.P, após se ter verificado o incumprimento da legislação em vigor; - Caso a falta de cumprimento das disposições legais aplicáveis puser em causa a segurança dos utilizadores ou a saúde pública.

28 SISTEMA INFORMÁTICO A tramitação dos procedimentos e formalidades previstos no Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto é realizada electronicamente com recurso ao Balcão Único Europeu.

29 REGIÕES AUTÓNOMAS O regime previsto no Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto também é aplicável às Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, sem prejuízo das adaptações decorrentes da estrutura própria da administração regional autónoma.

30 DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS O N.º de Registo do alojamento local é disponibilizado pelo Balcão Único Electrónico no prazo de 30 dias após a entrada em vigor do presente diploma; No caso dos estabelecimentos de alojamento local registados à data da entrada em vigor do DL n.º 128/2014, de 29 de Agosto, caberá às Câmaras Municipais territorialmente competentes a responsabilidade de inserir os dados necessários no Balcão Único Electrónico e de disponibilizar um novo número de registo; Até à disponibilização do novo N.º de registo os estabelecimentos de alojamento local estão dispensados da indicação do mesmo na sua publicidade; Os titulares dos estabelecimentos de alojamento local já registados, que ainda não o tenham feito devem, no prazo de 30 dias após a entrada em vigor do diploma, entregar a documentação exigida junto da Câmara Municipal competente que, por sua vez, a remeterá ao Turismo de Portugal, I.P.

31 DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS Os requisitos referentes à capacidade máxima não se aplicam: i) aos estabelecimentos de alojamento local registados à data da entrada em vigor do DL n.º 128/2014; ii) aos estabelecimentos que se venham a registar nos termos do n.º 4 do art. 75.º do DL n.º 39/2008, de 7 de Março (com as sucessivas alterações). Os estabelecimentos de alojamento local registados à data da entrada em vigor do DL n.º 128/2014 que utilizem já a denominação Hostel têm um prazo de 5 anos (a contar da data da entrada em vigor do DL 63/2015, ou seja, a contar de 25 abril 2015 n.º 2 do seu art. 4º) para se conformarem com os requisitos elencados no art. 14.º deste diploma.

32 Portugal Rua Bernardo Lima 3, , Lisboa T F Angola Presidente Business Center, Sala 402, Largo 17 de Setembro, Luanda T. e F Brasil São Paulo Edifício San Paolo Av. Brigadeiro Faria Lima, Andar São Paulo SP Brasil T F Brasil Nordeste Pernambuco Sede Rua da Hora, 692, Espinheiro Recife PE CEP T F Cabo Verde Prédio Garantia, 1.º Esq Caixa Postal n.º 107 Santa Maria Ilha do Sal, Cabo Verde T F Moçambique Av. Kenneth Kaunda, 609, Maputo Moçambique T. e F.:

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril FIGURA DO ALOJAMENTO LOCAL A figura

Leia mais

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19 DL 205/2014 2014.05.19 A figura do alojamento local foi criada pelo -Lei 39/2008, de 7 de março, para permitir a prestação de serviços de alojamento temporário em estabelecimentos que não reunissem os

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 abril OBJETIVOS Alojamento

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto OBJETIVOS Alojamento Local como categoria autónoma Eficiência Simplificação Redução

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei nº63/2015, de 23 abril OBJETIVOS

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO

NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO Revoga: A Portaria 517/2008, de 25 de Junho, alterada pela Portaria 138/2012, de 14 de Maio; O artigo 3º Alínea d) do nº 2 do

Leia mais

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços;

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços; O REGIME LEGAL DO ALOJAMENTO LOCAL Por Sandra Neves, Advogada A figura do alojamento local surgiu em 2008, com o DL n.º 39/2008, de 7 de Março, que aprovou o regime jurídico de instalação, exploração e

Leia mais

Fórum Jurídico. Novembro 2014 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Novembro 2014 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Novembro 2014 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

Alojamento Local no Município de Albufeira

Alojamento Local no Município de Albufeira Sessão de Esclarecimento Ricardo Sena/Dinis Alves Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Agenda Enquadramento Ponto de Situação Procedimentos Requisitos Enquadramento Noção de Estabelecimentos

Leia mais

Versão consolidada do Regime Jurídico da Exploração dos Estabelecimentos de Alojamento Local Não dispensa a consulta dos documentos oficiais que

Versão consolidada do Regime Jurídico da Exploração dos Estabelecimentos de Alojamento Local Não dispensa a consulta dos documentos oficiais que REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 128/2014, DE 29 DE AGOSTO ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - janeiro de 2015 Índice Índice... 3

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto

Legislação MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 128/2014, 29/08 Estado: Vigente Resumo: Aprova o regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local. Publicação: Diário da República n.º 166, Série

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Preâmbulo A Portaria nº 138/2012, de 14 de maio, veio proceder à adaptação do regime do alojamento

Leia mais

Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local

Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 23 páginas Formato: PDF (Portable

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL Regulamento da Instalação, Exploração e Funcionamento dos estabelecimentos de Hospedagem designados por Hospedarias, Casas de Hóspedes e por Quartos Particulares O

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL Os regimes dos Golden Visa e dos Residentes Não Habituais Enquadramento legal António Raposo Subtil / João Ricardo Nóbrega (Managing Partners RSA) ENQUADRAMENTO

Leia mais

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS No passado dia 7 de Março foi publicado o Decreto-Lei nº 39/2008, que entrará em vigor no próximo dia 6 de Abril de 2008 e que veio

Leia mais

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial de Despejo / BNA II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 II Congresso Novo Regime Arrendamento Urbano Local: Hotel Altis Park - Lisboa Data: 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007. Registado com o n.º 699/2007 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007. Registado com o n.º 699/2007 no livro de registo de diplomas Registado com o 699/2007 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007 O presente decreto-lei consagra o novo regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS Artigo 1º (OBJECTO E ÂMBITO) O presente regulamento tem por objecto a definição das regras aplicáveis à atribuição de apoios pela Câmara Municipal no exercício

Leia mais

Nota informativa. Internacionalização de PME com incentivos de 70 milhões Aviso nº 01/SI/2014

Nota informativa. Internacionalização de PME com incentivos de 70 milhões Aviso nº 01/SI/2014 Nota informativa Internacionalização de PME com incentivos de 70 milhões Aviso nº 01/SI/2014 Já se encontra republicado, com a alteração de 23 de janeiro de 2015, o Aviso nº 01/SI/2014, para apresentação

Leia mais

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono I Jornadas Financeiras Capital de Risco Local: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Data: 07 de Maio de 2015 Fundos de Investimento no Espaço Lusófono António Raposo Subtil (Coordenador RSA-LP)

Leia mais

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local FAQ's Perguntas Frequentes Alojamento Local Estou a pensar abrir um estabelecimento de Alojamento Local e quero saber o que preciso de fazer para o licenciar? Qualquer estabelecimento de Alojamento Local

Leia mais

APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002

APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002 70 APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002 ANEXO I Aviso n.º 9998/2002 (2.ª série) AP. António Jorge Nunes, presidente da Câmara Municipal de Bragança: Torna público, no uso da competência

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOUTIM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL EM 28/05/2003 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL EM

Leia mais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais Nota Introdutória De acordo com o Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, com as alterações introduzidas pelo Decreto- Lei n.º 305/99, de 6 de Agosto e pelo Decreto-Lei n.º 55/2002, de 11 de Março, que

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA MUNICIPAL DE 06 DE ABRIL DE 2011 APROVADO EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 21 DE ABRIL DE 2011 PUBLICADO ATRAVÉS DE

Leia mais

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa 1 Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa a) Designação - Projecto

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 86/VIII/2015 de 14 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio

Leia mais

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas (Aprovado em Reunião de Câmara no dia xx de xx de 2014 e em Sessão de Assembleia no dia xx de xx de 2014) ÍNDICE

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços. Nota Justificativa

Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços. Nota Justificativa Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços Nota Justificativa O Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos

Leia mais

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 1 de Outubro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e do nº 2,

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Página 1 de 12 Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Nota Justificativa No final de 2011, entrou em vigor

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/08, de 7 de março, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 228/09, de 14 de setembro, consagra

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Regulamento de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 167/97, de 4 de Julho estabelece o novo regime jurídico aplicável á instalação e funcionamento dos

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Com a criação dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC),

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CAPÍTULO 1 AMBITO Artigo 1º. Estabelecimentos de Hospedagem São considerados estabelecimentos de hospedagem, aqueles que não

Leia mais

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER OUTUBRO 2015 Índice GLOSSÁRIO... 3 1. BREVE HISTORIAL LEGISLATIVO... 4 1.1. Principais alterações introduzidas pela revisão do Sistema da

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Regulamenta a Lei n.º 45/2003, de 22 de agosto, relativamente ao exercício profissional das atividades de aplicação de terapêuticas não convencionais Regulamenta a Lei n.º 45/2003, de 22 de agosto, relativamente

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO Preâmbulo Com o presente Regulamento pretende-se criar condições para o acesso

Leia mais

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 Ao abrigo dos artigos 5.º, n.º 2, 30.º, n.º 11, 35.º, nº 1, e 62.º, n.º 1, alínea b), iii), todos do Decreto Legislativo Regional n.º 7/2012/A,

Leia mais

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Coleção Cadernos Práticos - 2 Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Preâmbulo

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Preâmbulo REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto - Lei n. 167 / 97, de 4 de Julho, veio introduzir grandes inovações no processo de licenciamento de empreendimentos

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÈCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.13)

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

Ministério d DL 489/2012 2012.10.09

Ministério d DL 489/2012 2012.10.09 DL 489/2012 2012.10.09 O regime jurídico do acesso e do exercício da atividade de agente de navegação foi consagrado no -Lei 76/89, de 3 de março, alterado pelo -Lei 148/91, de 12 de abril. A experiência

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97. EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97. EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97 EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território DATA : Segunda-feira, 31 de Março de 1997 NÚMERO : 75/97 SÉRIE I-A PÁGINAS DO DR

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

Decreto executivo n.º 27/03 de 6 de Maio Regulamento do Boletim de Registo de Hóspedes

Decreto executivo n.º 27/03 de 6 de Maio Regulamento do Boletim de Registo de Hóspedes Decreto executivo n.º 27/03 de 6 de Maio Regulamento do Boletim de Registo de Hóspedes e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1 / 8 A Lei n.º 3/94, de 21 de Janeiro, no seu artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 24 DE JUNHO DE

APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 24 DE JUNHO DE REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO E DA FISCALIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS, MECÂNICAS, ELÉCTRICAS E ELECTRÓNICAS DE DIVERSÃO NO MUNICÍPIO DE SINTRA ( com as alterações

Leia mais

Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem

Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem REGULAMENTO DE INTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ETABELECIMENTO DE HOPEDAGEM Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa

Leia mais

Associação na Hora. Empresa na Hora. Empresa Online. Registos Online

Associação na Hora. Empresa na Hora. Empresa Online. Registos Online Empresa na Hora Associação na Hora Empresa Online Registos Online Desde 14 de Julho de 2005 que é possível a constituição de sociedades por quotas, unipessoais por quotas e anónimas num único balcão e

Leia mais

Descarregue gratuitamente atualizações online em www.portoeditora.pt/direito Condomínio Col. Legislação (06702.90)

Descarregue gratuitamente atualizações online em www.portoeditora.pt/direito Condomínio Col. Legislação (06702.90) orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS. CAPÍTULO I Disposições gerais

REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS. CAPÍTULO I Disposições gerais REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS (Versão Actualizada em 2007-03-14) CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Aprovação Ao abrigo do disposto no artigo 241º da Constituição

Leia mais

Organismos. de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos

Organismos. de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos Organismos de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC) representa uma oportunidade para planear novos investimentos e reaquacionar as actuais estruturas.

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLETIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLETIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLETIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Inscrição e Alteração de Dados Pessoa Coletiva (2001 v5.02) PROPRIEDADE

Leia mais

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas.

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL RECINTOS COM DIVERSÕES AQUÁTICAS CAE REV_3: 93210

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.3)

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

10- Cópia da Licença de Representação, emitida pelo IGAC ou delegado concelhio do IGAC;

10- Cópia da Licença de Representação, emitida pelo IGAC ou delegado concelhio do IGAC; Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas (A preencher pelos serviços) Processo n.º / / Pedido de Licença de Utilização para Recintos de Diversão e de Recintos de Espectáculos de Natureza

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25 Quarta-Feira, 19 de Outubro de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 20 $ 0.25 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/VIII AUTORIZA O GOVERNO A LEGISLAR EM MATÉRIA DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/VIII AUTORIZA O GOVERNO A LEGISLAR EM MATÉRIA DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/VIII AUTORIZA O GOVERNO A LEGISLAR EM MATÉRIA DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL Exposição de motivos Os sinais de uma nova economia, assentes em processos de globalização e de virtualização

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho CAPÍTULO I Suporte e processo de registo SECÇÃO I Suportes de registo Artigo 1.º Instrumentos

Leia mais

Capítulo 1- Agências de Viagem

Capítulo 1- Agências de Viagem Capítulo 1- Agências de Viagem 1.1- Quadro Sinótico Relativamente ao D.L. n.º 199/2012, de 24 de agosto, transcrito de seguida, os seus artigos n.º s 2, 3, 4, 5 e 6 foram omitidos neste trabalho. Neles

Leia mais