Fórum Jurídico. Novembro 2014 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. 1/7

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fórum Jurídico. Novembro 2014 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7"

Transcrição

1 Novembro 2014 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa a divulgação periódica de artigos breves e anotações nas plataformas electrónicas e digitais da Livraria Almedina. Para aceder, clique aqui. Patrícia Viana, Advogada, Abreu Advogados 1. Enquadramento O Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, veio estabelecer o regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local (doravante, AL ). Entra em vigor no dia 28 de Novembro. Não se trata de uma figura jurídica propriamente nova; recorde-se que a mesma emanou do regime jurídico dos empreendimentos turísticos, o qual consagrou, em Março de 2008, que são considerados estabelecimentos de alojamento local as moradias, apartamentos e estabelecimentos de hospedagem que, dispondo de autorização de utilização, prestem serviços de alojamento temporário, mediante remuneração, mas não reúnam os requisitos para serem considerados empreendimentos turísticos.. Embora a figura tivesse sido criada para combater a prestação de serviços de alojamento turístico, muitas vezes, em casas particulares, sem licenciamento para tanto, ou mais simplesmente aquilo que foi tantas vezes apelidado de camas paralelas, bem como para acautelar figuras desaparecidas como as pensões, motéis, albergarias e estalagens, a verdade é que a mesma acabou por ser abusivamente utilizada para reconversão de verdadeiros empreendimentos turísticos em estabelecimentos de AL, desta forma se fugindo à complexidade e morosidade ainda patente no licenciamento turístico. Quanto a este tema o Decreto-Lei n.º 128/2014 é claro ao indicar que é proibida a exploração como AL de estabelecimentos que reúnam os requisitos para serem considerados empreendimentos turísticos, nos termos do regimento jurídico dos empreendimentos turísticos. A verdade é que, embora o AL tenha sido criado em 2008, a portaria que o fez continha apenas a indicação dos requisitos mínimos para estes estabelecimentos, não aprofundando, de modo algum, por exemplo, a matéria da sua exploração. Actualmente é sabida a crescente importância que este tipo de estabelecimentos tem, especialmente em Lisboa e no Porto veja-se a referência feita no preâmbulo do Decreto-Lei n.º 128/2014, quando refere que: [ ] a dinâmica do mercado [ ] determina, pela sua importância turística, pela confirmação de que não se tratam de um fenómeno passageiro e pela evidente relevância fiscal, uma actualização do regime aplicável ao alojamento local. Parece ser, pois, a mando do mercado que a categoria de AL passa de figura residual para realidade jurídica autonomizada, cujo regime de exploração passa, assim, a constar de diploma próprio. 1/7

2 2. Regulamentação 2.1. As modalidades de AL mantêm-se, no diploma sob análise, as mesmas. São elas: a) Moradias definidas como unidades de alojamento constituídas por um edifício autónomo; b) Apartamentos definidos como unidades de alojamento constituídas por uma fracção autónoma de edifício ou parte de prédio urbano susceptível de utilização independente; c) Estabelecimentos de Hospedagem definidos como um estabelecimento cujas unidades de alojamento são constituídas por quartos; é aqui que surge a primeira novidade deste regime, ao referir-se que no conceito de estabelecimento de hospedagem se pode incluir o conceito de hostel. A legislação anterior não fazia qualquer referência à exploração propriamente dita dos estabelecimentos de AL, surgindo, por isso, dúvidas sobre se analogicamente se poderiam aplicar as disposições do regime jurídico dos empreendimentos turísticos. Actualmente o artigo 4º do Decreto-Lei n.º 128/2014 define, desde logo, que a exploração de AL corresponde ao exercício, por pessoa singular ou colectiva, da actividade de prestação de serviços de alojamento. Mais se diz que se presume existir exploração e intermediação de estabelecimento de AL quando: a) seja publicitado, disponibilizado ou objecto de intermediação, por qualquer forma, entidade ou meio, nomeadamente em agências de viagens e turismo ou sites da Internet, como alojamento para turistas ou como alojamento temporário; ou b) estando mobilado e equipado, neste sejam oferecidos ao público em geral, além de dormida, serviços complementares ao alojamento, nomeadamente limpeza ou recepção, por períodos inferiores a 30 dias. Dúvidas se colocam sobre se a publicitação prevista na alínea a) e que refere, inclusive, intermediação, pode ser vista como acto de mediação imobiliária, necessitando também o explorador de uma licença de mediação emitida pelo INCI. Refira-se que esta é uma presunção ilidível, podendo ser ilidida, designadamente, mediante a apresentação de contrato de arrendamento urbano devidamente registado nos serviços de finanças. No que respeita ao procedimento tendente ao registo dos estabelecimentos de AL, esta nova regulamentação parece-nos claramente querer profissionalizar esta forma de alojamento turístico, quando o que se pretendeu em 2008 foi simplificar e legalizar o que já se encontrava a ser feito por particulares, em especial no Algarve. 2/7

3 Vejamos: O registo continua a ser efectuado mediante requerimento, actualmente designado comunicação prévia, dirigida ao Presidente da Câmara Municipal territorialmente competente. Esta comunicação é feita através do Balcão Único Electrónico já previsto no Artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 92/2010, de 26 de Julho, que confere a cada pedido um número, o qual constituirá o número de registo do estabelecimento de alojamento local. O Balcão Único Electrónico remete automaticamente tal comunicação ao Turismo de Portugal, I. P.. Esta comunicação deverá conter os seguintes elementos/informações: a) A autorização de utilização ou título de utilização válido do imóvel; b) A identificação do titular da exploração do estabelecimento, com menção do nome ou firma e do número de identificação fiscal; c) O endereço do titular da exploração do estabelecimento; d) Nome adoptado pelo estabelecimento e seu endereço; e) Capacidade (quartos, camas e utentes) do estabelecimento; f) A data pretendida de abertura ao público; g) Nome, morada e número de telefone de pessoa a contactar em caso de emergência; h) Cópia simples do documento de identificação do titular da exploração do estabelecimento, no caso de este ser pessoa singular, ou indicação do código de acesso à certidão permanente do registo comercial, no caso de este ser pessoa colectiva; i) Termo de responsabilidade, subscrito pelo titular da exploração do estabelecimento, assegurando a idoneidade do edifício ou sua fracção autónoma para a prestação de serviços de alojamento e que o mesmo respeita as normas legais e regulamentares aplicáveis; j) Cópia simples da caderneta predial urbana referente ao imóvel em causa, no caso de o requerente ser proprietário do imóvel; k) Cópia simples do contrato de arrendamento e, caso do contrato não conste prévia autorização para a prestação de serviços de alojamento ou subarrendamento, documento autenticado contendo tal autorização prestada pelo senhorio do imóvel, no caso de o requerente ser arrendatário do mesmo. Portanto, de seis elementos a entregar (previstos na legislação de 2008) passamos a doze elementos/ informações. Esta parece-nos ser uma clara tentativa de profissionalizar este sector. 3/7

4 2.2. Apesar do documento emitido pelo Balcão Único Electrónico dos serviços contendo o número de registo do estabelecimento AL constituir título bastante para a abertura ao público do AL, a Câmara Municipal territorialmente competente realiza, no prazo de 30 dias após a apresentação da mera comunicação prévia, uma vistoria para verificação do cumprimento das informações enviadas aquando da submissão do registo. Ademais, a Câmara Municipal pode solicitar ao «Turismo de Portugal, I. P.», a qualquer momento, a realização de vistorias para a verificação de que não se encontram a ser explorados como AL estabelecimentos que reúnam os requisitos para serem considerados empreendimentos turísticos, nos termos do regimento jurídico dos empreendimentos turísticos 1. Com isto se procura evitar a tentação de os detentores, por exemplo, de estabelecimentos de hospedagem com características bastantes para serem considerandos hotéis, fugirem a esta classificação, pelo recurso (mais simples) ao AL Mais uma novidade do Decreto-Lei n.º 128/2014 é a previsão que refere que a informação relativa ao estabelecimento de AL será enviada à Administração Tributária, pelo «Turismo de Portugal, I.P.», nos termos de protocolo ainda a celebrar entre estas duas entidades A capacidade máxima dos estabelecimentos de AL passa a estar fixada em nove quartos e trinta utentes 2. Isto com a excepção dos hotels. Outra limitação respeita ao número máximo de estabelecimentos de AL explorados por proprietário ou explorador, que é fixada em nove por edifício. Isto, naturalmente, na modalidade de apartamento. No que respeita especificamente aos hostels, será de notar que só podem utilizar a denominação hostel os estabelecimentos de AL cuja unidade de alojamento, única ou maioritária, seja o dormitório. Os dormitórios são constituídos por um número mínimo de quatro camas, podendo ser inferior a quatro se as mesmas forem em beliche. Os restantes requisitos dos hostels serão aprovados por portaria do membro do Governo responsável pela área do turismo. Refira-se que, não só nos hostels, mas em todos os estabelecimentos de hospedagem, podem instalar-se estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, incluindo os de restauração e de bebidas, desde que a autorização de utilização o permita e sem prejuízo do cumprimento dos requisitos específicos previstos na demais legislação aplicável a estes estabelecimentos. 1 Também a ASAE pode solicitar ao «Turismo de Portugal, I.P.», a qualquer momento, a realização de vistorias para esta verificação. Caso se venha a verificar que estabelecimentos que reúnam os requisitos para serem considerados empreendimentos turísticos, nos termos do regimento jurídico dos empreendimentos turísticos, se encontram a ser explorados como AL, o «Turismo de Portugal, I.P.» fixa um prazo não inferior a 30 dias, prorrogável, para que o estabelecimento inicie o processo de autorização de utilização para fins turísticos. O incumprimento desta legalização poderá levar à interdição do estabelecimento. 2 Recordemos que na legislação de 2008 apenas se previa que a capacidade do AL era seria determinada pelo correspondente número e tipo de camas, podendo ser instaladas na unidade de alojamento camas convertíveis e camas suplementares amovíveis. Ou seja, a descrição da capacidade do AL era tão ampla que, em última instância, parecia não existir qualquer limitação. 4/7

5 3. Requisitos dos estabelecimentos de AL Os estabelecimentos de AL devem obedecer aos seguintes requisitos: a) Apresentar adequadas condições de conservação e funcionamento das instalações e equipamentos; b) Estar ligados à rede pública de abastecimento de água ou dotados de um sistema privativo de abastecimento de água com origem devidamente controlada; c) Estar ligados à rede pública de esgotos ou dotados de fossas sépticas dimensionadas para a capacidade máxima do estabelecimento; d) Estar dotados de água corrente quente e fria. Acresce que as respectivas unidades de alojamento devem: a) Ter uma janela ou sacada com comunicação directa para o exterior que assegure as adequadas condições de ventilação e arejamento; b) Estar dotadas de mobiliário, equipamento e utensílios adequados; c) Dispor de um sistema que permita vedar a entrada de luz exterior; d) Dispor de portas equipadas com um sistema de segurança que assegure a privacidade dos utentes. 4. Exploração Como já referido, se nada era dito na anterior legislação quanto à exploração dos estabelecimentos de AL, actualmente encontra-se previsto que em todos deve existir um titular da exploração do estabelecimento, a quem cabe o exercício da actividade de prestação de serviços de alojamento. Este titular da exploração do estabelecimento de AL pode ser uma pessoa singular ou colectiva, a qual deverá declarar o início do exercício da actividade de prestação de serviços de alojamento correspondente à secção I, subclasses ou da Classificação Portuguesa de Actividades Económicas, Revisão 3, aprovada pelo Decreto -Lei n.º 381/2007, de 14 de Novembro, apresentada junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), juntando cópia desta declaração ao processo de registo do AL junto da respectiva Câmara Municipal. No que respeita à publicidade feita ao AL, é de notar que não existem grandes alterações relativamente à legislação anterior. Contudo, a possibilidade de afixação de uma placa identificativa com a designação AL, junto à entrada principal do estabelecimento, passa a obrigatória nos hostels. 5/7

6 5. Fiscalização No que respeita à fiscalização dos estabelecimentos de AL, encontra-se prevista uma dupla fiscalização: a) Compete à ASAE fiscalizar o cumprimento do Decreto-Lei n.º 128/2014, bem como instruir os respectivos processos, aplicando, nessa sequência coimas e sanções acessórias. b) Compete à Autoridade Tributária fiscalizar, nos termos da legislação em vigor, o cumprimento das obrigações fiscais decorrentes da actividade exercida ao abrigo do supra referido decreto-lei 3. Constituem contra-ordenações, entre outros: a) A oferta, disponibilização, publicidade e intermediação de estabelecimentos de alojamento local não registados ou com registos desactualizados; b) A oferta, disponibilização, publicidade e intermediação de estabelecimentos de alojamento local em violação, desrespeito ou incumprimento: i) Do contrato de arrendamento; ii) Da autorização de exploração; c) A prática de actos de angariação de clientela para estabelecimentos de alojamento local não registados ou com registos desactualizados; d) A violação das regras de identificação e publicidade; e) A não afixação no exterior da placa identificativa. Estas contra-ordenações são puníveis com coimas que variam entre 2500,00 e 3740,98, para pessoas singulares, e ,00 e ,00, para pessoas colectivas nos casos de contra-ordenações consideradas mais graves (sobretudo no caso da oferta de alojamento turístico sem registo como AL). Por fim, note-se que, em função da gravidade e da culpa do agente, podem ser aplicadas as seguintes sanções acessórias: a) Apreensão do material através do qual se praticou a infracção; b) Suspensão, por um período até dois anos, do exercício da actividade directamente relacionada com a infracção praticada; c) Encerramento, pelo prazo máximo de dois anos, do estabelecimento ou das instalações onde estejam a ser prestados serviços de alojamento, de angariação de clientela ou de intermediação de estabelecimentos de AL. 3 O não cumprimento das obrigações fiscais decorrentes da actividade exercida ao abrigo do Decreto-Lei n.º 128/2014 (prestação de serviços de alojamento) constitui infracção tributária, nos termos previstos no Regime Geral das Infracções Tributárias, aprovado pela Lei n.º 15/2001, de 5 de Junho. 6/7

7 Como em qualquer outra actividade comercial, o efectivo ganho financeiro e de aumento de qualidade da oferta de alojamento turístico para o país só nos parece poder vir a ter um significativo incremento caso a fiscalização opere rápida e eficientemente, caso contrário, continuaremos certamente a ter uma oferta turística pouco profissional e, em termos contributivos, totalmente à margem da lei. 7/7 Este Fórum Jurídico contém informação e opiniões de carácter geral, não substituindo o recurso a aconselhamento jurídico para a resolução de casos concretos. Para mais informações, por favor contacte-nos através do ABREU ADVOGADOS NOVEMBRO 2014 Lisboa Porto Funchal LISBOA PORTO MADEIRA Av. das Forças Armadas, º Lisboa, Portugal Tel.: (+351) Fax.: (+351) Rua S. João de Brito, 605 E - 4º Porto Tel.: (+351) Fax.: (+351) Rua Dr. Brito da Câmara, Funchal Tel.: (+351) Fax.: (+351) ANGOLA (EM PARCERIA) BRASIL (EM PARCERIA) CABO VERDE (EM PARCERIA) CHINA (EM PARCERIA) MOÇAMBIQUE (EM PARCERIA) TIMOR-LESTE (JOINT OFFICE)

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril FIGURA DO ALOJAMENTO LOCAL A figura

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO

NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO Revoga: A Portaria 517/2008, de 25 de Junho, alterada pela Portaria 138/2012, de 14 de Maio; O artigo 3º Alínea d) do nº 2 do

Leia mais

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19 DL 205/2014 2014.05.19 A figura do alojamento local foi criada pelo -Lei 39/2008, de 7 de março, para permitir a prestação de serviços de alojamento temporário em estabelecimentos que não reunissem os

Leia mais

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática Local: Sala da Assembleia Municipal da Câmara

Leia mais

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços;

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços; O REGIME LEGAL DO ALOJAMENTO LOCAL Por Sandra Neves, Advogada A figura do alojamento local surgiu em 2008, com o DL n.º 39/2008, de 7 de Março, que aprovou o regime jurídico de instalação, exploração e

Leia mais

Versão consolidada do Regime Jurídico da Exploração dos Estabelecimentos de Alojamento Local Não dispensa a consulta dos documentos oficiais que

Versão consolidada do Regime Jurídico da Exploração dos Estabelecimentos de Alojamento Local Não dispensa a consulta dos documentos oficiais que REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 128/2014, DE 29 DE AGOSTO ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - janeiro de 2015 Índice Índice... 3

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto

Legislação MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 128/2014, 29/08 Estado: Vigente Resumo: Aprova o regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local. Publicação: Diário da República n.º 166, Série

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto OBJETIVOS Alojamento Local como categoria autónoma Eficiência Simplificação Redução

Leia mais

Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local

Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 23 páginas Formato: PDF (Portable

Leia mais

Alojamento Local no Município de Albufeira

Alojamento Local no Município de Albufeira Sessão de Esclarecimento Ricardo Sena/Dinis Alves Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Agenda Enquadramento Ponto de Situação Procedimentos Requisitos Enquadramento Noção de Estabelecimentos

Leia mais

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei nº63/2015, de 23 abril OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA MUNICIPAL DE 06 DE ABRIL DE 2011 APROVADO EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 21 DE ABRIL DE 2011 PUBLICADO ATRAVÉS DE

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6 Julho 2013 Contencioso Penal A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa

Leia mais

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, JUROS REMUNERATÓRIOS, CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E MORA DO DEVEDOR O Decreto-Lei n.º 58/2013, de 8 de Maio estabelece as novas normas aplicáveis à classificação e contagem dos prazos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/08, de 7 de março, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 228/09, de 14 de setembro, consagra

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO E BALCÃO NACIONAL DO ARRENDAMENTO (LEI N.º 31/2012; DECRETO-LEI N.º 1/2013; PORTARIA N.º 9/2013)

PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO E BALCÃO NACIONAL DO ARRENDAMENTO (LEI N.º 31/2012; DECRETO-LEI N.º 1/2013; PORTARIA N.º 9/2013) Fevereiro 2013 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas (Aprovado em Reunião de Câmara no dia xx de xx de 2014 e em Sessão de Assembleia no dia xx de xx de 2014) ÍNDICE

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Regulamento de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 167/97, de 4 de Julho estabelece o novo regime jurídico aplicável á instalação e funcionamento dos

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CAPÍTULO 1 AMBITO Artigo 1º. Estabelecimentos de Hospedagem São considerados estabelecimentos de hospedagem, aqueles que não

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Preâmbulo

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Preâmbulo REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto - Lei n. 167 / 97, de 4 de Julho, veio introduzir grandes inovações no processo de licenciamento de empreendimentos

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V I E I R A D O M I N H O 4850-527 VIEIRA DO MINHO

M U N I C Í P I O D E V I E I R A D O M I N H O 4850-527 VIEIRA DO MINHO REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho 07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho Estágios Profissionais A matéria relativa aos estágios profissionais encontra-se regulada pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho («Estágios Profissionais»)

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Preâmbulo

Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Preâmbulo Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 305/99, de 6 de Agosto, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

PREÂMBULO CAPÍTULO I ÂMBITO

PREÂMBULO CAPÍTULO I ÂMBITO INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM PREÂMBULO O Decreto-Lei nº 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 6 de Agosto, e pelo Decreto-Lei nº 55/2002 de 11

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Índice PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1º - Norma habilitante... 4 Artigo

Leia mais

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO 9 de Abril 2015 Direito do Trabalho PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO Esta Portaria, publicada em 20 de Março passado, vem criar e regulamentar a Medida de Promoção de Igualdade de Género no Mercado

Leia mais

Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem PREÂMBULO

Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem PREÂMBULO Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem PREÂMBULO O Decreto-Lei nº 167/97, de 4 de Julho, e ulteriores alterações, diploma no qual se encontra regulado

Leia mais

concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro

concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS Í TURÍSTICOS (RJET) 1 Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação ç da oferta 2 Simplificação Simplificação legislativa concentração num

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Julho 2014 Contencioso A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa a

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Fevereiro 2015 Direito Comercial A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente SÉTIMA ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS No passado dia 12 de Julho de 2012 foi publicado o Decreto-Lei n.º 149/2012, que altera o Código dos Contratos Públicos ( CCP ), ajustando-o ao disposto

Leia mais

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local FAQ's Perguntas Frequentes Alojamento Local Estou a pensar abrir um estabelecimento de Alojamento Local e quero saber o que preciso de fazer para o licenciar? Qualquer estabelecimento de Alojamento Local

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta Simplificação Simplificação legislativa concentração num único

Leia mais

RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Câmara Municipal de Sines Sines, 27 de Setembro de 2010 1 Objectivos principais do novo RJET: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta 2 Simplificação

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, que entrou em vigor em 28 de Março de 2003,

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota Justificativa Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto Lei n.º 305/99, de 6

Leia mais

E D I T A L. D i s c u s s ã o P ú b l i c a. Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares

E D I T A L. D i s c u s s ã o P ú b l i c a. Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares E D I T A L D i s c u s s ã o P ú b l i c a Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares Paulo Jorge Simões Júlio, Presidente da Câmara Municipal de Penela,

Leia mais

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O mais recente diploma legal que estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos - Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março,

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

03 de Dezembro 2013 Direito do Trabalho

03 de Dezembro 2013 Direito do Trabalho DADOS DOS TRABALHADORES A agilização do direito à privacidade dos trabalhadores com a crescente e hegemónica utilização das denominadas tecnologias de informação, levaram a Comissão Nacional de Protecção

Leia mais

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Locação é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar à outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição Art.º 1022.º do Código

Leia mais

Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela

Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela Preâmbulo O Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/8

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/8 Fevereiro 2015 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA.

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA. REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA. Jorge Pulido Valente, presidente da Câmara Municipal de Beja, torna público

Leia mais

Requisitos do Contrato de Arrendamento

Requisitos do Contrato de Arrendamento Requisitos do Contrato de Arrendamento Tendo sido aprovado o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, importa publicar os diplomas necessários à sua completa

Leia mais

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Junho 2013 Direito do Trabalho A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS

CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOUTIM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL EM 28/05/2003 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL EM

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM E ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA INTRODUTÓRIA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM E ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA INTRODUTÓRIA NOTA INTRODUTÓRIA O D.L. n.º 167/97 de 4 de Julho atribui competências às câmaras municipais para licenciar a instalação dos empreendimentos turísticos, sendo os processos regulados pelo regime jurídico

Leia mais

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local (AL) do Município do Crato

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local (AL) do Município do Crato Índice CAPÍTULO I - Disposições gerais ------------------------------------------------------------------------------------- 3 Artigo 1.º - Lei Habilitante -----------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 abril OBJETIVOS Alojamento

Leia mais

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...]

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...] Alteração ao Regulamento dos Períodos de Abertura e Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços do Concelho de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 48/2011,

Leia mais

APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002

APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002 70 APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002 ANEXO I Aviso n.º 9998/2002 (2.ª série) AP. António Jorge Nunes, presidente da Câmara Municipal de Bragança: Torna público, no uso da competência

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE FIEAE - Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas ( FIEAE ) 4 de Junho de 2009 Capítulo I ÂMBITO Artigo 1º 1 - O presente regulamento define a tramitação dos procedimentos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

MUNICÍPIO DE OLEIROS. Câmara Municipal

MUNICÍPIO DE OLEIROS. Câmara Municipal REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 320/02, de 28 de Dezembro, transfere para as câmaras municipais a competência

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM 2001 Nota Justificativa O decreto-lei n.º 167/97, de 4 de Julho, com as alterações introduzidas pelo decreto-lei 305/99 de 6

Leia mais

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO ERO E D DIRETIVA DE SERVIÇOS ERVIÇOS 2014 OBJETIVOS Compreender a novidade regulamentar associado à Diretiva de Serviços e à Iniciativa Licenciamento Zero;

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA

MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº 167/97, de 4 de Julho, na redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 6 de Agosto, e pelo Decreto-Lei nº 55/2002,

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL Regulamento da Instalação, Exploração e Funcionamento dos estabelecimentos de Hospedagem designados por Hospedarias, Casas de Hóspedes e por Quartos Particulares O

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O novo regime jurídico dos espectáculos de natureza artística e não artística, tendo transferido

Leia mais

Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré

Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré Preâmbulo O Regulamento dos Horários de Funcionamento de Abertura e Encerramento

Leia mais

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL ÍNDICE REMISSIVO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto Artigo 2º- Definições Artigo 3º - Âmbito de Aplicação CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL Artigo

Leia mais

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa 1 Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa a) Designação - Projecto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO MUNICIPAL DE HOSPEDAGEM 2 Nota Justificativa Com a publicação da Lei n.º 53-E/2006, de 29 de Dezembro, as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias locais foram objecto de uma importante

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

Data: 19/05/2011 Consulta Pública. Documento de Trabalho: Proposta Legislativa

Data: 19/05/2011 Consulta Pública. Documento de Trabalho: Proposta Legislativa Data: 19/05/2011 Consulta Pública (período de consulta: 10 dias úteis) Documento de Trabalho: Proposta Legislativa Assunto: Responsabilidades dos operadores em Reg. (CE) n.º 178/2002 matéria de segurança

Leia mais

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Introduz um regime de fiscalização e de sanção contra-ordenacional aplicável a infracções aos deveres previstos no Regulamento (CE) n.º 1781/2006, do Parlamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Regulamenta a lei que proíbe as discriminações no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica A Lei n.º 134/99, de 28

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE PROMOÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Decreto-Lei n.º 304/2003, de 9 de Dezembro

REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE PROMOÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Decreto-Lei n.º 304/2003, de 9 de Dezembro REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE PROMOÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS Decreto-Lei n.º 304/2003, de 9 de Dezembro A realização de campos de férias, destinados a crianças e

Leia mais

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna-se indispensável actualizar princípios e normas até ao momento vigentes

Leia mais

Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio

Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio Transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2000/43/CE, do Conselho, de 29 de Junho, que aplica o princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, sem distinção

Leia mais

Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro

Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro Page 1 of 5 Veja este e-mail no seu browser SOCIEDADE DE ADVOGADOS IMOBILIÁRIO / NOV 2015 Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro A Lei n.º 153/2015, de 14 de setembro, que entrou em

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 30 de Junho de 2010 Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com 1 LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 1. A videovigilância no local de trabalho 2. Confidencialidade e acesso à informação 3. Monitorização

Leia mais

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ 1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ Novo Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET) Inovadora, simplificadora e de maior facilidade

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

NOTA INFORMATIVA NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2015

NOTA INFORMATIVA NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2015 NOTA INFORMATIVA MERCADO DE CAPITAIS NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO Foi recentemente publicada, no dia 4 de Março, a Lei n.º 18/2015, o Regime Jurídico do Capital de Risco (RJCR) a qual procedeu à transposição

Leia mais