Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE SOLOS Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes Pós-Doutorando Dr. Gustavo Trentin Prof. Dr. Gustavo Brunetto Prof. Dr. João Kaminski Santa Maria, 22/06/2010

2 Panorama da Fruticultura no RS Centro Ocidental Videira: 643 ha -1 Macieira: 5 ha -1 Noroeste Videira: ha -1 Macieira: 379 ha -1 Pessegueiro: 238 ha -1 Laranjeiras: ha -1 Pessegueiro: ha -1 Laranjeiras: ha -1 Sudoeste Videira: 744 ha -1 Macieira: 6 ha -1 Pessegueiro: 195 ha -1 Laranjeiras: ha -1 Centro Oriental Videira: 991 ha -1 Macieira: 10 ha -1 Pessegueiro: 392 ha -1 Laranjeiras: ha -1 Nordeste Videira: ha -1 Macieira: ha -1 Pessegueiro: ha -1 Laranjeiras: ha -1 Metropolitana Videira: 800 ha -1 Macieira: 96 ha -1 Pessegueiro: 710 ha -1 Sudeste Laranjeiras: ha -1 Videira: 158 ha -1 Macieira: 151 ha -1 Pessegueiro: ha -1 Laranjeiras: ha -1 Fonte: FEE RS, 2001

3 Hipsometria do RS

4 Desejado na fruticultura Produção satisfatória Composição desejável Fonto: Melo, G. W., 2006

5 Fatores que afetam a produção e composição dos frutos Poda Reguladores Irrigação Pragas-doenças Ambiente Porta-enxerto Nutrição mineral

6 Classificação dos elementos minerais Nutrientes Essenciais: As plantas não vivem sem os mesmos C H O N P K Ca Mg S Mn Cl B Fe Cu Zn Mo Ni Benéficos: As plantas podem viver sem mesmos Na Si Co Tóxicos: São prejudiciais Al Fe Mn Fonte: Malavolta (1980)

7 Essenciais Macronutrientes: P K N Ca Mg S g kg -1 Micronutrientes: B Fe Mn Cl Cu Zn Mo Ni mg kg -1 Fonte: Clarkson & Hanson (1980)

8 Absorção de nutrientes Frutíferas Abacateiro: Zn, Mn, Mg e B Citrus: Zn, Mn, Mg e B Macieira: Zn, Mg, Ca e B Nogueira: Zn, Mn e Mg Pereira: Ca, Mg e B Quivizeiro: Mg e Zn Mn N P Cl K B Ca Fe Mg Cu S Zn Mo N S Mn P Cl B K Fe Ca Cu Mg Zn Mo

9 N P Absorção de nutrientes pelas raízes Ca

10 Absorção de nutrientes pelas folhas P N Ca Cutícula N

11 Ciclo de nutrientes em pomares Frutos R R R Resíduos Planta R N P K Mg Ca S Mn Cl B Fe Cu Zn Solo

12 Particularidade das frutíferas Acúmulo de reservas Profundidade e volume de solo Fonte: Adaptado Ernani (2003)

13 Absorção nutrientes todo o ano Temperatura do solo N P Ca N P Ca N P Ca N P Ca

14 Perfil de solo Cambissolo e Neossolo. Os pomares foram instalados: Em solos de textura média ou argilosa, ácidos, com teor médio ou alto de M.O., pobres em P e alta disponibilidade de K; Em solos de textura arenosa, com baixo teor de M.O. e baixa fertilidade natural. Cambissolo Neossolo Fonte: Embrapa (2006).

15 Recomendação atual de adubação e calagem para a videira no RS e SC (CQFS-RS/SC, 2004)

16 Etapas do sistema de recomendação Amostragem de solo ou tecido Análise em laboratório Interpretação do laudo Recomendação de insumos

17 Amostragem de solo Época de coleta? - Áreas a ser implantado: 2 a 3 meses antes da implantação

18 Local de coleta? - Considerar o modo de adubação

19 Procedimento de amostragem Áreas diferentes

20 1. Separar áreas homogêneas 2. Profundidade de solo a coletar a) De 0 a 20 cm - antes da implantação do pomar - após a implantação do pomar b) De 20 a 40 cm - se necessário antes da implantação do pomar

21 Amostragem de tecido Por que analisar as folhas? - Existe relação entre o suprimento de nutrientes e os níveis destes nos órgãos da planta, e aumentos ou decréscimos nas concentrações se relacionam com as produções mais altas ou mais baixas, respectivamente.

22 Folhas recém-madura mais nova, contada a partir do ápice dos ramos da videira, retirando um total de 100 folhas

23 Cuidados? - Homogeneidade - Época de coleta - Tipo de tecido - Folhas sadias - Não coletar após pulverizações - Guardar em sacos de papel

24 Problemas da Análise foliar A planta absorve nutrientes durante todo ciclo Os nutrientes se distribuem de maneira diferente na planta Ocorre consumo de luxo nas plantas A análise serve só para o próximo ciclo ou cultivo Sempre adubamos o solo e não a planta Análise foliar funciona - para plantas perenes (maçã, pêssego, citrus, etc.) - com calibração de muitos anos

25 Recomendações de adubação e calagem para o RS e SC Evolução - Conhecimentos empíricos dos agricultores - Resultados de pesquisas de tradicionais regiões produtoras de frutas do mundo - CFS - NRS - CQFS - NRS (2004)

26 1976 1ª Recomendação oficial para videira

27 Cadernetas de bolso Tentativa de simplificação da recomendação

28 As recomendações eram as mesmas de 1981

29 1995 Análise do solo era utilizada para adubações de préplantio crescimento e manutenção

30 2004 A análise do solo serve para: Estimar a dose de calcário para atingir ph 6,0 Definir doses de nitrogênio para crescimento

31 A análise do solo serve para: Definir doses de pré-plantio Monitoramento da fertilidade Fósforo e potássio

32 Adubação de manutenção é baseada na interpretação dos teores de nutrientes nas folhas e produtividade esperada

33 Adubação de manutenção é baseada na interpretação dos teores de nutrientes nas folhas e produtividade esperada

34 Adubação de manutenção é baseada na interpretação dos teores de nutrientes nas folhas e produtividade esperada

35 Relação entre ph-h 2 O do solo e disponibilidade de nutrientes. Disponibilidade Al +3 Faixa ótima N, P, K, Ca, Mg Zn, Cu, Mn, Fe o 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 7,5 ph em água o Fonte: Adaptado de Sousa et al. (2007).

36 Classificação de espécies em relação ao ph em água do solo. ph em água de referência ph 6,5 Alfafa, aspargo, piretro. Culturas ph 6,0 Abacateiro, abóbora, alface, alho, ameixeira, amendoim, arroz de sequeiro, aveia, bananeira, batata-doce, beterraba, brócolo, cana-de-açúcar, canola, caquizeiro, cebola, cenoura, cevada, citros, leguminosas de estação fria, macieira, pessegueiro, videira... outras culturas. ph 5,5 Abacaxizeiro, acácia negra, amoreira-preta, arroz irrigado no sistema de semeadura em solo seco, batata, bracatinga, capim elefante, carqueja, coentro, curcuma, erva-doce, eucalipto, funcho... outras culturas. Fonte: Adaptado CQFS RS/SC (2004).

37

38 Então... Área: mantida em sistema de cultivo convencional. Nome: Fulano de Tal Município: Campos Novos Registro Laudo de Análise de Solo Identificação da amostra Área Sistema de cultivo Camada, cm 1 Gleba 1 4,2 Convencional 0-20 Cultura a ser implantada: Pessegueiro Diagnóstico para calagem do solo Reg. ph água 1:1 Ca Mg Al H+Al CTC efetiva Saturação (%) N cmolc dm Al Bases SMP 1 5,4 1,8 0,9 3,1 8,7 5, ,4 ph de referência para a cultura 6,0 Diagnóstico para recomendação de NPK Reg. % MO m/v Argila m/v P-Mehlich mg dm 3 P-resina CTC ph 7,0 cmolc dm 3 K mg dm 3 1 4, x 14,4 65 Laboratório de Análises de Solo Epagri/Cepaf Chapecó/SC CEP Vinculado a ROLAS RS e SC É preciso aplicar calcário? Eng. Agr. Nonono Nononono CREA Responsável técnico

39 3) Interpretação de resultados Interpretação dos indicadores de acidez do solo Tomada de decisão da necessidade de calagem e dose: Necessidade de calagem: - ph em água < 6,0 e - Saturação da CTC ph 7,0 por bases <80%. Dose de calcário: - Definida pelo Índice SMP, para se obter valores de ph em água de 6,0.

40 Quantidade de calcário necessária para elevar o ph em água do solo. Índice SMP ph em água desejado 5,5 6,0 6, t/ha ,4 15,0 21,0 29,0 4,5 12,5 17,3 24,0 4,6 10,9 15,1 20,0 4,8 9,6 13,3 17,5 4,9 8,5 11,9 15,7 5,0 7,7 10,7 14,2 5,1 6,6 9,9 13,3 5,2 6,0 9,1 12,3 5,3 5,3 8,3 11,3 5,4 4,8 7,5 10,4 5,5 4,2 6,8 9,5 5,6 3,7 6,1 8,6 Continua... Fonte: CQFS RS/SC (2004)

41 Critérios atuais para recomendação de adubação em frutíferas temperadas; Análise do total de nutrientes no tecido Expectativa de produção Crescimento de ramos Fonte: CQFS- RS/SC (2004).

42 Diagnóstico da fertilidade do solo e do estado nutricional em frutíferas É realizado pelo enquadramento dos resultados da análise de solo ou de partes das plantas, em faixas de disponibilidade. Tipos de adubação: Pré-plantio Crescimento Manutenção Class e Rendimento relativo (%) % argila Muito baixo mg fósforo dm -3 Baixo Médio Alto Nível de suficiência Muito alto 1 > > > >25 4 < >42 Solos alagados >12 Fonte: CQFS- RS/SC (2004).

43 Adubação de Manutenção Adubação fosfatada em macieira Teor de P na folha Interpretação do teor de P no solo Fósforo Produtividade (t ha -1 ) < 50 > 50 % Kg de P 2 O 5 ha < 0,15 > 0,15 Muito baixo, Baixo e Médio Alto ou Muito Alto Muito baixo, Baixo e Médio 0 20 Alto ou Muito Alto 0 0 Fonte: CQFS- RS/SC, 2004.

44 Critérios de predição de adubação e calagem e interpretação de seus resultados em frutíferas em SC e no RS A predição da adubação de pré-plantio, crescimento e manutenção é estabelecida com base: Análise de solo Análise de tecido Crescimento vegetativo Produtividade esperada Análise de fruto (algumas frutíferas)

45 Análise de solo Tem sido o método mais eficiente na avaliação da disponibilidade de nutrientes. Fases: 1ª Coleta de amostras 2ª Análise química 3ª Interpretação resultados analíticos 4ª Recomendações (ex.: Adubação)

46 Teores de nutrientes no solo Para as espécies frutíferas os teores de fósforo e potássio extraíveis no solo são usados para a adubação de préplantio e manutenção. Na videira, os teores de nutrientes no solo são considerados apenas na adubação de pré-plantio

47 Análise de tecido Permite a avaliação da disponibilidade de nutrientes na planta... Porém... Teor de nutrientes Teor de nutrientes Disponibilidade de água N P Fe K Cu B Cl Ca

48 1º)Coleta de tecido Tipo do material (ex.: folha completa, pecíolo, etc...) Local de coleta Época de coleta Quantidade 2º Análise química Secagem moagem Análise do total de nutriente

49 3º) Interpretação de resultados Os resultados obtidos na análise de tecido são enquadrados em faixas de interpretação. Interpretação de resultados em videira Material Interpretação Macronutrientes N P K Ca Mg % Rel. K/Mg Insuficiente < 0,4 < 0,009 < 0,8 < 0,5 < 0,15 < 1 Abaixo do normal 0,4-0,65 0,09-0,15 0,8-1,5 0,5-1,0 0,15-0, Pecíolo Normal 0,66-0,95 0,16-0,25 1,51-2,5 1,01-2,0 0,26-0, Acima do normal 0,96-1,25 0,26-0,40 2,51-3,5 2,01-3,0 0,51-0, Excessivo > 1,25 > 0,40 > 3,5 > 3,0 > 0,70 > 10 Folhas completas Abaixo do normal < 1,6 < 0,12 < 0,8 < 1,6 < 0,2 - Normal 1,6-2,4 0,12-0,40 0,8-1,6 1,6-2,4 0,2-0,6 - Acima do normal > 2,4 > 0,4 > 1,6 > 2,4 > 0,6 - Fonte: CQFS - RS/SC, 2004.

50 Análise de fruto Coleta e análise Necessidade de padronizar - Número de frutos por amostra - Época de coleta - Diâmetro de frutos - Protocolo de análise (Ex.: Lavagem, local amostragem no fruto, etc...) Distúrbio fisiológico r Teor nutrientes

51 Crescimento vegetativo Crescimento de ramos Diluição de nutrientes Disponibilidade de N r Coloração

52 Teor de N na folha Adubação nitrogenada em pessegueiro Crescimento dos ramos do ano (cm) < 30 > 30 Produtividade (t/ha) Produtividade (t/ha) < 20 > 20 < 20 > 20 % Kg de N ha < 1, ,90-2, ,58-3, ,26-3,90 MDAA ADUAA DMAA MDAA 3,91-4,53 STAP DMAA 0 STAP > 4, MDAA = mesma dose do ano anterior; ADUAA = aumentar a dose usada no ano anterior; DMAA = dose menor que o ano anterior; STAP = suspender todas ou algumas parcelas. Fonte: CQFS - RS/SC, 2004.

53 Plantas que co-habitam os vinhedos Proteção do solo contra o impacto da gota da chuva Foto: Brunetto (2008).

54 Potássio Influência diâmetro dos ramos fertilidade das gemas composição do fruto Deficiência

55 Influência Magnésio Absorção K Absorção Ca e Mg

56 Influência Boro

57 Videira: Boro

58 Tipos de adubação Pré-plantio: Corrigir deficiência de nutrientes no solo Crescimento: Promover o desenvolvimento das raízes e o crescimento vegetativo Manutenção: Sustentar o crescimento vegetativo e repor os nutrientes exportados

59 Exemplo: Videira Calagem - Adicionar a quantidade de calcário indicada pelo índice SMP para atingir ph 6,0 Modo de aplicação Antes da implantação - Aplicação da metade da dose de calcário - Subsolagem - Limpeza da área - Aração e gradagem - Aplicação da segunda metade da dose de calcário - Gradagem - Plantio das videiras

60 Maçã

61 Relação entre adubação de frutíferas temperadas, produção, qualidade de frutos e impacto ambiental Necessidade e dose do fertilizante? Produtividade de frutos CO 2 Crescimento de ramos Teor de nutriente na folha e fruto Escoamento Volalização Reserva interna de nutrientes Queda de folhas e ramos Resíduos de plantas co-habitam Lixiviação Teor de nutrientes no solo Critérios atuais de predição Critérios alternativos Perdas

62 Referências BISSANI, C.A.; GIANELLO, C.; TEDESCO, M.J. & CAMARGO, F.A.O. (Ed.) Fertilidade dos Solos e Manejo da Adubação de Culturas. Porto Alegre: Genesis, p. BOHNEN, H. Acidez do solo: Origem e correção In: KAMINSKI, J. (Ed.). Uso e corretivos da acidez do solo no plantio direto. Pelotas, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo - Núcleo Regional Sul, 2000, v. 4, p COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO - RS/SC. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10. ed. Porto Alegre: SBCS - Núcleo Regional Sul/UFRGS, p. ERNANI, P. R. Química do Solo e disponibilidade de Nutrientes. Lages, p. KAMINSKI, J.; RHEINHEIMER, D. S.; GATIBONI, L.; BRUNETTO, G. & SAGGIN, A. Eficiência da calagem superficial e incorporada em um Argissolo sob sistema plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 29, p , KAMINSKI, J.; SILVA, L. S.; CERETTA, C. A. & RHEINHEIMER, D. S. Acidez e calagem em solos do Sul do Brasil: Aspectos históricos e perspectivas futuras. In: CERETTA, C. A.; SILVA, L. S. & REICHERT, J. M. (Eds.). Tópicos em Ciência do Solo. Viçosa, MG, SBCS, 2007, v. 1, p KAMINSKI, J.; VOLKWEISS, S. J. & BECKER, F. C. Anais do II Seminário sobre corretivos da acidez do solo. Santa Maria: UFSM/DS, p. MEURER, E. J. (Ed.). Fundamentos de Química do Solo. P. Alegre: Genesis, p. SOUSA, D. M. G.; MIRANDA, L. N. & OLIVEIRA, S. A. Acidez do Solo e sua correção. In: NOVAIS, R. F.; ALVAREZ, V. H.; BARROS, N. F.; FONTES, R. L.; CANTARUTTI, R. B.; NEVES, J. C. L. Fertilidade do Solo. Viçosa, MG, SBCS, 2007, v. 1, p

63

Acidez do solo e calagem. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com

Acidez do solo e calagem. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Acidez do solo e calagem Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Aula 2: Parte 1 - Acidez do Solo Acidez do solo. Significado da acidez do solo - Efeito direto e indireto. Tipos de

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Objetivos: ANÁLISES QUÍMICAS DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS

ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Objetivos: ANÁLISES QUÍMICAS DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS Prof. Clovis Orlando Da Ros Objetivos: Identificar os principais métodos utilizados para análises de tecido vegetal e de resíduos agroindustriais;

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

CALAGEM -Aula passada. Acidez do solo. . Significado da acidez do solo -Efeito direto e indireto

CALAGEM -Aula passada. Acidez do solo. . Significado da acidez do solo -Efeito direto e indireto CALAGEM DO SOLO CALAGEM -Aula passada Acidez do solo. Significado da acidez do solo -Efeito direto e indireto. Tipos de acidez do solo -Acidez ativa e potencial -Tipos de acidez potencial e estimativa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução Agricultura de precisão voltada à melhoria da fertilidade do solo no sistema plantio direto R.B.C. DELLAMEA (1), T.J.C. AMADO (2), G. L. BELLÉ (), G.T.LONDERO (4), R.J. DONDÉ (4). RESUMO - O sistema de

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos

Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos e repolho Prof. Dr. Renato de Mello Prado Prof. Dr. Arthur B. Cecílio Filho Depto. Solos e Adubos Depto de Produção Vegetal rmprado@fcav.unesp.br rutra@fcav.unesp.br

Leia mais

Fósforo e adubação fosfatada. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com

Fósforo e adubação fosfatada. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Fósforo e adubação fosfatada Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Aula 3: Fósforo e adubação fosfatada Fósforo na planta Fósforo no solo Avaliação da disponibilidade de fósforo

Leia mais

Nutrição e adubação dos citros

Nutrição e adubação dos citros Nutrição e adubação dos citros Material Engº Agrº Derli Paulo Bonine Emater -Ascar Regional Estrela Apresentação Eng Agr Marcos José Schäfer Emater Ascar - Harmonia PROPRIEDADES DOS SOLOS BIOLÓGICAS FÍSICAS

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI PROF. DR. MÁRCIO CLEBER DE MEDEIROS CORRÊA Departamento de Fitotecnia Centro de Ciências Agrárias Universidade Federal do Ceará Fortaleza - CE III Simpósio

Leia mais

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Fertilização da Batateira Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Necessidade de Adubação na Cultura da Batata Adubação X Custo de produção 30% dos Insumos 20% do custo total Extração da batateira Para

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja Alimento de importância mundial Continente asiático maior produtor (80%) Brasil 9º país produtor RS - 70% da produção nacional Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja CONAB Nitrogênio é bastante

Leia mais

MANUAL DE ADUBAÇÃO EDECALAGEM PARA OS ESTADOS DO RIO GRANDE DO SUL E DE SANTA CATARINA

MANUAL DE ADUBAÇÃO EDECALAGEM PARA OS ESTADOS DO RIO GRANDE DO SUL E DE SANTA CATARINA MANUAL DE ADUBAÇÃO EDECALAGEM PARA OS ESTADOS DO RIO GRANDE DO SUL E DE SANTA CATARINA Sob a responsabilidade da Comissão de Química e Fertilidade do Solo (Núcleo Regional Sul, Sociedade Brasileira de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Djalma M. Gomes de Sousa Lourival

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Absorção e adubação foliar

Absorção e adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL320 Absorção e adubação foliar Prof. Volnei Pauletti VIDA VEGETAL - começou no mar, durante o processo evolutivo as folhas não

Leia mais

Absorção e Adubação foliar

Absorção e Adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo Absorção e Adubação foliar Prof. Volnei Pauletti UFPR ADUBOS FLUÍDOS - Absorção

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO N 1 ACIDEZ DO SOLO E CALAGEM

BOLETIM TÉCNICO N 1 ACIDEZ DO SOLO E CALAGEM BOLETIM TÉCNICO N 1 ACIDEZ DO SOLO E CALAGEM Alfredo Scheid Lopes Marcelo de Carvalho Silva Luiz Roberto Guimarães Guilherme Janeiro de 1991 ANDA Associação Nacional para Difusão de Adubos São Paulo SP

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense

Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense Antonio Carlos Ferreira da Silva 1, Luiz Augusto Martins Peruch 2 e Darci Antonio Althoff

Leia mais

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Mandioca e Fruticultura USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Ana Lúcia Borges Pesquisadora da Embrapa Erval Rafael Damatto Junior Pesquisador científico da APTA Manejo sustentável

Leia mais

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ CIRCULAR N. 128 ISSN 0100-3356 AGOSTO/2003 SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ Coordenação: Edson Lima de Oliveira INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ - LONDRINA

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil jose.ronaldo@embrapa.br www.embrapa.br/cnps Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil Presidente Prudente 2014 José Ronaldo de Macedo Embrapa

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo 1 ISSN 0100-6460 Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados

Leia mais

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html Coleta e Interpretação de Análise de Solo Cláudia Pombo Sudré Junho/2011 Coleta Glebas homogêneas Ziguezague Evitar Formigueiros Esterco Material de construção Vegetação diferente Relevo Coleta 0-20 cm

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

10/12/2015. 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016 TecnoShow Comigo 2016

10/12/2015. 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016 TecnoShow Comigo 2016 1 de 7 10/12/2015 13:34 a Esqueceu a senha? Quero me cadastrar 10/12/2015 Palavra-chave Busca Avançada 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO Antonio Marcos Coelho e Gonçalo Evangelista de França, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo INTRODUÇÃO Apesar de o alto potencial produtivo da cultura do milho, evidenciado por produtividades de 0 e

Leia mais

USO DO SOLO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS PARA O CULTIVO DE PERENES

USO DO SOLO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS PARA O CULTIVO DE PERENES USO DO SOLO EM SISTEMS CONSERVCIONISTS PR O CULTIVO DE PERENES Pedro ntonio Martins uler Eng. gr., Dr., Pesquisador - IPR Área de Fitotecnia / Fruticultura III Reunião Paranaense de Ciência do Solo Londrina,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido*

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* 1 Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* Paulo Espíndola Trani Instituto Agronômico, Centro de Horticultura, Campinas (SP). petrani@iac.sp.gov.br * Campinas (SP), março de 2014 INTRODUÇÃO

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO 1. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 2. DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 3. ABSORÇÃO FOLIAR E PRINCÍPIOS

Leia mais

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Boletim n 30 ano III Fevereiro 2013 FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ACIDEZ DOS SOLOS E CORRETIVOS Dando continuidade na série de reportagens abordaremos sobre a acidez do solo e alumínio tóxico e a correção

Leia mais

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS SISTEMS DE PREPRO DE SOLO E MNEJO DE COBERTUR MORT EM POMRES DE CITROS Pedro ntonio Martins uler Pesquisador - IPR Área de Fitotecnia aulerpe@iapar.br 35ª Semana da Citricultura Cordeirópolis, 5 de junho

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 CHERUBIN, M. R. 2 ; AMARAL, A. 3 ; MORAES, M. T. 2 ; FABBRIS, C. 2 ; PRASS, M.

Leia mais

Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz

Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz ISSN 1678-9636 Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz 75 Introdução Para o crescimento e produção das culturas são necessários 16 nutrientes denominados essenciais. São

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas Prof.

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) BPUPs para MILHO Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Área Milho Segunda Safra - Brasil 2012 Parte da segunda safra não é milho safrinha Fonte: IBGE Fonte: Fonte: Conab Conab Fonte:

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Amostragem do solo A recomendação de adubação e de calagem baseia-se principalmente na análise de solo

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas INTRODUÇÃO 1 Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas Discente: Samuel Luan Pereira Docente: Marcela Nery O desenvolvimento da agropecuária, em termos de manejo, material genético e tecnologias, força

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

Tabela 2 MODELO da análise química de solo da UFPR

Tabela 2 MODELO da análise química de solo da UFPR Tabela 2 MODELO da análise química de solo da UFPR ph ph SMP Al (H + Al) ou H Ca Mg K P dispo nível C Fe Mn Zn Cu B S Na EC SB CTC efetiva CTC ph 7 V % m % Ca % Mg % K % MO Ca/Mg Tabela 2 MODELO da análise

Leia mais

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes em Assentamentos Rurais de Santa Catarina/Brasil EJE: Ciencia, Tecnología y Sociedad AUTORES: Msc. Marina Bustamante Ribeiro Prof. Dr.

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE. Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater

EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE. Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater Abordagem Aspectos qualitativos no SPDP; Perdas no sistema (nutrientes); Variabilidade horizontal e vertical;

Leia mais

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens PARANÁ 71 municípios 27 extensionistas 306 propriedades assistidas SANTA CATARINA 16 municípios 04

Leia mais

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, om Jesus da Lapa, ahia A utilização de solos de baixa fertilidade e a não manutenção de níveis adequados

Leia mais

ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE

ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE Matheus Collet Tambosi 2, Cristiano Reschke Lajús 1, Ernandes Manfroi 2, Odair José Niederle 2, Giovanni

Leia mais

3. AMOSTRAGEM DO SOLO

3. AMOSTRAGEM DO SOLO 3. AMOSTRAGEM DO SOLO Reinaldo Bertola Cantarutti 1 Victor Hugo Alvarez V. 2 Antônio Carlos Ribeiro 3 3.1. Introdução A amostragem do solo é a primeira e principal etapa de um programa de avaliação da

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MACRONUTRIENTES EM POMAR FERTIRRIGADO DE LARANJA VALÊNCIA UTILIZANDO O DRIS-CITROS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MACRONUTRIENTES EM POMAR FERTIRRIGADO DE LARANJA VALÊNCIA UTILIZANDO O DRIS-CITROS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MACRONUTRIENTES EM POMAR FERTIRRIGADO DE LARANJA VALÊNCIA UTILIZANDO O DRIS-CITROS LUIZA HELENA DUENHAS 1 ; MARCUS VINÍCIUS ARAÚJO MELLO DE OLIVEIRA 2 ; MARCELO DOMINGOS CHAMMA

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO

CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO Prof. Leandro Souza da Silva Prof. Carlos Alberto Ceretta Prof. Danilo R. dos Santos Aula 1 Bases conceituais à fertilidade do solo Fertilidade do solo Solo -Sistema

Leia mais

Paulo G S Wadt Embrapa Acre

Paulo G S Wadt Embrapa Acre Análise foliar para recomendação de adubação em culturas agrícolas Paulo G S Wadt Embrapa Acre Análise Química de Solos funciona bem para muitos nutrientes importantes outros nutrientes podem ser fornecidos

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução Comunicado Técnico Novembro, 76 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Patricia Perondi A. de Oliveira Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu Patricia

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição da Mangueira FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA Francisco Maximino Fernandes 1 e Vinício Martins do Nascimento 1 1. INTRODUÇÃO A mangueira (Mangifera indica L.)

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410 I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 21 Página 41 ADUBAÇÃO DA MAMONEIA DA CULTIVA BS NODESTINA EM CONDIÇÕES DE SEQUEIO 1 Valdinei Sofiatti 1 ; Tarcisio Marcos de Souza Gondim

Leia mais