Cristiano Dias Pires. A Gestão Ambiental e os seus Benefícios. Econômico-Financeiros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cristiano Dias Pires. A Gestão Ambiental e os seus Benefícios. Econômico-Financeiros"

Transcrição

1 Cristiano Dias Pires A Gestão Ambiental e os seus Benefícios Econômico-Financeiros Monografia apresentada para obtenção do Certificado de Especialização pelo Curso de Pós Graduação MBA em Gerência Financeira e Controladoria do Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretariado ECASE da Universidade de Taubaté. Área de Concentração: MBA em Gerência Financeira e Controladoria Orientador: Prof. Mestre Mario Celso de Felippe Co-Orientador: Prof. Dr. Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira Taubaté SP 2003

2 2 CRISTIANO DIAS PIRES A GESTÃO AMBIENTAL E OS SEUS BENEFÍCIOS ECONÔMICO-FINANCEIROS UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ, TAUBATÉ, SP. Data: Resultado: COMISSÃO JULGADORA Prof. Mestre Mario Celso de Felippe - UNITAU Assinatura: Prof. Dr. Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira - UNITAU Assinatura: Prof. Mestre Norio Ishisaki-UNIP Assinatura:

3 Dedico este trabalho à minha esposa e filho, pela compreensão dos inúmeros momentos que não foi possível dedicarlhes atenção. 3

4 4 Agradecimentos Primeiramente a Deus, por dar-me a vida, saúde e coragem para ingressar na difícil busca por conhecimentos. Ao Prof. Mestre Mario Celso de Felippe, que aceitou o desafio de orientar e conduzirme com seus conhecimentos e paciência na formação de mais uma etapa da minha existência. Meu eterno agradecimento. Ao Prof. Dr. Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira que me deu a oportunidade de ingressar neste MBA, e me co-orientou na realização desta Monografia. Meu reconhecimento eterno. Um agradecimento especial à minha família que, mesmo não atuante, sempre me deu forças para continuar no caminho dos estudos e desta forma concluir mais uma etapa da minha formação. Este trabalho representa os esforços de pessoas que, direta ou indiretamente, muito contribuíram para a sua realização. A todos sou imensamente grato.

5 5 PIRES, Cristiano Dias. A Gestão Ambiental e os seus Benefícios Econômico- Financeiros p. Monografia (Especialização, MBA - Gerência Financeira e Controladoria) - Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretariado - ECASE, Universidade de Taubaté, Taubaté. Resumo A globalização da economia, a legislação ambiental e a conscientização da sociedade estão, atualmente, forçando as empresas a adotarem uma postura responsável perante o meio ambiente, ou seja, produzir sem degradar à natureza. Para isto, elas estão investindo na Gestão Ambiental de acordo com as normas da série ISO Com a Gestão Ambiental muitas empresas perceberam que esse investimento vai além das pressões externas e sim poderá trazer vários benefícios, pois o retorno na área ambiental pode ser maior do que outros investimentos. Através de três exemplos de empresas que investiram em projetos de proteção ambiental foi possível verificar que a sua TIR (Taxa Interna de Retorno) é superior a taxa Selic e a remuneração da poupança. Este é o objetivo desta pesquisa que pretende discutir a respeito da Gestão Ambiental e os seus benefícios econômico-financeiros para as empresas que nela investem. O trabalho foi desenvolvido através de uma pesquisa exploratória em revistas especializadas, periódicos, livros, internet e outras publicações relacionadas ao tema. Palavra chave: Gestão Ambiental, Benefícios Econômico-financeiros, Taxa Interna de Retorno.

6 6 PIRES, Cristiano Dias. The Environment Management and its Benefits Economic- Financial p. Monographic (Specialization, MBA Financiered Management and Controller) - Department of Economic, Accountability, Administration and Secretariat - ECASE, Universities in Taubaté, Taubaté. Abstract The globalization of the economy, the legislation and the society awareness are actually madding the companies to be more responsible for the environment so as to produce without degrades the nature. They are investing in environment management to agree with ISO rules. Many organizations realized that this investment would go throw external pressures and could bring out many benefits and also the return in this area could be bigger than other one. With three examples of companies that have invested in protecting environment projects was possible to verify that their TIR is higher than Selic tax and savings bank. This research has for objective to discuss about the environment management and its benefits economic-financial to the companies that has invested on it. The work was developed throw an explorer research on especial magazines, periodicals, books, Internet and others publications related to the theme. Keywords: Environment Management, Economic-Financial Benefits, Return Over Investment.

7 7 Sumário Resumo...5 Abstract...6 Sumário...7 Lista de Tabelas...8 Lista de Figuras...9 Lista de Quadros INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA QUESTÃO AMBIENTAL HISTÓRICO DAS RELAÇÕES ENTRE ECONOMIA E MEIO AMBIENTE A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A QUESTÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE ECONÔMICO GESTÃO AMBIENTAL DEFINIÇÕES DA GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS E FINALIDADES DA GESTÃO AMBIENTAL TAREFAS E ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO AMBIENTAL CERTIFICAÇÃO ISO SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) ISO O ATUAL ESTÁGIO DE CERTIFICAÇÃO SGA ISO BENEFÍCIOS OBTIDOS COM A SGA ISO BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS AS INTITUIÇÕES FINANCEIRAS FRENTE A GESTÃO AMBIENTAL OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NA GESTÃO AMBIENTAL RECICLAGEM ÀGUA NOVAS TECNOLOGIAS VANTAGENS COMPETITIVAS NOVOS MERCADOS O EXEMPLO DA VOLKSWAGEN O EXEMPLO DA BAHIA SUL O EXEMPLO DA CIA. IGUAÇU DE CAFÉ SOLUVEL ANÁLISE DE DADOS CONCLUSÃO...64 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...66

8 8 Lista de Tabelas Tabela 1: Relação TIR x Selic...63

9 9 Lista de Figuras Figura 1: : Mudanças na Empresa através da conscientização Ambiental...29 Figura 2: Ciclo PDCA para o Sistema de Gestão Ambiental ISO Figura 3: Quantidade de certificações ISO na América Latina...44 Figura 4: Impacto Ambiental...48 Figura 5: Benefício da Prevenção...48

10 10 Lista de Quadros Quadro 1: Esquema simplificado da representação organizacional do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA)...22 Quadro 2: Benefícios da Gestão Ambiental...30 Quadro 3: : Lista de normas da série ISO Quadro 4: Os 17 elementos da ISO

11 INTRODUÇÃO Sabe-se que a gestão ambiental vem ganhando importância no meio empresarial. O desenvolvimento da consciência ecológica em diferentes camadas e setores da sociedade mundial acaba por envolver também o setor empresarial. Ainda assim, não se pode afirmar que todos os setores já estão conscientizados da importância da gestão dos recursos naturais. Entretanto, segundo alguns autores, existem indicativos de que tem crescido o nível de preocupação com as questões ambientais no setor empresarial brasileiro, mas a incorporação da variável ambiental por parte de alguns empresários ainda se limita às exigências da legislação relativa ao meio ambiente e da fiscalização do poder público. A introdução da variável ambiental na gestão das empresas tem estado sujeita ainda a muitos fatores de ordem política e conjuntural. Segundo alguns autores as contradições geradas pelos inúmeros desníveis da sociedade brasileira, bem como a imposta inserção no processo de globalização, faz da variável ambiental um fator determinante em alguns setores, mas não em outros (FARIA, 2000). Isto significa que alguns setores empresariais têm motivos mais determinantes para realizarem investimentos em gestão ambiental. Pode-se afirmar que a maior parte das empresas instaladas no Brasil, e ligadas ao mercado internacional, têm como demanda competitiva ou até mesmo de sobrevivência a adoção de algum tipo de gestão ambiental. E por terem razões mercadológicas mais fortes para investirem nessa área acabam sendo pioneiras. Uma vez que existem fatores conjunturais, macroeconômicos e políticos que determinam a adoção de Sistemas de Gestão Ambiental, seja de que espécie for, pelo segmento empresarial, a mudança destes fatores interfere no número de empresas que investem em gestão ambiental. Mas, ainda que alguns setores não estejam atentos às demandas do mercado, a tendência de maiores investimentos por parte do setor empresarial em gestão ambiental é dada pela própria conscientização crescente por parte de consumidores, governos, empresas, organizações não governamentais, ou seja, por parte de toda sociedade a respeito dessa questão. Muitas vezes os investimentos em gestão ambiental são direcionados por fatores competitivos, mas existem fatores diversos que determinam a realização de investimento em gestão ambiental por parte das empresas, dependendo de sua realidade.

12 12 O setor empresarial brasileiro despertou para importância e necessidade de produzir adequando-se à preservação ambiental, quando: Houve a criação de normas internacionais para a mensuração da qualidade ambiental, aliada à grande concorrência internacional exigindo a adequação ambiental das empresas multinacionais e de empresas exportadoras; Ocorreu uma modificação na legislação ambiental, que se tornou mais restritiva, ao mesmo tempo em que se intensificou a fiscalização; Tornou-se visível o grande mercado vinculado à proteção ambiental incluindo oportunidades de negócios como: produtos e equipamentos antipoluentes, equipamentos ligados a energias renováveis, equipamentos de saneamento básico, produtos rurais ligados à agricultura orgânica, setores que exportam para o primeiro mundo, reciclagem de materiais industriais e resíduos sólidos, entre outros (FARIA, 2000). Os investimentos em gestão ambiental são crescentes e os Sistemas de Gestão Ambiental são cada vez mais adotados por empresas nacionais e multinacionais. O número de organizações que já implantaram o sistema de Gestão Ambiental no Brasil vem aumentando principalmente com as certificadas pela Norma ISO Existe, então, na realidade um macro investimento em gestão ambiental. Estes investimentos crescentes podem ser explicados por vários fatores, entre os quais pode-se citar: maior conscientização da sociedade exigindo uma postura responsável do setor produtivo; legislação mais restritiva; competitividade e novas oportunidades com a abertura de novos mercados. Na verdade o desenvolvimento da questão ambiental e da conscientização das pessoas a respeito da escassez de recursos naturais leva a uma maior preocupação com as questões ambientais. Assim, empresários e até mesmo investidores que antes viam a gestão ambiental como mais um fator de aumento de custos do processo produtivo, se deparam com vantagens competitivas e oportunidades econômicas de uma gestão responsável dos recursos naturais. Modelos econômicos, métodos e princípios em outras áreas têm sido desenvolvidos para que se possa realizar uma análise econômica do meio ambiente,

13 13 porém são ainda pouco empregados, mesmo quando se tem uma urgência em utilizá-los, quando existe a consciência de que o desenvolvimento econômico deve ser sustentável. A maior preocupação ambiental visualizada atualmente é conseqüência de problemas concreì Á9 ø äá

14 14 bjbjýïýïäêÿ Ÿ ÿö Ëÿÿÿÿ ÿÿl 888ÔüH whwhwx xì Á9 ø äá

15 15 bjbjýïýïäêÿ Ÿ ÿö Ëÿÿÿÿ ÿÿl 888ÔüH whwhwx xre crescente. A situação atual do nível de conservação dos recursos naturais e as previsões para o futuro próximo não são positivas. Organizações como a ONU já apontaram, diversas vezes, números a este respeito. Pode-se citar, por exemplo, dados relacionados às reservas de água do Planeta: Dentro de 25 anos, aproximadamente, um terço da população mundial enfrentará graves desabastecimentos de água informou a Organização das Nações Unidas (RIBEIRO, 2000). Mudanças são necessárias para que estas previsões não se efetuem. Ainda que as mudanças envolvam toda a sociedade, o setor produtivo tem em suas mãos grandes responsabilidades que com a maior conscientização dos consumidores, serão cada vez mais exigidas deste setor, seja através de leis ou de mecanismos do próprio mercado. Torna-se claro que a mudança de consciência é necessária para que as sociedades atuais atinjam um desenvolvimento sustentável, e a grande responsabilidade a respeito deste desenvolvimento se encontra nas mãos do setor produtivo. Para as empresas que estão iniciando, por motivos diversos, a inclusão da variável ambiental em suas atividades, através da Gestão Ambiental, persistem algumas dúvidas. Este trabalho tem por objetivo discutir a respeito da Gestão Ambiental nas empresas industriais e os seus benefícios econômico-financeiros. Pretende, também, responder a algumas indagações referentes à gestão ambiental, entre as quais pode-se citar: A gestão ambiental traz resultados econômicos positivos aos empresários que nela investem? Como os resultados dos investimentos em gestão ambiental podem ser percebidos? O trabalho partiu de uma pesquisa exploratória, buscando embasamento teórico na literatura especializada com o intuito de responder a seguinte questão: como as empresas estão investindo em gestão ambiental e quais os seus benefícios?

16 16 O primeiro capítulo aborda a introdução do trabalho, bem como a importância tema, o objetivo da pesquisa e a metodologia aplicada. No segundo capítulo se trata a respeito da questão ambiental, a política e legislação ambiental brasileira, como também se dá um enfoque econômico a questão. O terceiro capítulo se refere à discussão a respeito da Gestão Ambiental, e se aborda os seus conceitos, objetivos, atribuições e definições. Também estão sendo tratadas as normas ISO e o Sistema de Gestão Ambiental, bem como o número atual de empresas certificadas pela ISO No quarto capítulo o trabalho mostra os benefícios alcançados com os investimentos em gerenciamento ambiental, dentre os quais se destacam os benefícios econômico-financeiros. Neste capitulo também se analisa os dados obtidos através de exemplos de três empresas que obtiveram retornos através desses investimentos. E, finalmente, o quinto capítulo apresenta a conclusão do trabalho.

17 EVOLUÇÃO DA QUESTÃO AMBIENTAL A partir da revolução industrial, ampliaram-se as possibilidades para as demandas humanas por bens e serviços, ao mesmo tempo em que o seu atendimento foi acelerado. Houve, então, uma maior disputa por recursos ambientais, quer pela sua aplicação na transformação em bem de consumo, quer pela sua utilização como corpo receptor dos resíduos de industrialização. Isso, associado ao crescimento populacional, fez com que se acentuasse a percepção da escassez e, conseqüentemente, a geração de conflitos. Tal situação adquiriu relevância mundial principalmente na segunda metade do século 20. Até a década de 1950, a preocupação com os impactos ambientais causados pelas diferentes atividades humanas era manifestada em textos isolados de alguns cientistas. A partir da década de 1960 a questão ambiental começa a ser discutida de forma mais ampla por outros segmentos da sociedade através do surgimento de movimentos ambientalistas, divulgação de casos de poluição contínua e de acidentes ambientais, preocupação na busca da qualidade ambiental formalizada em políticas de países industrialmente avançados, entre outras. Em 1968, a Conferência sobre Biosfera, realizada em Paris, marcou o início da conscientização ambiental no mundo, assim como a primeira Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em Estocolmo em junho de 1972, colocou a questão ambiental nas agendas oficiais de seus países participantes. Na Conferência de Estocolmo popularizou-se, então, a frase da primeira ministra da Índia, Indira Gandhi: A pobreza é a maior das poluições (BARBOSA, 2002). Foi nesse contexto que os países do hemisfério sul defenderam que a solução dos problemas relativos à poluição não era a de brecar o desenvolvimento para preservar o meio ambiente, bem como os recursos não-renováveis. As recomendações da Conferência sobre Biosfera foram tomadas por base para a Conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento realizada no Rio de Janeiro, em junho de Os documentos resultantes da Rio 92 foram a Carta da Terra (rebatizada de Declaração do Rio) e a Agenda 21 (BARBOSA, 2002). A Declaração do Rio visa promover acordos internacionais que respeitem os interesses de todos, protejam a integridade do meio ambiente, principalmente, promova o desenvolvimento sustentável. A Agenda 21 procura discutir soluções para os problemas atuais a fim de preparar o mundo para o próximo século tendo por objetivos

18 18 frear o processo de degradação ambiental através da implementação de programas, ações, bem como transformar em realidade os princípios da Declaração do Rio. Mas, para a implantação das premissas da Agenda 21, é necessário o comprometimento e a responsabilidade das empresas, principalmente as transnacionais, como também, dos governantes dos países periféricos ou dominantes, desta forma, é necessário que todos participem. Uma das prioridades de qualquer organização, na atualidade, é a preservação do meio ambiente. Este compromisso está descrito na Carta Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável aprovada no âmbito da Câmara de Comércio. A referida carta considera que as grandes organizações devem ser a força propulsora do desenvolvimento sustentável, assim como fonte da capacidade de gestão dos recursos técnicos, financeiros, objetivo comum entre desenvolvimento e preservação ambiental, tanto para o momento presente como para as gerações futuras. Em 2002 foi realizada uma nova reunião, a da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 10), sendo realizada em Johannesburgo, na África do Sul, entre 26 de agosto a 4 de setembro. Esta reunião, durante sessão especial da Assembléia Geral das Nações Unidas, percebeu existirem diversas lacunas nos resultados da Agenda 21 como também a necessidade de ratificar e implementar, de forma mais eficiente, as convenções, acordos internacionais referentes ao meio ambiente e o desenvolvimento, sobretudo em relação aos temas eqüidade social e a redução da pobreza. Teve por objetivo renovar compromissos políticos, revelar áreas da Agenda 21 que necessitavam de revisão e identificar novos problemas surgidos nos últimos 10 anos e, portanto, não previstos na Rio 92. Como resultados do processo negociador entre 193 países, obteve-se: Uma declaração política expressando novos compromissos e os rumos para a implementação do desenvolvimento sustentável; Um programa de ação, denominado Plano de Implementação, negociado para orientar a concretização dos compromissos assumidos pelos governos. O Plano de Implementação consiste num documento de 65 páginas, com o seguinte conteúdo temático:

19 19 I Introdução; II Erradicação da Pobreza; III Mudança de Padrões Insustentáveis de Produção e Consumo; IV Proteção e Gestão de Recursos Naturais com Base no Desenvolvimento Econômico e Social; V Desenvolvimento Sustentável no Mundo Globalizado; VI Saúde e Desenvolvimento Sustentável; VII Desenvolvimento Sustentável e Economias Menores; VIII Desenvolvimento Sustentável para a África; VII Outras Iniciativas Regionais; IX Meios de Implementação; e X Governança. Este conjunto de temas deu origem a um conjunto de 152 parágrafos de recomendações, sendo que nesta reunião foram elaborados planos e metas para que os países e suas empresas busquem um desenvolvimento econômico sem que haja uma destruição dos recursos naturais e assim o desenvolvimento sustentável se torne uma realidade. Alguns países já se adiantaram incentivando mudanças em seus produtos, serviços e processos produtivos, adequando-os às necessidades do meio ambiente. Desta forma, fica evidenciada a preocupação dos governantes, agentes econômicos, e da sociedade como um todo, em preservar o planeta em que vivem e dele tiram os recursos necessários para a sobrevivência HISTÓRICO DAS RELAÇÕES ENTRE ECONOMIA E MEIO AMBIENTE As constantes e múltiplas necessidades da humanidade são ilimitadas. Os bens da natureza são, por sua vez, limitados. A satisfação dessas necessidades e a disputa pelos bens da natureza definem a essência da questão ambiental que se intensifica gradativamente em relação à economia. A relativa abundância dos bens naturais, incluídos os mais básicos, como a água, o ar e o solo adiou por bastante tempo a noção de sua limitação. Quando os recursos são limitados, o problema da conciliação do interesse individual com o interesse coletivo fica salientado. O mesmo acontece no plano internacional, em relação a interesses nacionais e interesses de todos os Estados. Desde a revolução industrial até os anos 90 estes interesses foram marcados por revisões, avaliações do desempenho ambiental das

20 20 organizações e a introdução dos conceitos de auditoria ambiental, sistema de gestão ambiental e certificação. Segundo BORGER (apud FARIA, 2000): A teoria da economia do desenvolvimento e o meio ambiente foram elaboradas nos últimos 20 anos por vários economistas, como Baumol e Oates (The Theory of Environmental Policy, 1985), Pearce (Environmental Economics, 1976). Eles atualizaram as contribuições históricas realizadas desde o início do século, como o conceito de economias externas, por Marshall; o conceito de poluição como externalidade desenvolvido por Arthur Pigou, na década de 20; os estudos analíticos sobre a depreciação das reservas de carvão e metal como recursos exauríveis, e também a análise acerca dos limites do crescimento e a consciência de que o crescimento econômico não traz somente bem-estar, já que a industrialização afeta a qualidade de vida das pessoas, preocupação levantada por John Stuart Mill em Entre as causas da degradação ambiental estão as distorções econômicas decorrentes da não incorporação dos valores ambientais nas decisões econômicas. A avaliação econômica do meio ambiente surgiu com o propósito de incorporar os custos e benefícios proporcionados por ele, para que o preço de mercado reflita a escassez real de um bem e, também, para compreender os custos e benefícios dos projetos, obter uma melhor alocação dos recursos disponíveis e demonstrar que o meio ambiente é importante para a economia e o bem-estar das pessoas (BORGER, apud FARIA, 2000). Neste contexto econômico, a gestão ambiental foi se impondo gradativamente, procurando conciliar a demanda de recursos ambientais e a sua conservação. No Brasil, sua evolução é função não só dos momentos políticos nacionais, como também das manifestações internacionais (governamentais, técnicas e empresariais) com relação ao meio ambiente A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A Política Nacional e a legislação do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação estão dispostos em lei específica, (lei federal no 6.938/81 e regulamento no decreto no /83 com alteração no decreto 99274/90). Ela tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando a assegurar, no País, condições ao desenvolvimento sócio-econômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana, atendidos os seguintes princípios:

21 21 Ação governamental na manutenção do equilíbrio ecológico, considerando o meio ambiente como um patrimônio público a ser necessariamente assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo; Racionalização do uso do solo, do subsolo, da água e do ar; Planejamento e fiscalização do uso dos recursos ambientais; Proteção dos ecossistemas, com a preservação de áreas representativas; Controle e zoneamento das atividades, potencial ou efetivamente poluidoras; Incentivos ao estudo e à pesquisa de tecnologias orientadas para o uso racional e a proteção dos recursos ambientais; Acompanhamento do estado da qualidade ambiental; Recuperação de áreas degradadas; Proteção de áreas ameaçadas de degradação; e Educação ambiental em todos os níveis do ensino, inclusive a educação da comunidade, objetivando capacitá-la para a participação ativa na defesa do meio ambiente. Como mecanismo de formulação da Política Nacional de Meio Ambiente, a lei 6.938/81 constituiu o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), instância decisória colegiada, presidida pelo Ministro de Estado do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal (MMA) e integrada por representantes dos demais Ministérios Setoriais, Governos Estaduais, Distrito Federal, Confederações Nacionais de Trabalhadores na Indústria, no Comércio e na Agricultura, dentre outros. Para aplicação da política, instituiu o Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA), composto pelos órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e pelas fundações, instituídas pelo Poder Público, responsável pela proteção e melhoria da qualidade ambiental, tendo como seu Órgão Superior o Conselho Nacional do Meio Ambiente. A partir de alterações introduzidas pela lei 8028/90, foi estabelecida a estrutura de funcionamento do Sistema Nacional de Meio Ambiente de acordo com as seguintes definições: Órgão Superior: o Conselho de Governo, com a função de assessorar o Presidente da República, na formulação da política nacional;

22 22 Órgão Consultivo e Deliberativo: o Conselho Nacional de Meio Ambiente, com a finalidade de assessorar, estudar e propor, ao conselho de governo, diretrizes para a política e deliberar sobre normas e padrões; Órgão Central: a Secretaria do Meio Ambiente da Presidência da República (SEMAM); com a finalidade de planejar, coordenar, supervisionar e controlar a política e as diretrizes governamentais fixadas para o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (IBAMA), com a finalidade de executar e fazer executar, as políticas ambientais; Órgãos Setoriais: órgãos da administração federal direta e indireta com atividades associadas a proteção ambiental ou ao disciplinamento do uso de recursos naturais; Órgãos Seccionais: órgãos ou entidades estaduais responsáveis pela execução de programas, projetos e controle do meio ambiente; e Órgãos Locais: órgãos ou entidades municipais, responsáveis pelo controle e fiscalização destas atividades em suas jurisdição. Pode-se ilustrar melhor a estrutura do SISNAMA com seus órgãos deliberativos (Conselhos) e Executivos (Fundações ou empresas públicas) nos níveis Federal e Estadual pelo Quadro 1, utilizando como exemplo o Estado de Minas Gerais. Quadro 1: Esquema simplificado da representação organizacional do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA) ÓRGÃOS NÍVEL FEDERAL NÍVEL ESTADUAL -GERENCIADORES OU COORDENADORES Ministério do Meio Ambiente Secretaria Estadual de Meio Ambiente -CONSULTIVOS E DELIBERATIVOS -EXECUTIVOS Fonte: SANTOS, 2001 CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente) IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) COPAM (Conselho Estadual de Política Ambiental) FEAM (Fundação Estadual do Meio Ambiente) Cabe aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios a regionalização das medidas emanadas do SISNAMA, elaborando normas e padrões supletivos e complementares, compreendendo fixação de parâmetros de emissão, ejeção e emanação de agentes poluidores, observada a legislação federal.

23 23 São considerados como instrumentos da Política Nacional de Meio Ambiente: o estabelecimento de padrões de qualidade ambiental; o zoneamento ambiental; a avaliação de impactos ambientais; o licenciamento e as revisões de atividades efetivas ou potencialmente poluidoras; os incentivos à produção e instalações de equipamentos e a criação ou absorção de tecnologia; a implantação de reservas, parques ecológicos e áreas de proteção ambiental pelo Poder Público Federal, Estadual e Municipal; o sistema nacional de informações sobre o meio ambiente; o cadastro técnico federal de atividades e instrumentos de defesa ambiental; e as penalidades disciplinares ou compensatórias ao não cumprimento das medidas necessárias à preservação ou correção da degradação ambiental. Em 1988, com a promulgação da Constituição Federal, introduziu-se, pela primeira vez na história do País, um capítulo específico sobre meio ambiente, considerando-o como um bem comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo ao Poder Público e à coletividade o dever de preservá-lo para as gerações presentes e futuras. A Constituição Federal de 1988 também cita em seu artigo 225 que incumbe ao Poder Público exigir, na forma da lei, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dar publicidade, para a instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente. Os Estados têm competência para legislar sobre a matéria desde que limitada às normas gerais estabelecidas no plano federal, quando estas existirem. Desta forma, cada Estado tem sua legislação ambiental, compatível com a federal, a partir de sua própria Constituição estadual. A avaliação de impacto ambiental constitui um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente, que instituiu no quadro da legislação ambiental brasileira a obrigatoriedade de realização de estudos prévios objetivando compatibilizar o desenvolvimento de atividades econômicas ou sociais com a proteção do meio ambiente. Assim, a construção, instalação, ampliação e funcionamento de atividades que utilizam recursos ambientais, bem como aquelas potencialmente poluidoras ou capazes de causar qualquer degradação ambiental passam a depender do licenciamento do órgão público competente, concedido mediante apresentação e aprovação de EIA (Estudos de Impacto Ambiental) e respectivo RIMA (Relatório de Impacto Ambiental). Esta matéria

24 24 foi regulamentada somente em 1986 através da Resolução 01 do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Em decorrência da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 1992) foi criada, por decreto presidencial, a Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 (CPDS), tendo como principais objetivos promover a compatibilização entre os principais capítulos e programas da Agenda 21 e assessorar o Presidente da República na tomada de decisões sobre as estratégias e políticas nacionais necessárias ao desenvolvimento sustentável, de acordo com a Agenda, e coordenar o processo de elaboração e implementação da Agenda 21 Brasileira. Para o Ministério das Relações Exteriores, no Brasil, a questão ambiental está mudando de patamar, ultrapassando a sua fase heróica e resistente, quando o meio ambiente e o desenvolvimento econômico eram tidos como adversários. Nesse sentido, a internalização dos atuais conceitos de desenvolvimento sustentado iniciou um novo ciclo, baseado na formulação e na implantação de políticas ambientais, assim como na busca da negociação e do entendimento entre a preservação ambiental e os processos de produção. Entretanto, cabe lembrar que, a par de um quadro legal e institucional relativamente moderno, há um aspecto que merece atenção no meio social e empresarial. Trata-se da tendência do governo tornar obrigatória por meio de diplomas legais, as normas técnicas ou instrumentos de gestão ambiental que atualmente são voluntários, como no caso de auditorias, rotulagens, certificações, entre outros. A própria origem e a finalidade das normas técnicas, quais sejam, as regras de mercado e a necessidade de atendimento a exigências do consumidor, vão contra mecanismos impostos que geram procedimentos burocráticos, aumentam prazos e custos e inviabilizam as pequenas e médias empresas exportadoras. O licenciamento ambiental definido pela Lei de 1981 constitui-se importante requisito legal para o setor industrial. Segundo esta lei aquelas atividades cujo potencial poluidor não é considerado desprezível (segundo critérios estabelecidos pelos órgãos estaduais responsáveis) são objeto de Licença Ambiental, fornecida pelos órgãos estaduais do meio ambiente ou pelo IBAMA. A resolução do CONAMA nº 237, de 19 de dezembro de estabelece em seu art. 2 º parágrafo 1º os empreendimentos e atividades sujeitas ao licenciamento ambiental.

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Já alterada pela Lei nº 7804 de 18 de julho de 1989. O Presidente da Republica. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capítulo 7 Política Ambiental Pelotas, 2010 7.1 Introdução A política ambiental

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil Módulo 3 Gestão ambiental no Brasil 1. Introdução No encontro Rio +10, o Brasil, saiu fortalecido globalmente, assumindo definitivamente um papel de liderança regional dentro da ONU. No plano nacional,

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Legislação e Gestão Ambiental no Brasil. Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br

Legislação e Gestão Ambiental no Brasil. Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br Legislação e Gestão Ambiental no Brasil Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br Fundação Brasileira de Desenvolvimento Sustentável Abril 2005 Evolução da Política Ambiental no Contexto Internacional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL MELO, Fabrício Pires CARDOSO, Mauricio QUEIROS, Silmara Mirian PEDRO, Lincoln MULLER, Edi RESUMO Este trabalho busca mostrar quais os benefícios, custos e métodos para se

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES Alessandra Aparecida da Silva, Unisalesiano de Lins e-mail: alessandrasilvamig@yahoo.com.br Renata Angélica Freitas, Unisalesiano de Lins

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Sequencia Tendências Conceitos de Política Ambiental Instrumentos Caso Brasileiro Implementação Caso Gestor

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS 1 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS Murilo Fortunato Dropa (UTFPR) mfdropa@hotmail.com Ivanir Luiz

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N. 1.022, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Institui o Sistema Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e o Conselho Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e dá outras providências." O GOVERNADOR

Leia mais

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei:

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Faço saber

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 1 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A auditoria ambiental consiste em processo sistemático de inspeção, análise e avaliação das condições

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO Tainara Bruna Montagna 1 RESUMO A Educação Ambiental é definida como um importante instrumento de gestão ambiental, principalmente

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE COM O FUTURO

GESTÃO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE COM O FUTURO GESTÃO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE COM O FUTURO Cláudia C. Almeida davidv@fatecnet.ufsm.br David V. de Oliveira davidv@fatecnet.ufsm.br Helga H. S. Perlin helgaperlin@zipmail.com.br Simone R. Didonet sdidonet@terra.com.br

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL

GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL Autora: Rosália Gonçalves Costa Santos, graduada em Ciências Contábeis pela Faculdade Newton Paiva e mestranda em

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 021/2012-CONSU/UEAP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 021/2012-CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 021/2012-CONSU/UEAP Aprova a matriz curricular do Curso de Especialização em Economia Verde. A Presidente do Conselho Superior

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

A GESTÃO DO SISTEMA AMBIENTAL E A NBR-ISO 14.001

A GESTÃO DO SISTEMA AMBIENTAL E A NBR-ISO 14.001 A GESTÃO DO SISTEMA AMBIENTAL E A NBR-ISO 14.001 GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo O que significa Gestão de Sistema Ambiental? O que ela prevê e a quem se destina? O que é a NBR-ISSO 14.001?

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 DISCIPLINA a Política Estadual da Prevenção e Controle da Poluição, Melhoria e Recuperação do Meio Ambiente e da Proteção aos Recursos Naturais, e da outras providencias.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Profª: Cristiane M. Zanini

GESTÃO AMBIENTAL. Profª: Cristiane M. Zanini GESTÃO AMBIENTAL Profª: Cristiane M. Zanini Afinal, O que é Gestão Ambiental? A novíssima área de conhecimento e trabalho intitulada "Gestão Ambiental" vem causando muita confusão entre os especialistas

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO [23] TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO Considerando que: 1. Os recursos naturais da Terra são limitados e devem ser utilizados de forma responsável, socialmente justa e ambientalmente sustentável. 2. A

Leia mais

Legislação e outros documentos sobre Educação Ambiental

Legislação e outros documentos sobre Educação Ambiental Legislação e outros documentos sobre Educação Ambiental 1981 Política Nacional de Meio Ambiente 1988 Constituição Brasileira 1992 Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Com a edição da Lei nº 6.938/81 o país passou a ter formalmente uma Política Nacional do Meio Ambiente, uma espécie de marco legal para todas as políticas públicas de

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI FEDERAL N 6.938, de 02 de setembro de 1981 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL Douglas Ribeiro Lucas, autor Denilson da Silva Lucas, co-autor José Adenildo da Silva, co-autor 1 FACESM/Gpde,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

SISNAMA Sistema Nacional de Meio Ambiente Rodrigo Agostinho SISNAMA Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, estabeleceu a Política nacional de meio ambiente e criou o SISNAMA; SISNAMA: Conjunto de órgãos e

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues O QUE É GESTÃO AMBIENTAL? "O controle apropriado do meio ambiente

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais