Manual do Formando. Gestão Ambiental. António Lencastre Godinho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do Formando. Gestão Ambiental. António Lencastre Godinho"

Transcrição

1 Manual do Formando Gestão Ambiental António Lencastre Godinho Recurso desenvolvido no âmbito da medida do POEFDS. Programa co-financiado por:

2 FICHA TÉCNICA Gestão Ambiental António Lencastre Godinho Ambiente Versão - 02 ISLA de Leiria Gabinete de Formação Depósito Legal /00 ISBN

3 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO AMBIENTAL Sustentabilidade Ambiental Autoavaliação Actividades económicas e poluição ambiental Auto-avaliação Gestão Ambiental Evolução dos Sistemas de Gestão Ambiental Razões para implementar um sistema de gestão ambiental Dificuldades na implementação de um sistema de gestão ambiental Auto-avaliação 18 2 NORMA ISO 14001: Estrutura da Norma ISO 14001: Análise do requisito Requisitos Gerais (4.1) Auto-avaliação Resolução de estudo de caso Análise do requisito Política Ambiental (4.2) Auto-avaliação Resolução do Estudo de caso Análise dos requisitos do Planeamento (4.3) Aspectos Ambientais (4.3.1) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso Requisitos Legais e Outros requisitos (4.3.2) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso Objectivos, metas e programas (4.3.3) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso 56 3 APRESENTAÇÃO DA NORMA EN ISO 14001: Análise dos requisitos da Implementação e Operação (4.4) Recursos Atribuições, responsabilidade e autoridade (4.4.1) Competência, formação e sensibilização (4.4.2) Comunicação (4.4.3) Auto-avaliação 62 3

4 3.3 Documentação (4.4.4) Controlo de documentos (4.4.5) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso Controlo Operacional (4.4.6) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso Preparação e Resposta a Emergências (4.4.7) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso 75 4 NORMA EN ISO 14001: Apresentação e análise dos requisitos da Verificação (4.5) Monitorização e Medição (4.5.1) Avaliação da Conformidade (4.5.2) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso Não conformidades, acções correctivas e preventivas (4.5.3) Controlo de Registos (4.5.4) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso Auditoria interna (4.5.5) Revisão pela Gestão (4.6) Auto-avaliação Resolução do estudo de caso 94 5 REGULAMENTO COMUNITÁRIO EMAS Conceitos Gerais Regulamento EMAS Estrutura do Regulamento Definições do Regulamento Anexo I Partes A e B Anexo II - Auditoria Ambiental Interna Anexo III - Declaração Ambiental Anexo IV - Logotipo Anexo V Acreditação, supervisão e funções dos Verificadores Ambientais Sistema de Acreditação e Verificadores Ambientais em Portugal Anexo VI - Aspectos Ambientais Anexo VII - Levantamento Ambiental Anexo VIII Informações para o Registo Registo no EMAS Entidades que se podem registar no EMAS Etapas para registo Benefícios do EMAS Comparação entre a Norma ISO e o EMAS Auto-avaliação Proposta de actividade complementar 115 4

5 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 116 NOTA: O presente manual apresenta a seguinte estrutura: Está organizado em 5 capítulos Cada capítulo tem a seguinte organização: o Objectivos o Tópicos o Desenvolvimento dos conteúdos o Notas de rodapé fazendo referência a meios complementares de estudo o No final do conjunto de conteúdos que equivalem a uma lição: Resumo do módulo Auto-avaliação as fichas de autoavaliação encontram-se no ficheiro indicado. Esse mesmo ficheiro contém as soluções das fichas de trabalho. Resolução do estudo de caso 5

6 6 Manual do Formando Gestão Ambiental

7 Módulo 1 Introdução à Gestão Ambiental Objectivos Identificar as premissas da sustentabilidade ambiental Relacionar as actividades económicas e a poluição ambiental Compreender a necessidade da implementação de sistemas de gestão ambiental para a sustentabilidade ambiental Conhecer o percurso dos normativos voluntários de gestão ambiental Reconhecer razões, vantagens e desvantagens inerentes à implementação de sistemas de gestão ambiental Tópicos 1 Introdução à Gestão Ambiental 1.1 Sustentabilidade Ambiental 1.2 Actividades económicas e poluição ambiental 1.3 Gestão Ambiental 1.4 Evolução dos Sistemas de Gestão Ambiental 1.5 Razões para implementar um sistema de gestão ambiental 1.6 Dificuldades na implementação de um sistema de gestão ambiental 1 Introdução à Gestão Ambiental 1.1 Sustentabilidade Ambiental Os problemas ambientais não conhecem fronteiras nacionais. A diminuição da camada de ozono, os efeitos das mudanças climatéricas, a poluição dos mares e a destruição das florestas afectam a população mundial. O barulho da aviação, as emissões dos canos de escape dos veículos, os lixos, a qualidade da água dos rios e o ambiente que nos rodeia têm um grande impacto na nossa saúde e bem-estar. É paradoxal, mas os comportamentos descritos devem-se ao fulgurante desenvolvimento económico! É imperioso que o crescimento económico deixe de ser feito à custa da delapidação do ambiente. A World Commission on Environment and Development no relatório Brundtland, Our Common Future, emitido em 1987, abordou o conceito de desenvolvimento sustentável com a mensagem de que a satisfação das necessidades da geração actual não devem comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem as suas. 7

8 Em 1992 a United Nations Conference on Environment and Development (UNCED), conhecida por Conferência do Rio - Eco 92, reuniu o maior número de sempre de chefes de governo e primeiros ministros, além de ter colocado nas sua agenda pública e política os problemas ambientais, teve o mérito de mostrar para todo o mundo, que o crescimento económico só será possível com a protecção simultânea do meio ambiente e que o bem-estar das pessoas não pode diminuir com o passar do tempo, ou seja, o desenvolvimento económico não pode ser sustentado à custa da delapidação da riqueza natural. É necessário demonstrar que o crescimento económico só será possível com a protecção simultânea do meio ambiente e que o bem estar das pessoas, não pode diminuir com o passar do tempo, ou seja, o desenvolvimento económico não pode ser sustentado à custa da delapidação da riqueza natural. Os governos estão a ser pressionados publicamente para entrarem em acção, obrigando as organizações a responsabilizarem-se pelos seus actos e a melhorarem as suas performances ambientais. Existem outros sinais de que a agenda ambiental é uma preocupação actual: A consciência ambiental dos consumidores torna-os mais selectivos na escolha de produtos e serviços, nomeadamente, ao nível da biodegradabilidade, reciclagem e reutilização. Estão-se a desenvolver programas de rótulos ecológicos e sistemas de gestão ambiental que permitem a acreditação de produtos ou das próprias organizações, em termos ambientais. Os investidores, em geral, querem estar seguros de que os seus investimentos respeitam o ambiente. Os bancos e outras instituições estão a introduzir factores ambientais nos critérios de selecção de investimentos. Os parceiros negociais estão, mais do que nunca, interessados nas políticas ambientais das empresas com quem mantêm relações de negócio, ou por motivos de cooperação, ou para os abandonar quando as suas performances ambientais não os satisfizerem. Os empregados qualificados mostram desejo de trabalhar em empresas que respeitem o ambiente e que tenham uma boa imagem pública. As autoridades locais, grupos comunitários e comunicação social interessam-se, por várias razões, pelos impactos ambientais exercendo influência nas performances das companhias. Os grupos de pressão, em todo o mundo, têm o poder de mobilizar a opinião pública, favorecendo ou não, as actuações das organizações. 8

9 Em jeito de conclusão pode dizer-se que o desenvolvimento sustentável assenta em três dimensões: económica, ambiental e social Autoavaliação Figura 1: As três dimensões do desenvolvimento sustentável O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 3 Sustentabilidade Ambiental (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) 1.2 Actividades económicas e poluição ambiental Segundo a directiva 96/61/CE do Conselho de 24/9/96 relativa à prevenção e controlo integrados da poluição, entende-se por poluição, a introdução directa ou indirecta, por acção humana, de substâncias, vibrações, calor ou ruído no ar, na água ou no solo, susceptíveis de prejudicar a saúde humana ou a qualidade do ambiente e de causar deteriorações ou entraves ao usufruto do ambiente ou a outras utilizações ilegítimas deste último. Poluir será, pois, ameaçar o funcionamento dos meios naturais, explorando-os acima dos seus níveis de reversibilidade ou despejando detritos em grande escala sem preocupações de reciclagem para os recolocar, de novo, no funcionamento da máquina económica. Ao nível individual ou duma empresa, poluir equivale a participar na degradação do ambiente, ameaçando o equilíbrio natural, contribuindo para o esgotamento dos recursos naturais ou para a sua degradação (Ordre Des Experts Contables, 1996a). 9

10 Um poluente será qualquer material estranho ou forma de energia, cujo grau de transferência entre os seus componentes e os factores do ambiente é de tal modo alterado, que o bem-estar dos organismos ou ecossistemas é, negativamente, afectado. Os poluentes subsistem sob a forma de gases, líquidos, sólidos, ruídos, odores, descargas radioactivas, ou outras, incapacitando os recursos para os seus fins específicos ou afectando adversamente humanos, edifícios ou a vida animal (Henning, 1989). Os poluentes afectam o ar, a água, os solos e a vida em geral, verificando-se, em muitas circunstâncias, efeitos sinergéticos trágicos que estão na origem dos desastres ambientais 1 A indústria é um dos principais factores de poluição a nível mundial, consumindo a maior percentagem de oxigénio das águas continentais, sendo a grande responsável pela contaminação das águas costeiras, a maior emissora de dióxido de enxofre e outras substâncias perigosas para a atmosfera e a produtora de resíduos, não em maior quantidade, mas com o maior grau de toxicidade (Fernandéz, 1991; Beaud e Bouguerra, 1993). Os impactos negativos sobre o meio ambiente podem manifestar-se, entre outras, através das seguintes formas (Winter, 1992): Consumos excessivos de água, energia e matérias-primas. Consumo de materiais pouco ecológicos, dentro da empresa, para usos gerais 2 Consumo de materiais de embalagem prejudiciais ao ambiente. Consumo de substâncias nocivas nos processos produtivos, lesivas do ambiente e causadoras de doenças profissionais. Concepção de produtos com embalagens volumosas sem utilizações alternativas ou com materiais não recicláveis e que estão a tornar o ambiente numa grande lixeira. Efluentes industriais, que são desperdícios sob a forma líquida ou gasosa, descarregados no meio ambiente, tratados ou não. Geralmente, referem-se a poluentes introduzidos em meio aquático, cujo potencial nocivo pode incluir a desoxigenação, assoreamento e envenenamento de rios, lagos e mares (Lowe, 1980). Emissões industriais, que são descargas na atmosfera, de determinados tipos de gases ou de desperdícios solúveis, tratados ou não. Emissões de gases com cheiro pestilento provenientes das indústrias ofensivas (offensive trades), como matadouros, fabricantes de rações, indústrias de peixe, gorduras. 1 Para obter mais informações sobre o tema tratado nesta lição, disponibilizam-se os seguintes anexos: Anexo A11 Tabela de Poluentes (informações complementares sobre os principais poluentes, e os respectivos impactes.); Anexo A12 Poluentes Atmosféricos; Anexo A13 O recurso Água; A14 Ambiente e Energia 2 Para obter um conhecimento mais aprofundado sobre as questões da sustentabilidade pode consultar o ficheiro A15 A Preservação do Ambiente e A16 Carta das cidades europeias para a sustentabilidade 10

11 Ruídos excessivos devidos à própria maquinaria e que podem ser a causa de algumas doenças profissionais ou de incómodo da vizinhança. Resíduos em geral. Segundo o Decreto-Lei nº 178/2006 de 5 de Setembro, que aprova o regime geral da gestão de resíduos entendem-se por resíduo, qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer, nomeadamente os identificados na Lista Europeia de Resíduos (LER). Resíduos perigosos. O Decreto-Lei nº 178/2006 define resíduo perigoso como o resíduo que apresente, pelo menos, uma característica de perigosidade para a saúde ou para o ambiente, nomeadamente os identificados como tal na LER. De entre estes podem destacar-se: o o Resíduos de materiais perigosos, inorgânicos ou minerais que não se decompõem nos seus elementos básicos pela acção de microorganismos permanecendo no meio ambiente por longos períodos de tempo e que são os grandes responsáveis pela contaminação de solos. Resíduos tóxicos, que são um tipo especial de resíduos perigosos. Nestas categorias incluem-se anti-congelantes, amianto, óleo de travões, luzes fluorescentes, resíduos resultantes do polimento de mobílias, limpadores de fornos, petróleo, medicamentos antigos, pinturas e solventes, pesticidas, herbicidas, entre outros. O grau de nocividade pode ser medido pelas seguintes características: (1) toxicidade (grau de envenenamento), (2) persistência (tempo de decomposição) e (3) bioacumulação (repercussão na cadeia alimentar) (Sadgrove, 1997). Explorações a céu aberto que levam à erosão e à degradação paisagística. Abate de largas áreas de floresta que estão a provocar um aumento adicional, na atmosfera, de dióxido de carbono, além do fenómeno do desflorestamento (Lowe, 1980). Transporte inadequado de substâncias tóxicas que já estiveram na origem de graves acidentes ambientais. Figura 2:Desequilíbrio dos ecossistemas como resultado da poluição ambiental 11

12 Síntese Poluir é ameaçar o funcionamento dos meios naturais, explorando-os acima dos seus níveis de reversibilidade Um poluente é qualquer material estranho ou forma de energia, cujo grau de transferência entre os seus componentes e os factores do ambiente é de tal modo alterado, que o bem-estar dos organismos ou ecossistemas é, negativamente, afectado O Homem deve maximizar a utilização dos recursos perpétuos, assegurar a renovação dos recursos renováveis, e minimizar a utilização dos recursos não renováveis Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 2 Actividades económicas e poluição ambiental (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) 1.3 Gestão Ambiental A Gestão Ambiental pode ser definida como um conjunto de processos, que gerem as relações entre o ser humano e o ambiente, e as transformações por ele proporcionadas, tendo em linha de conta variáveis, como o desenvolvimento sustentável, as políticas ambientais, a legislação ambiental, internacional, comunitária, nacional e as auditorias ambientais. Sob o ponto de vista das empresas/organizações, a gestão ambiental é um aspecto funcional de gestão, que desenvolve e implementa as políticas e estratégias ambientais na conquista de uma situação ambiental desejada, verificando-se que está a crescer a preocupação em atingir e demonstrar um desempenho mais satisfatório em relação ao meio ambiente. Actuar sobre as modificações causadas no meio ambiente, como por exemplo, a deposição de resíduos, ou as emissões e/ou efluentes contaminados, para manter um ambiente saudável para todos, no presente e no futuro, exige uma mudança na cultura empresarial, que deve ser alavancada pelo recurso sistemático a ferramentas, especificamente criadas para o efeito, como é o caso dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGA), que são parte de um sistema de gestão de uma organização, utilizados para desenvolver e implementar a sua política ambiental e gerir os seus aspectos ambientais. 12

13 1.4 Evolução dos Sistemas de Gestão Ambiental Manual do Formando Gestão Ambiental Do ponto de vista histórico a primeira norma de gestão ambiental, baseada no ciclo de Deming (PDCA Plan-do-Check-act) foi publicada em 1992 pelo organismo britânico, British Standards Institution (BSI), sendo conhecida por BS 7750, com os seguintes objectivos, entre outros: Complementar a norma sobre sistemas da qualidade, BS 5750 Servir as necessidades de profissionais generalistas e não especificamente especialistas em meio ambiente Possibilitar a sua aplicação a todos os tipos de empresas Apoiar as normas e leis ambientais existentes, ou em preparação. Começou por ser implantada num programa piloto de 230 empresas o que permitiu uma revisão em 1994, mais sob o ponto de vista da clarificação, do que de alterações de fundo. Boa parte do texto desta norma, foi utilizado no projecto da Comunidade Europeia, conhecido como o regulamento EMAS (Eco management and audit scheeme), que foi aprovado definitivamente em 1993 com a designação de Regulamento CEE nº 1836/93, que permitia que as empresas do sector industrial aderissem voluntariamente a um sistema comunitário de gestão e auditoria ambiental, de forma a melhorarem as suas actuações ambientais e facilitando a informação à sociedade. Também em 1993 apareceu uma norma espanhola denominada UNE , e uma norma francesa, XF , na mesma linha da BS No início da década de 90, a ISO (International Standard Organization), organização nãogovernamental, fundada em 1947, com sede em Genebra, na Suíça, verificou a necessidade de desenvolver normas sobre a questão ambiental, com o intuito de padronizar processos de empresas que utilizassem recursos naturais e/ou causassem algum dano ambiental, decorrente de suas actividades. No ano de 1993, a ISO reuniu diversos profissionais e criou um comité, designado por Comité Técnico TC 207, dividido em diversos sub comités com o objectivo de desenvolver normas (série 14000) nas seguintes áreas ambientais: Sub comité 1 Sub comité 2 Sub comité 3 Sub comité 4 Sub comité 5 Sub comité 6 Sub comité 7 Sub comité 8 Sub comité 9 Sistemas de gestão ambiental Auditorias ambientais Rotulagem ambiental Avaliação do desempenho ou performance ambiental Análise do ciclo de vida Definições de conceitos Integração de aspectos ambientais no projecto e desenvolvimento de produtos Comunicação Ambiental Mudanças climáticas 13

14 Até ao momento actual, foram publicadas variadíssimas normas, ISO, algumas já foram revistas e outras aguardam publicação. Na figura seguinte apresenta-se o panorama geral das normas série ISO e sobre a questão ambiental. 3 De todas as normas ISO, entretanto criadas a de maior divulgação e utilização é a norma de enfoque na organização Sistemas de Gestão Ambiental - ISO 14001, que estabelece as directrizes básicas para o desenvolvimento de um sistema de gestão da ambiental e que é certificável por terceiras entidades. A 1ª edição desta norma é de A sua tradução em Portugal é mais tardia, sendo conhecida por EN ISO 14001: Figura 3: Resumo das normas série ISO No anexo A17 Normas série ISO apresentam-se o estado actual das normas ISO sobre a questão ambiental 14

15 Em 2001 foi revisto o regulamento EMAS, que levou à sua revogação, sendo suportado actualmente pelo Regulamento (CE) nº 761/2001 do PE e do Conselho, com as alterações introduzidas pelo Regulamento (CE) 196/2006 do PE e da Comissão que altera o seu Anexo I, tendo em vista a aproximação à norma ISO 14001:2004 Como a cada 5 anos as normas ISO estão sujeitas a um processo de revisão, o respectivo Comité Técnico, após 4 anos de trabalho, publicou em a nova ISO 14001:2004, não para acrescentar novos requisitos, mas sobretudo para clarificar, simplificar e promover um maior alinhamento com a norma ISO 9001:2000. Neste processo de revisão também foi publicada uma versão actualizada da norma ISO (texto em inglês). Em Portugal e após uma emenda à norma no ano de 2006, a norma é apresentada como NP EN ISO 14001:2004 /emenda 1:2006 (1ª ed), adiante designada por ISO 14001:2004. A implementação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) constitui uma ferramenta estratégica para as organizações, possibilitando a identificação de oportunidades de melhoria que reduzam ou minimizem os impactes sobre o ambiente, das actividades da organização. 4 A implementação nas organizações de sistemas de gestão ambiental (SGA) tem aumentado significativamente, verificando-se, a nível mundial e também em Portugal, um crescimento muito considerável do número de entidades que solicitam a certificação dos respectivos SGA. No nosso país existem várias empresas acreditadas para a certificação de SGA, nomeadamente a APCER, SGS, EIC, BVQI, TUV, QSCB, o que demonstra o interesse crescente por esta actividade, pelo menos desde o ano de 2000, como se pode verificar nos quadros seguintes: Figura 4: Panorama português da certificação ambiental5 4 Se quiser saber mais alguma coisa sobre a questão ambiental consulte A21 Evolução da vigilância ambiental 5 A obtenção destes dados, que foram posteriormente tratados resultou da consulta site 15

16 1.5 Razões para implementar um sistema de gestão ambiental A implementação de um SGA é suportada por um número razoável de considerações, o que de certo modo justifica a evolução de empresas certificadas no mundo inteiro e em Portugal também. Os SGA tanto podem surgir por motivações inevitáveis, como pelas vantagens e potencialidades que advêm da sua implementação. Figura 5: Motivações e vantagens na implementação de SGA Tabela 1: Motivações para a implementação de um SGA Exigências de clientes (imposições de índole ambiental que terão obrigatoriamente de satisfazer para que se mantenham as respectivas relações comerciais) Exigências de investidores (critérios ambientais nas decisões de investimento) Motivações Exigências de conformidade legal (legislação ambiental e respectiva fiscalização é progressivamente mais exigente o que implica uma melhoria do desempenho ambiental das empresas) Ecomarketing e melhoria de imagem Redução de custos, nomeadamente, com seguros de responsabilidade civil. Responsabilidade ambiental e social traduzida no comprometimento da redução da poluição, conservação dos recursos naturais, melhorias nas condições de trabalho Tabela 2: Vantagens e Potencialidades na implementação de SGA 16

17 Redução de Custos Aumento da eficiência de processos que se podem traduzir em redução de custos com a prevenção ou minimização de impactes ambientais Economias devido à redução de consumos Maiores facilidades em financiamentos Redução em taxas de seguro Redução do potencial de coimas Aumento de receitas Aumento da contribuição marginal de "produtos verdes" que podem ser vendidos a preços mais altos. Aumento da procura para produtos que contribuam para a diminuição da poluição. Economias devido à reciclagem, venda e aproveitamento de resíduos e diminuição de efluentes Novas linhas de produtos para novos mercados. Satisfação dos critérios dos investidores e melhoria do acesso ao capital Aumento de Vantagens competitivas Liderança no mercado Aumento de quotas de mercado directamente relacionadas com produtos ecológicos Melhoria da imagem Melhoria das relações públicas, e internas com trabalhadores e colaboradores Reconhecimento internacional por ter obtido certificações ambientais Internas Controlo de requisitos legais ambientais e outros requisitos Diminuição de riscos de acidente ambientais e profissionais Melhoria da eficiência operacional ou de processos traduzida por: o o o Melhorias na gestão de recursos Melhorias no controlo da poluição Melhorias na prevenção da poluição Motivação e consciencialização de colaboradores decorrentes da aplicação de programas de sensibilização e/ou formação Melhoria contínua do desempenho ambiental Sinergéticas Diferencial competitivo - Melhoria de imagem ambiental aumento de produtividade, conquista de novos mercados Melhoria organizacional gestão sistematizada, integração da qualidade ambiental à gestão, consciencialização de colaboradores, melhores parcerias com a comunidade Minimização de custos - Eliminação dos desperdícios, obtenção da conformidade ao menor custo e racionalização da alocação de recursos Minimização de riscos segurança legal e efectiva, minimização de acidentes, redução de passivos ambientais, identificação de vulnerabilidades 17

18 1.6 Dificuldades na implementação de um sistema de gestão ambiental A par dos inegáveis benefícios existem sérias dificuldades que podem obstar à implementação de SGA, nomeadamente: Alteração de mentalidades, práticas e procedimentos Legislação vaga, ou muito complexa, ou dispersa ou contraditória, ou omissa ou pouco exequível Custos elevados com consultoria Custos elevados para obter conformidade com a legislação Custos elevados para fazer face às necessidades de formação Custos elevados para a obtenção da Certificação/registo Síntese A gestão ambiental gere as relações entre o ser humano e o ambiente e as transformações ambientais por ela proporcionadas, com base no desenvolvimento sustentável, políticas e legislação ambientais. Os sistemas de gestão ambiental apareceram na década de 90, mas o grande desenvolvimento apenas se verifica com a publicação da norma ISO em 1996, estando actualmente em vigor a EN ISO 14001:2004/emenda 1:2006 (Ed 1), designada neste manual por ISO 14001:2004 Tem sido muitas as razões que levam as organizações à implementação de SGA, destacando-se, sobretudo as vantagens económicas que podem trazer aumento de receitas, de mercado pela melhoria de imagem, internas pelo aumento da eficiência e redução de custos e sinergéticas por potenciarem cada uma das vantagens anteriores. Também são apontadas desvantagens, mas as que tem maior peso associam-se aos custos de implementação, manutenção e certificação Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 3 Gestão ambiental (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) 18

19 Módulo 2 - Apresentação da Norma EN ISO 14001:2004 Análise dos requisitos do planeamento Objectivos Gerais: Interpretar os requisitos de uma SGA segundo a norma ISO a uma organização. Específicos: Conhecer a metodologia em que se baseia a implementação de um SGA Conhecer e compreender a estrutura da norma ISO 14001:2004 Identificar os principais termos e definições Compreender a abrangência do conteúdo do requisito Requisitos Gerais Identificar os requisitos a que deve obedecer a política ambiental Analisar as características dos requisitos do planeamento Tópicos 2 Apresentação da Norma EN ISO 14001: Estrutura da Norma ISO Análise do requisito Requisitos Gerais (4.1) 2.3 Análise do requisito Política Ambiental (4.2) 2.4 Análise dos requisitos do Planeamento (4.3) Aspectos Ambientais (4.3.1) Requisitos Legais e Outros requisitos (4.3.2) Objectivos, metas e programas 35 19

20 2 Norma ISO 14001: Estrutura da Norma ISO 14001:2004 A presente NI encontra-se organizada da seguinte forma 6 : Preâmbulo Nacional Preâmbulo Introdução Clarificação muito importante sobre o espírito da tradução de alguns dos termos utilizados nesta NI: Deve ou devem ( shall ) para um cariz de exigência Deverá ou deverão ( Should ) para um cariz de aconselhamento/conveniência Pode ou Podem ( can ) para um cariz de capacidade para Poderá ou Poderão ( may ) para um cariz de alternativa a Faz referência ao comité de elaboração Comité técnico ISO/TC 207, à forma como esta NI adquire o estatuto de norma nacional e aos países onde esta NI deve ser implementada pelos organismos nacionais de normalização, onde se refere Portugal. O texto de introdução começa por fazer referência a questões de sustentabilidade ambiental, destacando-se entre outros os seguintes pontos: Esta NI especifica os requisitos para a implementação e manutenção de um SGA, para qualquer tipo de organização, cuja finalidade global é apoiar a protecção ambiental e prevenir a poluição. Esta NI descreve os requisitos para um SGA e que pode ser utilizada para uma (1) certificação/registo, e/ou (2) auto-declaração do seu SGA., não estabelecendo no entanto requisitos absolutos de desempenho ambiental, para além dos compromissos estabelecidos na política ambiental e no cumprimento dos requisitos legais e outros. Esta NI não inclui orientações relativas às técnicas de gestão ambiental, que estão incluídas em outras normas relativas a gestão ambiental. Esta NI contém apenas os requisitos ambientais, que podem ser objectivamente auditados, mas não garantindo por si só resultados óptimos. O detalhe, complexidade, documentação e outros recursos dependem do âmbito do sistema e da dimensão da organização. Esta NI é aplicável a qualquer organização que pretenda: 1.Objectivo e campo de aplicação Desenvolver um SGA Assegurar a sua conformidade com a sua política ambiental (PA) Demonstrar conformidade com esta NI: Efectuar uma auto-avaliação e auto-declaração 6 No Anexo A21 Resumo ISO 14001:2004, apresenta um resumo da estrutura desta NI, que pode utilizar como guia de apoio ao estudo e aplicação dos seus requisitos. No Anexo A23 ISO 14001:2004 apresenta-se a transcrição do texto na norma ISO 14001:

21 Obter a confirmação da sua conformidade por partes interessadas (ex: clientes) Obter a confirmação da auto-declaração por uma entidade externa à organização Obter a certificação/registo do seu SGA por uma organização externa 2.Referências Normativas 3.Termos e definições 4.Requisitos do SGA Anexo A Informativo Anexo B informativo Bibliografia Não são referidas quaisquer referências a não ser a edição anterior da própria norma, ou seja a ISO 14001:1996 Esta NI utiliza um determinado tipo de vocabulário que define de forma clara neste ponto da norma Neste ponto da NI descrevem-se os requisitos que podem ser objectivamente auditados. É o elemento fulcral da norma. Linhas de orientação para a utilização da presente NI neste ponto da norma são apresentadas informações adicionais aos seus 4 pontos, no sentido de evitar interpretações erróneas. A numeração deste ponto é a mesma que se apresenta no ponto 4 da norma. Correspondência entre a ISO 14001:2004 e a ISO 9001:2000 Neste ponto identifica as normas da série ISO que são referidas na presente norma. Pretende-se que esta NI seja aplicável a organizações de todos os tipos e dimensões, condições geográficas e culturais. A presente NI contém apenas os requisitos que podem ser objectivamente auditados. As orientações relativas às técnicas de gestão ambiental estão incluídas em outras normas internacionais, nomeadamente a norma ISO 14004: Segundo o objectivo e campo de aplicação, esta NI tem vários níveis de aplicação, sendo que o estádio final é o que corresponde à obtenção da certificação/registo do seu SGA por uma entidade certificadora externa. A certificação é o processo de atestar a conformidade com um documento de referência, de forma credível. Tal como já referimos, existem em Portugal várias entidades certificadoras e nem todas têm os mesmos procedimentos de certificação 8. 7 O Anexo A21 ISO 14001:2004 apresenta o texto integral desta norma, em inglês. É um instrumento bastante útil para a fase de implementação do SGA. 8 Foram compilados alguns documentos sobre certificação de nos Anexos A01 a A10. 21

22 Da estrutura desta Norma Internacional (NI) o ponto Introdução destaca que é baseada na conhecida metodologia Ciclo de Deming, PDCA (Plan-Do-Check-Act) (Planear-agir-verificar-actuar), (tal como nos sistemas da qualidade): Figura 6: Ciclo de Deming Muitas organizações gerem as suas operações através da aplicação de um sistema baseado em processos e respectivas interacções, o que pode ser designado por abordagem por processos. A ISO 9001 promove esse tipo de abordagem e como o ciclo PDCA pode ser aplicado a todos os processos, as duas metodologias são compatíveis 9 De entre as 20 definições que a norma apresenta no ponto 3, e que devem ser dominadas por quem pretende estabelecer e/ou implementar um SGA, destacam-se, pela frequência da utilização e importância, as que se apresentam na figura seguinte e que serão objecto de clarificação no estudo dos requisitos desta NI Este curso será ilustrado com um estudo de caso denominado Emoção & Lazer baseado numa empresa real, tendo sido estruturado com base numa abordagem por processos. Que se encontra descrita no procedimento documentado no Anexo 23 Abordagem por processos (ficheiro em Word) e Anexo 24 Abordagem por processos (ficheiro em Excel).A abordagem pró processos teve como base o doccumento do Anexo 25 Projecto de a bordagem por processos de um sistema integrado. 10 No Anexo A24 - Termos e definições, pode aceder a todas as definições com interesse, bem como a um esquema de relacionamento entre alguns termos e definições. 22

23 Figura 7: Relação entre alguns dos termos e definições referidos no ponto 3 da norma O ponto 4 desta NI está organizado em função dos cinco princípios em que se baseia a sua aplicação, com vista à melhoria contínua. Figura 8: Os cinco princípios da norma ISO

24 2.2 Análise do requisito Requisitos Gerais (4.1) A organização deve estabelecer, documentar, implementar, manter e melhorar continuamente 4.1 Requisitos Gerais um sistema de gestão ambiental de acordo com os requisitos da presente Norma Internacional, e determinar como irá cumprir tais requisitos. A organização deve definir e documentar o âmbito do seu sistema de gestão ambiental. A especificação deste requisito está baseada no conceito de que a organização irá periodicamente fazer análises críticas, rever e avaliar o seu SGA para identificar oportunidades de melhoria e sua implementação. Pretende-se que melhorias na gestão ambiental resultem em melhorias adicionais no desempenho ambiental. Objectivamente este requisito indica a necessidade de definir e documentar o âmbito do SGA. A definição do âmbito tem como objectivo clarificar as fronteiras da organização a que o sistema de gestão ambiental é aplicável, especialmente se a organização é parte de uma organização mais alargada num determinado local. Uma vez definido o âmbito, todas as actividades, produtos e serviços da organização que façam parte desse âmbito necessitam de ser incluídos no sistema de gestão ambiental. No entanto, é da análise atenta do ponto A1 do Anexo A da norma ISO 14001:2004, que se deduzem informações mais consubstanciadas sobre alguns aspectos da implementação e manutenção do SGA. Dessa análise resultou o fluxograma representado na figura 9, que mais não é do que uma interpretação figurativa do requisito 4.1 requisitos gerais, donde se destaca a indicação de que, se a organização vai iniciar pela 1ª vez a implementação de um SGA deve fazer um Levantamento Ambiental. Apesar de não lhe dar um cariz de exigência, considera que é uma actividade fundamental na estruturação e implementação do SGA Para a elaboração do levantamento ambiental podem seguir-se as orientações do Anexo VII do Regulamento 761/2001 (EMAS), que identifica 5 domínios-chave (ver este documento no Anexo 23 do módulo 5) (1) Requisitos legais e outras que a organização subscreva: (2) Identificação de aspectos ambientais com impacte ambiental significativo e compilação de um registo dos aspectos ambientais identificados como significativos; (3) Descrição dos critérios de avaliação da significância; (4) Exame das práticas e procedimentos de gestão ambiental identificados; (5) Avaliação da experiência obtida com investigações anteriores 12 Neste curso é apresentado um estudo de caso denominado Emoção & Lazer, incluído numa pasta com a mesma designação que inclui um Levantamento Ambiental. Este está identificado como Anexo 01. O ficheiro de Word contém o relatório final e o ficheiro de Excel é um documento de trabalho que serviu de apoio à elaboração desse relatório 24

25 2.2.1 Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 4 Estrutura da NI (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) Resolução de estudo de caso Atendendo aos objectivos globais do curso pretende-se que o(s) formando (s) sejam avaliados pela sua capacidade de estruturar e implementar um sistema de gestão ambiental. Deve dar início à resolução do estudo de caso da empresa Metaltubo preparado a partir de uma empresa real. O estudo de caso está compilado nos seguintes ficheiros: Estudo de Caso Metaltubo.doc com os seguintes tópicos: 1 Introdução 2 Apresentação da Empresa 3 Levantamento Ambiental 4 Fluxograma de entradas e saídas 5 Gestão documental 6 Abordagem por processos 7 Pedidos Estudo de Caso Metaltubo.xls ficheiro de apoio à apresentação do estudo de caso. O objectivo é que o formando (s) elabore os pedidos do estudo de caso, com a colaboração do formador e com a finalização do curso apresente o estudo de caso estruturado, ou seja tenha elaborado os documentos essenciais à implementação do SGA. Apresentação de um pequeno relatório com o resumo dos elementos essenciais do levantamento ambiental (Anexo 01) 25

26 Figura 9: Interpretação figurativa do requisito 4.1 Requisitos Gerais 26

27 2.3 Análise do requisito Política Ambiental (4.2) 4.2 Política Ambiental A Gestão de topo deve definir a política ambiental da organização e garantir que, no âmbito definido para o seu sistema de gestão ambiental, esta política a) é adequada à natureza, à escala e aos impactes ambientais das suas actividades, produtos e serviços, b) inclui um compromisso de melhoria contínua e de prevenção da poluição, c) inclui um compromisso de cumprimento dos requisitos legais aplicáveis e de outros requisitos que a organização subscreva relativos aos seus aspectos ambientais, d) proporciona o enquadramento para estabelecer e rever os objectivos e metas ambientais, e) está documentada, implementada e mantida, f) é comunicada a todas as pessoas que trabalham para a organização ou em seu nome, e g) está disponível ao público. A política ambiental, que deverá ser definida no início do processo de implementação do SGA, representa os princípios pelos quais a organização se rege em termos ambientais. Deve servir de base ao estabelecimento de objectivos e metas, neste sentido a PA deve definir os princípios do desempenho ambiental da organização através dos quais o SGA é avaliado. A PA deve ser adequada à organização, logo deve reflectir a sua natureza, escala e impactes ambientais associados às suas actividades, produtos e serviços, As decisões que a organização toma em sede de planeamento devem ser justificadas e suportadas ao nível da política. O conteúdo da PA deve ser baseado nestes 3 compromissos: Melhoria contínua orientar a organização para a melhoria continua do SGA. Como o compromisso não implica uma actuação simultânea em todas as áreas a política pode identificar áreas prioritárias de actuação. Prevenção da poluição - este compromisso não implica uma actuação simultânea em todas as todas as áreas: produtos, serviços, processos, daí que a PA deva esclarecer quais as áreas de actuação no âmbito deste compromisso Cumprimento de RLOA - que a organização subscreva - a conformidade legal é o patamar mínimo do desempenho ambienta 27

28 Não existe um modelo específico para a sua elaboração, no entanto é normalmente redigida sob a forma de carta e assinada pela alta direcção. 13. Uma das principais alterações relativamente à 1ª versão desta NI é que, a política deve ser comunicada a todas as pessoas que trabalham para a organização ou em seu nome. A figura seguinte resume as charadísticas a que a PA deve obedecer. Figura 10: Características da política ambiental 13 Nos anexos A25 Políticas Ambientais, encontram-se alguns exemplos de políticas de empresas nacionais, divulgadas através da Internet, aliás uma das formas possíveis para cumprir com o requisito disponível ao público. No estudo de caso Emoção & Laser o Anexo 02 contém a política da Qualidade e Ambiente. 28

29 Lembrete Formas de dar a conhecer a Política Ambiental Expô-la em locais públicos concorridos Publicá-la em boletins periódicos da empresa Distribuí-la em reuniões informativas e aos colaboradores subcontratados juntamente com os contratos e pelo menos uma vez com a entrega do recibo de vencimentos Quando a PA for entregue pela 1ª vez deve haver um registo da entrega Lembrete Formas de disponibilizar a PA ao público; Colocá-la em locais onde circulem as visitas da empresa Disponibilizá-la na WEB Afixá-la em locais apropriados Resumo Para implementar um sistema de Gestão Ambiental segundo a norma ISO 14001:2004 é essencial dominar o seu referencial com bastante rigor. A presente NI está assim estruturada: Preâmbulo nacional, preâmbulo, introdução, Objectivos e campo de aplicação, referências normativas, termos e definições, requisitos do SGA, Anexo A e B informativos. Bibliografia. Mas os requisitos auditáveis para efeitos de certificação fazem parte de todo o ponto 4.que, identifica os 5 princípios em que se baseia a aplicação desta NI com vista à melhoria contínua. O requisito 4.1 Requisitos Gerais destaca que a organização deve definir e documentar o âmbito do seu SGA. O requisito 4.2 Política Ambiental define as características a que deve obedecer o documento em si e as que são inerentes à sua divulgação Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 5 Requisitos gerais e politica ambiental (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) Resolução do Estudo de caso Continuação da resolução do estudo de caso, elaboração da politica ambiental (Anexo 02) 29

30 2.4 Análise dos requisitos do Planeamento (4.3) O planeamento do SGA comporta 3 fases essenciais: A identificação dos aspectos ambientais significativos, dos requisitos legais e outros, a definição dos objectivos e metas, a elaboração de Programa (s), a avaliação do desempenho de objectivos e metas. Figura 11: o planeamento do SGA Aspectos Ambientais (4.3.1) Aspectos Ambientais A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para a) identificar os aspectos ambientais de suas actividades, produtos e serviços no âmbito definido para o SGA, que pode controlar e aqueles que pode influenciar, tendo em consideração desenvolvimentos novos ou planeados ou actividades, produtos e serviços, novos ou modificados, e b) determinar quais têm ou podem ter impactos ambientais significativos sobre o ambiente (i.e aspectos ambientais significativos). A organização deve documentar esta informação e mantê-la actualizada. A organização deve assegurar que os aspectos ambientais significativos são tomados em consideração no estabelecimento, implementação e manutenção do seu sistema de gestão ambiental 30

31 Atendendo às definições de aspecto e impacte ambiental, conclui-se que os aspectos ambientais são os elementos observáveis nas organizações, que tanto se podem referir a actividades, como a serviços, como a produtos e que os impactes são as alterações no meio ambiente, quase sempre adversas, mas também benéficas. Na figura seguinte apresenta-se a distinção entre aspectos e impactes ambientais por descritores 14, sendo, no entanto, essencial obter uma boa formação. 14 Para melhorar os conhecimentos sobre aspectos e impactes este manual disponibiliza os seguintes anexos: A26 Cuidar da água, A27 Curso de Poluição do Ar; A28 Efeito de estufa e convenção sobre o clima; A29 Lista de Frases de Risco; A210 Manual Luminotécnico; A211 Prevenção dos Resíduos Industriais; A212 Reciclagem de lâmpadas aspectos ambientais e tecnológicos; A213 Tratamento de Resíduos sólidos, A214 Poupe hoje para ter amanhã. 31

32 Figura 12: Exemplos de distinção entre aspectos e impacte ambientais 32

33 A identificação dos aspectos e respectivos impactes ambientais, seguida de uma metodologia de avaliação de significância para obter uma filtragem dos aspectos significativos, é um elemento fulcral da implementação do SGA. Figura 13: Avaliação de impacte ambiental para filtragem dos aspectos significativos, segundo critérios especificados Dependendo da complexidade da organização, poderá ser necessário consultar a norma ISO Directrizes para a avaliação do desempenho (performance) ambiental, para obter mais exemplos de categorias de actividades, produtos e serviços. Um aspecto muito importante, que não pode ser descurado na análise dos aspectos ambientais, é o tipo de controlo que pode ser exercido, directo e indirecto (ou que pode influenciar). Na figura 14 apresentam-se alguns descritores ambientais com exemplos de controlo directo e indirecto sobre os mesmos. A compreensão dos impactes ambientais é essencial quando se determina a significância dos aspectos ambientais. Existem muitas aproximações devendo as organizações escolher as mais adaptáveis. Recomenda-se que as mais complexas, sobre esta temática consultem as seguintes normas: ISO Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida Princípios e práticas gerais ISO Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida Definição do âmbito, metas e inventário ISO Gestão ambiental - avaliação do ciclo de vida - avaliação dos impactes do ciclo de vida ISO Gestão ambiental - avaliação do ciclo de vida - interpretação do ciclo de vida ISO Avaliação da melhoria do ciclo de vida ISO TR Exemplos ilustrativos de como aplicar a ISO

34 Esta consulta é essencial, sobretudo se a organização, no âmbito do seu SGA, pretenda implementar sistemas de rótulo ecológico para os seus produtos. Figura 14: Exemplo de controlo de Aspectos Ambientais Nesta fase de planeamento do SGA deverão fazer-se pontos da situação para encontrar as suas debilidades e, no curto prazo, aplicar oportunidades de melhoria. 34

35 Figura 15: Exemplos de listas de verificação para a fase do planeamento do SGA A significância é um conceito relativo que não pode ser definido em termos absolutos. O que é significativo para uma organização pode não ser para outra. A avaliação da significância dos impactes é um processo que requer a definição prévia de critérios de avaliação, o que se pode traduzir em valorações diferentes do mesmo impacte em diferentes organizações. Na figura seguinte apresentam-se alguns exemplos de critérios ou filtros de significância. 35

36 Figura 16: Exemplos de critérios para avaliação de significância Agora é essencial definir uma metodologia de identificação de aspectos/impactes, bem como da avaliação da significância de impactes ambientais para chegar aos aspectos significativos. Tabela 3:Etapas na identificação de aspectos / impactes ambientais Etapas Descrição Recomenda-se que a actividade, produto ou serviço seleccionado seja grande o suficiente para que o exame tenha significado e pequena o suficiente para que seja adequadamente compreendida. Neste processo devem considerar-se: 1 Identificar actividades, produtos ou serviços A complexidade da organização e das suas operações Práticas e procedimentos já existentes de gestão ambiental Informações sobre a previsão de acidentes ambientais Requisitos exigidos pelas partes interessadas Requisitos legais Obter entre outras as seguintes informações: Características das actividades, produtos ou serviços, consumos de materiais, 2 Identificar aspectos ambientais energia e água, processos tecnológicos, factores humanos. Informações das relações causa-efeito das actividades, produtos ou serviços no meio ambiente Interesses ambientais das partes interessadas 36

37 Etapas Descrição Requisitos legais ou outros associados aos aspectos identificados Identificar o maior número possível de impactes ambientais reais e potenciais, positivos e negativos, associados a cada aspecto identificado. As fontes de informação podem ser: Informações técnicas sobre produtos Documentos legais, contendo critérios ambientais Análises do ciclo de vida 3 Identificar impactes ambientais associados Códigos de práticas, normas, e outros documentos Relatórios de acidentes ambientais Cada aspecto pode ter mais do que um impacte associado. Estes podem identificar: o o Efeitos Negativos efeitos adversos Efeitos Positivos efeitos benéficos Onde recai o efeito (ar, água, solo, flora, fauna,...) Natureza das mudanças no ambiente A importância de cada impacto ambiental identificado pode variar de uma organização para outra. A quantificação pode auxiliar no julgamento. Exemplos de factores ambientais, a considerar na avaliação da significância: 4 Avaliar a significância dos impactes Probabilidade de ocorrência Escala do impacte Frequência e duração Severidade Requisitos legais Interesses das partes envolvidas, 5 Segregar aspectos ambientais significativos A etapa anterior permite graduar os impactes ambientais e destacar os mais significativos e quais são os aspectos ambientais significativos associados. Estes devem ficar listados, registados e ordenados 37

38 Em suma, e segundo uma proposta do documento Orientações para a Identificação dos Aspecto Ambientais e a Avaliação da sua Importância do EMAS o processo de identificação dos aspectos ambientais significativos pode ser sintetizado conforme se mostra na figura seguinte: Figura 17: A segregação dos aspectos ambientais significativos Apesar do requisito Aspectos Ambientais, não exigir um procedimento documentado para identificação e avaliação da significância dos aspectos ambientais, este é um dos casos em que faz todo o sentido que seja elaborado um, dado que: A metodologia de identificação dos aspectos ambientais e relação com os respectivos impactes deve ser rigorosamente seguida por todos os responsáveis da organização cujas actividades tenham impacte ambiental; Como os aspectos ambientais estão quase sempre associados a requisitos legais, deve estar documentada a forma como a organização controla esses aspectos ambientais; É necessário garantir que toda a actividade que leva à avaliação da significância dos aspectos ambientais é executada de forma consistente. 38

39 O procedimento documentado pode designar-se Identificação e Avaliação da Significância de Aspectos Ambientais 15. Para avaliar a significância dos aspectos ambientais é essencial definir uma matriz com os parâmetros a incluir, bem como uma matriz de registo associada. Suponhamos que se pretende avaliar a significância do aspecto ambiental Resíduos de embalagem de vidro com os impactes associados Consumo de Recursos Naturais e Diminuição do tempo de vida útil do aterro", em condições normais de operação e com requisitos legais associados na actividade de Aprovisionamento Definiram-se os seguintes parâmetros de avaliação: Figura 18: Parâmetros de Avaliação Gravidade e Probabilidade Com a conjugação destes dois parâmetros determina-se o Índice de Risco de Ambiental, que pode variar entre 1 e No anexo A221 pode consultar um modelo de procedimento para a identificação e avaliação da significância dos aspectos ambientais que tem associado um ficheiro de Excel que materializa as indicações do procedimento documentado para a avaliação da significância dos aspectos ambientais 39

40 Figura 19: Níveis de Índice de Risco Ambiental Figura 20: Níveis de risco ambiental Determinado o Índice de Risco, pode utilizar-se um outro parâmetro de avaliação, por exemplo o Controlo Operacional exercitado sobre os aspectos ambientais: Figura 21: Tipos de controlo ambiental 40

41 Da conjugação do Índice de Risco com o nível de controlo operacional obtém-se o índice de significância: Figura 22: Determinação do índice de Significância Finalmente considere-se também as condições de operação: em que Anormal, significa situações de paragem programadas ou não e emergência para situações ligadas a acidentes e incidentes. Figura 23: Parâmetro condições de operação A figura 24 resume o cálculo do índice de risco e do índice de significância com base nos parâmetros definidos, tendo-se concluído que é significativo. A figura 25 mostra como o tema pode ser tratado através de uma matriz de registo Continuando com o estudo de caso Emoção & Lazer. O Anexo 03 contém o procedimento documentado de Identificação e Avaliação dos Aspectos Ambientais e o Anexo 04 materializa todo o processo de avaliação dos aspectos ambientais através de um conjunto de matrizes. 41

42 Figura 24: Determinação da significância dos aspectos ambientais Figura 25:Matriz de registo de aspectos ambientais e avaliação da significância 42

43 Resumo Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 6 Requisitos do planeamento aspectos ambientais (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) Resolução do estudo de caso Continuação da resolução do estudo de caso: Elaboração do procedimento documentado de identificação e avaliação dos aspectos ambientais (Anexo 03) Identificação e avaliação da significância dos aspectos ambientais num ficheiro de Excel num dos ficheiros de Excel disponibilizados neste curso (Anexo 04). 43

44 2.4.4 Requisitos Legais e Outros requisitos (4.3.2) Requisitos Legais e Outros Requisitos A organização deve estabelecer, implementar e manter um ou mais procedimentos para a) identificar e ter acesso aos requisitos legais aplicáveis e a outros requisitos que a organização subscreva, relacionados com os seus aspectos ambientais, e b) determinar como estes requisitos se aplicam aos seus aspectos ambientais. A organização deve assegurar que estes requisitos legais aplicáveis e outros requisitos que a organização subscreva são tomados em consideração no estabelecimento, implementação e manutenção do seu sistema de gestão ambiental. São diversos os requisitos legais a que a organização deve aceder para estar em conformidade legal. Mas pode não ser suficiente, para estar em conformidade legal, obedecer apenas a requisitos legais. Na categoria de outros requisitos a lista pode ser extensa. Na tabela seguinte estão referenciados alguns exemplos, bem como fontes de consulta. Tabela 4: Exemplos de tipos de requisitos legais e outros Espécies de regulamentos/leis Outros requisitos Fontes Específicos à actividade (por exemplo, Acordos com autoridades públicas Governo, Comunidade, licenças de operação); Específicos aos produtos ou serviços da organização (por exemplo, proibições relativas a processos ou utilização de materiais); Específicos ao ramo industrial da organização (certas industrias estão sujeitas a restrições específicas, que devem ser cumpridas); Acordos com clientes Códigos de boas práticas Compromissos de rotulagem ambiental Requisitos de associações industriais Acordos com grupos comunitários Acordos com organizações não outros Organismos Reguladores Associações ou grupos industriais; Bases de dados gratuitas ou subscritas Serviços profissionais de consultoria Leis ambientais gerais, nacionais, governamentais comunitárias, ou internacionais; Compromissos públicos Autorizações, licenças e permissões. Conforme se pode ver na figura seguinte, esta NI refere explicitamente que existem duas fases neste requisito: (1) identificar e ter acesso a (2) determinar como estes requisitos se aplicam aos seus aspectos ambientais. Tratou-se de uma alteração importante relativamente à norma anterior que permitia que as organizações fizessem listas de legislação sem indicar a sua aplicabilidade. 44

45 Figura 26: Exemplo de procedimento de acesso, interpretação e aplicação de requisitos legais Sem ser, de modo algum exaustivo, pois esta é uma formação em SGA e não em Legislação Ambiental, achou-se, no entanto essencial, referir os principais textos legais tendo em conta os principais descritores ambientais, bem como disponibilizá-los em anexo. 17. Actualmente, quase não se coloca o problema de ter acesso aos textos legais, pela sua disponibilidade na internet de forma gratuita. Já o determinar como estes requisitos se aplicam aos aspectos ambientais, exige conhecimentos específicos, sempre actualizados. Aproveitando o que de bom se vai fazendo em Portugal nesta área, foi recentemente publicado pela União das Associações Empresariais da Região Norte, um Manual de boas práticas ambientais e de responsabilidade social, que se apresenta por áreas temáticas com um enquadramento legal exaustivo e actualizado e que se traduz num documento muito válido no controlo dos aspectos ambientais No Anexo A215 Legislação Ambiental Básica por descritores, estão disponíveis todos os textos legislativos indicados na figura Este documento está referenciado como anexo A224 45

46 Apesar da norma de referência não exigir um procedimento documentado, também se pode optar pela sua elaboração, devendo ter sempre associadas matrizes de listas de legislação aplicáveis 19 Figura 27: Principais referências legislativas organizada por descritores 19 O anexos A22 apresenta um exemplo para um procedimento de RLOR e o anexo A23 um exemplo de matriz de RLOR. O estudo de caso que se tem vindo a seguir apresenta nos anexos 05 e 06 respectivamente um exemplo de procedimento documentado para os RLOR e uma lista de RLOR que pode não estar actualizada, tendo em conta que o estudo de caso foi elaborado em

47 De acordo com o regime jurídico de gestão de resíduos (DL 178/2006), a sua produção deve ser minimizada, para assegurar a sua gestão sustentável, onde a responsabilidade deve ser partilhada por todos os intervenientes: do produtor de um bem ao cidadão consumidor, do produtor dos resíduos ao detentor, dos operadores de gestão às autoridades administrativas reguladoras. Neste contexto, têm vindo a ser criados um vasto leque de organismos, grande parte deles, sem fins lucrativos e que são um elemento fundamental no circuito da recolha selectiva de resíduos, valorização, reciclagem, aterro, ou outro destino adequado. Estes organismos designam-se basicamente: Fileiras organismos que pretendem garantir que os resíduos são efectiva e adequadamente valorizados e reintroduzidos no sistema económico. A fileira organiza-se em função do tipo de material constituinte dos resíduos, nomeadamente fileira dos vidros, fileira dos plásticos, fileira dos metais, fileira da matéria orgânica ou fileira do papel e cartão; Fluxos são entidades gestoras de sistemas de gestão específicos de resíduos. Como fluxo de resíduos entende-se o tipo de produto componente de uma categoria de resíduos transversal a todas as origens, nomeadamente embalagens, electrodomésticos, pilhas, acumuladores, pneus ou solventes, medicamentos, veículos em fim de vida. Com a aplicação do princípio do "poluidor-pagador" aos custos inerentes à gestão de resíduos, que responsabilizam prioritariamente os produtores dos bens de consumo e os produtores de resíduos ou seus detentores, o aparecimento destas entidades permite transferir as suas responsabilidade pela gestão dos resíduos para uma entidade devidamente licenciada e assim estar em conformidade legal com a legislação aplicável à gestão de resíduos 20. No terreno, a gestão de resíduos (recolha, transporte, armazenagem, tratamento, valorização e eliminação) deve ser levada a cabo por operadores devidamente licenciados, sendo o Instituto dos Resíduos (www.inresiduos.pt) a entidade que confere autorização prévia para o desenvolvimento da respectiva actividade, o que lhes confere o direito de estarem listados no respectivo site, dando a possibilidade ao detentor de resíduos de se certificar que contratou um operador devidamente licenciado Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 7 Requisitos do planeamento requisitos legais (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) 20 No anexo A218 Fileiras e Fluxos apresentam-se um quadro síntese das fileiras e fluxos actualmente existentes em Portugal. 47

48 2.4.6 Resolução do estudo de caso Manual do Formando Gestão Ambiental Continuação da resolução do estudo de caso: Elaboração do procedimento documentado de controlo e aplicabilidade dos RLOR (Anexo 05) Elaboração de uma matriz com alguma legislação aplicável ao estudo de caso de acordo com o procedimento definido (anexo 06) Síntese O cumprimento do requisito pressupõe que as organizações identifiquem todos os requisitos legais e outros requisitos aplicáveis aos seus aspectos ambientais. Estes podem apresentar-se sob diversas formas e serem nacionais, comunitários ou mesmo internacionais Mas também se podem ter de cumprir resoluções ministeriais e municipais Nos outros podem incluir-se políticas do grupo a que a organização pertença, códigos de boa conduta e requisitos dos clientes. Por isso todos os requisitos identificados e aplicáveis devem fazer parte integrante do SGA implementado É conveniente que a organização defina um procedimento (escrito ou não), que garanta p acesso à informação sobre os requisitos subscritos, sobre a sua actualização permanente, a sua análise, difusão e implicações dentro do SGA Objectivos, metas e programas (4.3.3) Objectivos e metas e programas A organização deve estabelecer, implementar e manter objectivos e metas ambientais documentados, a todos os níveis e funções relevantes dentro da organização. Os objectivos e metas devem ser mensuráveis, sempre que possível, e consistentes com a política ambiental, incluindo os compromissos relativos à prevenção da poluição, ao cumprimento dos requisitos legais aplicáveis e outros requisitos que a organização subscreva, e à melhoria contínua. Ao estabelecer e rever os seus objectivos e metas, a organização deve ter em conta os requisitos legais e outros requisitos que a organização subscreva, e os seus aspectos ambientais significativos. Deve também considerar as suas opções tecnológicas e os seus requisitos financeiros, operacionais e de negócio, bem como os pontos de vista das partes interessadas. Para atingir os seus objectivos e metas, a organização deve estabelecer, implementar e manter um ou mais programas. Este(s) programa(s) deve(m) incluir a) a designação das responsabilidades para atingir os objectivos e metas, aos níveis e funções relevantes da organização, e b) os meios e os prazos de realização. A coerência com a política ambiental, quer dizer que os objectivos definidos devem ser adequados ao comprometimento com a política. Por exemplo se há um comprometimento com a redução de resíduos, um objectivo de promover a recolha selectiva não é adequado pois a recolha selectiva não reduz a produção de resíduos, apenas promove o seu encaminhamento adequado. Na figura seguinte estão definidos um conjunto de objectivos coerentes com uma dada política. Na prática, o mais difícil é a definição de metas a atingir, pois se forem muito ligeiras o esforço de melhoria contínua é reduzido, se forem muito ambiciosas corre-se o risco de não cumprir os objectivos. 48

49 Figura 28: Exemplo de definição de objectivos e metas consistentes com uma política ambiental Nas figuras seguintes, para além de um fluxograma interpretativo deste requisito, apresentam-se 3 exemplos de programa ambiental, respectivamente para um produto, uma actividade e um serviço, que tiveram como base os casos apresentados na norma ISO 14004:2004. Finalmente na tabela 5 apresenta-se uma hipótese de matriz para um programa ambiental, bem como um pequeno exemplo de um programa ambiental para a Manutenção de uma organização. Para além dos aspectos formais, na prática, a amplitude do Programa Ambiental vai depender: Das capacidades técnicas, financeiras e humanas da organização Das prioridades em termos de controlo dos aspectos ambientais significativos Depois de elaborado e implementado o Programa Ambiental deve: Ser continuamente acompanhado quanto ao seu grau de concretização Ser reexaminado periodicamente e reajustado, se necessário Os resultados desta análise são reportados à gestão de Topo e devem ser considerados nas entradas da revisão pela gestão podendo desencadear: Manter o mesmo programa, mas com novas metas, por exemplo mais ambiciosas 49

50 Iniciar novos projectos, a incluir em novas edições do Programa, principalmente, se a melhoria contínua exigir níveis de desempenho superiores aos actuais O ciclo PDCA é uma metodologia também aplicável ao Programa Ambiental: Planear (as acções, os recursos, o timing, os resultados esperados, indicar quem é o responsável pela concretização) Figura 29: Resumo do planeamento 50

51 Figura 30: Exemplo de um programa ambiental para um produto Implementar e executar as acções previstas Acompanhar, monitorizar e controlar a execução Actuar durante a execução para corrigir trajectórias desviadas Elaborar no final do prazo indicado um relatório de execução a reportar à gestão de topo 51

52 Por último, é de referir mais uma vez, que a norma também não exige um procedimento documentado para o acompanhamento de objectivos, metas e programas, mas pelas razões já indicadas, a sua elaboração é um factor de consistência para estas actividades 21 Figura 31: exemplo de um programa ambiental para um serviço 21 No estudo de caso que se vem a acompanhar, os anexos 07 e 08 apresentam respectivamente um procedimento documentado para os objectivos, metas e programas e o programa ambiental 52

53 Figura 32: Exemplo de um programa ambiental para uma actividade 53

54 Síntese O planeamento do SGA começa com o compromisso da política ambiental Devem ser identificados todos os aspectos ambientais, bem como os requisitos legais aplicáveis e como são aplicáveis Os aspectos ambientais significativos devem ser segregados para serem controlados pela organização através do Programa Ambiental e controlo operacional com vista à melhoria contínua. O Programa Ambiental deve incluir as acções necessárias à consecução dos objectivos e metas, os recursos a envolver, os prazos a cumprir, os responsáveis pela sua concretização, os indicadores de desempenho. Compete à gestão operacional e de topo: Acompanhar a execução do Programa e promover o seu reajustamento, se necessário Utilizar os relatórios do desempenho do Programa Ambiental nas entradas da revisão pela gestão 54

55 Tabela 5: Exemplo de Programa Ambiental 55

56 2.4.8 Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 8 Requisitos do planeamento objectivos, metas e programas (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando Resolução do estudo de caso Continuação da resolução do estudo de caso: elaboração do programa do sistema de gestão ambiental tendo em atenção os aspectos considerados significativos. Pelo menos considere dois desses aspectos (Anexo 07). 56

57 Módulo 3 Norma EN ISO 14001:2004 Análise dos requisitos da implementação e Operação Objectivos Gerais: Interpretar os requisitos de uma SGA segundo a norma ISO a uma organização. Específicos: Identificar as responsabilidades da gestão de topo no fornecimento de recursos, definição de autoridade e responsabilidade Identificar as exigências desta NI em matéria de formação, competência e sensibilização. Identificar as características da comunicação interna e externa Conhecer o nível de detalhe e controlo exigido à documentação do SGA Identificar e interpretar as exigências desta NI no que respeita ao controlo das actividades geradoras de aspectos ambientais significativos Identificar e interpretar as exigências desta NI em matéria de preparação e resposta a emergências Tópicos 3 Norma EN ISO 14001: Análise dos requisitos da Implementação e Operação (4.4) Recursos Atribuições, responsabilidade e autoridade (4.4.1) Competência, formação e sensibilização (4.4.2) Comunicação (4.4.3) Documentação (4.4.4) Controlo de documentos (4.4.5) Controlo Operacional (4.4.6) Preparação e Resposta a Emergências (4.4.7) 57

58 3 Apresentação da Norma EN ISO 14001: Análise dos requisitos da Implementação e Operação (4.4) Recursos Atribuições, responsabilidade e autoridade (4.4.1) Recursos, atribuições, responsabilidade e autoridade A Gestão deve garantir a disponibilidade dos recursos indispensáveis para estabelecer, implementar, mater e melhorar o sistema de gestão ambiental. Estes recursos incluem os recursos humanos e aptidões específicas, as infra-estruturas da organização e os tecnológicos e financeiros) As atribuições, as responsabilidades e a autoridade devem ser definidas, documentadas e comunicadas, de forma a proporcionar uma gestão ambiental eficaz. A Gestão de topo deve nomear um ou mais representante (s) específico (s) que independentemente de outras responsabilidades, deve (m) ter atribuições, responsabilidades e definidas para: a. Assegurar que o SGA é estabelecido, implementado e mantidos de acordo com esta Norma Internacional; b. Reportar à Gestão de Topo desempenho do SGA para efeitos de revisão, incluindo e recomendações de melhoria. Para a conformidade com o requisito 4.4.1, Recursos, atribuições, responsabilidade e autoridade, salienta-se que a Gestão de Topo: Fornece ou disponibiliza: recursos humanos e financeiros, bem como capacidades e tecnologias Nomeia: um representante específico (ex: o gestor do sistema) que assegura a implementação do SGA e relata o seu desempenho à gestão de topo. Acresce ainda, que devem estar documentadas e comunicadas as atribuições, responsabilidades e autoridades definidas para proporcionar um SGA eficaz. Nesta actual versão, o representante da Gestão de Topo deve, no relato do desempenho do SGA para efeitos de revisão, incluir recomendações para melhoria. A informação sobre este requisito poderá ser veiculada através do Manual do SGA O estudo de caso que se tem vindo a acompanhar apresenta um procedimento documentado para o acompanhamento dos requisitos e (Anexo 10), mas que deixa em aberto a actualização dos requisitos de recursos materiais 58

59 3.1.2 Competência, formação e sensibilização (4.4.2) Competência, formação e sensibilização A organização deve assegurar que qualquer pessoa que execute tarefas para a organização ou em seu nome, que tenham potencial para causar impacte(s) ambiental(is) significativo(s) identificados pela organização, é competente com base numa adequada escolaridade, formação ou experiência. A organização deve manter os registos associados. A organização deve identificar as necessidades de formação associadas aos seus aspectos ambientais e ao seu SGA. A organização deve providenciar formação ou desenvolver outras acções para responder a estas necessidades, e deve manter os registos associados. A organização deve estabelecer, implementar ou manter um ou mais procedimentos para as pessoas que trabalham para a organização ou em seu nome, estarem preparadas para: a) A importância da conformidade com a da política ambiental, os procedimentos e os requisitos do SGA. b) Os aspectos ambientais significativos e impactes relacionados, reais ou potenciais, associados ao seu trabalho e para os benefícios ambientais decorrentes da melhoria do seu desempenho individual c) As suas atribuições e responsabilidade para atingir a conformidade com os requisitos do SGA d) As consequências potenciais de desvios aos procedimentos especificados Quanto ao requisito Competência, formação e sensibilização, a organização deve assegurar: A sensibilização de todas as pessoas da organização ou em seu nome para o bom funcionamento do SGA, nomeadamente para a importância da conformidade com a política ambiental, os procedimentos e com os requisitos do SGA. A identificação das necessidades de formação que permitam estabelecer planos de formação para todas as pessoas que trabalham para a organização ou sem seu nome mesmo que subcontratados, desenvolvam tarefas ou actividades associadas aos seus aspectos ambientais. A competência para o desempenho do cargo, assegurada não só pela formação, mas também pela educação (que deve ser apropriada às tarefas desempenhadas) e pela experiência (nas tarefas que lhe são atribuídas). 59

60 A manutenção de registos adequados (ver ponto 4.5.3) às actividades afectas à formação, como por exemplo: o Identificação das necessidades de formação 23 o o o Plano de formação Sumários das acções de formação Certificados de formação. Procedimentos de sensibilização/formação para: o o Política e procedimentos de gestão ambiental Impactes ambientais significativos das actividades Tabela 6: Tipos de formação/ Sensibilização Tipo de formação/sensibilização Público-alvo Propósito Consciencialização sobre a importância estratégica da gestão ambiental Consciencialização sobre as questões ambientais em gera Aperfeiçoamento de competências Cumprimento dos requisitos Gestores executivos Todos os empregados Colaboradores com responsabilidades ambientais Colaboradores cujas acções podem afectar o cumprimento dos requisitos Obter o comprometimento e harmonização com a política ambiental da organização Obter o comprometimento com a política ambiental, seus objectivos e metas, e fomentar um senso de responsabilidade individual. Melhorar o desempenho em áreas específicas da organização Assegurar que os requisitos legais e internos sejam cumpridos. Assegurar o cumprimento de procedimentos, instruções de serviço, especificações técnicas, registo correcto de monitorizações, etc 3.2 Comunicação (4.4.3) Comunicação No que se refere aos seus aspectos ambientais e ao seu SGA, a organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para (1) Comunicação interna entre os vários níveis e funções da organização, (2) Receber, documentar, e responder a comunicações relevantes de partes interessadas externas. A organização deve decidir acerca da comunicação externa sobre os aspectos ambientais significativos e deve documentar a sua decisão. Se a organização decidir comunicar, deve estabelecer e implementar (um) método(s) para esta comunicação externa. 23 Os anexos A31 2 A32 Levantamento das necessidades de formação apresentam dois possíveis exemplos de documentos de levantamento das necessidades de formação 60

61 O requisito Comunicação é perfeitamente enquadrável com o que se faz em qualquer outro sistema de gestão tanto para a comunicação interna como externa. O destaque deste requisito vai para a comunicação externa sobre os seus aspectos ambientais significativos, que é facultativa, mas caso tenha sido tomada a decisão de comunicar, deve estabelecer e implementar um método de comunicação. 24 Figura 33: Exemplos de aspectos a ter em consideração na comunicação interna 24 No estudo de caso que se tem vindo a acompanhar, o anexo 09 apresenta um modelo de matriz para uma metodologia de comunicação dentro da empresa 61

62 Figura 34: exemplos de aspectos a ter em consideração na comunicação externa Síntese Para a implementação e operação do SGA a gestão de topo deve assegurar a disponibilização de recursos, definir documentar e comunicar atribuições e responsabilidades, incluído a nomeação de um mais representantes, assegurar que todos os que trabalham na organização ou em seu nome possuem a formação, competência e escolaridade adequadas ao desenvolvimento de actividades com potencial de causar impactes ambientais e manter procedimentos adequados para a comunicação interna e externa Auto-avaliação O formando deve resolver Ficha de Trabalho 9 - Implementação e Operação: Recursos, atribuições responsabilidade e autoridade (4.4.1), competência formação e sensibilização (4.4.2), Comunicação (4.4.3) (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) 62

63 3.3 Documentação (4.4.4) Documentação A documentação do SGA deve incluir: A Política Ambiental, objectivos e metas Uma descrição do âmbito do SGA Uma descrição dos principais elementos do SGA e suas interacções e referências a documentos relacionados Documentos, incluindo registos requeridos por esta NI Documentos, incluindo registos, definidos como necessários pela organização para assegurar o planeamento, a operação e o controlo eficazes dos processos relacionados com os seus aspectos ambientais significativos. Do requisito Documentação, que descreve os elementos chave do SGA, salienta-se: Deve orientar na obtenção de informações Estar ou não integrada na documentação de outros sistemas. Nas organizações que optam pela integração de sistemas, qualidade, ambiente e segurança, a gestão documental, incluindo o controlo de documentos é um dos requisitos com elevado grau de integração. Ser apropriada ao tamanho da organização, complexidade de processos, competência do pessoal Ser documentada (papel, ficheiros informáticos ) sempre que: o o o o Os requisitos desta NI assim o exijam Caso se tema que os procedimentos estabelecidos não sejam seguidos Se determine que é a melhor forma de obter a conformidade legal Exista a necessidade de garantir que a actividade é executada de forma consistente. Apesar de não existir nenhuma recomendação específica sobre a estrutura documental, poderá adoptar-se um modelo em tudo semelhante ao preconizado pela norma ISO 9001:2000, tanto mais que se verifica uma tendência crescente para a integração de sistemas. Um modelo possível pode ser analisado na figura 35. No topo encontra-se o manual do sistema de gestão, que não sendo um documento obrigatório na implementação do SGA, reveste-se de grande importância pelas suas características integradoras Em termos de hierarquia seguem-se os procedimentos, as instruções de trabalho e os registos. 25 Não sendo um documento obrigatório, muitas organizações elaboram um manual do SGA que resume os seus principais elementos Nos anexos deste módulo encontram-se alguns exemplos de manuais do SGA (anexos A318 a A322). 26 O estudo de caso que tem vindo a ser apresentado neste curso também apresenta um Manual da qualidade e ambiente no anexo

64 No que respeita ao tipo de documentação (procedimentos documentados ou não, documentos, programas, registos) proposta ou indicada ao longo da norma, na figura 36 apresenta-se um resumo de todas as referências documentais desta NI. Em termos documentais assume grande importância o formato do procedimento. Para os procedimentos escritos, apesar de os mesmos não serem obrigatórios ao abrigo desta norma, deve ser previamente adoptado um modelo que deve ser seguido em todos os procedimentos Figura 35: Exemplo de uma possível estrutura documental para um SGA 27 Ver no anexo A33 Modelo de Procedimento, que inclui os conteúdos que podem ser abordados num procedimento, bem como as indicações que deve conter para efeitos de controlo. O anexo A317 apresenta um extracto de um procedimento de gestão documental, no que se refere a todos elementos que devem ser controlados No seguimento do estudo de caso que se tem vindo a acompanhar, o anexo 11 apresenta o procedimento documentado para a gestão de documentos e registos 64

65 Figura 36: Referências documentais e de comunicação na norma ISO 14001: Controlo de documentos (4.4.5) Controlo de Documentos Os documentos requeridos pelo SGA e pela presente NI devem ser controlados. Os registos são um tipo específico de documentos e devem ser controlados de acordo com os requisitos constantes em A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para a) Aprovar os documentos quanto à sua adequação antes da respectiva emissão b) Rever e actualizar, conforme necessário, e reaprovar os documentos c) Assegurar que são identificadas as alterações e o estado actual da revisão dos documentos d) Assegurar que as versões relevantes dos documentos aplicáveis estão disponíveis nos locais da utilização e) Assegurar que os documentos permanecem legíveis e facilmente identificáveis f) Assegurar que os documentos de origem externa definidos pela organização como necessários ao planeamento e operação do SGA são identificados e sua distribuição controlada g) Prevenir a utilização involuntária de documentos obsoletos e identificá-los devidamente caso estes sejam retirados por qualquer motivo 65

66 Quanto ao requisito Controlo de documentos, destacam-se alguns elementos preponderantes na sua gestão, referidos na figura seguinte, salientando-se, mais uma vez, que este requisito, caso existam outros sistemas de gestão, será tratado de forma integrada. Figura 37: Requisitos requeridos na gestão documental Com a revisão desta NI, este foi um dos requisitos bastante clarificado. Os registos são designados um tipo específico de documentos e devem ser controlados de acordo com os requisitos constantes em Um elemento novo neste requisito é que a organização deve estabelecer, implementar e manter um ou mais procedimentos para assegurar que são identificadas as alterações e o estado da revisão em curso dos documentos e que os documentos de origem externa definidos pela organização como necessários ao planeamento e operação do sistema de gestão ambiental são identificados e a sua distribuição controlada Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho Ficha de Trabalho 10 - Implementação e Operação: Documentação (4.4.4) e Controlo de Documentos (4.4.5) (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) 66

67 3.3.3 Resolução do estudo de caso Continuação da resolução do estudo de caso: Elaboração de um procedimento documentado de Gestão documental incluindo o controlo de registos. Ter em consideração as propostas do enunciado do estudo de caso (Anexo 08) Estruturação do Manual do sistema de gestão ambiental com a apresentação de um índice (Anexo 09). Descrição de alguns pontos referentes a requisitos não desenvolvidos, como por exemplo o requisito da comunicação Controlo Operacional (4.4.6) Controlo Operacional A organização deve identificar e planear as operações que estão associadas aos aspectos ambientais significativos identificados, consistentes com sua política ambiental e os seus objectivos e metas de forma a garantir que estas operações são realizadas sob condições especificadas a) Estabelecendo, implementando e mantendo um ou mais procedimentos documentados para controlar as situações onde a sua inexistência possa conduzir a desvios à política ambiental e aos objectivos e metas b) Estipulando critérios operacionais nos procedimentos c) Estabelecendo, implementando e mantendo procedimentos relacionados com os aspectos ambientais significativos identificados dos bens e serviços utilizados pela organização, e comunicando os procedimentos e requisitos aplicáveis aos fornecedores, incluindo subcontratados Na implementação e funcionamento de um SGA, reveste-se da maior importância o requisito Controlo Operacional, o único para que a norma exige procedimentos documentados. A figura seguinte apresenta um modelo possível de fluxograma para o procedimento operacional. Assim segundo a figura, o controlo operacional começa com a identificação das actividades que causam impactes (1) e com a avaliação consequente dos aspectos significativos e seu enquadramento legal (2), ou seja o processo começou com o cumprimento dos requisitos do planeamento. Estas actividades devem ser objecto de planeamento (3) (como, quando, quem), tendo em conta condições de operação normais, manutenção e paragens. Para o controlo dos impactes são definidos procedimentos gerais, instruções de trabalho mais específicas, 29, ou outros documentos, 29 Nos anexos deste módulo podem ser consultados vários exemplos de documentos de controlo operacional Pode consultar os seguintes anexos: A34 Procedimento de gestão de Resíduos, A35 Procedimento 67

68 que orientam as tarefas para a prevenção ou minimização desses mesmos impactes. Estes documentos devem ser divulgados, quer interna quer externamente (5), nomeadamente para fornecedores e subcontratados relacionados com os aspectos ambientais significativos. No processo de divulgação/comunicação pode verificar-se a necessidade de implementar, não só acções de sensibilização, como de formação para atender ao requisito operacional para gestão de resíduos, A36 Instrução de trabalho para resíduos sólidos, A37 Instrução de trabalho para resíduos sólidos, A38 Instrução de Trabalho para Águas Residuais. 30 Na continuação do estudo de caso Emoção & Lazer pode ser analisado o procedimento documentado genérico para o controlo operacional e vários documentos operacionais. de controlo dos aspectos considerados significativos. 68

69 Figura 38: Controlo operacional 69

70 Dada a importância da minimização do consumo de recursos e produção de resíduos, a figura seguinte apresenta a hierarquia a considerar no controlo operacional. Figura 39: Hierarquia na minimização de consumos e na produção e destino final de resíduos Auto-avaliação O formando deve resolver A Ficha de Trabalho 11 - Implementação e operação: Controlo Operacional: (4.4.6) Preparação e Resposta a Emergência (4.4.7) (Fichas de Trabalho Autoavaliação Formando) Resolução do estudo de caso Continuação da resolução do estudo de caso: Elaboração de um Procedimento documentado de Controlo Operacional para os aspectos ambientais significativos que permita o enquadramento para procedimentos operacionais e instruções de trabalho (anexo 10) Seleccionar um aspecto significativo e elaborar uma instrução de trabalho (como proposta para fazer uma instrução para os resíduos do processo produtivo) (Anexo 11) 70

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Manual do formador - Recursos. Gestão Ambiental. Maria Gabriela M.C. Lopes de Almeida

Manual do formador - Recursos. Gestão Ambiental. Maria Gabriela M.C. Lopes de Almeida Manual do formador - Recursos Gestão Ambiental Maria Gabriela M.C. Lopes de Almeida Recurso desenvolvido no âmbito da medida 4.2.2.2 do POEFDS. Programa co-financiado por: FICHA TÉCNICA Manual do Formador

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A série de normas ISO 9000 foi inicialmente publicada em 1987, e desde então já sofreu dois ciclos de melhoria, incluindo uma revisão menor em 1994 e uma modificação mais profunda em 2000. A

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental SGA

Sistema de Gestão Ambiental SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO Um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) constitui uma parte do sistema global de gestão de uma organização que visa o controlo dos seus aspectos ambientais, através

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental nas Unidades do Exército. SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS UNIDADES DO EXÉRCITO Ten AdMil Vânia Santos

Sistema de Gestão Ambiental nas Unidades do Exército. SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS UNIDADES DO EXÉRCITO Ten AdMil Vânia Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS UNIDADES DO EXÉRCITO Ten AdMil Vânia Santos As questões ambientais têm assumido uma posição de destaque em todas as agendas políticas dos Estados e das organizações, decorrente

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA ASSEMBLEIA AMIGA DO AMBIENTE Ponta Delgada, 13-1 - de Abril de 2005 RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão ambiental Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização (ISO 14001:2004) NP EN ISO 14001 2004

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão ambiental Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização (ISO 14001:2004) NP EN ISO 14001 2004 Norma Portuguesa NP Sistemas de gestão ambiental Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização (ISO 14001:) Systèmes de management environnemental Exigences et lignes directrices pour son utilisation

Leia mais

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto NP EN ISO 9001:2008 Principais alterações 06 de Maio de 2008 Dulce Pacheco Orador: Carla Pinto Local e Data: Coimbra, 30 Janeiro 2008 ISO 9001:2008 Principais alterações ç Motivações e processo de desenvolvimento

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

ISO 9001:2008. A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000:

ISO 9001:2008. A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000: A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000: ISO 9001:2008 Esta nova edição decorre do compromisso da ISO em rever e actualizar as Normas,

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP 4397 2008

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP 4397 2008 Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação.

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação. Objectivos Gerais Definir o que é a Qualidade; Determinar a evolução da qualidade. Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

servicos ambiente ccambiente ISO50001

servicos ambiente ccambiente ISO50001 servicos ambiente ccambiente ISO50001 Principais benefícios na implementação de um sistema de gestão de energia Promoção da eficiência energética na organização; Redução dos impactes ambientais, nomeadamente

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Capítulo 0 Índice Ref.: MGA.C00 Rev.: 00 1. Índice 1. Índice... 1 2. Registo de Alterações... 1 3. Capítulo 0 Índice... 1 4. Capítulo 1 Apresentação da Empresa... 1 5. Capítulo 2 Requisitos do Sistema

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO FICHA TÉCNICA INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Direcção do Projecto

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

As Normas ISO 9000 ISO

As Normas ISO 9000 ISO As Normas ISO 9000 A Organização Internacional de Normalização ISO é uma Federação Mundial de Organismos Nacionais de normalização, criada em Fevereiro de 1947, sedeada em Genebra e que conta com mais

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Prémio Ambiental ZFI Regulamento do Concurso Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Regulamento do Concurso Prémio Ambiental ZFI A certificação

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001/NP 4397

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001/NP 4397 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA 2003 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA APCER - Associação Portuguesa de Certificação Carlos Rodrigues Júlio Faceira Guedes Revisto pela

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Helena Ferreira (helena.ferreira@apcer.pt) Gestora de Desenvolvimento da APCER I. APRESENTAÇÃO DA APCER www.apcer.pt 1. Quem Somos Início de actividade

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004. de acordo com ISO 19011:2002

AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004. de acordo com ISO 19011:2002 AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 de acordo com ISO 19011:2002 Antes de começar Este curso está suportado: Nas Normas Internacionais ISO 14001:2004 e ISO 19011:2002 2 Objectivos No final da

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

RESUMO. Intervir ao nível dos factores ambientais para promover a saúde do indivíduo e das comunidades a eles expostos

RESUMO. Intervir ao nível dos factores ambientais para promover a saúde do indivíduo e das comunidades a eles expostos PLANO NACIONAL DE ACÇÃO AMBIENTE E SAÚDE 2008-2013 (PNAAS) RESUMO 1 O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS), aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 91/2008, de 4 de Junho (http://dre.pt/pdf1sdip/2008/06/10700/0310603179.pdf),

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exma. Sra. e Srs. Membros do Governo Desde os anos oitenta que

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais