PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL"

Transcrição

1 PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos ou serviços que pode controlar e sobre os quais pode ter influência, por forma a determinar quais deles têm ou podem ter impactes ambientais significativos. A organização deve assegurar que os aspectos relacionados com esses impactes significativos são tomados em consideração na definição dos seus objectivos ambientais. 1. INTRODUÇÃO As múltiplas atribuições de uma Autarquia Local resultam na realização de actividades de natureza muito diversa, que necessariamente terão implicações ambientais distintas. Importa pois identificar a tipologia dessas actividades municipais e distinguir e hierarquizar os impactos ambientais a ela associados, propondo eventuais alterações que venham a revelar-se adequadas para melhorar o desempenho ambiental do Município. Compreende-se assim a necessidade em realizar um diagnóstico ambiental que caracterize e traduza de forma fidedigna a situação inicial de referência na organização (CMA e SMAS), enquanto ferramenta de análise que permita recolher e estruturar dados, identificar problemas e posteriormente propor soluções que vão ao encontro de uma política ambiental sustentável. Este diagnóstico inicial ou Levantamento Ambiental servirá de base à definição de objectivos e metas do Sistema de Gestão Ambiental, concretizados através da elaboração de um Programa Ambiental. A certificação ambiental de uma organização pelo Sistema EMAS é um processo voluntário. Cabe-lhe portanto decidir qual a metodologia a adoptar no desenvolvimento das diferentes fases do Sistema, incluindo o Levantamento Ambiental. 2. A ETAPA LEVANTAMENTO AMBIENTAL No faseamento do sistema EMAS de Almada, a etapa Levantamento Ambiental sucede à elaboração da Política Ambiental e antecede a preparação do Programa Ambiental. A figura 1. relembra o faseamento estabelecido para o Sistema EMAS da CMA/SMAS. Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 1 de 10

2 Politica Ambiental LEVANTAMENTO AMBIENTAL Programa Ambiental Implementação e Funcionamento Auditoria Interna Declaração Ambiental Verificação REGISTO Fig.1 Enquadramento da etapa do Levantamento Ambiental no processo de implementação do Sistema de Gestão Ambiental EMAS 3. METODOLOGIA Algumas definições...? Actividade Serviço prestado/processo realizado num determinado Sítio/Sector da organização que pode interagir com o ambiente? Elemento de actividade Pormenor/detalhe da actividade (tarefa) que pode interagir com o ambiente? Aspecto ambiental Áreas temáticas sobre as quais a organização pode intervir de forma directa (Aspecto Ambiental Directo) ou que pode influenciar (Aspecto Ambiental Indirecto)? Impacto ambiental Qualquer alteração no ambiente, adversa ou benéfica, resultante, total ou parcialmente, da actividade e/ou elemento da actividade. O estabelecimento da metodologia do Levantamento Ambiental do Sistema EMAS da CMA/SMAS, tomou em consideração o facto de se tratar de uma Autarquia Local, cuja missão é desempenhar um serviço público que concorra para o bem estar das populações. Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 2 de 10

3 Esta realidade particular, torna especialmente relevante não só a avaliação dos impactos ambientais adversos (negativos) resultantes das actividades desenvolvidas, como também os impactos ambientais benéficos (melhorias), já que daí podem advir benefícios para as cidadãos. Refira-se que inicialmente o Sistema EMAS foi desenvolvido para indústrias com intuito de minorar os seus impactos ambientais negativos e reduzir a sua pressão no ambiente. O enfoque estava portanto nos impactos ambientais negativos ou adversos (danos ambientais) e não tanto nos positivos (melhorias). Por outro lado, muitas das actividades realizadas numa Autarquia Local são actividades de planeamento, que afectam principalmente os aspectos ambientais indirectos, questão que deve ser atendida na realização do Levantamento Ambiental. O Levantamento Ambiental da CMA/SMAS será realizado pelos Eco-consultores, com o apoio dos Eco-zeladores e o acompanhamento da Equipa EMAS. Deverá portanto reflectir a sensibilidade e o conhecimento destes em relação aos impactos ambientais das actividades realizadas nos diversos locais. O Levantamento Ambiental da CMA/SMAS desenvolve-se nos seguintes passos: - Caracterização Prévia da organização (CMA/SMAS); - Levantamento da Legislação Ambiental aplicável; - Identificação das actividades e elementos de actividade desenvolvidos em cada Sítio/Sector, que podem interagir com o ambiente; - Identificação dos aspectos ambientais associados a cada actividade e/ou elemento de actividade identificada; - Avaliação do grau de significância dos impactos ambientais (danos ou melhorias) identificados. A Caracterização Prévia da CMA/SMAS... Em virtude da diversidade, dimensão e dispersão de actividades do Município de Almada, optou-se por iniciar o Levantamento Ambiental com uma Caracterização Prévia da Câmara Municipal de Almada e dos SMAS (CMA/SMAS). Nesta Caracterização Prévia dividiu-se a organização por locais ou sítios, tendo-se listado todos os sítios (edifícios, equipamentos ou locais) da CMA/SMAS, identificado as principais actividades aí desenvolvidas aos quais se associaram alguns aspectos ambientais (essencialmente aspectos ambientais directos). No Anexo 1, encontra-se o mapa LA_MAP_CaractPrevia1, onde se resumem os resultados desta caracterização prévia. Com base neste documento, foi atribuído, a cada sítio um código, um eco- Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 3 de 10

4 consultor e um eco-zelador responsáveis pelo seu Levantamento Ambiental, que resultou num segundo mapa de caracterização da CMA/SMAS: LA_MAP_CaractPrevia2 (ver Anexo 2). O Levantamento da Legislação Ambiental da CMA/SMAS... O Levantamento da Legislação Ambiental, que consiste na identificação dos requisitos legais aplicáveis às actividades desenvolvidas pela CMA/SMAS, será alvo de um procedimento específico. No entanto toda a legislação/regulamentação aplicável à actividade em análise que seja conhecida pelo eco-consultor e eco-zelador, deverá desde já ser considerada (avaliação da significância Mapa LA_MAP_Significancia). A Identificação das actividades, aspectos ambientais e da significância dos impactos ambientais... O presente procedimento incide nos três passos do Levantamento Ambiental: Identificação das actividades, Identificação dos aspectos ambientais e Avaliação do grau de significância. Para a concretização destes passos, elaboraram-se dois mapas de registo (Anexo 3 e 4): O Mapa de Análise de Actividade (LA_MAP_AnaliseActividade), cujo preenchimento permite a caracterização das actividades e/ou elementos de actividades exercidas em cada Sítio/Sector da CMA/SMAS. Esta caracterização é fundamental para a avaliação da escala dos impactos associados, pois constitui a base de informação ao conhecimento real dos problemas ambientais existentes. O Mapa de Avaliação de Significância (LA_MAP_Significancia), onde se identificam os Aspectos Ambientais associados às actividades e/ou elementos de actividades e se hierarquizam os respectivos impactos ambientais através da avaliação da sua significância. A hierarquização e selecção dos impactos ambientais mais significativos, servirá de base à etapa seguinte de elaboração do Programa Ambiental, que inclui a definição de objectivos e metas. 4. PREENCHIMENTO DOS MAPAS DE REGISTO 4.1 Preenchimento do mapa de Análise de Actividade O preenchimento do Mapa de Análise de actividade (LA_MAP_AnaliseActividade) deverá ser efectuado do seguinte modo: a. Indicar na coluna Actividade, as actividades desenvolvidas no Sítio/Sector analisado. Exemplo: Manutenção de viaturas da frota municipal Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 4 de 10

5 b. Indicar na coluna Elemento de Actividade o elemento da actividade que pode interagir com o Ambiente. Exemplo: Mudança de óleo c. Indicar o nome da pessoa responsável pela actividade ou elemento de actividade em questão na coluna correspondente. Exemplo: Carlos Silva (Coordenador da Estação de Serviço e Responsável pela lubrificação) d. Preencher a coluna Documentos de referência caso existam documentos que orientem o desenvolvimento destas actividades. Exemplo: Instruções de trabalho, normas de procedimento, etc. e. Indicar, caso existam, dados quantitativos relativos à actividade ou elemento de actividade que se está a analisar Exemplo: Dados de consumo de óleos lubrificantes em 2003 e 2004 e volume de óleos reutilizados. 4.2 Preenchimento do mapa de Avaliação de Significância a. Identificação dos Aspectos Ambientais Tendo em conta a natureza das tarefas desempenhadas por uma Autarquia, foram identificadas áreas (Aspectos Ambientais) em que a organização CMA/SMAS intervém com especial incidência: 1. Utilização de Água 2. Uso de Energia e Emissões de Gases com Efeito de Estufa (GEEs) 3. Gestão de Resíduos 4. Aquisição de Bens e Serviços 5. Prevenção e Controlo da Poluição 6. Mobilidade e Transportes 7. Qualidade do ambiente natural e construído Na coluna Aspectos Ambientais, deverão ser colocados os números correspondentes aos aspectos ambientais associados à actividade (ou elemento de actividade) em análise. É desejável incluir comentários a uma determinada célula quando o seu preenchimento não é obvio, de modo a facilitar a posterior leitura dos mapas. Poderá fazer-se do seguinte modo: i) Clicar com o botão direito do rato sobre a célula onde se deseja adicionar o comentário; Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 5 de 10

6 ii) Escolher a opção Inserir comentário, com o botão esquerdo do rato; iii) Escrever o texto do comentário na caixa; iv) Clicar fora da caixa de comentário quando se terminar de escrever o comentário. b. Avaliação de Significância A aplicação de um teste de significância permitirá determinar quais as actividades que têm ou podem ter um impacto ambiental, negativo ou positivo, e dar uma ideia da magnitude desse impacto. Não se trata de uma ferramenta científica, mas pelo contrário de uma ferramenta mais intuitiva e empírica. Este teste irá permitir hierarquizar os impactos associados às actividades analisadas, evitando deste modo lidar com todos os impactos ao mesmo tempo aquando da definição do Programa Ambiental. Nesse sentido, aos impactos com maior significância deve ser dada prioridade: se forem positivos, devem ser considerados como exemplo e replicados em outros sectores da organização; se forem negativos, devem ser minorados. Existem diversos modelos de testes de significância aplicáveis em sistemas de gestão ambiental. O modelo utilizado no levantamento ambiental da CMA/SMAS foi adaptado do modelo desenvolvido pela instituição britânica Global to Local para Autoridades Locais e está referenciado no site oficial da Comissão europeia do Sistema EMAS como teste para este tipo de entidades. Requer a avaliação dos impactos ambientais segundo três parâmetros: - a importância do impacto ambiental associado à actividade em questão, assim como da melhoria possível associada. - a influência que a CMA/SMAS, como organização, tem na melhoria ou na minimização do impacto ambiental em questão. - a existência de outros motivos, incluindo estratégias locais ou nacionais, relacionadas com do impacto em causa que o tornam importante e prioritário. O modelo escolhido utiliza o sistema de pontuação seguinte: - Importância Ambiental A avaliação da significância começa por uma análise empírica da importância do impacto ambiental da actividade considerada ou da melhoria que é possível atingir através de um programa de minimização Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 6 de 10

7 desse impacto. Quanto mais importante é o impacto ambiental, mais alta deverá ser a sua pontuação. - Dano Ambiental ou melhoria possível não significativo(a) 1. - Dano ambiental ou melhoria de impacto local pouco significativo(a) 2. - Dano ambiental ou melhoria de impacto local significativo(a) 3. - Dano ambiental ou melhoria de impacto nacional significativo(a) 4. - Dano ambiental ou melhoria de impacto global significativo(a) 5. - Influência Quanto mais forte for a influência da organização na minimização do impacto ambiental, mais efectiva poderá ser a actuação. Deve utilizar-se o seguinte sistema de qualificação: - Reduzida influência sobre o impacto 1. - Pouca influência 2. - Influência média 3. - Muita influência 4. - Controlo directo absoluto 5. - Significância Ambiental A multiplicação da qualificação da importância com a influência ambiental, dá uma boa indicação da significância do impacto ambiental, obtendo-se a seguinte escala para uma avaliação global: - A actividade e seus efeitos são muito significativos A actividade e seus efeitos são significativos A actividade e seus efeitos são pouco significativos A actividade e seus efeitos não são significativos 0-3 Os impactos cuja pontuação é igual a 9 deverão ser considerados ambientalmente significativos. - Outros motivos Para os impactos com uma pontuação inferior a 9, é necessário verificar se existe algum motivo adicional que possa torná-lo significativo. Estas questões, quando consideradas importantes, deverão ser identificadas (através da letra a, b, c ou d) na última coluna do mapa de registo: a. A existência de requisitos legais ou regulamentos relacionados com esse impacto; b. A ocorrência anterior de acidentes ambientais associados a esse impacto; c. A existência de uma estratégia ambiental de sustentabilidade relacionada com esse Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 7 de 10

8 impacto; d. A percepção da comunidade em relação a esse impacto, como sendo uma questão sensível. No Anexo 5 encontram-se dois exemplos elucidativos do preenchimento deste mapa de registo (LA_MAP_Significancia_exs). c. Nomenclatura documental Após o preenchimento dos mapas de registo LA_MAP_AnaliseActividade.xls e LA_MAP_Significancia.xls, deverá ser seguida uma nomenclatura própria para guardar e enviar ficheiros. Ao nome do ficheiro de referência, deverá ser adicionada: - a origem (CMA ou SMAS), - o código do Sítio cujo levantamento ambiental está a ser efectuado (ver LA_MAP1_CaractPrevia2), - o Departamento/Divisão/Sector (quando necessário) - e a data de revisão desse mapa pelo Eco-Consultor, sendo que estas informações deverão ser separadas pelo símbolo underscore (Shift+ Tecla Hífen). Exemplo: O ficheiro de referência LA_MAP_Significancia.xls, preenchido e revisto pelo Eco- Consultor responsável no dia 1 de Outubro de 2005, referente ao Departamento de Informática (DI) localizado no edifício do DAGF (EA-05), deverá ter o seguinte nome: LA_MAP_Significancia_CMA_EA05_DI_ 01Out05.xls. Sublinha-se que os elementos da data deverão ser indicados sem espaçamentos e da seguinte ordem: o dia (com 2 dígitos), o mês (as primeiras 3 letras do mês) e, por fim, o ano (com 2 dígitos). 5. OPERACIONALIZAÇÃO DO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Resumam-se a seguir as principais fases de operacionalização do Levantamento Ambiental: Nomeação de Eco-consultores e Eco-zeladores Frequência do Workshop Levantamento Ambiental (Global to Local) Reunião Geral de Eco-Consultores - Entrega de documentação e esclarecimento de dúvidas Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 8 de 10

9 Realização do Levantamento Ambiental pelos Eco-Consultores e Eco-Zeladores - Recolha e registo de dados, preenchimento prévio dos formulários. Informatização (quando necessária), análise prévia dos mapas de registo e homogeneização das significâncias pelos Eco-Consultores. Recolha, análise e verificação dos mapas de registo pela EME. Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 9 de 10

10 LEVANTAMENTO AMBIENTAL Sistema EMAS Almada ANÁLISE DE ACTIVIDADE E IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS SIGNIFICATIVOS Identificação das Actividades e elementos de actividade Identificação dos Aspectos Ambientais Avaliação do Grau de Significância Identificação dos Impactos Ambientais Significativos LA_MAP_AnáliseActividade LA_MAP_Significância LA_MAP_Significância LA_MAP_Significância Identificar as actividades e os elementos destas actividades com impactos ambientais associados Associar a cada actividade ou elemento de actividade os Aspectos Ambientais numerados de 1 a 7 Avaliar a importância do impacto ambiental e a influência que a CMA/SMAS pode ter na sua minimização. Indicar, caso existam, outros factores que afectem a significância. Ordenar as actividades e impactos associados por significância Recomendações para melhorias? Metodologia LEVANTAMENTO AMBIENTAL EMAS Almada Pág. 10 de 10

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

RELATÓRIO LAYMAN. RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO do PROJECTO EMAS Lab Sistema de Gestão Ambiental EMAS: Experiências e Boas Práticas Europeias

RELATÓRIO LAYMAN. RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO do PROJECTO EMAS Lab Sistema de Gestão Ambiental EMAS: Experiências e Boas Práticas Europeias RELATÓRIO LAYMAN RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO do PROJECTO EMAS Lab Sistema de Gestão Ambiental EMAS: Experiências e Boas Práticas Europeias Outubro de 2006 RELATÓRIO LAYMAN Data de Redacção: 31/10/2006 Projecto

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO PONTO DE SITUAÇÃO DO PROCESSO OBJECTIVOS

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DE OBRA Luísa Pinto Maio. 2008, Tektónica Lisboa O que é? Definição, aplicação ou fiscalização da aplicação de medidas de gestão ambiental, incluindo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG SQ.S.p.. Novembro 2 Índice Introdução 2 2 Campo de aplicação 2 Documentos de referência 2 4 Documento de apoio 5 Metodologia

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Manual de Procedimentos. Câmaras Municipais

Manual de Procedimentos. Câmaras Municipais Manual de Procedimentos Câmaras Municipais índice PÁGINA INICIAL... 4 1. Acesso à área reservada... 4 2. Recuperar senha de acesso... 4 3. Lembrar palavra-passe... 5 4. Consulta de legislação relacionada

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM O J O V E M REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O PARTICIPATIVO JOVEM Artigo 1º Referências A Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais, como forma de potenciar os valores da Democracia, num sector ainda

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Fundo Português de Carbono FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS CANDIDATURA DE PROGRAMA [de acordo com o Anexo do Regulamento] Resumo

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Concurso de Ideias de Negócio

Concurso de Ideias de Negócio Concurso de Ideias de Negócio Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa desenvolvida através do Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS) de Estarreja 7 Desafios em Rede, promovido pela DESTAC

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

AJUDA À SUBMISSÃO DE CANDIDATURAS Nº 1

AJUDA À SUBMISSÃO DE CANDIDATURAS Nº 1 AJUDA À SUBMISSÃO DE CANDIDATURAS Nº 1 PROVERE - PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS (2ª FASE RECONHECIMENTO FORMAL DAS ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLETIVA PROVERE NA REGIÃO DO NORTE)

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DO CNSA 2012

PLANO DE ACTIVIDADES DO CNSA 2012 PLANO DE ACTIVIDADES DO CNSA 2012 O presente documento visa dar cumprimento ao disposto na alínea n) do n.º 1 do artigo 11º dos Estatutos do CNSA aprovados pelo Decreto-Lei nº 225/2008, de 20 de Novembro,

Leia mais

ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 2016

ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 2016 ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 20 Critérios de Participação Artigo 1º Missão O Orçamento Participativo Jovem do Município de Alcanena é um processo de envolvimento e auscultação da população jovem

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Registo Predial ( Modelo 287 Mapa de actividade mensal) Código: 502 Versão: 1.0 Introdução O Registo Predial destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Parte Complementar B Plano de Participação Pública

Parte Complementar B Plano de Participação Pública 2 Índice 1 Enquadramento...5 2 Etapas do PPP...7 3 Objectivos...9 4 Identificação e perfil das partes interessadas... 10 4.1 Âmbito de envolvimento... 10 4.2 Identificação das partes interessadas... 10

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS DEZEMBRO DE 2008 PREÂMBULO O presente Código visa clarificar as normas de conduta que devem orientar os comportamentos e as atitudes de todos os Colaboradores da GEBALIS, independentemente

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Criação do OBSERVATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DO OESTE

Criação do OBSERVATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DO OESTE OBSERVATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS ASSOCIADOS DA OESTESUSTENTÁVEL Objectivo Geral: Dotar os municípios associados da OesteSustentável de mecanismos que permitam exercer

Leia mais

Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)?

Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)? Q Equipamentos e Instalações de Gás Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)? Um projectista de

Leia mais

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Compras Públicas Conjuntas. Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética

Compras Públicas Conjuntas. Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética Compras Públicas Conjuntas Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética Compras energeticamente eficientes nas autoridades públicas Obstáculos e Oportunidades

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Tarefa Orientada 6 Edição de Dados

Tarefa Orientada 6 Edição de Dados Tarefa Orientada 6 Edição de Dados Objectivos: Inserção de dados. Alteração de dados. Eliminação de dados. Definição de Listas de Pesquisa (Lookup Lists) O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL Utilize este documento como uma ajuda adicional para escrever um orçamento ou narrativa da proposta. Se tiver outras perguntas, queria enviar um email à equipe regional do NED apropriada ou para proposals@ned.org.

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Medidas de Controlo de Incidentes de Segurança Informática

Medidas de Controlo de Incidentes de Segurança Informática Medidas de Controlo de Incidentes de Segurança Informática Política de actuação do CERT.PT para mitigação de impacto de incidentes de segurança informática Serviço CERT.PT Abril de 2010 Medidas de Controlo

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais