CRDA - CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRDA - CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM"

Transcrição

1 CRDA - CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM KÁTIA DOS SANTOS FORCIONE RODRIGUES LIMA DISLEXIA: PRÁTICAS PARA O TRABALHO DO EDUCADOR São Paulo 2009

2 CRDA - CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM KÁTIA DOS SANTOS FORCIONE RODRIGUES LIMA DISLEXIA: PRÁTICAS PARA O TRABALHO DO EDUCADOR Monografia apresentada como parte dos requisitos para aprovação no Curso de Especialização Lato Sensu em Distúrbios de Aprendizagem e submetida ao Centro de Referência em Distúrbios de Aprendizagem CRDA, sob orientação da Profª. Ms. Lucilla da Silveira Leite Pimentel.

3 DEDICATÓRIA AO MEU MARIDO NEWTON, COMPANHEIRO E INCENTIVADOR INCONDICIONAL NA MINHA BUSCA POR CONHECIMENTO, OBRIGADA PELO APOIO, SUPORTE E CONFIANÇA, SEM OS QUAIS NÃO CONSEGUIRIA TRILHAR ESTE CAMINHO. AO MEU FILHO VITOR, PELA COMPREENSÃO DA MINHA AUSÊNCIA, MESMO QUANDO ESTAVA EM CASA PESQUISANDO E ESTUDANDO.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço à Professora Maria Del Carmen Prada Holler, do CRDA, que sempre partilhou seus conhecimentos sobre Distúrbios de Aprendizagem, com intuito único de fazer com que mais pessoas possam aprofundar-se neste assunto e proporcionar uma vida melhor àqueles alunos e adultos portadores de um ou alguns distúrbios de aprendizagem. À minha orientadora Profª. Ms. Lucilla Pimentel, pela atenção, carinho e incentivo durante o curso e na elaboração deste trabalho.

5 A PALAVRA PROGRESSO NÃO TERÁ QUALQUER SENTIDO ENQUANTO HOUVER CRIANÇAS INFELIZES Albert Einstein Disléxico

6 RESUMO Este trabalho explana de maneira detalhada o Distúrbio de Leitura, conhecido como Dislexia. Parte de um breve histórico deste distúrbio de aprendizagem numa linha do tempo, mostrando as descobertas ao longo de mais de um século entre diversos autores e de diferentes áreas do conhecimento. Especifica também, as comorbidades que podem ou não estar associadas a este distúrbio e as Leis que amparam o portador de Dislexia. A partir do embasamento teórico de três autores - Sally Shaywitz, Antonio Manuel Pamplona de Morais e Corine Roth Smith - assinalam-se alguns sinais da Dislexia, qual o papel do educador junto ao aluno disléxico e práticas pedagógicas que facilitem seu trabalho. Complementa-se com uma análise interpretativa a partir de uma pesquisa quantitativa sobre o educador e sua postura diante do aluno disléxico. Por fim, enfatiza-se a importância do educador para o sucesso acadêmico do aluno disléxico, assim como destaca a relevância de o educador entender o que é e como agir frente à Dislexia. Palavras-chave: aluno, educador, Dislexia, distúrbio de aprendizagem, prática pedagógica.

7 ABSTRACT This work explains in a detailed way the Disturbance of Reading, known as Dyslexia. It begins with an abbreviated history of this learning disturbance in a time line, showing the discoveries throughout more than a century transmitted between diverse authors and of different areas of the knowledge. It also specifies the comorbidades that may or may not be associated with this disturbance and the laws that protect the person that suffers from Dyslexia. Based on the three authors' theoretical support - Sally Shaywitz, Antonio Manuel Pamplona de Morais and Corine Roth Smith - this work explains some signs of Dyslexia, the educator's role along with the dyslexic student, and pedagogical practices that facilitate his/her work. Using quantitative research, this work is reinforced with an interpretative analysis of the educator and his/her attitude in relation to the dyslexic student. Finally, it emphasizes the educator's importance for the dyslexic student's academic success, as well as highlighting the importance of the educator understanding what Dyslexia is and how to deal with it. Key-words: student, educator, Dyslexia, learning disturbance, pedagogical practice.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 9 CAPÍTULO I DISLEXIA: MAPEANDO O DISTÚRBIO 11 1 Conceito 11 2 Histórico 13 3 Distúrbio sim, dificuldade não 19 4 Comorbidades Discalculia Disgrafia Disortografia TDAH 27 5 Sinais de Dislexia nas diferentes fases da infância e escolarização 29 CAPÍTULO II LEI A FAVOR DO DISLÉXICO 34 1 Leis vigentes 34 2 Lei específica sobre Dislexia 37 CAPÍTULO III A DISLEXIA E O EDUCADOR 39 1 Embasamento teórico Sinais de Dislexia Aspecto pedagógico 42 2 O papel do educador 44 CAPÍTULO IV A PESQUISA 47 1 Percurso Metodológico 47 2 Cenário e atores 48 3 Análise Interpretativa 51 CONSIDERAÇÕES FINAIS 55 REFERÊNCIAS 57 APÊNDICE 59 APÊNDICE I QUESTIONÁRIO 60 ANEXO 62 ANEXO I LEI /07 63

9 INTRODUÇÃO A inquietação ante a Dislexia foi o impulso motivador deste trabalho, pois este tema gera insegurança ao educador em suas práticas pedagógicas. É importante que este distúrbio de aprendizagem seja difundido em esferas distintas, principalmente na área da Educação, para que o educador possa identificar sinais da Dislexia, encaminhar a profissionais que possam diagnosticá-la e aprenda a trabalhar de maneira efetiva, resultando no sucesso acadêmico do aluno disléxico. No processo de formação acadêmica, na maioria das vezes, o assunto é discutido de maneira genérica e simplista, mas para esta autora, despertou-a para buscar suas próprias respostas, por meio de leitura em artigos e livros sobre distúrbios de aprendizagem e, posteriormente, especificamente sobre Dislexia. Nesta busca, ficou nítido que existe uma linha tênue entre problemas de ensinagem, falta de conhecimentos específicos por parte dos educadores naquilo que diz respeito a distúrbios de aprendizagem, e daqueles sujeitos que apresentam uma disfunção cerebral, que os impede de produzir uma leitura esperada para sua idade cronológica e escolaridade, podendo ser os disléxicos. A Dislexia está relacionada ao distúrbio de leitura, única e exclusivamente, porém, uma criança que não consegue ler, não pode ser considerada disléxica. É importante saber que distúrbio de aprendizagem não é modismo, no qual a educação se apóia quando não consegue atingir seus próprios objetivos, pois muitas vezes é notório que, devido às falhas no atual sistema educacional, passou-se a denominar crianças que apresentam dificuldades para ler como disléxicas. OBJETIVO O objetivo deste trabalho é de investigar como os professores se sentem frente à sua prática pedagógica em relação ao aluno disléxico em sala de aula. 9

10 METODOLOGIA Este trabalho evidencia primeiramente, sob a forma dissertativa e de maneira detalhada, o conhecimento científico literário sobre a Dislexia, desde a origem da palavra, as comorbidades que podem estar associadas, os sinais durante a escolarização e as leis que favorecem o aluno disléxico. Dando prosseguimento à pesquisa bibliográfica, que foi sustentada pela fundamentação teórica de três autores - Sally Shaywitz, Antônio Manuel Pamplona de Moraes e Corine Roth Smith - e visando elucidar a inquietação desta autora frente ao papel do educador, pormenoriza-se o que o educador pode de fato fazer em sala de aula, para promover o sucesso escolar do aluno disléxico. Para a apresentação desta monografia foram expostos os seguintes temas, abordados em 4 capítulos: I Dislexia mapeando o distúrbio, discutindo-se conceitos e comorbidades; II Lei a favor do disléxico, momento do trabalho que trata das leis educacionais que fazem referência ao distúrbio; III A Dislexia e o educador, analisando-se questões de ordem pedagógica no trato da Dislexia; IV A pesquisa, descrição e análise interpretativa dos dados nela obtidos. Nas considerações finais, deu-se destaque ao que efetivamente o educador pode fazer para promover o sucesso escolar do aluno disléxico. RESULTADOS Para complementar os dados teóricos foi feita uma pesquisa quantitativa, por meio de uma amostragem, constituída de um questionário, sobre o conhecimento do educador em relação à Dislexia e como se sentem ao trabalhar com o aluno disléxico. O mesmo foi entregue a 15 professoras do Ensino Fundamental I, de uma escola particular da zona Sul de São Paulo. O resultado permitiu apresentar uma análise interpretativa quanto ao despreparo do educador em relação ao aluno disléxico. 10

11 CAPÍTULO I DISLEXIA: MAPEANDO O DISTÚRBIO Para que seja possível compreender mais detalhadamente este assunto, o mesmo será segmentado em tópicos que o explicitam desde a origem da palavra, sua descoberta, outros distúrbios que podem estar associados e quais são os sinais que podem colocar em alerta os educadores. 1 Conceito A palavra Dislexia é derivada do grego dis (dificuldade) e lexia (linguagem), sendo definida como uma falta de habilidade na linguagem que se reflete na leitura (Associação Nacional de Dislexia, 2005; IANHEZ, 2001). Entretanto, o portador de Dislexia não apresenta distúrbios a nível sensorial, físico, emocional e mental ou desvantagens sócio-econômicas culturais ou instrucionais que possam ser causa de sua dificuldade de aprender a ler. Caso exista alguma das variáveis acima como causa desta dificuldade, então, provavelmente, não se trata de Dislexia. O que ocorre é uma lacuna entre a habilidade de aprendizagem e o sucesso escolar. O indivíduo disléxico possui um funcionamento peculiar do cérebro para o processamento da linguagem. Para a compreensão deste distúrbio é importante pontuar algumas características relacionadas ao funcionamento e desenvolvimento do cérebro, região do corpo cercada de muitos enigmas, mas que em relação à Dislexia já possui muitos estudos científicos que permitem assegurar seu funcionamento específico. 2003: A definição mais recente de Dislexia foi feita pelo grupo de BRADY et al, em Dislexia é uma dificuldade de aprendizagem de origem neurológica. É caracterizada pela dificuldade com a fluência correta na leitura e por dificuldade na habilidade de decodificação e soletração. Essas dificuldades resultam tipicamente do déficit no componente fonológico da linguagem que é inesperado em relação a outras habilidades cognitivas consideradas na faixa. 11

12 O DSM IV Manual de Diagnóstico e Estatístico das Perturbações Mentais (2002) publicado em 1994, pela Associação Psiquiátrica Americana (American Psychiatric Association) em Washington - é a principal referência de diagnóstico para os profissionais de saúde mental. Neste manual a definição do distúrbio é assim descrita: A característica essencial do Transtorno de Leitura consiste em um rendimento de leitura (isto é, correção, velocidade, ou compreensão da leitura, medidas por testes padronizados administrados individualmente) substancialmente inferior ao esperado para idade cronológica, a inteligência medida e a escolaridade do indivíduo. A perturbação da leitura interfere significativamente no rendimento escolar ou em atividades da vida cotidiana que exigem habilidades de leitura (DSM-IV, 2002). O CID 10 Classificação Internacional de Doenças da OMS (Organização Mundial de Saúde) e da ONU (Organização das Nações Unidas) tem a seguinte classificação para o distúrbio: Transtornos específicos do desenvolvimento das habilidades escolares: transtornos nos quais as modalidades habituais de aprendizado estão alteradas desde as primeiras etapas do desenvolvimento. O comprometimento não é somente a conseqüência da falta de oportunidade de aprendizagem ou de um retardo mental, e ele não é devido a um traumatismo ou doenças cerebrais. Transtorno específico de leitura: a característica essencial é um comprometimento específico e significativo do desenvolvimento das habilidades da leitura, não atribuível exclusivamente à idade mental, a transtornos de acuidade visual ou escolarização inadequada. A capacidade de compreensão da leitura, o reconhecimento das palavras, a leitura oral e o desempenho de tarefas que necessitem da leitura podem estar todas comprometidas. Este transtorno se acompanha freqüentemente de dificuldades de soletração, persistindo comumente na adolescência, mesmo quando a criança haja feito alguns progressos na leitura. As crianças que apresentam um transtorno específico da leitura têm freqüentemente antecedentes de transtornos da fala ou linguagem. O transtorno se acompanha comumente de transtorno emocional e de transtorno do comportamento durante a escolarização (CID 10, 1993). Em relação aos distúrbios específicos do aprendizado, e em especial na Dislexia do desenvolvimento (déficit de leitura que ocorra por algum tipo de disfunção cerebral, antes mesmo de o sujeito adquirir a leitura), a troca de informações entre as áreas médica, neuropsicológica e pedagógica é fundamental para promover a interdisciplinaridade e, conseqüentemente, ampliar nosso 12

13 conhecimento acerca dessa e das demais disfunções, prática habitual da ciência do século XXI. O órgão responsável pela aprendizagem é o cérebro. A aprendizagem, capacidade de processar, armazenar e usar a informação é, portanto, uma função cerebral. No caso da leitura, processo altamente complexo, estão envolvidos tanto aspectos neurológicos como sensoriais, psicológicos, sócio-culturais, sócioeconômicos e educacionais, dentre outros. Portanto, um único profissional não basta para analisar esses vários aspectos e fornecer diagnóstico preciso e seguro. A Dislexia do desenvolvimento é uma disfunção do sistema nervoso central, frequentemente de origem constitucional, caracterizada pela dificuldade na aquisição ou no uso da leitura e/ou escrita, que acomete crianças com inteligência normal, sem déficits sensoriais, com instrução supostamente adequada e na ausência de problemas físicos ou emocionais significativos. 2 Histórico Com o intuito de desmistificar que Dislexia está relacionada a modismo, entende-se ser necessário elencar dados, datas e autores ligados à área médica, desde a sua descoberta no final do século XIX até chegarmos a definições mais recentes, de Para a compreensão da Dislexia é essencial ressaltar a contribuição inicial da descoberta do médico francês Pierre Broca (1861, apud SHAYWITZ, 2006, p. 60). Ele definiu a região frontal esquerda do cérebro (especificamente o giro frontal inferior conhecida como área de Broca), sendo a responsável pela fluência da fala, e que uma lesão (afasia) nesta região acarreta uma perda da fala, mas com a capacidade de entender a linguagem. 13

14 Figura 1 Localização da linguagem expressiva e receptiva fonte: O lado esquerdo do cérebro, com as duas áreas principais associadas à linguagem em destaque: Área de Broca (linguagem expressiva) e Área de Wernick (linguagem receptiva) Carl Wernick (apud SHAYWITZ, 2006, p. 61), neurologista alemão, usou uma combinação de perspicazes observações clínicas e de raciocínio dedutivo para indicar que os danos à área localizada ao longo da parte superior do lobo temporal (a região cerebral atrás da parte superior da orelha - conhecida como área de Wernick) produziam outra espécie de afasia. O paciente fala com facilidade, mas não entende a linguagem e se exprime de maneira incoerente. Estas descobertas abriram as portas para que pudéssemos aprender como o cérebro lê. Para ler, devemos entrar no sistema de linguagem, em nível neural, isso significa que a leitura depende dos circuitos cerebrais já preparados para linguagem (SHAYWITZ, 2006). Especialistas intrigados com a perda da capacidade de leitura por indivíduos que sofreram lesões (Dislexia adquirida) passaram a pesquisar e a identificar as áreas que se comprometeram, correspondendo-as com a perda da leitura. No entanto, indivíduos que não sofreram nenhum dano cerebral, mas que também apresentavam dificuldade na leitura, abriram possibilidades para estudos o qual identificamos hoje como Dislexia (Dislexia do desenvolvimento). 14

15 Desde o final do século XIX médicos já percebiam crianças com esta disfunção, e foram à busca do por que pessoas brilhantemente inteligentes e rápidas nos jogos possuíam grande dificuldade, e até mesmo incapacidade, para ler. A evolução dos estudos específicos sobre a Dislexia passa por diversas áreas, em épocas diferentes como se pontuará a seguir: Os neurologistas relatavam que seus pacientes com lesão adquirida não conseguiam ler, ou seja, existia uma cegueira de texto, apesar da visão, do intelecto e da fala estarem intactos. Denominou wortblindheit, literalmente cegueira verbal (Kussmaul, 1889, apud SHAYWITZ, 2006, p. 26). Hinshelwood (1904, apud SHAYWITZ, 2006, p ) foi um oftalmologista que trabalhou incessantemente com a dificuldade inesperada ao aprender a ler. De sua perspectiva prática, a dificuldade na leitura é algo isolado e circunscrito, refletindo uma disfunção cerebral local e não generalizada. Uma criança disléxica tem de ter pontos fortes no que diz respeito à cognição (processo de adquirir conhecimentos) e não apenas problema nas funções de leitura, denominado de cegueira verbal congênita. O neurologista Samuel Torrey Orton (1920, apud HOUT; ESTIENNE, 2001, p. 18) usou o termo strephosymbolia que significa símbolos torcidos, para designar crianças que invertiam letras e números durante a leitura. Ele acreditava que esta inversão, durante a leitura, era resultado da indefinição na dominância lateral, quando houvesse lateralidade cruzada ou a inexistência de uma lateralidade definida e estas eram as causas do espelhamento dos símbolos gráficos e dos atrasos da linguagem, inclusive as gagueiras. Halgreen (1950, apud CONDEMARIN; BLOMQUIST, 1988, p. 29) fez um estudo com 276 crianças disléxicas e com um grupo de não disléxicas. Chegou à conclusão que 80% dos casos de crianças disléxicas 15

16 apresentavam algum familiar que também tinha alguma dificuldade na aprendizagem da leitura e da escrita, considerando a Dislexia como causa genética, mas sua conclusão foi considerada um erro lógico. Critchley (1950, apud HOUT; ESTIENNE, 2001, p.20) elaborou um conjunto de premissas para diferenciar a Dislexia. 1. As dificuldades para ler e escrever persistem até a idade adulta. 2. Observa-se dificuldade de leitura nos demais membros da família, o que leva a supor o caráter hereditário do distúrbio. 3. As trocas são: visuais, auditivas, omissões, inversões, etc. 4. As dificuldades que a criança tem na leitura e na escrita não aparecem de forma isolada, mas juntas com outras dificuldades: interpretação de símbolos musicais, código Morse, sinais estenográficos, etc. Boder (1973, apud HOUT; ESTIENNE, 2001, p. 25) classifica em: 1. Dislexia Disfonética ou Fonológica (dislexia auditiva). Caracterizada por uma dificuldade na leitura oral de palavras pouco familiares. Os disléxicos lêem bem as palavras que conhecem, ou seja, que memorizaram visualmente, mas não lêem nem escrevem palavras que encontram pela primeira vez; as adivinham, a partir do contexto e de indicações como a letra inicial ou a extensão da palavra, e cometem muitos erros de substituição semântica. 2. Dislexia Diseidética (dislexia visual). Os disléxicos diseidéticos caracterizam-se por apresentarem uma leitura lenta, trabalhosa, mas correta, baseada na decodificação fonética. A dificuldade na leitura é caracterizada por um problema de ordem visual. O leitor lê através de um processo extremamente elaborado de análise e de síntese fonética. Lêem palavras familiares ou não, mas apresentam dificuldade em palavras irregulares. 3. Dislexia Mista: apresenta as características dos dois subtipos anteriores. 16

17 Quirós (1975, apud MORAIS, 1996, p. 36) mostra em seus estudos que a Dislexia específica em evolução, supõe um quadro com perturbações perceptivo-cognitivas, que significa dificuldades na percepção simbólica tanto em nível de palavras visualizadas como em nível de palavras ouvidas, dificultando a aquisição da leitura e da escrita. Johnson e Myklebust (1983, apud HOUT; ESTIENNE, 2001, p. 107) diferenciam em dois tipos: 1. Dislexia auditiva: dificuldade em distinguir semelhanças e diferenças entre sons; em perceber sons no meio de palavras; em análise síntese, memória e seqüência auditivas. Possuem acuidade auditiva normal. 2. Dislexia visual: dificuldade em memória e análise-síntese visual, em discriminação visual de detalhes, em perceber as palavras escritas, em respeitar as seqüências viso-espacial etc. 3. A aprendizagem não é unicamente auditiva ou visual, mas em alguns momentos existe certa autonomia de um sistema em relação ao outro. Lyon G. Reid (1995, apud SHAYWITZ, 2006, p. 40) define Dislexia como "dificuldade de decodificar uma palavra : Dislexia é um dos muitos distúrbios de aprendizagem. É um distúrbio específico de origem constitucional caracterizado por uma dificuldade na decodificação de palavras simples que, como regra, mostra uma insuficiência no processamento fonológico. Essas dificuldades não são esperadas com relação à idade e a outras dificuldades acadêmicas cognitivas; não são resultados de distúrbios de desenvolvimento geral nem sensorial. A dislexia se manifesta por várias dificuldades em diferentes formas de linguagem freqüentemente incluindo, além das dificuldades com leitura, uma dificuldade de escrita e de soletração.[grifo da autora 1 ] A nova definição, citada anteriormente, amplia esta noção referindo-se especificamente ao reconhecimento correto das palavras (identificando as verdadeiras palavras) e as habilidades de decodificação (pronunciando logatomas 1 De acordo com a definição do DSM, Dislexia é um transtorno de leitura, que pode estar associado ou não a outros distúrbios. 17

18 unidades lógicas). Também reconhece a soletração pobre como uma característica da Dislexia. A soletração está intimamente relacionada com a leitura não só porque os sons estão ligados às letras, mas porque as palavras estão literalmente colocadas em código ao invés de meramente decifradas (SHAYWITZ, 2006). Com a ampla divulgação da Dislexia, oftalmologistas, neurologistas e lingüistas intensificaram suas pesquisas a fim de identificar a dinâmica do processo de leitura e escrita, fortalecendo a definição e, conseqüentemente, a forma de atuação frente a esse distúrbio. Pela facilidade e pela fluidez, a linguagem verbal tem tudo a ver com o porquê de a leitura ser algo tão difícil para as crianças disléxicas. Embora tanto a fala quanto a leitura dependam da mesma partícula (fonema) há uma diferença fundamental: falar é natural e ler não é. Aqui reside o ponto crucial deste distúrbio. Ler é algo que se adquire, uma invenção do homem que se deve aprender de forma consciente. E é a própria naturalidade da fala que faz a leitura ser algo tão difícil. 18

19 L E I T U R A Decodificação Compreensão Identificação de palavras (a) Significado D I S L E X I A Sistema de linguagem Discurso Sintaxe Semântica Leitura Compreensão Fonologia (b) Decodificação Figura 2 O paradoxo da Dislexia Fonte: SHAYWITZ, 2006, p. 51. (a) Dois componentes importantes para a leitura: decodificação e compreensão. (b) Uma deficiência fonológica interfere na decodificação, mas as capacidades superiores, necessárias para a compreensão, permanecem intactas. Atualmente diversas áreas do conhecimento (psicologia, psicopedagogia, neurologia, pedagogia, fonoaudiologia, entre as de maior destaque) estão envolvidas na busca por conhecimento específico frente à Dislexia. Elas trabalham de forma multidisciplinar e interdisciplinar com objetivo único de alinharem conhecimentos e práticas que sirvam de suporte para os educadores, assim como, garantam uma melhora significativa na qualidade de vida do disléxico, por ser a leitura um processo complexo (SHAYWITZ, 2006). 3 Distúrbio sim, dificuldade não Como citado no início deste capítulo, dificuldade não tem a mesma conotação que distúrbio, ainda que a utilização destes termos seja feita erroneamente como se fossem sinônimos. A dificuldade frente à aprendizagem tem tempo certo para surgir com começo, meio e fim, podendo ser gerada a partir de fatores diversos, tais como: 19

20 mudança de escola, de professora, de casa, de cidade, perda de pessoas queridas, situações familiares que não agradam a criança (separação dos pais, alcoolismo, agressões diversas). Todas são causas exteriores que afetam a emoção da criança e, consequentemente, seu rendimento escolar. Da mesma forma, algumas desordens de caráter físico também contribuem para este quadro, como problemas visuais, auditivos e alimentares, entre outros. Detectado o problema gerador do baixo rendimento escolar e buscando-se estratégias para solucioná-lo, a dificuldade desaparece, confirmando a tese de que dificuldade é diferente de distúrbio. Já o distúrbio é um termo que se refere a um grupo heterogêneo de alterações manifestas por dificuldades significativas na aquisição e uso de audição, fala, leitura, escrita, raciocínio ou habilidades matemáticas. Estas alterações são intrínsecas ao indivíduo e, presumivelmente, devidas à disfunção do sistema nervoso central. Apesar de um distúrbio de aprendizagem poder ocorrer concomitantemente com outras condições desfavoráveis (por exemplo: alteração sensorial, dificuldade mental, distúrbio social ou emocional) ou influências ambientais (por exemplo: diferenças culturais, instrução insuficiente/inadequada, fatores psicogênicos), não é resultado direto destas condições ou influências. Ressalta-se mais uma vez que a Dislexia não tem cura, porém com práticas educativas que visem à adequação às necessidades específicas de cada caso, existe a melhora significativa na qualidade de vida do portador, na vida acadêmica e fora dela. 4 Comorbidades Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre. Paulo Freire O termo comorbidade é formado pelo prefixo latino cum, que significa contigüidade, correlação, companhia, e pela palavra morbidade, originada de morbus, que designa estado patológico ou doença. Assim, deve ser utilizado apenas 20

21 para descrever a coexistência de transtornos ou doenças, e não de sintomas. Para haver comorbidade, é importante a relação e a continuidade temporal entre dois transtornos (ou mais), que podem surgir simultaneamente ou um preceder o outro. A criança ou adulto disléxico pode apresentar somente este distúrbio de aprendizagem ou alguns outros poderão estar associados também. Os distúrbios que comumente podem aparecer em combinação com a Dislexia são: discalculia, disgrafia, disortografia, déficit de atenção e hiperatividade. Existem casos de crianças que além da Dislexia possuem todas as comorbidades citadas. (DSM IV, 2002). É importante destacar que não existe uma obrigatoriedade ou um padrão em relação às comorbidades, pois cada caso é único. Os estudos apontam a presença desta ou daquela comorbidade em crianças com diagnóstico de Dislexia, mas pontuam que não é imperativa a presença dos mesmos. Para maior clareza, seguem os aspectos gerais dos referidos distúrbios. 4.1 Discalculia A Matemática recebe uma carga de amor e ódio por grande parte das pessoas. O meio termo é difícil de ser encontrado. Na área da educação é comum encontrarmos muitos profissionais que possuem aversão à referida disciplina. O que se verifica de fato é uma dificuldade em relação à aritmética, que é uma parte da Matemática relacionada aos raciocínios lógicos, perceptivos e sensoriais (tamanhos, formas, espaço, dimensão e quantidade). A incapacidade de compreensão dos números e das operações denomina-se discalculia. Os disléxicos que apresentam a discalculia como comorbidade têm dificuldades para adquirirem rapidez e fluência em simples cálculos: adição, subtração, multiplicação, divisão e na tabuada, mas eles poderão ter, não obstante, boa habilidade em Matemática. Este fato acontece porque não há áreas do cérebro 21

22 que só se ocupam especificamente da leitura e soletração. As áreas usadas para a linguagem escrita são usadas também para outros materiais simbólicos, incluindo números, fórmulas, gráficos, diagramas, espaço-tempo, etc. Assim, se há um problema nessas partes do cérebro, será afetado o processamento eficiente de qualquer material simbólico, linguagem e matemática incluídas, significa que as falhas em uma área de aprendizagem podem estar freqüentemente vinculadas a falhas em outras áreas. Segundo SMITH e STRICK (2001) na discalculia as habilidades que podem estar comprometidas são: Linguísticas - incapacidade para compreender ou nomear termos, operações ou conceitos matemáticos e transpor problemas escritos para símbolos matemáticos. Perceptivas - reconhecer ou ler símbolos numéricos ou aritméticos e agrupar objetos em conjuntos. Atentivas - não copiam corretamente cifras ou números, observar os sinais das operações (não diferenciam + de x). Matemáticas - dificuldade em seguir etapas, contar objetos e aprender a tabuada de multiplicação. Nestes casos é importante a estimulação da aprendizagem que propicie o desenvolvimento das habilidades de manipular, seriar, classificar, transportar, juntar e copiar, processo esse chamado de pensamento pré-operacional e operacional, segundo PIAGET (1999). Este tipo de estimulação é importante para o desenvolvimento das referidas habilidades para qualquer criança, com ou sem distúrbio de aprendizagem. A linguagem escrita e a linguagem Matemática possuem algumas semelhanças: ambas são linguagens representadas por símbolos que apresentam pequena ou nenhuma relação com as situações e eventos que eles descrevem. 22

23 Portanto, o uso da letra a ou do número 4 constitui uma representação simbólica em ambos os exemplos, e que pouco ou nada tem a ver com a representação concreta. Os dois símbolos (letras / números) têm estruturas e requerem uma ordem e seqüência para serem usados eficientemente, ambos requerem facilidade verbal para uma aprendizagem fluente e sua conseqüente memorização. Encontram-se dois subgrupos de disléxicos que apresentam como comorbidade a discalculia (SMITH e STRICK, 2001): 1. Aqueles que compreendem os conceitos, mas são incapazes de representá-los no papel, isto é, eles sabem que processo ou operação usar, mas não conseguem fazê-lo com precisão quando lhes é solicitado a representação escrita (daí a importância de diferentes tipos de avaliações, que possam valorizar esta habilidade, deixando de priorizar somente a escrita). 2. Aqueles que têm pouca ou nenhuma idéia do por que os números ou símbolos são usados, ou seja, não compreendem os conceitos subentendidos em Matemática. Os resultados das pesquisas em Dislexia e Matemática variam consideravelmente e uma estimativa conservadora, baseada em estudos iniciais (SMITH e STRICK, 2001), sugeria que quase 60% dos disléxicos têm alguma dificuldade em Matemática, dois terços dos disléxicos encontram-se na faixa etária entre 8 a 14 anos, 11% dos disléxicos são excelentes em Matemática e 29% tem bom desempenho. Existem casos em que a criança pode apresentar somente a discalculia, pois este é um distúrbio independente, porém a incidência é muito pequena em relação aos demais distúrbios e em especial à Dislexia. É bom lembrar que nem todo disléxico apresenta discalculia e vice-versa, porém existe uma relação considerável entre ambos. 23

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

Dislexia Atenção aos Sinais

Dislexia Atenção aos Sinais Dislexia Atenção aos Sinais Aurea M. Stavale Gonçalves Psicopedagoga clínica e neuropsicóloga Credenciada pelo Centro de Avaliação e Encaminhamento da Associação Brasileira de Dislexia ABD O percurso até

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

Dificuldades de aprendizagem

Dificuldades de aprendizagem Dificuldades de aprendizagem Dificuldades versus distúrbios Dificuldades escolares ou de aprendizagem Origem externa: no ambiente e no outro. Distúrbios/transtornos Origem interna: disfunção do Sistema

Leia mais

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta:

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta: PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) Dispões sobre o reconhecimento e definição da dislexia e dá outras providências. O Congresso Nacional Decreta: Artigo 1º - Esta lei reconhece a dislexia

Leia mais

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NEM TODAS AS DIFICULDADES DE APRENDER SÃO TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação

Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Educação Processo Seletivo (edital 002/2006) Caderno de Prova Educação Especial na Rede Municipal de Ensino e Entidades Conveniadas Educação Especial (9915) Secretaria Municipal

Leia mais

Dificuldade de Aprendizagem: a psicomotricidade em foco Ms. Leandra Vaz Fernandes C. Ferraz Dificuldade de Aprendizagem Para Correia (s.d), Cruz (1999a) e Fonseca (2004) a característica mais genérica

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF O RECONHECIMENTO DO ALUNO DISLÉXICO PELO EDUCADOR Eliete Maria dos Santos 1 Roselene Nardi 2 A dislexia, como dificuldade de aprendizagem, verificada na educação escolar, é um distúrbio de leitura e de

Leia mais

Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH)

Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH) Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH) Por Ana Luiza Borba Psicóloga e Especialista em Psicopedagogia O aluno com distúrbio de aprendizagem (DA), possui, no plano educacional, um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

Mau desempenho escolar

Mau desempenho escolar Mau desempenho escolar Dra Juliana Gurgel Giannetti Neuropediatra Professora Associada do Depto. de Pediatria - UFMG Coordenadora da Residência de Neuropediatria do Hospital das Clínicas / UFMG Mau desempenho

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA RECONHECIMENTO E MANEJO DE PROBLEMAS DE SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA

CURSO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA RECONHECIMENTO E MANEJO DE PROBLEMAS DE SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA CURSO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA RECONHECIMENTO E MANEJO DE PROBLEMAS DE SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA COMO LIDAR COM ALUNOS COM TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM NA SALA DE AULA Sônia Moojen Fonoaudióloga

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Diversas são as áreas que vêm se preocupando com crianças e adultos com Dificuldades

Diversas são as áreas que vêm se preocupando com crianças e adultos com Dificuldades DISCALCULIA: UMA LIMITAÇÃO NA APRENDIZAGEM Jaime Ferreira Jacinto Segundo Sargento de Engenharia - Pós-Graduado no Ensino da Matemática pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras - FAFI, União

Leia mais

Fundamentos Teóricos e Práticos. com TDAH e Dislexia

Fundamentos Teóricos e Práticos. com TDAH e Dislexia Fundamentos Teóricos e Práticos no Processo Educativo do Aluno com TDAH e Dislexia Transtornos do Desenvolvimento da Leitura e da Escrita DISLEXIA Aparecimento dos primeiros relatos Crianças com inteligência

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 8.113, DE 2014 (Da Sra. Maria Lucia Prandi )

PROJETO DE LEI N.º 8.113, DE 2014 (Da Sra. Maria Lucia Prandi ) *C0050472A* C0050472A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 8.113, DE 2014 (Da Sra. Maria Lucia Prandi ) Estabelece os critérios de avaliação para as pessoas portadoras de Dislexia nos concursos de provas

Leia mais

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA Jaime Luiz Zorzi No o 8º Congresso Brasileiro de Psicopedagogia que acontecerá em São Paulo de 09 a 11 de

Leia mais

A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) :

A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) : A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) : Transtorno de Déficit de Atenção chama a atenção pela sigla TDAH sendo um distúrbio que ocorre em pessoas desde os primeiros

Leia mais

Capacitação docente para atendimento educacional especial:

Capacitação docente para atendimento educacional especial: Capacitação docente para atendimento educacional especial: Dislexia e TDAH Profa. Dra. Ednéia Hayashi Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento Membro do NAC 2012 e 2014 *material elaborado

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

Transtornos de Aprendizagem

Transtornos de Aprendizagem Transtornos de Aprendizagem Web conferencista: Fga Maristella Abdala O ato de aprender ocorre no SNC - Complexa rede de funções: sensitivo-sensorial, motora-práxica, afetiva, cognitiva e coordenação -

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

Processamento Auditivo (Central)

Processamento Auditivo (Central) Processamento Auditivo (Central) O QUE É PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL)? É o conjunto de processos e mecanismos que ocorrem dentro do sistema auditivo em resposta a um estímulo acústico e que são responsáveis

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Resumo

CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Resumo DOI: http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v6i18.206 66 Interface Educação CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Edilândia Carvalho de Sousa

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA. Neuropsicopedagoga Thaianny Salles. www.grupopsicopedagogiando.com.br

O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA. Neuropsicopedagoga Thaianny Salles. www.grupopsicopedagogiando.com.br O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA Palestrante: Neuropsicopedagoga Thaianny Salles www.grupopsicopedagogiando.com.br A mente... O cérebro... PRINCIPAIS CONCEITOS NEURO Do grego Neuron, nervo e Logos, estudo.

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL

A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL Adriana de Souza Lemos dryycalemos@hotmail.com Paulo Cesar Soares de Oliveira libras.paulo@hotmail.com FACULDADE ALFREDO NASSER RESUMO: O objetivo dessa pesquisa

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

Dificuldades no Aprendizado

Dificuldades no Aprendizado Dificuldades no Aprendizado REGADAS, Kegilla Neris 1 BUGILA, Stephany 2 Resumo: Vamos constatar neste artigo, os tipos de dificuldades mais comuns encontradas na sala de aula, o papel da família, onde

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Apresenta: Apresentação: Thais F., Francine S. R. e Rita (acadêmicas) Orientação: Profa Dra.Patrícia A. Pinheiro Crenitte

Apresenta: Apresentação: Thais F., Francine S. R. e Rita (acadêmicas) Orientação: Profa Dra.Patrícia A. Pinheiro Crenitte Apresenta: Apresentação: Thais F., Francine S. R. e Rita (acadêmicas) Orientação: Profa Dra.Patrícia A. Pinheiro Crenitte Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade É um distúrbio (condição crônica)

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Dislexia (BARROS, 2010; SILVA, 2009) Dificuldade na área da leitura, gerando a troca de linhas, palavras, letras, sílabas e fonemas. A troca

Leia mais

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO ALINE OLIVEIRA SALGUEIRO* CLÁUDIA ROBERTA GASPARETTO NÁDIA HARUMI INUMARU RESUMO: O presente trabalho investiga

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros.

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros. PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1 INSTRUÇÕES Existem diferenças entre um Curso Programado ou Programa em Instrução Programada e um livro - texto comum. A primeira diferença é que o material se apresenta

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta Educação Especial - Medidas Jurídicas 2 - Proposta ao Prefeito Municipal - Inclusão de dotação orçamentária específica - Equipe Multidisciplinar - Inclusão de alunos com TDAH Promotoria de Justiça de Proteção

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

PARA UM DIAGNÓSTICO INFORMAL DA DISLEXIA*

PARA UM DIAGNÓSTICO INFORMAL DA DISLEXIA* PARA UM DIAGNÓSTICO INFORMAL DA DISLEXIA* Vicente Martins Professor de Linguística e Educação Especial UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ (UVA), de Sobral, Estado do Ceará. vicente.martins@uol.com.br

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Quem são estas crianças? SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO ORDENADOR QUE ASSEGURA A INTEGRAÇÃO RECEBIDA DO MUNDO EXTERIOR E DO PRÓPRIO

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A Família e o Movimento pela Inclusão

A Família e o Movimento pela Inclusão A Família e o Movimento pela Inclusão (Mônica Pereira dos Santos) 1 Já sabemos que a luta pelos direitos dos portadores de deficiência não é recente. No Brasil, se traçarmos uma demarcação temporal, podemos

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José "Você já pensou o porquê das crianças irem mal na escola, mesmo sendo inteligentes

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

CRDA - Centro de Referência em Distúrbios de Aprendizagem Módulo: Distúrbios de Aprendizagem Tema: Dislexia

CRDA - Centro de Referência em Distúrbios de Aprendizagem Módulo: Distúrbios de Aprendizagem Tema: Dislexia CRDA - Centro de Referência em Distúrbios de Aprendizagem Módulo: Distúrbios de Aprendizagem Tema: Dislexia WORLD SOCIETY OF NEUROLOGY Professor Jobair Ubiratan Distúrbio caracterizado por dificuldade

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR Maria Célia Malheiros Knopp 1 Resumo Partindo do princípio que a indisciplina e a hiperatividade é um fato da realidade

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Junho de 2010 Dificuldades de Aprendizagem (CORREIA;MARTINS, 2010, p.06) Desordens neurológicas que interferem na recepção, integração ou expressão de informação,

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Adriana feijão de Sousa Magalhães Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: O presente artigo pretende tratar da avaliação inclusiva como forma de oportunizar

Leia mais

Dislexia. O que é? Distúrbios de Aprendizagem Prof. Dorival Rosa Brito

Dislexia. O que é? Distúrbios de Aprendizagem Prof. Dorival Rosa Brito Dislexia O que é? A dislexia é um distúrbio na leitura afetando a escrita, normalmente detectado a partir da alfabetização, período em que a criança inicia o processo de leitura de textos. Seu problema

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora MARISA SERRANO

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora MARISA SERRANO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 402, de 2008, que dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 600h (sendo 150h para estágio)

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em AEE - Atendimento Educacional

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais