PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros."

Transcrição

1 PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1 INSTRUÇÕES Existem diferenças entre um Curso Programado ou Programa em Instrução Programada e um livro - texto comum. A primeira diferença é que o material se apresenta em pequenas quantidades ou partes. Cada parte de informação constitui um quadro. Os quadros estão numerados em ordem sucessiva; um de cada vez fornece determinada informação e solicita uma resposta, que pode constituir na seleção da alternativa correta entre duas alternativas ou, ainda, na escrita de uma ou mais palavras que completam o sentido de frases com lacunas. Antes de começar este programa você deve munir-se de um lápis ou caneta e de um pedaço de cartolina. Deve, além disto, procurar que haja tranquilidade no ambiente onde você pretende estudar. Coloque a cartolina sobre o retângulo que está logo abaixo da linha onde termina o quadro de informação. Depois de sublinhar a resposta que você considera correta ou de escrever sua resposta no espaço em branco, deslize suavemente a cartolina para verificar se a resposta está correta. No caso de haver erro, releia a informação e dê uma nova resposta, agora no pequeno retângulo em branco à direita. Em seguida, leia a nova informação dada no quadro abaixo, escreva as palavras que faltam ou sublinhe a palavra que você selecionou; depois verifique a correção de sua resposta, deslizando a cartolina. Prossiga deste modo até o final do programa. Em cada quadro, ao responder às proposições que lhe são feitas, você se certifica imediatamente se sua resposta está correta ou não. Isto é exatamente o mesmo que um instrutor formular perguntas e dizer, de imediato, se sua resposta está correta ou não. Trata-se de uma técnica de ensino que lhe permite avaliar-se a si mesmo, a todo o momento. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros. Trabalhe com calma, porque não há limite de tempo. Siga, por favor, as recomendações abaixo: O tempo que você despenderá para responder às proposições de cada um dos quadros não será sempre o mesmo. Algumas vezes, você terminará vários quadros em muito pouco tempo. Para outros quadros, necessitará de mais tempo. Não se apresse em nenhum dos casos. Os erros na leitura podem ocasionar uma resposta incorreta. Portanto, leia com cuidado e pense antes de escrever sua resposta. Não salte quadros. Na Instrução Programada, não se pode nem se deve ler rapidamente. Cada parte da informação é indispensável para os quadros que se seguem. Se cometer algum erro, leia de novo o quadro. Não apague a primeira resposta; simplesmente faça um círculo ao redor da mesma e escreva a resposta correta abaixo à direita, sem sair das linhas que demarcam cada um dos quadros. Agora pode começar com o quadro n 0 1. Por favor, passe à página seguinte. 1 Evans, J.L. Teaching Machines Incorporated. Trad.: Luiza Garcia de Mello

2 1. A aprendizagem deve ser agradável. Entretanto, nas primeiras etapas do estudo de uma determinada matéria, é comum que os alunos cometam muitos erros. Muitas pessoas (gostam / não gostam) de cometer erros. Não gostam 2. Quando o estudante comete muitos erros pensa, muitas vezes, que não gosta da matéria. Seria mais certo se ele pensasse que não gosta de cometer. erros 3. Por muito tempo, educadores, psicólogos e pessoas em geral achavam que era impossível aprender sem cometer um grande número de. erros 4. Recentes estudos no campo da Psicologia da Aprendizagem revelaram que, se a aprendizagem de determinada matéria for cuidadosamente preparada ou PROGRAMADA de um modo especial, o estudante poderá dominar determinados conteúdos específicos, fazendo um número muito pequeno de erros. O assunto que você está lendo agora foi preparado ou desse modo. Programado 5. A ideia básica da Instrução Programada é que a aprendizagem pode ser mais agradável, eficaz e permanente, quando o estudante realiza um Curso Programado ou Programa constituído de um grande número de etapas pequenas e fáceis. Se as etapas forem pequenas, ele (terá / não terá) muitas possibilidades de cometer erros. Não terá 6. Um Curso Programado ou Programa é constituído, portanto, de muitas pequenas etapas ou quadros, que apresentam a informação ao estudante. Assim, um estudante poderá dominar um conteúdo que ignora, através de um. Se o conteúdo for cuidadosamente preparado, o aluno poderá cometer (mais / menos) erros durante a realização do programa. programa menos 7. Os princípios da Instrução Programada são diferentes dos que norteiam o ensino tradicional. Você já conhece um desses princípios: o estudante aprende melhor se realiza a aprendizagem através de pequenas. etapas 8. Os princípios de Instrução Programada são aplicações de PRINCÍPIOS DA APRENDIZAGEM evidenciados em laboratórios de Psicologia. Você já aprendeu o primeiro destes princípios, que pode ser denominado: Princípios das Pequenas. etapas

3 9. Os princípios em que se baseiam a Instrução Programada foram evidenciados em laboratórios de (Bioquímica / Psicologia). Psicologia 10. O primeiro princípio da Instrução Programada é denominado: Princípio das. Pequenas etapas 11. Outro princípio que nos advém da investigação psicológica sobre aprendizagem: o aluno aprende melhor se participa ativamente da aprendizagem. O estudante que resolve problemas algébricos, provavelmente, renderá (mais / menos) do que o aluno que somente ouve as explicações do professor e vê exemplos. mais 12. Dizer que as pessoas aprendem realizando é o mesmo que afirmar que aprendizagem se faz melhor pela RESPOSTA ATIVA. Você agora já concluiu que o segundo princípio da Instrução Programada é o Princípio da Resposta. ativa 13. Princípios da Instrução Programada: Princípio das Pequenas Etapas. Princípio da Resposta. ativa 14. Um terceiro princípio oriundo da Psicologia da Aprendizagem: o aluno aprende melhor quando verifica sua resposta imediatamente. Este princípio pode ser denominado: PRINCÍPIO DA VERIFICAÇÃO IMEDIATA. Neste programa que você está realizando, suas respostas têm sido imediatamente verificadas. Assim, este programa (usa / não usa) o princípio da VERIFICAÇÃO. Usa imediata 15. Terceiro princípio: o aluno aprende melhor quando verifica sua resposta imediatamente. Um estudante que tenha de esperar duas semanas pelo resultado de seus testes, (aprenderá / não aprenderá) tão bem quanto o estudante cujo teste foi corrigido imediatamente. Não aprenderá 16. Quando um aluno pode verificar imediatamente sua resposta, o princípio da está sendo aplicado. Verificação imediata 17. Três princípios da Instrução Programada: Princípio das PEQUENAS. Princípio da RESPOSTA. Princípio da VERIFICAÇÃO. 1. Etapas 2. Ativa 3. Imediata

4 18. Quando dividimos um assunto em diversas partes, por exemplo, cálculo matemático, de modo a permitir que o estudante assimile conteúdo da matéria aos poucos, indo de um quadro a outro, estamos aplicando o princípio das. Pequenas Etapas 19. Durante o estudo de uma matéria, quando se exige que o aluno, ele próprio, escreva as respostas, o princípio da está sendo usado. Resposta Ativa 20. Quando a matéria é apresentada de tal modo que o estudante possa verificar, de imediato, se sua resposta está correta ou não, o princípio da está sendo empregado. Verificação Imediata 21. Evidentemente algumas pessoas aprendem mais rapidamente do que outras. Se o ritmo de uma classe é muito rápido ou muito lento para um aluno provavelmente ele (aprenderá / não aprenderá) tão bem quanto se estudasse em seu ritmo próprio. Não aprenderá 22. Na Instrução Programada, cada aluno pode trabalhar tão rapidamente ou tão lentamente quanto desejar: este é o PRINCÍPIO DO RITMO PRÓPRIO. Uma vez que você pode empregar o tempo que desejar, em cada etapa deste programa, o princípio do ritmo próprio (está / não está) sendo usado, no presente momento. está 23. O princípio da Instrução Programada, segundo o qual cada aluno progride no ritmo que lhe é adequado, é o princípio do. Ritmo Próprio 24. Quando o estudante é orientado para trabalhar em seu ritmo próprio, como numa sala particular, o princípio do ritmo próprio está sendo aplicado. (certo / errado). certo 25. Você já conhece quatro dos cinco mais importantes Princípios da Instrução Programada. Agora vamos revê-los: 1. Princípio. (organização sequencial dos quadros) 2. Princípio. (modalidade de respostas do aluno) 3. Princípio. (sistema de confirmação da resposta correta) 4. Princípio. (atendimento às diferenças individuais) das Pequenas Etapas. da Resposta Ativa.

5 da Verificação Imediata. do Ritmo Próprio. 26. Na Instrução Programada, deve-se levar em conta o controle daquilo que se aprende. O estudante faz um registro completo de suas respostas. Se ele anotar a resposta em cada etapa, (terá / não terá) possibilidade de localizar com exatidão onde cometeu erros. terá 27. Suponhamos que um estudante tenha completado um programa compreendendo 100 quadros, dando uma resposta para cada quadro. O estudante cometeu quatro erros. Pelo registro de suas respostas, (podemos / não podemos) verificar exatamente em que etapas ou quadros ele cometeu erros. podemos 28. Suponhamos que um programador deseje melhorar a qualidade de um programa, através da revisão do mesmo. Num experimento, um programa é aplicado a dez alunos. Se os dez alunos erram na resposta do quadro 37, este (será / não será) um quadro indicado para sofrer revisão. será 29. O estudante pode ser levado a cometer erros, quando o quadro está muito extenso, pouco claro, ou não foi bem revisto nas diferentes revisões efetuadas. Examinando um programa completado por um aluno, você (pode / não pode) verificar exatamente quais os quadros que deram margem a erros. pode 30. Uma vez que registros precisos da atuação de cada estudante são feitos, revisões podem ser realizadas, tendo por base as respostas reais do próprio estudante. Se a apresentação de algum quadro não estiver clara, isto (se refletirá / não se refletirá) nas respostas do estudante durante a realização do programa. Se refletirá 31. A revisão de um programa, através do controle da atuação dos alunos, é denominada TESTAGEM DO PROGRAMA. Se o programa que você está realizando foi desenvolvido nessas bases, o princípio da do está sendo utilizado. Testagem programa 32. Quando se efetua a revisão de um programa com base nas respostas registradas pelos alunos, está sendo aplicado o quinto princípio da Instrução Programada: PRINCÍPIO DA DO. Testagem Programa 33. Você já aprendeu cinco mais importantes Princípios da Instrução Programada: 1. Princípio. (progresso fácil de quadro par quadro) 2. Princípio. (estudante trabalha ativamente) 3. Princípio.

6 (rápido conhecimento da resposta correta) 4. Princípio. (estudante trabalha em seu ritmo) 5. Princípio. (programas são revistos com base nas respostas dos alunos) das Pequenas Etapas. da Resposta Ativa. da Verificação Imediata. do Ritmo Próprio. da Testagem do Programa 34. Um estudante deixa de estudar a lição de álgebra, porque os quadros de seu livro de textos programados são muito extensos e ele não consegue compreender o conteúdo apresentado. Que princípio da Instrução Programada não foi respeitado nesse programa? Princípio das Pequenas Etapas 35. Estudantes respondem a várias perguntas de um teste. O professor leva o trabalho dos alunos para casa e após exaustiva tarefa de correção, traz de volta o teste corrigido, uma semana depois. Os estudantes já não têm interesse em verificar se suas respostas estavam certas ou não. Que princípio de Instrução Programada não foi aplicado nesse caso? Princípio da Verificação Imediata 36. Um estudante realiza um programa respondendo a perguntas que cada um dos quadros lhe apresenta. Ele próprio vai escrevendo a resposta em cada quadro. Que princípio da Instrução Programada está sendo seguido? Princípio da Resposta Ativa 37. Um programador, após a primeira testagem do programa, verifica que os alunos realizaram cerca de 50 % de respostas incorretas. Revê e aperfeiçoa os quadros que mais deram margem a erros. Experimenta novamente o programa com outro grupo de alunos. Nessa nova versão, os alunos apresentam somente 4 % de respostas incorretas. Que princípio da Instrução Programada foi usado pelo programador? Princípio da Testagem do Programa 38. Um aluno se aborrece porque resolveu rapidamente todos os exercícios propostos pelo professor e tem que esperar os colegas mais lentos terminar a tarefa. Enquanto espera perturba a aula. Que princípio da Instrução Programada não está presente nesse caso? Princípio do Ritmo Próprio 39. Um estudante se convence, por experiências anteriores, que não consegue aprender álgebra. Ele experimenta estudar esta matéria através da Instrução Programada. Para sua surpresa, vê cada um dos 75 quadros poucos extensos que compõem o programa, serem compreendidos por ele, Que princípio da Instrução Programada foi seguido? Princípio das Pequenas Etapas

7 40. Um bom professor está preocupado porque seus alunos não conseguem compreender o conteúdo da matéria em estudo. Dizem que não entendem os textos do livro adotado em classe. Infelizmente o professor não possui um registro preciso dos aspectos da matéria que os alunos não estão compreendendo. Portanto, o professor não pode realizar uma revisão precisa e específica do conteúdo e aperfeiçoar a apresentação da matéria para aquele grupo de alunos. Que princípio da Instrução Programada não está sendo aplicado? Princípio da Testagem do Programa 41. Um aluno está estudando Química, Ele acha que entendeu s exposições do professor em aula; mas nunca tem oportunidade de resolver, ele próprio, problemas sobre a matéria apresentada. Ao realizar uma prova em que deveria resolver problemas de Química, ele obtém um conceito insatisfatório. Que princípio da Instrução Programada não foi aplicado? Princípio da Resposta Ativa 42. Um aluno está estudando Física através de um Programa de Instrução Programada. Ele nem sempre está absolutamente certo de suas respostas, mas pode verificá-las dentro de um segundo, depois de tê-las escrito. Que princípio da Instrução Programada está sendo utilizado? Princípio da Verificação Imediata 43. Um estudante está aprendendo Psicologia através de um curso programado. Ele leva duas vezes mais tempo para realizar o programa do que o restante da sua classe. Entretanto, na prova final, ele obtém resultados muito satisfatórios. Que princípio está evidenciado nesse caso? Princípio do Ritmo Próprio 44. É muito fácil recordar os cinco Princípios da Instrução Programada. Para tal, basta lembrar o que acontece quando você realiza um curso programado ou programa. A primeira coisa a fazer é LER o pequeno texto do quadro. Cada quadro foi cuidadosamente construído, a fim de que você compreenda, através de etapas sucessivas, a informação apresentada. O princípio utilizado é o das. Pequenas Etapas 45. LER ESCREVER Depois de LER o pequeno texto do quadro você deverá ESCREVER a resposta. O ato de escrever constitui uma resposta ativa. Quando você escreve sua resposta está sendo empregado o princípio. da resposta ativa 46. LER ESCREVER VERIFICAR 1. LEIA os textos dos quadros. 2. ESCREVA sua resposta. Em seguida, você verificará se sua resposta está correta ou não. Ao verificar imediatamente a correção de sua resposta, você está empregando o princípio. da verificação imediata

8 47. LER ESCREVER VERIFICAR PROSSEGUIR Depois de ler, escrever e verificar a sua resposta, você deverá prosseguir para o próximo quadro, lenta ou rapidamente, conforme achar melhor. Prosseguindo rumo ao quadro subsequente, de acordo com o seu ritmo, você está usando o princípio. do ritmo próprio 48. LER ESCREVER VERIFICAR PROSSEGUIR REGISTRAR Recordando estas cinco palavras-chave, você pode facilmente identificar os cinco princípios que regem a Instrução Programada: 1. Princípio. 2. Princípio. 3. Princípio. 4. Princípio. 5.Princípio. das pequenas etapas. da resposta ativa. da verificação imediata do ritmo próprio. da testagem do programa. 49. Você já conhece os princípios fundamentais da Instrução Programada. O Programa que você está realizando agora foi elaborado com base nesses princípios. Esses princípios evidenciados em laboratórios de Psicologia estão sendo aplicados no ensino de Matemática, Física, Química, Ciências Naturais, Línguas, Literatura, Ciências Sociais, Psicologia, Técnicas Comerciais, etc. SIGA, POR FAVOR, PARA O PRÓXIMO QUADRO. 50. Muitos sentem que a aplicação desses princípios causará uma fundamental mudança em nossas técnicas de ensino. Para o programador, um aspecto muito importante da Instrução Programada é, como já vimos, o controle da atividade do aluno, através do registro de suas respostas. Ao rever os programas, o programador terá possibilidade de aperfeiçoá-los, de modo a ensinar melhor e mais eficientemente os conteúdos específicos das diferentes matérias. SIGA, POR FAVOR, PARA O PRÓXIMO QUADRO. 51. Um aspecto muito importante da Instrução Programada é, portanto, o registro feito pelo próprio estudante que realizou um curso programado ou programa. Esses registros constituem um instrumento utilíssimo para o aperfeiçoamento da aprendizagem fornecido pela própria aprendizagem. O aperfeiçoamento de novos e cada vez mais precisos instrumentos de observação e controle tem permitido o progresso científico, através dos tempos. SIGA, POR FAVOR, PARA O PRÓXIMO QUADRO. 52. Prova disso é o progresso da Astronomia que se seguiu à invenção do telescópio e o progresso da Biologia e da Medicina que se seguiu à invenção do microscópio. Consideremos que um registro minucioso de todas as etapas de um programa de aprendizagem será um instrumento fundamental para um conhecimento mais preciso do complexo fenômeno da aprendizagem humana. FINAL DO PROGRAMA

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender?

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Quando nos envolvemos na realização de diferentes tarefas, é importante avaliar os procedimentos e os meios de aprendizagem que adoptamos s face a essas tarefas:

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro Objetivo As práticas que serão trabalhadas nesta aula têm os objetivos de

Leia mais

O curso de italiano on-line: apresentação

O curso de italiano on-line: apresentação O curso de italiano on-line: apresentação Índice Porque um curso de língua on-line 1. Os cursos de língua italiana ICoNLingua 2. Como é organizado o curso 2.1. Estrutura geral do curso 2.2. Andamento e

Leia mais

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Você já pensou alguma vez que é possível crescer 10 vezes em várias áreas de sua vida e ainda por cima melhorar consideravelmente sua qualidade

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

Aprenda como estudar em quatro etapas PORVIR

Aprenda como estudar em quatro etapas PORVIR ENG POR!FAZER POR?PENSAR POR+CRIAR POR PESSOAS POR:VIR DIÁRIO DE INOVAÇÕES WIKI DICAS BLOG DESTAQUE // POR?PENSAR 1 COMENTÁRIO // 10 TWEETS // 999 LIKES Aprenda como estudar em quatro etapas Educador Fábio

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM. Autora: Profª Dra. Claudia Kober

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM. Autora: Profª Dra. Claudia Kober PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM Autora: Profª Dra. Claudia Kober AULA 1 O que é aprendizagem? Profª Dra. Claudia Kober INTRODUÇÃO uase sempre tendemos a associar aprendizagem com escola,

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais

Orientações para Palestras

Orientações para Palestras Orientações para Palestras Caro Palestrante, confeccionamos este documento para ajudá-lo a fazer uma apresentação memorável. Sinta-se à vontade para enviar contribuições de modo que possamos aperfeiçoá-lo.

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Disciplina de Leitura Bíblica Manual do Professor Por David Batty

Disciplina de Leitura Bíblica Manual do Professor Por David Batty Disciplina de Leitura Bíblica Manual do Professor Por David Batty 2 Leitura Bíblica David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas da seguinte versão da Bíblia:

Leia mais

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar Sucesso Escolar CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS Geração Futura Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! www.geracaofutura.pt geracaofutura.formacao@gmail.com Telemóvel: 919 123 725 Skype: geracaofutura

Leia mais

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE?

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE? Manual do Usuário INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO ON LINE A ATIC Tecnologia do Brasil Ltda. com o objetivo de atender aos seus diversos clientes, oferece treinamentos EAD - Educação a Distância

Leia mais

www.portalfuturum.com.br

www.portalfuturum.com.br www.portalfuturum.com.br GEOGRAFIA Solos GUIA RÁPIDO DO AMBIENTE DE FORMAÇÃO DO PORTAL FUTURUM Prezado(a) cursista, Bem-vindo(a) ao Ambiente de Formação do Portal Futurum (AFPF)!!! A proposta deste material

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro?

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro? Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Serviços de qualidade;! Pesquisas

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

Tentarei falar o mais próximo possível de uma conversa com um estudante do começo da Graduação em Matemática.

Tentarei falar o mais próximo possível de uma conversa com um estudante do começo da Graduação em Matemática. Não há regras rígidas para um estudo com sucesso. Cada um tem o seu modo de estudar; sozinho ou acompanhado, em casa ou na rua, com ou sem música, são algumas variáveis que podemos experimentar e avaliar

Leia mais

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR Introdução: Aqui nesse pequeno e-book nós vamos relacionar cinco super dicas que vão deixar você bem mais perto de realizar o seu sonho

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas Prezado(a) Professor(a) Este manual de orientações tem a finalidade de sugerir um

Leia mais

Atividade 11. Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos

Atividade 11. Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos Atividade 11 Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos Sumário Freqüentemente programas de computador precisam processar uma seqüência de símbolos como letras ou palavras em um documento, ou até mesmo

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais Podcast Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 6min32seg

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record)

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) O GERENTE MINUTO Como Tomar Decisões Rápidas (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) Este livro relata a história de um jovem que andava a procura de um Gerente

Leia mais

Formanda: Sónia Machado Garcia Formadoras: Rosa Santos e Isabel Silva. Ano letivo 2013/2014

Formanda: Sónia Machado Garcia Formadoras: Rosa Santos e Isabel Silva. Ano letivo 2013/2014 Formanda: Sónia Machado Garcia Formadoras: Rosa Santos e Isabel Silva Ano letivo 2013/2014 ATIVIDADE 1 DOMÍNIO: ORALIDADE 4º ANO A MÁQUINA DE FAZER PALAVRAS Objetivo: Escutar para aprender e construir

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras;

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras; Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Pesquisas de opinião pública;!

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: ESTUDOS DE A. R. LÚRIA E L. S. VYGOTSKY Ana Carolina Rosendo Gonzalez C. Baptista Edileusa Lopes de L. Alves Kátia Garcia Vanessa Leite * INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07 Este é o 7º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

Técnicas de Memorização.

Técnicas de Memorização. Como Estudar? Técnicas de Memorização. Aprendizagem: dreamstime As estratégias de estudo que adquiriste no ensino secundário devem ser adaptadas ao ensino superior. Existem disciplinas com forte componente

Leia mais

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras.

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras. 6 6 NOME DA AULA: 6 Algoritmos Duração da aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10-25 minutos (dependendo da disponibilidade de tangrans prontos ou da necessidade de cortá-los à mão) Objetivo principal:

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Como escrever melhor em 5 passos simples

Como escrever melhor em 5 passos simples Como escrever melhor em 5 passos simples Escrever um artigo para seu blog pode ser um processo estressante e tomar bastante tempo, especialmente se você não é um escritor. Mas quando você está determinado

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Avaliação de Interfaces Humano- Computador

Avaliação de Interfaces Humano- Computador Avaliação de Interfaces Humano- Computador Classificação de métodos de avaliação Inspeção de usabilidade Não envolve usuários Usado em qualquer fase do desenvolvimento do sistema Testes de usabilidade

Leia mais

UMA PROPOSTA INSTERDISCIPLINAR: O SISTEMA SOLAR EM ESCALAS. Palavras-chave: Escalas numéricas; Sistema Solar; Escalas.

UMA PROPOSTA INSTERDISCIPLINAR: O SISTEMA SOLAR EM ESCALAS. Palavras-chave: Escalas numéricas; Sistema Solar; Escalas. UMA PROPOSTA INSTERDISCIPLINAR: O SISTEMA SOLAR EM ESCALAS Ueslei Galvão do Rosário Santos Universidade Federal do Recôncavo da Bahia uelgalvao@hotmail.com Wériton de Souza Lobo Universidade Federal do

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

Avaliação da aprendizagem... mais uma vez

Avaliação da aprendizagem... mais uma vez Avaliação da aprendizagem... mais uma vez Cipriano Carlos Luckesi 1 Artigo publicado na Revista ABC EDUCATIO nº 46, junho de 2005, páginas 28 e 29. Recentemente, tenho acompanhado crianças que saíram de

Leia mais

Para tirar proveito máximo de uma aula, algumas técnicas são úteis:

Para tirar proveito máximo de uma aula, algumas técnicas são úteis: A ARTE DE ESTUDAR "O começo da sabedoria é encontrado na dúvida; duvidando começamos a questionar, e procurando podemos achar a verdade." (Pierre Abelard) Para tirar proveito máximo de uma aula, algumas

Leia mais

Construção de tabelas verdades

Construção de tabelas verdades Construção de tabelas verdades Compreender a Lógica como instrumento da ciência e como estrutura formal do pensamento, conhecendo e compreendendo as operações com os principais conceitos proposicionais

Leia mais

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo.

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA 1. Informações Gerais. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. O item do menu Manutenção de Matrícula tem por objetivo manter

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Teoria da Computação Ciência da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

EXEMPLO DE COMO FAZER UMA MALA DIRETA

EXEMPLO DE COMO FAZER UMA MALA DIRETA EXEMPLO DE COMO FAZER UMA MALA DIRETA OBS: Para esta nota de aula foi utilizada como referência: Apostila Mala Direta Santos, Jorge Rodrigues dos. Foram adaptados os comando para utilizar mala direta no

Leia mais

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins Lógica Indutiva Aula 4 Prof. André Martins É uma bruxa? Lógica Clássica (Dedutiva) Na Lógica Clássica, determinamos a veracidade de proposições a partir de outras proposições que julgamos verdadeiras.

Leia mais

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES Silmara Cristina Manoel UNESP Ilha Solteira Silmaracris2@hotmail.com Inocêncio Fernandes Balieiro Filho

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES Sumário 1. O que são interações?... 3 2. Posso registrar uma interação com um parceiro?... 3 3. Posso registrar interações para empresas?... 3 4. Quando converso informalmente com um cliente, parceiro

Leia mais

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 )

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) 2010 SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) SCPIWebCotacao Aplicação Web para Cotação de Preços via Internet Resumo de Instruções

Leia mais

PASSOS PARA INVESTIR ATRAVÉS DE ROBÔS COM APENAS R$ 1.000 ALEXANDRE WANDERER

PASSOS PARA INVESTIR ATRAVÉS DE ROBÔS COM APENAS R$ 1.000 ALEXANDRE WANDERER PASSOS PARA INVESTIR ATRAVÉS DE ROBÔS COM APENAS R$ 1.000 ALEXANDRE WANDERER A máquina pode substituir 100 pessoas comuns. Mas, nenhuma máquina pode substituir uma pessoa criativa. Elbert Hubbard Sobre

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

GMAIL - Criação de uma conta de correio electrónico

GMAIL - Criação de uma conta de correio electrónico COMO CRIAR UMA CONTA PESSOAL NO FACEBOOK Em primeiro lugar é necessário ter um endereço de correio electrónico (email) pessoal. Qualquer endereço de correio electrónico (email) serve perfeitamente. Pode

Leia mais

ELABORAÇÃO DE REGISTOS

ELABORAÇÃO DE REGISTOS ELABORAÇÃO DE REGISTOS Excerto de Methodological Guide, Inquiry-Based Science Education: Applying it in the Classroom (capítulo 5) Os registos relativos às actividades que os alunos realizam podem ter

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

Como Passar em Química Geral*

Como Passar em Química Geral* 1 Como Passar em Química Geral* por Dra. Brenna E. Lorenz Division of Natural Sciences University of Guam * traduzido livremente por: Eder João Lenardão; acesse o original em : http://www.heptune.com/passchem.html

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Agrupamento de Escolas José Maria dos antos Critérios de Avaliação 4. º Ano Língua Portuguesa 2011/12 Capacidade de compreensão Interpreta Responde Reconta Questiona Revela dificuldades na interpretação.

Leia mais

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com)

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) 1. O dominó Você já deve conhecer o dominó. Não vamos pensar no jogo de dominós

Leia mais

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Duplas e Coordenadas Polares Nas primeiras aulas discutimos integrais duplas em algumas regiões bem adaptadas às coordenadas

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 6º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0) 3º Bimestre A Introdução: Neste bimestre, tivemos como tema principal a água. Estudamos os estados físicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA Cipriano Carlos Luckesi 1 Artigo publicado na Revista ABC EDUCATIO, nº 54, março de 2006, páginas 20 e 21. Estamos iniciando um novo ano letivo. Vale a pena olhar um pouco

Leia mais

SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015

SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 Simulado Comentado Matemática e Raciocínio Lógico EBSERH 2015 Página 1 SIMULADO 01 MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 Cargo: Todos

Leia mais

+ Do que xxx e escadas

+ Do que xxx e escadas Reforço escolar M ate mática + Do que xxx e escadas Dinâmica 6 1º Série 2º Bimestre DISCIPLINA Série CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 1ª Campo Geométrico DINÂMICA + Do que xxx e escadas Razões trigonométricas

Leia mais

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Conceito de aprendizagem................................. 5 1.2 Primeiros passos no Artikulate..............................

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE EAD

CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE EAD LÓGIC DE PROGRMÇÃO CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTIC N MODLIDDE ED Disciplina: Lógica de Programação Profa. Jaqueline F. Domenciano Meu nome é Jaqueline F. Domenciano. Sou Especialista em Educação à Distância,

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

Lição 03 Aplicativos do Windows Bloco de Notas, Calculadora

Lição 03 Aplicativos do Windows Bloco de Notas, Calculadora Índice: Lição 01 Noções Básicas Abrir um programa - Fechar um programa - Minimizar uma janela de programa - Maximizar um programa - Restaurar um programa... 05 Lição 02 Aplicativos do Windows - Paint Usar

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS: UM DIÁLOGO SOBRE A AIDS NO PROEJA

DOENÇAS VIRAIS: UM DIÁLOGO SOBRE A AIDS NO PROEJA DOENÇAS VIRAIS: UM DIÁLOGO SOBRE A AIDS NO PROEJA Graciane Marchezan do Nascimento Lopes Instituto Federal Farroupilha Câmpus Alegrete Introdução Há um grande número de doenças transmissíveis que causam

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

PATRÍCIA SANTOS COUTO UFRPE/LACAPE JOSINALVA ESTACIO MENEZES UFRPE/LACAPE jomene@ufrpe.br

PATRÍCIA SANTOS COUTO UFRPE/LACAPE JOSINALVA ESTACIO MENEZES UFRPE/LACAPE jomene@ufrpe.br UMA EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DE JOGOS E MATERIAL CONCRETO EM CAPACITAÇÕES COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM PERNAMBUCO: INTERDISCIPLINARIDADE, REFLEXOS E PERSPECTIVAS PATRÍCIA

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas 5 a a 8 a séries Ensino Fundamental Jovens do mundo todo Conheça outras culturas Softwares Necessários: Microsoft Encarta 2000 Internet Explorer 5,0 Microsoft Publisher 2000 Microsoft Word 2000 Áreas:

Leia mais

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva;

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; OBJETIVOS Definir objetivos de estudo a nível pessoal; Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; Sensibilizar os E.E. para

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

PROF. CÍCERO JOSÉ Matemática e Estatística

PROF. CÍCERO JOSÉ Matemática e Estatística UNIBAN UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO Instituto de Administração e Negócios Tecnologia em Logística PROF. CÍCERO JOSÉ Matemática e Estatística São Paulo 2º semestre de 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I MATEMÁTICA

Leia mais

APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA

APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA Arine de Paiva Gonçalves 1 Cássio Costa Rodrigues 2, Liliane Martinez Antonow 3 1 If Sudeste MG Câmpus Rio Pomba/ DEMAF, arine.paiva@hotmail.com

Leia mais

English Adventure. By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer

English Adventure. By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer English Adventure By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer " Eu toco o futuro, eu ensino." Christa McAuliffe Você está pronto para levar seus alunos para uma English Adventure? Principais características

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais