PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA 2014

2 P á g i n a 2 Sumário 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Contexto Educacional Identificação Histórico da Instituição Missão Inserção Regional Justificativa da Oferta do Curso Políticas Institucionais no âmbito do Curso Objetivos do Curso Perfil Profissional do Egresso Estrutura Curricular Flexibilidade Curricular e Interdisciplinaridade Disciplinas Básicas e Profissionalizantes Componentes Curriculares Conteúdos Curriculares Ementas e Bibliografia Metodologia Atividades Práticas Supervisionadas (APSs) Sistema RM Apoio ao Discente Programa de Orientação ao Estudante (PROE) Apoio Psicopedagógico Programas de Monitoria e de Iniciação Científica Núcleo de Oportunidades Acompanhamento dos egressos Visitas Técnicas Ações decorrentes dos Processos de Avaliação do Curso Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) no processo ensino-aprendizagem Procedimentos de Avaliação dos Processos de Ensino-Aprendizagem Número de Vagas Integralização Curricular Corpo Docente Atuação do Núcleo Docente Estruturante NDE Atuação do Coordenador Experiência Profissional, de Magistério Superior e de Gestão Acadêmica do Coordenador Regime de Trabalho do Coordenador do Curso Titulação do Corpo Docente do Curso Titulação do Corpo Docente do Curso Percentual de Doutores...91

3 P á g i n a Regime de Trabalho do Corpo Docente do Curso Experiência Profissional do Corpo Docente Experiência de Magistério Superior do Corpo Docente Funcionamento do Colegiado de Curso ou equivalente Produção Científica Infraestrutura Gabinete de Trabalho para Professores Tempo Integral (TI) Espaço de Trabalho para Coordenação do Curso e Serviços Acadêmicos Sala de Professores Salas de Aula Acessibilidade a portadores com deficiência Acesso dos Alunos a Equipamentos de Informática Política de aquisição de livros da Bibliografia Básica e Complementar Periódicos especializados Laboratórios Didáticos Especializados...107

4 P á g i n a 4 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 1.1 Contexto Educacional Identificação Mantenedora: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA LTDA CNPJ: / Mantida: Faculdade Max Planck Endereço: Avenida Nove de Dezembro, 460, Jardim Pedroso Indaiatuba/SP Histórico da Instituição A Faculdade Max Planck, localizada à Av. Nove de dezembro, no. 460 na cidade de Indaiatuba, SP, mantida pelo Instituto de Ensino Superior de Indaiatuba Ltda, teve o seu funcionamento autorizado em 31/01/2002, Portaria nº 319, sob denominação Faculdade Treze de Maio a qual foi alterada para Faculdade Max Planck em 24/12/2002, pela Portaria nº Seu lançamento em Indaiatuba aconteceu em 28 de maio de 2002, tendo como mantenedora a AESI - Associação de Ensino Superior de Indaiatuba. O primeiro Processo Seletivo da Faculdade Max Planck aconteceu em julho de 2002, para o curso de Administração de Empresas. Em julho de 2004 a faculdade criou a sua CPA - Comissão Própria de Avaliação, qualificando seus indicadores de análise. Em 2008, seis anos após sua fundação, já bem estabelecida e mostrando grande potencial de desenvolvimento, a instituição contava com aproximadamente 900 alunos distribuídos em 5 cursos de Graduação: Administração, Direito, Marketing, Redes de Computadores e Letras. Em dezembro do mesmo ano, a antiga UNOPEC Faculdade de Educação e Ciências Gerenciais de Indaiatuba, integrou-se com a Faculdade Max Planck, tornando-se a sua unidade 3. Foram incorporados à sua grade, assim, 7 novos cursos: Ciências

5 P á g i n a 5 Contábeis, Finanças, Pedagogia, Relações Internacionais, Sistemas de Informação, Comércio Exterior e Recursos Humanos. A partir de 18 de novembro de 2010, conforme portaria 1922, DOU n seção I, págs 14 e 15, passa a mantença para a Associação de Ensino Superior de Indaiatuba (CNPJ nº / ), entidade jurídica de direito privado, de fins educacionais, sem fins lucrativos ou de objetivos econômicos para seus associados. Constituída na forma do Código Civil Brasileiro, de seu estatuto e pela legislação vigente que lhe for aplicável, conforme dispositivos legais pertinentes, e tem como sede e foro a cidade de Indaiatuba, Estado de SP. A partir de 31 de dezembro de 2012, a Faculdade Max Planck, assume responsabilidade integral pelos cursos em funcionamento e regularmente autorizados da Faculdade de Educação e Ciências Gerenciais de Indaiatuba, através da portaria 310 de 27 de dezembro de 2012, garantindo a manutenção da qualidade e todos os registros acadêmicos sem prejuízo para os alunos regularmente matriculados. O ano de 2010 trouxe um novo movimento para um grande salto de crescimento da faculdade, que passou a oferecer mais 8 novos cursos autorizados pelo MEC: Gestão Ambiental, Logística, Educação Física (Bacharel e Licenciatura), Engenharia de Controle e Automação, Engenharia de Produção, Nutrição, Medicina Veterinária e Farmácia. Em 2013, foram autorizados: Curso Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar, Fisioterapia, Arquitetura e Urbanismo e Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia. Para sustentar toda essa demanda de desenvolvimento, a Faculdade Max Planck foi ampliada para acolher todos esses novos cursos. Foram construídos mais dois andares sobre o prédio já existente, totalizando três andares, que comporta, aproximadamente, 1600 alunos. O projeto de expansão vai além da obra atual, e deve finalizar até Novos prédios para salas de aula estão sendo construídos, com capacidade para aproximadamente 5 mil alunos, além de Hospital Veterinário, Laboratórios, Bibliotecas e Auditório, entre outros. Essa expansão da Faculdade Max Planck é uma conquista e contempla os melhores e mais modernos recursos pedagógicos e tecnológicos, incluindo: laboratórios de informática, biblioteca com variado acervo, estrutura curricular moderna e atualizada, com foco em conteúdos interdisciplinares e atividades práticas que incluem atendimento à população sob a supervisão de professores, visitas técnicas a empresas e outros empreendimentos, projetos interdisciplinares com atualização constante dos alunos por

6 P á g i n a 6 meio de seminários, palestras e workshops com convidados especiais, programa de estágios com empresas de ponta, Programa de Orientação ao Estudante PROE, com cursos de idiomas e outras ações, como a oferta de cursos de nivelamento, durante todo o semestre letivo, de Matemática Básica, Português, Cálculo, Física, Química, entre outros e é através do PROE que se percebe uma sensível melhora no rendimento acadêmico dos alunos que frequentaram os cursos. A atuação em projetos sociais da cidade também passou a ser uma das prioridades da instituição, pois é um fator fundamental para a formação holística de nossos alunos. Dessa maneira, todos os anos, os alunos têm participado de projetos sociais visando a extensão universitária e aproximação da comunidade local. Desde a sua criação a Max Planck tem se destacado na formação de profissionais, bem como nos altos conceitos obtidos nas avaliações realizadas pelos órgãos governamentais Missão A Faculdade Max Planck tem como missão a atividade educacional formativa, para desenvolver e preparar profissionais e cidadãos livres e conscientes que visem desenvolver seus projetos de vida, participativos, responsáveis, críticos e criativos, que desenvolvam, construam e apliquem o conhecimento para o aprimoramento contínuo da sociedade em que vivem e de futuras gerações. A Faculdade tem por objetivos formar cidadãos e profissionais qualificados, compromissados com o seu desenvolvimento pessoal e profissional e com o crescimento socioeconômico da Região Metropolitana de Campinas RMC, do Estado de São Paulo e de toda a região Sudeste e do País. Os objetivos também estão concentrados na oferta de um ensino de qualidade que busca desenvolver nos formandos uma sólida base de conhecimentos, conceitos, posturas e práticas profissionais, para que possam desenvolver habilidades e competências com vistas à implementação dos seus projetos de vida.

7 1.1.4 Inserção Regional P á g i n a 7 A Região de Governo (RG) de Campinas é composta por 22 municípios, de um total de 90 cidades que compõem a Região Administrativa (RA) de Campinas. Os 22 municípios da Região de Governo de Campinas são: Americana, Artur Nogueira, Campinas, Cosmópolis, Engenheiro Coelho, Estiva Gerbi, Holambra, Hortolândia, Indaiatuba, Itapira, Jaguariúna, Mogi-Guaçu, Mogi-Mirim, Monte Mor, Nova Odessa, Paulínia, Pedreira, Santa Bárbara D Oeste, Santo Antônio de Posse, Sumaré, Valinhos, e Vinhedo. Através da Lei Complementar nº 870 de 19/07/2000 do Governo do Estado de São Paulo, foi criada a Região Metropolitana de Campinas (RMC), sendo a 3ª região do Estado, compreendendo 19 municípios assim distribuídos: Americana, Artur Nogueira, Campinas, Cosmópolis, Engenheiro Coelho, Holambra, Hortolândia, Indaiatuba, Itatiba, Jaguariúna, Monte Mor, Nova Odessa, Paulínia, Pedreira, Santa Bárbara D Oeste, Santo Antônio de Posse, Sumaré, Valinhos, e Vinhedo, conforme apresentado na Figura 1.

8 P á g i n a 8 Figura 1 Composição da Região Metropolitana de Campinas (RMC). FONTE: Secretaria de Economia e Planejamento e Secretaria dos Transportes, A RMC abrange uma área de Km², com uma população de habitantes. O Produto Interno Bruto (PIB) estimado da Região é de R$ 78,2 bilhões (US$ 26,7 bilhões), representando cerca de 12,5% do PIB estadual e 5,6% do PIB nacional. O município de Campinas representa 41,5% da região, seguido de Sumaré com 8,4%, Americana com 7,8%, Santa Bárbara D Oeste 7,3%, Hortolândia 6,5% e Indaiatuba 6,3%, sendo que os restantes 13 municípios representam 22,2% de toda a RMC. A RMC possui elevado nível de desenvolvimento econômico, sendo um dos polos de maior desenvolvimento do país. Os setores de serviço, industrial e o comércio impulsionam a sua economia, que, se comparada às regiões metropolitanas do país, posiciona a RMC como a sexta força econômica do país, em recente reportagem publicada

9 P á g i n a 9 no jornal Correio Popular. Os setores de comércio e serviços preveem, com a abertura de novos estabelecimentos e reformas dos já existentes. Apesar do alto investimento efetuado junto ao setor industrial, observa-se que o setor de serviços e comércio representam, aproximadamente, 55% do PIB da RMC. Isso representa um total aproximado de estabelecimentos e empregos. Só Campinas conta com estabelecimentos e 60 mil empregos diretos. A RMC apresenta um PIB estimado de US$ 26,7 bilhão, cerca de 5,9% do PIB nacional, representando cerca de R$ 78 bilhões em geração de bens e serviços na região. A localização estratégica de Campinas, a facilidade logística tanto para o consumidor como para as empresas e o alto poder aquisitivo do consumidor, são importantes fatores para a expansão dos dois segmentos. Conforme a Estimativa Populacional IBGE em 2012, a RMC possui habitantes, distribuídos em km². É a nona maior região metropolitana do Brasil. Nos últimos anos, a região vem ocupando e consolidando uma importante posição econômica nos níveis estadual e nacional. Situada nas proximidades da Região Metropolitana de São Paulo, comporta um parque industrial abrangente, diversificado e composto por segmentos de natureza complementar. Possui uma estrutura agrícola e agroindustrial bastante significativa e desempenha atividades terciárias de expressiva especialização. Destaca-se ainda pela presença de centros inovadores no campo das pesquisas científica e tecnológica, bem como do Aeroporto de Viracopos o segundo maior terminal aéreo de cargas do País, localizado no município de Campinas. A produção industrial diversificada com ênfase em setores dinâmicos e de alto input científico/tecnológico, notadamente nos municípios de Campinas, Americana, Paulínia, Sumaré, Indaiatuba, Santa Bárbara d'oeste e Jaguariúna, vem resultando em crescentes ganhos de competitividade nos mercados interno e externo. A região exibe um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 77,7 bilhões/ano. Sua renda per capita é bastante significativa se comparada à do estado de São Paulo ou Brasil (Região Metropolitana de Campinas = R$ ,97, Estado de São Paulo = R$ ,00 e Brasil = R$ ,00). Sistema Viário: A Região conta com amplo sistema viário, bastante ramificado, e que apresenta os seguintes eixos principais: a Rodovia dos Bandeirantes e a Rodovia Anhanguera, que ligam

10 P á g i n a 10 a cidade de São Paulo ao interior paulista, cortando RMC; a rodovia SP-304, rumo a Piracicaba, a Rodovia Santos Dumont, rumo a Sorocaba e a Rodovia Dom Pedro I, que faz a ligação com o Vale do Paraíba, entre outras. Entre as rodovias que servem de ligação entre as cidades da RMC, se destacam: 1) Rodovia Professor Zeferino Vaz (Campinas/Paulínia/Cosmópolis/Artur Nogueira/Conchal); 2) Rodovia Jornalista Francisco Aguirra Proença (Campinas/Hortolândia/Capivari); 3) Rodovia Prefeito José Lozano Araújo ou Rodovia (Paulínia/Sumaré/Hortolândia); 4) Rodovia Adhemar de Barros (Campinas/Mogi Mirim/Mogi Guaçu); 5) Rodovia Doutor Roberto Moreira (Paulínia/Campinas); 6) Rodovia Miguel Melhado Campos (Vinhedo/Campinas); 7) Rodovia Miguel Noel Nascentes Burnier (Mogi-Mirim/Campinas); 8) Rodovia Santos Dumont (Indaiatuba/Campinas). Panorama Econômico: A evolução socioeconômica e espacial da região transformou-a em um espaço metropolitano com uma estrutura produtiva moderna, com alto grau de complexidade e grande riqueza concentrada em seu território. A infraestrutura de transportes, a proximidade do maior mercado consumidor do país, que é a RMSP, o sofisticado sistema de ciência e tecnologia, a mão-de-obra altamente qualificada, entre outros, deram à RMC vantagens para instalação de novas empresas e para formação de arranjos produtivos nas áreas de petroquímica, têxtil, cerâmica e flores, entre outros. A localização geográfica e o sistema viário foram fatores primordiais no desenvolvimento da agroindústria, ao permitirem a ligação com regiões produtoras de matérias primas e os grandes mercados consumidores e terminais de exportação. O setor agropecuário tornou-se moderno e diversificado, possuindo forte integração com os complexos agroindustriais e elevada participação de produtos exportáveis ou destinados ao mercado urbano de maior poder aquisitivo. Seus principais produtos são cana-de-açúcar, laranja, suinocultura, avicultura, horticultura, fruticultura e floricultura. A produção regional tem aumentado sua participação no total estadual com a instalação de novas fábricas de setores intensivos em tecnologia, o que indica a posição privilegiada da região para a localização industrial, transformando-a no terceiro maior parque industrial do país, atrás apenas das Regiões Metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro.

11 P á g i n a 11 A indústria abriga setores modernos e plantas industriais articuladas em grandes e complexas cadeias produtivas, com relevantes participações na produção estadual. Uma das divisões mais representativas é a de alimentos e bebidas, que responde por cerca de um quarto da produção estadual. Sobressaem, ainda, os ramos mais complexos, como o de material de transporte, químico e petroquímico, de material elétrico e de comunicações, mecânico, de produtos farmacêuticos e perfumaria e de borracha. A existência de instituições de ensino e pesquisa e de inúmeras escolas técnicas e a consequente disponibilidade de pessoal qualificado foram fundamentais para a presença de grande número de empresas de alta tecnologia, que atuam principalmente nos setores de informática, microeletrônica, telecomunicações, eletrônica e química fina, além de um grande número de empresas de pequeno e médio porte fornecedoras de insumos, componentes, partes, peças e serviços. O dinamismo regional assegura aos municípios da RMC escala para desenvolver um conjunto de atividades tradicionalmente encontradas apenas nas grandes capitais do país: grande rede de serviços educacionais e bancários; hospitais e serviços médicos especializados; setor terciário moderno; comércio diversificado e de grande porte e estrutura hoteleira de ótima qualidade. O setor terciário é dinâmico e avançado, apresentando interação com os demais setores da economia. Abriga modernos equipamentos de comércio, empreendimentos de grande porte em alimentação, entretenimento e hotelaria, além de uma variada gama de serviços, como os profissionais e os voltados para empresas. Na área da saúde, a RMC dispõe de importantes equipamentos públicos e privados, com destaque para o Hospital das Clínicas da Unicamp. A região possui, também, a maior concentração de instituições de P&D do interior brasileiro, com a presença do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (CPqD), com papel estratégico no setor de telecomunicações, da Fundação Centro Tecnológico para a Informática (CTI), da Companhia de Desenvolvimento Tecnológico (Codetec), do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), do Instituto Tecnológico de Alimentos (ITAL) e do Laboratório Nacional de Luz Sincroton (LNLS).

12 Aspectos urbanos: P á g i n a 12 A malha viária permitiu uma densa ocupação urbana, organizada em torno de algumas cidades de portes médio e grande, revelando processos de conurbação já consolidados ou emergente sendo que as especificidades dos processos de urbanização e industrialização ocorridos na Região provocaram mudanças muito visíveis na vida das cidades. A Região Metropolitana de Campinas possui o melhor Índice de Desenvolvimento Humano entre as regiões metropolitanas do Brasil, segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Conhecendo um pouco da História de Indaiatuba Do ponto de vista administrativo, o século XIX foi decisivo para Indaiatuba. Em 1830, além da mudança de denominação (de Cocais para Indaiatuba), houve a elevação do povoado à categoria de Freguesia do Distrito da Vila de Itu (decreto Imperial de 9 de dezembro), em terras desmembradas de Itu, Jundiaí e São Carlos (Campinas). A partir daí, Indaiatuba passou a participar das eleições para a Câmara de Itu e eleger o juiz de paz responsável pela administração da Freguesia. A primeira eleição na cidade aconteceu em 7 de setembro de 1832, no recinto da matriz, como era habitual na época. Em 1859, pela Lei Provincial nº 12 de 24 de março, Indaiatuba foi elevada à categoria de Vila, desvinculando-se, portanto, de Itu, e emancipando-se política e administrativamente: constituiu sua própria Câmara Municipal e passou a eleger seus vereadores. A primeira eleição para a Câmara de Indaiatuba ocorreu em 3 de julho de sete vereadores foram eleitos, sendo empossados em 31 de julho do mesmo ano. Em 1873, com a criação do Termo de Indaiatuba, o município passou a ficar sob a jurisdição de um juiz de fora para resolver suas pendências judiciais. Com o advento da República, o poder local começou a ser exercido por duas instâncias distintas: a Câmara Municipal (Legislativo) e a Intendência Municipal (Executivo). Posteriormente, a Intendência foi substituída pela estrutura da Prefeitura e as funções do antigo intendente tornaram-se as do prefeito. Em 1906, Indaiatuba foi elevada à categoria de cidade (Lei Estadual nº 1.038). Em 1963, foi criada a Comarca de Indaiatuba (Lei nº de 31 de dezembro), desmembrada de Itu; tornou-se Comarca da 2ª Entrância em 1969.

13 P á g i n a 13 Localização: O município de Indaiatuba está situado na região sudoeste do Estado de São Paulo, pertencendo à região administrativa de Campinas. Apresenta as seguintes coordenadas geográficas: 23º05' de latitude e 47º13' de longitude. A cidade, de 297 km2 de área, possui um grande complexo industrial e está numa posição estratégica de acesso a diversos municípios e capitais. Dista 99 km de São Paulo, 22 km de Campinas e 24 km de Itu. Faz limites ao norte com Monte Mor e Campinas; ao Sul, com Salto e Itu; ao leste, com Itupeva e a oeste, com Elias Fausto. Apresenta uma localização privilegiada, a 10 quilômetros do Aeroporto Internacional de Viracopos. Possui boa infraestrutura e bons indicadores de qualidade de vida. Com uma população de aproximadamente 210 mil habitantes e é a 4ª maior da Região Metropolitana de Campinas e a 37ª maior do estado de São Paulo (IBGE 2012) Nível do mar: 620 metros de altitude. Hidrografia: Rios Jundiaí, Piraí e Capivari-Mirim; Córrego Barnabé, Córrego Barrinha, Ribeirão Santa Rita, Ribeirão da Grama, Córrego Cachoeira, Córrego Brejão, Ribeirão Buru e Córrego Mato Dentro. Clima: temperatura média anual: 22º C, o clima é temperado, de inverno seco e verão chuvoso. Os ventos predominantes são sul, seco e frio, e o noroeste, portador de chuvas. Umidade relativa do ar: entre 60 e 80%. Índice pluviométrico: média anual entre e mm; 30 mm no mês mais seco e 300 mm no mais chuvoso. demográficos: Relevo: dominantes as formas de planície aluvial, colinas, morros e morrotes. Demografia: Segundo o Atlas IDH 2000 da PNUD, a cidade possui os seguintes índices Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 12,9 Expectativa de vida (anos): 72,9 Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 1,9 Taxa de Alfabetização: 92,3% Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,9486 IDH-M Renda: 0,9394

14 IDH-M Longevidade: 0,9479 P á g i n a 14 IDH-M Educação: 0,9585 A Cidade em Números Síntese População e Domicílios 2010 Pessoas Residentes Total Pessoas Residentes - Área Urbana Pessoas Residentes - 10 anos ou mais de idade - Rendimento Nominal Médio Mulheres Residentes - 10 anos ou mais de idade - Rendimento Nominal Médio Pessoas Residentes - 10 anos ou mais de idade - Sem instrução ou menos de 1 ano de estudo Esgoto - Domicílios particulares permanentes com banheiro ligado à rede geral Água - Domicílios particulares permanentes com abastecimento ligado à rede geral Lixo - Domicílios particulares permanentes com lixo coletado Serviços de Saúde 2009 Estabelecimentos de saúde Total Estabelecimentos de saúde - Prestadores de serviços ao SUS Leitos hospitalares Leitos hospitalares disponíveis ao SUS Ensino 2009 Matrículas - Ensino Fundamental Matrículas - Ensino Médio Docentes Ensino Fundamental Docentes - Ensino Médio Registro Civil 2009 Nascimentos registrados no ano Casamentos registrados no ano Separações judiciais registradas no ano Finanças Públicas 2008 Valor do Fundo de Participação dos Municípios Receitas Orçamentárias realizadas Base Territorial Área da unidade territorial Fonte: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Pessoas Pessoas 847,72 Reais 548,05 Reais Pessoas Domicílios Domicílios Domicílios 67 Estabelecimentos 20 Estabelecimentos 340 Leitos 288 Leitos Matrículas Matrículas Docentes 563 Docentes Nascimentos Casamentos 301 Separações ,00 Mil Reais ,30 Mil Reais 311,36 Km²

15 P á g i n a 15 Figura 2 - Produto Interno Bruto Indaiatuba. Fonte: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2013 Figura 3 - Evolução Populacional Indaiatuba. Fonte: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2013.

16 P á g i n a 16 Figura 4 Matrículas por série Indaiatuba. Fonte: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Figura 5 Número de escolas por série Indaiatuba. Fonte: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2013.

17 P á g i n a 17 Figura 6 Estabelecimentos de Saúde Indaiatuba. Fonte: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Justificativa da Oferta do Curso Como instrumento de uma formação acadêmica integralizante, o curso de Logística da Faculdade Max Planck procura estabelecer uma mudança de paradigma, investindo num processo de ensinar/aprender, direcionando o discente a assumir uma visão crítica, reflexiva e prática durante sua formação acadêmica, subsidiando-o a um exercício profissional compatível com as demandas sociais e de saúde da população. O mercado de trabalho atual na região metropolitana de Campinas é extremamente promissor. A área de abrangência do curso é tida como fornecedora de mão-de-obra qualificada para todos os ramos do setor terciário da economia. As instituições e órgãos públicos têm apresentado uma alta procura por esses profissionais do ramo, em especial, no próprio município de Indaiatuba. Há na região, dada a densidade demográfica e maior índice de escolarização da população quando se compara com a média nacional, um contingente expressivo de alunos concluintes do ensino médio. A proximidade entre os municípios que integram a Região Metropolitana de Campinas faz que com que a população se desloque entre eles para realizar seus estudos em nível universitário.

18 P á g i n a 18 Com a consolidação de grandes empresas industriais do segmento automotivo, de telecomunicações, informática e tecnologia, o crescimento das pequenas e médias empresas, e a estruturação do setor de comércio e serviços cresce consideravelmente cuja demanda promove o aumento da necessidade de mão de obra especializada. Através das informações da tabela abaixo podemos observar o crescimento citado, que no caso das indústrias ocorreu um aumento extremamente significativo de 21,5% entre os anos de 2010 e 2013, passando de 694 indústrias (2010) para 843 indústrias (2013) instaladas no município. Já para o segmento de comércio e serviços houve um aumento de 47,5% e 93,8% respectivamente. Número de Estabelecimentos Cadastrados em Indaiatuba Fonte: Prefeitura Municipal de Indaiatuba DEREM Outro fator importante a ser destacado diz respeito à balança comercial da cidade de Indaiatuba que ocupa posição de destaque na Região Metropolitana de Campinas (RMC) e também no estado de São Paulo. A tabela abaixo mostra a evolução das exportações e importações reforçando a importância da cidade de Indaiatuba no crescimento da balança comercial, principalmente no que diz respeito às exportações. Balança Comercial da Cidade de Indaiatuba (Milhões U$ - FOB)

19 P á g i n a 19 Fica evidente que o nível educacional e de qualificação da mão de obra da cidade de Indaiatuba deverá acompanhar a evolução dos cenários apresentados, provocando a demanda por profissionais altamente capacitados. Desse modo, as iniciativas que estimulem a formação de profissionais de Logística adequados a este cenário de crescimento deverão apresentar boas perspectivas de êxito, face às suas necessidades particulares. 1.2 Políticas Institucionais no âmbito do Curso O termo projeto vem do latim e, em seu sentido mais estrito, significa lançar para diante Estruturar um Projeto Pedagógico é, portanto planejar o trabalho de formação humana em seu sentido mais amplo. A Faculdade Max Planck (FMP) entende que o Projeto Pedagógico dos seus Cursos representa muito mais do um documento estruturado e estático que norteia as ações de formação humana e profissional da instituição. É antes a representação da sua visão acerca de como o futuro se apresenta e a consequente tradução e incorporação desta visão nas ações que norteiam e circunscrevem os seus Projetos Pedagógicos. Em outras palavras a construção das diretrizes para formar as pessoas para o futuro acontece no presente. Daí a importância, ao propor Projetos Pedagógicos, de se levar em conta as condições atuais e de se confrontar as mesmas com o que a instituição julga ser necessário. É nesta perspectiva que se insere a concepção da FMP acerca dos seus Projetos Pedagógicos; é do confronto entre as condições atuais e as desejáveis que surge a melhor forma de construir o que é possível na formação humana e profissional. O possível neste âmbito significa a exploração dos limites do real tendo como instrumento de transformação da realidade a identificação de alternativas de ação. A elaboração de um Projeto Pedagógico para a FMP implica em analisar o contexto real e o escolar definindo ações, estabelecendo o que alcançar, criando percursos e fases para o trabalho, definindo tarefas para os atores envolvidos e acompanhando e avaliando a trajetória percorrida e os resultados parciais e finais. Esta função não pode ser assumida, na visão da FMP que haja uma efetiva articulação com outros instrumentos que sinalizam a direção institucional para o alcance de compromissos sociais. Assim torna-se imprescindível a implementação do Plano

20 P á g i n a 20 Desenvolvimento Institucional (PDI) que junto com o Projeto Pedagógico dos Cursos (PPC) sustenta o cumprimento da missão institucional e social da Faculdade. O Plano Desenvolvimento Institucional (PDI) define princípios que orientam os agentes responsáveis pela sua operacionalização. É um instrumento que estabelece o pensamento institucional acerca das concepções da instituição sobre educação - é a construção da identidade institucional. Implica numa análise coletiva tanto da sua história (a que lhe deu as características que apresenta no momento) quanto das direções intencionais que serão assumidas em função das definições tomadas pelo Projeto Pedagógico dos Cursos. O PDI contribui efetivamente para tornar os Projetos Pedagógicos dos Cursos da FMP um instrumento de condução do presente e do futuro. O PDI na Faculdade Max Planck é um instrumento que serve de guia para a prática pedagógica dos cursos e promove a unidade pedagógica que expressa a sua filosofia educacional. A Diretoria é o principal agente articulador dos Projetos tanto Institucional quanto Pedagógico. É a partir da atuação destes atores que se está permanentemente ligando e articulando as ações de ambos os projetos visando a potencialização das suas relações e a composição da teia curricular que circunscreve cada um dos Projetos Pedagógicos dos Cursos. A implementação do Plano Desenvolvimento Institucional (PDI) da FMP norteia a ação transformadora da realidade e viabiliza as ideias inseridas nos Projetos Pedagógicos dos Cursos. A articulação entre o Plano Desenvolvimento Institucional (PDI) e o Projeto Pedagógico se dá a partir de várias dimensões. De um lado os responsáveis principais da FMP articulam ações para promover as relações entre ambos e de outro o compromisso e envolvimento dos Coordenadores dos Cursos e do corpo docente no sentido de tornar concretas as ações consignadas no Projeto Pedagógico dos Cursos. A reflexão permanente e o exercício das ações traçadas em ambos os documentos vão delineando a construção e a reconstrução das diretrizes curriculares. A FMP entende que tanto o PDI quanto o PPC são frutos de uma reflexão consciente de todos os atores envolvidos na sua implementação. Acredita que esta concepção oferece unidade, singularidade e especificidade aos Cursos que possui. Assim assume o compromisso de promover a contínua construção, avaliação e reelaboração de ambos visando torná-lo uma expressão atualizada da visão que adquire sobre educação superior, sobre universidade e sua função social, sobre o curso, sobre o ensino, sobre a pesquisa e sua relação com o ensino, sobre a extensão e sua relação com o currículo, sobre a relação teoria e prática. Compromete-se a abrir espaços institucionalizados para a discussão e troca de informações visando à promoção do acompanhamento da articulação

21 P á g i n a 21 entre PDI e PPC. Compromete-se também a gerar instrumentos que efetivamente sinalizem a necessidade de alteração das concepções e ações inseridas no PDI e PPC. Estes compromissos de acompanhamento das ações consignadas em ambos os documentos e sua articulação entre si e com os demais instrumentos é percebido como uma ação de grande relevância à medida que pode revelar as características da instituição, nos cursos e entre os cursos, do sistema educacional superior e do contexto social do qual faz parte. O PDI é um instrumento que mapeia a organização e o planejamento institucional da FMP, bem como indica um conjunto de objetivos, estratégias e ações básicas para viabilizar sua reestruturação. É um instrumento que oferece condições da Faculdade executar seus Planos de Desenvolvimento Institucional e Pedagógicos dos Cursos. O PDI serviu de alicerce para a conformação da grade curricular e dos correspondentes conteúdos programáticos, na medida em que se contemplou a realidade das relações humanas no mercado de trabalho e as formas de distribuição física de bens tangíveis e intangíveis, através dos canais de distribuição e as suas multirelações intrínsecas e extrínsecas, num contexto globalizado, visando atender as necessidades organizacionais no desenvolvimento local, regional, nacional e internacional. Os Projetos Pedagógicos, em constante desenvolvimento e aperfeiçoamento, são acompanhados pela Coordenação de Curso, Direção e Professores em um compromisso conjunto pela qualidade. A Coordenação de Curso tem como uma das principais atribuições acadêmicas, o acompanhamento e a análise do andamento do projeto pedagógico. Contudo, a Direção e os Professores também são responsáveis pela consolidação e pela qualidade do mesmo. A Direção, sobretudo, na logística institucional administrativa para o desenvolvimento de cada projeto de curso da faculdade e os professores especificamente, encaminhando a parte voltada para a dimensão didático-pedagógica do curso. Todos com a consciência coletiva de responsabilidade de avaliar constantemente os trabalhos desenvolvidos e a qualidade dos cursos oferecidos. Tal avaliação é formalizada através do Programa de Avaliação Institucional onde todos terão a oportunidade de registrar suas críticas e sugestões. As Atividades Acadêmicas permanentes de ensino, pesquisa e extensão estão integradas de forma a se reforçarem mutuamente. O compromisso maior da Faculdade Max Planck é com o Ensino de qualidade. Assim, a pesquisa na Instituição tem característica empírica de aplicação prática. Contam como pesquisa: os trabalhos discentes de conclusão de curso (Trabalho de Curso TC), as pesquisas de iniciação científica (PIC) e as

22 P á g i n a 22 atividades desenvolvidas nas disciplinas de Pesquisa e Atividades Complementares (PAC). A extensão é incentivada pelas semanas de estudos e jornadas que são organizadas anualmente sob a responsabilidade de cada coordenadoria de curso, as visitas técnicas desenvolvidas por professores fora e dentro do Campus. A natureza da pesquisa possível nesta realidade educacional é voltada quase que inteiramente para as questões do Ensino, estando aí a integração legítima entre Pesquisa e Ensino. A construção da estrutura curricular da proposta pedagógica do Curso de Logística da FMP constitui-se de um conjunto encadeado de disciplinas teóricas e práticas cuja carga horária perfaz um total de 1720 horas, distribuídas em 4 semestres. Todas estas ações e outras complementares visam atender as especificações contidas no PDI e são detalhadas no Quadro 1. Neste quadro estão descritas as correlações entre o PDI e as ações tomadas para sua implementação no Curso de Logística, descritos em seu PPC.

23 P á g i n a 23 Quadro 1 - Articulação entre gestão institucional e a gestão do curso para implementação do PDI no Curso de Logística. Indaiatuba, TÓPICO DO PDI* Missão, objetivos e metas na sua área de atuação. Metas e Ações Institucionais. SEÇÃO NO PDI* Estrutura Organizacional da Instituição. 7.1 Projeto Pedagógico da Instituição. 2 Histórico e Desenvolvimento da Instituição de Ensino. Procedimentos de Autoavaliação Institucional Objetivos do Curso. - Perfil do Egresso. TÓPICO DO PPC SEÇÃO DO PPC PÁGINA DO PPC Produção Científica Atuação do Núcleo Docente Estruturante (NDE). - Funcionamento do Colegiado de curso ou equivalente. - Contexto Educacional. - Políticas Institucionais no âmbito do Curso. - Histórico da IES. - Justificativa da Oferta do Curso. - Ações decorrentes dos processos de Avaliação do Curso Perfil do Corpo Docente e Corpo Técnico-Administrativo. 6 - Corpo Docente Estrutura Organizacional da Instituição Atuação do coordenador Procedimentos de Atendimento aos Alunos Apoio ao Discente Implantação e Desenvolvimento da Instituição: programa de - Metodologia Abertura de Cursos de Pós-Graduação e Extensão. - Visitas Técnicas Infraestrutura e Instalações Acadêmicas. 8 - Infraestrutura. - Acessibilidade a Portadores com Deficiência. - Política de Aquisição de Livros da Bibliografia Básica e Complementar. - Laboratórios Didáticos Especializados *Referente ao PDI: Período 2012 a 2016

24 P á g i n a Objetivos do Curso A aplicação dos fundamentos e conceitos da Logística demanda profissionais com visão estratégica de processos-chave de negócios e com conhecimento das Tecnologias da Informação disponíveis que promovem agilidade das operações, das atividades e das transações inerentes às empresas que fazem parte de uma determinada Cadeia de Suprimentos. A concepção do Curso Superior de Tecnologia em Logística da Faculdade Max Planck visa, em última instância, assegurar um processo continuado de reflexão do contexto em que vivem e trabalham os estudantes, que em sua maioria, provém das cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC), uma das mais desenvolvidas do país e da qual Indaiatuba é parte, cujos indicadores de crescimento econômico e industrial apontam para a necessidade de termos profissionais qualificados para atuarem nas funções e atividades logísticas, necessárias às organizações públicas ou privadas, sendo esta uma situação relativamente confortável, comparada às demais regiões do Estado e do País. O curso tem como objetivo promover a formação técnica de profissionais para atender as demandas do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Campinas, oferecendo às empresas mão de obra qualificada para operações na área de logística. A função do profissional de logística dentro das organizações é de gerenciar o fluxo de materiais e informações de modo a colocar o produto certo no lugar certo, no momento certo a um preço justo e com qualidade assegurada. Este profissional tem a responsabilidade de criar soluções para problemáticas do dia a dia de uma empresa de forma criativa, de maneira a gerar economia e lucro, surpreendendo as expectativas de seus clientes com ações que se preocupem com o bem estar da sociedade e do meio ambiente. A atividade do profissional de logística se torna essencial dentro de uma economia globalizada com um mercado de trabalho em constantes mudanças e com alto nível de competitividade. Ele deve ser capacitado a otimizar processos de produção, dimensionar sistemas de distribuição e armazenagem, de forma econômica e segura, tendo como base o conhecimento da cadeia de suprimentos e dos modais de transporte, direcionados aos diferentes tipos de produtos a serem encaminhados ao mercado.

25 P á g i n a 25 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em Logística da Faculdade Max Planck busca formar um profissional crítico, com capacidade de leitura dos diferentes contextos e da importância da Logística no desenvolvimento do mundo globalizado, dando-lhes uma visão flexível e integrada de todo sistema logístico. Assim sendo, os objetivos gerais do curso são: Analisar e monitorar processos através de técnicas e ferramentas estatísticas a fim de verificar a capacidade de cada um deles; Criar estruturas que viabilizem as operações de recepção, de processamento e distribuição de mercadorias, que visem suprir os clientes com maior eficiência; Elaborar plano operacional capaz de promover redução nos custos de processamento, maior agilidade na distribuição e ganho de velocidade na reposição de produtos; Racionalizar e usar a tecnologia nas atividades logísticas, para o aumento da segurança e da produtividade; Definir as condições de armazenagem, propiciando um fluxo controlado de recebimento e expedição de produtos, matérias primas e informações; Estruturar o desenho do local de operações e lay-out; Definir e implantar sistemas logísticos; Especificar regras e condições de manuseio; Classificar e normalizar perfil de veículos e cargas; Identificar processos e operações logísticas com potencial para redução de custos logísticos, no transporte de pessoal e produtos, no projeto de armazenamento, distribuição e movimentação de materiais e, na adequação do desempenho de funções administrativas ou operativas, identificando causas, efeitos e pontos de gargalos dos processos.

26 P á g i n a 26 Objetivos Específicos Considerando as dimensões do conhecimento, das habilidades e das atitudes, os objetivos específicos do curso levam à formação um profissional capaz de: Deter os conhecimentos e capacidade para planejar, organizar, comandar, controlar e consolidar o funcionamento de sistemas logísticos; Descrever e criar programas e indicadores de avaliação de abastecimento, estocagem e produção, desenvolver programas de gerenciamento de materiais, patrimônio e pessoal relacionados a atuação do profissional na área de logística; Aplicar as técnicas e metodologias de gestão da qualidade bem como as suas ferramentas, mapeamento de processos e ações voltadas ao atendimento ao cliente; Conhecimentos das áreas mercadológica, financeira, contábil, gestão de pessoas, direito e principalmente da administração da produção; Analisar os problemas e desafios sociais, econômicos e culturais da região e como eles se traduzem em demandas para o Tecnólogo em Logística; Empreender, quer seja compondo equipes de trabalho ou atuando isoladamente; Avaliar e implementar modelos de gestão inovadores; Internalizar os valores de responsabilidade social, justiça e ética profissional e da contínua necessidade de aprimoramento profissional; Atender às atuais e futuras necessidades regionais e nacionais em termos de formação de recursos humanos na área de Logística. 1.4 Perfil Profissional do Egresso O perfil do egresso foi construído a partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos Superiores de Tecnologia e difundido nas discussões coletivas realizadas pelos docentes da IES sob a coordenação do Núcleo Docente Estruturante, podendo ser sintetizado como: O profissional formado no Curso Superior de Tecnologia em Logística pela Faculdade Max Planck em função de sua formação específica na área, estará preparado para atuar em qualquer nível de uma organização, seja ela pública ou privada, de qualquer porte, dentro de um moderno conceito de gestão de pessoas, hoje exigido no

27 P á g i n a 27 mercado globalizado. Assim, o profissional, a partir da visão especializada para operação no seu campo de trabalho, desenvolve competências profissionais, sociais e intelectuais gerais da área. O egresso terá, desse modo, uma visão integradora possibilitando compreensão à interface dos processos de gestão comercial em suas várias vertentes, formando profissionais que sejam capazes de realizar consultorias e assessorias nas áreas de Logística; gerência de núcleos e/ou setores de Logística nas organizações; supervisão; liderança em equipes de trabalho e de projetos; elaboração de estratégias de Logística e auditoria. Disso, entende-se que o profissional poderá atuar no setor de serviços (terciário), tendo uma formação geral, fundamentada em sólidos conceitos básicos que suportarão a absorção de novos conhecimentos e uma formação específica desenvolvida por meio de conceitos, procedimentos, atitudes e valores que visam a entrada (formação específica) e a permanência (formação geral) no mercado de trabalho. Esta modelagem articulada sinergicamente garante ao formando o pleno exercício da cidadania e do desenvolvimento de sua capacidade profissional. O profissional desenvolve também a capacidade de adequação à complexidade e velocidade das mudanças econômicas, socioculturais e tecnológicas, se preparando para enfrentar as transformações do mercado de trabalho, das mudanças tecnológicas e da economia. Do ponto de vista social e ético desenvolve a atitude crítica quanto ao exercício da gestão da atividade comercial, quanto às suas repercussões e, ainda, quanto às necessidades da sociedade. Nossos egressos/profissionais atuarão com vantagens no setor de trabalho, tendo em vista que a formação prática realizada com aulas práticas, visitas técnicas, pesquisa de campo, estágios e apresentação de trabalhos em sala, somada à formação teórica que atuam em ambos os cursos e até em pós-graduação. O conhecimento, a habilidade e a atitude compondo a competência são tratados com ênfase durante o período acadêmico. A internalização de valores, responsabilidade social, visão holística sobre o contexto e a globalização do sistema capitalista, também, são pontos fortes na formação do tecnólogo. Tais aspectos orientam a formação de um profissional que demonstre possuir, como características gerais do seu perfil pessoal e profissional, entre outras: consciência de sua responsabilidade junto à sociedade; elevados valores de justiça e ética profissional; formação humanística que o dote de uma visão global, que o habilite a compreender o meio social, político, econômico e cultural onde está inserido;

28 P á g i n a 28 capacidade de tomada de decisões diante da diversidade, complexidade e interdependência das informações que circulam em tempo real; formação técnica e científica para atuar na gestão organizacional desenvolvendo ações específicas da prática profissional em consonância com as demandas atuais; competência para empreender, quer seja compondo equipes de trabalho quer seja atuando isoladamente; capacidade de analisar criticamente as organizações e o meio em que elas se inserem, atuando de forma a antecipar-se às mudanças que se fizerem necessárias; capacidade de atuar em equipes multi e interdisciplinares; compreensão da necessidade de manter contínuo o desenvolvimento profissional como parte de um esforço permanente de auto-desenvolvimento; capacidade para liderar e chefiar equipes multi e interdisciplinares; capacidade para atuar como agente multiplicador de conhecimento dentro das organizações. Competências gerais Tomada de decisões: o trabalho dos tecnólogos em logística deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado de recursos humanos, equipamentos e recursos materiais necessários e utilizados nos mais variados sistemas logísticos; Comunicação: os tecnólogos em logística devem ser acessíveis e devem manter a confidencialidade, quando necessário, das informações a eles confiadas, na interação com outros profissionais com os quais atua e o público em geral. A comunicação envolve comunicação verbal, não-verbal e habilidades de escrita e leitura; o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira e de tecnologias de comunicação e informação; Liderança: no trabalho em equipe multiprofissional, os tecnólogos em logística deverão estar aptos a assumirem posições de liderança. A liderança envolve

29 P á g i n a 29 ética, comprometimento, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz; Administração e gerenciamento: os tecnólogos em logística devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores, gestores, empregadores ou assumindo papéis de liderança; Educação permanente: os tecnólogos em logística devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Desta forma, estes profissionais devem aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação, procurando desenvolver a mobilidade acadêmico/profissional, além da buscar a formação e cooperação através de redes nacionais e internacionais. Competências e habilidades específicas Conforme prevê as diretrizes curriculares para os cursos superiores de tecnologia, espera-se que o tecnólogo em logística desenvolva as seguintes competências e habilidades específicas abaixo: Formular práticas em logística e gerenciar seus processos; Fazer uso das tecnologias da informação nos mais variados sistemas logísticos; Aplicar técnicas, metodologias e ferramentas de gestão em logística, visando a utilização otimizada de recursos necessários a processos e sistemas logísticos; Planejar, elaborar, implantar e controlar estratégias logísticas alinhadas às estratégias empresariais; Identificar e implementar melhorias em sistemas logísticos empresariais, bem como na cadeia de suprimentos nas quais as empresas estão inseridas; Atuar em equipes multiprofissionais destinadas a planejar, coordenar, supervisionar, implementar, executar e avaliar atividades e processos logísticos; Assumir o compromisso ético, humanístico e social com o trabalho multiprofissional na logística; Respeitar os princípios éticos, legais e humanísticos da profissão.

30 P á g i n a 30 É importante ressaltar que este conjunto de habilidades e competências pode ser atendido através de disciplinas específicas presentes na grade curricular. No entanto, outros devem ser entendidos como objetivos presentes na formação para o adequado exercício profissional. Portanto, são trabalhados através das metodologias, recursos e práticas de ensino que são adotadas como formas de operacionalização das disciplinas previstas na grade curricular. As capacidades de se adaptar ao trabalho em equipes multidisciplinares, de utilizar metodologias nas diversas áreas da Logística e de acompanhar as evoluções tecnológicas são adquiridas com aulas expositivas, aulas laboratoriais, projetos, seminários, integração profissional, visitas técnicas e trabalhos desenvolvidos individualmente ou em equipe. A educação das relações étnico-raciais e indígenas tem como objetivo a formação de cidadãos, empenhados em promover condições de igualdade no exercício de direitos sociais, políticos, econômicos, dos direitos de ser, viver e pensar, próprios aos diferentes pertencimentos étnico-raciais, indígenas e sociais. Em outras palavras, persegue o objetivo precípuo de desencadear aprendizagens e ensinos em que se efetive participação no espaço público, isto é, em que se formem homens e mulheres comprometidos com e na discussão de questões de interesse geral, sendo capazes de valorizar questões de mundo, experiências históricas, contribuições de diferentes povos que têm formado a nação. A Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) é oferecida como disciplina optativa do curso. A Faculdade, através do PROE (Programa de Orientação ao Estudante) oferece regularmente cursos de LIBRAS abertos a todos os estudantes interessados, em atendimento ao disposto no 2º do artigo 3º do Decreto nº 5.626/ Estrutura Curricular O Projeto Pedagógico Institucional serviu de alicerce para a formação da grade curricular e dos correspondentes conteúdos programáticos, na medida em que se contemplou a realidade das relações humanas no mercado de trabalho e as formas de distribuição física de bens tangíveis e intangíveis, através dos canais de distribuição e as suas multirelações intrínsecas e extrínsecas, num contexto globalizado, visando atender as necessidades organizacionais no desenvolvimento local, regional, nacional e internacional.

31 P á g i n a 31 A missão do Curso de Tecnologia em Logística é contribuir através do processo acadêmico educacional, para a formação sólida dos profissionais das organizações privadas e públicas. Nossos profissionais poderão atuar com vantagens no setor de trabalho, tendo em vista que a formação prática realizada com visitas técnicas, pesquisa de campo, estágios e apresentação de trabalhos em sala, somada a formação teórica dada em nível de bacharelado por professores titulados que atuam em ambos os cursos e até em pósgraduação. O conhecimento, a habilidade e a atitude compondo a competência são tratados com ênfase durante o trabalho acadêmico. A internalização de valores, ética, responsabilidade social, visão holística sobre o contexto e a mundialização do sistema capitalista, também, são pontos fortes na formação do tecnólogo. A capacitação acontece na estrutura interdisciplinar que leva a grande interação entre os conteúdos estudados. Alguns dos pontos desse desenvolvimento têm como resultado a melhoria da comunicação e expressão, raciocínio lógico, crítico e analítico, visão sistêmica e estratégica, criatividade e iniciativa, liderança, tomada de decisão, capacidade de discutir assuntos profissionais, trabalho em equipe, conhecimento no sentido de somar teoria à prática criando a práxis desejada e eliminando a dicotomia entre os que pensam e os que fazem. Para atingir estes objetivos pretende-se: Desenvolver o pensamento criador, crítico e empreendedor; Desenvolver habilidades para o uso da informática como ferramenta usual e rotineira; Desenvolver a habilidade de trabalho em equipes multidisciplinares; Capacitar o educando a identificar, formular e resolver problemas de engenharia, considerando as questões de viabilidade técnica e econômica e os impactos ambientais; Capacitar o estudante a utilizar a tecnologia atual e a absorver e gerar novas tecnologias; Preparar o futuro profissional nas tarefas que lhe permitam planejar, organizar, desenvolver e controlar sistemas de acordo com as exigências e necessidades da região, atento à legislações do país e às exigências do mercado mundial;

32 Compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissional. P á g i n a Flexibilidade Curricular e Interdisciplinaridade A Faculdade Max Planck adota como princípios didático-pedagógicos a flexibilidade curricular e a interdisciplinaridade. O primeiro é entendido como a qualidade do percurso acadêmico livre, embora orientado pelo curso, á escolha do aluno. Para tanto, a Faculdade oferece ao aluno uma matriz curricular sequenciada que já é por si mesma um modo de orientação para as matriculas de disciplinas. Se o aluno quiser cursar uma disciplina mais adiantada porque lhe é conveniente, contará com a Coordenação de Curso e com os docentes para orientá-lo nessa decisão, analisando com o aluno qual a melhor via acadêmica a ser percorrida. O segundo princípio, a interdisciplinaridade, resulta dos projetos de estudo envolvendo várias disciplinas ou campos de saber aos quais o aluno se dedicará ao longo do curso, em situações especificas, como: projetos integrados (integração profissional), visitas técnicas, redação de artigos para publicação, palestras, preparação de material para a participação nos encontros científicos internos e externos, etc. Tal organização visa à articulação entre a teoria e a prática e, portanto, a aproximação do estudante com diferentes cenários de atuação profissional. Os semestres se organizam em unidades as quais, por sua vez, são constituídas por disciplinas optativas e obrigatórias, bem como outras atividades que irão possibilitar a integralização hora/aula. Ressalta-se que as disciplinas que integram o currículo se interrelacionam possibilitando o conhecimento circular de forma dinâmica nas diferentes unidades Disciplinas Básicas e Profissionalizantes A estrutura curricular do curso de Logística é composta por 31 disciplinas das quais 16,1% são consideradas básicas e 83,9% são consideradas profissionalizantes e estão divididas em quatro módulos. Ao final de cada semestre letivo, a partir do segundo semestre, os alunos que obtiverem aprovação nas disciplinas do semestre cursado somada às aprovações do primeiro semestre, receberão o certificado de conclusão de cada módulo. O curso de Tecnologia em Logística da Faculdade Max Planck possui certificações intermediárias ao longo dos quatro semestres de sua duração. As disciplinas que compõem

33 P á g i n a 33 sua matriz curricular estão divididas e organizadas em quatro módulos distintos. Ao final de cada módulo, a partir do segundo módulo, os alunos que obtiverem aprovação nas disciplinas do módulo encerrado somada à aprovação do primeiro módulo, receberão o certificado de conclusão do módulo. A seguir é mostrada a integração entre os quatro módulos e as respectivas certificações possíveis de serem obtidas por módulos comprovadamente concluídos com total aproveitamento acadêmico: A certificação por módulo concluído fica assim organizada: 1) O Módulo I é básico. 2) O Módulo I + o Módulo II confere o certificado de Analista de Produção e de Materiais.

34 P á g i n a 34 3) O Módulo I + o Módulo III confere o certificado de Analista de Distribuição e Transportes. 4) O Módulo I + o Módulo IV confere o certificado de Analista de Suprimentos. A conclusão de todos os módulos ensejará a terminalidade ampla de graduação, a ser comprovada por diploma Superior de Tecnólogo em Logística. 1.6 Componentes Curriculares A matriz curricular tem carga horária total de horas e duração mínima de integralização de quatro semestres. São 900 horas de conteúdos curriculares teóricos e 820 horas de práticas pedagógicas curriculares. A matriz curricular está estruturada objetivando a Formação do Tecnólogo em Logística. A seguir é descrita a Matriz Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística. Matriz Curricular Teórico-Prática do Curso Superior de Tecnologia em Logística CARGA HORÁRIA TOTAL: 1720 horas - DURAÇÃO: 4 semestres TURNO: Noturno DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA 1º Semestre Teoria Prática Total Comunicação Empresarial Direito e Legislação Fundamentos da Logística Gestão Empreendedora Matemática e Estatística Processos Gerenciais TOTAL

35 P á g i n a 35 2º Semestre Teoria Prática Total Administração da Produção Administração de Materiais Custos e Formação de Preços Estratégias de Vendas e Negociação Gestão da Qualidade Logística e Canais de Distribuição Logística Internacional Processos de Compra e Venda Integração Profissional I TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Distribuição Física e Transportes Economia e Mercado Ética, Responsabilidade Social e Meio Ambiente Indicadores de Desempenho Logístico Marketing e Comércio Eletrônico Modais de Transporte e Intermodalidade Serviços Logísticos Tecnologia e Gestão da Informação Integração Profissional II TOTAL

36 P á g i n a 36 4º Semestre Teoria Prática Total Automação e Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos Gestão de Custos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Pesquisa Operacional Integração Profissional III Optativa TOTAL TOTAL DE CARGA HORÁRIA DA MATRIZ DISCIPLINAS OPTATIVAS Libras Tópicos Especiais em Logística História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena

37 P á g i n a Conteúdos Curriculares Ementas e Bibliografia 1 SEMESTRE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL CH. Teórica: 60 CH. Prática: 20 CH. Total: 80 EMENTA: A disciplina oferece uma visão geral da noção de texto, discute as diferenças entre oralidade e escrita, enfoca a leitura, análise e produção de textos de interesse geral e da Administração: cartas, relatórios, correios eletrônicos e outras formas de comunicação escrita e oral nas organizações. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ANDRADE, Maria Margarida de; HENRIQUES, Antonio. Língua portuguesa: noções básicas para cursos superiores. São Paulo: Atlas, BLIKSTEIN, Izidoro.Técnicas de Comunicação Escrita. 20 ed. São Paulo: Ática, MEDEIROS, João Bosco. Redação científica. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: THEREZO, G. P. Redação e leitura para universitários. Campinas: Alinea, CARVALHO, S. E. R. Compreensão e produção de textos. Rio de Janeiro: Vozes, MEDEIROS, João Bosco. Redação empresarial. São Paulo: Atlas, FIORIN, Jose Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Lições de texto: Leitura e redação. São Paulo - SP: Ática, CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. 8. ed. São Paulo: ática, 2007.

38 P á g i n a 38 DIREITO E LEGISLAÇÃO CH. Teórica: 30 CH. Prática: 10 CH. Total: 40 EMENTA: Teoria Geral do Direito Empresarial. Empresa e Empresário. Estabelecimento Empresarial. Propriedade Industrial. Direito Societário. Direito Falimentar. Títulos de Crédito. Proteção das relações de consumo no Brasil. Conceitos de consumidor e fornecedor. Direitos básicos do consumidor. Responsabilidade do fornecedor pelo fato ou vício do produto ou do serviço. As práticas comerciais (oferta, publicidade e práticas abusivas) e a proteção contratual. Questões antropológicas e culturais envolvendo os direitos do cidadão na sociedade. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: PINHO, R. R.; NASCIMENTO, A. M. Instituições de direito público e privado: introdução ao estudo do direito: noções de ética profissional. São Paulo: Atlas, WAMBIER, L. R. (Coord.). Curso avançado de processo civil. V. 1. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004 FERRAZ JUNIOR, T. S. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 4.ed.. São Paulo - SP: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: TEIXEIRA, L. R. Comércio Internacional E Legislação Aduaneira. Rio De Janeiro: Campus, COELHO, F. U. Manual De Direito Comercial. São Paulo: Saraiva, CARRION, Valentin. Comentários à consolidação das leis do trabalho. 31o.Ed. São Paulo. Saraiva NADER, Paulo. Introdução ao Estudo de Direito, Ed. Forense, MELLO, Luiz Gonzaga de. Antropologia cultural: iniciação, teoria e temas. Petrópolis: Vozes, 2001.

39 P á g i n a 39 FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: Apresentar a Logística como um processo organizacional estratégico, com uma visão integrada, no cenário brasileiro e mundial. Aborda as etapas e as funções Logísticas atuais para o planejamento, através de uma visão panorâmica de sua evolução. Logística: uma função essencial na empresa. Logística Integrada e Supply Chain Management. Nível de serviço logístico. O produto logístico. Sistemas de transporte. Tecnologia da informação aplicada à logística. Controle de estoques. Just In Time (JIT). Logística Reversa. Aspectos ambientais envolvendo a logística. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, ALVARENGA, A. C.; NOVAES, A. G. N. Logística aplicada: suprimento e distribuição física. São Paulo: Edgard Blucher, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: LEITE, Paulo Roberto. Logistica reversa. São Paulo: Pearson, BERTAGLIA, P. R. Logistica e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, SILVA, L. A. T. Logística no comércio exterior. São Paulo: Aduaneiras, ROSA, Derval dos Santos; PANTANO FILHO, Rubens. Meio Ambiente: múltiplos olhares. 1 ed. Campinas, SP. Companhia da Escola, 2005.

40 P á g i n a 40 GESTÃO EMPREENDEDORA CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: 40 EMENTA: Tendências mundiais. O papel econômico e social das organizações. Principais características e perfil do empreendedor. Aquisição e gerenciamento dos recursos necessários ao negócio. Análise da importância da visão do futuro e quebra de paradigmas Análise e avaliação de potencialidades empresariais. Desenvolvimento de Projetos. Definição, características e aspectos de um plano de negócios. Poder. Relacionamento cliente x fornecedor, terceirização de serviços. Estudo de Caso. Análise de mercado: concorrência, ameaças e oportunidades. O planejamento financeiro nas empresas emergentes. Conceitos básicos de legislação empresarial para pequenos empresários. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: DRUCKER,P.F, Inovação E Espírito Empreendedor (Intrepreneurship)- São Paulo Pioneira DOLABELA, Fernando. Oficina do empreendedor. São Paulo: Cultura, CHIAVENATO, I., Empreendedorismo-São Paulo Saraiva BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo - Transformando ideias em negócios - Rio de Janeiro: Editora Campus, OLIVEIRA, M. A. Valeu! Passos na trajetória de um empreendedor. São Paulo: Nobel, DEGEN, Ronald. O Empreendedor - Fundamentos da Iniciativa Empresarial São Paulo: Editora Makron Books, BESSANT, J.; TIDD, J. Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, HISRICH, R. D.; PETERS, M. P.; SHEPHERD, D. A. Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

41 P á g i n a 41 MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA CH. Teórica: 60 CH. Prática: 20 CH. Total: 80 EMENTA: Funções e Limites, Conceitos básicos: população, amostra, amostragem, variáveis aleatórias. Séries estatísticas. Índices. Tabelas e Gráficos. Medidas de posição e de variabilidade. Regressão e Correlação: linear e múltipla. Ajuste e previsão. Probabilidade. Estimação. Testes de Hipóteses. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: PIOVESANA, C. I.; SANTOS, V. P. et al. Matemática Básica. Itatiba: Berto, VERAS, L. L. Matemática Aplicada À Economia. 3. ed. São Paulo: Atlas, CRESPO, A. A. Estatística Fácil. São Paulo: Saraiva, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: MUROLO, A. C.; BONETTO, G. A. Matemática aplicada a administração, economia e contabilidade. São Paulo: Pioneira, KAZMIER, L.J. Estatística aplicada a economia e administração São Paulo Makron books HARIKI, S.; WEBER, J. E. Matemática para economia e administração. São Paulo: Harbra, 2001 SILVA, Sebastiao Medeiros Da. Matemática básica para cursos superiores. São Paulo - SP: Atlas, PROCESSOS GERENCIAIS CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: Introdução e Fundamentos da Teoria Administrativa. Planejamento e Estratégia Empresarial. Áreas de aplicação da Administração. Os processos empresariais e administrativos. As funções administrativas. Mudança Organizacional.

42 P á g i n a 42 BIBLIOGRAFIA BÁSICA: MONTANA, Patrick J.; CHARNOV, Bruce H. Administração. São Paulo - SP: Saraiva, CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro: Elsevier, MAXIMIANO, Antônio C. Amaru. Introdução a Administração. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: FERREIRA, Ademir - Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias. São Paulo: Pioneira, MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira, CHIAVENATO, I. Administração: teoria, processo e prática. São Paulo: Makron Books, DRUCKER, P. F.; MALFERRARI, C. A. 50 casos reais de administração. São Paulo: Pioneira, DE SORDI, J. O. Gestão por processos: uma abordagem da moderna administração. São Paulo: Saraiva, SEMESTRE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: Desenvolvimento histórico, Conceitos e Estrutura da Administração da Produção, Sistemas de Produção, Arranjo Físico (layout), Natureza do Planejamento e Controle, Planejamento e Controle da Produção, Técnicas modernas de Administração da Produção, Modelos de Qualidade, Medida de Produtividade, Competitividade. Melhorias de Processos, Capacidade e turnos de trabalho, estudo de tempos, Just in time (JIT), Teoria das restrições.

43 P á g i n a 43 BIBLIOGRAFIA BÁSICA: DAVIS, Mark M. Fundamentos da Administração da Produção. São Paulo: Bookman, 2001 SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, LUSTOSA, L. (org.). Planejamento e controle da produção. Rio de Janeiro: Elsevier, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: MARTINS, Petrônio G.; LAUGENI, Fernando P. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, GAITHER, N. Administração Da Produção E Operações. São Paulo: Pioneira, MOREIRA, Daniel A Administração Da Produção E Operações 3ª SP Pioneira CHIAVENATO, I. Planejamento e controle da produção. Barueri: Manole, CHIAVENATO, I. Iniciação a administração da produção. São Paulo: McGraw Hill, ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: Evolução e conceito de logística e da administração de materiais. A gestão de recursos materiais, com especial ênfase na administração de estoques, na aquisição de recursos materiais e na avaliação de desempenho da estratégia adotada para a administração destes recursos. Introduz também, os princípios básicos do gerenciamento da cadeia de suprimentos. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: MOURA, R. A. Armazenagem: do recebimento a expedição. São Paulo: Iman, BERTAGLIA, P. R. Logistica e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, 2003.

44 P á g i n a 44 POZO, H. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, 2001 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: MARTINS, Petrônio G. & ALT, Paulo R.C. Administração de materiais e recursos patrimoniais - 2.ed. - São Paulo: Saraiva, DIAS, M. A. D. Administração De Materiais 5ª. Ed São Paulo Atlas FERNANDES, F. C. F.; GODINHO FILHO, M. Planejamento e controle da produção: dos fundamentos ao essencial. São Paulo: Atlas, DAVIS, Mark M. Fundamentos da Administração da Produção. São Paulo: Bookman, PALADINI, Edson Pacheco. Gestão da Qualidade: teoria e casos. Porto Alegre: Campus, CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS CH. Teórica: 30 CH. Prática: 10 CH. Total: 40 EMENTA: Princípios aplicados a custos e terminologias da contabilidade de custos. (Custos Fixos, Custos Variáveis, Custos Diretos e Custos Indiretos). Custeio por absorção. Custos na estocagem e suas implicações. Mão de Obra Direta e seus principais encargos e cálculos aplicáveis. Margem de contribuição. Ponto de equilíbrio. Fixação de preços. Custos indiretos (CIF). Critério de rateio. Departamentalização. Custo socioeconômico das empresas. Sistemas de custos e suas estruturas. Organização dos componentes monetários do custo. Custo e estratégia de preço. Métodos de custeamento. Métodos de formação de preços. Relações entre custo, preço de venda, volume e lucro. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: OLIVEIRA, L. M. de; PEREZ JUNIOR, J. H. Contabilidade de custos para não contadores: texto e casos práticos com solução proposta. São Paulo: Atlas, FIPECAFI. Manual de contabilidade Societária: Aplicável a todas as sociedades de acordo com as Normas Internacionais e do CPC. SP: Atlas, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 7ª edição, São Paulo : Atlas, 2003.

45 P á g i n a 45 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: LEONE, G. S. G. Custos: planejamento, implantação e controle. São Paulo: Atlas, IUDÍCIBUS, Sérgio de. et al. Contabilidade Introdutória. (Livro de Exercício) 11ª ed. SP: Atlas, BERNARDI, L. A. Manual de formação de preços. São Paulo: Atlas, ALMEIDA, M. C. Curso Básico de Contabilidade: Introdução à Metodologia da Contabilidade, Contabilidade Básica. 5 ed. São Paulo: Atlas, MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. São Paulo: Atlas, ESTRATÉGIAS DE VENDAS E NEGOCIAÇÃO CH. Teórica: 30 CH. Prática: 10 CH. Total: 40 EMENTA: Negociação como instrumento gerencial. Principais tipos e modelos de negociação. Planejamento e organização. Estratégias e táticas de negociação. Maximização de resultados/relacionamento com as partes. O uso da informação, da comunicação, do tempo e do poder. Funções de vendas e funções de negociação. Técnicas para uma venda bem-sucedida. Negociações e fechamentos de vendas. Teorias de definição de negócios. Necessidades dos fregueses e/ou clientes. Hábitos de vendas. Estímulo para fortalecer o desejo do cliente de comprar. Vendas criativas. Gestão das vendas em produtos e em serviços. Marketing através da mídia e do ponto de venda. Gerenciamento de equipe de venda. Preço como um fator estratégico para venda. Potencialização do vendedor para que venda cada vez mais. Capacidade Emocional. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: MOREIRA, J. C. T. Administração de vendas. São Paulo: Saraiva, 2004 STREHLAU, V. I.; TELLES, R. Canais de marketing e distribuição. São Paulo: Saraiva, 2006 PORTER, M. Estratégia Competitiva. Rio de Janeiro:Campus, 2002.

46 P á g i n a 46 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: SOLOMON, M. R. Comportamento do consumidor. Porto Alegre: Bookman, HARVARD. Gestão estratégica de vendas. Rio de Janeiro: Elsevier, HIRATA, P. H. Estilos de negociação: as oito competências vencedoras : o diferencial estratégico do negociador de alta performance. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, D. P. R. Estratégia empresarial e vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, MINTZBERG, Henry. O Processo da Estratégia. São Paulo: Bookman, GESTÃO DA QUALIDADE CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: 40 EMENTA: Conceitos de Qualidade e Produtividade; Sistemas de Gestão da Qualidade Total. Ferramentas e Métodos para Melhoria da Qualidade; Programas de Qualidade e Produtividade; Certificação pelas normas da série ISO 9000 (Gestão e Garantia da Qualidade) e série ISO (Gestão Ambiental); Gestão Empresarial pelas Normas da Série ISO; Sistemas de Premiação para Qualidade e Produtividade: prêmios mundiais, prêmio nacional, setoriais e empresariais. Aspectos ambientais envolvendo a gestão da qualidade. O modelo japonês de qualidade total. Padronização de Processos e Materiais e sua influência na Produtividade; Logística x Qualidade x Produtividade. Métricas de qualidade para gerenciamento das principais áreas de logística. Aspectos ambientais envolvendo a logística. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: PALADINI, Edson Pacheco. Gestão da Qualidade: teoria e casos. Porto Alegre: Campus, MONTGOMERY, D. C. Introdução ao controle estatístico da qualidade. Rio de Janeiro: LTC, BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, 2008.

47 P á g i n a 47 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: DAVIS, Mark M. Fundamentos da Administração da Produção. São Paulo: Bookman, CAMPOS, V. F. TQC - controle da qualidade total (no estilo Japones). Belo Horizonte: EDG, MOURA, E. As sete ferramentas gerenciais da qualidade. São Paulo: Makron Books, ROSA, Derval dos Santos; PANTANO FILHO, Rubens. Meio Ambiente: múltiplos olhares. 1 ed. Campinas, SP. Companhia da Escola, LAS CASAS, A. L. Qualidade total em serviços. São Paulo: Atlas, LOGÍSTICA E CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: 40 EMENTA: Estrutura e funções dos canais de marketing. Estrutura analítica para projeto e implementação de um canal de distribuição. Projeto de canal de distribuição: Demanda, Oferta e Competição. Implementação de um canal de distribuição e avaliação de seu desempenho. Trade Marketing. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: SIMCHI-LEVI, D.; KAMINSKY, P.; SIMCHI-LEVI, E. Cadeia de suprimentos - projetos e gestão. Porto Alegre: Bookman, STREHLAU, V. I.; TELLES, R. Canais de marketing e distribuição. São Paulo: Saraiva, ARBACHE, F. S. et al. Gestão de logística, distribuição e trade marketing. Rio de Janeiro: FGV, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, NOVAES, Antonio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro Campus 2001.

48 P á g i n a 48 ALVARENGA, A. C.; NOVAES, A. G. N. Logística aplicada: suprimento e distribuição física. São Paulo: Edgard Blucher, ROMEIRO FILHO, E. (coord.). Projeto do produto. Rio de Janeiro: Elsevier, LOGÍSTICA INTERNACIONAL CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: 40 EMENTA: Desenvolvimento econômico e logístico. A função logística nas organizações. Decisões logísticas. Informações de planejamento logístico. Logística internacional: ambiente do comércio internacional, operação do comércio internacional. Modalidades de transporte internacional. Seguros internacionais. Custos logísticos. Estruturação de operações de comércio internacional. Políticas comerciais: tarifas e barreiras não tarifárias. Relação entre política comercial e industrial. Blocos comerciais. Os custos logísticos na formação dos preços de exportação/importação. Incoterms. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: NOVAES, Antonio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro Campus DORNIER, P. P. et. al. Logistica e operações globais. São Paulo: Atlas, PAOLESCHI, B. Estoques e armazenagem. São Paulo: Érica, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, SIMCHI-LEVI, D.; KAMINSKY, P.; SIMCHI-LEVI, E. Cadeia de suprimentos - projetos e gestão. Porto Alegre: Bookman, RATTI, Bruno. Comércio internacional e Cambio. São Paulo: Aduaneira, FLEURY, P. F.; WANKE, P.; FIGUEIREDO, K. F. Logistica empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, BERTAGLIA, P. R. Logistica e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, 2003.

49 P á g i n a 49 PROCESSOS DE COMPRA E VENDA CH. Teórica: 30 CH. Prática: 10 CH. Total: 40 EMENTA: Análise da gestão de varejo e serviços e sua segmentação de mercado. Os aspectos da logística no varejo e serviços no Brasil, direcionado às atividades administrativas, comerciais e fiscais. Análise de mercados de bens de consumo e serviços. Previsão de vendas, gestão de estoques, seleção e avaliação de fornecedores. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: POZO, H. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, MOREIRA, J. C. T. Administração de vendas. São Paulo: Saraiva, KOTLER, P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: PINHEIRO, R. M. et. al. Comportamento do consumidor e pesquisa de mercado. Rio de Janeiro: FGV, LONGO, W. Vendendo e aprendendo: como ampliar os resultados em vendas industriais. São Paulo: Terra Virgem, GITOMER, J. O livro vermelho de vendas. São Paulo: M.Books, LAS CASAS, A. L. Administração de vendas. São Paulo: Atlas, VASCONCELOS, M. A. S. de. Economia: micro e macro. São Paulo: Atlas, 2002.

50 P á g i n a 50 INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL I CH. Teórica: 00 CH. Prática: 40 CH. Total: 40 EMENTA: A Integração Profissional I é compreendida como componentes curriculares enriquecedores do perfil do egresso, possibilitando o reconhecimento, por avaliação de habilidades e competências do estudante, a prática de estudos e atividades independentes, transversais de interdisciplinaridade e demais associações entre disciplinas, especialmente nas relações com o mercado de trabalho e com ações de extensão junto à comunidade. A Integração Profissional I objetiva flexibilizar a matriz curricular e incentivar outras formas de construção do conhecimento, além dos limites da sala de aula. Favorecem, também, o relacionamento entre grupos e a busca por práticas de estudos independentes, visando uma progressiva autonomia profissional e intelectual. Seu cumprimento é condição indispensável à conclusão do curso e consequente colação de grau. 3 SEMESTRE DISTRIBUIÇÃO FÍSICA E TRANSPORTE CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: Movimentação, estocagem e processamento de pedidos dos produtos finais, buscando a otimização das operações. Fundamentos de economia regional e urbana. Seguros. O sistema de transportes de cargas no Brasil e a regulamentação brasileira de transportes de carga. Modalidades de transportes e sua utilização competitiva de acordo com tipos de carga, distância e tempo. Os diversos tipos de transportadores e operadores logísticos. Roteirização e controle de frotas. Planejamento de instalações de armazenagem e de centrais de distribuição. As operações de recebimento, armazenagem, abastecimento, atendimento de pedidos, embalagens e expedição em CDs. Indicadores de desempenho relacionados à armazenagem, transporte e distribuição. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: NOVAES, Antonio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro Campus FLEURY, P. F.; WANKE, P.; FIGUEIREDO, K. F. Logistica empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, 2008.

51 P á g i n a 51 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: AMATO NETO, J. Manufatura classe mundial: conceitos, estratégias e aplicações. São Paulo: Atlas, CAIXETA-FILHO, J. V.; MARTINS, R. S. Gestão Logística de Transporte de Cargas. São Paulo: Atlas, CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeira de suprimentos. São Paulo: Cengage, BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, SILVEIRA JR., A. Planejamento estratégico como instrumento de mudança organizacional. São Paulo: Atlas, ECONOMIA E MERCADO CH. Teórica: 30 CH. Prática: 10 CH. Total: 40 EMENTA: Noções básicas das ciências econômicas. Evolução dos Pensamentos Econômicos. Visão geral das questões econômicas fundamentais: mercado, preços, população, meios de subsistência e renda nacional. Macroeconomia: Medida do produto e da renda nacional. Teoria da determinação da renda. Introdução à teoria monetária. Desenvolvimento econômico. Comércio Internacional. Microeconomia: Teoria do comportamento do consumidor e da demanda. Teoria da produção e dos custos. Estrutura de mercado e formação de preços. Administração financeira nas empresas. Contabilidade e finanças. Capital de giro. Fluxo de caixa. Contas a receber e a pagar. Decisões de investimento. Decisões de financiamento. Controles financeiros. Análises financeiras. Decisões financeiras. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: GROPPELLI, A. A.; NIKBAKHT, E. Administração financeira. São Paulo: Saraiva, 2001.

52 ROSSETTI, J. P. Introdução a economia. São Paulo: Atlas, P á g i n a 52 EHRLICH, P. J.; MORAES, E. A. de. Engenharia econômica. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: SILVA, F. G. da; JORGE, F. T. Economia aplicada a administração. São Paulo: Futura, TROSTER, R. L.; MOCHÓN, F. Introdução a economia. São Paulo: Makron Books, HOJI, M. Administração financeira: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, BRAGA, R. Fundamentos e técnicas de administração financeira. São Paulo: Atlas, VASCONCELOS, M. A. S. de. Economia: micro e macro. São Paulo: Atlas, ÉTICA, RESPONS. SOCIAL E MEIO AMBIENTE CH. Teórica: 30 CH. Prática: 10 CH. Total: 40 EMENTA: A importância da Ética permeando as relações sociais e políticas no mundo econômico contemporâneo e nas relações de produção. A capacidade de reaproveitamento de embalagens e resíduos (tóxicos e não-tóxicos), utilizados na produção, distribuição ou armazenagem. Abordagem conceitual da logística de fluxos de retorno (reversa), relacionada ao gerenciamento de resíduos de pós-consumo e pós-venda, voltados para o equilíbrio ligado aos aspectos técnicos, econômicos e sociais do ambiente empresarial logístico. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ROSA, D. dos S.; PANTANO FILHO, R. Meio ambiente: múltiplos olhares. Campinas: Companhia Da Escola, PASSOS, E. S. Etica nas organizações. São Paulo: Atlas, PONCHIROLLI, O. Ética e responsabilidade social empresarial. Curitiba: Juruá, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: TACHIZAWA, T. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios

53 focadas na realidade brasileira. 6.ed.. São Paulo: Atlas, P á g i n a 53 ASHLEY, P. A. Etica e responsabilidade social nos negócios. São Paulo: Saraiva, BAHIA, M. S. Responsabilidade social e diversidade nas organizações: contratando pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, ARRUDA, M. C. C. de. Código de ética. São Paulo: Negócio, GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. da. A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, INDICADORES DE DESEMPENHO LOGÍSTICO CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: 40 EMENTA: Introdução à prática da mensuração logística, interna e externa entendendo a dinâmica nas dimensões da avaliação de desempenho. As características de um sistema ideal de mensuração de desempenho com Trade-off de Custo/Serviço, relatórios dinâmicos baseados em informações obtidas em tempo real, relatórios baseados em exceção. Níveis de mensuração e fluxo de informação levando em consideração o direcionamento, variação e decisão política. Estrutura de relatórios. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, ARBACHE, F. S. et al. Gestão de logística, distribuição e trade marketing. Rio de Janeiro: FGV, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: RATTI, Bruno. Comércio internacional e Cambio. São Paulo: Aduaneira, LEITE, Paulo Roberto. Logistica reversa. São Paulo: Pearson, DORNIER, P. P. et. al. Logistica e operações globais. São Paulo: Atlas, BERTAGLIA, P. R. Logistica e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva,

54 2003. P á g i n a 54 NOVAES, Antonio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro Campus MARKETING E COMÉRCIO ELETRÔNICO CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: 40 EMENTA: Internet e comércio eletrônico. Marketing para atividades on-line. Ferramentas do marketing eletrônico. Integração do mix promocional, buscando o perfil dos consumidores e gerenciando dados. Comunicação contínua com clientes. Lojas virtuais. Segurança no e-commerce. Oportunidades no comércio B2B, Ética do marketing eletrônico. E-Business estratégico. Composto promocional eletrônico. Marketing eletrônico de relacionamento. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: KALAKOTA, Ravi; ROBINSON, Marcia. E-Business: estrategias para alcancar o sucesso no mundo digital. Porto Alegre: Bookman, VASCONCELLOS, E. E-Commerce nas empresas brasileiras. São Paulo: Atlas, ALBERTIN, A. O. Comércio eletrônico: modelo, aspectos e contribuições da sua aplicação. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: TORRES, C. A biblia do marketing digital. Rio de Janeiro: Novatec, TURBAN, E.; KING, D. Comércio eletrônico: estratégia e gestão. São Paulo: Prentice Hall, LIMEIRA, T. M. E-marketing: o marketing na internet com casos brasileiros. São Paulo: Saraiva, COBRA, Marcos. Administração de Marketing. São Paulo: Atlas, MOWEN, John C.; MINOR, Michael S. Comportamento do consumidor. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003.

55 P á g i n a 55 MODAIS DE TRANSP. E INTERMODALIDADE CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: 40 EMENTA: Nesta disciplina serão estudados aspectos técnicos de cada modal de transporte, intermodalidade nacional e internacional. Serão desenvolvidos aspectos de planejamento e comparação entre modais: custos e vocações, para gestão e análise do melhor modal de transporte a ser utilizado em operações logísticas. Os tipos de transporte intermodal, a cadeia de transporte intermodal, terminais intermodais, a relação entre o custo e o nível de serviço na rede intermodal, equipamentos utilizados na intermodalidade, avaliação de redes intermodais. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: NOVAES, Antonio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro Campus DORNIER, P. P. et. al. Logistica e operações globais. São Paulo: Atlas, KEEDI, Samir. Transportes, unitização e seguros internacionais de cargas: prática e exercícios. São Paulo: Aduaneiras, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, RATTI, Bruno. Comércio internacional e Cambio. São Paulo: Aduaneira, SILVA, C. F. da.; PORTO, M. M. Transporte, seguros e a distribuição física internacional de mercadorias. São Paulo: Aduaneiras, VIEIRA, G. B. B. (org.). Logística e distribuição física internacional. São Paulo: Lex, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. Logística. Disponível em: <http://www.desenvolvimento.gov.br/arquivo/secex/logistica/logistica.pdf>. Acesso em: Fev

56 P á g i n a 56 SERVIÇOS LOGÍSTICOS CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: O contexto e a importância da logística no cenário atual brasileiro e internacional. Conceitos básicos de logísticas e caracterização dos principais componentes da Cadeia Logística. A gestão dos sistemas logísticos como diferencial competitivo. Qualidade e produtividade nos Serviços Logísticos. Administração de materiais. O transporte como componente da Cadeia Logística. A armazenagem e a movimentação de materiais como componente da Cadeia Logística. O fluxo de informações. Benchmarking de processos logísticos. A participação dos serviços nas operações de uma empresa. Definição e hierarquização de serviços. Avaliação econômica, financeira e estratégica quanto à terceirização e quarteirização. Análise de custo x benefícios. Contratação de serviços. O uso de serviços externos para atividades logísticas (operadores logísticos). Indicadores de desempenho dos serviços. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: GIANESI, I. N.; CORREA, H. L. Administração estratégia de serviços: operações para a satisfação de clientes. São Paulo: Atlas, SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: AMATO NETO, J. Manufatura classe mundial: conceitos, estratégias e aplicações. São Paulo: Atlas, MARTINS, R. S.; CAIXETA-FILHO, J. V. Gestão logística do transporte de cargas. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, WOILER, S.; MARTINS, W. F. Projetos: planejamento, elaboração e análise. São Paulo: Atlas, BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. Porto Alegre:

57 Bookman, P á g i n a 57 TECNOLOGIA E GESTÃO DA INFORMAÇÃO CH. Teórica: 30 CH. Prática: 10 CH. Total: 40 EMENTA: Aborda o uso da informática de acordo com as necessidades de uma empresa, sob o aspecto da organização e distribuição de informações. Arquiteturas de hardware. Tecnologia de comunicação. Redes de computadores. Sistemas operacionais. Bancos de Dados. Sistemas distribuídos. Modelagem e desenvolvimento de sistemas computacionais. Projeto de banco de dados. Interação ser humano-computador. Engenharia de software. Engenharia da informação. Inteligência artificial. Comércio Eletrônico, Marketing e E-Business. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de informação gerenciais. São Paulo: Pearson, 2007 STAIR, R. M. Princípios de sistemas de informação. Rio de Janeiro: LTC, OLIVEIRA, D. de P. R. Sistemas, organização e métodos. São Paulo: Atlas, 2001 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: O'BRIEN, James A. Sistemas de informação e as decisões na era da internet. São Paulo: Saraiva, OLIVERA, D. de P. R. de. Sistemas de informações gerenciais. São Paulo: Atlas, BATISTA, E. de O. Sistemas de informação: o uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. São Paulo: Saraiva, TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, CASSARRO, A. C. Sistemas de informações para tomada de decisões. São Paulo: Pioneira, 1988.

58 P á g i n a 58 INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL II CH. Teórica: 00 CH. Prática: 40 CH. Total: 40 EMENTA: A Integração Profissional II é compreendida como componentes curriculares enriquecedores do perfil do egresso, possibilitando o reconhecimento, por avaliação de habilidades e competências do estudante, a prática de estudos e atividades independentes, transversais de interdisciplinaridade e demais associações entre disciplinas, especialmente nas relações com o mercado de trabalho e com ações de extensão junto à comunidade. A Integração Profissional I objetiva flexibilizar a matriz curricular e incentivar outras formas de construção do conhecimento, além dos limites da sala de aula. Favorecem, também, o relacionamento entre grupos e a busca por práticas de estudos independentes, visando uma progressiva autonomia profissional e intelectual. Seu cumprimento é condição indispensável à conclusão do curso e consequente colação de grau 4 SEMESTRE AUTOMAÇÃO E LOGÍSTICA CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: Apresentação dos conceitos e aplicações das principais tecnologias na área de automação com foco em logística. Entendimento do uso das tecnologias código de barras, identificação automática por radiofrequência, captura de dados por radiofrequência, identificação biométrica, utilização de robôs em operações/atividades logísticas. Identificar possibilidades de maximização de resultados com o uso da automação de forma racional e alinhada com a estratégia organizacional. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: GEORGINI, M. Automação aplicada: descrição e implementação de sistemas sequenciais com

59 PLCs. São Paulo: Érica, P á g i n a 59 MARTINS, P. G.; ALT, P. R. C. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, AMATO NETO, J. Manufatura classe mundial: conceitos, estratégias e aplicações. São Paulo: Atlas, 2001 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: BATISTA, E. de O. Sistemas de informação: o uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. São Paulo: Saraiva, SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, AMATO NETO, J. Manufatura classe mundial: conceitos, estratégias e aplicações. São Paulo: Atlas, BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: A Logística como uma competência básica na estratégia empresarial, apresentando uma descrição das atuais práticas dos processos logísticos integrados, considerando aspectos ambientais, e das novas exigências dos clientes, com o objetivo de fazer com que os participantes conheçam a integração dos processos logísticos através da Cadeia de Suprimentos, desde a seleção de fornecedores até a entrega do produto final ao cliente, através das várias etapas de planejamentos e movimentações físicas. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: BERTAGLIA, P. R. Logistica e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, SIMCHI-LEVI, D.; KAMINSKY, P.; SIMCHI-LEVI, E. Cadeia de suprimentos - projetos e gestão.

60 Porto Alegre: Bookman, P á g i n a 60 GAITHER, N. Administração Da Produção E Operações. São Paulo: Pioneira, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, LEITE, Paulo Roberto. Logistica reversa. São Paulo: Pearson, BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, ROSA, Derval dos Santos; PANTANO FILHO, Rubens. Meio Ambiente: múltiplos olhares. 1 ed. Campinas, SP. Companhia da Escola, ALVARENGA, A. C.; NOVAES, A. G. N. Logística aplicada: suprimento e distribuição física. São Paulo: Edgard Blucher, GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: Esta disciplina tem como objetivo agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de operações logísticas para administrá-las de forma a gerar maior produtividade dentro de uma organização, tendo como ponto focal o entendimento dos elementos de custos que compõem o custo logístico total de uma organização e como eles estão integrados. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: LEONE, G. S. G.; LEONE, R. J. G. Curso de contabilidade de custos. São Paulo: Atlas, FARIA, A. C. de.; COSTA, M. de F. G. da. Gestão de custos logísticos. São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, L. M. de; PEREZ JUNIOR, J. H. Contabilidade de custos para não contadores: texto e casos práticos com solução proposta. São Paulo: Atlas, 2012.

61 P á g i n a 61 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: BRUNI, Adriano Leal & FAMA, Rubens. Gestão de Custos e Formação de Preços. 7a. ed. São Paulo: Atlas, NAKAGAWA, M. Gestão estratégica de custos. São Paulo: Atlas, NAKAGAWA, M. ABC - custeio baseado em atividades. São Paulo: Atlas, 2001 KOLIVER, O. Contabilidade de custos. Curitiba: Juruá, CSILLAG, J. M. Análise do valor. São Paulo: Atlas, GESTÃO DE PROJETOS LOGÍSTICOS CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: 40 EMENTA: Introdução à gestão de projetos. Cronograma e orçamento de projetos. Elaboração e avaliação de propostas. Planejamento, execução e controle de projetos. Problemas na gestão de projetos. Estrutura Organizacional e a organização do projeto. As pessoas e a equipe de projetos. Projetos de redes logísticas. Gestão dos recursos e operações. Gestão de custos. Gestão de estoques. Gestão ambiental. Tecnologia de informações. Gestão dos Riscos. Planejamento estratégico e aplicação na logística. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ROUX, M.; VIEIRA, D. R. Projetos de centros de distribuição. Rio de Janeiro: Campus, VALERIANO, D. L. Gerência em projetos: pesquisa, desenvolvimento e engenharia. São Paulo: Makron, WOILER, S.; MARTINS, W. F. Projetos: planejamento, elaboração e análise. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

62 P á g i n a 62 BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, PORTER, M. E. Vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, OLVEIRA, D. de P. R. de. Estratégia empresarial e vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, WRIGHT, P.; KROLL, M. J.; PARNELL, J. Administração estratégica. São Paulo: Atlas, PESQUISA OPERACIONAL CH. Teórica: 40 CH. Prática: 40 CH. Total: 80 EMENTA: Origens, fundamentos e evolução da pesquisa operacional. Introdução ao estudo de programação linear. Método algébrico simplex para problemas de maximização e minimização. Problemas de designações. Pert simulação. Teoria dos jogos. Sistemas de modelos de estoque. Teoria das Filas. Programação Linear. Distribuição Física: Modelo Clássico de Transporte. Roteirização. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: SILVA, E. M. da et. al. Pesquisa operacional para os cursos de administração e engenharia. São Paulo: Atlas, ANDRADE, E. L. Introdução à pesquisa operacional: métodos e modelos para a análise de decisão. 2. ed. LTC. Rio de Janeiro: LONGARAY, A. A. Introdução a pesquisa operacional. São Paulo: Saraiva, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: PASSOS, E. J. P. F. dos. Programação linear como instrumento da pesquisa operacional. São Paulo: Atlas, PIOVESANA, Celso Ilídio; SANTOS, Valdomiro Placido, et al. Matemática Básica. Itatiba: Berto, SILVA, S. M. Matemática básica para cursos superiores. SP: Atlas, 2002.

63 P á g i n a 63 ZELMANOVITS, Nei Schilling. Matemática aplicada a gestão de negócios. Rio de Janeiro: Fgv, OLIVEIRA, D. de P. R. Sistemas, organização e métodos. São Paulo: Atlas, INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL III CH. Teórica: 00 CH. Prática: 40 CH. Total: 40 EMENTA: A Integração Profissional III é compreendida como componentes curriculares enriquecedores do perfil do egresso, possibilitando o reconhecimento, por avaliação de habilidades e competências do estudante, a prática de estudos e atividades independentes, transversais de interdisciplinaridade e demais associações entre disciplinas, especialmente nas relações com o mercado de trabalho e com ações de extensão junto à comunidade. A Integração Profissional I objetiva flexibilizar a matriz curricular e incentivar outras formas de construção do conhecimento, além dos limites da sala de aula. Favorecem, também, o relacionamento entre grupos e a busca por práticas de estudos independentes, visando uma progressiva autonomia profissional e intelectual. Seu cumprimento é condição indispensável à conclusão do curso e consequente colação de grau. OPTATIVA CH. Teórica: 20 CH. Prática: 20 CH. Total: Libras EMENTA: A disciplina pretende oferecer um estudo teórico-prático sobre os aspectos fundamentais da Libras (língua brasileira de sinais). Desta forma trabalhará conceitos lingüísticos e culturais da Libras e da comunidade surda, apresentando aspectos específicos da estrutura gramatical da língua de sinais brasileira. Essa disciplina atende à determinação do decreto 5.626/05 que reconhece a língua de sinais e obriga seu ensino nos cursos de licenciatura. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ALMEIDA, E. C. de. Atividades ilustradas em sinais de libras. Revinter, SCKLIAR, C. Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, QUADROS, RONICE MÜLLER DE. LINGUA DE SINAIS BRASILEIRA: estudos linguisticos. Porto

64 Alegre - RS: Artmed, P á g i n a 64 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: LACERDA, C. B. F. de. Interprete de libras. Mediação, PEREIRA, M. C. C. Libras: conhecimento além dos sinais. São Paulo: Pearson Education, CAPOVILLA, Fernando Cesar; RAPHAEL, Walkíria Duarte. Enciclopédia da língua de sinais brasileira: o mundo do surdo em libras. São Paulo: Edusp, vols. HONORA, Márcia; FRIZANCO, Mary L. Esclarecendo as deficiências: aspectos teóricos e práticos para contribuir com uma sociedade inclusiva. São Paulo: Ciranda Cultural, HONORA, Márcia; FRIZANCO, Mary L. Livro ilustrado de língua brasileira de sinais. São Paulo: Ciranda Cultural, Tópicos Especiais em Logística EMENTA: Estudo e avaliação das melhores práticas logísticas utilizadas pelas empresas, dos mais variados segmentos, no que diz respeito às operações logísticas de inbound, operações logísticas internas e operações logísticas de outbound. Entender como as estratégias organizacionais isoladas afetam todos os elementos pertencentes há uma mesma cadeia de suprimentos. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, BERTAGLIA, P. R. Logistica e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, MARTINS, R. S.; CAIXETA-FILHO, J. V. Gestão logística do transporte de cargas. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: SILVA, L. A. T. Logística no comércio exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2008.

65 P á g i n a 65 VIEIRA, G. B. B. (org.). Logística e distribuição física internacional. São Paulo: Lex, BALLOU, Ronald H.. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, ALVARENGA, A. C.; NOVAES, A. G. N. Logística aplicada: suprimento e distribuição física. São Paulo: Edgard Blucher, LEITE, Paulo Roberto. Logistica reversa. São Paulo: Pearson, História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena EMENTA: Possibilitar ao aluno a compreensão de que a sociedade é formada por pessoas que pertencem a grupos étnico-raciais distintos, que possuem cultura e história próprias, igualmente valiosas e que em conjunto constroem, na nação brasileira, sua história. A superação da indiferença, injustiça e desqualificação com que os negros, os povos indígenas e também as classes populares às quais os negros, no geral, pertencem, são comumente tratados. Expressões culturais afro-brasileiras e indígenas. Cultura e educação das relações étnico-raciais. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Sociologia geral. São Paulo: Atlas, MELLO, Luiz Gonzaga de. Antropologia cultural: iniciação, teoria e temas. Petrópolis: Vozes, NASCIMENTO, E. L. (Org.). A matriz africana no mundo. São Paulo: Selo Negro (Summus), BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: RISERIO, A. A utopia brasileira e os movimentos negros. São Paulo: Editora 34, FUNARI, P. P.; PINON, A. A temática indígena na escola. São Paulo: Contexto, IANNI, Octavio. A sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, COSTA, C. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. São Paulo: Moderna, DIRETRIZES curriculares nacionais para a educacao das relacoes etnico-raciais e para o ensino de historia e cultura afro-brasileira e africana. 1.ed.. Brasilia - DF: MEC/INEP, 2005

66 1.7 Metodologia P á g i n a 66 A Faculdade Max Planck entende que a educação contemporânea é uma educação contestadora que visa formar cidadãos conscientes que superem os limites impostos pelo mercado e criem espaços para uma ação efetiva de transformação da realidade econômica, social, cultural e, sobretudo, no espaço da profissão. Neste sentido encontra-se no bojo da proposta pedagógica do curso uma pedagogia transformadora que se manifesta por meio de um eixo transversal. A incorporação deste conceito no cerne do projeto pedagógico do curso de Logística favorece a geração de espaços para a construção do conhecimento e para a aprendizagem percebida como um processo contínuo que se desenvolve ao longo de toda a vida. O eixo transversal é um conjunto de conteúdos disciplinares que conduzem a atividade pedagógica do curso de Logística não estando ligados a nenhuma disciplina em particular e, ao mesmo tempo, sendo comum a todas. Seu objetivo principal é intervir sobre os comportamentos do corpo discente para que aprendam a usar suas competências para resolver problemas reais a partir do desenvolvimento da capacidade argumentativa, crítica, analítica e, sobretudo, de visão estratégica e sistêmica. O eixo transversal favorece nos formandos a construção do conhecimento e propicia o processo de aprendizagem uma vez que: 1) promove neles a elaboração de cenários, ou seja, a capacidade de construírem ambientes interativos no qual o tema transversal é percebido como norteador do processo construção de conhecimento e de aprendizagem; 2) possibilita neles a capacidade de planejamento de atividades, ou seja, insere no plano da prática discente e docente a exploração de informações voltadas para o tema transversal e para a construção de metodologias que favoreçam a resolução de problemas a ele relacionados; 3) desenvolve a capacidade de produção de conceitos, ou seja, a capacidade dos discentes elaborarem ações concretas a partir de conceitos praticados e vivenciados no percurso da formação profissional.

67 P á g i n a 67 O tema Empregabilidade se consolida como o eixo transversal do curso de Logística. A sua importância no cenário nacional e internacional é cada vez mais destacada uma vez que a gestão de pessoas para construção de negócios que promovem a economia nacional e internacional tem como foco este tema e conceito. A Empregabilidade como eixo transversal propicia a divulgação e promoção nos discentes da cultura de seleção, preparação, desenvolvimento e manutenção de talentos. Além disto, se insere muito bem nas demandas da Região Metropolitana de Campinas. No que tange à promoção da cultura da empregabilidade no corpo discente a Faculdade Max Planck desenvolve simultaneamente as seguintes dimensões: profissional, social, cultural e econômica. A disciplina Integração Profissional, é a que reúne e consolida de forma agregada a práxis do tema como eixo transversal. Isto é possível à medida que as ações nela prevista estimulam a visão crítica dos discentes perante a realidade organizacional e a construção de uma cultura voltada para resultados viáveis e exeqüíveis bem como o desenvolvimento de habilidades e competências relacionadas com a postura da geração de talentos e gestão de pessoas. Nesta disciplina busca-se fazer com que o futuro tecnólogo em logística integre os diferentes conceitos adquiridos, ao longo dos semestres letivos, de forma a buscar equacionar problemas e encontrar possíveis soluções factíveis tendo como referência o mundo real. A utilização de conceitos teóricos conjugados com as práticas utilizadas pelo mercado fazem da disciplina Integração Profissional um importante instrumento pedagógico para a formação teórico-prática do corpo discente. A metodologia de ensino desenvolvida no curso está baseada na interação entre a reflexão teórica e vivência profissional, que visa levar o aluno a desenvolver as habilidades de compreensão, análise, comparação e síntese das informações gerando autonomia para propor soluções baseadas em análises críticas. Procura-se o máximo aproveitamento da riqueza das experiências do grupo de alunos, que são majoritariamente trabalhadores, além da execução de projetos de integração Instituição-comunidade. Estes aspectos estão em consonância com a concepção do curso que se pauta na construção do conhecimento, onde o discente deixa de ser um consumidor passivo de conhecimentos e informações transmitidas pelos docentes e passa a ser o construtor de seu conhecimento, de forma crítica e reflexiva, tendo o docente como um mediador deste processo de ensino-aprendizagem. Para que esta filosofia educativa seja implementada, são adotadas as seguintes práticas didático-pedagógicas:

68 P á g i n a 68 Exposições dialogadas; Apresentação de seminários; Mesas redondas e debates; Ciclos de estudos; Projetos interdisciplinares (Em grupos e individuais); Participação em Projetos Sociais; Produção e realização de Estudo de Caso; Pesquisas bibliográficas e empíricas com cunho científico; Realização de Estágios; Utilização de resultados das atividades de pesquisa e extensão desenvolvidas pelos professores e alunos em sala de aula; Palestras com profissionais de larga experiência no mercado; Visitas técnicas supervisionadas a empresas públicas e privadas e operações logísticas (portuárias, retro-portuárias, aeroportuárias, ferroviárias, hidroviárias e dutoviárias). Desenvolvimento de feiras temáticas; Desenvolvimento de resenhas e resumos; Exercícios de fixação de conteúdo. Parte-se da concepção de que um ensino eficaz deve ser de qualidade e, portanto, organizado em função dos alunos aos quais é dirigido de forma a assegurar que o tempo concedido para o trabalho em sala de aula seja efetivamente dedicado à aprendizagem. Vale a pena ressaltar que o corpo docente promove sempre que necessário, a adequação das práticas didático-pedagógicas a especificidade da situação de deficiência. Os docentes contam ainda com diversos equipamentos de apoio aos portadores de deficiência como: softwares ampliadores da comunicação DOSVOX e NVDA, Scanner Book Reader V200, Texto impresso e ampliado, lente de aumento, régua de leitura, etc. O curso conta com um docente intérprete de Libras para acompanhamento dos discentes e auxílio dos docentes quando necessário. A organização do currículo do curso prevê dois momentos distintos e intercomplementares: 1) Alunos em atividades de ensino junto com o professor: neste momento é o professor quem direciona o processo ou as relações de mediação entre o conteúdo e o aluno,

69 P á g i n a 69 no qual o professor, dentre outras coisas, orienta o desenvolvimento de atividades de estudo; 2) Alunos sozinhos ou em grupos em Atividades práticas supervisionadas de aprendizagem (APSs), ou seja, em contato direto com o objeto de conhecimento: neste momento é o próprio aluno quem conduz seu processo de aprender, por meio das relações de estudo e a partir das orientações recebidas em sala de aula. Os princípios metodológicos que dão sustentabilidade a esta organização curricular são: a) O ensino e, portanto, a aprendizagem extrapola as atividades desenvolvidas em sala de aula; b) O saber não é pré-fabricado, mas tem necessidade de ser (re)construído por cada aluno; c) O processo de (re)construção do saber precisa ser conduzido / guiado / orientado para o sujeito aprende a assumi-lo como seu (relações de mediação); d) Nas relações de mediação acontece o desenvolvimento das operações lógicas (ativação dos processos mentais) e das operações estratégicas (influencia o desenvolvimento das atividades intelectuais); e) Não é o professor quem faz as aprendizagens e sim o aluno: o aprender depende muito do envolvimento pessoal do aluno; f) A aprendizagem é um processo contínuo e intencional que exige esforço pessoal do aluno, e não está limitada a reprodução do conteúdo; g) Os professores precisam ter capacidade para orientar a organização do tempo do aluno, por meio do planejamento de atividades que orientem os momentos de estudo; h) Enfim, acredita-se na necessidade do aluno assumir uma postura de apropriação e compreensão do conteúdo em estudo, o que exige do professor o planejamento das preleções semanais e também de atividades de fixação, reforço e revisão da matéria para serem desenvolvidas de forma individualizada, ou em grupos, pelos alunos após cada encontro didático em sala de aula. Avaliação da Aprendizagem A Avaliação de Aprendizagem (regida pela Circular Normativa CN-DA n 01) é realizada por meio do acompanhamento contínuo do aluno e dos resultados por ele obtidos nas provas escritas ou trabalhos de avaliação de conhecimento, nos exercícios de classe ou domiciliares, nas outras atividades escolares e provas parciais.

70 P á g i n a 70 Compete ao professor da disciplina ou ao Coordenador do Curso, quando for o caso, elaborar os exercícios escolares sob a forma de provas de avaliação e demais trabalhos, bem como julgar e registrar os resultados. Os exercícios escolares e outras formas de verificação do aprendizado previstas no plano de ensino da disciplina, e aprovadas pelo órgão competente, sob a forma de avaliação, visam à aferição do aproveitamento escolar do aluno. A cada verificação de aproveitamento é atribuída uma nota expressa em grau numérico de ZERO a DEZ, com variação de 0,1 ponto, não havendo arredondamento nas notas 1 e 2 e substitutiva. Há durante cada ano letivo, para as disciplinas semestrais, duas avaliações oficiais, para verificação do aprendizado em cada disciplina, aplicadas ao longo do período letivo, conforme consta do Calendário Escolar. Outros trabalhos escritos, orais, desempenho em apresentação de seminários, artigos ou outras formas complementares de apuração do rendimento escolar podem ser exigidos dos alunos e ponderados em cada avaliação oficial, a critério do professor, após a aprovação da Coordenação. Atendida a exigência do mínimo de 75,0% (setenta e cinco por cento) de frequência às aulas e demais atividades programadas, o aluno é considerado aprovado na disciplina quando obtiver média final igual ou superior a 6,0 (seis inteiros). Os critérios para aprovação nas disciplinas estão no Quadro 2. A média final é obtida através da média aritmética simples das notas das avaliações oficiais, através do arredondamento universal, com o resultado final devidamente arredondado para múltiplos de 0,5 ponto. Há uma única prova substitutiva de cada disciplina, por semestre, como alternativa para o aluno que faltar à prova escrita oficial de avaliação ou desejar substituir a menor das notas obtidas nos bimestres anteriores, realizada ao final do semestre letivo, com matéria cumulativa, desde que requerida no prazo definido. A nota da prova substitutiva substitui apenas uma das notas oficiais. A nota da prova substitutiva, qualquer que seja ela, substitui a menor das notas oficiais. Sabendo que as atividades do Nutricionista não são estanques em áreas e que os trabalhos inter e multidisciplinares são importantes para a formação do aluno, as disciplinas componentes do curso abordam:

71 P á g i n a 71 a) Atividades acadêmicas docentes: compreende atividades formativas como assistência a aulas, aulas expositivas e realização de seminários; b) Trabalho discente efetivo: compreendem atividade práticas supervisionadas e atividades práticas de diferente natureza, como laboratórios, atividades em biblioteca ou centros de documentação, iniciação científica, trabalhos individuais e em grupos, participação em grupos cooperativos de estudos, visitas a instituições, entre outros. Quadro 2 Critérios para aprovação e reprovação nas disciplinas. Indaiatuba, Média Final Frequência no período Resultado Final 6,0 75% Aprovado < 6 75% Reprovado Qualquer < 75% Reprovado Atividades Práticas Supervisionadas (APSs) A concepção de educação priorizada pela Faculdade Max Planck procura contemplar a sociedade da informação e do conhecimento que cada vez mais exige a aprendizagem mediada pela tecnologia. Com este objetivo criou-se um programa de autoaprendizagem, composto por Atividades Práticas Supervisionadas (APSs) que ampliam o Plano de Ensino de cada disciplina, esclarecendo mais detalhadamente sobre as atividades que serão desenvolvidas pelos alunos (orientadas/supervisionadas pelo professor) como preparação, implementação e/ou enriquecimento das aulas presenciais. Objetivos das Atividades Práticas Supervisionadas: Servir de ponte ao estudo autônomo e continuado; Ampliar e consolidar os conhecimentos adquiridos; Complementar e dinamizar o ensino presencial; Incentivar a interação virtual aluno/aluno e aluno/professor; Implementar a utilização da tecnologia como recurso de aprendizagem; Estimular uma nova postura do aluno frente a própria aprendizagem.

72 P á g i n a 72 São consideradas Atividades Práticas Supervisionadas (APSs): Atividades de nivelamento; Visitas técnicas Feiras Temáticas; Projetos Sociais; Estudos dirigidos; Trabalhos em grupo; Trabalhos individuais; Resenhas; Resumos; Estudos em biblioteca; Exercícios de fixação de conteúdo; Palestras com profissionais de mercado atuantes em diferentes áreas logísticas. Para o curso de Logística, as APS s semestrais, com a respectiva carga horária, estão descritas no Quadro 3. Quadro 3 Distribuição das atividades práticas supervisionadas de acordo com o semestre e a carga horária. Indaiatuba, º Semestre 2º Semestre APS CH APS CH Visitas Técnicas 20 Visitas Técnicas 20 Seminários 10 Seminários 15 Ciclo de Estudos de áreas da Logística 12 Encontro Nacional de Iniciação Científica ENIC (participante) 07 Estudos individuais 20 Estudos individuais 20 Avaliações Integrativas 08 Avaliações Integrativas 08 Total 70 Total 70 3º Semestre 4º Semestre APS CH APS CH Visitas Técnicas 20 Visitas Técnicas 20 Seminários 10 Seminários 10 Ciclo de Estudos de áreas da Logística 10 Encontro Nacional de Iniciação Científica ENIC (participante) 10 Estudos individuais 12 Estudos individuais 12 Avaliações Integrativas 08 Avaliações Integrativas 08 Estudo dirigido ou estudo de caso 10 Estudo dirigido ou estudo de caso 10 Total 70 Total 70

73 P á g i n a Sistema RM A Faculdade Max Planck tem um sistema para o acompanhamento sistemático dos objetivos, o Sistema de Gestão Acadêmica RM, da TOTVS. O Sistema de Administração Escolar é composto por várias rotinas, tais como, curso, professor, currículos, horários de aula, histórico escolar, entre outras, a fim de gerenciar informações de maneira rápida e eficiente. É um sistema que pode ser operado por qualquer tipo de usuário, não necessitando de pessoal com formação em processamento de dados. O Sistema permite que alunos, professores, coordenadores e diretores consultem, on-line, a base de dados do sistema, via terminal de consulta ou via internet. A organização acadêmico-administrativa está apoiada no Sistema de Gestão Acadêmica RM, da TOTVS. A plataforma de operação do sistema é baseada num Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGDB) que garante a unicidade e a confiabilidade das informações, além de contar com um sistema de backup da base de dados. O sistema RM transcende a esfera acadêmica, sendo responsável pela gestão financeira, contábil e patrimonial da Instituição, operando como um sistema ERP (Enterprise Resourcing Planning). Para melhor controle, distribuição e recuperação das informações, e para facilitar o acesso aos usuários, o sistema divide-se em módulos integrados, assim distribuídos: Classisnet; Biblios, Labore, Agilis, Bis, Fluxus, Nucleus, Saldus, Portal.Como ferramenta de gestão, o RM permite que os professores, coordenadores de curso e diretores das unidades acadêmicas acompanhem os apontamentos de notas e faltas de seus alunos, através dos módulos Portal, Classisnet e Agilis. Coerente ao projeto pedagógico e ao controle acadêmico, o módulo Biblios permite: identificar a comunidade usuária; catalogar livros e periódicos; cadastrar editoras e fornecedores; consultar o acervo (conforme critérios definidos local ou via internet); controlar a circulação de empréstimos, retiradas e renovações; controlar reservas; estabelecer políticas de empréstimo diferenciadas por grupos de usuários e tipos de materiais; controlar multas por atraso na devolução, de acordo com o regulamento da Biblioteca; emitir relatórios variados. Além disso, o acesso por meio

74 P á g i n a 74 da Internet permite aos alunos acessar informações importantes para o acompanhamento de sua vida acadêmica e financeira, utilizando diferentes módulos. Organização do controle acadêmico A Secretaria Geral é composta pelos setores de Controle Acadêmico, Central de Atendimento, e Arquivo Permanente. A Secretaria de Controle Acadêmico (SCA) mantém sob sua guarda todos os registros de escrituração escolar, arquivos, prontuários dos alunos e demais documentos direta ou indiretamente relacionados ao funcionamento regular da Faculdade. Competem, ainda, a este departamento, a expedição de documentos e a confecção dos diplomas e dos certificados parciais dos cursos de graduação. A Central de Atendimento é local destinado a solicitações e disponibilização de informações sobre importantes e diversos processos institucionais, tais como: requerimentos de serviços, documentações acadêmicas e financeiras, informações sobre matrículas, transferências, cursos e programas, FIES, PROUNI, convênios, bolsas, entre outros. Este setor trabalha em conjunto com o Apoio Docente, que tem por finalidade prover os docentes em tudo o que é necessário para o encaminhamento diário às aulas. 1.8 Apoio ao Discente As ações de atendimento aos estudantes da Faculdade, em conformidade com o disposto em seu PDI, dão cobertura às políticas de seleção e acesso, de apoio à permanência e à educação continuada e de orientação à vida profissional posterior à formação acadêmica. Acesso e seleção A Faculdade utiliza os resultados do ENEM na composição do resultado final de seu processo seletivo de ingresso em cursos de graduação, como forma de valorizar essa ação governamental. O ingresso nos cursos de pós-graduação, extensão e outros obedece

75 a critérios próprios. P á g i n a 75 Buscando promover o acesso da parcela economicamente menos favorecida da população ao ensino superior, a instituição mantém convênio com os programas governamentais de concessão de auxílio financeiro FIES, PROUNI e ESCOLA DA FAMÍLIA. Apoio ao desenvolvimento acadêmico destacam-se: Entre as ações de apoio ao desenvolvimento acadêmico realizado pela instituição, Atuação dos coordenadores de curso, com horas dedicadas ao atendimento discente. Programa de Orientação ao Estudante PROE que objetiva oferecer ao aluno serviço especializado de orientação pedagógica, profissional e psicológica, de modo a promover seu desenvolvimento social, pessoal e emocional, visando um melhor rendimento acadêmico Programa de Orientação ao Estudante (PROE) A Faculdade Max Planck dispõe ao docente do Programa de Orientação ao Estudante (PROE). Trata-se de um programa subsidiado pelas Instituições que compõem o Grupo POLIS Educacional e contribui para uma formação acadêmica e profissional diferenciada. Entre as diversas atividades realizadas o PROE se destaca por oferecer: Orientações de estudos; Curso de Libras; Oficinas de aprimoramento acadêmico e profissional; Orientação profissional; Promover ações de acessibilidade através do NIAC; Elaboração de Currículos; Cursos de língua estrangeira (Inglês, Francês, Italiano, Espanhol, etc.);

76 P á g i n a 76 Programas de aperfeiçoamento e nivelamento: Informática, Matemática, Leitura e Interpretação de Textos, Cálculo, Física, Química, entre outros; Promoção de cursos, palestras e workshops; Dinâmicas de grupo; Orientação sobre Bolsas de Estudos. Através de ações do PROE, logo no primeiro semestre do curso, o aluno passa por um processo de nivelamento na área de Língua Portuguesa, Matemática e Inglês. A intenção desse processo é procurar sanar qualquer tipo de defasagem trazida pelo aluno e que possa prejudicá-lo no decorrer dos semestres iniciais do seu curso, principalmente pela falta de conhecimentos conceituais e procedimentais básicos necessários. FMP. O PROE é responsável pelo NIAC Núcleo de Inclusão e Acessibilidade da O NIAC tem como objetivos: Propor e viabilizar uma educação superior inclusiva aos estudantes com deficiência física, visual, auditiva e mental por meio de eliminação de barreiras atitudinais, físicas, pedagógicas e de comunicação. A ideia é respeitar as diferenças, buscando recursos e tecnologias assistivas para acesso a todos os espaços ambientais, ações e processos educativos desenvolvidos pela Instituição; Propor e viabilizar soluções de acessibilidade em todas as dimensões aos colaboradores portadores de necessidades especiais Apoio Psicopedagógico O PROE aborda as questões pertinentes ao campo pedagógico, com referência direta aos processos de ensino-aprendizagem, rendimento escolar e didático, atuação e postura de professores e alunos na dinâmica do cotidiano acadêmico. As questões de cunho psicológico são atendidas na FMP pelo PROE, através de ações de aconselhamento, grupos operativos, espaços e, se for o caso, encaminhar para clínicas.

77 1.8.3 Programas de Monitoria e de Iniciação Científica P á g i n a 77 Além de promover a interação entre a comunidade acadêmica, os Programas de Iniciação Científica e de Monitoria da Faculdade tem por objetivo despertar no aluno o interesse pela carreira científica e pela docência. Atendendo à resolução do Conselho Pedagógico esses programas destinam bolsas de estudos a alunos que desenvolvem pesquisas de iniciação científica ou que realizam atividades de monitoria, sempre sob a orientação de docentes da instituição. O valor das bolsas chega a 20% da mensalidade escolar, e são oferecidas mais de 220 bolsas anualmente. Ao curso de Logística são destinadas duas bolsas de Iniciação Científica e duas de Monitoria Núcleo de Oportunidades O Núcleo de Oportunidades, criado em 2009 funciona em duas frentes - Mercado de Emprego/Trabalho e disponibilização de oportunidades para a prática do aluno, foco principal e prioridade da faculdade. O Núcleo de Oportunidades visa preparar os alunos para participar de processos de seleção e, consequentemente, o acesso a informação da disponibilidade de vagas no mercado, sendo parte desta frente responsabilidade da instituição com a busca das vagas e disponibilização das mesmas para alunos da Faculdade. Este procedimento é atualmente realizado por meio do Mural da Oportunidade e/ou por Acompanhamento dos egressos O acompanhamento dos egressos é entendido no âmbito institucional como ação que favorece a inserção dos profissionais no mercado de trabalho, estimula a formação continuada e alimenta os processos institucionais de avaliação da formação oferecida, reestruturação de currículos e do perfil dos cursos, diagnóstico de demandas e direcionamento do marketing. A Comissão Própria de Avaliação (CPA) juntamente com o PROE acolhem o

78 P á g i n a 78 cadastro de egressos da instituição para conhecimento de sua situação profissional, suas demandas por continuidade da formação e atualização, suas expectativas e necessidades; Vale ressaltar que os serviços de Apoio e Orientação ao acadêmico se estendem aos Egressos que podem contar, ainda, com a política institucional de estímulo à formação continuada, pela concessão de bolsas de estudos em cursos de extensão e pós-graduação, além da bolsa Segunda Graduação Visitas Técnicas As visitas técnicas são atividades de campo que permitem ao aluno observar as aplicações práticas dos conceitos estudados e são particularmente importantes para a motivação do alunado. O calendário de visitas técnicas é proposto no início do semestre e viabilizado junto à Direção do campus. As visitas são negociadas com os alunos no inicio do semestre, é pensado de modo que possibilite alunos dos diferentes semestres poderem participar juntos dessas visitas. Há ainda o incentivo para que o aluno participe de atividades que não ocorrem no âmbito e sob a coordenação da IES. Cursos de extensão ou mesmo disciplinas cursadas em outras instituições, participação em eventos científicos ou ainda, em atividades desenvolvidas pelas entidades profissionais, após exame e avaliação pela coordenação do curso, poderão ser aproveitados para a integralização do curso. Prevê-se também o possível aproveitamento do engajamento de alunos em projetos de pesquisa ou em projetos de extensão do corpo docente. Quando as atividades desenvolvidas forem compatíveis com as habilidades previstas no curso, tais atividades poderão ser aproveitadas para efeito de integralização do curso. Foram realizadas diversas visitas técnicas no curso, entre elas destacamos: Visita ao Aeroporto Internacional de Viracopos, Visita à Empresa FEMSA (Grupo Coca Cola). Condições institucionais Além de toda a infraestrutura física e tecnológica e da boa qualificação dos recursos humanos que viabilizam a realização das atividades de ensino, pesquisa e extensão, merecem destaque algumas das condições institucionais que participam mais diretamente da manutenção e do aprimoramento constantes da qualidade dessas

79 atividades: P á g i n a 79 Acervo atualizado das bibliotecas, com política de aquisição que contempla o atendimento dos projetos pedagógicos dos cursos e também a ampliação do acervo; Atualização e conservação dos equipamentos dos laboratórios; Áreas de convivência e áreas de estudo acolhedoras e em ótimo estado de conservação; Promoção de eventos acadêmicos, culturais e esportivos; Disponibilização de serviços de apoio: cantinas/restaurantes, e serviço de reprografia; Adequação das instalações viabilizando o acesso e a permanência de portadores de necessidades especiais (rampas, sanitários, corrimãos, bebedouros, vagas em estacionamento); Fortalecimento do serviço de ouvidoria - acolhendo as manifestações estudantis que chegam por essa via e dando os encaminhamentos pertinentes. 1.9 Ações decorrentes dos Processos de Avaliação do Curso Os cursos da Faculdade Max Planck, tendo em vista a manutenção e melhoria da qualidade do ensino oferecido, promovem um processo sistemático e periódico de avaliação e acompanhamento da efetivação de seus projetos pedagógicos bem como das atividades acadêmicas de ensino, pesquisa e extensão. Por meio de instrumentos informatizados, em cuja base está as dimensões do SINAES (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior), realiza-se o processo de autoavaliação do curso organizado nas seguintes áreas: docentes, discentes, funcionários, infraestrutura e relacionamento intra e interinstitucional. E seus resultados das avaliações são publicados periodicamente de acordo com o calendário aprovado pela Diretoria da Faculdade. Todo o processo de autoavaliação do curso é gerenciado e desenvolvido por uma Comissão Própria de Avaliação (CPA), constituída por membros designados pelo Diretor, constituindo parte integrante da Diretoria.

80 P á g i n a 80 Esse programa estrutura as condições para a efetivação do sistema de autoavaliação, envolvendo toda a comunidade acadêmica, num esforço de diagnosticar as possíveis falhas ou os pontos de qualidade dos aspectos pedagógicos, administrativos e de infraestrutura. A partir desse diagnóstico elabora-se um Plano de Melhorias para cada período letivo, considerando-se as ações para atender os quesitos que não atingiram o nível mínimo de satisfação do aluno (nota 3). O plano de melhoria é assumido como meta executiva pelos segmentos institucionais, considerando suas especificidades. Ao final de cada período de vigência do Plano avalia-se o alcance e efetivação de seus objetivos, comparando-o com o resultado da avaliação institucional subsequente, num processo constante de busca pela melhoria da qualidade dos serviços educacionais oferecidos, bem como os de qualificação institucional. A CPA desenvolve suas atividades com apoio operacional da Diretoria e a participação dos membros da comunidade acadêmica (alunos, professores e pessoal técnico-administrativo), dirigentes e egressos e busca manter estreita articulação com as Coordenações de Cursos. Sendo assim, cabe à CPA: Implantar e alimentar o banco de dados institucional, de forma a estabelecer os indicadores que serão utilizados no processo de autoavaliação; Analisar o PDI e sua adequação ao contexto da Instituição, no que se refere à: missão institucional, concepção dos cursos, currículos, além da factibilidade do que foi projetado em termos de crescimento quantitativo e qualitativo, considerando a evolução da unidade; Avaliar o processo de implantação proposto, o nível de cumprimento das metas estabelecidas, ano a ano, e as principais distorções; Analisar os resultados de processos avaliativos realizados pelo MEC, como os exames nacionais de curso, os dados dos questionários-pesquisa respondidos pelos alunos que se submeterem aos exames, os resultados das Avaliações das Condições de Ensino. O Exame Nacional do Ensino Superior (ENADE) é um instrumento que se soma ao processo de avaliação discente no sentido de acompanhar as aprendizagens dos alunos. Seu resultado é analisado pela CPA e norteia a eventual necessidade de alteração do processo de ensino-aprendizagem.

81 P á g i n a Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) no processo ensinoaprendizagem O Curso de Logística articula as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) por meio de três componentes: A instalação de ambientes tecnológicos (Laboratórios, impressoras, Internet sem fio, lousas digitais, etc.); A formação continuada dos professores e outros agentes educacionais para o uso pedagógico das tecnologias; A disponibilização de conteúdos e recursos educacionais multimídias digitais, soluções e sistemas, tais como: Portal sistema RM; Sistema Moodle para a disponibilização de material, chats e fórum eletrônico; Redes sociais (Facebook e Twitter); Blogs; Wordpress; Sistemas de telefonia; Softwares específicos relacionados ao aprendizado de conceitos empregados na Logística. A disponibilização de recursos educacionais destinados a alunos portadores de necessidades especiais como: Softwares (DOSVOX e NVDA); Scanner Book Reader V 200; Texto impresso e ampliado; Lente de aumento; Régua de leitura.

82 P á g i n a Procedimentos de Avaliação dos Processos de Ensino-Aprendizagem O rendimento acadêmico é avaliado por meio de acompanhamento contínuo do aluno e dos resultados por ele obtidos nas atividades acadêmicas ao longo dos períodos letivos. Os critérios para verificação do rendimento acadêmico em estágio supervisionado, prática de ensino, trabalho de curso, monografia e demais atividades com características especiais constam de regulamentos específicos. As atividades acadêmicas para fins de avaliação progressiva do rendimento acadêmico poderão constituir-se como provas parciais escritas, trabalhos de pesquisa, exercícios, arguições, relatórios de aulas práticas e visitas, seminários, viagens de estudo e outras formas de verificação previstas no Plano de Ensino da disciplina. As avaliações aplicadas aos portadores de necessidades especiais respeitam a especificidade do aluno, adequando essa prática pedagógica às instruções encaminhadas pelo Núcleo de Inclusão e Acessibilidade NIAC. Critérios de verificação do rendimento acadêmico: Durante o período letivo, para as disciplinas semestrais, há duas avaliações oficiais para a verificação do aprendizado: 1º Bimestre N1 e 2º Bimestre N2. A cada verificação, é atribuída uma nota, expressa em grau numérico de zero a dez (0 a 10), admitindo-se apenas uma casa decimal. A média final é obtida através da média aritmética simples das notas obtidas nas etapas N1 e N2. Somente na média final é realizado, automaticamente, o arredondamento da nota, utilizando-se o critério universal. O aluno que não obtiver aprovação direta ou que queira melhorar sua média em disciplina específica poderá realizar a prova substitutiva. Há uma única prova substitutiva para cada disciplina, por semestre. Ela é realizada ao final do período letivo, com conteúdo cumulativo, e deve ser requerida pelo aluno, em prazo definido pela instituição. A nota obtida nessa prova substituirá, obrigatoriamente, a menor nota obtida durante o semestre (N1 ou N2), mesmo que a nota da substitutiva seja menor que a menor nota entre N1 e N2. Considera-se aprovado na disciplina o aluno que tenha média final igual ou maior que 6,0 (seis inteiros) e frequência igual ou maior que 75% (setenta e cinco por cento) do total da carga horária da disciplina prevista na matriz curricular.

83 Avaliação integrativa: P á g i n a 83 A Avaliação Integrativa é um instrumento de integração horizontal e vertical que busca desenvolver no aluno o conhecimento amplo e não apenas específico, posto que os alunos devem relacionar os conteúdos ministrados nas disciplinas para poder resolver os questionamentos elaborados pelos docentes do curso. Após a aplicação da avaliação, os professores trabalham com os alunos as deficiências e os pontos positivos detectados pela prova, fato que consideramos vital para o processo de ensino-aprendizagem efetivo o feedback. Trata-se de uma avaliação que contempla todas as disciplinas do semestre vigente. Acontecem duas avaliações durante o semestre, sendo uma de Conhecimentos Gerais e a outras de Conhecimentos Específicos. A organização da prova depende do comprometimento do professor, assim pede-se para que todos os prazos e diretrizes sejam cumpridas. Cabe salientar que esta atividade de Avaliação Integrativa está regulamentada pela Instituição e deverá ser orientada pelo coordenador do curso. Atividades de recuperação de ensino: A todo discente é assegurada a realização de atividades de recuperação de ensino em uma perspectiva contínua e diagnóstica. Essas atividades de recuperação devem ser oferecidas ao longo do semestre, conforme o respectivo plano de ensino. Reserva-se ao docente o direito de definir quais as atividades de recuperação que serão adotadas, bem como o tempo previsto para a execução das mesmas. São consideradas atividades de recuperação de ensino: I. Listas de exercícios; II. III. IV. Estudos de caso; Grupos de estudos; Atendimento individualizado; V. Oficinas de aprendizagem; VI. VII. Atividades de monitoria; Avaliações.

84 P á g i n a 84 Além disso, o PROE disponibiliza, por solicitação do Coordenador ou de alunos, programas de recuperação de aprendizagem Número de Vagas O curso possui 80 vagas totais anuais, no turno noturno Integralização Curricular Mínimo: 04 semestres Máximo: 08 semestres. 2. Corpo Docente 2.1 Atuação do Núcleo Docente Estruturante NDE O Núcleo Docente Estruturante (NDE) é o conjunto de professores, composto por pelo menos cinco docentes do curso, de elevada formação e titulação, contratados em tempo integral ou parcial, que respondem mais diretamente pela concepção, implementação e consolidação do PPC (Resolução CONAES 1/2010). É formado pelo Coordenador do Curso juntamente com quatro docentes altamente qualificados e engajados na construção dos projetos pedagógicos e que ministram aulas desde o início do curso. Sua função é a de analisar as novas propostas pedagógicas, envolver a comunidade acadêmica com atividades que propicie a convivência entre os seus membros; garantir qualidade no processo de formação do aluno, a fim de oferecer à sociedade um egresso capacitado e apto a atuar nos setores nos quais forem inseridos, entre outras. Para que a missão do NDE seja cumprida em sua plenitude, os professores deste núcleo possuem horas acadêmicas, além das horas de aula, para que possam dedicar-se na condução do projeto pedagógico do curso.

85 P á g i n a 85 No Curso de Logística o NDE possui titulação obtida em programas de pósgraduação lato sensu e stricto sensu reconhecidos pela CAPES/MEC, sendo que deste percentual 40% são doutores. A composição está sendo apresentada no Quadro 4. Quadro 4 - Composição do NDE do Curso de Logística. Indaiatuba, Nome do Professor COMPOSIÇÃO DO NDE Titulação Formação Acadêmica Regime de Trabalho Edevaldo A. Vosgrau Junior Especialista Administração Tempo Parcial Thales C. B. Lima Doutor Engenheiro Elétrico Tempo Parcial Robson A. Paniago Mestre Administração Tempo Parcial José R. Saccomani Mestre Economia Tempo Parcial Vania Ribeiro Grillo Especialista Publicidade de Propaganda Tempo Integral 2.1 Atuação do Coordenador A coordenação do Curso de Logística encontra-se, desde julho de 2013, sob a orientação do Administrador, Prof. Especialista Edevaldo Antonio Vosgrau Junior, formado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCC), em O modelo de gestão adotado na coordenação de curso é participativo e visa incentivar a cooperação de professores e alunos na efetivação do Projeto Pedagógico do Curso, procurando aumentar progressivamente o interesse de todos pelas questões pedagógicas, no intuito de envolvê-los cada vez mais no processo de consolidação do curso, com qualidade reconhecida. Como representante do Curso, a coordenação tem a obrigação de participar das reuniões de colegiados e de representante de classe que, na Faculdade Max Planck, acontecem regularmente a cada bimestre. Também, deve atender aos alunos e professores

86 P á g i n a 86 sempre que haja uma solicitação. A disponibilidade do Coordenador de Curso da Faculdade Max Planck abrange sua atuação no horário de funcionamento do curso e também sempre que houver a necessidade de representatividade em eventos diversos, reuniões com entidades de classe e associações vinculadas ao curso. Nome: Edevaldo Antonio Vosgrau Junior Titulação: a) Especialista: Curso: Gestão Empresarial IES: Faculdade Politécnica de Campinas (POLICAMP) Ano de Conclusão: 2009 b) Graduação: Curso: Administração de Empresas com Habilitação em Logística e Serviços. IES: Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCC) Ano de Conclusão: Experiência Profissional, de Magistério Superior e de Gestão Acadêmica do Coordenador Experiência Profissional: Minhas atividades profissionais sempre estiveram, desde 1984, relacionadas diretamente a processos produtivos e a processos de suporte à produção, passando deste a coordenação de células produtivas, coordenação de equipes de PCP, atividades de staf para tomada de decisões gerenciais, planejamento e suprimento de materiais destinados à produção. Nos últimos 10 anos tenho trabalho na coordenação e implementação de projetos logísticos corporativos para a Robert Bosch Latin America (RBLA), dentre os quais posso destacar o desenvolvimento e implementação do Portal Bosch de Comunicação com Fornecedores Nacionais e também o desenvolvimento e implementação do Sistema Kanban eletrônico (e-kanban). Atualmente faço parte da equipe de coordenadores de um projeto que busca automatizar os processos logísticos inbound através dos benefícios existentes com a automação da Nota Fiscal Eletrônica (NFe). Estou coordenando outro projeto que busca automatizar a comunicação eletrônica com os fornecedores internacionais da RBLA o envio da demanda Bosch e recebimento da confirmação do embarque da mercadoria solicitada, através do sistema EDI Clássico e/ou através do sistema WebEDI-SupplyOn.

87 P á g i n a 87 Além das atividades relacionadas à coordenação de projetos, participo da elaboração dos documentos denominados memoriais descritivos de serviços logísticos (MDSL), que são utilizados em concorrências para prestadores de serviços logísticos (LSPs). Formação Acadêmica: - Mestrado em Engenharia Mecânica (Stricto Sensu) Universidade de Campinas (UNICAMP) em andamento com todos os créditos disciplinares concluídos e na fase de elaboração da dissertação Orientador: Prof. Dr. Antonio Batocchio. - Pós-Graduação em Gestão Empresarial (Latto Sensu) Faculdade Politécnica de Campinas (POLICAMP) concluído em Graduação em Administração com Habilitação em Logística e Serviços - Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP) concluído em Resumo da minha experiência como Docente: Instituição Atual: Faculdade Max Planck (Indaiatuba/SP). Admissão: 15/07/2013. Função: - Coordenador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Logística e Tecnologia em Comércio Exterior (janeiro/2014 até o momento). - Coordenador dos Cursos Superiores Administração, de Tecnologia em Logística e Tecnologia em Comércio Exterior (julho/2013 a janeiro/2014). - Docente do Curso Superior de Tecnologia em Logística para a disciplina Pesquisa Operacional. - Docente do Curso Superior de Tecnologia em Logística para a disciplina Fundamentos da Logística. Instituição Atual: Faculdade de Jaguariúna (Jaguariúna/SP). Admissão: 01/08/2013. Função:

88 P á g i n a 88 - Docente do Curso Superior de Tecnologia em Logística para a disciplina Pesquisa Operacional. - Docente do Curso Superior de Tecnologia em Logística para a disciplina Modais de Transporte e Intermodalidade. Instituição Anterior: Faculdade Politécnica de Campinas - POLICAMP. Período: 01/08/2007 a 28/06/2013. Tempo na função: 6 anos. Função: - Docente dos Cursos Superiores de Tecnologia em Logística, Administração, Tecnologia em Recursos Humanos e MBA em Gestão Empresarial. Informações complementares: De agosto/2007 até junho/2013 atuei como Docente na Faculdade Politécnica de Campinas (POLICAMP) nos cursos seguintes cursos: Curso Superior de Tecnologia em Logística, Curso Superior de Administração, Curso Superior de Tecnologia em Recursos Humanos e Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empresarial. Disciplinas ministradas para o Curso Superior de Tecnologia em Logística (POLICAMP): - Fundamentos da Logística; - Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais; - Pesquisa Operacional; - Indicadores de Performance Logística; - Gestão de Custos Logísticos; - Serviços Logísticos; - Modais de Transporte e Intermodalidade.

89 - Automação Aplicada à Logística; P á g i n a 89 - Gestão da Cadeia de Suprimentos; - Distribuição Física e Transportes. Disciplinas ministradas para o Curso de Administração (POLICAMP): - Administração da Produção; - Logística Empresarial. Disciplinas ministradas para o Curso de Recursos Humanos (POLICAMP): - Pesquisa Organizacional. Disciplinas ministradas para o Curso MBA em Gestão Empresarial (Lato Sensu): - Gestão da Cadeia de Suprimentos; - Gestão em Projetos; - Gestão da Qualidade; - Tópicos Especiais em Logística. Atividades Extra-Curriculares: - Participação efetiva para o reconhecimento do Curso de Tecnologia em Logística junto ao MEC onde o curso obteve Nota 4; - Organização e acompanhamento de visitas técnicas; - Organização da semana de estudos dirigidos; - Responsável pela criação, desenvolvimento, estruturação, implementação e coordenação da Mostra de Maquetes Logísticas da POLICAMP, executada pelos alunos do 1º Semestre do Curso de Logística, que no primeiro semestre de 2013 teve a sua 3ª Edição; - Responsável pela criação, estruturação, implementação e coordenação do Laboratório de Logística da POLICAMP onde os alunos são levados ao exercício prático de vários processos logísticos, inclusive com a utilização de softwares;

90 P á g i n a 90 - Responsável pelo desenvolvimento, adaptação, estruturação e implementação da dinâmica chamada Fábrica de Carrinhos utilizada pelos alunos dos cursos de Logística, Comércio Exterior, Administração e Engenharias; - Organização de atividades com foco social, mais recentemente a Campanha Doe um Sonho para a arrecadação de brinquedos a serem posteriormente doados a uma instituição de atendimento a crianças menores e carentes. - Participação efetiva na preparação dos alunos do curso de Logística para a prova do ENADE 2012; - Prof. orientador junto aos alunos para o Trabalho de Integração Profissional. 2.3 Regime de Trabalho do Coordenador do Curso O regime de trabalho da coordenadora do curso é parcial (20 horas), contemplando aulas ministradas no curso, atendimento ao discente, planejamento pedagógico e reuniões com a direção, colegiado, núcleo docente estruturante e representantes de turmas. 2.4 Titulação do Corpo Docente do Curso As ações de valorização e capacitação continuada dos recursos humanos e de promoção de condições adequadas de trabalho são entendidas, pela Faculdade Max Planck como mecanismos de garantia da qualidade dos serviços e do estímulo à permanência. O perfil do corpo docente e o perfil do corpo técnico-administrativo constantes do PDI orientam desde a contratação de pessoal até a implementação de ações de capacitação e formação continuada, seja pela promoção de atividades e institucionalização de ações com essa finalidade, seja pelo incentivo e apoio, viabilizando a participação do pessoal docente e técnico-administrativo em atividades de formação e aperfeiçoamento. Além de atender ao disposto no PDI, o quadro de docentes permite o pleno desenvolvimento dos cursos e programas oferecidos pela instituição.

91 P á g i n a 91 Por formação, o corpo docente do curso de Logística da FMP é composto por 15 docentes, sendo seis especialistas (45%), seis mestres (40%) e três doutores (20%). O corpo docente atual, constituído por 60% de professores com pós-graduação stricto sensu. Além de atender ao disposto no PDI, o quadro de docentes permite o pleno desenvolvimento dos cursos e programas oferecidos pela instituição. PPC. Os dados sobre o corpo docente do curso serão apresentados no tópico 2.8 deste 2.5 Titulação do Corpo Docente do Curso Percentual de Doutores O corpo docente atual é constituído por dois doutores (13,3%) do total de 15 docentes do curso de Logística. A titulação e a respectiva proporção estão apresentadas na tabela a seguir. TITULAÇÃO DO CORPO DOCENTE Titulação Total Percentual Doutorado 02 13,3% Mestre 06 40,0% Especialistas 07 40,7% TOTAL Regime de Trabalho do Corpo Docente do Curso O Corpo Docente de Logística possui o seguinte regime de trabalho: 6,7% são contratados em regime de tempo integral, 60,0% em regime de tempo parcial e 33,3% em regime horista. O regime de trabalho e a respectiva proporção estão apresentados na tabela a seguir. REGIME DE TRABALHO DO CORPO DOCENTE Regime Total Percentual Tempo Integral 1 6,7% Tempo Parcial 9 60,0% Horista 5 33,3% TOTAL ,0

92 P á g i n a Experiência Profissional do Corpo Docente Com relação à experiência profissional, 100,0% dos docentes do curso contam com mais de três anos de experiência profissional fora do magistério em sua área de formação. Percentual de experiência profissional do corpo docente. Nº de Docentes do Curso Nº de Docentes com mais de 3 % anos de experiência profissional ,0 2.8 Experiência de Magistério Superior do Corpo Docente Com relação à experiência no Magistério Superior, 93,3% dos docentes do curso contam com pelo mais de três anos de experiência no magistério superior. Nome Exp. Magistério Exp. Profissional CORPO DOCENTE Titulação Regime de Trabalho Carlos Andrade Beraldo 5 2 Especialista Horista o Direito e Legislação. o Gestão Empreendedora. Cristiane Melissa Betine Mazetto Edevaldo Antonio Vosgrau Junior Disciplinas Ministradas N produção docente* 3 14 Especialista Parcial o Comunicação Empresarial. o Indicadores de Desempenho Logístico. o Modais de Transporte e Intermodalidade. o Gestão da Cadeia de Suprimentos. o Gestão de Custos Logísticos Especialista Parcial o Fundamentos da Logística. o Pesquisa Operacional. o Integração Profissional I. Luciane Orlando Raffa 14 8 Doutora Horista o Integração Profissional III. 8 Eloy Strobel Filho Mestre Horista o Administração de Materiais. 0 José Roberto Saccomani Mestre Parcial o Economia e Mercado. o Ética, Responsabilidade Social e Meio Ambiente. Joyce Fabíola Tavares R. de Oliveira. 4 9 Especialista Horista o Custos e Formação de Preços. o Gestão da Qualidade. Robson Assis Paniago Mestre Parcial o Gestão de Projetos Logísticos. 143 o Optativa. Rogério Antonio Alves 12 0 Mestre Parcial o Administração da Produção 0 Rogério Prado Colferai Mestre Horista o Tecnologia e Gestão da Informação o Marketing e Gestão da Informação

93 P á g i n a 93 Sheila Salles Mendes 8 0 Mestre Parcial o Matemática e Estatística 0 Thales Borges Coelho 19 8 Doutor Parcial o Integração Profissional II 0 Vania Ribeiro Grillo 5 13 Especialista Integral o Estratégia de Vendas e Negociação o Processos de Compra e Venda Vitor Augusto Fonseca 5 1 Especialista Parcial o Distribuição Física e Transporte. o Serviços Logísticos. 0 0 Wilson Luiz Ferrareto Especialista Parcial o Processos Gerenciais 0 Percentual de publicação do corpo docente. Nº de Docentes do Curso Nº de Docentes com mais de 3 % publicações (3 anos) ,3 Apoio ao Docente O Programa de Formação Continuada para Docentes (FOCO) tem por objetivo a capacitação do corpo docente visando o desenvolvimento e a atualização das práticas pedagógicas. Este programa tem agenda semestral a partir das demandas internas, com aulas geralmente aos sábados, e usualmente um dia por mês, quando professores convidados ministram conteúdos relacionados à prática docente, tais como dinâmicas de grupo para sala de aula, métodos de avaliação do aprendizado, relação professor-aluno, programas de capacitação docente, entre outros. A Faculdade oferece ainda: Cursos de Graduação e Pós-graduação; Apoio Psicológico; Benefícios como: Plano de Saúde, auxílio combustível e pedágio, auxílio à participação de eventos, etc. A política de qualificação docente da Instituição está centrada no Programa Institucional de Capacitação Docente, denominado PICD, que proporciona aos inscritos em programas de pós-graduação, o oferecimento de bolsas-auxílio, como forma de incentivo ao

94 P á g i n a 94 docente, para que seus estudos tenham continuidade, buscando seu aperfeiçoamento acadêmico. O Programa propicia, também, o aperfeiçoamento e capacitação didáticopedagógico de seus docentes, através de um treinamento contínuo com especialistas da área de educação, visando o aprimoramento das metodologias usadas, além de trazer para o debate as novas tendências da área do ensino-aprendizagem, e propicia também uma ajuda de custo para participação em congressos ou eventos científicos, tecnológicos ou culturais. 2.9 Funcionamento do Colegiado de Curso ou equivalente De acordo com o artigo 31, capítulo VI do Regimento da IES, temos: Art.31. O Colegiado de Curso é a menor fração da estrutura da Faculdade para todos os efeitos da organização administrativa. 1º O Colegiado de Curso é constituído de todos os docentes de um curso de graduação e um representante discente, para efeito de realização do planejamento didático-pedagógico, planos de ensino e aprendizagem e de avaliação do desempenho dos respectivos cursos e de seus agentes. 2º O curso, que compreende um conjunto de disciplinas que constam do seu currículo pleno e seu projeto pedagógico de formação profissional, terá um Coordenador, que deve justificar-se pela natureza e amplitude do campo de conhecimento abrangido e pelos recursos materiais e humanos necessários ao seu funcionamento. 3º O Coordenador pode agregar e coordenar vários cursos, em função de suas afinidades ou características gerais de organização, de acordo com a aprovação da Diretoria Geral. Art.32. O Colegiado de Curso reunir-se-á, para suas funções, ordinariamente duas vezes por ano, cuja convocação será feita pelo Diretor da Faculdade, por escrito, com antecedência mínima de 08 (oito) dias, com ordem do dia indicada.... Art.36. São competências do Colegiado de Curso: I - elaborar, pelos seus docentes, os planos de ensino, cronogramas de aulas e atividades, programas, bibliografia e ementas de cada disciplina, conforme as exigências do projeto

95 P á g i n a 95 pedagógico do curso, antes do início do período letivo, com a devida atualização, para aprovação do Conselho Pedagógico; II - sugerir medidas para aperfeiçoar o perfil profissional de cada curso, em função de suas características profissionais e sociais; III - planejar a distribuição equitativa, ao longo do período letivo, dos trabalhos escolares a serem exigidos dos alunos, nas várias disciplinas do Curso, de acordo com o Calendário Escolar; IV - sugerir e propor para o Coordenador do Curso, cursos extraordinários, seminários ou conferências julgadas necessárias ou úteis à formação profissional dos alunos; V - indicar ao seu Coordenador, bibliografia específica necessária aos planos de ensino, em tempo hábil para constar do plano orçamentário; VI - promover o entrosamento das matérias e/ou disciplinas de sua área com as demais, propiciando o bom andamento dos conteúdos programáticos; VII - zelar pela execução das atividades e dos planos de ensino das disciplinas que o integram; VIII - propor medidas para o aperfeiçoamento do ensino, da pesquisa e da extensão, bem como do próprio pessoal docente; IX - exercer as demais funções previstas neste Regimento ou que lhe sejam delegadas Produção Científica Na IES são realizados diversos programas de incentivo a Produção Científica, tanto para docentes quanto discentes. O FOCO é um grupo interno de Formação Continuada de Docentes da FMP que desenvolve estudos relacionados à potencialização do processo ensino-aprendizagem. Os cursos são oferecidos de maneira continua e de forma gratuita aos professores, com os seguintes objetivos: Propiciar bases teórico-metodológicas para o exercício da docência no ensino superior, articuladas à produção do conhecimento, que se desenvolve através da relação pesquisa científica/prática docente;

96 P á g i n a 96 Fornecer uma atualização das questões educacionais de modo articulado com a experiência já consolidada no exercício da docência no ensino superior; Auxiliar o planejamento da atividade docente em diferentes áreas do currículo, adequando-a às necessidades do aluno. A FMP oferece ainda o Programa de Pós Graduação nas mais diversas áreas do conhecimento. As atividades são organizadas por docentes e pesquisadores das faculdades e também por palestrantes convidados, sempre com a perspectiva de aliar a teoria à prática, buscando atualizar o conhecimento que é imprescindível para o sucesso profissional, propiciar diferencial aos alunos no mercado de trabalho, assim como desenvolver o network. Nesse contexto, os cursos oferecidos pela IES estão direcionados tanto às expectativas de aprimoramento acadêmico como profissional e têm como objetivo atualizar e qualificar profissionais para atuarem no mercado de trabalho em sintonia com os avanços científicos e tecnológicos. A FMP possui o Programa de Iniciação Cientifica (PIC) que é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação, potencialmente mais promissores, na pesquisa cientifica. É a possibilidade de colocar o aluno desde cedo em contato direto com a atividade científica e engajá-lo na pesquisa. Nesta perspectiva, a iniciação científica caracteriza-se como instrumento de apoio teórico e metodológico à realização de um projeto de pesquisa e constitui um canal adequado de auxílio para a formação de uma nova mentalidade no aluno. Em síntese, a iniciação científica pode ser definida como instrumento de formação. A IES proporciona e incentiva a participação de docentes e discentes no Encontro de Iniciação Científica (ENIC) que se constitui em um espaço privilegiado para apresentação e discussão de saberes nas diversas áreas do conhecimento afins com os cursos de graduação e pós-graduação das diversas faculdades integrantes do Grupo Polis Educacional: Faculdade Max Planck e Faculdade de Jaguariúna FAJ Ainda neste âmbito é incentivada a partição dos docentes e discentes no Congresso Nacional de Iniciação Científica (CONIC) que é o que tem por objetivo identificar talentos e estimular a transformação de ideias em realidades, promovendo o interesse pela pesquisa nos campos da Ciência e da Tecnologia. A média da produção docente está apresentada na tabela a seguir

97 P á g i n a 97 N de docentes Produção Docente (Período 2010 a 2013) Número total de publicação nos últimos 3 anos Média de produção docente nos três últimos anos = 10,13 publicações por docente nos três últimos anos 3. Infraestrutura 3.1 Gabinete de Trabalho para Professores Tempo Integral (TI) Os integrantes do NDE e os docentes em tempo integral e parcial possuem salas específicas com computadores com acesso a internet, ramal telefônico, acesso a rede sem fio e apoio técnico-administrativo. 3.2 Espaço de Trabalho para Coordenação do Curso e Serviços Acadêmicos A coordenação do curso está instalada em uma sala de 70,0 m 2, com computador com acesso a internet e acesso a rede sem fio, mesa, telefone, armário para a guarda de documento e demais acessórios pertinentes à sua atividade. Tem também apoio técnicoadministrativo. 3.3 Sala de Professores A IES possui uma sala de professores, equipadas com computadores com acesso a internet e também com rede sem fio. A sala dispõe de cadeiras e mesas para que o trabalho do docente tenha a comodidade necessária às atividades desenvolvidas. É disponibilizada ainda uma sala de reuniões, ampla e arejada para as atividades a que se propõem cujo uso

98 P á g i n a 98 depende de agendamento prévio. Todas as salas são adequadamente iluminadas, ventiladas e com as dimensões necessárias ao bom desenvolvimento das atividades do curso. 3.4 Salas de Aula As salas de aula estão equipadas com carteiras em excelente estado de conservação e cadeiras estofadas. Possuem isolamento de iluminação externa, projetor fixo no teto, quadro branco, tomadas para a instalação de equipamentos didático-pedagógicos (TV, DVD, caixa de som, entre outros). Possuem ventiladores e iluminação com lâmpadas fluorescentes em quantidade adequada para garantir o conforto dos alunos Acessibilidade a portadores com deficiência As ações voltadas à Educação Inclusiva convergem com os registros legais do MEC, sobretudo com o que preconiza o Decreto-Lei 5296 de 2 de Dezembro de A instituição compreende que a permanência dos acadêmicos com necessidades especiais depende de fatores relacionados a concepções pessoais e institucionais, de caráter social, cultural e pedagógico, que oportunizem matrícula, permanência e conclusão dos cursos da FMP. A Política Institucional de Educação Inclusiva, atenta para a importância de ações sociais direcionadas a esta demanda, apresenta de planos de acessibilidade que vão além das barreiras arquitetônicas. Tais políticas facilitam o acesso, através da utilização de materiais adaptados, específicos para cada necessidade especial dos acadêmicos, como as adaptações específicas para acadêmicos com deficiência física, visual e auditiva. Essas adaptações devem atender as necessidades dos acadêmicos de forma gradativa, acompanhando o avançado crescimento de matrículas. Portanto, adota-se a disponibilização de apoio pedagógico, com equipe especializada nas adaptações de materiais e suporte pedagógico; a formação continuada para supervisores de disciplina, professores-tutores internos e externos, articuladores e coordenação de cursos e atendimento psicopedagógico através do PROE.

99 P á g i n a 99 A instituição compreende o processo de implementação de uma Política de Educação Inclusiva como ação em constante desenvolvimento, pois depende de fatores imprescindíveis como as inovações tecnológicas para o avanço nas melhorias no atendimento e na garantia de acessibilidade a todos os acadêmicos. É necessário quebrar barreiras arquitetônicas e atitudinais, haja vista que nossos acadêmicos estão matriculados e lutando pelo direito de permanência no ensino superior, afinal não basta garantir a matrícula: inclusão implica garantir a permanência e garanti-la com qualidade, respeitando e valorizando a diversidade. A seguir, apresentam-se as principais ações para a inclusão de acadêmicos com necessidades especiais no Núcleo de Inclusão e Acessibilidade - NIAC da Faculdade Max Planck: - Formação continuada sobre educação inclusiva para professores-tutores internos e externos, supervisores de disciplina, coordenadores, articuladores e intérprete educacional (Parceria com o PROE Programa FOCO), - GT de educação inclusiva (discussões, estudos e pesquisa sobre inclusão e acessibilidade); - Adaptação de materiais para acadêmicos cegos e com baixa-visão; - Adaptação de provas para acadêmicos cegos; - Contratação de intérprete educacional para acompanhamento nas atividades presenciais e no estágio do acadêmico surdo, bem como de acadêmicos com necessidades especiais; - Acompanhamento e orientação de acadêmicos com necessidades especiais, através do serviço de Atendimento Educacional Especializado (AEE); - Implantação na Biblioteca de uma sala de estudos equipada e preparada para acadêmicos com necessidades especiais. - Formação para professores-tutores internos, supervisores de disciplinas, articuladores e coordenadores sobre as especificidades semânticas da escrita do acadêmico surdo, garantindo flexibilidade na correção de provas. O Curso de Logística entende que não é possível padronizar as práticas pedagógicas a partir de um aluno ideal e preocupado com a formação de um novo modo de

100 P á g i n a 100 ser professor trabalha incansavelmente buscando a adoção de novos encaminhamentos avaliativos, estratégias metodológicas, interface com profissionais da saúde, parceria com a família, dentre outros. Projeto MASSUr Mobilidade e Acessibilidade Sustentáveis em Saúde Urbana O Projeto MASSUr visa o desenvolvimento de pesquisas na área de Mobilidade e Acessibilidade Sustentáveis com foco na Saúde Urbana. Foi implementado a partir de Maio 2011 e terá duração de 3 anos, tendo término previsto para Maio de O projeto abrangerá pesquisas sobre transporte em duas cidades membros da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis, Conchal e Santa Bárbara do Oeste. Este projeto tem como intenção criar uma parceria entre instituições educacionais, comunidade, setor privado e administração municipal na busca do desenvolvimento de estudos na área de mobilidade e acessibilidade sustentável. O projeto MASSUr conta ainda com a parceria da Universidade de Michigan, que desenvolve o projeto SMART, exemplo norteador ao projeto MASSUr. Objetivos do Projeto - Colaborar com o processo de desenvolvimento de políticas públicas saudáveis, através do projeto MASSUr proporcionando ensino, pesquisa e extensão nas regiões onde a pesquisa será realizada. - Definir campos de pesquisa e realização de levantamento sócio-demográfico das cidades envolvidas na pesquisa; - Identificar através de pesquisa bibliográfica idéias inovadoras na área de transporte que estão sendo desenvolvidas ou implementadas no território nacional; - Desenvolver uma ferramenta de avaliação que permite identificar as necessidades relacionadas com a mobilidade e a acessibilidade das cidades envolvidas no projeto;- Mapear os pontos de acesso nos municípios participantes;

101 P á g i n a Realizar mapeamento do sistema existente (sobreposição modalidades, serviços, infraestrutura e conveniências); - Identificar e desenvolver um piloto da rede integrada; - Mobilizar e conscientizar os alunos sobre o tema da mobilidade sustentável e de acessibilidade; - Criar impacto no contexto nacional na área do transporte. 3.5 Acesso dos Alunos a Equipamentos de Informática Os Laboratórios da Faculdade são utilizados para aulas práticas, ministradas pelo professor da disciplina, com apoio operacional de um funcionário do núcleo de informática ou de um monitor. Estas aulas são semanais, contidas no horário dos cursos e estão relacionadas com os conteúdos práticos/teóricos dos mesmos. Os usuários também podem utilizar os laboratórios fora de seus horários normais de aula, desde que os mesmos não estejam sendo utilizados para aulas. Os laboratórios estão disponíveis para que os alunos desenvolvam suas habilidades, realizem seus trabalhos acadêmicos e façam pesquisas e atividades complementares. Os equipamentos e a rede da Faculdade são atualizados de acordo com as necessidades tecnológicas existentes. A Faculdade mantém em seu orçamento um percentual mensal da receita para ser gasto com equipamentos e investimentos em laboratórios. Em casos especiais, quando da necessidade de verba extra, a Diretoria se reúne e o percentual pode ser aumentado. A maior parte das atualizações tecnológicas feitas nos laboratórios partem de solicitações feitas pelo diretor e coordenadores de cada área à Diretoria Administrativa, que toma ciência e coloca no plano orçamentário para ser executado. A instituição tem como objetivo a atualização de seus laboratórios fazendo a troca dos equipamentos dos mesmos a cada três anos ou quando se fizer necessário. Neste caso, a instituição se responsabilizará pela montagem de laboratórios específicos para as disciplinas que os necessitarem, sempre atendendo as sugestões do Diretor da Faculdade e seus coordenadores. Todos os setores e departamentos da Faculdade são munidos de equipamentos informatizados e ligados em rede a fim de proporcionar que as informações acadêmicas e

102 P á g i n a 102 administrativas trafeguem de forma rápida e eficiente. A Instituição utiliza a solução ERP RM da TOTVS que consiste em uma plataforma completa de produtos e serviços para ampliar a capacidade competitiva, otimizar processos, reduzir custos, aumentar a captação de alunos e manter uma excelente qualidade de ensino. Permite atuar de forma integrada o módulo de Gestão Acadêmica como ERP BackOffice. A Gestão Acadêmica é constituída por diversas rotinas, a saber: processo seletivo, matrículas e rematrículas, notas e faltas, requerimentos, requerimentos on-line, horários de aula, histórico escolar, entre outros, a fim de gerenciar informações de maneira rápida e eficiente. É um sistema que pode ser operado por qualquer tipo de usuário, não necessitando de pessoal com formação em processamento de dados. A ferramenta de BI contem paineis de gestão totalmente personalizados que permitem uma visão clara dos principais indicadores da Instituição, apoiando a tomada de decisões. Além do sistema de ERP RM integrado, tem-se o Portal da Instituição, Serviços de suporte on-line, Ferramenta de ensino à distância Moodle integrada ao RM e Avaliação Institucional. A estrutura do fluxo de controle acadêmico da Faculdade pode ser descrita considerando o seguinte: Os alunos ingressam na Faculdade através de processo seletivo, que tem o objetivo de classificar os concorrentes dentro do número de vagas oferecidas por curso e turno, conforme o edital que prevê prazos de inscrição, critérios de classificação, esclarece sobre a documentação exigida e apresenta demais informações. Este edital é aprovado e publicado pela Diretoria Acadêmica da Faculdade. Após o ingresso os alunos formalizam seu vínculo com a instituição através da matrícula efetuada na Secretaria da Faculdade. O Controle acadêmico RM funciona da seguinte maneira: O Sistema permite que alunos, professores, coordenadores e diretores consultem de forma on line a base de dados do sistema, via terminal de consulta ou via internet. O banco de dados deste sistema é alimentado pelo setor de Controle Acadêmico e os outros setores utilizam as informações para consultar a situação acadêmica dos alunos, além das diversas informações sobre o corpo docente de cada curso oferecido.

103 P á g i n a 103 O sistema pode ser utilizado também para a consulta e operacionalização de planos de estudos já que armazena todas as informações referentes às matrizes curriculares dos cursos e disciplinas já cursadas pelos alunos. O acesso aos recursos e equipamentos é permitido aos discentes e aos docentes através dos laboratórios de informática. A utilização dos canhões de multimídia e o retroprojetor acontecem de acordo com o planejamento via apoio pedagógico setor criado também para auxiliar na organização prévia da utilização dos equipamentos e na locomoção dos aparelhos dentro da Faculdade. A IES também conta com outros equipamentos, tais como lousa digital, DVD, TV, conforme descrição constante no Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da IES. Cada setor e cada funcionário possuem uma conta de utilizada tanto para contatos externos (Internet) como internos (Intranet). O acesso a Internet é liberado a todos os funcionários e alunos desde que para uso administrativo ou acadêmico. O controle de acesso é realizado pelo núcleo de informática da FMP. 3.6 Política de aquisição de livros da Bibliografia Básica e Complementar A Política de formação do Acervo Bibliográfico da Faculdade procura atender sua missão institucional, disponibilizando os meios necessários para que os estudantes possam desenvolver seus projetos de vida como cidadãos conscientes dos seus direitos, deveres e responsabilidades sociais. Assim, possui um acervo de qualidade, constantemente atualizado e formado por obras e fontes das mais diversas, que se constitui em ferramenta indispensável para subsidiar a formação dos alunos tanto nos aspectos educacional, como cultural. Processo de Aquisição A atualização do acervo é feita por meio de um trabalho conjunto com os coordenadores de cursos, professores e bibliotecária da unidade. Os Planos de Ensino das disciplinas são o ponto de referência para a atualização. Por meio de trabalho articulado detectam-se os títulos que são objetos de maior demanda e que necessitam de compra.

104 P á g i n a 104 Este trabalho é feito no início de cada semestre, sendo elaborada uma lista de solicitação de compra, padronizada para cotação de preço junto aos fornecedores, encaminhada para comparas após analise conjunta entre Coordenador de Curso e Bibliotecário. A aquisição é feita em 30 (trinta) dias úteis, conforme disponibilidade das obras as editoras e após a análise e aprovação da Diretoria Acadêmica, que defere as solicitações junto ao Departamento de Compras. No decorrer de cada semestre, outras sugestões podem ser feitas pelos coordenadores, colaboradores, professores e alunos, sendo que as obras são adquiridas de acordo com a necessidade de atualização das áreas, respeitada a programação orçamentária. Contextualização da biblioteca Com mais de 35 mil exemplares, a Biblioteca da Faculdade possui acervo adequado às demandas dos cursos e é constantemente atualizado. Os serviços são informatizados e gerenciados pelo Sistema de Biblioteca da Faculdade, que tem por objetivo facilitar o acesso dos usuários aos serviços de consulta ao acervo, solicitação de renovação de empréstimos, reservas dos materiais e agendamento das salas de estudos, entre outros. A Biblioteca da Faculdade disponibiliza, também, mais de 10 mil periódicos on line, nas diversas áreas do conhecimento, por meio da base de dados EBSCO. O Acesso ao acervo on line é feito pelo portal da instituição, link Serviços Acervo on line para o Professor e para o Aluno. O acesso é livre, sem a necessidade de senha. Horário de atendimento: Segunda a sexta: 7 às 22h30hs; Sábado das 8 às 12hs. 3.7 Periódicos especializados Base de Dados EBSCO: Alunos e professores tem acesso a mais de 10 mil revistas eletrônicas nos campos de Negócios, Engenharia, Direito, Saúde e outros. O acesso é disponibilizado pela EBSCO Information Services, empresa que fornece assinaturas de impressos, periódicos eletrônicos, e-books, jornais, revistas, ferramentas de gerenciamento de recursos

105 P á g i n a 105 eletrônicos, bases de dados em texto completo e resumo, além de serviços relacionados a todos os tipos de pesquisa. A interface de busca permite consultas em português ou inglês e os resultados podem ser traduzidos de uma língua para outra. Através dela, tem-se acesso a uma poderosa ferramenta, que permite vários recursos, desde uma busca simples, como se faz nos buscadores da Web, a pesquisas sofisticadas, com operados booleanos, wildcards e truncations. Bases de Dados EBSCO: Academic Search Elite - texto completo de mais de revistas especializadas. Business Source Elite - base de dados de negócios fornece o texto completo de aproximadamente publicações de negócios. Mais de perfis de empresas significativas de Datamonitor também estão incluídos. Regional Business News Esta base de dados fornece cobertura abrangente de texto completo de mais de 80 publicações regionais da área de negócios. Newspaper Source fornece texto completo de capa a capa de mais de 40 (EUA) jornais internacionais e texto completo seletivo de 389 jornais regionais (EUA). Além disso, são fornecidos roteiros de notícias de rádio/televisão de texto completo. Periódicos específicos do Curso de Logística Nas bases de dados EBSCO Host, ScienceDirect, Portal de Periódicos CAPES e Scielo, os alunos de logística e os docentes do curso podem consultar os artigos publicados em periódicos da área. Além destes, os docentes incentivam e solicitam leitura de artigos ou periódicos científicos disponíveis em base de dados on line de acesso gratuito, assim como periódicos físicos, conforme lista a seguir: Carga e Tranporte. Revista LogWeb. Revista Tecnologística. PERIÓDICOS ONLINE

106 P á g i n a 106 Revista Transporte Moderno. Revista Transporte Mundial Revista Cargo News Revista da Confederação Nacional do Transporte (CNT) Revista INGEPRO Revista Produção OnLine REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO. São Paulo: USP, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. São Paulo: FGV - Escola de Administração de Empresas. Scientific Electronic Library OnLine (Scielo) EBSCO HOST PERIÓDICOS CAPES REVISTA ANGRAD. São Paulo: Associação Nacional dos Cursos de Graduação em Administração. PEQUENAS EMPRESAS GRANDES NEGÓCIOS. São Paulo: Globo. Portal Empreendedor do Santander Portal de Empreendedorismo (LATEC/UFRJ) REVISTA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO. Brasília: Conselho Federal de Administração (CFA). BANAS QUALIDADE. São Paulo: Banas. INSTITUTO DE LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN. Rio de Janeiro: ILOS (UFRJ). ESCOLA DE NEGÓCIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro (COPPEAD). Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. São Paulo (Sebrae) ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS TRANSPORTES TERRESTRES (ANTT). AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS (ANTAQ) MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES (DNIT) EMPRESA BRASILEIRA DE PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES (GEIPOT) Educação Ambiental em Ação.

107 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (GeAS) Revista de Gestão Social e Ambiental Instituto Ethos. São Paulo: ETHOS. P á g i n a 107 PERIÓDICOS FÍSICOS (ASSINATURAS) Revista Mundo Logística - MAG Editora ISSN: Revista Valor Setorial (Complemento Jornal Valor Econômico) Revista Exame Editora Abril ISSN: Infraestrutura: A biblioteca possui salas de estudo individuais e em grupo, microcomputadores com acesso á Internet para consulta e pontos de acesso para notebook. Possui uma sala de acessibilidade com microcomputador, Scanner Book Reader V200, Texto impresso e ampliado, lupa e régua de leitura. 3.8 Laboratórios Didáticos Especializados Os equipamentos e a rede da Faculdade são atualizados de acordo com as necessidades tecnológicas existentes, sendo feita a execução de testes de performance, de velocidade, e ao se instalar novos aplicativos e programas, verifica-se a possibilidade de Upgrade nos equipamentos e na rede. A Faculdade mantem em seu orçamento um percentual mensal da receita para ser gasto com equipamentos e investimentos em laboratórios. Em casos especiais, quando da necessidade de verba extra, a Diretoria se reúne e o percentual pode ser aumentado. A maior parte das atualizações tecnológicas feitas nos laboratórios parte de solicitações feitas pelo diretor e coordenadores de cada área à Diretoria Administrativa, que toma ciência e coloca no plano orçamentário para ser executado. A instituição tem como objetivo a atualização de seus laboratórios fazendo a troca dos equipamentos dos mesmos a cada três anos ou quando se fizer necessário. Neste

108 P á g i n a 108 caso, a instituição se responsabilizará pela montagem de laboratórios específicos para as disciplinas que os necessitarem, sempre atendendo as sugestões do Diretor da Faculdade e seus coordenadores. O curso de Logística possui um Laboratório de Logística, para a aplicação prática dos conceitos desenvolvidos em sala de aula através de alguns recursos didáticos pedagógicos que tem por objetivos: favorecer a assimilação e retenção do conteúdo teórico, despertar no aluno o interesse pela disciplina, reforçar o aprendizado e a prática profissional e, ainda, aflorar o gosto pela docência. Este laboratório é composto por: - Jogo Transport (5 unidades): Jogo de tabuleiro que tem como objetivo desenvolver nos alunos os principais conceitos relacionados à distribuição de produtos entre vários países do mundo, levando-se em conta uma série de restrições e condições adversas que influenciam constantemente o atingimento do objetivo final de cada equipe. - Fábrica de Carrinhos (1 unidade): Jogo utilizando blocos de montar e estruturado para desenvolver nos alunos conceitos relacionados à produção puxada, produção empurrada, estratégias de inbound, estratégias de outbound, estratégias de logística interna, nível de serviço, gestão de estoques, etc. - 2 miniaturas de empilhadeiras elétricas, com controle remoto, a serem utilizadas juntamente com a Fábrica de Carrinhos. - 1 miniatura de carreta elétrica (cavalo + reboque), com controle remoto, a ser utilizada juntamente com a Fábrica de Carrinhos. O curso de Logística faz uso dos laboratórios de informática existentes na Faculdade Max Planck para a utilização de softwares necessários ao desenvolvimento de conceitos relacionados à área de Logística, tais como: - Jogo da Cerveja; - Jogo da Distribuição; - Logware.

109 P á g i n a 109 Esses mesmos laboratórios também são utilizados para a prática de atividades logísticas através de planilhas eletrônicas (Excel) desenvolvidas pelo corpo docente do curso. Responsabilidades Todo o pessoal envolvido com os laboratórios de informática, ou seja, encarregados de laboratórios, técnicos de laboratórios, auxiliares técnicos de laboratórios, professores e alunos devem estar cientes sobre os procedimentos, bem como saber aplicá-los corretamente. Encarregado de Laboratório São atribuições do encarregado de laboratório: Supervisionar os laboratórios e assegurar que os procedimentos sejam cumpridos. Cuidar da estrutura geral dos laboratórios: funcionários, equipamentos, materiais, almoxarifado e instalações. Assegurar o funcionamento de cada um desses itens; Responder pela segurança e bom funcionamento dos laboratórios; Estar cientes das técnicas especiais ou ações a serem tomadas em acidentes incomuns que possam ocorrer; Fazer o controle patrimonial dos bens dos laboratórios, bem como fornecer informações ao Sistema de Controle Patrimonial conforme os formulários próprios do respectivo setor. Cuidar de transferências, empréstimos, obsolescências (materiais em desuso), consertos, furtos e/ou danos desses bens; Coordenar e organizar os calendários das aulas práticas de cada laboratório para que haja um atendimento eficiente aos professores e alunos; Fazer os relatórios referentes a qualquer acidente ou incidente que venha a ocorrer nos laboratórios. Técnico de Laboratório São atribuições do técnico de laboratório: Assegurar que os procedimentos sejam cumpridos;

110 P á g i n a 110 Cuidar da estrutura geral dos laboratórios: funcionários, equipamentos, materiais, almoxarifado e instalações. Assegurar o funcionamento de cada um desses itens; Responder pela segurança e bom funcionamento dos laboratórios; Coordenar e organizar os calendários das aulas práticas de cada laboratório para que haja um atendimento eficiente aos professores e alunos; Fazer os relatórios referentes a qualquer acidente ou incidente que venha a ocorrer nos laboratórios; Verificar a disponibilidade do laboratório para não haver conflito de horários entre as aulas práticas; Utilizar corretamente os Equipamentos de Proteção Individuais (EPI) necessários e seguir as normas de segurança; Permanecer nos laboratórios durante as aulas; Manter os equipamentos sempre testados e em perfeitas condições de uso; Manter o inventário sempre atualizado; Relatar ao encarregado os acidentes ou incidentes ocorridos no laboratório. Professores Comparecer no início do semestre nos laboratórios para discutir agendas de aulas práticas e verificar a disponibilidade dos mesmos; Entregar o roteiro de aula com 30 dias úteis de antecedência; Simular os experimentos antes de cada aula; Orientar e exigir o cumprimento dos procedimentos e instruções de segurança do laboratório; Manter a ordem dentro dos laboratórios; Permanecer no laboratório até saída do último aluno; Respeitar o horário de trabalho dos funcionários e de funcionamento dos laboratórios; Fazer a lista de materiais que serão utilizados nas aulas práticas.

111 P á g i n a 111 Alunos Permanecer e utilizar os laboratórios somente com a presença de um professor ou técnico; Seguir os procedimentos e instruções de segurança do laboratório; Não trazer crianças para as aulas nos laboratórios; Levar para a bancada de trabalho somente o material necessário para as anotações e realização da aula; Sempre manter a bancada de trabalho organizada; Se durante ou no final da aula perceber algum problema com equipamentos comunicar o fato aos técnicos de laboratório.

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO. Direito

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO. Direito PROJETO PEDAGÓGICO CURSO Direito 2014 P á g i n a 2 Sumário 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA... 4 1.1. Contexto Educacional... 4 1.1.1. Identificação... 4 1.1.2. Histórico da Instituição... 4 1.1.3.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO. Enfermagem

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO. Enfermagem PROJETO PEDAGÓGICO CURSO Enfermagem 2013 P á g i n a 2 Sumário 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA... 4 1.1. Contexto Educacional... 4 1.1.1. Identificação... 4 1.1.2. Histórico da Instituição... 4 1.1.3.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL 2014 P á g i n a 2 Sumário 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA... 4 1.1. CONTEXTO EDUCACIONAL DO CURSO... 4 1.1.1. IDENTIFICAÇÃO... 4

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Superior de Tecnologia em Logística

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Superior de Tecnologia em Logística PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Superior de Tecnologia em Logística 2011 P á g i n a 2 SUMÁRIO DADOS DO CURSO 03 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 07 A. Contexto Educacional 07 1. Implementação das Políticas Institucionais

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS 11 DE AGOSTO DE 2012 EDSON APARECIDO DEPUTADO FEDERAL MACROMETRÓPOLE PAULISTA EM NÚMEROS PIB MM PAULISTA PIB da MM Paulista - 2009 (R$ bilhões)

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO Direito

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO Direito PROJETO PEDAGÓGICO CURSO Direito 2015 Página 2 Sumário 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA... 4 1.1. Contexto Educacional... 4 1.1.1. Identificação... 4 1.1.2. Histórico da Instituição... 4 1.1.3. Missão...

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Curso Superior de Engenharia Civil. Coordenador: Profª Msc Maria Denise Monacci

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Curso Superior de Engenharia Civil. Coordenador: Profª Msc Maria Denise Monacci P á g i n a 1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Curso Superior de Engenharia Civil Coordenador: Profª Msc Maria Denise Monacci 2015 Projeto Pedagógico Engenharia Civil P á g i n a 2 SUMÁRIO DADOS DO CURSO... 4

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO:

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: P á g i n a 1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial 2011 P á g i n a 2 SUMÁRIO DADOS DO CURSO...4 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA...8 A. Contexto Educacional...8

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação Relatório de Autoavaliação O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Logística Missão Formar profissionais de visão crítica e com conhecimentos e habilidades relativas às atividades logísticas, dotados de base para a atualização profissional

Leia mais

Projeto Pedagógico de Curso

Projeto Pedagógico de Curso 2012 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Projeto Pedagógico de Curso UNIVERSIDADE CUIABÁ DE FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Índice Palavra do Presidente 5 Panorama do Ensino Superior - Brasil 6 / Evolução 7 por Estado / Número de IES 8 Pirâmides Etárias - Presenciais e de EAD

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

INSTITUTO BANDEIRANTES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE POLITÉCNICA DE CAMPINAS PROJETO PEDAGÓGICO. Curso Superior de Tecnologia em Marketing

INSTITUTO BANDEIRANTES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE POLITÉCNICA DE CAMPINAS PROJETO PEDAGÓGICO. Curso Superior de Tecnologia em Marketing INSTITUTO BANDEIRANTES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE POLITÉCNICA DE CAMPINAS PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Marketing CAMPINAS, 2014 1 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA... 14 1.1

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005

RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005 RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005 APROVA O CURRÍCULO E O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais