Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança"

Transcrição

1 Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

2 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos Articulação Interinstitucional Estudo e análise da realidade concelhia. 8 3 Promoção dos Direitos da Criança Problemáticas com maior incidência no acompanhamento da CPCJ III. Plano de Intervenção Quadro Eixo Quadro Eixo Quadro Eixo Quadro Eixo 4 18 IV. Avaliação

3 Introdução O presente documento constitui o Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança, da CPCJ de Évora, para o triénio de , e pretende reflectir uma prática planificada e integrada para a promoção e protecção da infância e juventude do concelho de Évora. Tendo presente que todas as crianças e jovens são sujeitos de direitos e deveres, e reconhecendo a importância de que se reveste a sua protecção e promoção, urge articular a acção dos diferentes intervenientes em matéria de infância e juventude. Não há desenvolvimento ético, cultural, social e económico de qualidade sem qualidade humana e esta é subsidiária em alto grau da qualidade da infância. O desenvolvimento dessa cultura da infância, ao nível da prevenção e da intervenção reparadora e superadora do perigo, compete a todos. in Revista Escolhas, Armando Leandro, Abril de

4 I Fundamentação Contribuir significativamente para uma cultura de prevenção primária no domínio dos direitos da criança constitui uma das missões mais relevantes que o sistema de promoção e protecção confia às Comissões de Protecção de Crianças e Jovem. 1 Esta afirmação remete a reflexão desde logo, para uma cultura de prevenção primária no domínio dos direitos da criança. Tal cultura implica uma abordagem ecossistémica da prevenção, uma compreensão globalizante dos contextos e da dinâmica estabelecida entre os diferentes níveis dos sistemas (microssistema, mesossistema, exossistema e macrosistema) e da sua subsequente influência no desenvolvimento, bem-estar e promoção dos direitos da criança. A metodologia participativa proposta neste Projecto, apela a novas formas de relação/comunicação entre as pessoas/profissionais e as - entidades que representam, destas com a comunidade - e favorece uma tomada de consciência e implicação na concretização da missão para a qual foram constituídas [CPCJ s] 2, definindo, numa lógica de horizontalidade, a criação de um compromisso comum em matéria de infância e juventude. A relação entre pessoas/profissionais e entidades que interagem nesta complexa tarefa de promover e proteger as crianças e jovens da nossa comunidade, organiza-se assim através de uma planificação, da intervenção fundamentada e orientada para a mudança. Esta mudança, que se organiza e qualifica para melhor intervir, potencia uma evolução social centrada no desenvolvimento e bem-estar das crianças e jovens. 1 LEANDRO, Armando, in As Comissões de Protecção de Crianças e Jovens na sua modalidade alargada Contributos para uma reflexão, Março de Projecto-Piloto: Dinamização da Modalidade Alargada, Documento Orientador, Set2010 4

5 Desta forma, o Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança, fundamenta-se no diagnóstico elaborado com base: 1 - No relatório de actividades da CPCJ do ano de 2010; 2- Nos dados quantitativos disponibilizados por diversas entidades do concelho, orientados por problemática, factores de risco e protecção 3- Na reflexão partilhada pelos diferentes elementos representativos de serviços e entidades que compõem a CPCJ; De acordo com os resultados da reflexão efectuada e no quadro da intervenção estratégica ao nível da Prevenção Primária considerou-se que é fundamental: 1 - Criar uma visão integrada da Promoção e Protecção da Infância e Juventude, centrada nos percursos de risco, privilegiando a intervenção precoce e promovendo a redução das situações de perigo; 2 Trabalhar para que a diversidade de serviços e profissionais que intervêm com crianças, jovens e suas famílias, não intervenham de forma desarticulada, contribuindo assim para a manutenção dos factores de risco; 3 Que a CPCJ, impulsione o compromisso interinstitucional na defesa dos Direitos da Criança e na definição complementar dos diferentes papéis. O Plano Local de Promoção e Protecção define assim quatro Eixos Estratégicos. O primeiro, Articulação Interinstitucional, orientado para a concertação estratégica concelhia na promoção e protecção dos direitos da criança. 5

6 O segundo, Estudo e análise da realidade concelhia, orientado para potenciar a intervenção local na prevenção primária dos maus tratos a crianças e jovens. O terceiro, Promoção e Protecção dos Direitos da Criança, enquanto potenciador de uma evolução social fundamentada nos princípios expressos na Declaração dos Direitos da Criança (Genebra, 1924 e adoptada pelas Nações Unidas 1959), na Convenção sobre os Direitos da Criança (adoptada pelas Nações Unidas em 20 de Novembro de 1899 e ratificada pelo Estado Português em 1990) e na Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (Lei nº 147/99 de 1 de Setembro, com alterações introduzidas pela Lei nº 31/2003 de 22 de Agosto). O quarto, Problemáticas com maior incidência no acompanhamento da CPCJ, resulta da necessidade de prestar particular atenção a estas problemáticas, actualmente relevantes na casuística da CPCJ de Évora: Negligência Parental, Exposição a Comportamentos Desviantes na Família e Abandono Escolar. As prioridades estratégicas definidas enquadram-se nas competências da CPCJ, especificamente na sua modalidade alargada, no n.º 1 do art. 18: À comissão alargada compete desenvolver acções de promoção dos direitos e de prevenção das situações de perigo para a criança e jovem. Definiu-se assim como finalidade deste Plano, prevenir as situações de crianças e jovens em risco e perigo no concelho, desenvolvendo um compromisso interinstitucional colectivo, traduzido em acções concertadas orientadas para a promoção e protecção dos direitos da criança. 6

7 II - Eixos Estratégicos Eixo 1 Articulação Interinstitucional O primeiro eixo constitui-se como fundamental para uma visão comum no esforço de promoção e protecção de crianças e jovens do concelho. A prevenção, enquanto responsabilidade multisectorial e comunitária, apela à edificação de conceitos e interpretações conjugadas que orientem estratégias e amplifiquem, por consequência, os esforços de redução das situações de risco e perigo. O desenvolvimento do trabalho em rede, por parte das diferentes instituições, públicas e privadas, determina e impulsiona a construção de uma matriz enquadradora da intervenção com crianças e jovens. Objectivo: A. Potenciar a efectiva protecção das crianças e jovens, baseada numa visão comum do sistema de promoção e protecção, através da definição de papéis dos diferentes serviços, instituições e entidades e sua articulação A.1. Acções de divulgação do funcionamento do sistema de promoção e protecção, designadamente da acção da CPCJ, aos profissionais dos sectores que intervêm com crianças e jovens; 7

8 A.2. Elaboração do Manual de Recursos do Concelho; A.3. Acções de divulgação do Manual de Recursos do Concelho em matéria de infância e juventude, junto dos técnicos e da comunidade em geral; A.4. Apresentação pública do Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança. A.5. Trabalho de sensibilização junto de dirigentes institucionais e representantes políticos locais, para um envolvimento efectivo na execução do Plano. Eixo 2 Estudo e Análise da Realidade Concelhia O 2º eixo pretende estudar e analisar a realidade do concelho em matéria de infância e juventude, potenciando a análise, reflexão e intervenção dos diferentes intervenientes locais na prevenção primária das situações de risco e perigo, implicando a participação das crianças e jovens desde a concepção à execução de estudos, de projectos e de actividades. Objectivo: B. Fomentar a coordenação, colaboração e articulação entre os diferentes organismos e instituições que intervêm na infância e juventude, através do estudo da realidade local 8

9 B.1. Concepção de um sistema de observação contínua da situação da infância e juventude do concelho, em ordem a detectar precocemente situações de risco e perigo. B.2. Produção anual de documentos de análise da situação do concelho, com base numa visão integrada de promoção e protecção das crianças e jovens. B.3. Criação de estratégias convergentes para prevenção de situações de risco e perigo, com base na análise dos dados recolhidos. B.4. Promoção da participação de crianças e jovens na reflexão sobre os percursos de risco e perigo da infância e da adolescência. Eixo 3 Promoção dos Direitos da Criança A promoção da família e a protecção das crianças e jovens em risco foram consagradas enquanto prioridade do XVII Governo Constitucional e definidas não apenas enquanto declarações de intenções expressas mas sobretudo ratificadas na produção legislativa subsequente e em acções concretas de promoção de uma cultura de prevenção que permita actuar na raiz dos problemas. De acordo com o expresso no n.º 1, do art. 18 da Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro, é competência da CPCJ, especificamente na comissão alargada, o desenvolvimento de acções de promoção e de prevenção das situações de perigo para a criança e jovem. 9

10 A promoção dos direitos da criança, constitui-se desta forma como fundamental, enquanto intervenção no âmbito da prevenção primária. O respeito pelos direitos da criança potencia o seu desenvolvimento integral e harmonioso, sugerindo a vivência de uma cidadania plena, pelo respeito de direitos e deveres. Objectivo: C. Promover uma cultura de infância e juventude no respeito e defesa dos seus direitos C.1. Colaboração com os serviços, as instituições e entidades do concelho na realização de acções de sensibilização para a promoção e protecção dos direitos, promovidas pelas crianças e jovens; C.2. Realização de eventos e acções de divulgação sobre a promoção e protecção dos direitos da criança, valorizando a sua participação; C.3. Criação de um website da CPCJ de Évora, garantindo a toda a comunidade o acesso à sua actividade; C.4. Difusão de boas práticas de promoção dos direitos das crianças e jovens identificadas na comunidade. 10

11 Eixo 4 Problemáticas com maior incidência no acompanhamento da CPCJ de Évora O eixo 4, introduz no presente plano, uma atenção particular às problemáticas identificadas como relevantes no concelho. De acordo com a análise efectuada, através dos dados constantes do Relatório de 2010 da CPCJ de Évora, identificou-se a negligência parental, a exposição a comportamentos desviantes e o abandono escolar como problemáticas com maior expressão. Quanto à Negligência Parental, refira-se que foram sinalizadas um total de 62 crianças/jovens, o que fundamenta a absoluta necessidade de envidar esforços no sentido de reduzir esta problemática. Sublinhe-se aqui a particular fragilidade das 23 crianças inseridas na faixa etária dos 0 aos 5 anos. Já em 2009, os números apontavam a negligência como problemática de maior incidência Os dados acompanham aliás a tendência nacional, já que em Relatório Anual de Avaliação das Actividades das CPCJ de 2009, refere-se quanto às problemáticas que, No conjunto de todas as problemáticas regista-se a Negligência como a principal, 36,2%(9168,... Em 2009, a CPCJ de Évora, tendo em conta a expressão acentuada desta problemática, constituiu um grupo de trabalho multidisciplinar, que desenvolveu, e ainda desenvolve, um projecto de intervenção direccionado para a prevenção da Negligência Parental. 11

12 No mesmo projecto, produziu-se a Caracterização das situações de negligência no concelho de Évora. Das suas conclusões e subsequentes implicações para a intervenção sublinha-se: Necessidade de melhorar as estratégias de prevenção; Mais articulação inter-serviços; Promoção da qualidade de vinculação; Melhoria das estratégias de intervenção com famílias; multiproblemáticas, visto estar associada às situações mais graves; Aprofundamento da capacidade diagnóstica; Implementação de estratégias de educação parental. Relativamente à exposição a modelos de comportamentos desviantes no seio familiar e ao abandono escolar, refira-se que foram identificadas no relatório da CPCJ de 2010, com maior expressão, imediatamente após a negligência. O abandono escolar revela-se particularmente preocupante, visto remeter os jovens para a inactividade e eventualmente para a vivência de situações de marginalidade, pois por um lado, não se encontram integrados na escola, e por outro, a possibilidade de integrar o mercado de trabalho, ainda não se verifica. As aprendizagens realizadas em contexto educativo/formativo, nos diferentes níveis do saber, (saber-estar, saber-ser, saber-fazer e saber-saber) são imprescindíveis para o desenvolvimento integral do jovem, o qual fica desta forma comprometido. Por sua vez, a baixa escolaridade dificulta o acesso a uma situação laboral favorecedora de inclusão social, pelo que o abandono escolar é, em si mesmo, um factor de risco e uma consequência. Uma consequência, na medida em que, frequentemente associados a esta problemática encontramos percursos de insucesso e absentismo escolar. 12

13 Considerados como factores de risco importa identificá-los precocemente e desenvolver factores de protecção que possam salvaguardar um percurso escolar promotor de inclusão social. Em relação à problemática da exposição a modelos de comportamentos desviantes no seio familiar ela é transversal às situações de perigo, será de equacionar a sua abordagem nas situações de negligência e de absentismo/abandono através da realização das acções de sensibilização e da implementação de programas/projectos de educação parental. Objectivo: D. Fomentar a prevenção primária, pelos diferentes actores sociais, nas problemáticas com maior incidência na casuística da CPCJ D.1. Realização de acções de sensibilização/formação, qualificadoras da intervenção diagnóstica, para os diferentes profissionais da educação, da saúde, de acção social e instituições da comunidade; D.2. Apoio à realização de programas/projectos de educação parental. D.3. Definição e divulgação dos procedimentos a observar nas situações de risco e perigo, na problemática da negligência, numa perspectiva de identificação e intervenção precoces; 13

14 D.4. Dinamização de acções de reflexão sobre a problemática de insucesso escolar, absentismo, e abandono escolar, numa lógica de factores de risco e factores de protecção; D.5. Encontros interinstitucionais sobre o diagnóstico precoce de situações de risco, procedimentos adequados e recursos a afectarem. III Plano de Intervenção O Plano de Intervenção definido orienta para as acções a realizar, em função dos quatro eixos estratégicos e dos objectivos definidos, garantindo em simultâneo a flexibilidade necessária a ajustes e alinhamentos necessários no decorrer do mesmo. Assim, de acordo com a especificidade do PLPPCJ, que potencia na sua estruturação a multi e interdisciplinaridade, optou-se pela constituição de quatro Grupos de Trabalho. Estes, serão compostos por elementos da Comissão Alargada, representantes dos serviços, das instituições e entidades que intervenham especificamente nas temáticas definidas nos diferentes eixos. Poderão ainda integrar os grupos de trabalho, outros elementos, representantes da comunidade e de serviços e instituições, que desenvolvam intervenção considerada pertinente nas mesmas temáticas em matéria da infância e da Juventude. Para a prossecução dos objectivos expressos, é essencial o envolvimento da comunidade nas suas múltiplas expressões, sendo esse um dos principais desafios que aqui se coloca. 14

15 III Plano de Intervenção» 4 Eixos Estratégicos Eixos Estratégicos Objectivos/Metas Acções A.1. Acções de divulgação do 1 -Articulação Interinstitucional A. Potenciar a efectiva protecção das crianças funcionamento do sistema de promoção e protecção, designadamente da acção da e jovens, baseada CPCJ, aos profissionais dos sectores que numa visão comum do sistema de promoção e protecção, através da intervêm com crianças e jovens; A.2. Elaboração do Manual de Recursos do Concelho; definição de papéis A.3. Acções de divulgação do Manual de dos diferentes Recursos do Concelho em matéria de serviços, instituições e infância e juventude, junto dos técnicos e da entidades e sua comunidade em geral; articulação. A.4. Apresentação pública do Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança. A.5. Trabalho de sensibilização junto de dirigentes institucionais e representantes políticos locais, para um envolvimento efectivo na execução do Plano. Responsável Execução Grupo I Parceiros A integrar de acordo com as necessidades de intervenção 15

16 III Plano de Intervenção» 4 Eixos Estratégicos Eixos Estratégicos 2 Estudo e análise da realidade concelhia Objectivos/Metas Acções Responsável Execução B.1. Concepção de um sistema de B. Fomentar a observação contínua da situação da coordenação, infância e juventude do concelho, em Grupo II colaboração e articulação matéria de risco e perigo. entre os diferentes B.2. Produção anual de documentos de organismos e instituições análise da situação do concelho com base que intervêm na infância numa visão integrada de promoção e e juventude, através do protecção das crianças e jovens. estudo da realidade local B.3. Criação de estratégias convergentes para prevenção de situações de risco e de perigo, com base na análise dos dados recolhidos. B.4. Promoção da participação de crianças e jovens na reflexão sobre os percursos de risco e perigo na infância e adolescência. Parceiros A integrar de acordo com as necessidades de intervenção 16

17 III Plano de Intervenção» 4 Eixos Estratégicos Eixos Prioritários Objectivos/Metas Acções C.1. Colaboração com os serviços, as instituições e entidades do concelho na 3 Promoção dos Direitos da Criança C. Promover uma realização de acções de sensibilização para cultura de infância e juventude no respeito e defesa dos seus direitos a protecção e promoção e protecção dos direitos, promovidas pelas crianças e jovens; C.2. Realização de eventos e acções de divulgação sobre a promoção dos direitos da criança, valorizando a sua participação; C.3. Criação de um website da CPCJ de Évora, garantindo a toda a comunidade o acesso à sua actividade; C.4. Difusão de boas práticas de promoção dos direitos das crianças e jovens, identificadas na comunidade. Responsável Execução Grupo III Parceiros A integrar de acordo com as necessidades de intervenção 17

18 III Plano de Intervenção» 4 Eixos Estratégicos Eixos Prioritários Objectivos/Metas Acções D.1. Realização de acções de sensibilização/formação, qualificadoras da 4 - Problemáticas com maior incidência no acompanhamento da CPCJ D. Fomentar a intervenção diagnóstica, aos diferentes prevenção primária profissionais de educação, saúde, social e dos diferentes actores instituições comunitárias; D.2. Apoio à implementação de sociais nas programas/projectos de educação parental. problemáticas com D.3. Definição e divulgação dos procedimentos maior incidência no a observar nas situações de risco e perigo, na acompanhamento da problemática da negligência, numa perspectiva CPCJ de identificação e intervenção precoces; D.4. Dinamização de acções de reflexão sobre a problemática de abandono, absentismo e insucesso escolar, numa lógica de factores de risco e factores de protecção; D.5. Encontros interinstitucionais, sobre diagnóstico precoce de situações de risco, procedimentos e recursos a afectarem. Responsável Execução Grupo IV Parceiros A integrar de acordo com as necessidades de intervenção 18

19 IV Avaliação A avaliação de qualquer projecto deve fazer parte integrante do mesmo pela importância de que se reveste. Permite medir, comparar, corrigir, reajustar, enfim permite reflectir sobre o próprio projecto. Dada a complexidade do processo de avaliação pretende-se desde já balizar e orientar uma avaliação que permita aferir sobre a evolução do Plano, (avaliação on-going) bem como, quanto à sua execução (avaliação final), observando a eficácia do mesmo. 19

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família I. Apresentação do Projecto - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Falar em sucesso educativo implica olhar o processo educativo segundo uma abordagem sistémica, em que o aluno, a escola, a família e

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Plano Local De Prevenção dos Maus Tratos na Infância e Juventude

Plano Local De Prevenção dos Maus Tratos na Infância e Juventude Plano Local De Prevenção dos Maus Tratos na Infância e Juventude 2013-2015 Amadora, Abril de 2014 1 pág. Índice Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS 01 - Modelo de protecção das crianças e jovens em risco 02 - O que são as CPCJ? 03 - Qual o papel/funções do Ministério Público? 04 - Modelo de intervenção 05 - Conceito

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1. Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança

Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1. Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1 Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança Armando Leandro Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MIRANDELA

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MIRANDELA PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MIRANDELA 2014 Plano de Ação da CPCJ de Mirandela 2014 1 INTRODUÇÃO Embora tal tarefa não resulte diretamente da lei, entendeu-se elaborar

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Pl de Atividades 2014 Nota Introdutória O presente documento apresenta um pl de ações que a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Oleiros deseja concretizar durante o 2014. É um documento simples

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

Índice INTRODUÇÃO... 3 I- FUNDAMENTAÇÃO... 3 A. QUESTIONÁRIOS... 7 B. DINÂMICA PARTICIPATIVA... 21

Índice INTRODUÇÃO... 3 I- FUNDAMENTAÇÃO... 3 A. QUESTIONÁRIOS... 7 B. DINÂMICA PARTICIPATIVA... 21 Índice INTRODUÇÃO... 3 I- FUNDAMENTAÇÃO... 3 A. QUESTIONÁRIOS... 7 B. DINÂMICA PARTICIPATIVA... 21 C. ANÁLISE DOS RELATÓRIOS DA CPCJ DE SINES DOS ANOS 2012 E 2013... 29 II - PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO...

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Plano DOM. Mudanças. Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes

Plano DOM. Mudanças. Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes Plano DOM Desafios, Oportunidades e Mudanças Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes De um Modelo Institucional, para um Modelo Especializado e Terapêutico. 29 de Setembro de 2008 2 Idade das crianças

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 Cáritas Portuguesa Conselho Geral Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 PRIORIDADE ÀS CRIANÇAS A Cáritas em acção (Anteprojecto) Fundamentos «As crianças pobres, as desprovidas de enquadramento familiar adequado,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

NACJR Núcleo de Apoio a Crianças as e Jovens em Risco. Dr.ª Maria Queimado Dr.ª Micaela Silva Enf.ª Teresa Murteira

NACJR Núcleo de Apoio a Crianças as e Jovens em Risco. Dr.ª Maria Queimado Dr.ª Micaela Silva Enf.ª Teresa Murteira Dr.ª Maria Queimado Dr.ª Micaela Silva Enf.ª Teresa Murteira Centro de Saúde de Évora/ 2008 Março de 2007 Proposta da DGS Crianças e Jovens em Risco Projecto de Intervenção nos Serviços de Saúde Outubro

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Apresentação do Projecto

Apresentação do Projecto Apresentação do Projecto Projecto de intervenção sócio pedagógica de promoção social das crianças, jovens e familiares dos bairros sociais de Ramalde e Campinas Freguesia de Ramalde, Concelho do Porto.

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local Amarante - 2009 A sessão de hoje 3 Novembro2009 Objectivos gerais: 1. a) Enquadramento Teórico b) Actividade n.º 1: Descobrindo as Etapas de

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 1942 Diário da República, 1.ª série N.º 64 2 de abril de 2013 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental A

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal Anexos. Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal e dos Portugueses ordem dos arquitectos. manifesto para as eleições legislativas 2011. maio 2011 Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito) 1. O Banco Local de Voluntariado do Cadaval, adiante designado por BLVC, tem como entidade

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais