Agradecimentos. Obrigada Gabriela Lopes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agradecimentos. Obrigada Gabriela Lopes"

Transcrição

1 Agradecimentos Na realização deste trabalho muitas foram as pessoas que me ajudaram e sem as quais esta missão teria sido sem dúvida muito mais difícil. A todas elas, as quais seria fastidioso aqui enunciar, a minha profunda gratidão. Algumas delas pelo apoio especial e permanente que me prestaram ao longo deste trabalho quero agradecer de uma forma particular, não podendo deixar de expressar a minha sentida gratidão: Ao Professor Eduardo Luís Cardoso, meu Orientador, pela sua paciência, sabedoria e objectividade, essenciais nas tomadas de decisão que sempre temos que fazer num projecto desta natureza, pela partilha da sua visão, dos seus conhecimentos e da sua experiência. Ao Professor António Andrade, pela sua permanente disponibilidade para ajudar, pela sua constante motivação, que se manifestou de forma mais sistemática na parte curricular do Mestrado. Aos meus colegas de mestrado, destacando de forma singular, a Rosa Pereira, a Ana Reis e o Nuno Fernandes, por todo o apoio, ajuda e incentivo durante todo o trajecto que percorremos juntos. Aos meus colegas e amigos da Escola Secundária de Águas Santas, por toda a ajuda, paciência e incentivo, nos momentos de algum desânimo, destacando a Susana Santos por toda a paciência, ajuda e colaboração na elaboração deste estudo. À minha família e amigos, em particular à minha Mãe e ao meu irmão, por serem uma fonte inesgotável de confiança, pela compreensão, pelo apoio e incentivo. Aos meus três filhos, Catarina, Filipa e Henrique, pelo precioso tempo, muito tempo, que lhes roubei ao longo destes anos, mas foi no tempo que perdi, que mais ganhei e onde encontrei a maior motivação para a realização deste estudo. E finalmente à minha Avó por sempre me ter proporcionado as condições necessárias para estudar. A ela, que sempre soube estimular em mim a vontade de aprender, com muito carinho e reconhecimento, lhe dedico postumamente este trabalho. Obrigada Gabriela Lopes Escola Secundária de Águas Santas I

2 Resumo A Sociedade da Informação e do Conhecimento é uma realidade que já faz parte da vida quotidiana, que começa agora a invadir as escolas... É uma realidade a aposta da Autarquia da Maia conjuntamente com as escolas do Concelho num projecto MaiaDigital, Área da Educação. Apresenta-se o Portal da Educação da Escola Secundária de Águas Santas, uma ferramenta de trabalho, consulta e comunicação que pode modificar a forma de actuar desta comunidade escolar. As suas funcionalidades e potencialidades são alvo de uma análise, sob a perspectiva dos seus diferentes utilizadores docentes, alunos, encarregados de educação e auxiliares de acção educativa. São sugeridas formas de potencializar o Portal da Educação, através da sua implementação, não só no processo ensino-aprendizagem (colocando em prática a aprendizagem colaborativa) mas também alterando rotinas no que diz respeito à comunicação entre os diferentes elementos da comunidade educativa. A implementação deste projecto na Escola Secundária de Águas Santas, bem como as mudanças que conjuntamente aconteceram com o decorrer do projecto foram alvo de observação, registo e análise neste estudo. Descrever o percurso efectuado desde a elaboração do projecto até ao fim da sua execução na ESÁS, as alterações na infra-estrutura de comunicação da escolae o software instalado, bem como identificar factores facilitadores e inibidores do processo, são objectivos deste estudo. O Portal da Educação é já uma realidade no Concelho da Maia. No que à ESÁS diz respeito parece ser necessária uma maior promoção, informação e utilização por parte da gestão da Escola para que as Tecnologias da Informação e Comunicação façam o mais rapidamente possível, parte do quotidiano da comunidade escolar, de todos os seus elementos, que estejam presentes em todos os seus procedimentos. É um desafio que importa ganhar, se a ESÁS não o fizer agora, estará apenas a adiar uma realidade inevitável. Escola Secundária de Águas Santas II

3 Abstract The Society of Information and Knowledge is a reality that is already part on daily life and is also becoming part of school life. The Project - MaiaDigital / Área da Educação is a goal that Maia municipality, together with the local schools, wants to achive. Portal da Educação (Educations Site) of Águas Santas Secondary School represents an important work, search and communication tool that is sure to change the school community acts and interacts. Its varied users teachers and other school staffs, students and parents analyse under their perspectives its functions and potentialities, so that a wider implementation can be reached. Portal da Educação can be not only a new and innovative aid in teaching procedures and learning process (promoting a cooperative learning) but can also change radically routines as far as the internal flux of information is concerned. The implementation of this Project at Águas Santas Secondary School and the changes that occurred from the moment it started, were observed, registered and analysed in this study, that also intend to describe the whole process from the beginning till it was finally experimented in the field. To identify the infra-structures and the software installed and finally to identify factors that might the process faster and easier, are also purposes of this study. Portal da Educação is already a reality in Maia, in Águas Santas, though, it seen that requires a better promotion so that the I.C.T s can really be part of daily life of the school community as fast as possible. This is a challenger which is important to win, and if ESÁS loses the opportunity, it is just delaying an inevitable reality. Escola Secundária de Águas Santas III

4 Índice Agradecimentos...I Resumo...II Abstract...III Índice... IV Índice de Figuras... VIII Índice de Tabelas... IX Siglas Utilizadas... X ENQUADRAMENTO TEÓRICO Sociedade da Informação e do Conhecimento Alguns Programas Europeus na Área da Educação, com recurso ao uso das Tecnologias de Informação e Comunicação SÓCRATES European Schools Project etwinning As Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino Básico e Secundário Português Programas Projecto MINERVA Programa Nónio Século XXI CRIE Equipa de Missão Computadores, Redes e Internet na Escola O que a Tecnologia Pode Mudar na Escola no Processo Ensino Aprendizagem Comunidades Virtuais Aprendizagem Colaborativa Factores de Influência na Adopção de TIC na Escola Caracterização do Projecto MaiaDigital O Projecto na sua Globalidade MaiaDigital Área da Educação METODOLOGIA UTILIZADA NO PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO Principios Metodologicos...46 Avalaição do Projecto Maia Digital na Escola Secundária de Águas Santas IV

5 2. Caracterização e Condições de Realização do Estudo Estudo de Caso Protocolo do Estudo de Caso Recolha de Dados para o Estudo de Caso Instrumentos Utilizados Entrevista Recolha Documental Listagem de Documentos Recolhidos para a Realização do Estudo: Observação Participante Diário de Campo Análise e Interpetação do Material Recolhido Entrevistas, Observações, Recolha Documental Estruturação dos Dados RESULTADOS O Projecto MaiaDigital na Escola Secundária de Águas Santas Apresentação da Escola Processo de implementação do Projecto MaiaDigital na ESÁS Percurso temporal da implementação do Projecto MaiaDigital na ESÁS Infra-estrutura de Tecnologias de Informação e Comunicação Rede de Comunicação Equipamento Informático PORBASE Catwin Módulo de Catalogação UserWin Módulo de Gestão de Empréstimo Pacwin Módulo de Pesquisa Pacweb Módulo de Pesquisa para a Internet SIGE Módulo Servidor de Acessos Módulo Onde estás? Posto de Venda KiosK Módulo Refeitório Portal da Educação O Portal da Educação da Escola Secundária de Águas Santas Área Pública Página Inicial da ESÁS no Portal da Educação Área privada Escola Secundária de Águas Santas V

6 6.5. Área Privada para Docentes Área Privada para Alunos Área Privada para Encarregados de Educação Área Privada para Auxiliares de Acção Educativa DISCUSSÃO DOS RESULTADOS O Projecto na sua Generalidade Processo de Implementação Infra-estrutura de Tecnologias de Informação e Comunicação Software Portal da Educação Docentes Alunos Encarregados de Educação Mudanças verificadas on-line na vida escolar considerando diferentes intervenientes Docente Director de Turma Aluno Serviços Administrativos CONCLUSÕES Análise Crítica do Estudo Realizado Conclusões do Estudo Realizado Factores Inibidores Factores Facilitadores Recomendações Perspectivas Futuras BIBLIOGRAFIA ANEXOS Apresentação do Enquadramento da Entrevista Registo de Entrevista Escola Secundária de Águas Santas VI

7 Notas de Entrevista Guião Temático da Entrevista Semi-Estruturada Guião Temático da Entrevista Semi-Estruturada Carta de Pedido de autorizaão para a realização do estudo/ identificação da Escola Escola Secundária de Águas Santas VII

8 Índice de Figuras Figura 1 - Síntese dos principais indicadores...9 Figura 2 - Número de alunos por computador e computador com ligação à Internet no ensino público, por tipo de estabelecimento...10 Figura 3 - Quadro elaborado com base em Ferreira (2005)...15 Figura 4 - Mapa do Concelho da Maia...58 Figura 5 - Infra-estrutura da rede na ESÁS em Figura 6 - Infra-estrutura da rede na ESÁS em 2004 (Abril)...65 Figura 7 - Infra-estrutura da rede na ESÁS em Figura 8 - Estrutura do SIGE...73 Figura 9 - Menu do Kiosk...75 Figura 10 - Aluno a consultar Kiosk...75 Figura 11 Página de Abertura do Portal da Educação...78 Figura 12 Página de Acesso às Escolas do Ensino Secundário...79 Figura 13 - Página Inicial da Escola Secundária de Águas Santas...79 Figura 14 Estrutura da Área Privada do Portal da Educação...80 Figura 15 Página de Abertura da Área Privada Site Escola...81 Figura 16 - Menu lateral esquerdo da Página de Abertura da Área Privada...82 Figura 17 Página da Área Privada de um Docente da ESÁS Área da Escola...83 Figura 18 - Lista de Documentos ao dispor do Docente...84 Figura 19 Alguns dos Alertas Disponiveis...85 Figura 20 - Fórum Geral Docentes...86 Figura 21 - Estrutura do Site do Aluno...89 Figura 22 - Página da Área Privada Aluno da ESÁS Área da Escola...90 Figura 23 - Menu de Navegação Lateral Área Privada Aluno...91 Figura 24 Página da Área Privada de um Encarregado de Educação Figura 25 Acesso da E.E. aos Sites dos Docentes do seu Educando...93 Figura 26 Acesso do E.E. aos Sites das Disciplinas em que o seu Educando está inscrito...93 Figura 27 Página da Área Privada de um Auxiliar de Acção Educativa da ESÁS Avalaição do Projecto Maia Digital na Escola Secundária de Águas Santas VIII

9 Índice de Tabelas Tabela 1 - Entrevistas a Docentes...52 Tabela 2 - Entrevistas a Alunos...52 Tabela 3 - Entrevistas a Auxiliares de Acção Educativa...52 Tabela 4 Descrição dos Pavilhões da ESÁS...59 Tabela 5 - Material informático 2002/ Tabela 6 Tarefas disponibilizadas on-line antes e após o MaiaDigital para o Docente Tabela 7 Tarefas disponibilizadas on-line antes e após o MaiaDigital para o Director de Turma Tabela 8 Tarefas disponibilizadas on-line antes e após o MaiaDigital para o aluno Tabela 9 Tarefas disponibilizadas on-line antes e após o MaiaDigital para os Serviços Administrativos Avalaição do Projecto Maia Digital na Escola Secundária de Águas Santas IX

10 Siglas Utilizadas AEISMAI Associação de Estudantes do Instituto Superior da Maia BN Biblioteca Nacional CMC Comunicação Mediada por Computador CRIE Equipa de Missão Computadores, Redes e Internet na Escola EB1 Escola Pública do 1º Ciclo do Ensino Básico ESÁS Escola Secundária de Águas Santas GIASE Gabinete de Informação e Avaliação do Sistema Educativo HTML HyperText Markup Language Linguagem de Formatação de Hipertexto HTTP HyperText Transfer Protocol - Protocolo de Transferência de Hipertexto IES Instituições de Ensino Superior ISMAI Instituto Superior da Maia MINERVA Meios Informáticos no Ensino: Racionalização, Valorização, Actualização MSI Missão para a Sociedade da Informação PALOP Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa SIGE Sistema Integrado de Gestão Escolar TIC Tecnologias da Informação e Comunicação UMIC Unidade de Missão Inovação Conhecimento WSS Windows SharePoint Server Avalaição do Projecto Maia Digital na Escola Secundária de Águas Santas X

11 ENQUADRAMENTO TEÓRICO

12 Enquadramento Teórico 1. Sociedade da Informação e do Conhecimento As sociedades não perdem o seu lastro histórico; o desejo da Sociedade da Informação e do Conhecimento não faz uma sociedade nova: é antes a renovação de um ideal antigo, a proclamação de uma liberdade desejada, a fome de modernidade e de justiça, como se, de repente, as possibilidades técnicas tornassem insuportáveis os entraves burocráticos, a sufocação autoritária, a privação de informação e de saber (MCT, 1997). Em muitos documentos oficiais (MCES, 2004; MSI, 1997; UMIC, 2003) reconhece-se que a Sociedade da Informação pode contribuir para a melhoria do bem-estar dos cidadãos, em virtude de facilitar a construção de um Estado mais aberto, a inovação no ensino e na formação profissional, o acesso ao saber, o desenvolvimento de novas actividades económicas e o aumento da oferta de emprego com níveis de qualificação profissionais mais elevados, entre outros contributos positivos. No entanto, não se ignoram a existência de barreiras de acesso à Sociedade da Informação, de natureza económica, educacional e cultural, assim como os riscos de que importantes camadas da população fiquem excluídas dos seus benefícios, em consequência do fenómeno da info-exclusão. As tecnologias da informação e das comunicações são já parte integrante do nosso quotidiano. Invadiram as nossas casas, locais de trabalho e de lazer. Oferecem instrumentos úteis para as comunicações pessoais e de trabalho, para o processamento de textos e de informação sistematizada, para acesso a bases de dados e à informação distribuída nas redes electrónicas digitais, para além de se encontrarem integradas em numerosos equipamentos do dia-a-dia, em casa, no escritório, na fábrica, nos transportes, na educação e na saúde. A Sociedade da Informação não pertence a um futuro distante. Assume uma importância crescente na vida colectiva actual e introduz uma nova dimensão no modelo das sociedades modernas. É fácil encontrar referências (MSI, 1997; UMIC, 2005; XVIIGoverno, 2005) em que o acesso à informação e ao conhecimento se tornou um factor chave na mudança das estruturas económicas e sociais, que é essencial enquanto garante de Escola Secundária de Águas Santas 2

13 Enquadramento Teórico infoexclusão e coesão social e territorial e tornou-se fundamental para o crescimento económico, contribuindo decisivamente para o aumento da produtividade e competitividade das economias nacionais. O papel fundamental do desenvolvimento da Sociedade da Informação para a construção de uma Economia baseada no Conhecimento é hoje em dia amplamente reconhecido pelos diferentes Governos. Estratégias e planos de acção nacionais neste domínio têm vindo a ser definidos e implementados por todo o mundo. Em Portugal, o Plano de Acção para a Sociedade da Informação, o Plano de Acção para o Governo Electrónico e a Iniciativa Nacional para a Banda Larga e mais recentemente o plano Ligar Portugal consubstanciam a forte aposta do Estado Português na construção da Sociedade do Conhecimento. Todas estas estratégias e planos de acção, traçaram um conjunto de objectivos ambiciosos, que pretenderam contribuir não apenas para Portugal superar rapidamente o seu atraso nesta área, mas igualmente para integrar o grupo dos países europeus líderes no cumprimento dos objectivos definidos na Estratégia de Lisboa. O Conselho Europeu, (U.E., 2002) realizado em Lisboa a 23/24 de Março de 2000, estabeleceu o objectivo ambicioso de tornar a Europa a economia mais competitiva e dinâmica do mundo. Considerou que a Europa necessita com urgência de explorar rapidamente as oportunidades da nova economia, nomeadamente a Internet. Em 2000, a União Europeia adoptou o Plano de Acção eeurope 2002, que elegeu como linha de orientação estratégica a massificação do acesso e da utilização da Internet na União Europeia, condição essencial para a construção da Sociedade da Informação. O eeurope 2002 permitiu alcançar objectivos importantes na maior parte dos países da União Europeia. No entanto, a União Europeia reconheceu que a conectividade em si não era um activo representativo do aumento da qualidade de vida e da produtividade no espaço europeu. É neste contexto que surge o eeurope 2005, implicando uma deslocação dos objectivos da política europeia para a Sociedade da Informação. A prioridade do eeurope 2005 (MSI, 1997) incidiu sobre a conversão da conectividade em Escola Secundária de Águas Santas 3

14 Enquadramento Teórico actividades económicas, num ambiente favorável ao investimento privado, à criação de emprego e ao aumento da produtividade, focalizado em quatro áreas de actuação: Administração Pública em Linha, Ensino em Linha, Saúde em Linha e Negócios Electrónicos. O eeurope 2005 visava o estabelecimento de um círculo virtuoso entre os factores de estímulo à oferta (essencialmente, disponibilidade de Banda Larga) e os factores de estímulo à procura (essencialmente, novos serviços, conteúdos e aplicações multimédia), numa interdependência activa. Adicionalmente, o eeurope 2005 assenta numa filosofia de actuação centrada na Banda Larga e na convergência de tecnologias de acesso, permitindo um acesso multiplataforma. Em 2004 é lançado o projecto FUTURO 2010 Programa Operacional Sociedade do Conhecimento, visando medidas de estímulo à criação de uma verdadeira Sociedade baseada no Conhecimento, à concretização da Iniciativa Nacional para o Crescimento, à capacitação científica e tecnológica, congregando um conjunto de iniciativas nas áreas da Ciência, da Sociedade da Informação, da Cultura, da Educação, da Defesa, da Segurança, da Saúde e da modernização da Administração Pública. O conhecimento adquirido com as novas tecnologias e processos é motor de crescimento, competitividade, gerador de novos empregos e de ambiente melhorado. Contudo, o conhecimento tem de ser tratado como parte da envolvente mais vasta em que crescem e operam os vários actores, quer entidades públicas, quer privadas. Assim, dotar os indivíduos de competências adequadas é essencial para contornar riscos de exclusão e melhorar a coesão. O novo desafio da competitividade reside hoje no estabelecimento de pontes entre o conhecimento e o mercado e na criação de uma envolvente adequada à inovação no domínio das Tecnologias da Informação e Comunicação. No documento Linhas Gerais Estratégicas Eixos Prioritários, FUTURO 2010 Programa Operacional da Sociedade do Conhecimento (MCES, 2004) é referido que a persistência de fenómenos como a informalidade, a ineficiência dos sistemas burocráticos ou a resistência à incorporação de tecnologias e metodologias inovadoras nos sistemas produtivos e administrativos, exigem, ainda, apesar do esforço desenvolvido nas últimas décadas, uma maior aposta na Escola Secundária de Águas Santas 4

15 Enquadramento Teórico formação e no investimento nas novas tecnologias e que importa prosseguir. Assim, o investimento estratégico na aprendizagem, na formação e na capacitação científica e tecnológica deve ser definido de forma acrescida sob a óptica da empregabilidade. Para a Unidade de Missão Inovação e Conhecimento (UMIC, 2003), a Sociedade da Informação é uma sociedade onde a componente da informação e do conhecimento desempenha um papel nuclear em todos os tipos de actividade humana em consequência do desenvolvimento da tecnologia digital, e da Internet em particular, induzindo novas formas de organização da economia e da sociedade. Portugal não é alheio a todas estas transformações. Fazendo parte da Europa, tentando estar na linha da frente no desenvolvimento da Sociedade da Informação, estamos a sentir impactos deste novo evento. O desenvolvimento da Sociedade da Informação, através do seu impacto estruturante na Sociedade Portuguesa, está a ajudar a superar os grandes desafios que Portugal defronta, funcionando como uma alavanca das capacidades nacionais. Para Portugal conseguir atingir as metas propostas na Estratégia de Lisboa, torna-se essencial apostar na generalização das tecnologias de informação e comunicação, com o objectivo de possibilitar a todos os portugueses o acesso à Sociedade da Informação, independentemente da sua condição social, étnica ou cultural, procurando também projectar a cultura e língua portuguesa a nível universal. Embora muitos dos documentos editados até agora (M.E., 2004; MCTES, 2004; MSI, 1997; O.S.I.C., 2004/2005; UMIC, 2005) realcem que o nosso País está com um grande atraso relativamente ao que foi inicialmente previsto, existe um plano que permitirá, se executado, colocar Portugal ao nível da maioria dos Países Europeus no desenvolvimento da Sociedade de Informação. A iniciativa Ligar Portugal é um dos vectores estratégicos do Plano Tecnológico do XVII Governo, alargando o âmbito de intervenção do Estado na mobilização da Sociedade de Informação, direccionando o esforço público e privado para Escola Secundária de Águas Santas 5

16 Enquadramento Teórico consolidar ou reforçar iniciativas em curso, preencher lacunas, e promover a inovação e a criação de novos produtos e serviços (C.N.E.L., 2005). A generalização do acesso à Internet e às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) é crítica para o desenvolvimento da sociedade portuguesa. Implica a ampla apropriação social destas tecnologias nos vários sectores de actividade, o combate à info-exclusão, a exploração de novos produtos e serviços, o desenvolvimento das capacidades de investigação e formação em domínios emergentes, e um mercado nacional de telecomunicações mais competitivo. Justifica-se para isso uma nova acção política de mobilização para a Sociedade de Informação em Portugal, que simultaneamente responda aos desafios colocados pela recente iniciativa i2010 Sociedade de Informação Europeia para o Crescimento e Emprego da Comissão Europeia. Em 2005, o Programa do XVII Governo aprovado pela Assembleia da República no final de Março aponta para progressos insuficientes e sublinha uma evolução débil no esforço de mobilização da sociedade de informação em Portugal, nomeadamente quando analisado num contexto internacional. O programa indica assim a necessidade de reorientar o esforço público de forma a garantir a mobilização de uma base social de apoio muito mais alargada que permita uma mais rápida apropriação social e económica das TIC como vector de desenvolvimento do País. A iniciativa Ligar Portugal vem responder a este desafio, direccionando o esforço público e privado para consolidar ou reforçar iniciativas em curso, preencher lacunas, e promover a inovação e a criação de novos produtos e serviços, de modo a assegurar os seguintes objectivos: Promover uma cidadania moderna, informada, consciente e actuante, para a qual o uso das TIC é um instrumento normal de acesso à informação, à educação, ao trabalho cooperativo, e à discussão pública; Garantir a competitividade do mercado nacional de telecomunicações, em especial no que se refere aos seus custos para os cidadãos e empresas, e à disponibilização generalizada de serviços avançados de qualidade, assegurando a existência de condições efectivas de concorrência ao nível das melhores práticas europeias; Escola Secundária de Águas Santas 6

17 Enquadramento Teórico Assegurar a transparência da Administração Pública em todos os seus actos, e a simplicidade e eficiência das suas relações com cidadãos e empresas; Promover a utilização crescente das TIC pelo tecido empresarial, apoiando as empresas na sua modernização, enquanto condição indispensável à sua competitividade internacional, assim como assegurar o desenvolvimento de novas empresas de base tecnológica, nomeadamente de software; Estimular o desenvolvimento científico e tecnológico, promovendo actividades de Investigação e desenvolvimento em colaboração internacional. O sucesso da iniciativa Ligar Portugal dependerá em larga medida da criação e utilização de novos serviços e conteúdos, via Internet, transversais a múltiplos sectores da sociedade, com impacto directo na qualidade de vida e no trabalho dos cidadãos. Entre as múltiplas áreas a explorar (XVIIGoverno, 2005), como particularmente apropriadas a beneficiar de um aproveitamento intenso das TIC, salientam-se a título de ilustração: A modernização e abertura do ambiente escolar, providenciando ambientes de trabalho virtuais para os estudantes, documentos de apoio em formato electrónico, e sistemas de acompanhamento dos alunos por pais e docentes assim como a participação sistemática em projectos de colaboração em rede com entidades externas. Em especial será promovida a generalização do dossier individual electrónico (portfolio) do estudante que termina a escolaridade obrigatória, onde se registarão todos os seus trabalhos mais relevantes, se comprovarão as práticas relevantes adquiridas nos diferentes domínios (artístico, científico, tecnológico, desportivo e outros) e se demonstrará o uso efectivo das tecnologias de informação e comunicação nas diversas disciplinas escolares. A modernização da Administração Pública, em especial simplificando o acesso dos cidadãos aos serviços públicos e eliminando a necessidade de deslocações evitáveis; Escola Secundária de Águas Santas 7

18 Enquadramento Teórico A distribuição de informação de interesse público, designadamente sobre riscos públicos, ambiente, segurança alimentar, saúde, ou segurança interna. A sistematização de rotinas de monitorização e acompanhamento, de uma forma que permita corrigir políticas e actualizar acções. O desenvolvimento da Sociedade da Informação e do Conhecimento é uma responsabilidade que deve ser assumida por todos os portugueses, nomeadamente os agentes sociais de maior destaque. A implementação da Sociedade da Informação e do Conhecimento não é um processo virtual nem compartimentado. Necessita da colaboração estreita e articulada de toda a sociedade. O Relatório de Execução 2004 (MCTES) relativo ao Programa Operacional da Sociedade do Conhecimento refere que no global, a aposta na educação não será um desafio fácil para o nosso país uma vez que nos encontramos bastante atrás dos outros países em termos das metas definidas no eeurope 2002, verificável no baixo número de computadores (ligados e não ligados à Internet) por 100 alunos nos vários níveis de ensino, e na baixa utilização de computadores e da Internet pelos docentes nos vários níveis de ensino. Acresce ainda o facto de o nível da iliteracia básica e digital na sociedade portuguesa ser dos mais altos a nível europeu e os níveis de educação escolar e superior serem baixos, o que, aliado a limitações financeiras das famílias em causa dificulta a percepção da utilidade das TIC. Caldas (2004b) afirma que o avanço de uma sociedade está fortemente ligado ao nível de desenvolvimento dos novos meios de informação e comunicação. O digital é, no momento, de grande importância para o desenvolvimento das sociedades ditas modernas e para os avanços da região, do país e do mundo. Pode dizer-se que quem não aderir agora a esta nova era ficará a marcar passo, sem andar para a frente. É por isso, urgente que se dê mais atenção a este meio de comunicação e informação de futuro a Internet. Escola Secundária de Águas Santas 8

19 Enquadramento Teórico As escolas estão a realizar um esforço para que a Sociedade da Informação e do Conhecimento seja uma realidade na sua vida quotidiana. Dados disponibilizados pelo GIASE relativos ano escolar 2004/2005 (O.S.I.C., 2004/2005) demonstram isso mesmo. O número de computadores disponíveis, bem como aqueles que dispõem de ligação à internet tem aumentado de forma significativa, quando analisamos os dados disponíveis. Figura 1 - Síntese dos principais indicadores Nota (O.S.I.C., 2004/2005, p. 4) Estamos a entrar no seio de uma nova era, a era digital. O digital, acompanhado das mais modernas e interactivas tecnologias multimédia, está a assumir um papel cada vez mais importante para o desenvolvimento das sociedades modernas. O digital já faz parte do futuro...é o futuro. Nas escolas, nas instituições públicas e privadas, em casa, é o digital que marca o progresso (Caldas, 2004a). Para entrar devidamente e sem grandes percalços nesta nova fase da vivência da nossa sociedade torna-se fundamental investir nas Novas tecnologias de Informação e Comunicação. Em todas as áreas, mas tal como afirma Caldas (2005), é fundamental, senão imprescindível apostar no investimento das Tecnologias da Informação e da Comunicação no domínio da Educação. Em todos os diferentes níveis de ensino, na sua vertente de infra-estruturas como Escola Secundária de Águas Santas 9

20 Enquadramento Teórico também e, principalmente, em formação e qualificação dos diversos actores relevantes. A nova geração de cidadãos é e deverá ser uma geração que nasceu com estas modernas tecnologias, e por conseguinte uma geração Educada Tecnologicamente. Figura 2 - Número de alunos por computador e computador com ligação à Internet no ensino público, por tipo de estabelecimento Nota (O.S.I.C., 2004/2005, p. 10) Podemos verificar que em Portugal, pela análise da figura 2 que o número de computadores disponíveis por aluno vai aumentando de forma significativa com o aumento do nível de escolaridade. As escolas secundárias/profissionais dispõem de um maior número de computadores disponíveis por aluno. A Internet deve estar acessível e ao dispor de todos, não só como instrumento de lazer, mas sim como instrumento de trabalho. É no âmbito do desenvolvimento de serviços, nomeadamente no desenrolar de processos, que tudo passa a ser mais facilitado e mais célere. As potencialidades da Internet são inúmeras, gerando outras tantas possibilidades. E é deste pressuposto que devem partir os docentes, os alunos e outras entidades e individualidades da nossa sociedade, de modo a que se possa aprender mais e ganhar uma maior motivação relativamente às novas Escola Secundária de Águas Santas 10

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 255/IX RECOMENDA AO GOVERNO A TOMADA DE MEDIDAS COM VISTA AO DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE EM PORTUGAL

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 255/IX RECOMENDA AO GOVERNO A TOMADA DE MEDIDAS COM VISTA AO DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE EM PORTUGAL PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 255/IX RECOMENDA AO GOVERNO A TOMADA DE MEDIDAS COM VISTA AO DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE EM PORTUGAL 1 O software desempenha, cada vez mais, um papel fulcral nas actividades

Leia mais

Plano T ecnológico Tecnológico d a da E ducação Educação

Plano T ecnológico Tecnológico d a da E ducação Educação Plano Tecnológico da Educação 23 de Julho de 2007 ENQUADRAMENTO Estratégia de Lisboa ME Tornar a Europa a economia baseada no conhecimento mais dinâmica e competitiva do mundo Aumentar a qualidade e a

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR THEKA Projecto Gulbenkian Formação de Professores Responsáveis pelo Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A BIBLIOTECA E A ESCOLA O MESMO CAMINHO

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC 30 Dossier Tic Tac Tic Tac MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC Texto de Elsa de Barros Ilustração de Luís Lázaro Contribuir para o aumento do sucesso escolar dos alunos, equipando as escolas

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Sumário. 1. Introdução... 2. 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4. 3. Planeamento das acções... 7

Sumário. 1. Introdução... 2. 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4. 3. Planeamento das acções... 7 A Internet no 1º Ciclo do Ensino Básico 1 Sumário 1. Introdução... 2 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4 3. Planeamento das acções... 7 4. O Site de apoio ao projecto... 9 5. O contacto

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião da Cerimónia de Abertura do Diálogo Estratégico sobre as Tecnologias da Informação e

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção

Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção O Governo tem vindo a desenvolver de forma consistente, desde 1995, uma política de desenvolvimento da sociedade da informação em Portugal

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Plano de Desenvolvimento de Autonomia

Plano de Desenvolvimento de Autonomia Plano de Desenvolvimento de Autonomia O presente Plano de Desenvolvimento de Autonomia, produzido no âmbito do Contrato de Autonomia desta escola, celebrado com o Ministério da Educação em 10/9/2007, constitui-se

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1

Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1 Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1 A biblioteca escolar é essencial a qualquer estratégia a longo prazo nos domínios da literacia, educação, informação e desenvolvimento económico,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000

Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000 Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000 Resolução do Conselho de Ministros relativa à Iniciativa Internet O Governo tem vindo a desenvolver de forma consistente, desde 1995, uma política de desenvolvimento

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação

Relatório Final da Acção de Formação Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

Debate Nacional sobre a Educação. Como vamos melhorar a educação nos próximos anos?

Debate Nacional sobre a Educação. Como vamos melhorar a educação nos próximos anos? Debate Nacional sobre a Educação Como vamos melhorar a educação nos próximos anos? A Assembleia da República decidiu promover, conjuntamente com o Governo, um Debate Nacional sobre Educação, por ocasião

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 1 O plano de ação que se apresenta teve por base as autoavaliações efetuadas durante os anos 2009-10; 2010-11;

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Sessão de Encerramento da Conferência Internacional da. Entidade Reguladora Para a Comunicação Social (ERC) Média e Cidadania Velhas e Novas Questões

Sessão de Encerramento da Conferência Internacional da. Entidade Reguladora Para a Comunicação Social (ERC) Média e Cidadania Velhas e Novas Questões Sessão de Encerramento da Conferência Internacional da Entidade Reguladora Para a Comunicação Social (ERC) Por uma cultura de regulação Média e Cidadania Velhas e Novas Questões Fundação Calouste Gulbenkian,

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL BATALHA

AGENDA 21 LOCAL BATALHA ** AGENDA 21 LOCAL BATALHA CRIADO POR: *Grupo Coordenador do Projecto Data: Abril a Junho de 2006 AGENDA 21 LOCAL- BATALHA CONCEITOS FUNDAMENTAIS INSTRUMENTO ÚTIL A Agenda 21 Local (A21L) é um instrumento

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Pensar o futuro da educação. Aprender e inovar com a tecnologia multimedia. Comissão Europeia

Pensar o futuro da educação. Aprender e inovar com a tecnologia multimedia. Comissão Europeia Pensar o futuro da educação Aprender e inovar com a tecnologia multimedia Comissão Europeia O impacto da tecnologia da informação e da comunicação está a provocar alterações graduais mas muitas vezes radicais

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36 Plano de Formação 2009 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Competências em TIC : Curso A nível 1 CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO Área de Formação Domínio de Formação Tecnologias de Informática e Comunicação Utilização e/ou Manutenção

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO OBJETIVOS, METODOLOGIA E ETAPAS DO PROJETO EDUCATIVO MUNICIPAL Concebendo a Educação como

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais