I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas. Universidade Federal de Santa Maria. Observatório de Ações Afirmativas. 22 a 23 de outubro de 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas. Universidade Federal de Santa Maria. Observatório de Ações Afirmativas. 22 a 23 de outubro de 2015"

Transcrição

1 I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 22 a 23 de outubro de 2015 Uma análise das ações afirmativas para o acesso ao Ensino Superior: as cotas e o Programa Universidade para Todos (PROUNI) em questão Vivianne Costa Koltermann UFSM Bruna Vieira Lesina - UFSM

2 Uma análise das ações afirmativas para o acesso ao Ensino Superior: as cotas e o Programa Universidade para Todos (PROUNI) em questão Vivianne Costa Koltermann 1 Bruna Vieira Lesina 2 Resumo: Os programas de acesso ao ensino superior no Brasil permitem que qualquer individuo tenha oportunidade de ingressas em uma universidade pública no País. Assim, políticas públicas e ações afirmativas que visem o acesso de todos estão cada vez mais presentes na conjuntura brasileira nas instituições de ensino público. Através disto, o presente trabalho tem como objetivo apresentar as ações afirmativas como uma forma de diminuir a discriminação, através de medidas especiais. Tem como metodologia a pesquisa qualitativa, através da coleta de dados por meio de questionários e o termo de consentimento assinado e aceito por todos participantes. Obtiveramse como resultados três grandes grupos: PROUNI como ação afirmati va; o impacto da adoção de cotas na vida pessoal e escolar dos alunos; e a medida na qual a inserção na Universidade por meio das cotas, propicia a permanência do aluno. Conclui-se que a busca de alternativas para que todos tenham o acesso às universidades públicas e de qualidade é de extrema importância, e que a alternativa das cotas e do PROUNI pode ser uma ação alternativa que dê suporte para todos os alunos, mas que também são políticas de inclusão social nas quais ainda possuem defasagens e que devem ser revistas e analisadas por todos, para que possam ter uma educação de qualidade. Palavras-chave: Ensino Superior. Ações afirmativas. Cotas. PROUNI. 1 Graduada em Educação Física - Licenciatura/UFSM. 2 Graduada em Educação Física Licenciatura/UFSM.

3 Introdução A partir da década de 90 no Brasil, as discussões sobre a democratização do acesso ao ensino superior foram intensificadas, especialmente as discussões sobre o sistema de cotas e o ProUni (Programa Universidade para Todos). Em 2000, em um trecho do livro Enfrentar e Vencer Desafios: educação superior lançado pelo MEC, o Brasil décima economia do mundo chega às vésperas do século XXI com indicadores educacionais que o colocam em situação desvantajosa dentro da própria América Latina e são o principal obstáculo, a largo prazo, para a redução da pobreza e da exclusão social. (Brasil/MEC, 2000, p. 04). Nesse sentido, percebemos que estes debates a cerca da democratização do acesso ao ensino superior devem ser ampliadas para a questão das cotas e ações afirmativas, sendo uma das soluções disponíveis para essa democratização. Neste âmbito, podemos definir como conceito de ação afirmativa o que Cashmore (2000) nos remete, no qual nos diz que ação afirmativa é: Uma política pública que voltada para reverter as tendências históricas que conferiram às minorias e às mulheres uma posição de desvantagem, principalmente nas áreas de educação e emprego. Ela visa além da tentativa de garantir igualdade de oportunidades individuais ao tornar crime a discriminação, e tem como principais beneficiários os membros de grupos que enfrentam preconceitos (p.31). De acordo com o autor, essas políticas afirmativas assumem uma ação fundamental tanto para o desenvolvimento pessoal, social e econômico da sociedade brasileira, visto que esta intervenção é necessária para a redução das desigualdades sociais e raciais do nosso país. Assim, visto a extrema necessidade na qual o país vivencia para que as oportunidades sejam iguais a todas as classes sociais, essas medidas das ações afirmativas, especificamente as cotas nas universidades e o PROUNI, vem ao encontro de

4 que todos possam ter o acesso ao ensino superior garantido, proporcionando a permanência e a produtividade acadêmica e, consequentemente, a contribuição para a inclusão social no país. Também devemos salientar que os direitos dos cidadãos são garantidos e que as ações afirmativas proporcionam também o acesso ao ensino superior de qualidade, mas os alunos também devem ter muitas competências nas quais a vida acadêmica exige, pois, de acordo com Gomes (2004) Entrar para a universidade, sobretudo para uma universidade pública, não se traduz a uma questão de mérito, é uma questão de direito. O fato de termos um maior acesso à universidade de alunos negros, pobres e oriundos de escola pública não quer dizer que teremos uma universidade de baixa qualidade e alunos com menor mérito, mesmo porque, como sabemos, o mérito é uma construção social e acadêmica. (GOMES, 2004: 50). Após esta breve contextualização sobre ações afirmativas, este artigo vem com o intuito de que através de indagações pertinentes sobre a inserção de ações afirmativas como uma alternativa para o acesso a todos nas universidades públicas e particulares do Brasil. Partindo para a centralidade em questão, sobre o sistema de cotas e o ProUni (Programa Universidade para todos), propõe-se uma reflexão sobre essas ações afirmativas e a visão dos alunos nos quais usufruem dessas políticas afirmativas, para que possamos verificar quais aspectos são importantes, através dessas medidas, para a diminuição da discriminação e a oportunidade de igualdade do acesso ao ensino superior a todos. Assim, justifica-se esse trabalho pela reflexão necessária sobre essas medidas adotadas que visam garantir o acesso aos espaços educacionais, mais especificamente o acesso ao ensino superior, de forma garantida, com o objetivo de minimizar as injustiças sociais e raciais que condenam uma parcela da população brasileira através de oportunidades educacionais e profissionais.

5 Porém, também se deve refletir se essas ações afirmativas estão sendo realizadas de acordo com suas diretrizes e suas dimensões políticopedagógicas e socioeconômicas. Metodologia O presente artigo tem como metodologia uma pesquisa qualitativa através de um questionário para vinte alunos nos quais ingressaram em uma universidade através da política de cotas ou através do ProUni, estudantes de duas faculdades da cidade de Santa Maria/RS. Para a exploração e análise do material encontrado, utilizaremos como referência Bardin (2006), alencando as etapas da técnica de análise de conteúdo em três fases: 1) pré-análise, 2) exploração do material e 3) tratamento dos resultados, inferência e interpretação. Ou seja, rescreve-se as entrevistas; analisa-se de uma forma geral os dados obtidos; e faz-se a interpretação, de acordo com as categorias estabelecidas dentro da análise e discussão. Assim, elaboramos categorias específicas que dizem respeito às questões centrais encontradas nas análises dos questionários, nas quais são: ProUni como ação afirmativa; o impacto da adoção de cotas na vida pessoal e escolar dos alunos; e a medida na qual a inserção na Universidade por meio das cotas, propicia a permanência do aluno. Resultados e discussões Através da descrição e análise de todos os questionários, obtivemos como resultado três grandes grupos como principais pontos encontrados: PROUNI como ação afirmativa; o impacto da adoção de cotas na vida pessoal e escolar dos alunos; e a medida na qual a inserção na Universidade por meio das cotas, propicia a permanência do aluno. Assim, a partir destes principais pontos, iremos destacar cada um dos três grandes grupos em tópicos.

6 ProUni como ação afirmativa Uma das principais ideias da reforma universitária é a democratização do acesso ao ensino superior através de ações afirmativas, no qual o PROUNI é uma dessas ações presentes para o ingresso, em que consiste no acesso ao ensino superior concedendo bolsas de estudos para alunos que tenham realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e que tenha obtido avaliação igual ou superior a 50 pontos. Através destes requisitos e de acordo com o MEC (2005): A bolsa integral é destinada a quem tem renda familiar per capita não superior a 1 1 /5 salários mínimo e a parcial é designada àqueles cuja renda per capita não exceda três salários mínimos. Seguindo os critérios deste Programa as IES particulares filantrópicas devem oferecer 20% das vagas existentes em bolsas integrais para os alunos provenientes do PROUNI e as IES sem fins lucrativos e as não filantrópicas devem destinar 10% de suas vagas em troca de isenção de alguns impostos. Assim, o ProUni busca promover a inserção dos alunos nas Universidades particulares, oferecendo bolsas de 50 ou 100%,de acordo com os critérios do Programa. Através de todas estas informações, o PROUNI vem com o intuito de oferecer uma educação de qualidade para todos os que dele necessitam para ingressar em uma Universidade particular e ter o acesso ao ensino superior. Neste sentido, em um trecho da entrevista, um aluno de uma universidade x relata que: Através do ProUni, tive a oportunidade de estar cursando a faculdade que desde pequena desejei através da minha nota no Enem. Meus pais não têm condições de pagar uma universidade, e só assim estou realizando o meu sonho, e o

7 deles também. Ainda trabalho durante o dia e estudo a noite para custear minhas despesas diárias e moradia. (J.A.) Com isso, percebemos que essa ação afirmativa veio ao encontro de que muitos alunos puderam ingressar em universidades particulares para cursarem as suas faculdades desejadas, pois a maioria dos alunos que recebem a bolsa não possuem condições de custear toda faculdade. Partindo do pressuposto que as ações afirmativas são para propor a igualdade de direitos e acesso a todos, devemos perceber que o ProUni também visa uma política pública com vista ao combate a discriminação racial, de gênero e deficiência, como também para corrigir os efeitos das discriminações que foram praticadas no passado, para, assim, obtermos a concretização de uma efetiva igualdade de acesso, tais como a educação, qualificação profissional e, consequentemente, o emprego. Assim, entre ações positivas e negativas nas quais o ProUni possibilita, ainda temos que ter em mente que esta ação afirmativa é um forma positiva de acesso ao ensino superior pelas classes mais desfavorecidas do nosso país, visto que proporciona bolsas de 50 ou 100%, dependendo da renda per capital de cada aluno, e também o aluno pode financiar o restante de sua faculdade caso tenha obtido a bolsa de 50% através do FIES (Fundo de Financiamento do Ensino Superior), tendo assim a garantia de cursar e concluir a sua graduação, o que demonstra que os objetivos do PROUNI estão sendo atingidos, favorecendo uma parcela da população que, de outro modo, não teria acesso à universidade (LIMENA, 2011, p. 66) O impacto da adoção de cotas na vida pessoal e escolar dos alunos Sabemos que as políticas de ação afirmativa assumem um papel fundamental no desenvolvimento social e econômico do Brasil. Neste sentido e após muitas discussões e debates a cerca deste tema desde a década de 90, a política de cotas veio como uma alternativa de ação afirmativa para o acesso ao ensino

8 superior de negros, pessoas com decificiências e das camadas pobres do Brasil. Neste contexto da política de cotas, o professor Antonio Sérgio Guimarães do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP) afirma: As cotas foram, até agora, o único mecanismo encontrado por algumas universidades brasileiras para resolver o difícil acesso de negros e pobres às universidades públicas. É uma iniciativa corajosa e só dentro de alguns anos poderemos avaliar se realmente cumpre a sua finalidade. As piores opções são não fazer nada ou querer nos fazer crer que está tudo bem, ou que as cotas representam um grande perigo para a cultura brasileira, para as relações raciais no Brasil, para o futuro da humanidade (GUIMARÃES, 2003). Nesta ação afirmativa, percebemos que é uma alternativa viável que que possui resultados imediatos, pois em cada curso de graduação há um número x de vagas destinadas as cotas, o que proporciona a igualdade de oportunidades a todos estudantes que queiram ingressar no ensino superior. Neste sentido, a aluna de uma faculdade x comenta que: Estudei todo o meu ensino fundamental e médio em escolas públicas na cidade onde eu morava, e quando cheguei no 3ª ano do ensino médio fiz o vestibular para a cota de alunos que estudaram em escola pública, sendo chamada para o curso em que prestei o vestibular. Meus pais não tem condições de pagar uma universidade particular, então sempre fui criada por eles para aproveitar ao máximo meus estudos na escola e poder garantir o meu direito de ingressar na universidade através das cotas, o que me deixe muito feliz. (P.E.) Com este relato, percebemos que, através das cotas, os alunos veem uma alternativa de ingressarem no ensino superior de forma benéfica, como garantia dos seus direitos. Sabemos que muitos alunos estudam em escolas públicas durante todo o seu percurso escolar e tem uma boa bagagem de estudos e conhecimentos adquiridos das matérias vistas ao longo de todos os

9 anos, o que possibilita que o mesmo faça uma boa prova e ingresse no ensino superior concorrendo com quem também está nas mesmas condições e situações que o mesmo. E aqui, outro relato de um aluno negro que ingressou através das cotas no ensino superior e está no final da sua graduação: Sou negro e entrei na universidade pelas cotas para negros a 3 anos atrás, e estou quase no final da minha graduação. Ao meu ver, as cotas são a melhor forma para a igualdade de oportunidades para o ensino superior, apesar de ainda hoje em dia sofrer discriminações e racismos pela minha etnia. (K.O) Após esses dois relatos, podemos ter a convicção que a política de cotas vem de maneira benéfica para a população menos favorecida ou discriminada pela sociedade brasileira, visto que essa ação afirmativa propõe a igualdade do acesso a todos, oportunizando vagas de acesso a todos. Assim, podemos concluir na perspectiva de Bittar (2003), no qual argumentou que: Não sabemos quais serão os desdobramentos futuros desse processo. Mas a política de cotas é necessária(...) A criação do sistema de cotas nas universidades vai dar outro direcionamento na discussão sobre as desigualdades sociais no País. Temos que enfrentar o problema sem hipocrisia: existe preconceito racial no Brasil, portanto, uma intervenção para mudar isso é fundamental. (B.E.) A medida na qual a inserção na Universidade por meio das cotas, propicia a permanência do aluno Sabemos que não somente essas ações afirmativas devem promover o acesso ao ensino superior de qualidade, seja por meio da política de cotas ou pelo ProUni, mas também devem proporcionar a permanência dos alunos durante toda sua graduação até a conclusão do curso. Após análises dos questionários, um aluno de uma universidade y nos diz que:

10 Ainda há muito o que fazer para que haja a democratização e a inclusão social no ensino superior, pois precisamos entender que isso significa garantir a permanência também dos alunos, pois vejo que muitos amigos meus desistiram de seus cursos pois não tinham condições de permanecer e concluir seus cursos. (O.R.) Neste caso, podemos perceber que não só oportunizar o acesso ao ensino superior, mas também oferecer condições de permanência dos mesmos nos seus cursos são fatores de extrema importância para que os alunos tenham acesso aos seus direitos básicos, visando que essas ações afirmativas são vistas como uma política de inclusão social, no qual proporciona o resgate da cidadania, dos direitos sociais, políticos e culturais. Ao analisar o programa, CARVALHO (2005) também considera que ainda há algumas dúvidas sobre a efetividade do caráter no qual o programa proporciona em relação ao seu caráter social, visto que como já foi dito pelo trecho da entrevista citado acima, o ProUni ainda possui alguns déficits em suas ações, visto que e de acordo com a autora [...]a população de baixa renda não necessita apenas de gratuidade integral ou parcial para estudar, mas de condições que apenas as instituições públicas, ainda, podem oferecer tais como: transporte, moradia estudantil, alimentação subsidiada, assistência médica disponível nos hospitais universitários, bolsas de pesquisa, entre outros.(g.p.) Assim, devemos considerar que a inclusão social não é apenas a garantia do acesso ao ensino superior, mas também a permanência dos alunos e a qualidade no processo educativo dos cidadãos brasileiros, efetivando as ações de inclusão da população em situação de vulnerabilidade social no ensino superior. Assim, devemos não só proporcionar a educação de qualidade, como também a permanência e a conclusão dos cursos com qualidade. Conclusão

11 Depois dessa apresentação, concluímos que em relação às ações afirmativas, o Brasil teve uma significante evolução nestes últimos anos em relação aos cenários de desenvolvimento pessoal e profissional dos indivíduos, visto que as medidas adotaram obtiveram êxito, em sua maioria, na diminuição da discriminação e na igualdade de direito a todas as classes sociais para o acesso ao ensino superior. Os defensores da política de cotas concorda que esta ação não é uma solução definitiva, mas que sabemos que poucas são as medidas viáveis e que possuem resultados imediatos. Mas, minimamente, o sistema de cotas ajuda a resgatar novamente a cultura de uma população na qual é discriminada, e que, em muitas vezes, também é afastada do acesso à educação e também do mercado de trabalho. O ProUni também é uma ação afirmativa que, se administrada conforme suas diretrizes, é uma boa alternativa através de suas bolsas de estudo para as camadas mais desfavorecidas do país. Mas sabemos que devem ser proporcionadas aqueles que dela mais necessitam, e que devem garantir o acesso ao ensino superior de qualidade. Cabe ressaltar também que não só a preocupação com o acesso ao ensino superior, mas também com a permanência dos alunos ingressantes pelo sistema de cotas ou pelo ProUni, pois caso contrário estas ações afirmativas poderão transformar-se em uma medida que não visa a garantia do direito. Contudo, não há como negar que o momento atual no Brasil é de buscar alternativas e de explorar o surgimento de práticas de desenvolvimento social através das ações afirmativas, visto que as políticas de inclusão social para o acesso ao ensino superior são um desafio a se analisar e compreender no âmbito educacional. Referências BARDIN, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70. (Obra original publicada em 1977)

12 BITTAR, Mariluce. A política de cotas é necessária. Correio do Estado. Campo Grande, 06 de junho de 2003, p. 7a. BRASIL/MEC. (2000). Enfrentar e Vencer Desafios: educação superior. Brasília: Secretaria de Educação Superior/MEC, Disponível em: portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/enfr.pdf Acesso em: 10 de abr. de CARVALHO, Cristina Helena Almeida de. Política de ensino superior e renúncia fiscal: da reforma universitária de 1968 ao PROUNI. Trabalho apresentado na 28ª Reunião Anual da ANPED, no GT: Política de Educação Superior. Brasil, RJ, Caxambu, outubro de Disponível na htpp://www.anped.org.br Acesso em 29 set CASHMORE, E. et. al. (2000). Dicionário das relações étnicas e raciais. São Paulo: Summus. GOMES, Nilma Lino. Cotas para a população negra e a democratização da universidade pública. In: PEIXOTO, Maria do Carmo de Lacerda (org.). Universidade e democracia: experiências e alternativas para a ampliação do acesso à universidade pública brasileira. Belo Horizonte: UFMG Ed., GUIMARÃES, Antonio Sérgio. Sistema de cotas para negros amplia debate sobre racismo. Disponível em: Acesso em: 27 set LIMENA, Maria Margarida Cavalcanti et al. (Orgs.). Prouni e inclusão social. São Paulo: Xamã, 2011.

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82 Lei nº 1.591/2010 Altera a Lei Municipal 1.313/205, Cria a Coordenadoria Especial de Políticas para Mulheres, Cria a Coordenadoria Especial de Promoção da Igualdade Racial, e dá outras providências. O

Leia mais

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras Muitas pessoas se assustam ao ouvirem a idéia de criação de cotas para negros nas universidades públicas Brasileiras. Este artigo busca compreender

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária Acesso a produtos e serviços bancários a cidadãos de baixa renda; Serviços bancários + preocupação social. Ações para inclusão

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

Políticas Públicas para a Educação: uma descrição do Prouni e seu Policy Cycle

Políticas Públicas para a Educação: uma descrição do Prouni e seu Policy Cycle Políticas Públicas para a Educação: uma descrição do Prouni e seu Policy Cycle Joeslaine da Cruz Malko; Antônio Gonçalves de Oliveira PET Políticas Públicas, Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

AS AÇÕES AFIRMATIVAS E A INCLUSÃO EDUCACIONAL NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

AS AÇÕES AFIRMATIVAS E A INCLUSÃO EDUCACIONAL NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA AS AÇÕES AFIRMATIVAS E A INCLUSÃO EDUCACIONAL NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SARZI, Luana Zimmer 1 LORENSI, Vanise Mello 2 LAVARDA, Eliane Sperandei 3 Grupo de Trabalho Diversidade e Inclusão Agência

Leia mais

Crédito Estudantil Ibmec

Crédito Estudantil Ibmec Crédito Estudantil Ibmec Queremos receber bons estudantes e torná-los excelentes alunos. Olhando para o futuro, também queremos que eles sejam os melhores profissionais do mercado. Sabemos que ter uma

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

Política de Bolsas e Financiamentos

Política de Bolsas e Financiamentos Política de Bolsas e Financiamentos Queremos receber bons estudantes e torná-los excelentes alunos. Olhando para o futuro, também queremos que eles sejam os melhores profissionais do mercado. Sabemos que

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

Política de Bolsas e Financiamentos

Política de Bolsas e Financiamentos Política de Bolsas e Financiamentos Queremos receber bons estudantes e torná-los excelentes alunos. Olhando para o futuro, também queremos que eles sejam os melhores profissionais do mercado. Sabemos que

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP VERSÃO: 03-04-2008 2 O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP 1. Apresentação do Programa O Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP) foi concebido a partir da preocupação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS NO RIO GRANDE DO SUL PROUNI RS RESOLUÇÃO DO CONSELHO GESTOR DO PROUNI/RS Nº 03/2012

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

PROGRAMAS EDUCACIONAIS: UM CAMINHO PARA A INCLUSÃO SOCIAL 1

PROGRAMAS EDUCACIONAIS: UM CAMINHO PARA A INCLUSÃO SOCIAL 1 Danielle PROGRAMAS EDUCACIONAIS: UM CAMINHO PARA A INCLUSÃO SOCIAL 1 Danielle Sales Pinto 2 Carolina Elisa Suptitz 3 RESUMO Se a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é ser o opressor. Paulo

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO EDUCACIONAL DO DEFICIENTE VISUAL PARA SUA INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO

OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO EDUCACIONAL DO DEFICIENTE VISUAL PARA SUA INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO EDUCACIONAL DO DEFICIENTE VISUAL PARA SUA INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO Leni Aparecida da SILVA(PG-UENP/Jac.) leniapsilva@bol.com.br Sonia Maria Dechandt Brochado (Orientadora-UENP/Jac.)

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 O Programa Universidade para Todos (Prouni) foi criado pelo Governo Federal em 2004 e tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais

Leia mais

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA ROSÉLIA PINHEIRO DE MAGALHÃES 1 E SIMONE CAZARIN DE MENEZES 2 A educação tem grande capacidade de influência no

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

SEMINÁRIO EVASÃO NO ENSINO SUPERIOR

SEMINÁRIO EVASÃO NO ENSINO SUPERIOR SEMINÁRIO EVASÃO NO ENSINO SUPERIOR Aspectos a Considerar O que é Evasão? Perda: implica a admissão de uma responsabilidade da escola e de tudo que a cerca por não ter mecanismos de aproveitamento e direcionamento

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

Cotas Raciais Radiojornalismo 1

Cotas Raciais Radiojornalismo 1 Cotas Raciais Radiojornalismo 1 Tomas Edson Silveira Rodrigues 2 Lisete Ghiggi 3 Centro Universitário Metodista IPA RESUMO O trabalho consiste na produção de um debate sobre as cotas raciais para ingresso

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE SÃO

Leia mais

POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1

POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1 POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1 1. FIES O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O SISTEMA DE COTAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL (2004-2008) Daisy Ribas Emerich UCDB O objetivo da pesquisa consistiu em analisar

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCLUSÃO SOCIAL VESTIBULAR 2009/2 CACOAL/RO 2009 INTRODUÇÃO Sabendo de seu compromisso social, a Facimed criou o Programa de Inclusão

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

A matrícula será realizada nos dias 8 e 9 de dezembro de 2015, no horário das 8 às 16 horas.

A matrícula será realizada nos dias 8 e 9 de dezembro de 2015, no horário das 8 às 16 horas. Perguntas frequentes: 1) Quais os dias de prova do Vestibular Univale 2016? Você pode escolher qual o melhor dia para fazer as provas do Vestibular Univale 2016. 28 de novembro de 2015 (sábado), das 15

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem?

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem? FIES + P ROUNI A UNA, uma Instituição que faz diferença no tempo e no espaço que está inserida, que participa da comunidade e sabe da sua importância na formação de profissionais e de cidadãos, oferece

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO FACULDADE LEÃO SAMPAIO Edital nº 01/2012 O Diretor Geral da Faculdade de Ciências Aplicadas Dr. Leão Sampaio, no uso das suas prerrogativas institucionais e legais, e considerando o que determina o Art.

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12).

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12). ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12). Geórgia Dantas Macedo Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) georgiacg@gmail.com INTRODUÇÃO Este

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

Manual do Aluno Bolsista Faculdade Salesiana do Nordeste

Manual do Aluno Bolsista Faculdade Salesiana do Nordeste Manual do Aluno Bolsista Faculdade Salesiana do Nordeste Recife, 2014 Apresentação A Faculdade Salesiana do Nordeste atenta em atender os critérios de concessão e manutenção de Bolsa Social de Estudos,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Abimael Sousa Cordeiro* 1 ; Bruno Peixoto de Oliveira 1 1 Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação de Itapipoca,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010

Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 Estados Unidos: a polêmica em torno do financiamento do governo federal que beneficia as IES com fins lucrativos e aumenta o endividamento dos estudantes Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 No

Leia mais

O PROUNI: IMPACTOS DO PROGRAMA COMO POLÍTICA PÚBLICA PARA UNIVERSITÁRIOS DE BELO HORIZONTE

O PROUNI: IMPACTOS DO PROGRAMA COMO POLÍTICA PÚBLICA PARA UNIVERSITÁRIOS DE BELO HORIZONTE O PROUNI: IMPACTOS DO PROGRAMA COMO POLÍTICA PÚBLICA PARA UNIVERSITÁRIOS DE BELO HORIZONTE Janaína Vieira de Carvalho 1 Renato Júdice de Andrade 1 End. Rua Itaguaí, nº 315 Bairro: Alto Caiçara Belo Horizonte

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 4PRACOUT03 CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Alan Leite Moreira (1); Patrícia Roque Lemos (1); Profª. Vilma

Leia mais

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE Bruno Morche 1 Clarissa Eckert Baeta Neves 2 A educação superior possui grande destaque no rol de discussões na sociedade

Leia mais

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos Samile Andréa de Souza Vanz 1 Glória Isabel Sattamini Ferreira 2 Patrícia Mallman Souto Pereira 3 Geraldo Ribas Machado 4 Universidade Federal

Leia mais

coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - eg o. m r e é r q Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - eg o. m r e é r q Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. o coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - Sou d advoga Será a que e é nã p o r consigo e q u e sou n m pr eg r eg o a?. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul, de acordo com as atribuições previstas no seu Estatuto e Regimento Geral e em consonância

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

Palavras chave: Educação, Estudantes, Valorização do Estudo. Introdução

Palavras chave: Educação, Estudantes, Valorização do Estudo. Introdução Jovens Egressos do Ensino Médio: Continuam Estudando ou Não? Jonas Eduardo Steffen 1 Gracieli Munchen 2 Alberto Hauser 3 Márcio José Sauer Martini 4 Alessandro Hauser 5 Jeronimo Becker Flores 6 Resumo

Leia mais

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG Aprovado pela Resolução CD-083/04, de 13/12/2004 Capítulo I Dos Princípios Art. 1º - A

Leia mais

O QUE DOCENTES E DISCENTES DO IFNMG CAMPUS SALINAS SABEM SOBRE OS PROGRAMAS DO GOVERNO VINCULADOS AO EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM)

O QUE DOCENTES E DISCENTES DO IFNMG CAMPUS SALINAS SABEM SOBRE OS PROGRAMAS DO GOVERNO VINCULADOS AO EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM) O QUE DOCENTES E DISCENTES DO IFNMG CAMPUS SALINAS SABEM SOBRE OS PROGRAMAS DO GOVERNO VINCULADOS AO EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM) Vailton Afonso da Silva Geovânia Silva Santos Instituto Federal

Leia mais

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei.

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei. Reserva de Vagas PROJETO DE LEI 3627-2004 Institui Sistema Especial de Reserva de Vagas para estudantes egressos de escolas públicas, em especial negros e indígenas, nas instituições públicas federais

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2

EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2 EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2 O REITOR da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, no uso de suas atribuições legais, torna pública as alterações no Edital n. 001/2014

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT

I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT 4 a 6 de março de 2013 O I Fórum de Assistência Estudantil

Leia mais

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009 POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA Por Dentro da UFOP Ouro Preto 25 de abril de 2009 Debate sobre as ações afirmativas no ensino superior Democratização do acesso a este importante nível de ensino. Está diretamente

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais

POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI

POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI Thais Pacievitch thais_831@hotmail.com Agência financiadora: Observatório da Educação Superior da UFPR Resumo:

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RECURSOS HUMANOS O PROGRAMA O Programa Municipal de Voluntariado

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS

LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS 5 Educação Superior Karoline dos Reis Macedo 1 Carina Elisabeth Maciel 2 Pôster Resumo: Este texto é parte da pesquisa

Leia mais

Ações Afirmativas: O PROUNI na Educação Superior Brasileira

Ações Afirmativas: O PROUNI na Educação Superior Brasileira Ações Afirmativas: O PROUNI na Educação Superior Brasileira Vera Lucia Felicetti Marília Costa Morosini Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

Um país melhor é possível

Um país melhor é possível Um país melhor é possível Um país melhor é urgente... 53 milhões de pobres vivem com renda familiar mensal de um salário mínimo; Desses, 20 milhões são indigentes ou vivem com renda de até ½ salário; Os

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Brasília DF 2010 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais