Hotelaria e Desenvolvimento Local: trabalho no Ceará contemporâneo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hotelaria e Desenvolvimento Local: trabalho no Ceará contemporâneo."

Transcrição

1 IV Reunião Equatorial de Antropologia e XIII Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste 04 a 07 de agosto de 20, Fortaleza-Ceará. Grupo de Trabalho: Turismo, populações locais e meio ambiente. Sessão III Patrimônio material e imaterial, turismo em espaços urbanos Hotelaria e Desenvolvimento Local: trabalho no Ceará contemporâneo. Autor: Cairo Cézar Braga de Sousa; Universidade Estadual do Ceará. Co-autor: José Clerton de Oliveira Martins; Universidade Estadual do Ceará.

2 Hotelaria e Desenvolvimento Local: trabalho no Ceará contemporâneo. Resumo: Quando o turista resolve viajar muitos fatores são levados em consideração, como o clima da destinação turística, seus atrativos naturais, culturais, históricos, a qualidade dos seus serviços, entre outros. O turismo na contemporaneidade assumi papel de grande relevância no contexto econômico, social e natural nas destinações. No caso do Ceará, já representa, segundo a Secretaria de Turismo do Estado do Ceará-SETUR(202), 0, 8% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado.No que diz respeito a qualidade desses serviços fala-se da hotelaria, elo de grande importância na cadeia produtiva do Turismo, objeto do nosso estudo neste artigo. Essa pesquisa exploratória foi realizada na cidade de Fortaleza/Ce, e apresenta o mercado hoteleiro, com sua demanda e oferta. A pesquisa tem caráter descritivo diante da investigação proposta para o alcance do objetivo, que é descrever o mercado hoteleiro na cidade de Fortaleza nos dias de hoje, e para isso utilizouse de uma abordagem quali-quantitativa, tendo como método a utilização de dados disponibilizados pela Secretaria de Turismo do Estado do Ceará- SETUR-Ce. O sucesso almejado depende mais do que simplesmente de um ambiente natural preservado, mas também, e não isoladamente, de uma boa estratégia de promoção, infraestrutura adequada de recepção e emissão, serviços e produtos de qualidade, percepção sobre a expectativa individualizada do seu cliente, entendimento sobre o papel social individualizado na venda do produto turístico, seja ele, o natural, o tangível, o intangível, ou simplesmente mas não menos importante, da capacidade de oferecer uma experiência positivamente inesquecível. Palavras chaves: Hotelaria; demanda; oferta; Contemporaneidade.

3 Introdução. A atividade turística gera vários impactos econômicos, contribuindo com parte da produção e da renda nacional, distribuição de renda e crescimento econômico. Gerando ainda, segundo Santos e Kadota (202), Impactos econômicos em âmbitos específicos do sistema econômico, como taxa de desemprego, taxa de juros, o balanço de pagamento, a taxa de câmbio, inflação, entre outros. Como fenômeno social, ressalta Barretto (2007) o turismo abrange o mundo inteiro, do ponto de vista geográfico, e todos os grupos e camadas sociais. Isso, segundo ainda a autora, graças a internacionalização das economias e da cultura, assim como as facilidades de comunicação e transporte. O turismo gera ainda impacto em diversos outros setores da economia, o que chamamos de efeito multiplicador do turismo, que consiste, segundo Acerenza e Barretto apud Barreto (2007), em um modelo teórico de distribuição da renda de um país entre os diferentes setores da sua economia. Percebe-se com isso a importância econômica do fenômeno turístico na economia de um país. Entretanto, para que consigamos oferecer um produto e/ou destino turístico é necessário que tenhamos atenção com todos os elos que compõe a cadeia produtiva do turismo, onde, entre eles, está o objeto de estudo desse artigo: a hospedagem. Como definição para o fenômeno opta-se por utilizar-se um caráter mais holístico no processo, e adota-se a trazida por Jafari apud Beni, onde turismo é: O estudo do homem longe do seu local de residência, da indústria que satisfaz suas necessidades, e dos impactos que ambos, ele e a industria, geram sobre os ambientes físicos, econômico e sociocultural da área receptora. (Beni, 2007, pag. 7) A pesquisa tem caráter descritivo diante da investigação proposta para o alcance do objetivo, que é descrever o mercado hoteleiro na cidade de

4 Fortaleza nos dias de hoje, e para isso utilizou-se de uma abordagem quantitativa, tendo como método a utilização de dados já disponibilizados pela Secretaria de Turismo do Estado do Ceará-SETUR-Ce. O Turismo no Ceará. O Estado do Ceará apresenta um crescimento constante no que diz respeito a demanda turística no Estado, e assumi cada vez mais, papel de destaque no cenário Nacional e Internacional. A Secretaria de Turismo do Ceará- SETUR aponta um crescimento de 27,9% no aumento de turistas em relação com ao ano de 995, passando de para em 20, conforme tabela abaixo: Tabela. Demanda Turística Via Fortaleza. TOTAL NACIONAL INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO ANOS Turistas Índices Turistas Índices Turistas Índices (%) , , ,0 5, , , ,6 5, , , ,2 5, , , ,8 6, , , ,6 6, , , ,7 8, , ,5 72,894 45,9 0, , , ,, , , ,2 2, , , ,9 4, , , ,8, , , ,9,0

5 , , ,2 2, , , , 0, , , ,4 8, , , , 8, , , ,9 7,7 Fonte: SETUR (202) A tabela também segmenta os dados em relação a demanda de turistas nacionais e turistas estrangeiros. No que diz respeito ao turismo doméstico ou nacional, é percebido um aumento de 26, 2 % em relação ao mesmo período de tempo, e de turistas estrangeiros ou demanda internacional, verifica-se um aumento de 477, 9 %, passando de um pouco mais de 8 mil turistas em 995 para mais de 220 mil turistas em 20. Tais dados sevem de indicadores para investidores, e desenvolvimento de políticas públicas de fomento ao turismo. O turismo tem um impacto bem relevante no Produto Interno Bruto do Estado, sendo responsável por exatos 0,8% de todas a riquezas produzidas, segundo a SETUR e apresentado na tabela abaixo: Tabela. Receita Turística e Impacto sobre o PIB: 995/20. Discriminação Gasto Percapita/dia(R$) 4,25 9,84 2.Permanência Média (Dias) 2,0 0,8.Gasto Percapita(R$) 495,00.50, 4.Demanda Turística via Fortaleza Receita Turística Direta (R$ milhões) 77, Renda Gerada (R$ milhões) 505, 7.4,40

6 7. PIB (R$ milhões) Impacto Sobre do PIB (%) 4,0 0,8 Fonte SETUR (202). Percebe-se, através da tabela, que em quase todos os itens tivemos um aumento em relação ao ano de 995, somente no item permanência média em dias houve uma pequena diminuição, entretanto, pelo aumento do gasto per capto a representação no PIB aumentou em mais de 200% no intervalo de tempo, passando de 4% em 995 para 0, 8% em 20. Beni(2008) defende que a melhor maneira de se estudar o mercado turístico segmentando-o, decompondo a população em grupos homogênios, levando em consideração suas motivações, e outros fatores. Entre as vantagens da segmentação está a economia de escala para as empresas turísticas, aumento da concorrência no mercado já que se conhece a necessidade do consumidor a ser conquistado e/ou fidelizado, e favorece ainda a criação de políticas de preços e propagandas direcionadas. Quando falamos em segmentação turística, temos como principal meio para segmentar o mercado a motivação da viagem. No Ceará, quando se fala em motivação da viagem, temos dados disponível dos anos de 995 a 200, conforme tabela abaixo: Tabela. Demanda Turística Via Fortaleza segundo a motivação: 995/200. Anos Lazer Eventos Negócios Outros Total (%) 75,0 2,0 20,0,0 00, (%) 66,0 6, 24,7,2 00,0

7 (%) 8,5 5,6 0,5 0,4 00, (%) 66,7 8, 2,2 2,0 00,0 Fonte: SETUR (202). Os dados apresentados anteriormente mostram de maneira mais genérica essa segmentação, salientando que as mesmas podem apresentar subdivisões. A motivação de lazer é a mais representativa de todos, responsável por de 66, 7% dos turistas que vem ao Ceará via Fortaleza, seguida por turismo de negócios com 2,2%, turismo de eventos 8,%, e outros. O Estado do Ceará apresenta inúmeras vantagens que garantem um alta competitividade no mercado do turismo, entre eles estão a curto período de chuva, a localização geográfica, a receptividade da população, os ventos, a extensão da sua orla marítima, etc. Contextualizando historicamente a Hotelaria no Brasil. Os meios de hospedagem são, segundo Lohmann e Netto (2008) são acomodações turísticas utilizadas para pernoitar fora o seu ambiente usual de convivência. Podem ser de dois tipos: as comerciais, que cobram para que se possa usufruir da acomodação, e as não comerciais, as que não cobram. Para fins acadêmicos nos retratamos apenas ao meios de hospedagem comerciais. Campos (2005) diferencia a ocupação brasileira, no período de colonização, da ocupação Norte America. A ocupação no Brasil caracterizou-se pela vinda de homens sozinhos em busca de riqueza rápida. Com isso acredita-se que, pela visão extrativista da época, o comércio era mal organizado e os aglomerados urbanos tinham um caráter provisório. Nisso era

8 uma característica da época a hospedagem em casa de amigos e/ou famílias moradoras da região, atrasando o processo de surgimento dos meios de hospedagem. Nos aglomerados maiores, as casas religiosas começam a oferecer hospedagem a baixo custo, e surgem também, no mesmo período, as pensões. Segundo ainda Campos (2005), na metade do século XVII, aproximadamente, surge a primeira grande hospedaria, que veio abrigar a Real Academia dos Guardas-Marinha desde a chegada da família real até 89. Somente no final do século XVIII podemos dizer que o Brasil começa a desenvolver a hospedagem comercial, sendo o Estado do Rio de Janeiro o precursor desse desenvolvimento, já possuindo entre 8 e 5 casas de pastos. Somente na segunda metade do século XIX começam a ser erguidos as primeiras construções que tinham como finalidade o funcionamento como estabelecimento de hospedagem. Ressalva-se que o crescimento da hotelaria estava atrelado ao traçado das ferrovias. No recente desenvolvimento do setor hoteleiro no Brasil, alguns pesquisadores, segundo Caon (2008), apontam como marco histórico a criação dos grandes cassinos nos moldes daqueles já existentes no exterior, o que acontece em meados da década de 90, o que gerou a implantação de grandes hotéis associados a esses cassinos, principalmente nas grandes capitais e nas estâncias hidrominerais do país. Porém, alguns anos depois, exatamente em 946, com a proibição dos jogos de azar, a maioria desses hotéis fecharam suas portas juntamente com os cassinos, entendendo que muitos deles funcionavam como verdadeiros anexos. Na década seguinte, ainda segundo Caon (2008), a década de 970 caracterizou-se por um crescimento acelerado no setor hoteleiro, motivado principalmente pelo forte desenvolvimento da infraestrutura dos transportes, principalmente os aéreos e rodoviários. Outros estímulos também estiveram presentes na mesma época, como a criação de órgãos governamentais específicos, como o Instituto Brasileiro de Turismo, hoje EMBRATUR, e o

9 aumento de linhas de financiamento para o desenvolvimento do setor hoteleiro, incentivos fiscais, entre outros, o que viabilizava a implantação de diversos projetos nos segmentos de turismo e hotelaria. Essas novas políticas de crédito e atuação do governo propiciou um rápido crescimento, e possibilitou às empresas hoteleiras da época dobrar a sua capacidade, enquanto outras de origem internacional aqui também se instalaram (Caon, 2008, pag.02). Ainda na década de 70, percebe-se no país a instalação dos primeiros grandes hotéis voltados simultaneamente para o turismo de negócio e lazer. Instalam-se também grandes cadeias hoteleiras internacionais, atraída pelo mercado crescente, em ascensão e que já comportava esse tipo de empreendimento. Foi no ano de 972 que a rede Hilton inaugurou o São Paulo Hilton, marcando a mudança no sentido de uma administração profissionalizada na hotelaria brasileira. Na mesma categoria, surgem o Sheraton e o Méridien no Rio de Janeiro, enquanto grupos como a francesa Accor, a espanhola Meliá e o Club Mediterranée, no mesmo período, iniciam uma forte consolidação de suas respectivas marcas, enquanto pelo interior do país e no litoral do Nordeste surgem inúmeras construções de hotéis independentes como o Hotel Jatiúca, em Maceió. (CAON, 2008, pág. 2). Na década seguinte, o país passa por um crise econômica, o que influencia diretamente no setor hoteleiro com a queda da demanda, afastando investidores no setor, e além disso, houve o fim dos financiamentos a longo prazo e de incentivos fiscais direcionados ao setor hoteleiro. Na década de 90, devido principalmente a atuação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social- BNDES, com a criação de um linha de crédito direcionada a construção de novos hotéis, o pais volta a crescer nesse segmento, podendo-se visualizar muitas unidades hoteleiras surgindo em todo o território nacional. Com a estabilidade econômica no país, advinda, entre outras coisas, da implantação do Plano Real, o setor continua a crescer, surgindo ainda mais investidores. Essa década reflete um dos períodos de maior expansão da

10 oferta da indústria hoteleira (Caon, 2008, pag.0). Recolocando o país no interesse internacional. Na atualidade a hotelaria continua a assumir papel de destaque na geração de receita, emprego e renda para as regiões. Segundo dados da Associação Brasileira da Industria de Hotéis-ABIH (2008), o parque hoteleiro nacional dispõe de aproximadamente 25 mil meios de hospedagem, gerando 550 mil empregos diretos e outros 500 mil indiretos, com uma oferta média de de apartamentos em todo o país, e um faturamento médio de R$ 2 bilhões ao ano. A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo, FIPE-USP (2006), apresenta dados relevantes para a compreensão do setor hoteleiro nacional e da sua importância econômica, tendo como base a geração de efeitos multiplicadores, diretos e indiretos, produção, renda e emprego da atividade hoteleira no Brasil. A pesquisa aponta que o setor de hospedagem é responsável, direta e indiretamente, pela geração de cerca de 0,5% das riquezas do País, e 0,45% dos empregos, cerca de postos de trabalho. Independente da discrepância entre alguns valores, percebe-se a importância econômica do setor para o país, no que diz respeito a geração de renda e criação de postos de trabalho. Quantificando a Hotelaria no Ceará. No Ceará a hotelaria tem grande importância no desenvolvimento local dos municípios, sendo responsável pela geração de emprego e renda nas regiões, principalmente as regiões consideradas turísticas. É apresentado a seguir o mapeamento da oferta de meios de hospedagem no Estado do Ceará. Tabela. Oferta hoteleira nos municípios turísticos do Ceará: dezembro de 20. Região MH Uhs Leitos Região MH Uhs Leitos Fortaleza Cariri Fortaleza Assaré Ibiapaba Araripe 8 6

11 . Carnaubal 2. Croatá. Ibiapina 4. Ipú 5. Guaraciaba do Norte 6. São Benedito 7. Tianguá 8. Ubajara 9. Viçosa do Ceará Aurora 4. Barbalha 5. Campos Sales 6. Crato 7. Jardim 8. Juazeiro do Norte 9. Missão Velha 0. Nova Olinda. Santana do Cariri Litoral Oeste Maciço de Baturité Acaraú 2. Amontada. Caucaia 4. Itapajé 5. Itapipoca 6. Itarema 7. Paracuru 8. Paraipaba 9. Pentecoste 0. S. Gonçalo do Amar.. Tejuçuoca 2. Trairí. Uruburetama Aratuba 2. Baturité. Barreira 4. Guaiúba 5. Guaramiranga 6. Itapiúna 7. Maranguape 8. Mulungu 9. Pacatuba 0. Pacoti. Palmácia 2. Redenção Banabuiú 2. Canindé. Itatira 4. Pedra Branca 5. Quixadá 6. Quixeramobim 7. Senador Pompeu Litoral Leste Sertão Central Aquiraz 2. Aracati. Beberibe 4. Cascavel 5. Fortim 6. Icapuí , Litoral Extremo Oeste Barroquinha 2. Bela Cruz. Camocim 4. Cruz 5. Granja 6. Jijoca de Jericoacoara Vale do Jaguaribe Jaguaribara 2. Jaguaribe. Limoeiro do Norte 4. Morada Nova 5. Pereiro 6. Russas Vale do Salgado Cedro 2. Icó. Iguatu 4. Lavras da Mangabeira 5. Orós 6. Várzea Alegre Vale do Acaraú Massapê 2. Meruoca. Sobral Sertão dos Inhamuns Aiuaba 2. Crateús. Ipaporanga 4. Poranga Total Geral Municípios (M) 85 MH.029 Relações MH/M 2,9 UHs 67 Fonte: SETUR (202) Leitos (L) Uhs 26.4 Leitos (L) 828 UH/M 5 A tabela acima apresenta um panorama geral dos meios de hospedagem no Estado do Ceará, onde 85 municípios foram pesquisados, totalizando 029

12 meios de hospedagem, com 264 unidades habitacionais (UH s) e leitos. Para unidades habitacionais utilizaremos a definição disponível no Regulamento Geral do Meios de Hospedagem, disponível no site do Ministério do Turismo, que diz, no seu artigo 4º que uma unidade habitacional-uh é o espaço, atingível a partir das áreas principais de circulação comuns do estabelecimento, destinado a utilização pelo hospede, para o seu bem-estar, higiene e repouso. O regulamento ainda tipifica as UH s em quartos, que é a unidade habitacional constituída no mínimo, de quarto de dormir de uso exclusivo do hóspede, com local apropriado para a guarda de roupas e objetos pessoais ; em apartamento que unidade habitacional constituída, no mínimo, de quarto de dormir de uso exclusivo do hóspede, com local apropriado para a guarda de roupas e objetos pessoais, serviço de banheiro privativo ; e finalmente a suíte, que é uma unidade habitacional especial constituída de apartamento(...), acrescido de uma sala de estar. Com isso temos os três tipos de unidades habitacionais definidos pelo Regulamento Geral de Meios de Hospedagem. Fortaleza é responsável pelo maior número de meios de hospedagem ofertados, assim como também pelo maior número de unidades habitacionais e leitos disponibilizados, seguido pelos municípios do litoral oeste do Estado, com 96 meios de hospedagem, 545 unidades habitacionais, 905 leitos; e pelo litoral leste com 86 meios de hospedagem, 740 unidades habitacionais e 007 leitos. A oferta de acomodações em Fortaleza e nos litorais leste e oeste representa bem a condição das regiões como as principais receptoras de turismo no Estado. Chama ainda a atenção, nos dados apresentados pela Secretaria de Turismo do Ceará-SETUR (202), o Estado possui uma média de 2,9% de meios de hospedagem e 5 unidades habitacionais para cada município pesquisado, sendo que a média de unidades habitacionais e leitos para os meios de hospedagem é de 67 e 828 respectivamente.

13 O litoral extremo oeste e a região do Cariri aparecem do 4º e 5º lugar respectivamente na oferta de meios de hospedagem, o que demonstra a diversificação regional na oferta de equipamentos hoteleiros no Estado. Fortaleza, conforme dados apresentados pela Secretaria de Turismo do Estado-SETUR-Ce, apresenta um número considerável de meios de hospedagem e oferta de unidades habitacionais e leitos. Mercado hoteleiro em Fortaleza Coriolano (2007, pag.2) expõe os meios de hospedagem como tendo grande importância na oferta de um lugar como produto turístico. Em Fortaleza esse meios de hospedagem também assumem papel de destaque na construção da cidade como um produto turístico. A oferta turística de Fortaleza é apresentada com dados retirados da Secretaria de Turismo do Estado do Ceará. Tabela. Oferta hoteleira de Fortaleza Anos Hotéis Pousadas Flats Albergues Rede Hoteleira MH UHs Leitos MH UHs Leitos MH UHs Leitos MH UHs Leitos MH UHs Leitos Fonte: SETUR (202) Tendo como referência os anos de 2000 à 20 e as tipologias dos meios de hospedagem: Hotéis, Pousadas, Flats e Albergues, a tabela nos remete ao aumento na oferta de hotéis de albergues na cidade de Fortaleza, passando

14 de 88 para 99, e de para 06 respectivamente. Apresenta-se ainda uma diminuição na oferta de pousadas e flats, passando de 99 para 72 pousadas, e de 27 para 2 flats. No contexto geral da oferta hoteleira percebemos uma diminuição de 5 meios de hospedagem no período, antes ofertando 25 e no ano de 20, apenas 200. Apesar dessa diminuição na oferta no número de meios de hospedagem temos um aumento no número de unidades habitacionais- UH s e de leitos. Esse aumento nas unidades habitacionais e leitos deve-se ao aumento do número de hotéis que na sua estrutura dispõe de uma maior oferta de quarto, normalmente, em relação aos outros meios de hospedagem. A tabela a seguir apresenta dados referentes a demanda turística e a Oferta hoteleira mensal na cidade de Fortaleza, tendo como anos de referencia 200 e 20. Tabela. Demanda turística e oferta hoteleira mensal de fortaleza 200/20 Meses Demanda e Oferta Hoteleira de Fortaleza Demanda Turística via Fortaleza Desembarques Passageiros Demanda Hoteleira Oferta de UHs Taxa Ocupação (%) Var (%) Var (%) Var (%) Var (%) Var (%) Jan , ,2 8,6 84,5, , ,9 Fev , ,9 66,5 67,7, , , Mar , , 6, 6,6 0, , ,9 Abr , ,2 5,2 60,5, , ,5 Mai , , 5, 54,2 6, , ,9 Jun , , 56,9 58,7, , ,0 Jul , ,0 79, 8,2 2, , , Ago , , 64,9 66,, , ,8 Set , , 69,5 69,8 0, , ,6 Out , ,4 70,8 7,0 0, , ,2 Nov , ,4 69,5 69,0-0, , ,8

15 Dez , ,4 68,8 65,2-5, , ,9 Total , ,2 66,4 67,6, , ,4 Fonte: SETUR (202) Em relação à demanda hoteleiro tivemos em 20, pessoas que ficaram hospedados em meios de hospedagem na cidade, apresentando um aumento de 6,9% em relação ao mesmo período de 200, onde o número foi Já quando falamos em oferta de unidades habitacionais em 20 tivemos uma média 0.556, número também superior, em 0,2%, ao ano de 200 onde a média foi 0.59 unidades habitacionais disponibilizadas. Em relação a Taxa de ocupação hoteleira em Fortaleza, o ano de 20 apresentou um percentual de 67,6%, superior em,8% ao mesmo período de 200, onde esse percentual foi de 66,4%. Em ambos os anos, as maiores médias na taxa de ocupação aconteceram nos meses de janeiro e julho, respectivamente, assim como a menor foi no mês de maio também em ambos os anos. Considerações Finais. O turismo no Ceará está em constante crescimento em busca da sua consolidação como destinação turística, seja no turismo doméstico, seja no turismo internacional, com isso Fortaleza, principal portal de entrada do estado assume papel de destaque nesse processo de consolidação. O turismo já é responsável por 0,8 % do de todas as riquezas produzidas no Estado, ou seja, pelo seu Produto Interno Bruto-PIB, devendo, diante disso ser visto como oportunidade de desenvolvimento local, geração de renda e emprego para a região. Apesar dos números expressivo em relação a hotelaria em Fortaleza devemos estar atentos a outros fatores que contribuem para a consolidação da cidade como destino turístico. Parafraseando Aguiar; Martins; Cardoso (200), aspectos como a hospitalidade, no seu sentido amplo, devem se levados em

16 consideração para que a má qualidade do desempenho das pessoas e/ou das organizações, e consequente percepção de má qualidade pelo hospede/turista não aconteça. O sucesso almejado depende mais do que simplesmente de um ambiente natural preservado, mas também, e não isoladamente, de uma boa estratégia de promoção, infraestrutura adequada de recepção e emissão, serviços e produtos de qualidade, percepção sobre a expectativa individualizada do seu cliente, entendimento sobre o papel social individualizado na venda do produto turístico, seja ele, o natural, o tangível, o intangível, ou simplesmente, mas não menos importante da capacidade de oferecer uma experiência positivamente inesquecível. Referencias bibliográficas. BENI, Mário Carlos. Análise estrutural do Turismo. São Paulo: Editora Senac São Paulo, CAMPOS, José Ruy Veloso. Introdução ao universo da hospitalidade. Campinas, São Paulo: Papirus, ( Série hospitalidade). CAON, Mauro. Gestão estratégica de serviços de hotelaria. São Paulo: editora Atlas, LOHMANN, Guilherme, NETTO, Alexandre Panosso. Teoria do Turismo: conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph, (Série Turismo). NETTO, Alexandre Panosso & TRIGO, Luiz Gonzaga Godói. Cenários do turismo brasileiro. São Paulo: Aleph, VIERA, Elenara Viera de. Qualidade em serviços hoteleiros: a satisfação do cliente é função de todos. Caxias do Sul, RS: Educs: Santos, Glauber Eduardo de oliveira; Kadota, Décio katsushigue. Economia do Turismo. São Paulo: Aleph, 202. Série Turismo.

17 Aguiar, Maria de Fátima; Martins, José Clerton de Oliveira; Cardoso, Gleudson Passos. Reflexões sobre a hospitalidade no Contexto Turístico.Turismo: Visão e Ação. Volume 5-nº 0. Set/ Sites pesquisados ( acesso em 06/0/20) ( acesso em 06/0/20) ( acesso em 06/0/20)

Indicadores Turísticos 1995/2012. Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil

Indicadores Turísticos 1995/2012. Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil Indicadores Turísticos 1995/2012 Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Governador: Cid Ferreira Gomes SECRETARIA DO TURISMO DO ESTADO DO CEARÁ Secretário: Bismarck Maia Secretário

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA Abaiara Acarape Acarau Acopiara Aiuaba Alcantaras Altaneira Alto Santo Amontada Antonina do Norte Apuiares Aquiraz Aracati Aracoiaba Ararenda Araripe Aratuba Arneiroz Assare Aurora Baixio Banabuiu Barbalha

Leia mais

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Ceará PERÍODO:

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Ceará PERÍODO: Módulo introdutório de dos Orientadores de Estudo 2300101 ABAIARA MUNICIPAL 2300150 ACARAPE MUNICIPAL 2300200 ACARAU MUNICIPAL 2300309 ACOPIARA MUNICIPAL 2300408 AIUABA MUNICIPAL 2300507 ALCANTARAS MUNICIPAL

Leia mais

VACINA CONTRA HEPATITE B DOSES APLICADAS EM MENORES DE 20 ANOS, COBERTURA VACINAL E POPULAÇÃO A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007

VACINA CONTRA HEPATITE B DOSES APLICADAS EM MENORES DE 20 ANOS, COBERTURA VACINAL E POPULAÇÃO A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007 DOSES APLICADAS EM MENORES DE, E A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007 2300101 ABAIARA 2300150 ACARAPE 2300200 ACARAU 2300309 ACOPIARA 2300408 AIUABA 2300507 ALCANTARAS 2300606 ALTANEIRA

Leia mais

ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842

ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842 SEFAZ-CE * RATEIO DO ICMS * PAGINA - 1 RTP00849 2A. PUBLICACAO EXERCICIO 2010 HORA - 08.12.46 ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842 ACARAPE 12.444.283,10

Leia mais

ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312

ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312 SEFAZ-CE * RATEIO DO ICMS * PAGINA - 1 RTP00849 2A. PUBLICACAO EXERCICIO 2009 HORA - 16.12.13 ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312 ACARAPE 14.645.466,74

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS COORDENAÇÃO ESTADUAL DA ATENÇÃO BÁSICA LABORATÓRIO CENTRAL - LACEN ORGANIZAÇÃO DA REDE DE

Leia mais

UF Município Micro-Região Classificação Tipo

UF Município Micro-Região Classificação Tipo CE Abaiara Brejo Santo Baixa Renda Estagnada CE Acarapé Baturité Baixa Renda Estagnada CE Acaraú Litoral de Camocim e Acaraú Baixa Renda Dinâmica CE Acopiara Sertão de Senador Pompeu Baixa Renda Dinâmica

Leia mais

Página 1. Quantidade de AF necessários para atender os 30% (6) Nº de Agricultores Familiares (3) Valor do Repasse do FNDE (1) Alunado (2)

Página 1. Quantidade de AF necessários para atender os 30% (6) Nº de Agricultores Familiares (3) Valor do Repasse do FNDE (1) Alunado (2) 2300101 ABAIARA 148.140,00 2.220 44.442 755 688 PAA Leite 5 2300150 ACARAPE 166.440,00 2.658 49.932 521 378 PAA Leite 6 2300200 ACARAU 1.058.700,00 13.767 317.610 4.477 938 PAA Leite/DS/CD 35 2300309 ACOPIARA

Leia mais

Região de Saúde de Caucaia

Região de Saúde de Caucaia Região de Saúde de Fortaleza Fortaleza CONSULTÓRIO DE RUA Eusébio I CAPS i Itaitinga Aquiraz LEITO HOSPITAL GERAL ENFERMARIA ESPECIALIZADA COMUNIDADE TERAPÊUTICA RESIDÊNCIA TERAPÊUTICA PVC AQUIRAZ 73.561

Leia mais

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO OBJETIVO DO PROJETO Promover

Leia mais

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO ART. 1º O Concurso de Frases e Desenhos visa incentivar a conscientização sobre a política nacional do sangue

Leia mais

TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES

TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES Nº 51 Novembro / 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO

ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO Nº 52 Novembro / 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO E GESTÃO

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

Nº 35 Junho 2012. A Composição das Famílias no Ceará- Identificação das Relações Homoafetivas

Nº 35 Junho 2012. A Composição das Famílias no Ceará- Identificação das Relações Homoafetivas Nº 35 Junho 2012 A Composição das Famílias no Ceará- Identificação Análise a partir dos dados Preliminares do Universo - Censo Demográfico 2010 dm GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador

Leia mais

RELATÓRIO DE ATAQUES A BANCOS NO CEARÁ Atualizado em 16/03/2015, de acordo com informações da imprensa local

RELATÓRIO DE ATAQUES A BANCOS NO CEARÁ Atualizado em 16/03/2015, de acordo com informações da imprensa local RELATÓRIO DE ATAQUES A BANCOS NO CEARÁ Atualizado em 16/03/2015, de acordo com informações da imprensa local 2015 JANEIRO DE 2015 DIA 07/01 Jardim Bradesco Tentativa de arrombamento com uso de explosivos

Leia mais

LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 REGIÃO METROPOLITANA CARIRI / CENTRO SUL

LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 REGIÃO METROPOLITANA CARIRI / CENTRO SUL LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 LISTA DE CONTATOS Nome do Festival: Festejo Junino de São Gonçalo do Amarante Local: Praça da Matriz Dias: 29/06 a 04 /07/2008

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROJETOS FINANCIADOS PELO FECOP

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROJETOS FINANCIADOS PELO FECOP Coordenação de Planejamento e Gestão - COPLAG Núcleo de Controladoria - NUCON RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROJETOS FINANCIADOS PELO FECOP PERÍODO : JANEIRO A JUNHO DE 2012 SUMARIO PROGRAMAS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 43/2014, de 20 de janeiro 2014

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 43/2014, de 20 de janeiro 2014 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 43/2014, de 20 de janeiro 2014 Seleção de Tutores do projeto Caminhos do Cuidado - Formação em Saúde Mental (crack, álcool e outras drogas) para Agentes Comunitários de Saúde e Auxiliares/Técnicos

Leia mais

Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado do Ceará

Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado do Ceará Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará Diretoria de Sanidade Animal Coordenação Estadual do PEEFA Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado

Leia mais

PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL

PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL 1 1. APRESENTAÇÃO O SENAR tem como missão executar a Formação Profissional Rural e a Promoção Social do produtor rural, do trabalhador rural e de suas famílias, o que inclui os jovens que vivem no meio

Leia mais

Tem SEBRAE em todo Ceará

Tem SEBRAE em todo Ceará Não cabem mais questionamento sobre a importância e os méritos dos pequenos negócios como forma mais eficiente de promover a estabilidade política, econômico e social de um país, estado ou região. O Universo

Leia mais

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Gerência de Estatística e Indicadores Os resultados do turismo no estado

Leia mais

MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS CEARENSES A PARTIR DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO FAMILIAR IDF*

MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS CEARENSES A PARTIR DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO FAMILIAR IDF* GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 69 MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Ceará. Secretaria de Justiça Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará xxx - Fortaleza-Cep:0 - A PREENCHER

Ceará. Secretaria de Justiça Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará xxx - Fortaleza-Cep:0 - A PREENCHER Secretaria de Justiça Secretaria da Justiça e Cidadania do xxx - Fortaleza-Cep:0 - A PREENCHER Presídio Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira Av. dos Expedicionários, 10440 - Fortaleza-Cep:60760-

Leia mais

PERFIL DA PRODUÇÃO DE FRUTAS BRASIL CEARÁ 2013

PERFIL DA PRODUÇÃO DE FRUTAS BRASIL CEARÁ 2013 PERFIL DA DE FRUTAS BRASIL América do Norte CEARÁ 2013 Europa África Brasil América do Sul Ceará Brasil Brasil Fortaleza-Ceará-Brasil, setembro de 2013 1 Governador do Estado Cid Ferreira Gomes Conselho

Leia mais

BOLETIM DIAGNÓSTICO DE CHUVA PARA OS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO DE 2011. CHUVA EM JANEIRO DE 2011 NORMAL OBSERVADO DESVIO 90,9 mm 242,9 mm 167,3 %

BOLETIM DIAGNÓSTICO DE CHUVA PARA OS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO DE 2011. CHUVA EM JANEIRO DE 2011 NORMAL OBSERVADO DESVIO 90,9 mm 242,9 mm 167,3 % BOLETIM DIAGNÓSTICO DE CHUVA PARA OS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO DE 2011 CHUVA EM JANEIRO DE 2011 NORMAL OBSERVADO DESVIO 90,9 mm 242,9 mm 167,3 % CHUVA EM FEVEREIRO DE 2011 NORMAL OBSERVADO DESVIO 152,1

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENAÇÃO Antonio de Oliveira Lima MPT/CE Célia Chaves Gurgel do Amaral UFC Sandra Maria Silva Leite Reis UNDIME/CE EDUCAÇÃO:

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO POBREZA E DESIGUALDADE SOCIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO POBREZA E DESIGUALDADE SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO POBREZA E DESIGUALDADE SOCIAL Edital nº 01/2016-CEEPDS/UFC Fortaleza, 11 de março de 2016. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO, POBREZA

Leia mais

Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo. Reunião com Secretários e Gestores de TI

Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo. Reunião com Secretários e Gestores de TI Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo Reunião com Secretários e Gestores de TI Maio/2011 Todos os órgãos do governo devem estar conectados às redes do Governo até 31.08.2011. Até esta data devem

Leia mais

1ª CRES DISTRIBUIÇÃO DAS CADERNETAS SAÚDE DA CRIANÇA POR HOSPITAIS 1ª CRES MATERNIDADES TOTAL 2013 MENINO MENINA

1ª CRES DISTRIBUIÇÃO DAS CADERNETAS SAÚDE DA CRIANÇA POR HOSPITAIS 1ª CRES MATERNIDADES TOTAL 2013 MENINO MENINA 1ª CRES 1ª CRES MATERNIDADES TOTAL 2013 MENINO MENINA Aquiraz HOSP GERAL MANUEL ASSUNCAO PIRES 360 180 180 HOSPITAL MUNICIPAL MONSENHOR DOURADO 115 57 58 Cascavel HOSP MATERN NOSSA SRA DAS GRACAS 880 440

Leia mais

AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ

AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE TURISMO Data: Outubro/99 N o 08 AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ 1 INTRODUÇÃO O Estado do Ceará está localizado na região Nordeste

Leia mais

REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA. LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI

REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA. LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI AC Núcleo de Tratamento e Estimulação Precoce - NUTEP/UFC Hospital das Clínicas

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

(Fonte: SETUR, 2002) (Fonte: SETUR, 2002)

(Fonte: SETUR, 2002) (Fonte: SETUR, 2002) 3.13 Investimentos futuros do setor privado no setor turístico 3.13.1 Investimentos em construção ou projeto Em toda a ÁREA DE PLANEJAMENTO existem 14 empreendimentos em fase de construção ou projeto,

Leia mais

ANÁLISE DE DESIGUALDADE DE RENDA NO ESTADO DO CEARÁ RUBEN DARIO MAYORGA (1) ; FRANCISCO JOSÉ TABOSA (2) ; JAIR AMARAL FILHO (3).

ANÁLISE DE DESIGUALDADE DE RENDA NO ESTADO DO CEARÁ RUBEN DARIO MAYORGA (1) ; FRANCISCO JOSÉ TABOSA (2) ; JAIR AMARAL FILHO (3). ANÁLISE DE DESIGUALDADE DE RENDA NO ESTADO DO CEARÁ RUBEN DARIO MAYORGA (1) ; FRANCISCO JOSÉ TABOSA (2) ; JAIR AMARAL FILHO (3). 1.UFC, FORTALEZA, CE, BRASIL; 2,3.CAEN/UFC, FORTALEZA, CE, BRASIL. dario@ufc.br

Leia mais

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO ART. 1º O Concurso de Frases e Desenhos visa incentivar a conscientização sobre a política nacional do sangue

Leia mais

III Encontro Estadual de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Ceará 24 e 25 de abril/14

III Encontro Estadual de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Ceará 24 e 25 de abril/14 III Encontro Estadual de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Ceará 24 e 25 de abril/14 Roberto Junior Coordenador do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Secretaria de Educação

Leia mais

CALENDÁRIO DE FERIADOS - 2016 MUNICÍPIO DIA MÊS DATA COMEMORATIVA FERIADO 1º JAN Confraternização Universal Nacional

CALENDÁRIO DE FERIADOS - 2016 MUNICÍPIO DIA MÊS DATA COMEMORATIVA FERIADO 1º JAN Confraternização Universal Nacional CALENDÁRIO DE FERIADOS - 2016 MAR Data Magna do Estado /Sexta-feira Santa Estadual / Municipal 15 21 ABR Anivsersário do Município/Tiradentes Municipal / Nacional ACARAPE JUN Padroeiro do Município (São

Leia mais

Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural. Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa?

Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural. Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa? Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa? O atual mundo do trabalho ANTIGO Qualifica para o trabalho;

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Nº 76 Maio 2014 Uma Análise da Evolução e da Distribuição Regional das Micro e Pequenas Empresas Cearenses no Período de 2007 a 2012

Nº 76 Maio 2014 Uma Análise da Evolução e da Distribuição Regional das Micro e Pequenas Empresas Cearenses no Período de 2007 a 2012 Nº 76 Maio 2014 Uma Análise da Evolução e da Distribuição Regional das Micro e Pequenas Empresas Cearenses no Período de 2007 a 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A análise do setor de Turismo

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A partir da análise da movimentação

Leia mais

Água para Irrigação CE

Água para Irrigação CE ceará Água para Irrigação CE Apresentação O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) completou três anos de atividades em janeiro passado. Nesse período, nos habituamos a avaliar periodicamente a situação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes - Governador

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes - Governador GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes - Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Silvana Maria Parente Neiva Santos - Secretária INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ

Leia mais

Processo Seletivo Simplificado Nº: 022/2014

Processo Seletivo Simplificado Nº: 022/2014 Divisão Administrativa DAD Processo Seletivo Simplificado Nº: 022/2014 1. CARGO: PROFESSOR/ASSISTENTE Processo Seletivo Simplificado, em caráter emergencial, motivado pela inexistência de profissionais

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO IV Nº049 FORTALEZA, 12 DE MARÇO DE

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO IV Nº049 FORTALEZA, 12 DE MARÇO DE 1 PODER EXECUTIVO DECRETO Nº30.841 de 07 de março de 2012. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, A DISTRI- BUIÇÃO E A DENOMINAÇÃO DOS CARGOS DE DIREÇÃO SUPERIOR E DE DIREÇÃO E ASSESSORAMENTO DA SUPE-

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

PRESIDENTE ELEITO - PED 2013 - CEARÁ Nº MUNICÍPIO PRESIDENTE ELEITO APELIDO 1 ABAIARA INÉS MOREIRA 2 ACARAPE JOAQUIM SÉRGIO PEREIRA DE MESQUITA 3

PRESIDENTE ELEITO - PED 2013 - CEARÁ Nº MUNICÍPIO PRESIDENTE ELEITO APELIDO 1 ABAIARA INÉS MOREIRA 2 ACARAPE JOAQUIM SÉRGIO PEREIRA DE MESQUITA 3 PRESIDENTE ELEITO - PED 2013 - CEARÁ Nº MUNICÍPIO PRESIDENTE ELEITO APELIDO 1 ABAIARA INÉS MOREIRA 2 ACARAPE JOAQUIM SÉRGIO PEREIRA DE MESQUITA 3 ACOPIARA ICARO GASPAR 4 ACARAÚ PEDRO JOSÉ DE MELO 5 ALCANTARA

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA EDITAL Nº 080/2014 TABELA I INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR CONVENIADAS

ESTADO DO CEARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA EDITAL Nº 080/2014 TABELA I INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR CONVENIADAS EDITAL Nº 080/2014 O EXCELENTÍSSIMO SENHOR ALFREDO RICARDO DE HOLANDA CAVALCANTE MACHADO, PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ, no desempenho de suas atribuições institucionais, com fundamento

Leia mais

Palavras-chave: Metropolização, Políticas públicas de turismo, Resorts residenciais

Palavras-chave: Metropolização, Políticas públicas de turismo, Resorts residenciais INCORPORAÇÃO DO VERANEIO ÀS ATIVIDADES TURÍSTICAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA-CE 1 Marília Natacha de Freitas SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem por objetivo analisar o processo crescente de

Leia mais

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Merielle Barbosa Lobo Pró-Saúde Hospital Materno Infantil Tia Dedé Tocantins Brasil merielle.hmitd@prosaude.org.br A ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA O hotel

Leia mais

PROJETO ERRADICAÇÃO DO SUB-REGISTRO CIVIL DE NASCIMENTO RELAÇÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO CEARÁ

PROJETO ERRADICAÇÃO DO SUB-REGISTRO CIVIL DE NASCIMENTO RELAÇÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO CEARÁ PROJETO ERRADICAÇÃO DO SUB-REGISTRO CIVIL DE NASCIMENTO RELAÇÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO CEARÁ MUNICÍPIOS MATERNIDADES Endereço AMONTADA UNIDADE MISTA DE AMONTADA Rua Martins Teixeira N 1868 Bairro: Torres

Leia mais

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts 2013 Realização: INVESTIMENTOS NO BRASIL: HOTÉIS & RESORTS 2013 O relatório a seguir foi realizado pela BSH Travel Research, divisão estatística da BSH International

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Municipal: hierarquização dos municípios do Ceará no ano de 1997

Índice de Desenvolvimento Municipal: hierarquização dos municípios do Ceará no ano de 1997 Índice de Desenvolvimento Municipal: hierarquização dos municípios do Ceará no ano de 1997 Ana Cristina Lima Gouveia Soares * Annúzia Maria Pontes Moreira Gosson ** Maria Ângela Leão Hitzschky Madeira

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA O

ZONEAMENTO AGRÍCOLA O ZONEAMENTO AGRÍCOLA O Zoneamento Agrícola de Risco Climático é um instrumento de política agrícola e gestão de riscos na agricultura. O estudo é elaborado com o objetivo de minimizar os riscos relacionados

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-134/2008 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-134/2008 R-00 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT /28 DECISÃO TÉCNICA /28 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- visa estabelecer regras e recomendações de codificação

Leia mais

Prognóstico dos Serviços de Abastecimento de Água Revisado

Prognóstico dos Serviços de Abastecimento de Água Revisado PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE FORTALEZA CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEARÁ CAGECE E AGÊNCIA REGULADORA DE FORTALEZA ACFOR Prognóstico dos Serviços de Abastecimento

Leia mais

IFCE Notas de Corte Sisu 2014 Instituto Federal do Ceará

IFCE Notas de Corte Sisu 2014 Instituto Federal do Ceará Limoeiro do Norte Agronomia Mat Esc. pública, renda livre 608,59 Limoeiro do Norte Agronomia Mat Cota racial. Renda livre 603,28 Limoeiro do Norte Agronomia Mat Esc. pública, 1,5 SM 599,15 Limoeiro do

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 987 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 16580001 0235 Corredor Nordeste 10ET ADEQU DE TRECHOS RODOVIÁRIOS

Leia mais

Locais a serem visitados

Locais a serem visitados Apresentação Este projeto trata da elaboração de um livro, bilíngüe, que utilizará a fotografia como forma de expressão artística e que terá como tema central o Litoral do Ceará. A publicação, composta

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA - 01/2012 PERGUNTAS FREQUENTES

CHAMADA PÚBLICA - 01/2012 PERGUNTAS FREQUENTES CHAMADA PÚBLICA - 01/2012 PERGUNTAS FREQUENTES 1. Mesmo down e up taxados a 2 Gbytes por mês/usuário, o único plano "mínimo" a ser ofertado ao usuário final é o de 1 mega? Caso contrário, a prefeitura

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

AÇÕES COMITÊ INTEGRADO DA SECA OUTUBRO DE 2013

AÇÕES COMITÊ INTEGRADO DA SECA OUTUBRO DE 2013 AÇÕES COMITÊ INTEGRADO DA SECA OUTUBRO DE 2013 ANTECIPAÇÃO DE AÇÕES E AÇÕES EMERGENCIAIS DE COMBATE A SECA NO ESTADO REUNIÃO COMITE BACIA HIDROGRÁFICA REGIÃO BAIO JAGUARIBE 04 de Outubro de 2.013 DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Audiência Pública Cajucultura (Câmara dos Deputados Plenário 06 Anexo II)

Audiência Pública Cajucultura (Câmara dos Deputados Plenário 06 Anexo II) Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará - ADECE Câmara Setorial do Caju CSC Sindicato das Indústrias de Caju SINDICAJU Associação dos Cajucultores do Estado do Ceará ASCAJU Audiência Pública Cajucultura

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ FAÇO SABER QUE A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DECRETOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ FAÇO SABER QUE A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DECRETOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI COMPLEMENTAR Nº 18, DE 29.12.99 (DO 29.12.99) Dispõe sobre a Região Metropolitana de Fortaleza, cria o Conselho Deliberativo e o Fundo de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Fortaleza - FDM,

Leia mais

SECA: GESTÃO, CUSTOS E ABASTECIMENTO DE AGUA DE COMUNIDADES RURAIS DO ESTADO DO CEARÁ

SECA: GESTÃO, CUSTOS E ABASTECIMENTO DE AGUA DE COMUNIDADES RURAIS DO ESTADO DO CEARÁ SECA: GESTÃO, CUSTOS E ABASTECIMENTO DE AGUA DE COMUNIDADES RURAIS DO ESTADO DO CEARÁ Francisco Edson Pinheiro Pessoa 1 & Francisco de Assis de Souza Filho 2 RESUMO Faz uma análise do uso de carros pipa

Leia mais

Sede Provisória do Sindicato dos Trabalhadores Ruarais de Acarape - Centro

Sede Provisória do Sindicato dos Trabalhadores Ruarais de Acarape - Centro MUNICÍPIOS LOCAL DE VOTAÇÃO ABAIARA Sindicato dos Trabalhadores/as Rurais de Abaiara - Rua: Padre Jose Leite Sampaio, nº 94 ACARAPE Sede Provisória do Sindicato dos Trabalhadores Ruarais de Acarape - Centro

Leia mais

Energias Renováveis do Ceará

Energias Renováveis do Ceará Energias Renováveis do Ceará Menor transit time para o hemisfério norte Vantagens estratégicas do Ceará América do Norte Costa Leste 6h30 6d 8h00 9d 6h30 7d 6h30 7d Roterdam Europa Lisboa Algeciras Localização

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo.

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

SUMÁRIO Volume III. Pág TOR LISTA DE TABELAS. iii LISTA DE FIGURAS. ix LISTA DE MAPAS. xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

SUMÁRIO Volume III. Pág TOR LISTA DE TABELAS. iii LISTA DE FIGURAS. ix LISTA DE MAPAS. xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS SUMÁRIO Volume III Pág TOR LISTA DE TABELAS iii LISTA DE FIGURAS ix LISTA DE MAPAS xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS xvi 3.4 Patrimônio histórico e cultural 01 3.3.4 3.4.1 Bens tombados 03 3.4.2 Bens com

Leia mais

HOTÉIS ECONÔMICOS NO BRASIL - 2008

HOTÉIS ECONÔMICOS NO BRASIL - 2008 HOTÉIS ECONÔMICOS NO BRASIL - 2008 FICHA TÉCNICA: Consultor Coordenador José Ernesto Marino Neto Este relatório foi realizado pela BSH Travel Research, divisão estatística da BSH International e apresenta

Leia mais

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CONSTRUÇÃO OU AMPLIA- ÇÃO DE EDIFICAÇÃO COM FINALIDADE HOTELEIRA,

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

SEBRAE CE. Projetos na Área Rural

SEBRAE CE. Projetos na Área Rural SEBRAE CE Projetos na Área Rural Projetos na Agricultura Fruticultura do Vale do Jaguaribe PRINCIPAIS AÇÕES Consultoria SEBRAETEC Central de Frutas Tabuleiros de Russas. RESULTADOS ALCANÇADOS 15% de toda

Leia mais

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza.

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza. A atividade do setor de no Ceará, tem apresentado um expressivo crescimento ao longo dos últimos anos. De fato, tendo recebido 970.000 turistas em 1997, este fluxo alcançou 1.550.857 em 2003 e 1.784.354

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo MEIOS DE HOSPEDAGEM DO PARANÁ 2000 2007 HOTELARIA O segmento hoteleiro provoca no turismo um efeito multiplicador na geração de empregos (diretos e indiretos)

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: Potencialidades, Desafios e sua repercussão nos Estados e Municípios MARIA DIAS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: Potencialidades, Desafios e sua repercussão nos Estados e Municípios MARIA DIAS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: Potencialidades, Desafios e sua repercussão nos Estados e Municípios MARIA DIAS UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL s

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Superintendencia de Investimentos em Pólos Turisticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Pesquisa SETUR Maio, 2014 1 DESEMPENHO DA HOTELARIA

Leia mais

COPA DO MUNDO... 35 E OLIMPÍADA... 35

COPA DO MUNDO... 35 E OLIMPÍADA... 35 APRESENTAÇÃO... 13 INTRODUÇÃO... 15 Fortes transformações...15 Principais desafios...16 Evolução do setor...16 PERSPECTIVAS... 17 E TENDÊNCIAS... 17 Otimismo brasileiro...17 Tarifas dos hotéis...18 Barreiras

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

ANEXO VII TURISMO E HOSPITALIDADE VOL III

ANEXO VII TURISMO E HOSPITALIDADE VOL III ANEXO VII TURISMO E HOSPITALIDADE VOL III (Versão Preliminar) Fortaleza / CE Julho de 2015 1 INSTITUTO DE PLANEJAMENTO DE FORTALEZA - IPLANFOR FUNDAÇÃO CEARENSE DE PESQUISA E CULTURA - FCPC PROJETO: PLANO

Leia mais

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

DADOS ECONÔMICOS DO TURISMO DE EVENTOS 2002 (base de cálculos pesquisa do Fóruns dos CVB)

DADOS ECONÔMICOS DO TURISMO DE EVENTOS 2002 (base de cálculos pesquisa do Fóruns dos CVB) DADOS ECONÔMICOS DO TURISMO DE EVENTOS 2002 (base de cálculos pesquisa do Fóruns dos CVB) CEARÁ BRASIL Fortaleza Convention Bureau 1 Principais Impactos - 2002 102 eventos (200 a 5000 pax) realizados totalizando

Leia mais

PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014

PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014 PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Fabricato Construtora e Incorporadora Ltda explora o ramo de atividades da construção civil e atua na área de construção e incorporação. A empresa

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

SPAECE. Vol II. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais. Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa

SPAECE. Vol II. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais. Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa ISSN 1982-7644 SPAECE 2009 Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa Vol II Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

METROPOLIZAÇÃO TURÍSTICA E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA

METROPOLIZAÇÃO TURÍSTICA E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA METROPOLIZAÇÃO TURÍSTICA E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Enos Feitosa de Araujo 1 RESUMO Este trabalho resulta de estudos realizados no Laboratório

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

DER DEPARTAMENTO ESTADUAL DE RODOVIAS

DER DEPARTAMENTO ESTADUAL DE RODOVIAS DER DEPARTAMENTO ESTADUAL DE RODOVIAS MISSÃO - DER PLANEJAR, PROJETAR, CONSTRUIR E GERIR A MALHA RODOVIÁRIA ESTADUAL, INCLUSIVE FEDERAIS DELEGADAS. PLANEJAR, PROJETAR, CONSTRUIR E GERIR A MALHA AEROVIÁRIA

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais