Indicadores Turísticos 1995/2012. Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores Turísticos 1995/2012. Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil"

Transcrição

1 Indicadores Turísticos 1995/2012 Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil

2 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Governador: Cid Ferreira Gomes SECRETARIA DO TURISMO DO ESTADO DO CEARÁ Secretário: Bismarck Maia Secretário Adjunto: Marcos Pompeu Sousa Brasil COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE DESTINOS E PRODUTOS TURÍSTICOS CÉLULA DE ESTUDOS E PESQUISAS Coordenador: José Valdo Mesquita Aires Filho ELABORAÇÃO Valdo Mesquita Concepção e Estruturação, Processamento e Diagramação Luiz Carlos da Costa - Organização das Informações Janaina Fernandes - Coleta e Digitação das Informações

3 Demanda turística via Fortaleza 1995/2012 ANOS Total Nacional Internacional Turistas Índice Turistas Índice Turistas Índice Participação , , ,0 5, , , ,6 5, , , ,2 5, , , ,8 6, , , ,6 6, , , ,7 8, , , ,9 10, , , ,1 11, , , ,2 12, , , ,9 14, , , ,8 13, , , ,9 13, , , ,2 12, , , ,1 10, , , ,4 8, , , ,1 8, , , ,9 7, , , ,3 7,4 Fonte: SETUR/CE

4 Evolução da demanda turística e desembarques de PAX s no aeroporto Pinto Martins: 1996/2012 Evolução da Demanda Turística via Fortaleza e do Desembarques no Aeroporto / Demanda Turística Desembarques Pax

5 Sazonalidade da taxa de ocupação hoteleira de Fortaleza: 1996/ ,0 85,0 80,0 86,8 81,2 Sazonalidade da Taxa de Ocupação da Rede Hoteleira de Fortaleza : , ,0 70,0 65,0 60,0 63,2 68,9 64,2 58,4 59,5 63,6 70,1 67,9 56,4 72,3 70,1 68,3 60,5 55,0 50,0 56,9 56,2 54,0 52,4 56,2 45,0 48,5 46,2 46,9 40,0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

6 Demanda turística via Fortaleza: 1994/2012 ANOS Hoteleira Extra Hoteleira Demanda Total Turistas Índice Turistas Índice Turistas Índice , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,16 Fonte: SETUR/CE Nota: Taxas Médias Anuais de Crescimento no Período 1994/2012: a) Demanda Hoteleira (9,0%); b) Demanda Extra-Hoteleira (7,5%); e c) Demanda Turística (8,3%).

7 Demanda turística via Fortaleza: 1996/2012 Demanda Turística Demanda e Oferta Hoteleira Anos Índice Perm. Índice Demanda Índice Taxa Perm. Empregos Turistas UHs (dias) Hoteleira Ocupação (dias) Alojamento ,0 13, , ,0 46,7 5, ,4 12, , ,5 51,3 4, ,8 9, , ,3 59,4 4, ,6 9, , ,9 56,9 4, ,0 8, , ,5 58,7 4, ,9 9, , ,4 57,7 4, ,7 9, , ,9 52,0 4, ,6 8, , ,4 51,6 4, ,8 10, , ,0 59,3 4, ,6 10, , ,0 58,9 4, ,7 9, , ,1 57,4 4, ,9 9, , ,2 55,4 3, ,7 10, , ,8 57,3 3, ,0 10, , ,1 62,8 3, ,1 10, , ,8 66,4 3, ,4 10, , ,3 67,6 3, ,3 10, , ,1 69,6 3, Fonte: SETUR/CE Obs: Oferta hoteleira foi posicionada em dezembro de cada ano.

8 Receita turística e impacto sobre o PIB: 1995/2012 Discriminação Gasto Percapita/dia (R$) 41,25 70,03 61,36 75,32 95,17 126,10 132,20 142,83 143,84 152,12 156,90 2. Permanência Média (Dias) 12,0 8,9 9,9 9,4 8,8 9,7 10,1 10,3 10,5 10,6 10,9 3. Gasto Percapita (R$) 495,00 623,25 607,42 708,00 837, , , , , , ,25 4. Demanda Turística Via Fortaleza Receita Turística Direta (R$ milhões) 377,1 939,8 990, , , , , , , , ,2 6. Renda Gerada (R$ milhões) 505, , , , , , , , , , ,9 7. PIB cf (R$ milhões) Impacto Sobre o PIB 4,0 7,9 8,0 7,0 7,0 8,8 9,0 10,4 10,5 10,6 10,8 FONTE: SETUR/CE E IPLANCE Nota: a) O Impacto sobre o PIB é obtido pela relação entre a Receita Turística Total (Direta e Indireta) e o PIB; b) A Receita Direta é obtida pelo produto entre Gasto Percapita e Demanda Turística via Fortaleza; c) Receita Turística Total (Direta+Indireta) ou Renda Gerada, decorre do processo interativo dos gastos dos turistas na economia via propensão marginal a consumir (efeito multiplicador); d) O multiplicador dos gastos turísticos utilizado foi de 1996=1,34, 1997=1,43, 1998=1,53, 1999=1,64 e 2000 a 2004=1,75 (in Ferreira, Assuéro e Oliveira, Aércio Estruturação da Matriz de Insumo - Produto do Turismo do Ceará, Fortaleza, março de 1996); e e) PIB cf(2007 a 2010) estimativa da

9 Agregados turísticos do Ceará: 2006/2012 Agregados Período iações Total Anual Demanda Turística Via Fortaleza ,2 6,4. Nacional ,9 7,5. Internacional ,9-2,3 Demanda Hoteleira de Fortaleza ,9 7,1 Taxa de ocupação hoteleira 57,4 69,6 21,3 3,3 Receita Turística Direta (R$ milhões) 2.496, ,2 105,1 12,7 Renda Gerada (R$ milhões) 4.369, ,9 105,1 12,7. Impacto sobre o PIB 9,4 10,8 14,9 2,3. Impacto no Setor Serviços (PIB) 13,9 15,2 9,6 1,5 Oferta Hoteleira no Ceará (UHs) ,4 2,1 Empregos (Hotelaria e Alimentação) ,3 2,0 Movimento no Aeroporto (mil Pax) ,9 12,4 Fonte: SETUR/CE Nota: a) O Impacto sobre o PIB é obtido pela relação entre a Receita Turística e o PIB; b) A receita é obtida pelo produto entre gasto percapita e demanda turística via Fortaleza; e c) O multiplicador dos gastos turísticos utilizado foi 1,75

10 Estrutura e distribuição dos gastos dos turistas: 2006/2011 Estrutura dos Gastos Período Média Receita (R$ milhões) Hospedagem 16,4 18,5 19,4 21,8 18,7 20,6 19,2 409,5 470,6 564,3 791,0 760,2 946,1 Alimentação 18,5 21,4 23,5 25,3 20,1 20,3 21,5 461,9 544,3 683,5 918,0 817,1 932,4 Transportes 9,8 11,3 9,5 9,4 10,4 11,0 10,2 244,7 287,4 276,3 341,1 422,8 505,2 Compras 27,5 30,2 28,0 25,3 28,1 28,9 28,0 686,6 768,2 814,4 918, , ,3 Diversão/Passeio 19,9 15,1 15,6 14,8 17,7 16,1 16,5 496,9 384,1 453,8 537,0 719,6 739,5 Outros 7,9 3,5 4,0 3,4 5,0 3,1 4,5 197,3 89,0 116,3 123,4 203,3 142,4 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100, , , , , , ,9 Fonte: SETUR/CE Nota: a) A Receita Direta é obtida pelo produto entre Gasto Percapita e Demanda Turística via Fortaleza;

11 Motivação Demanda turística via Fortaleza segundo a motivação em 2009 Turistas Perm. Gastos (R$) Receita Turística Impacto Total (dias) Percapita Percapita/Dia R$ Milhões no PIB Passeio ,0 10, ,35 142, ,6 52,0 5,8 Visita Parente/Amigo ,7 13, ,95 99,31 632,1 17,4 2,0 Negócios/Trabalho ,1 8, ,00 187,06 709,8 19,6 2,2 Congressos/Eventos ,3 7, ,00 235,71 297,1 8,2 0,9 Outros ,9 9, ,83 110,40 100,9 2,8 0,3 Total ,0 10, ,12 140, ,5 48,0 10,4 Fonte: SETUR/CE - Nota: a) O Impacto sobre o PIB é obtido pela relação entre a Receita Turística Total (Direta e Indireta) e o PIB; b) A Receita Direta é obtida pelo produto entre Gasto Percapita e Demanda Turística via Fortaleza; c) Receita Turística Total (Direta+Indireta) ou Renda Gerada, decorre do processo interativo dos gastos dos turistas na economia via propensão marginal a consumir (efeito multiplicador); d) O multiplicador dos gastos turísticos utilizado foi de 1996=1,34, 1997=1,43, 1998=1,53, 1999=1,64 e 2000 a 2004=1,75 (in Ferreira, Assuéro e Oliveira, Aércio Estruturação da Matriz de Insumo - Produto do Turismo do Ceará, Fortaleza, março de 1996); e e) PIB cf(2007 a 2010) estimativa do IPECE/CE. Receita Turística (R$ milhões) Segundo as Motivações , , , , ,00 Valores 900,00 600,00 300,00 632,14 709,84 297,09 100,89 - Passeio Visita Parente/Amigo Negócio/Trabalho Congresso/Evento Outros

12 Motivação Demanda turística via Fortaleza segundo a motivação em 2010 Turistas Perm. Gastos (R$) Receita Turística Impacto Total (dias) Percapita Percapita/Dia R$ Milhões no PIB Passeio ,4 10, ,22 137, ,5 47,0 5,9 Visita Parente/Amigo ,3 14, ,35 84,85 630,3 15,5 1,9 Negócios/Trabalho ,2 8, ,56 209, ,7 25,6 3,2 Congressos/Eventos ,1 6, ,04 263,39 373,3 9,2 1,2 Outros ,0 11, ,79 91,53 108,4 2,7 0,3 Total ,0 10, ,31 138, ,3 100,0 10,8 Fonte: SETUR/CE Nota: a) O Impacto sobre o PIB é obtido pela relação entre a Receita Turística Total (Direta e Indireta) e o PIB; b) A Receita Direta é obtida pelo produto entre Gasto Percapita e Demanda Turística via Fortaleza; c) Receita Turística Total (Direta+Indireta) ou Renda Gerada, decorre do processo interativo dos gastos dos turistas na economia via propensão marginal a consumir (efeito multiplicador); d) O multiplicador dos gastos turísticos utilizado foi de 1996=1,34, 1997=1,43, 1998=1,53, 1999=1,64 e 2000 a 2004=1,75 (in Ferreira, Assuéro e Oliveira, Aércio Estruturação da Matriz de Insumo - Produto do Turismo do Ceará, Fortaleza, março de 1996); e e) PIB cf(2007 a 2010) estimativa do IPECE/CE. Receita Turística (R$ milhões) Segundo as Motivações , , , ,0 Valores 1.200,0 900,0 600,0 300, ,7 630,3 373,3 108,40 Passeio Visita parente/amigo Negócios/Trabalho Congressos/Eventos Outros

13 Motivação Demanda turística via Fortaleza segundo a motivação em 2011 Turistas Gastos (R$) Perm. Receita Turística (dias) Total Percapita Percapita/Dia R$ Milhões Impacto no PIB Passeio ,2 10, ,24 148, ,8 51,3 5,0 Visita Parente/Amigo ,3 12, ,85 104,22 668,2 16,4 1,6 Negócios/Trabalho ,9 6, ,58 297, ,9 29,6 2,9 Congressos/Eventos ,2 6, ,75 310,94 497,1 12,2 1,2 Outros ,4 10, ,28 102,83 137,9 3,4 0,3 Total ,0 10, ,43 152, ,9 100,0 11,0 Fonte: SETUR/CE 4,1 Nota: a) O Impacto sobre o PIB é obtido pela relação entre a Receita Turística Total (Direta e Indireta) e o PIB; b) A Receita Direta é obtida pelo produto entre Gasto Percapita e Demanda Turística via Fortaleza; c) Receita Turística Total (Direta+Indireta) ou Renda Gerada, decorre do processo interativo dos gastos dos turistas na economia via propensão marginal a consumir (efeito multiplicador); d) O multiplicador dos gastos turísticos utilizado foi de 1996=1,34, 1997=1,43, 1998=1,53, 1999=1,64 e 2000 a 2004=1,75 (in Ferreira, Assuéro e Oliveira, Aércio Estruturação da Matriz de Insumo - Produto do Turismo do Ceará, Fortaleza, março de 1996); e e) PIB cf(2007 a 2010) estimativa do IPECE/CE. Receita Turística (R$ milhões) Segundo as Motivações , , ,00 Valores 1.500, ,00 900,00 600,00 668, ,94 497,06 300,00-137,90 Passeio Visita Parente/Amigo Negócio/Trabalho Congresso/Evento Outros

14 Demanda turística via Fortaleza segundo a motivação em 2012 Motivação Turistas Gastos (R$) Perm. Receita Turística (dias) Total Percapita Percapita/Dia R$ Milhões Impacto no PIB Passeio ,1 11, ,24 150, ,9 58,5 5,0 Visita Parente/Amigo ,6 12, ,85 121,29 831,1 20,4 1,8 Negócios/Trabalho ,7 6, ,58 297, ,4 30,9 2,6 Congressos/Eventos ,4 6, ,75 360,12 684,2 16,8 1,4 Outros ,2 10, ,28 119,65 137,9 3,4 0,3 Total ,0 10, ,25 161, ,2 100,0 10,8 Fonte: SETUR/CE Nota: a) O Impacto sobre o PIB é obtido pela relação entre a Receita Turística Total (Direta e Indireta) e o PIB; b) A Receita Direta é obtida pelo produto entre Gasto Percapita e Demanda Turística via Fortaleza; c) Receita Turística Total (Direta+Indireta) ou Renda Gerada, decorre do processo interativo dos gastos dos turistas na economia via propensão marginal a consumir (efeito multiplicador); d) O multiplicador dos gastos turísticos utilizado foi de 1996=1,34, 1997=1,43, 1998=1,53, 1999=1,64 e 2000 a 2004=1,75 (in Ferreira, Assuéro e Oliveira, Aércio Estruturação da Matriz de Insumo - Produto do Turismo do Ceará, Fortaleza, março de 1996); e e) PIB cf(2007 a 2010) estimativa do IPECE/CE , , , ,89 Receita Turística (R$ milhões) Segundo as Motivações Valores 1.500, ,00 900,00 600,00 831, ,37 684,25 300,00-137,90 Passeio Visita Parente/Amigo Negócio/Trabalho Congresso/Evento Outros

15 Demanda turística via Fortaleza segundo a motivação em 2012 Motivação Total 1. Passeio , Atrativos naturais , Turismo Aventura , Compras , Ecoturismo , Outros ,3 2.Vista Parentes/amigos ,6 3.Negocio/Trabalho ,7 4.Eventos e Congressos ,4 5.Outros ,2 Fonte: SETUR/CE Turistas Total Geral ,0

16 Principais mercados emissores para o Ceará via Fortaleza: 2006/11 Países 2006 % 2007 % 2008 % 2009 % 2010 % 2011 % 2010/ /10 NACIONAIS , , , , , ,00 37,8 6,3 Norte , , , , , ,00 23,5 11,9 Nordeste , , , , , ,92 37,8 3,5 Centro-Oeste , , , , , ,85 63,3 9,1 Sudeste , , , , , ,50 42,1 6,3 Sul , , , , , ,73 1,6 11,8 INTERNACIONAL , , , , , ,00-18,2 0,3 Alemanha , , , , , ,60 48,2-2,8 Argentina , , , , , ,45-79,5 11,0 Austria , , , , , ,00-15,2 18,0 Belgica , , , , , ,72-50,2 7,7 Cabo Verde , , , , , ,68-10,8 1,4 Canada 456 0, , , , , ,18 453,6 2,9 Espanha , , , , , ,12-38,6 45,4 EUA , , , , , ,21 106,3-53,7 Italia , , , , , ,63-8,1 3,8 França , , , , , ,72-14,3 21,3 Finlândia , , , , , ,98-43,0 1,8 Holanda , , , , , ,11-51,7-74,4 Inglaterra , , , , , ,29-37,8 32,0 Noruega , , , , , ,12-19,0 7,3 Polônia , , , , , ,14-64,8 3,0 Portugal , , , , , ,13-25,8 11,3 Suíça , , , , , ,76-28,1 10,0 Outros , , , , , ,16 20,3-14,7 Total , , , , , ,00 30,5 5,8 Índice(1995 =100) 270,7-273,0-286,0-323,8-353,3-373,9-30,5 5,8 Anual 4,8-0,8-5,6-18,6-29,4-30, Fonte: SETUR/CE Obs: 2010 e 2011 (dados preliminares) Resultados Alcançados Metas iações

17 Principais municípios visitados pelos turistas que Ingressaram ao Ceará via Fortaleza 2009 Discriminação Percentual na Demanda Interior Total Turistas Permanência (Dias) 1 Caucaia 21,57 14, ,9 2 Beberibe 14,95 9, ,3 3 Aquiraz 12,74 8, ,7 4 Aracati 12,59 8, ,3 5 Jijoca Jericoacoara 5,44 3, ,4 6 Paraipaba 3,38 2, ,8 7 São Gonçalo Amarante 2,32 1, ,5 8 Trairi 1,79 1, ,4 9 Cascavel 1,79 1, ,6 10 Sobral 1,77 1, ,1 11 Quixadá 1,35 0, ,2 12 Paracuru 1,15 0, ,6 13 Maracanaú 1,00 0, ,9 14 Guaramiranga 0,97 0, ,5 15 Itapipoca 0,88 0, ,1 16 Maranguape 0,85 0, ,0 17 Juazeiro do Norte 0,82 0, ,4 18 Canindé 0,74 0, ,8 19 Icapui 0,65 0, ,3 20 Camocim 0,56 0, ,4 Subtotal 87,3 57, ,0 Outras localidades 12,7 8, Total Interiorização 100,0 65, ,6 Fonte: SETUR/CE (2009)

18 Discriminação Principais municípios visitados pelos turistas que Ingressaram ao Ceará via Fortaleza 2010 Percentual na Demanda Interior Total Turistas Permanência (Dias) 1 Caucaia 16,43 10, ,7 2 Aquiraz 15,47 10, ,6 3 Beberibe 12,98 8, ,8 4 Aracati 12,82 8, ,4 5 Jijoca Jericoacoara 7,70 5, ,8 6 Paraipaba 3,59 2, ,5 7 São Gonçalo Amarante 2,66 1, ,4 8 Cascavel 1,54 1, ,2 9 Paracuru 1,50 0, ,1 10 Trairi 1,41 0, ,6 11 Sobral 1,41 0, ,1 12 Sede 1,12 0, ,0 13 Canindé 1,05 0, ,2 14 Guaramiranga 1,00 0, ,3 15 Maranguape 0,94 0, ,5 16 Juazeiro 0,87 0, ,9 17 Camocim 0,76 0, ,9 18 Icapui 0,67 0, ,4 19 Maracanaú 0,67 0, ,4 20 Itapipoca 0,60 0, ,8 Subtotal 85,2 55, ,3 Outras localidades 14,8 14, Total Interiorização 100,0 69, ,9 Total Via Fortaleza Fonte: SETUR/CE (2010)

19 Discriminação Principais municípios visitados pelos turistas que Ingressaram ao Ceará via Fortaleza 2011 Percentual na Demanda Interior Total Turistas Permanência (Dias) 1 Caucaia 17,21 11, ,3 2 Aquiraz 16,38 10, ,1 3 Beberibe 14,13 8, ,5 4 Aracati 13,89 8, ,0 5 Jijoca Jericoacoara 8,39 7, ,2 6 Paraipaba 3,61 3, ,2 7 São Gonçalo Amarante 2,92 2, ,3 8 Cascavel 2,25 2, ,5 9 Paracuru 1,69 1, ,9 10 Trairi 1,44 1, ,3 11 Sobral 1,35 1, ,1 12 Sede 1,11 1, ,0 13 Canindé 1,09 0, ,2 14 Guaramiranga 1,08 0, ,3 15 Maranguape 1,00 0, ,4 16 Juazeiro do Norte 0,98 0, ,1 17 Camocim 0,86 0, ,9 18 Icapui 0,70 0, ,7 19 Maracanaú 0,69 0, ,9 20 Itapipoca 0,55 0, ,9 Subtotal 91,3 64, ,8 Outras localidades 8,7 5, Total Interiorização 100,0 69, ,8 Total Via Fortaleza Fonte: SETUR/CE (2011) dados preliminares

20 Discriminação Principais municípios visitados pelos turistas que Ingressaram ao Ceará via Fortaleza 2012 Percentual na Demanda Interior Total Turistas Permanência (Dias) 1 Caucaia 17,68 11, ,9 2 Aquiraz 17,01 10, ,3 3 Beberibe 15,23 8, ,0 4 Aracati 14,13 8, ,4 5 Jijoca Jericoacoara 9,01 5, ,6 6 Paraipaba 3,59 2, ,5 7 São Gonçalo Amarante 3,01 1, ,9 8 Cascavel 2,81 1, ,8 9 Paracuru 1,98 0, ,9 10 Trairi 1,71 0, ,3 11 Sobral 1,64 0, ,9 12 Sede 1,35 0, ,5 13 Canindé 1,23 0, ,0 14 Guaramiranga 1,16 0, ,9 15 Maranguape 1,14 0, ,1 16 Juazeiro do Norte 1,10 0, ,9 17 Camocim 0,98 0, ,0 18 Icapui 0,76 0, ,2 19 Maracanaú 0,68 0, ,9 20 Itapipoca 0,60 0, ,7 Subtotal 96,8 57, ,6 Outras localidades 3,2 12, Total Interiorização 100,0 69, ,9 Total Via Fortaleza Fonte: SETUR/CE (2012 dados preliminares)

21 Oferta hoteleira nos municípios turísticos do Ceará: dezembro de 2012 Regiao MH Uhs Leitos Regiao MH Uhs Leitos Fortaleza Cariri Fortaleza Assaré Ibiapaba Araripe Carnaubal Aurora Croatá Barbalha Ibiapina Campos Sales Ipú Crato Guaraciaba do Norte Jardim São Benedito Juazeiro do Norte Tianguá Missão Velha Ubajara Nova Olinda Viçosa do Ceará Santana do Cariri Litoral Oeste Macico de Baturité Acaraú Aratuba Amontada Baturité Caucaia Barreira Itapajé Guaiúba Itapipoca Guaramiranga Itarema Itapiúna Paracuru Maranguape Paraipaba Mulungu Pentecoste Pacatuba São Gonçalo do Amaran Pacoti Tejuçuoca Palmácia Trairi Redenção Uruburetama Litoral Leste Sertão Central Aquiraz Banabuiú Aracati Canindé Beberibe Itatira Cascavel Pedra Branca Fortim Quixadá Icapuí Quixeramobim Vale do Salgado Senador Pompeu Cedro Lit. Extremo Oeste Icó Barroquinha Iguatu Bela Cruz Lavras da Mangabeira Camocim Orós Cruz Várzea Alegre Granja Vale do Acaraú Jijoca de Jericoacoara Massapê Vale do Jaguaribe Meruoca Jaguaribara Sobral Jaguaribe Sertão dos Inhamuns Limoeiro do Norte Aiuaba Morada Nova Crateús Pereiro Ipaporanga Russas Poranga Total Geral Municípios (M) 85 MH Leitos (L) Uhs Relações MH/M 12,9 UHs/MH 67 Leitos/MH 828 UH/M 315 Fonte: SETUR/CE Obs: MH (Meios de hospedagem), Uhs(Unidades habitacionais) e Leitos (Camas).

22 Oferta Hoteleira de Fortaleza: 2000/12 Anos Hotéis Pousadas Flats Albergues Rede Hoteleira MH UHs Leitos MH UHs Leitos MH UHs Leitos MH UHs Leitos MH UHs Leitos Fonte: SETUR/CE - Pesquisa Direta Obs: a) 2000/12 (posição em dezembro de cada ano) e b) MH= Meio de Hospedagem; UHs= Unidades Habitacionais (alojamentos); e b) Taxas médias anuais de crescimento no período 1995/2012: Estabelecimentos (-0,3%); UHs (2,1%) e Leitos (2,4%).

23 Demanda turística e oferta hoteleira mensal de Fortaleza: 2005/06 Meses Jan , ,4 82,5 83,2 0,8 581,5 622,2 7, , ,5 Fev , ,9 65,3 63,2-3,2 351,8 379,3 7, , ,8 Mar , ,0 50,8 56,9 12,0 293,5 368,4 25, , ,4 Abr , ,6 47,6 48,5 1,9 296,4 332,5 12, , ,5 Mai , ,6 43,7 46,6 6,6 284,0 326,8 15, , ,9 Jun , ,6 46,3 46,9 1,3 312,1 336,6 7, , ,4 Jul , ,6 74,5 63,6-14,6 524,7 479,5-8, , ,5 Ago , ,2 57,7 54,0-6,4 399,6 405,7 1, , ,4 Set , ,2 56,9 56,4-0,9 365,7 394,6 7, , ,1 Out , ,9 57,0 52,4-8,1 429,7 405,6-5, , ,6 Nov , ,9 59,7 60,5 1,3 433,3 453,8 4, , ,5 Dez , ,1 65,2 56,2-13,8 486,2 469,9-3, , ,7 Total , ,1 58,9 57,4-2,7 396,5 414,6 4, , ,4 Fonte: SETUR/CE Demanda e Oferta Hoteleira de Fortaleza Demanda Hoteleira Oferta de UHs Taxa Ocupação Média de Hóspedes por Estabelecimento Demanda Turística via Fortaleza Desembargues Passageiros

24 Demanda turística e oferta hoteleira mensal de Fortaleza: 2007/08 Meses Demanda e Oferta Hoteleira de Fortaleza Demanda Hoteleira Oferta de UHs Taxa Ocupação Demanda Turística via Fortaleza Desembargues Passageiros abih Jan , ,5 80,6 76,5 81,1-5, , ,4 Fev , ,2 57,4 58,9 67,1 2, , ,6 Mar , ,1 52,6 51,5 57,8-2, , ,2 Abr , ,4 47,3 47,2 54,5-0, , ,1 Mai , ,7 44,0 47,4 53,2 7, , ,0 Jun , ,8 49,1 51,5 53,3 4, , ,8 Jul , ,9 63,2 72,3 80,8 14, , ,9 Ago , ,2 49,3 50,7 57,4 2, , ,1 Set , ,9 51,6 55,9 67,9 8, , ,6 Out , ,2 53,0 53,8 61,1 1, , ,9 Nov , ,3 61,6 61,8 63,1 0, , ,6 Dez , ,3 55,1 59,7 63,1 8, , ,6 Total , ,8 55,4 57,3 63,4 3, , ,5 Fonte: SETUR/CE

25 Demanda turística e oferta hoteleira mensal de Fortaleza: 2008/09 Meses Demanda e Oferta Hoteleira de Fortaleza Demanda Hoteleira Oferta de UHs Taxa Ocupação Média de Hóspedes por Estabelecimento Demanda Turística via Fortaleza Desembargues Passageiros Jan , ,1 76,5 80,1 4,7 712,5 789,3 10, , ,4 Fev , ,2 58,9 64,2 9,0 411,2 463,5 12, , ,5 Mar , ,9 51,5 53,0 2,9 401,2 417,2 4, , ,8 Abr , ,9 47,2 51,9 10,0 349,8 383,9 9, , ,9 Mai , ,6 47,4 46,2-2,5 366,4 379,3 3, , ,7 Jun , ,6 51,5 56,5 9,7 381,2 434,8 14, , ,1 Jul , ,0 72,3 77,9 7,7 569,6 655,2 15, , ,0 Ago , ,1 50,7 62,8 23,9 411,9 510,2 23, , ,8 Set , ,0 55,9 60,2 7,7 422,8 510,0 20, , ,6 Out , ,7 53,8 67,2 24,9 463,0 602,7 30, , ,5 Nov , ,6 61,8 66,4 7,4 521,2 638,0 22, , ,1 Dez , ,7 59,7 67,2 12,6 554,2 676,9 22, , ,7 Total , ,3 57,3 62,8 9,7 463,8 538,4 16, , ,1 Fonte: SETUR/CE

26 Demanda turística e oferta hoteleira mensal de Fortaleza: 2010/11 Meses Demanda e Oferta Hoteleira de Fortaleza Demanda Hoteleira Oferta de UHs Taxa Ocupação Demanda Turística via Fortaleza Desembargues Passageiros Jan , ,2 83,6 84,5 1, , ,9 Fev , ,9 66,5 67,7 1, , ,3 Mar , ,1 63,1 63,6 0, , ,9 Abr , ,2 53,2 60,5 13, , ,5 Mai , ,1 51,1 54,2 6, , ,9 Jun , ,1 56,9 58,7 3, , ,0 Jul , ,0 79,1 81,2 2, , ,3 Ago , ,1 64,9 66,1 1, , ,8 Set , ,3 69,5 69,8 0, , ,6 Out , ,4 70,8 71,0 0, , ,2 Nov , ,4 69,5 69,0-0, , ,8 Dez , ,4 68,8 65,2-5, , ,9 Total , ,2 66,4 67,6 1, , ,4 Fonte: SETUR/CE

27 Demanda turística e oferta hoteleira mensal de Fortaleza: 2011/12 Meses Demanda e Oferta Hoteleira de Fortaleza Demanda Hoteleira Oferta de UHs Taxa Ocupação Demanda Turística via Fortaleza Desembargues Passageiros Jan , ,1 84,5 86,3 2, , ,0 Fev , ,4 67,7 69,1 2, , ,0 Mar , ,1 63,6 64,8 1, , ,0 Abr , ,1 60,5 62,3 3, , ,0 Mai , ,1 54,2 55,5 2, , ,0 Jun , ,1 58,7 60,9 3, , ,0 Jul , ,1 81,2 82,7 1, , ,0 Ago , ,2 66,1 67,2 1, , ,0 Set , ,0 69,8 70,9 1, , ,0 Out , ,0 71,0 72,4 2, , ,0 Nov , ,0 69,0 71,4 3, , ,0 Dez , ,0 65,2 67,3 3, , ,0 Total , ,1 67,6 69,2 2, , ,0 Fonte: SETUR/CE

28 Avaliação dos equipamentos e serviços em Fortaleza: 1997/11 Itens Avaliados Média 1. Atrativos Turísticos 83,6 83,4 87,1 85,3 85,0 86,5 87,5 81,8 85,7 81,6 77,7 81,0 88,5 91,3 83,9 79,4. Atrativos Naturais 96,1 96,3 98,3 95,8 95,0 95,0 95,8 95,2 89,8 91,4 91,2 90,6 91,8 92,8 91,8 87,9. Patrimônios Históricos 75,1 76,8 81,0 81,8 82,4 83,2 83,5 77,0 84,8 75,8 72,8 80,4 89,1 90,5 81,5 76,0. Manifestações Populares 79,6 77,2 81,9 78,2 77,6 81,2 83,2 73,2 82,6 77,6 69,1 72,0 84,6 90,5 78,5 74,2 2. Equipamento/Serviço Turístico 78,3 80,6 85,5 84,4 83,2 82,6 86,6 85,6 76,2 80,6 74,3 79,8 79,7 80,8 79,6 76,1. Equipamentos de Lazer 90,8 88,9 92,2 88,0 87,6 82,8 91,2 89,0 86,4 83,4 75,2 80,9 89,3 75,7 82,8 80,3. Passeios Oferecidos 82,2 89,3 92,0 91,2 90,2 89,8 93,0 91,2 86,0 82,2 79,6 81,1 70,6 77,1 81,1 79,8. Serviços Receptivo/Empresas 68,8 73,8 80,1 82,2 83,4 82,4 86,4 82,6 67,0 81,2 70,9 74,5 79,5 79,6 76,5 73,1. Hospitalidade do Povo 92,4 93,5 94,8 91,8 90,2 92,2 93,9 92,4 92,2 88,8 88,0 88,3 83,4 88,2 88,8 84,9. Informação Turística 65,9 74,1 81,3 75,4 70,2 62,0 78,7 79,8 56,2 80,6 63,8 68,2 79,5 75,7 72,0 67,7. Guias de Turismo 62,7 67,3 73,4 77,6 75,0 68,2 79,5 78,6 68,4 69,0 52,2 71,6 78,9 69,8 69,8 66,4. Meios de Hospedagens 82,0 82,0 85,8 86,0 85,8 91,4 90,7 85,8 83,0 78,4 76,2 79,0 85,2 84,9 81,8 78,6. Bares e Restaurantes 83,5 85,6 90,2 88,6 87,8 89,9 90,7 91,2 84,0 81,4 80,1 83,3 72,0 88,1 82,9 80,0. Comércio/Compras 77,6 84,0 87,3 84,0 80,2 85,4 87,3 88,8 78,0 82,8 79,2 88,3 85,6 87,7 84,3 78,8. Diversão e Vida Noturna 88,4 90,5 95,1 92,6 89,8 90,0 90,4 90,4 82,7 85,8 80,8 88,9 88,4 87,6 86,4 83,0. Táxis 67,0 57,1 68,6 70,6 75,2 74,4 71,1 71,8 54,0 73,0 71,7 74,0 64,8 74,1 69,1 64,8 3. Infra-Estrutura 50,9 55,2 57,5 49,6 44,4 41,2 48,6 47,5 39,2 46,0 33,7 41,7 48,7 49,6 44,6 43,7. Comunicações Correio/Fone 84,0 87,4 87,8 81,0 78,0 79,8 79,9 70,2 55,2 70,8 58,1 68,5 60,0 71,9 65,0 68,6. Sinalização Urbana 65,4 60,6 68,6 53,8 44,0 43,0 60,7 46,0 45,0 55,2 32,9 57,5 47,9 54,4 48,4 49,0. Segurança Pública 58,4 43,8 44,0 0,2 17,4 18,8 33,3 9,4 2,4 1,4 6,6 18,7 31,9 22,9 13,3 20,2. Limpeza Pública 34,8 24,1 30,1 5,0 9,2 (8,0) 8,9 2,6-1,7-5,4-4,2-2,1 2,6 4,7 5,3 6,6. Ônibus Urbano 41,3 39,3 44,4 50,0 29,8 33,8 25,5 52,8 24,6 48,0 32,6 26,4 37,8 42,5 37,8 35,4. Terminal Rodoviário 44,6 33,6 32,2 59,4 39,2 29,0 39,4 63,0 60,1 64,8 25,7 34,2 64,0 59,4 53,0 43,9. Aeroporto 27,5 97,7 95,6 97,6 93,4 91,8 92,2 88,4 89,1 87,2 84,4 88,5 96,9 91,6 89,4 82,0 Índice Mèdio 70,9 73,1 76,7 73,1 70,9 70,1 74,2 71,6 67,0 69,4 61,9 67,5 72,3 73,9 69,4 70,5 Fonte: SETUR/CE Obs: a)o índice para cada ítem é calculado com base na avaliação do turista através da relação (ótimo+bom) - (ruim+péssimo); e b) A média do aeroporto exclui 1997.

29 Anos Movimentação turística no Ceará: 2000/12 Movimentação Turística Capital Interior Total , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Fonte:SETUR/CE (2012 Previsão) Obs: a) Total de 84 municípios turísticos e b) movimentação turística envolve os fluxos de origem nacional, internacional e intraestadual.

30 ANOS Movimento no aeroporto Internacional Pinto Martins: 1994/12 EMBARQUES DEMBARQUES TOTAL PAX ÍNDICE PAX ÍNDICE PAX ÍNDICE , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,1 Fonte: SETUR/CE e INFRAERO Nota: Taxas Médias Anuais de Crescimento no Período 1994/2012: a) Embarques (10,2%); b) Desembarques (10,3%); e c) Total (10,2%).

31 Prestadores de Serviços Turísticos em Fortaleza Categorias Total Agências de viagens ,2 Meios de hospedagem 204 8,1. Hotéis 101 4,0. Pousadas 78 3,1. Flats 23 0,9. Albergues 2 0,1 Organizadora eventos 61 2,4 Transportes turístico 27 1,1 Cooperativas táxis 4 0,2 Guias de viagens ,4 Restaurantes ,7 Artesanatos (BOX) 225 8,9. Centro Turismo 105 4,2. Ceart 30 1,2. Mercado Central 40 1,6. Feirinha Beira Mar 50 2,0 Total geral ,0

32 Centro Administrativo Virgílio Távora - Ed. SEPLAN - Térreo - Cambeba - Fortaleza - Ceará - Brasil CEP Fone: (85) Fax (85) Portal:

UF Município Micro-Região Classificação Tipo

UF Município Micro-Região Classificação Tipo CE Abaiara Brejo Santo Baixa Renda Estagnada CE Acarapé Baturité Baixa Renda Estagnada CE Acaraú Litoral de Camocim e Acaraú Baixa Renda Dinâmica CE Acopiara Sertão de Senador Pompeu Baixa Renda Dinâmica

Leia mais

Região de Saúde de Caucaia

Região de Saúde de Caucaia Região de Saúde de Fortaleza Fortaleza CONSULTÓRIO DE RUA Eusébio I CAPS i Itaitinga Aquiraz LEITO HOSPITAL GERAL ENFERMARIA ESPECIALIZADA COMUNIDADE TERAPÊUTICA RESIDÊNCIA TERAPÊUTICA PVC AQUIRAZ 73.561

Leia mais

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO ART. 1º O Concurso de Frases e Desenhos visa incentivar a conscientização sobre a política nacional do sangue

Leia mais

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO OBJETIVO DO PROJETO Promover

Leia mais

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Ceará PERÍODO:

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Ceará PERÍODO: Módulo introdutório de dos Orientadores de Estudo 2300101 ABAIARA MUNICIPAL 2300150 ACARAPE MUNICIPAL 2300200 ACARAU MUNICIPAL 2300309 ACOPIARA MUNICIPAL 2300408 AIUABA MUNICIPAL 2300507 ALCANTARAS MUNICIPAL

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA Abaiara Acarape Acarau Acopiara Aiuaba Alcantaras Altaneira Alto Santo Amontada Antonina do Norte Apuiares Aquiraz Aracati Aracoiaba Ararenda Araripe Aratuba Arneiroz Assare Aurora Baixio Banabuiu Barbalha

Leia mais

VACINA CONTRA HEPATITE B DOSES APLICADAS EM MENORES DE 20 ANOS, COBERTURA VACINAL E POPULAÇÃO A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007

VACINA CONTRA HEPATITE B DOSES APLICADAS EM MENORES DE 20 ANOS, COBERTURA VACINAL E POPULAÇÃO A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007 DOSES APLICADAS EM MENORES DE, E A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007 2300101 ABAIARA 2300150 ACARAPE 2300200 ACARAU 2300309 ACOPIARA 2300408 AIUABA 2300507 ALCANTARAS 2300606 ALTANEIRA

Leia mais

Junho de 2005 Fortaleza - Ceará - Brasil

Junho de 2005 Fortaleza - Ceará - Brasil Junho de 2005 Fortaleza - Ceará - Brasil GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Governador:Lúcio Alcântara SECRETARIA DO TURISMO DO ESTADO DO CEARÁ Secretário: Allan Aguiar Secretário Adjunto: José Airton Cabral Júnior

Leia mais

ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842

ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842 SEFAZ-CE * RATEIO DO ICMS * PAGINA - 1 RTP00849 2A. PUBLICACAO EXERCICIO 2010 HORA - 08.12.46 ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842 ACARAPE 12.444.283,10

Leia mais

ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312

ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312 SEFAZ-CE * RATEIO DO ICMS * PAGINA - 1 RTP00849 2A. PUBLICACAO EXERCICIO 2009 HORA - 16.12.13 ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312 ACARAPE 14.645.466,74

Leia mais

LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 REGIÃO METROPOLITANA CARIRI / CENTRO SUL

LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 REGIÃO METROPOLITANA CARIRI / CENTRO SUL LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 LISTA DE CONTATOS Nome do Festival: Festejo Junino de São Gonçalo do Amarante Local: Praça da Matriz Dias: 29/06 a 04 /07/2008

Leia mais

Página 1. Quantidade de AF necessários para atender os 30% (6) Nº de Agricultores Familiares (3) Valor do Repasse do FNDE (1) Alunado (2)

Página 1. Quantidade de AF necessários para atender os 30% (6) Nº de Agricultores Familiares (3) Valor do Repasse do FNDE (1) Alunado (2) 2300101 ABAIARA 148.140,00 2.220 44.442 755 688 PAA Leite 5 2300150 ACARAPE 166.440,00 2.658 49.932 521 378 PAA Leite 6 2300200 ACARAU 1.058.700,00 13.767 317.610 4.477 938 PAA Leite/DS/CD 35 2300309 ACOPIARA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS COORDENAÇÃO ESTADUAL DA ATENÇÃO BÁSICA LABORATÓRIO CENTRAL - LACEN ORGANIZAÇÃO DA REDE DE

Leia mais

Nº 35 Junho 2012. A Composição das Famílias no Ceará- Identificação das Relações Homoafetivas

Nº 35 Junho 2012. A Composição das Famílias no Ceará- Identificação das Relações Homoafetivas Nº 35 Junho 2012 A Composição das Famílias no Ceará- Identificação Análise a partir dos dados Preliminares do Universo - Censo Demográfico 2010 dm GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador

Leia mais

Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado do Ceará

Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado do Ceará Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará Diretoria de Sanidade Animal Coordenação Estadual do PEEFA Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado

Leia mais

Hotelaria e Desenvolvimento Local: trabalho no Ceará contemporâneo.

Hotelaria e Desenvolvimento Local: trabalho no Ceará contemporâneo. IV Reunião Equatorial de Antropologia e XIII Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste 04 a 07 de agosto de 20, Fortaleza-Ceará. Grupo de Trabalho: Turismo, populações locais e meio ambiente. Sessão

Leia mais

PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL

PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL 1 1. APRESENTAÇÃO O SENAR tem como missão executar a Formação Profissional Rural e a Promoção Social do produtor rural, do trabalhador rural e de suas famílias, o que inclui os jovens que vivem no meio

Leia mais

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO ART. 1º O Concurso de Frases e Desenhos visa incentivar a conscientização sobre a política nacional do sangue

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO POBREZA E DESIGUALDADE SOCIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO POBREZA E DESIGUALDADE SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO POBREZA E DESIGUALDADE SOCIAL Edital nº 01/2016-CEEPDS/UFC Fortaleza, 11 de março de 2016. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO, POBREZA

Leia mais

TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES

TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES Nº 51 Novembro / 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Região Nordeste Fortaleza/CE

Região Nordeste Fortaleza/CE Cidade UF Distância Km (Capital) Região Nordeste Fortaleza/ Prazo Aéreo (Capital) Prazo Rodoviário Redespacho Abaiara 520 Não operamos por FOR / 24 h por Acarape 67 Não operamos 24 h Acaraú 243 Não operamos

Leia mais

1ª CRES - FORTALEZA Município Cobertura CRES População Nº de esb necessarias

1ª CRES - FORTALEZA Município Cobertura CRES População Nº de esb necessarias 1ª CRES - FORTALEZA Fortaleza 26,53% 1ª - Fortaleza 2.476.589 825,53 219 66 Euzébio 89,30% 1ª - Fortaleza 47.030 15,68 14 1 2ª CRES - CAUCAIA Caucaia 41,71% 2ª - Caucaia 330.855 110,29 46 9 Pentecoste

Leia mais

CALENDÁRIO DE FERIADOS - 2016 MUNICÍPIO DIA MÊS DATA COMEMORATIVA FERIADO 1º JAN Confraternização Universal Nacional

CALENDÁRIO DE FERIADOS - 2016 MUNICÍPIO DIA MÊS DATA COMEMORATIVA FERIADO 1º JAN Confraternização Universal Nacional CALENDÁRIO DE FERIADOS - 2016 MAR Data Magna do Estado /Sexta-feira Santa Estadual / Municipal 15 21 ABR Anivsersário do Município/Tiradentes Municipal / Nacional ACARAPE JUN Padroeiro do Município (São

Leia mais

ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO

ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO Nº 52 Novembro / 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO E GESTÃO

Leia mais

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza.

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza. A atividade do setor de no Ceará, tem apresentado um expressivo crescimento ao longo dos últimos anos. De fato, tendo recebido 970.000 turistas em 1997, este fluxo alcançou 1.550.857 em 2003 e 1.784.354

Leia mais

MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS CEARENSES A PARTIR DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO FAMILIAR IDF*

MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS CEARENSES A PARTIR DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO FAMILIAR IDF* GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 69 MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Água para Irrigação CE

Água para Irrigação CE ceará Água para Irrigação CE Apresentação O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) completou três anos de atividades em janeiro passado. Nesse período, nos habituamos a avaliar periodicamente a situação

Leia mais

SUMÁRIO Volume III. Pág TOR LISTA DE TABELAS. iii LISTA DE FIGURAS. ix LISTA DE MAPAS. xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

SUMÁRIO Volume III. Pág TOR LISTA DE TABELAS. iii LISTA DE FIGURAS. ix LISTA DE MAPAS. xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS SUMÁRIO Volume III Pág TOR LISTA DE TABELAS iii LISTA DE FIGURAS ix LISTA DE MAPAS xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS xvi 3.4 Patrimônio histórico e cultural 01 3.3.4 3.4.1 Bens tombados 03 3.4.2 Bens com

Leia mais

Processo Seletivo Simplificado Nº: 022/2014

Processo Seletivo Simplificado Nº: 022/2014 Divisão Administrativa DAD Processo Seletivo Simplificado Nº: 022/2014 1. CARGO: PROFESSOR/ASSISTENTE Processo Seletivo Simplificado, em caráter emergencial, motivado pela inexistência de profissionais

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

RELATÓRIO DE ATAQUES A BANCOS NO CEARÁ Atualizado em 16/03/2015, de acordo com informações da imprensa local

RELATÓRIO DE ATAQUES A BANCOS NO CEARÁ Atualizado em 16/03/2015, de acordo com informações da imprensa local RELATÓRIO DE ATAQUES A BANCOS NO CEARÁ Atualizado em 16/03/2015, de acordo com informações da imprensa local 2015 JANEIRO DE 2015 DIA 07/01 Jardim Bradesco Tentativa de arrombamento com uso de explosivos

Leia mais

PRESIDENTE ELEITO - PED 2013 - CEARÁ Nº MUNICÍPIO PRESIDENTE ELEITO APELIDO 1 ABAIARA INÉS MOREIRA 2 ACARAPE JOAQUIM SÉRGIO PEREIRA DE MESQUITA 3

PRESIDENTE ELEITO - PED 2013 - CEARÁ Nº MUNICÍPIO PRESIDENTE ELEITO APELIDO 1 ABAIARA INÉS MOREIRA 2 ACARAPE JOAQUIM SÉRGIO PEREIRA DE MESQUITA 3 PRESIDENTE ELEITO - PED 2013 - CEARÁ Nº MUNICÍPIO PRESIDENTE ELEITO APELIDO 1 ABAIARA INÉS MOREIRA 2 ACARAPE JOAQUIM SÉRGIO PEREIRA DE MESQUITA 3 ACOPIARA ICARO GASPAR 4 ACARAÚ PEDRO JOSÉ DE MELO 5 ALCANTARA

Leia mais

(Fonte: SETUR, 2002) (Fonte: SETUR, 2002)

(Fonte: SETUR, 2002) (Fonte: SETUR, 2002) 3.13 Investimentos futuros do setor privado no setor turístico 3.13.1 Investimentos em construção ou projeto Em toda a ÁREA DE PLANEJAMENTO existem 14 empreendimentos em fase de construção ou projeto,

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO IV Nº049 FORTALEZA, 12 DE MARÇO DE

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO IV Nº049 FORTALEZA, 12 DE MARÇO DE 1 PODER EXECUTIVO DECRETO Nº30.841 de 07 de março de 2012. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, A DISTRI- BUIÇÃO E A DENOMINAÇÃO DOS CARGOS DE DIREÇÃO SUPERIOR E DE DIREÇÃO E ASSESSORAMENTO DA SUPE-

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROJETOS FINANCIADOS PELO FECOP

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROJETOS FINANCIADOS PELO FECOP Coordenação de Planejamento e Gestão - COPLAG Núcleo de Controladoria - NUCON RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROJETOS FINANCIADOS PELO FECOP PERÍODO : JANEIRO A JUNHO DE 2012 SUMARIO PROGRAMAS

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Municipal: hierarquização dos municípios do Ceará no ano de 1997

Índice de Desenvolvimento Municipal: hierarquização dos municípios do Ceará no ano de 1997 Índice de Desenvolvimento Municipal: hierarquização dos municípios do Ceará no ano de 1997 Ana Cristina Lima Gouveia Soares * Annúzia Maria Pontes Moreira Gosson ** Maria Ângela Leão Hitzschky Madeira

Leia mais

BOLETIM DIAGNÓSTICO DE CHUVA PARA OS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO DE 2011. CHUVA EM JANEIRO DE 2011 NORMAL OBSERVADO DESVIO 90,9 mm 242,9 mm 167,3 %

BOLETIM DIAGNÓSTICO DE CHUVA PARA OS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO DE 2011. CHUVA EM JANEIRO DE 2011 NORMAL OBSERVADO DESVIO 90,9 mm 242,9 mm 167,3 % BOLETIM DIAGNÓSTICO DE CHUVA PARA OS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO DE 2011 CHUVA EM JANEIRO DE 2011 NORMAL OBSERVADO DESVIO 90,9 mm 242,9 mm 167,3 % CHUVA EM FEVEREIRO DE 2011 NORMAL OBSERVADO DESVIO 152,1

Leia mais

Taxa de Ocupação atinge 80,69% e registra o melhor resultado para um mês de abril

Taxa de Ocupação atinge 80,69% e registra o melhor resultado para um mês de abril TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, em parceria com Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro Abril de 2012 Taxa

Leia mais

Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo. Reunião com Secretários e Gestores de TI

Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo. Reunião com Secretários e Gestores de TI Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo Reunião com Secretários e Gestores de TI Maio/2011 Todos os órgãos do governo devem estar conectados às redes do Governo até 31.08.2011. Até esta data devem

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-134/2008 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-134/2008 R-00 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT /28 DECISÃO TÉCNICA /28 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- visa estabelecer regras e recomendações de codificação

Leia mais

PERFIL DA PRODUÇÃO DE FRUTAS BRASIL CEARÁ 2013

PERFIL DA PRODUÇÃO DE FRUTAS BRASIL CEARÁ 2013 PERFIL DA DE FRUTAS BRASIL América do Norte CEARÁ 2013 Europa África Brasil América do Sul Ceará Brasil Brasil Fortaleza-Ceará-Brasil, setembro de 2013 1 Governador do Estado Cid Ferreira Gomes Conselho

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 43/2014, de 20 de janeiro 2014

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 43/2014, de 20 de janeiro 2014 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 43/2014, de 20 de janeiro 2014 Seleção de Tutores do projeto Caminhos do Cuidado - Formação em Saúde Mental (crack, álcool e outras drogas) para Agentes Comunitários de Saúde e Auxiliares/Técnicos

Leia mais

Ceará. Secretaria de Justiça Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará xxx - Fortaleza-Cep:0 - A PREENCHER

Ceará. Secretaria de Justiça Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará xxx - Fortaleza-Cep:0 - A PREENCHER Secretaria de Justiça Secretaria da Justiça e Cidadania do xxx - Fortaleza-Cep:0 - A PREENCHER Presídio Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira Av. dos Expedicionários, 10440 - Fortaleza-Cep:60760-

Leia mais

AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ

AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE TURISMO Data: Outubro/99 N o 08 AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ 1 INTRODUÇÃO O Estado do Ceará está localizado na região Nordeste

Leia mais

Locais a serem visitados

Locais a serem visitados Apresentação Este projeto trata da elaboração de um livro, bilíngüe, que utilizará a fotografia como forma de expressão artística e que terá como tema central o Litoral do Ceará. A publicação, composta

Leia mais

1ª CRES DISTRIBUIÇÃO DAS CADERNETAS SAÚDE DA CRIANÇA POR HOSPITAIS 1ª CRES MATERNIDADES TOTAL 2013 MENINO MENINA

1ª CRES DISTRIBUIÇÃO DAS CADERNETAS SAÚDE DA CRIANÇA POR HOSPITAIS 1ª CRES MATERNIDADES TOTAL 2013 MENINO MENINA 1ª CRES 1ª CRES MATERNIDADES TOTAL 2013 MENINO MENINA Aquiraz HOSP GERAL MANUEL ASSUNCAO PIRES 360 180 180 HOSPITAL MUNICIPAL MONSENHOR DOURADO 115 57 58 Cascavel HOSP MATERN NOSSA SRA DAS GRACAS 880 440

Leia mais

Conjuntura do Desempenho do Turismo no Nordeste: 2002/11

Conjuntura do Desempenho do Turismo no Nordeste: 2002/11 FUNDAÇÃO CTI/NE Conjuntura do Desempenho do Turismo no Nordeste: 2002/11 Valdo Mesquita Coordenador do GTP/CTI-NE Janeiro de 2012 Danielle Govas Pimenta Novis Presidente da Fundação CTI/NE Roberto Pereira

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

DER DEPARTAMENTO ESTADUAL DE RODOVIAS

DER DEPARTAMENTO ESTADUAL DE RODOVIAS DER DEPARTAMENTO ESTADUAL DE RODOVIAS MISSÃO - DER PLANEJAR, PROJETAR, CONSTRUIR E GERIR A MALHA RODOVIÁRIA ESTADUAL, INCLUSIVE FEDERAIS DELEGADAS. PLANEJAR, PROJETAR, CONSTRUIR E GERIR A MALHA AEROVIÁRIA

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A análise do setor de Turismo

Leia mais

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Ceará

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Ceará Ministério dos s PNLT - Plano Nacional de Logística e s Carirí (Juazeiro do Norte) - Infraero Carirí (Juazeiro do Norte) - Infraero Construção Não Planejado 3.510 N.A. Pós 2015 Aeroviário Ferroviário Fortaleza/

Leia mais

SECA: GESTÃO, CUSTOS E ABASTECIMENTO DE AGUA DE COMUNIDADES RURAIS DO ESTADO DO CEARÁ

SECA: GESTÃO, CUSTOS E ABASTECIMENTO DE AGUA DE COMUNIDADES RURAIS DO ESTADO DO CEARÁ SECA: GESTÃO, CUSTOS E ABASTECIMENTO DE AGUA DE COMUNIDADES RURAIS DO ESTADO DO CEARÁ Francisco Edson Pinheiro Pessoa 1 & Francisco de Assis de Souza Filho 2 RESUMO Faz uma análise do uso de carros pipa

Leia mais

PORTARIA Nº 501, DE 7 DE MARÇO DE 2017

PORTARIA Nº 501, DE 7 DE MARÇO DE 2017 PORTARIA Nº 501, DE 7 DE MARÇO DE 2017 Remaneja o limite financeiro anual referente à Assistência de Média e Alta Complexidade Hospitalar e Ambulatorial do Estado do Ceará. O Secretário de Atenção à Saúde,

Leia mais

MAPA DO FIM DA FOME. Metas Metas Sociais Contra Miséria nos Municípios Cearenses MAPA DO FIM DA FOME: Julho CPS Centro de Políticas Sociais

MAPA DO FIM DA FOME. Metas Metas Sociais Contra Miséria nos Municípios Cearenses MAPA DO FIM DA FOME: Julho CPS Centro de Políticas Sociais CPS Centro de Políticas Sociais MAPA DO FIM DA FOME MAPA DO FIM DA FOME: Metas Metas Sociais Contra Miséria nos nos Municípios Cearenses Grande Fortaleza - PME 2000 Julho 2001 Estado do Ceará PNAD (1998-99)

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ FAÇO SABER QUE A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DECRETOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ FAÇO SABER QUE A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DECRETOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI COMPLEMENTAR Nº 18, DE 29.12.99 (DO 29.12.99) Dispõe sobre a Região Metropolitana de Fortaleza, cria o Conselho Deliberativo e o Fundo de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Fortaleza - FDM,

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

Audiência Pública Cajucultura (Câmara dos Deputados Plenário 06 Anexo II)

Audiência Pública Cajucultura (Câmara dos Deputados Plenário 06 Anexo II) Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará - ADECE Câmara Setorial do Caju CSC Sindicato das Indústrias de Caju SINDICAJU Associação dos Cajucultores do Estado do Ceará ASCAJU Audiência Pública Cajucultura

Leia mais

SAMU CEARÁ POLO I - EUSÉBIO

SAMU CEARÁ POLO I - EUSÉBIO RESOLUÇ Nº. 22/2014 CIB/CE A Comissão Intergestores Bipartite do Ceará - CIB/CE, no uso de suas atribuições legais e considerando: 1. A Portaria Nº. 1.600, de 7 de julho de 2011, que reformula a Política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

III Encontro Estadual de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Ceará 24 e 25 de abril/14

III Encontro Estadual de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Ceará 24 e 25 de abril/14 III Encontro Estadual de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Ceará 24 e 25 de abril/14 Roberto Junior Coordenador do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Secretaria de Educação

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENAÇÃO Antonio de Oliveira Lima MPT/CE Célia Chaves Gurgel do Amaral UFC Sandra Maria Silva Leite Reis UNDIME/CE EDUCAÇÃO:

Leia mais

Anexo I Edital - 08/PROGEP-IFCE/2014 - EDI- TAL DE VAGAS DO CADASTRO DE RE- SERVA DO EDITAL n o 11/PROGEP-IFCE/2013

Anexo I Edital - 08/PROGEP-IFCE/2014 - EDI- TAL DE VAGAS DO CADASTRO DE RE- SERVA DO EDITAL n o 11/PROGEP-IFCE/2013 Anexo I Edital - 08/PROGEP-IFCE/2014 - EDI- TAL DE VAGAS DO CADASTRO DE RE- SERVA DO EDITAL n o 11/PROGEP-IFCE/2013 Resumo Descrição Qtde. Vagas Disponibilizadas 144 Campi 24 Anexo I Edital 08/PROGEP-IFCE/2014

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2007-2013

Estudo da demanda turística internacional 2007-2013 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2007-2013 Brasília, novembro de 2014 Sumário 1 Perfil da

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

UNIMED CEARÁ MODELOS DE PRESTADORAS NO SISTEMA UNIMED

UNIMED CEARÁ MODELOS DE PRESTADORAS NO SISTEMA UNIMED UNIMED CEARÁ MODELOS DE PRESTADORAS NO SISTEMA UNIMED Dr. Darival Bringel de Olinda Presidente Unimed Ceará PILARES Gestão Modelo Política de Pessoal Infraestrutura / Investimentos Mercado Política / Liderança

Leia mais

ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO. Ministério do Turismo

ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO. Ministério do Turismo ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL EXECUÇÃO FIPE APOIO INFRAERO DPF RECEITA ÓRGÃOS OFICIAS DE TURISMO Caracterizar e dimensionar o turismo internacional receptivo

Leia mais

LITORAL LESTE Pousada Paraíso do Pontal. R$ 2.400,00 R$ 700,00 R$ 800,00 - R$ 2.400,00 R$ 700,00 242,86% R$ 1.300,00 Canteiros Pousada & Restaurante

LITORAL LESTE Pousada Paraíso do Pontal. R$ 2.400,00 R$ 700,00 R$ 800,00 - R$ 2.400,00 R$ 700,00 242,86% R$ 1.300,00 Canteiros Pousada & Restaurante Procon Fortaleza - Pesquisa comparativa de preços de hospedagem para o carnaval 2016, realizada nos dias 13 e 14/01 de 2016, para o período de 6 a 10/02 de 2016. 1 2 3 4 DESTINO FORTIM (Quarto ARACATI

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Gerência de Estatística e Indicadores Os resultados do turismo no estado

Leia mais

A REGIONALIZAÇÃO DA SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ

A REGIONALIZAÇÃO DA SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ A REGIONALIZAÇÃO DA SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ José Policarpo de Araújo Barbosa Coordenador das Regionais de Saúde CORES Janeiro, 2013 Reforma Pellon (1933) Cinco Distritos Sanitários 1. Distrito sede da

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

COPA 2014. 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo

COPA 2014. 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo COPA 2014 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo COPA 2014 CIDADES-SEDE Fortaleza Manaus Natal Recife Cuiabá Salvador Brasília Belo Horizonte Curitiba São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre PLANEJAMENTO

Leia mais

REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA. LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI

REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA. LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI AC Núcleo de Tratamento e Estimulação Precoce - NUTEP/UFC Hospital das Clínicas

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 987 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 16580001 0235 Corredor Nordeste 10ET ADEQU DE TRECHOS RODOVIÁRIOS

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Apresentação. configura, hoje, cidades e territórios da sofisticada vida contemporânea.

Apresentação. configura, hoje, cidades e territórios da sofisticada vida contemporânea. 1 Caderno de Dados Agosto.14 1 APRESENTAÇÃO 3 2 METODOLOGIA 4 3 MENSAGEM DA BELOTUR 5 4 AMBIENTE MACRO 7 5 SONDAGEM DO CONSUMIDOR 9 6 RECEITA CAMBIAL E GASTOS 10 7 Indicadores 65 destinos indutores 12

Leia mais

Tem SEBRAE em todo Ceará

Tem SEBRAE em todo Ceará Não cabem mais questionamento sobre a importância e os méritos dos pequenos negócios como forma mais eficiente de promover a estabilidade política, econômico e social de um país, estado ou região. O Universo

Leia mais

IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014

IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014 IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014 O turismo da cidade de São Paulo desenvolveu-se positivamente nos últimos anos. Muito mais pode ser esperado os para os próximos, prevendo uma chegada estimada em 17 milhões

Leia mais

Boletim Entomológico. LIRAa Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa) O que é o LIRAa?

Boletim Entomológico. LIRAa Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa) O que é o LIRAa? 10 de abril de 2017 Página 1/5 O que é o LIRAa? O Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa), é um método amostral, desenvolvido e adotado a partir de 2003 pelo Programa Nacional de Controle

Leia mais

AC Acrelândia 3 50400824442 17000001100 RADIO E TELEVISAO NORTE LTDA AC Assis Brasil 51 50400824604 17000001100 RADIO E TELEVISAO NORTE LTDA AC Brasiléia 9 50400824523 17000001100 RADIO E TELEVISAO NORTE

Leia mais

Centro Adm. Gov. Virgílio Távora - Ed. SEPLAG Térreo - Cambeba CEP: 60.830-120 Home Page: www.setur.ce.gov.br - e-mail: gabinete@setur.ce.gov.

Centro Adm. Gov. Virgílio Távora - Ed. SEPLAG Térreo - Cambeba CEP: 60.830-120 Home Page: www.setur.ce.gov.br - e-mail: gabinete@setur.ce.gov. ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TURISMO BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO - BID PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO PRODETUR CEARÁ 2321/OC - BR Fortaleza - CE Janeiro de 2012 Centro Adm. Gov. Virgílio

Leia mais

Análise de resolubilidade regional em traumatologia - Ceará

Análise de resolubilidade regional em traumatologia - Ceará Análise de resolubilidade regional em traumatologia - Ceará Fonte: CORAC SIH/SUS Janeiro a novembro de 2015 Elaboração: CORAC Colaboração: NUESP/COPAS Análise de resolubilidade regional em traumatologia

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR Superintendência de Investimentos em Polos Turísticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR Janeiro a Dezembro de 2014 Pesquisa SETUR Janeiro,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes - Governador

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes - Governador GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes - Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Silvana Maria Parente Neiva Santos - Secretária INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ

Leia mais

TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE

TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE Relatório de Pesquisa Demanda Turística via Natal: Estrutura e Características do Fluxo Turístico Receptivo de 2009 Natal - Rio Grande do Norte Brasil (maio de 2010) RIO

Leia mais

INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO, DOS PRINCIPAIS DESTINOS LITORÂNEOS DA BAHIA, NO PERÍODO DE 1998 A 2008

INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO, DOS PRINCIPAIS DESTINOS LITORÂNEOS DA BAHIA, NO PERÍODO DE 1998 A 2008 CULTUR, ano 05 - nº 01/Especial - Jan/2011 www.uesc.br/revistas/culturaeturismo Licença Copyleft: Atribuição-Uso não Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO,

Leia mais

Sede Provisória do Sindicato dos Trabalhadores Ruarais de Acarape - Centro

Sede Provisória do Sindicato dos Trabalhadores Ruarais de Acarape - Centro MUNICÍPIOS LOCAL DE VOTAÇÃO ABAIARA Sindicato dos Trabalhadores/as Rurais de Abaiara - Rua: Padre Jose Leite Sampaio, nº 94 ACARAPE Sede Provisória do Sindicato dos Trabalhadores Ruarais de Acarape - Centro

Leia mais

SPAECE. Vol II. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais. Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa

SPAECE. Vol II. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais. Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa ISSN 1982-7644 SPAECE 2009 Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa Vol II Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP NOVA CAMPINA 1 Objetivo para potencializar o desenvolvimento sustentável de Pólos Turísticos Fortalecimento e integração dos elos da Cadeia

Leia mais

Turismo no Recife: Caso de sucesso

Turismo no Recife: Caso de sucesso Secretaria de Turismo Turismo no Recife: Caso de sucesso O Recife no Brasil: Reconhecimento nacional na Parceria Público-Privada PCR e RCVB; Prêmio de Melhor Política Pública do Turismo entre os 65 Destinos

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Janeiro de 2014 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

ANÁLISE DE DESIGUALDADE DE RENDA NO ESTADO DO CEARÁ RUBEN DARIO MAYORGA (1) ; FRANCISCO JOSÉ TABOSA (2) ; JAIR AMARAL FILHO (3).

ANÁLISE DE DESIGUALDADE DE RENDA NO ESTADO DO CEARÁ RUBEN DARIO MAYORGA (1) ; FRANCISCO JOSÉ TABOSA (2) ; JAIR AMARAL FILHO (3). ANÁLISE DE DESIGUALDADE DE RENDA NO ESTADO DO CEARÁ RUBEN DARIO MAYORGA (1) ; FRANCISCO JOSÉ TABOSA (2) ; JAIR AMARAL FILHO (3). 1.UFC, FORTALEZA, CE, BRASIL; 2,3.CAEN/UFC, FORTALEZA, CE, BRASIL. dario@ufc.br

Leia mais