Detectores de tempo de voo RPC em HADES. Performance em 1.25 AGeV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Detectores de tempo de voo RPC em HADES. Performance em Au+Au @ 1.25 AGeV"

Transcrição

1 Detectores de tempo de voo RPC em HADES. Performance em 1.25 AGeV A. Blanco On behalf of HADES RPC Group Sixth framework programme

2 HADES RPC Group GSI D. Gonzalez W. Koenig LIP A. Blanco N. Carolino O. Cunha P. Fonte L. Lopes A. Mangiarotti USC D. Belver P. Cabanelas E. Castro J.A. Garzón G. Kornakov M. Zapata IFIC-Valencia J. Diaz A. Gil A. Pereira C. Silva C.C. Sousa C. Franco L. Silva Current and former members

3 Outlook - O que é uma câmara de placas resistivas (RPC). - A experiência HADES. - O detector de tempo de voo (TOF) baseado em RPCs para a experiência HADES. - Performance intrinseca. Resolução em tempo e posição. - Resolução de sistema. Eficiência e resolução em tempo.

4 Câmaras de placas resistivas (RPCs) E Gás gap Área sensível Material resistivo Material condutor ou material resistivo R&D em RPCs Medida de tempo: [NIMA ] [IEEE ] Grande área: [NIMA ] Medida de tempo e posição: [NIMA ] Características principais Eficiência 75% (0.3mm) > 99% (4 gaps). Resolução temporal 50 ps σ. Não têm resolução em energia. Possibilidade de medir a posição.

5 Espectrómetro HADES A investigação das propriedades dos hadroes dentro do núcleo a densidades e temperaturas altas é uma dos principais objectivos da física nuclear actual. Nestas condições, modificações significativas de propriedades básicas dos hadroes (massa, largura de decaimento, etc) são esperadas. HADES => Alta aceitação, precisão e capacidade de contagem. TOF RPC Shower Magnet RICH MDC II MDC I MDC IV MDC III

6 Espectrómetro HADES Located at: www-hades.gsi.de Darmstadt, Germany.

7 As células de HADES mm x 4 gaps Mínimo para uma boa eficiência -Eléctrodos de alumínio e vidro (2 mm) Minimizar a quantidade de vidro=> Maximiza a capacidade de contagem - Materiais tolerantes ao aquecimento Electricamente isolado na totalidade Alumínio Vidro Molas & suporte mecânico HV & leitura do sinal

8 O sextante Colunas t 1 Filas t 2 Camada células/sextante distribuídas em 32 filas, 6 colunas e 2 camadas células no total tipos diferentes de células (comprimento, largura, forma) - Leitura feita nos dois extremos T = (t 1 + t 2 )/2 X = t 1 t 2

9 FEE and DAQ DAQ based on a 128 ch multihit TDC [TNS 58 vol , 1745] FEE based on Philips BGM1013 G = 35.5 db, BW = 2 GHz, NF = 4.5dB [TNS 57 vol , 2848]

10 R&D, validação de protótipos, construção e teste Financiado FCT Validação, 2003 Protótipo, 2005 Sextante completo, 2007 Financiado EU + FCT Construção, Teste, 2009 Instalação, 2010

11 Instalado e integrado no espectrómetro

12 Intrinsic RPC performance. Au AGeV First Au + Au test run in HADES (Aug 2011) Multihit environment <n> ~ 15 One Au + Au collision from HGeant Multiplicity/sector simulation package

13 Intrinsic RPC performance. Analysis Overlapped cells t 1 t 1 t 2 t 2 Time difference T = (t 1 +t 2 )/2 (t 1 +t 2 )/2 Time resolution σ t = σ( T)/ 2 Position difference X = V prop /2 [(t 1 -t 2 )/2 (t 1 -t 2 )/2] = V prop /2[X 1 -X 2 ] Longitudinal position resolution σ x = σ( X)/ 2

14 σ t (ps) Intrinsic RPC performance. Time resolution Homogeneous time resolution < 100 ps <σ t > = 80 ps Sector 2 Row number σ t (ps)

15 σ t (ps) Intrinsic RPC performance. Time resolution S 1 < σ t Global > = 80 ps All channels have a resolution well below 100 ps < σ t > 81 ps S 2 80 ps S 3 80 ps S 4 79 ps S 5 82 ps S 6 78 ps Row number Out of a total of 1116 cell, 1112 are operative along with 2232 FEE

16 Beta Intrinsic RPC performance. Time resolution, P low, P high, π + π + <σ t >=70 ps P low energy <σ t >= 50 ps P high energy <σ t >= 64 ps p * q (Mev/c)

17 σ t (ps) Intrinsic RPC performance. Time resolution, multihit Multihit time resolution Neighbor in the same row Neighbor in the 4 th row Standard analysis Au AGeV Neighbor hit has no impact Sector 2 Distance (rows) to the neighbor hit

18 σ x (mm) Intrinsic RPC performance. Spatial resolution Homogeneous longitudinal position resolution < 10 mm σ 8.9 mm Sector 2 Row number σ x (mm)

19 σ x (mm) Intrinsic RPC performance. Spatial resolution S 1 < σ x Global > = 8.9 mm < σ x > 8.7 mm S mm S mm S mm S mm S mm Row number

20 System RPC performance. Analysis System efficiency MDC IV RPC? Shower MDC III Request a valid hit in outer MDC + shower MDC II MDC I target

21 System RPC performance. Efficiency <ε> ~ 0.93 include inefficiency due to double hits + inter-cell geometry Not include inter-column geometric inefficiency + disconnected cells

22 System RPC performance. Time calibration Individual cell system timing resolution at a level of 120 ps σ π S1 BC13 π + S1 BC13 TOF measured - TOF estimated TOF measured - TOF estimated Full sector system timing resolution at a level of 150 ps σ π S1 π + S1 TOF measured - TOF estimated TOF measured - TOF estimated

23 Beta System RPC performance. PID p * q (Mev/c)

24 Physics production run now!!

25 Conclusões RPC-TOF totalmente integrado no espectrómetro HADES e testado em feixe de Au + Au Resolução temporal uniforme <80> ps σ e eficiencia media ~93% em Au + Au, cumprindo os requisitos de desing Run de produção em andamento!!!

26 ΔT (ns) ΔT (ns) Intrinsic RPC performance. Time resolution, corrections. Position and charge information used to correct time < σ t > = 111 ps < σ t > = 104 ps X 1 position (ns) 1000 X 1 position (ns) < σ t > = 74 ps Q 1 (A.U) Q 1 (A.U)

27 σ t (ps) Intrinsic RPC performance. Time resolution, multihit Multihit time resolution All events Sector 2 Row number

28 σ t (ps) Intrinsic RPC performance. Time resolution, multihit Multihit time resolution n+1 n n-1 Row Selection of a standard hit (hit in overlapped cells) + at least other valid hit in the same row Second hit in the same row All events Sector 2 Row number

29 σ t (ps) Intrinsic RPC performance. Time resolution, multihit Multihit time resolution Selection of a standard hit (hit in overlapped cells) + at least other valid hit in a cell located beyond 4 rows Second hit in the same row All events Second hit in 4 th row Sector 2 Row number

30 <TOF> (ns) System RPC performance. Time calibration Different offsets of individual cells must be corrected to create a isochronous surface. Protons are used since covers almost all the detector surface with high statistics. Raw calibrated TOF from RPC TOF measured S2 BC Raw <TOF> positioned around 8 ns Row number

31 System RPC performance. Time calibration Different offsets of individual cells must be corrected to create a isochronous surface. Protons are used since covers almost all the detector surface with high statistics. Raw calibrated TOF from RPC TOF measured Momentum (p) and path length (L) from tracking Momentum cut at 0.9 GeV (avoid Mult.Scat) TOF estimated * = L/v = =L*m p /p *assuming all particles protons. ToF Calibration constant

32 System RPC performance. Time calibration Different offsets of individual cells must be corrected to create a isochronous surface. Protons are used since covers almost all the detector surface with high statistics. Peak due protons Calibration constant Failed mass hypothesis TOF measured - TOF estimated for one RPC cell

33 <TOF> (ns) System RPC performance. Time calibration Different offsets of individual cells must be corrected to create a isochronous surface. Protons are used since covers almost all the detector surface with high statistics. <TOF> after calibration Raw calibrated TOF from RPC TOF measured Momentum (p) and path length (L) from R-K S2 BC Momentum cut at 0.9 GeV (avoid Mult.Scat) TOF* = L/v = =L*m p /p *supposing all particles protons. ToF Calibration constant Row number

Energia Solar Fotovoltaica, MC Brito Sizing PV Systems 3/11/1009

Energia Solar Fotovoltaica, MC Brito Sizing PV Systems 3/11/1009 Define load, location, inclination Determine irradiation Calculate installed power to fulfil load Calculate number of modules Define system specs (battery, charge regulator, inverter) Example Stand alone

Leia mais

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH ÍNDICE PORTUGUÊS 1. Características... 2 2. Conteúdo da Embalagem... 3 3. Como usar o Receptor de TV Digital... 3 4. Tela de Vídeo... 6 5.Requisitos Mínimos... 6 6. Marcas Compatíveis... 8 INDEX ENGLISH

Leia mais

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user.

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user. Órgão: Ministry of Science, Technology and Innovation Documento: Flow and interaction between users of the system for submitting files to the periodicals RJO - Brazilian Journal of Ornithology Responsável:

Leia mais

KREIOS G1 - Acessórios

KREIOS G1 - Acessórios www.osram.com KREIOS G1 - Acessórios Acessórios KREIOS G1 para aumentar o desempenho do seu projector LED de imagem KREIOS G1. KREIOS G1 Lente de 24º KREIOS G1 Suporte do Gobo KREIOS G1 Obturador KREIOS

Leia mais

Impacto dos padrões de circulação nos recursos de energia renovável na Ibéria

Impacto dos padrões de circulação nos recursos de energia renovável na Ibéria Impacto dos padrões de circulação nos recursos de energia renovável na Ibéria EOLICA HIDRAULICA SOLAR Ricardo Machado Trigo (Univ. Lisboa) Agradecimentos: S. Jerez, D. Pozo-Vázquez, J.P. Montávez, S.M.

Leia mais

Dimensões Extras Universais

Dimensões Extras Universais Dimensões Extras Universais Parte 2: Experimento do DZero Pedro Mercadante (UNESP) Sumário Detector Simulação Pythia ued DZero Monte Carlo Cafe Alguns objetos: Missing E T e Muon 2006 P. Mercadante 2 The

Leia mais

Friction Stir Welding for Marine Construction

Friction Stir Welding for Marine Construction Friction Stir Welding for Marine Construction Stephen Cater Friction and Forge Processes Group TWI Ltd, United Kingdom Tel: +44 114 269 9046, stephen.cater@twi.co.uk friction@twi.co.uk Friction Stir Welding

Leia mais

=30m/s, de modo que a = 30 10 =3m/s2. = g sen(30 o ), e substituindo os valores, tem-se. = v B

=30m/s, de modo que a = 30 10 =3m/s2. = g sen(30 o ), e substituindo os valores, tem-se. = v B FÍSIC 1 Considere a figura a seguir. Despreze qualquer tipo de atrito. a) O móvel de massa M = 100 kg é uniformemente acelerado (com aceleração a) a partir do repouso em t =0 segundos, atingindo B, emt

Leia mais

GPS Sistema de Posicionamento Global

GPS Sistema de Posicionamento Global Sistemas de Telecomunicações 2007-2008 GPS Sistema de Posicionamento Global Rui Marcelino Maio 2008 Engenharia Electrica e Electrónica - TIT Sumário 1. Cálculo da distancia 2. GNSS Tecnologia 3. Aumento

Leia mais

Relatório Interno. Calibração do Sistema de Aquisição de Informação 3D do LOME

Relatório Interno. Calibração do Sistema de Aquisição de Informação 3D do LOME LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatório Interno Calibração do Sistema de Aquisição de Informação 3D do LOME Maria Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavares Abril de 2004 Resumo

Leia mais

UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS

UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS RBE. VOL. 7 N. 11990 UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS por C. NOGUEIRA DE SOUZA & L.V.E. CALDAS' RESUMO - Uma câmara de ionização de placas paralelas para

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Testes de Software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Causas de faltas e falhas de software Requisitos errados: não é o que o cliente pretende

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Testes de Software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Causas de faltas e falhas de software Requisitos errados: não é o que o cliente pretende

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual IPortalMais: a «brainware» company FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Mozilla Thunderbird Doc.: Jose Lopes Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17 Rev.:

Leia mais

A UNIST TECHNOLOGIES CORPORATION The UNIST TECHNOLOGIES CORPORATION was established in 1987, focusing on double side lapping and

A UNIST TECHNOLOGIES CORPORATION The UNIST TECHNOLOGIES CORPORATION was established in 1987, focusing on double side lapping and Catálogo A UNIST TECHNOLOGIES CORPORATION The UNIST TECHNOLOGIES CORPORATION was established in 1987, focusing on double side lapping and polishing carriers manufacture which are applied in semiconductor,

Leia mais

MINIKIT. 20-500 mg/l Na 2 SO 3 L414350 EN PT ES. Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR

MINIKIT. 20-500 mg/l Na 2 SO 3 L414350 EN PT ES. Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR MINIKIT 20-500 mg/l Na 2 L414350 EN PT ES Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR EN Introduction The Sulfite High Range MINIKIT provides a simple means of checking sulfite levels in water over the range 20-500

Leia mais

WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop. Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa.

WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop. Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa. WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa. Ana Estanqueiro Apúlia, 9 de Julho de 2013 Vantagens Potencial eólico mais elevado,

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004 SPICE e ISO 15504 Jorge H C Fernandes 2004 SPICE: Um Framework para a Avaliação Integrada de Processos de Software [SPICE 1] Process Identifies changes to Is examined by Process Assessment Identifies capability

Leia mais

Painel da Construção Civil FEIPLAR-2014

Painel da Construção Civil FEIPLAR-2014 Painel da Construção Civil FEIPLAR-2014 Presença da TEXIGLASS no mundo 3 APLICAÇÕES : Plástico Reforçado Isolamentos Térmicos (altas temp. e substituição de amianto) Fibra de Vidro e Aramida (Twaron)

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos EESC Universidade de São Paulo USP Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística

Escola de Engenharia de São Carlos EESC Universidade de São Paulo USP Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística Escola de Engenharia de São Carlos EESC Universidade de São Paulo USP Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística Tutorial 3a: Revestimento com reforço. Prof. Dr. Volnei Tita

Leia mais

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS SANTOS A.R.L. (1), SILVA F.S. (1), FREITAS B.M. (2), TAVARES D.Y.S. (3), MARTINS M. M. (1) PEREIRA W.W. (1)

Leia mais

Solicitação de Mudança 01

Solicitação de Mudança 01 Solicitação de Mudança 01 Refatorar a especificação da linha de produtos Crisis Management System permitindo que o suporte ao registro de LOG seja opcional. Isso significa que o comportamento descrito

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water André Rauen Leonardo Ribeiro Rodnei Fagundes Dias Taiana Fortunato Araujo Taynah Lopes de Souza Inmetro / Brasil

Leia mais

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 1 Abstract Sensible heat flux has been measured with two eddy-correlation (EC)

Leia mais

Revelando segredos dos operadores de banda baixa, 160, 80 e 40m. Jose Carlos

Revelando segredos dos operadores de banda baixa, 160, 80 e 40m. Jose Carlos Revelando segredos dos operadores de banda baixa, 160, 80 e 40m Jose Carlos N4IS Revelando segredos dos operadores de banda baixa, 160, 80 e 40m. Sinal Ruído Diferença entre LF e HF Radio Antenas Propagação

Leia mais

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Gerenciamento de Qualidade IBM Rational Quality Manager Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Introdução Jazz Rational Quality Manager Demonstração Agenda 2 Teste de software?!? O que é? Para que

Leia mais

Automação usando NORAN System SIX

Automação usando NORAN System SIX Automação usando NORAN System SIX 1. Alinhar o microscópio normalmente para: a. Tensão: 15 kv b. Magnificação: 500 X c. Distância de trabalho: 10 mm d. Spot Size: próximo de 43 e. Abertura: 2 2. Introduzir

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

TUBOS SEM COSTURA (a) barra circular sob compressão diametral; (b) cavidade axial formada no centro da barra; (c) ilustração de um laminador perfurador. Vista das barras ao final do arco circular

Leia mais

Solutions. Adição de Ingredientes. TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m. O Tempo de Ciclo do Processo é determinado pelo TC da operação mais lenta.

Solutions. Adição de Ingredientes. TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m. O Tempo de Ciclo do Processo é determinado pelo TC da operação mais lenta. Operations Management Homework 1 Solutions Question 1 Encomenda Preparação da Massa Amassar Adição de Ingredientes Espera Forno Entrega TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m TC=1.5m (se mesmo operador) O Tempo

Leia mais

CECOMTUR EXECUTIVE HOTEL Florianopolis - SC

CECOMTUR EXECUTIVE HOTEL Florianopolis - SC CECOMTUR EXECUTIVE HOTEL Florianopolis - SC Projeto 130117 CECOMTUR EXECUTIVE HOTEL Florianopolis - SC Projeto 130117 Cenario Atual tipo de iluminaçao consumo unitario quantidade consumo Kw/h Tubo fluorescente

Leia mais

Modelos de Gestão de Estoques e Otimização do Sistema de Ressuprimento para uma rede de Drogarias

Modelos de Gestão de Estoques e Otimização do Sistema de Ressuprimento para uma rede de Drogarias Dayves Pereira Fernandes de Souza Modelos de Gestão de Estoques e Otimização do Sistema de Ressuprimento para uma rede de Drogarias Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MANUTENÇÃO. ANALISADOR DE % OXIGÉNIO (FUT CALDEIRAS A, B, C e D) PM-?????.03 PM-?????.03. EDIÇÃO 01 2003 pág.

PROCEDIMENTO DE MANUTENÇÃO. ANALISADOR DE % OXIGÉNIO (FUT CALDEIRAS A, B, C e D) PM-?????.03 PM-?????.03. EDIÇÃO 01 2003 pág. pág. 1 de 12 pág. 2 de 12 1. OBJECTIVO O objectivo deste procedimento é descrever e sistematizar as operações de manutenção dos analisadores de percentagem de oxigénio das caldeiras A, B, C e D, com o

Leia mais

Escola de Engenharia da Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Electrónica Industrial

Escola de Engenharia da Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Electrónica Industrial Escola de Engenharia da Licenciatura em Engenharia Electrónica Disciplina de SIAI 2004/05 Diapositivos de apoio a aulas Cristina Manuela Peixoto dos Santos Departamento de Electrónica TEMA 2 Sistemas de

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO POR COORDENADAS NA MEDIÇÃO EM LINHAS DE PRODUÇÃO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO POR COORDENADAS NA MEDIÇÃO EM LINHAS DE PRODUÇÃO INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO POR COORDENADAS NA MEDIÇÃO EM LINHAS DE PRODUÇÃO André Roberto de Sousa, asousa@ifsc.edu.br Instituto Federal de Santa Catarina. Av. Mauro Ramos, 950. 88020-300, Florianópolis,

Leia mais

Folha 3. O processador de texto do STAROFFICE : Ferramentas

Folha 3. O processador de texto do STAROFFICE : Ferramentas Folha 3. O processador de texto do STAROFFICE : Ferramentas 1. Quebra de páginas, secções, símbolos especiais e fórmulas 1.1. Considerar o seguinte texto : Disciplina de Informática. A disciplina de Informática

Leia mais

Catálogo casa de banho l WC accessories. gestos que apetecem l tempting gestures

Catálogo casa de banho l WC accessories. gestos que apetecem l tempting gestures Catálogo casa de banho l WC accessories gestos que apetecem l tempting gestures VALENÇA BRAGA A NOSSA MISSÃO......VALORIZAR E ENGRADECER A TUPAI PORTO AVEIRO ÁGUEDA - COIMBRA GPS - N 40.58567º W 8.46558º

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE MOSTO DE CERVEJA

CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE MOSTO DE CERVEJA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE MOSTO

Leia mais

Simulação de um catálogo espectrofotométrico III ABC do método de Monte Carlo. Laerte Sodré Jr. Fevereiro, 2011

Simulação de um catálogo espectrofotométrico III ABC do método de Monte Carlo. Laerte Sodré Jr. Fevereiro, 2011 Simulação de um catálogo espectrofotométrico III ABC do método de Monte Carlo Laerte Sodré Jr. Fevereiro, 2011 O começo: População e Amostra População: uma coleção completa de objetos (pessoas, animais,

Leia mais

Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto

Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto Águas de Restos de Concretos Reciclagem Notas de aula Prof. Eduardo C. S. Thomaz Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto Exemplo: Firma Sohnt / USA - Concrete Reclaimer Conjunto do Sistema

Leia mais

Eduardo F. Simas F., José Manoel de Seixas, Luiz Pereira Calôba Laboratório de Processamento de Sinais, COPPE/Poli-UFRJ Rio de Janeiro-RJ, 21945-970.

Eduardo F. Simas F., José Manoel de Seixas, Luiz Pereira Calôba Laboratório de Processamento de Sinais, COPPE/Poli-UFRJ Rio de Janeiro-RJ, 21945-970. ANÁLISE DE COMPONENTES INDEPENDENTES PARA FILTRAGEM ONLINE NUM AMBIENTE DE ALTA TAXA DE EVENTOS E INFORMAÇÃO SEGMENTADA Eduardo F. Simas F., José Manoel de Seixas, Luiz Pereira Calôba Laboratório de Processamento

Leia mais

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo PRESS RELEASE 8 de Dezembro de 2009 Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo FNABA representou Portugal, em Pequim (China), na First Global Conference da World Business

Leia mais

Português 207 Portuguese for Business

Português 207 Portuguese for Business Português 207 Portuguese for Business Spring 2012: Porugal and the EU Instructor: Jared Hendrickson Office: 1149 Van Hise Office Hours: Monday and Thursday, 11:00 am-12:00 pm e-mail: jwhendrickso@wisc.edu

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

Aceleradores e Princípios de Detecção de Partículas. 12 / Nov. / 2009 algumas imagens de Oliver Brüning/CERN, Fernando Barão/LIP, CERN Photo archives

Aceleradores e Princípios de Detecção de Partículas. 12 / Nov. / 2009 algumas imagens de Oliver Brüning/CERN, Fernando Barão/LIP, CERN Photo archives Aceleradores e Princípios de Detecção de Partículas 12 / Nov. / 2009 algumas imagens de Oliver Brüning/CERN, Fernando Barão/LIP, CERN Photo archives Breve história dos aceleradores CERN 1928: Cockcroft-Walton

Leia mais

RED IBÉRICA MM5: Rede Ibérica para a investigação e desenvolvimento de aplicações do modelo atmosférico MM5

RED IBÉRICA MM5: Rede Ibérica para a investigação e desenvolvimento de aplicações do modelo atmosférico MM5 RED IBÉRICA MM5: Rede Ibérica para a investigação e desenvolvimento de aplicações do modelo atmosférico MM5 Joana Ferreira, Noel Aquilina, Agnes Dudek e Carlos Borrego Departamento de Ambiente e Ordenamento,

Leia mais

Utilização de Electricidade nos Serviços

Utilização de Electricidade nos Serviços Utilização de Electricidade nos Serviços Electricity end uses in services Método desenvolvido por: Cálculo das Economias de Energia através de uma análise TD Identificar e seleccionar os indicadores e

Leia mais

BOCAL DE VAZÃO MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA. REV 0-2013

BOCAL DE VAZÃO MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA. REV 0-2013 BOCAL DE VAZÃO MANUAL DE OPERAÇÃO REV 0-2013 SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA. Nota: As informações condidas neste manual poderão sofrer alterações sem aviso prévio. Conteúdo 1.0 - O Bocal de Vazão...4 2.0 - Normas

Leia mais

DATE July 04 th and 05 th, 2009. VENUE Ginásio Gilberto Cardoso Maracanãzinho Rua Professor Eurico Rabelo, S/Nr. Rio de Janeiro/RJ Brasil

DATE July 04 th and 05 th, 2009. VENUE Ginásio Gilberto Cardoso Maracanãzinho Rua Professor Eurico Rabelo, S/Nr. Rio de Janeiro/RJ Brasil DATE July 04 th and 05 th, 2009. VENUE Ginásio Gilberto Cardoso Rua Professor Eurico Rabelo, S/Nr Rio de Janeiro RJ Brazil ORGANIZER Confederação Brasileira de Judô Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR. Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng.

ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR. Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng. ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng.br XV Encontro Nacional de Projetistas e Consultores da ABRAVA 23/09/2015

Leia mais

AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA 2, E APENAS 2, QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO MÁXIMA DE 4 HORAS. BOA PROVA.

AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA 2, E APENAS 2, QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO MÁXIMA DE 4 HORAS. BOA PROVA. EXAME UNIFICADO DAS PÓS-GRADUAÇÕES EM FÍSICA DO RIO DE JANEIRO Segundo Semestre de 01-13 de julho de 01 AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA E APENAS QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Reflectometria de Microondas e Ondas. Milimétricas para Plasmas de Fusão

Sistemas de Reflectometria de Microondas e Ondas. Milimétricas para Plasmas de Fusão Sistemas de Reflectometria de Microondas e Ondas Milimétricas para Plasmas de Fusão M. Manso e L. Cupido Associação EURATOM / IST, Fusão Nuclear, 1049-001 Lisboa, Portugal. Introdução A produção comercial

Leia mais

EMISSÃO ACÚSTICA EM VASOS DE PRESSÃO E ESFERAS

EMISSÃO ACÚSTICA EM VASOS DE PRESSÃO E ESFERAS EMISSÃO ACÚSTICA EM VASOS DE PRESSÃO E ESFERAS Certificada ISO 9001:2008 1 APLICAÇÃO EM VASOS DE PRESSÃO O ensaio de emissão acústica realizado industrialmente em vasos de pressões e demais equipamentos

Leia mais

Resumo. Abstract. 1. Introdução. Doutor, Professor UFRN 2 Engenheiro de Computação, Pesquisador UFRN. Doutora, Professora UFRN

Resumo. Abstract. 1. Introdução. Doutor, Professor UFRN 2 Engenheiro de Computação, Pesquisador UFRN. Doutora, Professora UFRN IBP1654_06 SIMULAÇÃO DE UMA DEBUTANIZADORA REAL UTILIZANDO UM SOFTWARE COMERCIAL André L. Maitelli 1, Wallace A. Rocha 2,Vanja M. F. Bezerra 3, Márcia M. L. Duarte 4 Copyright 2006, Instituto Brasileiro

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

Controle de Acesso ao Meio

Controle de Acesso ao Meio Controle de Acesso ao Meio Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br 23 de agosto de 2010 Francisco Silva

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PE-LB-TX-001 ESPECTROFOTÔMETRO DE ABSORÇÃO ATÔMICA FORNO DE GRAFITE 26/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PE-LB-TX-001 ESPECTROFOTÔMETRO DE ABSORÇÃO ATÔMICA FORNO DE GRAFITE 26/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A determinação de metais em material biológico é realizada por espectrofotometria de absorção atômica com forno de grafite. A espectrofotometria é o método de análise óptico mais usado

Leia mais

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0 OVERVIEW DO EAMS Enterprise Architecture Management System 2.0 NETWORKS @arqcorp_br #eamsrio http://arquiteturacorporativa.wordpress.com/ WE MANAGE KNOWLEDGE, WITH YOU Arquitetura Empresarial Repositório

Leia mais

Neutron Reference Measurements to Petroleum Industry

Neutron Reference Measurements to Petroleum Industry LABORATÓRIO NACIONAL DE METROLOGIA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES IRD- Instituto de Radioproteção e Dosimetria Neutron Reference Measurements to Petroleum Industry Karla C. de Souza Patrão, Evaldo S. da Fonseca,

Leia mais

Conexão RJ45 LCS² KeyStone Cat. 5e / Cat. 6

Conexão RJ45 LCS² KeyStone Cat. 5e / Cat. 6 Conexão RJ45 LCS² KeyStone Cat. 5e / Cat. Referências : 33 / 33 / 338 / 33 ÍNDICE.. 3. 3. 3. 3.3 3.4 4. 5.. 7. 7. 8. 9. 0. Características Apresentação Características Técnicas Características do Material

Leia mais

ESTUDO DOS EFEITOS DE ROTAÇÃO E DESLOCAMENTO ENTRE OS PLANOS DO DETECTOR DO FPD NA DETERMINAÇÃO DAS EFICIÊNCIAS J. L.

ESTUDO DOS EFEITOS DE ROTAÇÃO E DESLOCAMENTO ENTRE OS PLANOS DO DETECTOR DO FPD NA DETERMINAÇÃO DAS EFICIÊNCIAS J. L. ESTUDO DOS EFEITOS DE ROTAÇÃO E DESLOCAMENTO ENTRE OS PLANOS DO DETECTOR DO FPD NA DETERMINAÇÃO DAS EFICIÊNCIAS J. L. Palomino Gallo1,H. da Motta, F.S. Silva2 CBPF 1 2 Bolsista da CAPES, Bolsista do CNPq.

Leia mais

Novos serviços de subcontratação New subcontracting services

Novos serviços de subcontratação New subcontracting services Novos serviços de subcontratação New subcontracting services Fundição de ferro Fundição de alumínio Maquinagem Ironfoundry Aluminium foundry MachiningShop 9 de Setembro 2011 Índice Index 1. Alargamento

Leia mais

Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion. Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2

Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion. Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2 Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2 1 Universidade FUMEC Rua Cobre, 200, Cruzeiro, Belo Horizonte MG brunadepaoli@gmail.com 2 Setor

Leia mais

Ontology Building Process: The Wine Domain

Ontology Building Process: The Wine Domain Ontology Building Process: The Wine Domain João Graça, Márcio Mourão, Orlando Anunciação, Pedro Monteiro, H. Sofia Pinto, and Virgílio Loureiro Summary Context Ontology Wine Domain Existing Wine Ontologies

Leia mais

O digital e as novas formas de, e para, aprender

O digital e as novas formas de, e para, aprender O digital e as novas formas de, e para,... O digital e as novas formas de, e para, aprender Luis Borges Gouveia lmbg@ufp.pt http://www.ufp.pt/~lmbg Universidade Fernando Pessoa Ficará tudo igual com o

Leia mais

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário IP/97/133 Bruxelas, 26 de Novembro de 1997 Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário A Comissão Europeia adoptou o seu relatório anual sobre

Leia mais

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS Verran, G. O. (1); Rebello, M.A. (2); Oliveira, C. G. (1) Dr. Eng.

Leia mais

Diálogos da MEI III. Albert T. Keyack Cônsul de Propriedade Intelectual pela América do Sul

Diálogos da MEI III. Albert T. Keyack Cônsul de Propriedade Intelectual pela América do Sul Diálogos da MEI III Propriedade Intelectual Acordos Internacionais de Cooperação para Exame de Patentes Albert T. Keyack Cônsul de Propriedade Intelectual pela América do Sul 10 de otubro 2014 Summary

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS

SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS João Ferreira Almeida 1 ; Antonio Comunello Accorsi 2 Resumo Em um sistema de

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

Operação de Instalações Marítimas

Operação de Instalações Marítimas ENIDH, Abril 2011 Sumário 1 Steering Gear 2 Bow Thrust 3 Propeller Servo 1 Steering Gear 2 Bow Thrust 3 Propeller Servo Steering Gear System Comprises two identical hydraulic systems. Each system includes:

Leia mais

Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção. Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ

Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção. Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ Aula 17/07 X Escola do CBPF - 2015 Conteúdo do Curso Introdução: historia e primeiros detectores Medições diretas

Leia mais

The Chemical Company. Rudnei Assis

The Chemical Company. Rudnei Assis The Chemical Company Rudnei Assis BASF Mundo Maior indústria química do mundo Fundada em 1865 Casa matriz em Ludwigshafen, Alemanha 97.000 colaboradores (até Dez, 2009) 114 empresas consolidadas 110.000

Leia mais

O LIP faz 25 anos! Sofia Andringa e Catarina Espírito Santo

O LIP faz 25 anos! Sofia Andringa e Catarina Espírito Santo artigo geral O LIP faz 25 anos! Sofia Andringa e Catarina Espírito Santo Resumo No ano em que o Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas celebra 25 anos de existência, pretende-se

Leia mais

SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO)

SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO) SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO) 4th scientific meeting of the ORE-HIBAM. September 2011 4a Scientific Meeting ORE-HYBAM

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt. Manual Jose Lopes

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt. Manual Jose Lopes IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Microsoft Outlook Doc.: Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17

Leia mais

(B) Identifique o metal representativo da folha que foi bombardeada por íons zinco para a produção do copernício. Justifique sua resposta.

(B) Identifique o metal representativo da folha que foi bombardeada por íons zinco para a produção do copernício. Justifique sua resposta. Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

Caracterização da Variabilidade do Vento no Aeroporto Internacional de Fortaleza, Ceará. Parte 2: Análise da Velocidade

Caracterização da Variabilidade do Vento no Aeroporto Internacional de Fortaleza, Ceará. Parte 2: Análise da Velocidade Caracterização da Variabilidade do Vento no Aeroporto Internacional de Fortaleza, Ceará. Parte 2: Análise da Velocidade Pollyanna Kelly de Oliveira Silva ¹, Maria Regina da Silva Aragão 2, Magaly de Fatima

Leia mais

desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org.

desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org. desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org.br laboratórios de desenvolvimento... Produção de Software: histórico

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS CARACTERIZAÇÃO DO LODO OBTIDO EM MANTA E LEITO DO REATOR

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

CABO OPGW SUAS IMPLICAÇÕES PARA O SISTEMA ELÉTRICO

CABO OPGW SUAS IMPLICAÇÕES PARA O SISTEMA ELÉTRICO CABO OPGW SUAS IMPLICAÇÕES PARA O SISTEMA ELÉTRICO CABO OPGW Principais Funções Proteger o sistema elétrico contra as descargas atmosféricas; Prover um retorno para as correntes de curto circuito envolvendo

Leia mais

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências.

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. 34 3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. Ao longo do presente capítulo os substratos e condutores empregados em placas de circuito impresso, em taxas muito elevadas, serão introduzidos.

Leia mais

Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1

Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1 Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1 Introdução Introduction Normas Gráficas Este manual fornece os

Leia mais

Automated Control in Cloud Computing: Challenges and Opportunities

Automated Control in Cloud Computing: Challenges and Opportunities Automated Control in Cloud Computing: Challenges and Opportunities Harold C. Lim¹, Shivnath Babu¹, Jeffrey S. Chase², Sujay S. Parekh² Duke University, NC, USA¹, IBM T.J. Watson Research Center² ACDC '09

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FICHA DE HOMOLOGAÇÃO MOTOR 125cc REFRIGERADO A ÁGUA Fabricante Manufacturer MAXTER Marca Make MAXTER Modelo Model SUDAM - RXX Nº Homologação Nº Homologation CBA

Leia mais

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Conceitos básicos de Componentes SMD Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Maio de 2014 Componentes em SMD Atualmente, nos equipamentos eletrônicos modernos, a utilização de resistores e capacitores convencionais

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表. Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura. Academic Research Grant Application Form

學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表. Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura. Academic Research Grant Application Form 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 文 化 局 Instituto Cultural 學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表 ( 根 據 學 術 研 究 獎 學 金 規 章 第 九 條 第 一 款 ) Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FICHA DE HOMOLOGAÇÃO MOTOR 125cc REFRIGERADO A ÁGUA Fabricante Manufacturer MEC. RIOMAR IND. COM. LTDA Marca Make RIOMAR Modelo Model MRA - I Nº Homologação Nº

Leia mais

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Future Trends: Global Perspective Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Brazil Wind Power 2010 Rio de Janeiro 1 September 2010 Members include the following leading players:

Leia mais

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 A SAP continua a demonstrar um forte crescimento das suas margens, aumentando a previsão, para o ano de 2009, referente à sua margem operacional Non-GAAP

Leia mais

2005 2011 O caminho da GMB para aprovação técnica no PMC passou pelo projeto GMB2NLM

2005 2011 O caminho da GMB para aprovação técnica no PMC passou pelo projeto GMB2NLM 2005 2011 O caminho da GMB para aprovação técnica no PMC passou pelo projeto GMB2NLM Klaus Hartfelder Editor Assistente da GMB editor@gmb.org.br ou klaus@fmrp.usp.br Passo 1: submissão dos dados da revista

Leia mais

Uma idéia para o Trigger 0 e um Redutor dinâmico de Dados. Luis Fernando Gomez Gonzalez IFGW Unicamp APC Universidade de Paris 7

Uma idéia para o Trigger 0 e um Redutor dinâmico de Dados. Luis Fernando Gomez Gonzalez IFGW Unicamp APC Universidade de Paris 7 Uma idéia para o Trigger 0 e um Redutor dinâmico de Dados Luis Fernando Gomez Gonzalez IFGW Unicamp APC Universidade de Paris 7 Uma idéia para um Trigger 0 Trigger 0 O primeiro passo para determinar a

Leia mais

Introdução à Espectroscopia de Ressonância de Spin Eletrônico. Departamento de Física e Matemática FFCLRP-USP- Ribeirão Preto São Paulo-Brasil

Introdução à Espectroscopia de Ressonância de Spin Eletrônico. Departamento de Física e Matemática FFCLRP-USP- Ribeirão Preto São Paulo-Brasil Introdução à Espectroscopia de Ressonância de Spin Eletrônico e Algumas Aplicações Oswaldo Baffa Departamento de Física e Matemática FFCLRP-USP- Ribeirão Preto São Paulo-Brasil 1 Tópicos dessa Apresentação

Leia mais