CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL IGA - Nº 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL IGA - Nº 1"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL IGA - Nº 1 IGA - INSTRUMENTO DE GESTÃO ACADÊMICA Nº 1 PPC - PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA COORDENADOR PROF. Dr. Andreas Roberto Hoffmann Revisão 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL UNICAPITAL

2 2 PROJETO PEDAGÓGICO. CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA CURSO INSTITUIDO PELA DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE Nº 35/2010 EM 12/AGOSTO/2010 CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL UNICAPITAL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA PPC - PROJETO PEDAGÓGICO

3 3 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA UNICAPITAL HISTÓRICO. As origens do Centro Universitário Capital remontam ao ano de 1969, com a criação da Instituição Educacional Pais de Barros. Em 1970, o então Conselho Federal de Educação, pelo Parecer CFE 231/70 e Decreto 66479/70, autorizou o funcionamento da Faculdade de Administração Pais de Barros com o primeiro curso de graduação: o curso de Administração, com 100 vagas anuais. Dois anos após, pelo Parecer 121/72 e Decreto 70317/72, foi autorizado o funcionamento do curso de Estatística, instalado na então Faculdade de Administração Pais de Barros e alterada a denominação para Faculdade de Administração e Estatística Pais de Barros. Também em 1972 foram autorizados pelo parecer 1240/72 e Decreto 71606/72 os cursos de Pedagogia, Turismo, Estudos Sociais e Letras da então Faculdade Ideal de Letras e Ciências Humanas mantida pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional e Assistencial Novo São Paulo, mais tarde incorporados pela Instituição Luso- Brasileira de Educação e Cultura (ILBEC). Em 1973 pelo Parecer 385/73 e Decreto 72175/73 foi concedido o reconhecimento do curso de Administração de Empresas da Faculdade de Administração Pais de Barros, mantida pela Instituição Educacional Pais de Barros. Em 1975 a Faculdade de Administração e Estatística Pais de Barros foi transferida a novos mantenedores. Em 1981 pelo Parecer 730/81 de aconteceu à mudança de denominação da Faculdade de Administração e Estatística Pais de Barros para 3

4 4 Faculdades Capital de Administração e Estatística. Neste mesmo ano aconteceu a mudança de denominação da mantenedora de Instituição Educacional Pais de Barros para Instituição Luso-Brasileira de Educação e Cultura (ILBEC). Em 1982 alterada a denominação Instituto de Desenvolvimento Educacional e Assistencial Novo São Paulo da Faculdade de Letras e Ciências Humanas para a ILBEC. No ano de 1986, a habilitação de Supervisão Escolar no curso de Pedagogia foi reconhecido pela Portaria nº 567, de 4/8/1986. Neste mesmo ano de 1986, com um projeto de características Em 1990 pelo Processo nº /90-95, a ILBEC protocolizou a sua Carta-consulta para criação da Universidade Capital - UNICAPITAL. Pelo Parecer CFE nº 198/91, de 3/4/91, obteve aprovação da referida Carta-consulta e, pelo Parecer nº 146/92, de 9/3/92, foi aprovado o Projeto de Universidade Capital, de acordo com as normas então vigentes. A execução do Projeto da Universidade Capital foi iniciada com a aprovação, em 31 de janeiro de 1992, pelo Parecer CFE nº 82/92, do Regimento Unificado de Transição das Faculdades Capital. A partir de então a ILBEC iniciou a implantação da estrutura organizacional que seria adotada na implantação da Universidade Capital. Com o fechamento do Conselho Federal de Educação, em 1994, foi interrompido o processo de acompanhamento da Comissão do CFE, mas a ILBEC continuou a execução do Projeto da Universidade Capital. Retomada a tramitação dos processos, em 1996, a ILBEC foi conduzida a reformular o seu projeto de universidade para o de centro universitário, nos termos do Decreto nº 2.207/97 e, em seguida, 2.306/97. 4

5 5 Por despacho ministerial de 1º de julho de 1999, o Ministro da Educação homologa o Parecer nº 404/99, da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional de Educação, favorável ao credenciamento, pelo prazo de três anos, do Centro Universitário Capital, por transformação das Faculdades Capital, com sede na cidade de São Paulo (SP), aprovando, no mesmo ato, seu Estatuto e seu Plano de Desenvolvimento Institucional, conforme consta do Processo n.º / Finalmente, por Decreto de 8 de julho de 1999, o Centro Universitário Capital (UNICAPITAL) foi credenciado, pelo prazo de três anos.. O controle societário da UniCapital foi posteriormente transferido para o Grupo Educacional UNIESP União Nacional das Instituições de Ensino Superior Privadas. Mantenedora INSTITUIÇÃO LUSO-BRASILEIRA DE ENSINO E CULTURA S/S LTDA. Sede: Rua Ibipetuba, n. 130, São Paulo, SP CEP CNPJ: / Telefones: Fax Site: Diretor Presidente: José Fernando Pinto da Costa A mantenedora do Centro Universitário Capital é a ILBEC - Instituição Luso-Brasileira de Educação e Cultura S/S Ltda, com sede e foro na cidade de São Paulo (SP), à rua Ibipetuba, nº 130, Parque da Mooca, CEP , telefone/fax: (011)

6 6 A ILBEC - Instituição Luso-Brasileira de Educação e Cultura S/C Ltda. é pessoa jurídica de direito privado, organizada sob a forma de sociedade por cotas de responsabilidade limitada, cujo contrato está registrado no 3º Cartório de Registro de Títulos e Documentos Adalberto Neto, sob nº A ILBEC é uma empresa prestadora de serviços educacionais e culturais amparada pela Constituição Brasileira em seus Art. 206 item III e 209 itens I e II, pela Lei nº de Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, em seu Art. 7º, itens I, II e III e pelo Decreto de 9 de julho de 2001, em seu Art. 1º inciso II, exercendo diversas funções no campo da educação e da cultura. Mantida CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL UNICAPITAL Endereço: Rua Ibipetuba, n. 130, São Paulo, SP CEP Telefones: Fax Site: Reitora: Claudia Aparecida Pereira Pró-Reitora Acadêmica: Vera Lucia Maluly 6

7 Perfil e Missão da UNICAPITAL O Centro Universitário Capital tem como missão precípua: ser agente transformador da sociedade pelo desempenho de suas funções básicas: o ensino, a iniciação científica e a extensão, com ênfase na prestação de serviços à comunidade. A Missão que o Centro Universitário Capital se propõe a realizar se conjuga com a reformulação de sua organização estabelecendo alguns objetivos institucionais: Estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo, proporcionando condições de educação ao homem, como sujeito e agente de seu processo educativo e de sua história, pelo cultivo do saber, em suas diversas vertentes, formas e modalidades; Formar recursos humanos nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira; Incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência, das artes, das letras, da filosofia, da tecnologia e à criação e difusões culturais; Promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituam patrimônio da humanidade e comunicar o saber por meio do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação; 7

8 8 Suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração; Estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais; Prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade; Promover a extensão, aberta à participação da comunidade social, visando à difusão das conquistas e benefícios da criação cultural e da pesquisa cientifica e tecnológica geradas na instituição; Contribuir para o desenvolvimento harmônico e integrado da comunidade local e regional, com vistas ao bem-estar social, econômico, político e espiritual; Promover a assimilação dos valores culturais, desenvolver o espírito crítico e difundir o conhecimento por todos os meios ao alcance do Centro Universitário Capital; Promover eventos de caráter cultural e desportivo que objetivem a integração com a comunidade; Ser uma instituição aberta à comunidade, livre e democrática, orientada pela preservação do saber, da cultura e da história do Homem Dados socioeconômicos da região de abrangência da UNICAPITAL 8

9 9 A cidade de São Paulo, fundada em 1554, compõe com outros 39 municípios a Região Metropolitana de São Paulo, um aglomerado urbano de milhões de habitantes, o quarto maior do mundo. Com área de 1.522,986 km 2, dividida em 31 Subprefeituras e 96 Distritos Municipais, a cidade conta atualmente com mais de milhões de habitantes (IBGE, 2010), concentrando mais de 50% da população da Região Metropolitana de São Paulo e mais de 6% da população do Brasil. Desta forma, o Centro Universitário Capital está inserido na Grande São Paulo, a mais densa e importante região metropolitana brasileira, e vem desenvolvendo a educação superior com a oferta de cursos voltados para esta realidade e mantendo parcerias com expressivas organizações econômicas e profissionais e empresas de médio e grande porte para a implementação de estágios curriculares e extracurriculares, desenvolvimento de projetos de iniciação científica e programas de extensão. Os convênios firmados e em execução comprovam e consolidam a inserção regional do Centro Universitário Capital. Na zona Leste, mais especificamente nos bairros ao redor do Centro Universitário Capital, a população é de aproximadamente habitantes, considerando estimativas do Censo demográfico de 2010 (IBGE, 2010) que mostram uma população superior a apenas na Mooca, bairro no qual o Centro está inserido. A subprefeitura da Mooca tem um projeto de revitalização cultural e econômica dos bairros da região, por terem sido historicamente habitados por imigrantes que deram início ao processo de industrialização da cidade de São Paulo. Recentemente, o Centro Universitário Capital e os 9

10 10 comerciantes da região assinaram um convênio com a subprefeitura para participação em projetos neste sentido. A expansão do trem metropolitano da Capital se verifica a cerca de um quilometro dos campus da Unicapital, com a estação Vila Prudente já inaugurada, e construção em fase final da estação do metrô aéreo cujo traçado vai para diversos bairros da zona leste. A UNICAPITAL está instalada em imóveis próprios de sua mantenedora, situados na confluência da Avenida Paes de Barros com a Rua Ibipetuba, no Alto da Mooca, região nobre da Zona Leste da Capital, pela sua povoação, comércio e indústria tradicionais. Nas imediações, estão localizados o Clube Juventus, um Distrito Policial, um Hospital Municipal e um Hospital Privado. O bairro se limita com as regiões do Tatuapé e da Vila Prudente, nos quais estão instalados dois Fóruns Regionais do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. A região do entorno da UNICAPITAL conta com instalações urbanísticas modernas com sistema viário moderno, o que tem contribuído para o seu desenvolvimento. Nos últimos anos, têm sido implantados empreendimentos imobiliários de alto padrão ao lado das tradicionais e antigas casas térreas, com lançamentos de prédios de apartamentos residenciais e comerciais na região. A construção da estação de metrô V. Prudente se verificou bem perto do Campus UNICAPITAL, com construção da estação de trem aéreo e linha aérea para a Zona Leste. De metrô, a ligação com o centro de São Paulo é feita em alguns minutos. O bairro da Mooca e região ainda apresentam indústrias antigas (Ipiranga, Sacomã, por exemplo) e expressivo comércio local, seja por lojas tradicionais, 10

11 11 ou Shopping Centers. O bairro da Mooca está rodeado pelos bairros do Ipiranga (com inúmeras indústrias tradicionais), pelo bairro do Tatuape (comércio pujante e Shopping Centers de grande renome e tamanho), estando localizado perto da cidade de São Caetano (sede da General Motors do Brasil). Com a conexão do trem metropolitano da zona leste, e sua integração às linhas existentes do trem metropolitano, alunos do segmento de Serviços e Indústria e Comércio estão compondo o corpo discente do curso e do Centro Universitário UniCapital. Neste contexto a iniciativa do Centro Universitário Capital - UniCapital em oferecer a comunidade o curso Superior de Tecnologia em Logística, vem de encontro a importantes necessidades específicas do mercado de trabalho da Região Metropolitana de São Paulo, que tem sinalizado por uma expressiva demanda por profissionais qualificados com as competências e habilidades do Tecnólogo em Logística. 2 BREVE CONTEXTUALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA A educação técnica e tecnológica de nível superior vem se tornando uma opção interessante nas políticas educacionais. As necessidades de qualificação profissional mais específica, e mais rápida do que os bacharelados, atendem as necessidades das crescentes demandas do mercado de trabalho. Desta forma, a educação tecnológica de nível superior constituiu-se como uma importante alternativa educacional para os brasileiros. Os cursos de educação tecnológica de nível superior são adequados às necessidades do mercado de trabalho, desta forma cursos focados em áreas tais como as de logística, marketing, 11

12 12 recursos humanos e muitos outros determinam opções para formação profissional customizada. O aluno pode desta forma, seguir sua carreira profissional e acadêmica, fazendo uma pós-graduação, também pode complementar seus estudos de graduação concluindo bacharelados tais como o de Administração, também oferecidos pela IES. Muitos alunos formandos de nossos cursos tecnológicos estão muito interessados em ingressar no curso de bacharelado em Administração, por exemplo. A formação tecnológica, além de atender a importantes demandas sociais provenientes do estágio do desenvolvimento econômico nacional, proporciona um significativo instrumento de inserção de profissionais de diversificadas idades, os quais podem se qualificar profissionalmente em um tempo relativamente curto em novas áreas da ciência e tecnologia. Isto cria novas perspectivas profissionais para profissionais com significativa experiência profissional, que agora voltam à escola para seguir carreira acadêmica. Em relação especificamente à formação superior tecnológica, os passos dados nestes últimos decênios, foram significativos. Assim sendo, dentro da competência do Ministério da Educação, podemos destacar entre outras medidas, a definição das Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores de tecnologia, a institucionalização do Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia, a criação do ENADE Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes, como um novo indicador de qualidade para os cursos, além dos instrumentos de Avaliação alinhados ao SINAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. 12

13 13 Entre algumas medidas fortalecem o desenvolvimento dos cursos de Formação Tecnológica, temos por exemplo a proposta do Projeto de Lei nº 2245 de 2007, a qual procura regulamentar o exercício da profissão de Tecnólogo, a recente inclusão dos tecnólogos na Classificação Brasileira de Ocupações CBO, também a organização de Fóruns de Valorização Profissional, bem como a distribuição de Cartilhas divulgando a formação, as competências e habilidades dos tecnólogos, organizadas por entidades da Sociedade Civil. Uma tendência crescente, no ensino superior, é a consolidação dos exames de ordem, os quais vem se tornando indicadores extremamente interessantes para o desenvolvimento da Qualidade e Excelência do ensino superior no país. Diversas iniciativas para diversos cursos encontram-se em movimentação no país, neste sentido. O curso de Ciências Contábeis já conta com exame de ordem! A partir destas análises e considerando a população da região onde o Centro Universitário Capital UniCapital está localizado observa-se uma quantidade significativa de pessoas que já concluíram ou ainda estão cursando o ensino médio tradicional, este fato ocorre também pela falta da proporcionalidade em opções de oferta do ensino médio técnico. Observamos também um progressivo crescimento econômico pelo qual a economia brasileira (a paulistana também), o que significa um contingente empresarial dos mais variados ramos de atividades, além do setor público ambos expandindo sua 13

14 14 capacidade de absorção de mão de obra, porém exigindo destas pessoas um perfil mais técnico e qualificado. 3 CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGISTICA, DELIBERAÇÃO DO CONSEPE 35/2010, Reconhecimento PORTARIA SERES 307 DE 27/12/2012 DOU 31/12/2012. Nome do curso: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Endereço do curso: UNICAPITAL à Rua Ibipetuba, nº130 Parque da Mooca / SP CEP: Modalidade do curso: Presencial/ integralizado de 2 a 4 anos. Número de vagas: 100 vagas. Turno de funcionamento: Noturno integralização 4 semestres Formas de acesso: Segundo Artigos 37 a 39 do Regimento Geral da UNICAPITAL: Art. 37 O ingresso nos cursos de graduação é feito mediante seleção, observado o limite de vagas fixado para o curso. 14

15 15 1º O processo seletivo é disciplinado em ato do CONSEPE. Art. 38 O processo de seleção para matrícula em curso de graduação é aberto a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou estudos equivalentes, nos termos da legislação aplicável. Art. 39 O planejamento, a organização e a execução do processo seletivo são realizados por comissão, designada pelo Reitor. 4 POLÍTICAS INSTITUCIONAIS O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), do Centro Universitário Capital-Unicapital, orienta as diretrizes do Curso Superior de Logística e tem por princípio desenvolver o ensino/aprendizagem dos ingressantes, por meio de metodologias que privilegiem a aplicação prática das teorias, especialmente, a iniciação científica e a extensão. A UNICAPITAL prioriza o ensino de graduação, como atividade principal da Instituição; promove permanente capacitação dos docentes, como condição da melhoria do ensino, através de oferta de cursos, valorização do profissional como agente fundamental no desenvolvimento das ações, que propiciem o alcance dos objetivos da Instituição. Valoriza o corpo discente como pólo convergente das atividades Institucionais, reconhecendo um alunado que deve receber serviços com qualidade percebida acima do comum, entre outras Instituições de ensino superior. 15

16 16 Instrumentos institucionais estão à disposição dos alunos, tais como o NAP Núcleo de Atendimento Psicopedagógico, disponibilizado a alunos que apresentem distúrbios de aprendizado e ações destinadas à recuperação de conteúdos ministrados na educação fundamental e média, como por exemplo, matemática e língua portuguesa, ajudando os discentes no desenvolvimento de outras disciplinas dos cursos da UniCapital. Acordos de Cooperações entre as Coordenadorias dos cursos de Logística e Estatística disponibilizaram Monitorias de métodos quantitativos para os alunos. 5 MISSÃO E OS OBJETIVOS DO CURSO VISÃO E MISSÃO DO CURSO VISÃO Partindo-se da valorização do potencial humano de toda equipe da UniCapital, valoriza-se o trabalho do corpo docente com experiência administrativa e no campo da produção-logística, e titulação acadêmica em lato, stricto sensu notável. Exercita-se em termos do projeto de Qualidade Total, uma uma convivência profissional dos docentes e órgãos colegiados em uma base cultural ampla, com espírito crítico e reflexivo e mutua participação, auxiliandose a construção de habilidades no campo da Produção e Logística. 16

17 17 MISSÃO Um profundo comprometimento ético e moral e profissional com o curso, por estudiosos e profissionais dedicados à Produção-Logística. Edificação de um centro de excelência de estudos e prática teórico-acadêmica, através do estímulo à pesquisa, investigação, com ênfase na prestação de serviços a comunidade dentro do contexto de Qualidade Total. OBJETIVOS DO CURSO O Curso Superior de Tecnologia em Logística do Centro Universitário Capital proporciona ao mercado de trabalho, profissionais preparados para atuação no campo da logística- produção, transporte e materiais, que tem conhecimentos inclusivos e específicos, no sentido de se tornarem-se agentes de mudança organizacional. Para alcançar este objetivo alinhou-se a estrutura curricular do curso com a definição do perfil do egresso, contemplando-se contextos educacionais relativos às necessidades do mercado, de forma a capacitar os profissionais para enfrentarem novos desafios em organizações de qualquer natureza. A estrutura curricular está organizada de forma a trabalhar conteúdos curriculares práticos e teóricos, a exemplo dos seguintes tópicos: (1) Planejamento e coordenação da movimentação física e de informações sobre as operações multimodais de transporte proporcionando um fluxo otimizado com excelente nível de serviços, 17

18 18 (2) Gerenciamento de sistemas logísticos complexos (3) Gestão de materiais, também redes de distribuição, estabelecendo-se processos de gestão de compras, transportes e outros, identificando-se fornecedores confiáveis, negociando-se e estabelecendo-se padrões excelentes de recebimento, (4) Armazenamento, movimentação, transporte interno e externo e embalagem de materiais, (5) Controle de recursos financeiros, (6) Gestão de inventários e sistemas de abastecimento, e gestão do fluxo de pedidos, (7) Desenvolvimento de técnicas de liderança, visão sistêmica e estratégica. Espera-se que o formando trabalhe no mercado, e possa galgar cargos diferenciados e progressivamente mais complexos à medida que ele progride na sua interface educacional com a prática profissional. Os projetos e disciplinas relativas a projetos integradores irão contemplar uma mentalidade inclusiva ao alunado, de modo que ele possa exercer cargos de gestão diversificados e de maior complexidade. 6 INGRESSANTES E PERFIL DE FORMAÇÃO DO EGRESSO E REPRESENTAÇÃO DA TRAJETÓRIA DO ALUNO. O perfil dos ingressantes do curso é essencialmente composto por jovens com alguns anos de experiência profissional no comércio, indústria, profissionais que têm negócios próprios, eventualmente empregados bem posicionados com grande experiência que estão voltando aos estudos. 18

19 19 Os egressos do Curso Superior de Tecnologia em Logística do Centro Universitário Capital UniCapital, terão como campo de atuação profissional a área de Logística/Produção das empresas ou organizações. Com relação as suas competências e habilidades, o egresso terá desenvolvido ao longo do curso a possibilidade de exercer funções de planejamento e coordenação de toda a movimentação física e de informações sobre as operações multimodais de transporte proporcionando um fluxo otimizado e de qualidade para peças, matérias-primas e produtos. Os egressos do curso também terão adquirido competências para gerenciar sistemas logísticos de gestão de materiais de qualquer natureza, incluindo redes de distribuição e unidades logísticas, estabelecendo processos de compras, identificando fornecedores, negociando e estabelecendo padrões de recebimento, armazenamento, movimentação e embalagem de materiais, podendo ainda controlar recursos financeiros e também ocupar-se do inventário de estoques, sistemas de abastecimento, programação e monitoramento do fluxo de pedidos. Além destas competências o egresso será estimulado a desenvolver as habilidades de: comando, liderança, visão sistêmica e estratégica, além da capacidade imprescindível de estar sempre aprendendo a aprender. De acordo com o nível da sua carreira ao ingressar no curso tecnológico de logística, o egresso terá seguramente multiplicadas chances de progressão profissional, como demonstram diversos testemunhos de alunos que obtiveram significativos cargos durante os estudos. 19

20 20 O cuidado dos docentes em ensinar os jargões de cada área, conceitos fundamentais é decisivo para a inclusão do aluno no mercado profissional competitivo. A orientação da coordenação, constante aos docentes, se verifica no sentido de realizarem-se junções entre prática e teoria, mediante análises de empresas, visitas temáticas e discussão de filmes afinados com a área de gestão. O clássico A fábrica de loucuras, é uma das muitas películas recomendadas e usadas como base para discussões em classe, evidenciandose desta forma sistemas de gestão diferenciados e inovadores. Nas reuniões docentes, os presentes ajudam uns aos outros, indicando novas possibilidades para integração teoria-prática. Interdisciplinaridade é um ponto nodal no curso, os docentes do curso de Logística devem conhecer bem a área, e outras áreas de gestão, enfatizando sempre aos alunos que as disciplinas não existem isoladamente, mas estão acopladas a contextos de maior ou menor amplitude, recebendo influências de diversos campos do conhecimento. 20

21 21 Demonstração da trajetória do estudante do curso: INGRESSANTES Ingressantes nos primeiros três módulos, ambientação com monitorias, atividades complementares, visitas técnicas, palestras de docentes (programa prata da casa) e palestras de visitantes convidados. O convívio com a instituição (curso superior) contempla responsabilidade, objetivos traçados anteriormente para serem alcançados e preparação para provas internas e externas. Ambientação com disciplinas do curso até o terceiro módulo, ambientação com Projetos Interdisciplinares técnicos e de Responsabilidade Social e Cidadania e Iniciação Científica. FORMAÇÃO Formação específica mais focada no quarto módulo, com revisão dos conteúdos básicos e de logística-produção, coordenada pelos órgãos colegiados e Coordenação. Alunos com módulos residuais a partir do quarto terão nos módulos subseqüentes tratamento especializado visto que conhecem bem a área de logística, realizando-se interações articuladas segundo o conhecimento adquirido e adaptações durante o andamento dos trabalhos acadêmicos. Projetos Interdisciplinares contemplam desde aspectos mais teóricos, assim como formação de uma empresa e assuntos mais específicos tais como funcionamento detalhado de departamentos de produção e logística. 21

22 22 Formação interdisciplinar no sentido da formação de um aluno focado no seu mundo, como gestor com grande dose de Responsabilidade Social e Cidadania. 7- ESTRUTURA CURRICULAR BÁSICA. A organização do Curso Superior de Tecnologia em Logística do Centro Universitário Capital, esta dividida em três níveis: 1) Estrutura Curricular: O curso é integralizado em 4 (quatro) semestres e possui uma carga horária total de 2492 horas aula ou 2075,9 horas relogio, contemplando disciplinas presenciais, atividades complementares com 4 projetos integradores e projeto integrador cidadania e responsabilidade social. O curso aceita o ingresso de alunos novos, agregados a classes existentes no primeiro módulo, no segundo módulo e terceiro módulo. A gestão acadêmica do curso contribui para que a inclusão seja articulada. *Programas de capacitação profissional e extensão como, por exemplo: Workshops, palestras interdisciplinares, colóquios, oferta de cursos de menor duração de férias e programas de leituras e uso intensivo da biblioteca durante as aulas; 22

23 23 *Atividades comunitárias: Projetos de responsabilidade social, disciplinas obrigatórias, ações de responsabilidade social. *Iniciação científica: Publicação de artigos com docentes na revista eletrônica de gestão UniCapital, que está sendo criada, e outras atividade desenvolvidas em cada ano letivo. 2) Infra-Estrutura: O Curso Superior de Tecnologia em Logística tem a sua disposição para executar plenamente seu Projeto Pedagógico, todas as dependências necessárias do Centro Universitário Capital, destacando entre outras instalações, as salas de multimídia, laboratórios de informática, biblioteca e auditório. Assim, o objetivo da implantação do Projeto Pedagógico, é capacitar profissionais para atuarem na área de Logística de maneira competente, próativa e ética. 23

24 24 8- DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA CURRICULAR. A organização do Curso Superior de Tecnologia em Logística do Centro Universitário Capital, esta dividida em três níveis: - ESTRUTURA CURRICULAR FUNDAMENTAL. O curso de tecnólogo em Logística é formado por profissionais dedicados à área, que tem grande conhecimento para ser transmitido aos alunos. Desta forma o NDE, e Conselho de Curso são formados de docentes muito vinculados aos objetivos interdisciplinares do curso. O curso é integralizado em 4 (quatro) semestres possui uma carga horária total de horas, contemplando 26 (vinte e seis ) disciplinas presenciais e 4 (quatro) Projetos Integradores temáticos, com orientação específica e auxiliada por todos docentes dos módulos envolvidos, Atividades Complementares, e Projeto Integrador Cidadania e Responsabilidade Social, oferecido todos os semestres contemplando a inserção do aluno no mundo ético e responsável. Um total de 2492 HORAS AULA, ou 2075,9 HR. 24

25 25 -PROJETOS INTEGRADORES. Uma vez integralizadas disciplinas de cada módulo com aprovação dos integral dos alunos de todas disciplinas cursadas, dão direito ao aluno de receber certificados parciais dos Projetos Integradores Técnicos cursados, a saber: MÓDULO 1 *Título: Projeto Integrador Módulo I Gestão de pequena e média empresa. MODULO 2 *Título: Projeto Integrador Módulo II- Gestão de produção em pequenas e médias empresas. MODULO 3 *Título: Projeto Integrador Módulo III- Gestão de produção e logística em pequenas e médias empresas. MODULO 4 *Título: Projeto Integrador Módulo IV- Subtítulo: Gestão de logística em pequenas e médias empresas. *Como são parciais, os certificados contemplam gestão de organizações de menor porte, uma vez concluído o curso, a gestão será para qualquer porte. Os Projetos Integradores tem a função precípua de fazer com que o aluno tenha uma visão ampla do curso e dos mecanismos de gestão. Os projetos são focados em questões contemporâneas, de forma aberta, com aquisição de conhecimentos contemporâneos sobre Produção e Logística. Disciplinas 25

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Curso Superior de Bacharelado em Sistemas de Informações. PPC Projeto Pedagógico de Curso. Coordenador: Profª Ms: Magda Aparecida Silvério Miyashiro

Curso Superior de Bacharelado em Sistemas de Informações. PPC Projeto Pedagógico de Curso. Coordenador: Profª Ms: Magda Aparecida Silvério Miyashiro Curso Superior de Bacharelado em Sistemas de Informações PPC Projeto Pedagógico de Curso Coordenador: Profª Ms: Magda Aparecida Silvério Miyashiro 2014 Realização: Profa. Ma. Magda Ap. Silvério Miyashiro

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Logística Missão Formar profissionais de visão crítica e com conhecimentos e habilidades relativas às atividades logísticas, dotados de base para a atualização profissional

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2015 Apresentação O Sindusfarma deseja oferecer aos seus associados à possibilidade de

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2015 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Matriz Curricular vigente a partir de 2010/1 Fase Cód. Disciplina Carga Horária Prérequisitos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. Portaria n 760, publicada no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 MBA em Gestão de Negócios 1 Apresentação O MBA em Gestão de Negócios visa preparar empresários e profissionais do Mato Grosso

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING

PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2016 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em Curso de Graduação Bacharelado em Administração O curso de Administração está enquadrado como uma ciência social aplicada. Estuda-se em profundidade técnicas e instrumentos analíticos, além de simulações

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 5/6/2009, Seção 1, Pág. 92. Portaria n 508, publicada no D.O.U. de 5/6/2009, Seção 1, Pág. 92. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. Disciplina I Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Prérequisito s Carga Horária

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI CURITIBA 2009 Manual de Estágios Matriz Curricular 2009 2 1. APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Curso de Pedagogia Portaria de Autorização ME nº 2415, de 14 de Setembro de 2001- Reconhecimento -Portaria ME. 58/2007. INÍCIO-01/08/2006 1º Semestre

Curso de Pedagogia Portaria de Autorização ME nº 2415, de 14 de Setembro de 2001- Reconhecimento -Portaria ME. 58/2007. INÍCIO-01/08/2006 1º Semestre Inciso II Programa de cada curso oferecido e demais componentes curriculares, sua duração, requisitos e critérios de Avaliação: Instituto Educacional do Estado de São Paulo Autorização de Credenciamento:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia GESTÃO E PRÁTICAS EMPREENDEDORAS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ceilândia, Fevereiro de 2014. CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

ALTERAÇÕES 92-2014 UNIVERSITÁRIO CAPITAL IGA - Nº 1

ALTERAÇÕES 92-2014 UNIVERSITÁRIO CAPITAL IGA - Nº 1 ALTERAÇÕES 92-2014 UNIVERSITÁRIO CAPITAL IGA - Nº 1 IGA - INSTRUMENTO DE GESTÃO ACADÊMICA Nº 1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: ADMINISTRAÇÃO REVISÃO 2014 COORDENADOR PROF. DOUTOR ANDREAS ROBERTO HOFFMANN 2 Atualização

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP Ltda ASSUNTO: Recurso contra a decisão da Secretaria

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 2 CRUZEIRO - SP 2014 APRESENTAÇÃO De acordo com a Resolução n o 1, de 02 de fevereiro de 2004,

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROENS DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO COORDENAÇÃO DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROENS DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO COORDENAÇÃO DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROENS DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO COORDENAÇÃO DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO ANEXO I FORMULÁRIO/ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 90/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Relações Públicas, Bacharelado,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

lato sensu na modalidade de educação a

lato sensu na modalidade de educação a DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 122/2011 Regulamenta os Cursos de Pós-graduação lato sensu na modalidade de educação a distância (EAD) na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

Capacitação em Gestão da Cadeia de Suprimentos

Capacitação em Gestão da Cadeia de Suprimentos Capacitação em Gestão da Cadeia de Suprimentos Carta da Direção A história do IBMEC SÃO PAULO mostra que sua trajetória de crescimento e aperfeiçoamento, dentro de sua missão de ser um centro de excelência

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO:

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO: EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Proposta de Resolução Ementa:

Proposta de Resolução Ementa: Proposta de Resolução Ementa: Dispõe sobre a regulamentação de Título de Especialista e de Especialista Profissional Farmacêutico e sobre normas e procedimentos para seu registro O Conselho Federal de

Leia mais