A construção de matrizes de correção de redações por competências e níveis de desempenho na Educação de Jovens e Adultos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A construção de matrizes de correção de redações por competências e níveis de desempenho na Educação de Jovens e Adultos"

Transcrição

1 A construção de matrizes de correção de redações por competências e níveis de desempenho na Educação de Jovens e Adultos RIBEIRO, Juliana de Cássia; SILVEIRA, Estela Garcia da. (Fundação Bradesco) RESUMO: Na Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Fundação Bradesco, o acompanhamento da correção de redações é um ponto sensível, dada a distância física entre as 40 escolas da rede e a característica das turmas, que, em Língua Portuguesa, são acompanhadas diariamente por um orientador de aprendizagem (monitor pedagogo) e, somente nas avaliações, têm suas redações corrigidas por um professor especialista. Como os professores corretores, atuantes no ensino regular, muitas vezes desconhecem as especificidades do público EJA, observa-se, em seus relatórios de correção, a utilização de critérios diferentes e pouco objetivos para avaliar o mesmo instrumento, o que tem prejudicado a atuação e intervenção direta dos monitores e a análise e comparação dos resultados na instituição. Com o objetivo de elaborar subsídios teóricos e metodológicos para orientar a avaliação das produções textuais e unificar os critérios de correção e de composição de notas em toda a rede, eliminando a subjetividade na avaliação, construíramse as matrizes de correção de redações por competências e níveis de desempenho que ora se apresentam, a partir da seleção de tipos textuais essenciais, do diálogo com os critérios de avaliações de larga escala (Enem e Encceja), da leitura crítica de assessoria técnica e à luz das Propostas Curriculares e da literatura específica em metodologia de correção de redações. O produto final é um Manual de Redação, usado paralelamente a momentos de formação, visando garantir que os resultados apurados reflitam a realidade do público avaliado e que, a partir dessa análise, as intervenções pedagógicas sejam mais adequadas. Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos, competências, habilidades, aprendizagem, formação, avaliação, redação Introdução A Fundação Bradesco é uma instituição sem fins lucrativos criada em 1956 por Amador Aguiar, o fundador do Bradesco, com o objetivo de proporcionar educação e profissionalização, com qualidade e de forma gratuita, a crianças, jovens e adultos socioeconomicamente desfavorecidos. Atualmente, contabiliza 40 escolas nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, escolas essas que, pela excelência do trabalho e infraestrutura, são referência nas comunidades em que se encontram. Somente no ano de 2009, foram R$ 237,760 milhões em recursos provenientes da renda do próprio patrimônio (dividendos e financeiras) aplicados nas escolas da rede, a

2 fim de cumprir a missão institucional de promover a inclusão social por meio da educação básica e profissional e atuar como polo gerador e multiplicador de cultura. Nesse ano, foram atendidos alunos de educação básica, sendo na Educação de Jovens e Adultos (EJA), nas escolas da rede e em empresas e instituições conveniadas. Na Cidade de Deus, em Osasco, SP, está localizado o núcleo administrativo e pedagógico da Fundação Bradesco (Centro Educacional), que organiza e acompanha a dinâmica de todo o sistema educacional. Trata-se de um grupo de educadores, técnicos e supervisores que compõem a diretoria da Fundação Bradesco e todo o corpo administrativo, responsável pela gestão dos recursos, pela capacitação dos profissionais e pelo desenvolvimento de todo o projeto educativo. A Educação de Jovens e Adultos da Fundação Bradesco Com o objetivo de estender a oportunidade de escolarização a uma faixa da população adulta que não frequentou a escola na idade própria, a Fundação Bradesco iniciou, em 1985, a Educação de Jovens e Adultos (EJA), que abrange, atualmente, o Programa de Alfabetização de Adultos (Ensino Fundamental I, que corresponde ao período do 1º ao 5º ano) em 33 escolas da rede, Ensino Fundamental II (correspondente a período de 6º ao 9º ano) e Médio via telecucação em 36 escolas e 18 polos. Tais cursos, que em 2009 representaram 15,68% do atendimento da instituição, foram criados com a finalidade de atender às necessidades de aprendizagem de milhares de brasileiros, possibilitando o desenvolvimento pleno de suas potencialidades e dando-lhes condições para a construção de conhecimentos significativos e para o desenvolvimento de habilidades e competências essenciais à vida pessoal, profissional, social, política e cultural. O currículo dos cursos está organizado de forma interdisciplinar, em quatro áreas do conhecimento: Ciências da Natureza I (Matemática e Física), Ciências da Natureza II (Ciências/ Biologia e Química), Ciências Humanas (Geografia, História, Filosofia e Sociologia) e Códigos e Linguagens (Língua Portuguesa, Inglês, Arte e Educação Física). A duração média de cada área do conhecimento é de 90 dias letivos; assim, estima-se o período mínimo de dois anos para a conclusão do Ensino Fundamental II e dois anos para a conclusão do Ensino Médio.

3 Cada área do conhecimento possui, ainda, Matrizes de Referência para Avaliação, documentos em que se descrevem as habilidades e competências que se espera serem desenvolvidas pelos alunos no Ensino Fundamental e no Ensino Médio. As Matrizes de Referência para Avaliação constituem-se importantes instrumentos, pois, além de nortearem todo o processo pedagógico, garantem objetividade e transparência num processo avaliativo por competências. Nessa modalidade de ensino, nos níveis Fundamental II e Médio, dois profissionais são importantes no processo educativo: orientador de aprendizagem e professor especialista. Professor especialista é o profissional com formação específica (licenciatura) para uma disciplina do Ensino Fundamental e Médio. A equipe pedagógica do setor de Educação de Adultos da Fundação Bradesco é composta de oito professores especialistas, representantes das disciplinas que compõem as áreas do conhecimento: Língua Portuguesa, Inglês, Geografia, História, Matemática, Física, Ciências/Biologia e Química. É essa equipe que orienta e subsidia o trabalho desenvolvido nas escolas, por meio da elaboração de material didático, do suporte pedagógico, de formações continuadas, da elaboração de instrumentos de avaliação e do acompanhamento de resultados. O orientador de aprendizagem, também chamado de monitor, é o profissional que atua diariamente na escola, junto ao aluno. É um professor generalista, na maioria das vezes pedagogo, capacitado para fazer a mediação de estudo na EJA nos níveis Fundamental e Médio, nas escolas da Fundação Bradesco e polos situados em empresas ou instituições conveniadas. Mesmo não sendo especialistas, atuam em todas as áreas do conhecimento, diariamente em contato com materiais, conteúdos, planejamento, atividades, avaliações e projetos relacionados a elas. Para garantir a formação continuada dos educadores da EJA e o desenvolvimento, nos alunos, das competências e habilidades relacionadas a cada área do conhecimento, o Setor de Educação de Adultos da Fundação Bradesco produz materiais didáticos interdisciplinares, cursos de formação de orientadores de aprendizagem via web, materiais audiovisuais, e manuais com orientações didáticas e administrativas, como é o caso do Manual de Redação.

4 A correção de redações na EJA da Fundação Bradesco Na área de Códigos e Linguagens, um dos principais objetivos da disciplina de Língua Portuguesa é fortalecer o vínculo entre o aluno e a palavra, de modo que, pelo domínio das modalidades oral e escrita da língua, possa participar ativamente de qualquer situação de uso da língua e utilizar-se da linguagem como instrumento de comunicação, intervenção e participação social. As avaliações da área de Códigos e Linguagens são elaboradas, no Centro Educacional, pelos professores especialistas responsáveis pela área e aplicadas na rede de escolas e polos. Nessas avaliações, a produção textual corresponde a 40% do aproveitamento total que o aluno pode atingir. Isso significa que, em uma avaliação cuja nota máxima atribuída é 10 pontos, a redação corresponde a 4,0 pontos e os 6,0 pontos restantes são distribuídos em questões de múltipla escolha. Uma vez aplicada a avaliação, é o orientador de aprendizagem quem corrige as questões de múltipla escolha. Entretanto, por não ter formação específica em língua portuguesa, não está habilitado a atribuir nota à produção textual de um aluno, apesar de orientá-lo, de forma competente, em suas produções escritas durante todo o período letivo. Para solucionar essa questão, as produções de texto da EJA são corrigidas por um professor de Língua Portuguesa da própria escola (corretor de redações). Dada essa característica das avaliações de Códigos e Linguagens, o acompanhamento da correção de redações tem se revelado um ponto sensível, pois o fato de os professores corretores de redações exercerem suas atividades junto ao Ensino Fundamental ou Médio regular e não atuarem na EJA traduz-se em uma correção de redação altamente exigente e, por vezes, incompatível com as características e necessidades do público adulto. Outro fator que contribui para a discrepância de resultados e consequente dificuldade de análise e intervenção é a distância física entre as escolas da rede e o Centro Educacional, o que dificulta um acompanhamento sistematizado in loco pelo professor especialista responsável, gerando entraves como a utilização de critérios de correção diferentes e pouco objetivos de escola para escola. No decurso da EJA na Fundação Bradesco, foram várias as iniciativas de padronizar a correção de redações em toda a rede, que culminaram, em 2007, com a edição do primeiro Manual de Redação, um material em que se organizaram as diretrizes e orientações oferecidas até então, descrevendo as características do público e os aspectos a serem

5 observados nas produções textuais. Essas orientações, entretanto, surtiam efeitos positivos mas não resolviam totalmente a questão, pois, apesar de a correção de redações pautar-se pelos mesmos critérios, a atribuição de notas ainda era feita de modo subjetivo e, por vezes, desigual. Em 2009, após a implantação das Matrizes de Referência para Avaliação das áreas do conhecimento, constatou-se a necessidade de reformular o Manual de Redação e estabelecer um método de correção de redações por competências que pudesse ser traduzido em nota de forma objetiva, facilmente interpretado por orientadores de aprendizagem e alunos. A elaboração de uma matriz de correção de redações por competências e níveis de desempenho Com o objetivo de elaborar subsídios teóricos e metodológicos para orientar a avaliação das produções textuais e unificar os critérios de correção e de composição de notas em toda a rede, eliminando a subjetividade na avaliação, construíram-se as matrizes de correção de redações por competências e níveis de desempenho. O ponto de partida foram as competências das Matrizes de Referência para Avaliação da área de Códigos e Linguagens dos Ensinos Fundamental e Médio, que traduzem o conjunto de habilidades, informações, conhecimentos, princípios, atitudes, e valores que se busca desenvolver no aluno, de modo que alcance alto nível de desempenho nessa área do conhecimento. Tais competências, por sua vez, foram elaboradas em consonância com os eixos cognitivos propostos pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e com as competências da matriz de avaliação do Encceja (Exame Nacional de Certificação de Competências da Educação de Jovens e Adultos). As competências avaliadas em redação são as seguintes: Ensino Fundamental o Demonstrar conhecimentos sobre a norma culta da língua portuguesa, sobre a língua inglesa e sobre as várias linguagens e seus usos. o Identificar diferentes linguagens e fazer uso delas, desenvolvendo o tema e escolhendo o tipo textual correto.

6 o Selecionar, organizar, relacionar e interpretar dados e informações, utilizando corretamente os elementos da estrutura textual solicitada. o Mobilizar conhecimentos linguísticos e de mundo para construir um texto coerente e coeso, que apresente autoria. Ensino Médio o Demonstrar conhecimentos sobre a norma culta da língua portuguesa e sobre as várias linguagens e seus usos. o Selecionar, organizar, relacionar e interpretar dados e informações para tomar decisões e resolver situações-problema. o Relacionar informações e conhecimentos em situações concretas, aumentando o poder de intervenção na realidade por meio da estrutura dissertativa. o Fazer uso dos recursos expressivos das linguagens e dos conhecimentos sobre as línguas e sobre a diversidade cultural para atender às múltiplas exigências sociais, fazendo intervenções na realidade e operando sobre as áreas do conhecimento. Além da escolha das competências da área como norteadoras da elaboração das matrizes de correção de redação, foi necessário escolher as estruturas textuais que deveriam ser consideradas prioridade no Ensino Fundamental e no Ensino Médio, já que o tempo de curso da área de Códigos e Linguagens, apesar de favorecer o contato com os diversos gêneros textuais, não possibilita a avaliação formal de todos eles em redação. Sendo assim, as estruturas textuais exigidas nas avaliações de redação de Códigos e Linguagens são o texto narrativo para o Ensino Fundamental e o texto dissertativoargumentativo para o Ensino Médio. A escolha desses tipos textuais se deu porque eles fornecem subsídios importantes ao estudo de outros gêneros textuais. Uma notícia ou uma crônica, por exemplo, contém elementos da narração, enquanto uma carta argumentativa e um artigo de opinião possuem elementos da dissertação. Além disso, a dissertação é o tipo de texto privilegiado nas avaliações externas, como Enem e vestibulares, para o que se deseja preparar os alunos. Justamente por vislumbrar o desenvolvimento de competências e habilidades não apenas para atender à expectativa institucional, mas também para o sucesso nas atividades

7 extraescolares, incluindo-se a participação em avaliações externas como o Enem e o Encceja, a elaboração das matrizes de correção de redação levou em consideração o diálogo com os critérios de correção dessas avaliações, além da contribuição da literatura especializada em metodologia para a correção de redações e de leitores críticos. Apresentação das matrizes de correção de redação Foram elaboradas duas matrizes de correção de redações: uma para o Ensino Fundamental (texto narrativo) e uma para o Ensino Médio (texto dissertativoargumentativo). Nelas, o aluno é avaliado em quatro competências, representadas por aspectos textuais que as caracterizam. Cada uma dessas competências é avaliada em quatro níveis de desempenho, com notas correspondentes: insatisfatório (zero e 0,5); regular (1,0 e 1,5); bom (2,0; 2,5 e 3,0) e excelente (3,5 e 4,0). Nos quatro níveis, é possível visualizar uma descrição de como o aluno apresenta os diferentes aspectos textuais em sua redação. Isso torna possível reconhecer exatamente em que nível ele se encontra. A nota da redação é a média aritmética das notas atribuídas a cada competência, procedimento pelo qual se atribui peso igual a todas as características do texto. Dessa forma, um aluno que não possui domínio da norma culta, mas atende perfeitamente à proposta de redação não será menos qualificado do que aquele que apresenta texto bem estruturado e escrito, porém sem conteúdo, discrepância frequente até então. A Tabela 1 demonstra um trecho da matriz de correção de redação do Ensino Fundamental, exemplificando os níveis de desempenho.

8 NÍVEL DE DESEMPENHO E NOTA CORRESPONDENTE COMPETÊNCIA C1: ASPECTOS INSATISFATÓRIO REGULAR BOM EXCELENTE AVALIADOS Zero 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 respeito à ortografia acentuação correta das palavras adequação da linguagem Apresenta grande quantidade de erros de grafia e acentuação de palavras de uso cotidiano (em mais de 50% das linhas escritas). Apresenta quantidade moderada de erros de grafia e acentuação de palavras de uso cotidiano (em 25% a 50% das linhas escritas). Observam-se palavras escritas e/ou acentuadas de duas formas (correta e incorreta) na mesma redação. Apresenta poucos erros de grafia e acentuação em palavras de uso cotidiano (em até 20% das linhas escritas), sobretudo aqueles consagrados pelo uso popular (kilo, beringela, cajú, porisso, atravéz, atráz, agente [a gente] etc.). Apresenta muito poucos erros de grafia e acentuação de palavras (em até 10% das linhas escritas). Os erros mais comuns são de palavras que não fazem parte do uso cotidiano, nomes próprios e palavras estrangeiras. Tabela 1. Exemplo de níveis de desempenho na matriz de correção de redação do Ensino Fundamental Considerações finais As matrizes de correção de redações foram apresentadas a corretores, orientadores de aprendizagem e alunos da Fundação Bradesco em março de 2010, como parte da atualização do Manual de Redação, material que acumula as finalidades de estimular o desenvolvimento da escrita, dar conhecimento dos critérios de avaliação e oferecer subsídios teóricos e metodológicos para a elaboração e correção de redações, destinados a todos os sujeitos envolvidos no processo de ensino e aprendizagem da área de Códigos e Linguagens na EJA da Fundação Bradesco, visando garantir que os resultados apurados reflitam a realidade do público avaliado e que, a partir dessa análise, as intervenções pedagógicas sejam mais precisas. Foram elaboradas orientações e realizados três momentos de formação com as equipes escolares para o uso adequado do material, empregado nas avaliações ocorridas no primeiro semestre de Ainda não há dados conclusivos sobre a experiência piloto com as matrizes de correção de redações, porém já foram recebidas algumas avaliações positivas dos educadores envolvidos no processo a respeito do Manual de Redação. Também pudemos perceber que

9 os resultados parciais internos mostraram-se compatíveis com os resultados da avaliação institucional do segmento, encomendada a consultoria externa e realizada no segundo semestre de Ao longo de cada semestre letivo, observa-se que o acompanhamento dos alunos em suas produções escritas tem se mostrado de grande importância para a aprendizagem deles, bem como para garantir bons resultados nas avaliações. Um dos itens fundamentais para o sucesso dessas práticas é o diálogo estabelecido entre orientador de aprendizagem, professor corretor, professor especialista, equipe escolar e aluno. Por meio da avaliação dos resultados desse primeiro uso das matrizes de correção de redações adesão, resultados, críticas verificar-se-á a necessidade de adequações e ajustes para garantir a permanência desse diálogo, com vistas no aprofundamento teórico sobre o assunto para a construção uma escala de proficiência em redação.

10 Referências bibliográficas BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais do ensino médio: orientações educacionais complementares. Brasília, BRASIL. Ministério da Educação. Proposta Curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental: 5ª a 8ª série: introdução. v. 1. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, BRASIL. Ministério da Educação. Proposta Curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental: 5ª a 8ª série: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, História, Geografia. v. 2. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, p BRASIL. Inep. Encceja: língua portuguesa, língua estrangeira, educação artística e educação física, linguagens, códigos e suas tecnologias: livro do professor: ensino fundamental e médio. Coord. Zuleika de Felice Murrie. Brasília, CARVALHO, Ana Maria Pessoa de (Org.). Ensino de Língua Portuguesa. São Paulo: Thomson Learning, CARVALHO, Reginaldo Pinto de. Metodologia de correção da Redação do Enem. In: ENEM Fundamentação Teórico-Metodológica. Brasília: Inep, p CISESKI, Ângela Antunes; NASCIMENTO, Luiz Marine José; GADOTTI, Moacir; PADILHA, Paulo Roberto. Educação de Jovens e Adultos: planejamento e avalialiação. São Paulo: IPF, Série Cadernos de EJA, n º3. FUNDAÇÃO BRADESCO. Diretrizes curriculares. São Paulo FUNDAÇÃO BRADESCO. Matrizes de Referência para a Educação de Jovens e Adultos: 6º ao 9º ano e Ensino Médio. Osasco, MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar. Português instrumental. 25. ed. São Paulo: Atlas, PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, THEREZO, Graciema Pires. Como corrigir redação. 5. ed. Campinas: Alínea, 2006.

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas Avaliação da Educação Básica no Brasil Maria Inês Fini Slide 1 Avaliação Educacional no Brasil Década de 90 Estruturação e Desenvolvimento dos Sistemas de Avaliação e de Informação da Educação Básica e

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Caro Monitor, Esta oficina tem como objetivo geral favorecer o primeiro contato do aluno da EJA Ensino Fundamental com o tipo textual que será

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio ENEM 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio ENEM 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Exame Nacional do Ensino Médio ENEM 2013 Balanço ENEM 2012 ENEM 2012 INSCRITOS / PARTICIPANTES (milhões) ENEM

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB. Osasco, maio de 2009

FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB. Osasco, maio de 2009 1 FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB Osasco, maio de 2009 Márcia Risso Gaino Fundação Bradesco - mgaino@fundacaobradesco.org.br Acácio Lopes da Silva Fundação Bradesco alopes@fundacaobradesco.org.br

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, tendo

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, tendo Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação RESOLUÇÃO SEE Nº 6 DE DE JANEIRO DE 00. ESTABELECE AS MATRIZES CURRICULARES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NAS UNIDADES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR. Gerência de Educação. Versão Julho_09

PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR. Gerência de Educação. Versão Julho_09 PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR Gerência de Educação Versão Julho_09 O SESI (Serviço Social da Indústria) ao longo de seus sessenta anos de história sempre foi fiel à sua missão de promover a qualidade

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José?

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José? Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM E agora José? Respondam Rápido: O que encanta um homem? O que encanta uma mulher? E o que ENCANTA um corretor do ENEM?

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO. Guia de Certificação

EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO. Guia de Certificação EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO Guia de Certificação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAEB GUIA DE

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia do Ensino na Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

SAERS - Sistema de Avaliação Educacional do RS. Professor Nota 10 - Valorização do Magistério

SAERS - Sistema de Avaliação Educacional do RS. Professor Nota 10 - Valorização do Magistério Programa Estruturante Boa Escola Para Todos Programa Projetos Ações Boa Escola para Todos SAERS - Sistema de Avaliação Educacional do RS Professor Nota 10 - Valorização do Magistério Avaliação externa

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011

A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011 A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011 Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Malvina Tania Tuttman Diretora de Avaliação da Educação Básica Maria

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 Em que contexto de gestão estão inseridos os usos de seus resultados? Nível

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Contexto do Ensino Médio Ensino Médio Evolução das matrículas, 1991-2012 1991

Leia mais

Guia de Certificação do Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM

Guia de Certificação do Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAEB GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional do Ensino Médio Brasília,

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1

MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1 MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1 EIXO1 Formação docente: Profissionalização, Ética e Cidadania 1º Período Disciplina C.H.R. C.H.S. Informática Aplicada 20 20 01 01 Políticas Públicas e Organizações

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí RESOLUÇÃO Nº 05 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova alteração da matriz curricular do curso de Pedagogia.. A PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IVAÍ, no uso da delegação

Leia mais

Edital para o Processo Seletivo ISITEC 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS

Edital para o Processo Seletivo ISITEC 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS Edital para o Processo Seletivo ISITEC 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS O presente documento estabelece normas, dispõe sobre as disciplinas e respectivos programas para o Processo Seletivo de 2016/1 do Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

PORTARIA SEE Nº 332/2014 ANEXO ÚNICO MATRIZES CURRICULARES. MATRIZ CURRICULAR - ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º ano Alfabetização e Letramento

PORTARIA SEE Nº 332/2014 ANEXO ÚNICO MATRIZES CURRICULARES. MATRIZ CURRICULAR - ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º ano Alfabetização e Letramento PORTARIA SEE Nº 332/2014 ANEXO ÚNICO MATRIZES CURRICULARES conhecimento e ano MATRIZ CURRICULAR - ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º ano Alfabetização e Letramento Fase I Fase II 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5º

Leia mais

Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO

Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Orientação Educacional e Práticas

Leia mais

Audiência Pública Senado

Audiência Pública Senado Audiência Pública Senado A situação nacional e os caminhos para melhorar a qualidade do ensino profissionalizante Francisco Aparecido Cordão Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Curso de especialização EM GESTÃO EDUCACIONAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Curso de especialização EM GESTÃO EDUCACIONAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Curso de especialização EM GESTÃO EDUCACIONAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação Gestão Educacional NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão Educacional

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

INDICAÇÃO CEE Nº : 53/2005 - CES - Aprovada em 14-12-2005. PROCESSO CEE Nº : 398/2000 Reautuado em 28/01/05

INDICAÇÃO CEE Nº : 53/2005 - CES - Aprovada em 14-12-2005. PROCESSO CEE Nº : 398/2000 Reautuado em 28/01/05 INDICAÇÃO CEE Nº : 53/2005 - CES - Aprovada em 14-12-2005 PROCESSO CEE Nº : 398/2000 Reautuado em 28/01/05 INTERESSADO EMENTA ORIGINAL : Conselho Estadual de Educação : Orientação ao Sistema Estadual de

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer nº 288/2001-CEDF Processo nº 030.008745/99 Interessado: Escola CETEB de Jovens e Adultos

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer nº 288/2001-CEDF Processo nº 030.008745/99 Interessado: Escola CETEB de Jovens e Adultos CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 10/1/2002, publicado no DODF de 11/1/2002, p. 16. Portaria nº 68, de 8/2/2002, publicada no DODF de 15/2/2002, p.13. Parecer nº 288/2001-CEDF Processo

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp. Ana Cristina Pereira Diniz 2 Diálogos Abertos sobre a Educação Básica. Relato de experiência.

Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp. Ana Cristina Pereira Diniz 2 Diálogos Abertos sobre a Educação Básica. Relato de experiência. PROEJA FIC/PRONATEC: RELATO DO DIAGNÓSTICO DO PERFIL SÓCIO- CULTURAL DO EDUCANDO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE DUAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE GOIÂNIA Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp.

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação da Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) Dispõe sobre a criação do Programa Arte na Escola. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

ANEXO I DIRETRIZES PARA O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS

ANEXO I DIRETRIZES PARA O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS ANEXO I DIRETRIZES PARA O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS 1. Introdução As instituições porão propor o senvolvimento três cursos formação, na modalida cursos extensão: a) curso formação inicial para os

Leia mais

ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007. Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes)

ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007. Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes) ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007 Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes) MODALIDADE /ÁREA VAGAS REQUISITOS PARA A CANDIDATURA ATIVIDADES A SEREM

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

Curso de Especialização em DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS

Curso de Especialização em DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS Curso de Especialização em DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Docência na Educação Infantil

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA MISSÃO O curso de Letras - Licenciatura em Língua Portuguesa deve ter o compromisso de promover no estudante um processo contínuo de reflexão sobre o papel

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFMT Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Hoje, no Brasil, são inúmeras as Instituições de Ensino credenciadas para oferecer cursos na modalidade de

Leia mais

ENADE/2014: PEDAGOGIA

ENADE/2014: PEDAGOGIA 1 ENADE/2014: PEDAGOGIA O QUE É O ENADE? 2 EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES é um dos pilares da avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES); Contribui para o aprimoramento

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Avaliação da Educação Básica. Saeb/Prova Brasil e Ideb

Avaliação da Educação Básica. Saeb/Prova Brasil e Ideb Avaliação da Educação Básica Saeb/Prova Brasil e Ideb Saeb/Prova Brasil O desafio de planejar uma avaliação Matriz de Referência Elaboração de Itens - Capacitação IES - Laboratório Cognitivo BNI Pré-Teste

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO EIXO: GESTÂO Fortalecer a parceria entre e instituições parceiras para o desenvolvimento de ações educacionais Formalização de Termo de Cooperação Técnica entre e SEC do Estado para a efetivação de políticas

Leia mais

18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA

18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA 18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA 18.1) Matriz curricular do turno matutino Fase 1 a N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 01 Introdução à informática

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO NA UFMA: REALIDADES DISTINTAS A MESMA MÉTRICA

REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO NA UFMA: REALIDADES DISTINTAS A MESMA MÉTRICA REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO NA UFMA: REALIDADES DISTINTAS A MESMA MÉTRICA Profª. Drª. Isabel Ibarra Cabrera Pro-reitora de Ensino /PROEN/UFMA Forgrad Nordeste/ Petrolina 15, 16 e 17 de maio de 2014 Roteiro da

Leia mais

ENEM, o que é, o que objetiva?

ENEM, o que é, o que objetiva? ENEM, o que é, o que objetiva? Enem Exame Nacional do Ensino Médio Criado em 1998 com o objetivo de diagnosticar a qualidade do ensino médio no país. Em 2009, o exame ganhou uma nova função: selecionar

Leia mais

ANEXO V CRITÉRIOS PARA ANÁLISE E PONTUAÇÃO DOS PROJETOS

ANEXO V CRITÉRIOS PARA ANÁLISE E PONTUAÇÃO DOS PROJETOS ANEXO V CRITÉRIOS PARA ANÁLISE E PONTUAÇÃO DOS PROJETOS 1 - CRITÉRIO DE ADMISSIBILIDADE Para participar do processo de seleção as IES deverão apresentar todos os itens obrigatórios, conforme as especificações

Leia mais

Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao

Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao A Avaliação do PAEBES Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao Desempenho Programa de Avaliação da Educação

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

ENSINO MÉDIO DIFERENCIAIS PEDAGÓGICOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Processo de Admissão

ENSINO MÉDIO DIFERENCIAIS PEDAGÓGICOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Processo de Admissão ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ESTUDANTES PARA 2015 PROPOSTAS PEDAGÓGICAS A fase da escolha de qual carreira seguir acontece, normalmente, durante o ensino médio. Tendo de vivenciar mudanças

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 9 Anos A e B 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais