Universidade Federal de Itajubá PROTOTIPAGEM RÁPIDA PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EPR-707 ENGENHARIA DO PRODUTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Itajubá PROTOTIPAGEM RÁPIDA PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EPR-707 ENGENHARIA DO PRODUTO"

Transcrição

1 Universidade Federal de Itajubá PROTOTIPAGEM RÁPIDA PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EPR-707 ENGENHARIA DO PRODUTO

2 PROTOTIPAGEM NO PDP Mercado Tecnologia PRODUTO Planejamento do Produto Concepções Viabilidade Necessidade cliente Requisitos Gerais Especificações Técnicas Criatividade Técnica Econômica Financeira T É C N I C A S Projeto Básico Projeto Executivo Modelagem Análise de Sensibilidade Análise de Estabilidade Otimização Ensaios Consolidação Programação Projeto dos Conjuntos Projeto Componentes e Peças Protótipos Certificação do Projeto Certificação da Fabricação D E A P O I O PROTOTIPAGEM RÁPIDA 2

3 CICLO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS HÁ ALGUNS ANOS Necessidade de vários protótipos e atualizações Ciclo demorado Teste físico e Reprojeto Baseado em Hardware Revisão Manual Desenvolvimento de Produtos Protótipo Físico PROTOTIPAGEM RÁPIDA 3

4 CICLO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS ATUAL Prototipagem Funcional Virtual Desenvolvimento Virtual de Produtos 3D CAD Mock-up Digital PROTOTIPAGEM RÁPIDA 4

5 EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS SISTEMAS CAE Número de Custo das Simulações CAE Simulações CAE Mainframes Custo do Protótipo Físico Workstations e Servidores 1960 PROTOTIPAGEM Anos RÁPIDA

6 O QUE É PROTOTIPAGEM RÁPIDA É uma tecnologia inovadora desenvolvida nas últimas duas décadas. Refere-se a uma classe de tecnologias que pode automaticamente construir modelos físicos a partir de dados de um projeto auxiliado por computador (CAD). PROTOTIPAGEM RÁPIDA 6

7 O QUE É PROTOTIPAGEM RÁPIDA O protótipo de um produto ou componente é parte essencial no seu processo de desenvolvimento, pois possibilita que a análise de sua forma e funcionalidade seja feita numa fase anterior à produção de ferramental definitivo. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 7

8 O QUE É PROTOTIPAGEM RÁPIDA A prototipagem pode ser definida como um processo de fabricação através da adição de material em forma de camadas planas sucessivas, isto é, baseado no princípio da manufatura por camada. Fonte: Volpato (2007) PROTOTIPAGEM RÁPIDA 8

9 FINALIDADES DE USO DA PROTOTIPAGEM RÁPIDA Ela visa produzir protótipos de forma relativamente rápida para: inspeção visual; avaliação ergonômica; análise de forma e dimensional; padrão mestre para a produção de ferramentas. Fonte: CHOI e CHAN (2004) PROTOTIPAGEM RÁPIDA 9

10 PONTOS FORTES DA PROTOTIPAGEM RÁPIDA Capacidade de produzir formas tridimensionais complexas e detalhadas; Redução de lead times para peças únicas; Os processos ocorrem em um compartimento fechado, com baixa geração de ruídos ou desperdícios; Redução substancial do tempo de lançamento do novo produto no mercado; Melhoria na manufaturabilidade e redução de custos no projeto de produtos. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 10

11 PONTOS FORTES DA PROTOTIPAGEM RÁPIDA Não requer dispositivos ou ferramental especial para a fixação. Quando houver a necessidade de suportes, esses são criados pela própria tecnologia da máquina; Geralmente, não é necessária troca de ferramenta de trabalho; O componente é fabricado em uma única etapa de processo; Não são necessários cálculos complexos de trajetórias de ferramentas. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 11

12 PONTOS FRACOS DA PROTOTIPAGEM RÁPIDA A velocidade de produção do protótipo é muito lenta. Dependendo do nível de precisão requerido e do tamanho do objeto, o processo pode levar algumas horas ou alguns dias. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 12

13 PONTOS FRACOS DA PROTOTIPAGEM RÁPIDA A maioria dos equipamentos somente pode fabricar itens de até 500 mm 3 de volume; A qualidade final da superfície do protótipo rápido gerado normalmente necessita de um acabamento secundário. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 13

14 PONTOS FRACOS DA PROTOTIPAGEM RÁPIDA Os materiais e suas propriedades mecânicas não são as mesmas dos metais e plásticos geralmente usados no produto final; A precisão e o acabamento superficial são inferiores aos das peças obtidas por usinagem. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 14

15 CRIAÇÃO DO PROTÓTIPO PROTOTIPAGEM RÁPIDA 15

16 CRIAÇÃO DO PROTÓTIPO PRÉ-PROCESSAMENTO: Em um software de desenho 3D, tal como o SolidWorks, cria-se um modelo da peça; Exporta-se o modelo como um arquivo com extensão STL; O arquivo é processado e o sólido desenhado em 3D é fatiado em diversas camadas. STL PROTOTIPAGEM RÁPIDA 16

17 CRIAÇÃO DO PROTÓTIPO PRÉ-PROCESSAMENTO: Efeito escada PROTOTIPAGEM RÁPIDA 17

18 CRIAÇÃO DO PROTÓTIPO PROCESSAMENTO: O equipamento cria a primeira camada (ou fatia) do modelo físico; O modelo é abaixado até a altura da espessura da próxima camada; O processo se repete até a completa construção do modelo sólido. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 18

19 CRIAÇÃO DO PROTÓTIPO PÓS-PROCESSAMENTO: O modelo e seus suportes são removidos; É dado o acabamento final (processo final de cura ou um tratamento da superfície) da peça física. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 19

20 CATEGORIAS DE TECNOLOGIAS ADIÇÃO DE MATERIAL O modelo físico é construído sequencialmente, uma camada sobre a outra, até formar uma cópia analógica de seu original digital em CAD; REMOÇÃO DE MATERIAL Uma ferramenta subtrai material, através da utilização de uma variedade de diferentes tipos de fresas, geralmente de um bloco de madeira ou espuma, que é gradualmente reduzido para a réplica física do modelo original desenhado em CAD. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 20

21 PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR ADIÇÃO DE MATERIAL Prototipagem Rápida Adição de Material Remoção de Material Líquido Partículas Discretas Camadas Sólidas Solidificação de um polímero líquido Solidificação de um fluído eletrofixante Solidificação de um material fundido Fusão de partículas por laser Junção de partículas com aglutinante União de camadas com adesivo União de camadas com luz Electrosetting (ES) Selective Laser Sintering (SLS) Three Dimensional Printing (3DP) Laminated Object Manufacture (LOM) Solid Foil Polimerization (SFP) Ponto a ponto Camada a camada Superfície holográfica Gas Phase Deposition (GPD) Laser Engineered Net Shaping (LENS) Spatial Forming (SF) Stereolitografia (SL) Líquid Thermal Polimerization (LTP) Beam Interference Solidification (BIS) Solid Ground Curing (SGC) Holographic Interference Solidification (HIS) Ponto a ponto Three Dimensional Welding (3DW) Fused Deposition Modelling (FDM) Camada a camada Shape Deposition Manufacturing (SDM) Ballistic Particle Manufacture (BPM) Multi-Jet Modeling (MJM) PROTOTIPAGEM RÁPIDA 21

22 Modelagem por Deposição de Material Fundido (FDM) A FDM se baseia na deposição, sobre uma plataforma, de camadas resultantes do aquecimento e amolecimento de filamentos (arames) do material plástico destinado à confecção do modelo. FDM = Fused Deposition Modeling PROTOTIPAGEM RÁPIDA 22

23 Modelagem por Deposição de Material Fundido A máquina para a FDM possui uma plataforma, revestida de uma bandeja flexível, que se movimenta no sentido vertical (eixo Z) e um cabeçote provido de dois bicos extrusores de arames aquecidos: um para alimentar as camadas do modelo e outro para a construção automática dos suportes. Esses arames ficam estocados dentro da máquina, em ambiente a vácuo aquecido, pois a umidade do material dentro do bico extrusor poderia causar formação de bolhas, que impediria a continuidade de sua deposição pelo bico. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 23

24 Modelagem por Deposição de Material Fundido Os bicos extrusores, que na verdade, funcionam como uma resistência, são alimentados por esses filamentos através de duas guias giratórias ligadas a um motor, as quais vão transferindo para eles os arames estocados no rolo; O software da FDM é um misto CAD/CAM e não é integrado à máquina; Para cada camada geram-se coordenadas ou caminhos pelos quais o bico extrusor vai depositando os fios fundidos. Ao final de cada camada a plataforma desce e o cabeçote inicia a deposição de mais material para a outra camada, repetindo a operação até a conclusão do modelo PROTOTIPAGEM RÁPIDA 24

25 Modelagem por Deposição de Material Fundido Máquina de prototipagem adquirida pela UNIFEI. Fabricante: Stratasys Modelo: Dimension SST 768 PROTOTIPAGEM RÁPIDA 25

26 Modelagem por Deposição de Material Fundido Arame de suporte Arame de modelo Os arames destinados ao modelo são de ABS, elastômeros ou cera, enquanto os destinados aos suportes são uma mistura de ABS e cal; O processo não desperdiça material durante ou após a produção do protótipo, exigindo pouca necessidade de limpeza e permitindo sua instalação em ambientes não industriais; O acabamento final da superfície da peça é inferior aquele obtido através da estereolitografia; Uma máquina, com câmara de 203 x 203 x 305 mm, pode custar aproximadamente US$ ,00. O principal fabricante é a Stratasys. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 26

27 Modelagem por Deposição de Material Fundido Instalação de cartucho com material de suporte e modelo PROTOTIPAGEM RÁPIDA 27

28 Modelagem por Deposição de Material Fundido Visão geral do envelope e da plataforma de construção de peças do eixo Z. Z PROTOTIPAGEM RÁPIDA 28

29 Modelagem por Deposição de Material Fundido Visão geral do envelope e da cabeça de extrusão (movimento em X e Y). X Y PROTOTIPAGEM RÁPIDA 29

30 Modelagem por Deposição de Material Fundido (1) (2) (5) (3) (5) (4) Acessórios: (1) Computador; (2) ar condicionado; (3) desumidificador; (4) no-break; (5) cuba de ultra-som. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 30

31 Como fazer um protótipo rápido 1) Escolha da peça: ex. flange da roda do Mini-baja. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 31

32 Como fazer um protótipo rápido 1) Modelar o produto a ser prototipado em um software paramétrico 3D, por exemplo, o SolidWorks ou o Pró-Engineer. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 32

33 Como fazer um protótipo rápido 3) Gravar o modelo em um arquivo com extensão STL. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 33

34 Como fazer um protótipo rápido 4) Ligar a máquina de prototipagem e abrir o software Catalyst EX. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 34

35 Como fazer um protótipo rápido 5) Abrir o arquivo STL da figura no Catalyst. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 35

36 Como fazer um protótipo rápido 6) Definir orientação para construção da peça. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 36

37 Como fazer um protótipo rápido 7) Mandar processar o arquivo STL e adicionar ao pacote. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 37

38 Como fazer um protótipo rápido 8) Verificar posição de construção da peça na plataforma e conferir dados para Construção (tempo e quantidade de material suporte e modelo). 9) Mandar imprimir. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 38

39 Saindo do forno... (quer dizer, da máquina) (1) (2) (3) (4) Flange da roda do Mini-Baja ao final do processo de prototipagem (1 e 2) e a retirada do material de suporte (3 e 4). PROTOTIPAGEM RÁPIDA 39

40 Outras gerações da flange do Mini-Baja PROTOTIPAGEM RÁPIDA 40

41 Alguns protótipos produzidos Flange da roda do Mini-Baja (30% do tamanho original) PROTOTIPAGEM RÁPIDA 41

42 Alguns protótipos produzidos Flange da roda do Mini-Baja (tamanho original) PROTOTIPAGEM RÁPIDA 42

43 Alguns protótipos produzidos Proposta de trinco para forno de panificação PROTOTIPAGEM RÁPIDA 43

44 Alguns protótipos produzidos Uma miniatura de um paliteiro. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 44

45 Alguns protótipos produzidos Uma pequena mansãozinha... PROTOTIPAGEM RÁPIDA 45

46 Estereolitografia (SLA) Trata-se do primeiro processo de prototipagem rápida, sendo desenvolvido em 1986 pela 3D Systems. SLA = Stereolithography PROTOTIPAGEM RÁPIDA 46

47 Estereolitografia (SLA) O processo baseia-se na polimerização de uma resina fotosensível (acrílica, epóxi ou vinil) composta de monômeros, fotoiniciadores e aditivos, através de um feixe de laser UV (ultra-violeta). Uma vez pronto, o modelo sólido é removido do banho de polímero líquido e lavado. Os suportes são retirados e o modelo é introduzido num forno de radiação ultravioleta para ser submetido a uma cura completa. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 47

48 Estereolitografia (SLA) A estereolitografia utiliza uma resina foto-curável (fotopolímero) que pode ser classificada como um epóxi ou acrílico; Em geral, esse material tem um preço elevado, além de possuir um odor desagradável e ser tóxico; Uma máquina, com câmara de 250 x 250 x 250 mm (o tamanho mais comum), pode custar aproximadamente US$ ,00. Principal fabricante: 3D Systems. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 48

49 Manufatura de Objetos em Lâminas (LOM) Nesta técnica camadas de material, na forma de tiras revestidas de adesivo, são grudadas umas nas outras formando-se o protótipo. LOM = Laminated Object Manufacturing PROTOTIPAGEM RÁPIDA 49

50 Manufatura de Objetos em Lâminas (LOM) O material original consiste de bobinas de papel laminado com cola ativada pelo calor; Um rolo coletor avança a tira de papel sobre a plataforma de construção, onde há uma base feita de papel e fita com espuma nas duas faces; A seguir, um rolo aquecido aplica pressão para fixar o papel à base; Uma fonte de raio laser com alta precisão de foco corta o contorno da primeira camada sobre o papel e então quadricula a área em excesso. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 50

51 Manufatura de Objetos em Lâminas (LOM) O material original consiste de bobinas de papel laminado com cola ativada pelo calor; Esse quadriculado rompe o material extra, tornando fácil sua remoção durante o processamento posterior; Após o corte da primeira camada a plataforma é abaixada, liberando o caminho para que o rolo coletor avance a tira de papel e exponha material novo; Então, a plataforma se eleva até um ponto ligeiramente inferior à altura original, o rolo aquecido liga a segunda camada à primeira e a fonte de raio laser corta a segunda camada. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 51

52 Manufatura de Objetos em Lâminas (LOM) É uma tecnologia muito boa para produzir protótipos de grande porte; O principal material é o papel; Os equipamentos eram fabricados pela Helisys e agora são de propriedade da Cubic Technologies. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 52

53 Sinterização Seletiva a Laser (SLS) Esta técnica, patenteada em 1989, usa um raio de laser para fundir, de forma seletiva, materiais pulverulentos, tais como náilon, elastômeros e metais, num objeto sólido. SLS = Selective Laser Sintering PROTOTIPAGEM RÁPIDA 53

54 Sinterização Seletiva a Laser (SLS) As peças são construídas sobre uma plataforma a qual está imediatamente abaixo da superfície de um recipiente preenchido com o pó fusível por calor; O raio laser traça a primeira camada, sinterizando o material; A plataforma é ligeiramente abaixada, reaplica-se o pó e o raio laser traça a segunda camada; O processo continua até que a peça esteja terminada. O pó em excesso ajuda a dar suporte ao componente durante sua construção. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 54

55 Sinterização Seletiva a Laser (SLS) O acabamento final da peça tem um aspecto poroso; O material empregado é do tipo termoplástico; Os principais fabricantes são a EOS e a 3D Systems. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 55

56 Impressão por Jato de Tinta (MJT) Essa tecnologia, também conhecida como Thermojet, ao contrário das técnicas expostas anteriormente, se refere a uma classe inteira de equipamentos que usam a tecnologia de jato de tinta. MJT = Multi Jet Modeling PROTOTIPAGEM RÁPIDA 56

57 Impressão por Jato de Tinta (MJT) Os protótipos são construídos sobre uma plataforma situada num recipiente preenchido com material pulverulento. Um cabeçote de impressão por jato de tinta "imprime" seletivamente um agente ligante que funde e aglomera o pó nas áreas desejadas. O pó que continua solto permanece na plataforma para dar suporte ao protótipo que vai sendo formado. A plataforma é ligeiramente abaixada, adiciona-se mais material pulverulento e o processo é repetido. Ao se terminar o processo a peça é sinterizada, removendo-se o pó que ficou solto. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 57

58 Impressão por Jato de Tinta (MJT) Podem ser usados pós de materiais poliméricos, cerâmicos e metálicos. Uma máquina, com câmara de 203 x 203 x 305 mm, pode custar aproximadamente US$ ,00. Os principais fabricantes são a 3D Dimension e a Z Corporation. PROTOTIPAGEM RÁPIDA 58

59 Comparação das tecnologias Processo Característica SLA SLS FDM LOM SGC Precisão Excelente Boa Regular Baixa Excelente Contração Boa Excelente Boa Excelente Boa Resistência Boa Excelente Boa Boa Boa Variedade de materiais Pequena Grande Pequena Pequena Pequena Custo protótipo Alto Alto Médio Baixo Alto Necessidade de suporte Sim Não Sim Não Não Qualidade da superfície (acabamento) Necessidade de pósprocessamento Boa Excelente Regular Baixa Boa Sim Sim Sim Sim Sim Necessidade de pós-cura Sim Não Não Não Não PROTOTIPAGEM RÁPIDA 59

60 Como escolher o sistema mais apropriado? A escolha da tecnologia de prototipagem rápida mais adequada está ligada com o tipo de produto, envolvendo fatores como: Qualidade de protótipos necessários; Dimensões do componente; Finalidade do protótipo; Qualidade de acabamento necessária do protótipo. Não existe processo de prototipagem rápida melhor que outro. Todos apresentam vantagens e desvantagens, sendo estas dependentes da geometria e, sobretudo, do tipo da aplicação do protótipo (NETO et al., 2003). PROTOTIPAGEM RÁPIDA 60

61 PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR REMOÇÃO DE MATERIAL PROTOTIPAGEM RÁPIDA 61

62 PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR REMOÇÃO DE MATERIAL PROTOTIPAGEM RÁPIDA 62

63 NOVAS TECNOLOGIAS: Prototipagem rápida com gelo Um pesquisador da Universidade de Missouri está trabalhando para ver se sua idéia para prototipagem rápida pode ser comprovada. O método pretende utilizar água em um ambiente congelante, fazendo com que gotículas transformem-se instantaneamente em gelo. O sistema experimental faz com que gotas d'água sejam depositadas por um finíssimo esguicho sobre uma superfície, da mesma forma que o plástico em outros sistemas. Mas, ao contrário das atuais técnicas, o RFP ocorre em uma câmara fria, congelando imediatamente as gotículas e mantendo perfeita a peça construída. Rapid Freeze Prototyping" - RFP, ou prototipagem por congelamento rápido Fonte: PROTOTIPAGEM RÁPIDA 63

Universidade Federal de Itajubá PROTOTIPAGEM RÁPIDA

Universidade Federal de Itajubá PROTOTIPAGEM RÁPIDA Universidade Federal de Itajubá PROTOTIPAGEM RÁPIDA PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS O QUE É PROTOTIPAGEM RÁPIDA É uma tecnologia inovadora desenvolvida nas últimas duas décadas. Refere-se a uma

Leia mais

Proposta de roteiro de processo de pós-processamento para protótipos rápidos produzidos através de modelagem por deposição de material fundido RESUMO

Proposta de roteiro de processo de pós-processamento para protótipos rápidos produzidos através de modelagem por deposição de material fundido RESUMO RESUMO A prototipagem rápida vem crescendo cada vez mais como uma opção na busca de redução do tempo e dos riscos no processo de desenvolvimento de produtos, pois facilita a comunicação do conceito de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE FABRICAÇÃO D PROTÓTIPOS

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE FABRICAÇÃO D PROTÓTIPOS Faculdade de Tecnologia de Sorocaba DEPARTAMENTO DE PROCESSOS DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE FABRICAÇÃO D PROTÓTIPOS RELATÓRIO FINAL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Aluno: Marcelo Tadeu Tomazela

Leia mais

Volume 01. A impressão 3D. Tecnologias de impressão 3D Formatos Softwares. Volume - 01

Volume 01. A impressão 3D. Tecnologias de impressão 3D Formatos Softwares. Volume - 01 Volume 01 A impressão 3D Tecnologias de impressão 3D Formatos Softwares Volume - 01 O que você irá ler. Iremos aprender aqui de uma forma clara e objetiva as principais tecnologias de impressão 3D, aqui

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer - SCPM Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP email: schuetzer@unimep.br http://www.unimep.br/scpm Fachgebiet Datenverarbeitung in der Konstruktion

Leia mais

3. Como são classificadas as diversas técnicas de prototipagem rápida?

3. Como são classificadas as diversas técnicas de prototipagem rápida? PROTOTIPAGEM RÁPIDA 1. Introdução Fabricação de protótipos em curto espaço de tempo (horas ou dias contra dias ou meses anteriormente necessários) Protótipo: - modelo em escala real de peças ou produtos

Leia mais

OBSERVATÓRIO TECNOLÓGICO IMPRESSÃO 3D

OBSERVATÓRIO TECNOLÓGICO IMPRESSÃO 3D SETEMBRO/2012 OBSERVATÓRIO TECNOLÓGICO IMPRESSÃO 3D Este relatório apresenta o conceito de impressão 3D e os benefícios da sua utilização no processo fabril. Adicionalmente traz um panorama do mercado

Leia mais

Wagner José de Almeida

Wagner José de Almeida UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA OTIMIZAÇÃO ESTRUTURAL DE PROTÓTIPOS FABRICADOS PELA TECNOLOGIA FDM UTILIZANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

Leia mais

IMPRESSAO A 3D: O FUTURO

IMPRESSAO A 3D: O FUTURO IMPRESSAO A 3D: O FUTURO GRANDES AVANÇOS NA HUMANIDADE DO SÉCULO XXI Revolução Técnico- Científico ou da Inteligência. A conjugação no século XXI de: Tecnologias de Comunicação e Internet Microelectrónica

Leia mais

Multiple Perfection 3D Printer

Multiple Perfection 3D Printer Multiple Perfection 3D Printer Resolução de camada de até 25 microns Velocidade de impressão de até 1000mm/s (em modo acelerado) Altura de 700mm, Volume máximo de impressão 41.6l (290X205X700mm) 6 meses

Leia mais

Divinópolis, 09 de junho de 20

Divinópolis, 09 de junho de 20 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-MG CAMPUS V CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL ENGENHARIA MECATRÔNICA 1 PERIODO PROF.: RENATO S. DÂMASO Máquinas de Prototipagem Rápida Grupo 8 André Lucas Costa

Leia mais

Novas Fronteiras da Fabricação: Uma Introdução à Manufatura Aditiva

Novas Fronteiras da Fabricação: Uma Introdução à Manufatura Aditiva Novas Fronteiras da Fabricação: Uma Introdução à Manufatura Aditiva 02-12-2014 POR JOÃO PEDRO BUIARKSEY KOVALCHUK, Eng.Eletricista, UFPR-1998 AGENDA Duração estimada: 1h Considerações Iniciais Um Pouco

Leia mais

Multiple Perfection 3D Printer

Multiple Perfection 3D Printer Multiple Perfection 3D Printer Resolução de camada de até 25 microns Velocidade de impressão de até 1000mm/s (em modo acelerado) Volume de impressão de 15.1ℓ (290X205X255mm) 6 meses de garantia para peças

Leia mais

Prototipagem na odontologia: obtenção e uso

Prototipagem na odontologia: obtenção e uso Prototipagem na odontologia: obtenção e uso Dr. Eduardo Machado de Carvalho Especialista em Prótese Dentária Especialista em Implantodontia Professor da Especialização em Implantes da ABCD Introdução O

Leia mais

DESENHO TÉCNICO AULA 01

DESENHO TÉCNICO AULA 01 DESENHO TÉCNICO AULA 01 INTRODUÇÃO Computação Gráfica A computação gráfica é a área da ciência da computação que estuda a transformação dos dados em imagem. Esta aplicação estende-se à recriação visual

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

Giordano Becker Delevatti DESENVOLVIMENTO DE UMA IMPRESSORA 3D DO TIPO REP RAP

Giordano Becker Delevatti DESENVOLVIMENTO DE UMA IMPRESSORA 3D DO TIPO REP RAP Giordano Becker Delevatti DESENVOLVIMENTO DE UMA IMPRESSORA 3D DO TIPO REP RAP Horizontina 2013 Giordano Becker Delevatti DESENVOLVIMENTO DE UMA IMPRESSORA 3D DO TIPO REP RAP Trabalho Final de Curso apresentado

Leia mais

FERRAMENTAL RÁPIDO UMA NOVA TECNOLOGIA NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

FERRAMENTAL RÁPIDO UMA NOVA TECNOLOGIA NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS FERRAMENTAL RÁPIDO UMA NOVA TECNOLOGIA NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Jean P. Garcia 1, Jonas de Carvalho 2 Escola de Engenharia de São Carlos, Departamento de Engenharia Mecânica (1) jeanpg@bol.com.br,

Leia mais

A PROTOTIPAGEM RÁPIDA NA INDÚSTRIA NACIONAL. F. Jorge Lino* e Rui J. Neto**

A PROTOTIPAGEM RÁPIDA NA INDÚSTRIA NACIONAL. F. Jorge Lino* e Rui J. Neto** A PROTOTIPAGEM RÁPIDA NA INDÚSTRIA NACIONAL F. Jorge Lino* e Rui J. Neto** *DEMEGI Departamento de Engenharia Mecânica da FEUP, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Tl: 225081704 (42), falves@fe.up.pt,

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INDÚSTRIA DE EGINEERING & TOOLING COM POTENCIAL DE APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA DA SAÚDE

TECNOLOGIAS DA INDÚSTRIA DE EGINEERING & TOOLING COM POTENCIAL DE APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA DA SAÚDE DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM NOVOS MERCADOS INDUSTRIAIS Indústria da Saúde ( Projecto DiMARKETS ) TECNOLOGIAS DA INDÚSTRIA DE EGINEERING & TOOLING COM POTENCIAL DE APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA DA SAÚDE OPEN -

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE SUPERFICIAL E DIMENSIONAL EM PEÇAS PRODUZIDAS POR MODELAGEM POR DEPOSIÇÃO DE MATERIAL FUNDIDO (FDM)

ANÁLISE DA QUALIDADE SUPERFICIAL E DIMENSIONAL EM PEÇAS PRODUZIDAS POR MODELAGEM POR DEPOSIÇÃO DE MATERIAL FUNDIDO (FDM) Revista Produção Online v.10, n.3, set. 2010 ISSN: 1676-1901 www.producaoonline.org.br ANÁLISE DA QUALIDADE SUPERFICIAL E DIMENSIONAL EM PEÇAS PRODUZIDAS POR MODELAGEM POR DEPOSIÇÃO DE MATERIAL FUNDIDO

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Rejunta Já! Acrílico Código: RJA001 e RJA101

Ficha Técnica de Produto Rejunta Já! Acrílico Código: RJA001 e RJA101 1. Descrição: O é mais uma solução inovadora, que apresenta praticidade e agilidade para o rejuntamento de pisos, azulejos, pastilhas, porcelanatos em áreas internas, externas, molháveis, molhadas. O principal

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

MANUFATURA ADITIVA: DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA BASEADA NA TECNOLOGIA FDM (MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO)

MANUFATURA ADITIVA: DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA BASEADA NA TECNOLOGIA FDM (MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO) TRABALHO DE GRADUAÇÃO MANUFATURA ADITIVA: DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA BASEADA NA TECNOLOGIA FDM (MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO) Por, Bruno Ribeiro Raulino Brasília, Julho de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA EQUIPAMENTO DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR SINTERIZAÇÃO SELETIVA A LASER (SLS) Dissertação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM CARRO MOVIDO A ENERGIA SOLAR

DESENVOLVIMENTO DE UM CARRO MOVIDO A ENERGIA SOLAR DESENVOLVIMENTO DE UM CARRO MOVIDO A ENERGIA SOLAR Helio Pekelman hel1217@ig.com.br Instituto Presbiteriano Mackenzie, Faculdade de Engenharia, Departamento de Mecânica Rua da Consolação, 930 Consolação

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR IMPRESSÃO 3D COM RESINAS FOTOCURÁVEIS: UMA ANALISE SOBRE AS TECNOLOGIAS DISPONIVEIS NO MERCADO NACIONAL

PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR IMPRESSÃO 3D COM RESINAS FOTOCURÁVEIS: UMA ANALISE SOBRE AS TECNOLOGIAS DISPONIVEIS NO MERCADO NACIONAL PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR IMPRESSÃO 3D COM RESINAS FOTOCURÁVEIS: UMA ANALISE SOBRE AS TECNOLOGIAS DISPONIVEIS NO MERCADO NACIONAL Abstract : Gean V. Salmoria 1, Manoella R. Cardenuto 1, Carlos H. Ahrens

Leia mais

A MAIS RÁPIDA E MAIS ACESSÍVEL IMPRESSORA 3D COLORIDA > > www.seacam.com.br

A MAIS RÁPIDA E MAIS ACESSÍVEL IMPRESSORA 3D COLORIDA > > www.seacam.com.br A MAIS RÁPIDA E MAIS ACESSÍVEL IMPRESSORA 3D COLORIDA > > www.seacam.com.br DESIGN DE PROTÓTIPOS Tamanho: 3.5 x 2 x 0.7 pol. (9 x 5 x 2 cm) Impresso em 30 minutos EDUCACIONAL Tamanho: 8 x 5 x 2.5 pol.

Leia mais

PROTOTIPAGEM RÁPIDA TECNOLOGIAS

PROTOTIPAGEM RÁPIDA TECNOLOGIAS PROTOTIPAGEM RÁPIDA TECNOLOGIAS As tecnologias de prototipagem rápida, ao trazer para o processo de criação, a possibilidade de se ter nas mãos os objetos antes mesmo das ferramentas de produção seriada,

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Técnico de Laboratório/Protótipos e Fabricação

Técnico de Laboratório/Protótipos e Fabricação UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Concurso Público para Provimento de Cargo Técnico-Administrativo em Educação Edital nº 190/2015 Data: 15 de novembro de 2015. Duração: das 9:00

Leia mais

IMPRIMINDO IDÉIAS: VIABILIZAÇÃO DO USO DE IMPRESSORAS PARA MAQUETES ARQUITETÔNICAS

IMPRIMINDO IDÉIAS: VIABILIZAÇÃO DO USO DE IMPRESSORAS PARA MAQUETES ARQUITETÔNICAS IMPRIMINDO IDÉIAS: VIABILIZAÇÃO DO USO DE IMPRESSORAS PARA MAQUETES ARQUITETÔNICAS Gabriela Celani UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas, FEC - Faculdade de Engenharia civil, Arquitetura e Urbanismo,

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA PROCESSO DE ESTEREOLITOGRAFIA (SLA) NO AUXÍLIO DO DESIGN DE VEÍCULOS AUTOMOTIVOS Marcos Paulo da Costa São Caetano do Sul 2012 MARCOS PAULO DA COSTA

Leia mais

ESTUDO PARA O PROJETO DE UM MECANISMO PARA UMA MÁQUINA DE MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO. Manuella Paez

ESTUDO PARA O PROJETO DE UM MECANISMO PARA UMA MÁQUINA DE MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO. Manuella Paez ESTUDO PARA O PROJETO DE UM MECANISMO PARA UMA MÁQUINA DE MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO Manuella Paez Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

A influência dos softwares 3D no Design de Produtos

A influência dos softwares 3D no Design de Produtos The influence of 3D software in product design RUFCA, Sidney; Mestrando; Universidade Anhembi Morumbi sidneyvd@gmail.com Resumo Este artigo tem como proposta discutir de que maneira o uso dos softwares

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ORIENTAÇÃO NO POSICIONAMENTO DO MODELO 3D PROTOTIPADO POR DEPOSIÇÃO DE MATERIAL FUNDIDO - FDM

INFLUÊNCIA DA ORIENTAÇÃO NO POSICIONAMENTO DO MODELO 3D PROTOTIPADO POR DEPOSIÇÃO DE MATERIAL FUNDIDO - FDM INFLUÊNCIA DA ORIENTAÇÃO NO POSICIONAMENTO DO MODELO 3D PROTOTIPADO POR DEPOSIÇÃO DE MATERIAL FUNDIDO - FDM Francisco de Assis Toti, ftoti@fatecsorocaba.edu.br 1 Elvio Franco de Camargo Aranha, elvio@smaflex.com.br

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO: UM ESTUDO DE CASO

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO: UM ESTUDO DE CASO ISSN 1984-9354 A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO: UM ESTUDO DE CASO Graciele Marcela Almeida Macedo (LATEC/UFF) Resumo Este trabalho apresenta

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

Pesquisa, desenvolvimento e difusão de novas tecnologias digitais de manufatura, modelagem e captura de superfícies

Pesquisa, desenvolvimento e difusão de novas tecnologias digitais de manufatura, modelagem e captura de superfícies Pesquisa, desenvolvimento e difusão de novas tecnologias digitais de manufatura, modelagem e captura de superfícies Aluno: Marcus Filipe Ribeiro dos Santos Orientador: Jorge Roberto Lopes dos Santos Introdução

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

MANUFATURA ADITIVA: DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA BASEADA NA TECNOLOGIA FDM (MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO)

MANUFATURA ADITIVA: DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA BASEADA NA TECNOLOGIA FDM (MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO) TRABALHO DE GRADUAÇÃO MANUFATURA ADITIVA: DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA BASEADA NA TECNOLOGIA FDM (MODELAGEM POR FUSÃO E DEPOSIÇÃO) Por, Bruno Ribeiro Raulino Brasília, Julho de

Leia mais

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Versão 1.00 Sumário Geral... 3 Características da Impressora:... 3 Características técnicas:... 3 Suporte do rolo de filamento... 4 Colocando o filamento

Leia mais

ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO

ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÃO...4

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Freddy Baruch 16 Setembro 2015 Page 1 SAUDAÇÃO BOM DIA! Page 2 APRESENTAÇÃO Page 3 APRESENTAÇÃO Quem somos - Apresentação Pessoal Freddy

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser:

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser: proteção facial Proteção Facial Porquê o uso de viseiras? As viseiras são concebidas para proteger os olhos e o rosto. A protecção pode ser conferida através de uma rede metálica de malha fina ou em material

Leia mais

Motivação. Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear. Plásticos. Objetivo. Plásticos. Plásticos

Motivação. Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear. Plásticos. Objetivo. Plásticos. Plásticos Motivação Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear Por que autopeças? Por que plástico? Por que um processo de transformação de plástico? Por que solda por vibração linear? Alejandro

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Pedro de Oliveira Conceição Junior Prof. Dani Marcelo Nonato Marques Tecnologia em Mecatrônica Industrial Faculdade de Tecnologia

Leia mais

A CIDADE EM MINIATURA: O USO DE TÉCNICAS DE PROTOTIPAGEM DIGITAL PARA A CONFECCÇÃO DE MAQUETES URBANAS

A CIDADE EM MINIATURA: O USO DE TÉCNICAS DE PROTOTIPAGEM DIGITAL PARA A CONFECCÇÃO DE MAQUETES URBANAS A CIDADE EM MINIATURA: O USO DE TÉCNICAS DE PROTOTIPAGEM DIGITAL PARA A CONFECCÇÃO DE MAQUETES URBANAS Juliana matsubara UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

UMA OTIMIZAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE PREENCHIMENTO DO PROCESSO FDM

UMA OTIMIZAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE PREENCHIMENTO DO PROCESSO FDM UMA OTIMIZAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE PREENCHIMENTO DO PROCESSO FDM Neri Volpato Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Departamento Acadêmico de Mecânica (DAMEC), Núcleo de Prototipagem e Ferramental

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio

3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio 35 3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio Neste capítulo é apresentado um estudo de caso em um processo de laminação a frio que produz chapas para a confecção de latas de bebidas. Trata-se de

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento e sobreposição de pisos, azulejos e pastilhas. O principal

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM/POLI/UFRJ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM/POLI/UFRJ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM/POLI/UFRJ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA "TENDÊNCIAS TECNOLÓGICAS EM PROTOTIPAGEM RÁPIDA E MANUFATURA ADITIVA" ALLAN

Leia mais

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE EcoCWave da Dürr Ecoclean: Qualidade superior, eficiência de custos e confiabilidade de processo na lavagem à base de água Filderstadt/Germany, junho 2014 com sua EcoCWave,

Leia mais

TINTAS EM PÓ 12/09/2012 HISTÓRICO RESUMIDO. No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA

TINTAS EM PÓ 12/09/2012 HISTÓRICO RESUMIDO. No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA TINTAS EM PÓ V.A.B HISTÓRICO RESUMIDO No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA Entre 1960 e 1964, Houve desenvolvimento e introdução dos métodos de EXTRUSÂO,

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO FORMATO EVENTO SINOPSE PÚBLICO CARGA- HORÁRIA PREÇO SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 80,00 SENAI - AUTOMOTIVO - MECÂNICO DE TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA 120

Leia mais

Manual de Reservatório de PRFV Vetro

Manual de Reservatório de PRFV Vetro Índice: 1. Introdução...2 2. Características dos reservatórios Vetro...2 a) Liner...2 b) Estrutura...2 c) Flanges...2 d) Etiqueta...2 3. Modelos de reservatórios...3 4. Testes de Qualidade...4 5. Recomendações

Leia mais

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas.

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. SOMA DE VALORES A JR Tecnologia em Superfícies (nome fantasia) iniciou suas atividades em 1991 com o nome JR Gonçalves

Leia mais

12:00 Lunch 13:00 Agregando valor através da escolha correta Thomas Linkenheil, Trelleborg

12:00 Lunch 13:00 Agregando valor através da escolha correta Thomas Linkenheil, Trelleborg 0 Agenda 8:30 Registration Coffee 9:00 Value Added Packaging Rainer Kuhn, PrintCity 9:30 Desafios na Indústria de embalagem de Dr. Bernhard Fritz, SunChemical papelão 10:10 Agregando Valor através de tecnologias

Leia mais

INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS

INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS Fundada em 1970, a 3RHO Interruptores Automotivos tem como principal objetivo, atender o mercado de reposição (Aftermarket), oferecendo aos seus clientes produtos com

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone + H 2 O Ivone Umidade (%) Colagem 100 Líquido Plástico Semi-Sólido Índice de Plasticidade - IP Limite de Liquidez - LL Limite de Plasticidade - LP COLAGEM EXTRUSÃO Sólido Limite de Contração - LC PRENSAGEM

Leia mais

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA Alexandre B. Travassos 1 ; Jorge V. L. da Silva 1 ; Mônica N. Pigozzo 2 1 - Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer -

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

>Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior

>Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior 3. Cabos de Fibra Óptica >Objectivo Este módulo tem como objectivo, a introdução às questões relacionadas como desenho de cabos de fibras ópticas, com o sua aplicação em ambientes diversos e com o estudo

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Gravação com laser da Trotec

Gravação com laser da Trotec Manual para Gravação com laser da Trotec www.troteclaser.com Dicas e truques para gravação a laser Índice 3 Introdução 3 Quais as aplicações da máquina a laser? 4 Fontes de laser e suas opções 4 Lasers

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

FOR A 3D W ORLD TM. O poder da prototipagem. Maximizado.

FOR A 3D W ORLD TM. O poder da prototipagem. Maximizado. FOR A 3D W ORLD TM O poder da prototipagem. Maximizado. Design Series Sobre nossas tecnologias As impressoras 3D baseadas na tecnologia PolyJet jateiam materiais fotopoliméricos de última geração em camadas

Leia mais

ANÁLISE DE MERCADO SOBRE TECNOLOGIAS DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR ADIÇÃO DE MATERIAL

ANÁLISE DE MERCADO SOBRE TECNOLOGIAS DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR ADIÇÃO DE MATERIAL Gramado RS De 30 de setembro a 2 de outubro de 2014 ANÁLISE DE MERCADO SOBRE TECNOLOGIAS DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA POR ADIÇÃO DE MATERIAL Marcelo Pinto Pradella Centro Universitário Ritter dos Reis marcelo_pradella@

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Lingotamento Ato ou efeito de transformar em lingotes. (Aurelio) Lingote Barra de metal fundido, Tira metálica. (Aurelio) Lingotamento Convencional:

Leia mais

A PROTOTIPAGEM RÁPIDA NA MODELAÇÃO DE PATOLOGIAS

A PROTOTIPAGEM RÁPIDA NA MODELAÇÃO DE PATOLOGIAS A PROTOTIPAGEM RÁPIDA NA MODELAÇÃO DE PATOLOGIAS Luís Queijo 1, João Rocha 2, Paulo Miguel Pereira 3, Luísa Barreira 4, Manuel San Juan 5, Tiago Barbosa 6 1- Departamento de Tecnologia Mecânica, Escola

Leia mais

Componentes para telhas Brasilit

Componentes para telhas Brasilit Componentes para telhas Brasilit Selamax Selante Selante elástico para elástico colagem para e vedação colagem e vedação SolarMaxxi Manta impermeável, térmica e acústica LitFoil e LitFoil Plus Mantas térmicas

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

MANUAL PARA MANUSEIO BÁSICO DA VERSÃO TESTE do ClonerPrint3D V3.0

MANUAL PARA MANUSEIO BÁSICO DA VERSÃO TESTE do ClonerPrint3D V3.0 MANUAL PARA MANUSEIO BÁSICO DA VERSÃO TESTE do ClonerPrint3D V3.0 1 Visualização 3D: Editor de arquivos STL. 2 Fatiar: Fatia o STL, transformando-o em GCODE. 3 Editor G-Code: Editor de arquivos GCODE.

Leia mais

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS

Leia mais

CUSTO DE MODELOS OBTIDOS NA IMPRESSORA TRIDIMENSIONAL STRATASYS DIMENSION

CUSTO DE MODELOS OBTIDOS NA IMPRESSORA TRIDIMENSIONAL STRATASYS DIMENSION FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ANTÔNIO ADOLPHO LOBBE HAMANDA APARECIDA DA SILVA PERIN CUSTO DE MODELOS OBTIDOS NA IMPRESSORA TRIDIMENSIONAL STRATASYS DIMENSION SÃO CARLOS 2014 HAMANDA APARECIDA DA SILVA

Leia mais

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA Adesivo acrílico em emulsão aquosa PROPRIEDADES DA ARGAMASSA Excelente plasticidade Boa impermeabilidade Minimiza retração após secagem A mistura permanece homogênea,

Leia mais

REVESTIMENTO AUTONIVELANTE PARA REGULARIZAÇÃO DE PISOS ANTES DE ASSENTAMENTO DE CERÂMICA, PEDRAS, ETC.

REVESTIMENTO AUTONIVELANTE PARA REGULARIZAÇÃO DE PISOS ANTES DE ASSENTAMENTO DE CERÂMICA, PEDRAS, ETC. REVESTIMENTO AUTONIVELANTE PARA REGULARIZAÇÃO DE PISOS ANTES DE ASSENTAMENTO DE CERÂMICA, PEDRAS, ETC. DESCRIÇÃO O Premium Self-Leveling é um contrapiso cimentício, autonivelante, monocomponente, fluído,

Leia mais

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 agosto, 1998 Número 11/98 CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS Luiz F. de Matteo Ferraz Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional

Leia mais