QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO?"

Transcrição

1 / / Por: Renata Costa QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO? WikimediaCommons/Guanandi Flores da árvore Pau-brasil. Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), há diferentes estados de conservação para considerar uma espécie ameaçada de extinção: vulnerável, rara e em perigo. Árvores como pau-brasil, jequitibá, sapucaia, mogno, jatobá, jacarandá, imbuia, araucária, entre outros, estão nessa lista, dentro de uma das três classificações. A primeira iniciativa para quem quer contribuir na preservação dessas espécies é não comprar móveis feitos de madeira extraída dessas árvores. Nas lojas, é preciso pedir a certificação da madeira para o vendedor. Ele é obrigado a fornecer. Se não tiver, não compre, pois não é possível saber a origem, que provavelmente é de desmatamento, explica a bióloga Sabrina Pulido Carmona, do Parque Escola Santo André, na região do ABC de São Paulo. Quem tiver espaço no quintal de casa ou uma área na escola pode, sim, plantar uma árvore. A maioria das prefeituras tem condições de fornecer uma muda. Só

2 é preciso ter paciência, pois essa planta jovem, apesar de já alcançar até uns três metros de altura, tem o tronco fino e demora de oito a dez anos para se desenvolver, diz a especialista. É importante se informar sobre a melhor árvore a plantar em casa ou na calçada, não só por conta da fiação de rua, como também porque as espécies exóticas ao local podem ser prejudiciais. Uma espécie que não seja local interfere em todo o ecossistema, no solo e na alimentação dos animais, por isso é melhor evitar esse tipo de plantio, afirma Sabrina. Todos os anos, no dia 21 de setembro, quando se comemora o Dia da Árvore, acontecem ações em todo o país para promover o plantio. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente lançou a Campanha 7 bilhões de árvores, iniciativa mundial para que pessoas, iniciativa privada, governos e organizações não governamentais (ONGs) plantem árvores e forneçam os dados a fim de que a contagem seja feita. Há também, ONGs que aceitam doações em dinheiro para plantio, bem como sites, que, de acordo com o número de cliques dos visitantes, recebem verba de empresas. Disponível em: <http://revistaescola.abril.com.br/ciencias/fundamentos/quais-arvores-brasileiras-estao-extincao-diada-arvore shtml> Acesso em 26 fev. 2013>.INSERIR DATA DE ACESSO Lista de espécies da flora ameaçadas de extinção Através da Portaria nº 37-N, de 3 de abril de 1992, o IBAMA tornou pública a lista oficial de espécies da flora brasileira ameaçada de extinção. A grande degradação da biodiversidade e dos ecossistemas é uma preocupação global, pois causa uma série de problemas ambientais, entre eles a perda de funções ambientais e de inúmeras espécies de grande importância econômica, estética, científica, genética e ecológica. Família Nome científico Nome vulgar categoria Palmae Acanthococosemensis toledo Rara Bromeliaceae Aechmeaapocalyptica reitz Rara Bromeliaceae Aechmeablumenavii reitz gravatá, monjola, Rara Bromeliaceae Aechmeakleinii reitz gravatá, monjola, Rara Bromeliaceae Aechmeapimenti-velosii reitz gravatá, monjola, rara 2

3 Lauraceae Anibaroseodora ducke pau-de-rosa Araucariaceae Araucaria angustifolia (Bertol) O. pinheiro-do-paraná Kuntese Compositae Aspiliagrasielae santos Indeterminada Compositae Aspiliaparaensis (Huber) santos Rara Compositae Aspiliapohlii backer Indeterminada Compositae Aspiliaprocumbens backer Rara Anacardiaceae Astroniumfraxinifolium schott gonçalo-alves Anacardiaceae Astroniumurundeuva (Fr.All.) engl aroeira-do-sertão, aroeira-legítima Leguminosae Bauhiniasmilacina (Schott) cipó-escada-demacaco steudel Lecythidaceae Bertholletia excelsa HBK castanheira, castanheira-do-brasil Bromeliaceae Billbergiaalfonsi-joannis reitz poço-de-jacó, gravatá,.monjola,. Leguminosae Bowdickianitida spruceex benth sucupira, sucupirada-mata, sucupira- verdadeira Moraceae Brosimumglaucum taubert Rara Moraceae Brosimumglazioui taubert marmelinho Rara Sapotaceae Bumeliaobtusifolia roem et Schult. quixabeira var. excelsa (DC) Mig Leguminosae Caesalpinia echinata lam pau-brasil, paupernambuco, ibirapitanga Lecythidaceae Carinianaianeirensis kunth jequitibá Rara Orchidaceae Cattleyaschilleriana reichback Zingiberaceae Costus cuspidatus (Nees et Rara Martins). Maas Zingiberaceae Costusfragilis maas Rara Zingiberaceae Costusfusiformis maas Rara Chrysobalanaceae Coupeiaschottii fritsch oiti-boi Leguminosae Dalbergianigra (Vell.) Fr. all jacarandá-da-bahia Dicksoniaceae Dicksoniasellowiana (Presl) hook samambaiaçu-imperial Lauraceae Dicypelliumcaryophyllatum nees cravo-do-maranhão, pau-cravo, cascapreciosa 3

4 Asclepiadaceae Ditassa arianeae Font. et schw Asclepiadaceae Ditassa maricaensis Font. et schw Moraceae Dorsteniaarifolioa lam caapiá, caiapiá, capahomem, carapiá, contra-erva, figueiraterrestre Moraceae Dorsteniacayapia vell caapiá, caiapiá, Em Perigo caiapiá-verdadeiro Moraceae Dorsteniaelata hook caiapiá-grande Rara Moraceae Dorsteniaficus vell contra-erva, figueiraterrestre Rara Moraceae Dorsteniafischeri bureau caiapiá Moraceae Dorstenia ramosa (Desv.) car. et caiapiá-grande, capahomem, al contra-erva, figueira-da-terra Moraceae Dorsteniatenuis bompl. exbur violeta-da-montanha, violeta-montes Bromeliaceae Dyckiacabrerae smith et reitz gravatá, Bromeliaceae Dyckiadistachya hassler gravatá, Bromeliaceae Dyckiahatschbachii L.B. smith gravatá, Bromeliaceae Dyckiaibiramansis reitz gravatá, Rutaceae Euxylophora paraensis huber pau-amarelo, paucetim Bromeliaceae Fernseeaitatiae (Wawra) baker Rara Asclepiadaceae Gonolobus dorothyanus Font. et Schw. Musaceae Heliconiaangusta vell bico-de-guará Musaceae Heliconia citrina L. et Em. santos Musaceae Heliconia farinosa raddi Musaceae Heliconiafluminensis L. Em. et em Santos Musaceae Heliconialacletteana L. Em. et em Santos Musaceae Heliconiasampaioana L. Em Balanophoraceae Helosiscayannensis (Swartz) sangue-de-dragão Sprengel var. cayennensis Chrysobalanaceae Hirtella insignis briquet et prance Chrysobalanaceae Hirtellaparviunguis prance Chrysobalanaceae Hirtellasamtosii prance Convolvulaceae Ipomoeacarajaensis D. austin 4

5 Convolvulaceae Ipomoeacavalcantei D. austin Theophrastaceae Jacquinia brasiliensis mez barbasco, pimenteira, tingui Orchidaceae Laeliafidelensis Pabst lelia-de-são-fideli Indeterminada Orchidaceae Laelia grandis Lindl. et Paxt lelia-da-bahia Orchidaceae Laeliajongheana reinchbach Orchidaceae Laelialobata (Lindl.) veitch lelia-da-gávea Orchidaceae Laeliaperrinii (Lindl.) paxt lelia-de-perrin Orchidaceae Laelia tenebrosa rolfe lelia-escura Orchidaceae Laeliavirens lindl lelia-verde Rara Orchidaceae Laeliaxanthina lindl lelia-amarela Melastomataceae Lavoisieraitambana DC Rara Chrysobalanaceae Licaniaaracaensis prance Rara Chrysobalanaceae Licaniabellingtonii prance Chrysobalanaceae Licaniaindurata pilger milho-cozido Compositae Lomatozonaartemisaefolia Baker Rara Compositae Lychnophoraericoides Mart arnica, candeia Leguminosae Melanoxylonbraunia Schott brauma-preta Monimiaceae MollinediagilgianaPerkins Rara Monimiaceae Mollinedia glabra Perkins Monimiaceae MollinedialongicuspidataPerkins Rara Monimiaceae MollinediastenophyllaPerkins Laureceae OcoteabasicordatifoliaVattimo Rara Laureceae OcoteacatharinensisMez canela-preta Laureceae Ocoteacymbarum H.B.K. óleo-de-nhamuí, inhamuhy, louro-deinhamuhy, sassafráz Laureceae OcotealangsdorffiiMez canelinha Laureceae Ocotea porosa (Nees) Barroso imbuia Laureceae OcoteapretiosaMez. canela-sassafráz Chrysobalanaceae Parinari brasiliensis (Schott) Hook Malvaceae Pavoniaalmifolia St. Hil. guêta Euphorbiaceae PhyllantusgladiatusMuell. Arg dracena-da-praia Em Perigo Rutaceae Pilocarpus jaborandi Holmes jaborandi, jaborandide-pernambuco, Em Perigo arruda-do-mato, jaborandi-branco Rutaceae PilocarpusmicrophyllusStapf ex Wardl jaborandi-legítimo, jaborandi-domaranhão 5

6 Rutaceae Pilocarpustrachylophys Holmes jaborandi-do-ceará, arruda-do-mato Leguminosae PithecellobiumrecemosumDucke. angelim-rajado, ingarana Sapotaceae Pouteria psammophila var. xestophylla (Miq. et Eichl.) Baehni Gentianaceae Prepusahookeriana Gardner cravina-do-campo Anacardiaceae Schinopsis brasiliensis var. glabra brauna, baraúna Engl Simaroubaceae Simaroubafloribunda St. Hil Simaroubaceae Simaroubasuaveolensis St. Hill Leguminosae Swartziaglazioviana (Taubert) Glaziou Meliaceae Swieteniamacrophylla King mogno, águano, araputangá, caoba, cedroaraná Leguminosae Torresea acreana Ducke cerejeira, cumaru-decheiro, imburana-de- cheiro Myristicaceae Virola surinamensiswarb ucuuba, ucuubacheirosa, ucuuba- branca Leguminosae Vouacapoua americana Aubl acapu Bromeliaceae VrieseabiguassuensisReitz gravatá, monjolinha, Indeterminada Bromeliaceae VrieseabrusquensisReitz gravatá, monjola, Rara Bromeliaceae VrieseamulleriMez gravatá Rara Bromeliaceae VrieseapinottiiReitz gravatá, monjola, Bromeliaceae VrieseatriangularisReitz gravatá, monjolinha, Indeterminada IBAMA Disponível em: <http://www.arvoresbrasil.com.br/?pg=arvore_ameacadas>. Acesso em: 26 fev

Legislação Ambiental - FLORA. Legislação Relativa à FLORA

Legislação Ambiental - FLORA. Legislação Relativa à FLORA Legislação Relativa à FLORA 1 SUMÁRIO - Introdução... 04 - Informações Gerais sobre Procedimentos para Registros... 05 - Portaria nº 439-p de 09/08/89... 07 -Portaria nº 28-n, de 09/07/91... 10 -Portaria

Leia mais

Lista Oficial da Flora Ameaçada de Extinção

Lista Oficial da Flora Ameaçada de Extinção Portaria IBAMA Nº 06-N, de 15 de janeiro de 1992 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Página 1 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA N 006/92-N, DE 15 DE JANEIRO DE 1992 Estabelece Lista Oficial de Espécies da Flora Brasileira ameaçadas de Extinção

Leia mais

Art. 3o. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Art. 3o. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. 1 de 6 14/04/2014 12:24 clique aqui para imprimir Portaria Nº 037 03/04/1992 PORTARIA IBAMA Nº 37-N, de 3 de abril de 1992 Reconhece como Lista Oficial de Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº 37-N, DE 03 DE ABRIU DE 1992 A Presidência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Plantas do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção cultivadas no Jardim Botânico de São Paulo

Plantas do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção cultivadas no Jardim Botânico de São Paulo Plantas do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção cultivadas no Jardim Botânico de São Paulo Trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Pesquisa em Educação para Conservação Fonte: INSTITUTO DE BOTÂNICA/SECRETARIA

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS Maria E. M. Queiroga1 ; Lucas A. Levek2; Nathalie A. F. Luvison3; Marcelo Diel4; Alan Schreiner Padilha5 INTRODUÇÃO A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

2 DADOS GEOFÍSICOS. 2.1 Área e Limites

2 DADOS GEOFÍSICOS. 2.1 Área e Limites 2 DADOS GEOFÍSICOS 2.1 Área e Limites Com uma área territorial de 15.173 hectares, está entre as áreas mais extensas da cidade do Rio de Janeiro, perdendo apenas para a Barra da Tijuca (17.567 ha), Campo

Leia mais

TERÇA-FEIRA16.4.2013 OGLOBO AMANHÃ 12

TERÇA-FEIRA16.4.2013 OGLOBO AMANHÃ 12 OGLOBO AMANHÃ 12 AS DUAS VIDAS DAS ÁRVORES De vilões da destruição das florestas no passado a símbolos contemporâneos de reciclagem e permanência, antigos móveis de madeira nobre contam a história das

Leia mais

PROGRAMA DE GERMOPLASMA FLORESTAL DA UHE TUCURUÍ: CONTRIBUIÇÃO PARA RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA AMAZÔNIA

PROGRAMA DE GERMOPLASMA FLORESTAL DA UHE TUCURUÍ: CONTRIBUIÇÃO PARA RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA AMAZÔNIA COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T99 A18 PROGRAMA DE GERMOPLASMA FLORESTAL DA UHE TUCURUÍ: CONTRIBUIÇÃO PARA RECUPERAÇÃO E

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita,

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita, INGÁ-QUATRO-QUINAS Nome científico: Inga vera Willd. Nome popular: ingá-quatro-quinas Família: Leguminosae-Mimosoideae Classificação: espécie pioneira Porte arbóreo: (5-10 m) Zona de ocorrência natural:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL DANIELE REIS ARCHER ESPÉCIES ARBÓREAS DA MATA ATLÂNTICA PRESENTES NAS LISTAS DA FLORA BRASILEIRA

Leia mais

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de árvores presentes nas trilhas no Parque do Zizo. Janeiro

Leia mais

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ Fundação para Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde - FIOTEC Restauração Ecológica no Campus

Leia mais

Índice de Diversidade Filogenética e Distribuição da Diversidade da Flora na Amazônia com base nos dados do RADAMBrasil

Índice de Diversidade Filogenética e Distribuição da Diversidade da Flora na Amazônia com base nos dados do RADAMBrasil Índice de Diversidade Filogenética e Distribuição da Diversidade da Flora na Amazônia com base nos dados do RADAMBrasil Cristina Bestetti Costa, Silvana Amaral e Dalton Valeriano Diversidade da Flora da

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Salvador/BA 25 a 28/11/2013 GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Augusto Cesar de Arruda *,

Leia mais

Banco de dados geográficos no gerenciamento de matrizes florestais na Floresta Nacional do Jamari (RO)

Banco de dados geográficos no gerenciamento de matrizes florestais na Floresta Nacional do Jamari (RO) Banco de dados geográficos no gerenciamento de matrizes florestais na Floresta Nacional do Jamari (RO) Abimael Ribeiro de Souza 1 Fabiana Barbosa Gomes 1 Alexis de Sousa Bastos 1 1 Centro de Estudos da

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE ESPÉCIES NATIVAS E EXÓTICAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE, CAMPUS DE CAJAZEIRAS, PARAÍBA, BRASIL

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE ESPÉCIES NATIVAS E EXÓTICAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE, CAMPUS DE CAJAZEIRAS, PARAÍBA, BRASIL LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE ESPÉCIES NATIVAS E EXÓTICAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE, CAMPUS DE CAJAZEIRAS, PARAÍBA, BRASIL Mayara dos Santos Pereira 1, Francisca Carla Eugênio da Silva 1,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE: ESPÉCIES DA FLORA DE MATO GROSSO*

CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE: ESPÉCIES DA FLORA DE MATO GROSSO* Acta bat. bras. 9(2): 1995 281 CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE: ESPÉCIES DA FLORA DE MATO GROSSO* Recebido em 24.02.94. Aceito em 20.10.95. Eliani Fachim I Vera Lucia M.S. Guarim 2 RESUMO: O Brasil possui

Leia mais

Florestas do Brasil em resumo FLORESTAS DO BRASIL. em resumo. Ministério do Meio Ambiente

Florestas do Brasil em resumo FLORESTAS DO BRASIL. em resumo. Ministério do Meio Ambiente Florestas do Brasil em resumo 2013 FLORESTAS DO BRASIL em resumo 2013 Ministério do Meio Ambiente 1 Presidente da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Miguel Elias Temer Lulia

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Tab. 2-47 Bancos de germoplasma (BaG) que compõem o sistema brasileiro de conservação de germoplasma vegetal ex situ*.

Tab. 2-47 Bancos de germoplasma (BaG) que compõem o sistema brasileiro de conservação de germoplasma vegetal ex situ*. Primeiro Relatório Nacional para a Convenção sobre Diversidade Biológica - BRASIL Tab. 2-47 Bancos de germoplasma (BaG) que compõem o sistema brasileiro de conservação de germoplasma vegetal ex situ*.

Leia mais

Bianca Nosol JARDINS BOTÂNICOS E SUA IMPORTÂNCIA NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Bianca Nosol JARDINS BOTÂNICOS E SUA IMPORTÂNCIA NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE CAPA VERSO DA CAPA Bianca Nosol JARDINS BOTÂNICOS E SUA IMPORTÂNCIA NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Trabalho apresentado ao Curso de Graduação em Ciências Biológicas da Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Jaguatirica [Leopardus pardalis] Ganso Coscoroba [Coscoroba coscoroba] Harpia [Harpia harpyja] Onça Pintada [Panthera onca] Onça Parda [Puma concolor] Fotos:

Leia mais

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE Letícia Mônica Garcia 1 ; Lindce Ariani Herrera 1 ; Danilo Spessato de Souza

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

CAPÍTULO 4 EXPERIMENTO E DADOS

CAPÍTULO 4 EXPERIMENTO E DADOS CAPÍTULO 4 EXPERIMENTO E DADOS 4.1 CLIMATOLOGIA DA REGIÃO AMAZÔNICA O clima da região amazônica é uma combinação de vários fatores, sendo a disponibilidade de energia solar o mais importante para os processos

Leia mais

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro.

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Eritrina-candelabro (Erythrina speciosa Andrews) Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Característica de floresta

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO 11

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO 11 Rubrica: RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO RELATÓRIO CAMPO FITOSSOCIOLOGIA CAMPANHAS I e CRESCENTE F É R T I L MEIO AMBIENTE C U L T U

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Vista do corte raso da vegetação sob a rede anterior ao Projeto. Unidade de Conservação e formação dos corredores vegetados após implantação do Projeto. Área

Leia mais

enxertia de araucária para produção de pinhão

enxertia de araucária para produção de pinhão enxertia de araucária para produção de pinhão A Araucaria angustifolia, espécie quase exclusiva do Brasil, está ameaçada de extinção, restando apenas 2 a 3% de sua área original. Neste sentido, é fundamental

Leia mais

A Proposta: www.negocios.org.br. Experimentar e demonstrar maneiras de promover negócios sustentáveis na Amazônia Brasileira.

A Proposta: www.negocios.org.br. Experimentar e demonstrar maneiras de promover negócios sustentáveis na Amazônia Brasileira. A Proposta: www.negocios.org.br Experimentar e demonstrar maneiras de promover negócios sustentáveis na Amazônia Brasileira. Missão Reduzir a pressão negativa sobre a floresta por meio de negócios com

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM LAVRAS 2014 INTRODUÇÃO: Grande parcela da população mundial vive atualmente em cidades. De acordo com dados

Leia mais

Fitogeografia do Brasil

Fitogeografia do Brasil Prof. Me. Fernando Belan Fitogeografia do Brasil BIOLOGIA MAIS Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecem-se muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL

FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL ARBOREAL PHYTOSOCIOLOGY OF MODULE IV IN AMAPÁ STATE FOREST, BRAZIL FITOSOCIOLOGÍA ARBÓREA DEL MÓDULO IV DE LA FORESTA DEL ESTADO

Leia mais

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi Cerrado em foco Ecossistema Pequi O Ecossistema é o conjunto formado por dois grandes grupos, os seres que tem vida e os que não tem. Tudo o que tem vida, é chamado de ser biótico. São as plantas, os animais,

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais COMUNICAÇÃO TÉCNICA 170786 Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais Caroline Almeida Souza Maria Lucia Solera Trabalho apresentado no Workshop

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO DDS - DIALOGO DIARIO DE SEGURANÇA. PRESERVAÇÃO DA FLORA DURANTE A LIMPEZA DA FAIXA DE SERVIDÃO

BOLETIM TÉCNICO DDS - DIALOGO DIARIO DE SEGURANÇA. PRESERVAÇÃO DA FLORA DURANTE A LIMPEZA DA FAIXA DE SERVIDÃO DDS - DIALOGO DIARIO DE SEGURANÇA. PRESERVAÇÃO DA FLORA DURANTE A LIMPEZA DA FAIXA DE SERVIDÃO Uma das preocupações contidas nos estudos ambientais, que tratam da construção ou manutenção de uma linha

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Projeto Espaço de Praticas Sustentáveis

Projeto Espaço de Praticas Sustentáveis Projeto Espaço de Praticas Sustentáveis A Brindes Caiçara junto com os seus idealizadores criarão o Espaço de Praticas Sustentáveis. Objetivo deste espaço é nos unirmos com empresas que tenha visão socioambientais

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Print do aplicativo em uso em aparelho Smartphone Print do aplicativo representando os dados inseridos, neste caso, as coordenadas geográficas. Uso do aplicativo

Leia mais

Mata Amazônica Atlântica

Mata Amazônica Atlântica Mata Amazônica Atlântica Mata Amazônica Atlântica REALIZAÇÃO Instituto Peabiru e Museu Paraense Emílio Goeldi ORGANIZAÇÃO Richardson Frazão COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Richardson Frazão PESQUISADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO Relatório de atividades de estágio apresentado ao Instituto Oikos de Agroecologia BRUNO NATALI DE ALMEIDA Graduando em Biologia - FATEA (brunonatali1987@hotmail.com)

Leia mais

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação Rede Amazônia Sustentável Pesquisas sobre vegetação > Quem somos A Rede Amazônia Sustentável (RAS) é formada por mais de 30 instituições de pesquisa e universidades que, em parceria com a sociedade civil,

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

CONHECER PARA PROTEGER

CONHECER PARA PROTEGER CONHECER PARA PROTEGER Flora Arbórea Trajano de Morais, RJ Microbacia Caixa D água Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Agricultura, Pecuária,Pesca e Abastecimento

Leia mais

Sistemas agroflorestais agroecológicos em Rondônia- espécies, idade dos plantios e origem dos agricultores

Sistemas agroflorestais agroecológicos em Rondônia- espécies, idade dos plantios e origem dos agricultores 14753 - Sistemas agroflorestais agroecológicos em Rondônia- espécies, idade dos plantios e origem dos agricultores Agroecological agroforestry systems in Rondônia species, planting age and farmer s origin

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Recuperação do HF Geraldo Russi Capacitação para manejo de espécies exóticas Retirada de reflorestamento do PE do Monge controle de gramineas invasoras

Leia mais

e a conservação dos remanescentes florestais 1 As paisagens dos ervais no Planalto Norte Catarinense

e a conservação dos remanescentes florestais 1 As paisagens dos ervais no Planalto Norte Catarinense Agricultor familiar e seu erval em meio à mata nativa Fotos: Anésio da Cunha Marques As paisagens dos ervais no Planalto Norte Catarinense e a conservação dos remanescentes florestais 1 Anésio da Cunha

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP. PROJETO DE LEI N o 2.593, DE 2011

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP. PROJETO DE LEI N o 2.593, DE 2011 PROJETO DE LEI N o 2.593, DE 2011 Altera a delimitação da Reserva Particular do Patrimônio Natural Emílio Einsfeld Filho em Santa Catarina e dá outras providências. Autor: Deputado Onofre Santo Agostini

Leia mais

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação 14º Congresso Brasileiro de Mineração Belo Horizonte, 26-29 setembro de 2011 Maria

Leia mais

CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ

CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ Antônio Cordeiro de Santana 1 Este capítulo apresenta uma metodologia para determinar os preços da madeira em pé, de

Leia mais

ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP

ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP i) Impactos das alterações humanas sobre o funcionamento

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN.

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br);

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Palavras-chaves: Arborização urbana, Inventário, Índices, Árvores

Palavras-chaves: Arborização urbana, Inventário, Índices, Árvores INVENTÁRIO DA ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS EM PONTA GROSSA-PARANÁ (BRASIL) Silvia Méri Carvalho (Professor Adjunto Departamento de Geociências/Programa de Pós-Graduação em Geografia- Universidade Estadual

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

V. Na Segunda Etapa (itens e, f e g do cronograma) são enviados e julgados os produtos em escala real, resultando nos contemplados do Salão Design;

V. Na Segunda Etapa (itens e, f e g do cronograma) são enviados e julgados os produtos em escala real, resultando nos contemplados do Salão Design; REGULAMENTO DO PRÊMIO SALÃO DESIGN 2016 Art. 1º - CARACTERIZAÇÃO I. O prêmio Salão Design é uma premiação de Design de Produto promovida pelo SINDMÓVEIS - Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Ciências Biológicas IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Autor(a): RICARDO DA SILVA RIBEIRO¹ Coautores(as): LUCIRENE RODRIGUES, ANDERSON ALEX SANDRO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 2, n. 2, p. 33-60, mai-ago. 2007

Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 2, n. 2, p. 33-60, mai-ago. 2007 Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 2, n. 2, p. 33-60, mai-ago. 2007 Florística e fitossociologia de um trecho de um hectare de floresta de terra firme, em Caracaraí, Roraima, Brasil

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores INTRODUÇÃO Um código de conduta voluntário é um conjunto de regras e recomendações que visa orientar seus signatários sobre práticas éticas

Leia mais

CONTRmUIçÁo PARA O CONHECIMENTO ECODENDROMÉTRICO DE MATAS RIPÁRIAS DA REGIÃO CENTRO-OESTE BRASILEIRA

CONTRmUIçÁo PARA O CONHECIMENTO ECODENDROMÉTRICO DE MATAS RIPÁRIAS DA REGIÃO CENTRO-OESTE BRASILEIRA Acta boto bras. 3(2): 1989 33 CONTRmUIçÁo PARA O CONHECIMENTO ECODENDROMÉTRICO DE MATAS RIPÁRIAS DA REGIÃO CENTRO-OESTE BRASILEIRA Recebido em 21-8-88. Aceito em 10-8-89. Ezechias Paulo Heringer 1 José

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

Arborização urbana em um bairro popular de Amparo/SP

Arborização urbana em um bairro popular de Amparo/SP Resumo: Realizou-se levantamento quantitativo e qualitativo da arborização em um bairro popular de Amparo/SP. Foram encontrados 141 espécimes vegetais, distribuídos em 18 gêneros e 15 famílias, sendo a

Leia mais

Estão entre os primatas mais ameaçados de extinção do planeta.

Estão entre os primatas mais ameaçados de extinção do planeta. Estão entre os primatas mais ameaçados de extinção do planeta. A Mata Atlântica é uma das florestas mais ameaçadas de extinção no mundo devido ao intenso desmatamento que vem sofrendo desde a época da

Leia mais

I OBJETIVO II ABRANGÊNCIA III CONTEXTO

I OBJETIVO II ABRANGÊNCIA III CONTEXTO 1 I OBJETIVO Conservação, restauração e valorização da Mata Atlântica e de sua diversidade, especialmente a diversidade arbórea, por meio da construção e difusão do conhecimento. ABRANGÊNCIA Região com

Leia mais

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo.

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Relatório mensal JULHO/2014 Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Atividades desenvolvidas no mês: Estudo das espécies

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS: BIOMA CERRADO Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

O que é a Programação? Justificativa:

O que é a Programação? Justificativa: O que é a Programação? A Programação consiste de temas a serem abordados a cada mês com caráter de evento (pequeno, médio ou de grande porte) com duração média de até 2 semanas/mês. Mesmo com cada mês

Leia mais

A experiência do Herbário SP na produção e divulgação de imagens do acervo

A experiência do Herbário SP na produção e divulgação de imagens do acervo A experiência do Herbário SP na produção e divulgação de imagens do acervo Maria Candida Henrique Mamede Curadora de Fanerógamas Instituto de Botânica São Paulo, Brasil Instituto de Botânica Fundação:

Leia mais

Autores: Clariana Rosa; Daniela Chaves; Mariana Valiango.

Autores: Clariana Rosa; Daniela Chaves; Mariana Valiango. ECOSSISTEMA Autores: Clariana Rosa; Daniela Chaves; Mariana Valiango. Resenha dos Artigos: A degradação ambiental dos ecossistemas brasileiros; Biodiversidade x Funcionamento dos Ecossistemas: histórico,

Leia mais

Estrutura fitossociológica de uma floresta de terra firme na Amazônia Central

Estrutura fitossociológica de uma floresta de terra firme na Amazônia Central Biotupé: Meio Físico, Diversidade Biológica e Sociocultural do Baixo Rio Negro, Amazônia Central Edinaldo Nelson SANTOS-SILVA, Fábio Marques APRILE, Veridiana Vizoni SCUDELLER, Sérgio MELO (Orgs.), Editora

Leia mais

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL Wendy Carniello Ferreira 1, Marciel José Ferreira 2, Rodrigo Couto Santos 3, Danival Vieira de Freitas 4, Christiano

Leia mais

Efeitos da mudança do uso da terra sobre a biodiversidade local. Marlúcia B. Martins Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG)

Efeitos da mudança do uso da terra sobre a biodiversidade local. Marlúcia B. Martins Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) Efeitos da mudança do uso da terra sobre a biodiversidade local Marlúcia B. Martins Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) Atualmente maioria dos ecossistemas mundiais vêm sendo rapidamente destruídos dos

Leia mais

Relatório Pesquisa Vegetação

Relatório Pesquisa Vegetação Relatório Pesquisa Vegetação Projeto Casa da Virada Mata Amazônica Atlântica Desenvolvimento Local e Áreas Protegidas Belém setembro de 2013 CEP: 66053-190 Belém, Pará, Brasil F +55 91 3222 6000 peabiru@peabiru.org.br

Leia mais

Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais. Exemplo 1

Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais. Exemplo 1 Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais Exemplo 1 Política de compra responsável produtos florestais Esta organização tem compromisso com a compra responsável de produtos florestais.

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Fotos: Projeto: Horta Vertical Organização: APAE de Foz do Iguaçu Página: 1/1 1. Título do projeto ambiental participante: Projeto Horta Vertical 2. Categoria

Leia mais